Santas e Santos de 10 de janeiro

10 DE JANEIRO DE 2021: BATISMO DO SENHOR

Ver “O batismo de Jesus marca o início do ministério público de Jesus. Este evento é narrado nos três evangelhos sinóticos (MateusLucas e Marcos, enquanto que em João 1:29-33, que não é uma narrativa direta, João Batista testemunha o episódio.[1][2] O batismo é um dos seis eventos mais importantes da narrativa evangélica sobre a vida de Jesus, os outros sendo a encarnação do verbo e nascimento, a transfiguração, a crucificação, a ressurreição e a ascensão.[3][4]

João Batista pregava o “batismo pela água”, não de perdão ou contrição, mas para a remissão dos pecados (Lucas 3:3) e se declarava um precursor d’Aquele que iria batizar “com o Espírito Santo e com o fogo” (Lucas 3:16). Ao fazê-lo, ele estava preparando o caminho para o “Senhor”.[5] Jesus veio até o Rio Jordão, onde ele foi batizado por João num lugar que é tradicionalmente conhecido como Qasr al-Yahud (“Castelo dos Judeus”).[5][6][7][8][9] Este evento termina com o céu se abrindo, a descida do Espírito Santo na forma de uma pomba e uma voz divina anunciando: “Tu és o meu Filho dileto, em ti me agrado.”.[10] A voz combina frases chave do Antigo Testamento: “Meu Filho” (o rei da linhagem de David adotado como Filho de Deus em Salmos 2:1 e Salmos 10:1, “dileto” (ou “bem-amado” – como Isaque em Gênesis 22:) e “em ti me agrado” (o servo de Deus em Isaías 42:1)[5]

A maior parte das denominações cristãs veem o batismo de Jesus como um evento importante e a base para o rito cristão do batismo (veja também Atos 19:1-7). A controvérsia reside principalmente com a relação do ato com a heresia do cristianismo primitivo conhecida como adocionismo, que pregava que Jesus só ali se tornou o Filho de Deus.

No cristianismo oriental, o batismo de Jesus é comemorado no dia 6 de janeiro, a festa da Epifania.[11] Na Igreja Católica, na Comunhão Anglicana e em outras denominações ocidentais, ela é relembrada num dia da semana seguinte, a festa do Batismo do Senhor. No catolicismo romano, o batismo de Jesus é um dos Mistérios Luminosos do Santo Rosário.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Batismo_de_Jesus

SANTAS E SANTOS DE 10 DE JANEIRO

1. Beato Gon­çalo de Amarante, pres­bí­tero de Braga, que, de­pois de longa pe­re­gri­nação à Terra Santa, en­trou na Ordem dos Pre­ga­dores e fi­nal­mente se re­tirou para um ermo; fez cons­truir uma ponte e ajudou muito os ha­bi­tantes do lugar com a sua oração e pregação. († c. 1259). “Bv. GONÇALO DO AMARANTE: Gonçalo nasceu em Portugal, em 1187. Após uma peregrinação a Roma e Jerusalém, já sacerdote, passou por uma grave crise espiritual. que o fez se dedicar à conversão des pecadores. Nara a tradição que evangelizava de um modo peculiar, através da dança. Para reabilitar as prostitutas, vestia-se de mulher e dançava e cantava com elas a noite toda, esperando que, assim, não pecassem e se convertessem. Por penitência, dançava com pregos na sola dos sapatos. A “dança de São Gonçalo” é, ainda hoje, uma forma de expressão da religiosidade popular no Brasil. São Gonçalo é o protetor dos violeiros, invocado contra as enchentes, e casamenteiro. orreu em Amarante, Portugal, no dia 10 de janeiro de 1259”. (Conforme a Folhinha do Coração de Jesus, Frei Sandro Roberto da Costa, OFM. Ver páginas 292-293: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver “Gonçalo de AmaranteO.P., foi um eclesiástico português. Gozando de grande devoção popular que se irradiou a partir do norte do país, é popularmente conhecido como São Gonçalo de Amarante[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Gonçalo_de_Amarante

2.   Em Roma, no ce­mi­tério de Ca­listo, junto à Via Ápia, São Mil­cíades, papa, oriundo da África, que co­nheceu a paz da Igreja res­ta­be­le­cida pelo im­pe­rador Cons­tan­tino e, sendo ví­tima dos ata­ques dos do­na­tistas, ac­tuou com grande pru­dência para al­cançar a concórdia. († 314). Ver “São Melquíades (em grego: Μελχιάδης ὁ Ἀφρικανός), também conhecido por MilcíadesMiltíades ou Melquíadas, foi Papa entre 2 de julho de 311 até 10 de janeiro de 314.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Melquíades

3.   Na Te­baida, re­gião do Egipto, São Paulo, ere­mita, que abraçou a vida mo­nás­tica desde os seus princípios. († s. IV)

4.   Em Nissa, na Ca­pa­dócia, hoje Ved­sehir, na ac­tual Tur­quia, São Gre­gório, bispo, irmão de São Ba­sílio Magno, in­signe pela sua vida e dou­trina, que, por ter pro­cla­mado a ver­da­deira fé, foi ex­pulso da sua ci­dade no tempo do im­pe­rador ariano Valente. († a. 400). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 400, o nascimento no céu de São Gregório bispo de Nissa, na Capadócia, irmão caçula de São Basílio Magno. Teve um papel preponderante na elaboração da doutrina ascética e mística do Oriente ao explicitar suas bases bíblicas e filosóficas em suas célebres obras. A vida de Moisés e o Tratado sobre a virgindade. (B)

5.   Em Je­ru­salém, São João, bispo, que, em tempo da con­tro­vérsia sobre a ver­da­deira dou­trina, tra­ba­lhou ar­du­a­mente pela fé ca­tó­lica e pela paz da Igreja. († 417)

6*.   Em Die, no ter­ri­tório de Vi­enne, ac­tu­al­mente na França, São Pe­trónio, bispo, que an­te­ri­or­mente se­guira a vida mo­nás­tica na ilha de Lérins. († d. 463)

7.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Mar­ciano, pres­bí­tero, que se em­pe­nhou com ex­tra­or­di­nária di­li­gência em or­na­mentar as igrejas e so­correr os pobres. († 471). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Constantinopla, perto de 470, São Marciano, sacerdote. Fez da instrução dos indigentes seu trabalho predileto, e usou da grande fortuna de sua família para alimentar os pobres de Jesus Cristo e para construir igrejas e hospitais. (M). Ver páginas 289-290: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

8*.   Em Li­moges, ci­dade da Aqui­tânia, ac­tu­al­mente na França, São Va­lério, que abraçou a vida so­li­tária. († s. VI)

9*.   Em Me­li­tene, na an­tiga Ar­ménia, São Do­mi­ciano, bispo, que tra­ba­lhou in­ten­sa­mente pela con­versão dos Persas. († c. 602). Ver página 291: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

10.   Em Roma, junto de São Pedro, o se­pul­ta­mento de Santo Agatão, papa, que con­firmou a in­te­gri­dade da fé contra os erros do mo­no­te­lismo e pro­moveu sí­nodos para for­ta­lecer a uni­dade da Igreja. († 681). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, em 681, o sepultamento de Santo Agatão, papa, cuja carta expondo a doutrina católica das duas vontades -humana e divina em Jesus Cristo, foi aprovada pelo VI Concílio Ecumênico de Constantinopla. (M). Ver páginas 274-279: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver  “Papa Agatão era de origem siciliana e vivia num mosteiro em Palermo. Foi eleito em 27 de junho de 678 aos 58 anos de idade.[1] Relacionou-se com os bispos ingleses e promoveu a Irlanda a centro de cultura. Condenou o monotelismo e opôs-se aos abusos imperiais, pelo que enviou 680 legados ao Concílio Ecumênico de Constantinopla. Autor do juramento papal, desde então feito por todos os papas eleitos. Faleceu antes de assinar os decretos do concílio. Santo Agatão recebeu os títulos de “Taumaturgo” e de “Fazedor de Milagres”, pelos numerosos milagres que teria realizado. Morreu em 10 de janeiro de 681.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Agatão

11*.   No ter­ri­tório de Vi­viers, ao longo do Ró­dano, na França, Santo Arcôncio, bispo. († c. 740-745)

12.   No mos­teiro de Cusan, nos montes Pi­re­neus, São Pedro Urséolo, que de­pois de ter sido doge de Ve­neza se fez monge; foi cé­lebre pela sua pi­e­dade e aus­te­ri­dade e passou a vida num ermo pró­ximo do mosteiro. († c. 987/988). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 987, São Pedro Urseolo, doge de Veneza, que abandonou repentinamente suas funções e sua família para seguir a Cristo no deserto, em Cuxa, na região do Roussillon. (M). Ver páginas 297-298: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

13*.   No mos­teiro de Cava de’ Tir­réni, na Cam­pânia, hoje re­gião da Itália, o Beato Be­nin­casa, abade, que en­viou cem dos seus monges à Si­cília para ocupar o ce­nóbio de Mon­reale re­cen­te­mente fundado. († 1194)

14.   Em Bourges, na Aqui­tânia, re­gião da França, São Gui­lherme (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, as­pi­rando ar­den­te­mente à vida de so­lidão e me­di­tação, foi monge cis­ter­ci­ense em Pon­tigny, de­pois abade em Chalis e fi­nal­mente bispo da Igreja de Bourges; mas nunca abrandou a aus­te­ri­dade da vida mo­nás­tica e dis­tin­guiu-se pela sua ca­ri­dade para com o clero, os ca­tivos e os indigentes. († 1209). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1209, São Guilherme. Descendente da ilustre família dos condes de Nevers, foi primeiro monge cisterciense, e mais tarde designado bispo de Bourges. (M). Ver páginas 280-286: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

