Santas e Santos de 10 de abril

VER TAMBÉM 10 DE ABRIL NA IGREJA ORTODOXA: “Todas as comemorações fixas abaixo são comemoradas no dia 23 de abril pelas igrejas ortodoxas sob o Velho Calendário. No dia 10 de abril do calendário civil, as igrejas sob o Velho Calendário celebram as comemorações listadas no dia 28 de março.”: 10 de abril na Igreja Ortodoxa – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

=====================================

1.   Na África Pro­con­sular, os santos Te­rêncio, Afri­cano, Má­ximo, Pompeu (também na Folhinha do Coração de Jesus), Ale­xandre, Te­o­doro e qua­renta companheiros, már­tires, que, no tempo do im­pe­rador Décio, mor­reram pela fé cristã. († c. 250). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no meio do séc. II, São Terêncio, que foi considerado digno de sofrer por Cristo, junto com mais Trinta Cristãos africanos. (M). Ver também páginas 232-234: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

2.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, Santo Apo­lónio, pres­bí­tero e mártir. († data inc.)

3*.   Em Au­xerre, ci­dade da Nêus­tria, na ac­tual França, São Pa­ládio, bispo, que, tendo sido abade no mos­teiro de Saint-Ger­main de Au­xerre, de­pois de re­ceber o epis­co­pado par­ti­cipou em vá­rios con­cí­lios e se aplicou com grande di­li­gência na res­tau­ração da dis­ci­plina eclesiástica. († 658)

4*.   Em Ga­vello, na Ve­nécia, no ac­tual Vé­neto, re­gião da Itália, São Beda o Jovem, monge, que, de­pois de ter pas­sado qua­renta e cinco anos ao ser­viço dos reis, passou o resto da sua vida ao ser­viço do Se­nhor num mosteiro. († c. 883)

5.   Em Gand, na Flan­dres, ac­tu­al­mente na Bél­gica, São Ma­cário, pe­re­grino, que, be­nig­na­mente re­ce­bido entre os monges de São Bavo, foi vi­ti­mado pela peste no ano seguinte. († 1012)

6*.   Em Char­tres, na França, São Ful­berto, bispo, que a muitos ali­mentou com a sua dou­trina, ini­ciou a re­cons­trução da ca­te­dral com a sua mu­ni­fi­cência e sa­be­doria e pro­moveu a de­voção à Virgem Maria Rainha de Misericórdia. († 1029). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1029, São Fulberto. Depois de ter sido preceptor do filho de Hugo Capeto, foi promovido à Sé episcopal de Chartres, onde abriu uma afamada escola de teologia. Sua devoção para com o mistério da Natividade de Nossa Senhora esteve na origem da construção da catedral daquela cidade, célebre por seus vitrais ricos em cores, e pela peregrinação do povo da França pelas terras da Beauce. (X).

Ver “Fulberto de Chartres (em latimFulbertus Carnotensis; em francêsFulbert de Chartres) foi um bispo de Chartres entre 1006 e 1028, onde lecionou na escola catedrática local. Foi o responsável pela criação da festa Natividade da Virgem (8 de setembro) e por uma das muitas reconstruções da Catedral de Chartres. A maior parte das informações que temos sobre Fulberto estão nas cartas que escreveu entre 1004 e 1028, endereçadas a várias importantes figuras de sua época, seculares e religiosas.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Fulberto_de_Chartres

7*.   Em Túnis, no li­toral da África Se­ten­tri­onal, o Beato An­tónio Neyrot, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, le­vado preso pelos pi­ratas para a África, caiu na apos­tasia; mas, com o au­xílio da graça di­vina, na Quinta-Feira da Ceia do Se­nhor re­tomou pu­bli­ca­mente o há­bito re­li­gioso, ex­pi­ando a pre­ce­dente culpa ape­dre­jado até à morte. († 1460). Ver páginas 235-237: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

8*.   Em Pi­a­cenza, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, o Beato Marcos de Bo­lonha Fantúzzi, pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, in­signe pela sua pi­e­dade, pru­dência e pregação. († 1479)

9.   Em Val­la­dolid, na Es­panha, São Mi­guel dos Santos (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem da San­tís­sima Trin­dade, que se con­sa­grou to­tal­mente às obras de ca­ri­dade e à pre­gação da pa­lavra de Deus. († 1625). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Valladolid, na Espanha, no ano da graça de 1625, São Miguel dos Santos, jovem religioso da Ordem dos Trinitários, que foi chamado a Deus aos trinta e três anos de idade. (M). Ver páginas 238-239: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

10.   Em Ve­rona, no Vé­neto, re­gião da Itália, Santa Ma­da­lena de Canossa, virgem, que re­nun­ciou es­pon­ta­ne­a­mente a todas as ri­quezas do seu pa­tri­mónio para se­guir a Cristo e fundou os dois ins­ti­tutos das Fi­lhas e dos Fi­lhos da Ca­ri­dade, para fo­mentar a for­mação cristã da juventude. († 1855)

11*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, pró­ximo de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Bo­ni­fácio Zu­kowski, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Con­ven­tuais e mártir, que, du­rante a guerra, ex­te­nuado com as tor­turas so­fridas por causa da sua fé, con­sumou no cár­cere o seu martírio. († 1942)

12. No séc. VI antes da nossa era, o profeta Ezequiel (também na Folhinha do Coração de Jesus). Alguns anos antes da queda de Jerusalém, foi levado cativo para a Babilônia, onde exerceu a maior parte de seu ministério profético. Como sacerdote mostrou grande zelo pelo Templo e pela Lei. Como profeta, centrou sua pregação sobre a renovação interior do coração (Conf. o Martirológio Romano-Monástico – M). Ver páginas 230-231: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

13. Santa Mechtilde, virgem e abadessa. Ver páginas 227-229: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

Ver também dia 19 de novembro: No mos­teiro de Helfta, na Sa­xónia, re­gião da ho­di­erna Ale­manha, Santa Ma­tilde (ou Mectilde), virgem, que foi mu­lher de in­signe dou­trina e hu­mil­dade, ilu­mi­nada pelo dom di­vino da con­tem­plação mística. († c. 1298). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mosteiro de Helfta, na Saxônia, no ano do Senhor de 1298, Santa Mectildes de Hackeborn, virgem. Muito culta, teve a responsabilidade de dirigir os estudos sacros e profanos das jovens irmãs, mas mostrou especial predileção pela liturgia e pelo canto sacro. Como sua discípula Santa Gertrudes, a Grande, foi favorecida com graças místicas, que fizeram dela a cantora da Majestade Divina, do Sagrado Coração e de Nossa Senhora. (B). Ver páginas 158-159: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2020.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Matilde_de_Hackeborn

– Ver “Santa Matilde de Hackeborn (Helfta1240/1241 – 19 de novembro de 1298), foi uma monja cisterciensemística, nobre e santa católica, também conhecida por Matilde de Helfta. Sua festa é celebrada em 19 de novembro… Em 1248, com sete anos de idade, visitou com sua mãe a sua irmã Gertrudes de Hackeborn (não confundir com Gertrudes de Helfta, também chamada Gertrudes, a Grande), monja no mosteiro de Rodardsdorf.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Matilde_de_Hackeborn

14. Outros santos do dia 10 de abril: págs. 227-242 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 10 de abril, ver ainda: 10 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 316-318: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 09 de abril

NESTE 09 DE ABRIL, MARTÍRIO DA BEM-AVENTURADA LINDALVA JUSTO DE OLIVEIRA, PRIMEIRA MULHER A SER BEATIFICADA NO BRASIL (Nº 16, ABAOXO).

TAMBÉM HOJE, 09 DE ABRIL, UMA FAMÍLIA DE SANTOS (ELEVADOS À HONRA DOS ALTARES) MULHER, MARIDO, FILHOS…: SANTA VALDETRUDES (VALTRUDES) Nº 7 ABAIXO

1.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, São Má­ximo, bispo, que, du­rante o tempo em que era pres­bí­tero, acom­pa­nhou no exílio e na con­fissão da fé São Di­o­nísio (VER 08 DE ABRIL E 17 DE NOVEMBRO), a quem su­cedeu na sede episcopal. († 282). Ver “Máximo de Alexandria, foi o patriarca de Alexandria, entre os anos de 265 e 282. Foi durante seu episcopado que Paulo de Samósata foi exilado do Egito.

É venerado como santo pela Igreja Ortodoxa Copta, sendo sua festa celebrada no dia 23 de abril.” (pode não ser este o São Máximo lembrado no Martirológio Romano): https://pt.m.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1ximo_de_Alexandria

2.   Também em Ale­xan­dria, Santo Edésio (VER TAMBÉM 08 DE ABRIL), irmão de Santo An­fiano, que, no tempo do im­pe­rador Ma­xi­mino, cen­surou aber­ta­mente o juiz por en­tregar ao le­no­cínio as vir­gens con­sa­gradas a Deus, e por isso foi preso e tor­tu­rado pelos sol­dados e lan­çado ao mar, mor­rendo por Cristo Nosso Senhor. († 306). Em Alexandria, neste mesmo dia, Santo Edésio (também na Folhinha do Coração de Jesus de 08 de abril) mártir, quando do imperador Maximiano Galero. Quando tentava reprimir um ato indigno de um juiz ímpio, repreendendo-o por condenar à prostituição virgens consagradas a Deus, foi prêso por soldados, Ievado a cruéis suplícios e atirado ao mar pela fé no Senhor Jesus, no ano de 306. Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 08 de abril, no ano do Senhor de 306, a paixão de Santo Edésio. Versado nas ciências profanas assim como nas sagradas, reagiu com energia quando soube das sevícias exercidas pelo governador de Alexandria contra as virgens cristãs. Sua corajosa intervenção foi recompensada com a palma do martírio. (M). Ver página 213: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

3.   Em Sir­mium, na Pa­nónia, hoje Sremska Mi­tro­vica, na Sérvia, São De­mé­trio (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártir, que é pi­e­do­sa­mente ve­ne­rado em todo o Ori­ente, es­pe­ci­al­mente em Tessalónica. († s. III/IV)

4.   Em Ce­sa­reia, na Ca­pa­dócia, hoje Kay­seri, na Tur­quia, Santo Eup­sí­quio, mártir, que, por ter des­truído o templo da deusa For­tuna, so­freu o mar­tírio no tempo do im­pe­rador Ju­liano Apóstata. († c. 362)

5.   Em Le Mans, na Gália Li­o­nense, hoje na França, São Li­bório, bispo. († s. IV)

6.   Em Amida, na Me­so­po­tâmia, hoje Diyar­bakir, na Tur­quia, Santo Acácio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, para res­gatar os persas ca­tivos e su­jeitos a duros su­plí­cios, per­su­adiu o clero e chegou a vender aos ro­manos os vasos sa­grados da Igreja. († s. V). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 688, na Mesopotâmia, Santo Acádio (ou Acácio), bispo, que para resgatar prisioneiros de guerra mandou fundir e vender os vasos sagrados da sua igreja. (M)

7.   Em Mons, na Nêus­tria, hoje na Bél­gica, Santa Val­de­trudes, (Valtrudes) que era irmã de Santa Al­de­gundes, es­posa de São Vi­cente Ma­del­gário e mãe de quatro santos, e, imi­tando seu es­poso, se con­sa­grou a Deus e tomou o há­bito mo­nás­tico num ce­nóbio por ela fundado. († 688). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 688, Santa Valdetrudes, mãe de família cristã. Depois de ter criado seus quatro filhos, todos honrados como santos, abraçou uma vida de oração na solidão, na qual várias vocações a ela se juntaram, o que originou a fundação de um mosteiro em torno do quan se formou a cidade de Mons, na região do Hainaut (Bélgica). (M). Ver também Santa Valtrudes às páginas 214-215: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Na história da Cristandade não faltam casos de famílias inteiras que foram elevadas às honras dos altares, como, por exemplo, a santa festejada no dia de hoje, Valdetrudes (em francês Waudru), que é venerada com seus genitores, São Valdeberto e Santa Bertila, com sua irmã Santa Aldegundes, com seu esposo, São Vicente Madelgário, e seus quatro filhos: São Landerico, Bispo de Paris, São Dentilino, falecido ainda jovem, Santa Aldetrudes, Abadessa de Maubeuge e Santa Madelberta, Abadessa no mesmo mosteiro…”: http://heroinasdacristandade.blogspot.com/2012/04/santa-valdetrudes-abadessa-festejada-9.html

8.   Em Jumièges, também na Nêus­tria, hoje na França, Santo Hugo, bispo de Rouen, que go­vernou si­mul­ta­ne­a­mente o mos­teiro de Fon­te­nelle e as Igrejas de Paris e de Baieux e, fi­nal­mente, re­nun­ci­ando a estas fun­ções, di­rigiu o mos­teiro de Jumièges. († 730). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 730, São Hugo, sobrinho de Carlos Magno e primo-irmão de Pepino, o Breve. Consagrou sua vida ao serviço da Igreja e do monaquismo como abade de Fontenelle, e posteriormente como bispo de Paris e de Bayeux. (M)

9.   No lugar de São Vi­cente, pró­ximo de Bri­vi­esca, em Cas­tela, re­gião da Es­panha, Santa Cas­silda, virgem, que, tendo nas­cido na re­li­gião ma­o­me­tana, ajudou com­pas­si­va­mente os cris­tãos en­car­ce­rados e de­pois se­guiu a vida cristã na so­lidão eremítica. († 1075). Ver também páginas 218-219: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Santa Cacilda ( – + Briviesca1007) foi uma princesa moura que fruto da perseguição que foi feita pelo pai contra a sua religiosidade cristã, se tornou eremita e que é muito venerada em BurgosToledo e Saragoça.

Tem a particularidade, tal como à Rainha Santa Isabel e à sua tia Santa Isabel da Hungria, de lhe ser atribuída o Milagre das Rosas.

Houve tempos que era invocada em tempos de guerra.

