Santas e Santos de 21 de janeiro

1. Me­mória de Santa Inês (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem e mártir, que, ainda jovem, deu em Roma o su­premo tes­te­munho da fé e con­sa­grou com o mar­tírio o fulgor da cas­ti­dade. De facto, venceu a tenra idade e o ti­rano, con­quistou pro­funda ad­mi­ração entre os gen­tios e me­receu a glória ainda maior junto de Deus. Neste dia ce­lebra-se a se­pul­tura do seu corpo. († s. III-IV in.). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santa Inês, jovem mártir romana de cerca de doze anos que, segundo Santo Ambrósio, deu um testemunho duplo de Cristo, tanto por sua castidade como por sua fé, no final do séc. III. (R). Ver páginas 73-77: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

Ver “Santa Inês (Roma, c. 291 – Roma21 de janeiro de 304) foi uma mártir católica e patrícia romana, executada durante a perseguição de Diocleciano e venerada como santa pela Igreja Católica e pela Igreja Ortodoxa.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Inês_de_Roma

2.   Co­me­mo­ração de São Pú­blio, bispo de Atenas, que deu tes­te­munho de Cristo com o martírio. († s. II). Ver “São Públio (em maltês San Publju) é considerado o primeiro bispo de Malta. Foi considerado o “homem principal da ilha” e a sua conversão fez de Malta a primeira nação cristã no ocidente e uma das primeiras do mundo. Foi martirizado por volta de 125 d.C., durante a perseguição aos cristãos do imperador romano Adriano.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Públio_de_Malta

3.   Em Tar­ra­gona, na His­pânia Ci­te­rior, a paixão dos santos már­tires Fru­tuoso (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, Au­gúrio e Eu­lógio, seus diá­conos, que, no tempo dos im­pe­ra­dores Va­le­riano e Ga­lieno, de­pois da sua pro­fissão de fé pe­rante o pro­cu­rador Emi­liano, foram con­du­zidos ao an­fi­te­atro, onde o bispo pro­feriu com voz clara para os cris­tãos pre­sentes uma oração pela paz da Igreja, sendo todos em se­guida lan­çados às chamas e, re­zando de jo­e­lhos, con­su­maram o martírio. († 259). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 259, a paixão de São Frutuoso, bispo de Tarragona e de seus dois diáconos, Santos Auguro e Eulógio. Durante a perseguição de Galiano, eles foram jogados na prísão, e depois condenados queimados vivos. Quando as cordas que os amarravam foram destruídas puseram-se a rezar com os braços em cruz, e assim terminaram seu martírio. (M). Ver páginas 91-93: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

Ver “Exercendo o cargo de diácono, foram martirizados juntamente com seu guia espiritual, o bispo São Frutuoso, queimados vivos no anfiteatro de Tarraco, durante a perseguição aos cristãos dos imperadores romanos Valeriano e Galério[1].”

: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Eulógio_e_Augúrio_de_Tarragona

– Ver também “Frutuoso de Tarragona foi um religioso cristão hispânico-romano. Ocupando o cargo de Bispo, foi martirizado junto com os diáconos Eulógio e Augúrio.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Frutuoso_de_Tarragona

– Ver ainda: “Em 21 de janeiro de 2009, o aniversário de 1750 anos do martírio de Santos Frutuoso, Bispo, e Presságio e Eulogio, diáconos, “o Santo Padre Bento XVI concedeu este Ano Jubilar a pedido do Arcebispo de Tarragona”: Benedicto XVI decreta año jubilar 2008-2009 en Tarragona (aciprensa.com)

4.   Em Troyes, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, São Pá­troclo, mártir. († c. s. III). Ver página 97: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

5.   Em Pavia, na Li­gúria, ac­tu­al­mente na Lom­bardia, re­gião da Itália, Santo Epi­fânio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, du­rante a in­vasão dos bár­baros, tra­ba­lhou in­can­sa­vel­mente pela re­con­ci­li­ação dos povos, pela re­denção dos ca­tivos, bem como pela re­cons­trução da ci­dade destruída. († 496). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 496, Santo Epifânio, bispo de Pavia, a quem seus díocesanos dedicaram os títulos de “Pacífico”, “Glória da Itália” e “Luz dos bispos”.(M). Ver páginas 78-90: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

6.   Nos montes pró­ximos do lago de Zu­rique, na ac­tual Suíça, São Mein­rado, pres­bí­tero, que, le­vando pri­meiro vida ce­no­bí­tica e de­pois ere­mí­tica, foi morto por salteadores. († c. 861). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 861, São Meinardo. Primeiramente monge em Reichenau, foi encarregado de ensinar gramática e literatura, disciplinas preparatórias à leitura da Bíblia. Mais tarde ele partiu para levar vida eremítica, no lugar onde, posteriormente, se levantou o mosteiro de Einsiedeln. (M). Ver páginas 94-97: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

7*.   No monte Mer­cúrio, na Lu­cânia, na ac­tual Ba­si­li­cata, re­gião da Itália, São Za­ca­rias, cha­mado An­gé­lico, mestre de vida cenobítica. († c. 950)

8*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, os be­atos Edu­ardo Stransham e Ni­colau Whe­eler, pres­bí­teros e már­tires, que, no rei­nado de Isabel I, foram con­de­nados à morte por serem sa­cer­dotes, so­frendo o mar­tírio na praça de Tyburn. († 1586)

9.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, Santo Al­bano Roe, da Ordem de São Bento, e Tomás Green, pres­bí­teros e már­tires, que, no rei­nado de Carlos I, de­pois de de­zas­sete anos no cár­cere, o pri­meiro, e ca­torze anos, o se­gundo, já an­ciãos foram sus­pensos ao mesmo tempo no pa­tí­bulo de Tyburn. († 1642)

10*.   No mos­teiro de Be­ni­ganim, no ter­ri­tório de Va­lência, na Es­panha, a beata Jo­sefa Maria de Santa Inês, virgem da Ordem dos Des­calços de Santo Agostinho. († 1696). Ver página 98: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

11*.   Em Laval, na França, os be­atos pres­bí­teros João Bap­tista Turpin du Cornier e treze companheiros, már­tires, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, foram de­ca­pi­tados na gui­lho­tina por causa da sua firme fi­de­li­dade à Igreja católica. Os seus nomes são: be­atos João Bap­tista Tri­querie, da Ordem dos Frades Me­nores; João Maria Gallot, José Pellé, Re­nato Luís Am­broise, Ju­lião Fran­cisco Morvin de la Gé­rardière, Fran­cisco Du­chesne, Tiago André, André Du­liou, Luís Gas­ti­neau, Fran­cisco Mi­goret Lam­bardière, Ju­lião Moulé, Agos­tinho Ma­nuel Phi­lippot, Pedro Tomás. († 1794)

12.   No ter­ri­tório de Daegu, na Co­reia, São João Yi Yun-il, mártir, que, sendo pai de fa­mília, agri­cultor e ca­te­quista, su­perou o es­pan­ca­mento e a frac­tura dos mem­bros, per­ma­neceu firme na fé cristã e aceitou com se­re­ni­dade o mar­tírio ao ser de­ca­pi­tado, como úl­tima ví­tima da grande per­se­guição de­sen­ca­deada nesta nação. († 1867)

13. Outros santos do dia 21 de janeiro, 73-99: VIDAS DOS SANTOS – 2.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 21 de janeiro, ver ainda: 21 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 146-148:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 20 de janeiro

1. São Fa­biano (São Fabião),papa e mártir, que por in­ter­venção di­vina foi cha­mado do lai­cado ao pon­ti­fi­cado e, de­pois de dar glo­rioso exemplo de fé e vir­tude, so­freu o mar­tírio na per­se­guição do im­pe­rador Décio. São Ci­priano faz o elogio do seu com­bate, afir­mando que ele deu tes­te­munho in­signe e ir­re­pre­en­sível no go­verno da Igreja. O seu corpo foi neste dia se­pul­tado em Roma, junto da Via Ápia, no ce­mi­tério de Calisto. († 250). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, na Via Ápia, no cemitério de Calixto, o sepultamento de São Fabiano (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, decapitado em 250 durante a perseguição de Décio depois de quatorze anos de pontificado. Segundo uma tradição, ele dividiu Roma em sete diaconias e contribuiu para a evangelização da Gália. (R). Ver página 63 (São Fabião): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

Ver “Papa Fabiano foi o vigésimo Bispo de Roma, de 10 de janeiro de 236 a 20 de janeiro de 250.

Conta-nos Eusébio de Cesareia que a eleição de Fabiano foi maravilhosa. Voltava ele de fora de Roma, com alguns amigos, quando a assembleia dos Cristãos deliberava sobre a sucessão do papa Santo Antero. Estavam divididos os votos e não se chegava a um acordo. Foi quando uma pomba branca, vinda não se sabe de onde, pousou sobre a cabeça do admirado Fabiano, que mais admirado ficou, quando, por unanimidade, os Cristãos romanos o apontaram como novo pontífice. Foi obrigado a obedecer. Recebeu ordens sagradas e tornou-se sucessor de São Pedro… São Fabiano mártir é festejado em 20 de janeiro,[4] juntamente com São Sebastião, o qual, porém, foi martirizado mais tarde, provavelmente em 288.[1][2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Fabiano

2. São Se­bas­tião, mártir, que, oriundo de Milão, partiu para Roma, como re­fere Santo Am­brósio, onde gras­savam vi­o­lentas per­se­gui­ções, e aí so­freu o mar­tírio. Na Urbe ro­mana, para onde tinha vindo como hós­pede, ob­teve o seu corpo do­mi­cílio de imor­ta­li­dade per­pétua. Neste dia foi de­po­si­tado nas Ca­ta­cumbas de Roma. († s. IV in.). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, igualmente na Via Ápia, no cemitério das catacumbas, São Sebastião (também na Folhinha do Coração de Jesus),Capitão da Guarda Pretoriana aquartelada em Milão, foi condenado a ser trespassado por flechas no Campo de Marte, em Roma, por ordem de Diocleciano, que começava a excluir os cristãos de seu exército. Seu culto conhece grande popularidade desde o séc. VI. (R). Ver páginas 46-62: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

Ver “São Sebastião (França, 256 – 286) originário de Narbonne e cidadão de Milão, foi um mártir e santo cristão, morto durante a perseguição levada a cabo pelo imperador romano Diocleciano. O seu nome deriva do grego sebastós, que significa divino, venerável (que seguia a beatitude da cidade suprema e da glória altíssima).”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Sebastião_de_Narbona

3.   Em An­tínoo, na Te­baida, re­gião do Egipto, Santo As­clas, mártir, que pe­rante o go­ver­nador não temeu as suas ame­aças, afir­mando que o seu maior temor era des­prezar a Cristo e, de­pois de vá­rios tor­mentos, foi lan­çado no rio. († s. IV)

4.   Em Ni­ceia, ci­dade da Bi­tínia, hoje Iznik, na Tur­quia, São Neó­fito, mártir. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, São Neófito, jovem cristão de quinze anos, decapitado em Nicéia por ter sido batizado em nome de Cristo, Filho de Deus. (M). Ver página 72: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

5.   Na Pa­les­tina, Santo Eu­tímio, abade, que, sendo na­tural da Ar­ménia e con­sa­grado a Deus desde a in­fância, partiu para Je­ru­salém e, de­pois de passar muitos anos na so­lidão, foi até à morte sempre firme e di­li­gente na hu­mil­dade e ca­ri­dade e in­signe na ob­ser­vância da disciplina. († 473), Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V, Santo Eutímio. Armênio, já era padre quando abraçou a vida eremítica perto de Jerusalém. Seu eremitério tornou-se o centro de uma laura que em seguida tomou o seu nome. (M). Ver páginas 64-71: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

Ver “Eutímio, o Grande (Melitene377 – Negueve20 de janeiro de 473) foi um asceta, abade e um dos Pais do monasticismo ortodoxo oriental, estabelecendo diversos centros religiosos ao longo da Palestina. Devido a sua vida ascética e sua confissão firme na fé ortodoxa, Eutímio adquiriu o epítome “,o Grande”.[1] Quando o Concílio de Calcedónia (451) condenou Eutiques, foi graças a autoridade de Eutímio que os líderes eclesiásticos orientais aceitaram seus decretos. A imperatriz Élia Eudócia converteu-se ao catolicismo através de Eutímio.[2]”:  https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Eutímio,_o_Grande

6. Em Wor­cester, na In­gla­terra (conforme o Martirológio Italiano de 20 de janeiro), São Vols­tano, bispo, que, cha­mado do claustro à sede epis­copal desta ci­dade, as­so­ciou os há­bitos mo­nás­ticos ao zelo pas­toral, de­di­cando-se com di­li­gência a vi­sitar as pa­ró­quias, fo­mentar a edi­fi­cação de igrejas, fa­vo­recer a for­mação cul­tural e con­denar a venalidade. († 1095). Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 19 de janeiro, no ano do Senhor de 1095, São Wulstano. Foi primeiro prior da abadia de Worcester, Inglaterra, e depois tornou-se bispo da mesma cidade, dedicando-se a freqüentes visitas pastorais. (M). Ver páginas 34-36: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também “Vulstano (em latimVulstanus; em inglêsWulfstan), igualmente conhecido como Vulstano II (Wulfstan II), Volstano (Wolstan), Vulstano (Wulstan) e Ulfstano (Ulfstan), foi bispo de Worcester e o último bispo sobrevivente do período pré-conquista e o único nascido na Inglaterra remanescente após 1075. Ele é venerado como santo por católicos e anglicanos.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Vulstano_(morto_em_1095)