15*.   Em Arezzo, na Etrúria, ac­tu­al­mente na Tos­cana, re­gião da Itália, o pas­sa­mento do Beato Gre­gório X (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que, sendo ar­ce­diago de Liège, foi eleito para a ca­deira de Pedro: fa­vo­receu de todos os modos a co­mu­nhão com os Gregos e, para pro­mover a con­ci­li­ação entre os cris­tãos e re­cu­perar a Terra Santa, con­vocou o se­gundo Con­cílio Ecu­mé­nico de Lião. († 1276). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Toscana, o Bem-Aventurado Gregório X. Natural de Piacenza, era arcebispo de Liège quando foi eleito papa. Convocou o II Concílio Ecumênico de Lião, que recebeu os gregos na unidade da fé, trabalhou pela entre os cristãos e pela reconquista da Terra Santa. (M). Ver páginas 294-296: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver  “Beato Gregório X, nascido Teobaldo ViscontiOCist (Placência1210 — Arezzo10 de Janeiro de 1276) foi Papa entre 1271 e 1276. O conclave que o elegeu foi o mais longo da história da Igreja, durando quase três anos.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Gregório_X

16*.   Em Lo­ren­zana, na Lu­cânia, na ac­tual Ba­si­li­cata, re­gião da Itália, o Beato Egídio (Ber­nar­dino di Bello), re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores, que viveu re­cluso numa gruta. († 1518). Ver páginas 287-288: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

17*.   Em Are­quipa, no Peru, a Beata Ana dos Anjos Monteagudo, virgem da Ordem dos Pre­ga­dores, que com o dom do con­selho e da pro­fecia pro­moveu o bem de toda a cidade. († 1686). Ver “Ana dos Anjos Monteagudo (Arequipa26 de Julho de 1602 — 10 de Janeiro de 1686) foi uma religiosa peruana beatificada pelo Papa João Paulo II em 1985.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ana_dos_Anjos_Monteagudo

18*.   Em Pe­rúgia, na Itália, Santa Fran­cisca de Sales (Leónia) Aviat, virgem, que se de­dicou com amor ma­terno e ge­ne­rosa so­li­ci­tude à pro­moção da ju­ven­tude e ins­ti­tuiu as Oblatas de São Fran­cisco de Sales. († 1914)

19*.   Em Ma­drid, na Es­panha, a Beata Maria das Dores Ro­drí­guez Sopeña, virgem, a qual, dando emi­nente tes­te­munho de ca­ri­dade cristã, se apro­ximou dos mais aban­do­nados da so­ci­e­dade do seu tempo, es­pe­ci­al­mente nos su­búr­bios das grandes ci­dades, e fundou o Ins­ti­tuto das Damas Ca­te­quistas e a Obra da Dou­trina, para anun­ciar o Evan­gelho e pro­mover os po­bres e os ope­rá­rios nas ques­tões sociais. († 1918)

20. Na Ilha de Chipre, São Nicanor (também na Folhinha do Coração de Jesus), que foi um dos sete primeiros Diáconos e admirável pela graça da fé e por suas virtudes, recebeu gloriosíssima coroa (Conf. Martirológio, Ed. Permanência). Ver também pág. 299: VIDAS DOS SANTOS – 1.pdf (obrascatolicas.com)

21. Outros santos do dia 10 de janeiro, 274-299

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 10 de janeiro, ver ainda: 10 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 121-124:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 09 de janeiro

1.   Em An­cona, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, São Mar­ce­lino, bispo, que, como es­creve o papa São Gre­gório Magno, com o poder di­vino salvou do in­cêndio esta cidade. († s. VI). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 550, São Marcelino, bispo de Ancona, que por sua oração e sua intervenção pessoal salvou a cidade de um incêndio. (M). Ver página 263: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

2*.   Em Can­tuária, na In­gla­terra, Santo Adrião, abade, na­tural da África, que, vindo de Ná­poles, na Cam­pânia, chegou à In­gla­terra e, pela sua pro­funda for­mação em ci­ên­cias sa­gradas e pro­fanas, en­sinou a um grande nú­mero de dis­cí­pulos a ci­ência da salvação. († 710). Ver Santo Adriano, nas páginas 260-261: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

3*.   Na Es­cócia, São Fe­lano, abade do mos­teiro de Santo André, que, in­signe pela vida de grande aus­te­ri­dade, viveu na solidão. († c. 710). Ver São Felan, página 264: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4*.   No monte Olimpo, na Bi­tínia, na ac­tual Tur­quia, Santo Eus­trácio o Tau­ma­turgo, abade do mos­teiro de Abgar. († s. IX)

5*.   Em Thé­nézay, no ter­ri­tório de Poi­tiers, na Aqui­tânia, ac­tu­al­mente na França, Santo Ho­no­rato de Bu­zan­çais, mártir, que era ne­go­ci­ante de gado e com o seu lucro so­corria os po­bres; e, ao re­pre­ender dois seus em­pre­gados pelos furtos que fa­ziam, foi por eles bar­ba­ra­mente assassinado. († 1250). Ver página 268-269: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

6*.   Em Cer­taldo, na Etrúria, na ac­tual Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Júlia della Rena, da Ordem Ter­ceira de Santo Agos­tinho, que viveu re­clusa só para Deus numa pe­quena cela junto da igreja. († 1367)

7*.   Em An­cona, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, o Beato An­tónio Fatáti, bispo, que exerceu com grande pru­dência e se­re­ni­dade todas as mis­sões que lhe foram con­fi­adas pelos Pon­tí­fices Ro­manos, e foi sempre aus­tero para con­sigo, mas mag­nâ­nimo para com os pobres. († 1484)

8*.   Em Nancy, na França, a Beata Maria Te­resa de Jesus (Alice Le Clerc), virgem, que, fundou com São Pedro Fou­rier a Con­gre­gação das Ca­no­nisas Re­gu­lares de Nossa Se­nhora, sob a Regra de Santo Agos­tinho, des­ti­nada à for­mação das jovens. († 1622)

9.   Em Seul, Co­reia, as santas már­tires Agueda Yi, virgem, cujos pais re­ce­beram também a coroa do mar­tírio, e Te­resa Kim, viúva, que, de­pois de cru­el­mente fla­ge­ladas no cár­cere pela sua fé em Cristo, ambas mor­reram degoladas. († 1840)

10*.   Perto de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, no campo de con­cen­tração de Da­chau, os be­atos José Pawlowski e Ca­si­miro Grelewski, pres­bí­teros e már­tires, que, em tempo da guerra, de­por­tados da Po­lónia in­va­dida pelos per­se­gui­dores, ter­mi­naram o seu mar­tírio com o su­plício da forca. († 1942)

11. São Félix (também na Folhinha do Coração de Jesus). Na África, os santos mártires Epitecto, Jucundo, Secundo, Vidal, Félix (Vidal e Félix na Folhinha do Coração de Jesus), e outros sete (Conf. Martirológio Ed. Permanência).

12. Em Esmirna os santos Mártires Vidal (também na Folhinha do Coração de Jesus), Revocato e Fortunato (Conf. Martirológio Ed. Permanência).

13. Na Mauritânia Cesariense, Santa Marciana, Virgem (também na Folhinha do Coração de Jesus), que consumou seu martírio sendo lançada às feras (Conf. Martirológio Ed. Permanência). Ver página 265: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

14. Perto de 304, São Juliano, mártir egípcio. Com sua esposa, Santa Basilissa, dedicou suas forças e seus bens ao socorro dos pobres e dos doentes que eles abrigavam dentro de sua própria casa (conf. Martirológio Romano-Monástico – M). Conforme o Martirológio Romano da Ed. Permanência, Santa Basilissa conservou a virgindade com seu marido e acabou a vida em paz. São Juliano, porém, (depois de queimados muitos sacerdotes e ministros da Igreja de Cristo que, por causa da crueldade da perseguição, haviam se refugiado em sua casa), foi atormentado por muitos suplícios e condenado a ser decapitado. Ver “Santos Julião e Basilissa” página 259: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 391, São Pedro, bispo de Sebaste, na Arménia. Irmão de São Basílio Magno, participou do Concilio de Constantinopla e restabeleceu a ortodoxia comprometida por seu predecessor. (M). Em Sebaste, na Armênia, São Pedro, Bispo, filho dos Santos Basílio e Emélia, irmão dos santos bispos Basílio Magno e Gregório Nisseno e da santa virgem Macrina (Conf. Martirológio Ed. Permanência).

Ver “São Pedro Sebasta”, páginas 272-273: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

16. Santa Pascácia. Ver página 262: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

17. Na Normandia, perto de 668, São Vanengo. Conselheiro da regente Santa Batilde, foi depois governador do país de Caux e consagrou parte de sua fortuna para fundar a abadia de Fécamp, onde mais tarde partilhou a oração e a vida dos monges (X-Conforme Martirológio Romano-Monástico).

Ver página 266-267: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

18. Bem-Aventurado Filipe Berruyer, arcebispo e confessor. Ver páginas 270-271: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

19. Na Wikipedia de 09 de janeiro e em 04 de fevereiro: Santo André Corsino, bispo de Fiésole na Toscana. Ver páginas 402-410: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver, na Wikipedia de 09 de fevereiro, “Santo André Corsini (Florença30 de Novembro de 1301 – Fiesole6 de Janeiro de 1374) foi um religioso carmelita italiano. Abraçou a vida religiosa em sua cidade natal. Exerceu a função de provincial na província carmelita da Toscana. Em 13 de Outubro de 1349 foi nomeado bispo de Fiesole pelo Papa Clemente VI. Distinguiu-se pelo zelo apostólico, prudência e amor em relação aos pobres. Foi canonizado em 29 de Abril de 1629. Teve um de Seus Parentes sendo Papa, descentende de seu irmão o Papa Clemente XII (1730 – 1740).”: André Corsini – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver também “Andrew Corsini”: Patron Saints Index: Saint Andrew Corsini (archive.org)

– Ver ainda “…Foi sepultado na igreja dos Carmelitas de Florença, onde suas relíquias podem ser veneradas, ainda hoje. Santo André Corsini é o padroeiro da cidade de Florença e a Igreja designou o dia 04 de fevereiro para a sua festa litúrgica.”: http://www.arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/santo-andre-corsini

20. Outros santos do dia 09 de janeiro, 259-273

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 09 de janeiro, ver ainda: 9 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 119-121:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 08 de janeiro

