Santas e Santos de 21 de abril

1. Santo An­selmo (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo e doutor da Igreja, que, ori­gi­nário de Aosta, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, foi monge e de­pois abade no mos­teiro de Bec, na Nor­mandia, re­gião da França, onde en­sinou os seus ir­mãos re­li­gi­osos a pro­gredir no ca­minho da per­feição e a pro­curar a Deus com a in­te­li­gência da fé; trans­fe­rido de­pois para a in­signe sede epis­copal de Can­tuária, na In­gla­terra, lutou va­lo­ro­sa­mente pela li­ber­dade da Igreja, su­por­tando por isso vá­rias ad­ver­si­dades e o exílio. († 1109).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santo Anselmo. Originário do Piemonte, foi atraído para a abadia de Bec-Hellouin, na Normandia, por sua famosa escola dirigida por Lanfranco. Monge e depois abade, pôs-se em busca de uma melhor inteligência da fé através do método escolástico, decisivo para o progresso da teologia. Eleito posteriormente arcebispo de Cantuária, teve o dever de lutar em favor da liberdade da Igreja, apesar de sua amizade com o rei. Morreu em 1109. (R).

– Ver págs. 133-146: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Anselmo de Cantuária, conhecido também como Anselmo de Aosta por conta de sua cidade natal e Anselmo de Bec por causa da localização de seu mosteiro, foi um monge beneditino, filósofo e prelado da Igreja que foi arcebispo de Cantuária entre 1093 e 1109. Chamado de fundador do escolasticismo, Anselmo exerceu enorme influência sobre a teologia ocidental e é famoso principalmente por ter criado o argumento ontológico para a existência de Deus e a visão da satisfação sobre a teoria da expiação.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Anselmo_de_Cantu%C3%A1ria

2.   Em Roma, a co­me­mo­ração de Santo Apo­lónio, fi­ló­sofo e mártir, que, no tempo do im­pe­rador Có­modo, pe­rante o pre­feito Pe­rénio e todo o Se­nado, fez uma cla­ri­vi­dente apo­logia da fé cristã, con­fir­mando-a de­pois, ao ser con­de­nado à morte, com o tes­te­munho do seu sangue. († 185)

3.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, Santo Aristo, pres­bí­tero e mártir. († data inc.).

– Em 12 de outubro, no VIDAS DOS SANTOS, “Em Ravenna, na estrada de Loreto, a morte de Santo Edístio, mártir. Edístio,, Hedisto, Hedesto, Aristo ou Orestes, no tempo de Nero, foi batizado por São Pedro, tendo sido morto pela fé.”, à página 160: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2018.pdf

4.   No monte Sinai, Santo Anas­tásio, he­gú­meno (Hegúmeno, hegumeno ou egúmeno é o título do responsável por um mosteiro da Igreja Ortodoxa ou das Igrejas Orientais Católicas, similar ao de abade. A responsável por um convento de freiras ortodoxas é chamada de hegúmena. O termo significa “aquele que está no comando”, “líder” em grego… https://pt.wikipedia.org/wiki/Heg%C3%BAmeno), que de­fendeu in­can­sa­vel­mente a ver­da­deira fé contra os mo­no­fi­sitas e es­creveu muitos ser­mões úteis para a sal­vação das almas. († c. 700).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no começo do séc. VIII, Santo Anastácio, monge do Monte Sinai, chamado por seus contemporâneos “o Novo Moisés”, por haver defendido ardorosamente a lei divina. (M).

– Ver “Anastácio Sinaíta ou Anastácio do Sinai foi um prolífico escritor eclesiástico, padre, monge e abade do Mosteiro de Santa Catarina no Monte Sinai… Suas principais obras incluem a Viae DuxQaestiones et ResponsionesHexaemeronHomilia i, ii, iii de creatione hominis, and the Narrationes. A Viae Dux – também chamada de Hodegos (transliteração do grego) e “Guia do caminho certo” – foi escrita em defesa do credo calcedoniano contra os ataques heréticos, principalmente dos monofisitas[3]:p. 313-4.…”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Anast%C3%A1cio_Sina%C3%ADta

5*.   No mos­teiro de Aple­cross, lo­ca­li­dade da Es­cócia, São Mel­rúbio, abade, que, sendo na­tural da Ir­landa e tor­nando-se monge em Bangor, fundou um mos­teiro de mis­si­o­ná­rios, onde, du­rante cin­quenta anos, di­fundiu a luz da fé ao povo desta região. († 722)

6*.   Em Cágli, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, o Beato João Saziári, re­li­gioso da Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco. († c. 1371)

7*.   Em Cer­vere, junto de Fos­sano, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, o Beato Bar­to­lomeu Cérvere, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, de­pois de ter com­ba­tido ar­du­a­mente pela fé ca­tó­lica, a con­firmou ao morrer tres­pas­sado pela lança. († 1466)

8.   Em Altötting, na Ba­viera, re­gião da Ale­manha, São Con­rado de Parzham (João Birn­dorfer), re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos (também na Folhinha do Coração de Jesus, Conrado de Parzão), que de­sem­pe­nhou hu­mil­de­mente o ofício de por­teiro du­rante mais de qua­renta anos, com grande ge­ne­ro­si­dade para com os po­bres e nunca des­pe­dindo algum ne­ces­si­tado sem opor­tunas pa­la­vras de con­forto cristão. († 1891).

– Ver “Conrado de Parzham, cujo nome de nascença era Johann Birndorfer, foi um santo canonizado pela Igreja Católica em 1934 pelo Papa Pio XI e que, por quarenta anos, exerceu a função de porteiro do antigo santuário de Nossa Senhora das Mercês de Altötting[1]… A história de sua vida exerceu influência na formação do então jovem Joseph Ratzinger, que sobre ele assim se expressa: “Naquele homem humilde e profundamente bondoso achávamos personificado, e levado pela fé às suas mais belas possibilidades, o que há de melhor em nosso povo. Mais tarde refleti muitas vezes sobre a curiosa coincidência de que a Igreja, no século do progresso e da crença na ciência, se achasse mais bem representada em pessoas muito simples, em Bernadete de Lourdes ou mesmo no irmão Konrad, que nem pareciam ter sido atingidos pelas correntes históricas de seu tempo. (…) seria um sinal de que também hoje a clara visão do essencial foi dada aos pequeninos, aquela visão que com tanta freqüência fica ocultada aos sábios e entendidos (cf. Mt. 11, 25)? Acho que esses santos “pequeninos” são justamente um grande sinal para o nosso tempo, um sinal que me comove, quanto mais eu vivo com e dentro dele. (Joseph Ratzinger[2])”: Conrado de Parzham – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

9.   Em No­chis­tlan, no ter­ri­tório de Gua­da­la­jara, no Mé­xico, São Romão Adame, pres­bí­tero e mártir, que du­rante a per­se­guição contra a Igreja, so­freu o mar­tírio por con­fessar a fé em Cristo Rei. († 1927)

10. No meio de séc. IV, o martírio de São Simeão, católico da Pérsia (e vários outros mártires) que recusou-se a adorar o “sol que havia se eclipsado e tomado o luto pela morte de seu criador”. “Nós cristãos,” acrescentou ele “reconhecemos apenas um único Senhor, que foi crucificado e ressuscitou gloriosamente”. (Paixão – M).

– Ver também págs. (incluindo vários outros mártires) “Nos cárceres de Sapor II havia cem cristãos aprisionados. Entre eles, bispo, sacerdote, diáconos e clérigos. Reunidos, Simeão, acompanhado do juiz, apareceu no meio deles. Disse-lhes o juiz, em voz alta: Há aqui, entre vós todos, quem consinta em adorar o sol, o grande deus? Que se adiantem que se adiantem que lhes concederemos viver livremente. Ninguém se movimentou, como se estivessem pregados ao chão. Senão quando, todos, como que impulsionados por estranha força, responderam a uma só voz, alto e bom som: Nossa fé a um só Deus verdadeiro ensina-nos a desprezar os tormentos. As espadas não nos desviarão da firme espera da ressurreição. Jamais adoraremos as vossas pretensas divindades. Começou, então, a uma ordem do juiz, a ímpia faina rnacabra dos carrascos. E os cem heróis, um a um, iam sendo friamente decapitados, enquanto Simeão, no meio deles, a grandes brados, exortava-os, com a alma em fogo, estranhamente alheio à tão desoladora cena, muito virilmente…” às páginas: 147-155: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

11. São Maximiano de Constantinopla, bispo. Ver “São Maximiano morreu sübitamente no ciia 12 de abril, numa quinta-feira santa, no ano de 434′” às págs. 157-158: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver: “Maximiano foi arcebispo de Constantinopla entre 25 de outubro de 431 até sua morte, em 12 de abril de 434.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Maximiano_de_Constantinopla

– Ver também “…Ele levou uma vida monástica e entrou em ordens presbiterais; sua ação em construir, às suas próprias custas, túmulos para os restos mortais dos homens santos havia obtido para ele uma reputação de santidade…”: https://en.wikisource.org/wiki/Dictionary_of_Christian_Biography_and_Literature_to_the_End_of_the_Sixth_Century/Maximianus,_archbp._of_Constantinople

12. Bem-aventurado Fastrade, abade e confessor. Ver “Fastrade, ou Fastrede, era natural do Hainaut… São Fastrade, falecido no ano de 1163,foi enterrado no túmulo de Alberico, em Citeaux.” às págs. 159-161: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

13. Bem-aventurado Bartolomeu Cervier de Savigliano. Ver “inquisidor, foi assassinado por hereges em 21 de abril de 1466…” as págs. 162-163: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

14. Em Alexandria, os santos mártires Arador, sacerdote, Fortunato, Félix, Sílvio (também na Folhinha do Coração de Jesus) e Vital, que morreram na prisão. Ver pág. 164: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

15. São Beuno. Festa litúrgica em 20 de abril (tradicionalmente) e 21 de abril (catolicismo). Ver página 163: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Beuno

16. Outros santos do dia 21 de abril: págs: 133-164 (vol.07):   http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 21 de abril, ver ainda:  21 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 343-345: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

20 de abril – Santo Aniceto e a data da Páscoa

SANTO ANICETO, 20 DE ABRIL E CONTROVÉRSIA SOBRE A DATA DA PÁSCOA

Em Roma, Santo Ani­ceto, papa (VER SANTAS E SANTOS DE 20 DE ABRIL), que re­cebeu fra­ter­nal­mente o hós­pede in­signe São Po­li­carpo, para di­a­logar com ele sobre o dia da Páscoa. († c.166).  Ver dia 17 de abril: em Roma, perto de 166, o martírio de Santo Aniceto (também na Folhinha do Coração de Jesus de 17 de abril), Papa. Em tempos particularmente difíceis, recebeu a visita de São Policarpo de Esmirna, que tratou com ele o estabelecimento da data da festa da Páscoa (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M). Ver 20 de abril. No Martirológio Italiano: em Roma, Santo Ani­ceto, papa, que re­cebeu fra­ter­nal­mente o hós­pede in­signe São Po­li­carpo, para di­a­logar com ele sobre o dia da Páscoa. († c.166).  Ver ainda página 31: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Aniceto (em latim, Anicetus) foi o décimo primeiro papa católico, entre 154 e 166. Pensa-se que tenha nascido em Emesa (atual Homs) na Síria. Como pontífice, Aniceto destaca-se por ter sido o primeiro papa a condenar oficialmente uma doutrina como heresia, em concreto o montanismo. Deparou-se com a heresia do Gnosticismo, o racionalismo cristão, uma supervalorização do conhecimento, onde bastava isso para a Salvação. Contou muito com a ajuda do filósofo cristão São Justino e do bispo Policarpo. Auxiliado por esses doutores, combateram esse racionalismo… Foi durante o seu pontificado que São Policarpo visitou Roma e juntos discutiram a controvérsia da Páscoa, que atormentava a unidade da Igreja na época.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Aniceto

