Santas e Santos de 26 de fevereiro

1.   Co­me­mo­ração de Santo Ale­xandre, bispo, um glo­rioso an­cião in­fla­mado de zelo pela fé, que, de­sig­nado bispo de Ale­xan­dria de­pois de São Pedro, ex­cluiu da co­mu­nhão da Igreja o seu pres­bí­tero Ario, per­ver­tido pela ímpia he­resia e afas­tado da ver­dade di­vina e, mais tarde, com mais tre­zentos e de­zoito Pa­dres, o con­denou no Pri­meiro Con­cílio de Niceia. († 326). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no Egito, perto de 326, Santo Alexandre, bispo de Alexandria Depois de ter tentado inutilmente trazer de volta ao caminho da verdade a Ário, sacerdote de seu clero, convocou um sínodo que condenou a heresia ariana, definindo a consubstancialidade do Verbo com o Pai. Apoiado por seu diácono, o futuro Santo Atanásio, fez triunfar esta doutrina no I Concílio de Nicéia em 325, que promulgou o célebre símbolo da fé. (M). Conta a história de Ário e o Arianismo e como Santo Alexandre o enfrentou. Ver págs. 09-26:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver também “Alexandre de Alexandria foi o décimo-nono Patriarca de Alexandria, de 313 até sua morte, sucessor de Áquila de Alexandria. Durante seu patriarcado, ele lidou com um grande número de assuntos relevantes para a Igreja na época. Entre eles, a data da Páscoa, as ações de Melécio de Licópolis. Ele foi o líder da oposição ao arianismo, nomeadamente no Primeiro Concílio de Niceia. Ele também é lembrado por ter sido o mentor daquele que seria seu sucessor, Atanásio de Alexandria, um dos maiores padres da Igreja[1].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Alexandre_I_de_Alexandria

– Ver ainda “PRIMEIRO CONCÍLIO DE NICEIA … CONTROVÉRSIA ARIANA: A controvérsia ariana surgiu em Alexandria quando o recém-reinstaurado presbítero Ário começou a difundir visões doutrinárias contrárias às de seu bispo, Alexandre de Alexandria.[42] As questões disputadas centraram-se na natureza e no relacionamento de Deus (o Pai) e do Filho de Deus (Jesus). Os desacordos surgiram de ideias diferentes sobre a divindade e o que significava para Jesus ser o Filho de Deus. Alexandre sustentava que o Filho era divino, exatamente no mesmo sentido que o Pai é, co-eterno com o Pai, do contrário ele não poderia ser um Filho verdadeiro.[15][43]

Ário enfatizou a supremacia e singularidade de Deus Pai, significando que o Pai é todo-poderoso e infinito, e que, portanto, a divindade do Pai deve ser maior que a do Filho. Ário ensinou que o Filho teve um começo, e que ele não possuía nem a eternidade nem a verdadeira divindade do Pai, mas foi feito “Deus” somente pela permissão e poder do Pai, e que o Filho era o primeiro e a mais perfeita das criaturas de Deus.[15][43]

Grande parte do debate dependia da diferença entre ser “nascido” ou “criado” e ser “gerado”. Os arianos viram isso, essencialmente, como o mesmo, ao contrário dos seguidores de Alexandre. O significado exato de muitas das palavras usadas nos debates em Niceia ainda não estavam claras o suficiente para os falantes de outras línguas. Palavras gregas como “essência” (ousia), “substância” (hypostasis), “natureza” (physis), “pessoa” (prosopon), traziam uma variedade de significados extraídos de filósofos pré-cristão e que implicaram em mal-entendidos até que foram finalmente esclarecidos. A palavra homoousia, em particular, foi inicialmente desprezada por muitos bispos por causa de suas associações com os hereges gnósticos (que a usavam em sua teologia), e porque suas heresias haviam sido condenadas no Sínodo de Antioquia em 264-268…

RESULTADO DO DEBATE:

O concílio declarou que o Filho era verdadeiro Deus, co-eterno com o Pai e gerado de sua mesma substância, argumentando que tal doutrina codificava melhor a apresentação bíblica do Filho, assim como a crença cristã tradicional sobre ele transmitida pelos apóstolos. Essa crença foi expressa pelos bispos no Credo de Niceia, que formou a base do que é conhecido atualmente como Credo Niceno-Constantinopolitano.[50]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Primeiro_Conc%C3%ADlio_de_Niceia

– Ver ARIANISMO “arianismo foi uma visão cristológica antitrinitaria sustentada pelos seguidores de Ário, presbítero cristão de Alexandria nos primeiros tempos da Igreja primitiva, que negava a existência da consubstancialidade entre Jesus e Deus Pai, que os igualasse, concebendo Cristo como um ser pré-existente e criado, embora a primeira e mais excelsa de todas as criaturas, que encarnara em Jesus de Nazaré. Jesus então, seria subordinado a Deus Pai, sendo Ele (Jesus) não o próprio Deus em si e por si mesmo. Segundo Ário, só existe um Deus e Jesus é seu filho e não o próprio Deus. Ao mesmo tempo afirmava que Deus seria um grande eterno mistério, oculto em si mesmo, e que nenhuma criatura conseguiria revelá-lo, visto que Ele não pode revelar a si mesmo. Com esta linha de pensamento, o historiador H. M. Gwatkin afirmou, na obra “The Arian Controversy”: “O Deus de Ário é um Deus desconhecido, cujo ser se acha oculto em eterno mistério“.[1]

Foi condenada como heresia no Primeiro Concílio de Niceia em 325 devido ao Antitrinitarismo da doutrina.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arianismo

2.   Em Bo­lonha, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, São Faus­ti­niano, bispo, que, pela pa­lavra da pre­gação, for­ta­leceu e fez crescer esta Igreja ator­men­tada pela perseguição. († s. IV)

3.   Em Gaza, na Pa­les­tina, São Por­fírio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, na­tural de Tes­sa­ló­nica, que viveu como ana­co­reta cinco anos no de­serto de Cete e ou­tros cinco na Trans­jor­dânia, com grandes ma­ni­fes­ta­ções de bon­dade para com os po­bres. De­pois, or­de­nado bispo de Gaza, abateu muitos tem­plos de­di­cados aos ídolos, cujos se­quazes o ti­nham feito so­frer duras ad­ver­si­dades, até que fi­nal­mente des­cansou na paz dos Santos. († 421). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 420, a volta para Deus de São Porfírio, monge no deserto de Cétia durante cinco anos, e depois na Palestina, em uma gruta às margens do Jordão. Foi eleito bispo para o serviço da Igreja de Gaza, onde plicou-se a confirmar os crentes em sua fé e a libertá-los das práticas pagãs e do erro ariano. (M). Ver também págs. 31-37:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver também “Porfírio de Gazabispo de Gaza (Tessalónica, c. 347420) foi um clérigo e bispo cristão que foi santificado pela Igreja Católica e que exerceu grande influência na política e na religião de seu tempo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Porf%C3%ADrio_de_Gaza

4*.   Em Ne­vers, ci­dade da Nêus­tria, ac­tu­al­mente na França, Santo Agrí­cola, bispo. († c. 594). Ver “Agrícola de Nevers, Arigle o Arille fue un obispo y noble francés del siglo VI, venerado como santo por la Iglesia Católica y conmemorado el 26 de febrero.”: Agrícola de Nevers – Wikipedia, la enciclopedia libre

5.   Em Arcis-sur-Aube, na re­gião de Cham­pagne, hoje também na França, São Vítor, ere­mita, que é lou­vado nos es­critos de São Bernardo. († s. VII). Ver página 37: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Isabel_de_Fran%C3%A7a_(1225%E2%80%931269)

6.   Em Flo­rença, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, Santo André, bispo. († s. IX)

7*.   Em Lon­dres, ci­dade da In­gla­terra, o Beato Ro­berto Drury, pres­bí­tero e mártir, que, acu­sado fal­sa­mente de cons­pi­ração contra o rei Jaime I, na praça de Ty­burn, re­ves­tido com o há­bito ecle­siás­tico para mos­trar a sua dig­ni­dade sa­cer­dotal, so­freu por Cristo o su­plício do patíbulo. († 1607)

8*.   Em Olesa de Mont­serrat, po­vo­ação da pro­víncia de Bar­ce­lona, na Es­panha, Santa Paula de São José Ca­la­sanz (Paula Montal Fornés), virgem, que fundou o Ins­ti­tuto das Fi­lhas de Maria das Es­colas Pias. († 1889). Ver “Santa Paula Montalt de São José de Calasanz (n. Paula Montal Fornés, Arenys de MarBarcelona11 de outubro de 1799 – Olesa de MontserratBarcelona26 de fevereiro de 1889) era uma freira cristã e santa cristã.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Madre_Paula_Montalt

9*.   Em Al­can­ta­rilla, perto de Múrcia, na Es­panha, a Beata Pi­e­dade da Cruz (To­ma­sina Ortiz Real), virgem, que por amor de Deus se con­sa­grou di­li­gen­te­mente à for­mação e ca­te­quese dos po­bres e fundou a Con­gre­gação das Irmãs Sa­le­si­anas do Sa­grado Co­ração de Jesus. († 1916)

10. Em Perga, na Pan­fília, na ac­tual Tur­quia, a paixão de São Nestor (no Martirológio Romano, dia 25 de fevereiro), bispo de Ma­gido e mártir, que, pre so du­rante a per­se­guição do im­pe­rador Décio, foi con­de­nado pelo go­ver­nador da pro­víncia a morrer na cruz, para que so­fresse o mesmo su­plício do Cru­ci­fi­cado, cuja fé professava. († c. 250). Conforme o Martirológio Romano-Monástico (de 26 de fevereiro), em Megidos, na Ásia Menor, o Bem-Aventurado Nestor (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo. Convidado a dar sua concordância às ordens fanáticas do imperador Décio, respondeu que se submeteria apenas às ordens de Cristo, “Rei dos céus e Filho do Deus vivo”. A partir desta resposta, foi condenado a sofrer o mesmo martírio de seu divino Mestre. (M). Ver também págs. 27-30:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

11. Em Perga, os Santos Pápias, Deodoro (também na Folhinha do Coração de Jesus), Cônon e Claudiano, martirizados antes de São Nestor. Ver pág. 38: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

12. Outros santos do dia 26 de fevereiro, páginas 09-38:  VIDAS DOS SANTOS – 4.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 26 de fevereiro, ver ainda: 26 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 224-226:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, proteja-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 25 de fevereiro

1.   Em Perga, na Pan­fília, na ac­tual Tur­quia, a paixão de São Nestor, bispo de Ma­gido e mártir, que, preso du­rante a per­se­guição do im­pe­rador Décio, foi con­de­nado pelo go­ver­nador da pro­víncia a morrer na cruz, para que so­fresse o mesmo su­plício do Cru­ci­fi­cado, cuja fé professava. († c. 250). Conforme o Martirológio Romano-Monástico (de 26 de fevereiro), em Megidos, na Ásia Menor, o Bem-Aventurado Nestor (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo. Convidado a dar sua concordância às ordens fanáticas do imperador Décio, respondeu que se submeteria apenas às ordens de Cristo, “Rei dos céus e Filho do Deus vivo”. A partir desta resposta, foi condenado a sofrer o mesmo martírio de seu divino Mestre. (M), Ver também págs. 27-30:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

2.   Em Na­zi­anzo, na Ca­pa­dócia, hoje Ne­nízi, na Tur­quia, São Ce­sário, mé­dico, irmão de São Gre­gório de Nazianzo. († 369). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 369, São Cesáreo (também na Folhinha do Coração de Jesus, Cesário de Nazianzo), irmão de São Gregório de Nazianzo. Médico na corte imperial de Juliano Apóstata, escapou da morte por ocasião de um terremoto. Renunciou então à sua situação, passando a dedicar sua vida a Cristo. (M)

3*.   Em Mau­beuge, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na França, Santa Adel­trudes (Aldretrude), virgem e abadessa. († 526)

4.   No mos­teiro de Hein­de­nheim, na Fran­cónia, hoje na Ale­manha, Santa Val­burga, aba­dessa, que, a pe­dido de São Bo­ni­fácio e dos seus ir­mãos São Vi­le­baldo e São Vi­ne­baldo, veio da In­gla­terra para a Ale­manha, onde di­rigiu ex­ce­len­te­mente dois mos­teiros, um de monges e outro de monjas. († 779). Conforme o Romano-Monástico, em Heidenheim, no séc. VIII, Santa Valburga, abadessa. Filha de São Ricardo, rei da Inglaterra, foi enviada para a Germânia a pedido de São Bonifácio, para dirigir um mosteiro fundado por seus próprios irmãos. É padroeira de várias grandes cidades da Bélgica, notadamente Bruges e Ypres. (M). Ver páginas 406-407: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

–  Ver “Santa Valburga ou Valpurga (inglês antigoWealdburg; c. 710 – 25 de fevereiro de 777/79) foi uma missionária anglo-saxã que atuou no Reino Franco. Foi canonizada cerca de 870 pelo Papa Adriano”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Valburga

– Ver 01 de maio: NOITE DE SANTA VALBURGA: DE 30 DE ABRIL PARA 01 DE MAIO. Ver “Noite de Santa Valburga (do alemãoWalpurgisnacht[1]) é uma festa tradicional cristã cujas origens remontam em parte ao paganismo, celebrada na noite de 30 de Abril para 1 de Maio. Hoje em dia é celebrada igualmente quer por comunidades cristãs quer por não cristãs, em diversos países do Norte e Centro da Europa.[2]

Na maioria dos países esta festividade é celebrada em honra de Santa Valburga, abadessa anglo-saxã de Heidenheim na Baviera, nascida no Devonshire, Inglaterra, no Século VIII. No entanto, devido ao facto de esta noite estar associada, desde tempos imemoriais, com diversos ritos pagãos associados à celebração da chegada da Primavera, as duas celebrações ter-se-ão com o tempo confundido, dando assim origem à moderna festividade que nos dias de hoje se celebra nesta noite.

Durante os festejos é costume fazerem-se grandes fogueiras de modo a afugentar espíritos malignos e almas penadas, os quais segundo a crença popular, vagueiam nesta altura por entre os vivos.