1.   Em Hi­e­rá­polis, na Frígia, na ac­tual Tur­quia, Santo Apo­li­nário (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, no tempo do im­pe­rador Marco Au­rélio, res­plan­deceu pela sua dou­trina e santidade. († s. II). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. II, São Cláudio Apolinário, bispo da Frígia, que dirigiu ao imperador Marco Aurélio uma Apologia pelos cristãos. (M). Ver “Apolinário Cláudio(em latimApollinaris Claudius), também chamado de Apolinário de Hierápolis e Apolinário Apologista, foi um líder cristão e escritor que viveu no século II d.C… Ele foi bispo de Hierápolis, na Frígia, e se tornou famoso por causa dos seus polêmicos tratados contra os heréticos do seu tempo, principalmente os montanistas, cujos erros ele afirmou serem todos emprestados dos pagãos[1]Eusébio, citando Apolinário, afirma que ele teve contato direto com a seita e que ele debateu com os heréticos… Nada sobreviveu dos seus textos, exceto alguns poucos trechos, o maior dos quais está relacionado com a data da Páscoa judaica[4]. Sua festa é comemorada no dia 8 de janeiro[3]. Ele foi um dos biografados por São Jerônimo em sua obra De Viris Illustribus (Sobre Homens Ilustres – capítulo 26)[5].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Apolinário_Cláudio

2.   Na Líbia, os santos már­tires Teó­filo (também na Folhinha do Coração de Jesus), diá­cono, e Eládio, de quem se diz que, de­pois de di­la­ce­rados com pontas agu­dís­simas, foram fi­nal­mente lan­çados ao fogo. († s.c. III)

3.   Em Be­au­vais, na Gália Bél­gica, hoje  na França, os santos Lu­ciano, Ma­xi­miano e Ju­lião, mártires. († c. 290). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no séc. III, São Luciano, que pagou com a própria vida evangelizar a região de Beauvais (França). (M)

4.   Em Metz, também na Gália Bél­gica, São Pa­ci­ente, bispo. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no mesmo dia, São Paciente, bispo de Metz, no séc. IV; e Santo Erardo (ver número 9, abaixo), bispo de Ratisbona, no séc. VII. (M)

5.   No Nó­rico, junto ao Da­núbio, ac­tu­al­mente na Áus­tria, São Se­ve­rino (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero e monge, que, tendo che­gado a esta re­gião de­pois da morte de Átila, chefe dos Hunos, de­fendeu as po­pu­la­ções in­de­fesas, aplacou os mais fe­rozes, con­verteu os in­fiéis, edi­ficou mos­teiros e ins­truiu os mais ne­ces­si­tados de for­mação religiosa. († c. 482). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no ano do Senhor de 482, São Severino, abade, apóstolo da Nórica, antiga região da atual Áustria. (M). Ver páginas 239-250: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver “Severino nasceu no ano de 410, na cidade Roma. De família nobre, era um homem polido e falava latim como ninguém. Entretanto, preferiu a pobreza, a humildade e a caridade como opção de vida.[1] Viveu durante as invasões bárbaras e, em meio a esse cenário, soube viver o Evangelho e semear a boa nova do Reino de Deus.[2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Severino_de_Nórica

– Ver “Revista Signum-, v. 21, n. 1, 2020. A VIDA DE SÃO SEVERINO DA NÓRICA: UM TEXTO FUNDAMENTAL PARA A HISTÓRIA DO INÍCIO DO MEDIEVO”: http://www.abrem.org.br/revistas/index.php/signum/article/view/496/495

e http://www.abrem.org.br/revistas/index.php/signum/article/view/496

6.   Em Pavia, na Li­gúria, re­gião da Itália, São Má­ximo, bispo. († c. 514)

7*.   No mos­teiro de Co­ziba, na Pa­les­tina, São Jorge, monge e ere­mita, que vivia re­cluso toda a se­mana e orava ao Do­mingo com os ir­mãos, com os quais fa­lava sobre as re­a­li­dades es­pi­ri­tuais e a todos dava conselho. († c. 614)

8*.   Na re­gião de Aber­deen, na Es­cócia, São Na­ta­lano, cé­lebre pela sua ca­ri­dade para com os pobres. († c. 678)

9.   Em Ra­tis­bona, ci­dade da Ba­viera, ac­tual re­gião da Ale­manha, Santo Erardo, na­tural da Es­cócia, o qual, no de­sejo ar­dente de pro­pagar o Evan­gelho, partiu para esta re­gião, onde exerceu o mi­nis­tério episcopal. († 707)

10*.   Em Mo­orsel, no Bra­bante, na ac­tual Bél­gica, Santa Gu­délia, virgem, que em sua casa se con­sa­grou às obras de ca­ri­dade e à oração. († c. 712). Conforme o Martirológio Romano-Monástico em 712, Santa Gudula, virgem consagrada a Deus, padroeira celeste de Bruxelas. Por ocasião de sua morte, foi pranteada por uma multidão de pobres a quem ela havia socorrido. (X).Ver páginas 251-252: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

11*.   Em Cashel, na Ir­landa, Santo Al­berto, bispo, na­tural da In­gla­terra, que du­rante muito tempo foi pe­re­grino por amor de Cristo. († s. c. VIII)

12.   Em Ve­neza, na Itália, São Lou­renço Jus­ti­niano, bispo, que ilus­trou esta Igreja com a dou­trina da sa­be­doria eterna. († 1456). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no ano da graça de 1455, São Lourenço Justiniano, patrício e depois bispo de Veneza, que pregou pela palavra e pelo exemplo contra o humanismo pagão de seu ambiente. (M). Ver “Lorenzo Giustiniani (1381 – 8 de Janeiro de 1456), o Laurentius Justinianus (Lourenço Justiniano) do Calendário romano, foi bispo e o primeiro Patriarca de Veneza, sendo venerado como santo pela Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Lorenzo_Giustiniani

13*.   Em New­castle-on-Tyne, na In­gla­terra, o Beato Edu­ardo Wa­terson, pres­bí­tero e mártir, que, no rei­nado de Isabel I, por ter che­gado à In­gla­terra para exercer o mi­nis­tério sa­cer­dotal, foi con­de­nado à morte e en­for­cado no patíbulo. († 1593)

14.   Em Ma­rola, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Vi­cenza, na Itália, a Beata Eu­rósia Fa­bris Barban, mãe de fa­mília, membro da Ordem Ter­ceira Franciscana. († 1932)

15. SANTO ANTÔNIO DE CATEGERÓ (também na Folhinha do Coração de Jesus):

A. Foi um escravo que se tornou santo. Nasceu na Cirenáica, uma região do norte da África, no fim do século XV. Na terra natal praticou a religião chamada Islamismo, que foi fundada por Maomé. Depois, capturado como escravo, foi levado para a ilha da Sicília, sul da Itália. Aí foi vendido para um senhor cristão. Naquele tempo o escravo era comprado por um valor equivalente ao valor de dois cavalos. Muito bom e humilde, Antônio era chamado de Tio António. Foi instruído pelos patrões sobre a vida e a missão de Jesus Cristo. Desse conhecimento de Jesus passou a amar o nosso Salvador e pediu para ser batizado. Tornou-se cristão. Não foi, porém, um cristão comum, muito menos, um cristão relaxado. Praticava a lei de Deus com todo o fervor. Amava a Deus, procurando estar sempre com Ele por meio da oração. Procurava conhecer também a palavra de Deus na Bíblia. Orava muito, até durante a noite. Sempre se confessava e recebia Jesus na comunhão. Como a vontade de Deus é amemos também nossos irmãos, ele amava realmente o próximo.
Primeiramente, era muito trabalhador, cumprindo sempre as ordens de seu patrão, que o encarregou de cuidar das ovelhas. Depois, tinha amor pelos pobres. Pedia ao povo da cidade onde morava, a cidade de Noto, esmolas, e distribuía pelos pobres, alimento e roupas. Ajudava aos pobres também distribuindo leite e queijo das ovelhas. Uma vez o patrão o proibiu de dar leite e queijo para os pobres. António obedeceu. Então a produção diminuiu bastante. O patrão viu que ia tomar prejuízo. Mandou então que António continuasse a atender os pobres. E as ovelhas continuaram a produzir como antes, para alegria do patrão. Deus deu a António o dom de fazer milagres, de modo especial de curar pessoas.Muitos o procuravam para alcançar a saúde. Antônio humilde, dizia que ele não passava de um simples escravo do Senhor Jesus, só Deus tem poder de curar. Impunha as mãos aos enfermos, rezava e Deus curava. Depois de sua morte continuou a fazer muitos milagres. Até hoje temos testemunhas de muitas pessoas que alcançaram grandes graças por intercessão de Santo António de Categeró. Conforme:

http://arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/santo-antonio-de-categero

B. MEMÓRIA EM 14 DE MARÇO, CONFORME:

https://marcioreiser.blogspot.com/2011/03/santo-antonio-de-categero-ofs.html

C. Questionamento sobre Santo Antônio de Categeró:  

Em sínteseSanto Antônio de Categeró não consta do catálogo dos Santos da Igreja Católica; terá sido um franciscano africano do século XVI. Parece não ter existido. — É estranho que uma denominação cristã oriental (siriana), separada da Igreja Católica, e a Igreja Brasileira façam a propaganda da devoção a esse Santo (que não era oriental nem brasileiro), atraindo fiéis católicos com promessa de milagres, com orações e novenas. Que interesses estão subjacentes a este tipo de propaganda piedosa? 