– Sobre a Controvérsia da Páscoa (Controvérsia da Páscoa é um termo utilizado para descrever um conjunto de controvérsias relacionadas com a data apropriada para se celebrar o feriado cristão da Páscoa. Até agora, a disputa teve quatro fases distintas e ainda não está completamente resolvida.), ver: Controvérsia da Páscoa – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver ainda CÁLCULO DA PÁSCOA (de 1995 até 2032)“O cálculo da data da Páscoa, também conhecido como Computus em latim, é fundamental no calendário cristão desde os primórdios da cristandade, tornando-se definido na Idade Média.”: Cálculo da Páscoa – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

Santas e Santos de 20 de abril

1. Em Roma, Santo Ani­ceto, papa, que re­cebeu fra­ter­nal­mente o hós­pede in­signe São Po­li­carpo, para di­a­logar com ele sobre o dia da Páscoa. († c.166).  Ver dia 17 de abril: em Roma, perto de 166, o martírio de Santo Aniceto (também na Folhinha do Coração de Jesus de 17 de abril), Papa. Em tempos particularmente difíceis, recebeu a visita de São Policarpo de Esmirna, que tratou com ele o estabelecimento da data da festa da Páscoa (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M). Ver 20 de abril. No Martirológio Italiano: em Roma, Santo Ani­ceto, papa, que re­cebeu fra­ter­nal­mente o hós­pede in­signe São Po­li­carpo, para di­a­logar com ele sobre o dia da Páscoa. († c.166).  Ver ainda página 31: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Aniceto (em latim, Anicetus) foi o décimo primeiro papa católico, entre 154 e 166. Pensa-se que tenha nascido em Emesa (atual Homs) na Síria. Como pontífice, Aniceto destaca-se por ter sido o primeiro papa a condenar oficialmente uma doutrina como heresia, em concreto o montanismo”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Aniceto

2.   Também em Roma, a co­me­mo­ração dos santos Sul­pício (também na Folhinha do Coração de Jesus) e Ser­vi­ciano, már­tires, cujos corpos foram se­pul­tados na Via La­tina a três mi­lhas da cidade. ( † data inc.)

3.   Em Cór­dova, na His­pânia Bé­tica, São Se­cun­dino, mártir. († s. IV)

4.   Em Em­brun, na Gália, hoje na França, São Mar­ce­lino (também na Folhinha do Coração de Jesus), pri­meiro bispo desta ci­dade, que, tendo vindo da África, con­verteu à fé de Cristo a maior parte desta re­gião dos Alpes Ma­rí­timos e foi or­de­nado para esta sede epis­copal por Santo Eu­sébio de Vercelas. († c.374). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 374, São Marcelino. Originário da África, chegou ao sul da Gália, que converteu à fé cristã. Foi o primeiro bispo de Embrun (M). Ver páginas 118-121: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

5.   Em Au­xerre, na Gália Li­o­nense, também na ac­tual França, São Mar­ciano, monge. († c. 488)

6.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Te­o­doro, que, cha­mado Tri­quinas por causa do ás­pero ci­lício de crinas que usava sempre, levou uma vida de grande vir­tude na solidão. († s. V). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V, perto de Constantinopla, São Teodoro, monge (M).

– Ver: https://comeceodiafeliz.com.br/santo/sao-teodoro

7.   Em An­ti­o­quia, na Síria, hoje An­takya, na Tur­quia, Santo Anas­tásio, bispo e mártir, que, no tempo do im­pe­rador Focas, foi cru­el­mente as­sa­si­nado por sicários. († 609)

8*.   No ter­ri­tório de Lau­rino, perto de Paéstum, na Cam­pânia, re­gião da Itália, Santa He­liena (Eliena), virgem, que, fir­me­mente ani­mada pelas obras de Cristo, re­ti­rando-se para um lugar de­serto, se con­sa­grou total e in­can­sa­vel­mente a Deus no ser­viço dos re­li­gi­osos e dos enfermos. († s. VII). Ver páginas 130-131: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

9*.   Em Os­nabrück, na Sa­xónia, na ac­tual Ale­manha, São Vião, bispo, na­tural da Frísia, que foi en­viado como abade pelo im­pe­rador Carlos Magno para evan­ge­lizar os Sa­xões e de­pois, eleito bispo da Igreja de Os­na­bruck, su­portou por Cristo muitas tribulações. († 804)

10*.   No mos­teiro de Châ­te­liers, no ter­ri­tório de Poi­tiers, re­gião da França, o Beato Ge­raldo (Gerardo) de Sales, que, vi­vendo pobre como có­nego re­grante e mais pobre ainda como ere­mita e en­tregue a ár­duas pe­ni­tên­cias, a muitos in­flamou no amor de Deus, atraindo-os à vida ere­mí­tica, e fundou nu­me­rosas casas de có­negos regrantes. († 1120)

11*.   Em Pisa, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, o Beato Do­mingos Vernagálli, pres­bí­tero da Ordem Ca­mal­du­lense, que cons­truiu um hos­pício para órfãos. († 1218)

12.   Em Mon­te­pul­ciano, também na Etrúria e hoje na Tos­cana, Santa Inês, virgem, que aos nove anos tomou as vestes das vir­gens sa­gradas e ainda com quinze anos foi eleita, contra a sua von­tade, su­pe­riora das monjas de Pro­ceno; de­pois fundou um mos­teiro em Mon­te­pul­ciano se­gundo a ob­ser­vância de São Do­mingos, onde deu exemplo ad­mi­rável de ver­da­deira humildade. († 1317). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Itália, no séc. XIV, Santa Inês, dominicana, que soube harmonizar, na renúncia, ação e contemplação (X e M). Ver páginas 109-110: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Inês de MontepulcianoO.P., (em italianoAgnes; 1268–1317) foi uma prioresa dominicana na Toscana medieval muito conhecida na época por realizar milagres ainda em vida. Ela é considerada santa pela Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/In%C3%AAs_de_Montepulciano

13*.   Em Bo­lonha, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, o Beato Simão de Tódi Rinaldúcci, pres­bí­tero da Ordem dos Ere­mitas de Santo Agos­tinho, que ins­truiu os jo­vens es­tu­dantes e o povo de Deus com a pa­lavra da sua pre­gação e o exemplo da sua vida. († 1322)

14*.   Em Len­castre, na In­gla­terra, os be­atos Jaime Bell e João Finch, már­tires: o pri­meiro, pres­bí­tero, de­pois de ter pas­sado vinte anos noutra con­fissão, ori­en­tado pela exor­tação de uma pi­e­dosa mu­lher re­con­ci­liou-se com a Igreja ca­tó­lica; o se­gundo, pai de fa­mília, agri­cultor e ca­te­quista, pela sua fé su­portou du­rante muitos anos o cár­cere, a fome e ou­tros tor­mentos; no rei­nado de Isabel I, ambos al­can­çaram ao mesmo tempo a fe­li­ci­dade eterna. († 1584)

15*.   Em Lon­dres, também na In­gla­terra, os be­atos Ri­cardo Sargeant e Gui­lherme Thomson, pres­bí­teros e már­tires, que, con­de­nados à morte por terem en­trado como sa­cer­dotes na In­gla­terra e aí per­ma­ne­cerem, pa­de­ceram no pa­tí­bulo de Ty­burn o ex­tremo suplício. († 1584)

16*.   Em Clonmel, na Ir­landa, o Beato Mau­rício MacKenraghty, pres­bí­tero e mártir, que, de­pois de dois anos de ca­ti­veiro, re­cu­sando sempre a au­to­ri­dade da rainha Isabel I nos as­suntos es­pi­ri­tuais, foi con­de­nado ao su­plício do patíbulo. († 1585)

17*.   Em York, na In­gla­terra, o Beato An­tónio Page, pres­bí­tero e mártir, homem pa­cí­fico e hon­rado, que foi con­de­nado a cruéis tor­turas em ódio ao sacerdócio. († 1593)

18*.   Em Lon­dres, também na In­gla­terra, os be­atos Fran­cisco Page, da Com­pa­nhia de Jesus, e Ro­berto Watkinson, pres­bí­teros e már­tires, que, no rei­nado de Isabel I, em ódio ao sa­cer­dócio – o se­gundo or­de­nado pres­bí­tero apenas um mês antes – foram ambos obri­gados a subir si­mul­ta­ne­a­mente ao pa­tí­bulo de Tyburn. († 1602)

19*.   Em Pi­a­nello, junto ao lago Como, na Itália, a Beata Clara Bos­satta (Dina Bos­satta), virgem, que, com o au­xílio de São Luís Gua­nella, fundou o Ins­ti­tuto das Fi­lhas de Santa Maria da Providência. († 1887)

20*.   No per­curso do campo de con­cen­tração de Da­chau para Hutheim, lo­ca­li­dade pró­xima de Linz, na Áus­tria, o Beato Anas­tásio Pankiewicz, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores e mártir, que, contra um re­gime opressor da dig­ni­dade cristã, deu tes­te­munho da sua fé até à morte. († 1942)

21. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, pela mesma época – séc. V – São Teotimo. Nascido pagão, tornou-se especialmente célebre por seus conhecimentos de filosofia grega, dando realce a esta ciência por uma rigorosa prática do cristianismo. Mais tarde tornou-se bispo de Cítia (M). – Ver São Teótimo, o filósofo,São Teótimo foi grande amigo de São João Crisóstomo, ao qual apoiou corajosamente quando Teófilo de Alexandria e outros se lhe opunham. Ignora-se quando o santo bispo faleceu, mesmo se sobreviveu ao amigo…” às páginas 122-123: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf 

22. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, na Bélgica, a Bem-Aventurada Oda. Ver “..o fim da vida, chegou em 1158, no dia 20 de abril…”  às páginas: 126-130: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

23. Santa Hildegonda ou Irmão José. Ver “Santa Hildegonda, conhecida como Irmão José, teve uma vida interessante e aventuresca. O pai, que com ela foi cumprir uma promessa em Jerusalém, cortou-lhe os longos cabelos, vestiu-a de homem e deu-lhe o nome de José, para maior segurança durante a viagem, naturalmente contando com eventuais importunidades… Irmão José faleceu no dia 20 de abril de 1188. Na ata de falecimento, o abade conservou-lhe o nome masculino de José, acrescentando essas palavras: servo de Deus.” às páginas 111-117: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver HISTÓRIA DE SANTA HILDEGONDA (4 PARTES):

a. https://maringa.arautos.org/2014/08/a-historia-de-santa-hildegonda-a-obediencia-e-a-guarda-da-inocencia/

b. https://maringa.arautos.org/2014/08/a-historia-de-santa-hildegonda-a-obediencia-e-a-guarda-da-inocencia-parte-ii/

c. https://maringa.arautos.org/2014/08/a-historia-de-santa-hildegonda-a-obediencia-e-a-guarda-da-inocencia-parte-iii/

d. “Desse modo, dia 20 de Abril de 1188 – dia desta santa – na Festa da ressurreição do Senhor, sua heroica e inocente alma estava pronta para sua última viagem … e subiu com os coros dos anjos aos Céus para as eternas aventuras e venturas de contemplar a um Deus Infinito e a sua Mãe Santíssima, nesta outra vida que, para nós, é um mistério maravilhoso.”: https://maringa.arautos.org/2014/09/a-historia-de-santa-hildegonda-a-obediencia-e-a-guarda-da-inocencia-parte-iv/

24. Bem-Aventurado Hugo de Anzy, confessor. Ver “… Quando achou que devia abandonar toda ocupação exterior e só se ocupar com os preparativos para uma boa morte, trancou-se na cela e ali ficou até o dia em que o Senhor o chamou, Era 20 de abril do ano de 925…” às páginas 124-125: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

25. Santo Antonino. Na Folhinha do Coração de Jesus. Conforme o Martirológio Ed. Permanência, na Nicomédia, os santos mártires Vítor, Zótico, Zenon, Acindino, Cesáreo, Severiano, Cristóvão, Teonas e ANTONINO, os quais, convertidos a Cristo, pelos martírio e milagres de São Jorge, em tempo do imperador Diocleciano, e tentados de vários modos, foram martirizados pela intrépida confissão da fé.

26. São Beuno. Festa litúrgica em 20 de abril (tradicionalmente) e 21 de abril (catolicismo). Ver página 163: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf.