Em muitos países, esta noite está igualmente associada com grandes celebrações estudantis, que marcam o final de ano lectivo.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Noite_de_Santa_Valburga

5*.   Em Agri­gento, na Si­cília, re­gião da Itália, São Ger­lando, bispo, que re­or­ga­nizou a sua Igreja, li­berta do poder dos Sarracenos. († 1100)

6*.   No pri­o­rado de Orsan, no ter­ri­tório de Bourges, re­gião da Aqui­tânia, ac­tu­al­mente na França, o pas­sa­mento do Beato Ro­berto de Abrissel, pres­bí­tero, que, pre­gando a con­versão de cos­tumes por vá­rias terras, con­gregou dois mos­teiros em Fon­te­vrault, um para ho­mens e outro para mu­lheres, sob a di­recção de uma abadessa. († 1116). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1116, o Bem-Aventurado Roberto de Arbrissel. Percorrendo a Bretanha, o Maine e o Anjou, este sacerdote austero e culto atraiu uma multidão de discípulos, que reuniu inicialmente na floresta de Craon, e depois em Fontevrault. Ao morrer, estabelecera uma ordem monástica que contava com cerca de cinqüenta casas, reunidas sob a proteção de Nossa Senhora do Calvário, nome retomado no séc. XVII por uma congregação beneditina. (M). Ver “Roberto d’Arbrissel (ArbrisselBretanha1047 — Orsan25 de fevereiro de 1117) foi um anacoreta e pregador.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Roberto_d%27Arbrissel

– Ver também (VIDAS DOS SANTOS DO DIA 24 DE FEVEREIRO): Bem-aventurado Roberto de Arbrissel – confessor. Ver páginas 402-403: http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

7.   Em Lucca, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, o Beato Aver­tano, pe­re­grino e re­li­gioso da Ordem dos Carmelitas. († c. 1386)

8*.   Em Pu­ebla de los Án­geles, no Mé­xico, o Beato Se­bas­tião Aparício, um pastor de ove­lhas que emi­grou da Es­panha para o Mé­xico, onde ga­nhou for­tuna que aplicou no au­xílio aos in­di­gentes e, de­pois de ter en­viu­vado duas vezes, foi re­ce­bido na Ordem dos Frades Me­nores e morreu quase centenário. († 1600).

– Ver “Sebastião de Aparício Prado (A Gudiña20 de janeiro de 1502 — Puebla25 de fevereiro de 1600) foi um religioso franciscano espanhol beatificado em 17 de maio de 1789 por seu trabalho missionário desenvolvido no México no início do século XVI. Foi um colono espanhol no México logo após sua conquista pela Espanha, que depois de uma vida como fazendeiro e construtor de estradas entrou na Ordem dos Frades Menores como irmão leigo. Ele passou os 26 anos seguintes de sua longa vida como um mendigo da Ordem e morreu com uma grande reputação de santidade. Ele foi beatificado pela Igreja Católica.”: Sebastião de Aparício – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

Bem-aventurado Sebastião de Aparício. Ver págs. 411-412: http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

9*.   Em Láuria, na Lu­cânia, hoje na Ba­si­li­cata, re­gião da Itália, o Beato Do­mingos Lentíni, pres­bí­tero, que na sua terra de­sem­pe­nhou até à morte um fru­tuoso e mul­ti­forme mi­nis­tério, sus­ten­tado numa vida de hu­mil­dade, oração e penitência. († 1828)

10.   Em Osaka, no Japão,o Beato Diogo Yuki Ryosetsu, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus e mártir. († 1636)

11*.   Em Mdina, lo­ca­li­dade da ilha de Malta, a Beata Maria Adeodata (Te­resa) Pi­sáni, virgem da Ordem de São Bento, que foi aba­dessa do mos­teiro de São Pedro e, dis­pondo com har­monia as horas e os tempos, exerceu sa­bi­a­mente o seu ofício, cui­dando dos po­bres e dos aban­do­nados e con­tri­buindo com isso para pro­veito es­pi­ri­tual da pró­pria comunidade. († 1855)

12.   Em Xi­lin­xian, ci­dade do Guangxi, pro­víncia da China, São Lou­renço Bai Xiaoman, mártir, ope­rário e neó­fito, que pre­feriu ser fla­ge­lado e de­go­lado a negar a Cristo. († 1856)

13.   Em To­ledo, na Es­panha, o Beato Ci­ríaco Maria Sancha y Hervás, bispo e fun­dador da Con­gre­gação das Irmãs da Ca­ri­dade do Car­deal Sancha. († 1909). Ver “Beato Ciriaco María Sancha y Hervás (Quintana del Pidio18 de junho de 1833 – Toledo25 de fevereiro de 1909), foi um religioso espanholcardeal e teólogo da Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ciriaco_Sancha_y_Herv%C3%A1s

14.   Em Te­quila, lo­ca­li­dade do ter­ri­tório de Gua­da­la­jara, no Mé­xico, São Tu­ríbio Romo, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, foi morto em ódio ao sacerdócio. († 1928)

15.   Nas mar­gens do rio Bei­jiang, perto da ci­dade de Scha­o­guan, na pro­víncia de Guan­dong, na China, os santos már­tires Luís Versíglia, bispo, e Ca­listo Caravário, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana, que so­freram o mar­tírio por ter dado as­sis­tência cristã aos fiéis que lhes es­tavam confiados. († 1930). Ver “24 de Fevereiro de 1930, Luigi Versiglia partiu com o padre Callisto Caravario e com dois jovens professores e três alunas do Colégio Dom Bosco para Linchow (ou Lianzhou), para realizar trabalho pastoral na missão salesiana existente naquela povoação e liderada por Callisto Caravario. No dia seguinte, durante a viagem, foram apresados por piratas e bandoleiros que exigiram o pagamento de um resgate para os deixarem prosseguir. O padre Caravario e monsenhor Versiglia tentaram proteger as jovens que viajavam com eles, para que os bandoleiros não se aproveitassem delas. Os bandidos chineses, influenciados pela propaganda comunista anti-cristã e anti-ocidental, es­pancaram os dois missionários salesianos, obrigaram-lhes a abandonar o barco e levaram-nos para uma mata perto da aldeia de Li-Thau-Tseul. Lá, os bandidos, depois de afirmarem que queriam destruir os “diabos estrangeiros e as suas religiões“, abateram os salesianos a tiro no dia 25 de Fevereiro de 1930.

Em 1976, o Papa Paulo VI declarou Luigi Versiglia e Callisto Caravario como mártires da Igreja Católica. Foram beatificados no dia 15 de Maio de 1983 pelo Papa João Paulo II. No dia 1 de Outubro de 2000, foram canonizados pelo Papa João Paulo II, juntamente com os outros 118 mártires chineses.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Luigi_Versiglia

– Ver também “Callisto Caravario SDB, (CuorgnèTurim18 de Junho de 1903 — Li-Thau-Tseul25 de Fevereiro de 1930), também grafado Calixto Caravario, foi um sacerdote católico italiano e missionário salesiano em Linchow (ou Lianzhou), na província de Guangdong, na China. Em 1930, foi martirizado a caminho de Linchow, juntamente com o seu bispo e vigário apostólico de Shiu Chow D. Luigi Versiglia. No dia 1 de Outubro de 2000, ambos foram canonizados e proclamados santos da Igreja Católica Romana, juntamente com os outros 118 mártires chineses, por decisão do Papa João Paulo II. A sua festa litúrgica comemora-se em 25 de Fevereiro, aniversário da sua morte, e em 9 de Julho, que se celebra a memória dos 120 mártires chineses.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Callisto_Caravario

– Ver ainda: “Os 120 Mártires da China, ou Agostinho Zhao Rong e 119 Companheiros, mártires na China, são mártires católicos da China e santos da Igreja Católica canonizados no dia 1 de Outubro de 2000 pelo Papa João Paulo II.

Entre 1648 e 1930, 87 chineses e 33 missionários ocidentais (incluindo sete religiosas) foram martirizados simplesmente por serem católicos e, em vários casos, pela sua recusa a apostatar. Muitos morreram no Levante dos Boxers (1899-1900), em que camponeses e ultra-nacionalistas chineses xenófobos mataram milhares de cristãos chineses, missionários e outros estrangeiros ocidentais. Na Igreja Católica, os 120 mártires chineses são lembrados todos os anos no dia 9 de Julho como uma memória facultativa.[1][2]”: Os 120 Mártires da China – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

16.   Em La Plata, ci­dade da Ar­gen­tina, a Beata Maria Lu­do­vica (An­to­nina De An­gelis), virgem da Con­gre­gação das Fi­lhas de Nossa Se­nhora da Mi­se­ri­córdia, que se de­dicou com es­pí­rito ma­terno ao cui­dado e for­mação das cri­anças e dos en­fermos e pela sua di­li­gente atenção aos ne­ces­si­tados num hos­pital se mos­trou como um sinal da be­nig­ni­dade de Deus. († 1962)

17. No início do Séc.IX, São Tarásio. Era secretário de Estado da imperatriz Irene, e ainda leigo, quando foi eleito para a sede patriarcal de Constantinopla. Professou a veneração aos santos ícones e trabalhou pela unidade da Igreja durante o VII Concílio Ecumênico, realizado em Nicéia (conforme o Martirológio Romano-Monástico – M). Ver páginas 419-423: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

Ver 18 de fevereiro: Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Ta­rásio, bispo, in­signe pela sua eru­dição e pi­e­dade, que abriu o Con­cílio de Ni­ceia II, no qual os Pa­dres de­fen­deram o culto das sa­gradas imagens. († 806). Ver “Tarásio de Constantinopla (em grego: Άγιος Ταράσιος) foi o patriarca de Constantinopla de 25 de dezembro de 784 até a sua morte, em 806. ”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Tar%C3%A1sio_de_Constantinopla

18. SANTOS VITORINO, VÍTOR (também na Folhinha do Coração de Jesus), NICÉFORO, CLAUDIANO, DIÓSCORO, SERAPIÃO E PÁPIAS – mártires: Ver “… Dióscoro e Claudiano: sereis queimados vivos! Serapião e Pápias: morrereis pelo gládio! Os quatro, juntos, renderam graças a Deus, dizendo: Ó Senhor, nós te glorificamos e bendizemos, porque nos julgaste dignos de confessar o teu nome e de tomar parte nos sofrimentos de todos os teus santos. Recomendamos-te as nossas almas. Recebe-as no número de teus confessores. Disseram e morreram.” páginas 413-418:

http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

19. Na África, os Santos Donato, Justo, Herena (também na Folhinha do Coração de Jesus) e seus companheiros, mártires. Ver pág. 425:

http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

20. Bem-aventurado Constante. Ver págs. 408-410: http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

21. Santos Ananias, Pedro e Sete soldados Mártires “Na Fenícia, os Santos Ananias, pedro e sete soldados, mártires, sob o imperador Diocleciano. Ananias era sacerdote na Fenícia. Diante do governador, recusou-se, com veemência, a sacrificar aos deuses. Passando por diversos tormentos, surpreerdendo o carcereiro, Pedro, converteu-o, bem como a sete soldados. Todos os convertidos, batizados por Ananias, com este foram atirados ao mar” Ver página 424: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

22. Outros santos do dia 25 de fevereiro, páginas 406-425:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 25 de fevereiro, ver ainda: 25 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 222-224:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 24 de fevereiro

OBSERVAÇÕES SOBRE ANO BISSEXTO E 24 DE FEVEREIRO

  1. O QUE É ANO BISSEXTO E A IMPLANTAÇÃO DO ANO BISSEXTO. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ano_bissexto
  2. DIA 24 DE FEVEREIRO, DIA BISSEXTO. “No calendário romano era o 6º dia (VI) antes das calendas de março. Com a reforma do calendário juliano que introduziu a medida do ano de 365 dias e 1/4 do dia ou 6 horas, entrou em vigor o ciclo dos anos bissextos com 3 anos comuns de 365 dias seguidos de 1 ano com 366 dias. O dia acrescentado devia ser a repetição do dia 24 de fevereiro, o sexto dia antes das Calendas de Março. A repetição do dia expressava-se como bissexto dia antes das Calendas de Março. O termo bissexto passou a designar abreviadamente o próprio dia repetido, o dia bissexto, o mês em que tal acontece é mês bissexto e o ano é ano bissexto. A partir do século XVI com a impressão dos calendários o dia bissexto começou a ser acrescentado no fim do mês, como ainda hoje se usa.. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/24_de_fevereiro
  3. Festa de São Ma­tias, (agora em 14 de maio, também na Folhinha do Coração de Jesus), Após­tolo, que se­guiu o Se­nhor Jesus desde o bap­tismo de João até ao dia em que Cristo subiu ao Céu; por isso, de­pois da As­censão do Se­nhor, foi cha­mado pelos Após­tolos para ocupar o lugar do traidor Judas, a fim de que, con­tado entre os Doze, fosse tes­te­munha da ressurreição… Ver págs. 394-395:

http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Matias_(ap%C3%B3stolo)

Ver também: Nos anos bissextos era neste dia (24 de fevereiro) que começava a usar-se a 2ª letra dominical do ano. Na Idade Média, muitas vezes as instruções referiam apenas que a 1ª letra dominical dos anos bissextos servia até dia de São Matias e nesse dia se tomava a 2ª, porque durante séculos o dia 24 de Fevereiro era o dia de festa do Apóstolo (São Matias), posteriormente mudada para o dia 14 de Maio. Conforme: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/24_de_fevereiro

1.   Em Ni­co­média, na Bi­tínia, hoje Zmit, na Tur­quia, a paixão de Santo Evécio, que, no tempo do im­pe­rador Di­o­cle­ciano, quando viu ex­postos no foro os editos contra os fiéis de Deus, in­fla­mado no ardor da fé, à vista do povo rasgou pu­bli­ca­mente o li­belo da iníqua lei e, por isso, so­freu todo o gé­nero de cruéis suplícios. († 303)

2.   Em Tré­veris, na Gália Bél­gica, na ac­tual Bél­gica, São Mo­desto, bispo. († c. 480). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Treves, no ano de 489, São Modesto, bispo, que trabalhou para restabelecer em sua Igreja a disciplina perturbada pelas invasões dos francos, ainda pagãos. (M)

3.   Em Can­tuária, na In­gla­terra, Santo Etel­berto, rei de Kent, o pri­meiro entre os prín­cipes dos An­glos que o bispo Santo Agos­tinho con­verteu à fé de Cristo. († 616). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 616, Santo Etelberto, rei de Kent. Batizado. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, consagrou os vinte anos de seu reinado à difusão da fé cristã em seu país. (M). Ver páginas 396-401: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver “Etelberto (em inglêsÆthelberhtÆthelbertAethelberht ou Aethelbert😉 foi rei do reino anglo-saxão de Kent de 580-590 até a sua morte. Em sua obra História Eclesiástica do Povo Inglês, o monge Beda lista Etelberto como o terceiro rei a ter um imperium sobre todos os reinos anglo-saxões. Em torno do século IX, na Crônica Anglo-Saxônica, Etelberto é referido como Bretwalda ou Governante da Britânia. Ele foi o primeiro rei inglês a se converter ao cristianismo… Etelberto foi posteriormente canonizado por seu papel na conversão ao cristianismo dos anglo-saxões. Sua festa litúrgica era comemorada originalmente no dia 24 de fevereiro, mas foi alterada para o dia seguinte.[24]arquidiocese católica de Southwark, que abarca a região de Kent, comemora-o no dia 25 de fevereiro.[6]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Etelberto_de_Kent

– Ver ainda “… também conhecido como Ædilberct (Santo Edilberto na Folhinha do Coração de Jesus e também no Martirológio da Editora Permanência); Ethelberht; Aedilberct; Aethelberht; Aibert; Albert; Edilbertus”: https://web.archive.org/web/20070707233447/http://www.catholic-forum.com/saints/sainte3p.htm

4*.   Em Ás­coli Pi­ceno, nas Marcas, re­gião da Itália, o Beato Cons­tâncio Sér­voli de Fabriano, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que se dis­tin­guiu pela sua aus­te­ri­dade de vida e pelo zelo na pro­moção da paz. († 1481)

5*.   Em Mântua, na Lom­bardia, também re­gião da Itália, o Beato Marcos de Marcóni, re­li­gioso da Ordem dos Ere­mitas de São Jerónimo. († 1510)