7*.   Em Col­ti­buono, na Etrúria, ac­tu­al­mente na Tos­cana, re­gião da Itália, São Bento Ricasóli, ere­mita da Con­gre­gação de Valumbrosa. († c 1107)

8*.   Na Fin­lândia, Santo Hen­rique, bispo e mártir, que, sendo na­tural da In­gla­terra, re­cebeu o en­cargo de go­vernar da Igreja de Up­sala, de­di­cando-se com grande zelo à evan­ge­li­zação dos Fin­lan­deses; por fim, foi cru­el­mente morto por um ho­mi­cida, que ele tinha ten­tado cor­rigir se­gundo a dis­ci­plina eclesiástica. († c. 1157)

9.   Em Mes­sina, ci­dade da Si­cília, na Itália, Santa Eus­tó­quio Calafato, virgem, aba­dessa da Ordem de Santa Clara, que se de­dicou com grande energia a res­taurar a pri­mi­tiva dis­ci­plina da vida re­gular e pro­mover a imi­tação de Cristo se­gundo a tra­dição de São Francisco. († 1485)

10.   Em Roma, o Beato Ân­gelo (Fran­cisco Páoli), pres­bí­tero da Ordem dos Carmelitas. († 1720)

11.   Em Seul, na Co­reia, Santo Es­têvão Min Kuk-ka, mártir, que, sendo ca­te­quista, foi de­go­lado no cár­cere em ódio à fé cristã. († 1840)

12.   Em Le Mans, na França, o Beato Ba­sílio An­tónio Maria Moreau, pres­bí­tero di­o­ce­sano, fun­dador da Con­gre­gação da Santa Cruz. († 1873)

13.   Em Ca­sória, pró­ximo de Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, Santa Maria Cris­tina da Imaculada (Ade­laide Brando), virgem, que de­dicou a sua vida à for­mação cristã das cri­anças e, por meio da Con­gre­gação das Irmãs Ví­timas Ex­pi­a­tó­rias de Jesus Sa­cra­men­tado, con­tri­buiu in­ten­sa­mente para fo­mentar a ado­ração da San­tís­sima Eucaristia. († 1906)

14*.   No mos­teiro de Mount Saint Ber­nard, pró­ximo de Lei­cester, na In­gla­terra, o Beato Ci­priano (Mi­guel) Iwene Tansi, pres­bí­tero da Ordem Cis­ter­ci­ense, que, sendo na­tural do ter­ri­tório de Onitsha, da Ni­géria, ainda jovem pro­fessou a fé cristã contra a von­tade da fa­mília e, or­de­nado sa­cer­dote, se de­dicou com grande zelo ao tra­balho pas­toral, até que, abra­çando a vida mo­nás­tica, me­receu con­sumar uma santa vida com uma santa morte. († 1964)

15. No mesmo dia, São Mauro, bispo, célebre pelas virtudes e milagres. segundo a tradição, foi nomeado bispo de Cesana (tamém na Folhinha do Coração de Jesus, São Mauro de Casena), Italia, pelo papa João XI, possivelmente. Dividindo o viver entre a contemplação e a ação, pregava durante o dia e meditava pela noite, numa cela que erigira perto de um pequeno promontório, ao lado de um oratório. Faleceu em 934. Ver página 71: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

16. Beato Antônio Maria Moreau. Ver “Basílio Moreau (em francês: Basile-Antoine Marie Moreaué) foi um padre francês nascido em 11 de fevereiro de 1799, em Laigné-en-Belin, perto de Le Mans, na França, e que conheceu os efeitos devastadores da Revolução Francesa sobre as ordens religiosas.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Basílio_Antônio_Maria_Moreau

17. Santo Abádio. Ver “Abádio (em latimAbadius) foi um mártir romano do século IV. Nasceu em Bilgas no Egito. Era um soldado do exército que professou sua fé em Cristo durante o reinado do imperador Diocleciano (r. 284–305). Após confessar sua fé em Calaquis, foi martirizado.[1] É celebrado em 20 de janeiro. A informação sobre ele pode ser achada no Sinaxário Árabo-Jacobita.[2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Abádio

18. Santo Agostinho de Nidaros (Augustinhos Nidroniensis, em norueguês). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Agostinho_de_Nidrósia

19. Outros santos do dia 20 de janeiro, 46-72: VIDAS DOS SANTOS – 2.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 20 de janeiro, ver ainda: 20 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 144-146:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 19 de janeiro

1.   Em Es­mirna, hoje Izmir, na Tur­quia, a paixão de São Ger­mâ­nico, mártir de Fi­la­délfia, que, no tempo dos im­pe­ra­dores Marco An­to­nino e Lúcio Au­rélio, foi dis­cí­pulo de São Po­li­carpo, a quem pre­cedeu no mar­tírio: con­de­nado pelo juiz ainda na flor da idade ju­venil, su­perou pela graça de Deus o medo da sua fra­gi­li­dade cor­poral e pro­vocou es­pon­ta­ne­a­mente a fera para ele preparada. († c. 167). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 156, São Germânico, discípulo de São Policarpo de Esmirna, que sobre ele escreveu: “Dedicado a Deus de toda a sua alma, venceu a animosidade dos incrédulos pela força de sua virtude, mas terminou sua vida nos dentes das feras, merecendo assim, ser incorporado ao verdadeiro pão, o Senhor Jesus Cristo, pelo qual morreu”. (M). Ver página 44: VIDAS DOS SANTOS – 2.pdf (obrascatolicas.com)

2.   Em Spo­leto, na Úm­bria, re­gião da Itália, São Pon­ciano, mártir, que, no tempo do im­pe­rador An­to­nino, cru­de­lis­si­ma­mente fla­ge­lado por amor de Cristo, foi fi­nal­mente morto ao fio da espada. († s. II)

3.   Na Via Cor­nélia, a treze mi­lhas de Roma, no ce­mi­tério “ad Nymphas”, os santos Mário, Marta, Au­difaz e Ábaco, mártires. († c. s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no séc. III, São Mário (também na Folhinha do Coração de Jesus) e sua família, cristãos orientais, martirizados enquanto faziam uma peregrinação aos túmulos dos Santos Apóstolos. (M). Ver página 44: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver “A tradição conta que Mário e sua família veio da Pérsia para Roma, venerar os túmulos de Pedro e Paulo. Nos arredores da cidade acabaram ajudando o padre Valentim a enterrar os corpos de duzentos e sessenta mártires, que jaziam decapitados e abandonados ao lado de uma estrada. Eles foram flagrados no cemitério e presos. 
Todos morreram, pois não renegaram a fé e se recusaram a prestar culto ao imperador. Os homens foram decapitados na Via Cornélia e Marta, mesmo informando que ainda não havia recebido o batismo, também morreu, afogada num poço fora dos muros de Roma.”: http://www.arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/sao-mario

4.   Co­me­mo­ração de São Ma­cário Magno, pres­bí­tero e abade do mos­teiro de Cete, no Egipto, que, morto para o mundo e para si, vivia só para Deus, o que en­si­nava também aos seus monges. († c. 390)

5.   Co­me­mo­ração de São Ma­cário o Alexandrino, pres­bí­tero e abade no monte Cete, no Egipto. († s. V)

6.   Em Lódi, na Li­gúria, ac­tu­al­mente na Lom­bardia, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de São Bas­siano, bispo, que, para de­fender o seu povo da he­resia dos ari­anos ainda vi­gente neste ter­ri­tório, lutou com grande ardor jun­ta­mente com Santo Am­brósio de Milão. († 409). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 413, São Bassiano, filho do governador pagão de Siracusa, que abraçou o cristianismo do qual se tornou um ardente defensor. Morreu como bispo de Lodi, perto de Milão. (M). Ver páginas 39-40: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também “Bassiano ou Bassano (em italiano: Bassiano di Lodi, em latim: Bassianus Laudensis; Siracusa319 — Lodi8 de fevereiro 409) foi o primeiro bispo da Diocese de Lodi, Itália. É também venerado como santo da Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Bassiano_de_Lodi

7.   Em Como, na Lom­bardia, re­gião da Itália, as santas Li­be­rata e Faus­tina, irmãs e vir­gens, que fun­daram o mos­teiro de Santa Margarida. († c. 580)

8*.   Em Dreux, junto de Char­tres, na Nêus­tria, hoje na França, São Lomar, abade do mos­teiro de Cor­bion, hoje Moutiers-au-Perche. († c. 593). São Laumer, abade e confessor. Ver páginas 41-42: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

9.   Em Ra­vena, na ac­tual Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, São João, bispo, que, en­quanto toda a Itália era de­vas­tada pela guerra com os Lom­bardos, pro­vi­den­ciou egre­gi­a­mente às ne­ces­si­dades da Igreja, se­gundo o tes­te­munho de São Gre­gório Magno, que lhe en­viou o livro da Regra Pastoral. († 595)

10*.   Em Ruão, na Nêus­tria, ac­tu­al­mente na França, São Re­mígio, bispo, irmão do rei Pe­pino, que com grande di­li­gência pro­curou que se can­tasse a sal­modia se­gundo o cos­tume de Roma. († c. 762)

11*.   Em Corfu, na Grécia, Santo Ar­sénio, bispo, pastor de almas muito de­di­cado ao seu re­banho e as­síduo à oração nocturna. († s. X). Ver página 43: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

12*.   Em Se­vilha, na Es­panha, o Beato Mar­celo Spí­nola y Maestre, bispo, que fundou cen­tros de ope­rá­rios para pro­mover o de­sen­vol­vi­mento da so­ci­e­dade hu­mana, lutou pela ver­dade e pela jus­tiça e abriu a sua casa aos indigentes. († 1906). Ver “Beato Marcelo Spínola y Maestre (San Fernando (Cádis), 14 de janeiro de 1863 – Sevilha20 de janeiro de 1906) foi um religioso espanhol.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Henrique_de_Upsália

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1086, em Odense, São Canuto (também na Folhinha do Coração de Jesus), rei da Dinamarca. Tendo descontentado seus súditos por ter elevado um imposto em benefício das instituições de caridade, foi assassinado, e sua morte, coroando uma vida justa e piedosa, foi considerada um martírio. (M). Ver páginas 26-33: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

14. Em Wor­cester, na In­gla­terra (conforme o Martirológio Italiano de 20 de janeiro), São Vols­tano, bispo, que, cha­mado do claustro à sede epis­copal desta ci­dade, as­so­ciou os há­bitos mo­nás­ticos ao zelo pas­toral, de­di­cando-se com di­li­gência a vi­sitar as pa­ró­quias, fo­mentar a edi­fi­cação de igrejas, fa­vo­recer a for­mação cul­tural e con­denar a venalidade. († 1095). Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 19 de janeiro, no ano do Senhor de 1095, São Wulstano. Foi primeiro prior da abadia de Worcester, Inglaterra, e depois tornou-se bispo da mesma cidade, dedicando-se a freqüentes visitas pastorais. (M). Ver páginas 34-36: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também “Vulstano (em latimVulstanus; em inglêsWulfstan), igualmente conhecido como Vulstano II (Wulfstan II), Volstano (Wolstan), Vulstano (Wulstan) e Ulfstano (Ulfstan), foi bispo de Worcester e o último bispo sobrevivente do período pré-conquista e o único nascido na Inglaterra remanescente após 1075. Ele é venerado como santo por católicos e anglicanos.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Vulstano_(morto_em_1095)

15. No mesmo dia, na África, os santos mártires Paulo, Gerôncio, Januário, Saturnino, Sucesso, Júlio (também na Folhinha do Coração de Jesus), Cato, Pia e Germana, mortos durante as perseguiçóes pagãs. Ver página 42: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

16. Bem-Aventurado André Grego, dominicano. Ver páginas 37-38: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

17. Santo Henrique de Upsália. Ver “Santo Henrique de Upsália (Pyhä Henrik ou piispa Henrik em finlandêsBiskop Henrik ou Sankt Henrik em suecoHenricus em latim; morreu supostamente em 20 de janeiro de 1156 [1]) foi um clérigo medieval inglês. Ele foi para a Suécia com o Cardeal Nicholas Breakspeare em 1153 e, provavelmente, foi designado para ser arcebispo de Uppsala, mas a província eclesiástica independente da Suécia só pôde ser estabelecida em 1164, após a guerra civil acabar, e Henrique foi enviado para organizar a Igreja na Finlândia, onde os cristãos já existiam há pelo menos dois séculos. De acordo com os relatos, ele entrou na Finlândia junto com o rei Santo Érico da Suécia e morreu como mártir, tornando-se uma figura central para a Igreja Católica local. No entanto, a autenticidade dos relatos de sua vida, ministério e morte são por vezes contestados.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Henrique_de_Upsália

18. São Marcos de Éfeso. Ver “Marcos de Éfeso, dito Eugênico (em grego: Μάρκος Ευγενικός; romaniz.: Marcos Eugenicos , “o cortês”; em latimMarcus Eugenicus), um arcebispo de Éfeso no século XV, ficou famoso por sua defesa da Ortodoxia durante o Concílio de Florença (1438-1445), a despeito da contrariedade do imperador bizantino João VIII Paleólogo e do papa Eugênio IV. Ele acusou a Igreja de Roma de cisma e heresia por ter aceitado que a cláusula Filioque fosse adicionada ao credo niceno-constantinopolitano e por causa das alegações do papa de jurisdição universal sobre toda a cristandade, e foi, assim, o único bispo oriental presente no concílio a se recusar a assinar os seus decretos.”: Marcos de Éfeso – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

19. Outros santos do dia 19 de janeiro, 26-45: VIDAS DOS SANTOS – 2.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 19 de janeiro, ver ainda: 19 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 142-143:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 18 de janeiro

O TRONO DE SÃO PEDRO: Ver páginas 7-14: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também “Antes do Concílio Vaticano II, a Igreja Católica celebrava a festa da Cátedra de São Pedro em 18 de janeiro. Desde então, a festa é celebrada em 22 de fevereiro. A Igreja Católica jamais celebrou a festa sob o nome de “Confissão de Pedro”[15]. Nas igrejas anglicanas e luteranas, esta mesma festa é celebrada como “Festa da Confissão de Pedro” em 18 de janeiro[7].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Confissão_de_Pedro

– Ver ainda: https://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A1tedra_de_S%C3%A3o_Pedro

– Ver ainda: https://santo.cancaonova.com/santo/festa-da-catedra-de-sao-pedro/

Ver 22 de fevereiro: Festa da CA­DEIRA DE SÃO PEDRO OU CÁTEDRA DE PEDRO (também na Folhinha do Coração de Jesus), Após­tolo, a quem o Se­nhor disse: «Tu és Pedro e sobre esta pedra edi­fi­carei a minha Igreja». No dia em que os Ro­manos cos­tu­mavam honrar a me­mória dos seus de­funtos, ce­lebra-se o dia natal de São Pedro na Ca­deira apos­tó­lica, que é ve­ne­rada com o seu mo­nu­mento no Va­ti­cano e tem a missão de pre­sidir à as­sem­bleia uni­versal da caridade. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Festa da Cátedra de São Pedro, sede da Igreja Católica Apostólica, que preside à caridade e confirma na verdade, fonte e base da unidade (cf. Santo Inácio de Antioquia e São Cipriano). (R). 

