Santas e Santos de 23 de julho

1. Santa Brí­gida (também na Folhinha do Coração de Jesus), re­li­giosa, que, con­traindo ma­tri­mónio na Suécia com o se­nador Ulf, educou piis­si­ma­mente os seus oito fi­lhos e exor­tava o pró­prio es­poso com as pa­la­vras e o exemplo à vida de pi­e­dade. Após a da morte do es­poso, fez vá­rias pe­re­gri­na­ções aos Lu­gares Santos e morreu em Roma, dei­xando vá­rios es­critos sobre a re­forma da Igreja, na sua ca­beça e nos seus mem­bros, e tendo lan­çado os fun­da­mentos da Ordem do San­tís­simo Sal­vador. († 1373).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no ano da graça de 1373, o nascimento no céu de Santa Brígida, princesa da Suécia e mãe de família cristã, que fundou a Ordem de São Salvador em Valdstena. Foi favorecida com revelações místicas, em que “a Igreja é comparada à uma colméia, na qual os cristãos são reunidos e vivem na unidade da fé e do amor”. (R)

 – Ver páginas 273-284: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “… Faleceu no dia 23 de julho de 1323, com a idade de setenta e um anos. sepultaram-na na Igreja de são Lourenço, in-Panis-Perna, que pertencia” às clarissas pobres. No ano seguinte, o príncipe Birger, seu filho, e Santa Catarina, sua filha, mandaram trasladar-lhe o corpo para o Mosteiro de Watstein, na Suécia. Foi canonizada pelo Papa Bonifácio IX, no dia 7 de outubro de 1391. O dia 8 do mesmo mês foi designado para a sua festa…” às páginas 403-418: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2017.pdf

– Ver também “…Brígida Birgersdotter (Birgitta Birgersdotter, conhecida como Heliga Birgitta (Santa Brígida)UplândiaSuécia15 de dezembro de 1303 – Roma23 de julho de 1373) foi uma religiosa sueca, escritorateóloga, fundadora de ordem religiosa, padroeira da Suécia e co-padroeira da Europa. Era filha do homem de leis e nobre Birger Persson, da linhagem dos Finsta, e de Ingeborg Bengtsdotter. Por intermédio de seus pais e de seu esposo, pertenceu aos círculos políticos mais influentes da Suécia medieval.[1][2]… Em 23 de julho de 1373, Santa Brígida faleceu aos setenta e um anos, em mãos de seu fiel confessor. Foi canonizada a 7 de outubro de 1391[2] por Bonifácio IX. É venerada como a padroeira da Suécia. Sua festa litúrgica é comemorada em 23 de julho”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Br%C3%ADgida_Birgersdotter_da_Su%C3%A9cia

2.   A co­me­mo­ração de Santo Eze­quiel, pro­feta, filho do sa­cer­dote Búzi, que, no tempo do exílio na terra dos Cal­deus, teve a visão da glória do Se­nhor e, posto como sen­ti­nela da casa de Is­rael, re­cri­minou a in­fi­de­li­dade do povo eleito e anun­ciou a des­truição da ci­dade santa de Je­ru­salém e a de­por­tação do povo; vi­vendo ele pró­prio no meio dos pri­si­o­neiros, ali­mentou a sua es­pe­rança, pro­fe­ti­zando que os ossos res­se­quidos res­sus­ci­ta­riam para uma nova vida.

3.   Em Classe, pró­ximo de Ra­vena, na Fla­mínia, hoje na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de Santo Apo­li­nário, bispo, cuja me­mória é ce­le­brada no dia 20 de Julho. († c. s. II).

– Santo Apo­li­nário (também dia 20 de julho na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, ma­ni­fes­tando ao povo as in­son­dá­veis ri­quezas de Cristo, ca­mi­nhava à frente do seu re­banho como bom pastor e, se­gundo a tra­dição, honrou com o seu ilustre mar­tírio a Igreja de Classe, em Ra­vena, na Fla­mínia, ac­tu­al­mente na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália. No dia 23 de Julho partiu para o ban­quete eterno. († c. s. II).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, de 23 de julho, perto do ano 200, Santo Apolinário, primeiro bispo de Ravena. Inicialmente exerceu o ministério entre soldados e marinheiros daquela importante cidade portuária e militar do Império. Os duros trabalhos que teve que suportar em seu apostolado sacerdotal e episcopal conferiram-lhe o título de mártir (M).

– Ver também página 290: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “…Apolinário de Ravena, o Santo Apolinário foi o primeiro bispo da cidade de Ravena, sendo seu padroeiro….”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Apolin%C3%A1rio_de_Ravena

4.   Em Bízia, ci­dade da Trácia, hoje Wiza, na Tur­quia, São Se­vero, mártir no tempo dos im­pe­ra­dores Di­o­cle­ciano e Ma­xi­miano, que, as­pi­rando à palma do mar­títio, se narra ter con­ver­tido à fé o cen­tu­rião São Ménon e o tenha se­guido no com­bate do martírio. († c. 304)

5*.   Em Mar­selha, na Pro­vença da Gália, ac­tu­al­mente na França, São João Cassiano, pres­bí­tero, que fundou dois mos­teiros – um para ho­mens, outro para mu­lheres – e, como fruto da sua longa ex­pe­ri­ência de vida mo­nás­tica, es­creveu as “Ins­ti­tui­ções ce­no­bí­ticas” e as “Con­fe­rên­cias dos Pa­dres” para a edi­fi­cação dos monges. († c. 435).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 432, São João Cassiano. Primeiro foi monge em Belém e mais tarde fundou duas comunidades monásticas em Marselha, depois de ter vivido cerca de 15 anos junto aos monges do deserto, no Egito. De lá, trouxe para o Ocidente as admiráveis Conferências que o fazem ser considerado um dos grandes mestres da vida monástica (X).

– Ver páginas 285-287: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

6*.   Em Ci­miez, também na Pro­vença, São Va­le­riano, bispo, que, pas­sando do mos­teiro de Lé­rins para o epis­co­pado, propôs nos seus es­critos os exem­plos da vida dos Santos para edi­fi­cação do povo e dos monges. († c. 460)

Ver página 288: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

7*.   Em Or­vieto, na Tos­cana, ac­tu­al­mente na Úm­bria, re­gião da Itália, a Beata Joana, virgem, das Irmãs da Pe­ni­tência de São Do­mingos, in­signe pela sua ca­ri­dade e paciência. († 1306)

8♦.   Em San Se­bas­tian, na Es­panha, a beata Mar­ga­rida Maria López de Maturana, virgem da Ordem das Mercês, fun­da­dora do Ins­ti­tuto das Mer­ce­dá­rias Mis­si­o­ná­rias de Berriz. († 1934)

9*.   Em Man­za­nares, lo­ca­li­dade de Cas­tela a Nova, re­gião da Es­panha, os be­atos Ni­cé­foro de Jesus e Maria (Vi­cente Díez Te­je­rina), pres­bí­tero, e cinco companheiros, todos eles da Con­gre­gação da Paixão, már­tires, que, em tempo de per­se­guição, foram fu­zi­lados por per­ma­ne­cerem fiéis à sua vo­cação re­li­giosa e assim me­re­ceram al­cançar a coroa do martírio. São estes os seus nomes: José do Sa­grado Co­ração (José Es­ta­layo García), Epi­fânio de São Mi­guel (Epi­fânio Si­erra Conde), Abílio da Cruz (Abílio da Cruz Ramos y Ramos), Za­ca­rias do San­tís­simo Sa­cra­mento (Za­ca­rias Fer­nández Crespo) e Ful­gêncio do Co­ração de Maria (Ful­gêncio Calvo Sán­chez), re­li­gi­osos da Con­gre­gação da Paixão. († 1936)

10*.   Em Ca­ra­ban­chel Bajo, pró­ximo de Ma­drid, também na Es­panha, os be­atos már­tires Ger­mano de Jesus e Maria (Ma­nuel Pérez Gi­ménez), pres­bí­teros, e oito com­pa­nheiros, re­li­gi­osos da mesma Con­gre­gação da Paixão, que na mesma per­se­guição con­su­maram vi­to­ri­o­sa­mente o bom com­bate por Cristo.  São estes os seus nomes: Fi­lipe do Sa­grado Co­ração de Maria (Fi­lipe Val­ca­bado Gra­nado), pres­bí­tero; Mau­rílio do Me­nino Jesus (Mau­rílio Macho Ro­drí­guez), José de Jesus e Maria (José Osés Sáinz), Júlio do Sa­grado Co­ração (Júlio Me­di­a­villa Con­ce­jero), José Maria de Jesus Ago­ni­zante (José Maria Ruiz Mar­tínez), Lau­reano de Jesus Cru­ci­fi­cado (Lau­rindo Proaño Cu­esta), Ana­cário da Ima­cu­lada (Ana­cário Be­nito Rozal), Fi­lipe de São Mi­guel (Fi­lipe Ruiz Fraile), religiosos. († 1936)

11*.   Em To­ledo, também na Es­panha, os be­atos már­tires Pedro Ruiz de los Paños e José Sala Picó, pres­bí­teros do Ins­ti­tuto dos Sa­cer­dotes Ope­rá­rios Di­o­ce­sanos e már­tires, que mor­reram na mesma perseguição. († 1936)

12♦.   Em Ma­drid, também na Es­panha, os be­atos Emílio Arce Díez e Ví­to­riano Fer­nández Reinoso, re­li­gi­osos da So­ci­e­dade Sa­le­siana e már­tires, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, con­su­maram o com­bate pela fé. († 1936)

13♦.   Em Bar­ce­lona, também na Es­panha, os be­atos Simão Reynés Solivellas e Mi­guel Pons Ramis, pres­bí­teros; Fran­cisco Mayol Oliver, e Paulo No­guera Trias re­li­gi­osos, todos da Con­gre­gação dos Sa­grados Co­ra­ções e már­tires, que, du­rante a mesma per­se­guição, me­re­ceram a coroa glo­riosa pelo seu in­que­bran­tável tes­te­munho de Cristo. († 1936)

14♦.   Em La Abar­ras­sada, perto de Bar­ce­lona, também na Es­panha, as be­atas már­tires Ca­ta­rina do Carmo (Ca­ta­rina Caldés Só­cias) e Mi­caela do Sacramento (Mi­caela Rullán Ribot), vir­gens da Con­gre­gação das Fran­cis­canas Fi­lhas da Mi­se­ri­córdia, e Pru­dência Ca­nellas Ginestá, que, du­rante a mesma per­se­guição, me­receu di­ante de Deus om­ni­po­tente a palma da vitória. († 1936)

15*.   Em Da­chau, pró­ximo de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Cris­tino Gondek, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores e mártir, que, du­rante a ocu­pação da Po­lónia por um re­gime hostil à dig­ni­dade hu­mana e à re­li­gião, por causa da sua fé em Cristo foi de­por­tado para o campo de con­cen­tração, onde, sub­me­tido à tor­tura, al­cançou a coroa glo­riosa do martírio. († 1942)

16*.   Em Presov, na Es­lo­vá­quia, o Beato Ba­sílio Hopko, bispo au­xi­liar de Presov e mártir, que, du­rante o tempo de um re­gime ini­migo da fé cristã e da Igreja, foi preso por ter exer­cido o mi­nis­tério pas­toral ao ser­viço dos cris­tãos do Rito Bi­zan­tino e, su­por­tando cruéis su­plí­cios, con­traiu uma grave e longa en­fer­mi­dade que o acom­pa­nhou até à morte, al­can­çando assim a palma da vitória. († 1976)

17. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, em Roma as Santas Rômula (também na Folhinha do Coração de Jesus), Redempta e Herundina (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santa Erondina). Pobres dos bens deste mundo, eram, no entanto, ricas das virtudes da paciência, do silêncio e da oração. (M)

– Ver “… 580 – Rômula, Redempta e Herundina Três donzelas romanas que viveram uma vida de austeridade e oração na igreja de Santa Maria Maior ou perto dela. Elas eram veneradas por São Gregório Magno (Beneditinos, Enciclopédia). VV (RM)”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly23.html

18. Outros santos do dia 23 de JULHO, páginas: 273-290

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-

%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santase Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 23 de julho, ver ainda: 23 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS  568-570: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes,sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-

%201.pdf

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA PARA LUTAR COM ENTUSIASMO

E FORÇA DE VONTADE,

POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO,

MESMO EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS E ESPINHOSAS,

PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ

DE BONS COSTUMES E SANTIDADE!

LIVRA-NOS DA CERVIZ DURA E DO CORAÇÃO EMPEDERNIDO!

EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!

AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DESANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo,na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica apóso Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

“Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

“…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA!

MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS!

EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

* Ver o blog https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 22 de julho

1. Festa de Santa Maria Madalena (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, li­berta de sete de­mó­nios pelo Se­nhor, se tornou sua dis­cí­pula, se­guindo-O até ao monte Cal­vário e, na manhã da Páscoa, me­receu ser a pri­meira a ver o Sal­vador res­sus­ci­tado de entre os mortos e levar aos ou­tros dis­cí­pulos o anúncio da ressurreição.

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Memória de Santa Maria Madalena. Libertada dos demônios por Cristo, colocou-se a seu serviço e o seguiu até o Calvário. Foi ela a primeira a reconhecer o Senhor Ressurgido da morte e a anunciar aos Apóstolos a Ressurreição. O culto de Santa Maria Madalena teve um grande brilho na abadia de Vézelay assim como na de Sainte-Baume, na diocese de Toulouse-Fréjus. (R).

Ver páginas 250-267: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “…Maria Madalena (em grego: Μαρία ἡ Μαγδαληνή) ou Maria de Magdala, é descrita no Novo Testamento como uma das seguidoras mais dedicadas de Jesus Cristo. É considerada santa pelas diversas denominações cristãs e sua festa é celebrada no dia 22 de julho”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_Madalena

2.   Em An­cira, na Ga­lácia, hoje An­cara, na Tur­quia, São Platão, mártir. († s. III-IV).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Ancyra, atual Ancara, na Turquia, o martírio de São Platão, que deu testemunho de Cristo sob a perseguição de Diocleciano (M).

3.   Na África Pro­con­sular, em ter­ri­tório da ac­tual Tu­nísia, os santos már­tires Mas­si­li­tanos, sobre os quais Santo Agos­tinho fez um sermão no ani­ver­sário da sua morte. († s. III-IV)

4.   Em An­ti­o­quia, na Síria, hoje An­takya, na Tur­quia, São Ci­rilo, bispo, que, no tempo do im­pe­rador Di­o­cle­ciano, pa­deceu o cár­cere e o exílio. († c. 306).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 306, São Cirilo, que trabalhou no anúncio do Evangelho em Antioquia durante episcopado que durou cerca de 30 anos (M).

5.   Na for­ta­leza de Sche­maris, nos montes do Cáu­caso, Santo Anas­tásio, monge, que foi dis­cí­pulo de São Má­ximo Con­fessor, com o qual su­portou o cár­cere e a tor­tura por causa da ver­da­deira fé e, tendo che­gado a esta for­ta­leza, ou talvez du­rante o ca­minho, partiu desta vida. († 662)

6.   No mos­teiro de Fon­te­nelle, na Nêus­tria, na ac­tual França, São Van­dre­gi­silo, abade, que, dei­xando a corte do rei Da­go­berto, se­guiu a vida mo­nás­tica em di­versos lu­gares e, pro­mo­vido ao sa­cer­dócio por Santo Au­duíno, bispo de Ruão, fundou e di­rigiu um mos­teiro na flo­resta de Jumièges. († c. 668).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 668, São Vandregísilo, abade. Tomou o hábito no mosteiro de Saint-Faucon-en-Argonne. Retirou-se depois no Jura suíço, antes de fundar, às margens de Fontenelle, perto de Ruão, a abadia que hoje tem o seu nome. (M).

7.   Em Menat, na Gália Ar­ve­nense, também na ac­tual França, São Me­neleu, abade. († c. 700).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 720, São Meneleu, monge. Originário de Précigné, no Anjou, onde uma capela ainda lhe é dedicada, restaurou o antigo mosteiro de Menat, na Auvergne (M).

– Ver “… Meneleu, cuja família era intimamente ligada ao imperador Carlos Magno, sempre quis servir a Cristo de todo o coração. Quando atingiu a maioridade, seus pais o forçaram a aceitar um anel enviado a ele por um grande senhor, chamado Baronte, como um símbolo de seu noivado com a filha do senhor. Desejando apenas servir a Deus, ele fugiu para Auvergne, onde se tornou um monge da Abadia de Corméry-en-Velay perto de Puy, provavelmente nas mãos de São Chaffre. Aqui Meneleu viveu sete anos sob o abade Santo Eudo. Depois disso, ele se tornou o abade-restaurador do mosteiro de Ménat, perto de Clermont. Meneleu é altamente venerado em Auvergne e Anjou (Beneditinos, Husenbeth)…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly22.html#

8*.   Em Pavia, na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Je­ró­nimo, bispo. († s. VIII)

9*.   Em Lódi, também na Lom­bardia, São Gualter, fun­dador da Casa Hos­pital da Misericórdia. († 1224)

10*.   Em Ve­neza, ci­dade do Vé­neto, re­gião da Itália, o Beato Agos­tinho de Bi­ella Fángi, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que re­a­lizou muitos bons ser­viços em Son­cino, Vi­gé­vano e Veneza. († 1493)

11.   Em Lisboa, ci­dade de Por­tugal, o dia natal de São Lou­renço de Brindes, cuja me­mória é ce­le­brada no dia anterior. († 1619)

12.   Em Car­diff, no País de Gales, os santos Fi­lipe Evans (também na Folhinha do Coração de Jesus), da Com­pa­nhia de Jesus, e João Lloyd, pres­bí­teros e már­tires, que, no rei­nado de Carlos II, foram en­for­cados ao mesmo tempo por se des­co­brir que exer­ciam o sa­cer­dócio na sua pátria. († 1679).

– Ver páginas 270-271: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

13*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato Tiago Lom­bardie, pres­bí­tero de Li­moges e mártir, que, du­rante a grande per­se­guição contra a Igreja, foi en­car­ce­rado em con­di­ções de­su­manas por causa do seu sa­cer­dócio e morreu con­ta­giado por uma en­fer­mi­dade incurável. († 1794)

14.   Em Ma­ji­azhuang, lo­ca­li­dade pró­xima de Dai­ning, no Hebei, pro­víncia da China, os santos már­tires Ana Wang, virgem, Lúcia Wang Wangzhi e seu filho André Wang Tianking, que, du­rante a per­se­guição de­sen­ca­deada pelos “Yihe­tuan”, foram mortos pelo nome de Cristo. († 1900)

15.   Também pró­ximo de Dai­ning, nos ar­re­dores de Yong­nian, ci­dade do Hebei, pro­víncia da China, Santa Maria Wang Lizhi, mártir, que, na mesma per­se­guição, apesar de al­guns pa­gãos a acon­se­lharem a negar ser cristã para salvar a vida, ela de­clarou aber­ta­mente ser serva de Cristo e por isso foi ime­di­a­ta­mente assassinada. († 1900)

16♦.   Em To­ledo, na Es­panha, os be­atos Eu­sébio do Me­nino Jesus (Ovídio Fer­nández Are­nillas), pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas Des­calços e com­pa­nheiros már­tires, que, du­rante a cruel per­se­guição re­li­giosa, foram ví­timas da vi­o­lência dos ini­migos da Igreja e par­tiram ao en­contro do Senhor.  São estes os seus nomes: Eliseu de Jesus Cru­ci­fi­cado (Es­têvão Cu­evas Cas­quero), Her­milo de Santo Eliseu (Pedro Rai­mundo Ro­drí­guez Calle), José Agos­tinho do San­tís­simo Sa­cra­mento (Tomás Ma­teos Sán­chez), Per­feito de Nossa Se­nhora do Carmo (Per­feito Do­mín­guez Monge), Cle­mente dos Sa­grados Co­ra­ções (Cle­mente López Yagüe), re­li­gi­osos da Ordem dos Car­me­litas Descalços. († 1936)

17♦.   Em Bar­ce­lona, na Es­panha, o Beato Luís de Jesus (José Luís Marcou Pe­cavel), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs e mártir, que, na mesma per­se­guição contra a Igreja, con­firmou com o seu sangue a sua fi­de­li­dade ao Senhor. († 1936)

18♦.   Em Roma, a Beata Maria Inês Te­resa do San­tís­simo Sacramento (Ma­nuela de Jesus Árias Es­pi­nosa), virgem, fun­da­dora das Mis­si­o­ná­rias Cla­rissas do San­tís­simo Sacramento. († 1981)

19. São José da Palestina, na Folhinha do Coração de Jesus.

– Ver “… José da Palestina (RM). São José era um judeu, que pertencia à escola bíblica de Tiberíades, uma das várias estabelecidas pelos judeus após a destruição do Templo. O de Tiberíades produziu médicos massoréticos, famosos pela invenção dos pontos vocálicos para preservar a pronúncia do hebraico escrito. Após prolongada resistência interior, tornou-se cristão e foi muito favorecido pelo imperador Constantino, que lhe conferiu o título de conde. Ele se dedicou a construir igrejas e divulgar o Evangelho na Terra Santa. Ele hospedou Santo Eusébio de Vercelli, Santo Epifânio e outros (beneditinos)…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly22.html#

20. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia o martírio de São Teófilo. Preso na ilha de Chipre, confessou até a morte sua fé na Divina Trindade (M).