Sua festa litúrgica e comemorada no dia 9 de abril.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Santa_Cacilda

10*.   Em Au­reil, no ter­ri­tório de Li­moges, na França, São Gauquério, que foi có­nego re­gular e res­plan­deceu para o clero como exemplo de vida comum e zelo das almas. († 1140)

– Ver “Gauquério nasceu em Meulan-sur-Seine na segunda metade do século XI. Inicialmente foi instruído nas artes liberais e posteriormente se colocou sob a guia de Humberto, Cônego de Limoges. Aos 18 anos de idade, junto com Germundo, seu amigo, foi viver a vida na solidão, como eremita na floresta. No entanto, a solidão dos dois durou pouco: vários jovens iam chegando um após o outro: desejavam aprender o caminho da vida religiosa com Gauquério. Por esse motivo, Guaquério pedirá aos cônegos de Limoges a permissão para construir um mosteiro num bosque que era da propriedade do capítulo. Assim nasceu o mosteiro de Aureil. Mais tarde Gauquério iria fundar também um mosteiro feminino: ambas as fundações seguiriam a regra de Santo Agostinho. Aos 80 anos de idade, no dia 9 de abril, o Santo ia à cavalo quando se desequilibrou e caiu: feriu-se tão gravemente que morreu quase que imediatamente. Seu corpo foi sepultado em Aureil. Papa Celestino III emitiu um decreto reconhecendo a santidade de Gauquério.”: https://pt.aleteia.org/daily-prayer/terca-feira-9-abril/

– Ver também “São Gauquério nasceu em Meulan-sur-Seine – França na segunda metade do século XI e alcançou uma cultura humanística.
Desejoso de uma vida mais austera retirou-se num lugar solitário. Ao se transferir em outra região da França, por três anos viveu como ermitão, até que, acorrendo a ele muitos discípulos, edificou dois mosteiros: um para homens, outro para mulheres, pondo-os sob a regra canônica de Santo Agostinho. Passou o resto da vida com os irmãos, dando a todos, exemplo de toda virtude. Morreu aos oitenta anos em 09 de abril de 1140.”: http://www.conegoslateranenses.comunidades.net/abril-maio-junho

11*.   Junto ao monte Se­nário, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, o Beato Ubaldo de Sansepolcro, pres­bí­tero da Ordem dos Servos de Maria, que foi con­du­zido da mi­lícia ter­restre ao ser­viço de Maria por São Fi­lipe Benízi. († 1315)

12*.   Em Tana, na Índia ori­ental, o Beato Tomás de Tolentino, pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores e mártir, que, tendo par­tido para anun­ciar o Evan­gelho no im­pério da China, quando pas­sava pelas terras dos Tár­taros e dos In­di­anos, co­roou a sua missão com glo­rioso martírio. († 1321)

13*.   Em Bri­che­rásio, junto de Pi­ne­rolo, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, o Beato An­tónio Pa­vóni, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, ao sair da igreja onde pre­gara contra a he­resia, foi bar­ba­ra­mente trucidado. († 1374). Ver páginas 220-221: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

14♦.   Em Dax, na Aqui­tânia, re­gião da França, a Beata Mar­ga­rida Rutan, virgem da Con­gre­gação das Fi­lhas da Ca­ri­dade de São Vi­cente de Paulo e mártir. († 1794)

15*.   No campo de con­cen­tração de Aus­chwitz, perto de Cra­cóvia, na Po­lónia, a Beata Ce­les­tina Faron, virgem da Con­gre­gação das Pe­quenas Servas da Ima­cu­lada Con­ceição e mártir, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da Po­lónia, foi en­cer­rada no cár­cere por causa da sua fé em Cristo e, ator­men­tada por cruéis su­plí­cios, al­cançou a glo­riosa coroa do martírio. († 1944).

16♦.   Em Sal­vador da Baía, no Brasil (NESTE DIA 09 DE ABRIL, CONFORME MARTIROLÓGIO ROMANO, nº 1 abaixo), a (MARTÍRIO DA) BEATA LIN­DALVA JUSTO DE OLIVEIRA, virgem da Com­pa­nhia das Fi­lhas da Ca­ri­dade de São Vi­cente de Paulo e mártir. († 1993). Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lindalva_Justo_de_Oliveira

– Ver “…após o processo canônico, para alegria da Igreja no Brasil, no dia 2 de dezembro de 2007, irmã Lindalva foi beatificada pelo papa Bento XVI, pelo seu testemunho de entrega da vida em favor dos irmãos e do Cristo, o divino Esposo.”: https://pt.aleteia.org/daily-prayer/domingo-7-de-janeiro/

Ver também “Esta Filha da Caridade certamente não esperava morrer em uma idade tão jovem (20/10/1953 – 09/04/1993). Tendo oferecido sua vida, ela testemunhou por sua morte que “Ninguém tem amor maior do que este para dar a vida para os amigos” (Jo. 15:13).

O processo de beatificação foi iniciado pela aclamação popular. As pessoas foram tocadas pela fé desta jovem irmã, seu serviço aos pobres e fidelidade ao seu compromisso que acabou levando ao seu martírio. A beatificação ocorreu em Salvador – Bahia, Brasil, no dia 2 de dezembroNd 2007, em um enorme estádio com quase 60.000 pessoas presentes.

Irmã Lindalva foi a primeira mulher a ser beatificada no Brasil. Ela ainda era uma jovem filha da caridade, 4 anos de vocação, quando foi martirizada. Sua fidelidade à sua vocação e seu amor por todos sem preferências eram tão intensos que ela não hesitou em dar sua vida por eles.”: http://filles-de-la-charite.org/pt/history/saints-and-blessed-daughters-of-charity/blessed-lindalva-justo-de-oliveira/ 

– Ver “Beata Lindalva Justo de OliveiraFDC (Assu20 de outubro de 1953 — Salvador9 de abril de 1993) foi uma religiosa das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, proclamada beata mártir pela Igreja Católica no dia 2 de dezembro de 2007. Seus restos mortais encontram-se na Capela das Relíquias da Beata Lindalva, na região central da cidade do Salvador, desde o dia 6 de abril do ano de 2014. Por guardar as relíquias de uma mártir católica a capela é um importante centro de devoção e recebe diariamente a visita de muitas pessoas.[1]Martirizada em 09 de abril: No amanhecer do dia 9 de abril, Sexta-Feira Santa, Irmã Lindalva participou da Via-Sacra, na paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem. [2]Ao regressar, serviu o café da manhã aos idosos, como de costume. A irmã – ocupada com o serviço – não percebeu que Augusto se aproximava. Foi surpreendida com um toque no ombro. Ao virar-se, recebeu os golpes que lhe tiraram a vida. Um senhor ainda tentou intervir; mas Augusto ameaçou de morte quem ousasse se aproximar. Após o crime, o assassino foi esperar a polícia sentado em um banco, na frente do abrigo. Após condenação, foi internado em um manicômio judiciário.

Os médicos legistas identificaram 44 perfurações no corpo da religiosa. Imediatamente seu assassinato foi identificado pela comunidade católica como martírio, e associaram a tragédia às celebrações da Sexta-Feira da Paixão.[2]”: 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lindalva_Justo_de_Oliveira

– Ver também “Toda santidade passa pelo crisol do sofrimento. Em 1993, devido a uma recomendação, o abrigo acolheu entre os anciãos Augusto da Silva Peixoto, homem de 46 anos. Ele passou a assediar Ir. Lindalva, e chegou até mesmo a manifestar-lhe suas intenções. Ela começou a ter medo, e procurou afastar-se o mais que pode. Confidenciou-se com outras irmãs e refugiava-se na oração. Seu amor aos velhinhos a mantiveram no abrigo, e chegou a dizer a uma irmã: “prefiro que meu sangue seja derramado do que afastar-me daqui”.

Por não ser correspondido, Augusto foi à Feira de São Joaquim na Segunda-feira Santa e comprou uma peixeira, que amolou ao chegar no abrigo. Não dormiu na noite de quinta para sexta-feira santa. De manhã, Irmã Lindalva havia participado da Via-Sacra, ao raiar da aurora, na paróquia da Boa Viagem. Ao regressar, foi servir o café da manhã aos idosos. Subiu as escadarias da enfermaria, como se estivesse subindo para o calvário, e pôs-se a servir pão com café e leite para os internos da ala masculina. Todos eles estavam em fila, esperando a vez. A irmã, compenetrada com o café, tinha a cabeça baixa quando sentiu um toque no ombro: virou-se e teve tempo apenas de ver o rosto enraivecido do homem que conhecera havia poucos meses… Em seguida, foram dezenas de facadas, pontilhadas por todo o corpo. Tudo diante do semblante horrorizado dos velhinhos que assistiam à cena bem em frente à mesa de café. Um senhor ainda tentou evitar a tragédia, avançando sobre o assassino. Mas Augusto Peixoto estava decidido e, ameaçou de morte quem ousasse se aproximar. Terminado o crime, foi esperar a polícia sentado em um banco na frente da casa. Do abrigo, ele foi para Casa de Detenção e, posteriormente, parou no Manicômio Judiciário. Passados dez anos, os laudos psiquiátricos indicam que ele já não apresenta mais perigo à sociedade. Mas Augusto não tem para onde ir, e o manicômio é sua única casa. Hoje se diz arrependido, e não sabe como foi capaz de fazer aquilo.

Os médicos legistas contaram no corpo de Ir. Lindalva 44 perfurações. Naquela sexta-feira santa, enquanto Cristo morria na cruz, ela morria na sua enfermaria. Cristo levou 39 açoites, e com as 5 chagas, dos pés, mãos e costado, ao todo 44,  unia simbolicamente a morte de Lindalva à sua paixão, que um pouco antes ela acabara de celebrar na Via-Sacra. Com impressionante realismo ela agora podia repetir as palavras de Cristo no Evangelho: “Não vim para ser servido, mas para servir e dar a minha vida em resgate de muitos” (Mt 20, 28).

À noite, a procissão do Senhor Morto, que todos os anos passava por aqueles quarteirões, parou na Capela do abrigo. O caixão com corpo de Ir. Lindalva foi trazido e colocado entre o féretro do Senhor Morto e a estátua de Nossa Senhora das Dores. Por toda aquela noite ali compareceu uma multidão de fiéis, padres, religiosos, pessoas de todas as condições sociais, e até mesmo evangélicos, vindos de toda a cidade. Pela manhã do Sábado Santo Dom Lucas Moreira Neves, então Cardeal Primaz de Salvador, celebrou as exéquias. Na missa do domingo in albis ele comentou que poucos anos de vida religiosa foram suficientes para que ela recebesse a graça do martírio, pois deu a sua vida por amor, como São Maximiliano Maria Kolbe, também mártir. E evocando as “sugestões que o seu nome encerra”, disse: “Linda alva é a branca veste que ela, como cada cristão, recebeu no seu batismo; Linda alva é o seu hábito azul de Irmã de Caridade, agora alvejado no Sangue do Cordeiro (Ap. 7, 14) ao qual se misturou o seu sangue; Linda alva é a límpida aurora da Páscoa de Jesus, que raiou para ela três dias depois da sua trágica sexta-feira santa. Límpida aurora – linda alva – da sua própria Páscoa!”: http://www.santosdobrasil.org.br/?system=news&eid=294 

VER TAMBÉM DIA 07 DE JANEIRO: Bem-Aventurada Lindalva Justo de Oliveira (também na Folhinha do Coração de Jesus).

– Ver ainda: BEM-AVENTURADOS BRASILEIROS QUE AINDA NÃO ESTÃO INSCRITOS NO CALENDÁRIO LITÚRGICO DO BRASIL (conforme o DIRETÓRIO DA LITURGIA – CNBB – 2021):

1. Bem-aventurada Lindalva Justo de Oliveira, mártir: 07 de janeiro (beatificada em 02/12/2007)

2. Bem-aventurado João Schiavo, presbítero: 27 de janeiro (beatificado em 28/10/2017)

3. Bem-aventurados Manuel Gómez González e Adílio Daronch, mártires: 21 de maio (beatificados em 21/10/2007)

4. Bem-aventurada Francisca de Jesus (“Nhá Chica”), leiga e virgem: 14 de junho (beatificada em 04/05/2013)

5. Bem-aventurada Albertina Berkenbrock, leiga e mártir: 15 de junho (beatificada em 20/10/2007)

6. Bem-aventurado Donizetti Tavares de Lima, presbítero: 16 de junho (beatificado em 23/11/2019)

7. Bem-aventurada Assunta Marchetti, religiosa: 01 de julho (beatificada em 25/10/2014)

8. Bem-aventurado Eustáquio van Lieshout, presbítero: A 30 de agosto (beatificado em 15/06/2006)

9. Bem-aventurado Francisco de Paula Vítor, presbítero: 23 de setembro (beatificado em 14/11/2015)

10. Bem-aventurado Mariano de la Mata Aparício, presbítero: 05 de novembro (beatificado em 05/11/2006)

11. Bem-aventurada Bárbara Maix, fundadora: 06 de novembro (beatificada em 06/11/2010)

17. Santa Maria de Cléofas (também na Folhinha do Coração de Jesus):  ver páginas 216-217: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Maria de Cléofas (hebraico: מרי של קליאופס; gregoΜαρία του ΚλεόπαςlatimMaria Cleophae) é a tia de Jesus, irmã de Maria de Nazaré, e casada com Cléofas (Cleofas, Cleofás, Cleopas, Clopas), também conhecido como Alfeu.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Maria_de_Cle%C3%B3fas

18. São Badêmio, mártir. Ver páginas 222-223: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

19. Na África do Norte os Santos Mártires de Massília, cuja paciência foi louvada por Santo Agostinho. Sua menção figura no mais antigo calendário de Cartago (Conforme o Martirológio Romano-Monástico –M)

20. Outros santos do dia 09 de abril: págs. 214-226 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 09 de abril, ver ainda: 9 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 314-316: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 08 de abril

NOSSA SENHORA DA PENHA: Ver:  

08 DE ABRIL: NOSSA SENHORA DA PENHA “Nossa Senhora da Penha é o título da Virgem Maria que teve início quando um monge francês chamado Simão sonhou com uma imagem de Nossa Senhora que estava enterrada no alto de uma montanha de difícil acesso. A imagem estaria enterra ali por causa de uma guerra entre franceses e muçulmanos.” http://www.arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/nossa-senhora-da-penha

VER 01 DE SETEMBRO E 08 DE SETEMBRO: Nossa Senhora da Penha de França ou Nossa Senhora da Penha é um dos nomes que recebe Maria, mãe de Jesus, que acreditam os católicos, apareceu a Simão Vela no oeste da Espanha, numa serra chamada Penha de França. Lá, sua festa é comemorada no dia 8 de setembro. Também em São Paulo e em Itapira ocorre a cada 8 de setembro. Em Resende Costa, onde é padroeira, comemora-se no dia 1° de setembro, assim como na cidade do Crato, na cidade de Campos Sales e no Bairro da Penha em Campos dos Goytacazes. Já no Espírito Santo, mais precisamente na Grande Vitória, a Festa da Penha é realizada todos os anos no Convento da Penha na cidade de Vila Velha sempre oito dias depois do domingo de Páscoa[2], sendo feriado municipal em Cariacica[3]Vila Velha[4]Vitória[5] e também em Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Estado. É considerada pela Igreja Católica como a terceira maior festa religiosa do Brasil, ficando atrás somente da comemoração que homenageia a padroeira do Brasil, em Aparecida (São Paulo), e do Círio de Nazaré, em Belém, no Pará.[2]”  https://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_da_Penha_de_Fran%C3%A7a

https://www.altoastral.com.br/nossa-senhora-da-penha/

– Ver 01 DE SETEMBRO: NOSSA SENHORA DA PENHA, RAINHA E PADROEIRADE SÃO PAULO às págs. 366-374. OBSERVAÇÃO: entre as páginas 370-373, texto sobre NOSSA SENHORA APARECIDA:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

1.   Co­me­mo­ração de Santo Agabo, pro­feta, que, se­gundo o tes­te­munho dos Actos dos Apóstolos, mo­vido pelo Es­pí­rito Santo, anun­ciou uma grande fome em toda a terra e os tor­mentos que Paulo ia so­frer da parte dos gentios. Ver “Ágabo, o Profeta (em grego: Ἄγαβος) foi um dos primeiros fiéis seguidores de Jesus, mencionado nos Atos dos Apóstolos como sendo um profeta. Ele é tradicionalmente listado também entre os Setenta Discípulos descritos no evangelho de Lucas (Lucas 10:1-24).”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/%C3%81gabo,_o_Profeta