A Cátedra de Pedro ou Cadeira de São Pedro (em latim Cathedra Petri) é uma relíquia católica, conservada na Basílica de São Pedro em Roma, dentro de um compartimento de bronze, dourado, projetado e construído por Gian Lorenzo Bernini entre 1647 e 1653, que possuí a forma de uma cadeira de espaldar alto. Os católicos celebram a festa da Cátedra de Pedro nos dias 18 de janeiro e 22 de fevereiro. Conforme: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Cátedra_de_São_Pedro

SANTAS E SANTOS DE 18 DE FEVEREIRO

1.   Em Car­tago, na ac­tual Tu­nísia, os santos már­tires Su­cesso, Paulo e Lúcio, bispos, que par­ti­ci­param no Con­cílio re­a­li­zado nesta ci­dade e so­freram o mar­tírio no tempo do im­pe­rador Décio. († 259)

2.   Em Ni­ceia, na Bi­tínia, hoje Iznik, na Tur­quia, os santos Cos­cónio, Zenão e Me­la­nipo, mártires. († s. III-IV)

3.   Em Foix, na Gália Nar­bo­nense, ac­tu­al­mente na França, o pas­sa­mento de São Vo­lu­siano, bispo de Tours, que, tendo sido feito pri­si­o­neiro pelos Godos, no exílio en­tregou o seu es­pí­rito a Deus. († c. 498). Ver página 24: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também “Volusiano (Volusianus em latim) foi um franco nomeado bispo de Tours na Alta Idade Média. Em seu matrimônio deu as mais profundas provas da paciência, resignação e abnegação cristã ao conviver com uma megera. Suas reconhecidas virtudes o fizeram ser escolhido o sétimo bispo de Tours, de 488 d.C. à 496 d.C. Pertencia a uma rica e piedosa família senatorial romana e era parente próximo do seu antecessor São Perpétuo de Tours e também de São Ruricius de Limoges. Ele foi deposto de seu bispado pelos hereges visigodos, adeptos do arianismo, nas lutas travadas contra o rei católico Clóvis I. Assim, Volusiano foi exilado em Toulouse, sendo lá martirizado por decapitação. Frente ao iminente assalto dos visigodos a Tours, Volusiano escreveu uma carta ao seu parente, o bispo São Ruricius, temeroso frente a morte quase certa, ao que São Ruricius respondeu: «timere hostem non debet extraneum qui consuevit sustinere domesticum», isto é, “o estranho inimigo não deves temer se já a muito suportas com um inimigo conviver”.[1] São Volusiano é comemorado em 18 de janeiro. Ele também é o patrono da cidade de Foix onde seus restos mortais estão sepultados[2][3]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Volusiano_de_Tours

4.   Em Roma, a co­me­mo­ração de Santa Prisca (também na Folhinha do Coração de Jesus), a cujo nome foi de­di­cada uma ba­sí­lica no monte Aventino. († a. 499). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. III ou IV, Santa Prisca, cristã romana, que pôs sua casa à disposição dos fiéis. Desde então, a comunidade que lá se reunia comemorou a cada ano seu nascimento no céu. (M). Ver página 23: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

5.   No mos­teiro de Lure, na Bor­gonha, ac­tu­al­mente na França, São Deí­colo, abade, que era na­tural da Ir­landa e dis­cí­pulo de São Co­lum­bano e, se­gundo a tra­dição, fundou este mosteiro. († s. VII). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 625 São Deícolo (ou Déslio), monge irlandês discípulo de São Columbano, que fundou o mosteiro de Lure, na região dos Vosges. (M). Ver páginas 18-19 “SÃO DEÍCOLA, abade”: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

6*.   Em Fer­rara, na Emília, ac­tu­al­mente Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, Santa Be­a­triz d’Este, monja, que, de­pois da morte do es­poso, aban­donou a no­breza do mundo e se de­dicou a Deus no mos­teiro por ela fun­dado sob a Regra de São Bento. († c. 1262). Ver página 17 “BEM-AVENTURADA BEATRIZ DE VICÊNCIA”: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

7.   Em Bu­da­peste, na Hun­gria, Santa Mar­ga­rida, virgem, filha do rei Bela IV, que, pro­me­tida em voto a Deus pelos seus pais para li­bertar dos Tár­taros a sua pá­tria, foi en­tregue em tenra idade às monjas da Ordem dos Pre­ga­dores e, ainda com a idade de doze anos, se con­sa­grou to­tal­mente ao Se­nhor na pro­fissão re­li­giosa, pro­cu­rando in­ten­sa­mente as­se­me­lhar-se a Cristo crucificado. († 1270). Ver “Margarida da Hungria (em húngaroMargitFortaleza de Klis27 de janeiro de 1242 — Ilha Margarida18 de janeiro de 1271) foi filha do rei Bela IV da Hungria e de Maria Lascarina.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Margarida_da_Hungria

8*.   Em Cre­mona, na Lom­bardia, re­gião da Itália, o Beato Fácio, que, sendo ou­rives de pro­fissão, veio de Ve­rona para esta ci­dade, onde se de­dicou in­tei­ra­mente à pe­ni­tência, às pe­re­gri­na­ções e ao cui­dado dos enfermos. († 1272). Ver páginas 15-16: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

9*.   Em Mor­begno, nos Alpes, também na Itália, o Beato André de Pes­chiera Grego, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que du­rante muito tempo per­correu a pé toda a re­gião, vi­vendo aus­te­ra­mente junto dos po­bres e ga­nhando a afeição fra­terna de todos. († 1485)

10*.  Em L’Áquila, nos Abruzos, re­gião da Itália, a Beata Cris­tina (Ma­tias) Cic­ca­rélli, virgem da Ordem de Santo Agostinho. Em Áquila, a bem-aventurada Cristina Ciccarelli, virgem, que professou lo convento.de Santa Lúcia. Foi, no claustro, modêlo de tôdas as virtudes. Humilde e quieta, consagrava longas horas à oração. Um dia foi obrigada a separar-se de uma imagem de São Marcos, à qual tinha em grande apreço. O Santo Apóstolo aparecendo então a um pintor, que chamava-se Silvestre, ordenou-lhe que pintasse uma nova imagem e fosse entregá-la à irmã Cristina, imagem que por muito tempo se conservou no Convento de Santa Lúcia.  A bem-aventurada Cristina entrou na O ordem em 1496. Faleceu em I 543.  Conforme págs. 24-25: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

11*.   Em Bra­niewo, na Prússia, na ac­tual Po­lónia, a Beata Re­gina Protmann (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, mo­vida pelo amor dos po­bres, se de­dicou in­ten­sa­mente ao ser­viço dos in­di­gentes e fundou a Con­gre­gação das Irmãs de Santa Catarina. († 1613)

12*.   Em Avrillé, perto de An­gers, na França, as be­atas Fe­li­ci­dade Pricet, Mó­nica Pichery, Carla Lucas e Vi­tória Gus­teau, már­tires, que, du­rante a per­se­guição da Re­vo­lução Fran­cesa, foram fu­zi­ladas pelo ódio à re­li­gião cristã. († 1794)

13*.   Em Cássia, na Itália, a Beata Maria Te­resa Fasce (Maria Joana Fasce), aba­dessa da Ordem de Santo Agos­tinho, que aliou a as­cese e con­tem­plação às obras de ca­ri­dade para com os pe­re­grinos e os indigentes. († 1947)

14. Santo Amâncio (também na Folhinha do Coração de Jesus)

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Como, no ano de 580, Santa Liberata (também na Folhinha do Coração de Jesus, Liberato), virgem. (M)

16. No ano do Senhor de 590, São Liobardo, eremita originário de Auvergne que viveu em Marmoutiers, perto de Tours (M – conforme Martirológio Romano-Monástico). Conforme Martirológio, Ed. Permanência, São Leobardo recluso, que brilhou por uma admirável abstinência e humildade. São Leobaldo, quando São Gregório foi atendê-lo, olhando-o ternamente, disse: “Chegou a ocasião. Sob as ordens do Senhor, serei desligado da prisão dêste corpo mortal. Não já, porém, porque ainda viverei um pouco mais, até pertó da páscoa”. São Leobaldo, falecido em 593, tem em Tours uma igreja erigida em sua homenagem. Segundo os escritos de São Gregório, crê-se que são Leobaldo morreu em fevereiro. A festa de 18 de janeiro prende-se à transladação de seu corpo. Conforme Vida dos Santos págs. 22-23, SÃO LEOBALDO, recluso e confessor: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

17. Bem-Aventurada Maria de Brabante, rainha e mártir. Ver páginas 20-21: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

18. Trinta e sete mártires do Egito. Ver “No Egito, trinta e sete mártires, nos tempos dos imperadores pagãos. Distribuídos em grupos, para evangelizar a região, estavam assim ordenados: um grupo, sob a direção de Paulo; um segundo, dirigido por Recumbus; o terceiro grupo era encabeçado por Teonas; o quarto, finalmente, estava sob a direção de Papias’ Todos pregavam a verdadeira doutrina, quando foram conduzidos ao tribunal do governador do Egito. Impondo-lhes duas coisas, sacrificar aos deuses ou morrer, todos, a uma só voz, declararam-se pela última. Dada a sentença, os do primeiro grupo foram condenados ao fogo. Os do segundo morreram decapitados. Os do terceiro foram, como os do primeiro, queimados vivos, mas de modo diverso. Os do quarto, afinal, pereceram na forca”, páginas 23-24: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

19. Outros santos do dia 18 de janeiro, 07-25: VIDAS DOS SANTOS – 2.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 18 de janeiro, ver ainda: 18 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 139-141:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 17 de janeiro

17.01.2021: Oitava do Batismo de Jesus. Ver páginas 338-340: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