Ver também “São Beuno (em latim: Bonus;[1] m. 640), algumas vezes anglicizado como Bono, foi um abade galês do século VII, confessor, e santoBaring-Gould atribui a São Beuno, a data de falecimento como sendo 21 de abril de 640,[1] fazendo esta data seu dia festivo tradicional. No atual calendário litúrgico católico do País de Gales,[2] ele é comemorado em 20 de abril, o dia 21 foi designado por São Anselmo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Beuno

27. Outros santos do dia 20 de abril: págs: 109-132 (vol.07):   http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 20 de abril, ver ainda:  20 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 340-343: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/ 

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 19 de abril

1.   Na África Pro­con­sular, São Ma­pá­lico, mártir, que, du­rante a per­se­guição do im­pe­rador Décio, mo­vido pela pi­e­dade fa­mi­liar, re­co­mendou que à sua mãe e à sua irmã, im­pe­lidas sob tor­tura à apos­tasia, fosse con­ce­dida a paz ecle­siás­tica, en­quanto ele foi le­vado ao tri­bunal e co­roado com o mar­tírio. A ele se as­socia a me­mória de muitos ou­tros santos már­tires, que deram tes­te­munho da sua fé em Cristo, entre os quais Basso na pe­dreira, For­túnio no cár­cere, Paulo no tri­bunal, For­tu­nata, Vi­to­rino, Vítor, He­rémio, Cré­dula, He­reda, Do­nato, Firmo, Ve­nusto, Fruto, Júlia, Mar­cial e Aristão, todos eles mortos de fome no cárcere. († 250)

2.   Na an­tiga Pérsia, Santa Marta, virgem e mártir, que, no tempo do rei Sapor II, so­freu o mar­tírio no dia se­guinte ao as­sas­sínio do seu pai Pu­sício, no dia da Res­sur­reição do Senhor. († 341)

3.   Em An­ti­o­quia da Pi­sídia, na ac­tual Tur­quia, São Jorge, bispo, que morreu no exílio por de­fender o culto das sa­gradas imagens. († 818)

4*.   Em Fri­esen, lo­ca­li­dade dos Alpes da Ba­viera, na ac­tual Ale­manha, São Ge­roldo, ere­mita, que, se­gundo a tra­dição, viveu em re­gime de ri­go­rosa pe­ni­tência na re­gião de Voralberg. († c. 978)

5.   Na margem do Ta­misa, junto de Gre­enwich, na In­gla­terra, a paixão de Santo El­fego, bispo de Can­tuária e mártir, que, du­rante a de­vas­tação san­grenta dos Di­na­mar­queses na ci­dade, se ofe­receu a si mesmo para poupar o seu povo e, re­cu­sando ser res­ga­tado por di­nheiro, foi cru­el­mente fe­rido com ossos de ani­mais e fi­nal­mente degolado. († 1012). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cantuária, Santo Elfego, bispo, que no momento da invasão dos vikings tentou socorrer a população e pacificar os invasores. (M).

Santo Alfego: ver “Prêso, foi morto como Santo Estêvão, o primeiro mártir: a pedradas, no dia 19 de abril de 1012…” págs. 97-99: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também Santo Alfege da Cantuária. Ver “Alfege ou Ælfheah (em inglês antigoÆlfhēah, “elf-high”; WestonSomerset, 954 – Greenwich, 19 de abril de 1012), oficialmente lembrado pelo nome Alphege por algumas igrejas,[2][4] e também chamado de ElphegeGoduíno ou Godwine, foi um Bispo de Winchester anglo-saxão, depois Arcebispo da Cantuária. Tornou-se um anacoreta antes de ser eleito abade da Abadia de Bath. Sua notada piedade e santidade levaram à sua promoção para o episcopado, e, posteriormente, para seu arcebispado. Alfege promoveu o culto a Dunstano e também encorajou o aprendizado. Foi capturado pelos invasores viquingues em 1011 e morto por eles no ano seguinte após recusar que fosse pago um resgate por ele. Alfege foi canonizado como santo em 1078. Tomás Becket, arcebispo da Cantuária, mais tarde, orou por ele pouco antes de seu próprio assassinato na Catedral de Cantuária.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Alfege_da_Cantu%C3%A1ria

6.   Em Roma, junto de São Pedro, São Leão IX, papa, que, de­pois de de­fender va­lo­ro­sa­mente a Igreja como bispo de Toul du­rante vinte e cinco anos, foi eleito para a sede ro­mana, onde, em cinco anos, con­vocou vá­rios sí­nodos para re­formar a vida do clero e ex­tin­guir a simonia. († 1054). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1054, São Leão IX. Bispo de Toul, de origem alsaciana, foi elevado ao Sumo Pontificado pela dieta de Worms em 1049, e depois confirmado pelo clero e pelo povo romano. Esforçou-se com sucesso para reanimar a vida da Igreja Latina, mas sofreu a dor de ver consumar-se o cisma entre o Oriente e o Ocidente. Os anátemas recíprocos lançados naquela ocasião foram suspensos em 7 de dezembro de 1965 pelo Papa Paulo VI e pelo Patriarca Atenágoras, abrindo assim o caminho para a unificação. (M). Ver págs. 71-91: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Papa Leão IX, nascido Bruno de Eguisheim-Dagsbourg (EguisheimAlsácia21 de junho de 1002– 19 de abril de 1054Roma), foi papa de 12 de fevereiro de 1049 até a data de sua morte. Foi o 152º sucessor de são Pedro. Foi principalmente um papa viajante, trabalhando pela paz na Europa.[1][2][3]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Le%C3%A3o_IX

7*.   No mos­teiro de Saint-Bertin, no ter­ri­tório de The­rou­anne, na França, o pas­sa­mento de São Ber­nardo Penitente, que, para ex­piar com ri­go­rosa pe­ni­tência os pe­cados da ju­ven­tude, de­cidiu partir para o exílio e, des­calço, com vestes de feltro e con­ten­tando-se com parco ali­mento, se­guiu in­can­sa­vel­mente em pe­re­gri­nação para a Terra Santa. († 1182)

– Ver págs. 100-102: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

8.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o beato mártir Jaime Dukett, homem ca­sado, que, de­nun­ciado por vender na sua li­vraria li­vros ca­tó­licos, es­teve preso du­rante nove anos e foi en­for­cado no rei­nado de Isabel I, jun­ta­mente com o seu de­nun­ci­ante, a quem, prestes a morrer, in­citou a aceitar a morte pela fé católica. († 1602)

9. Santo Expedito. Lembrado em 19 de abril, “…Em Melitina, na Armênia, os santos mártir Hemógenes, Caio, EXPEDITO (também na Folhinha do Coração de Jesus) Aristônico, Rufo e Gálata (também na Folhinha do Coração de Jesus)todos coroados no mesmo dia”. Ver página 108: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf 

– Ver também “Santo Expedito foi possivelmente um cristão martirizado no século IV em Melitene, na Armênia. Nada se sabe sobre sua vida nem onde foi sepultado, e muitos pesquisadores questionam se ele de fato existiu. Contudo, formou-se um folclore ao seu redor e ele é objeto de grande devoção popular em muitos países como o santo das causas urgentes,[1][2][3] às vezes em sincretismo com figuras de outros credos.[4”:

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Expedito_de_Melitene

– Ver “Expeditus (morto em 303) também conhecido como Expedite, foi dito ter sido um centurião romano na Armênia que foi martirizado por volta de abril de 303 no que é hoje a Turquia, por se converter ao cristianismo. Considerado o santo padroeiro dos casos rápidos, ele é comemorado pela Igreja Católica em 19 de abril.”: Expeditus – Wikipedia

10. São Vicente de Colioro, mártir. Ver “…O corpo de São Vicente foi cuidadosamente conservado em Colioro ae o século XVII. Há uma tradição que diz que um soldado espanhol, quando do cêrco de 1642, levou-lhe as relíquias para Cancavella.” às págs. 92-93: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

11. Santo Ursimer, Abade-Bispo e Confessor. Ver “O santo abade-bispo foi sempre muito venerado. O seu culto perpetua-se entre as populações da velha província de Hainaut, para onde lhe transferiram as relíquias no ano de 1409, e em Aisne.” às págs. 94-96: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

12. Bem-Aventurado Werner, menino mártir. Ver “Werner nasceu em 1273, na aldeia de Wam- menrat, distante algumas milhas de Bacherach… Em 1428 levantaram-lhe magnífica igreja, e os vinhateiros da região tornaram-no como padroeiro’” às págs. 103-104: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

13. Bem-Aventurado Conrado de Áscoli. Ver “Conrado nasceu em Ascoli, na Marca de Ancona, numa família ilustre, em 1234… No dia 19 de abril de 1289, então em Ascoli, faleceu. Em 137, encontrado o corpo Ascoli sem qualquer corrupção, para a nova rgreja do convento O culto que se lhe rendia já de vou-o o papa Pio VL natal, teve magnífica sepul[1]o santo padre Nicolau IV, ao cardinalato, sentiu-lhe a de Conrado de transladârâÍrI-rro Iranciscano. longa data, a” às págs. 105-106: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

14. Na Armênia, no séc. IV, o martírio de São Caio e seus companheiros (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M).

15. No mesmo dia os santos mártires Sócrates (também na Folhinha do Coração de Jesus) e Dionísio, varados com lanças. Ver pág. 108: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

16. Outros santos do dia 19 de abril: págs: 71-108 (vol.07):   http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 19 de abril, ver ainda:  19 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 338-339: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 18 de abril

1.   Em Me­li­tene, na an­tiga Ar­ménia, hoje na Tur­quia, os santos Her­mó­genes e El­pídio, mártires. († data inc.)

2.   Na Pérsia, ac­tu­al­mente no Iraque, São Pu­sício, mártir, que, sendo su­pe­rin­ten­dente dos ar­te­sãos do rei Sapor II, por ter en­co­ra­jado o pres­bí­tero Ana­nias que pa­recia he­sitar, foi tres­pas­sado no pes­coço e morreu no Sá­bado Santo, al­can­çando um lugar in­signe entre a mul­tidão dos már­tires tru­ci­dados de­pois de São Simeão. († 341)

3*.   Em Fano, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, Santo Eu­sébio, bispo, que acom­pa­nhou o papa São João I, en­viado pelo rei Te­o­do­rico a Cons­tan­ti­nopla, se­guindo-o também, de­pois do re­gressso, no cár­cere em que foram encerrados. († c. 526)

4*.   Em Leighlin, na Ir­landa, São La­riano ou Mo­lássio, abade, que di­fundiu pa­ci­fi­ca­mente na ilha a ce­le­bração da Páscoa se­gundo o cos­tume romano. († 638)

5.   No ce­nóbio de Lobbes, no Hai­naut, hoje na Bél­gica, Santo Us­maro (Ursmaro), bispo e abade, que pro­pagou a regra de São Bento e con­duziu o povo da re­gião à fé cristã. († 713)

6.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, Santa An­tusa, virgem, filha do im­pe­rador Cons­tan­tino Co­pró­nimo, que em­pregou todos os seus bens para ajudar os po­bres, re­dimir os es­cravos, res­taurar igrejas e cons­truir mos­teiros, e re­cebeu do bispo São Ta­rásio o há­bito religioso. († fin. s. VIII)

7.   Na ilha Egina, na Grécia, Santa Ata­násia, viúva, de­pois ere­mita e he­gú­mena, ilustre pela sua ob­ser­vância da dis­ci­plina mo­nás­tica e grandes virtudes. († s. IX)

8.   Também na ilha Egina, São João Isauro, monge, que foi dis­cí­pulo de São Gre­gório De­ca­po­lita e, no tempo do im­pe­rador Leão o Ar­ménio, com­bateu va­lo­ro­sa­mente em de­fesa das sa­gradas imagens. († d. 842)