6*.   Em Al­ge­mesi, ci­dade da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, a Beata Jo­sefa Naval Girbés, virgem, con­sa­grada a Deus no mundo e de­di­cada es­pe­ci­al­mente à ca­te­quese das crianças. († 1510)

7*.   Em Pa­gáni, na Cam­pânia, re­gião da Itália, o Beato Tomás Maria Fusco, pres­bí­tero, que tratou com su­prema de­di­cação os po­bres e os en­fermos e fundou o Ins­ti­tuto das Fi­lhas da Ca­ri­dade do Pre­ci­o­sís­simo Sangue, des­ti­nado a tra­ba­lhar em vá­rias obras so­ciais, es­pe­ci­al­mente em favor dos jo­vens e dos doentes. († 1891)

8.   Em Pam­plona, na Es­panha, a Beata As­censão do Co­ração de Jesus (Flo­ren­tina Nicol Goñi), virgem, co-fun­da­dora da Con­gre­gação das Mis­si­o­ná­rias Do­mi­ni­canas do San­tís­simo Rosário. († 1940)

9. No mesmo dia, em Cesaréia da Capadócia, São Sérgio, (também na Folhinha do Coração de Jesus) mártir, sob os imperadores Diocleciano e Maximiano, quando Saprício governava a Armêni a e a Capadócia. São Sergio, recusando-se energicamente a sacrificar aos deuses, foi decapitado em 304. Conforme pág. 403: http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

10. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cartago, no ano do Senhor de 259, o martírio de São Montano (também na Folhinha do Coração de Jesus)e seus companheiros Lúcio, Flaviano, Juliano, Vitórico, Prímolo e Donaciano. Todos, discípulos de São Cipriano, e na maioria membros do clero, foram responsabilizados pelas desordens causadas pelos idólatras. (M)

11. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Ruão, em 586, São Pretestado, bispo. Acusado de traição, foi exilado e depois morreu assassinado aos pés do altar. (M). Ver página 405: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

12. Outros santos do dia 24 de fevereiro, páginas 394-405:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 24 de fevereiro, ver ainda: 24 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 221-222:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 23 de fevereiro

1. Me­mória de São Po­li­carpo (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo e mártir, ve­ne­rado como dis­cí­pulo de São João e úl­tima tes­te­munha da época apos­tó­lica, que, no tempo dos im­pe­ra­dores Marco An­to­nino e Lúcio Au­rélio Có­modo, sendo quase no­na­ge­nário, foi lan­çado às chamas di­ante do procônsul e de todo o povo no an­fi­te­atro de Es­mirna, na pro­víncia da Ásia, na ac­tual Tur­quia, dando graças a Deus Pai porque Se dignou contá-lo no nú­mero dos már­tires e tomar parte no cá­lice de Cristo. († c. 155). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Policarpo, bispo, martirizado em Esmirna, Ásia Menor, perto de 155. Segundo o testemunho de Santo Irineu, “ele tinha conversado com São João Evangelista e com outros que haviam conhecido o Senhor” e podia “falar daquilo que havia sabido, através deles, de Sua doutrina e de Seus milagres”. Amarrado ao poste de uma fogueira, deu graças ao Pai por comungar do cálice do Senhor, e ressuscitar para a vida eterna da alma e do corpo na incorruptibilidade do Espírito Santo. (R). Ver páginas 175-189: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também “Policarpo de Esmirna (/pɒlikɑːrp/; grego: Πολύκαρπος, PolýkarposLatimPolycarpus; n. 69 – m. 155) foi um bispo da igreja de Esmirna do século II.[1] De acordo com a obra “Martírio de Policarpo“, ele foi apunhalado quando estava amarrado numa estaca para ser queimado-vivo e as chamas milagrosamente não o tocavam.[2] Ele é considerado por isso um mártir e um santo por diversas denominações cristãs.

Policarpo havia sido discípulo do apóstolo João, fato atestado pelo Bispo Ireneu de Lyon,[3] que ouviu-o discursar quando jovem, e por Tertuliano.[4]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Policarpo_de_Esmirna

2.   Em Sír­mium, hoje Sremska Mi­tro­vica, na Pa­nónia, ac­tu­al­mente na Sérvia, São Si­reno ou Si­nero (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Sereno), mártir, um jar­di­neiro que, de­nun­ciado por uma mu­lher cuja con­duta lu­xu­riosa ele re­pre­en­dera e preso pelo juiz, con­fessou ser cristão e, re­cu­sando-se a sa­cri­ficar aos deuses, morreu decapitado. († c. 307). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Sírmium, às margens do Danúbio, São Sereno (ou Sinero), no ano da graça de 307. Vivia na solidão, santificando seu trabalho manual com orações e  penitências, até ser preso e decapitado por causa de sua fé. (M). Ver “Em Sírmio, o bem-aventurado Sereno, monge e mártir. Por ordem do imperador Maximiano, foi decapitado, em 307. Grego de nascimento, deixara o século para, unicamente, servir a Deus. Foi jardineiro. É invocado para que se obtenha bom tempo – talvez por causa do nome”, página 390: VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

3.   Em Wen­lock, na In­gla­terra, Santa Mil­burga, virgem e aba­dessa do mos­teiro do lugar, que era da li­nhagem real da Mércia, na ac­tual Inglaterra. († c. 722). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Inglaterra, no ano da graça de 722, Santa Milburga, virgem. Nascida de família principesca, tomou o véu juntamente com suas duas irmãs no mosteiro de Wenlock, do qual se tornou abadessa e onde foi cumulada de favores místicos por Deus. (M). Ver “Na Inglaterra, Santa Milburga, virgem e abadessa, filha do rei de Mercia, Merovaldo, e da rainha Ermemburga. Irmã de Mildrede e Mildgith, santas também, foi a fundadora do convento de Wenlock. Conta-se dela que, penalizada com a amargura de uma viúva muito pobre, que vinha de perder o único filho, ressuscitou-o. Morta em 622, muitos milagres se realizaram à beira da sua sepultura, em Wenlock.” página 392: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também “Mildburh era filha de Merewalh , Rei do sub-reino Mércia de Magonsaete , e de Domne Eafe . Ela era a irmã mais velha de Santa Mildrith e Santa Mildgytha . As três irmãs foram comparadas às três virtudes teológicas: Milburh à fé, Mildgytha à esperança e Mildrith à caridade. [1]”: https://en.wikipedia.org/wiki/Mildburh

4*.   Em Mo­gúncia, na Fran­cónia da Ger­mânia, na ac­tual Ale­manha, São Vi­li­giso, bispo, in­signe pelo seu zelo pastoral. († 1011)

5.   Em Stilo, na Ca­lá­bria, re­gião da Itália, São João, que se fez monge na ob­ser­vância dos Pa­dres ori­en­tais e me­receu ser cha­mado Te­riste ou Cei­feiro, porque, mo­vido pela sua imensa ca­ri­dade para com os ne­ces­si­tados, pres­tava es­pe­cial au­xílio aos segadores. († s. XI f.)

6*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato Ni­colau Ta­bouillot, pres­bí­tero e mártir, que, sendo pá­roco, foi preso du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa por causa do seu sa­cer­dócio e fi­nal­mente morreu vi­ti­mado pela do­ença num hos­pital da cidade. († 1795)

7*.   Em Bilbau, no País Basco, re­gião da Es­panha, a Beata Ra­faela Ibarra de Vilallonga, mãe de sete fi­lhos, que, com o as­sen­ti­mento do es­poso, emitiu os votos re­li­gi­osos e fundou o Ins­ti­tuto das Irmãs dos Anjos da Guarda, des­ti­nado a pro­teger as jo­vens e ori­entá-las no ca­minho dos pre­ceitos do Senhor. († 1900)

8*.   Em Roma, a Beata Jo­se­fina Van­níni (Ju­dite Ade­laide Van­níni), virgem, que fundou a Con­gre­gação das Fi­lhas de São Ca­milo para a as­sis­tência aos enfermos. († 1911)

9*.   Em Poznam, na Po­lónia, o Beato Luís Mzyk, pres­bí­tero da So­ci­e­dade do Verbo Di­vino e mártir, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da sua pá­tria por se­quazes de uma ne­fasta dou­trina hostil à dig­ni­dade hu­mana e à fé cristã, foi as­sas­si­nado pelos guardas do quartel mi­litar, dando tes­te­munho de Cristo até à morte. († 1942)

10*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, perto de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Vi­cente Frelichowski, pres­bí­tero, que, du­rante a mesma guerra, nos vá­rios cár­ceres em que andou de­por­tado nunca de­sistiu do fervor da fé nem do mi­nis­tério pas­toral e, atin­gido pela en­fer­mi­dade con­traída na as­sis­tência aos do­entes, de­pois de longos so­fri­mentos chegou fi­nal­mente à visão da paz eterna. († 1945)

11. Em Todi, Santa Romana (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, tendo sido batizada pelo papa São Silvestre, levou uma vida celestial nas grutas e cavernas, e se tornou célebre pelos milagres. Ver pág. 393:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

12. Na Ásia Menor, São Lázaro, monge. Famoso por seus talentos artísticos, foi perseguido e até mutilado durante a perseguição iconoclasta, mas usou sua influência junto à imperatriz Teodora para fazer triunfar a paz (conforme Martirológio Romano-Monástico-M).

-São Lázaro – Monge e confessor. Com São Lucas e Santa Catarina de Bolonha, é o Santo um dos padroeiros dos pintores. Ver págs. 389-390:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, São Veterino, discípulo de S. Martinho de Tours. Libertou o Anjou da idolatria, lá introduzindo a luz do Evangelho. (M)

14. Santa Marta de Astorga, virgem e mártir. Ver páginas 384-385: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

Ver também “Santa Marta de Astorga foi uma mártir cristã que viveu na cidade espanhola de Astorga, onde morreu c. 251. Desde 1741 que é a padroeira sua cidade natal, situada na província de Leão.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Marta_de_Astorga

15. São Dositeu – Monge e confessor. Ver págs. 386-388: http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

– Ver também “São Dositeu praticou a mais absoluta e heroica obediência, o que também é um modo de adquirir a força de vontade própria aos verdadeiros heróis das verdadeiras  epopeias.

Fazer continuamente a vontade de outros, ou seja, dos superiores para obedecer a Deus, é desapegar-se continuamente de manias, fobias, venetas e caprichos, o que supõe uma força de vontade sobrenatural.

A vitória de um homem contra obstáculos é, principalmente, uma vitória contra si mesmo, ou seja, contra todos esses defeitos. Quando um homem não leva a cabo uma tarefa que Deus quer dele,  não é porque o obstáculo foi grande, nem porque o inimigo foi forte, ele é que foi pequeno.”: https://www.tfp.org.br/santos-do-dia/obediencia-e-o-espirito-de-epopeia/

16. Outros santos do dia 23 de fevereiro, páginas 371-393:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 23 de fevereiro, ver ainda: 23 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 219-221:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 22 de fevereiro

1. Festa da CA­DEIRA DE SÃO PEDRO OU CÁTEDRA DE PEDRO (também na Folhinha do Coração de Jesus), Após­tolo, a quem o Se­nhor disse: «Tu és Pedro e sobre esta pedra edi­fi­carei a minha Igreja». No dia em que os Ro­manos cos­tu­mavam honrar a me­mória dos seus de­funtos, ce­lebra-se o dia natal de São Pedro na Ca­deira apos­tó­lica, que é ve­ne­rada com o seu mo­nu­mento no Va­ti­cano e tem a missão de pre­sidir à as­sem­bleia uni­versal da caridade. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Festa da Cátedra de São Pedro, sede da Igreja Católica Apostólica, que preside à caridade e confirma na verdade, fonte e base da unidade (cf. Santo Inácio de Antioquia e São Cipriano). (R). 

A Cátedra de Pedro ou Cadeira de São Pedro (em latim Cathedra Petri) é uma relíquia católica, conservada na Basílica de São Pedro em Roma, dentro de um compartimento de bronze, dourado, projetado e construído por Gian Lorenzo Bernini entre 1647 e 1653, que possuí a forma de uma cadeira de espaldar alto. Os católicos celebram a festa da Cátedra de Pedro nos dias 18 de janeiro e 22 de fevereiro. Conforme: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Cátedra_de_São_Pedro

– Ver 18 de fevereiro: O TRONO DE SÃO PEDRO: Ver páginas 7-14: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

Ver também “… No cristianismo, a Confissão de Pedro (do título da seção em latim do Evangelho de Mateus na VulgataConfessio Petri) é um episódio do Novo Testamento no qual o apóstolo Pedro proclama Jesus como sendo o Cristo – o esperado Messias. A proclamação está descrita nos três evangelhos sinóticos em Mateus 16:13-20Marcos 8 27:30 e Lucas 9:18-20[1][2]… Antes do Concílio Vaticano II, a Igreja Católica celebrava a festa da Cátedra de São Pedro em 18 de janeiro. Desde então, a festa é celebrada em 22 de fevereiro. A Igreja Católica jamais celebrou a festa sob o nome de “Confissão de Pedro”[15]. Nas igrejas anglicanas e luteranas, esta mesma festa é celebrada como “Festa da Confissão de Pedro” em 18 de janeiro[7].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Confissão_de_Pedro

Ver “A Cátedra de Pedro ou Cadeira de São Pedro (em latim Cathedra Petri) é uma relíquia católica, conservada na Basílica de São Pedro em Roma, dentro de um compartimento de bronze, dourado, projetado e construído por Gian Lorenzo Bernini entre 1647 e 1653, que possuí a forma de uma cadeira de espaldar alto. Os católicos celebram a festa da Cátedra de Pedro nos dias 18 de janeiro e 22 de fevereiro.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A1tedra_de_S%C3%A3o_Pedro

Ver ainda “É com alegria que hoje nós queremos conhecer um pouco mais a riqueza do significado da cátedra, do assento, da cadeira de São Pedro que se encontra na Itália, no Vaticano, na Basílica de São Pedro. Embora a Sé Episcopal seja na Basílica de São João de Latrão, a catedral de todas as catedrais, a cátedra com toda a sua riqueza, todo seu simbolismo se encontra na Basílica de São Pedro.”: https://santo.cancaonova.com/santo/festa-da-catedra-de-sao-pedro/

2.   Em Hi­e­rá­polis, na Frígia, na ac­tual Tur­quia, São Pa­pias, bispo, que, tendo sido ou­vinte de São João o Pres­bí­tero e com­pa­nheiro de São Po­li­carpo, ex­plicou sa­bi­a­mente as pa­la­vras do Senhor. († s. II). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Hierópolis, na Frígia, perto de 163, o martírio do Bem-Aventurado Pápias, bispo, que recebeu a doutrina de São Policarpo, ele próprio discípulo de São João Evangelista. Beneficiário desta tradição viva escreveu uma obra sobre os Discursos do Senhor. (M). VEr “Pápias foi um escritor do primeiro terço do século II e um dos primeiros líderes da igreja cristã, canonizado como santoEusébio de Cesareia o chama de bispo de Hierápolis (atualmente Hierápolis-PamukkaleTurquia), que fica a 22 km de Laodiceia e Colossas (ver Colossenses 4:13). Ireneu diz que ele foi companheiro de Policarpo, consequentemente discípulo do apóstolo João. Conforme a tradição ele foi martirizado junto com Policarpo (155).”: Pápias de Hierápolis – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