– VER 13 DE FEVEREIRO: Santo Agabo, profeta. Ver páginas 230-231: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

2.   Co­me­mo­ração dos santos He­ro­dião, As­sín­crito e Fle­gonte, que o após­tolo São Paulo saúda na Epís­tola aos Romanos (Rm 16,11-14). Ver páginas 189-190: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

3.   Co­me­mo­ração de São Di­o­nísio, bispo de Co­rinto, na Grécia, que, do­tado de ad­mi­rável co­nhe­ci­mento da pa­lavra de Deus, não só ins­truiu com a pre­gação os fiéis da sua ci­dade epis­copal e da sua pro­víncia, mas en­sinou também com as suas cartas os bispos de ou­tras ci­dades e províncias. († 180). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 180, o Bem-Aventurado Dionísio, bispo de Corinto. Segundo o historiador Eusébio, exerceu grande influência através de suas cartas dirigidas às Igrejas, nas quais ele exortava à paz, à unidade e à fidelidade do Evangelho (M). Ver páginas 184-188: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

Ver “São Dionísio Bispo de Corinto, viveu por volta do ano 171 Sua festa é comemorada no dia 8 de abril[1]. A data em que esteve vivo (floruit) é dada pelo fato de que ele escreveu para o Papa Sotero[a]Eusébio, em sua obra Crônicas, aponta-o como estando vivo no décimo-primeiro ano do imperador Marco Aurélio (171). Quando Hegésipo esteve em Corinto nos tempos do Papa AnicetoPrimo era o bispo (ca. 150-5), enquanto Báquilo foi bispo de Corinto durante a Controvérsia da Páscoa (entre 190-8). A única fonte pela qual conhecemos Dionísio hoje em dia é Eusébio, pois Jerônimo (De Viris Illustribus, cap. 27[2]) utilizou-o como única fonte. Eusébio conhecia uma coleção de sete das “Cartas Católicas às Igrejas” de Dionísio, assim como uma carta para ele de Pinito de CretaBispo de Cnossos, e uma carta pessoal de conselhos espirituais para uma senhora chamada Crisófora[1].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Dion%C3%ADsio_de_Corinto

4.   Em An­ti­o­quia, na Síria, hoje An­takya, na Tur­quia, os santos Ti­móteo, Dió­genes, Ma­cário e Má­ximo (também na Folhinha do Coração de Jesus, Máxima), mártires. († data inc.)

5.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, São Di­o­nísio, bispo, homem de grande eru­dição, me­mo­rável por ter pro­fes­sado a fé muitas vezes e in­signe pelas di­versas tri­bu­la­ções e tor­turas su­por­tadas, que, no tempo dos im­pe­ra­dores Va­le­riano e Ga­lieno, com idade avan­çada ador­meceu no Se­nhor como con­fessor da fé. († c. 265). Ver “Dionísio de Alexandria (em latimDionysius Alexandrinus), chamado o Grande, foi o patriarca de Alexandria, entre os anos de 248 e 265. Há muitas informações sobre Dionísio em virtude da extensa correspondência expedida por ele em vida. Porém, apenas uma das cartas originais sobreviveu e conhecemos as demais pelas transcrições feitas por Eusébio de Cesareia em sua História Eclesiástica. No entanto, estas informações são mais detalhadas a partir da eleição ao episcopado.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Dion%C3%ADsio_de_Alexandria

– VER 17 DE NOVEMBRO: Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 264, São Dionísio, bispo de Alexandria. Discípulo de Orígenes e escritor, confessou sua fé durante as perseguições de Décio e de Valeriano, e morreu no exílio. (M). Ver páginas 98-99: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2020.pdf

6.   Em Como, na Li­gúria, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, Santo Amâncio, bispo, que foi o ter­ceiro a ocupar esta cá­tedra epis­copal e cons­truiu a ba­sí­lica dos Apóstolos. († 449)

7*.   Em Or­vieto, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Cle­mente de Ósimo, pres­bí­tero da Ordem dos Ere­mitas de Santo Agos­tinho, que di­rigiu e pro­moveu efi­caz­mente a Ordem e re­formou sa­bi­a­mente as suas leis. († 1291)

8*.   Em Al­calá de He­nares, na Es­panha, o beato Ju­lião de Santo Agostinho, re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores Des­calços, que, con­si­de­rado ali­e­nado mental por causa da sua ri­go­rosa pe­ni­tência e vá­rias vezes afas­tado da vida re­li­giosa, anun­ciou a Cristo mais pelo exemplo da sua vir­tude que pela palavra. († 1606). Ver também São Juliano de Santo Agostinho, às páginas 204-208: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

9.   Em Namur, junto ao rio Mosa, no Bra­bante, na ac­tual Bél­gica, Santa Júlia Bil­liart (também na Folhinha do Coração de Jesus e em 2020 na Folhinha do Coração de Jesus de 13 de maio), virgem, que fundou o Ins­ti­tuto de Santa Maria para a for­mação da ju­ven­tude fe­mi­nina e pro­pagou ar­do­ro­sa­mente a de­voção ao Sa­grado Co­ração de Jesus. († 1816) Ver páginas 209-212: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

Ver também “Maria Rosa Júlia Billiart (CuvillyPicardia12 de julho de 1751 — Namur8 de abril de 1816) foi uma santa católica, beatificada pelo Papa Pio X em 13 de maio 1906 e canonizada por Paulo VI 22 de junho de 1969. Fundadora da Congregação de Notre Dame de Namur, é festejada em 8 de abril.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/J%C3%BAlia_Billiart

10*.   Em Alássio, pró­ximo de Al­benga, na Li­gúria, re­gião da Itália, o Beato Au­gusto Czar­toryski, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana, cuja en­fer­mi­dade não im­pediu que, se­guindo fir­me­mente o cha­ma­mento de Deus, re­ce­besse es­pe­ciais dons de santidade. († 1893)

11*.   No con­vento de Bel­monte, perto de Cu­enca, na Es­panha, o beato Do­mingos do San­tís­simo Sa­cra­mento Iturrate, pres­bí­tero da Ordem da San­tís­sima Trin­dade, que se de­dicou com todas as suas forças a pro­mover a sal­vação das almas e a exaltar a glória da San­tís­sima Trindade. († 1927).

– VER 11 DE MAIO: São Domingos do Santíssimo Sacramento. VerDomingos do Santíssimo Sacramento no siglo Domingo Iturrate Zubero: (Dima11 de maio de 1901Belmonte7 de abril de 1927) foi um sacerdote da Ordem da Santíssima Trindade e toda a sua vida foi composta por uma busca da santidade segundo a fé católica.: https://pt.wikipedia.org/wiki/Domingos_do_Sant%C3%ADssimo_Sacramento

12. São Perpétuo, Bispo e Confessor. Ver páginas 191-196: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

13. São Redento, Bispo e Confessor. Ver páginas 197-198: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

14. São Galtério de Pontoise, Abade e Confessor. Conforme o Martirológio Romano-Monástico: São Gaudério, abade de Saint-Martin de Pontoise. Nomeado superior contra sua vontade, aplicou em seu mosteiro os princípios da reforma religiosa proposta por Gregório VII para a Igreja inteira. Entrou no paraíso na sexta-feira santa de 1099 (X). Ver páginas 199-203: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

15. No Martirológio Romano de 09 de abril (VER 09 DE ABRIL), também em Ale­xan­dria, Santo Edésio, irmão de Santo An­fiano, que, no tempo do im­pe­rador Ma­xi­mino, cen­surou aber­ta­mente o juiz por en­tregar ao le­no­cínio as vir­gens con­sa­gradas a Deus, e por isso foi preso e tor­tu­rado pelos sol­dados e lan­çado ao mar, mor­rendo por Cristo Nosso Senhor. († 306).  Em Alexandria, neste mesmo dia (08 DE ABRIL), Santo Edésio (também na Folhinha do Coração de Jesus) mártir, quando do imperador Maximiano Galero. Quando tentava reprimir um ato indigno de um juiz ímpio, repreendendo-o por condenar à prostituição virgens consagradas a Deus, foi prêso por soldados, Ievado a cruéis suplícios e atirado ao mar pela fé no Senhor Jesus, no ano de 306. Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 08 de abril, no ano do Senhor de 306, a paixão de Santo Edésio. Versado nas ciências profanas assim como nas sagradas, reagiu com energia quando soube das sevícias exercidas pelo governador de Alexandria contra as virgens cristãs. Sua corajosa intervenção foi recompensada com a palma do martírio. (M). Ver página 213: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

16. São Válter de Pontoise, também na Folhinha do Coração de Jesus (DE 08 DE ABRIL)

– VER 23 DE MARÇO: Em Pon­toise, perto de Paris, na França, São Gualter, pri­meiro abade do mos­teiro desta lo­ca­li­dade, que, re­nun­ci­ando à sua in­cli­nação para a vida so­li­tária, en­sinou aos monges com o seu exemplo a ob­ser­vância re­gular e com­bateu os cos­tumes si­mo­níacos no clero. († 1095)

– Ver “São Walter de Pontoise ( francês : Saint Gautier, Gaultier, Gaucher ; c.  1030 – c.  1099 ) foi um santo francês do século XI. Nascido em Andainville , [3] foi professor de filosofia e retórica antes de se tornar monge beneditino em Rebais (diocese de Meaux ). Uma história que conta a seu respeito é que, quando era novato, Walter teve pena de um prisioneiro na prisão do mosteiro e ajudou o prisioneiro a escapar. [2]”: https://en.wikipedia.org/wiki/Walter_of_Pontoise

17. Santa Constantina ou Constança. Ver “Constantina (325 — 354), mais tarde conhecida como Santa Constantina ou Santa Constança, foi a filha mais velha do imperador romano Constantino e de sua segunda esposa Fausta, filha do imperador Maximiano. Recebeu o título de Augusta por seu pai, e é venerada como uma santa, tendo desenvolvido uma lenda medieval em desacordo com o que é conhecido da personagem real.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Constantina_(filha_de_Constantino)

18. Outros santos do dia 08 de abril: págs. 184-213 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 08 de abril, ver ainda: 8 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 312-313: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 07 de abril

1. Me­mória de São João Bap­tista de la Salle (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, que em Ruão, na Nor­mandia, re­gião da França, se de­dicou com grande di­li­gência à for­mação hu­mana e cristã das cri­anças, prin­ci­pal­mente das mais po­bres, fun­dando para isso a Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs, pela qual su­portou muitas tri­bu­la­ções, tor­nando-se grande be­ne­mé­rito do povo de Deus.  († 1719). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São João Batista de La Salle, que fundou em Reims, sua cidade natal, o Instituto dos Irmãos da Escolas Cristãs, a serviço do ensino popular. Contribuiu para a expansão de sua obra aceitando no silêncio as humilhações sem conta que lhe vieram dos seus mais próximos colabores. (R). Ver página 377: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– Ver também página 181: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

Ver “João Batista de La Salle (Reims30 de abril de 1651 – Saint-Yon7 de abril de 1719) foi um sacerdote, pedagogo e pedagogista francês inovador, que consagrou sua vida a formar professores destinados à formação de crianças pobres. Foi fundador de uma congregação religiosa, os Irmãos das Escolas Cristãs, ou Irmãos Lassalistas, dedicada à educação, especialmente dos mais pobres. Em 15 de Maio de 1950 foi declarado patrono de todos educadores, pelo Papa Pio XII.[1] [2]

Foi canonizado pela Igreja Católica. Sua festa litúrgica é comemorada no dia 7 de abril.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Batista_de_La_Salle

– Ver: http://www.irmaosdelasalle.org/sobre-a-congregacao/o-fundador

– Ver: https://www.google.com/search?q=S%C3%A3o+Jo%C3%A3o+Batista+de+La+Salle&oq=S%C3%A3o+Jo%C3%A3o+Batista+de+La+Salle&aqs=chrome..69i57j0l7.6175j0j8&sourceid=chrome&ie=UTF-8

2.   Co­me­mo­ração de Santo He­ge­sipo (Egesipo), que viveu em Roma no tempo dos papas Ani­ceto e Eleu­tério e es­creveu em lin­guagem sim­ples a his­tória da Igreja, desde a Paixão do Se­nhor até ao seu tempo. († c. 180). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no final do século II, Santo Hegesipo. Chegando a Roma durante o papado de Aniceto II, demorou-se na cidade até o pontificado de Eleutério. Durante sua permanência, escreveu uma história da Igreja, desde a Paixão do Senhor até o seu tempo (M). Ver também páginas 163-164: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Santo Hegésipo (em grego: Ἅγιος Ἡγήσιππος), foi um cronista durante o cristianismo primitivo e que provavelmente era um judeu-cristão[1] e que certamente escreveu contra heresias como o gnosticismo e o marcionismo. A data em que Hegésipo viveu é obtida de maneira insegura através de uma afirmação de Eusébio de que a morte e a apoteose de Antínoo (em 130 d.C.) teria ocorrido quando Hegésipo ainda estava vivo[a], de que ele teria ido a Roma durante o reinado do papa Aniceto (ca. 150 – 168) e teria escrito durante o reinado do papa Eleutério (ca. 174 – 189 d.C.)[2].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Heg%C3%A9sipo

3.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, São Pe­lúsio, pres­bí­tero e mártir. († d. inc.)

4.   Em Pen­tá­polis, na Líbia, os santos már­tires Te­o­doro, bispo, Ireneu, diá­cono, Se­ra­pião e Amónio, leitores. († s. IV)

5.   Em Pom­peió­polis, lo­ca­li­dade da Ci­lícia, na ac­tual Tur­quia, São Ca­liópio, mártir. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no Oriente, a paixão de São Calíopo, crucificado de cabeça para baixo na Sexta-Feira Santa do ano de 304 (M). – Ver também “… Máximo, então, ordenou que o crucificassem. E Teoclia, sabendo-o, correu aos carrascos, dando-lhes cinco peças de prata, para que o crucificassem de cabeça para baixo. Morto Caliópio, corria o ano de 304, a mãe, rendendo graças ao Senhor, recebeu-o nos braços. E, abraçando-o, assim morreu, sendo ambos recolhidos por cristãos da cidade e sepultados religiosamente.” às páginas 165-168: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

6.   Em Sí­nope, no Ponto, também na ac­tual Tur­quia, du­zentos santos mártires, soldados. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Sínopo, no Ponto, durante a perseguição de Maximiniano, o martírio de Duzentos Soldados, que se converteram diante dos prodígios realizados no momento em que dois cristãos eram torturados (M).