9.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, São Per­feito, pres­bí­tero e mártir, que, por ter com­ba­tido a dou­trina de Maomé e pro­fes­sado fir­me­mente a fé em Cristo, foi en­cer­rado no cár­cere e de­pois pas­sado ao fio da es­pada pelos Mouros. († 850). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, no séc. IX, São Perfeito, sacerdote, martirizado por ter explicado publicamente “aquilo que a Igreja ensina publicamente sobre a divindade de Cristo e seu ofício de Redentor do gênero humano” (M). Ver também páginas 54-55: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

10*.   Em Bruges, na Flan­dres, ac­tu­al­mente na Bél­gica, o beato Ides­baldo, abade, que, de­pois de ter fi­cado viúvo e ter exer­cido fun­ções no pa­lácio condal du­rante trinta anos, in­gressou no mos­teiro de Dune, que di­rigiu san­ta­mente como ter­ceiro abade du­rante doze anos. († 1167)

11.   Em Milão, na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Gal­dino (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que tra­ba­lhou di­li­gen­te­mente para res­taurar a ci­dade de­vas­tada pela guerra e, de­pois de uma pre­gação contra os he­reges, en­tregou o es­pí­rito a Deus. († 1176). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1116 (pode ter havido erro de digitação. A data é 1176), São Galdino, eleito bispo a serviço da Igreja de Milão (M). Ver páginas 58-60: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Saint Galdino della Sala (18 de abril de 1176 ) São Galdinus (Milão),foi um santo católico de Milão, no norte da Itália. Ele foi cardeal elevado em 1165 e também serviu como arcebispo de Milão de 1166 até sua morte em 1176. [1] Ele foi um firme apoiador tanto do Papa Alexandre III, e de Milão e seus vizinhos na Lombardia , em suas lutas conjuntas e paralelas contra o Antipapa Victor IV, apoiado pelo Sacro Imperador Romano-Germânico Frederico I Barbarossa.”: https://en.wikipedia.org/wiki/Galdino_della_Sala

12*.   Em Mon­te­reale, nos Abruzos, re­gião da Itália, o Beato André, pres­bí­tero da Ordem dos Ere­mitas de Santo Agos­tinho, que se de­dicou à pre­gação na Itália e na França. († 1479)

13*.   Em Gandia, ci­dade da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, o Beato André Hibernon, re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores, que, tendo sido na sua ju­ven­tude es­po­liado de todo os bens pelos la­drões, cul­tivou de modo ad­mi­rável a pobreza. († 1602)

– Ver também: Bem-Aventurado André Hibernon, confessor. Ver “…Quatro anos antes da morte, soube do dia e da hora em que deixaria a terra, para ir gozar do céu. E, quando aquêle momento chegou, era de ver o júbilo que do bem-aventurado André se apossou…” às págs. 63-66: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

14*.   Em Pon­toise, pró­ximo de Paris, na França, a Beata Maria da Encarnação (Bár­bara Avrillot), exem­plar mãe de fa­mília e mu­lher de ad­mi­rável pi­e­dade (também na Folhinha do Coração de Jesus ), que in­tro­duziu o Car­melo na França e fundou cinco mos­teiros, até que, após a morte do es­poso, ela pró­pria pro­fessou a vida religiosa. († 1618). Ver também “… Maria da Encarnação foi beatificada no dia 29 de maio de 1791, pelo papa Pio VI, e canonizada em seguida. Suas relíquias, escapadas, felizmente, à profanação durante a revolução francesa, foram solenemente reintegradas, em 1822. na capela das carmelitas de Pontoise.” às págs. 34-44: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

15*.   Em An­gers, na França, o Beato José Moreau, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, foi de­go­lado em ódio à fé cristã na Sexta-Feira da Paixão do Senhor. († 1794)

16♦.   Em Ve­neza, ci­dade da Itália, Beato Lucas Passi, pres­bí­tero e fun­dador da Con­gre­gação das Irmãs Mesras de Santa Doroteia. († 1866)

17*.   Em Sena, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Sa­bina Pe­trílli, virgem, que fundou a Con­gre­gação das Irmãs de Santa Ca­ta­rina de Sena, para so­correr as jo­vens in­di­gentes e os po­bres mais necessitados. († 1923). Ver “Beata Savina Petrilli ou Savina Petrilli (Siena29 de agosto de 1851 — Siena, 18 de abril de 1923) foi uma beata católica italiana que fundou, no seu país, a Congregação das Irmãs dos Pobres de Santa Catarina de Siena… O Papa João Paulo II proclamou-a beata em 24 de abril de 1988, na Praça de São Pedro (Roma).

Sua festa é celebrada no dia 18 de abril.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Savina_Petrilli

18*.   Em Maj­danek, lo­ca­li­dade pró­xima de Lu­blin, na Po­lónia, o Beato Ro­mano Ar­chu­towski, pres­bí­tero e mártir, que, por causa da fé cristã, foi en­cer­rado no cár­cere pelos sol­dados es­tran­geiros e, exausto pela fome e pela en­fer­mi­dade, al­cançou a glória eterna. († 1943)

19. No séc. II, Santo Apolônio, patrício romano. Tendo recebido ordens para explicar sua fé, redigiu uma argumentação que leu diante do Senado. Durante seu processo ele afirmou “oferecer ao verdadeiro Deus, como todo cristão, um sacrifício espiritual, e rezar todos os dias ao Deus do céu pelo imperador que reina na terra somente por efeito da vontade divina” (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M). Ver também págs. 45-51: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Santo Apolônio (português brasileiro) ou Santo Apolónio (português europeu)o Apologista ou Santo Apolônio de Roma foi um mártir cristão e um apologista (não deve ser confundido Apolinário Cláudio, que foi um apologista contemporâneo), que foi martirizado em 185 dC sob o imperador romano Cômodo (161-192 dC).”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Apol%C3%B4nio_de_Roma

20. Santa Aya e Santo Hidulfo. Ver “Aya era filha do conde de Ardennes, Brunulfo, e espôsa de Hidulfo, filho dum outro Brunulfo. Aya e Hidulfo viveram na continência, consagrados a Deus… Aya faleceu em Chateaulieu, ao lado da tia, Santa Valtrudes, no mesmo ano, supõe-se, que o marido… No dia 6 de julho de 1314 o bispo Pedro de Mirepoix estabeleceu-lhe a festa que se celebra a 18 de abril.” às páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Pouco se sabe sobre o início da vida de Aye ou data de nascimento, mas as fontes disponíveis afirmam que ela era filha de Brunulph, conde d’Arennes e parente de Saint Waldetrudis . [1] Ela foi casada com Santo Hidulf de Hainault até que ambos decidiram entrar na vida religiosa, após o que eles se separaram. [4]”: https://en.wikipedia.org/wiki/Saint_Aye

21.  São Jubino, bispo e confessor. Ver “Jubino, ou Gebuíno, era filho do conde de Dijon, Hugo, o Terceiro. Arcediago de Langres, (m Arcediago ou Arquidiácono (do gregoarchidiákonos) é um vigário-geral encarregado, pelo bispo, da administração de uma parte da diocese. Na hierarquia da Igreja, o arcediago está acima dos clérigos e abaixo do bispo. O termo é geralmente referido a um dignitário de um cabido (conjunto de cónegoshttps://pt.wikipedia.org/wiki/Arcediago), Jubino, em 1077, era arcebispo de Lião, em substituição de Humberto, deposto como simoníaco…” às páginas 56-57: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

22. Bem-Aventurado Tiago de Oldo, confessor. Ver “Em 1404, faleceu, e o seu confessor, irmão Bassiano Dardalão, sepultou-lhe o corpo no oratório de São Juliano, onde, sete anos depois, foi encontrado perfeitamente incorrupto…” às págs. 61-62: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

23. Bem-aventurado Francisco Régis Clet, Lazarista e Mártir. Ver “…Prêso no dia 6 de junho de 1819, perto de Hougan-fou, Francisco Regis foi interrogado e, em seguida, torturado. Conduzido a Ou-tchand-fou, onde seria julgado, viajou durante vinte dias, vinte dias de cruéis torturas infligidas por soldados grosseiros, desalmados e todo-poderosos. Francisco Regis Clet foi condenado a ser estrangulado. Sancionada a sentença pelo imperador, cumpriu-se o martírio a 18 de abril de 1820… Em 1900, Leão XIII beatificou-o” às págs. 67-68: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

24. Em Bréscia, São Calócero, mártir, o qual, convertido a Cristo por São Faustino (também na Folhinha do Coração de Jesus) e Jovita, terminou gloriosamente seu combate pela fé, em tempo do imperador Adriano (Conforme Martirológio, Ed. Permanência).

25. No Cristianismo Ortodoxo, São Cirilo VI de Constantinopla. Ver “Cirilo VI de Constantinopla (em grego: Κύριλλος ΣΤ΄; 17691821 (52 anos)), cujo nome leigo era Konstantinos Serpetzoglou (Κωνσταντίνος Σερπεντζόγλου), foi patriarca ecumênico de Constantinopla entre 1813 e 1818… Cirilo foi reconhecido como santo em 1993 pelo Santo Sínodo da Igreja da Grécia e ele é comemorado em 18 de abril.”: Cirilo VI de Constantinopla – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

26. Outros santos do dia 18 de abril: págs: 34-70 (vol.07):   http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 18 de abril, ver ainda:  18 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 335-337: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 17 de abril

1.   Em Me­li­tene, na an­tiga Ar­ménia, hoje na Tur­quia, os santos már­tires Pedro, diá­cono e Her­mó­genes (também na Folhinha do Coração de Jesus) seu auxiliar. († c. s. IV)

2.   Na an­tiga Pérsia, a paixão de São Si­meão bar Sabas, bispo de Se­lêucia e de Cte­si­fonte, que, preso e car­re­gado de ca­deias por ordem de Sapor II rei da Pérsia, por ter re­cu­sado adorar o sol e dar tes­te­munho livre e fir­me­mente da sua fé em Jesus Cristo, foi pri­mei­ra­mente en­car­ce­rado e me­tido num es­treito ca­la­boiço, onde per­ma­neceu du­rante algum tempo com mais de cem companheiros, entre os quais es­tavam bispos, pres­bí­teros e clé­rigos de ou­tras or­dens ecle­siás­ticas; de­pois, numa Sexta-Feira da Paixão do Se­nhor, todos os com­pa­nheiros de Si­meão foram de­go­lados na sua pre­sença, en­quanto ele exor­tava ar­den­te­mente cada um deles, sendo por fim também ele degolado. († 341)

3.   Co­me­moram-se também muitos mártires, que, de­pois da morte de São Si­meão, em toda a Pérsia foram de­go­lados pelo nome de Cristo no tempo do mesmo rei Sapor, entre os quais Santo Us­ta­zades, eu­nuco da corte real, que tinha sido pre­ceptor do rei Sapor e, no pri­meiro ím­peto da per­se­guição, so­freu o mar­tírio no pa­lácio de Ar­ta­xerxes, irmão do pró­prio Sapor, na pro­víncia de Adi­a­bena, no ac­tual Iraque. († 341)

4.   Em Tor­tona, na Li­gúria, hoje no Pi­e­monte, re­gião da Itália, Santo Ino­cêncio, bispo. († s. IV)

5.   Em Me­li­tene, na an­tiga Ar­ménia, hoje na Tur­quia, Santo Acácio, bispo, que no Con­cílio de Éfeso de­fendeu a recta fé contra Nes­tório e de­pois foi in­jus­ta­mente de­posto da sua sede episcopal. († c. 435)

6.   Em Vi­enne, na Bor­gonha, na ac­tual França, Santo Pan­tá­gato, bispo. († 540)

7*.   Na ilha de Eigg,   Hé­bridas, ao largo da Es­cócia, os santos Do­nano, abade, e cin­quenta e dois companheiros monges, que foram as­sas­si­nados pelos pi­ratas, quei­mados na fo­gueira ou pas­sados ao fio da es­pada quando ce­le­bravam a so­le­ni­dade da Páscoa. († 617)

8.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da His­pânia, os santos már­tires Elias, pres­bí­tero já de avan­çada idade, Paulo e Isi­doro, monges ainda jo­vens, que du­rante a per­se­guição dos Mouros foram mortos por pro­fes­sarem a fé cristã. († 856). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, no ano da graça de 856, os Santos Elias, sacerdote, e Isidoro, monge, que foram condenados à morte ao confessarem sua fé cristã diante do Islamismo (M)

9.   No mos­teiro de Chaise-Dieu, junto de Cler­mont-Fer­rand, na França, São Ro­berto (também na Folhinha do Coração de Jesus), abade, que no lugar de­serto onde ha­bi­tava so­li­tário reuniu vá­rios ir­mãos e con­quistou um grande nú­mero de pes­soas para o Se­nhor pela pa­lavra da sua pre­gação e pelo exemplo da sua vida. († 1067). Ver também páginas 17-20: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver: Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 15 de abril, no ano do Senhor de 1067, São Roberto, fundador e primeiro abade de Chaise-Dieu, na Auvergne, mosteiro que prosperou rapidamente sob a direção de seus nove primeiros abades, todos canonizados, e que se tornou a casa mãe de uma nova e vasta congregação. (M).