SANTAS E SANTOS DE 17 DE JANEIRO

pontmain1. NOSSA SENHORA DE PONTMAIN OU NOSSA SENHORA DA ORAÇÃO. NOSSA SENHORA DA ESPERANÇA DE PONTMAIN. Ver “… No mesmo dia, na diocese de Laval, Nossa Senhora de Pontmain. Maria Santíssima aparecia a quatro crianças: Eugênio e José Barbedette, o primeiro com doze anos, o segundo com dez, e Francisco Richer, onze anos, e Joana Maria Lebosse, de nove anos. No céu estrelado, â Mãe de Deus sorria-lhes e estendia-lhes os braços amoráveis, tendo na cabeça belíssima coroa de ouro. Uma multidão, ao lado dos meninos, nada via. Pouco depois surgiu no céu uma cruz vermelha, com a imagem do Crucificado, e Nossa Senhora, então entristecida, tomando-a, inclinou-a para a massa humana que se comprimia em torno das crianças. Quando a cruz desapareceu, Maria voltou a sorrir, pedindo mais orações, e desapareceu também. A aparição durou horas, e Pontmain tornou-se lugar de peregrinos, onde a Mãe de Deus foi e é venerada com o nome de Nossa Senhora da Oração. Em 1900, a igreja que lhe erigiram foi solenemente consagrada.” página 439: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também: “Pontmain é uma aldeia muito pequena, localizada em Saint Brieuc, na Bretanha, França. Da mesma forma que dificilmente se encontra a aldeia nos mapas, suas casas se escondem entre as ruínas de uma fortaleza. Neste lugar tão bucólico os cristãos dos tempos modernos reviveram a devoção da Virgem da Esperança. Durante a guerra franco-prussiana, iniciada em 1870, trinta e oito rapazes de Pontmain foram convocados como soldados de frente de batalhas. Antes de partirem, para lhes obter especial proteção celeste, o pároco de Pontmain os consagrou à Virgem Maria. De fato, a sequência dos acontecimentos se mostrava cada vez mais favorável ao exército prussiano, que avançava vitorioso sobre os domínios da França. Em janeiro de 1871, o povo francês vivia dias dramáticos, pois sofria com a carestia e as doenças causadas por um rigoroso inverno associado à guerra. No dia 17 deste mês, as tropas prussianas sob o comando de Bismarck já haviam capturado a cidade de Paris e feito o imperador Napoleão III prisioneiro. Pretendiam invadir a aldeia de Pontmain. No dia 17 de janeiro de 1871, a Virgem Maria apareceu na aldeia de Pontmain e impediu o avanço contínuo dos prussianos. Ela surgiu no céu estrelado sobre uma casa, às dezoito horas, e foi vista apenas por quatro crianças. Os irmãos Eugênio e José Barbedette, com doze e dez anos, respectivamente, foram os primeiros a verem o vulto da bela senhora: vestida com uma túnica azul-royal toda bordada de estrelas douradas, e um grande crucifixo vermelho nas mãos. A descrição foi confirmada, logo a seguir, por duas meninas: Joana Maria e Francisca, que também viram Nossa Senhora. A notícia se espalhou e os habitantes se reuniram na praça com o pároco, para orar à Virgem Santíssima. A aparição durou três horas e neste período as crianças citavam, uma a uma, as palavras que surgiam escritas na faixa branca estendida sob os pés de Nossa Senhora. No final da mensagem dizia: “Rezem, meus filhos, Deus logo escutará vossas orações, meu Filho se deixa comoverEntão o crucifixo vermelho desapareceu e as mãos da Virgem pareciam apontar na direção da Alemanha. Na mesma noite, as tropas cessaram o avanço e em três dias se retiraram. No dia 28 de janeiro foi assinado o armistício que pôs fim à guerra, acabando com o sofrimento dos franceses. O retorno à Pontmain dos trinta e oito rapazes sãos e salvos permitiu observarem mais uma vez o grande poder de intercessão da Virgem Maria junto ao seu Filho. O local da aparição se tornou meta de peregrinação. Iniciou-se a construção de uma belíssima igreja, no estilo gótico. O bispo aprovou o culto à Nossa Senhora da Esperança de Pontmain já em 1872. Os dois irmãos videntes: Eugênio e José, se tornaram sacerdotes; Joana Maria ingressou no convento e Francisca se formou professora atuando na escola da paróquia. Hoje a igreja é uma Basílica Santuário e está sob os cuidados dos Padres Oblatos de Maria Imaculada.”. Conforme: https://www.a12.com/academia/titulos-de-nossa-senhora?s=nossa-senhora-da-esperanca-de-pontmain

– Ver ainda “Pontmain – Nossa Senhora da Esperança – 17 de janeiro de 1871. “Olhem para Pontmain nos momentos difíceis e vejam a mulher vestida de sol, que sozinha, com a ajuda de pequeninos filhos, vence um grande exercito que estava prestes a tomar e a arrasar Pontmain, e se encham de esperança meus filhos, porque a mesma mãe da esperança que salvou Pontmain está aqui! E ela traçou um plano infalível para salvar a cada um de vocês e a toda a humanidade.”. Trecho da Mensagem de Nossa Senhora Rainha e Mensageira da Paz, do dia 3 e janeiro de 2019”. Conforme: https://www.mensageiradapaz.org/post/2019/01/17/pontmain-nossa-senhora-da-esperan%C3%A7a-17-de-janeiro-de-1871

2. Me­mória de Santo Antão (também na Folhinha do Coração de Jesus), abade, que, tendo per­dido os seus pais, dis­tri­buiu todos os seus bens pelos po­bres, se­guindo os pre­ceitos evan­gé­licos, e se re­tirou para a so­lidão da Te­baida, no Egipto, onde co­meçou a pra­ticar a vida as­cé­tica; co­la­borou com grande zelo no for­ta­le­ci­mento da Igreja, aju­dando os con­fes­sores da fé du­rante a per­se­guição de Di­o­cle­ciano, e apoiou Santo Ata­násio na luta contra os ari­anos. Foram tantos os seus dis­cí­pulos, que me­receu ser con­si­de­rado pai dos monges. († 356). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santo Antão,abade. Seguindo o conselho do Evangelho, distribuiu aos pobres tudo quanto possuía para seguir a Cristo no deserto do Egito, onde as tentações do demônio não lhe foram poupadas. Por causa de sua irradiação exemplar e pela difusão de sua biografia redigida nor Santo Atanásio, atraiu uma multidão de discípulos e mereceu tornar-se o “Pai dos monges cristãos”. Morreu em 356, no alto da montanha ao pé da qual se situa o mosteiro que traz o seu nome. É igualmente festejado neste dia pelos Orientais coptas, sírios e bizantinos. (R). No VIDA DOS SANTOS, muitos detalhes da vida de Santo Antão, Patriarca dos Cenobitas, ali chamado de Santo Antônio. Verpágs. 414-433: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Vida de Santo Antão, por Santo Atanásio:

http://www.ecclesia.com.br/biblioteca/monaquismo/vida_de_santo_antao_indice.html

– Ver também “Santo Antão do Deserto, também conhecido como Santo Antão do EgitoSanto Antão, o GrandeSanto Antão, o EremitaSanto Antão, o Anacoreta, ou ainda O Pai de Todos os Monges, foi um santo cristão do Egito, um líder de destaque entre os Padres do Deserto. Ele é cultuado em muitas igrejas nas seguintes datas festivas: 30 de Janeiro, no antigo calendário da Igreja Ortodoxa e da Igreja Ortodoxa Copta; 17 de Janeiro, no novo calendário da Igreja Ortodoxa, da Igreja Ortodoxa Búlgara, da Igreja Católica Romana e da Igreja Católica Copta.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Antão_do_Deserto

3.   Na Ca­pa­dócia, na ac­tual Tur­quia, os santos Es­peu­sipo, Ela­sipo, Me­la­sipo, ir­mãos, e sua avó, Le­o­nila (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártires. († data inc.). Ver página 441: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4.   No Os­roene, num ter­ri­tório ac­tu­al­mente si­tuado entre a Síria e a Tur­quia, a co­me­mo­ração de São Ju­lião, as­ceta, cha­mado pelos an­tigos Sabas, isto é, An­cião, que, em­bora ti­vesse aban­do­nado o bu­lício da ci­dade, deixou tem­po­ra­ri­a­mente a sua amada so­lidão, para re­futar te­naz­mente em An­ti­o­quia os se­quazes da he­resia ariana. († c. 377), Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Mesopotâmia, em 377, São Julião Sabas, eremita, que não hesitou em deixar a solidão para fazer triunfar a ortodoxia pela autoridade de seu testemunho. (M)

4.   Em Die, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, São Mar­celo, bispo, que, sendo de­fensor da ci­dade, foi ex­pulso para o exílio pelo rei ariano Eu­rico por ter per­se­ve­rado na fé católica. († 510)

5.   Em Bourges, na Aqui­tânia, ac­tu­al­mente também na França, São Sul­pício o Piedoso, bispo, que, pro­mo­vido da corte régia ao epis­co­pado, teve como maior pre­o­cu­pação o cui­dado dos pobres. († 647). Ver páginas 434-436: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf – Ver “Sulpício, cognominado o Bondosoo Pio ou o Piedoso (falecido em localidade próxima a Bourges17 de janeiro de 644) foi bispo da diocese de Bourges de 624 à sua morte. É venerado como santo pela Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Sulpício

6*.   Na Ba­viera, hoje re­gião da Ale­manha, São Ga­mel­berto, pres­bí­tero, que, para fundar o mos­teiro de Metten, doou os seus bens a Utão, que ele tinha baptizado. († c. 802). Ver páginas 437-439: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

7*.   Em Fréjus, na Pro­vença, re­gião da França, Santa Ro­sa­lina, pri­o­resa de Celle-Rou­baud, da Ordem da Car­tuxa, que foi cé­lebre pela sua ab­ne­gação, vi­gí­lias, jejum e aus­te­ri­dade de vida. († 1329). Na Provença, nas dioceses de Fréjus e de Gap, a bem-aventurada Rosalina de Vilanova, virgem, desaparecida em 1329, filha do barão dos Arcos. Impondo-se severas austeridades, passava uma semana inteira sem gualquer alimento, dormindo apenas três ou guatro horas. Teve fregüentes visões e êxtases. Lia o fundo dos corações. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1329, Santa Roselina de Villeneuve, virgem, prioresa da Cartuxa de Celle-Rouhaud, na Provença. Beneficiada com a graça de ler os corações, recomendava sempre àqueles que a ela se confiavam “conhecer-se bem a si mesmos” (X). Ver pág. 440:

8.   Em To­co­la­tlán, ci­dade do Mé­xico, São Ja­nuário Sán­chez Delgadillo, pres­bí­tero e mártir du­rante a per­se­guição mexicana. († 1927)

9. Em Roma, descoberta dos santos mártires Diodoro, sacerdote, Mariano, (também na Folhinha do Coração de Jesus) diácono, e dos seus companheiros. Estando a celebrar a festa dos mártires, num areal, na época do papa Santo Estêvão, os perseguidores da fé, fechando a porta, fizeram cair sôbre êles grande quantidade de terra. Mereceram, dessarte, a glória do martírio. Conforme pág. 441: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

10. Beato Ângelo Paoli. Ver “Angelo Paoli O.C.D. foi um carmelita descalço italiano conhecido como “o pai dos pobres”. Foi beatificado em 2010 pelo papa Bento XVI.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Sulpício

11. Outros santos do dia 17 de janeiro, 414-441:

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 17 de janeiro, ver ainda: 17 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 138-139:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 16 de janeiro

1.   Em Roma, no ce­mi­tério de Pris­cila, junto à Via Sa­lária Nova, o se­pul­ta­mento de São Mar­celo I, Marcelino I (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que, como re­fere São Dâ­maso, foi um ver­da­deiro pastor, fe­roz­mente hos­ti­li­zado pelos após­tatas que re­cu­savam aceitar a pe­ni­tência por ele es­ta­be­le­cida e, in­si­di­o­sa­mente de­nun­ciado pe­rante o ti­rano, foi ex­pulso da pá­tria e morreu no exílio. († 309). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, na Via Salária, no ano da graça de 309, o sepultamento de São Marcelo, papa, que se dedicou à reorganização de sua Igreja. destruída pela perseguição de Diocleciano. Certas medidas de perdão, tomadas em relação aos apóstatas, valeram-lhe a animosidade de alguns cristãos páginque o denunciaram ao imperador e o fizeram ser condenado a trabalhar como escravo em sua própria igreja, transformada em cocheira pública. (M). Ver páginas 403-404: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “Papa Marcelo I (em latimMarcellus) foi o trigésimo papa da Igreja, exercendo sua função de maio de 308 a 309, sucedendo ao Papa Marcelino, após uma considerável lacuna de tempo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Marcelo_I

2*.   Em Au­lona, no Ilí­rico, na ac­tual Al­bânia, São Da­nate, mártir. († data inc.)

3.   Em Ri­no­co­rura, no Egipto, São Melas, bispo, que, no tempo do im­pe­rador ariano Va­lente, de­pois de pa­decer o exílio pela sua fi­de­li­dade à ver­da­deira fé, des­cansou em paz. († c. 390). Ver páginas 405-406: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4.   Em Arles, na Pro­vença, re­gião da Gália, hoje na França, Santo Ho­no­rato, bispo, que fundou um cé­lebre mos­teiro na ilha de Lé­rins e de­pois aceitou o go­verno da Igreja de Arles. († 429). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 400, Santo Honorato, que instituiu em Lérins um monaquismo de inspiração oriental, no qual os principiantes eram formados em um mosteiro cenobítico, ao passo que os mais adiantados podiam levar uma vida semi-anacorética nas diversas celas espalhadas pela ilha. Foi chamado para dedicar os seus últimos dois anos de vida ao serviço da Igreja de Arles, da qual foi bispo. Ver páginas 401-402: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

5*.   Em Mou­tiers, na Gália Vi­e­nense, ac­tu­al­mente também na França, São Tiago, bispo, dis­cí­pulo de Santo Ho­no­rato de Lérins. († s. V)

6.   Em Oderzo, hoje no Vé­neto, na re­gião da Itália, São Ti­ciano, bispo. († s. V)

7*.   Em Tours, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, a co­me­mo­ração de São Le­o­bácio, abade, que de­sig­nado pelo seu mestre Santo Urso como su­pe­rior do mos­teiro de Sen­nevière, viveu em ad­mi­rável san­ti­dade até avan­çada idade. († s. V)

8*.   Em Dombes, também na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, São Tre­vério, pres­bí­tero, monge e fi­nal­mente eremita. († c. 550)

9*.   Em Mé­ze­rolles, junto ao rio Authie, na Gália, ac­tu­al­mente também na França, São Furseu, que foi abade na Ir­landa, de­pois na In­gla­terra, fi­nal­mente na Gália, onde fundou a abadia de Lagny. († c. 650). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no meio do séc. VII, São Fúrsio, monge irlandês, que depois de ter fundado o mosteiro de Burgcastle no condado de Suffolk, construiu um outro em Lagny-en-Brie, na Île-de-France.(M)

10*.   Em Bagno di Ro­magna, na ac­tual Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, Santa Joana, virgem, que, re­ce­bida na Ordem Ca­mal­du­lense, res­plan­deceu sin­gu­lar­mente pela sua obe­di­ência e humildade. († 1105)