3.   Em Vi­enne, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, São Pas­cásio, me­mo­rável pela sua sa­be­doria e san­ti­dade de vida. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 310, São Pascásio, bispo de Vienne, no Dauphiné, famoso por sua erudição e correção de vida. (M)

4.   Em Ra­vena, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, São Ma­xi­miano (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que cum­priu fi­el­mente o seu mi­nis­tério pas­toral e com­bateu contra os he­reges pela uni­dade da Igreja. († 556). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, São Maximiano, bispo de Ravena. Construiu várias igrejas em sua cidade episcopal, notadamente a basílica de São Vital, que consagrou na presença do imperador Justiniano e da imperatriz Teodora. (M). Ver “Maximiano (em latimMaximianus22 de fevereiro de 499 – 21 de fevereiro de 556) foi bispo de Ravena, na ItáliaRavena foi a capital dos territórios na Itália do Império Bizantino, e o papel de Maximiano foi o de desempenhar funções políticas seculares.”: Maximiano de Ravena – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

5.   Em Fa­enza, na Emília-Ro­manha, o dia natal de São Pedro Damião, cuja me­mória se ce­lebra na vés­pera deste dia. († 1072. Ver dia 21 de fevereiroSão Pedro Damião, car­deal bispo de Óstia e doutor da Igreja, que, tendo en­trado no ermo de Fonte Avel­lana, pro­moveu ar­do­ro­sa­mente a vida re­li­giosa e, para pro­mover a re­forma da Igreja na­queles tempos di­fí­ceis, re­con­duziu com fir­meza os monges à san­ti­dade da con­tem­plação, os clé­rigos à in­te­gri­dade de vida e o povo à co­mu­nhão com a Sé Apos­tó­lica. O seu pas­sa­mento em Fa­enza, na Fla­mínia, ocorreu no dia 22 de Fevereiro. († 1072). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Pedro Damião (também na Folhinha do Coração de Jesus). Eremita em Fonte Avelana, escreveu a biografia de São Romualdo, fundador dos monges Camaldulenses. Enalteceu o mistério da vida solitária na comunhão da Igreja. Mais tarde cardeal-arcebispo de Ostia, apoiou os esforços do papa Gregório VII reagindo contra a dacadência intelectual e moral do clero. Adormeceu no Senhor em 1072. (R).”. Ver também páginas 371-383:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

6*.   Em Long­champ, junto de Paris, na França, a Beata Isabel, virgem, que, sendo irmã do rei Luís IX, re­nun­ciou às núp­cias ré­gias e aos pra­zeres do mundo e fundou um con­vento das Irmãs Me­nores, com as quais serviu a Deus em hu­mil­dade e pobreza. († 1270). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1270, a Bem-Aventurada Isabel de França, virgem. Irmã de São Luís, fundou um convento de religiosas franciscanas em Longchamps, perto de Paris, para onde se retirou renunciando a seus privilégios e à sua fortuna. (M). Ver também págs. 367-368:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

7.   Em Cor­tona, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, Santa Mar­ga­rida (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, for­te­mente co­mo­vida pela morte do seu amante, lavou com uma sa­lutar vida de pe­ni­tência as man­chas da sua ju­ven­tude e, re­ce­bida na Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco, se re­tirou na ad­mi­rável con­tem­plação das re­a­li­dades ce­lestes e foi fa­vo­re­cida por Deus com ca­rismas extraordinários. († 1297). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cortona, na Itália, Santa Margarida, que decidiu resgatar por uma penitência pública os escândalos que provocou em sua juventude desregrada. Admitida na Ordem Terceira Franciscana, nela viveu durante vinte e três anos, agraciada por Deus com inúmeros favores místicos. (M). Ver págs. 356-361:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também “Santa Margarida de CortonaT.O.S.F. foi uma religiosa franciscana italiana e uma santa católica… Depois da morte tornou-se popular o seu culto na cidade onde viveu até à morte. O Papa Leão X permitiu que a cidade de Cortona a recordasse com memória litúrgica no dia da sua morte – 22 de Fevereiro. Em 1623 o Papa Urbano VII estendeu essa autorização a toda a Ordem Franciscana, mas só a 16 de maio de 1728 foi oficialmente canonizada pelo Papa Bento XIII[3].”: Margarida de Cortona – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

8*.   Em Sendai, ci­dade do Japão, o Beato Diogo Carvalho, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus e mártir, que, de­pois de di­versos ul­trajes, cár­ceres e duras ca­mi­nhadas em pleno In­verno, sub­me­tido fi­nal­mente ao su­plício da água ge­lada, com fé in­que­bran­tável morreu por Cristo com muitos companheiros. († 1624)

9*.   Em Flo­rença, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Maria de Jesus (Emilia d’Oul­tre­mont d’Ho­ogh­vorst), que, na Bél­gica, sendo mãe de quatro fi­lhos e fi­cando viúva, sem de modo algum ne­gli­gen­ciar os cui­dados ma­ternos, se de­dicou à cons­ti­tuição e di­recção da So­ci­e­dade das Irmãs de Maria Re­pa­ra­dora e, con­fi­ando no au­xílio di­vino, su­pe­radas não poucas en­fer­mi­dades, con­cluiu pi­e­do­sa­mente a sua pe­re­gri­nação ter­rena quando re­gres­sava à sua pátria. († 1879)

10. Em Alexandria, Santo Abílio (também na Folhinha do Coração de Jesus), Bispo, o qual, segundo na Sé daquela Igreja depois de São Marcos, desempenhou o múnus sacerdotal com fama de grande virtude (conforme Martirológio, Ed. Permanência). Ver também “Abílio de Alexandria (Avílio no oriente), também chamado de Sabélio ou Mélio, foi o terceiro Patriarca de Alexandria. Seu patriarcado aconteceu entre os anos 83 e 95… É venerado como santo tanto pelas Igrejas Ortodoxas quanto pela Igreja Católica Romana e pela Igreja Copta. Ortodoxos e católicos romanos celebram sua festa em 22 de fevereiro; os coptas a celebram em 29 de março e 29 de agosto.”: Abílio de Alexandria – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

11. São Lineu (também na Folhinha do Coração de Jesus)

12. A BEM-AVENTURADA JOANA MARIA BONOMI – Virgem.Ver págs. 362-366: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

13. São Baradat, ermitão e confessor. Conforme VIDAS DOS SANTOS, “Na Siria, São Baradat, ermitão e confessor, nos tempos de Teodósio, o Jovem, Marciano e Leão da Trácia. Vivendo numa espécie de jaula, construída no pico dum alto rochedo, ali se deixou ficar por muito tempo, todo curvado, tão acanhado era o seu retiro, exposto ao sol, à chuva, ao calor, ao frio e aos ventos. Instado pelo patriarca de Antioquia a deixar aquêle suplício, Baradat contentou-o. E, ao invés de ficar curvado, construiu outra gaiola, esta bem alta, onde, sempre de pé e com os braços erguidos para o céu, cobriu-se com um saco de pele, ao qual fez três aberturas: duas para os olhos e uma para a bôca. Santamente, faleceu em 460.”. Ver página 369: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

14. Outros santos do dia 22 de fevereiro, páginas 356-370:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 22 de fevereiro, ver ainda: 22 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 217-219:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 21 de fevereiro

1. São Pedro Damião, car­deal bispo de Óstia e doutor da Igreja, que, tendo en­trado no ermo de Fonte Avel­lana, pro­moveu ar­do­ro­sa­mente a vida re­li­giosa e, para pro­mover a re­forma da Igreja na­queles tempos di­fí­ceis, re­con­duziu com fir­meza os monges à san­ti­dade da con­tem­plação, os clé­rigos à in­te­gri­dade de vida e o povo à co­mu­nhão com a Sé Apos­tó­lica. O seu pas­sa­mento em Fa­enza, na Fla­mínia, ocorreu no dia 22 de Fevereiro. († 1072). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Pedro Damião (também na Folhinha do Coração de Jesus). Eremita em Fonte Avelana, escreveu a biografia de São Romualdo, fundador dos monges Camaldulenses. Enalteceu o mistério da vida solitária na comunhão da Igreja. Mais tarde cardeal-arcebispo de Ostia, apoiou os esforços do papa Gregório VII reagindo contra a dacadência intelectual e moral do clero. Adormeceu no Senhor em 1072. (R). No Martirológio Romano Italiano, em 22 de fevereiro: “Em Fa­enza, na Emília-Ro­manha, o dia natal de São Pedro Damião, cuja me­mória se ce­lebra na vés­pera deste dia. Ver dia 21 de fevereiro.” Ver também páginas 371-383:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver “São Pedro DamiãoOSB (em latimPetrus Damianus; em italianoPetrus Damiani) foi um monge reformador do círculo do papa Leão IX e um cardeal que, em 1823, foi declarado um Doutor da IgrejaDante o colocou num dos mais altos círculos do Paraíso como um grande precursor de São Francisco de Assis.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pedro_Dami%C3%A3o

2.   Co­me­mo­ração de Santo Eus­tácio (Eustazio), bispo de An­ti­o­quia, cé­lebre pela sua sa­be­doria, que, no tempo do im­pe­rador ariano Cons­tâncio, por de­fender a fé ca­tó­lica, foi con­de­nado ao exílio em Tra­ja­nó­polis na Trácia, na ac­tual Bósnia, onde ador­meceu no Senhor. († c. 338). Ver “Eustácio de Antioquia, também chamado de o Eustácio, o Grande, foi o bispo de Antioquia entre 324 e 332 (quando ele foi banido)[2] ou 337 (quando ele morreu).[3] Ele era natural de Side, na Panfília. Por volta de 320, ele era bispo de Beroia (atual Alepo, na Síria) e se tornou bispo de Antioquia imediatamente antes do Primeiro Concílio de Niceia (325). Nele, ele se destacou como um opositor zeloso contra o arianismo, embora o Allocutio ad Imperatorem, que tem sido atribuído a ele dificilmente seja genuíno.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Eust%C3%A1cio_de_Antioquia

3*.   No mos­teiro de Grandval, na Hel­vécia, na ac­tual Suíça, São Ger­mano, abade, que, pro­cu­rando de­fender com diá­logos de paz os ha­bi­tantes vi­zi­nhos do mos­teiro fe­roz­mente ata­cados por um bando de sal­te­a­dores, morreu jun­ta­mente com o monge São Ran­do­aldo, des­po­jado das suas vestes e atra­ves­sado por uma lança. († c. 667). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VII, São Germano, abade de Münstertehl, e São Randoaldo, seu prior, assassinados quando reprovavam o duque da Alsácia, pai da futura Santa Otília, por seus massacres e suas pilhagens. (M). Ver páginas 352-353: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

4*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Tomás Pormort, pres­bí­tero e mártir, que, no rei­nado de Isabel I, cru­el­mente tor­tu­rado no cár­cere por causa do seu sa­cer­dócio, con­sumou o mar­tírio no su­plício da forca junto à ca­te­dral de São Paulo. († 1592)

5.   Também em Lon­dres, São Ro­berto Southwell, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus e mártir, que exerceu o mi­nis­tério du­rante vá­rios anos nesta ci­dade e re­giões vi­zi­nhas, e compôs hinos es­pi­ri­tuais, até que, por causa do sa­cer­dócio, foi preso e du­ris­si­ma­mente tor­tu­rado por man­dado da mesma rainha, con­su­mando o mar­tírio na forca de Tyburn. († 1595)

6.   Em Shi­ma­bara, no Japão, os már­tires Bal­tasar Uchibori, An­tónio Uchibori e Inácio Uchibori, már­tires. († 1627) († 1627)

7*.   Em An­gers, na França, o Beato Natal Pinot, pres­bí­tero e mártir, que, sendo pá­roco, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, quando se pre­pa­rava para ce­le­brar a Missa, foi preso e, re­ves­tido dos pa­ra­mentos sa­grados por zom­baria, assim foi con­du­zido ao pa­tí­bulo como ao altar do sacrifício. († 1794)

8*.   Em Turim, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, a Beata Maria Hen­ri­queta (Ana Ca­ta­rina Do­mí­nici), das Irmãs de Santa Ana e da Pro­vi­dência, que di­rigiu e en­gran­deceu sa­bi­a­mente o Ins­ti­tuto du­rante trinta anos, até ao dia da sua morte. († 1894)

9. Em Adrumeta, na África, os santos Vérulo, Secundino, Sirício, Felix, Sérvulo (também na Folhinha do Coração de Jesus), Saturnino, Fortunato (também na Folhinha do Coração de Jesus) e outros dezesseis, os quais, durante a perseguição dos vândalos, foram martirizados pela defesa da fé católica. Conforme pág. 355: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

10. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Citópolis, na Palestina, no séc. V, São Severiano, bispo, martirizado por ter defendido a fé contra Teodósio, usurpador da Sé de Jerusalém. (M)

11. BEM-AVENTURADO PEPINO DE LANDEN Confessor – … Pepino, em tudo, foi modêlo. Cortesão perfeito, era protetor das leis, defensor da verdade, cultuador da justiça, fervoroso amigo dos servidores de Deus, terror dos dúbios e dos perversos, sustentáculo dos fracos. Foi um pai da pátria, alma do Estado, amigo da religião, condutor seguro e correto de reis.