Têm-se espalhado folhetos que divulgam a devoção a “Santo Antônio de Categeró”, cujo santuário seria a igreja paroquial de Nossa Senhora da Anunciação, da Igreja Católica Ortodoxa Siriana, no Rio de Janeiro. A população católica se vê perplexa diante desses panfletos, pois tal Santo é tido como grande taumaturgo, mas é desconhecido na Tradição da Igreja. Vejamos o que a respeito dizem os impressos de propaganda e o que se pode pensar a respeito. Conforme:

D. BEATO ANTONIO ETÍOPE OU SANTO ANTÔNIO DE CATEGERÓ. Conforme:

Na atormentada história da Europa da primeira metade do século XVI, encontramos a vida de Antônio, o Etíope. Nascido em Barco de Cirene (Líbia) de família maometana, religião que ele professou até que, por um acidente providencial, foi capturado e deportado para a Sicília, em Siracusa. Foi comprado como escravo por um agricultor de Avola, um certo John Landanula (ou Landolina) que lhe confiou seu rebanho. John percebeu que aquele seu servo era bastante inteligente, de coração sincero, de índole nobre, honesta, e respeitosa…

E. A HISTÓRIA DE CATEGERÓ EM 5 FASES:

O país (Brasil) passa a ser o pólo irradiador da devoção do beato Antônio de Categeró, no Brasil, António de Noto, em Portugal; e Antònio Etíope, na Itália. Conforme:

Ainda: http://categero.org.br/

16. Santo Abo de Tiflis. Ver “Abo de TiflisAbo Tbileli, ou Habo Tbileli (Abo/Habo de Tbilisi; em georgiano: აბო თბილელი, ჰაბო ტფილელი) (ca. 756 – 6 de janeiro de 786) é um mártir cristão e o santo padroeiro da cidade de Tbilisi, na Geórgia… A profissão de Abo em Bagdá era a de perfumista, na qual se destacou como fabricante de perfumes finos e pomadas, a arte, evidentemente, implicava no conhecimento de química. Por cerca de três anos Abo abertamente professou sua fé cristã nas ruas de Tbilisi, fortalecendo com seu exemplo os cristãos que sofriam sob o domínio árabe e tentando converter ao cristianismo os seus compatriotas árabes. Uma série de ameaças e advertências não conseguiu atenuar o seu zelo. Em 786 foi denunciado como cristão às autoridades árabes em Tbilisi, preso e julgado por ser um renegado do Islã. Confessou sua fé durante o julgamento, foi preso, e martirizado em 6 de janeiro de 786. No caminho para a sua execução, agradeceu a Deus por ter transformado sua profissão terrena de perfumista em uma vocação celestial de seguidor da “doce fragrância dos mandamentos de Cristo”.Ioane Sabanisdze, escritor religioso georgiano e contemporâneo de Santo Abo, compilou a vida do mártir em seu romance hagiográfico “O Martírio de Santo Abo”.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Abo_de_Tiflis

17. São Cartério, mártir. Ver página 253: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver: http://cristorei-blumenau-ev.blogspot.com/2008_01_08_archive.html

18. São Natalan, bispo e confessor. Ver página 254: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

19. Bem-aventurado Turpino, bispo e confessor. Ver página 255: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf    

20. São Félix, bispo e confessor. Ver páginas 256-257: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

21. São Pedro de Sebaste. Ver “Não há informações detalhadas sobre suas atividades como bispo, exceto que esteve presente no Primeiro Concílio de Constantinopla em 381. Após sua morte, em 391, ele passou a ser venerado como santo. Sua festa, na Igreja Católica, é no dia 8 de janeiro.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pedro_de_Sebaste

22. Gauchito Gil. Ver “Gauchito Gil é um lendário personagem da cultura popular argentina.[1] Seu nome completo era Antonio Mamerto Gil Núñez, e supostamente nasceu na área de Pagamento Ubre, hoje Mercedes, província de Corrientes, possivelmente na década de 1840, e morreu a 8 de janeiro de 1878… É considerado o mais proeminente santo gaúcho na Argentina.[2] Não está incluído na liturgia católica… Atualmente, o santuário construído no local de seu túmulo, localizado a cerca de 8,2 km da cidade de Mercedes, recebe centenas de milhares de peregrinos a cada ano, especialmente a 8 de janeiro, dia do aniversário da morte de Gil.[3][4]. O culto a Gauchito Gil se espalhou a partir da província de Corrientes para o resto do país, incluindo a província de ChacoSanta FéCórdobaMendoza, província de Buenos Aires e até mesmo a Capital Federal e a província de Terra do Fogo.[5] Os fiéis são muitas vezes tementes a São Morte como as histórias estão fortemente interligadas”: Gauchito Gil – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

22.Outros santos do dia 08 de janeiro, 239-258

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 08 de janeiro, ver ainda: 8 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 118-119:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 07 de janeiro

1. São Raimundo de Penhaforte, presbítero da Ordem dos Pregadores, que foi exímio na ciência do Direito Canónico, escreveu obras de sólida doutrina e grande proveito sobre o sacramento da Penitência e, eleito mestre geral da sua Ordem, preparou para ela a redacção das novas Constituições. Em idade avançada, faleceu piedosamente em Barcelona, cidade da Espanha. († 1275)Conforme o Martirológio Romano-Monástico, O nascimento no céu de São Raimundo (também na Folhinha do Coração de Jesus), Mestre Geral da Ordem Dominicana. Originário de Peñafort, na Espanha, morreu aos cem anos no dia 6 de janeiro de 1275, no convento de Barcelona. Célebre por sua erudição em Direito Canônico, “ministro insigne do sacramento da penitência”, e com São Pedro Nolasco co-fundador da Ordem das Mercês, é honrado pela Igreja por causa de seu imenso amor pelos pecadores e pelos prisioneiros. (R). Ver “Raimundo de Penaforte, do catalão Raimon de Penyafort (Vilafranca del Penedès, c. 1175 – Barcelona6 de Janeiro de 1275) é o santo patrono da lei canónica e dos advogados canônicos. Raimundo dedicou-se desde jovem aos estudos filosóficos e jurídicos. Aos 20 anos de idade ensinava filosofia e direito canónico em Barcelona, onde foi cónego. Em 1210 foi ensinar para Bolonha (Itália), onde ficou até 1222. Foi capelão do papa Alexandre IV, e confessor de do rei Jaime I de Aragão, ao qual repreendeu pela vida licenciosa.Entrou depois na Ordem dos Pregadores, no convento de Santa Catalina e fez uma interveção na proclamação da cruzada contra Maiorca

A sua colaboração com Pedro Nolasco foi essencial na fundação da Ordem de Nossa Senhora das Mercês para a Redenção dos Cativos, obtendo o consentimento de Jaime I para a fundação da Ordem.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Raimundo_de_Penaforte  

2.   Em Melitene, na Arménia, hoje Malatya, na Turquia, São Polieucto, mártir, que, sendo soldado, constrangido pelo edito do imperador Décio a sacrificar aos deuses, quebrou as estátuas; por isso suportou muitos tormentos e, finalmente degolado, foi baptizado com o derramamento do seu sangue. († c. 250) 

3.   Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, a paixão de São Luciano, presbítero e mártir da Igreja de Antioquia, célebre pela sua sabedoria e eloquência, que, levado ao tribunal para contínuas interrogações acompanhadas de torturas, persistiu intrepidamente em declarar-se cristão. († 312)Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no início do séc. IV, o martírio do Bem-Aventurado Luciano (também na Folhinha do Coração de Jesus), sacerdote, que fundou a célebre escola bíblica de Antioquia e teve a iniciativa de rever ele mesmo as diversas traduções dos livros do Antigo Testamento. Morreu sob torturas, não cessando de repetir que era cristão. (M). Ver páginas 222-223: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

– Ver “Luciano de Antioquia (ca. 240 ─ 7 de janeiro de 312[a]), conhecido também como Luciano, o mártir, foi um presbítero cristão, um teólogo e um mártir. Ele era conhecido tanto por sua erudição quanto por piedade ascética…  7 de janeiro era a data em que sua memória era celebrada tradicionalmente em Antioquia.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Luciano_de_Antioquia  

– Ver também “Luciano chamado da Antioquia nasceu em 235 e deve seu grande renome ao fato de ter sido o iniciador da doutrina herética conhecida como arianismo, que tão profundamente abalou toda a cristandade dos primeiros séculos. Aliás, diga-se que os arianos se chamaram inicialmente de “lucianistas”. Doutrina a qual Luciano se retratou lavando com o sangue do seu próprio martírio o inicial equívoco, levado às últimas conseqüências pelo herege Ário, que lhe doou o nome definitivo. Assim temos em Santo Luciano um sacerdote sírio que foi martirizado no século IV, mais precisamente no ano 312, na Nicomedia, Turquia.”: http://www.arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/sao-luciano-da-antioquia

4*.   Em Passau, no Nórico, na actual Baviera, comemoração de São Valentim, bispo da Récia. († c. 450) 

5.   Em Pavia, na Ligúria, região da Itália, São Crispim, bispo. († 467) 

6*.   Em Chur, no território da Helvécia, actual Suíça, São Valentiniano, bispo, que socorreu os pobres com os seus bens, pagou o resgate de cativos e distribuiu vestes aos mais necessitados. († 548) 

7*.   Em Solignac, junto de Limoges, na Aquitânia, hoje na França, São Tilo, discípulo de Santo Elói, que foi artesão e monge. († c. 702). Ver páginas 232-233: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

8*.   Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, São Ciro, bispo, que, sendo monge na Paflagónia, foi elevado à sede de Constantinopla, da qual foi depois expulso, morrendo no exílio. († 714) 

9*.   Em Le Mans, na Gália, hoje na França, Santo Alderico, bispo, que se dedicou com grande ardor ao culto de Deus e dos Santos. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 856, Santo Alderico. Este jovem bávaro, educado na corte de Aachen, tomou as Ordens e foi depois eleito bispo de Le Mans. Com sua fortuna pessoal, socorreu os pobres e subvencionou igrejas e mosteiros. (M). († 856). Ver Santo Aldrico, bispo e confessor, páginas 236-237: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

10.   Na floresta próxima de Ringsted, na Dinamarca, São Canuto Lavard, que, sendo duque de Schleswig, governou com prudência e bondade o principado e fomentou a piedade do seu povo, mas foi assassinado pelos inimigos que invejavam a sua autoridade. († 1137). Ver “Canuto Lavardo (em latimCanutus Lavardus), nascido a 12 de março de 1096 a falecido em Ringsted, na Dinamarca a 7 de janeiro de 1131, foi um príncipe dinamarquês, duque da Jutlândia do Norte de 1115 a 1131 e rei dos obodritas, de 1129 a 1131. É também um santo da Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Canuto_Lavardo  

11.   Em Palermo, na Sicília, hoje região da Itália, o passamento do Beato Mateus Guimerá, bispo de Agrigento, da Ordem dos Menores, singularmente dedicado ao culto e à exaltação do Santíssimo Nome de Jesus. († 1451) 