21. Outros santos do dia 21 de JULHO, páginas: 250 -272

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-

%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santase Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 22 de julho, ver ainda: 22 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 565-568: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes,sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-

%201.pdf

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA PARA LUTAR COM ENTUSIASMO

E FORÇA DE VONTADE,

POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO,

MESMO EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS E ESPINHOSAS,

PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ

DE BONS COSTUMES E SANTIDADE!

LIVRA-NOS DA CERVIZ DURA E DO CORAÇÃO EMPEDERNIDO!

EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!

AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DESANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo,na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica apóso Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

“Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

“…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA!

MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS!

EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

* Ver o blog https://vidademartiressantasesantos.blog/MUITO OBRIGADO

Santas e Santos de 21 de julho

1. São Lou­renço de Brindes, pres­bí­tero e doutor da Igreja, que, tendo en­trado na Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos, de­sem­pe­nhou in­can­sa­vel­mente o mi­nis­tério da pre­gação em vá­rias re­giões da Eu­ropa, quer para de­fender a Igreja dos ata­ques dos in­fiéis, quer para pro­mover a re­con­ci­li­ação dos prín­cipes, quer no go­verno da sua Ordem, re­a­li­zando toda a sua ac­ti­vi­dade com sim­pli­ci­dade e hu­mil­dade. Morreu em Lisboa, ci­dade de Por­tugal, no dia 22 de Julho. († 1619).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Lisboa, o nascimento no céu de São Lourenço de Brindisi (também na Folhinha do Coração de Jesus). Ministro geral dos capuchinhos, pregou diversas missões em toda a Europa, diante do Judaísmo e do Islamismo (R).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 19/07/2013 “21/07: SÃO LOURENÇO DE BRINDISI. Nasceu em Brindisi, na Itália, em 1559. Entrou para a Ordem dos frades capuchinhos, da qual chegou a ser superior-geral de 1602 a 1605. Destacou-se sobretudo na restauração da fé católica. Conhecedor excepcional das Sagradas Escrituras, citando em seus sermões trechos de memória, inclusive em hebraico. Tornou-se inflamado e competente pregador pela vasta cultura que possuía, pela sua bela voz e figura imponente. Fez ouvir sua palavra em vários países da Europa. A evidente coerência entre sua palavra e sua vida o faz ser respeitado também pelos adversários. Realizou cada tarefa assumida com simplicidade e humildade principalmente em defesa da Igreja contra os infiéis e em reconciliar as potências em guerra. Morreu em 22 de julho de 1619 em Lisboa, Portugal. Frei Marcos Antônio de Andrade, OFM. 19/07/2013~ Petrópolis/RJ”.  Ver páginas 268-269: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf 

– Ver também “… Lourenço de BrindisiO.F.M.Cap., nascido Giulio Cesare Russi, foi um santo da Igreja Católica e membro da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. Por suas obras, foi proclamado Doutor da Igreja em 1959 pelo papa João XXIII…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Louren%C3%A7o_de_Brindisi

2.   Em Mar­selha, na Pro­vença, re­gião da Gália, ac­tu­al­mente na França, São Vítor, mártir. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. III, o nascimento no céu de Santo Victor, mártir, vitorioso pelo nome e pela fé que professou em presença do imperador Maximiano, quando este passava por Marselha. Cassiano fundou, sobre seu túmulo, um mosteiro que teve grande influência nos sécs. XI e XII. (M) († c. 292).

– Ver “…São Vítor de Marselha foi um mártir cristão executado durante a perseguição de Diocleciano. É venerado como santo tanto pela Igreja Católica Romana como pela Igreja Ortodoxa. É tido como soldado da Legião Tebana. Como cristão, recusou o sacrifício aos deuses e foi torturado e executado por trituração numa . É o santo padroeiro de Marselha…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/V%C3%ADtor_de_Marselha

3.   Em Emessa, hoje Homs, na Síria, São Si­meão Salo, que, mo­vido pelo Es­pí­rito Santo, quis ser con­si­de­rado louco por amor de Cristo e ig­nóbil aos olhos dos ho­mens. Também a co­me­mo­ração de São João (também na Folhinha do Coração de Jesus), ere­mita, que, du­rante quase trinta anos, foi com­pa­nheiro de São Si­meão na pe­re­gri­nação aos Lu­gares Santos e no ermo pró­ximo do lago As­fál­tite, na Judeia. († s. IV).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, São João, monge, que viveu na oração e na penitência no deserto da Síria. (M). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, São João, monge, que viveu na oração e na penitência no deserto da Síria. (M)

4.   Em Roma, a co­me­mo­ração de Santa Pra­xedes (também na Folhinha do Coração de Jesus), a cujo tí­tulo foi de­di­cada a Deus uma igreja no Esquilino. († a. 491).

– Ver “…Praxedes, também Praxedis ou Praxede, foi uma santa tradicional cristã do século II… Pouco se sabe sobre a vida de Santa Praxedes e os poucos relatos existentes tem discrepâncias entre si. De acordo com a Legenda Áurea de Jacobus de Voragine, Praxedes era irmã de Santa Pudenciana, “São Donato” e São Timóteo. Durante uma das perseguições aos cristãos, as irmãs cuidavam de enterrar os corpos dos mártires e de distribuir comida aos mais pobres. O breve relato de Voragine afirma ainda que elas morreram em 165, “durante o reinado dos imperadores Marcus e Antonino II.[1][2]

Sabine Baring-Gould, no verbete sobre São Novato, afirma que a “santa virgem” Praxedes era filha de São Pudêncio, irmã de Santa Pudenciana e que seus irmãos eram São Novato e São Timóteo. A morte de Novato aparece ali como sendo em 151.[3]…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Praxedes

– Ver também sobre Santa Pudenciana “…Já se sugeriu que Pudenciana seria uma pessoa lendária e que o nome da igreja surgiu como um adjetivo para descrever a casa de Pudêncio: domus pudentiana. Esta denominação foi incorretamente tratada como sendo uma referência a uma santa pelas gerações seguintes. Em 1969, os nomes de Pudenciana e sua irmã, Praxedes, foram removidas do Calendário Católico Romano de Santos…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Santa_Pudenziana

– Ver também “… S. Praxedes segundo a sua lenda, era uma donzela romana, irmã de S. Pudentiana, que, quando o imperador Marco Antonino estava a caçar cristãos, os procurava para os socorrer com dinheiro, cuidados, conforto e todas as ajudas de caridade. Alguns ela escondeu em sua casa, outros ela encorajou a se manterem firmes na fé, e ainda de outros ela enterrou os corpos; e ela não permitiu que nada faltasse aos que estavam na prisão ou labutando na escravidão. Por fim, não podendo mais suportar as crueldades infligidas aos cristãos, ela orou a Deus para que, se fosse conveniente para ela morrer, ela pudesse ser liberada de ver tais sofrimentos. E assim, em 21 de julho, ela foi chamada para a recompensa de sua bondade no céu. Seu corpo foi depositado pelo padre pastor na tumba de seu pai, Pudens, e de sua irmã Pudentiana…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly21.html#680

5.   Em Es­tras­burgo, ci­dade da Bor­gonha, ac­tu­al­mente na França, Santo Ar­bo­gasto, bispo. († s. VI).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, Santo Arbogasto, eremita originário da Aquitânia, que tornando-se bispo de Estrasburgo construiu a catedral de Nossa Senhora, e depois um mosteiro dedicado a São Martinho. (M)

6*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato Ga­briel Per­gaud, pres­bí­tero e mártir, que, sendo có­nego re­gular na abadia de Be­au­lieu, no ter­ri­tório de Sain-Brieuc, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por causa do sa­cer­dócio foi ar­re­ba­tado para fora da abadia e en­car­ce­rado na esquá­lida ga­lera, onde con­sumou o seu mar­tírio, mor­rendo afec­tado por uma en­fer­mi­dade contagiosa. († 1794)

7.   Em Yan­zi­bian, pró­ximo de Yang­ping­guan, na China, Santo Al­be­rico Crescitélli, pres­bí­tero do Pon­ti­fício Ins­ti­tuto das Mis­sões Es­tran­geiras e mártir, que, du­rante a per­se­guição dos “Yihe­tuan”, cru­el­mente es­pan­cado quase até à morte, foi no dia se­guinte ar­ras­tado por um ca­minho pe­dre­goso com os pés li­gados até ao rio, onde, mi­nu­ci­o­sa­mente di­la­ce­rado e fi­nal­mente de­ca­pi­tado, re­cebeu a coroa do martírio. († 1900)

8.   A ca­minho de Dai­ning, pró­ximo de Yong­nian, ci­dade do Hubei, pro­víncia da China, a paixão de São José Wang Yumei, mártir na mesma perseguição. († 1900)

9♦.   Em Mora, pró­ximo de To­ledo, na Es­panha, o Beato Agrí­cola Ro­drí­guez Garcia de los Huertos, pres­bí­tero da di­o­cese de To­ledo e mártir, que du­rante a per­se­guição no com­bate da fé al­cançou a vida eterna. († 1936)

10♦.   Em Morón de la Fron­tera, perto de Se­vilha, na Es­panha, os be­atos már­tires José Limón Limón, pres­bí­tero e José Blanco Salgado, re­li­gioso, ambos da So­ci­e­dade Sa­le­siana, que du­rante a mesma per­se­guição, foram co­ro­ados pelo mar­tírio no tes­te­munho de Cristo. († 1936)

11. Profeta Daniel. Ver páginas 225-246:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “…Daniel (em hebraico: דָּנִיֵּאל Dāniyyēl; em grego: Δανιήλ Daniḗl), também chamado de Beltessazar (em acádio: 𒊩𒆪𒈗𒋀 Beltu-šar-uṣur),[2][3] foi um jovem príncipe judeu levado como prisioneiro de guerra pelas tropas do Império Babilônico, em meio à Rebelião para Independência de Judá. Ele serviu ao rei Nabucodonosor II e seus sucessores com lealdade e competência até o momento em que a Babilônia foi conquistada por Ciro, o Grande,[4] e através da sabedoria oriunda de seu Deus, Jeová, ele interpretou os sonhos e visões de reis, tornando-se uma figura proeminente na corte da Babilônia…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Daniel

12. Bem-Aventurado Odin Barotti, confessor. Ver páginas 247-248: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “… 1400 – Bem-aventurado Oddino Barrotti, pároco da igreja de São João Batista em Fossano e terciário franciscano. Mais tarde, ele renunciou às suas funções pastorais e transformou sua casa em um hospital OFM Tert. (AC).   Nasceu em Fossano, Piemonte, Itália, em 1324; morreu lá em 1400; culto aprovado em 1808. Oddino tornou-se pároco na igreja de São João Batista em Fossano e terceiro franciscano. Mais tarde, ele se demitiu de suas funções pastorais e transformou sua casa em um hospital. Ele ainda é muito venerado em Fossano (Beneditinos)…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly21.html#680

13. Outros santos do dia 21 de JULHO, páginas: 225 -249

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-

%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santase Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 21 de julho, ver ainda: 21 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 564-565: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-

%201.pdf

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA PARA LUTAR COM ENTUSIASMO

E FORÇA DE VONTADE,

POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO,

MESMO EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS E ESPINHOSAS,

PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ

DE BONS COSTUMES E SANTIDADE!

LIVRA-NOS DA CERVIZ DURA E DO CORAÇÃO EMPEDERNIDO!

EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!

AMÉM!

OBSERVAÇÕES:

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DESANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo,na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica apóso Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

“Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

“…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA!

MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS!

EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

* Ver o blog https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 20 de julho

1. Santo Apo­li­nário (também na Folhinha do Coração de Jesus de 20 de julho), bispo, que, ma­ni­fes­tando ao povo as in­son­dá­veis ri­quezas de Cristo, ca­mi­nhava à frente do seu re­banho como bom pastor e, se­gundo a tra­dição, honrou com o seu ilustre mar­tírio a Igreja de Classe, em Ra­vena, na Fla­mínia, ac­tu­al­mente na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália. No dia 23 de Julho partiu para o ban­quete eterno. († c. s. II).

– Também lembrado dia 23 de julho.

– Ver “…Apolinário de Ravena, o Santo Apolinário foi o primeiro bispo da cidade de Ravena, sendo seu padroeiro….”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Apolin%C3%A1rio_de_Ravena

Em 23 de julho, Em Classe, pró­ximo de Ra­vena, na Fla­mínia, hoje na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de Santo Apo­li­nário, bispo, cuja me­mória é ce­le­brada no dia 20 de Julho. († c. s. II).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, de 23 de julho, perto do ano 200, Santo Apolinário, primeiro bispo de Ravena. Inicialmente exerceu o ministério entre soldados e marinheiros daquela importante cidade portuária e militar do Império. Os duros trabalhos que teve que suportar em seu apostolado sacerdotal e episcopal conferiram-lhe o título de mártir (M).

– Ver também página 290: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

2.   A co­me­mo­ração de Santo Elias o Tesbita, pro­feta do Se­nhor no tempo de Acab e Aca­zias, reis de Is­rael, que rei­vin­dicou os di­reitos do Deus único contra a in­fi­de­li­dade do povo com tanto ardor que pre­fi­gu­rava não só João Bap­tista mas o pró­prio Cristo. Não deixou orá­culos es­critos, mas a sua me­mória é fi­el­mente con­ser­vada, es­pe­ci­al­mente no monte Carmelo.

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IX antes da nossa era, o Profeta Elias. Depois de algum tempo de vida solitária, escondida perto da torrente de Carit, a leste do Jordão, deixou inflamar, sobre o monte Carmelo, seu zelo devoto pela fidelidade à Aliança, antes de ir se recolher dentro da fenda do rochedo no alto do monte Horeb, para sentir o suave sopro da voz divina. Foi carregado o céu num turbilhão de fogo, mas retornou na pessoa de João Batista para preparar a vinda do Messias. Em nome de todos os Profetas do Antigo Testamento, Elias deu testemunho da divina missão de Cristo, por ocasião de Sua Transfiguração. (M).

Ver páginas 195-213: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf  

– Ver também “Elias (em hebraico: אֱלִיָּהוּ, transl. Eliyahu, lit. “Meu Deus é Javé“;[1][2] em grego: Ηλίας, transl. Elías; em árabe: إلياس, transl. Ilyās) foi um profeta e taumaturgo que viveu no reino de Israel[3] durante o reinado de Acabe (século IX a.C.)…”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Elias

https://pt.wikipedia.org/wiki/Elias

3.   A co­me­mo­ração de São José Bar­sabás, cha­mado o Justo, dis­cí­pulo do Se­nhor, que os Após­tolos pro­pu­seram, jun­ta­mente com o após­tolo São Ma­tias, para que um deles ocu­passe o lugar de Judas o traidor; mas, em­bora a sorte tenha caído sobre Ma­tias, exer­citou igual­mente o mi­nis­tério da pre­gação e da santidade.

Ver páginas 214-215: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

4.   Em An­ti­o­quia da Pi­sídia, na ac­tual Tur­quia, Santa Ma­rinha, ou Marina ou Mar­ga­rida, que, se­gundo a tra­dição, con­sa­grou o seu corpo a Cristo na san­ti­dade e no martírio. († data inc.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Antioquia, no fim do séc. III, Santa Margarida, que consagrou seu corpo a Cristo pela virgindade e pelo martírio. Muito popular durante a Idade Média, foi uma das “vozes” de Santa Joana D’Arc. (M). Ver páginas 216-218: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “Margarida de Antioquia (Antioquia da Pisídia),? – ?, 304 d.C.) também conhecida como Santa Margarida é uma santa cristãvirgem e mártir, inscrita no grupo dos Catorze santos auxiliares, cuja celebração litúrgica se situa, tal como na Igreja Anglicana, a 20 de julho. Na Igreja Ortodoxa é venerada como Marina de Antioquia, três dias antes, a 17 de julho. A sua veracidade histórica não está comprovada. De facto, o papa Gelásio I declarou-a como apócrifa em 494, mas a devoção Ocidental a esta personagem foi reavivada com as Cruzadas. A sua reputação incluía indulgências muito poderosas para todos quanto escrevessem ou lessem a sua vida, ou invocassem a sua intercessão. Não há dúvidas que isto contribuiu decisivamente para o alastramento do seu culto.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Margarida_de_Antioquia

– Ver “Catorze Santos Auxiliares: Catorze santos auxiliares – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

5.   Na Etiópia, São Fru­mêncio, bispo, que, tendo sido pri­si­o­neiro, foi de­pois or­de­nado bispo por Santo Ata­násio e pro­pagou o Evan­gelho nesta região. († s. IV)

6.   Em Car­tago, na ac­tual Tu­nísia, Santo Au­rélio (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santo Aurélio de Cartago), bispo, co­luna fir­mís­sima da Igreja, que pro­tegeu os fiéis contra os cos­tumes pa­gãos e es­ta­be­leceu a sede epis­copal no lugar onde antes se en­con­trava uma es­tátua da deusa Celeste. († c. 430).

– Ver páginas 219-220: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “Aurélio de Cartago (em latimAurelius Episcopus Carthaginensis) foi um santo cristão que morreu por volta de 430. Foi bispo de Cartago desde cerca de 391 e deixou vários conselhos eclesiásticos da doutrina Cristã. Agostinho de Hipona admirava o trabalho de Aurélio e várias cartas destes sobreviveram ao tempo. A festa de Santo Aurélio, no calendário da Igreja Católica Romana é 20 de julho”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Aur%C3%A9lio_de_Cartago

7.   No ter­ri­tório de Bou­logne, na Gália, ac­tu­al­mente na França, São Vul­maro, pres­bí­tero, que da con­dição de hu­milde pastor foi con­du­zido aos es­tudos e ad­mi­tido ao mi­nis­tério sa­cer­dotal; de­pois re­tirou-se num ermo para viver se­gundo o cos­tume dos pa­dres an­tigos e fi­nal­mente fundou em Haut­mont, no Hai­naut, entre os bos­ques da sua terra natal, dois mos­teiros, um para os monges e outro para as sa­gradas virgens. († c. 700).

8.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, São Paulo (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Paulo da Espanha), diá­cono e mártir, que, ins­truído pelo exemplo e pela pa­lavra de São Si­se­nando, não teve medo de cen­surar aos prín­cipes e ma­gis­trados dos Mouros a fal­si­dade do seu culto e foi morto con­fes­sando a fé em Cristo como ver­da­deiro Deus. († 851).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, em 851, São Paulo, diácono, martirizado ao confessar a divindade de Cristo diante do Islamismo. (M)

9*.   Em Hil­desheim, na Sa­xónia, re­gião da ac­tual Ale­manha, o Beato Ber­nardo, bispo, que, em­bora cego, go­vernou a sua Igreja du­rante vinte e três anos. († 1153)

10.   Em Seul, na Co­reia, as santas Ma­da­lena Yi Yong-hui, Te­resa Yi Mae-im, Marta Kim Song-im, Luzia Kim, Rosa Kim, Ana Kim Chang-gum e Maria Won Kwi-im, virgem, e São João Bap­tista Yi Kwang-nyol, mártires. († 1839)

11.   Em Nam Dinh, ci­dade do Ton­quim, no ac­tual Vi­etnam, São José Maria Díaz Sanjurgo, bispo da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, na per­se­guição de­sen­ca­deada pelo im­pe­rador Tu Duc, foi con­de­nado à morte em ódio à fé cristã. († 1857)

12.   Em Zhou­jiahe, ci­dade pró­xima de Ying­xian, no Hebei, pro­víncia da China, a paixão dos santos Leão Inácio Mangin e Paulo Denn, pres­bí­teros da Com­pa­nhia de Jesus, que, na per­se­guição de­sen­ca­deada pela seita dos “Yihe­tuan”, quando con­for­tavam ar­den­te­mente os fiéis reu­nidos na igreja, foram sur­pre­en­didos pelos ini­migos que ir­rom­peram no templo e mortos di­ante do altar. Com eles pe­receu também Santa Maria Zhou Wuzhi, que, in­ten­tando pro­teger com o seu corpo São Leão, mi­nistro da sa­grada Eu­ca­ristia, caiu fe­rida de morte. († 1900).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1900, o martírio do Bem-Aventurado Leão-Inácio Mengin, jesuíta de Lorena, que confessou a fé cristã até o derramamento de sangue, juntamente com outros cinquenta e quatro católicos chineses. (X)

13.   Em Lu­ji­azhuang, pró­ximo de Ying­zian, também no Hebei, São Pedro Zhou Rixin, mártir, que, na mesma per­se­guição dos “Yihe­tuan”, pe­rante as in­sis­tên­cias do pre­feito para ab­jurar, negou poder re­negar a sua fé no Deus cri­ador do mundo, e por isso foi decapitado. († 1900)

14.   Em Da­li­acum, ci­dade pró­xima de Wuyi, na mesma pro­víncia da China, Santa Maria Fu Guilin, uma pro­fes­sora que, na mesma per­se­guição, foi en­tregue às mãos dos ini­migos do Evan­gelho de Cristo e morreu de­ca­pi­tada en­quanto in­vo­cava Cristo Salvador. († 1900)

15.   Em Wuqiao Zha­ojia, também no Hebei, a co­me­mo­ração das santas Maria Zhao Guozhi e suas fi­lhas Rosa Zhao e Maria Zhao, que, na mesma per­se­guição, para não serem vi­o­ladas se lan­çaram num poço; mas foram de lá re­ti­radas e con­su­maram o seu martírio. († 1900)