7.   Em Mi­ti­lene, na ilha de Lesbos, na Grécia, São Jorge, bispo, que, no tempo do im­pe­rador Leão o Ar­ménio, su­portou muitos tor­mentos por de­fender o culto das sa­gradas imagens. († 816)

8*.   Junto ao mos­teiro de Crespin, no Hai­naut, hoje na França, Santo Ai­berto, pres­bí­tero e monge, que todos os dias re­ci­tava na so­lidão, de jo­e­lhos ou pros­trado em terra, todo o Sal­tério, e aos pe­ni­tentes que a ele acor­riam ad­mi­nis­trava a di­vina misericórdia. († 1140). Ver “Santo Aiberto, confessor” às páginas 176-180: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

9*.   No mos­teiro pre­mons­tra­tense de Stein­feld, na Ale­manha, Santo Her­mano José, pres­bí­tero, que res­plan­deceu pelo seu terno amor para com a Virgem Maria e ce­le­brou com hinos e cân­ticos a de­voção ao di­vino Co­ração de Jesus. († 1241/1252). Ver “Bem-aventurado Hermano José, premonstratense, confessor.” páginas 171-172: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

10.   Em York, na In­gla­terra, Santo Hen­rique Wal­pole, da Com­pa­nhia de Jesus, e o Beato Ale­xandre Ra­wlins, pres­bí­teros e már­tires, que, no rei­nado de Isabel I, foram presos e cru­el­mente ator­men­tados por causa do seu sa­cer­dócio e, fi­nal­mente, con­du­zidos ao pa­tí­bulo, en­for­cados e di­la­ce­rados, al­can­çaram a coroa eterna. († 1595)

11.   Em Wor­cester, também na In­gla­terra, os be­atos már­tires Edu­ardo Old­corne, pres­bí­tero, e Ro­dolfo Asley, re­li­gioso, ambos da Com­pa­nhia de Jesus, que exer­ceram clan­des­ti­na­mente du­rante muitos anos o mi­nis­tério apos­tó­lico, até que, sob a acu­sação falsa de con­jura contra o rei Jaime I, foram in­tro­du­zidos no cár­cere, tor­tu­rados e fi­nal­mente di­la­ce­rados ainda vivos. († 1606)

12.   Na Co­chin­china, no ac­tual Vi­etnam, São Pedro Nguyen Van Luu, pres­bí­tero e mártir, que, no tempo do im­pe­rador Tu Duc, foi con­de­nado à pena ca­pital e morreu com ale­gria no patíbulo. († 1861)

13*.   Em Don­gerkou, lo­ca­li­dade da China, a Beata Maria As­sunta Pallotta, virgem das Irmãs Fran­cis­canas Mis­si­o­ná­rias de Maria, que, ocu­pando-se dos ser­viços hu­mildes, levou uma vida sim­ples e oculta pelo reino de Cristo. († 1905)

14. Santo Afraates, solitário. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Santo Afrato, anacoreta, filho de persas convertidos. No tempo do imperador Valêncio, confirmou diversos cristãos na fé na divindade do Verbo. Ver páginas 160-162: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “Afraates ou Afrates (em grego: Aφραάτης; romaniz.: Aphraates; em persa: فرهاد; romaniz.: Aphrahat e em siríaco: ܐܦܪܗܛ) foi um ermitão de origem persa do século IV, que esteve ativo na Mesopotâmia e Síria durante o reinado do imperador Valente (r. 365–378) e talvez de Teodósio (r. 378–395). Sua vida é conhecida somente pelo relato de Teodoreto, que teria sido levado quando garoto para visitar o eremita em Antioquia e foi abençoado pelo mesmo.[1]”:  https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Afraates_(ermit%C3%A3o)

15. Bem-Aventurado Eberardo, confessor. Ver “…Com a espôsa, de comum acôrdo, deixou o século e abraçou a vida religiosa. Eberardo tomou o hábito no mosteiro de Todos os santos e Ita no convento de Santa Inês.”, às páginas 169-170: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

16. Bem-aventurada Ursulina, (também na Folhinha do Coração de Jesus, virgem. Ver páginas 173-175: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

17. São Guilherme de Scicli. Lembrado na Folhinha do Coração de Jesus.

– Ver “Guilherme Cufitella era um terceiro franciscano que se tornou eremita nas imediações de Scicli na Sicília, e passou cerca de 70 anos em sua pequena cela, entregue à oração e a mortificações severíssimas. Vivia de hortaliças que cultivava em seu jardim e de pequena porção do que os fiéis lhe traziam. Raras vezes saía do eremitério, exceto para visitar e socorrer os doentes pobres pelos quais tinha grande compaixão, ou para atender ao serviço da capela de Nossa Senhora da Piedade, contígua à sua cela e que fora confiada a seus cuidados. Muita gente ia visitá-lo à procura de direção e orientação para sua vida espiritual. Uma amizade muito estreita unia-o a um outro santo solitário, o Beato Conrado de Piacenza (ver 19 de fevereiro), que vinha de Pizzoni passar a Quaresma em sua companhia.
O Beato Guilherme contava 95 anos de idade quando morreu. O povo de Scicli, ao ouvir o toque dos sinos, acorreu apressado e encontrou o ancião morto de joelhos, mãos postas em oração e cercado de raios de uma luz celeste. A cidade, que posteriormente o fez seu protetor em ação de graças por tê-la preservado da peste, ainda celebra sua festa. Seu culto foi aprovado em 1537.

Bem-aventurado Guillermo de Scicli, rogai por nós!”: https://ofsbc.wordpress.com/2015/04/06/bem-aventurado-guillermo-de-scicli/

18. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 888, São Gilberto, abade de Luxeuil, morto com seus companheiros religiosos pelos bárbaros, por haver se recusado a renegar sua fé cristã e o ideal de vida monástico (X).

19. Outros santos do dia 07 de abril: págs. 160-183 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 07 de abril, ver ainda: 7 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 309-311: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 06 de abril

1.   Em Sír­mium, na Pa­nónia, hoje Sremska Mi­tro­vica, na Sérvia, a paixão de Santo Ireneu, bispo e mártir, que, no tempo do im­pe­rador Ma­xi­miano e do go­ver­nador Probo, foi cru­el­mente ator­men­tado, de­pois sub­me­tido a vá­rios su­plí­cios no cár­cere du­rante vá­rios dias, e fi­nal­mente decapitado. († s. IV)

2.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, Santo Eu­tí­quio, bispo, que pre­sidiu ao Con­cílio de Cons­tan­ti­nopla II, onde de­fendeu te­naz­mente a recta fé e, de­pois de su­portar um longo exílio, morreu pro­fes­sando a fé na res­sur­reição da carne. († 582). Ver “Eutíquio de Constantinopla (ca. 512 – 5 de abril de 582) foi Patriarca de Constantinopla entre 552 e 565 e, novamente, entre 577 e 592 Ele é considerado um santo pelas igrejas Católica e Ortodoxa. Durante todo o período, concomitante com o reino do imperador bizantino Justiniano, o Grande, foi marcado por controvérsias sobre a autoridade do imperador e do Papa.[1][2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Eut%C3%ADquio_de_Constantinopla

– Ver páginas 158-159: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

3.   Em Roma, Santa Gala, filha do cônsul Sí­maco, que, de­pois da morte do es­poso se con­sa­grou du­rante muitos anos à oração, à es­mola, aos je­juns e a ou­tras obras santas junto à igreja de São Pedro. São Gre­gório Magno des­creveu a sua morte gloriosa. († s. VI)

4*.   Em Troyes, ci­dade da Nêus­tria, na ac­tual França, São Vi­ne­baldo, abade do mos­teiro de São Lopo, cé­lebre pela sua austeridade. († c. 620). Ver também São Vinibaldo, confessor, páginas 153-154: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

5*.   Também em Troyes, São Pru­dêncio, bispo, que compôs um com­pêndio do Sal­tério para os iti­ne­rantes, co­ligiu um flo­ri­légio de pre­ceitos para os can­di­datos ao sa­cer­dócio to­mados da Es­cri­tura e re­novou a ob­ser­vância dos mosteiros. († 861)

6.   Em Ve­lehrad, na Mo­rávia, ac­tu­al­mente na Ché­quia, o dia natal de São Me­tódio, bispo, cuja me­mória se ce­lebra com a de seu irmão Ci­rilo no dia 14 de Fevereiro. († 885)

7*.   No mos­teiro de São Galo, na Suábia, hoje na Suíça, o beato Not­kero o Gago, monge, que passou quase toda a sua vida neste ce­nóbio, onde compôs nu­me­rosas sequên­cias; era débil do corpo mas não da mente, gago da língua mas não da in­te­li­gência, só­lido nas re­a­li­dades di­vinas, pa­ci­ente nas ad­ver­si­dades, afável com todos, as­síduo na oração, na lei­tura, na me­di­tação e na es­cri­tura literária. († 912).

Ver páginas 151-152: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Notker, o GagoO.S.B. (em latimNotker Balbulus), conhecido ainda como Notker INotker, o Poeta e Notker de São Galo, foi um músico, poeta e monge beneditino na Abadia de São Galo, no território da moderna Suíça. É geralmente creditado como sendo o “monge de São Galo” (“Monachus Sangallensis”) que assinou a obra “De Carolo Magno”, um livro de anedotas sobre o imperador Carlos Magno.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Notker,_o_Gago

8*.   No mos­teiro de Santo Elias, no monte Au­lina, pró­ximo de Pálmi, na Ca­lá­bria, re­gião da Itália, São Fi­la­reto, monge, in­signe pela sua vida de oração. († 1076)

– Ver página 158: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

9.   Na ilha de Es­kill, perto de Ro­es­kilde, na Di­na­marca, São Gui­lherme, abade, que, cha­mado do ce­nóbio dos Có­negos Re­grantes de Paris à Di­na­marca, res­taurou a ob­ser­vância re­gular, su­pe­rando grandes di­fi­cul­dades e obs­tá­culos, e partiu desta vida ter­rena ao ama­nhecer o do­mingo da Páscoa. († 1203). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1203, São Guilherme de Eskill, cônego de Santa Genoveva de Paris, chamado para restaurar o monaquismo na Dinamarca. (M). Ver páginas 155-157: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Guilherme de Paris (em inglêsWilliam; em latimWilhelmus), conhecido também como Guilherme de ÆbelholtGuilherme de Eskilsø e Guilherme do Paráclito, foi um clérigo francês na Dinamarca no século XII. Paráclito é uma referência ao Espírito Santo, a quem era dedicada a Abadia de Æbelholt, onde foi abade.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Guilherme_de_Paris

10.   Em Milão, na Lom­bardia, re­gião da Itália, a paixão de São Pedro de Verona, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, sendo filho de pais se­quazes do ma­ni­queísmo, abraçou ainda cri­ança a fé ca­tó­lica e na ado­les­cência re­cebeu o há­bito das mãos do pró­prio São Do­mingos; aplicou toda a sua energia no com­bate às he­re­sias, até que, ao di­rigir-se para Como, foi as­sas­si­nado pelos seus ini­migos, pro­cla­mando até ao úl­timo sus­piro o sím­bolo da fé. († 1252). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Milão, no ano de 1252, São Pedro de Verona, dominicano, martirizado por um antigo correligionário da heresia cátara. Antes de expirar, teve forças para traçar com seu sangue as primeiras palavras do Credo. (M).

– Ver “Pedro de Verona, também conhecido como Pedro Mártir (Veronaca. 1205 — Seveso6 de abril de 1252) foi um frade dominicanoinquisidor e mártir italiano do século XIII. É venerado como santo católico.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pedro_de_Verona

11*.   No mos­teiro de Santa Maria, no Sacro Monte, junto de Va­rese, também na Lom­bardia, a beata Ca­ta­rina de Pallanza, virgem, que, jun­ta­mente com al­gumas com­pa­nheiras, levou vida ere­mí­tica se­gundo a regra de Santo Agostinho. († 1478). Ver também: Bem-aventurada Catarina de Pallanza, virgem (também na Folhinha do Coração de Jesus). Ver páginas 149-150: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

12.   Em Vinh Tri, ci­dade do Ton­quim, no ac­tual Vi­etnam, São Paulo Lê Bao Tinh, pres­bí­tero e mártir, que, ainda clé­rigo, es­teve preso no cár­cere muito tempo por causa da sua fé e, ele­vado ao sa­cer­dócio, foi reitor do se­mi­nário; compôs um livro de ho­mi­lias e um com­pêndio de dou­trina cristã; fi­nal­mente, le­vado de novo a tri­bunal, foi con­de­nado à morte no tempo do im­pe­rador Tu Duc. († 1857)

13*.   Em Ve­rona, na Itália, o Beato Ze­fe­rino Agostíni, pres­bí­tero, que se de­dicou ao mi­nis­tério da pre­gação, da ca­te­quese e da edu­cação cristã, e pro­moveu obras de todo o gé­nero em favor da ju­ven­tude, dos po­bres e dos en­fermos, para as quais fundou a Con­gre­gação das Ur­su­linas Fi­lhas de Maria Imaculada. († 1896)

14*.   Em Turim, na Itália, o Beato Mi­guel Rua, pres­bí­tero, dis­cí­pulo de São João Bosco, in­signe pro­pa­gador da So­ci­e­dade Salesiana. († 1910). Ver “Miguel RúaS.D.B. (em italianoMichele Rua) foi um religioso e pedagogo italianoReitor-Mor da Congregação Salesiana. É venerado como beato pela Igreja Católica.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Rua

– Ver “Nesta quinta-feira, 29 de outubro (VER), celebra-se o dia do beato Miguel Rua – primeiro sucessor de Dom Bosco à frente da Congregação Salesiana. Miguel Rua teve um papel fundamental na consolidação e expansão do trabalho salesiano, levando a Congregação para mais de trinta países. Foi também grande amigo de Dom Bosco, estando, inclusive, ao lado do santo no momento de sua morte.”: http://www.missaosalesiana.org.br/familia-salesiana-recorda-o-dia-do-beato-miguel-rua-primeiro-sucessor-de-dom-bosco/

15*.   Em Fióbbio di Al­bino, lo­ca­li­dade pró­xima de Bér­gamo, na Itália, a Beata Pe­trina (Pierina) Mo­ro­síni, virgem e mártir, que, aos vinte e seis anos, quando vinha da ofi­cina onde tra­ba­lhava de re­gresso a sua casa, foi ata­cada por um jovem e morreu fe­rida de morte, ao de­fender a sua vir­gin­dade con­sa­grada a Deus. († 1957)

16. São Celestino (também na Folhinha do Coração de Jesus), Papa. Ver págs. 135-143: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Papa Celestino I foi papa de 422, até a data de sua morte, em 27 de julho de 432. É considerado santo e retratado na arte com um dragão, uma pomba e uma chama.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Celestino_I

17. São Marcelino de Cartago, mártir. Amigo de São Jerônimo e de Santo Agostinho, morto para dar testemunho da verdade apostólica (conf. Martirológio Romano-Monástico – M). Ver páginas 146-148: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “São Marcelino era contrário ao donatismo, pois defendia que os sacramentos podem ser administrados por pessoas comuns, pois, na verdade, ninguém é santo senão Deus. E São Marcelino estava certo. Pouco tempo depois, a Igreja baniu a heresia donatista. Porém, por ser contrário ao donatismo, São Marcelino foi denunciado como cúmplice de Heracliano, um inimigo do então imperador Honório. Por isso, foi preso e condenado á morte.