Pepino de Landen, o bem-aventurado, foi quem erigiu o convento sôbre o túmulo de Santa Hermelenda. Morto em 646, enterraram-no em Landen, sendo, mais tarde, transferido para Nivelli, junto da filha Gertrudes, abadessa. Ver págs. 350-351: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também “Pepino de Landen (em francêsPépin), também conhecido como Pepino I ou Pepino o Velho (585 — Landen27 de fevereiro de 640) foi um mordomo do palácio da Austrásia.. Nunca foi canonizado oficialmente, mas é listado como santo em algumas antigas listas de mártires cristãos, comemorado em 21 de fevereiro.[1]… Com Ida de Metz (◊ c. 592 † 652) teve os filhos:[1] ♂ Grimoaldo I (◊ 616 † 662); ♀ Santa Begga (◊ c. 615 † c. 694); ♀ Santa Gertrudes de Nivelles (◊ 626 † 659); ♂ São Bavão (◊ 589 † 654)

”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pepino_de_Landen

12. São Pedro de Maiuma – mártir. Pedro era de Gaza, na Palestina, cidade que também era conhecida como Maiúma, daí o Maiumeno que acompanha o nome do Santo. “… Quem é êle, o vosso profeta? replicou Pedro, compenetradamente. Dir-vos-ei, meus bons amigos. É o precursor do Anticristo. Renunciai ao êrro, queridos, renunciai ao êrro em que estais! Certos de que Pedro delirava, deixaram-no, excusando-o. Curado, o Santo voltou ao seu trabalho. E, querendo dar testemunho da fé que abraçava, gritou, um dia, em meio a numerosas pessoas: Abaixo Maomé! Anátema! Abaixo o profeta e seu fabuloso ensinamento! Imediatamente, agarraram-no e levaram-no à presença de Walid, que ordenou ihe cortassem a cabeça no mesmo dia. Era a 2l de fevereiro de 743”. Conforme págs. 348-349:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

13. SÃO GONDELBERTO – Bispo de Sens, e solitáríos nos Vosges – No sétimo século, comparava-se a solidão Vosges à antiga Tebaida. Três santos bispos das Gálias se retiraram quase ao mesmo tempo para aquêles paramos desertos e construíram, cada um, a sua cela. São Gondelberto ou Gomberto, de Sens, abandonando tudo, foi ocultar-se aos olhos do mundo naquele retiro. Tendo lá obtido um pedaço de terra do rei Childerico II, que então reinava na Austrásia, ergueu uma cela em honra de São Pedro e chamou-lhe Senones, do nome da sua igreja de Sens. Honram-no em 2l de fevereiro. Santo Hidulfo, por sua vez, é honrado em 11 de julho. Conforme pág. 347:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

14. SÃO DANIEL, SANTA VERDA e OUTROS MÁRTIRES DA PÉRSIA – Dois anos depois do martírio de São Sadoth, de que falamos no dia precedente, o sacerdote Daniel e a virgem Santa Verda, ou seja, Rosa, foram detidos por ordem do governador da província dos Razicheanos. Padeceram durante três meses as mais cruéis torturas. Entre outros suplícios, vararam-lhes os pés, os quais, depois, foram-mantidos por cinco dias na água gelada. Nada lograva abalar-lhes a constância. Assim, condenou-os o governador à decapitação, o que se verificou em 2l de fevereiro de 344. No mesmo ano, o rei Sapor, encontrando em Selêucia, mandou prender, na vizinhança, cento e vinte cristãos, entre os quais se achavam nove virgens consagradas ao Senhor; quanto aos restantes eram sacerdotes, diáconos e clérigos de diferentes ordens. Foram todos conduzidos a tenebrosas e infectas masmorras, onde ficaram até o fim do inverno, isto é, durante seis meses.

Uma rica e virtuosa mulher da cidade de Arbela, chamada Jazdundocta, ou seja, Nascida de Deus, incumbiu-se, sozinha, do cuidado de os alimentar, não querendo partilhar a boa obra com ninguém. Os santos presos foram freqüentemente submetidos a cruciais torturas, mas sempre confessaram com heroísmo a Jesus Cristo. “Jamais, diziam, adoraremos o sol, que não passa de simples criatura; só almejamos o momento em que, terminando esta vida, se iniciará a nossa ventura”. Jazdundocta, tendo sabido o dia em que seriam executados, rumou, na véspera, para a prisão, lavou-lhes os pés e a cada um deu uma túnica branca. Em seguida, mandou lhes fôsse preparado um grande festim, e ela própria os serviu à mesa. Ao mesmo tempo, exortava-os à constância com as promessas feitas pelo Evangelho aos verdadeiros discípulos de Cristo. Tal procedimento surpreendeu bastante os confessores, e foi inutilmente que indagaram do motivo. No dia seguinte, Jazdundocta foi visitá-los, mas foi para lhes dizer que aquêle dia não passaria sem que recebessem a coroa do martírio. Rogou-lhes solicitassem ao pé de Deus o perdão aos pecados dela, para que pudesse ter a felicidade de se lhes reunir no reino celestial. Pouco tempo depois, enviou o soberano ordens para que, sem demora, fôssem executados os confessores. Fizeram-nos, pois, sair da prisão. Jazdundocta aguardava-os à porta; atirou-se-lhes aos pés e beijou-lhes respeitosamente as mãos. Os guardas apressaram-se em os conduzir ao lugar do suplício. Lá, o oficial que presidia perguntou se dentre êles havia alguém desejoso de salvar a vida adorando o sol. Responderam os mártires, unanimemente, que a morte não lhes metia mêdo, e que a preferiam a uma criminosa apostasia. O oficial, desesperando de os conquistar, após tão firme resposta, condenou-os à decapitação, que se verificou imediatamente. Ao cair da noite, Jazdundocta mandou sepultar os pobres corpos, aos grupos de cinco a uma grande distância da cidade. Tomara todas as precauções para não ser descoberta pelos magos. Os mártires, mortos em 21 de abril de 344, eram da Adiabene, cuja capital era Arbela. A província, que compreendia a maior parte da antiga Assíria, não era quase habitada senão por cristãos. Conf. págs. 344-346: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

15. São Patério. Ver “Patério (em latimPaterius; m. 606) foi bispo de Bréscia e é conhecido como compilador, em particular das obras do papa Gregório I, para quem trabalhou como notário.

A única obra sobrevivente é “Liber testimoniorum veteris testamenti”,[1] uma antologia da exegese de Gregório arrumada na mesma ordem que aparecem as passagem bíblicas discutidas. Muito popular, sobreviveu em mais de 120 manuscritos completos ou parciais.[2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pat%C3%A9rio

16. Outros santos do dia 21 de fevereiro, páginas 344-355:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 21 de fevereiro, ver ainda: 21 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 215-217:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permitas que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 20 de fevereiro

1. Santos Fran­cisco (ver também 04 de abril) e Ja­cinta Marto (também na Folhinha do Coração de Jesus), hu­mildes cri­anças que em Fá­tima, lo­ca­li­dade de Por­tugal, viram três vezes um Anjo e seis vezes a San­tís­sima Virgem, de quem re­ce­beram a exor­tação de rezar e fazer pe­ni­tência pela re­missão dos pe­cados, para obter a con­versão dos pe­ca­dores e a paz do mundo. Ambos res­pon­deram ime­di­a­ta­mente com he­róica di­li­gência a estes pe­didos e, in­fla­mados no amor a Deus e às almas, ti­nham uma só as­pi­ração: rezar e so­frer de acordo com os pe­didos do Anjo e da Virgem Maria. Fran­cisco fa­leceu no dia 4 de Abril de 1919 e Ja­cinta no dia 20 de Fe­ve­reiro de 1920. († 1919-1920)

04 de abril, martirológio italiano: em Al­jus­trel, lugar de Fá­tima, em Por­tugal, São Fran­cisco Marto, que, ainda cri­ança, con­su­mido ra­pi­da­mente pela en­fer­mi­dade, ma­ni­festou ad­mi­rável su­a­vi­dade de com­por­ta­mento, per­se­ve­rança na ad­ver­si­dade e na fé e as­si­dui­dade à oração. († 1919)

– Ver também:

São Francisco Marto e Santa Jacinta Marto

Francisco e a irmã Jacinta Marto foram beatificados pelo Papa João Paulo II em 13 de maio de 2000. O seu dia festivo é 20 de fevereiro. A sua canonização realizada pelo Papa Francisco ocorreu no dia 13 de maio de 2017, por ocasião das celebrações do Centenário das Aparições de Fátima.

– Ver também “Francisco de Jesus Marto (Aljustrel, Fátima11 de junho de 1908 — Ourém4 de abril de 1919)[1][2] foi um dos três pastorinhos que viu Nossa Senhora, na Cova da Iria, em Fátima, entre 13 de maio e 13 de outubro de 19174 de Abril de 1919 – Morre na casa da sua família, em Aljustrel. É sepultado no cemitério de Fátima.”:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Marto

–  Ver “Jacinta de Jesus Marto (Aljustrel, Fátima5 de março de 1910 — Lisboa20 de fevereiro de 1920)[1][2] foi uma dos três pastorinhos que afirmou ter visto Nossa Senhora na Cova da Iria, em Fátima, entre 13 de maio e 13 de outubro de 191720 de fevereiro de 1920 – Morre no Hospital de Dona Estefânia. É sepultada no cemitério de Vila Nova de Ourém, no jazigo da família do Barão de Alvaiázere.12 de setembro de 1935 – Os seus restos mortais são trasladados para o cemitério de Fátima, data em que a urna foi aberta e revelado o seu corpo incorrupto.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jacinta_Marto

https://www.acidigital.com/noticias_tags.php?tag_id=6907

https://www.acidigital.com/noticias/igreja-celebra-pela-primeira-vez-os-santos-francisco-e-jacinta-marto-videntes-de-fatima-83795

2.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, a co­me­mo­ração de São Se­ra­pião, mártir, que, no tempo do im­pe­rador Décio, teve de su­portar tão cruéis su­plí­cios que se lhe des­con­jun­taram todos os seus mem­bros e de­pois foi pre­ci­pi­tado do alto da sua pró­pria casa. († c. 248)

3.   Co­me­mo­ração de cinco be­atos mártires, que, no tempo do im­pe­rador Di­o­cle­ciano, foram mortos em Tiro da Fe­nícia, no ac­tual Lí­bano. Pri­meiro foram fla­ge­lados com azor­ra­gues em todo o corpo, de­pois des­nu­dados e lan­çados à arena e ati­rados a vá­rios gé­neros de feras, ma­ni­fes­tando em seus corpos ju­venis sempre a mesma cons­tância firme e ina­ba­lável. Par­ti­cu­lar­mente um deles, com menos de vinte anos de idade, nada per­tur­bado pelas ca­deias, com os braços es­ten­didos em forma de cruz ele­vava preces a Deus. Per­ma­ne­cendo todos in­có­lumes ao pe­rigo das feras, foram fi­nal­mente pas­sados ao fio da espada. († 303).

Ver também: Vários Santos Mártires em Tiro, na Fenícia, na época de Diocleciano, que morreram com várias espécies de suplícios. “… após sofrerem inúmeras chicotadas com admirável constância, foram expostos a leopardos, ursos e javalis, instigados pelo ferro e pelo fogo. Os animais davam gritos espantosos; os mártires os aguardavam, sem pestanejar, mas êles não ousavam aproximar-se, e voltavam-se contra os pagãos que os instigavam. Só aos mártires é que poupavam, embora os infelizes estivessem nus e mexessem as mãos para os atrair… Foram introduzidas outras feras, sem resultado. Finalmente, os mártires tiveram a cabeça cortada e foram arremessados ao mar”. Conforme páginas 335-336:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

4.   Em An­ti­o­quia, na Síria, hoje An­takya, na Tur­quia, a co­me­mo­ração de São Ti­rânio, bispo de Tiro e mártir, que, ins­truído na fé cristã desde tenra idade, foi di­la­ce­rado com gan­chos de ferro e assim al­cançou com o pres­bí­tero Ze­nóbio a coroa do martírio. († 311). Conforme o Martirológio Ed. Permanência, a gloriosa multidão de mártires de Tiro era estimulada à vitória pelos Bispos Tirânio, Silvano, Peleu e Nilo (Ver também: na Folhinha do Coração de Jesus, São Nilo) e pelo sacerdote Zenóbio, os quais, combatendo o bom combate, conseguiram com os outros a palma do martírio

5.   Em Tournai, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na Bél­gica, Santo Eleu­tério (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo e mártir. († c. 530). Ver Santo Eleutério e outro Santo Eleutério (bispo e confessor), páginas 341-342: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

6.   Na abadia de Sint-Truiden, no Bra­bante da Aus­trásia, também na ac­tual Bél­gica, o pas­sa­mento de Santo Euquério, bispo de Or­leães, que, obri­gado por Carlos Martel a partir para o exílio por causa das ca­lú­nias contra ele le­van­tadas por ho­mens in­ve­josos, en­con­trou pi­e­doso re­fúgio entre os monges. († c. 738). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 738, Santo Euquério. Inicialmente foi monge em Jumièges, e sete anos mais tarde foi eleito bispo de Orléans, sua cidade natal. Foi exilado para Colônia por Carlos Martelo, que queria apossar-se dos bens de sua Igreja. Morreu no mosteiro de Saint-Trond, perto de Liège. (M). Ver mais sobre Santo Euquério às páginas 339-341:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

7.   Em Ca­tânia, na Si­cília, re­gião da Itália, São Leão, bispo, que se de­dicou com grande di­li­gência ao cui­dado dos pobres. († c. 787). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VIII, São Leão. Este cristão de Ravena renunciou à sua rica herança para colocar-se a serviço de Cristo e de sua Igreja. Foi eleito bispo de Catânia, na Sicília, e com a coragem de um leão, cujo nome ele assumiu, libertou sua Igreja da idolatria, sucesso que o fez ser chamado à Igreja de Bizâncio. (M)

8*.   Em Stutthof, perto de Gdansk, na Po­lónia, a Beata Júlia Rodzinska, virgem da Con­gre­gação das Irmãs de São Do­mingos e mártir, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da sua pá­tria em tempo de guerra, foi apri­si­o­nada num campo de con­cen­tração, onde, atin­gida por uma en­fer­mi­dade mortal, al­cançou a glória celeste. († 1945)

9. Conforme o Martirológio Romano Italiano de 18 de fevereiro, em Beth Lapat, no reino dos Persas, hoje Gun­deshapur, no Irão, a paixão dos santos már­tires Sadot, bispo de Se­lêucia, e cento e vinte e oito companheiros, már­tires, – pres­bí­teros, clé­rigos e sa­gradas vir­gens – que, por se re­cu­sarem a adorar o sol, foram me­tidos no cár­cere e, de­pois de pa­de­cerem du­rante longo tempo cruéis su­plí­cios, fi­nal­mente, por sen­tença do rei, foram assassinados. († 342). Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 20 de fevereiro, na Pérsia, no ano de Senhor de 542, São Sadoth, bispo, condenado à morte com cento e vinte e oito companheiros por ter preferido adorar a Cristo em vez de adorar o sol, que é apenas o seu símbolo. (M) Ver mais sobre a história de São Sadote e vários outros mártires às págs. 337-338:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

10. Outros santos do dia 20 de fevereiro, páginas 335-343:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 20 de fevereiro, ver ainda: 20 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 214-215:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 19 de fevereiro

1.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, o se­pul­ta­mento de São Quod­vult­deus, bispo de Car­tago, que foi exi­lado com todo o seu clero pelo rei ariano Gen­se­rico e, co­lo­cado em barcas ve­lhas sem velas nem remos, contra toda a es­pe­rança hu­mana aportou em Ná­poles, onde morreu como con­fessor da fé. († 439). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 444, São Quodvultdeus, bispo. Dirigia a Igreja de Cartago quando a cidade foi tomada em 430 por Genserico, rei dos vândalos. Esse príncipe ariano, não conseguindo fazê-lo apostatar, o fez embarcar junto com o seu clero em embarcações danificadas, com o intuito de afogá-los. Mas conseguiram chegar a Nápoles, onde foram recebidos com honrarias e vieram a morrer, exilados, como confessores da fé. (M). Ver página 332 (São Que-Deus-Quer): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver “Quodvultdeus [nota 1] (Cartago, final do século IV – Nápoles454), era bispo e santo berberebispo de Cartago na época da invasão dos vândalos de Genserico e depois refugiado em Nápoles. Ele é reverenciado como um santo pela Igreja Católica.[1]Entre 445 e 451 ele escreveu o Liber promissionum et prædicatorum Dei e participou da luta contra o pelagianismo, auxiliando ao bispo São Nostriano.[1] ( Ver dia 14 de fevereiro) Ele converteria dezenas de godos arianos à ortodoxia durante sua vida.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Quodvultdeus

Ver “PELAGIANISMO: O pelagianismo foi um conceito teológico que negava o pecado original, a corrupção da natureza humana, o servo arbítrio (arbítrio escravizado, cativo) e a necessidade da graça divina para a salvação. O termo é derivado do nome de Pelágio da Bretanha[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Pelagianismo

2.   Comemoração dos santos monges e outros mártires, que, por causa da fé em Cristo, foram crudelissimamente massacrados na Palestina às mãos dos Sarracenos, sob as ordens de Alamondir.