16.   Em De­chau, também no Hebei, a co­me­mo­ração de São Xi Guizi, mártir, que, ainda ca­te­cú­meno, na praça em tu­multo de­clarou ser cristão e, di­la­ce­rado pelos golpes dos ini­migos da fé, foi bap­ti­zado com o seu sangue. († 1900)

17*.   Em Ma­drid, na Es­panha, as be­atas Rita Do­lores do Co­ração de Jesus (Rita Do­lores Pu­jalte y Sán­chez) e Fran­cisca do Co­ração de Jesus (Fran­cisca Aldea y Araújo), vir­gens da Con­gre­gação das Irmãs da Ca­ri­dade do Sa­grado Co­ração de Jesus e már­tires, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa na guerra civil, foram presas pelos ini­migos da Igreja na ca­pela do co­légio e pouco de­pois fu­zi­ladas na praça pública. († 1936)

18♦.   Em Se­vilha, na Es­panha, o Beato An­tónio Fer­nandez Camacho, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana e mártir, que, na mesma per­se­guição contra a Igreja, con­firmou com o seu sangue a sua fi­de­li­dade ao Senhor. († 1936)

19♦.   Em Ma­drid, na Es­panha, os be­atos Luís Fu­rones Furones (Abraão Fu­rones Fu­rones), pres­bí­tero, e Ja­cinto Garcia Riesco, re­li­gioso, ambos da Ordem dos Pre­ga­dores e már­tires, que, na mesma per­se­guição, pela sua in­ven­cível cons­tância na fé al­can­çaram o reino celeste. († 1936)

20♦.   Em Bar­ce­lona, na Es­panha, os be­atos már­tires Lucas de São José (José Tristañy Pujol), pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas Des­calços, e João José de Jesus Crucificado (João Pá­fila Mon­tlleó), pres­bí­tero da Ordem da San­tís­sima Trin­dade, que, na mesma per­se­guição, me­re­ceram di­ante de Deus om­ni­po­tente a palma da vitória. († 1936)

21♦.   Em Moiá, perto de Bar­ce­lona, na Es­panha, o Beato Jorge de São José (An­tónio Bosch Ver­dura), pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas Des­calços e mártir, que, du­rante a per­se­guição contra a Igreja, al­cançou a re­com­pensa eterna pelo com­bate da fé. († 1936)

22. Santa Severa, na Folhinha do Coração de Jesus.

– Em Trèves, Santa Severa, virgem, irmã de Modoaldo, bispo daquela cidade. Falecida em 660. Ver página 224: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “… Severa (Sevère) de Villeneuve, Abadessa (RM). Santa Severa, irmã de São Modoald de Trier, foi a primeira abadessa de Santa Gema (mais tarde Sainte-Sevère) em Villeneuve, na diocese de Bourges (Beneditinas)”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly20.html

23. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no começo do séc. VIII, São Vulmério, eremita. Os discípulos que vieram reunir-se em torno dele formaram um novo centro de vida monástica em Flandres, que se colocou mais tarde sob seu patrocínio. (M)

24. Bem-Aventurado Gregório Lopes, confessor. Ver páginas 221-223: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

25. No ano do Senhor de 833, Santo Ansegísio, nobre franco, excelente administrador do imperador. Foi nomeado abade de Fontenelle. (X)

– Ver “… Sob Ansegisus, os monges de Fontenelle tornaram-se famosos por sua biblioteca e seu scriptorium, e não menos pelo trabalho do abade em fazer uma coleção de capitulares, que por muito tempo permaneceram um livro de leis oficial no império. Essas capitulares eram leis ou decretos promulgados pelos reis francos, e a coleção de Ansegisus foi dividida em livros contendo decretos civis e eclesiásticos de Carlos Magno e Luís…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly20.html

26. Santa Vilgeforte, ou Santa Liberata. Ver  “Vilgeforte,[3] também conhecida como Santa Liberata[1] (Lusitâniac. 119 — Lusitânia, c. 139), é uma santa lendária de tradição católica, cuja lenda data do século XIV.[4] Retratada como uma mulher barbada, algumas referências indicam que o seu nome provém do alto-alemão antigo heilige Vartez (santa face),[5] uma tradução do italiano Volto Santo, e outras referências indicam que teria se originado do latim virgo fortis (virgem forte).[6]

Na Inglaterra, é conhecida como Uncumber (não oprimida), em holandês como Ontkommer (libertada), e em alemão como Kümmernis (aflita ou ansiosa). Na Itália e Galiza é conhecida por Liberata, em Espanha por Librada (libertada), e na França por Débarras (libertada). Na cidade espanhola de Siguença, é por vezes confundida com a Santa Liberata, uma das irmãs de Santa Marinha de Águas Santas, cuja festa litúrgica também é celebrada a 20 de julho.[7] É considerada a padroeira das mulheres malcasadas…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vilgeforte

– Ver também: página 224: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

27. Outros santos do dia 20 de JULHO, páginas: 183 -224

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-

%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 20 de julho, ver ainda: 20 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 560-563: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-

%201.pdf

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA PARA LUTAR

COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE,

POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO,

MESMO EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS E ESPINHOSAS,

PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ

DE BONS COSTUMES E SANTIDADE!

LIVRA-NOS DA CERVIZ DURA E DO CORAÇÃO EMPEDERNIDO!

EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!

AMÉM!

OBSERVAÇÕES:

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DESANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

* “Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

“…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa  morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO! DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA! MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS! EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

* Ver o blog https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 19 de julho

1.   Co­me­mo­ração de Santo Epa­fras, que tra­ba­lhou muito pelo Evan­gelho em Co­lossos, em La­o­di­ceia e em Hi­e­rá­polis, a quem o após­tolo São Paulo chama ca­rís­simo, com­pa­nheiro de prisão e fiel mi­nistro de Cristo.

– Ver Santo Épafras, páginas 176-177: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “Epafras foi um pregador cristão que espalhou o evangelho a seus concidadãos colossenses [1][2]. Quando Paulo era um prisioneiro em Roma, Epafras veio se encontrar com ele para contar ao apóstolo sobre um estranho ensinamento que ameaçava a segurança da igreja de Colossas. Ele permaneceu com Paulo em Roma em oração pelas igrejas do vale do Lico e foi, de certa forma, seu “companheiro de prisão”[3]. Paulo foi testemunha de suas preces por Colossas e de seu trabalho e serviço lá e em Laodiceia e Hierápolis[4].”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Epafras

– Ver também “… Epafras BM (RM) século I. Epafras era companheiro de São Paulo, que fala dele (Colossenses 1: 7) como o “mais amado conservo”. Há uma tradição de que ele foi bispo de Colossos e que foi martirizado lá. Mas, além do que lemos no Novo Testamento (Colossenses 4:12 e Filemom 23), não sabemos nada sobre sua vida (Beneditinos, Enciclopédia) …”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly19.html

2.   Em Meros, na Frígia, na ac­tual Tur­quia, os santos Ma­ce­dónio, Teó­dulo e Ta­ciano, már­tires, que, no tempo do im­pe­rador Ju­liano o Após­tata, por ordem do go­ver­nador Al­má­quio, foram co­lo­cados sobre grades de ferro em brasa, onde con­su­maram com ale­gria o seu martírio. († c. 362)

3.   No mos­teiro de An­nesis, junto ao rio Íris, no Ponto, também na ac­tual Tur­quia, Santa Ma­crina, virgem, irmã dos santos Ba­sílio Magno, Gre­gório de Nissa e Pedro de Se­baste, eru­dita na Sa­grada Es­cri­tura, que se re­tirou para a vida so­li­tária e foi ad­mi­rável exemplo do amor de Deus e aban­dono da vai­dade do mundo. († 379).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Capadócia, no ano da graça de 379, Santa Macrina, irmã de São Basílio Magno. Na hora de morrer, evocou seu passado dando graças: “Deus eterno, a quem sempre consagrei a minha alma e o meu corpo, desde a minha juventude até agora, possa eu ser recebida em tuas mãos como o incenso diante de Ti” (cf. Vita). (M).

– Ver páginas 178-179: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “…Macrina, a Jovem (Cesareia, 324-379) foi uma religiosa católica. Filha de Basílio, o Velho e Emélia de Cesareia, e neta de Macrina, a Velha, seus irmãos também destacaram como religiosos formando uma família dinástica conhecida como os Padres capadócios. Tinha um casamento planejado com doze anos, mas o noivo morreu e desde de então se dedicou à vida religiosa.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Macrina,_a_Jovem

– “…MACRINA era a mais velha dos dez filhos de São Basílio, o Velho e de Santa Emmelia, e nasceu em Cesaréia, na Capadócia, por volta do ano 330. Ela foi criada com especial cuidado por sua mãe, que ambos a ensinaram a ler e exercitaram vigilância sobre como ela usava esse feito: a Sabedoria de Salomão e os Salmos de Davi eram seus companheiros constantes. Nem foram negligenciados os deveres domésticos e a fiação e tecelagem de lã. Aos doze anos ela estava noiva, mas após a morte repentina do jovem ela recusou todos os outros pretendentes e foi uma grande assistente de sua mãe na educação de seus irmãos e irmãs mais novos.
   São Basílio o Grande, São Pedro de Sébastea, São Gregório de Nissa e os demais aprenderam com seu desprezo pelo mundo, medo de seus perigos e aplicação à oração e à palavra de Deus. Basílio, em particular, dizem, voltou das escolas como um jovem muito vaidoso, e sua irmã ensinou-lhe humildade; enquanto para Pedro, o caçula, ela era “pai, professora, guia, mãe, dadora de bons conselhos”, pois seu pai morreu assim que ele nasceu. Basílio, o mais jovem, então estabeleceu sua mãe e Macrina em uma propriedade perto do rio Iris em Ponto, e lá eles se juntaram a outras mulheres em uma vida comunal ascética.
  Após a morte de Santa Emmelia, Macrina se desfez de tudo o que restava de seu patrimônio em favor dos pobres e viveu do que ganhava com o trabalho de suas mãos. Seu irmão, Basil, morreu no início do ano 379, e ela mesma adoeceu nove meses depois.
  São Gregório de Nissa, visitando-a depois de oito anos de ausência, encontrou-a doente, deitada em duas tábuas para dormir. Ele ficou extremamente consolado com sua alegria e encorajamento, e impressionado com o fervor de amor com que ela se preparou para a morte. Ela morreu muito feliz na hora do acendimento das lâmpadas. Tal era sua pobreza que nada foi encontrado para cobrir seu corpo quando foi levado para a sepultura, exceto seu velho capuz e véu áspero; São Gregório, portanto, providenciou um manto especial de linho. Araxius, bispo do lugar, e São Gregório, com dois padres, eles próprios carregaram o esquife na procissão fúnebre, coros cantando salmos até o local do sepultamento; mas a pressão da multidão e as lamentações do povo, especialmente de algumas das mulheres,
  Um relato da vida de Santa Macrina, com detalhes de sua conversa, morte e sepultamento, nos foi deixado pelo próprio São Gregório na forma de um diálogo sobre a alma e a ressurreição e de um panegírico sobre sua irmã dirigido ao monge Olympius. No último deles ele fala de dois milagres, um quando sua irmã foi curada de um tumor no sinal da cruz feito por sua mãe; a outra, quando a própria Macrina curou o olho doente da filha pequena de um oficial militar. Ele acrescenta: “Não acho conveniente acrescentar à minha história todas as coisas semelhantes que ouvimos daqueles que viveram com ela e a conheceram intimamente. Embora pareçam incríveis, todos acreditam que sejam verdadeiros por aqueles que cuidadosamente investigou-os. O significado do ditado que diz que é preciso um santo para escrever a vida de um santo…

Macrina, a Jovem V (RM) Nasceu em Cesaréia, Capadócia, c. 327; morreu em Ponto, em dezembro de 379. Macrina cresceu cercada de pessoas santas. Sua avó paterna era Macrina, a Velha e para os irmãos ela tinha SS. Basílio, Gregório de Nissa e Pedro de Sebaste…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly19.html

– OBS: VER 14 DE JANEIRO (Santa Macrina maior, sua avó)

4*.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Dio o Taumaturgo, ar­qui­man­drita, na­tural de An­ti­o­quia, que, nesta ci­dade foi or­de­nado sa­cer­dote e cons­truiu um mos­teiro sob a Regra dos Acemetas. († s. V in.)

– Ver “… 430 – São Dio. Sua carne foi humilhada por vigília e oração incessante. Por esses atos, o Senhor concedeu a São Dio desapego e o dom de fazer maravilhas; numa visão, o Senhor ordenou a São Dio que fosse a Constantinopla e ali para servir a Ele e ao povo; O Senhor realizou muitos outros milagres por meio de Seu santo…

São Dio tratava os enfermos com orações e tudo o que lhe era oferecido, distribuía aos pobres, aos sem-teto e aos enfermos…

… Na extrema velhice, São Dio adoeceu gravemente. Ele se despediu dos irmãos, recebeu os Santos Mistérios e se deitou em sua cama como um morto. No mosteiro, Sua Santidade o Patriarca Atticus (Comm. No Cheesefare Sábado) veio para o funeral e também o Patriarca Alexandre de Alexandria, que estava então em Constantinopla. O santo Ancião inesperadamente se levantou de seu leito de morte e disse: “O Senhor me concedeu mais quinze anos de vida.” Grande foi a alegria dos irmãos.
São Dio viveu mais quinze anos, ajudando a todos com orientação e conselho, curando os enfermos e preocupando-se com os pobres e sem-teto. Pouco antes de sua morte, um homem radiante em trajes sacerdotais apareceu a ele no altar da igreja e lhe contou sobre sua morte iminente. Tendo dado graças ao Senhor por esta notícia, São Dio morreu silenciosamente e foi sepultado em seu mosteiro (por volta do ano 430) …”:  http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly19.html

5.   Em Roma, junto de São Pedro, São Sí­maco, papa, que, de­pois de ter so­frido muito tempo pela facção dos cis­má­ticos, morreu como au­tên­tico con­fessor da fé. († 514).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no ano de 514, a volta para Deus do Papa São Símaco, que teve que sofrer muito da parte do senado do Rei Teodorico e do próprio clero, mas que acabou sendo reconhecido por todos. Dedicou-se a construir ou a reconstruir igrejas na cidade eterna (M).

– Ver páginas 151-175: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “Papa São Símaco (em latimSymmachusSardenha, data de nascimento desconhecido — Roma19 de julho de 514) foi papa de 22 de novembro de 498 até a data de sua morte. Símaco é venerado como um santo na Igreja Católica.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_S%C3%ADmaco

6.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, Santa Áurea (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, irmã dos santos már­tires Adolfo (também na Folhinha do Coração de Jesus) e João, que, du­rante a per­se­guição dos Mouros, aco­me­tida pelo medo ab­jurou pe­rante o juiz; mas logo se ar­re­pendeu e, re­no­vando a ba­talha, venceu o ini­migo num novo com­bate com o der­ra­ma­mento do seu sangue. († 856).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, no ano da graça de 856, Santa Áurea, virgem, que coroou trinta anos de vida religiosa com o martírio. (M)

– Ver “…856 – St. Aurea Irmã da SS. Aldolphus e John, que foram martirizados em Córdoba, Santa Aurea era filha de pai mouro e mãe cristã. Aurea tornou-se cristã e freira em Cuteclara.”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly19.html

7.   Em Utrecht, na Gél­bria da Lo­ta­ríngia, no ter­ri­tório da ac­tual Ho­landa, São Ber­noldo ou Ber­nulfo, bispo, que li­bertou igrejas e mos­teiros do do­mínio dos po­de­rosos, cons­truiu muitas igrejas e fo­mentou nos mos­teiros a ob­ser­vância dos Cluniacenses. († 1054)

8*.   No mos­teiro de Ma­ri­en­burg, na Fran­cónia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, a Beata Es­tila, virgem con­sa­grada, que foi se­pul­tada na igreja por ela construída. († c. 1140)

9*.   Em Fo­linho, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Pedro Crisci, que, tendo dis­tri­buído todos os seus bens pelos po­bres, exer­citou o mi­nis­tério na igreja ca­te­dral e viveu em grande hu­mil­dade e pe­ni­tência na torre do cam­pa­nário da igreja. († c. 1323).

– Ver “São Pedro Crisco de Foligno”, às  páginas 180-181: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

10.   Em Chester, na In­gla­terra, São João Plessington, pres­bí­tero e mártir, que, or­de­nado sa­cer­dote em Se­góvia e re­gres­sando à In­gla­terra, foi por isso con­de­nado ao su­plício da forca no rei­nado de Carlos II. († 1679)

11.   Em Lu­ji­a­zuang, lo­ca­li­dade pró­xima de Ying­zian, no Hebei, pro­víncia da China, São João Bap­tista Zhou Wurui, mártir, que, ainda ado­les­cente, se de­clarou aber­ta­mente cristão pe­rante os sec­tá­rios “Yihe­tuan” e por isso foi des­mem­brado e morto a golpes de machado. († 1900)

12.   Em Liucun, pró­ximo da ci­dade de Renkin, também no Hebei, os santos már­tires Isabel (Elisabeta) Qin Bianzhi e seu filho Simão Qin Chunfu, de ca­torze anos, que, du­rante a mesma per­se­guição dos “Yihe­tuan”, fortes na fé, su­pe­raram toda a cru­el­dade dos inimigos. († 1900)

13*.   Em Bo­rowi­kowsczyzna, na Po­lónia, os be­atos Aquiles Puchala e Her­mano Stepien, pres­bí­teros da Ordem dos Frades Me­nores Con­ven­tuais e már­tires, que, du­rante a ocu­pação da Po­lónia, sua pá­tria, sob um re­gime mi­litar es­tran­geiro, foram mortos em ódio à fé cristã. († 1943)

14. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Sevilha, na Espanha, perto de 297, a paixão das Santas Justa e Rufina, virgens, que confessaram a fé em Cristo, recusando-se a oferecer para o culto de Adônis as cerâmicas cujo valor era seu único ganha-pão. (M).

– Ver “… Justa e Rufina (em castelhanoSanta Justa y Santa Rufina) são duas mártires cristãs veneradas como santas, principalmente em Sevilha (antiga Híspalis), onde teriam sido assassinadas no século III. Apenas Santa Justa é mencionada no Martyrologium Hieronymianum (93), mas nos demais martirológios históricos[1] Rufina é mencionada com ela, provavelmente com base nos “Atos” lendários das duas. Ambas foram muito homenageadas na liturgia hispânica medieval (conhecida como “liturgia moçárabe“, um rito praticado também na Espanha visigótica)…

… A festa das Santas Justa e Rufina é 19 de julho. Na Idade Média, a festa era celebrada em 17 de julho na Península Ibérica, como atestam os calendários da época, como o Antifonário de Leão”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Justa_e_Rufina

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no final do séc. VIII, Santo Ambrósio Autpert. Começou como oficial na corte de Pepino o Breve, e foi preceptor do futuro imperador Carlos Magno, mas logo entrou para a vida monástica na abadia de São Vicente, no ducado de Benevento. Autor muito apreciado durante a Idade Média, escreveu comentários à Escritura e várias obras litúrgicas e hagiográficas. (X)

16. Conforme o Martirológio Romano-Monástico (DE 19 DE JULHO, VER DIA 08 DE MAIO), no Egito, no ano do Senhor de 445, Santo Arsênio (também na Folhinha do Coração de Jesus), anacoreta. Pertencente a uma família senatorial romana, foi ordenado diácono por São Dâmaso, e depois viveu por quase cinquenta anos no deserto de Cétia. Contemplado com o dom das lágrimas, são atribuídos a ele os grandes princípios da vida hesicasta (adepto do HESICASMO, “… Hesicasmo (em grego: ἡσυχασμός; romaniz.: hesychasmos, derivado de ἡσυχία, hesychia, “quietude, quieto, silêncio”)[1] é uma tradição de oração solitária na Igreja Ortodoxa e em algumas Igrejas Católicas Orientais, com as que seguem o rito bizantino, praticada pelo chamado hesicasta (Ἡσυχαστής, hesychastes).

Baseado no ordenamento de Cristo no Evangelho de Mateus («… entra no teu quarto e, fechada a porta, ora a teu Pai que está em secreto…» (Mateus 6:6), o hesicasmo tradicionalmente é definido como o processo de retiro interior pela cessação dos sentidos com o objetivo de obter um conhecimento experimental de Deus (veja theoria)…

Kallistos Ware distingue cinco diferentes sentidos para o termo “hesicasmo”[2]:

  1. eremita“, utilizado desde o século IV;
  2. Evágrio do Ponto (345-399), Máximo, o Confessor (ca. 580-662) e Simão, o Novo Teólogo (949-1022);
  3. Oração de Jesus“, cuja referência mais antiga é encontrada em Diádoco de Photiki (ca. 450);
  4. psicossomática em particular combinada com a Oração de Jesus“, sentido que remonta pelo menos até o século XIII;
  5. Gregório Palamas“, sobre a qual veja Palamismo

… João (São João Clímaco) diz que a tarefa principal do hesicasta é manter uma ascese mental, que consiste na rejeição dos pensamentos tentadores (“ladrões”) que chegam conforme ele sobriamente contempla em sua solidão. Muito da literatura sobre o hesicasmo se ocupa com a análise psicológica destes pensamentos tentadores, algo que remonta ao trabalho sobre as “oito paixões” de Evágrio do Ponto.