Somente um ano após a morte de São Marcelino a justiça de Roma reconheceu oficialmente que errou. Assim, a acusação de traição que pesava sobre ele foi anulada. Então, São Marcelino passou a ser venerado como mártir, pois afinal, morreu por defender a posição da Igreja de Jesus Cristo, não cedendo nem para salvar sua vida.”:  https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-sao-marcelino-de-cartago/269/102/

18. Em Roma, os santos mártires Timóteo e Diógenes (também na Folhinha do Coração de Jesus). Ver página 159: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

19. No Martirológio Romano, dia 05 de abril: também em Se­lêucia, na an­tiga Pérsia, a co­me­mo­ração de cento e onze ho­mens e nove mulheres, már­tires, que, reu­nidos de vá­rios lu­gares nas ci­dades ré­gias da Pérsia, por re­cu­sarem fir­me­mente negar a Cristo e adorar o fogo, foram quei­madas por ordem do mesmo rei. († 344)

–  No Martirológio Romano-Monástico, dia 06 de abril: no ano do Senhor de 344, o martírio de Cento e Vinte Cristãos, presos por ocasião da passagem do rei dos persas por Selêucia da Mesopotâmia. Em suas provações, uma piedosa mulher os encorajou, dizendo: “Confiança nas promessas que o Senhor nos deixou em seu Evangelho! Ele sofreu em seu corpo e nos abriu a porta do testemunho para que nos tornemos semelhantes a Ele… Vós merecereis, assim, o reino maravilhoso dos amigos de Jesus”. (M). Ver também: Cento e vinte mártires em Adiabene – Pérsia de 345. Ver páginas 144-145: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

20. Outros santos do dia 06 de abril: págs. 135-159 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 06 de abril, ver ainda: 6 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 306-309: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 05 de abril

1. São Vi­cente Ferrer (também na Folhinha do Coração de Jesus), pre­sbí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, na­tural da Es­panha, que per­correu in­ces­san­te­mente as ci­dades e ca­mi­nhos do Oci­dente, sempre so­lí­cito pela paz e uni­dade da Igreja, pre­gando a muitos povos o Evan­gelho da pe­ni­tência e da vinda do Se­nhor, até que, em Vannes, na Bre­tanha, re­gião da França, en­tregou o es­pí­rito a Deus. († 1419). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Vannes, o nascimento no céu de São Vicente Ferrer, dominicano espanhol que percorreu a Itália do norte, o sul da França e a Bretanha, recomendando os homens a fazerem penitência para se prepararem para o julgamento de Deus. Trabalhou também para restabelecer a unidade da Igreja na cristandade dividida pelo Grande Cisma. (R). Ver também págs. 113-121: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Vicente Ferrer (Valência23 de janeiro de 1350 — VannesBretanha5 de abril de 1419) foi um religioso ibérico.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Vicente_Ferrer

2.   Em Tes­sa­ló­nica, na Ma­ce­dónia, ac­tu­al­mente na Grécia, Santa Irene, virgem e mártir, que, de­so­be­de­cendo ao edito de Di­o­cle­ciano, ocultou os Li­vros sa­grados e por esse mo­tivo foi con­du­zida ao pros­tí­bulo pú­blico e quei­mada por ordem do pre­feito Dul­cécio, o mesmo que tinha mar­ti­ri­zado as suas irmãs Ágape e Quiónia. († 304).

– Ver “O culto a santa Irene ainda é muito intenso no oriente e no Ocidente, e se perpetuou até os nossos dias pelo seu lendário “exemplo de santa mártir”, bem como pela tradição de seu nome, que em grego significa “paz”, e é muito difundido em todo o planeta, principalmente entre os povos cristãos, apesar de não existirem quaisquer comprovações destas lendas pela Ciência.

A festa de santa Irene acontece em 5 de abril, dia em que recebeu a palma do martírio pela fé em Cristo, no ano 304.”: Ágape, Quiônia e Irene – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver dia 03 de abril: Santas Ágape, Cione (ou Quiônia) e Irene, virgens. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, segundo o protocolo de seu processo, elas foram condenadas a serem queimadas vivas “por terem agido contra os divinos editos dos imperadores”, que proibiam a quem quer que fosse conservar as Sagradas Escrituras (M). Santa Irene também na Folhinha do Coração de Jesus de 03 de abril). Ver páginas 59-66:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Ágape, Quiônia e Irene foram três virgens que foram martirizadas por sua fé durante a perseguição de Diocleciano, em 304 d.C.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/%C3%81gape,_Qui%C3%B4nia_e_Irene

3.   Em Se­lêucia, na Pérsia, no ter­ri­tório do ac­tual Iraque, Santa Fer­buta, viúva, irmã de São Si­meão, bispo, a qual, jun­ta­mente com a sua serva, so­freu o mar­tírio no rei­nado de Sapor II. († c. 342)

4.   Também em Se­lêucia, na an­tiga Pérsia, a co­me­mo­ração de cento e onze ho­mens e nove mulheres, már­tires, que, reu­nidos de vá­rios lu­gares nas ci­dades ré­gias da Pérsia, por re­cu­sarem fir­me­mente negar a Cristo e adorar o fogo, foram quei­madas por ordem do mesmo rei. († 344)

–  No Martirológio Romano-Monástico, dia 06 de abril: no ano do Senhor de 344, o martírio de Cento e Vinte Cristãos, presos por ocasião da passagem do rei dos persas por Selêucia da Mesopotâmia. Em suas provações, uma piedosa mulher os encorajou, dizendo: “Confiança nas promessas que o Senhor nos deixou em seu Evangelho! Ele sofreu em seu corpo e nos abriu a porta do testemunho para que nos tornemos semelhantes a Ele… Vós merecereis, assim, o reino maravilhoso dos amigos de Jesus”. (M). Ver também: Cento e vinte mártires em Adiabene – Pérsia de 345. Ver páginas 144-145: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

5.   Em Régia, na Mau­ri­tânia, no ter­ri­tório da ac­tual Ar­gélia, a paixão dos santos mártires que, na per­se­guição do rei ariano Gen­se­rico, foram mas­sa­crados na igreja num dia da Páscoa; entre eles es­tava o leitor, que foi atra­ves­sado por uma flecha na gar­ganta quando can­tava do púl­pito o «Aleluia». († s. V). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, igualmente, a paixão de Diversos Cristãos Africanos, que durante a perseguição de Genserico foram massacrados dentro de uma igreja, no dia da Páscoa. Um deles, que tinha o ofício de leitor, teve a garganta trespassada por uma flecha no momento em que cantava o Aleluia. (M)

6.   No mos­teiro de Grande-Sauve, na Aqui­tânia, ac­tu­al­mente na França, São Ge­raldo (Gerardo), abade, que per­tencia ao mos­teiro de Corbie quando foi eleito abade de Laon e, de­pois de santas pe­re­gri­na­ções, se re­tirou na densa floresta. († 1095). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1095, São Geraldo. Iniciado na vida monástica em Corbie, sua cidade natal, tornou-se abade de São Vicente de Laon e de São Medardo de Soissons. A afluência de vocações levou-o a fundar vários mosteiros, dos quais o da Grande-Sauve, na Aquitânia, tornou-se mais tarde a casa-mãe de cerca de trinta outras casas. (X). Ver também págs. 122-125:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

7*.   Em Mon­te­cor­vino, na Apúlia, re­gião da Itália, Santo Al­berto, bispo, que con­sa­grou toda a sua vida à oração con­tínua a Deus e à so­li­ci­tude pelo bem comum dos pobres. († 1127)

8*.   Em Fosses, no Bra­bante, hoje na França, Santa Ju­liana, virgem da Ordem de Santo Agos­tinho, que tinha sido pri­o­resa do mos­teiro de Mont-Cor­nillon, em Liège e, for­ta­le­cida pelo dom do con­selho di­vino e hu­mano, pro­moveu a so­le­ni­dade do Corpo de Cristo e viveu como reclusa. († 1258). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de Senhor de 1258, Santa Juliana, religiosa agostiniana do mosteiro do Monte Cornillon, na diocese de Liège. Foi convocada, por revelações, a fazer instituir na Igreja a festa do Santíssimo Sacramento, ou do “Corpus Christi”. (F). Ver também págs. 126-129: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Juliana de Mont Cornillon ou Juliana de Liège (Retinnes, 1193 – Fosses-la-Ville5 de abril de 1258). Foi uma freira agostiniana do Convento de “Mont Cornillon”. Ficou conhecida por promover a introdução da Festa de Corpus Christi no âmbito da Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Juliana_de_Mont_Cornillon

– Ver “Corpus Christi “A origem da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo remonta ao século XIII. O papa Urbano IV, na época o cônego Tiago Pantaleão de Troyes, arcediago do Cabido Diocesano de Liège, na Bélgica, recebeu o segredo da freira agostiniana Juliana de Mont Cornillon, que teve visões de Cristo demonstrando desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque. Por volta de 1264, em uma cidade próxima a Orvieto (onde o já então papa Urbano IV tinha sua corte), chamada Bolsena, ocorreu o Milagre de Bolsena,[1] em que um sacerdote celebrante da Santa Missa, no momento de partir a Sagrada Hóstia, teria visto sair dela sangue, que empapou o corporal (pano onde se apoiam o cálice e a patena durante a Missa). O papa determinou que os objetos milagrosos fossem trazidos para Orvieto em grande procissão em 19 de junho de 1264, sendo recebidos solenemente por Sua Santidade e levados para a Catedral de Santa Prisca. Esta foi a primeira procissão do Corporal Eucarístico de que se tem notícia. A festa de Corpus Christi foi oficialmente instituída por Urbano IV com a publicação da bula Transiturus em 8 de setembro de 1264, para ser celebrada na quinta-feira depois da oitava de Pentecostes.[2]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Corpus_Christi

– Ver ainda “… Ela edificava todos com sua humildade, nunca tinha palavras de crítica ou de reprovação para seus adversários, senão que continuava difundindo com zelo o culto eucarístico. Faleceu em 5 de abril de 1258, em Fosses-La-Ville, na Bélgica. Na cela em que jazia, expuseram o Santíssimo Sacramento e, segundo as palavras do seu biógrafo, Juliana morreu contemplando, com um último transporte de amor, Jesus Eucaristia, a quem sempre havia amado, honrado e adorado. Ela soube antes de falecer que, além de Liège, também a Alemanha ocidental já festejara a festa de Corpus Domini em 1252.

     Seu corpo foi sepultado na Abadia Cisterciense de Villiers. É festejada pela Santa Igreja no dia 5 de abril.”: http://heroinasdacristandade.blogspot.com/2019/04/santa-juliana-de-mont-cornillon-ou.html

9.   Em Palma, na ilha de Mai­orca, na Es­panha, Santa Ca­ta­rina Tomás (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, en­trando na Ordem das Ca­no­nisas Re­grantes de Santo Agos­tinho, foi in­signe no des­prezo de si mesma e na ab­ne­gação da sua vontade. († 1574)

– Ver também págs. 132-133: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

10*.   Em Kauf­beuren, junto ao rio Wer­tach, na Ba­viera, re­gião da Ale­manha, Santa Maria Cres­cência Höss, virgem da Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco, que pro­curou co­mu­nicar aos ou­tros o fogo do Es­pí­rito Santo que nela ardia. († 1744)

11♦.   Em São Paulo, no Brasil, o Beato Ma­riano da Mata Aparício, pres­bí­tero da Ordem de Santo Agostinho (também na Folhinha do Coração de Jesus). († 1983).

VER 05 DE NOVEMBRO

Ver “Beato Mariano de la Mata Aparício, mais conhecido como Padre Mariano (La Puebla de Valdavia31 de dezembro de 1905 — São Paulo 5 de abril de 1983), foi um religioso hispanobrasileiro reconhecido pela Igreja Católica como beato… O milagre aprovado pela Congregação para as Causas dos Santos e pelo Papa Bento XVI para a beatificação de Padre Mariano ocorreu com João Paulo Lopes da Silva Polotto, em 1996. O milagre aconteceu na cidade de Barra Bonita:[desambiguação necessária] o menino João Paulo Lopes da Silva Polotto, então com cinco anos, sofreu um acidente quando soltou-se de sua mãe e atravessou a rua; foi atingido por um caminhão e sofreu fratura do crânio. Foi internado com parada respiratória e hemorragia cerebral, em estado muito grave. Padres e alunos do Colégio Agostiniano São José, de São José do Rio Preto, onde Padre Mariano viveu, pediram a ele em oração para que intercedesse junto a Deus e, dez dias depois, o menino era visto nas ruas da cidade caminhando e brincando, sem qualquer sequela do acidente.Os médicos não puderam explicar a imensa recuperação. [3]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Mariano_de_la_Mata

– Ver “Sua memória litúrgica é comemorada no dia 05 de novembro. Seus restos mortais encontram-se na Paróquia Santo Agostinho, no bairro da liberdade em são Paulo.”: http://www.igrejasantoagostinho.com.br/beato.html

– Ver também “Celebramos neste domingo (05/11/2006) a Solenidade de Todos os Santos. Precisamente, nesta solenidade, hoje e aqui em São Paulo, também damos graças a Deus pelo Padre Mariano da Mata Aparício, da Ordem dos Agostinianos, que foi inscrito no álbum dos Beatos.”: https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/csaints/documents/rc_con_csaints_doc_20061105_beatif-aparicio_po.html

12. Bem-aventurada Eva, reclusa. Ver “Aconselhada por Santa Juliana do Monte Cornillon, Eva, depois de retirada do mundo, passou por duras provas, por horríveis tentações, que venceu pela paciência, a esperar em Deus.

Depois da morte de Santa Juliana e do decreto da instituição da Festa de Deus (Corpus Christi) em Liège, a bem-aventurada sentiu-se grandemente feliz por saber que o arcediago de Liège, Tiago Pantaleão, fôra eleito papa Urbano IV. Procurou, então, agir no sentido de obter do novo pontífice a confirmação do decreto da instituição.

Quando o novo pontífice se inteirou de que aquela reclusa ainda vivia, rejubilou-se. Felicitando-a pelo zê1o que tivera com a instituição da Festa de Deus, enviou-lhe um breve. Corria o ano de 1262, e a bem-aventurada, que fôra confidente de Santa Juliana, meses depois do recebimento daquele breve, vinha a falecer.

Enterrada na igreja de São Martinho, pouco depois era transferida para repousar sob o altar do Santo Sacramento.

O culto da bem-aventurada Eva foi aprovado em 1902. Em Liège, festejam-na no dia 14 de março. Há os que querem situar sua morte em 1265.”, às págs. 130-131: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

13. No mesmo dia, o martírio de São Zenão (ou Zeno, também na Folhinha do Coração de Jesus) que, por ter confessado sua fé na Santíssima Trindade, sofreu o tríplice suplício do piche, do fogo e da espada (Conf. Martirológio Romano-Monástico – M).

14. No mesmo dia, o Bem-aventurado Sigardo, monge cisterciense de Jouy, depois primeiro abade de Bonlieu, perto de Bordeau, no séc., XII (Conf. Martirológio Romano-Monástico – X).