(† 507)

3.   Em Milão, na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Man­sueto, bispo, que com­bateu ar­du­a­mente a he­resia dos monotelistas. († c. 680)

4.   Em Be­na­vento, na Cam­pânia, também re­gião da Itália, São Bar­bato, bispo, que, se­gundo a tra­dição, con­verteu os Lom­bardos e o seu chefe à fé de Cristo. († 682). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 682, São Barbato, bispo. Persuadiu, com grande sucesso, os lombardos que haviam estabelecido um principado em Benevento a abandonarem as práticas supersticiosas. (M)

5.   No mos­teiro de Va­bres, no ter­ri­tório Rodez, na Aqui­tânia, ac­tu­al­mente na França, São Jorge, monge. († c. 877)

6*.   Em Bi­sig­nano, perto de Co­senza, na Ca­lá­bria, re­gião da Itália, São Proclo, monge, que, do­tado de emi­nente sa­be­doria, foi arauto in­signe da vida monástica. († c. 970)

7*.   Em La Chambre, perto de Bru­xellas, no Bra­bante, ac­tu­al­mente na Bél­gica, o se­pul­ta­mento do Beato Bo­ni­fácio, que foi bispo de Lau­sana e de­pois levou vida as­cé­tica com os monges cis­ter­ci­enses do lugar. († 1260)

8*.   Em Noto, na Si­cília, re­gião da Itália, o Beato Con­rado (Corrado) Con­fa­lo­niéri de Piacenza (também na Folhinha do Coração de Jesus), ere­mita da Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco, que, dei­xando os di­ver­ti­mentos mun­danos, se­guiu du­rante cerca de qua­renta anos um gé­nero de vida ri­go­ro­sís­simo em as­sídua oração e penitência. († 1351). A história de Conrado é muito bonita e contada por Pe. Rohrbacher. Ele acendeu uma fogueira, incendiou uma floresta por acidente, viu outro ser condenado em seu lugar e se entregou. Deu seu patrimônio para pagar o prejuízo, foi com a esposa para Roma, tornou-se franciscano (ordem terceira) e a esposa, carmelita. Passou os últimos dias em penitência e oração. Conforme págs. 324-325: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também “Conrado de Placência, em italianoConrado di Piacenza (Calendasco1290 – Noto19 de fevereiro de 1351) foi um santo eremita que viveu em Placência, na Itália, no século XIV.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Conrado_de_Plac%C3%AAncia

9*.   Em Cór­dova, na Es­panha, a co­me­mo­ração do Beato Ál­varo de Zamora (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, cé­lebre pela sua eloquência e con­tem­plação da Paixão do Senhor. († c. 1430)

10*.   Em Mântua, na Lom­bardia, re­gião da Itália, a Beata Isabel Picenárdi, virgem, que, to­mando o há­bito da Ordem dos Servos de Maria, pra­ticou na casa pa­terna a vida con­sa­grada a Deus. Fre­quen­tava as­si­du­a­mente a sa­grada Co­mu­nhão e a Li­turgia das Horas, en­tre­gava-se à me­di­tação da Sa­grada Es­cri­tura e cul­ti­vava uma es­pe­ci­a­lís­sima de­voção à Virgem Maria. († 1468). Mais sobre santa Isabel nas págs. 326-328: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

11.   Em Kaiyang, perto de Mi­anyang, no Si­chuan, pro­víncia da China, Santa Lúcia Yi Zhenmei, virgem e mártir, que pela con­fissão da fé ca­tó­lica foi con­de­nada à decapitação. († 1862)

12*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, perto de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato José Zaplata, re­li­gioso da Con­gre­gação do Sa­grado Co­ração de Jesus e mártir, que, por causa da sua fé, foi vi­o­len­ta­mente de­por­tado da Po­lónia, sua pá­tria, para um atroz ca­ti­veiro e, atin­gido pela do­ença, con­sumou o seu martírio. († 1945)

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, perto de 296, São Gavino ou Gabino (também na Folhinha do Coração de Jesus), sacerdote. Irmão do Papa São Gaio e pai de Santa Susana, esteve durante muito tempo detido na prisão e lá morreu pela fé, sob Diocleciano. (M). Em Roma, perto de 296, São Gavino (ou Gabino). Ver também 18 de fevereiro nos santos Cláudio e família. São Gabínio – Mártir. São Gabínio, quer a lenda , era parente do imperador Diocleciano e irmão do papa Caio. Era pai de Santa Susana. Senador, morta a espôsa entregou-se ao sacerdócio, contribuindo para a conversão dos santos Claudio, Máximo, Prepedigna, Alexandre e Cúcias ( 18 de fevereiro). Prêso ccm a filha, depois do martírio de Santa Susana (Ver 11 de agosto), continuou no cárcere, acabando os dias pela fome. Enterrado junto da santa mártir e de Caio, foi desde logo cultuado (296). Conforme pág. 330:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

14. SANTO AUXÍBIO – Bispo e Confessor. Auxíbio nasceu em Roma, de pais pagãos, adoradores dos falsos deuses. O pai, desejando-o casado e bem pôsto na vida, procurou colocá-lo num bom cargo público, mas Auxíbio, convertido, todo dado a Jesus Cristo, fugiu de casa, embarcando num navio que se dirigia para a ilha de Rodes. De Rodes, o jovem cristão passou, pouco depois, para Chipre, onde, diz a tradição, encontrando-se com João Marcos, que era parente de São Barnabé, foi bem recebido , batizado e instruído quanto ao modo de pregar o Evangelho. Enviado por João Marcos para Soles, Auxíbio pôs-se a trabalhar na catequização das gentes. Morto São Barnabé, o apóstolo Paulo, ciente por João Marcos dos progressos gue se davam em Chipre, investiu Heráclio do poder de instituir novos bispos. Bispo, Auxíbio governou seu rebanho por cinqüenta anos, falecendo em paz, no ano de 102. Conforme pág. 329: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

15. SANTO ODRAN – Mártir. Odran era irlandês. Dos discípulos de São Patrício, o grande apóstolo da Irlanda, foi o único a ser martirizado. Santo Odran acompanhava São Patrício em tôdas as viagens que o apóstolo fazia. Era o condutor de seu carro. Um dia, passavam êles pelo território de HyFailge, vindos de Munster, quando Odran, com um estremecimento, teve um mau pressentimento. Havia perigo pela frente. Ao santo apóstolo missionário ocorreria algo, e, pois, era preciso agir. Disse Odran: Mestre, lembra-te de que cruzarnos zona que te é hostil. Sim, respondeu Patrício. Foi justamente por estas bandas que destruí o ídolo do chefe de HyFailge.

Sinto que está para te acontecer alguma coisa, disse Odran, nervosamente. Deus e grande, respondeu o apóstolo. Odran parou o carro e suplicou:

– Troca de pôsto comigo, mestre. Vem para a boléia, faze as minhas vezes e eu ocuparei o teu lugar.

– Não haverá nada, meu bom Odran. Oh, mestre, rogo-te que me atendas. Por um pouco só, eu te suplico.

Patrício, relutante, acabou por descer, subiu para a boléia e Odran ocupou-lhe o lugar.

Nem bem haviam feito aquela troca, quando homens, enraivecidos, surgiram no caminho. E, dirigindo-se para Odran, certos de que se tratava de Patrício, assassinaram-no num átimo (instante). São Patrício, a ponto de amaldiçoar os matadores do bom discípulo, foi sustado pelo próprio amigo que expirava e lhe pedia que nada fizesse contra os bárbaros.

Santo Odran, morto em 451, foi honrado como mártir por todos os compatriotas. Conforme págs. 331-332: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

16. Beato de Liébana. Ver “Beato de Liébana, (? — 798), também referido como São Beato (como surge inscrito no calendário litúrgico de santos) católico, cuja festividade se celebra a 19 de Fevereiro[carece de fontes], foi um monge do Mosteiro de São Martinho de Turieno (actual Mosteiro de Santo Toríbio de Liébana, na comarca de Liébana, próxima dos Picos de Europa). A sua obra mais conhecida é o Comentário ao Apocalipse de São João (Commentarium in Apocalypsin), de grande difusão durante a Alta Idade Média, devido ao seu trabalho no campo da teologiapolítica e geografia.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Beato_de_Li%C3%A9bana

Ver também: “ADOCIONISMO O monge espanhol Beato de Liébana, junto o bispo Etério de Osma, combateram o adocionismo, fortemente defendido por Elipando. O credo foi condenado pelo Segundo Concílio Ecumênico, em Niceia (em 787). Nos anos 794 e 799, os papas Adriano I e Leão III, condenaram o adocionismo como heresia nos sínodos de Francoforte e Roma, respectivamente.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Adocionismo

– Ver ainda “Beato o Beatus fue un célebre monje del Monasterio de San Martín de Turieno (actualmente denominado Santo Toribio) en el Valle de Liébana, uno de los hermosos y profundos valles cántabros poblados por los cristianos refugiados tras la invasión musulmana, a los pies de los Picos de Europa. Vivió a finales del siglo VIII.”: Beatos mozárabes (ARTEGUIAS)

– Ver “Na Espanha, São Beato, abade e confessor. Originário das Astúrias, ajudado por um companheiro, Etério, que mais tarde seria bispo de Osma, São Beato pregou a verdadeira doutrina e ensinou, com seus escritos, que melhor se conhecesse Jesus Cristo. Helipando, arcebispo de Toledo e discípulo de Félix de Urgel, que espalhava peia Espanha o êrro de Nestório, criou oportunidade para São Beato combater o bom combate. Depois de um feliz término, o Santo retirou-se ao mosteiro de Valcarado, onde escreveu um comentário sôbre o Apocalipse de São João. Faleceu em 798.” página 333: VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

17. Outros santos do dia 19 de fevereiro, páginas 324-334:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 19 de fevereiro, ver ainda: 19 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 212-213:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 18 de fevereiro

1. Me­mória de São Te­o­tónio, que fez por duas vezes a pe­re­gri­nação a Je­ru­salém e, re­cu­sando a cus­tódia do Santo Se­pulcro, re­gressou à pá­tria, onde fundou, com onze re­li­gi­osos, a Con­gre­gação dos Có­negos Re­grantes da Santa Cruz, em Coimbra, ci­dade de Portugal. († c. 1162). VerSão Teotónio (GanfeiValença1082 — Coimbra18 de Fevereiro de 1162) foi um religioso português do século XII, tendo sido canonizado pela Igreja Católica.

Reconhecido por todo o Ocidente, contava-se entre os seus amigos pessoais São Bernardo de Claraval[1].: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Teot%C3%B3nio

2.   Em Beth Lapat, no reino dos Persas, hoje Gun­deshapur, no Irão, a paixão dos santos már­tires Sadot, bispo de Se­lêucia, e cento e vinte e oito companheiros, már­tires, – pres­bí­teros, clé­rigos e sa­gradas vir­gens – que, por se re­cu­sarem a adorar o sol, foram me­tidos no cár­cere e, de­pois de pa­de­cerem du­rante longo tempo cruéis su­plí­cios, fi­nal­mente, por sen­tença do rei, foram assassinados. († 342). Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 20 de fevereiro, na Pérsia, no ano de Senhor de 542, São Sadoth, bispo, condenado à morte com cento e vinte e oito companheiros por ter preferido adorar a Cristo em vez de adorar o sol, que é apenas o seu símbolo. (M). Ver também mais sobre a história de São Sadote e vários outros mártires às págs. 337-338:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

3.   Em To­ledo, na His­pânia, Santo Eládio (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santo Heládio), que, de­pois de ter exer­cido cargos ad­mi­nis­tra­tivos na corte régia e no go­verno, foi abade de Agali e, fi­nal­mente, ele­vado ao epis­co­pado de To­ledo, deu tes­te­munho da sua emi­nente caridade. († 632)

4.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Ta­rásio, bispo, in­signe pela sua eru­dição e pi­e­dade, que abriu o Con­cílio de Ni­ceia II, no qual os Pa­dres de­fen­deram o culto das sa­gradas imagens. († 806). VerTarásio de Constantinopla (em grego: Άγιος Ταράσιος) foi o patriarca de Constantinopla de 25 de dezembro de 784 até a sua morte, em 806: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Tar%C3%A1sio_de_Constantinopla

5*.   No mos­teiro de Cên­tula, no ter­ri­tório de Amiens, na Gália, hoje na França, Santo An­gil­berto, abade, que, dei­xando os cargos pa­la­ci­anos e mi­li­tares, com o as­sen­ti­mento de sua es­posa Berta, que também vestiu o véu sa­grado, abraçou a vida mo­nás­tica e go­vernou com êxito o ce­nóbio de Cêntula. († 814). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 814, Santo Angilberto. Conselheiro muito culto de Carlos Magno, era encarregado do governo civil de toda a costa marítima situada entre o Escalda e o Sena, quando tomou o hábito monástico. A abadia de Saint-Riquier conheceu um período de grande prosperidade durante seu abaciado. (X). Ver páginas 314-316: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

Ver “Angilberto[1] (em francêsAngilbertAquisgranoc. 760 — Saint-RiquierPicardia, 18 de fevereiro de 814[2]) foi um franco que serviu Carlos Magno como diplomataabadepoeta e semi-genro. Era de ascendência de nobres francos, e foi educado na escola do palácio em Aquae Grani (Aquisgrano) por Alcuíno. É venerado como santo, no dia da sua morte, 18 de fevereiro[3].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Angilberto

6*.   Em Roma, o Beato João de Fiésole (também na Folhinha do Coração de Jesus) ou FRA ANGÉLICO, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que, sempre ani­mado pelo amor de Cristo, ex­primiu nas pin­turas o que con­tem­plava in­te­ri­or­mente, para elevar a mente dos ho­mens às re­a­li­dades celestes. († 1455). Ver “Giovanni da Fiesole, nascido Guido di Pietro Trosini, mais conhecido como Fra Angelico, (Vicchio di Mugello1395 — Roma18 de Fevereiro de 1455) foi um pintor italianobeatificado pela Igreja Católica, considerado o artista mais importante da península na época do Gótico Tardio ao início do Renascimento.