10. No mos­teiro de Mo­lesmes, na França, São Ro­berto (ver dias 26 de janeiro, 17 de abril e 29 de abril), abade, que, pro­cu­rando pra­ticar a vida mo­nás­tica de ob­ser­vância mais sim­ples e aus­tera, foi in­can­sável fun­dador e di­rector de ce­nó­bios, bem como di­rector de ere­mitas e in­signe res­tau­rador da dis­ci­plina mo­nás­tica, e fundou o mos­teiro de Cister, do qual foi o pri­meiro abade; fi­nal­mente re­gressou como abade ao mos­teiro de Mo­lesmes, onde des­cansou em paz. († 1111). Ver páginas 351-355: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver: https://caminhocisterciense.com/2018/01/26/os-fundadores-de-cister-i-s-roberto-de-molesmes/

– Ver ainda: http://users.skynet.be/am012324/scriptorium/fundadores/roberto.htm

– Ver também: https://en.wikipedia.org/wiki/Robert_of_Molesme

* Em Cister, na Bor­gonha, na ac­tual França, Santo Al­be­rico, abade, foi um dos pri­meiros monges vindos de Mo­lesmes para o novo mos­teiro, que de­pois, eleito seu abade, o di­rigiu com sumo ardor e pru­dência, en­si­nando e dando exemplo de per­feita vida mo­nás­tica, com ver­da­deiro amor à Regra e aos irmãos. († 1109). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no início do séc. XII o nascimento no céu dos santos abades fundadores de Cister. A São Roberto de Molesme se deve essa orientação mais despojada do monaquismo beneditino, para a qual Santo Alberico elaborou as primeiras Instituições. Santo Estevão Harding, finalmente, garantiu o definitivo brilho da Ordem Cisterciense redigindo a Carta de Caridade e fundando as primeiras grandes casas dependentes de Cister. (B). Ver Santo Alberico na página 197: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf – Ver Ordem de Cister: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ordem_de_Cister

https://caminhocisterciense.com/2018/01/31/os-fundadores-de-cister-iii-s-estevao-harding/

11*.   Em Pe­rúgia, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Tiago de Cerqueto, pres­bí­tero da Ordem dos Ere­mitas de Santo Agos­tinho, que deu exemplo de se­rena acei­tação da enfermidade. († 1367)

12*.   Em Pisa, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Clara Gam­ba­córti, que, tendo fi­cado viúva ainda jovem, ani­mada por Santa Ca­ta­rina de Sena aqui fundou o pri­meiro mos­teiro do­mi­ni­cano de es­tricta ob­ser­vância e, per­do­ando aos as­sas­sinos de seu pai e seus ir­mãos, ori­entou as irmãs com grande pru­dência e caridade. († 1419)

13*.   Em Ma­drid, na Es­panha, a Beata Ma­riana de Jesus (Ma­riana Na­varro de Gue­vara), virgem, que, ven­cendo a opo­sição do pai, tomou o há­bito da Ordem de Nossa Se­nhora das Mercês e ofe­receu as suas ora­ções e pe­ni­tên­cias es­pe­ci­al­mente pelos mais ne­ces­si­tados e aflitos. († 1624)

14*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Paulo de Santa Ma­da­lena (Hen­rique Heath), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores e mártir, que, no rei­nado de Carlos I, foi con­de­nado à morte em Ty­burn por causa da sua con­dição de sacerdote. († 1643)

15.   Em Salt, no Quebec, pro­víncia do Ca­nadá, Santa Ca­ta­rina Tekakwitha, virgem, oriunda dos ín­dios na­tivos e bap­ti­zada num dia de Páscoa, que, apesar de muitas ame­aças e ve­xames, ofe­receu a Deus a vir­gin­dade que ainda antes da con­versão sempre pro­curou conservar. († 1680). Ver “Kateri Tekakwitha (ˈgaderi degaˈgwita em mohawk), batizada como Catarina Tekakwitha[2][3] informalmente conhecida como “Lírio dos Mohawks”, foi uma índia algonquinomohawk nascida no atual estado de Nova Iorque e que se tornou a primeira índia norte-americana a ser venerada na Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Kateri_Tekakwitha

16.  Em Roma, perto de 166, o martírio de Santo Aniceto (também na Folhinha do Coração de Jesus de 17 de abril), Papa. Em tempos particularmente difíceis, recebeu a visita de São Policarpo de Esmirna, que tratou com ele o estabelecimento da data da festa da Páscoa (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M). Ver 20 de abril: no Martirológio Italiano: em Roma, Santo Ani­ceto, papa, que re­cebeu fra­ter­nal­mente o hós­pede in­signe São Po­li­carpo, para di­a­logar com ele sobre o dia da Páscoa. († c.166).  Ver ainda página 31: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Aniceto (em latim, Anicetus) foi o décimo primeiro papa católico, entre 154 e 166. Pensa-se que tenha nascido em Emesa (atual Homs) na Síria. Como pontífice, Aniceto destaca-se por ter sido o primeiro papa a condenar oficialmente uma doutrina como heresia, em concreto o montanismo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Aniceto

17. Santo Estêvão, abade de Citeaux. Ver páginas 09-13: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver “… são importantíssimas as figuras de são Roberto de Molesme (1029-1111) e de santo Estêvão Harding (1060-1134) ambos fundadores do mosteiro de Citeaux, de onde surgiu o nome “Cisterciense” (de cistercium, o nome latino de Citeaux.”: https://pt.aleteia.org/daily-prayer/quarta-feira-28-de-marco/

– Ver também “Santo Estevão Harding ( DorsetInglaterra, segunda metade do XI século 1060 [1] – 28 de março de 1134), é um santo católico, prior e depois abade da abadia de Cister de 1099 a 1133, editor em particular da Carta de Caridade de Cister . Foi um dos fundadores da Ordem de Cister junto com São Roberto de Molesme e Santo Alberico de Cister.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Estev%C3%A3o_Harding

– Ver também “Estêvão Harding, o futuro sucessor de Roberto e Alberico, nasceu na Inglaterra por volta de 1059. A sua infância e juventude decorreram durante a conquista deste país por Guilherme o Conquistador. As circunstâncias dessa mesma guerra orientaram a sua vida para o continente, onde o esperava uma tarefa importante…”: http://users.skynet.be/am012324/scriptorium/fundadores/estevao.htm

– Ver também 26 de janeiro

18. São Mapálico e companheiros, mártires. Ver “O elogio de São Mapálico vem numa carta de Cipriano, bispo de Cartago… O bispo de Cartago diz-nos também que Mapálico e muitos outros cristãos haviam sido aprisionados no início da perseguição. Foram companheiros de Mapálico: Paulo, Fortunião, Fortunata, Vitorino, Vítor, Herênio, Crédula, Herena, Donato, Firmo, Venuto, Fruto, Júlio. Marçal e Aristão. Quase todos morreram de fome nas masmorras, em 250, na África, vítimas da perseguição de Decio.” às páginas 14-16: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

19. Bem-aventurada Clara Gambacorta, viúva. Ver páginas 21-27: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver “Chiara Gambacorti (1362 – 17 de abril de 1420) – nascida Vittoria – era uma religiosa professa católica romana italiana da Ordem dos Pregadores . [1] Gambacorti nasceu em uma família de comerciantes ricos e ficou viúva após um breve casamento. Ela escapou de um segundo casamento depois de se tornar uma religiosa professa, apesar da forte resistência de seu pai. [2]”: https://en.wikipedia.org/wiki/Chiara_Gambacorti

20. Bem-aventurada Maria Ana de Jesus, virgem. Ver “…A bem-aventurada dedicou-se fervorosamente a três coisas, que lhe eram capitais: aos pecadores, a orar pelas almas do purgatório, a mortificar-se pelos cristãos cativos na África. A 17 de abril de 1624, com cinqüenta e nove anos de idade, depois cie insidiosa moléstia, que soube levar com verdadeiro espírito cristão, faleceu calmamente. Muitos milagres, então, foram operados à beira do seu túmulo. Pio VI beatificou-a em 1 783, cento e cinqüenta e nove anos depois da morte.” às páginas 28-29: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

21. Bem-aventurado Gervino, confessor. Ver “Gervino, também conhecido como Gervásio, era da Flandres, filho de pais pobres…” às páginas 30-31: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf  

22. Beato Battista Mantovanno. Ver “Battista Mantovano (em latimBaptista Spagnuoli Mantuanus), também Johannes Baptista Spagnolo, foi um religioso carmelita católico italiano.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Battista_Mantovano

– Ver em 20 de março: Em Mântua, na Lom­bardia, re­gião da Itália, o Beato Bap­tista Spag­nóli, pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas, que res­ta­be­leceu a paz entre os prín­cipes e re­formou a sua Ordem, da qual foi no­meado, contra o seu de­sejo, su­pe­rior geral. († 1516).

23.Outros santos do dia 17 de abril: págs: 09-33 (vol.07):   http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 17 de abril, ver ainda:  17 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 332-334: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 16 de abril

1. Em Ne­vers, no Martirológio Romano de 16 de abril), também na França, SANTA MARIA BER­NARDA (BER­NA­DETE) SOU­BI­ROUS (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que nasceu de uma fa­mília muito pobre na po­vo­ação de Lourdes e, sendo ainda de tenra idade, ex­pe­ri­mentou a pre­sença da Virgem Santa Maria Ima­cu­lada e de­pois, to­mando o há­bito re­li­gioso, levou no con­vento uma vida oculta e humilde. († 1879)

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 18 de fevereiro, Santa Bernadette Soubirous, virgem, que foi agraciada com dez aparições da Virgem Maria. Depois destes acontecimentos, entrou para a Congregação das Irmãs da Caridade e da Instrução Cristã de Nevers, onde só esperava permanecer escondida, vivendo integralmente segundo a mensagem que recebera em Lourdes. Após grandes sofrimentos, obteve, em 1879, a felicidade que Nossa Senhora lhe havia prometido. (F).

– Ver: Marie-Bernard Soubirous ou Maria Bernarda Sobeirons em occitano (Lourdes7 de Janeiro de 1844 — Nevers16 de Abril de 1879) foi uma religiosa francesacanonizada pela Igreja. É conhecida por ter sido a menina a quem a Virgem Maria teria aparecido em Lourdes, na França CANONIZAÇÃO: em 8 de Dezembro de 1933, festa da Imaculada Conceição, Bernadette foi canonizada como Santa Bernadette de Lourdes, pelo Papa Pio XI, depois de terem sido reconhecidas pela Santa Sé as virtudes pessoais e curas milagrosas a ela atribuídas após a morte. Sua festa litúrgica é celebrada na Igreja Católica no dia 16 de abril. Na França, é celebrada no dia 18 de fevereiro. A ela tem sido atribuídos vários milagres. Em 1983, o Papa João Paulo II esteve em Lourdes em peregrinação, e ali retornou em agosto de 2004.

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Bernadette_Soubirous

– Ver: páginas 371-401: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

Ver em 11 de fevereiro NOSSA SENHORA DE LURDES.