12*.   Em Suzuta, no Japão, o Beato Ambrósio Fernandes, mártir, que partiu para o Oriente à procura de comércio e lucro, mas, conquistado pelo fervor da vida cristã foi admitido como religioso na Companhia de Jesus e, depois de ter padecido muitas privações, morreu por Cristo no cárcere. († 1620) 

13.   Em An Bai, localidade do Tonquim, hoje Vietnam, São José Tuân, mártir, que, sendo pai de família e agricultor, morreu degolado no tempo do imperador Tu Duc, por se ajoelhar e orar diante duma cruz, em vez de a calcar aos pés como lhe tinha sido ordenado. († 1862) 

14.   Em Liège, na Bélgica, a Beata Maria Teresa do Sagrado Coração (Joana Haze), virgem, que fundou a Congregação das Filhas da Cruz, destinada ao serviço dos mais débeis e dos pobres. († 1876) 

15. São Nicetas, bispo dos Dácios. Ver páginas 224-227: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

– Ver “Depois de se tornar bispo de Remesiana (mais tarde a aldeia sérvia de Bela Palanka, perto da cidade de Niš) por volta de 366, Nicetas visitou duas vezes Paulinus , que era bispo de Nola, na Campânia (perto de Nápoles), um companheiro missionário, a figura literária latina mais importante de sua época e a principal fonte de conhecimento da vida e da atividade pastoral de Nicetas. A erudição, tendo reconstruído laboriosamente porções substanciais dos tratados teológicos de Nicetas, forneceu evidências suficientes para identificar sua principal obra doutrinária, aCompetentibus ad baptismum Instructionis libelli sex (“Seis Livros de Instruções para Candidatos ao Batismo”). Os longos trechos desta série catequética, particularmente “Sobre o Significado da Fé”, “Sobre o Poder do Espírito Santo” e o “Comentário sobre o Credo Apostólico-Niceno”, indicam que Nicetas enfatizou a posição ortodoxa na consoante doutrina trinitária com o importante teólogo do século 4, Cirilo de Jerusalém. Conseqüentemente, Nicetas se opôs a qualquer atribuição de natureza criada ao Filho, ao contrário dos arianos, ou ao Espírito Santo , como contra os macedônios. Além disso, esses documentos contêm, aparentemente pela primeira vez na literatura cristã primitiva, o termo “comunhão dos santos”, em referência à crença em um vínculo místico que une os vivos e os mortos em uma esperança e amor confirmados. Essa expressão, doravante, desempenhou um papel central nas formulações do credo cristão.”: https://www.britannica.com/biography/Nicetas-of-Remesiana

16. São Reinaldo, mártir. Ver páginas 228-229: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

17. Bem-Aventurado Witikind, confessor. Ver páginas 230-231: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

18. Bem-Aventurado Vital, abade de Savigny. Ver páginas 234-235: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

19. Bem-Aventurada Lindalva Justo de Oliveira (também na Folhinha do Coração de Jesus).Ver: http://filles-de-la-charite.org/pt/history/saints-and-blessed-daughters-of-charity/blessed-lindalva-justo-de-oliveira/  

– Ver também: https://pt.aleteia.org/daily-prayer/domingo-7-de-janeiro/  

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lindalva_Justo_de_Oliveira  

– Ver também dia 09 de abril: Em Salvador da Baía, no Brasil, a Beata Lindalva Justo de Oliveira, virgem da Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo e mártir. († 1993). Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lindalva_Justo_de_Oliveira 

– Ver também: http://www.santosdobrasil.org.br/?system=news&eid=294 

 20. São Teodoro (também na Folhinha do Coração de Jesus) 

21. Outros santos do dia 07 de janeiro, 222-238

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 07 de janeiro, ver ainda: 7 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 115-117:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 06 de janeiro

VER TAMBÉM 06 DE JANEIRO NA IGREJA ORTODOXA: 6 de janeiro na Igreja Ortodoxa – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

06 DE JANEIRO: Solenidade da Epifania do Senhor (também na Folhinha do Coração de Jesus), na qual se celebra a tríplice manifestação do nosso grande Deus e Senhor, Jesus Cristo: em Belém, o Menino Jesus foi adorado pelos magos; no Jordão, Jesus foi baptizado por João Baptista, ungido pelo Espírito Santo e chamado Filho de Deus Pai; em Caná da Galileia, numa festa de núpcias, transformando a água em vinho, Jesus manifestou a sua glória. Em Portugal esta solenidade celebra-se no domingo entre 2 e 8 deste mês. Ver páginas 191-192: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf – Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Adoração_dos_Magos 

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Dia_de_Reis  

– Ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Epifania_do_Senhor   

– Ver também “A Adoração dos Reis Magos (do título da seção em latim da VulgataA Magis adoratur) é o nome tradicionalmente dado ao tema cristão parte da Natividade, no qual os três reis magos, representados como reis especialmente no ocidente, tendo encontrado Jesus ao seguir a estrela de Belém, colocam aos pés do Menino Jesus presentes de ouroincenso e mirra. Eles também o adoram como “rei dos judeus“. Este evento foi relatado em Mateus 2:11. No calendário da igreja, este evento é comemorado no cristianismo ocidental como a festa da Epifania (nos países lusófonos, o chamado Dia de Reis), em 6 de janeiro. A Igreja Ortodoxa comemora a Adoração dos Magos no Natal, em 25 de dezembro. A iconografia cristã expandiu consideravelmente o parco relato dos magos no Evangelho de Mateus, que se passa em Mateus 2:1-11 e o utilizou para sublinhar a questão de que Jesus foi reconhecido, desde o início, como rei de toda a terra.”: Adoração dos Magos – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver DIA DE REIS “O Dia de Reis, segundo a tradição cristã, seria aquele em que Jesus Cristo recém-nascido recebera a visita de “alguns magos do oriente” (Mateus 2:1) que, segundo o hagiológio, foram três Reis Magos, e que ocorrera no dia 6 de janeiro. A noite do dia 5 de janeiro e madrugada do dia 6 é conhecida como “Noite de Reis” Dia de Reis – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

EM 2020 FOI DIA 03 DE JANEIRO: EPIFANIA DO SENHOR (SOLENIDADE)

A Epifania do Senhor é a festa que comemora a manifestação de Jesus Cristo como Messias, o Filho de Deus e Salvador do mundo. É o acolhimento da Boa Nova da Salvação no mistério da Encarnação. Esta primeira manifestação se dá aos reis magos que, guiados por uma estrela, chegam a Belém e, ao ver o Menino com Maria, sua Mãe, ajoelham-se diante Dele e o adoram. ‘Mago’ quer dizer ‘sábio’; talvez tenham sido os primeiros a estudar astronomia no mundo e, por isso, viram o surgimento de uma estrela diferente e se colocaram a caminho para encontrar o que ela indicava.”: https://www.a12.com/redacaoa12/liturgia/entenda-o-que-e-a-solenidade-da-epifania-do-senhor

Ver também “A Epifania do Senhor (do latim tardio epiphanīa, por sua vez do grego ἐπιϕάνεια, de ἐπιϕανής «visível», derivado de ἐπιϕαίνομαι «aparecer») ou Teofania (do latim tardio medieval theophania, por sua vez do grego ϑεοϕάνεια e ϑεοϕανία, composto de ϑεο- «teo-» e ϕαν- di ϕαίνομαι «aparecer»]) é uma festa religiosa cristã que comemora a manifestação de Jesus Cristo como Deus encarnado. No cristianismo ocidental, esta festa lembra primariamente a visita dos Três Reis Magos, enquanto no Oriente lembra o batismo de Jesus.[1] A data tradicional da Epifania é a de 6 de janeiro, mas, quanto à Igreja Latina, desde a reforma do Calendário Romano Geral em 1969 é possível que a festa seja transferida para um domingo;[2] e, quanto à Igreja Ortodoxa e à Igreja Ortodoxa Oriental, o uso do calendário juliano antigo por algumas jurisdições faz com que a festa seja transferida para o dia 19 de janeiro.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Epifania_do_Senhor

OUTROS SANTAS E SANTOS DE 06 DE JANEIRO

2.   Em Antínoo, na Tebaida, região do Egipto, os santos Julião e Basilissa, mártires. († s. IV) 

3.   Em Nantes, na Bretanha Menor, região da actual França, São Félix, bispo, que deu testemunho insigne de zelo apostólico ao serviço dos seus concidadãos, construiu a igreja catedral e evangelizou com intenso ardor as populações rurais. († 582) 

4*.   Em Würzburg, na Francónia, hoje na Alemanha, São Macário, abade, que foi o primeiro prelado do mosteiro dos Escoceses nesta cidade. († 1153) 

5.   Em Barcelona, na Catalunha, região da Espanha, São Raimundo de Penhaforte, cuja memória se celebra no dia seguinte (07 de janeiro). († 1275). Ver páginas 213-220: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

– Ver “Raimundo de Penaforte, do catalão Raimon de Penyafort (Vilafranca del Penedès, c. 1175 – Barcelona6 de Janeiro de 1275) é o santo patrono da lei canónica e dos advogados canônicos. Raimundo dedicou-se desde jovem aos estudos filosóficos e jurídicos. Aos 20 anos de idade ensinava filosofia e direito canónico em Barcelona, onde foi cónego. Em 1210 foi ensinar para Bolonha (Itália), onde ficou até 1222. Foi capelão do papa Alexandre IV, e confessor de do rei Jaime I de Aragão, ao qual repreendeu pela vida licenciosa. Entrou depois na Ordem dos Pregadores, no convento de Santa Catalina e fez uma interveção na proclamação da cruzada contra Maiorca. A sua colaboração com Pedro Nolasco foi essencial na fundação da Ordem de Nossa Senhora das Mercês para a Redenção dos Cativos, obtendo o consentimento de Jaime I para a fundação da Ordem.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Raimundo_de_Penaforte

6*.   Em Famagusta, na ilha de Chipre, o passamento de São Pedro Tomás, bispo de Constantinopla, da Ordem dos Carmelitas, que exerceu a missão de legado do Romano Pontífice no Oriente. († 1366). Ver São Pedro Tomé, patriarca de Constantinopla, páginas 208-209: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