O papa João Paulo II, em 1982, indicou sua festa litúrgica para o dia de sua morte e dois anos depois, o mesmo pontífice declarou-o “Padroeiro Universal dos Artistas”.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Fra_Angelico

7*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Gui­lherme Harrington, pres­bí­tero e mártir, oriundo do con­dado de York, que, no rei­nado de Isabel I, por ter aceite e exer­cido o sa­cer­dócio na In­gla­terra, foi con­de­nado à morte, al­can­çando na praça de Ty­burn a coroa do martírio. († 1594)

8*.   Também em Lon­dres, o Beato João Pibush, pres­bí­tero e mártir, que, tendo sido en­cer­rado no cár­cere vá­rias vezes e du­rante muito tempo, no mesmo rei­nado de Isabel I foi con­de­nado à morte por causa do sa­cer­dócio, mor­rendo en­for­cado e es­quar­te­jado em Southwark. († 1601)

9.   Em Ou-Tchan-Fu, no Hubei, pro­víncia da China, São Fran­cisco Régis Clet (Ver também 09 de julho), pres­bí­tero da Con­gre­gação da Missão e mártir, que anun­ciou o Evan­gelho no meio de ex­tremas ad­ver­si­dades du­rante trinta anos, mas, de­nun­ciado por um após­tata, de­pois de um cruel ca­ti­veiro, morreu es­tran­gu­lado pelo nome de Cristo. († 1820). Ver “Francisco Regis Clet foi um sacerdote lazarista francês e santo mártir católico.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Francisco_Regis_Clet

10.   Na ci­dade de Guizhou, também na China, os santos már­tires João Pedro Néel, pres­bí­tero da So­ci­e­dade das Mis­sões Es­tran­geiras de Paris, que, acu­sado de pregar a fé, foi ar­ras­tado a grande ve­lo­ci­dade preso à cauda dum ca­valo; de­pois, sub­me­tido a todo o gé­nero de zom­ba­rias e su­plí­cios, fi­nal­mente morreu de­ca­pi­tado. Com ele so­freram o su­plício também os santos már­tires Mar­tinho Wu Xuesheng, ca­te­quista, João Zhang Tianshen, neó­fito, e João Chen Xianheng. († 1862). Na china, o bem-aventurado João Pedro Neel, mártir em 1862. Nascido em Sainte-Catherine-sur-Riverie, diocese de Lião, em 1832, pertenceu à sociedade das Missões Estrangeiras em Paris. Partindo para Kong-Tchu, na China, a 21 de agosto de 1858, ali iniciou o trabalho missionário. Preso por ordem do mandarim quando catequizava uma família que se convertera, João Pedro foi decapitado. Conta-se que, no instante em que a cabeça caiu e rolou por terra, uma nuvem, luminosíssima, desceu do céu e pairou sôbre o corpo do mártir, ali se deixando ficar por algum tempo, desvanecendo-se em seguida. Todos os que assistiam à execução, apavorados, ficaram como que pregados no lugar; o carrasco, a tremer de mêdo, perdeu a fala por muito tempo. ]oão Pedro Neel, com vários outros naturais decapitados no mesmo dia, foi beatificado por Pio X, a 2 de maio de 1909. Conf. págs. 322-323: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

11*.   Em Bér­gamo, na Itália, Santa Ger­trudes (Ca­ta­rina Co­men­sóli), virgem, que fundou uma Con­gre­gação de re­li­gi­osas para a ado­ração do San­tís­simo Sa­cra­mento e a for­mação da juventude. († 1903)

12*.   Em Ro­sica, na Po­lónia, o Beato Jorge Kaszyra, pres­bí­tero da Con­gre­gação dos Clé­rigos Ma­ri­anos e mártir, que, du­rante a guerra, lan­çado às chamas pelos per­se­gui­dores da fé, morreu por Cristo Senhor. († 1943)

13. SANTOS MÁXIMO, CLÁUDIO (também na Folhinha do Coração de Jesus) PREPEDIGNA, ALEXANDRE e CÚCIAS – Mártires. Gabino (ver 19 de fevereiro), irmão do papa Caio, tinha uma filha, Susana, a qual Diocleciano queria que se casasse com Maximiano. Cláudio, o intermediário, recebendo resposta negativa, da própria Susana, foi, pelo ardor da jovem, convertido ao cristianisno. Caio, então, batizou-o. Ora, Claudio, casado com Prepedigna, acabou por sua vez, por converter a esposa e os dois filhos, Alexandre e Cucias, distribuindo todos os bens aos pobres. Máximo, irmão de Cláudio, tocado, todo contaminado pelo calor de Cláudio, também abraçou a fé. Diocleciano, alheio, então, a tudo o que se passava, veio a saber dos sucessos todos. E, encolerizado, ordenou que tôda a família, à qual era aparentado, fôsse exilada, fazendo, depois, com que morressem pelo fogo em 295. Os corpos, atirados ao mar, foram recolhidos por cristãos de Óstia e sepultados. Conforme pág. 317:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

14. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da Graça de 449, São Flaviano (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo de Constantinopla, que foi vítima de seu zelo pela ortodoxia, lutando contra a heresia monofisita de Euticeu. (M). Ver “Flaviano (em latimFlavianus ou Phlabianus) foi um Arcebispo de Constantinopla de 446 até 449. Ele é venerado como um santo pela Igreja Católica e pela Igreja Ortodoxa.

Na Igreja Católica, São Flaviano é comemorado em 18 de fevereiro, a data atribuída a ele no Martirológio romano. Ele não deve ser confundido com Flaviano de Ricina.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Flaviano_de_Constantinopla

– Sobre MONOFISISMO, ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Monofisismo

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico (em 18 de fevereiro), Santa Bernadette Soubirous, virgem, que foi agraciada com dez aparições da Virgem Maria. Depois destes acontecimentos, entrou para a Congregação das Irmãs da Caridade e da Instrução Cristã de Nevers, onde só esperava permanecer escondida, vivendo integralmente segundo a mensagem que recebera em Lourdes. Após grandes sofrimentos, obteve, em 1879, a felicidade que Nossa Senhora lhe havia prometido. (F).

Santa Bernadete Soubirous, virgem, que foi agraciada com dez aparições da Virgem Maria. Depois desses acontecimentos, entrou para a Congregação das Irmãs da Caridade e da Instrução Cristã de Nevers, onde só esperava permanecer escondida, vivendo integralmente segundo a mensagem que recebera em Lourdes. Após grandes sofrimentos, obteve, em 1879, a felicidade que Nossa Senhora lhe havia prometido (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – F)

Em 8 de Dezembro de 1933, festa da Imaculada Conceição, Bernadette foi canonizada como Santa Bernadette de Lourdes, pelo Papa Pio XI, depois de terem sido reconhecidas pela Santa Sé as virtudes pessoais e curas milagrosas a ela atribuídas após a morte. Sua festa litúrgica é celebrada na Igreja Católica no dia 16 de abril. Na França, é celebrada no dia 18 de fevereiro. A ela tem sido atribuídos vários milagres. Em 1983, o Papa João Paulo II esteve em Lourdes em peregrinação, e ali retornou em agosto de 2004.

Mais sobre Santa Bernadete em:

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Bernadette_Soubirous

– Ver 16 de abril: em Ne­vers (no Martirológio Italiano de 16 de abril), também na França, Santa Maria Ber­narda (Ber­na­dete) Sou­bi­rous (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que nasceu de uma fa­mília muito pobre na po­vo­ação de Lourdes e, sendo ainda de tenra idade, ex­pe­ri­mentou a pre­sença da Virgem Santa Maria Ima­cu­lada e de­pois, to­mando o há­bito re­li­gioso, levou no con­vento uma vida oculta e humilde. († 1879)

 – Ver ainda: páginas 371-401: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também NOSSA SENHORA DE LURDES, em 11 de fevereiro

16. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, o martírio de São Simeão, (ver também 27 de abril) “o irmão do Senhor”, segundo o mesmo título de S. Tiago, ao qual sucedeu na direção da comunidade cristã de Jerusalém. Simeão organizou a fuga dos cristãos por ocasião do cerco da cidade no ano 70. Foi crucificado pelos romanos, que temiam um recrudescimento do nacionalismo judeu. (M). Ver “São Simeão de Jerusalém, filho de Cleofas, foi um líder cristão e, de acordo com a maioria das tradições cristãs, o segundo bispo de Jerusalém, entre 62 e 107, sucedendo Tiago, o Justo. Ele também está listado entre os Setenta Discípulos.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Sime%C3%A3o_de_Jerusal%C3%A9m

SÃO SIMEÃO, Bispo e Mártir (também no Martirológio Romano-Monástico). Simeão, afirma-se, era filho de Cleofas, e parente próximo do Salvador, pela carne, descendendo de Davi. Ordenado bispo de Jerusalém depois de São Tiago, o Menor, que foi o primeiro bispo daquela cidade, Simeão suportou, a princípio, vários suplícios durante a perseguição de Trajano, terminando a vida pelo martírio. E todos os que estavam presentes, mesmo o juiz, admiraram-se de que um ancião de cento e vinte anos de idade pudesse sofrer com tanta constância e tanto heroísmo.

Simeão não foi somente acusado de ser cristão, mas também por pertencer à raça de Davi. Morreu crucificado em 107 .

Crê-se que o Santo governou a Igreja de Jerusalém por quarenta e três anos. Depois do século IX, os latinos passaram a celebrar-lhe a festa neste dia 18 de fevereiro, enquanto os gregos o fazem a 27 de abril. Ver, principalmente, Mateus, XIII, 55, e ]oão, XIX,25. Conforme pág. 313:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

17. SANTAS CONSTÂNCIA, ÁTILA E ARTÊMIA, Virgens. Constância era sobrinha do imperador Constantino (conforme alguns autores, era filha do imperador e neta de Santa Helena ). Pagã ainda, viu-se coberta de lepra. Apavorada, e tendo ouvido contar coisas de Santa Inês, de curas processadas tão-sòmente pela invocação que se lhe fazia do nome, demandou Roma, a visitar a tumba da santa virgem e mártir. Ali, Santa Inês apareceu-lhe, dizendo: Curar-te-ei, Constância, se , convertendo-te, receberes o batismo. Constância, emocionadíssima, cheia de esperança e tôda ela fé, converteu-se, recebeu o batismo e foi curada. Decidiu, então, consagrar a Deus a virgindade. Ora, nesse meio de tempo, um general pagão, Galicano, que fôra vencedor dos persas, solicitou-lhe a mão. Que fazer? Triste por ter que contrariar um dos mais valentes guerreiros do país, propôs-lhe:

– Tê-lo-ei como esposo, se venceres os invasores da Trácia, os Citas. Ficarei com tuas filhas e, quando voltares, cumprirei a promessa se ainda me desejares por esposa.

Galicano aceitou a proposta e partiu, levando dois servidores da santa virgem, cristãos como ela. Estavam incumbidos de, a todo o transe, converter o general.

Constância conseguiu levar para o Senhor as duas filhas de Galicano – Ática e Artêmia. E, sempre rogando a Jesus Cristo que lhe desse meios para continuar na virgindade, conforme lhe prometera, vivia com o pensamento no campo de batalha, onde os dois servidores – João e Paulo – trabalhavam o grande guerreiro. Era na antevéspera de importante batalha João e Paulo, aproximando-se de Galicano, preocupadíssimo com traças de guerra, disseram-lhe:

– Se te entregares ao Senhor, se te fizeres cristão, nenhuma dificuldade encontrarás em vencer o inimigo que temos à frente. Galicano encomenclou-se a Deus, venceu fàcilmente o adversário e abraçou o cristianismo. E, de volta, triunfante, uma nova ideia empolgava-o: servir ao Senhor enquanto vivesse, aquêle Senhor que o encaminhara no campo da luta e o preservara de todo o perigo . E, renunciando ao casamento, deu-se de corpo e alma às obras de caridade.

Galicano, João e Paulo morreram martirizados sob Juliano, o Apóstata. Constância faleceu em 354, e foi sepultada, com as duas filhas de Galicano, perto do túmulo de Santa Inês. Conf. págs. 318-319:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

18. Bem-aventurada Oringa ou Cristã de Santa Cruz, virgem. Ver “…Aprouve a Deus manifestar a santidade de sua serva, concedendo-lhe o dom da profecia e o dos milagres… (Mas)o maior milagre de Cristã era a sua santa vida, o seu pendor pela pobreza, que lhe dava mais amor à virtude que o que têm os avarentos à riqueza; era a sua invencível paciência. páginas 307-312: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

19. Santos Leão e Paregório, mártires. Ver páginas 320-321: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

20. Outros santos do dia 18 de fevereiro, páginas 307-323:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 18 de fevereiro, ver ainda: 18 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 209-211:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 17 de fevereiro

NOSSA SENHORA DO DESTERRO. Em FLORIANÓPOLIS, FESTA EM 17 DE FEVEREIRO: https://www.gaudiumpress.org/content/23861-Florianopolis-celebra-sua-padroeira-Nossa-Senhora-do-Desterro

– Ver “O Papa Pio X, quando da construção da Catedral de Florianópolis, dedicou Nossa Senhora do Desterro como Padroeira da cidade. Existem no Brasil muitas cidades que mantém a devoção a Nossa Senhora do Desterro, com capelas e igrejas em sua homenagem.”:  https://historiadenossasenhora.wordpress.com/2013/08/20/nossa-senhora-do-desterro/

SSDDO - Medalha Nossa Senhora do Desterro em ouro 18K cravejada de Safiras– Ver também “No ano de 1673, o fundador de Florianópolis, cidade que se chamava Desterro, hoje capital de Santa Catarina, Francisco Dias Velho, trouxe uma imagem de Nossa Senhora do Desterro para a ilha e ali construiu uma pequena capela em honra de Maria do Desterro, iniciando sua devoção no Brasil.

Papa Pio X, quando da construção da Catedral de Florianópolis, dedicou Nossa Senhora do Desterro como Padroeira da cidade. Existem no Brasil muitas cidades que mantém a devoção a Nossa Senhora do Desterro, com capelas e igrejas em sua homenagem.”: https://web.archive.org/web/20150901221051/http://www.cruzterrasanta.com.br/historia/nossa-senhora-do-desterro

– Ver festa em Paudalho-PE-17 de fevereiro: https://www.paudalho.pe.gov.br/portal/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-chega-a-sua-70a-edicao-em-paudalho/

– Ver: https://www.facebook.com/events/656280881443640/?active_tab=discussion (festa em 17 de fevereiro).

* NOSSA SENHORA DO DESTERRO, 02 DE ABRIL (está no Wikipedia em 17 de fevereiro). Ver “Nossa Senhora do Desterro[1] é um título católico dado à Santíssima Virgem Maria. Representa a fuga da Sagrada Família para o Egito. Por isso, também é conhecida como Nossa Senhora da Fuga. É muito venerada na Itália como a “Madonna degli Emigrati“, sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro… Cúpula da igreja de Nossa Senhora do Desterro, em Jundiaí, em São Paulo, no Brasil, retratando a Sagrada Família no Egito (festa litúrgica em 02 de abril).”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_do_Desterro

– Ver ainda FESTA EM 02 DE ABRIL. Comemora-se todo dia 02:Nossa Senhora do Desterro é muito venerada na Itália como a “MADONNA DEGLI EMIGRATI“, sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro. Ela tem sido a Mãe Amorosa para todos os que, saudosos de sua terra natal, imploram cheios de fé e de amor o auxílio da Virgem do Desterro a fim de encontrarem compreensão e simpatia na terra adotiva.
Todos os fiéis cristãos que rezarem diariamente e divulgarem esta oração à Nossa Senhora do Desterro, verão a extinção de todos os castigos que houverem contra eles; nem fome, nem peste, nem guerra, nem doenças contagiosas lhes afligirão. Os seus inimigos não terão mãos nem poder de ofendê-los, nem roubá-los. Resistirão às tentações de satanás e dos demônios. Pragas, ratos e formigas lhes serão desterrados das lavouras. Todos os que tiverem confiança nas misericórdias da grande Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, serão felizes nos seus negócios e nas viagens. Não morrerão sem confissão e estarão livres da morte repentina. Aprovada pelo Arcebispo de Braga, Dom José e pelo Arcebispo do Porto ( MG ), Dom Américo, em 08-05-1972.”: http://www.comamor.com.br/desterro.htm

 NOSSA SENHORA DO DESTERRO (festa celebrada em vários locais e datas):

– Em Agrestina, PE, FESTA DE NOSSA SENHORA DO DESTERRO em 02 DE FEVEREIRO.Ver: http://www.agrestina.pe.gov.br/noticias/20/01/2020/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-chega-a-sua-98-edicao-em-agrestina-pe

– Ver também: “Em Agrestina, no Agreste de Pernambuco, a festa dedicada à padroeira Nossa Senhora do Desterro, contará apenas com programação religiosa por causa da pandemia da Covid-19. A parte artística do evento foi cancelada, e a religiosa segue de forma restrita.