As obras “Instituições cenobitas” e “Conferências” de João Cassiano – que escreveu em latim e por isso não aparece na Filocalia – representam a passagem das doutrinas ascéticas de Evágrio para o ocidente e compõem a base da espiritualidade da Ordem de São Bento e suas derivadas…

Monte Atos, na Grecia, é o centro da prática do hesicasmo…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Hesicasmo). (M).

– Ver “Arsênio nasceu em 350, em Roma, numa família senatorial cristã. Após a morte de seus pais, Afrositty sua irmã foi admitida numa comunidade de virgens, ele doou toda a sua herança para os pobres e passou a viver uma vida asceta. Arsênio se tornou famoso pela sua retidão e sabedoria. Há um considerável debate sobre a acuracidade de diversos pontos na vida de Arsênio.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ars%C3%AAnio,_o_Grande

– Em 08 de maio:

Em Cete, monte do Egipto, Santo Ar­sénio, que, se­gundo a tra­dição, foi diá­cono da Igreja Ro­mana e, no tempo do im­pe­rador Te­o­dósio, se re­tirou para o ermo, onde, in­signe em todas as vir­tudes, en­tregou o es­pí­rito a Deus. († s. IV/V)

– Ver “Arsênio (português brasileiro) ou Arsénio (português europeu), o Grande, também conhecido como Arsênio, o DiáconoArsênio de Escetes e Arsênio de Roma, foi um tutor imperial romano que se tornou um anacoreta ([Os anacoretas (do grego antigo: ἀναχωρητής, anachōrētḗs, “aquele que abdicou do mundo”,[1][2] do verbo ἀναχωρέω, anachōréō, significando “retirar-se”, “recolher-se”[3]) eram monges ou ermitãos cristãos que viviam em retiro e solidão, especialmente nos primórdios do cristianismo, dedicando-se à oração e à escrita de liturgias, a fim de alcançar um estado de graça e pureza de alma pela contemplação.

O termo anacoreta também é utilizado para denominar um penitente que se afastou do convívio humano para viver na mais completa solidão, procurando expiar seus pecados via meditação.

Dentre notórios anacoretas reconhecidos pela Igreja Católica, estão Santo Antão do Deserto e Santo Afraates, da Igreja Siríaca]…: https://pt.wikipedia.org/wiki/Anacoreta) no Egito e um dos mais admirados Padres do Deserto, cujos ensinamentos foram muito influentes no desenvolvimento do ascetismo e da vida contemplativa.”: Arsênio, o Grande – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

17. Outros santos do dia 19 de JULHO, páginas: 151-182 http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 19 de julho, ver ainda: 19 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 558-560: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly19.html 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.”  (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: Meios de se preparar para uma boa morte …: Na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado...”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO! DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA! MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS! EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

-Ver o blog

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 18 de julho

      1. Co­me­mo­ração do Beato Bar­to­lomeu dos Mártires, bispo, que, nas­cido em Lisboa, na fre­guesia dos Már­tires, in­gressou na Ordem dos Pre­ga­dores e foi no­meado para a sede epis­copal de Braga, onde pôs em prá­tica as ori­en­ta­ções do Con­cílio de Trento, no qual par­ti­cipou efi­ci­en­te­mente. In­signe pela in­te­gri­dade da sua vida, em­pe­nhou-se com suma ca­ri­dade pas­toral em acudir às ne­ces­si­dades do seu re­banho e ilus­trou com só­lida dou­trina os seus nu­me­rosos es­critos. Fi­nal­mente, tendo re­nun­ciado ao mi­nis­tério epis­copal, re­tirou-se no Con­vento de Santa Cruz de Viana do Cas­telo, cons­truído por sua ini­ci­a­tiva, onde pros­se­guiu a vida aus­tera de sim­ples re­li­gioso, de­di­cado à oração, ca­ri­dade e es­tudo, e fa­leceu no dia 16 deste mês. († 1590)

– Ver “Bartolomeu Fernandes, filho de Domingos Fernandes e de sua mulher Maria Correia, nasceu no dia 3 de Maio de 1514, em Verdela, na freguesia dos Mártires, na região de Lisboa.[11] Veio duma família humilde e, até ao fim da sua vida, manteve-se fiel às suas origens. A sua infância foi marcada pelo seu fervor religioso.[4]A 6 de Julho de 2016, foi anunciado que o Papa Francisco decidiu canonizar o Beato D. Frei Bartolomeu dos Mártires através do processo de equipolência. A leitura solene do Decreto aconteceu em Braga, no dia 10 de Novembro de 2019.[33]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Bartolomeu_dos_M%C3%A1rtires

2.   Na Via Ti­bur­tina, a nove mi­lhas de Roma, a co­me­mo­ração dos santos Sin­fo­rosa e sete com­pa­nheiros – Cres­cente, Ju­liano, Ne­mésio, Pri­mi­tivo, Jus­tino, Es­tacteu e Eu­génio – már­tires, que su­por­taram o mar­tírio com di­versos gé­neros de tor­tura, como ir­mãos em Cristo. († s. III-IV).

Em Tívoli, Santa Sinforosa, mulher de São Getúlio, mártir, e seus sete filhos, Crescêncio, Julião, Nemésio, Primitivo, Justino, Estácio (também na Folhinha do Coração de Jesus), e Eugênio. A mãe, por causa de sua constância insuperável, foi, sob o imperador Adriano, primeiramente, e por muito tempo, esbofeteada e pendurada pelos cabelos, e, por fim presa a uma grande pedra e precipitada ao rio; seus filhos, presos a postes e puxados com polias, receberam o martírio com diversos gêneros de morte. Seus corpos, que tinham sido levados a Roma, foram encontrados sob o pontificado de Pio IV na Igreja do Santo Anjo da Pescaria, título de um cardeal-diácono.

– Ver página 150: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “… Sinforosa (em latimSymphorosa; m. c. 138) é uma santa que, de acordo com a tradição, foi martirizada com seus sete filhos em Tibur (moderna TivoliItália) no final do reinado do imperador romano Adriano (r. 117–138). Sua história é muito similar à de Santa Felicidade de Roma e é uma variação da história da mulher com sete filhos de II Macabeus…”: Sinforosa – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

3.   Em Milão, na Li­gúria, ac­tu­al­mente na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Ma­terno, bispo, que, res­ta­be­le­cida a li­ber­dade da Igreja, tras­ladou com grande so­le­ni­dade de Lódi para a sua ci­dade os corpos dos már­tires Nabor e Félix. († s. IV)

4.   Em Do­rós­toro, na Mésia, hoje Si­listra, na Bul­gária, Santo Emi­liano, mártir, que, in­di­fe­rente aosditos de Ju­liano o Após­tata e às ame­aças do seu vi­gário Ca­tu­lino, des­truiu o altar dos ídolos para im­pedir o sa­cri­fício e, por isso, ati­rado para uma for­nalha, re­cebeu a palma do martírio. († 362).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Durostorum, nos Bálcãs, no séc. IV, Santo Emiliano, soldado, que foi queimado vivo sob Juliano Apóstata, por ter derrubado altares pagãos. (M)

5.   Em Bréscia, na Ve­nécia, ac­tu­al­mente na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Fi­lastro, bispo, cuja vida e morte foram lou­vadas por São Gau­dêncio, seu sucessor. († c. 397).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto ee 395, São Filástrio (Filástrio), bispo de Bréscia. Inteiramente consagrado ao serviço de Deus e da Igreja, não teve nenhuma preocupação em relação à glória humana, e mostrava-se muito mais inclinado a reconciliar do que a repreender (M).

6.   Em For­lim­pó­puli, na ac­tual Emília-Ro­manha, também re­gião da Itália, São Ru­filo (Ruffillo), bispo, que é con­si­de­rado o pri­meiro a go­vernar esta Igreja e ter con­du­zido a Cristo todo o povo rural deste território. († s. V)

7.   Em Metz, na Aus­trásia, ac­tu­al­mente na França, Santo Ar­nolfo, ou Arnul (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que foi con­se­lheiro de Da­go­berto, rei da Aus­trásia, e de­pois, re­nun­ci­ando ao cargo, se re­tirou para a vida ere­mí­tica nos montes Vosgos. († 640).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 640, Santo Arnoldo. Inicialmente conselheiro do rei da Austrásia, foi depois encarregado da Igreja de Metz, e retirou-se, finalmente, para a solidão dos Vosges, onde foi chamado para cuidar dos leprosos. (M).

– Ver também Arnulfo de Métis ou Metz (c. 13 de agosto de 582 — ca. 18 de julho de 640) foi um nobre franco que teve grande influência nos reinos merovíngios como bispo, sendo depois venerado como santo. Ele também é conhecido pelo seu nome anglicizado, Arnoldo. Foi o 27º Bispo de Métis. Governou na prática com Pepino de Landen o reino da Austrásia, e depois tornou-se um eremita perto do mosteiro do Monte Habend, fundado por seu amigo Romarico.

É o fundador da dinastia dos Arnulfianos, aliada dos Pipínidas. Pai de Ansegisel, avô de Pepino de Herstal, tetravô de Carlos Magno, é o ancestral da Dinastia Carolíngia. Santo cristão, é celebrado localmente a 18 de julho.

Arnulfo parece ser uma das personalidades mais atraentes do reino da Austrásia: muito influente politicamente, bispo de Métis com imensa reputação, eremita religioso. Vida muito ocupada e muito intensa, pode ser muito interessante para o historiador, pois abrange três dimensões essenciais da época: Poder na sociedade, na igreja e no sagrado.[1]

O que se sabe é que Arnulfo com toda a probabilidade nasceu em uma família franca da alta nobreza. Ainda jovem foi enviado para ser educado na corte, sob a tutela de Gondulfomordomo do palácio no reinado de Teodeberto II (595-612). Suas habilidades foram reconhecidas, sendo nomeado conde palatino e doméstico, um cargo de alto escalão. Em data incerta casou com uma dama da alta nobreza, que fontes tardias chamam de Doda, com quem teria os filhos Ansegisel, casado com Begga, e Clodulfo, bispo de Métis.[3][4]

… Santo Arnulfo é o santo padroeiro dos cervejeiros Lorenos. Pouco depois da sua morte, os seus restos mortais foram trazidos de Remiremont para Métis. Chegados perto de Champigneulles (ou de Nossoncourt de acordo com outras versões da lenda), aqueles que relatam faltar a cerveja oram a São Arnulfo para ter algo para comer. As suas preces foram atendidas quando eles encontraram milagrosamente cerveja nos seus barris vazios…: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arnulfo_de_Metz

– Ver ainda: a curiosa história do Santo padroeiro dos cervejeiros… “No ano de 627, Santo Arnulfo, se retirou a um mosteiro perto de Remiremont na França onde morreu e foi enterrado, em 640. No ano seguinte, os cidadãos de Metz pediram que seu corpo fosse exumado e levado a cidade para enterrá-lo na Igreja local. Enquanto carregavam o corpo de volta, vários fiéis sentiram-se cansados, esgotados e pararam numa taberna para comprar cerveja. Ao entrar, descobriram com tristeza que só havia uma garrafa e tiveram que compartilhar. Surpreendentemente a garrafa nunca acabou e todos puderam beber a cerveja e matar sua sede. O milagre foi atribuído a São Arnulfo e é a razão pela qual a Igreja o considera o santo padroeiro dos cervejeiros”. Ver em:https://pt.churchpop.com/curiosa-historia-do-santo-patrono-dos-cervejeiros-santo-arnulfo-de-metz/

– Ver ainda a linda história do Santo Arnolfo, Bispo de Metz, com vários outros santos de sua família,   nas páginas 130-145: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

8.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, Santa Te­o­dósia, monja, que so­freu o mar­tírio por de­fender uma an­tiga imagem de Cristo que o im­pe­rador Leão, o Isáu­rico, or­de­nara re­mover da cha­mada Porta de Bronze do seu palácio. († s. VIII)

– Ver “… Teodósia de Constantinopla foi uma freira e mártir cristã considerada uma das mártires iconoclastas mais conhecidas e polêmicas da igreja ortodoxa porem pouco conhecida pelos cristãos católicos.[1]”: Teodósia de Constantinopla – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

9.   Em Utrecht, na Gél­dria da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na Ho­landa, São Fre­de­rico (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que foi exímio co­nhe­cedor da Sa­grada Es­cri­tura e se con­sa­grou com grande zelo à evan­ge­li­zação dos Frisões. († 838).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IX, São Frederico, bispo de Utrecht. Foi assassinado por haver recriminado Luís o indulgente, por causa de sua má conduta, depois de ter sido ele próprio um modelo da lealdade, desapego e bondade (M).

10.   Em Ségni, no Lácio, re­gião da Itália, São Bruno, bispo, que tra­ba­lhou e so­freu muito pela re­no­vação da Igreja e, por isso, obri­gado a deixar a sua sede epis­copal, en­con­trou re­fúgio em Mon­te­cas­sino, ao qual pre­sidiu como abade tem­po­rário do mosteiro. († 1123)

– Ver “…Bruno de Segni (em latimBruno Astensis) é um santo católico italiano que foi abade de Monte Cassino e bispo de Segni… Suas obras são principalmente exegéticas e seu “Libellus de symoniacis”, escrita antes de 1109, é importante por sua discussão sobre o significado de simonia e principalmente por revelar a atitude de Bruno sobre os sacramentos dispensados por um padre simoníaco.

Bruno morreu em Segni em 18 de julho de 1123 e foi canonizado por Lúcio III em 1181.

”: Bruno de Segni – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

11*.   Em Cra­cóvia, na Po­lónia, São Simão de Lipnica, pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, in­signe pre­gador e de­voto do nome de Jesus, que, im­pe­lido pela sua ca­ri­dade, en­con­trou a morte no cui­dado dos em­pes­tados moribundos. († 1482).

– Ver página 148: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

12*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato João Bap­tista de Bruxelas, pres­bí­tero de Li­moges e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, foi en­cer­rado na sór­dida ga­lera em ódio ao sa­cer­dócio, onde morreu con­su­mido pela enfermidade. († 1794)

13.   Em Nam Dinh, ci­dade do Ton­quim, hoje no Vi­etnam, São Do­mingos Ni­colau Dinh Dat, mártir, que, sendo sol­dado, cons­tran­gido a negar a fé cristã, de­pois de cruéis tor­turas calcou a cruz; mas ime­di­a­ta­mente ar­re­pen­dido, para ex­piar a culpa da apos­tasia, es­creveu ao im­pe­rador Minh Mang para que fosse de novo jul­gado como cristão e fi­nal­mente morreu estrangulado. († 1859)

14*.   Em Krys­to­nópil, na Ucrânia, a Beata Tar­císia (Olga Mackiv), virgem da Con­gre­gação das Irmãs Es­cravas de Maria Ima­cu­lada e mártir, que, em tempo da guerra, por ter de­fen­dido a fé pe­rante os per­se­gui­dores, al­cançou a dupla vi­tória da vir­gin­dade e do martírio. († 1944)

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cartago, no começo do séc. III, Santa Gudena, virgem e mártir. (M)

– Ver “… 203 – Santa Gundenis Virgem mártir de Cartago. Ela morreu na perseguição de Septimius Severnus... Por ordem do procônsul Ruffinus, ela foi em quatro momentos diferentes esticada na cremalheira da fé em Cristo, horrivelmente lacerada com ganchos de ferro, por muito tempo confinada em uma prisão imunda e, finalmente,passada à espada. Gundenis de Cartago VM (RM). martirizada sob o reinado de Septímio Severo em Cartago (Beneditinos, Enciclopédia) …”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly18.html

16. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no deserto de Nístria, no Egito, no séc. IV, São Pambo, discípulo de Santo Antão. Na hora de sua morte, declarou: “Jamais comi qualquer coisa que não tivesse ganho com o meu trabalho. Jamais disse algo que me tivesse causado arrependimento. E estou indo para Deus, mesmo antes de haver começado a servi-lo”! (M).

– Ver São Pambom, naspáginas 146-147: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

17. São Bartolomeu de las Casas (na Wikipedia de 18 de julho). “… Morreu aos noventa e dois anos de idade no Convento Dominicano de Atocha, no dia 17 de julho de 1566, em Madri, Espanha. Muito querido do povo mexicano, seu nome, hoje, é lembrado como um dos maiores humanistas e missionários da história do cristianismo…”: http://arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/bartolomeu-de-las-casas

– Ver também “… Conhecido em português como Frei Bartolomeu de las Casas (em espanhol: Fray Bartolomé de las Casas),[1] era filho de um modesto comerciante de Tarifa, na Andaluzia. Participou da segunda viagem de Cristóvão Colombo. Havia feito estudos de latim e de humanidades em Salamanca. Partiu para a ilha de Hispaniola ou La Española na expedição de Nicolás de Ovando, em 1502 ou 1503, chegando em 15 de abril. Como a maioria, Bartolomeu estava motivado pelo espírito aventureiro e explorador de riquezas, logo se adaptando ao estilo de vida dos colonizadores. No início, aceitou o ponto de vista convencional quanto à exploração da mão de obra indígena e também participou dos ataques contra as tribos e a escravização dos nativos em plantações…

… Muito querido do povo mexicano, seu nome hoje é lembrado como um dos maiores humanistas e missionários da História do Cristianismo

… … Em 1547, partiu da América para não mais voltar. Regressou à Espanha, continuando, ali, a defesa dos índios, onde corrigiu e publicou seus escritos, todos se contrapondo à política colonial. Porém suas ideias foram contestadas na América e também na Espanha

Se recolheu ao convento de São Gregório, em Valladolid.

( VER CONTROVÉRSIA DE VALLADOLID: “…A Controvérsia de Valladolid (1550–1551), tal como ficou conhecido, foi o primeiro debate moral na história europeia encetado para discutir os direitos humanos e o tratamento de povos indígenas pelos conquistadores europeus, na sequência de inúmeras denúncias de maltratos pelos missionários Dominicanos… O frade dominicano e bispo de ChiapasBartolomeu de las Casas, na altura considerado muito polémico, argumentou que os ameríndios eram homens livres na sua ordem natural, apesar das suas práticas de antropofagia e outros costumes semelhantes, merecendo a mesma consideração dos colonizadores.[6] Opondo-se a essa visão estavam vários estudiosos, teólogos e padres, incluindo o humanista Juan Ginés de Sepúlveda, que argumentou numa linha aristotélica que a superioridade [do homem branco europeu] garantia o direito de dispor de terras e povos, acrescentando que “o sacrifício humano de inocentes, o canibalismo e outros crimes contra a natureza” praticados pelos índios eram inaceitáveis ​​e deveriam ser suprimidos por qualquer meio possível, incluindo a guerra.[7]… ”: Controvérsia de Valladolid – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org) …)

Nessa cidade tiveram lugar importantes discussões de 1550 a 1551 entre ele e Juan Ginés de Sepúlveda, o amputado (VER “Sua posição frente à colonização da América, aceita pela alta cúpula de Roma, causou um sério conflito não só na ordem dominicana como também na Igreja Católica de modo geral. As teses de Ginés conflitava com a de outro intelectual domenicano, o Frei Bartolomé de Las Casas, que defendia um processo de colonização pacifico das Américas e que considerava os indígenas americanos filhos especiais de Deus que deviam ser protegidos. O conflito de teses entre os dois foi responsável por várias leis e medidas espanholas no tocante a colonização. Algumas das bases do direito internacional moderno surgiram destas discussões, como a noção de “Guerra Justa” de Ginés.”: Juan Ginés de Sepúlveda – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org) …) sobre a legitimidade da conquista, saindo vitorioso o segundo.