7.   Em Fiésole, na Etrúria, actualmente na Toscana, região da Itália, Santo André Corsíni, bispo, da Ordem dos Carmelitas, que se tornou memorável pela sua vida austera e assídua meditação da Sagrada Escritura, reconstruiu os conventos devastados pela peste, governou sabiamente a sua Igreja, prestou auxílio aos pobres e reconciliou os inimigos. († 1373). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1373, Santo André Corsini (também na Folhinha do Coração de Jesus). Depois de uma juventude passada na libertinagem, entrou para os carmelitas. Tornando-se mais tarde prior do convento de Florença e depois bispo de Fiesole, em nada relaxou sua vida de penitência, e, por ocasião de sua morte, deixou uma reputação de taumaturgo. (M). Ver página 221: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/André_Corsini  

8.   Em Valência, na Espanha, São João de Ribera, bispo, que exerceu também as funções de vice-rei. Dedicou-se intensamente ao culto da Santíssima Eucaristia, foi grande defensor da verdade católica e instruiu o seu povo com sólidos ensinamentos. († 1611). Ver páginas 195-199:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

– Ver “São João de Ribera (em castelhanoSan Juan de Ribera) foi um Arcebispo católico de Valência, na Espanha. Foi beatificado em 1796 pelo Papa Pio VI e declarado santo por João XXIII em 12 de junho de 1960.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/João_de_Ribera  

9.   Em Roma, São Carlos de Sezze, religioso da Ordem dos Frades Menores, que, obrigado desde a infância a procurar o seu sustento, induzia os companheiros à imitação de Cristo e dos Santos e, revestido finalmente com o hábito franciscano, como tanto desejava, se dedicou assiduamente à adoração do Santíssimo Sacramento. († 1670). Ver páginas 210-212: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

10♦.   Em Casalmedinho, localidade próxima de Viseu, em Portugal, a Beata Rita Amada de Jesus (Rita Lopes Almeida), virgem, que, em tempos difíceis de perseguição religiosa e devassidão de costumes, entre grandes dificuldades e obstáculos fundou o Instituto Jesus Maria José, destinado a recolher e educar meninas pobres e abandonadas, promovendo também com grande diligência a dignidade integral das mulheres. († 1913). Ver “Rita Amada de Jesus, nascida Rita Lopes de Almeida, foi uma beata portuguesa e fundadora do “Instituto das Irmãs de Jesus Maria José”.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Rita_Amada_de_Jesus  

11.   Em Roma, Santa Rafaela Maria do Sagrado Coração (Rafaela Maria Porras Ayllón), virgem, que fundou a Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus e, considerada mentalmente incapacitada, passou santamente o resto da sua vida entregue ao sofrimento e à penitência. († 1925). Ver “Rafaela Maria Porras y Ayllón, também conhecida como Rafaela Maria do Sagrado Coração (1 de março de 1850Pedro AbadEspanha – 6 de janeiro de 1925) é uma Santa Católica que nasceu a cerca de trinta quilômetros de Córdoba, na província da AndaluziaEspanha. Ela era a mais nova de dez filhos, três dos quais morreram na infância. Sua irmã Dolores era cinco anos mais velha que ela e tinha cinco irmãos mais velhos, Francisco, Juan Celestino, Antonio, Ramón e Enrique. [1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/João_de_Ribera  

12.   Em Montréal, no Quebec, região do Canadá, Santo André (Alfredo Bessette), religioso da Congregação da Santa Cruz, que edificou neste lugar um eminente santuário em honra de São José. († 1937). São Alfred Besset. Ver “Irmão André (em francêsFrère André, batizado como Alfred Bessette) (9 de Agosto de 1845 – 6 de Janeiro de 1937) foi um religioso canadense, ao qual são creditados milhares de supostas curas milagrosas.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Alfred_Bessette 

13♦.   Em Montcada, na Catalunha, região da Espanha, o Beato José Mariano dos Anjos (Mariano Alarcón Ruiz), presbítero da Ordem dos Carmelitas Descalços e mártir, que, durante a perseguição contra a Igreja, foi morto em ódio à religião. (†1937) 

14. São Nilamão (também na Folhinha do Coração de Jesus). Ver páginas 193-194: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto do ano de 530, São Melânio, bispo e principal padroeiro da cidade de Rennes, cuja população libertou do erro do paganismo. Uma abadia beneditina daquela cidade tomou, mais tarde, o seu nome e perpetuou o seu culto. (M). Ver página 200: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

16. São Pedro Doroverne, abade. Ver páginas 201-202: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

17. Santo Erminoldo, abade. Ver página 203: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

18. São Guerino, bispo e confessor. Ver páginas 204-205: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

19. Bem-aventurada Gertrudes Van Oosten, virgem. Ver páginas 206-207: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

20. Outros santos do dia 06 de janeiro, 191-221

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 06 de janeiro, ver ainda: 6 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 113-115:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 05 de janeiro

1.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, Santa Sin­clé­tica, que, se­gundo a tra­dição, se­guiu a vida eremítica. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no final do séc. III, a Bem-Aventurada Sinclética. Nascida de uma nobre família cristã que havia deixado a Macedônia para estabelecer-se em Alexandria, decidiu renunciar ao mundo para não ter “outro esposo senão Cristo, outro guia senão São Paulo, outra câmara nupcial senão a Igreja”. Sua irradiação espiritual fez com que tivesse, junto a suas companheiras, um papel análogo ao de Santo Antão junto a seus discípulos. (M). Ver páginas 184-185: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

2.   Em Car­tago, na ac­tual Tu­nísia, São De­o­grá­cias, bispo, que res­gatou muitos ca­tivos tra­zidos da ci­dade de Roma pelos Vân­dalos, abri­gando-os em duas am­plas ba­sí­licas pre­pa­radas com pe­quenos leitos e esteiras. (também na Folhinha do Coração de Jesus) († 457/458)

3.   Em Roma, a co­me­mo­ração de Santa Emi­liana (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, tia pa­terna de São Gre­gório Magno, que, pouco de­pois da sua irmã Tar­sila, partiu deste mundo ao en­contro do Senhor. († s. VI)

4*.   Na Bre­tanha Menor, re­gião da ac­tual França, São Con­voião, abade, que fundou em Redon o mos­teiro de São Sal­vador, onde, sob a sua di­recção e se­guindo a Regra de São Bento, flo­resceu uma pléiade de monges in­signes pela sua grande pi­e­dade; des­truído o seu ce­nóbio pelos Nor­mandos, cons­truiu um novo mos­teiro em Saint-Ma­xent-de-Plélan, onde fa­leceu octogenário. († 868)

5.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, Santo Edu­ardo o Confessor (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, sendo rei dos In­gleses, muito es­ti­mado pelo povo por causa da sua exímia ca­ri­dade, con­se­guiu es­ta­be­lecer a paz no seu reino e pro­moveu te­naz­mente a co­mu­nhão com a Sé Apostólica. († 1066). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Londres, no ano da graça de 1066, Santo Eduardo, o Confessor, rei da Inglaterra. Tão notável por sua piedade quanto por sua generosidade, soube fazer-se amigo dos pobres e tornou-se, rapidamente, objeto de um culto popular. Foi sepultado na Abadia de Westminster, que havia restaurado. (M). Ver “Eduardo, o Confessor (1003[7] — Palácio de Westminster5 de janeiro1066) foi o penúltimo Rei saxão de Inglaterra, entre 1042 e 1066. Era filho de Etelredo II e de Ema da Normandia. Juntamente com o pai, o irmão Alfredo e o resto da família, Eduardo fugiu para a Normandia durante a invasão dinamarquesa de 1013. Permaneceu na corte do Duque da NormandiaRoberto I da Normandia até 1041, data em que foi convidado pelo meio irmão Canuto II a regressar a Inglaterra. ”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Eduardo,_o_Confessor

6*.   Pró­ximo de Wal­ken­berg, na re­gião de Lim­burgo, na ac­tual Ho­landa, São Gerlac, ere­mita, in­signe pelo seu au­xílio aos pobres. († 1165). Ver São Gerlach, páginas 186-188: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

7*.   Em Tódi, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Ro­gério, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores, que foi dis­cí­pulo de São Fran­cisco e seu fer­vo­roso imitador. († 1237)

8*.   Em An­gers, na França, os be­atos Fran­cisco Peltier, Tiago Le­doyen e Pedro Tes­sier, pres­bí­teros e már­tires, que du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, foram de­go­lados por per­ma­ne­cerem fiéis ao seu sacerdócio. († 1794)

9.   Em Fi­la­délfia, na Pen­sil­vânia, nos Es­tados Unidos da Amé­rica do Norte, São João Ne­po­mu­ceno Neu­mann (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, da Con­gre­gação do San­tís­simo Re­dentor, que prestou grande au­xílio aos imi­grantes po­bres com meios ma­te­riais, pro­vi­dentes con­se­lhos e ad­mi­rável ca­ri­dade e se de­dicou com muita so­li­ci­tude à for­mação cristã das crianças. († 1860). Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 04 de janeiro de 2008: Bispo da Igreja. Nasceu na Boêmia, Alemanha, em 181I. Estudou Filosofia e Teologia em seu pais. Ainda seminarista decide ir agregar-se ao clero americano, insuficiente à imensa demanda missionária. Ordenado sacerdote pelo bispo de Nova York em 1836, inicia a sua atividade apostólica percorrendo uma área de uns 2.000km. Em 1842 se toma redentorista, passando a trabalhar em Baltimore e Pittsburgh. Nomeado bispo de Filadélfia, em 1852, deu expansão total ao seu ardor missionário, fundando outras inúmeras comunidades, igrejas e escolas paroquiais. Contudo, mais admirável ainda foi a sua espiritualidade e vida santa. Faleceu em 1860 e proclamado Santo cm 1977. Ver: https://www.google.com/search?safe=active&nfpr=1&sxsrf=ACYBGNT2hts3xvtyyqB1RR0rI5bgkPOYDg:1579467594685&q=s%C3%A3o+jo%C3%A3o+nepomuceno+neumann&spell=1&sa=X&ved=2ahUKEwimj6mnx5DnAhWaLLkGHSxQAhsQBSgAegQICxAq&biw=1280&bih=587