11.   Em Mar­ra­kech, ci­dade da Mau­ri­tânia, hoje em Mar­rocos, a paixão dos santos már­tires Be­rardo ou Beraldo (também na Folhinha do Coração de Jesus), Otão, Pedro, pres­bí­teros, Acúrsio e Ad­juto, re­li­gi­osos da Ordem dos Me­nores, que, en­vi­ados por São Fran­cisco para anun­ciar aos mu­çul­manos o Evan­gelho de Cristo, foram pri­mei­ra­mente presos em Se­vilha e le­vados para Mar­rocos, onde con­su­maram o mar­tírio, mortos ao fio da es­pada pelo prín­cipe mouro. († 1226). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1226 a morte dos Cinco Primeiros Mártires Franciscanos, enviados pelo próprio São Francisco a pregar a fé no Marrocos muçulmano. (M). Ver página 411: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

–  Ver “Os Mártires de Marrocos foram missionários da Ordem dos Frades Menores martirizados no Norte da África em 1220… Em 1219Francisco de Assis enviou em missão para o Marrocos seis frades menores, de nomes Vital, Berardo, Otão (sacerdotes), Pedro (diácono), Acúrsio e Adjuto (leigos)… A Igreja dos Santos Mártires, em Marraquexe, foi-lhes dedicada em 1929.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Mártires_de_Marrocos

12.   Em Kandy, no Ceilão, ac­tual Sri Lanka, ilha do Oceano Ín­dico, São José Vaz, pres­bí­tero da Con­gre­gação do Ora­tório, que, sendo na­tural de Goa, partiu em missão para aquela terra e, per­cor­rendo com ad­mi­rável ardor os agrestes ca­mi­nhos ru­rais onde os ca­tó­licos per­ma­ne­ciam clan­des­tinos e dis­persos, in­can­sa­vel­mente os con­firmou na fé, pre­gando com grande zelo apos­tó­lico o Evan­gelho da salvação. († 1711). Ver “São José Vaz (EnglishSaint Joseph VazKonkaniBhagivont Zuze Vaz; em cingalês: ශාන්ත ජුසේ වාස් පියතුමා Santha Juse Vaz Piyathuma; em tâmil: புனித ஜோசப் வாஸ்) C.O. (GoaEstado Português da Índia21 de abril de 1651 — KandySri Lanka16 de janeiro de 1711) foi um missionário conhecido como o Apóstolo do Sri Lanka, onde atuou desde 1687 até o fim de sua vida em 1711. Dedicou-se principalmente a cuidar dos enfermos, enfrentando a resistência dos holandeses calvinistas, colonizadores do então Ceilão.[1] Foi canonizado pelo Papa Francisco no dia 14 de janeiro de 2015, em uma cerimônia realizada na cidade de Colombo, no Sri Lanka.[2] ”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/José_Vaz_(padre)

13*.   Em Bréscia, na Itália, o Beato José An­tónio Tovíni, que, sendo pro­fessor, fundou muitas es­colas cristãs e edi­ficou nu­me­rosas obras pú­blicas, dando sempre, nas suas ac­ti­vi­dades, o tes­te­munho da sua oração e das suas virtudes. († 1897)

14*.   Em Va­lência, na Es­panha, a Beata Joana Maria Con­desa Lluch, virgem, que tra­ba­lhou com grande di­li­gência, hu­mil­dade, amor, ca­ri­dade e sa­cri­fício, para ajudar os po­bres, as cri­anças e as jo­vens ope­rá­rias, fun­dando com essa fi­na­li­dade a Con­gre­gação das Es­cravas da Ima­cu­lada Con­ceição, Pro­tec­toras das Operárias. († 1916)

15. São Miquéias (também, em 15 de janeiro, na Folhinha do Coração de Jesus). No Martirológio Romano-Monástico, dia 16 de janeiro. No séc. VII antes de Cristo, o Profeta Miquéias. Aos distúrbios que causaram a ruína da Samaria em 721, ele havia oposto vigorosamente o ideal da Aliança, que consistia em “cumprir a justiça, amar fielmente e caminhar humildemente diante de Deus”. Ele predisse o nascimento, em Belém-Éfrata, do Rei Pacífico que apascentaria o rebanho do Senhor (M).

16. Em Roma, Santa Priscila (também na Folhinha do Coração de Jesus), que se consagrou, assim como os bens, âo serviço dos mártires. Dama romana, está ligada à mais antiga e interessante das catacumbas. Crê-se gue o apóstolo São Pedro viveu numa vila que era de propriedade da nobre santa, na via Salária, então centro de atividade apostólica do primeiro papa. Conforme pág 413: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

17. Santo Honorato, abade e confessor. Ver páginas 407-408: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

18. Santo Henrique, ermitão. Ver páginas 409-410: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

19. Outros santos do dia 16 de janeiro, 401-413:

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 16 de janeiro, ver ainda: 16 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 135-137:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 15 de janeiro

15 DE JANEIRO: NOSSA SENHORA DE BANNEUX, OU NOSSA SENHORA DOS POBRES. Ver “Nossa Senhora de Banneux, também conhecida como Virgem dos Pobres ou Nossa Senhora dos Pobres, é uma das designações atribuídas à Santíssima Virgem Maria após as aparições que ocorreram na década de 1930 a Mariette Beco, na localidade de Banneux, na Bélgica[1]”: Nossa Senhora de Banneux – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_de_Banneux

– Ver também “As aparições de Banneux são alegadas aparições marianas ocorridas em 1933 em Banneux Notre-Dame, na Bélgica. Mariette Beco, nativa da localidade, contou que presenciou oito aparições da Virgem Maria, entre os dias 15 de janeiro de 1933 e 2 de março do mesmo ano. A criança disse ter visto uma senhora vestida de branco, que declarou ser a Virgem dos Pobres ou Nossa Senhora de Banneux e disse-lhe: Acredite em mim, que eu acreditarei em ti… Primeira aparição: Domingo, 15 de janeiro de 1933… As aparições da Virgem foram sujeitas a investigações oficiais por parte da Igreja católica durante os anos de 1935 a 1937. Foi formada uma comissão episcopal, e as evidências foram levadas a Roma para análise. Em maio de 1942, o bispo Kerkhofs de Lieja, anunciou a aprovação das aparições. Um aprovação preliminar foi dada em 1947 pela Santa Sé; a mesma foi declarada definitiva em 1949.”: Aparições de Banneux – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver ainda “De 15 de janeiro a 2 de março de 1933, a Virgem Maria apareceu oito vezes para uma menina de 11 anos, Mariette Beco…”:  Bienvenue à Banneux ! – Banneux Notre-Dame (banneux-nd.be)

OUTRAS SANTAS E SANTOS DE 15 DE JANEIRO

1.   Em Anágni, no Lácio, re­gião da Itália, Santa Se­cun­dina, virgem e mártir. († data inc.)

2.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São João Calibita (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, se­gundo a tra­dição, du­rante algum tempo viveu num lugar afas­tado da sua casa pa­terna, de­pois numa «kalyba», isto é, numa ca­bana, to­tal­mente en­tregue à con­tem­plação e oculto aos seus pró­prios pais, que de­pois da sua morte só o re­co­nhe­ceram pelo có­dice dou­rado do Evan­gelho que ti­nham dado ao filho. († s. V). Ver página 387: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

3*.   No mos­teiro de Cluain Credal, na Ir­landa, Santa Ida, virgem, fun­da­dora deste mosteiro. († 570). Na Folhinha do Coração de Jesus, dia 14 de janeiro. Ver Santa Ita, páginas 391-392: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também “Santa Ita (em irlandêsÍte ingen Chinn Fhaladc. 470 – 15 de janeiro de 570), também conhecida como Santa Ida ou Santa Ides, foi uma freira e abadessa irlandesa.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Santa_Ita

4.   Em Riéti, na Sa­bina, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de São Probo, bispo, de quem fez um elogio o papa São Gre­gório Magno. († c. 570)

5.   Em Glan­feuil, junto ao Loire, no ter­ri­tório de An­gers, na Gália, hoje na França, Santo Amaro, abade. († s. VI/VII). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, São Mauro (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Mauro – Amaro – de Gália), introdutor do monaquismo em Glanfeuil, na diocese de Angers, no séc. VI. Ameaçadas pelos invasores, suas relíquias foram escondidas perto de Paris, na abadia que em seguida tomou o seu nome: São Mauro dos Fossos (M). No séc. XVII uma congregação beneditina colocou-se sob o patrocínio de São Mauro, vindo a ter mais tarde como herdeira oficial a Congregação de Solesmes. (B). Ver página 388: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– No Martirológio Romano-Monástico, memória dos Santos Mauro e Plácido. São Gregório conta como Plácido foi, um dia, salvo do afogamento graças à pronta obediência de Mauro e aos méritos do abade São Bento. (B). São Mauro ou Amaro. São Mauro ou Amaro. Ver “Festa litúrgica: 05 de outubro ou 15 de janeiro no Brasil”: https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Mauro

Ver “… São Mauro ou Santo Amaro, como é igualmente conhecido em Portugal, foi o primeiro discípulo de São Bento de Núrsia. Mauro é mencionado na biografia de São Gregório o Grande de São Bento como o primeiro oblato; oferecido ao mosteiro por seus nobres pais romanos como um jovem rapaz a ser trazido para a vida monástica. Quatro histórias envolvendo São Mauro recontadas por Gregório formam um padrão para a formação ideal de um monge Beneditino. A mais famosa dessas envolve o resgate, feito por São Mauro, de São Plácido, um jovem menino oferecido aos cuidados de São Bento na mesma época de São Mauro. O incidente foi reproduzido em muitas pinturas medievais e Renascentistas. Festa litúrgica: 05 de outubro ou 15 de janeiro no Brasil”: https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Mauro

– Ver também “São Plácido Plácido de Subiaco (em latimPlacidus) era um discípulo de São Bento. Filho do patrício Tértulo e foi entregue, ainda criança, a São Bento em Subláqueo (Subiaco) e dedicado a Deus de acordo com o capítulo 69 da Regra de São Bento (oblato).”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Pl%C3%A1cido_de_Subiaco

SÃO PLÁCIDO: VER TAMBÉM EM 05 DE OUTUBRO

6*.   No ter­ri­tório de Rodez, também na Gália, hoje na França, Santa Tar­sícia, virgem e mártir. († s. VI/VII)

7*.   Em Ham, no Bra­bante, na ac­tual Ho­landa, Santo Able­berto ou Eme­berto, bispo de Cambrai. († c. 645)

8*.   Em Char­tres, na Nêus­tria, ac­tu­al­mente na França, São Ma­lardo, bispo. († c. 650)

9*.   Em Val di Non, no Tren­tino, re­gião da Itália, São Romeu, ana­co­reta, que, do­ando os seus bens à Igreja, levou vida de pe­ni­tência num ermo que ainda hoje tem o seu nome. († c. s. VIII)´

10.   Em Lião, na Gália, hoje na França, o pas­sa­mento de São Bo­nito, bispo de Au­vergne, que, sendo go­ver­nador de Mar­selha, foi cha­mado ao epis­co­pado para ocupar o lugar de seu irmão Santo Avito; dez anos de­pois re­nun­ciou a essa função, re­tirou-se no ce­nóbio de Man­lieu e, ao re­gressar de uma pe­re­gri­nação a Roma, morreu em Lião. († c. 710). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 710, São Boneto. Inicialmente magistrado em Marselha, onde aboliu a escravidão, foi eleito bispo de Clermont e depois tornou-se monge em Manlieu. Diversas localidades da Auvergne trazem seu nome. (M). Ver páginas 393-394: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

11*.   Em Armo, pró­ximo de Réggio Ca­lá­bria, na Ca­lá­bria, re­gião da Itália, Santo Ar­sénio, ere­mita, emi­nente pela sua oração e austeridade. († 904)

12*.   Em Saint-Gilles-les-Bou­che­ries, na Pro­vença, re­gião da França, o Beato Pedro de Castelnau, pres­bí­tero e mártir, que, tendo en­trado no mos­teiro cis­ter­ci­ense de Front­froide, foi en­viado pelo papa Ino­cêncio III como mis­si­o­nário apos­tó­lico para res­ta­be­lecer a paz e for­ta­lecer a fé na Pro­vença; morreu à mão dos he­reges tres­pas­sado por uma lança. († 1208). Ver páginas 396-397: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também “Pierre de Castelnau (? – falecido em 15 de janeiro de 1208), eclesiástico francês, nasceu na Diocese de Montpellier.Ele foi beatificado no ano em que morreu pelo Papa Inocêncio III, que atribuiu responsabilidade pela morte ao Conde Raimundo. As relíquias de Pierre de Castelnau estão enterradas na igreja da antiga abadia de St-Gilles[3]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pierre_de_Castelnau

13*.   Em Città della Pieve, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Tiago, cha­mado o Ca­ri­ta­tivo, que, sendo ju­ris­con­sulto, se tornou ad­vo­gado dos po­bres e dos oprimidos. († 1304)

14*.   No ter­ri­tório de Gualdo Ta­dino, também na Úm­bria, o Beato Ân­gelo, eremita. († 1325)

15.   Em Fu’an, ci­dade da pro­víncia Fu­jian, na China, São Fran­cisco Fer­nández de Capillas, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, de­pois de levar o nome de Cristo às Ilhas Fi­li­pinas e a Fu­jian, du­rante a per­se­guição dos Tár­taros foi en­car­ce­rado du­rante muito tempo e por fim decapitado. († 1648). Ver página 398: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