15. Santa Etelburga de Kent. Ver “Etelburga de Kent, dita Santa Etelburga, também conhecida por ÆthelburhEthelburgÆdilburh e Æthelburga, foi a segunda esposa de Eduíno da Nortúmbria (Edwin). Ela era filha do rei Etelberto de Kent e da princesa merovíngia Berta de Kent (também “Santa Berta”), e irmã de Eadbaldo e Edburga. O casamento de Etelburga com Eduíno em 625 iniciou o processo de conversão da Nortúmbria, no norte da Inglaterra, ao cristianismo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Etelburga_de_Kent

16. São Derfel Gadarn. Ver “Derfel, conhecido como Derfel Gadarn ([c]adarn: “poderoso, valente, forte”), foi um monge celta cristão do século VI considerado como um santo. A lenda local sustenta que ele foi um guerreiro do Rei Arthur.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Derfel

17. Outros santos do dia 05 de abril: págs. 113-134 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 05 de abril, ver ainda: 5 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 304-306: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 04 de abril

1. Santo Isi­doro, bispo e doutor da Igreja (também na Folhinha do Coração de Jesus), que foi dis­cí­pulo de seu irmão São Le­andro e lhe su­cedeu na sede epis­copal de Se­vilha, na His­pânia Bé­tica. Es­creveu muitas obras de grande eru­dição, reuniu e di­rigiu vá­rios con­cí­lios e tra­ba­lhou com exímia sa­be­doria e zelo pela fé ca­tó­lica e pela ob­ser­vância da dis­ci­plina eclesiástica. († 636). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 636, o nascimento no céu de Santo Isidoro, bispo de Sevilha, honrado como Doutor da Igreja da Espanha e como um dos maiores mestres da Idade Média por haver transmitido a cultura da Antiguidade por suas obras enciclopédicas, tanto as de conteúdo religioso como as profanas. É também considerado como um dos introdutores da liturgia moçárabe (Os moçárabes eram cristãos ibéricos que viviam sob o governo muçulmano no Alandalus. Os seus descendentes não se converteram ao Islão, mas adotaram elementos da língua e cultura árabe. Eram, principalmente, católicos romanos de rito visigótico ou moçárabe.). (R). Ver também págs. 75-77: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

Ver também “Isidoro de Sevilha (em latimIsidorus Hispalensisc. 560Cartagena – 4 de abril de 636Sevilha) serviu como arcebispo de Sevilha por mais de três décadas e é considerado, nas palavras do historiador do século XIX Montalembert numa frase muito citada, “o último acadêmico do mundo antigo”.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Isidoro_de_Sevilha

2. Em Tessalónica, na Macedónia, actualmente na Grécia, os santos mártires Agatópodo, diácono, e Teódulo, leitor, que, pela sua confissão da fé cristã, sob o regime do imperador Maximiano, por ordem do prefeito Faustino foram lançados ao mar com uma pedra atada ao pescoço. († s. IV in.). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Tessalônica, sob o imperador Maximiano, os Santos Agatópodo, diácono e Teódulo, leitor, jogados ao mar para morrer por terem proclamado sua fé em Cristo (M).[JCB1]  Ver páginas 82-83: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

3.   Em Milão, na Li­gúria, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, o se­pul­ta­mento de Santo Am­brósio, bispo, que no dia de Sá­bado Santo foi ao en­contro de Cristo triun­fante. A sua me­mória ce­lebra-se a sete de De­zembro, dia da sua ordenação. († 397).

Ver em 07 de dezembro: me­mória de Santo Am­brósio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo de Milão e doutor da Igreja, que des­cansou no Se­nhor na noite santa da Páscoa de quatro de Abril, mas é ve­ne­rado neste dia, em que, ainda ca­te­cú­meno, foi eleito para di­rigir esta cé­lebre sede epis­copal, quando exercia o ofício de pre­feito da ci­dade. Ver­da­deiro pastor e mestre dos fiéis, exer­citou de modo sin­gular a ca­ri­dade para com todos, de­fendeu va­lo­ro­sa­mente a li­ber­dade da Igreja e a recta dou­trina da fé contra os ari­anos e ins­truiu na pi­e­dade o povo com os seus co­men­tá­rios e hinos sagrados. († 397). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santo Ambrósio, bispo e Doutor da Igreja. Era alto funcionário romano em Milão, e ainda catecúmeno, quando foi eleito bispo por aclamação do povo cristão, sendo consagrado em 7 de dezembro de 374. Pôs então seus talentos de orador a serviço do Evangelho, com o cuidado de promover a liturgia cristã e a virgindade consagrada e defender a justiça social e a liberdade da Igreja em face ao poder imperial. (R). Ver páginas 77-107: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

4.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Platão (também na Folhinha do Coração de Jesus), hegú­meno (hegúmeno ou egúmeno é o título do responsável por um mosteiro da Igreja Ortodoxa Oriental ou das Igrejas Orientais Católicas, similar ao de abade. A responsável por um convento de freiras ortodoxas é chamada de hegúmena. O termo significa “aquele que está no comando”, “líder” em grego), que com­bateu du­rante vá­rios anos os opo­si­tores ao culto das sa­gradas ima­gens e com seu so­brinho São Te­o­dósio Stu­dita ins­ti­tuiu o cé­lebre mos­teiro de Stúdion. († 814). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Constantinopla, no ano da graça de 814, São Platão, monge que reavivou o monaquismo do Oriente e sofreu uma longa detenção por haver reprovado abertamente o divórcio do Imperador Constantino VI. (M). Ver também págs. 78-81: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

5*.   Em Poi­tiers, na Aqui­tânia, na ac­tual França, São Pedro (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que fa­vo­receu os iní­cios da Ordem de Fon­te­vralt e, in­jus­ta­mente re­mo­vido da sua sede, morreu exi­lado em Chauvigny. († 1115)

6*.   Em Scícli, na Si­cília, re­gião da Itália, São Gui­lherme Cuf­fi­télli, ere­mita, que, aban­do­nando a paixão pela caça, passou cin­quenta e sete anos na so­lidão e na pobreza. († 1411)

7*. São Benedito, o negro, no DIRETÓRIO DA LITURGIA da CNBB para 2020, celebrado em 05 de outubro. Também, em 5 de outubro, na Folhinha do Coração de Jesus. Conforme o Martirológio Romano Monástico, memória de São Benedito, o Preto. Nasceu na Sicília, por volta de 1526, de pais escravos de origem etíope ou moura do norte da África. Ainda jovem, uniu-se a um grupo de eremitas que seguiam a Regra de São Francisco de Assis, do qual foi eleito superior. Mais tarde, entrou como irmão leigo no convento franciscano de Palermo, onde prestou os mais humildes serviços como os de cozinheiro e faxineiro da comunidade. Era analfabeto, mas dotado de grande prudência e tirocínio, o que lhe valeu ter sido eleito mestre de noviços e guardião do convento. Terminado o prazo de superiorado, voltou às tarefas humildes até sua morte. Canonizado por Pio VII, sua devoção se espalhou pela África e pelas Américas. Em diversas localidades do Brasil é comemorado a 13 de maio, juntamente com Nossa Senhora do Rosário (que celebramos em 7 de outubro). (R). – Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Benedito,_o_Mouro e https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Benedito,_o_Mouro

– CONFORME ESTE MARTIROLÓGIO, 04 DE ABRIL, em Pa­lermo, na Si­cília, re­gião da Itália, São Bento Mas­sa­rári, cha­mado o Negro por causa da cor da pele, que foi ere­mita e de­pois re­li­gioso na Ordem dos Frades Me­nores, sempre hu­milde em todas as cir­cuns­tân­cias e cheio de con­fi­ança na di­vina providência. († 1589)

– No ano do Senhor de 1589, São Bento, o Mouro, franciscano de origem africana, eu no serviço do seu convento na Sicília, seguiu o exemplo de Cristo que veio para servir e não para ser servido (Conf. o Martirológio Romano-Monástico – M).

– Ver também SÃO BENEDITO, o PRETO, o MOURO. Págs. 90-110: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

8*.   Em Ca­tânia, na Si­cília, re­gião da Itália, o Beato José Bento Dusmet, bispo, da Ordem de São Bento, que pro­moveu di­li­gen­te­mente o culto di­vino, a ins­trução cristã do povo e o zelo do clero, e na epi­demia da peste prestou grande au­xílio aos enfermos. († 1894)

9*.   Em Al­jus­trel, lugar de Fá­tima, em Por­tugal, São Fran­cisco Marto, que, ainda cri­ança, con­su­mido ra­pi­da­mente pela en­fer­mi­dade, ma­ni­festou ad­mi­rável su­a­vi­dade de com­por­ta­mento, per­se­ve­rança na ad­ver­si­dade e na fé e as­si­dui­dade à oração. († 1919)

– Ver dia 20 de fevereiro:

Santos Fran­cisco (ver 04 de abril) e Ja­cinta Marto (também na Folhinha do Coração de Jesus), hu­mildes cri­anças que em Fá­tima, lo­ca­li­dade de Por­tugal, viram três vezes um Anjo e seis vezes a San­tís­sima Virgem, de quem re­ce­beram a exor­tação de rezar e fazer pe­ni­tência pela re­missão dos pe­cados, para obter a con­versão dos pe­ca­dores e a paz do mundo. Ambos res­pon­deram ime­di­a­ta­mente com he­róica di­li­gência a estes pe­didos e, in­fla­mados no amor a Deus e às almas, ti­nham uma só as­pi­ração: rezar e so­frer de acordo com os pe­didos do Anjo e da Virgem Maria. Fran­cisco fa­leceu no dia 4 de Abril de 1919 e Ja­cinta no dia 20 de Fe­ve­reiro de 1920. († 1919-1920)

– Ver ainda:

São Francisco Marto e Santa Jacinta Marto

Francisco e a irmã Jacinta Marto foram beatificados pelo Papa João Paulo II em 13 de maio de 2000. O seu dia festivo é 20 de fevereiro. A sua canonização realizada pelo Papa Francisco ocorreu no dia 13 de maio de 2017, por ocasião das celebrações do Centenário das Aparições de Fátima.

Ver também:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Marto

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jacinta_Marto

https://www.acidigital.com/noticias_tags.php?tag_id=6907

https://www.acidigital.com/noticias/igreja-celebra-pela-primeira-vez-os-santos-francisco-e-jacinta-marto-videntes-de-fatima-83795

10*.   Em Réggio Ca­lá­bria, na Itália, São Ca­e­tano Ca­ta­noso, pres­bí­tero, que fundou a Con­gre­gação das Irmãs Ve­ró­nicas da Santa Face para as­sis­tência dos po­bres e dos marginados. († 1953)

11. São Teonas, do Egito. Confessor. Ver págs. 84-85: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

12. São Zósimo, abade e confessor.  Ver págs. 86-89: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

13. Outros santos do dia 04 de abril: págs. 75-112 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 04 de abril, ver ainda: 4 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 302-304: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 


 [JCB1]

Santas e Santos de 03 de abril

OBSERVAÇÃO: No CALENDÁRIO ROMANO 03 DE ABRIL era o 3.º dia (III) antes das NONAS DE ABRIL.

VER:

–Calendário Romano: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Calend%C3%A1rio_romano

— Nonas: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Calend%C3%A1rio_romano

— Calendas: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Calendas

— Idos: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Idos

SANTAS E SANTOS DE 03 DE ABRIL

1.   Em Roma, São Sisto I (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que, no tempo do im­pe­rador Adriano, foi o sexto su­cessor de São Pedro na di­recção da Igreja. († 128). Conforme o Martirológio-Romano-Monástico, em Roma, perto de 126, São Xisto I, papa, que coroou um pontificado de dez anos com o martírio (M).

– Ver “Sisto I (em latimSixtusRoma42 — 3 de abril de 125) foi o sétimo papa da Igreja Católica que o venera como mártir e santo. Segundo o Anuário Pontifício de 2008, o Papa Sisto teria liderado a Igreja Católica de 117 ou 119 a 126 ou 128.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Sisto_I

2.   Em Cons­tança, ci­dade da Cítia, na ac­tual Ro­ménia, os santos Cresto e Papo, mártires. († c. s. IV)

3.   Em Tiro, na Fe­nícia, hoje no Lí­bano, Santo Ul­piano, mártir, que, ainda ado­les­cente, du­rante a per­se­guição de Ma­xi­mino Daïa César, foi en­cer­rado com um cão e uma ser­pente num saco de coiro e con­sumou o mar­tírio afo­gado no mar. († 306)

4.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São João, bispo, que morreu na Noite Santa da Páscoa, quando ce­le­brava os sa­grados mis­té­rios e, acom­pa­nhado pela mul­tidão dos fiéis neó­fitos, foi se­pul­tado na so­le­ni­dade da Res­sur­reição do Senhor. († 432)

5.   No mos­teiro de Me­dí­kion, na Bi­tínia, na ac­tual Tur­quia, São Ni­cetas, he­gú­meno, que, no tempo do im­pe­rador Leão o Ar­ménio, su­portou o cár­cere e o exílio por de­fender as sa­gradas imagens. († 824). Ver páginas 70-71: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

6.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São José o Hinógrafo, pres­bí­tero e monge, que na per­se­guição de­sen­ca­deada contra o culto das sa­gradas ima­gens, foi en­viado a Roma para pedir a pro­tecção da Sé Apos­tó­lica e, de­pois de ter su­por­tado muitos tor­mentos, fi­nal­mente re­cebeu o en­cargo de guardar os ob­jectos sa­grados da igreja de Santa Sofia. († 886)

7.   Em Chi­chester, na In­gla­terra, São Ri­cardo, bispo, que, exi­lado pelo rei Hen­rique III e de novo res­ti­tuído à sua sede, ma­ni­festou uma grande ge­ne­ro­si­dade para com os pobres. († 1235)

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1253, São Ricardo, Chanceler da Universidade de Oxford e depois bispo de Chichester. Defendeu a liberdade religiosa da Igreja diante do poder real, assim como os direitos dos pobres em face da opressão dos ricos (M).

– Ver páginas 54-58: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf.

– Ver também “São Ricardo (1197 — 3 de Abril de 1253), também conhecido como Ricardo de Chichester, foi professor universitário e bispo da cidade Chichester, na Inglaterra, que foi canonizado no ano de 1262[1]… É tradicionalmente conhecido como o padroeiro dos cavaleiros e dos cocheiros[6].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ricardo_de_Chichester

8*.   Em Po­lízzi, na Si­cília, re­gião da Itália, São Gan­dolfo de Bi­nasco Sáchi (também na Folhinha do Coração de Jesus) pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, que se en­tregou a uma aus­tera vida de so­lidão e ilu­minou as re­giões li­mí­trofes com a pre­gação da pa­lavra de Deus. († c. 1260). Ver páginas 72-73: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

9*.   Em Penna, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, o Beato João, pres­bí­tero, um dos pri­meiros com­pa­nheiros de São Fran­cisco, que foi en­viado para a Gália Nar­bo­nense, onde pro­pagou a forma de vida evangélica. († 1275)

10*.   Em Len­castre, na In­gla­terra, os be­atos Ro­berto Mid­dleton, da Com­pa­nhia de Jesus, e Turstão Hunt, pres­bí­teros e már­tires: o se­gundo foi preso quando ten­tava li­bertar o pri­meiro du­rante uma tran­fe­rência de pri­si­o­neios; con­de­nados ambos à morte, no rei­nado de Isabel I, por causa do seu sa­cer­dócio, me­re­ceram, através dos tor­mentos, ser glo­ri­fi­cados à di­reita de Cristo. († 1601)

11.   Em Údine, no Vé­neto, re­gião da Itália, São Luís Scro­sóppi, pres­bí­tero da Con­gre­gação do Ora­tório, que fundou a Con­gre­gação das Irmãs da Di­vina Pro­vi­dência, para formar as jo­vens no es­pí­rito cristão. († 1884)

12♦.   Em Gua­da­la­jara, re­gião de Ja­lisco, no Mé­xico, os be­atos Eze­quiel (José Lu­ciano) Hu­erta Gutiérrez e Sal­vador (José) Hu­erta Gutiérrez, pais de fa­mília e mártires. († 1927)

13♦.   Em Mancha Real, perto de Jaén, na Es­panha, o Beato João de Jesus e Maria (João Otazua y Ma­da­riaga), pres­bí­tero da Ordem da San­tís­sima Trin­dade e mártir, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, com o seu mar­tírio se­guiu os passos de Cristo. († 1937).