Observação: não confundir com o Santo Cardeal Newman, cuja memória é lembrada em 10 de outubro

10*.   Em Gé­nova, na Itália, a Beata Maria Re­petto, virgem, das Irmãs de Nossa Se­nhora do Re­fúgio no Monte Cal­vário, que, oculta aos olhos do mundo, foi no­tável na sua ac­ti­vi­dade para con­fortar os aflitos e for­ta­lecer os va­ci­lantes na es­pe­rança da salvação. († 1890)

11*.   Em Du­blin, na Ir­landa, São Carlos de Santo André (João André) Houben, pres­bí­tero da Con­gre­gação da Paixão, ze­loso mi­nistro do sa­cra­mento da Penitência. († 1893)

12*.   Em Jaz­lowice, ci­dade da Ucrânia, a Beata Mar­ce­lina Da­rowska, que, de­pois do fa­le­ci­mento do es­poso e do filho pri­mo­gé­nito, se con­sa­grou ao Se­nhor e, sempre so­lí­cita pela dig­ni­dade da fa­mília, fundou a Con­gre­gação das Irmãs da Ima­cu­lada Virgem Santa Maria, des­ti­nada à for­mação das jovens. († 1911)

13*.   Em Spo­leto, na Itália, o Beato Pedro Bonílli, pres­bí­tero, fun­dador do Ins­ti­tuto das Irmãs da Sa­grada Fa­mília, des­ti­nado à edu­cação e au­xílio das jo­vens in­di­gentes e dos órfãos. († 1935)

14*.   Em Sa­ra­goça, na Es­panha, Santa Ge­no­veva Torres Morales, virgem, que, tendo so­frido já desde a in­fância a as­pe­reza da vida e a ad­ver­si­dade da do­ença, fundou o Ins­ti­tuto das Irmãs do Sa­cra­tís­simo Co­ração de Jesus e dos Anjos, des­ti­nada ao au­xílio das mulheres. († 1956). Ver “Genoveva Torres Morales (Almenaraprovíncia Castelló3 de janeiro de 1870 – Zaragoza5 de janeiro de 1956) foi uma religiosa espanhola, fundadora da Congregação das Irmãs do Sagrado Coração de Jesus e dos AnjosBeatificada em 1995, foi proclamada santa pelo Papa João Paulo II em 2002.[1][2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Genoveva_Torres_Morales

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 136, São Telésforo, papa de origem grega. Governou a Igreja Romana durante dez anos, sob a perseguição do imperador Adriano. (M). Ver “Telésforo (em latim, Telesphorus) foi o bispo de Roma e papa da Igreja cristã romana de c. 126 a c. 137, durante os reinados dos imperadores romanos Adriano e Antonino Pio. De ascendência grega, nasceu em Terranova da SibariCalábria.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Telésforo

16. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Síria, no ano do Senhor de 459, São Simeão Estilita (também na Folhinha do Coração de Jesus). Filho de um pobre pastor, abraçou uma vida de austeridade pouco comum, depois de ter ouvido na igreja a leitura das beatitudes evangélicas. (M). Na Síria, no ano do Senhor de 459, São Simeão Estilita, filho de um pobre pastor que abraçou uma vida de austeridade pouco comum, em cima de uma coluna, depois de ter ouvido na Igreja a leitura das beatitudes evangélica (M). VER TAMBÉM 02 DE SETEMBRO. Também nas págs. 166-183:

– Ver também “Simeão Estilita, o Antigo (Sísia389 – Telanisso459) foi um asceta cristão, que viveu no cimo de uma coluna de pedra. É tido como santo pela Igreja Católica e Ortodoxa. Na Católica o seu dia corresponde ao 5 de janeiro, enquanto que na Ortodoxa é celebrado a 1 de setembro. É chamado de “Antigo” para distingui-lo de São Simeão Estilita, o Moço, que viveu no século VI.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Simeão_Estilita,_o_Antigo

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Sime%C3%A3o_Estilita,_o_Antigo

– Ver ainda: https://www.newadvent.org/cathen/13795a.htm

– Ver: https://www.britannica.com/biography/Saint-Simeon-Stylites

17. Outros santos do dia 05 de janeiro, 166-190

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 05 de janeiro, ver ainda: 5 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 111-113:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 04 de janeiro

1.   Na Mésia, no ter­ri­tório ac­tu­al­mente com­pre­en­dido entre a Ro­ménia e a Bul­gária, os santos Hermes e Caio (também na Folhinha do Coração de Jesus), már­tires, o pri­meiro em Arcer, o se­gundo em Vidin. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, sob o imperador Maximiano, no fim do séc. III, Santo Hermes (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártir oriental, que confessou Cristo até à morte violenta. (M)

2.   Em Dijon, na Bor­gonha, ac­tu­al­mente na França, São Gre­gório, que, de­pois ter sido conde na re­gião de Autun du­rante muitos anos, foi or­de­nado bispo de Langres. († 539/540). Ver páginas 146-150: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

3.   Em Uzès, na Gália Nar­bo­nense, hoje também na França, São Fer­réolo, bispo, que es­creveu uma regra para monges e, tendo sido man­dado para o exílio por in­veja, três anos de­pois foi re­co­nhe­cido como ver­da­deiro. Ver páginas 155-156: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

 Ver “Ferréol d’Uzès (Narbona, 521) era o filho do senador Ansberto e da princesa Batilda , filha do rei Clotário I.[1][2][3] Ele recebeu uma brilhante educação de seu tio, o bispo Rurício. Seu outro tio, são Firmino, o ordena sacerdote e o designa como sucessor à frente da diocese de Uzès. Ferréol sucede seu tio Firmin como bispo de Uzès aos 32 anos em 553. É consagrado pelo bispo de Arles Sapaudo, seu metropolita, assistido pelos bispos de Avignon e Orange, seus confrades provinciais.[2][3]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ferréol_d%27Uzès

4*.   Em Meaux, na Nêus­tria, também na ac­tual França, São Ri­go­mero, bispo. († s. VI)

5*.   Em Reims, também na Nêus­tria, São Ri­go­berto, bispo, que, ex­pulso, contra as normas ca­nó­nicas, da sua sede epis­copal por Carlos Martel, rei dos Francos, passou o resto da vida em obs­cura humildade. († c. 743). Ver página 159: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

6*.   Em Bruay-sur-l’Es­caut, pró­ximo de Va­len­ci­ennes, no ter­ri­tório de Ar­tois da Nêus­tria, também na ac­tual França, Santa Fa­raílde, viúva, que, obri­gada a con­trair ma­tri­mónio com um homem vi­o­lento, abraçou até à sua ve­lhice uma vida de oração e austeridade. († c. 745). Ver Santa Faraílda, páginas 157-158: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

7*.   Em Fo­linho, na Úm­bria, re­gião da Itália, Santa Ân­gela, que, de­pois da morte do es­poso e dos fi­lhos, se­guindo os passos de São Fran­cisco, se con­sa­grou in­tei­ra­mente a Deus e es­creveu num livro as ex­pe­ri­ên­cias ex­tra­or­di­ná­rias da sua vida mística. († 1309). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de Senhor de 1309, a Bem-Aventurada Angela de Foligno (também na Folhinha do Coração de Jesus). Depois de se ter convertido de uma vida frívola, entrou para a Ordem Terceira franciscana e foi objeto de graças místicas. (X). Ver páginas 160-163: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf – Ver “Ângela de Foligno (em italianoAngela da FolignoFoligno1248 — Foligno4 de janeiro de 1309) foi uma mística e santa cristã nascida em Foligno, na UmbriaItália, em 1248.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ângela_de_Foligno

8*.   Em Santa Croce sull’Arno, na Etrúria, ac­tu­al­mente na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Cris­tiana (Oringa) Me­na­buoi, virgem, que fundou um mos­teiro com a regra de Santo Agostinho. († 1310). Santa Oringa, virgem. Ver página 164: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

9*.   Em Durham, na In­gla­terra, o Beato Tomás Plum­tree, pres­bí­tero e mártir, que, no rei­nado de Isabel I, foi con­de­nado à morte pela sua fi­de­li­dade à Igreja ca­tó­lica e, de­pois de ter afir­mado co­ra­jo­sa­mente, di­ante do pa­tí­bulo, que pre­feria dar a vida a cair na apos­tasia, foi enforcado. († 1570)

10.   Em Em­mets­burg, ci­dade de Mary­land, nos Es­tados Unidos da Amé­rica do Norte, Santa Isabel Ana Seton, que, ao ficar viúva, pro­fessou a fé ca­tó­lica e se en­tregou com grande di­li­gência à for­mação das ado­les­centes e ao cui­dado das cri­anças po­bres com a Con­gre­gação das Irmãs da Ca­ri­dade de São José, por ela mesma fundada. († 1821). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na diocese de Baltimore nos Estados Unidos, em 1821, Santa Elisabeth Seton. Nascida em Nova Iorque, no próprio ano em que estourou a Guerra da Independência. Casada aos dezenove anos, foi mãe de uma família de cinco filhos. Convertida ao catolicismo depois de viúva, dedicou-se ao serviço da sociedade e da Igreja, fundando um Instituto religioso que deu origem aVer uma rede escolar e hospitalar americana. Ver “Isabel Ana Seton (em inglêsElizabeth Ann Bayley Seton) foi a primeira cidadã natural dos Esta”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Isabel_Ana_Bayley_Seton

11.   Em Ma­drid, na Es­panha, São Ma­nuel Gon­zález Garcia, bispo, que foi um exímio pastor se­gundo o co­ração do Se­nhor. Pro­moveu com a maior di­li­gência a di­fusão do culto da San­tís­sima Eu­ca­ristia e fundou a Con­gre­gação das Irmãs Mis­si­o­ná­rias de Nazaré. († 1940)

12. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1118, Santo Estevão do Burgo, companheiro de São Bruno. Após trinta e três anos de vida solitária na Grande Cartuxa, foi nomeado prior de um novo mosteiro na diocese de Belley. (X)

13. São Clemente de Sardes. Ver “Assim como diversos outros santos, Clemente teve sua vida contada no livro Prólogo de Ócrida, de São Nikolai Velimirovic… Festa litúrgica: 04 de janeiro, 22 de abril e 10 de setembro”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Clemente_de_Sardes