Naquelas discussões Bartolomeu:

  1. defendeu a tese de que todos os homens, são criados à imagem de Deus e, portanto, a escravidão deveria ser rejeitada, enquanto que Sepúlveda defendeu a doutrina aristotélica da escravidão natural;
  2. defendeu a tese de que o Imperador do Império Espanhol não poderia ser considerado dono das propriedades dos indivíduos mas somente seu governante político, portanto, as nações indígenas deveriam ter relativa autonomia, mas deveriam se submeter ao Império Espanhol por meio do pagamento de tributos, recebendo em troca proteção;
  3. apresentou argumentos contra a tese de Sepúlveda, que considerava os indígenas bárbaros e selvagens, apresentando uma tipologia de quatro diferentes tipos de bárbaros, que foi considerada um dos primeiros ensaios de “etnologia comparada”;
  4. refutou a tese de que os “pecados contra a natureza” e a “infidelidade” seriam causas para uma “guerra justa” contra os índios, pois procurava entender as suas manifestações culturais como uma forma de religiosidade que só poderia ser modificada com o tempo e persuasão, mas nunca pela força;
  5. sustentou que o único modo para a evangelização dos indígenas seria a pregação pacífica e que seria justa a guerra dos índios contra a violência dos conquistadores.[3]

Em 1552, suas obras foram censuradas e proibidas para a leitura. Havia renunciado a seu bispado, antes de morrer aos 92 anos de idade no Convento Dominicano de Atocha, em Madri, no dia 17 de julho de 1566.”: Bartolomeu de las Casas – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver ainda: https://www.youtube.com/watch?v=VGk7K6LZsAc

18. Santa Marinha (Mariña) de Águas SantasMarinha de Águas Santas, também conhecida como Santa Marinha (em galegoSanta Mariña de Augas Santas, em castelhanoMarina de Aguas SantasBracara Augusta ou Balcagia119 — Águas Santas, 18 de janeiro de 139) foi uma virgem mártir do século II.[1] É venerada como santa pela Igreja Católica e a sua festa litúrgica é celebrada a 18 de julho.[2]… Na Inglaterra, é conhecida como Uncumber (não oprimida), em holandês como Ontkommer (libertada), e em alemão como Kümmernis (aflita ou ansiosa). Na Itália e Galiza é conhecida por Liberata, em Espanha por Librada (libertada), e na França por Débarras (libertada). Na cidade espanhola de Siguença, é por vezes confundida com a Santa Liberata, uma das irmãs de Santa Marinha de Águas Santas, cuja festa litúrgica também é celebrada a 20 de julho.[7] É considerada a padroeira das mulheres malcasadas. Na Inglaterra, é conhecida como Uncumber (não oprimida), em holandês como Ontkommer (libertada), e em alemão como Kümmernis (aflita ou ansiosa). Na Itália e Galiza é conhecida por Liberata, em Espanha por Librada (libertada), e na França por Débarras (libertada). Na cidade espanhola de Siguença, é por vezes confundida com a Santa Liberata, uma das irmãs de Santa Marinha de Águas Santas, cuja festa litúrgica também é celebrada a 20 de julho.[7] É considerada a padroeira das mulheres malcasadas…”: Marinha de Águas Santas – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

19. Outros santos do dia 18 de JULHO, páginas: 125-150 http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 18 de julho, ver ainda: 18 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 555-557: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly18.html 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.”  (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: Meios de se preparar para uma boa morte …: Na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado...”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO! DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA! MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS! EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

-Ver o blog

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 17 de julho

1. Memória dos be­atos már­tires Inácio de Azevedo (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, e trinta e nove companheiros da Com­pa­nhia de Jesus, que se di­ri­giam para as mis­sões do Brasil numa nau cha­mada «São Tiago», quando foram as­sal­tados por um barco de pi­ratas e pas­sados ao fio da es­pada e golpes de lança em ódio à re­li­gião católica. São estes os seus nomes: Diogo de An­drade, pres­bí­tero; Gon­çalo Hen­ri­ques, diá­cono; An­tónio So­ares, Bento de Castro, João Fer­nandes, Ma­nuel Ál­vares, Fran­cisco Ál­vares, João de Mayorga, Es­têvão de Zu­rara, Afonso de Baena, Do­mingos Fer­nandes, outro João Fer­nandes, Aleixo Del­gado, Luís Cor­reia, Ma­nuel Ro­dri­gues, Simão Lopes, Ma­nuel Fer­nandes, Ál­varo Mendes, Pedro Nunes, Luís Ro­dri­gues, Fran­cisco de Ma­ga­lhães, Ni­colau Dinis, Gaspar Ál­vares, Brás Ri­beiro, An­tónio Fer­nandes, Ma­nuel Pa­checo, Pedro de Fon­toura, André Gon­çalves, Amaro Vaz, Diogo Pires, Marcos Cal­deira, An­tónio Cor­reia, Fer­nando Sán­chez, Gre­gório Es­cri­bano, Fran­cisco Pérez Godoy, João de Zafra, João de San Martin, Simão da Costa, re­li­gi­osos; e ainda João “Agre­gado” (isto é, que se lhes juntou). († 1570).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1570, o martírio do Bem-Aventurado Inácio de Azevedo e seus trinta e nove companheiros. Jesuíta português, mandado para as missões do Brasil, Inácio voltou à pátria para recrutar colaboradores. Na viagem de volta, o navio em que viajavam foi capturado por corsários anticatólicos, sendo todos os religiosos executados. Inácio de Azevedo morreu exortando seus companheiros à fé e dando testemunho de Cristo. Beatificados pelo papa Pio IX em 1854. (M).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus, de 16/07/2012: 17/07: BVS. INÁCIO DE AZEVEDO E COMPS. Os santos que hoje celebramos fazem parte daquela multidão de homens e mulheres, muitos deles anônimos, que doaram suas vidas pelo anúncio da Boa-nova no Brasil. Inácio de Azevedo, português e ducado em Coimbra, tendo ouvido o apelo para a missão, entrou para a Companhia de Jesus aos 22 anos. Depois de exercer funções em Portugal, em 1570 ele e 87 companheiros foram enviados, em três navios, para a missão no Brasil. Durante a viagem, o navio em que viajava Inácio e outros 39 companheiros parou por causa da calmaria. Atacados por piratas, os jesuítas acabaram todos degolados e lançados ao mar. Mesmo sem terem chegado ao Brasil, podemos afirmar, que o sangue destes mártires regou as nossas terras, fazendo germinar nela a semente fecunda do anúncio do Reino. (Frei Sandro Roberto da Costa, OFM-Petrópolis/RJ)

Ver dia 15 de julho (Martirológio Romano): Co­me­mo­ração dos be­atos már­tires Inácio de Azevedo, pres­bí­tero, e trinta e nove companheiros da Com­pa­nhia de Jesus, que em Por­tugal se ce­le­bram no dia de­zas­sete deste mês. († 1570). Ver páginas 57-61: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “Inácio de Azevedo de Ataíde Abreu e Malafaia, mais conhecido como Beato Inácio de Azevedo, foi um jesuíta português do século XVI. É um dos “Quarenta Mártires do Brasil“, beatificados pelo Papa Pio IX em 11 de Maio de 1854.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_de_Azevedo

– Ver 15 de julho

2.   Em Car­tago, na ho­di­erna Tu­nísia, o dia natal dos santos már­tires ci­li­tanos – Es­pe­rato, Narzal, Ci­tino, Ve­túrio, Félix, Aqui­lino, Le­tâncio, Ja­nuária, Ge­ne­rosa (também na Folhinha do Coração de Jesus), Véstia, Do­nata e Se­gunda – que, por ordem do procônsul Sa­tur­nino, de­pois de terem pro­fes­sado a sua fé em Cristo, foram en­cer­rados no cár­cere; no dia se­guinte, atados a um cepo, por per­se­ve­rarem fir­me­mente a de­clarar-se cris­tãos e a re­cusar prestar ho­me­nagem di­vina ao im­pe­rador, foram con­de­nados à morte; e en­quanto eram de­go­lados ao fio da es­pada, de jo­e­lhos una­ni­me­mente davam graças a Deus. († 180).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cartago, em 180, a paixão de Seis Cristãos, que segundo as atas de seu martírio, compareceram diante do procônsul, trazendo consigo os Livros Sagrados e as Cartas de São Paulo. “Honramos a César, mas adoramos somente a Deus”! (M).

– Ver “os doze mártires cilitanos de Cartago” às páginas 95-99: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

3.   Em Amás­tris, na Pa­fla­gónia, na ho­di­erna Tur­quia, São Ja­cinto, mártir. († c. s. III)

– Ver “… Em Amastris em Paphlagonia, São Jacinto, mártir, que morreu na prisão depois de muito sofrimento, sob o prefeito Castrito. Jacinto de Paphlagonia M (RM). Jacinto é um mártir de Amastris, Paphlagonia, condenado à morte por ter derrubado uma árvore consagrada a um ídolo (Beneditinos).”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly17.html

4.   Em Se­vilha, na Bé­tica, pro­víncia da His­pânia, as santas Justa e Ru­fina, vir­gens, que, apri­si­o­nadas pelo go­ver­nador Di­o­ge­niano, de­pois de so­frerem cruéis su­plí­cios, pa­de­ceram o cár­cere, a fome e ou­tras tor­turas: Justa morreu no ca­ti­veiro; Ru­fina, por con­ti­nuar a pro­fissão de fé no Se­nhor, foi decapitada. († c. 287)

5.   Em Milão, na Li­gúria, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, Santa Mar­ce­lina (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, irmã de Santo Am­brósio, que em Roma, na ba­sí­lica dSão Pedro, re­cebeu do papa Li­bério o véu da con­sa­gração no dia da Epi­fania do Senhor. († s. IV f.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Milão, no séc. IV, Santa Marcelina. Recebeu o véu das virgens das mãos do papa Libério, na basílica de São Pedro, na Epifania de 353. Santo Ambrósio, seu irmão, dedicou-lhe o tratado De virginibus. (M).

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Marcelina_de_Roma

6.   Em Roma, na igreja si­tuada no monte Aven­tino, ce­lebra-se um homem de Deus cha­mado Aleixo (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, se­gundo a tra­dição, deixou a sua casa que era rica, para se fazer pobre e viver in­cog­ni­ta­mente de esmolas. († s. IV).

– Ver “…Santo Aleixo, de acordo com a lenda, era o filho único duma rica família romana. No dia do seu casamento fugiu de Roma e viveu como mendigo em Edessa, até um dia no qual foi milagrosamente apontado como “homem de Deus”. Fugiu da consequente fama, e voltou para Roma, onde não foi reconhecido. Foi-lhe permitido como a um pobre viver sob as escadas da sua própria casa. Apenas depois da sua morte descobriu-se a sua identidade.[1]…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/17_de_julho

7.   Em Au­xerre, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, São Te­o­dósio, bispo. († s. VI)

– Ver “… 516 – São Teodósio Bispo de Auxerre, França, por volta de 507. Pouco se sabe sobre seu mosteiro. Teodósio de Auxerre B (RM). Bispo de Auxerre, França, de cerca de 507 a 516 (beneditinos).”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly17.html

8.   Em Pavia, na Li­gúria, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, Santo Enódio, bispo, que ce­le­brou nos seus hinos as me­mó­rias e tem­plos dos Santos e dis­tri­buiu ge­ne­ro­sa­mente os seus bens. († 521).

– Ver página 117: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “Magno Felix Enódio (em latimMagnus Felix Ennodius) ou simplesmente Santo Enódio foi bispo de Pavia, polígrafo, retórico e poeta latino. Era neto do procônsul da África Félix Enódio.[1]. Ele é considerado um santo, com festa no dia 17 de julho.[2]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Magno_F%C3%A9lix_En%C3%B3dio

9*.   Em Deurne, pró­ximo de An­tuérpia, no Bra­bante, re­gião da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na Bél­gica, São Fre­de­gando, monge, pro­va­vel­mente pro­ce­dente da Ir­landa, que foi com­pa­nheiro de São Foilão e de ou­tros mis­si­o­ná­rios itinerantes. (†  s. VIII)

– Ver “… Também conhecido como Fregaut de Dorne, este monge e abade de Kerkelodor, perto de Antuérpia, foi santo por ter sido um companheiro irlandês de São Foillan, o que é improvável. É mais provável que ele fosse um colega de trabalho de São Willibrord. Seu dia de festa é celebrado com uma procissão anual do Santíssimo Sacramento para comemorar uma praga que parou por sua intercessão há 400 anos. Fredegand é venerado em toda a Bélgica e no nordeste da França (Beneditinos, Montague).”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly17.html

10*.   No mos­teiro de Win­chel­combe, na Mércia, re­gião da In­gla­terra, São Ke­nelmo, prín­cipe da Mércia, que é con­si­de­rado mártir. († c. 812).

– Ver “… São Kenelm foi um santo anglo-saxão, venerado em toda a Inglaterra medieval e mencionado nos Contos de Cantuária (o conto do sacerdote de Nun, em que o cozinheiro Chaunteecleer tenta demonstrar a realidade dos sonhos proféticos para sua esposa Pertelote). Guilherme de Malmesbury, escrevendo no século XII, relatou que “não havia lugar na Inglaterra a que mais peregrinos viajassem do que a Winchcombe no dia da festa de Kenelm”…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Kenelm

– Ver “… De acordo com uma lenda popular da Idade Média, Kenelm tinha sete anos quando seu pai, o rei Kenulf (Coenwulf) da Mércia, morreu e ele subiu ao trono. Sua irmã Quendreda (Cynefrith ou Quoenthryth) subornou seu tutor, Ascebert, para matá-lo na floresta de Clent para que ela pudesse reivindicar o trono. Ascebert sim, mas quando o corpo foi descoberto e guardado em Winchcombe em Gloucestershire, todos os tipos de maravilhas aconteceram em seu túmulo. Todos os três são números reais, mas Kenelm não morreu aos sete anos e pode até ter morrido antes de seu pai. É certo que viveu até a adolescência e pode ter sido morto em batalha (Attwater, Benedictines, Delaney, Encyclopedia). Na arte, São Kenelm é retratado como um jovem príncipe com uma haste em flor. A imagem também pode conter uma pomba com uma letra na boca (Roeder). Ele foi altamente homenageado na Inglaterra durante a Idade Média como um santo e mártir, e ainda é venerado em Gloucester e Winchcombe, onde suas relíquias estão consagradas (Enciclopédia, Roeder)…” http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly17.html

11.   Em Roma, junto de São Pedro, São Leão IV, papa, de­fensor da ci­dade e apo­lo­gista do pri­mado de Pedro. († 855).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, São Leão IV. Inicialmente monge de São Martinho de Roma, foi eleito papa em 847. Conseguiu manter boa independência em relação ao poder imperial, para assim estender sua solicitude apostólica a toda a cristandade. (M).

Ver páginas 100-116: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “Leão IV (em latimLeo IV) foi consagrado papa em 10 de Abril de 847. Morreu em 17 de julho de 855.

Nasceu em Roma, onde foi educado no Mosteiro de São Martinho. Era monge beneditino. Fortificou com altas muralhas a colina do Vaticano e a zona em torno da basílica de S. Pedro, que tinha sido saqueada pelos sarracenos, criando a “Cidade Leonina“. A fim de obter maior protecção consagrou imperador Luis II, o Jovem. Confirmou aos venezianos o direito de eleger o Doge.

Foi o primeiro pontífice que pôs data nos documentos oficiais…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_Le%C3%A3o_IV

12.   Em Stoc­kerau, no ter­ri­tório de Viena, na Ba­viera, ac­tu­al­mente na Áus­tria, São Colmano, de origem ir­lan­desa, que se fez pe­re­grino em nome de Deus; ao di­rigir-se para a Terra Santa, foi con­si­de­rado um espia ini­migo e, sus­penso de uma ár­vore, al­cançou a Je­ru­salém celeste. († 1012).

– Ver página 172 (VIDAS DOS SANTOS DE 13 DE OUTUBRO): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2018.pdf

– Ver também “São Colmano da Irlanda. Colmano era um monge originário da Irlanda, talvez a partir de uma linhagem real. Ao fazer uma peregrinação a Jerusalém, passando por Stockerau, a cerca de 20 quilômetros de Viena, sendo acusado de ser um espião, foi preso. Como ele não falava alemão, não podia defender-se, e foi enforcado juntamente com outros ladrões.”:http://fraternidadesaogilberto.blogspot.com/2013/07/sao-colmano-da-irlanda.html

13*.   Em Nitra, junto ao rio Waag, nos montes Cár­patos, em ter­ri­tório da ac­tual Es­lo­vá­quia, os santos André ou Zo­e­rardo e Bento, ere­mitas, que, vindos da Po­lónia para a Hun­gria a pe­dido de Santo Es­têvão, se­guiram num ermo do monte Zobor uma vida de ri­go­rosa austeridade. († 1031 e 1034)

14.   Em Cra­cóvia, na Po­lónia, Santa Ed­viges, rainha, que, nas­cida na Hun­gria, re­cebeu o reino da Po­lónia e, tendo-se ca­sado com Ja­gue­lione, grão-duque da Li­tuânia, que re­cebeu no Bap­tismo o nome de La­dislau, com ele pro­pagou a fé ca­tó­lica na Lituânia. († 1399).

– Ver “Edviges de Anjou (em húngaroHedvig, em polonêsJadwigaBuda, entre 3 de outubro de 1373 e 18 de fevereiro de 1374 – Cracóvia17 de julho de 1399) foi rei[1] da Polônia a partir de 1384 e grã-duquesa da Lituânia a partir de 18 de fevereiro de 1386 até 1392. Filha de Luís Irei da Hungria e da Polônia e de Isabel Kotromanic da Bósnia, sucedeu seu pai em 1382 na Polônia, enquanto sua irmã Maria herdou o trono da Hungria.[2] O nome “Edviges” tem várias versões, como Jadvyga em lituanoJadwiga em polacoHedvig em húngaroHedwig em alemão ou Hedvigis em latim…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Edviges_da_Pol%C3%B3nia

15*.   Em Paris, na França, as be­atas Maria Ma­da­lena Clau­dina Li­doine (Te­resa de Santo Agos­tinho) e quinze companheiras, vir­gens do Car­melo de Compiègne e már­tires, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por ob­ser­varem fi­el­mente a dis­ci­plina mo­nás­tica foram con­de­nadas à morte e, pe­rante o pa­tí­bulo, re­no­varam as pro­messas da fé bap­tismal e os votos religiosos.  São estes os seus nomes: Maria Ana Fran­cisca Bri­deau (São Luís), Maria Ana Pi­ed­court (Ana Maria de Jesus Cru­ci­fi­cado), Ana Maria Ma­da­lena Thouret (Car­lota da Res­sur­reição), Maria Cláudia Ci­priana Brard (Eu­frásia da Ima­cu­lada Con­ceição), Maria Fran­cisca Ga­briela de Croissy (Hen­ri­queta de Jesus), Maria Ana Ha­nisset  (Te­resa do Co­ração de Maria), Maria Ga­briela Trézel (Te­resa de Santo Inácio), Rosa Cris­tina de Neu­ville (Júlia Luísa de Jesus), Maria Anita Pelras (Maria Hen­ri­queta da Pro­vi­dência), Maria Ge­no­veva Meu­nier (Cons­tância), An­gé­lica Roussel (Maria do Es­pí­rito Santo), Maria Du­four (Santa Marta), Isabel Ju­lieta Vé­rolot (São Fran­cisco Xa­vier), Ca­ta­rina Soiron e Te­resa Soiron. († 1794).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Paris, no ano de 1784, o martírio de Dezesseis Carmelitas de Compiègne, que ofereceram suas vidas em holocausto “pela paz da Igreja e da França” (cf. Decreto de Beatificação, 1905 – X).

– Ver páginas 118-120:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “…Carmelitas de Compiègne ou Mártires Carmelitas de Compiègne ou Mártires de Compiègne, ou, na sua forma portuguesa, de Compienha, são dezesseis religiosas do Carmelo de Compiègne assassinadas por revolucionários franceses do Comitê de Salvação Pública que as levaram à guilhotina por ódio à religião, no segundo período do Terror da Revolução Francesa, no dia 17 de julho de 1794, no local hoje denominado “Place de la Nation”, na época “Place du Trône Renversé”…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Carmelitas_de_Compi%C3%A8gne

16.   Em Zhu­ji­a­xi­ezhuang, pró­ximo de Shen­zian, no Hebei, pro­víncia da China, São Pedro Liu Ziyu, mártir, que du­rante a per­se­guição de­sen­ca­deada pelos se­quazes da seita dos “Yihe­tuan”, apesar dos con­se­lhos dis­su­a­sivos dos amigos, per­ma­neceu firme na fé cristã e por isso foi tres­pas­sado ao fio da espada. († 1900)

17*.   Em Le­o­poldov, na Es­lo­vá­quia, o Beato Paulo Goj­dich (Pedro Goj­dich), bispo e mártir, que, sendo pastor dos fiéis no ter­ri­tório de Presov, du­rante o do­mínio dum re­gime hostil a Deus, foi en­car­ce­rado e su­portou tão graves tri­bu­la­ções que, de­pois de atrozes tor­turas, aco­lhendo fi­el­mente as pa­la­vras de Cristo, com uma co­ra­josa pro­fissão de fé passou à vida eterna. († 1960)

18. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VIII, Santa Teodósia, vítima da perseguição iconoclasta. Lutou contra o bispo Atanásio, patriarca intruso, que ocupara a Sé de São Germano, em Constantinopla (M).

19. Outros santos do dia 17 de JULHO, páginas: 95-124 http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 17 de julho, ver ainda: 17 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 552-555: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly17.html 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.”  (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: Meios de se preparar para uma boa morte …: Na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado...”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO! DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA! MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS! EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

-Ver o blog

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 16 de julho

16 DE JULHO, NOSSA SE­NHORA DO CARMO (também na Folhinha do Coração de Jesus), que evoca o monte Car­melo, onde o pro­feta Elias re­con­duziu o povo de Is­rael ao culto do Deus vivo e, mais tarde, ali se re­ti­raram al­guns ere­mitas à pro­cura de so­lidão, cons­ti­tuindo uma ordem de vida con­tem­pla­tiva sob o pa­tro­cínio da Santa Mãe de Deus.

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Festa de Nossa Senhora do Carmo (ou Nossa Senhora do Monte Carmelo). As Escrituras cantam a beleza do Carmelo, onde o Profeta Elias defendeu a pureza da fé de Israel no Deus vivo. No tempo das Cruzadas, alguns eremitas cristãos buscaram uma vida contemplativa sobre essa montanha sagrada, perto de Nazaré, onde a Virgem Maria havia vivido, “guardando a Palavra de Deus em seu coração”. (Cf. Liturgia das Horas, p. 1273). (R).