14*.   Perto de Cra­cóvia, na Po­lónia, no campo de con­cen­tração de Aus­chwitz, o Beato Pedro Edu­ardo Dankowski, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da sua pá­tria por um re­gime mi­litar es­tran­geiro, foi en­car­ce­rado por causa da fé cristã e através dos tor­mentos con­sumou o martírio. († 1942)

15. Santas Ágape, Cione (ou Quiônia) e Irene, virgens. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Tessalônica, no século IV, a paixão das Santas Ágape, Quiônia e Irene, virgens. Segundo o protocolo de seu processo, elas foram condenadas a serem queimadas vivas “por terem agido contra os divinos editos dos imperadores”, que proibiam a quem quer que fosse conservar as Sagradas Escrituras (M). Santa Irene também na Folhinha do Coração de Jesus). Ver páginas 59-66:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Ágape, Quiônia e Irene foram três virgens que foram martirizadas por sua fé durante a perseguição de Diocleciano, em 304 d.C.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/%C3%81gape,_Qui%C3%B4nia_e_Irene

16. São Pancrácio, evangelizador e primeiro bispo da Sicília (conforme Martirológio Romano-Monástico – M).

– Ver página 74 “Em Taormina, na Sicília, São Pancrácio bispo, o qual, sofrendo o martírio, selou com sangue o Evangelho de Jesus Cristo, que havia pregado nessa cidade, para onde o apóstolo São Pedro o enviara.”: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

17. Na diocese de Meaux, no séc. VII, Santa Fara, fundadora e primeira abadessa e fundadora do mosteiro que posteriormente tomou seu nome, Faremoutier (conforme Martirológio Romano-Monástico – M). Ver também Santa Burgondofara, ou Fara, abadessa e virgem. Ver páginas 67-69: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

18. No mesmo dia, o Bem-Aventurado Bono, monge de Nonântula, que fundou o mosteiro de São Miguel de Pisa, no séc. XI (conforme Martirológio Romano-Monástico – X).

19. Santo Úrbico. Ver “Em Clermont, Auvergne, Santo Úrbico, bispo, do qual São Gregorio de Tours escreveu que, quando foi escolhido para suceder Austremoine, era casado. A espôsa, ccnforme às regras eclesiásticas, deixou-o. Contudo, de quando em quando, tinha ela permissão para ver o ex-marido. Caindo Úrbico, de uma feita, em tentação, sofreu cruéis remorsos, que o levaram a uma dura penitência para o resto da vida. Governando santamente o rebanho, faleceu em 312, sendo enterrado na cripta de Chantoin.”, à página 73: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

20. Outros santos do dia 03 de abril: págs. 54-74 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 03 de abril, ver ainda: 3 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 300-302: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 02 de abril

* NOSSA SENHORA DO DESTERRO, 02 DE ABRIL (está no Wikipedia em 17 de fevereiro). Ver “Nossa Senhora do Desterro[1] é um título católico dado à Santíssima Virgem Maria. Representa a fuga da Sagrada Família para o Egito. Por isso, também é conhecida como Nossa Senhora da Fuga. É muito venerada na Itália como a “Madonna degli Emigrati“, sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro… Cúpula da igreja de Nossa Senhora do Desterro, em Jundiaí, em São Paulo, no Brasil, retratando a Sagrada Família no Egito (festa litúrgica em 02 de abril).”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_do_Desterro

– Ver ainda FESTA EM 02 DE ABRIL. Comemora-se todo dia 02:Nossa Senhora do Desterro é muito venerada na Itália como a “MADONNA DEGLI EMIGRATI“, sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro. Ela tem sido a Mãe Amorosa para todos os que, saudosos de sua terra natal, imploram cheios de fé e de amor o auxílio da Virgem do Desterro a fim de encontrarem compreensão e simpatia na terra adotiva.
Todos os fiéis cristãos que rezarem diariamente e divulgarem esta oração à Nossa Senhora do Desterro, verão a extinção de todos os castigos que houverem contra eles; nem fome, nem peste, nem guerra, nem doenças contagiosas lhes afligirão. Os seus inimigos não terão mãos nem poder de ofendê-los, nem roubá-los. Resistirão às tentações de satanás e dos demônios. Pragas, ratos e formigas lhes serão desterrados das lavouras. Todos os que tiverem confiança nas misericórdias da grande Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, serão felizes nos seus negócios e nas viagens. Não morrerão sem confissão e estarão livres da morte repentina. Aprovada pelo Arcebispo de Braga, Dom José e pelo Arcebispo do Porto ( MG ), Dom Américo, em 08-05-1972.”: http://www.comamor.com.br/desterro.htm

. NOSSA SENHORA DO DESTERRO. Em Florianópolis, festa em 17 de fevereiro: https://www.gaudiumpress.org/content/23861-Florianopolis-celebra-sua-padroeira-Nossa-Senhora-do-Desterro

– Ver “O Papa Pio X, quando da construção da Catedral de Florianópolis, dedicou Nossa Senhora do Desterro como Padroeira da cidade. Existem no Brasil muitas cidades que mantém a devoção a Nossa Senhora do Desterro, com capelas e igrejas em sua homenagem.”:  https://historiadenossasenhora.wordpress.com/2013/08/20/nossa-senhora-do-desterro/

– Ver também “No ano de 1673, o fundador de Florianópolis, cidade que se chamava Desterro, hoje capital de Santa Catarina, Francisco Dias Velho, trouxe uma imagem de Nossa Senhora do Desterro para a ilha e ali construiu uma pequena capela em honra de Maria do Desterro, iniciando sua devoção no Brasil.

Papa Pio X, quando da construção da Catedral de Florianópolis, dedicou Nossa Senhora do Desterro como Padroeira da cidade. Existem no Brasil muitas cidades que mantém a devoção a Nossa Senhora do Desterro, com capelas e igrejas em sua homenagem.”: https://web.archive.org/web/20150901221051/http://www.cruzterrasanta.com.br/historia/nossa-senhora-do-desterro

– Ver festa em Paudalho-PE-17 de fevereiro: https://www.paudalho.pe.gov.br/portal/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-chega-a-sua-70a-edicao-em-paudalho/

– Ver: https://www.facebook.com/events/656280881443640/?active_tab=discussion (festa em 17 de fevereiro).

 NOSSA SENHORA DO DESTERRO (festa celebrada em vários locais e datas):

Em Agrestina, PE, FESTA DE NOSSA SENHORA DO DESTERRO em 02 DE FEVEREIRO.Ver: http://www.agrestina.pe.gov.br/noticias/20/01/2020/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-chega-a-sua-98-edicao-em-agrestina-pe

– Ver também: “Em Agrestina, no Agreste de Pernambuco, a festa dedicada à padroeira Nossa Senhora do Desterro, contará apenas com programação religiosa por causa da pandemia da Covid-19. A parte artística do evento foi cancelada, e a religiosa segue de forma restrita.

Este ano, a cidade não se preparou para receber turistas e pagadores de promessas de todos os lugares do país, e o comércio, um dos mais beneficiados nesta época, também não. A decisão partiu do Governo do Estado, que prorrogou até junho o decreto de calamidade para conter o avanço do novo coronavírus. A decisão foi acolhida e respeitada pela organização do evento.

As celebrações eucarísticas estão sendo realizadas de forma restrita, com uso de máscaras, distanciamento social, aferição de temperatura na entrada da paróquia e agendamento prévio. Este ano, a também grande missa campal, que sucede a procissão, realizada em frente à matriz, na Praça Padre Cícero, foi substituída por uma celebração eucarística que será realizada dentro da igreja, às 19h30.”: https://g1.globo.com/pe/caruaru-regiao/noticia/2021/02/02/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-em-agrestina-conta-apenas-com-programacao-religiosa.ghtml

SANTAS E SANTOS DE 02 DE ABRIL

1. São Fran­cisco de Paula (também na Folhinha do Coração de Jesus), ere­mita, fun­dador da Ordem dos Mí­nimos, na Ca­lá­bria, re­gião da Itália. Pres­creveu aos seus dis­cí­pulos que vi­vessem de es­molas, não ti­vessem nada pró­prio nem to­cassem o di­nheiro e to­massem sempre só os ali­mentos qua­res­mais. Cha­mado pelo rei da França Luís XI para vi­sitar a corte régia, as­sistiu-lhe à morte e fa­leceu em Plessis, pró­ximo de Tours, com a fama de grande aus­te­ri­dade de vida.  († 1507). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1507, o nascimento no céu de São Francisco de Paula, eremita calabrês que reuniu diversos discípulos em uma nova família religiosa, a Ordem dos Mínimos. Chamado pelo rei de França Luís XI, que se achava gravemente enfermo, assistiu-o até sua morte em sua residência de Plessis-les-Tours, onde ele próprio entregou o espírito (R).

– Ver págs. 26-36: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também ‘São Francisco de Paula (Paola27 de março de 1416 — Tours2 de abril de 1507) foi um eremita, fundador da Ordem dos Mínimos e santo da Igreja Católica.

É também conhecido como “O Eremita da Caridade”, por sua opção de desprezo absoluto pelos valores transitórios da vida e dedicação integral ao socorro do próximo. Consta que num só dia o venerado de Paula atendeu em seu Mosteiro a mais de trezentas pessoas necessitadas do espírito e do corpo, realizando curas prodigiosas.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Francisco_de_Paula

2.   Em Ce­sa­reia da Pa­les­tina, Santo An­fiano ou Apiano, mártir, que, no tempo do im­pe­rador Ma­xi­mino, quando os ha­bi­tantes da­quela terra eram obri­gados a sa­cri­ficar pu­bli­ca­mente aos deuses, se apro­ximou co­ra­jo­sa­mente do go­ver­nador Ur­bano e, se­gu­rando-lhe a mão di­reita, obrigou-o a sus­pender o rito; ime­di­a­ta­mente os sol­dados se ar­re­mes­saram sobre ele e, en­vol­vendo-lhe os pés num lençol em­be­bido em óleo, ate­aram-lhe fogo e lan­çaram-no vivo ao mar. († 306). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 306, em Cesaréia da Palestina, o martírio de Santo Anfiano, jovem nobre, notável por sua pureza de costumes e por seus vastos conhecimentos. Quando interrogado sobre sua condição, sua origem e seu domicílio, respondeu imperturbavelmente: “Sou um servidor de Cristo”. (M).

– Ver páginas 52-53: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

3.   Também em Ce­sa­reia da Pa­les­tina, a paixão de Santa Te­o­dora  (ou Santa Teodósia, jovem cristã de 17 anos… conforme Martirológio Romano-Monástico), virgem de Tiro, que, na mesma per­se­guição, por saudar pu­bli­ca­mente os con­fes­sores da fé que es­tavam pe­rante o tri­bunal e rogar-lhes que se lem­brassem dela quando che­gassem à pre­sença do Se­nhor, foi presa pelos sol­dados e con­du­zida ao pre­feito, por ordem do qual so­freu cruéis su­plí­cios e fi­nal­mente foi lan­çada ao mar. († 307). Ver página 53: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

4.   Em Como, na Li­gúria, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, Santo Abúndio, bispo, que, tendo sido en­viado a Cons­tan­ti­nopla pelo papa Leão Magno, aí de­fendeu fir­me­mente a ver­da­deira fé. († 468). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Lombardia, em 468, Santo Abúndio, bispo, que recebeu de São Leão Magno a importante missão de propor ao Imperador Teodósio a reunião do Concílio de Calcedônia. (M).

– Ver “Abúndio de Como (em italianoAbbondio; em latimAbundius) foi o quarto bispo de Como, eleito em cerca de 450. Sua origem é relacionada tradicionalmente à cidade de Tessalônica, apesar de não haver nenhum documento do século IV que ateste esta informação.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ab%C3%BAndio_de_Como

5.   Em Cápua, na Cam­pânia, também re­gião da Itália, São Vítor, bispo, cé­lebre pela sua eru­dição e santidade. († 554)

6.   Em Lião, na Gália, ac­tu­al­mente na França, São Ni­cécio, bispo, que foi sempre so­lí­cito para com os po­bres e bon­doso para com os hu­mildes e en­sinou esta Igreja a se­guir uma norma na salmodia. († 573). Ver página 51: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

7.   No mos­teiro de Lu­xeuill, na Bor­gonha, também na ac­tual França, Santo Eus­tásio, abade, que foi dis­cí­pulo de São Co­lum­bano e pre­lado de quase seis­centos monges. († 629)

Ver dia 29 de março: em Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de Santo Eus­tásio (Santo Eustácio na Folhinha do Coração de Jesus) bispo. († s. III). Conforme o Martirológio Romano-Monástico deste dia 29 de março, no ano da graça de 625, o sepultamento de Santo Eustásio, abade de Luxeuil. Discípulo e sucessor de São Columbano, fez frutificar a herança monástica irlandesa. Vários de seus monges dirigiram Igrejas francas como bispos. (M).

– Ver Santo Eustácio. Eustácio era natural da Borgonha. Sobrinho de Miget, bispo de Langres, formou-se sob a direção de Columbano, em Luxeuil, ao qual seguiu no exílio.”, páginas 363-364: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

– Ver outro Santo Eustácio No mesmo dia, em Nápoles, outro Santo Eustácio, bispo e confessor. Este foi o sétimo ou oitavo bispo de Nápoles, cujo culto foi confirmado por Leão XIII em 1884. Faleceu em 180.”, página 364: VIDAS DOS SANTOS – 5.pdf (obrascatolicas.com)

8.   No Chelms­ford, na In­gla­terra, São João Paine, pres­bí­tero e mártir, que, no rei­nado de Isabel I, fal­sa­mente acu­sado de alta traição, so­freu o su­plício da forca. († 1582)

9*.   Em Tomhom, lo­ca­li­dade da ilha de Guam, na Oce­ania, São Pedro Calungsod, ca­te­quista, e o Beato Diogo Luís de San Vítores, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus, que por causa da sua fé cristã foram cru­el­mente as­sas­si­nados e lan­çados ao mar por após­tatas e al­guns in­dí­genas se­quazes de su­pers­ti­ções pagãs. († 1672).