16*.   Em Steyl, lo­ca­li­dade da Ho­landa, Santo Ar­naldo (Arnoldo) Janssen, pres­bí­tero, que fundou a So­ci­e­dade do Verbo Di­vino para a pro­pa­gação da fé nas missões. († 1909). Ver “Arnaldo Janssen (Goch5 de novembro de 1837 — 15 de janeiro de 1909) foi um sacerdote alemão da Igreja Católica, fundador da Sociedade do Verbo Divino, uma ordem religiosa missionária que se faz presente hoje em todos os continentes. Foi canonizado pelo papa João Paulo II em 5 de outubro de 2003.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Arnaldo_Janssen

17*.   Em Berlim, na Ale­manha, o Beato Ni­colau Gross, pai de fa­mília e mártir, que, in­ten­sa­mente de­di­cado à questão so­cial, se opôs por todos os meios ao re­gime opressor da dig­ni­dade hu­mana e hostil à re­li­gião e, por não querer ac­tuar contra os man­da­mentos de Deus, foi en­car­ce­rado e en­for­cado, tor­nando-se par­ti­ci­pante da vi­tória de Cristo. († 1945)

18. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, igualmente em Cétia, sete anos mais tarde, Santo Isidoro (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santo Isidoro de Alexandria), anacoreta que, de boa vontade, se encarregava de tomar conta dos irmãos negligentes ou coléricos, e os salvava por sua tranqüila resignação. (M) . Obs: São dois Santos Isidoro: Isidoro de Alexandria e Isidoro ermitão. Ver página 400: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

19. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no fim do séc. VII antes de Cristo, o Profeta Habacuc. Diante da situação de Israel, castigado pelos infiéis, proclamou que o Deus Todo-Poderoso prepara a vitória final por caminhos paradoxais, e declarou que “o justo viverá pela fidelidade”. (M). Ver página 399: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

20. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 390, São Macário, o Egípcio, fundador e primeiro “Pai do deserto de Cétia”. Sua grande experiência espiritual lhe havia ensinado que a melhor maneira de rezar consistia em estender as mãos e invocar o Nome do Senhor, e que a humildade, única virtude que o diabo não pode imitar, dava grandes poderes ao homem. Um mosteiro formado em torno à última cela deste homem “ébrio de Deus” perpetua ainda hoje sua memória. (M). Ver páginas 384-386: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também “Macário do Egito (ca. 300 – 391) foi um monge cristão egípcio e um eremita. Ele também é conhecido como Macário, o VelhoMacário, o Grande e Luz do Deserto.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Macário_do_Egito

21. São Miquéias (também na Folhinha do Coração de Jesus). No Martirológio Romano-Monástico, dia 16 de janeiro. No séc. VII antes de Cristo, o Profeta Miquéias. Aos distúrbios que causaram a ruína da Samaria em 721, ele havia oposto vigorosamente o ideal da Aliança, que consistia em “cumprir a justiça, amar fielmente e caminhar humildemente diante de Deus”. Ele predisse o nascimento, em Belém-Éfrata, do Rei Pacífico que apascentaria o rebanho do Senhor (M).

22. São Paulo, primeiro ermitão. Ver páginas 378-383: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também São Paulo de Tebas ou Paulo ou Egípcio “Paulo de TebasPaulo, o ermitão ou Paulo o egípcio (em Copta: Ⲁⲃⲃⲁ Ⲡⲁⲩⲗⲉ) (Tebaida228 – Tebas330) foi um eremita egípcio, um dos padres do Deserto, é o primeiro eremita do qual se tem notícia, a estabelecer a tradição do ascetismo e contemplação monástica. É venerado na Igreja Católica, na Igreja Ortodoxa e na Igreja Copta como santo. Sua memória litúrgica é celebrada em 10 de janeiro[3].: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Paulo_de_Tebas

23. Santas Maura e Brita, virgens. Ver páginas 389-390: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

24. São Ceolwulf, rei e confessor. Ver página 395: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

25. Santo Efísio. Ver “Efísio (Elia em Antioquia, 250 dC – Nora, 15 de janeiro 303) foi um mártir cristão, venerado como santo pela Igreja Católica, reverenciado na Sardenha, especialmente na cidade de Cagliari, ao sul da ilha, onde ele foi martirizado e é considerado copadroeiro, junto com Santo Saturnino. Santo Efísio é celebrado em 15 de janeiro.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Santo_Efísio

26. Santo Alexandre, o Acemeto, confessor. Ver página 399: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

27. São Mauro, ermitão “morto-vivo”. Ver páginas 397-398: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

28. Bem-aventurado Romédio. Ver página 398: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

29. Outros santos do dia 15 de janeiro, 378-400:

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 15 de janeiro, ver ainda: 15 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 133-135:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 14 de janeiro

1.   Co­me­mo­ração de São Po­tito, mártir, que, de­pois de pa­decer muitos tor­mentos em Sár­dica, na Dácia, hoje Sofia, na Bul­gária, conta-se que al­cançou a glória do mar­tírio ao fio da espada. († data inc.)

2.   Em An­ti­o­quia, na Síria, hoje An­takya, na Tur­quia, São Gli­cério, diá­cono e mártir. († data inc.)

3.   Em Nola, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Félix, pres­bí­tero, que, como re­fere São Pau­lino, du­rante o furor da per­se­guição so­freu no cár­cere cru­de­lís­simos tor­mentos. De­pois de res­ta­be­le­cida a paz, re­gressou à sua terra e per­se­verou na po­breza até à sua ve­lhice, mor­rendo como in­ven­cível con­fessor da fé. († s. III/IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 260, São Félix, sacerdote de Nola, na Campânia, confessor da fé cuja fama se espalhou da Gália à África. (M). Ver páginas 362-364: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “Filho de um militar sírio chamado Hérmias, sua fé cristã o levou a repartir seus bens entre os pobres e optar pelo sacerdócio. Entre os anos de 249 e 251 sofreu a perseguição de Décio, sendo encarcerado e torturado, mas escapou com sucesso da cadeia (o que tradições atribuem à ação de anjos), indo viver nos Apeninos, onde cuidou de seu bispo Máximo, adoecido e lá também refugiado. Segundo contam as lendas, sua harmonia com a natureza era tanta que as aranhas teceriam teias para impedir a entrada de soldados… Sua sepultura foi muito venerada, e objeto de peregrinação. Há relíquias suas em Roma e Benevento. Sua festa litúrgica é celebrada em 14 de janeiro[4] e figura no Calendário Romano como confessor.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Félix_de_Nola

4.   Co­me­mo­ração dos santos monges que no monte Sinai e em Rahiti, no Egipto, foram mortos pela sua fé em Cristo. (†. c. s. IV)

5.   Na re­gião dos Iberos, além do Mar Negro, na ac­tual Geórgia, Santa Nino, pri­si­o­neira cristã, que pela grande san­ti­dade da sua vida con­quistou a re­ve­rência e ad­mi­ração de todos, de tal modo que a pró­pria rainha, cujo filho foi cu­rado graças às suas ora­ções, o rei e toda a sua gente, ade­riram à fé de Cristo. († s. IV)

6*.   Em Gé­vaudan, na Gália, ac­tu­al­mente na França, São Fir­mino, bispo. († s. V).  Ver 25 de setembro.

7*.   Em Ar­vena, na Aqui­tânia, hoje Cler­mont-Fer­rand, na França, Santo Eu­frásio, bispo, cuja hos­pi­ta­li­dade é lou­vada por São Gre­gório de Tours. († 515/516)

8.   Em Milão, na Li­gúria, ac­tu­al­mente na Lom­bardia, re­gião da Itália, o pas­sa­mento de São Dácio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que na con­tro­vérsia dos “Três Ca­pí­tulos” de­fendeu a opi­nião do papa Vi­gílio, a quem acom­pa­nhou em Cons­tan­ti­nopla, onde morreu. († 552). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 552, São Daciano, bispo de Milão, que se revelou um firme sustentáculo do papa Vigílio na defesa da fé ameaçada pelo imperador. (M). Ver página 376: VIDAS DOS SANTOS – 1.pdf (obrascatolicas.com)

9*.   Em Écija, na Bé­tica, na ac­tual An­da­luzia, re­gião da Es­panha, São Ful­gêncio, bispo, irmão dos santos Le­andro, Isi­doro e Flo­ren­tina, a quem Santo Isi­doro de­dicou o tra­tado «Ofí­cios ecle­siás­ticos», con­si­de­rado o pri­meiro ma­nual de Liturgia. († c. 632). Ver “Fulgêncio de Cartagena (em castelhanoSan Fulgencio de Cartagena; em latimFulgentius), nascido em Cartagena no século VI e morto em 630, foi bispo de Ástigis (moderna Écija), na Hispânia… Como seus irmãos Leandro e Isidoro, ambos arcebispos de Sevilha, o primeiro mais velho e o segundo, mais novo, Fulgêncio também se dedicou à Igreja… A irmã dos três, uma dedicada religiosa, era Santa Florentina. O pai deles, Severiano, viveu primeiro em Cartagena, era romano e, segundo informações de confiabilidade duvidosa, era prefeito imperial[1]. Fulgêncio, como sua irmã e irmãos, foi venerado como santo. Na Hispânia, sua festa era celebrada em dias diferentes: na Acta Sanctorum dos bolandistas, a data era 14 de janeiro… Sabe-se que muito depois de sua morte, uma parte dos ossos de São Fulgêncio e os de sua irmã, Santa Floretina, foram levados em segurança para Sierra de Guadalupe, e, no século XIV, estavam na vila de Berzocana. A outra parte está na Catedral de Múrcia, da qual São Fulgêncio é o padroeiro.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Fulgêncio_de_Cartagena

10*.   Em Ta­gli­a­cozzo, nos Abruzos, re­gião da Itália, o Beato Odão de Novara, pres­bí­tero da Ordem dos Cartuxos. († c. 1200). Ver páginas “Bem-aventurado Odon de Novara” 374-376: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

11*.   Em Údine, ci­dade da Ve­nécia, no ac­tual Friúli-Ve­nézia Giúlia, re­gião da Itália, o Beato Odo­rico Mat­tiuzzi de Pordenone (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, que, per­cor­rendo os ter­ri­tó­rios dos Tár­taros, dos In­di­anos e dos Chi­neses até chegar a Kom­balik, prin­cipal ci­dade da China, anun­ciou o Evan­gelho por toda a parte e con­duziu muita gente à fé de Cristo. († 1331). Ver páginas 371-373: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

12.   Em Aral Ku­ru­sady, na Índia, o Beato Lá­zaro Pillai (De­va­sahayam Pillai), pai de fa­mília e mártir, que, du­rante a per­se­guição contra os cris­tãos no reino de Tra­vancor, foi as­sas­si­nado por se ter con­ver­tido do hin­duismo ao catolicismo. († 1752)

13*.   Em Ba­távia, no Su­rinam, o beato Pedro Donders (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Con­gre­gação do San­tís­simo Re­dentor, que se de­dicou com ca­ri­dade in­can­sável ao cui­dado dos corpos e das almas dos leprosos. († 1887)

14.        Em Ver­celas, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, a Beata Afonsa Clérici, virgem da Con­gre­gação das Irmãs do Pre­ci­o­sís­simo Sangue, cujo apos­to­lado se ori­entou es­pe­ci­al­mente para o en­sino e edu­cação da juventude. († 1930)

15. Santa Ida, na Folhinha do Coração de Jesus (dia 14/01) No Martirológio omano, dia 15/01. No mos­teiro de Cluain Credal, na Ir­landa, Santa Ida, virgem, fun­da­dora deste mosteiro. († 570). Na Folhinha do Coração de Jesus, dia 14 de janeiro. Ver Santa Ita, páginas 391-392: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também “Santa Ita (em irlandêsÍte ingen Chinn Fhaladc. 470 – 15 de janeiro de 570), também conhecida como Santa Ida ou Santa Ides, foi uma freira e abadessa irlandesa.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Santa_Ita

16. Santa Macrina Maior. Ver páginas 367-368: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf – Ver “Macrina Maior (ou a Velha) (antes de 270 – ca. 340) foi a mãe de Basílio, o Velho e a avó de Basílio, o GrandeSão Gregório de NíssaSão Pedro de Sebaste (os Padres capadócios) e Santa Macrina Menor.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Macrina_Maior

– Ver também “Avó de Sts. Basil e Gregório de Nyssa. Ela foi treinada na  por São Gregório Thaumaturgis. Durante a perseguição instituída pelo imperador Diocleciano, Macrina e seu marido tiveram que fugir de Neocaésia, em Pontus. Eles viviam nas margens do Mar Negro.”: St. Macrina the Elder – Saints & Angels – Catholic Online

– Ver ainda “Avó de São Basílio, o GrandeSão Gregório de NyssaSão Pedro de Sebaste, e Santa Macrina, a Jovem, e aparentemente criou Manjericão. Estudante espiritual de São Gregório Thaumaturgus. Ela e o marido viveram escondidos em uma floresta em Pontus por sete anos durante a perseguição de Diocleciano, quase morrendo de fome várias vezes. Viúvo.”: Patron Saints Index: Saint Macrina the Elder (archive.org)

17. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, próximo ao ano de 533 da nossa era, o nascimento no céu de São Remígio, bispo de Reims, a quem coube a alegria de batizar o rei Clóvis, introduzindo assim o povo franco na Igreja Católica. É com o Santo Óleo contido na ânfora utilizada naquela ocasião que foi ungida a maioria dos reis de França. (F)

18. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V antes de Cristo, o Profeta Malaquias, que anunciou a era messiânica, preparada por um Precursor, e que restabeleceria a ordem moral e cultual, culminando no sacrificio perfeito oferecido a Deus por todas as nações. (M)

19. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1237, São Sabas. Filho do rei da Sérvia, entrou muito jovem para o Monte Athos. Nomeado mais tarde Metropolita da Sérvia, lá estabeleceu uma hierarquia católica e estimulou a fundação de escolas, merecendo assim ser considerado pelos sérvios como grande promotor de sua cultura. Ver páginas 376-377: VIDAS DOS SANTOS – 1.pdf (obrascatolicas.com)

20. São Barbacemin e seus companheiros, mártires da Pérsia. Ver páginas 365-366: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

21. Bem-aventurado Engelmar, ermitão e mártir. Ver páginas 369-370: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

22. Ver 14 de janeiro na Igreja Ortodoxa  “Esta página trata das comemorações relativas ao dia 14 de janeiro no ano litúrgico ortodoxo. Todas as comemorações fixas abaixo são comemoradas no dia 27 de janeiro pelas igrejas ortodoxas sob o Velho Calendário. No dia 14 de janeiro do calendário civil, as igrejas sob o Velho Calendário celebram as comemorações listadas no dia 1 de janeiro.: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/14_de_janeiro_na_Igreja_Ortodoxa

23. Outros santos do dia 14 de janeiro, 358-377

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 14 de janeiro, ver ainda: 14 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 131-133:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 13 de janeiro

1. Santo Hi­lário, bispo e doutor da Igreja, que, ele­vado à sede epis­copal de Poi­tiers, na Aqui­tânia, re­gião da ac­tual França, de­fendeu ener­gi­ca­mente a fé ni­cena sobre a Trin­dade e sobre a di­vin­dade de Cristo, no tempo do im­pe­rador Cons­tâncio, adepto da he­resia ariana, sendo por isso re­le­gado quatro anos para a Frígia. Compôs também cé­le­bres co­men­tá­rios sobre os Salmos e sobre o Evan­gelho de São Mateus. († 367). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santo Hilário (também na folhinha do Coração de Jesus), bispo de Poitiers e Doutor da Igreja, que por seus escritos doutrinários e sua autoridade pastoral salvou a Gália da heresia ariana, condenada pelo Concilio de Nicéia. Por esse motivo, sofreu quatro longos anos de exílio no Oriente, onde escreveu seu célebre tratado sobre a Trindade. Acolhendo São Martinho, favoreceu o estabelecimento do monaquismo na Gália. Adormeceu no Senhor em 368, e seu corpo foi sepultado em Poitiers, na igreja que traz o seu nome. (R). Ver páginas 358-361: Ver 358-361:

VIDAS DOS SANTOS – 1.pdf (obrascatolicas.com)

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

OBSERVAÇÃO SOBRE O ARIANISMO: Anotações conforme:

arianismo foi uma visão cristológica sustentada pelos seguidores de Ário, presbítero cristão de Alexandria nos primeiros tempos da Igreja primitiva, que negava a existência da consubstancialidade entre Jesus e Deus Pai, que os igualasse, concebendo Cristo como um ser pré-existente e criado, embora a primeira e mais excelsa de todas as criaturas, que encarnara em Jesus de Nazaré. Jesus então, seria subordinado a Deus Pai, sendo Ele (Jesus) não o próprio Deus em si e por si mesmo. Segundo Ário, só existe um Deus e Jesus é seu filho e não o próprio Deus. Ao mesmo tempo afirmava que Deus seria um grande eterno mistério, oculto em si mesmo, e que nenhuma criatura conseguiria revelá-lo, visto que Ele não pode revelar a si mesmo. Com esta linha de pensamento, o historiador H. M. Gwatkin afirmou, na obra “The Arian Controversy”: “O Deus de Ário é um Deus desconhecido, cujo ser se acha oculto em eterno mistério”.

  • SANTO ATANÁSIO DE ALEXANDRIA (memória em 02 de maio), considerado Doutor da Igreja Católica, foi o principal e mais corajoso combatente da heresia cristã presente no Arianismo. Sua defesa da divindade de Jesus se resume na seguinte frase: “Deus é Pai apenas porque é o Pai do Filho. Assim o Filho não teria tido começo e o Pai estaria com o Filho eternamente. Portanto, o Filho seria o filho eterno do Pai, e o Pai, o Pai eterno do Filho”. Através do Concílio de Nicéia, o pensamento de Ário foi rebatido e depois de, aproximadamente, um século de discussões, o Arianismo foi declarado pela Igreja como heresia e seus pensamentos, dissidentes da doutrina cristã. Conforme: https://www.infoescola.com/religiao/arianismo/

Ver “Hilário de Poitiers (em latimHilarius Pictaviensis) foi um bispo na cidade romana de Pictávio, atual Poitiers, na Gália, e é um dos Doutores da Igreja. Muitas vezes chamado de “Martelo dos Arianos” (em latimMalleus Arianorum) e o “Atanásio do ocidente”, seu nome vem da palavra grega para “feliz” ou “alegre”[2]. Sua festa litúrgica no Calendário católico romano de santos é comemorada em 13 de janeiro. No passado, como esta data era ocupada pela oitava da Epifania, a festa foi movida para 14 de janeiro[3] e ainda é celebrada nesta data por tradicionalistas católicos.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Hilário_de_Poitiers .

2.   Em Bel­grado, na Mésia, na ac­tual Sérvia, os santos Her­mílio e Es­tra­tó­nico, már­tires, que, no tempo do im­pe­rador Li­cínio, de­pois de cruéis tor­turas, foram afo­gados no rio Danúbio. († c. 310). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 315, os Santos Mártires Hermilo e Estratonício, precipitados no Danúbio dando testemunho de Cristo. (M). Ver páginas 343-344: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

3.   Em Tré­veris, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na Ale­manha, Santo Agrício, bisp o, que con­verteu em igreja o pa­lácio que lhe doou Santa Helena. († c. 330)

4.   Em Reims, também na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na França, o se­pul­ta­mento de São Re­mígio, bispo, que, de­pois de ter ini­ciado o rei Clóvis na fonte sa­grada do Bap­tismo e nos sa­cra­mentos da fé, con­verteu a Cristo o povo dos Francos e, com­ple­tados mais de se­tenta anos de epis­co­pado, partiu desta vida com grande fama de santidade. († c. 530)

5*.   Em Glasgow, na Es­cócia, São Ken­ti­gerno, pres­bí­tero e abade, que es­ta­be­leceu nesta ci­dade a sua sede e de quem se conta que formou uma grande co­mu­ni­dade de monges para vi­verem se­gundo o mo­delo da Igreja nascente. († 603/612). São Kentigern, bispo e confessor. Ver 352-355: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

6.   Em Ca­pi­to­líades, na Ba­tânia, hoje na Síria, São Pedro, pres­bí­tero e mártir, que, tendo sido acu­sado a Walid, prín­cipe dos Sar­ra­cenos, de que en­si­nava pu­bli­ca­mente pelas ruas a fé de Cristo, foi am­pu­tado dos pés, das mãos e da língua e, pre­gado numa cruz, con­sumou o mar­tírio que tão ar­den­te­mente desejava. († 713)

7.   Em Cór­dova, ci­dade da An­da­luzia, re­gião da Es­panha, São Gu­me­sindo, pres­bí­tero, e São Ser­videu, monge, que, de­cla­rando-se cris­tãos pe­rante os prín­cipes e juízes dos Mouros, mor­reram pela fé em Cristo. († 852). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, no ano do Senhor de 852, os Santos Gumesindo, sacerdote, e Abadala, monge, martirizados por terem confessado sua fé cristã diante do Islamismo. (M). Ver páginas 356-357: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

8*.   No mos­teiro de Il­bens­tadt, na Ale­manha, São Go­do­fredo, que, aban­do­nando o bem estar que lhe pro­por­ci­o­nava a con­dição de conde de Kap­pen­berg, de­cidiu trans­formar o seu pró­prio cas­telo num mos­teiro e, to­mando o há­bito pre­mons­tra­tense, se de­dicou in­fa­ti­ga­vel­mente a so­correr os in­di­gentes e os enfermos. († 1127)

9*.   Perto de Huy, na re­gião de Liège, na Bél­gica, a Beata Ivete, viúva, que se de­dicou ao cui­dado dos le­prosos e fi­nal­mente viveu re­clusa numa cela perto deles. († 1228). Ver páginas 356: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

10*.   Em Milão, na Lom­bardia, re­gião da Itália, a Beata Ve­ró­nica Ne­gróni de Binasco (também na folhinha do Coração de Jesus), virgem, que en­trou no mos­teiro de Santa Marta sob a Regra de Santo Agos­tinho, onde se con­sa­grou pro­fun­da­mente à contemplação. († 1497). Ver páginas 334-337: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

11*.   Em Nam Dinh, ci­dade do Ton­quim, no ac­tual Vi­etnam, os santos Do­mingos Pham Trong (Án) Kham, Lucas (Cai) Thin, seu filho, e José Pham Trong (Cai) , os quais, sob o go­verno do im­pe­rador Tu Duc, pre­fe­riram so­frer os tor­mentos e a morte do que calcar a cruz. († 1859)

12.        Em Ca­sillas de Martos, perto de Jaén, na Es­panha, a Beata Fran­cisca da Encarnação (Maria Fran­cisca Es­pejo y Martos), monja da Ordem da San­tís­sima Trin­dade e mártir, que me­receu as­so­ciar-se às núp­cias eternas com seu Es­poso, Jesus Cristo. († 1937)

13*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, perto de Mu­nique, na Ba­viera, re­gião da Ale­manha, o beato Emílio Szramek, pres­bí­tero e mártir, na­tural da Po­lónia, que, du­rante a guerra, foi de­su­ma­na­mente de­por­tado para este campo, onde so­freu atrozes tor­mentos e morreu por de­fender pe­rante os per­se­gui­dores a fé em Cristo. († 1942)

14. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 927, o Bem-Aventurado Bernon, abade de Baume, no Jura, que fundou nas terras de Guilherme, o Piedoso, duque da Aquitânia, a abadia de Cluny. Na carta redigida naquela ocasião, ficou estipulado que os monges do futuro mosteiro, colocado sob a Regra de São Bento, “procurariam para sempre as maravilhas de uma convivência com o céu”. (X). Ver páginas 350-351: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

15. Em Cesareia, na Capadócia, São Leôncio, Bispo (também na Folhinha do Coração de Jesus) o qual teve muito que lutar, em tempo de Licínio contra os Gentios, e em tempo de Constantino contra os Arianos (Conforme Martirológio, Ed. Permanência). Ver página 356: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

16. São Potito, mártir. Ver páginas 341-342: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

17. Santa Gláfira, virgem. Ver página 345: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

18. Bem-aventurado Hildemar, confessor. Ver páginas 346-347: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

19. Bem-Aventurado Godofredo de Cappenberg. Ver páginas 348-349: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

20. Outros santos do dia 13 de janeiro, 334-357

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 13 de janeiro, ver ainda: 13 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 129-131:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 12 de janeiro

1.   Em Ce­sa­reia da Mau­ri­tânia, hoje Cher­chell, na Ar­gélia, Santo Ar­cádio, mártir, que du­rante a per­se­guição se re­tirou num re­fúgio, mas, quando um seu fa­mi­liar foi de­tido em seu lugar, apre­sentou-se es­pon­ta­ne­a­mente ao juiz e, ne­gando-se a sa­cri­ficar aos deuses, de­pois de so­frer atrozes su­plí­cios, con­sumou o seu martírio. († c. 304). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cesaréia da Mauritânia-hoje Cherchell, perto de Argel aproximadamente em 304, o martírio de Santo Arcádio. Em meio a seus suplícios, ele teve forças para gritar para scus carrascos: “Cristo por quem estou sofrendo é o único Deus”! (M). Ver “..Os maiores tormentos (podemos dizer também que OS MAIORES PRAZERES) NADA SÃO PARA QUEM TEM DIANTE DE SI A VIDA ETERNA… É doce morrer por Deus! Por Ele, morre-se para que se viva verdadeiramente. Por Ele, sofrer é estar gozando das mais inefáveis delícias.” páginas 329-331: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

2.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, os santos Tí­grio, pres­bí­tero, e Eu­trópio, leitor, que, no tempo do im­pe­rador Ar­cádio, fal­sa­mente acu­sados de terem pro­vo­cado o in­cêndio que con­sumiu o templo prin­cipal e a cúria do se­nado para vingar o exílio in­fli­gido a São João Cri­sós­tomo, so­freram o mar­tírio por ordem do pre­feito da ci­dade Op­tato, se­guidor do culto su­pers­ti­cioso dos falsos deuses e ini­migo da re­li­gião cristã. († 406)

3*.   Em Arles, na Pro­vença, re­gião da Gália, na ac­tual França, Santa Ce­sária, aba­dessa, irmã de São Ce­sário, bispo, que es­creveu para ela e suas irmãs uma Regra das santas virgens. († c. 529)

4*.   Em Gre­noble, na Bor­gonha, também na ac­tual França, São Fer­réolo, bispo e mártir, que foi as­sas­si­nado por ím­pios si­cá­rios quando pre­gava ao povo. († c. 659)