– Ver: “NOSSA SENHORA DO MONTE CARMELO OU NOSSA SENHORA DO CARMO “…Nossa Senhora do Monte Carmelo ou Nossa Senhora do Carmo é o título dado à Maria, Mãe de Jesus, em honra de sua função como padroeira da Ordem dos Carmelitas, assim como testemunha o Cardeal Piazza: “O Carmo existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual”. A palavra Carmelo em hebraico: (“Carmo” significa vinha, portanto, “Vinha do Senhor”): este nome nos aponta para a famosa montanha que fica na Palestina, onde o profeta Elias e o sucessor Elizeu fizeram história com Deus e com Nossa Senhora, que foi prefigurada pelo primeiro num pequena nuvem (cf. l Rs 18,20-45). [1]Os primeiros carmelitas eram eremitas que viviam no Monte Carmelo, na Terra Santa, entre o final do século XII e meados do século XIII. Eles construíram, no meio de seus eremitérios, uma capela que dedicaram à Santíssima Virgem…

Desde o século XII, a devoção popular a Nossa Senhora do Carmo está centrada em seu escapulário, que originalmente é dois pedaços de tecido ligados por finas fitas que o fiéis leigos carregam em seus ombros, é um resumo da devoção maior do Escapulário marrom como uma veste ´hábito’ usado por Religiosos Monges(as) Carmelitas, é também um sacramental associado às promessas de ajuda feitas por Maria para a salvação do devoto portador, o uso do escapulário é uma via de salvação, mas primeiramente de conversão dos devotos, para que possam viver uma nova espiritualidade. Originalmente, o escapulário em si mesmo, significa a obediência, ou seja, o jugo suave, o fardo leve de Nosso Senhor Jesus Cristo, os monges(as) carmelitas faziam votos de obediência, e havia nas constituições primitivas uma penalidade para quem deixasse de usar o escapulário na ordem religiosa, por que significava que não queriam mais carregar no ombros o peso da obediência o leve fardo de Nosso Senhor Jesus Cristo. A tradição da Santa Igreja afirma que, Nossa Senhora entregou o escapulário ao carmelita chamado Simão Stock.[2][3]”:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_do_Carmo

– Ver dia 16 de maio SÃO SIMÃO STOCK E O ESCAPULÁRIO DE NOSSA SENHORA DO CARMO: “São Simão Stock foi um frade carmelita inglês, que viveu no século XIII, e morreu em Bordeaux. Foi Prior Geral da Ordem dos Carmelitas. Segundo uma tradição católica, Nossa Senhora do Monte Carmelo apareceu-lhe numa visão e entregou-lhe o escapulário como sinal de sua proteção. É vastíssima a iconografia a seu respeito. Sua festa é celebrada no dia 16 de Maio.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Sim%C3%A3o_Stock

Ver também “…No ano de 1251, numa visão, Nossa Senhora apareceu-lhe, e, depositando-lhe entre as mãos o escapulário, revelou-lhe que os que morressem trazendo-o consigo certamente escapariam das penas do inferno.”, página 402: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– Ver páginas 91-92: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– VER AINDA SOBRE SÃO SIMÃO STOCK (16 DE MAIO): Em Bor­déus, na Gas­conha, na ho­di­erna França, São Simão Stock, pres­bí­tero, que, de­pois de ter sido ere­mita na In­gla­terra, in­gressou na Ordem dos Car­me­litas, da qual foi ad­mi­rável su­pe­rior, tor­nando-se cé­lebre pela sua sin­gular de­voção à Virgem Maria. († 1265).

Ver “…No ano de 1251, numa visão, Nossa Senhora apareceu-lhe, e, depositando-lhe entre as mãos o escapulário, revelou-lhe que os que morressem trazendo-o consigo certamente escapariam das penas do inferno.”, à página 402: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– SOBRE O ESCAPULÁRIO DE NOSSA SENHORA DO CARMO, VER:

a. “O Escapulário de Nossa Senhora do Carmo (ou, simplesmente, Escapulário do Carmo) é definido como sendo uma “tira de pano que os frades e freiras de certas ordens trazem sobre o peito” (Dicionário Aurélio). Normalmente, quando se fala de um escapulário costuma referir-se sempre ao escapulário da Ordem do Carmo, que é reconhecido pela Igreja Católica e que todos os Papas do século XX usaram.”:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Escapul%C3%A1rio_de_Nossa_Senhora_do_Carmo

b.  “O escapulário do Carmo é um sinal externo de devoção mariana, que consiste na consagração à Santíssima Virgem Maria pela inscrição na Ordem Carmelita, na esperança de sua proteção maternal.
O distintivo externo desta inscrição ou consagração é o pequeno escapulário marrom.

O escapulário do Carmo é um sacramental, quer dizer, segundo o Concílio Vaticano II, “um sinal sagrado segundo o modelo dos sacramentos, por meio do qual se significam efeitos, principalmente espirituais, obtidos pela intercessão da Igreja”. (S.C.60).”:

https://www.acidigital.com/Maria/vcarmen/escapulario.htm

– Ver ainda: ORDEM DO CARMO: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ordem_do_Carmo

– EREMITAS DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA DO MONTE CARMELO: “Os Eremitas da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo (ou Carmelitas Eremitas) são um ramo da Ordem do Carmo que se originou com monges eremitas que, desde o século XIII, se tornaram na sua maioria em frades mendicantes. Os Carmelitas Eremitas do ramo masculino da Ordem do Carmo não são, contudo, considerados como os frades carmelitas de vida activa e apostólica. Na actualidade, os Carmelitas Eremitas são comunidades separadas, tanto de homens como de mulheres, que vivem em clausura, inspirada na antiga vida monástica carmelita, sob a autoridade do Prior Geral da Ordem Carmelita (O. Carm.).

Nossa Senhora do Carmo é a principal padroeira deste tipo de comunidades carmelitas. Este ramo baseia-se, por norma, no carisma carmelita primitivo da Antiga Observância, ainda que partilhe a riqueza espiritual do ramo reformado por Santa Teresa de Ávila e São João da Cruz.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Eremitas_da_Bem-Aventurada_Virgem_Maria_do_Monte_Carmelo

– Ver também “…16 de julho, Nossa Senhora do Monte Carmelo: Os eremitas viviam no Monte Carmelo perto da Fonte de Elias (norte de Israel) no século 12. Eles tinham uma capela dedicada a Nossa Senhora. No século 13, eles se tornaram conhecidos como “Irmãos de Nossa Senhora do Monte Carmelo”. Eles logo celebraram uma missa especial e ofício em honra de Maria. Em 1726, tornou-se uma celebração da Igreja universal com o título de Nossa Senhora do Carmo. Durante séculos, os Carmelitas se viram especialmente relacionados com Maria. Seus grandes santos e teólogos promoveram a devoção a ela e muitas vezes defenderam o mistério de sua Imaculada Conceição…

… Os Carmelitas eram conhecidos desde o início como “Irmãos de Nossa Senhora do Monte Carmelo”. O título sugere que eles viam Maria não apenas como “mãe”, mas também como “irmã”. A palavra “irmã” é um lembrete de que Maria está muito perto de nós. Ela é filha de Deus e, portanto, pode nos ajudar a ser autênticas filhas e filhos de Deus. Ela também pode nos ajudar a aumentar nosso apreço por sermos irmãs e irmãos. Ela nos leva a uma nova compreensão de que todos os seres humanos pertencem à família de Deus. Quando essa convicção cresce, há esperança de que a raça humana possa encontrar seu caminho para a paz. 
Citação: “As várias formas de piedade para com a Mãe de Deus, que a Igreja aprovou dentro dos limites da sã e ortodoxa doutrina, segundo as disposições e a compreensão dos fiéis, asseguram que enquanto a mãe é honrada, o Filho por quem todas as coisas têm o seu ser (cf. Colossenses 1: 15-16) e no qual agradou ao Pai que toda a plenitude habitasse (cf. Colossenses 1:19), é devidamente conhecido, amado e glorificado e os seus mandamentos são observados ” (Constituição dogmática sobre a Igreja, 66)…

… A festa patronal da Ordem Carmelita era originalmente a Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria em 15 de agosto; mas entre 1376 e 1386 surgiu o costume de observar uma festa especial de Nossa Senhora, para celebrar a aprovação de seu governo pelo Papa Honório III em 1226. Esse costume parece ter se originado na Inglaterra; e a observância foi fixada para 16 de julho, data também em que, segundo a tradição carmelita, Nossa Senhora apareceu a São Simão Stock e deu-lhe o escapulário. No início do século XVII, tornou-se definitivamente a “festa escapular” e logo começou a ser observada fora da ordem, e em 1726 foi estendida a toda a igreja ocidental pelo Papa Bento XIII . ”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly16.html

OUTRAS SANTAS E SANTOS DE 16 DE JULHO

2.   Em Anas­ta­sió­polis, na Ga­lácia, na ho­di­erna Tur­quia, Santo An­tíoco, mártir, irmão de São Platão. († s. III-IV)

3.   Em Se­baste, na an­tiga Ar­ménia, hoje Sivas, na Tur­quia, Santo Ate­nó­genes, co­re­pís­copo e mártir, que deixou aos dis­cí­pulos um hino sobre a di­vin­dade do Es­pí­rito Santo e morreu quei­mado vivo por Cristo. († c. 305).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no começo do séc. IV, Santo Atenogênio, bispo de Sebaste, na Armênia, que foi queimado vivo junto com dez de seus discípulos. Segundo São Basílio, ele compusera um hino no qual proclamava a divindade do Espírito Santo (M).

4*.   Em Jersey, ilha do Mar do Norte, Santo He­lério, ere­mita, que, se­gundo a tra­dição, so­freu o mar­tírio às mãos de piratas. († s. VI)

5*.   Em Ma­as­tricht, no Bra­bante, re­gião da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na Ho­landa, os santos Mo­nulfo (Monolfo) e Gon­dulfo (Gondolfo), bispos. († s. VI/VII)

6.   Em Saintes, no Hai­naut, na ac­tual França, os santos már­tires Rei­nilde, virgem, Gri­mo­aldo e Gon­dulfo (Gondolfo), que, se­gundo a tra­dição so­freram o mar­tírio às mãos de salteadores. († c. 680)

7.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, São Si­se­nando, diá­cono e mártir, que foi de­go­lado pelos Mouros por causa da sua fé em Cristo. († 851).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, em 851, São Sisenando, diácono, cognominado “o Santíssimo Levita”, que proclamou Cristo pelo sacrifício sangrento de sua vida diante do islamismo (M).

– Ver página 85: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

8*.   No mos­teiro de Chi­emsee, na Ba­viera, re­gião da ac­tual Ale­manha, a Beata Ir­men­garda, aba­dessa, que, desde tenra idade aban­donou o fausto do pa­lácio real e se en­tregou ao ser­viço de Deus, le­vando con­sigo muitas com­pa­nheiras vir­gens para se­guirem o Cordeiro. († 866)

9*.   A paixão do Beato Simão da Costa, re­li­gioso da Com­pa­nhia de Jesus e o úl­timo dos már­tires da nau «São Tiago», que na vés­pera deste dia foram as­sas­si­nados em ódio à Igreja. († 1570)

10*.   Em Viana do Cas­telo, no mos­teiro da Santa Cruz, em Por­tugal, o Beato Bar­to­lomeu dos Mártires Fernandes, bispo de Braga, cuja me­mória em Por­tugal se ce­lebra no dia de­zoito deste mês. († 1590).

– Ver páginas 86-87: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

11*.   Em Warwich, na In­gla­terra, os be­atos João Sugar, pres­bí­tero, e Ro­berto Grissold, már­tires, que foram con­de­nados à morte no rei­nado de Jaime I – o pri­meiro por ter en­trado na In­gla­terra como sa­cer­dote, o se­gundo por tê-lo aju­dado – e, ator­men­tados com duros su­plí­cios, al­can­çaram a palma do martírio. († 1604)

12*.   Em Cu­nhaú, ci­dade pró­xima de Natal, no Brasil, os be­atos André de Soveral, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus, e Do­mingos Carvalho, már­tires, que du­rante a ce­le­bração da Missa com um nu­me­roso grupo de fiéis, foram do­lo­sa­mente re­tidos na igreja e bar­ba­ra­mente assassinados. († 1645).

VER SUA FESTA LITÚRGICA NO DIA 03 DE OUTUBRO.

– Ver também PROTOMÁRTIRES DO BRASIL, MÁRTIRES DA FÉ. Morte: 16 de julho de 1645 e 3 de outubro de 1645 em Engenho de Cunhaú (Canguaretama) e Comunidade Uruaçú (São Gonçalo do Amarante). Veneração por Igreja Católica. Beatificação: 5 março de 2000Praça de São PedroVaticano por São João Paulo II. Canonização 15 de Outubro de 2017Vaticano por Papa Francisco. Principal templo: Capela dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu. Festa litúrgica: 3 de outubro. Padroeiro do estado do Rio Grande do Norte: https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rtires_de_Cunha%C3%BA_e_Urua%C3%A7u

MORTOS EM CUNHAÚ EM 16 DE JULHO DE 1645 (festa litúrgica em 03 de outubro)

  • Padre André de Soveral
  • Domingos Carvalho

 MORTOS EM URUAÇU EM 3 DE OUTUBRO DE 1645

  • Padre Ambrósio Francisco Ferro
  • Mateus Moreira
  • Antônio Vilela e sua filha
  • José do Porto
  • Francisco de Bastos
  • Diogo Pereira
  • João Lostão Navarro
  • Antônio Vilela Cid
  • Estêvão Machado de Miranda e duas filhas
  • Vicente de Souza Pereira
  • Francisco Mendes Pereira
  • João da Silveira
  • Simão Correia
  • Antônio Baracho
  • João Martins e sete companheiros
  • Manuel Rodrigues Moura e sua esposa
  • uma filha de Francisco Dias ” em: https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rtires_de_Cunha%C3%BA_e_Urua%C3%A7u

e https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Mártires_de_Cunhaú_e_Uruaçu

–  Ver: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-41568388

–  Ver: http://www.vatican.va/news_services/liturgy/libretti/2017/20171015-libretto-canonizzazione.pdf

– Ver reportagem do UOL de 15/10/2017 : https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2017/10/15/papa-canoniza-30-brasileiros.htm

– Ver na Folha de São Paulo em 02/04/2017: “…. MASSACRES

Os crimes foram registrados em 1645, durante a dominação holandesa no Nordeste do país, e tiveram como alvos as duas únicas comunidades paroquiais que existiam na região.

O episódio é descrito pelo monsenhor Francisco de Assis Pereira no livro “Beato Mateus Moreira e seus Companheiros Mártires”.

Segundo a narrativa, os crimes foram praticados em um contexto de perseguição religiosa em que os invasores holandeses, que eram calvinistas, não admitiam a prática da religião católica.

Os algozes teriam sido soldados holandeses e índios comandados por um alemão, a serviço da Holanda e identificado como Jacó Rabe.

As chacinas deixaram cerca de 150 vítimas, mas só 30 foram identificadas.

Para serem declarados beatos e posteriormente santos, três elementos são considerados, segundo a igreja: as virtudes em grau heroico, a fama de santidade e a realização de possíveis milagres.

“Mas o papa autorizou um processo mais simples, dispensando milagres, tendo em vista a antiguidade do martírio”, diz o arcebispo de Natal.

A Igreja não exige comprovação de milagres para a canonização, mas ao menos 5.000 cartas foram enviadas à arquidiocese atribuindo a eles “graças alcançadas”.” – https://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/04/1872002-papa-francisco-pode-canonizar-vitimas-de-massacre-no-rn.shtml

13*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, os be­atos Ni­colau Sa­vouret, da Ordem dos Frades Me­nores Con­ven­tuais, e Cláudio Bé­guignot, da Ordem Car­tu­siana, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, en­car­ce­rados na sór­dida ga­lera em ódio ao seu sa­cer­dócio, pe­re­ceram con­su­midos pela enfermidade. († 1794)

14*.   Em Orange, na França, as be­atas Amada de Jesus (Maria Rosa de Gordon) e seis companheiras, vir­gens e már­tires, que, na mesma re­vo­lução, tendo-se re­cu­sado a aban­donar a vida re­li­giosa, foram con­de­nadas à morte e re­ce­beram com ale­gria a palma do martírio. São estes os seus nomes: Maria de Jesus (Mar­ga­rida Te­resa Cha­ransol), São Jo­a­quim (Maria Ana Bé­guin-Royal), São Mi­guel (Maria Ana Doux), Santo André (Maria Rosa Laye), Do­ro­teia do Co­ração de Maria (Do­ro­teia Ma­da­lena Júlia de Jus­ta­mond) e Ma­da­lena do San­tís­simo Sa­cra­mento (Ma­da­lena Fran­cisca de Justamont). († 1794)

15.   No ter­ri­tório de Saint-Sau­veur-le-Vi­comte, na Nor­mandia, re­gião da França, Santa Maria Ma­da­lena Postel (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, na mesma per­se­guição, pe­rante a ex­pulsão dos sa­cer­dotes, prestou todo o gé­nero de au­xílio aos en­fermos e aos fiéis e, es­ta­be­le­cida a paz, fundou a Con­gre­gação das Fi­lhas da Mi­se­ri­córdia para a for­mação cristã das me­ninas pobres. († 1846).

– Ver páginas 88-90: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

16.   Em Lu­jiapo, lo­ca­li­dade pró­xima de Qinghe, no Hebei, pro­víncia da China, os santos Lang Yangzhi, ca­te­cú­mena, e Paulo Lang Fu, seu filho, már­tires, que, du­rante a per­se­guição dos «Yihe­tuan», porque a mãe se de­clarou cristã, con­su­maram o mar­tírio por Cristo na sua casa de­vo­rada pelas chamas. († 1900)

17. Na localidade de Zhangjiaji em Hebei Ningjin, Santa Teresa Zhang Hezhi, que durante a mesma perseguição,  pega em um pagode, recusou-se a adorar a divindade do lugar e foi lancinada com seus dois filhos com uma lança.

18. Santo Hilarino (também na Folhinha do Coração de Jesus). Santo Hilarino, monge, que tendo sido preso com São Donato, durante a perseguição de Juliano e recusando-se a sacrificar, foi tratado a golpes de porrete, e terminou o martírio em Arezzo, na Toscana, de onde suas relíquias foram levadas a Óstia.

– Ver pág. 94: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

19. Santa Rainelda, virgem e mártir no Brabante. Ver página 83: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

20. Santo Eustáquio, bispo de Antioquia. Ver página 84: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver: Santo Eustácio Eustácio de Antioquia, também chamado de o Eustácio, o Grande, foi o bispo de Antioquia entre 324 e 332 (quando ele foi banido)[2] ou 337 (quando ele morreu).[3] Ele era natural de Side, na Panfília. Por volta de 320, ele era bispo de Beroia (atual Alepo, na Síria) e se tornou bispo de Antioquia imediatamente antes do Primeiro Concílio de Niceia (325). Nele, ele se destacou como um opositor zeloso contra o arianismo, embora o Allocutio ad Imperatorem, que tem sido atribuído a ele dificilmente seja genuíno.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Eust%C3%A1cio_de_Antioquia

– Ver “…Em Antioquia é o aniversário do beato Eustácio, bispo e confessor, celebrado pela erudição e pela santidade. Sob o imperador ariano Constâncio, para a defesa da fé católica, ele foi banido para Trajanópolis, na Trácia, onde descansou no Senhor. (também conhecido como Eustace) Nasceu em Side, Panfília; morreu na Trácia, Grécia, c. 335, ou Illyricum, c. 337. Muito do que sabemos sobre Eustácio vem de Santo Atanásio. Confessor durante uma perseguição por Diocleciano de Licínio, Eustácio era um homem culto, eloqüente e virtuoso. Seu ardente zelo pela pureza da fé fez com que fosse feito bispo de Beroea, na Síria…

… Santo Eustáquio era natural de Side, na Panfília, e confessou a fé em Cristo perante os perseguidores, como nos assegura Santo Atanásio. Ele era culto, eloqüente e virtuoso. Tendo sido feito bispo de Beroea na Síria, ele passou a ser altamente considerado na Igreja; e no devido tempo ele foi transladado à sé de Antioquia, com dignidade a seguinte a Alexandria, e então a terceira no mundo. Ele, ao mesmo tempo, foi chamado para auxiliar no Concílio geral de Nicéia, onde foi recebido com muita honra e se destacou por sua oposição ao arianismo. Em meio ao seu trabalho externo para o serviço dos outros, ele não se esqueceu de que a caridade deve começar em casa, e ele trabalhou em primeiro lugar para santificar sua própria alma; mas depois de regar seu próprio jardim, ele não confinou o riacho lá, mas deixe-o fluir para o exterior para enriquecer o solo vizinho e dispensar abundância e fecundidade ao redor. Ele enviou a outras dioceses que estavam sujeitas à sua supervisão homens capazes de instruir e encorajar os fiéis, e ficou muito alarmado ao descobrir que Eusébio, Bispo de Cesaréia na Palestina, favorecia a nova heresia (este mesmo Eusébio é conhecido e honrado como “o pai da história da igreja “). A desconfiança de Eustáquio pela doutrina deste e de outros bispos, e sua acusação de que alteraram o credo niceno, provocou uma tempestade contra ele entre os arianos, que por volta do ano 330 obtiveram seu depoimento. e ficou muito alarmado ao descobrir que Eusébio, bispo de Cesaréia na Palestina, favorecia a nova heresia (este mesmo Eusébio é conhecido e honrado como “o pai da história da igreja”). A desconfiança de Eustáquio pela doutrina deste e de outros bispos, e sua acusação de que alteraram o credo niceno, provocou uma tempestade contra ele entre os arianos, que por volta do ano 330 obtiveram seu depoimento. e ficou muito alarmado ao descobrir que Eusébio, bispo de Cesaréia na Palestina, favorecia a nova heresia (este mesmo Eusébio é conhecido e honrado como “o pai da história da igreja”). A desconfiança de Eustáquio pela doutrina deste e de outros bispos, e sua acusação de que alteraram o credo niceno, provocou uma tempestade contra ele entre os arianos, que por volta do ano 330 obtiveram seu depoimento.
  O santo pastor reuniu o povo antes de sua partida de Antioquia, e os exortou a permanecer firmes na verdadeira doutrina, exortações que foram de tão grande peso na preservação de muitos na fé ortodoxa que um corpo de “Eustáticos” foi formado, que se recusou a reconhecer bispos nomeados sobre eles pelos arianos. Mas esse comportamento leal posteriormente se desenvolveu em um sectarismo faccioso e problemático em face dos prelados ortodoxos.
   Santo Eustáquio foi exilado com vários padres e diáconos em Trajanópolis, na Trácia, mas o local e a data de sua morte são um tanto incertos. A maioria de seus copiosos escritos pereceu; sua principal obra existente é uma dissertação contra Orígenes, na qual os poderes da pitonisa de Endor (I Reis xxviii 7-23) são criticados. Sozomen elogia essas obras tanto por seu estilo quanto por sua matéria – mas nada mostra sua virtude tão bem quanto a paciência com que sofreu primeiro acusações mentirosas em questões de peso, e depois deposição injusta e exílio. Santo Eustáquio suportou seu exílio com resignação e submissão, maior sob sua desgraça e adversidades do que enquanto suas virtudes brilharam com brilho na cadeira episcopal…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly16.html

21. São Vitalino, também na Folhinha do Coração de Jesus, de 16 de julho.

Ver dia 03 de setembro: “…São Vitaliano (nós) de Cápua ( italiano : San Vitaliano di Capua ) foi um bispo do século 7 daquela cidade .