2.   Em Co­rinto, ci­dade da Acaia, ac­tu­al­mente na Grécia, os santos már­tires Leó­nidas e sete com­pa­nheiros, que, de­pois de su­por­tarem vá­rios su­plí­cios, foram afo­gados no mar. São estes os seus nomes: Ca­rissa, Ga­lina, Te­o­dora, Nice, Nu­nécia, Cális, BasilissaNo Martirológio Romano-Monástico, em Corinto, no séc. III, os Santos Calixto (também na Folhinha do Coração de Jesus) e Carísio, juntamente com sete companheiros, que foram surpreendidos dentro de uma Igreja no dia da Páscoa e por isso foram atirados ao mar (M). († s. III/IV)

3.   Em Sa­ra­goça, na His­pânia Tar­ra­co­nense, a co­me­mo­ração dos santos Op­tato e de­zas­sete com­pa­nheiros már­tires, que, du­rante a per­se­guição do im­pe­rador Di­o­cle­ciano, foram tor­tu­rados e mortos; o seu ilustre mar­tírio foi ce­le­brado em po­emas de Prudêncio.  São estes os seus nomes: Lu­perco, Su­cesso, Mar­cial, Ur­bano, Júlia (Júlia e Marçal também na Folhinha do Coração de Jesus), Quin­ti­liano, Pú­blio, Frontão, Félix, Ce­ci­liano, Evódio, Pri­mi­tivo, Apo­démio e ou­tros quatro cha­mados Saturnino. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no começo do séc. IV, o martírio dos Dezoito Cristãos de Saragoça, que morreram por ocasião de uma execução em massa desencadeada durante a perseguição de Diocleciano. (M). Ver também “OS DEZOITO MÁRTIRES DE SARAGOÇA” às páginas 402-403: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

4.   Na mesma ci­dade de Sa­ra­goça, a co­me­mo­ração de Santa En­grácia, virgem e mártir, que, du­ra­mente tor­tu­rada, so­bre­viveu a todos os su­plí­cios, per­ma­ne­cendo du­rante algum tempo em seus mem­bros os si­nais das suas chagas. († s. IV). Ver páginas 404-405: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Santa Engrácia (em castelhano: Santa Engracia) (Bracara Augustaca. 285[1][2] – César Augustaca. 303[2] ou 305[1]) é venerada como virgem mártir e como santa na Igreja Católica e na Igreja Ortodoxa. Segundo a tradição, foi martirizada com mais dezoito companheiros seus no ano de 303[3][2]. Partilha o nome próprio, o trágico destino e provavelmente a mesma cidade natal com Engrácia de Braga, personalidade que viveu séculos mais tarde.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Engr%C3%A1cia_de_Sarago%C3%A7a

5.   Também em Sa­ra­goça, a co­me­mo­ração dos santos Caio e Cre­mêncio, que na mesma per­se­guição ven­ceram as tor­turas, per­se­ve­rando na fé de Cristo. († s. IV)

6.   Em As­torga, no reino dos Su­evos, também na His­pânia, São Tu­ríbio, bispo, que, por man­dato do papa São Leão Magno, com­bateu for­te­mente a seita dos pris­ci­li­a­nistas que pro­gredia na Hispânia. († s. V)

7.   Em Braga, na Ga­lécia, hoje em Por­tugal, São Fru­tuoso, bispo. A sua me­mória ce­lebra-se em Por­tugal no dia cinco de De­zembro, jun­ta­mente com a dos bispos São Mar­tinho de Dume e São Geraldo. († c. 665). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 665, São Frutuoso. Antes de tornar-se bispo de Braga, em Portugal, transformou a Galícia em uma verdadeira Tebaida, por sua influência pessoal e pela difusão das regras monásticas. (M).

Ver páginas 366-370: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf  

– Ver também “Frutuoso de Braga ou Frutuoso de Dume (em latimFructuosus) foi um monge e bispo godo do século VII, venerado como santo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Frutuoso_de_Braga

8*.   Na Es­cócia, São Magno, mártir, que era prín­cipe das ilhas Ór­cades, quando abraçou a fé cristã; afas­tado pelo rei da No­ruega por ter re­cla­mado contra a ar­ro­gância do seu povo e cha­mado do­lo­sa­mente a com­pa­recer para firmar um acordo de paz com o seu ad­ver­sário no prin­ci­pado, apre­sentou-se sem armas e foi assassinado. († 1116)

9.   Em Se­bourg, no Hai­naut, ac­tu­al­mente na França, São Drogão, que, as­pi­rando a uma vida sim­ples e so­li­tária, se fez pastor e pe­re­grino pelo Se­nhor e ter­minou o curso dos seus dias re­cluso numa pe­quena cela. († c. 1186). São Druon ou Drogo, padroeiro dos pastores. Ver páginas 418-420: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “São Drogo de Sebourg (14 de Março de 1105 – 16 de abril de 1186), também conhecido como Dreux, Drugo, e Druron, é um santo francês. Ele nasceu em ÉpinoyFlandres,[1] e morreu em Sebourg, França. Seu dia de festa é no dia 16 de abril.[2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Drogo

10*.   Em Bróni, perto de Pavia, na Lom­bardia, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de São Con­tardo, pe­re­grino, que de­cidiu viver em ex­trema po­breza e morreu atin­gido por uma en­fer­mi­dade quando ia a ca­minho de Compostela. († 1249)

11*.   Em Sena, na Etrúria, o Beato Jo­a­quim, re­li­gioso da Ordem dos Servos de Maria, que se dis­tin­guiu pela sua sin­gular de­voção à San­tís­sima Virgem e cum­priu a lei de Cristo, to­mando sobre si o en­cargo dos pobres. († 1305). Ver “Bem-aventurado Joaquim de Sena” também páginas 411-412: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

12.   Em Roma, São Bento José Labre, que, as­pi­rando desde a ado­les­cência a uma vida de ás­pera pe­ni­tência, fez ár­duas pe­re­gri­na­ções a cé­le­bres san­tuá­rios, co­berto com uma veste rude e es­far­ra­pada, ali­men­tando-se apenas com o ali­mento que re­cebia em es­mola e dando exemplo de pi­e­dade e pe­ni­tência por toda a parte onde pas­sava; re­gressou fi­nal­mente a Roma, onde se con­sa­grou a uma vida de oração e su­prema pobreza. († 1783). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1783, São Bento José Labre. Por não poder entregar-se a nenhum tipo de vida religiosa regular, este cristão francês, originário de Amettes, perto de Boulogne-sur-Mer, viveu como um simples peregrino no despojamento e na oração contínua. Morreu ao final de uma peregrinação que havia feito até Roma. (M). Ver páginas 406-410: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Benedito (ou BentoJosé Labre nasceu em AmettesFrança, em 25 de maio de 1748. Era o primogênito de uma família camponesa, teve 15 irmãos. Foi chamado de “Vagabundo de Deus” ou ainda “O Cigano de Cristo”.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Benedito_Jos%C3%A9_Labre

13*.   Em Avrillé, junto de An­gers, na França, os be­atos már­tires Pedro De­lé­pine, João Me­nard e vinte e quatro companheiras, quase todos agri­cul­tores, que du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa foram fu­zi­lados em ódio à fé cristã. São estes os seus nomes: Re­nata Bour­geais, Joana Gourdon, Maria Gin­gue­neau, Fran­cisca Mi­cho­neau, Joana Onillon, Re­nata Sé­chet, Maria Roger, Fran­cisca Suhard, Joana Tomás, viúvas; Ma­da­lena Cady, Maria Piou, Pe­trina Re­nata Pot­tier, Re­nata Ri­gault, Joana Maria Leduc, Ma­da­lena Sallé, es­posas; Maria Ge­no­veva e Marta Pou­lain de la Fo­res­trie, Pe­trina Bou­ri­gault, Maria Fo­res­tier, Maria Lar­deux, Pe­trina Lau­rent, Ana Mau­grain, Mar­ga­rida Robin, Maria Rochard. († 1794)

14. São Paterno de Avranches, Bispo e Confessor. Conforme o Martirológio Romano-Monástico (de 16 de abril), no séc. VI, São Paterno, bispo de Avranches. Inicialmente monge da diocese de Poitiers, procurou um eremitério em Scicy, perto de Coutances, de onde sua irradiação atraiu uma multidão de seguidores. Segundo palavras de amigos historiadores, “não se via o monarquismo chegar a tamanha fecundidade desde os tempos de São Martinho (M).

– Ver “São Paterno de Avranches” páginas 413-417: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver DIA 15 DE ABRIL: Em Scissy, no ter­ri­tório de Cou­tances da Gália, na ac­tual França, o se­pul­ta­mento de São Pa­terno, bispo de Avran­ches, que fundou muitos mos­teiros e, eleito já sep­tu­a­ge­nário para a sede epis­copal, fi­nal­mente, com grande con­ten­ta­mento en­tregou a sua alma a Deus no mos­teiro deste lugar. († c. 565). Ver páginas 363-364: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

15. Outros santos do dia 16 de abril: págs. 366-421 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 16 de abril, ver ainda:  16 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 329-332: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 15 de abril

1.   Na Trácia, re­gião do Sul da Eu­ropa, os santos Te­o­doro e Pau­sí­lipo, már­tires, que, se­gundo a tra­dição, so­freram a morte no tempo do im­pe­rador Adriano. († 117/137)

2.   Em Mira, na Lícia, na ac­tual Tur­quia, São Cres­cente, que so­freu o mar­tírio na fogueira. († data inc.). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Mira, na Ásia Menor, São Crescêncio, martirizado por ter tentado que seus concidadãos abandonassem o culto dos ídolos inanimados, convidando-os a adorar o Senhor e Criador da Vida (M)

3.   No Monte d’Oro, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, São Marão, mártir. († data inc.)

4.   Em Roma, junto de São Pedro, a co­me­mo­ração de Santo Abúndio, que, se­gundo o tes­te­munho do papa São Gre­gório, foi hu­milde e fiel missi­o­nário desta igreja. († c. 564)

5.   Em Scissy, no ter­ri­tório de Cou­tances da Gália, na ac­tual França, o se­pul­ta­mento de São Pa­terno, bispo de Avran­ches, que fundou muitos mos­teiros e, eleito já sep­tu­a­ge­nário para a sede epis­copal, fi­nal­mente, com grande con­ten­ta­mento en­tregou a sua alma a Deus no mos­teiro deste lugar. († c. 565). Ver páginas 363-36http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver DIA 16 DE ABRIL: São Paterno de Avranches, Bispo e Confessor. Conforme o Martirológio Romano-Monástico (de 16 de abril), no séc. VI, São Paterno, bispo de Avranches. Inicialmente monge da diocese de Poitiers, procurou um eremitério em Scicy, perto de Coutances, de onde sua irradiação atraiu uma multidão de seguidores. Segundo palavras de amigos historiadores, “não se via o monarquismo chegar a tamanha fecundidade desde os tempos de São Martinho (M).