Ver “São Pedro Calungsod (Visayas, aprox. 1654[1] – 2 de abril de 1672) foi um catequista leigo, mártir católico das Filipinas, assassinado em 1672 em Guam pelo chefe chamorro Mata’pang, que se opunha aos batismos que faziam os missionários sob a liderança do sacerdote jesuíta espanhol Diego Luis de San Vitores, que também foi assassinado no mesmo evento. Pedro tinha 18 anos e alegadamente teria batizado a filha do chefe chamorro contra a vontade deste.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pedro_Calungsod

– Ver “Diego Luis de San Vitores (12 de novembro de 1627 – 2 de abril de 1672) foi um missionário jesuíta espanhol que fundou a primeira igreja católica na ilha de Guam . Ele é o responsável por estabelecer a presença cristã nas Ilhas Marianas . Ele é uma figura controversa hoje devido ao seu papel no início das Guerras Espanhol-Chamorro .”: https://en.wikipedia.org/wiki/Diego_Luis_de_San_Vitores

10*.   Em Spo­leto, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Le­o­poldo de Gaiche (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores, que or­ga­nizou santos re­tiros em Monteluco. († 1815)

11.   Em Xuong Dien, no Ton­quim, hoje no Vi­etnam, São Do­mingos Tuoc, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir na per­se­guição do im­pe­rador Minh Mang. († 1839)

12*.   Em Pádua, no Vé­neto, re­gião da Itália, a Beata Isabel Ven­dra­mini, virgem, que de­dicou a sua vida aos po­bres e, su­pe­rando muitas ad­ver­si­dades, fundou o Ins­ti­tuto das Irmãs Isa­be­linas da Ordem Ter­ceira de São Francisco. († 1860)

13*.   Em Vich, ci­dade da Ca­ta­lunha, na Es­panha, São Fran­cisco Coll y Guitart, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que, in­jus­ta­mente ex­pulso do claustro, per­se­verou fir­me­mente na sua vo­cação e anun­ciou por toda esta re­gião o nome de Nosso Se­nhor Jesus Cristo. († 1875). Ver “Francisco Coll Guitart (Gombrèn1812 — Vic2 de abril de 1875) foi um frade dominicano espanhol, reconhecido como santo pela Igreja CatólicaIrmãs Dominicanas da Anunciata. Também é conhecido pela versão catalã de seu nome, Francesc Coll i Guitart.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Francisco_Coll_Guitart

14*.   Em Gyor, na Hun­gria, o Beato Gui­lherme Apor, bispo e mártir, que, du­rante a se­gunda guerra mun­dial, abriu as suas portas a cerca de tre­zentos re­fu­gi­ados e, es­pan­cado na tarde da Sexta-Feira da Paixão do Se­nhor por de­fender das mãos dos sol­dados al­gumas jo­vens in­de­fesas, morreu três dias depois. († 1945)

15*.   Em L’viv, na Ucrânia, o Beato Ni­colau Car­neckyj, bispo, que, exer­cendo a função de exarca apos­tó­lico em Volyn’ e Pi­dl­jashja, du­rante a per­se­guição contra a fé cristã, se­guiu os passos de Cristo como pastor fiel e por sua graça al­cançou o reino celeste. († 1959)

16*.   Em Ma­racay, na Ve­ne­zuela, a beata Maria de São José Alvarado (Laura Al­va­rado Car­dozo), virgem, que fundou a Con­gre­gação das Agos­ti­nhas Re­co­letas do Sa­grado Co­ração e as­sistiu sempre com su­prema ca­ri­dade as órfãs, os idosos e os po­bres abandonados. († 1967)

17.   Em Roma, junto de São Pedro, o dia natal de São João Paulo II, papa, cuja me­mória se ce­lebra no dia 22 de Outubro. († 2005)

18. Conforme o Martirológio Romano italiano de 01 de abril, na Pa­les­tina, Santa Maria Egip­cíaca, que era uma fa­mosa pe­ca­dora de Ale­xan­dria e, pela in­ter­cessão da Virgem Maria, se con­verteu a Deus na Ci­dade Santa e se con­sa­grou a uma vida pe­ni­tente e so­li­tária além do Jordão. († s. V). No séc. V, Santa Maria Egipcíaca (Santa Maria do Egito na Folhinha do Coração de Jesus de 02 de abril) que renunciou a uma vida de escândalos após ter recebido a graça de adorar a Santa Cruz em Jerusalém, e depois retirou-se para a solidão do deserto da Palestina (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – M).

– Ver também págs. 37-45: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Maria_do_Egito

– Ver “Maria do Egito ou Santa Maria Egipcíaca ou Santa Maria Egípcia (c. 344 – c. 421 ou 422) foi uma asceta dos séculos IV e V que se retirou para o deserto após uma vida de prostituição. É venerada como patrona das mulheres penitentes, em especial na Igreja Copta, mas também na Igreja CatólicaIgreja Ortodoxa e Igreja Anglicana. A Igreja Ortodoxa celebra o seu dia festivo no dia do seu «descanso», em 1 de abril e no “Domingo de Santa Maria do Egito“, o sexto domingo da Grande Quaresma.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Maria_do_Egito

19. Em 653, São Longino. Nascido na Suíça, de pais pagãos, recebeu o batismo e o sacerdócio na Auvergne. Depois foi para o Maine, onde construiu um mosteiro que deu nome à atual localidade de Saint-Longin, na Diocese de Le Mans (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – X).

– Ver também São Longis e Santa Inesfreda, págs. 48-49: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver em 15 de março: SAO LONGUINHO “15/03: SÃO LONGUINHO (também na Folhinha do Coração de Jesus). Acredita-se ser o soldado que transpassou o peito de Jesus (ver Jo 9.31-34), ou, conforme Mt 28,54, Mc 15,39s e Lc 23,47s, o centurião romano que, vendo os fenômenos que ocorreram na morte de Jesus, exclamou: “verdadeiramente este é o filho de Deus!” Teria então deixado a vida militar, seguindo a Cristo. Muitas das notícias relativas a ele se prendem a várias tradições nem sempre fidedignas. A respeito é bom lembrar dois livros apócrifos: o Evangelho de Nicodemos, e o Atos de Pilatos. Diz uma lenda que Longuinho (ou Longino) teria pregado o Evangelho em Cesaréia e em vários outros lugares. Por fim, foi pregar em Mântua (Itália), onde também teria sofrido o martírio”. (Antônio Angonese – Petrópolis/RJ-Folhinha do Coração de Jesus de 14/03/2006-verso). Ver sua história nas páginas 44-46: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

– Ver também “Longino (do latim Longinus), também popularmente referido como Longuinho, é um santo da Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Longino

20. Santa Ebba, abadessa, virgem e mártir. Ver págs. 46-47: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

21. Santa Musa, virgem de Roma. Ver “Desta Santa, fala São Gregório, o Diálogos: “Uma noite, a santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus, apareceu-lhe, mostrando-lhe muitas jovens vestidas de branco. Musa desejou unir-se a elas, mas não ousava fazê-lo. Se tu o desejas realmente, disse-lhe a Santa Virgem, deixa de agir como criança: põe de lado o riso e as brincadeiras, e dentro de trinta dias serás admitida nesta sociedade”. “A partir daquele momento, produziu-se em Musa completa mudança. Renunciou a tôdas as frivolidades. Os pais notaram a metamorfose e quiseram saber a razão. Musa referiu-lhes a visão que tivera, falando-lhes da ordem e da promessa da santa virgem, que lhe indicara o dia em que seria admitida no serviço da Mãe de Deus. “Vinte e cinco dias depois Musa foi tomada pela febre, e, ao trigésimo dia, como a hora se aproximasse, viu surgir a santa Virgem com um grupo de jovens. Disse, então, no transporte de sua alegria: Mãe, eis que me vou!” “E expirou””, às págs. 50-51: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

22.Outros santos do dia 02 de abril: págs. 26-53 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 02 de abril, ver ainda:  2 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 297-300: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Santas e Santos de 01 de abril

OBSERVAÇÃO SOBRE O MÊS DE ABRIL

Ver “Abril é o quarto mês do calendário gregoriano e tem 30 dias. O seu nome deriva do Latim Aprilis, que significa abrir, numa referência à germinação das culturas. Outra hipótese sugere que Abril seja derivado de Aprus. Outra versão é que se relaciona com Afrodite, nome grego da deusa Vênus, que teria nascido de uma espuma do mar que, em grego antigo, se dizia “abril”.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Abril

=================================================

1.   Em Roma, a co­me­mo­ração dos santos már­tires Ve­nâncio, bispo, e com­pa­nheiros da Dal­mácia e da Ís­tria, isto é, Anas­tásio, Amaro, Pau­li­niano, Télio, As­tério, Sep­tímio, An­ti­o­quiano e Gaiano, que a Igreja ve­nera na mesma festividade. († s. III/IV)

2.   Em Tes­sa­ló­nica, na Ma­ce­dónia, ac­tu­al­mente na Grécia, as santas Ágape e Quiónia, vir­gens e már­tires, que, na per­se­guição de Di­o­cle­ciano, por re­cu­sarem comer das carnes dos ani­mais sa­cri­fi­cados aos ídolos, foram en­tre­gues ao go­ver­nador Dul­cécio e con­de­nadas à fogueira. († 304)

3.   Na Pa­les­tina, Santa Maria Egip­cíaca, que era uma fa­mosa pe­ca­dora de Ale­xan­dria e, pela in­ter­cessão da Virgem Maria, se con­verteu a Deus na Ci­dade Santa e se con­sa­grou a uma vida pe­ni­tente e so­li­tária além do Jordão. († s. V). No séc. V, Santa Maria Egipcíaca (Santa Maria do Egito na Folhinha do Coração de Jesus de 02 de abril) que renunciou a uma vida de escândalos após ter recebido a graça de adorar a Santa Cruz em Jerusalém, e depois retirou-se para a solidão do deserto da Palestina (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – M).

– Ver também págs. 37-45: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “Maria do Egito ou Santa Maria Egipcíaca ou Santa Maria Egípcia (c. 344 – c. 421 ou 422) foi uma asceta dos séculos IV e V que se retirou para o deserto após uma vida de prostituição. É venerada como patrona das mulheres penitentes, em especial na Igreja Copta, mas também na Igreja CatólicaIgreja Ortodoxa e Igreja Anglicana. A Igreja Ortodoxa celebra o seu dia festivo no dia do seu «descanso», em 1 de abril e no “Domingo de Santa Maria do Egito“, o sexto domingo da Grande Quaresma.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Maria_do_Egito

4.   Em Lau­conne, perto de Amiens, na Gália, hoje na França, São Va­lé­rico, pres­bí­tero, que atraiu muitos com­pa­nheiros à vida eremítica. († s. VII). No séc. VII, São Valério, sacerdote, venerado na abadia construída sobre seu túmulo na Picardia (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M). Ver também págs. 17-21: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

5.   Em Ard­pa­trick, na pro­víncia de Munster, na Ir­landa, São Celso, bispo de Ar­magh, que pro­moveu di­li­gen­te­mente a re­no­vação da Igreja. († 1129)

6.   Em Gre­noble, ci­dade da Bor­gonha, na França, Santo Hugo (também na Folhinha do Coração de Jesus, Hugo de Grenoble), bispo, que se em­pe­nhou na re­forma de cos­tumes do clero e do povo e, du­rante o seu epis­co­pado, mo­vido pelo ar­dente amor à so­lidão, ofe­receu ao seu an­tigo mestre São Bruno e com­pa­nheiros o ermo de Char­treuse, do qual foi o pri­meiro abade; du­rante quase cin­quenta anos di­rigiu esta Igreja com o seu ad­mi­rável exemplo de caridade. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1132, São Hugo, bispo de Grenoble, que aplicou a reforma da Igreja iniciada por Gregório VII e beneficiou o renascimento do monaquismo, ao estabelecer a Ordem Beneditina em Chalais e conduzindo São Bruno e seus companheiros ao deserto da Grande Cartuxa. (M). Ver também págs. 09-16: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf  († 1132)

7*.   No mos­teiro cis­ter­ci­ense de Bon­ne­vaux, lo­ca­li­dade do Del­fi­nado, na França, o Beato Hugo, abade, cuja ca­ri­dade e pru­dência pro­moveu a con­ci­li­ação entre o papa Ale­xandre III e o im­pe­rador Fre­de­rico I. († 1194)

8*.   Em Caith­ness, na Es­cócia, São Gil­berto, bispo, que cons­truiu em Dor­noch a igreja ca­te­dral e fundou hos­pí­cios para os po­bres; ao morrer, re­co­mendou o que sempre ob­servou na sua vida: não pre­ju­dicar nin­guém, su­portar com pa­ci­ência as cor­rec­ções di­vinas e não in­co­modar ninguém. († c. 1245)

9*.   Em York, na In­gla­terra, o Beato João Bretton, mártir, pai de fa­mília, que, no rei­nado de Isabel I, foi vá­rias vezes in­cri­mi­nado pela sua per­se­ve­rante fi­de­li­dade à Igreja Ro­mana e por fim, fal­sa­mente acu­sado de alta traição, morreu estrangulado. († 1598)

10*.   Em Bréscia, na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Luís Pavóni (Ludovico Pavoni, na Folhinha do Coração de Jesus) pres­bí­tero, que se con­sa­grou com grande so­li­ci­tude à for­mação dos jo­vens mais po­bres, pro­cu­rando es­pe­ci­al­mente educá-los se­gundo a moral cristã e ori­entá-los para os tra­ba­lhos pro­fis­si­o­nais, fun­dando para isso a Con­gre­gação das Fi­lhas de Maria Imaculada.  († 1848)

11.   No Fun­chal, ci­dade do ar­qui­pé­lago da Ma­deira, em Por­tugal, o Beato Carlos de Áustria (Carlos I de Habs­burgo), que con­tri­buiu di­li­gen­te­mente, pela sua con­dição régia, para o for­ta­le­ci­mento do reino de Deus.  († 1922)

12.   Em Gua­da­la­jara, re­gião de Ja­lisco, no Mé­xico, os be­atos Ana­cleto Gon­zález Flores (José), Jorge Rai­mundo Vargas González, Luís Pa­dilla Gómez (José Di­o­nísio), e Rai­mundo Vi­cente Vargas González, mártires. († 1927)

13. BEM-AVENTURADOS TOMÉ DE TOLENTINO, TIAGO DE PÁDUA, PEDRO DE SIENNE E DEMÉTRIO DE GEóRGIA, MÁRTIRES. Ver páginas 22-23: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

14. Em Constantinopla, em 830, São Macário, higúmeno, que suportou grandes tribulações na defesa do culto das santas imagens (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M). Ver também pág. 24: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

15. No ano da graça de 1100, o Bem-Aventurado Lanzão, prior de São Pancrácio de Lewes, perto de Londres, mosteiro que esteve à frente da província inglesa de Cluny (Conforme Martirológio Romano-Monástico – X).

16. No mesmo dia, em Roma, Santa Teodora (também na Folhinha do Coração de Jesus) irmã do mui célebre mártir Santo Hermes; sofreu o martírio durante o reinado de Adriano e quando Aureliano era juiz. Foi enterrada perto do irmão, na via Salária, não longe da cidade. Ver pág. 25: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

17. São Melitão de Sardes. Ver “Melitão de Sardes (em latimMelito), também Melitão, o Eunuco, (m. c. 180) foi o bispo de Sardes, uma cidade perto de Esmirna, na Anatólia ocidental; e uma grande autoridade na igreja primitiva.[1] Sua lista de livros do Antigo Testamento é uma das mais antigas conhecidas.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Melit%C3%A3o_de_Sardes ou https://pt.wikipedia.org/wiki/Melit%C3%A3o_de_Sardes

– Ver também São Militão, pág. 23: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

18. Outros santos do dia 01 de abril: págs. 09-25 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 01 de abril, ver ainda:  1 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 295-297: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!