Tanto o Martirológio Romano (em 3 de setembro) quanto o Martyrologium Hieronymianum afirmam que Vitalian era natural da antiga cidade de Caudium , que corresponde à atual Montesarchio , que fica na Via Ápia entre Cápua e Benevento . [1] Ele é considerado o vigésimo quinto bispo de Cápua, bem como um bispo de Benevento…”: https://en.wikipedia.org/wiki/Vitalian_of_Capua

22. Outros santos do dia 16 de JULHO, páginas: 67-94 http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 16 de julho, ver ainda: 16 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 549-552: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly16.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.”  (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: Meios de se preparar para uma boa morte …: Na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado...”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO! DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA! MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS! EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

-Ver o blog

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 15 de julho

1. Me­mória do se­pul­ta­mento de São Bo­a­ven­tura (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo de Al­bano, na Itália, e doutor da Igreja, in­signe pela sua dou­trina, san­ti­dade de vida e emi­nente ac­ti­vi­dade ao ser­viço da Igreja. Di­rigiu com suma pru­dência, como mi­nistro geral, a Ordem dos Me­nores, se­gundo o es­pí­rito de São Fran­cisco. Soube aliar nos seus nu­me­rosos es­critos a am­pli­tude da eru­dição com o ardor da pi­e­dade. Quando tra­ba­lhava na pre­pa­ração do Con­cílio de Lião II, me­receu passar à bem-aven­tu­rada visão de Deus.

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Boaventura. Tendo entrado na Ordem dos Frades Menores, foi durante muito tempo professor na Universidade de Paris, onde, discípulo da escola agostiniana, expôs “o itinerário da alma para Deus”. Mais tarde, eleito Geral da Ordem, conseguiu conciliar as exigências de uma vida evangélica com o mínimo de instituições necessárias a uma família religiosa em expansão. Morreu como cardeal-bispo de Albano, durante a realização do Concilio de Lião, em 1274 e foi cognominado “Doutor Seráfico”. (R).

Seráfico: semelhante a Serafim: anjo pertencente ao primeiro dos nove coros celestiais da hierarquia mais elevada. Conforme: https://pt.aleteia.org/2017/01/31/conhecendo-a-hierarquia-dos-anjos-e-suas-respectivas-funcoes/ 

– Ver também: “os que estão mais próximos de Deus”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Serafim.

– Ver ainda: Espírito celeste da primeira hierarquia dos anjos, na Bíblia e na teologia cristã (Dicionário Houaiss)

– Ver páginas 09-25: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf   († 1274)

– Ver também “…BoaventuraO.F.M. (em italianoBonaventura), nascido Giovanni di Fidanza, foi um teólogo e filósofo escolástico medieval nascido na Itália no século XIII. Sétimo ministro-geral da Ordem dos Frades Menores, foi também cardeal-bispo de Albano. Boaventura foi canonizado em 14 de abril de 1482 pelo papa Sisto IV e declarado Doutor da Igreja em 1588 pelo papa Sisto V como “Doutor Seráfico” (em latimDoctor Seraphicus). Diversas obras que durante a Idade Média se acreditava ser de Boaventura foram depois atribuídas ao chamado “Pseudo-Boaventura“…

A festa de São Boaventura foi incluída no Calendário Geral Romano logo depois de sua canonização. Inicialmente, era celebrada no segundo domingo de julho, mas foi movida em 1568 para o dia 14 de julho, pois no dia quinze, o aniversário de sua morte, já se comemorava a festa de Santo Henrique. A festa permaneceu sendo celebrada nesta data como festa de “segunda classe”, até 1960, quando foi reclassificada como festa de “terceira classe”. Em 1969, ela foi novamente classificada como uma memoria obrigatória e movida novamente para 15 de julho, aniversário de sua morte, data na qual se celebra São Boaventura atualmente.[14]…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Boaventura

– Ver “… 1274 São Boaventura franciscano, teólogo, doutor da Igreja, culto e santo; contemporâneo de Santo Tomás de Aquino e Santo Alberto Magno… Nasceu em 1221.  Boaventura , franciscano , teólogo, doutor da Igreja, era culto e santo. Por causa do espírito que o encheu e seus escritos, ele foi inicialmente chamado de Médico Devoto; mas nos séculos mais recentes ele tem sido conhecido como o Doutor Seráfico, em homenagem ao “Pai Seráfico” Francisco, por causa do espírito verdadeiramente franciscano que possuía…

Boaventura uniu tanto a santidade ao conhecimento teológico que subiu às alturas do misticismo, embora permanecendo um pregador e professor muito ativo, amado por todos que o encontraram. Conhecê-lo era amá-lo; lê-lo é ainda hoje para nós encontrarmos um verdadeiro franciscano e um cavalheiro.
Bonaventure, OFM B Doctor (RM) Nasceu em Bagnorea perto de Viterbo, Itália, em 1221; morreu em Lyon, França, em 1274; canonizado em 1482; declarado Doutor (o “Doutor Seráfico“) da Igreja em 1587 por Sisto V; dia de festa anteriormente em 14 de julho.

“Não olhe para a luz, mas sim para o fogo violento que leva a alma a Deus com intenso fervor e amor ardente.” – Boaventura…

… “A oração é, portanto, a fonte e a origem de todo caminho ascendente em direção a Deus. Que cada um de nós, então, volte-se para a oração e diga ao nosso Senhor Deus: ‘Guia-me, Senhor, no teu caminho, para que eu possa andar na tua verdade.’ “…

… “Da contemplação da Paixão, a alma receberá uma nova compaixão, um novo amor, novos consolos e, conseqüentemente, por assim dizer, um novo estado de alma, que parece ser um presságio e parte da glória eterna.”…

… Nascido Giovanni (João) di Fidanza, uma lenda pouco confiável diz que seu nome foi mudado para Boaventura (“boa fortuna”) por São Francisco de Assis, que milagrosamente o curou de uma doença perigosa durante sua infância e exclamou: O buona ventura!…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly15.html

2.   Em Porto Ro­mano, perto do ac­tual Fiu­mi­cino, na Itália, os santos Eu­trópio, Zó­sima e Bo­nosa, mártires. († data inc.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Porto, perto de Roma, o martírio de Santo Eutrópio e de suas irmãs, Santas Zózima e Bonosa. (M)

3.   Em Car­tago, ac­tu­al­mente na Tu­nísia, junto à Via cha­mada dos Ci­li­tanos, na ba­sí­lica de Fausto, o se­pul­ta­mento de São Félix, bispo de Ti­biuca e mártir, que, res­pon­dendo à ordem do pro­cu­rador Mag­ni­liano para que lan­çasse ao fogo os li­vros da Es­cri­tura, de­clarou que pre­feria ser quei­mado ele mesmo em vez da Es­cri­tura di­vina, e ime­di­a­ta­mente foi morto à es­pada pelo procônsul Anulino. († 303)

4.   Também em Car­tago, a co­me­mo­ração dos santos Ca­tu­lino, diá­cono e mártir, em cuja honra Santo Agos­tinho pregou um sermão ao povo, e ou­tros már­tires cujos corpos re­pousam na ba­sí­lica de Fausto. († 303).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, em Cartago, o Bem-Aventurado Catulino, diácono, junto com um grupo de quatro mártires. (M)

5.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, os santos már­tires Fi­lipe e dez crianças. († c. s. IV)

6.   Na ilha de Té­nedo, no He­les­ponto, junto ao ac­tual es­treito de Dar­da­nelos, Santo Abu­démio, mártir. († s. IV)

7.   Em Ní­sibe, na Me­so­po­tâmia, hoje Nu­saybin, na Tur­quia, São Tiago, pri­meiro bispo desta ci­dade, que par­ti­cipou no Con­cílio de Ni­ceia, go­vernou em paz o seu povo e o de­fendeu dos ata­ques dos ini­migos da fé. († 338).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Mesopotâmia, no ano do Senhor de 338, o retorno para Deus de São Tiago. Célebre asceta, foi mestre espiritual de Santo Efrém. Ao tornar-se bispo, propagou o Evangelho e fundou a Igreja da Nisíbia. Santo Atanásio de Alexandria louvou seu zelo no combate ao arianismo (M).

– Ver página 51: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

8*.   Em Ro­er­mond, no Bra­bante, re­gião da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na Ho­landa, São Ple­quelmo, bispo, que, oriundo da Nor­túm­bria, anun­ciou a muitos as ri­quezas de Cristo. († c. 713)

9*.   No mos­teiro de Ans­bach, na Fran­cónia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, São Gum­berto, abade, que fundou este ce­nóbio na sua herdade. († c. 790)

10.   Na Tes­sália, re­gião da Grécia, o pas­sa­mento de São José, bispo de Tes­sa­ló­nica, irmão de São Te­o­doro Es­tu­dita, que, du­rante a vida de monge, compôs nu­me­rosos hinos e, pro­mo­vido de­pois ao epis­co­pado, su­portou muitas e ás­peras ad­ver­si­dades por de­fender a dis­ci­plina ecle­siás­tica e o culto das sa­gradas ima­gens contra a he­resia ico­no­clasta; fi­nal­mente foi re­le­gado para a Tes­sália, onde morreu de fome. († 832)

11.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, Santo Ata­násio, bispo, que, de­pois de ter so­frido muito da parte do seu ímpio so­brinho Sérgio, foi ex­pulso da sua sede epis­copal e, con­su­mido pelas tri­bu­la­ções, em Vé­roli, ter­ri­tório dos Hér­nicos, no Lácio, subiu à mo­rada celeste. († 872).

– Ver páginas 55-56: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

12.   Em Kiev, na Rússia, ac­tu­al­mente na Ucrânia, São Vla­dimir, prín­cipe, que re­cebeu no Bap­tismo o nome de Ba­sílio e tra­ba­lhou di­li­gen­te­mente para di­fundir a ver­da­deira fé entre os povos que governava. († 1015).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Rússia, no ano da graça de 1015, São Vladimir. Neto de Santa Olga, recebeu o batismo com seu povo em Quiev e dedicou-se desde então a construir um estado cristão cuja benéfica influência fez-se sentir por diversas gerações.

– Ver “Vladimir I ou Valdemar I, dito o Grande, (em antigo eslavo oriental: Володимѣръ Свѧтославичь, Volodiměrъ Svętoslavičь; em nórdico antigoValdamarr gamli; c. 958 – 15 de julho de 1015, Berestove) foi príncipe da Novogárdia (970), grão-príncipe de Quieve e governante dos rus’ de Quieve de 980 até 1015. É considerado santo pelas Igrejas Ortodoxa e Católica por seu papel na cristianização da Rússia de Quieve.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vladimir_I_de_Quieve

13*.   Em Rat­ze­burgo, no Hols­tein, na ac­tual Ale­manha, Santo An­suero, abade e mártir, que, com ou­tros vinte e oito monges, foi ape­dre­jado até à morte pelos Vendos, amo­ti­nados contra os pre­ga­dores da fé cristã. († 1066)

14*.   Em Västeras, na Suécia, São David, bispo, que, de na­ci­o­na­li­dade in­glesa, de­pois de ter sido foi monge de Cluny, dali partiu para con­verter os Su­ecos a Cristo e, já an­cião, morreu pi­e­do­sa­mente no mos­teiro que fundara. († c. 1082)

15*.   Em Breslau, na Si­lésia, ac­tu­al­mente na Po­lónia, o Beato Ceslau, pres­bí­tero dos pri­meiros ir­mãos da Ordem dos Pre­ga­dores, que tra­ba­lhou pelo reino de Deus na Si­lésia e nou­tras re­giões da Polónia. († 1242)

16*.   Em Mon­ca­liéri, lo­ca­li­dade do Pi­e­monte, re­gião da Itália, o Beato Ber­nardo, mar­grave de Baden, que foi sur­pre­en­dido pela morte quando se di­rigia para o Ori­ente a fim de de­fender os povos cris­tãos de­pois da con­quista de Cons­tan­ti­nopla pelos inimigos. († 1458)

– Ver “Bernando II de Baden-Baden (em alemãoBernhard II. von Baden-BadenBaden-Baden1428[1] – Moncalieri15 de julho de 1458), chamado de “beato Bernardo” (seliger Bernhard), foi um nobre alemão, pertencente à Casa de Zähringen…”: Bernardo II de Baden-Baden – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

17*.   Co­me­mo­ração dos be­atos már­tires Inácio de Azevedo, pres­bí­tero, e trinta e nove companheiros da Com­pa­nhia de Jesus, que em Por­tugal se ce­le­bram no dia de­zas­sete deste mês. († 1570).

– Ver páginas 57-61: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Ver também dia 17 de julho: Co­me­mo­ração dos be­atos már­tires Inácio de Azevedo, pres­bí­tero, e trinta e nove companheiros da Com­pa­nhia de Jesus, que se di­ri­giam para as mis­sões do Brasil numa nau cha­mada «São Tiago», quando foram as­sal­tados por um barco de pi­ratas e pas­sados ao fio da es­pada e golpes de lança em ódio à re­li­gião católica. São estes os seus nomes: Diogo de An­drade, pres­bí­tero; Gon­çalo Hen­ri­ques, diá­cono; An­tónio So­ares, Bento de Castro, João Fer­nandes, Ma­nuel Ál­vares, Fran­cisco Ál­vares, João de Mayorga, Es­têvão de Zu­rara, Afonso de Baena, Do­mingos Fer­nandes, outro João Fer­nandes, Aleixo Del­gado, Luís Cor­reia, Ma­nuel Ro­dri­gues, Simão Lopes, Ma­nuel Fer­nandes, Ál­varo Mendes, Pedro Nunes, Luís Ro­dri­gues, Fran­cisco de Ma­ga­lhães, Ni­colau Dinis, Gaspar Ál­vares, Brás Ri­beiro, An­tónio Fer­nandes, Ma­nuel Pa­checo, Pedro de Fon­toura, André Gon­çalves, Amaro Vaz, Diogo Pires, Marcos Cal­deira, An­tónio Cor­reia, Fer­nando Sán­chez, Gre­gório Es­cri­bano, Fran­cisco Pérez Godoy, João de Zafra, João de San Martin, Simão da Costa, re­li­gi­osos; e ainda João “Agre­gado” (isto é, que se lhes juntou). († 1570).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1570, o martírio do Bem-Aventurado Inácio de Azevedo e seus trinta e nove companheiros. Jesuíta português, mandado para as missões do Brasil, Inácio voltou à pátria para recrutar colaboradores. Na viagem de volta, o navio em que viajavam foi capturado por corsários anticatólicos, sendo todos os religiosos executados. Inácio de Azevedo morreu exortando seus companheiros à fé e dando testemunho de Cristo. Beatificados pelo papa Pio IX em 1854. (M).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus, de 16/07/2012: 17/07: BVS. INÁCIO DE AZEVEDO E COMPS. Os santos que hoje celebramos fazem parte daquela multidão de homens e mulheres, muitos deles anônimos, que doaram suas vidas pelo anúncio da Boa-nova no Brasil. Inácio de Azevedo, português e ducado em Coimbra, tendo ouvido o apelo para a missão, entrou para a Companhia de Jesus aos 22 anos. Depois de exercer funções em Portugal, em 1570 ele e 87 companheiros foram enviados, em três navios, para a missão no Brasil. Durante a viagem, o navio em que viajava Inácio e outros 39 companheiros parou por causa da calmaria. Atacados por piratas, os jesuítas acabaram todos degolados e lançados ao mar. Mesmo sem terem chegado ao Brasil, podemos afirmar, que o sangue destes mártires regou as nossas terras, fazendo germinar nela a semente fecunda do anúncio do Reino. (Frei Sandro Roberto da Costa, OFM-Petrópolis/RJ)

– Ver também  “Inácio de Azevedo de Ataíde Abreu e Malafaia, mais conhecido como Beato Inácio de Azevedo, foi um jesuíta português do século XVI. É um dos “Quarenta Mártires do Brasil“, beatificados pelo Papa Pio IX em 11 de Maio de 1854…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_de_Azevedo

18.   Em Campi Sa­len­tina, na Apúlia, re­gião da Itália, São Pom­pílio Maria Pirróti, pres­bí­tero da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes das Es­colas Pias, in­signe pela aus­te­ri­dade da sua vida. († 1766).

– Ver páginas 62-63: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

19*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na costa ma­rí­tima da França, o Beato Mi­guel Ber­nardo Marchand, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por causa do seu sa­cer­dócio foi de­por­tado de Ruão para a prisão na esquá­lida ga­lera, onde morreu con­su­mido pela enfermidade. († 1794)

20.   Em Nam Dinh, ci­dade do Ton­quim, ac­tu­al­mente no Vi­etnam, São Pedro Nguyen Ba Tuan, pres­bí­tero e mártir, que, preso pela sua fi­de­li­dade a Cristo no tempo do im­pe­rador Minh Mang, morreu de fome no cárcere. († 1838)

21*.   Em Paris, na França, a Beata Ana Maria Javouhey, virgem, que fundou a Con­gre­gação das Irmãs de São José de Cluny para o cui­dado dos en­fermos e a for­mação cristã da ju­ven­tude fe­mi­nina, obra que di­fundiu nas terras de missão. († 1851)

22.   Em My Tho, pro­víncia da Co­chin­china, ac­tu­al­mente no Vi­etnam, Santo André Nguyen Kim Thong Nam (Nam Thuong), mártir, que, no tempo do im­pe­rador Tu Duc, por ser ca­te­quista, foi en­car­ce­rado e de­pois en­viado para o exílio, obri­gado a ca­mi­nhar preso com ca­deias e car­re­gando uma trave, até que, fi­nal­mente, con­sumou du­rante a vi­agem o seu martírio. († 1855)

23*.   Em Bi­elsk Po­dlaski, po­vo­ação da Po­lónia, o Beato An­tónio Beszta-Borowski, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a guerra, foi preso pelos ini­migos da fé cristã e fu­zi­lado, mor­rendo por Cristo. († 1943)

24. Santa Justa (também na Folhinha do Coração de Jesus)

– Ver “…4º v. St. Secundinus, Agrippinus, Maximus, Fortunatus e Martialis Um grupo de mártires que foram condenados à morte na província romana da Panônia.
Catulinus (Cartholinus), Januarius, Florentius, Julia & Justa MM (RM)
Os corpos destes mártires cartagineses estão consagrados na basílica de Fausta em Cartago. Santo Agostinho pregou um panegírico sobre o diácono São Catulino, que ainda existe. (Beneditinos).”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly15.html

25. Santa Rosália (também na Folhinha do Coração de Jesus). Em Palermo, a descoberta do corpo de Santa Rosália, virgem que, sob o pontificado de Urbano VIII, tendo sido encontrado milagrosamente, livrou a Sicilia da peste, no ano do jubileu (ver 4 de setembro, pág. 38: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf ).

– Ver também: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

26. Santo Hen­rique (também na Folhinha do Coração de Jesus de 13 de julho, Santo Henrique II), im­pe­rador dos Ro­manos, que, jun­ta­mente com sua es­posa, Santa Cu­ne­gundes, se em­pe­nhou na re­no­vação da vida da Igreja e na pro­pa­gação da fé cristã em toda a Eu­ropa; ani­mado por di­li­gente zelo mis­si­o­nário, ins­ti­tuiu muitas sedes epis­co­pais e fundou mos­teiros. Morreu neste dia em Grone, pró­ximo de Göttingen, na Fran­cónia, na ac­tual Alemanha. († 1024).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Bamberg, na Baviera, no ano graça de 1024, o nascimento no cốu de Santo Henrique II, imperador. Grande admirador de Cluny e da literatura romana, ofereceu dotes a igrejas e mosteiros pobres, e ajudou nas reform asmonásticas de Gorze e de São Maximino de Treves. Santo Henrique é o padroeiro celeste dos oblatos beneditinos. (R).  