– Ver páginas 413-417: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

6*.   No mos­teiro de Lan­delles, no ter­ri­tório de Bayeux, na Nor­mandia, ac­tu­al­mente também na França, Santo Or­tário, abade, de­di­cado a uma vida de aus­te­ri­dade e de oração e as­síduo na as­sis­tência aos en­fermos e aos pobres. († s. XI)

– Ver página 364: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

7*.   Em Avi­nhão, na Pro­vença, re­gião da França, o Beato César de Bus, pres­bí­tero, que, con­ver­tendo-se da vida mun­dana, se de­dicou à pre­gação e à ca­te­quese e fundou a Con­gre­gação da Dou­trina Cristã, des­ti­nada a dar glória a Deus pela for­mação dos fiéis. († 1607)

8*.   Em Ka­lawao, na ilha de Mo­lokai, na Oce­ania, São Da­mião de Veuster (José de Veuster), pres­bí­tero da Con­gre­gação dos Mis­si­o­ná­rios dos Sa­grados Co­ra­ções de Jesus e Maria, que se con­sa­grou com tanta mag­na­ni­mi­dade à as­sis­tência dos le­prosos, que também ele su­cumbiu atin­gido pela lepra. († 1889). Ver “Damião de MolokaiPadre Damião, formalmente Jozef de Veuster, SS.CC. (TremelooBélgica3 de janeiro de 1840 – MolokaiHavaiEstados Unidos15 de abril de 1889) foi um missionário católico belga da Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria, venerado especialmente pelos habitantes do arquipélago do Havai e pela cristandade em geral por ter dedicado a sua vida ao cuidado dos leprosos de Molokai, no reino do Havai.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Dami%C3%A3o_de_Veuster

– Ver também dia 10 de maio

09. São Pedro Gonçalves ou Gonzales (Vulgarmente Santo Elmo, patrono dos marinheiros da Espanha). Ver páginas 360-362: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “Os marujos de Espanha e Portugal o invocavam em todas as tempestades sob o nome de Santo Elmo.”: https://www.pliniocorreadeoliveira.info/DIS_SD_670414_Sao_Pedro_Gonzalez.htm

– Ver também “Frei Pedro González, da Ordem dos Pregadores, morreu em 1246, no dizer da Espana Sagrada (‘)• E o mesmo vem noutros escritores (2). Porém, Frei Diogo do Rosário traz 1240 (3), não sabemos se por engano. Para o nosso fim, tem pouca importância o ano exacto da morte.”: https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/5045/1/LS_S1_08_Mario%20Martins.pdf

10. No mesmo dia, em Roma, as santas Basilissa e Anastácia (também na Folhinha do Coração de Jesus), mulheres valorosas que, tendo sido discípulas dos apóstolos, permaneceram firmes na fé e, sob o imperador Nero, tiveram a língua e os pés cortados. Obtiveram a coroa do martírio, morrendo sob o gume do gladio. Ver página 365: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

11. Santos Mártires Maron, Êutiques e Vitorino ou Vitoriano (também na Folhinha do Coração de Jesus), os quais, exilados primeiro com Santa Flávia Domitila para a ilha Poncia, pela fé de Cristo, voltaram depois livres, em tempo do imperador Nerva; mas porque convertiam muitos à fé, foram finalmente mortos com vários suplícios, na perseguição de Trajano, por ordem do juiz Valeriano (Conforme Martirológio, Ed. Permanência).

– Ver página 365: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

12. Sob o imperador Décio, a paixão dos Santos Máximo e OIimpíada, cristãos persas, condenados à morte sem julgamento. Sofreram corajosamente sua pena entoando salmos (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M).

– Ver página 365: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

13. São Ruadhán de Lorrha. Ver “São Ruadhán mac Fergusa Birn, também conhecido por RowanRuadonRoadanRodon a Rodan, foi um abade cristão irlandês que fundou o mosteiro de Lorrha (LothraCondado de TipperaryIrlanda), perto de Terryglass. Ele era conhecido pelas suas profecias. Depois da sua morte, ele começou a ser venerado como um santo e um dos Doze Apóstolos da Irlanda.[1][2] 15 de Abril é o dia em que é venerado.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ruadh%C3%A1n_de_Lorrha

– Ver página 364: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

14. Outros santos do dia 15 de abril: págs. 360-365 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 15 de abril, ver ainda: 15 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 328-329: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 14 de abril

1.   Em Roma, no ce­mi­tério de Pre­tex­tato, junto à Via Áppia, os santos Ti­búrcio, Va­le­riano e Má­ximo, mártires. († data inc.). Ver páginas 358-359: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

2.   Em An­ti­o­quia, na Síria, hoje An­takya, na Tur­quia, as santas már­tires Bér­nica e Pros­doca, vir­gens, com sua mãe Se­nho­rinha, que, em tempo de per­se­guição, ao fu­girem para se salvar dos que aten­tavam contra a sua pu­reza, en­con­traram no rio o seu martírio. († s. IV)

3.   No de­serto de Ní­tria, no Egipto, São Frontão, abade, que, com cerca de se­tenta com­pa­nheiros, se re­tirou para a vida eremítica. († s. IV).

São Frontão, abade e confessor.

– Ver páginas: 339-340: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

4*.   Em Elphin, na Ir­landa, Santo Asaco (Tassac) ou Asico, bispo, que é con­si­de­rado dis­cí­pulo de São Pa­trício e pri­meiro bispo desta Igreja. († s. V)

5.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, Santa To­maides, mártir. († 476). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Alexandria, no século V, Santa Tomaída, martirizada por ter se negado a ceder aos desejos impudicos do seu sogro (M). Ver “…O óleo das lâmpadas que alumiavam o seu túmulo foi muito empregado para debelar as tentações da carne. Santa Tomaide deixou o mundo no ano de 476.” páginas 337-338: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

6.   Em Lião, na Gália, hoje na França, São Lam­berto (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que tinha sido monge e de­pois abade de Fontenelle. († c. 688). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 688, São Lamberto. Depois de ter ocupado um posto importante na corte de Clotário III, tomou o hábito em Fontenelle e, em 666, sucedeu no cargo abacial o fundador São Vandrilo, vindo mais tarde a morrer como bispo, em Lião. (M)

7*.   Em Mon­te­ma­rano, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São João, bispo, que co­locou todo o ardor da sua ac­ti­vi­dade na as­sis­tência aos po­bres e na san­ti­fi­cação do clero. († s. XI/XI

8*.   No mos­teiro de Tiron, junto de Char­tres, na França, São Ber­nardo, abade, que por vá­rias vezes se re­fu­giou para a vida ere­mí­tica nos bos­ques e na ilha de Chausey, mas também se de­dicou a ins­truir e con­duzir à per­feição evan­gé­lica os dis­cí­pulos que a ele acor­riam em grande número. († 1117). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1117, São Bernardo de Tiron. Com Roberto de Arbrissel no Maine-Anjou, Pedro da Estrela no Berry, Vital na Normandia e Raul de la Fustaie na Bretanha, foi um dos incentivadores do movimento monástico do séc. XI. Fundou, numa floresta da diocese de Chartres, um mosteiro que se tornou mais tarde o centro de uma congregação beneditina.

Ver também: São Bernardo de Abbeville, abade e confessor. Ver páginas 341-344: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

9*.   Em Avi­nhão, na Pro­vença, re­gião da França, São Bento, jovem pastor, por cuja vir­tude, com o au­xílio de Deus, foi cons­truída a ponte sobre o Ró­dano, de grande uti­li­dade para os cidadãos. († 1184). Ver também São Bento e São Drogon, páginas 331-336: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf  

– Ver “São Benezet, ou pequeno Bento; Benezet, nascido em 1163 na região da Savóia, na França, era um humilde, mas alegre, pastor de ovelhas de doze anos. Diz a tradição que ele ouviu, de repente, uma voz conversando com ele e dizendo ser Jesus. Como não enxergasse nada à sua volta, de imediato ficou apreensivo, mas depois permaneceu confiante… Deveria erguer uma ponte sobre o rio Ródano, do qual nunca tinha ouvido falar, além de ter de abandonar a profissão que tanto amava. Porém o chamado tinha sido tão real que Benezet não pensou duas vezes e se pôs a caminho. Ele também não estranhou quando, centenas de metros adiante, um jovem veio a seu encontro e simplesmente lhe comunicou que o acompanharia em sua empreitada na construção da ponte… O pequeno Bento acabou falecendo antes da conclusão da ponte, que levou onze anos para terminar.
A ponte resistiu quinhentos anos antes de ruir. Foi reconstruída e trata-se do marco da cidade de Avignon, que tem, como seu padroeiro, são Benezet, ou o pequeno Bento, como querem os devotos, que nunca mais deixaram de pedir por sua intercessão e de festejá-lo no dia 14 de abril. OBS: São Bento José Labre é dia 16 de abril”: http://www.arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/sao-bento-jose-labre

10*.   Em Tuy, na Ga­liza, re­gião da Es­panha, o Beato Pedro Gon­zález, vul­gar­mente co­nhe­cido como São Telmo, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que trans­formou o seu an­te­rior de­sejo de glória em pro­funda hu­mil­dade e se de­dicou par­ti­cu­lar­mente a ajudar os ne­ces­si­tados, em es­pe­cial os na­ve­gantes e os pescadores. († 1246). Ver “Pedro Gonçalves Telmo, em castelhano Pedro González Telmo, também conhecido como Santelmo ou Corpo Santo[1] (Frómista, c. 1190 – Tui14 de abril de 1246[2]), foi um sacerdote católico castelhano. Após ser presbítero canónico em Astorga, ingressou na Ordem dos Dominicanos, onde se distinguiu pela sua retórica e capacidade de pregação. Foi capelão do rei Fernando III de Leão e Castela antes de ser nomeado prior do Convento de São Domingos de Guimarães. É o santo padroeiro dos homens do mar e dos barqueiros[3], tendo cedo desfrutado de grande devoção popular. ”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pedro_Gonz%C3%A1lez_Telmo

11*.   Em Schi­edam, na Gél­dria, hoje na Ho­landa, Santa Lu­do­vina (Santa Liduína), virgem, que, pondo a sua con­fi­ança só em Deus, su­portou as en­fer­mi­dades cor­po­rais em toda a sua vida, pela con­versão dos pe­ca­dores e re­denção das almas. († 1433). Ver Santa Lidwina, virgem. Páginas: 345-358: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Santa Lidvina ou Santa Liduína (Schiedam, 18 de março de 1380  Schiedam, 14 de abril de 1433), foi uma devota católica neerlandesa padroeira dos patinadores. Ela também é lembrada por ser um dos primeiros casos documentados de esclerose múltipla.

Aos 15 de idade, Lidvina estava patinando no gelo quando caiu e quebrou uma costela. Ela nunca se recuperou e se tornou progressivamente inválida para o resto da vida. Sua biografia diz que ela teve paralisia em todo o seu corpo exceto pela mão esquerda, e tinha hemorragias na boca, orelhas e nariz. Hoje em dia alguns especialistas apontam que Santa Lidvina é um dos primeiros casos conhecidos de pacientes com esclerose múltipla.

Depois da sua queda, Ladvina começou uma prática de jejuar e adquiriu fama como uma mulher sagrada e curadora de doenças.

Pelos próximos 34 anos, as condições de Lidvina deterioram lentamente, ainda que tenha acontecido alguns momentos de remissão, até sua morte aos 53 anos em 1433.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Lidvina

12.   Em Cu­evas de Vin­romá, junto de Cas­tellón de la Plana, na Es­panha, a Beata Isabel (Jo­se­fina Cal­duch Ro­vira), virgem da Ordem das Cla­rissas Ca­pu­chi­nhas e mártir, que, em tempo de per­se­guição contra a fé cristã, morreu por seu di­vino Es­poso, Jesus Cristo. († 1936)

13. No Oriente, Santo Ardalião, ator. Um dia, parodiando em público os mistérios cristãos, foi subitamente tocado pela graça, proclamando-se cristão diante dos expectadores que exigiram sua morte (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – M).