5*.   Em We­ar­mouth, na Nor­túm­bria, na ac­tual In­gla­terra, São Bento Biscop, abade, que, tendo pe­re­gri­nado cinco vezes a Roma, de lá trouxe para a sua pá­tria mes­tres e muitos li­vros, para que os monges reu­nidos na clau­sura do mos­teiro sob a Regra de São Bento ad­qui­rissem me­lhor co­nhe­ci­mento na ci­ência do amor de Cristo em be­ne­fício da Igreja. († c. 690). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 690, São Bento Biscop. Originário de uma nobre família inglesa, fez várias peregrinações a Roma, de onde trouxe livros e tradições litúrgicas. Nomeado abade de Cantuária, fundou a abadia de Wearmouth. São Bento Biscop é o padroeiro da CongregaçãoeBeneditina Inglesa. (M). Ver páginas 316-320: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “Bento Biscop ou Benedito Biscop (em inglêsBenedict Biscop), conhecido também como Biscop Baducing, foi um abade anglo-saxão e fundador da Abadia de Monkwearmouth-Jarrow (onde se encontrava a famosa biblioteca de mesmo nome) que passou a ser venerado como santo depois de sua morte.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Bento_Biscop

6*.   No mos­teiro de Ri­e­vaulx, também na re­gião da Nor­túm­bria, Santo El­redo, abade, que, edu­cado na corte do rei da Es­cócia, en­trou na Ordem de Cister e, tor­nando-se mestre exímio da vida mo­nás­tica, pro­moveu com suma di­li­gência e ama­bi­li­dade, por meio das suas ac­ções e es­critos, a vida es­pi­ri­tual e a ami­zade em Cristo. († c. 1166). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1167, Santo Elredo. Educado na corte da Escócia, entrou aos vinte e quatro anos para o mosteiro cisterciense de Rielvaux, do qual, mais tarde, tomou-se abade. Foi considerado como “quase igual a São Bermardo por seus contemporâneos ingleses, e ficou conhecido como o “Doutor da amizade espiritual”. (X). Ver Santo Aelredo, abade da Escócia, páginas 321-328: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver “Elredo (HexhamNorthumberland1110 — RievaulxYorkshire12 de janeiro de 1167) também Aelred, Ælred, Æthelred, etc., foi um escritor inglêsabade de Rievaulx de 1147 até sua morte, e santo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Elredo_de_Rievaulx

7*.   Em Leão, na Es­panha, São Mar­tinho da Santa Cruz, pres­bí­tero e có­nego re­gular, que foi mestre in­signe da Sa­grada Escritura. († 1203). Ver “Martinho de Leão (em castelhanoMartín de León; em latimMartinus Legionensis) foi um sacerdote e cônego regular agostiniano do século XII. Nascido em Leão, Martinho e seu pai, João (Juan), se retirou do mundo para o canonato de São Marcelino em Leão depois da morte de sua mãe. Educado ali, depois que seu pai morreu, Martinho decidiu realizar uma grande peregrinação, visitando as cidades de Roma e Constantinopla.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Martinho_de_Leão

8.   Em Oku­san­bara, no Japão, os be­atos Luís Ama­gasu Iemon e seu filho Vi­cente Ku­ro­gane Ichibiyoe, Mi­guel Ama­gasu Iemon, sua es­posa Do­mingas Ama­gasu e sua filha Justa Amagasu, e com­pa­nheiros, mártires. São estes os seus nomes: Tecla Ku­ro­gane, Luzia Ku­ro­gane, Maria Ito, Ma­rina Ito Chobo, Pedro Ito Yahyoe, Ma­tias Ito Hi­ko­suke, Ti­móteo Oba­sama Ji­robyoe, Luzia Oba­sama, João Go­robyoe, Jo­a­quim Sa­bu­robyoe, João Banzai Kasue, Âurea Banzai, An­tónio Banzai Orusu, Paulo San­juro, Ru­fina Banzai e seus fi­lhos Paulo e Marta, Simão Ta­kahashi Sei­za­emon, Tecla Ta­kahashi, Paulo Nishihori Shi­kibu, Luís Jin’emon e sua filha Ana, Mâncio Yoshino Han’emon, Júlia Yoshino, An­tónio Ana­zawa Han’emon, Paulo Ana­zawa Ju­za­buro, André Ya­ma­moto Shi­chi­emon, Inácio Iida So­emon, João Arie Ki­emon, Pedro Arie Jinzo, Aleixo Sato Sei­suke, Luzia Sato, Isabel Sato, Paulo Sato Ma­ta­goro, (N) Shi­chi­za­emon, Ma­da­lena, duas fi­lhas de Shi­chi­za­emon e Madalena. († 1629)

9.   Em Nu­kayama, no Japão, os be­atos Luzia Iida, Cres­cência Anazawa, Romão Ana­zawa Matsujiro, Mi­guel Ana­zawa Osamu, Maria Yamamoto, Úr­sula Yamamoto e Ma­da­lena Arie, mártires. († 1629)

10.        Em Ha­na­zawa, no Japão, os be­atos Aleixo Choemon e seus fi­lhos Cân­dido e Inácio, mártires. († 1629)

11.   Em Pa­lermo, na Si­cília, re­gião da Itália, São Ber­nardo de Corleone (também na Folhinha do Coração de Jesus), da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos, in­signe pela sua ad­mi­rável ca­ri­dade e penitência. († 1667)

12.   Em Mon­tréal, no Quebec, re­gião do Ca­nadá, Santa Mar­ga­rida Bourgeoys, virgem, que prestou todo o gé­nero de au­xílio aos co­lonos e aos sol­dados e se de­dicou com todas as suas forças à for­mação das jo­vens cristãs, para as quais fundou a Con­gre­gação das Irmãs de Nossa Senhora. († 1700). Ver “Santa Marguerite Bourgeoys (17 de abril de 1620 em TroyesFrança – 12 de janeiro de 1700Ville Marie, atual MontrealCanadá) foi a fundadora da Congregação Notre-Dame de Montreal. Foi declarada Venerável em 1878, beata por Pio XII em 1950 e depois canonizada por João Paulo II em 1982. É venerada como santa pelas igrejas Católica Romana e Anglicana do Canadá. Seu corpo repousa na capela Notre-Dame de Bon-Secours na Vieux Montreal.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Marguerite_Bourgeoys

13*.   Em Avrillé, perto de An­gers, na França, o Beato An­tónio Fournier, mártir, que era ar­tesão e du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa foi fu­zi­lado por causa da sua fi­de­li­dade à Igreja. († 1794)

14*.   Em Caen, também na França, o Beato Pedro Fran­cisco Jamet, pres­bí­tero, que prestou toda a as­sis­tência pos­sível às re­li­gi­osas Fi­lhas do Bom Sal­vador, quer du­rante o tempo da grande re­vo­lução quer de­pois da res­ti­tuição da paz à Igreja. († 1845)

15*.   Em Vi­a­réggio, na Itália, Santo An­tónio Maria Púcci, pres­bí­tero da Ordem dos Servos de Maria, que, sendo pá­roco du­rante quase cin­quenta anos, se em­pe­nhou es­pe­ci­al­mente em prestar au­xílio às cri­anças po­bres e enfermas. († 1892)

16*.   Em Tomhom, lo­ca­li­dade pró­xima de Bangkok, na Tai­lândia, o Beato Ni­colau Bun­kerd Kitbamrung, pres­bí­tero e mártir, exímio pre­gador do Evan­gelho, que, en­car­ce­rado no tempo da per­se­guição contra a Igreja e con­traindo a tu­ber­cu­lose na as­sis­tência aos en­fermos, teve morte gloriosa. († 1944)

17. Em 494, São João, bispo, consagrado ao serviço de Deus em Ravena (Conforme Martirológio Romano Monástico-M). Ver “Era o bispo da cidade de Ravena quando, por ocasião de uma invasão bárbara, afastou-se do continente com outros numerosos fugitivos. Ele é considerado um dos fundadores da cidade de Veneza – Itália.”: João de Ravena – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

18. Em Roma, Santa Taciana (também na Folhinha do Coração de Jesus) mártir que, dilacerada com grampos e pentes de ferro, exposta às feras e lançada no fogo, donde saiu ilesa, finalmente morta à espada, se foi ao céu, em tempo do imperador Alexandre (Conforme Martirológio, Ed. Permanência).

“A Virgem Santa Mártir Tatiana nasceu em uma ilustre família patrícia romana, e seu pai foi eleito cônsul por três vezes. Ele era secretamente um cristão e levantava sua filha para se dedicar a Deus e na Igreja, algo que era proibido no Império Romano. Quando chegou a idade adulta, Tatiana decidiu permanecer virgem, tornando-se noiva de Cristo. Desprezando as riquezas mundanas, ela procurou em vez da riqueza imperecível do céu. Ela foi ordenada diaconisa em uma das igrejas romanas e serviu a Deus em jejum e oração, cuidando dos doentes e ajudando os necessitados.

Conta a lenda quando Roma foi governada por dezesseis anos, por Alexandre Severo entre 222-235, todo o poder estava concentrado nas mãos do regente Ulpiano, um feroz inimigo e perseguidor dos cristãos. Tatiana foi descoberta e presa, foi levada para o templo de Apolo e forçada a oferecer sacrifícios aos ídolos. A santa começou a rezar, e de repente houve um terremoto. As estátuas foram quebradas em pedaços, e parte do templo desabou, caindo sobre os sacerdotes pagãos. Os demônios que habitam os ídolos fugiram gritando do templo, os presentes viram sua sombra voando pelos ares.

Os pagãos, em seguida arrancaram a os olhos com ganchos da santa virgem, mas ela resistiu bravamente a tudo, rezando por seus algozes que o Deus abrisse seus olhos espirituais. Deus ouviu a oração de sua serva, quando os carrascos viram quatro anjos ao redor da santa. Uma voz se ouviu do céu falar com a Virgem Santíssima, então oito homens acreditaram em Cristo e cairam de joelhos diante de Santa Tatiana, implorando-lhe que perdoasse os seus pecados. Por confessarem-se cristãos, eles foram torturados e executados, recebendo o batismo por sangue.

No dia seguinte, Santa Tatiana foi levada perante o juiz. Ao vê-la completamente curada de suas feridas, ela foi despida e espancada, e seu corpo foi cortado com uma navalha. Uma fragrância maravilhosa encheu o ar, ela foi, então, jogada no chão e espancada por tanto tempo que os servos tiveram que ser substituídos por diversas vezes. Eles ficaram exaustos e diziam que uma força invisível estava lhes batendo com varas de ferro. Na verdade, os anjos afastavam os golpes dirigidos a ela e direcionavam contra os torturadores, fazendo com que nove deles caíssem mortos. Eles então jogaram Tatiana na prisão, onde rezou durante toda a noite e cantou louvores ao Senhor com os anjos.

A manhã começou de novo, e Santa Tatiana foi levada ao tribunal mais uma vez. Os torturadores viram com espanto que, após tantos tormentos, ela estava completamente sã e ainda mais radiante e bonita do que antes. Eles começaram a importuná-la para oferecer sacrifícios à deusa Diana, a santa pareceu concordar, e eles a levaram para o templo pagão. Santa Tatiana fez o sinal da cruz e começou a rezar, de repente, houve um trovão ensurdecedor, e um raio atingiu o ídolo, as oferendas e os sacerdotes pagãos.

Mais uma vez, a mártir foi duramente torturada, ela foi pendurada e lixada com garras de ferro, e seus seios foram cortados. Naquela noite, anjos apareceram para ela na prisão e curaram suas feridas, como antes. No dia seguinte, levaram Santa Tatiana ao Coliseu, soltando um leão faminto perto dela, o animal não machucou a santa, mas mansamente lambeu seus pés.

Quando estava sendo levando de volta para sua jaula, o leão matou um dos torturadores, com isso atiraram Tatiana no fogo, mas as chamas não a queimavam. Os pagãos, pensando que ela era uma feiticeira, cortaram seus cabelos para tirar os seus poderes mágicos, e trancaram-na no templo de Zeus.

No terceiro dia, os sacerdotes pagãos adentraram ao templo, que pretendam oferecer sacrifício a Zeus. Eles viram o ídolo no chão, quebrado em pedaços, e a Santa Mártir Tatiana louvando alegremente ao Senhor Jesus Cristo. O juiz então condenou-a a ser decapitada com uma espada. Seu pai também foi executado com ela, porque ele a havia educado a amar a Cristo.

Veneração

Tatiana é venerada como um santa, e sua festa é em 12 de janeiro (para aquelas igrejas que seguem o tradicional Calendário Juliano, que atualmente recai sobre 25 de janeiro do moderno Calendário Gregoriano). Os milagres realizados por Santa Tatiana se diz ter convertido muitas pessoas para a religião nascente. Santa Tatiana é padroeira dos estudantes, na Bielorrússia , Rússia e Ucrânia, o dia de Tatiana é também conhecido como “O dia dos alunos”.

Em 1755 no 25 de janeiro dia desta santa mártir, a imperatriz Isabel da Rússia endossada sua petição para estabelecer a Universidade de Moscou. A partir dai 25 de janeiro passa a ser também a data de fundação da universidade. A igreja de Santa Tatiana foi construída mais tarde no campus da universidade pela Igreja Ortodoxa Russa, e declarado que Santa Tatiana patrona dos estudantes, com o decreto especial do imperador russo Nicolau I, após a revolução bolchevique de 1917, o dia de Tatiana tornou-se comemorado como dia dos estudantes na Rússia em 1995. Santa Tatiana é uma das padroeiras da cidade de Roma.”. Conforme:

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Santa_Tatiana

19. Na Folhinha do Coração de Jesus, Santo Ernesto. Em outros escritos sobre ele, Santo Ernesto é comemorado dia 07 de novembro.

20. Na África os Santos Mártires Zótico, Rogato, Modesto (também na Folhinha do Coração de Jesus) e Cástulo, com 40 soldados também coroados de martírio (Conforme Martirológio, Ed. Permanência).

21.Outros santos do dia 12 de janeiro, 316-333

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 12 de janeiro, ver ainda: 12 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 126-128:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/