Este ano, a cidade não se preparou para receber turistas e pagadores de promessas de todos os lugares do país, e o comércio, um dos mais beneficiados nesta época, também não. A decisão partiu do Governo do Estado, que prorrogou até junho o decreto de calamidade para conter o avanço do novo coronavírus. A decisão foi acolhida e respeitada pela organização do evento.

As celebrações eucarísticas estão sendo realizadas de forma restrita, com uso de máscaras, distanciamento social, aferição de temperatura na entrada da paróquia e agendamento prévio. Este ano, a também grande missa campal, que sucede a procissão, realizada em frente à matriz, na Praça Padre Cícero, foi substituída por uma celebração eucarística que será realizada dentro da igreja, às 19h30.”: https://g1.globo.com/pe/caruaru-regiao/noticia/2021/02/02/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-em-agrestina-conta-apenas-com-programacao-religiosa.ghtml

            ============================================

OUTROS SANTOS DE 17 DE FEVEREIRO

1. Os santos sete fun­da­dores da Ordem dos Ser­vitas de Nossa Se­nhora (também na Folhinha do Coração de Jesus)Bon­fílio, Bar­to­lomeu, João, Bento, Ge­ral­dino, Ri­có­vero e Aleixo – que eram ne­go­ci­antes em Flo­rença e se re­ti­raram de comum acordo para o monte Se­nário, onde se con­sa­graram ao ser­viço da Virgem Maria, fun­dando uma Ordem sob a Regra de Santo Agos­tinho. São co­me­mo­rados todos no dia em que, se­gundo a tra­dição, morreu cen­te­nário o úl­timo destes fun­da­dores, que foi Aleixo. († c. 1262-1310). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. XIII, os Sete Santos Fundadores da Ordem dos Servos de Maria, comerciantes florentinos, que liberando-se da servidão de seus negócios, passaram a viver para o serviço da Mãe de Cristo na oração e no apostolado (R). – Em Florença, o bem-aventurado Aleixo de Falconieri, um dos sete fundadores da ordem dos servitas; chegado à idade de cento e dez anos, terminou santamente a vida, após ter sido consolado pela presença de Jesus Cristo e dos seus anjos. Conf. pág. 306:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

Ver também págs. 137-139:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também  “Ordem dos Servos de Maria (LatimOrdo Servorum Beatae Virginis Mariae )[1], (sigla O.S.M.) é uma ordem religiosa de frades dedicados a uma devoção particular a Nossa Senhora das Dores. Os seus membros religiosos são normalmente chamados de Frades Servos de Maria ou, simplesmente, ServitasOs Sete Fundadores (Alessio FalconieriAmadeo degli AmideiManetto dell’AntellaBuonfiglio MonaldiGherardino SostegniGiovanni Buonagiunta e Ricovero dei Ugoccioni… Foi igualmente ele, com a colaboração Santa Juliana Falconeri que era sobrinha do referido fundador desta ordem o Santo Alécio Falconieri, que deram início à Ordem Terceira da Congregação dos Servitas, sua congénere[3].):: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ordem_dos_Servos_de_Maria

2.   Em Ama­seia, no He­les­ponto, ac­tu­al­mente na Tur­quia, a paixão de São Te­o­doro de Tiro, que, no tempo do im­pe­rador Ma­xi­miano, pela con­fissão da fé cristã, foi du­ra­mente fla­ge­lado e en­cer­rado no cár­cere e, fi­nal­mente, en­tregue para ser quei­mado nas chamas. São Gre­gório de Nissa ce­le­brou os seus lou­vores num emi­nente panegírico. († 306/311)

3*.   Em Tré­veris, na Gália Bél­gica, hoje na Ale­manha, São Bo­noso, bispo, que, com Santo Hi­lário de Poi­tiers, tra­ba­lhou com zelo e sa­be­doria para que nas Gá­lias se con­ser­vasse a in­te­gri­dade da fé. († c. 373)

4.   Na Ar­ménia, São Mes­róbio, evan­ge­li­zador dos Ar­mé­nios, que, tendo sido dis­cí­pulo de São Narsés e es­criba no pa­lácio real, se fez monge; criou um al­fa­beto para en­sinar ao povo a Sa­grada Es­cri­tura, tra­duziu o An­tigo e o

Novo Tes­ta­mento e compôs hinos e cân­ticos em língua armena. († c. 440). Ver “São Mesrobes Mastósio (em latimMesrobes Mastosius; em armênio/arménio: Մեսրոպ Մաշտոց; romaniz.: Mesrob/Mesrop Machtots /Mashtots/MashdodzTaraunita360 — 17 de fevereiro de 440) foi um mongeteólogohinógrafo e linguista armênio. Foi também um cortesão e militar que se tornou sacerdote itinerante, impulsionado pela obsessão de suas ideias. É reverenciado como santo e educador, criador dos alfabetos armênioudi e georgiano.[3][4][5][6][7]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Mesrobes_Mast%C3%B3sio

5.   No mos­teiro de Clúain Ed­nech, na Ir­landa, São Fin­tano, abade, fun­dador deste ce­nóbio, cé­lebre pela sua austeridade. († c. 440). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 603, São Fintano, abade de Clonagh. Aos discípulos que vinham se colocar sob sua direção, traçava uma regra do mais severo ascetismo, temperada por sua sincera humildade e por sua grande doçura em relacão a todos. É considerado como um dos Pais da Irlanda monástica. (M). Mais sobre São Fintano nas páginas 300-303:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

6.   Co­me­mo­ração de São Fla­viano, bispo de Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, que, ao de­fender a fé ca­tó­lica no Con­cílio de Éfeso, foi fe­rido com pu­nhadas e pon­tapés pelo ímpio Diós­coro e morreu pouco tempo de­pois no exílio. († 449). Conforme o Martirológio Romano-Monástico (dia 18 de fevereiro), no ano da graça de 449, São Flaviano, bispo de Constantinopla, que foi vítima do zelo pela ortodoxia, lutando contra a heresia monofisita de Euticeu (M). Conforme o VIDA DOS SANTOS: No mesmo dia (também 18 de fevereiro), em Constantinopla, São FIaviano, bispo e confessor, que foi contemporâneo de Teodoreto e do papa São Leão, o Grande. Morto Procla, patriarca de constantinopla, Flaviano foi eleito para lhe suceder, sofrendo a oposição do eunuco Crisafo que gozava de franco crédito junto do imperador Teodósio, o jovem. Quando em Éfeso defendia a fé católica, foi agredido a socos e pontapés pelos partidários do ímpio Dióscoro. Exilado, faleceu em 449.  Conforme pág. 321:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

7*.   Em Lin­dis­farne, na re­gião da No­túm­bria, na ac­tual In­gla­terra, São Fi­nano, bispo e abade, in­signe pela sua dou­trina e zelo evangelizador. († c. 656)

8.   Em Auchy-aux-Moines, na re­gião dos Mo­rinos, na ac­tual França, o se­pul­ta­mento de São Sil­vino (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo. († s. VIII). Em Cremona, São Silvino, bispo e confessor, falecido em 773. Conforme pág. 306: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

9*.   No mos­teiro de Cava de’ Tir­réni, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Cons­tável, abade, que, pela sua exímia man­sidão e ca­ri­dade para com todos, foi vul­gar­mente de­no­mi­nado “co­bertor” dos irmãos. († 1124). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mosteiro de La Cava, em 1124, São Constábile, abade, que exerceu seu cargo por apenas um ano, mas deu provas, em seu governo e depois de sua morte, de grande solicitude para com seu rebanho. (X)

10*.   Em Rat­ze­burg, no Hols­tein, hoje na Ale­manha, Santo Ever­modo, bispo, que foi dis­cí­pulo de São Nor­berto na Ordem Pre­mons­tra­tense e tra­ba­lhou na obra da con­versão dos Vendos. († 1178)

11*.   Em Pádua, no Vé­neto, re­gião da Itália, o Beato Lucas Bel­lúdi, pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, que foi dis­cí­pulo e com­pa­nheiro de Santo António. († 1286). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Lucas_Belludi

12.   Em Hi­roshima, no Japão, o Beato Ma­tias Sho­bara Ichizaemon, mártir. († 1624)

13.   Em Pyongyang, na Co­reia, São Pedro Yu Chong-nyul, mártir, pai de fa­mília, que, en­quanto lia de noite o Evan­gelho aos fiéis na casa de um ca­te­quista, foi preso e, ver­gas­tado até à morte, morreu por Cristo. († 1866)

14*.   Em Ro­sica, na Po­lónia, o Beato An­tónio Lesc­zewicz, pres­bí­tero da Con­gre­gação dos Clé­rigos Ma­ri­anos e mártir, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da sua pá­tria em tempo de guerra, foi quei­mado pelos per­se­gui­dores da Igreja por causa da sua fé em Cristo. († 1943)

15. Em Concordia, os santos mártires Donato, Secundiano e Rômulo, (também na Folhinha do Coração de Jesus), com outros oitenta e seis, que participaram da sua coroa. Conforme pág. 306: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

16. Conforme o Martirológio-Romano-Monástico, perto de 309, São Teódulo. Trabalhava para o prefeito de Cesaréia da Palestina, quando foi acusado de ter ido visitar os confessores da fé que se achavam encarcerados. Seu patrão, após severas repreensões, fez com que fosse pregado numa cruz (M). Em Cesaréla da Palestina, o santo ancião Teódulo, um dos servidores do prefeito Firmiliano). Tocado pelo exemplo dos mártires (Elias, Jeremias, Isaías, etc. lembrados dia 16 de fevereiro), passou a confessar Jesus Cristo. Embora estimado pelo prefeito, foi levado à cruz, recebendo o mesmo martírio que o Salvador recebera na paixão (309). Ver pág. 304:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

17. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 717, São Silvano. Abandonando a corte de Teodorico III, partiu em peregrinação à Terra Santa e a Roma, onde recebeu a sagração episcopal. Pregador infatigável, evangelizou o Artois, onde entregou sua alma a Deus. (M)

18. São Marciano. Ver “Flávio Marciano Augusto (em latimFlavius Marcianus Augustus), mais conhecido apenas como Marciano (em latimMarcianus; em grego clássico: Μαρκιανός; ca. c. 392 – 26 de janeiro de 457) foi imperador bizantino de 450 a 457. Pouco se sabe sobre sua vida antes de tornar-se imperador. Foi doméstico sob Ardabúrio e seu filho Áspar por 15 anos. Após a morte de Teodósio II em 28 de julho de 450, foi feito candidato ao trono por Áspar, que manteve grande influência devido seu poder militar. Após um mês de negociações, Pulquéria, irmã de Teodósio, concordou em se casar com Marciano e Zenão, um líder militar de similar influência, concordou em ajudar Marciano a tornar-se imperador em troca da posição de patrício. Marciano foi eleito e inaugurado em 25 de agosto. Logo ao ascender, negou o pedido de ajuda do naxarar Bardanes II Mamicônio, que se rebelou contra a autoridade do  Isdigerdes II (r. 438–457) sobre a Armênia e enviou uma embaixada a Constantinopla buscando apoio do Império Bizantino.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Marciano

19. Santa Engrácia de Braga. Ver “Engrácia de Braga (Bragaca. 1030[1][2] – Carbajalesca.1050), também conhecida como EncratisEngrácia de Carbajales ou ainda Engrácia de Badajoz, foi uma virgem mártir do século XI. Terá nascido na cidade de Braga, nos seus arredores ou domínios da diocese[3] (outros autores apontam para que possa ter nascido em Badajoz[2]), na altura em que o Condado Portucalense pertencia ao Reino da Galiza. Morreu perto da povoação de Carbajales, nos arredores da cidade de Zamora, no Reino de Leão. Partilha o nome próprio, o trágico destino e provavelmente a mesma cidade natal com Engrácia de Saragoça, personalidade que viveu séculos antes.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Engr%C3%A1cia_de_Braga

20. Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na  Tur­quia, Santa Pulquéria (também dia 10 de setembro), que de­fendeu e pro­pagou a ver­da­deira fé. († 453). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 453, Santa Pulquéria, imperatriz. Levou na corte vida exemplar, e protegeu a Igreja fazendo construir lugares de culto, tirando da terra relíquias dos Quarenta Mártires de Sebaste e sustentando a ortodoxia em dois grandes Concílios Ecumênicos, os de Éfeso e o de Calcedônia. Ver páginas 125-134: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

– Ver também “Élia Pulquéria (em latimAelia Pulcheria19 de janeiro de 399 — 453) foi uma imperatriz-consorte romana do oriente, esposa do imperador Marciano. Ela era a segunda filha do imperador Arcádio e de sua esposa Élia Eudóxia, irmã de Flacila, que nasceu em 397 e que acredita-se ter morrido jovem. Pulquéria era ainda irmã de Arcádia, nascida em 400, Teodósio, que seria imperador, e Marina, ambos nascidos em 401.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/%C3%89lia_Pulqu%C3%A9ria

21. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VIII, São Fulrado, abade de Saint-Denis, perto de Paris, que negociou a aliança entre os francos e a Sé Apostólica. (X). Em São Dionísio, perto de Paris, Sao Fulrad, abade e confessor, desaparecido em 784, filho de Riculfo e de Ermengarda. Abade de São Dionísio em 750, tratou de recuperar bens que ao mosteiro haviam sido usurpados. Em 765, assistiu ao concílio de Attigny. Passou os últimos anos de vida dedicando-se à construção da nova igreja de São Dionísio. Foi o mais ilustre abade que governou aquela abadia de São Dionísio. Piedoso, era estimadíssimo por todos os que com êle privavam. Conf. págs. 304-305:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

22. São Reginaldo de Orleans (na Folhinha do Coração de Jesus, sua comemoração é 17 de fevereiro). Conforme abaixo, Beato Reginaldo de Orleans, sua comemoração é dia 12 de fevereiro:

https://pt.zenit.org/articles/beato-reginaldo-de-orleans/  e

http://www.blogdealtaneira.com.br/2011/02/santo-do-dia-sao-reginaldo-de-orleans.html

23. Mártires de Roma e Óstia, sob o imperador Cláudio II. Ver páginas 294-299: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

24. Outros santos do dia 17 de fevereiro, páginas 294-306:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 17 de fevereiro, ver ainda: 17 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 207-209:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro)

Ver:https://vidademartiressantasesantos.blog/