– Ver páginas 38-50: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

OBSERVAÇÃO: Em Bamberg, a morte de Santo Henrique I, imperador dos romanos e confessor: com Santa Cunegunda, sua esposa, guardou a castidade perpétua. A Santo Estêvão, rei da Hungria, fez com que abraçasse, com quase todo o reino, a fé católica. Celebra-se-lhe a festa a 15 deste mês. Ver página 466: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

– Ver também “Henrique II (Bad Abbach6 de maio de 973 – Gotinga13 de julho de 1024), também chamado de Santo Henrique, foi o Imperador Romano-Germânico de 1014 até sua morte e o último monarca da dinastia otoniana. Ele tornou-se Duque da Baviera em 995 depois da morte de seu pai, foi eleito Rei da Germânia em 1002 depois da morte repentina de seu primo Otão III e mais tarde eleito Rei da Itália em 1004. Era filho de Henrique II, Duque da Baviera, e Gisela da Borgonha… Faleceu em Bamberga, atual Alemanha, aos 13 de junho de 1024. Segundo se conta, ele e sua esposa fizeram votos de castidade e por isto não deixaram filhos.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Henrique_II_do_Sacro_Imp%C3%A9rio_Romano-Germ%C3%A2nico

– Ver ainda “…Ele e sua esposa, St. Cunegundes, viviam em castidade perpétua, à qual se comprometeram por voto. O Santo fez numerosas fundações piedosas, deu liberalmente a instituições piedosas e construiu a Catedral de Bamberg. Sua morte sagrada ocorreu no castelo de Grone, perto de Halberstad, em 1024. Ele é o santo padroeiro dos sem filhos, dos duques, dos deficientes e rejeitados pela ordem religiosa”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly13.html

Ver também dia 13 de julho.

27. São Barhadbesaba, mártir. Ver páginas 52-54: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “… 355 – Barhadbesaba (Barhadbesciabas), um zeloso diácono de Arbela (Adiabene), na Pérsia, foi decapitado no 15º ano das perseguições sob Shapur (Sapor) II.M (AC)
Morreu em 20 de julho, São Barhadbesaba, um zeloso diácono de Arbela (Adiabene), Pérsia, foi decapitado no 15º ano das perseguições sob Shapur II. Ele foi detido pelas tropas de Sapor Tamsapor, governador de Arbela.
Enquanto ele era atormentado, os oficiais gritavam continuamente: “Adore água e fogo, e coma o sangue de feras, e você será libertado imediatamente.” A paz interior de Barhadbesaba era tão forte que ele permaneceu alegre o tempo todo. Ele costumava dizer ao juiz: “Nem você, nem o seu rei, nem qualquer tormento jamais me separará do amor de Jesus; só a ele servi desde a minha infância até a velhice.”
Incapaz de persuadi-lo a apostatar, Sapor o condenou a ser decapitado por Aghaeus, um nobre cristão apóstata. O santo estava cheio de alegria pelo martírio, mas Aghaeus tremia tanto que não conseguiu dar o golpe. Ele bateu no pescoço do mártir sete vezes sem terminar o ato; portanto, ele enfiou a espada no santo ‘

Embora o juiz colocasse guardas sobre as relíquias sagradas, dois sacerdotes as carregaram à noite e as enterraram à maneira romana (Beneditinos, Husenbeth)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly15.html

28. 15 DE JULHO (EM ALGUNS LUGARES) FESTA DA DISPERSÃO DOS APÓSTOLOS. Ver “Dispersão dos apóstolos (em latimDivisio Apostolorum) foi uma festa litúrgica celebrada em alguns lugares em comemoração ao trabalho missionário dos apóstolos que, segundo a tradição teriam fundado alguma sé apostólica. Ela era celebrada em 15 de julho.

O primeiro vestígio desta festa aparece sequência composta por um tal Godescalc (m. 1098), um monge de Limburgo no Haardt; ele também introduziu esta festa em Aachen quando foi provost da Igreja de Nossa Senhora. Ela foi mencionada depois por Guilherme Durandobispo de Mende (Rationale Div. Off. 7.15), na segunda metade do século XIII. Com o título de “Dimissio”“Dispersio” ou “Divisio Apostolorum”, foi celebrada na Idade Média na Espanha e na Itália. O objetivo da festa, segundo Gondescalc, era comemorar a partida (dispersão) dos apóstolos a partir de Jerusalém para diversas partes do mundo, provavelmente quatorze anos depois da Ascensão de Jesus, presumivelmente depois da Grande Comissão (Marcos 16:14-20Mateus 28:18-20). De acordo com Durando, alguns de seus contemporâneos comemoravam nesta festa a (apócrifa) divisão das relíquias de São Pedro e São Paulo pelo papa Silvestre I.

Em 1909, segundo o artigo da Enciclopédia Católica, a festa ainda era observada em algumas sociedades missionárias na Alemanha e na Polônia, em algumas dioceses do Reino UnidoFrança e Estados Unidos.

A festa já não foi incluída no Calendário tridentino e nem em nenhuma outra revisão do Calendário Geral Romano.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dispers%C3%A3o_dos_ap%C3%B3stolos

– Ver também “(Lat. Divisio Apostolorum), uma festa em comemoração ao trabalho missionário dos Doze Apóstolos. É comemorado como um duplo major em 15 de julho. O primeiro vestígio desta festa é encontrado na sequência composta por um certo Godescalc (d. 1098) enquanto um monge de Limburg no Haardt; ele também introduziu esta festa em Aachen, quando reitor da igreja de Nossa Senhora. A sequência é autêntica sem dúvida. É mencionado por Guilherme Durandus, Bispo de Mende (Racionais Div. Off. 7.15) na segunda metade do século XIII. Sob o título ” Dimissio”, “Dispersio”, ou Divisio Apostolorum” foi universalmente celebrado durante a Idade Média na Espanha e itália. O objetivo da festa (então Godescalcus) é comemorar a partida (dispersão) dos Apóstolos de Jerusalém para as várias partes do mundo, cerca de quatorze anos após a Ascensão de Cristo. De acordo com Durandus, alguns de seus contemporâneos honraram esta festa a divisão (apócrifa) das relíquias (corpos) de São Pedro e São Paulo por São S. Sylvester. A festa é agora mantida com solenidade pelas sociedades missionárias modernas, na Alemanha e na Polônia, também em algumas dioceses inglesas e francesas e nos Estados Unidos pelas províncias eclesiásticas de St. Louis, Chicago, Milwaukee, Dubuque e Santa Fé. F.G. HOLWECK”: https://en.wikisource.org/wiki/Catholic_Encyclopedia_(1913)/Dispersion_of_the_Apostles

29. Outros santos do dia 15 de JULHO, páginas: 38-66 http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 15 de julho, ver ainda: 15 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 545-549: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly15.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.”  (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: Meios de se preparar para uma boa morte …: Na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado...”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO! DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA! MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS! EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

-Ver o blog

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Santas e Santos de 14 de julho

1. São Ca­milo de Léllis (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, que, nas­cido em Teano, nos Abruzos, re­gião da Itália, já desde a sua ado­les­cência se­guiu a vida mi­litar e fre­quentou os ví­cios do mundo; fi­nal­mente con­ver­tido, de­dicou-se fer­vo­ro­sa­mente ao ser­viço dos en­fermos no hos­pital dos in­cu­rá­veis, como se fossem o pró­prio Cristo e, or­de­nado sa­cer­dote, lançou em Roma os fun­da­mentos da Con­gre­gação dos Clé­rigos Re­grantes Mi­nis­tros dos Enfermos. († 1614).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no ano da graça de 1614, o nascimento no céu de São Camilo de Lellis. Arruinado pelo vício do jogo, foi convertido pelo exemplo dos Capuchinhos, e encontrou por ocasião de uma estada em um hospital sua verdadeira vocação. Fundou a Companhia dos Servidores dos Enfermos, cujos membros são chamados, desde então, de Camilianos. (R)

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 13/07/2008: CARISMA CAMILIANO. São Camilo de Lellis (1550-1614) é o santo padroeiro dos doentes dos hospitais e dos profissionais da saúde. É conhecido como um dos santos da caridade na História da Igreja. Seu exemplo é uma inspiração para nós no cuidado dos doentes e sofredores, num mundo tecnicizado e sem alma. Ficou célebre seu grito, juntos aos profissionais da saúde de então, e que não perdeu sua atualidade: “colocar mais coração nas mãos”. Ou seja, a competência profissional (mãos) tem que estar junto com a competência humana (coração). Isto é humanizar! O cuidado tem como medida a sensibilidade feminina do cuidar quando diz: “Desejamos, com a graça de Deus, servir a todos os enfermos com aquele amor que uma mãe amorosa cuida de seu único filho enfermo”. (Pe. Leo Pessini, Camiliano – pessini@scamilo.cdu.br).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 13/07/2010, no dia 14 de julho a Igreja lembra São

Camilo de Lellis (1550-1614), proclamado como o santo protetor dos doentes e profissionais da saúde. Destacamos alguns pensamentos que não perderam sua atualidade ao longo dos séculos. “Os doentes que assistimos um dia nos levarão a contemplar a face de Deus”. “O que fazes pelos doentes, deves fazê-lo por amor”. “Nós que trabalhamos com os doentes, não devemos ter inveja de ninguém, pois Deus nos confiou a melhor parte da caridade”. “Enquanto as mãos fazem o seu trabalho, os ouvidos devem estar abertos para acolher suas ordens e seus desejos, a língua deve estar pronta para exortá-lo a ter paciência e o coração para interceder a Deus com ele”, “Mais coração nas mãos, irmão”. (Pe. Leo Pessini, Camiliano – pessini@scamilo.edu.br).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 13/07/2012: CARISMA CAMILIANO. A missão profética da vida camiliana, herdada de São Camilo (1550–1614), consiste em denunciar tudo o que atenta contra a vida e a saúde humana. Entre outras situações mencionamos: os atentados contra a dignidade e a integridade dos mais fracos, humildes e vulneráveis da sociedade; a injusta e iníqua distribuição de recursos de saúde; os mecanismos e estruturas que impedem aos mais pobres de chegar à mesa da vida e da saúde. Este compromisso exige um esforço sério para promover uma nova cultura da saúde, mostrando que o Evangelho vivido é a melhor fonte de saúde proposta por Cristo e confiada à Igreja como dom e missão. Esta é a profecia da nova saúde, que não exclui ninguém e que aponta para um horizonte de plenitude de vida! (Leo Pessini, Camiliano – pessini@saocamilo-sp.br). Ver páginas 125-129: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “São Camilo de Léllis (Bucchianico25 de maio de 1550 — Roma14 de julho de 1614) foi um religioso italiano, fundador da Ordem dos Ministros dos Enfermos (Camilianos). É venerado como santo da Igreja Católica e é considerado protetor dos enfermos e dos hospitais.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Camilo_de_Lellis

2.   Em Bréscia, na Ve­nécia, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, Santo Op­ta­ciano, bispo, que subs­creveu a carta si­nodal sobre a fé ca­tó­lica a res­peito da En­car­nação, en­viada por Eu­sébio, bispo de Milão, ao papa São Leão. († s. V).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V, Santo Optaciano, bispo de Bréscia. Assinou a Carta Sinódica de Eusébio de Milão dirigida ao papa São Leão, na qual todos os bispos da Itália do norte se comprometeram a defender a fé católica sobre a Encarnação. (M)

3*.   Em Soig­nies, no Bra­bante da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na Bél­gica, São Vi­cente ou Ma­del­gário, que, com o as­sen­ti­mento da es­posa Santa Val­de­trudes, abraçou a vida mo­nás­tica e, se­gundo a tra­dição, fundou dois mosteiros. († c. 677)

4.   Em De­venter, na Frísia, ac­tu­al­mente na Ho­landa, São Mar­quelmo, pres­bí­tero e monge, de origem in­glesa, que desde a in­fância foi dis­cí­pulo de São Vi­li­brordo e seu com­pa­nheiro nos tra­ba­lhos de evangelização. († c. 775).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, próximo a 775, São Marquelmo, sacerdote e discípulo de São Vilibrordo, que pregou o Evangelho nos Países Baixos. (M)

5*.   Em Stary Kins­perk, pró­ximo de Eger, na Boémia, ac­tu­al­mente na Ché­quia, o Beato Cros­nato, mártir, que, de­pois da morte da es­posa e do filho, aban­donou a corte do rei para en­trar no ce­nóbio dos Pre­mons­tra­tenses em Teplá e, ao de­fender os di­reitos do mos­teiro, foi feito pri­si­o­neiro e aban­do­nado até morrer de fome. († 1217)

6*.   Em Ve­rona, no Vé­neto, re­gião da Itália, Santa Tos­cana, que, de­pois da morte do es­poso, deu todos os seus bens aos po­bres e se de­dicou in­can­sa­vel­mente, na Ordem de São João de Je­ru­salém, ao cui­dado dos enfermos. († 1343/1344)

7*.   Em Fo­linho, na Úm­bria, também re­gião da Itália, a Beata An­ge­lina de Marsciano (dia 13 de julho na Folhinha do Coração de Jesus), que, ao ficar viúva, se con­sa­grou to­tal­mente, du­rante mais de cin­quenta anos, ao ser­viço de Deus e do pró­ximo e deu início à ordem re­li­giosa das Ter­ciá­rias Fran­cis­canas de clau­sura, para se de­dicar à edu­cação da ju­ven­tude feminina. († 1435)

8*.   Em Va­lência, na Es­panha, o Beato Gaspar de Bono (também na Folhinha do Coração de Jesus, Gaspar de Bene) pres­bí­tero da Ordem dos Mí­nimos, que aban­donou as armas dos prín­cipes ter­renos para servir a Cristo Rei e go­vernou as casas da pro­víncia es­pa­nhola da Ordem com zelo, pru­dência e caridade. († 1604).

– Ver “Bem-aventurado Gaspardo de Bono” páginas 31-32: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

9.   Em Lima, no Peru, São Fran­cisco So­lano (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores, que, para a sal­vação das almas, per­correu por toda a parte as

re­giões da Amé­rica do Sul e, com a sua pa­lavra e o seu tes­te­munho, en­sinou aos in­dí­genas e aos pró­prios co­lonos es­pa­nhóis a no­vi­dade da vida cristã. († 1610).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1610, São Francisco Solano, franciscano espanhol, que foi missionário junto aos indígenas da América Latina. (M).

Ver páginas 291-298: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “São Francisco Solano, nascido Francisco Sánchez Solano Jiménez (Montilla10 de março de 1549[1] — Lima14 de julho de 1610), foi um frade franciscano e santo da Igreja Católica.

Seus pais eram Mateo Sánchez Solano y Ana Jiménez. Morreu no Peru e seus restos mortais se encontram na Basílica Menor e Convento de São Francisco o Grande, em Lima.

Foi canonizado pelo Papa Bento XIII em 1726.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Solano_(santo)

10*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Ri­cardo Langhorne, mártir, in­signe ju­rista, que, acu­sado fal­sa­mente de cons­pi­ração, no rei­nado de Carlos II, foi con­de­nato à morte e en­tregou a alma a Deus no pa­tí­bulo de Tyburn. († 1679).

– Ver páginas 33-34: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

11*.   Em Ce­recca-Ghe­baba, lo­ca­li­dade da Etiópia, o Beato Ghebre Mi­guel, pres­bí­tero da Con­gre­gação da Missão e mártir, que, pro­cu­rando sempre a ver­da­deira fé no es­tudo e na oração, fi­nal­mente en­trou na uni­dade da Igreja ca­tó­lica; por isso, so­freu du­rante treze meses o cár­cere e ca­mi­nhadas for­çadas im­pe­lido por sol­dados, com os pés presos com ca­deias, até que morreu con­su­mido pelas in­ces­santes fla­ge­la­ções, pela sede e pela fome. († 1855)

12.   Em Nan­gong, ci­dade do Hebei, pro­víncia da China, São João Wang Guixin, mártir, que, du­rante a per­se­guição dos “Yihe­tuan”, re­cusou man­char-se com uma pe­quena men­tira que lhe pou­pava a vida ter­rena e morreu por Cristo. († 1900)

13.  Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no meio do séc. III, Santo Héraclas. Bispo, passou a maior parte de sua vida ensinando. Primeiro sob a direção de Orígenes em sua escola de Alexandria, e depois como pastor daquela cidade por dezesseis anos. (M).

-Ver página 27-28: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também “Papa Héraclas de Alexandria foi o patriarca de Alexandria, entre os anos de 232 e 248. A exemplo de seu antecessor, Demétrio, Héraclas também teve uma relação próxima a Orígenes.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/H%C3%A9raclas_de_Alexandria

14. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 350, São Félix, primeiro bispo de Como. Mesmo sendo a evangelização pouco avançada e clero pouco numeroso, conseguiu ganhar para Cristo a maioria dos habitantes, graças a um trabalho incessante. (M).

– Ver página 26: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

15. Bem-aventurado Humberto de Romanos. Ver páginas 29-30: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “…Há uma história encantadora sobre sua escolha de uma vocação para os dominicanos. Ele estava ajoelhado um dia na catedral de Notre Dame durante o Ofício dos Mortos sendo entoado pelos cônegos. Não parava de pensar na escolha de uma vocação, pois sua família era amiga dos cartuxos há muitos anos e seu irmão já havia se juntado a eles. Enquanto ele debatia consigo mesmo, um velho padre desceu do coro e puxou conversa com ele. Ele perguntou a Humbert de onde ele vinha, e Humbert respondeu que ele era paroquiano. O velho sacerdote olhou para ele astutamente e disse: ” Você se lembra do que prometeu no seu batismo – renunciar ao diabo e todas as suas pompa? Por que você não se torna um Frade Pregador? “
Humbert mal conseguia desviar a mente das palavras do padre e, no responsório da lição: “Para onde voarei senão para ti? “, Decidiu de uma vez por todas que se tornaria um frade. Ele foi consultar seu professor de teologia, Hugo de Saint Cher, que planejava se tornar um dominicano assim que pudesse cuidar de seus negócios. Na festa de Santo André, Humbert se ajoelhou aos pés do Beato Jordão da Saxônia e pediu o hábito dos dominicanos…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly14.html

16. Santo Adeodato de Cantuária. Ver “Adeodato (em latimDeusdedit), cujo nome original talvez tenha sido FrithonaFrithuwine ou Frithonas, foi o sexto arcebispo de Cantuária, e o primeiro anglo-saxão de nascimento a ocupar esse cargo.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Adeodato_de_Cantu%C3%A1ria

– Ver também “Santo Deusdedit, Arcebispo de Cantuária (664 DC) Quando São Honório, o último dos companheiros de Santo Agostinho a governar a igreja de Cantuária, morreu em 653, foi sucedido como sexto arcebispo por
Frithona, que adotou o nome de Deusdedit.”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly14.html

17. Santa Catarina Tekakwitha ou Kateri Tekakwitha, indígena mohawk. Ver “Kateri Tekakwitha (ˈgaderi degaˈgwita em mohawk), batizada como Catarina Tekakwitha[2][3] informalmente conhecida como “Lírio dos Mohawks”, foi uma índia algonquinomohawk nascida no atual estado de Nova Iorque e que se tornou a primeira índia norte-americana a ser venerada na Igreja Católica… Foi beatificada pelo papa João Paulo II em 1980. Em 18 de fevereiro de 2012, o papa Bento XVI anunciou na Basílica de São Pedro a sua canonização em 21 de outubro de 2012.[6]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Kateri_Tekakwitha

– Ver “… 4 de julho de 2010,   beata Kateri Tekakwitha (1656-1680) – O sangue dos mártires é a semente dos santos. Nove anos depois que os jesuítas Isaac Jogues e John de Brébeuf foram torturados até a morte por índios huronianos e iroqueses, uma menina nasceu perto do local de seu martírio, Auriesville, Nova York. Ela seria a primeira pessoa nascida na América do Norte a ser beatificada. Sua mãe era uma Algonquin cristã, capturada pelos iroqueses e dada como esposa ao chefe do clã Mohawk, a mais ousada e feroz das Cinco Nações. Quando ela tinha quatro anos, Kateri perdeu seus pais e irmão mais novo em uma epidemia de varíola que a deixou desfigurada e meio cega…

Kateri disse: “Eu não sou minha; Eu me entreguei a Jesus. Ele deve ser meu único amor. O estado de pobreza impotente que pode ocorrer se eu não me casar não me assusta. Só preciso de um pouco de comida e algumas peças de roupa. Com o trabalho das minhas mãos, poderei sempre arranjar o que é necessário e o que sobra darei aos meus parentes e aos pobres. Se ficar doente e incapaz de trabalhar, serei como o Senhor na cruz. Ele terá misericórdia de mim e me ajudará, tenho certeza.”. Bl. Kateri Teckakwitha é a primeira Nativa Americana a ser declarada Abençoada. Ela é a padroeira do meio ambiente e da ecologia, assim como São Francisco de Assis …”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly14.html

18. Outros santos do dia 14 de JULHO, páginas: 09-37 http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 14 de julho, ver ainda: 14 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 542-544: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly14.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.”  (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: Meios de se preparar para uma boa morte …: Na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado...”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO! DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA! MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS! EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

-Ver o blog

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!