– Ver Santo Ardaliano, página 359: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

14. Em Terni, São Próculo, bispo e mártir (também na Folhinha do Coração de Jesus). Ver página 359: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

15. No mesmo dia, Santa Donina (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que recebeu a palma do martírio com outras virgens suas companheiras. Ver página 359: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

16. No mesmo dia, em Vilna, os santos João, Antônio e Eustáquio, mártires. Os dois primeiros eram irmãos, amigos do último. Pagãos, adoravam o fogo. Chamavam-se, respectivamente, Milhey, Kukley e Nizilon, nascidos na Lituânia, Batizados, estavam a serviço do duque Olgerd, pai do célebre Jagelão. Convidados a comer carne em dia de abstinência. negaram-se, sendo condenados à morte (1342). Ver página 358: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

17. Outros santos do dia 14 de abril: págs. 331-359 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 14 de abril, ver ainda: 14 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 326-327: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 13 de abril

1. São Mar­tinho I (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa e mártir, que con­denou a he­resia dos mo­no­te­listas no Sí­nodo de La­trão; e quando o exarca Ca­líopa, por ordem do im­pe­rador Con­tante II, in­vadiu vi­o­len­ta­mente a Ba­sí­lica La­te­ra­nense, foi ar­ran­cado da sua sede e con­du­zido a Cons­tan­ti­nopla, onde ficou pri­si­o­neiro sob for­tís­sima vi­gi­lância; fi­nal­mente, re­le­gado para Quer­so­neso, pas­sados cerca de dois anos al­cançou o fim das tri­bu­la­ções e a coroa eterna. († 656). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 656, o nascimento no céu de São Martinho I, papa. Juntamente com os patriarcas de Alexandria e de Constantinopla, defendeu a fé ortodoxa contra o erro dos monotelitas, apoiado pelo imperador Constante II. Por isso foi condenado à morte, mas a pena foi comutada em deportação para a Criméia. Os bizantinos o comemoram igualmente neste dia. (M). Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 12/04/2015: “13/04: SÃO MARTINHO I. Originário de Todi, Peruia (Itália), foi eleito Papa no ano de 649 no período das últimas controvérsias cristológicas acerca das duas naturezas de Jesus, já discutida e estabelecida pelo Concílio de Calcedônia: Jesus possuía as duas naturezas, humana e divina, para poder salvar plenamente a humanidade. Porém, alguns teólogos bizantinos, com o apoio do Imperador, continuavam a levantar interrogações. Para enfrentar essa questão, Martinho convocou um Sínodo a Roma, estabelecendo que a economia da salvação tem como fundamento a encarnação do verbo divino. Por ter defendido a fé em Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro homem, foi exilado pelo imperador bizantino Constante II, vindo a falecer, depois de muitos sofrimentos, torturas e humilhações, a 13 de abril de 655. Frei Marcos A. de Andrade, OFM. Petrópolis/RJ”. Ver: http://www.catedralortodoxa.com.br/single-post/2016/04/13/S%C3%A3o-Martinho-o-confessor-papa-de-Roma-m%C3%A1rtir-%E2%80%A0-655-13-de-Abril

– Ver também “Martinho I foi um papa italiano natural de Todi, onde nasceu em 590.

Eleito em 21 de julho de 649,[1] foi durante o seu papado que se celebrou pela primeira vez a festa da “Virgem Imaculada“, em 25 de Março. Passou mais de três anos, dos seus seis anos de pontificado, no exílio e na prisão.

Em 649, convocou um concílio em Latrão, no qual definiu a doutrina católica sobre a vontade e a natureza de Cristo, condenando os monotelistas que só admitiam em Cristo a existência da vontade divina.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_Martinho_I

– Ver também: https://www.paulus.com.br/portal/santo/sao-martinho-i-papa-e-martir/#.X6xRg8hKhnI

– Ver ainda: páginas 343-363: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

2.   Em Pér­gamo, na pro­víncia da Ásia, na ho­di­erna Tur­quia, os santos már­tires Carpo, bispo de Ti­a­tira, Pá­pilo, diá­cono, Aga­tó­nica, irmã de Pá­pilo, (Agatodoro) e muitos ou­tros, que pela con­fissão da fé re­ce­beram a coroa do martírio. († s. II). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Ásia Menor, perto de 250, o martírio de São Carpos, bispo, e seus companheiros. Ao procônsul que lhe perguntava seu nome, Carpos respondeu: “Meu primeiro nome e mais belo nome é Cristão. Eu adoro Cristo, Filho de Deus” (cf. Act. Martyr – M). Ver páginas 313-317: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

3.   Em Ra­vena, na Fla­mínia, hoje na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, Santo Urso, bispo, que trans­feriu a sede epis­copal de Classe para esta ci­dade, de­dicou a igreja ca­te­dral no dia da Páscoa com o tí­tulo de Santa Anas­tásia e no mesmo dia, al­guns anos de­pois, também ele partiu para a glória da ressurreição. († c. 425). Ver também página 321:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

4.   Em Tar­ra­gona, na His­pânia, Santo Her­me­ne­gildo (Ermenegildo), mártir, que, sendo filho do rei ariano Le­o­vi­gildo, se con­verteu à fé ca­tó­lica por obra do bispo São Le­andro; me­tido no cár­cere por se ter re­be­lado contra a von­tade do pai e re­cusar-se a re­ceber a co­mu­nhão das mãos de um bispo ariano no dia da so­le­ni­dade da Páscoa, por ordem do pró­prio pai, morreu ao fio da espada. († 586). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Sevilha, na Espanha, no ano da graça de 586, a paixão de Santo Hermenegildo. Depois de sua conversão ao catolicismo, foi condenado por seu próprio pai, o rei Leovegildo, a ser decapitado. Mas, três anos depois de seu martírio, toda a nação visigótica retornava à Igreja Católica. (M). Ver páginas 325-327: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “São Hermenegildo (ca564 – Tarragona13 de Abril de 585) era filho do rei visigodo Leovigildo, e irmão de Recaredo. Educado no arianismo imperante entre os visigodos da Península Ibérica de então (ao contrário da população hispano-romana, que era maioritariamente católica), a sua conversão ao catolicismo fê-lo enfrentar o seu pai e causou uma contenda militar, a qual terminaria na sua captura e execução.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Hermenegildo

5*.   No mos­teiro de Santa Maria da Ca­pela, junto de Wast, no ter­r­ri­tório de Bou­logne, na França, a Beata Ida, que, fi­cando viúva de Eus­tá­quio, conde de Bou­logne, se no­ta­bi­lizou pela li­be­ra­li­dade para com os po­bres e pelo zelo pelo de­coro da casa de Deus. († 1113). Ver: páginas 328-329: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Ida da Lorena (Lorena, 1040 — Bolonha13 de abril de 1113), conhecida também como Beata Ida da Lorena ou, erroneamente, como Santa Ida, foi uma condessa de Bolonha no século XII. Não foi canonizada, mas é considerada uma bem-aventurada.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ida_da_Lorena

6*.   Em Saint David, no País de Gales, São Ca­rá­doco, pres­bí­tero e ere­mita, que deixou o pa­lácio real, onde to­cava harpa, ao ver como ali se amavam mais os cães do que os ho­mens, e pro­curou a ori­en­tação do abade Te­liavo para se co­locar ao ser­viço de Deus. († 1124)

– Ver “Caradoc Vreichvras (mais corretamente em galêsCaradog Freichfras, significando Caradoc Braço Forte) foi um ancestral semi-lendário dos reis de Gwent que viveu durante o século V ou VI. Ele é lembrado na lenda arturiana como um dos cavaleiros da Távola Redonda como Carados Briefbras (francês para ‘Caradoc Braço Curto’).”: Caradoc Freichfras – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

7*.   No mos­teiro cis­ter­ci­ense de Ro­o­sen­daal, no Bra­bante, na ac­tual Ho­landa, a Beata Ida, virgem, que so­freu muitos maus tratos do pai antes de en­trar na vida re­li­giosa e pela aus­te­ri­dade da sua vida imitou em seu corpo a paixão de Cristo. († c. 1290)

– Ver “Na Bélgica, outra Ida, a bem-aventurada Ida de Louvain, virgem que recebeu na carne os estigmas de Jesus crucificado. Faleceu no ano de 1260” página 330: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

– Ver “Além de jejuns, distribuição alimento aos pobres, participação nos sofrimentos de Nosso Senhor, Ida se dedicou à oração, à contemplação e aos trabalhos manuais, entre os quais preferia a transcrição dos livros, mas não recusava jamais as incumbências mais humildes; estava sempre disponível no serviço de suas irmãs de hábito.

     Os fenômenos místicos, os seus êxtases frequentes e muitos prodígios lhe foram atribuídos e numerosas conversões.

     Ida faleceu no dia 13 de abril em um ano por volta de 1290.

     Considerada beata no século XVII tanto pelos hagiógrafos cistercienses como pelos Bolandistas, Ida faz parte destas figuras tratadas abundantemente pelos especialistas da mística da Idade Média.”: http://heroinasdacristandade.blogspot.com/2015/04/beata-ida-de-louvain-monja-cisterciense.html

– Ver também “Ida de Louvain (falecida por volta de 1300) foi uma freira cisterciense da Abadia de Roosendael nos Países Baixos do século 13 que é oficialmente comemorada na Igreja Católica como abençoada.”: https://en.wikipedia.org/wiki/Ida_of_Louvain

8*.   No mos­teiro de Fonte Avel­lana, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Al­ber­tino, ere­mita e prior de uma co­mu­ni­dade de ere­mitas, que pre­feriu a so­lidão às honras e co­la­borou na con­ci­li­ação de ci­dades em conflito. († 1294)

9*.   Em Città di Cas­tello, também na Úm­bria, a Beata Mar­ga­rida, virgem das Irmãs da Pe­ni­tência de São Do­mingos, que, tendo nas­cido cega, dis­forme e re­jei­tada pelos seus pais, con­fiou sempre de todo o co­ração no nome de Jesus. († 1320)

10*.   Em Ro­chester, na In­gla­terra, os be­atos Fran­cisco Dickenson e Milo Ge­rard, pres­bí­teros e már­tires, que, re­gres­sando do Co­légio dos In­gleses de Reims à sua pá­tria, para exercer clan­des­ti­na­mente o mi­nis­tério sa­cer­dotal, no rei­nado de Isabel I foram sus­pensos da forca e sub­me­tidos a ou­tros cruéis suplícios. († 1590)

11*.   Em York, na In­gla­terra, os be­atos João Lockwood e Edu­ardo Cathe­rick, pres­bí­teros e már­tires no rei­nado de Carlos I, o pri­meiro dos quais, com oi­tenta e quatro anos de idade e já por duas vezes con­de­nado à morte por causa do sa­cer­dócio, quis subir ao pa­tí­bulo à frente do jovem e ate­mo­ri­zado com­pa­nheiro, para o in­citar ao glo­rioso martírio. († 1642)

12*.   Na ilha da Reu­nião, no Oceano Ín­dico, o Beato Es­cu­bílio (João Ber­nardo Rous­seau), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs, que en­sinou in­can­sa­vel­mente as cri­anças e deu ajuda aos po­bres e es­pe­rança aos escravos. († 1867)

13*.   Em To­to­clan, po­vo­ação do ter­ri­tório de Gua­da­la­jara, no Mé­xico, São Sabas Reyes, pres­bí­tero e mártir, que du­rante a per­se­guição me­xi­cana morreu por Cristo Sa­cer­dote e Rei universal. († 1927)

14♦. Em Lecco, ci­dade da Lom­bardia, na Itália, o Beato Se­rafim Morazzone, pres­bí­tero da di­o­cese de Como. († 1822)

15. São Justino – Padre da Igreja: no VIDAS DOS SANTOS de 13 de abril. Ver dia 01 de junho “Me­mória de São Jus­tino, mártir, um fi­ló­sofo que se­guiu rec­ta­mente a ver­da­deira sa­be­doria re­co­nhe­cida na ver­dade de Cristo, ma­ni­festou-a na sua vida, en­sinou-a na sua pre­gação, de­fendeu-a nos seus es­critos e con­firmou-a com a sua morte em Roma no tempo do im­pe­rador Marco Au­rélio An­to­nino. De facto, de­pois de ter apre­sen­tado ao im­pe­rador a sua “Apo­logia” em de­fesa da re­li­gião cristã, foi en­tregue ao pre­feito Rús­tico e, con­fes­sando pe­rante ele que era cristão, foi con­de­nado à morte. († c. 165). páginas 293-312: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “Flávio Justino (em latimFlavius Iustinus100 – 165), também conhecido como Justino Mártir (em latimIustinus Martir) ou Justino de Nablus, foi um teólogo romano do século II, mártir e santo da Igreja Católica.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Justino

16. Santos Máximo, Quintiliano (também na Folhinha do Coração de Jesus) e Dadas, mártires. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Mísia inferior atual Bulgária, São Máximo e seus dois companheiros, condenados à morte sob Diocleciano. Segundo as atas de seu martírio, foram decapitados por terem confessado “sua fé em Cristo, rei celeste, que tem poder sobre tudo e tem todos os seres em suas mãos (M). Ver páginas 318-320: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

17. São Márcio (também na Folhinha do Coração de Jesus), abade e confessor. Ver páginas 322-324: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf  

18. Outros santos do dia 13 de abril: págs. 293-330 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 13 de abril, ver ainda: 13 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 323-325: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!