14. São Tito, discípulo de São Paulo. Ver página 145: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

15. Bem-Aventurado Libêncio, arcebispo de Bremen. Ver páginas 151-153: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

16. Santa Fausta, virgem e mártir. Ver página 154: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

17. Outros santos do dia 04 de janeiro, 145-165

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 04 de janeiro, ver ainda: 4 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 109-110:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 03 de janeiro

EM 03 DE JANEIRO DE 2020: EPIFANIA DO SENHOR (SOLENIDADE)

A Epifania do Senhor é a festa que comemora a manifestação de Jesus Cristo como Messias, o Filho de Deus e Salvador do mundo. É o acolhimento da Boa Nova da Salvação no mistério da Encarnação. Esta primeira manifestação se dá aos reis magos que, guiados por uma estrela, chegam a Belém e, ao ver o Menino com Maria, sua Mãe, ajoelham-se diante Dele e o adoram. ‘Mago’ quer dizer ‘sábio’; talvez tenham sido os primeiros a estudar astronomia no mundo e, por isso, viram o surgimento de uma estrela diferente e se colocaram a caminho para encontrar o que ela indicava.”: https://www.a12.com/redacaoa12/liturgia/entenda-o-que-e-a-solenidade-da-epifania-do-senhor

Ver também “A Epifania do Senhor (do latim tardio epiphanīa, por sua vez do grego ἐπιϕάνεια, de ἐπιϕανής «visível», derivado de ἐπιϕαίνομαι «aparecer») ou Teofania (do latim tardio medieval theophania, por sua vez do grego ϑεοϕάνεια e ϑεοϕανία, composto de ϑεο- «teo-» e ϕαν- di ϕαίνομαι «aparecer»]) é uma festa religiosa cristã que comemora a manifestação de Jesus Cristo como Deus encarnado. No cristianismo ocidental, esta festa lembra primariamente a visita dos Três Reis Magos, enquanto no Oriente lembra o batismo de Jesus.[1] A data tradicional da Epifania é a de 6 de janeiro, mas, quanto à Igreja Latina, desde a reforma do Calendário Romano Geral em 1969 é possível que a festa seja transferida para um domingo;[2] e, quanto à Igreja Ortodoxa e à Igreja Ortodoxa Oriental, o uso do calendário juliano antigo por algumas jurisdições faz com que a festa seja transferida para o dia 19 de janeiro.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Epifania_do_Senhor

FESTA DO SAN­TÍS­SIMO NOME DE JESUS: 03 de janeiro, o único nome ao qual tudo o que há nos céus, na terra e nos abismos se ajo­elha, para glória de Deus Pai. Ver “A Festa do Santíssimo Nome de Jesus é celebrada em diferentes datas por várias congregações Cristãs.[1] A celebração teve lugar no Calendário Romano Geral desde o fim do século XV, pelo menos a níveis locais. A veneração do Santíssimo Nome foi alargada para toda a Igreja Católica Romana em 20 de Dezembro de 1721, durante o pontificado do Papa Inocêncio XIII. A celebração teve lugar em diferentes datas, normalmente em Janeiro, uma vez que o primeiro dia de Janeiro, oito dias após o Natal, marca a circuncisão de Jesus, tal como referido no Evangelho do próprio dia, «ao fim do oitavo dia, quando Ele foi circuncidado, foi chamado Jesus, o nome dado pelo anjo antes de ser concebido no ventre.» (Lucas 2:21) O catolicismo medieval, e muitas outras igrejas Cristãs até à actualidade, celebram portanto ambos os eventos como a Festa da Circuncisão de Cristo normalmente no dia 1 de janeiro. São Bernardino de Siena colocou grande ênfase no Santíssimo Nome, o qual associou ao cristograma IHS, e pode ter sido o responsável pela união de ambos os elementos. A celebração ocorre no dia 3 de Janeiro para os católicos que seguem o actual Calendário Romano Geral, e no Domingo entre a Oitava do Natal e a Epifania do Senhor, ou 2 de Janeiro, pelos católicos que ainda seguem os calendários do período de 1914 a 1969… A reforma do calendário litúrgico trazida pelo motu proprio Mysterii Paschalis de 14 de Fevereiro de 1969, eliminou a celebração, “uma vez que a imposição do nome de Jesus é já comemorada no ofício da Oitava de Natal.” Contudo, os textos missais do Santíssimo Nome de Jesus foram preservados, sendo usados nas missas votivas.[2] A celebração foi novamente reposta no Calendário Geral Romano com o Missal Romano de 2002, e designada como um memória facultativa durante o primeiro dia livre após 1 de Janeiro, nomeadamente 3 de Janeiro.”:https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Festa_do_Santíssimo_Nome_de_Jesus

– Ver “Calendário Romano Geral”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Calend%C3%A1rio_Romano_Geral

– Ver também “A CIRCUNCISÃO, FESTA DO SANTO NOME DE JESUS” páginas 71-74: VIDAS DOS SANTOS – 1.pdf (obrascatolicas.com)

2.   Em Roma, no ce­mi­tério de Ca­listo, junto à Via Ápia, o se­pul­ta­mento de Santo An­tero (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que, num breve pon­ti­fi­cado, su­cedeu ao mártir Ponciano. († 236). Ver “Antero era filho de Rômulo e nasceu em Petélia, na Calábria.[1] Foi eleito papa em 21 de novembro de 235 e ocupou a posição até 3 de janeiro de 236, quando foi martirizado. Segundo o Livro dos Pontífices, seu destino foi selado por ordenar a notários reunissem os atos dos mártires para serem depositados nos arquivos da Igreja de Roma. Foi sepultado na Catacumba de Calisto da via Ápia, em Roma, e seu túmulo foi achado por Giovanni Battista de Rossi em 1854, que notou restos quebrados do epitáfio grego gravado sobre o canto oblongo da laje; o texto falava de sua origem e da prevalência do grego na Igreja até aquele momento.[2] Seus restos mortais, que estavam cremados, foram removidos muito antes, e levados à Igreja de São Silvestre, no Campo de Marte. Foram redescobertos em 17 de novembro de 1595, quando papa Clemente VIII reconstruiu a igreja, que havia arruinado.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Antero

3.   Em Ni­co­média, na Bi­tínia, hoje Izmit, na ac­tual Tur­quia, os santos Te­o­pento e Te­onas, que so­freram o mar­tírio du­rante a per­se­guição de Diocleciano. († 304).

4.   Em Ce­sa­reia da Ca­pa­dócia, hoje Kay­seri, também na ac­tual Tur­quia, o cen­tu­rião São Górdio, mártir, que São Ba­sílio louva como ver­da­deiro émulo do cen­tu­rião que es­tava junto à Cruz, porque, du­rante a per­se­guição do im­pe­rador Di­o­cle­ciano, pro­fessou a fé em Jesus, Filho de Deus. († 304).Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 305, São Górdio, centurião martirizado em Cesaréia da Capadócia. Segundo São Basílio, morreu lembrando-se do primeiro centurião que assistira, no Calvário, à morte do Salvador, cuja divindade proclamou”. (M). Ver páginas 129-131: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

5.   Em Pádua, no ac­tual Vé­neto, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de São Da­niel, diá­cono e mártir. († c. 304)

6.   Em Pário, no He­les­ponto, na ac­tual Tur­quia, São Teó­genes, mártir, que, re­cru­tado como sol­dado no tempo do im­pe­rador Li­cínio, re­cu­sando-se a prestar o ser­viço mi­litar por causa da sua fé cristã, foi en­car­ce­rado, tor­tu­rado e fi­nal­mente afo­gado no mar. († 320). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 320, São Teogênio, mártir grego, que “preferiu morrer em vez de oferecer sacrificios aos ídolos”. (Paixão) (M). No Helesponto (Dardanelos, antigamente Helesponto, é um estreito no noroeste da Turquia ligando o mar Egeu ao mar de Mármara). Assim como o estreito de Bósforo (O Bósforo é um estreito que liga o mar Negro ao mar de Mármara e marca o limite dos continentes asiático e europeu na Turquia. Tem um comprimento de aproximadamente 30 km e uma largura de 550 a 3000 m. Sua profundidade varia de 36 a 124 m no meio do estreito. Seu nome significa “passagem do boi” ele separa a Europa da Ásia), os santos mártires Cirino (também na Folhinha do Coração de Jesus), Primo e Teógenes (ou Teogênio), conf. pág. 144:

7.   Em Vi­enne, na Gália Li­o­nense, na ac­tual França, São Flo­rêncio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que tomou parte no Con­cílio ce­le­brado em Valence. († d. 377)

8.   Em Paris, na Gália, ac­tu­al­mente também na França, o se­pul­ta­mento de Santa Ge­no­veva, virgem, na­tural de Nan­terre, que, aos quinze anos, por con­selho de São Ger­mano, bispo de Au­xerre, tomou o véu das vir­gens con­sa­gradas. Con­fortou os ha­bi­tantes da ci­dade, ater­rados pela in­cursão dos Hunos, e sus­tentou os seus con­ci­da­dãos em tempo de fome. († c. 500). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto do ano 500, o nascimento no céu de Santa Genoveva, padroeira de Paris. Nascida em Nanterre e consagrada a Cristo desde sua infäncia por São Germano de Auxerre, obteve, por sua oração, a libertação da Île de la Cité cercada por Átila. (F). Ver páginas 122-128: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver “Santa Genoveva (em francêsSainte Geneviève; em latimSancta Genovefa, de keno kin e wefa “esposa”) (Nanterre423 — Paris3 de janeiro de 512) é a santa padroeira de cidade de Paris.[1] Nas tradições católica romana e ortodoxa oriental, foi uma virgem e santa católica francesa. Seu dia de festa é mantido em 3 de janeiro.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Santa_Genoveva

9*.   Em Len­tíni, na Si­cília, re­gião da Itália, São Lu­ciano, bispo. († s. VIII/IX)

10*.   No mos­teiro de Man­naman, no Ké­rala, es­tado da Índia, São Ci­ríaco Elias Chavara, pres­bí­tero, fun­dador da Con­gre­gação dos Ir­mãos Car­me­litas de Maria Imaculada. († 1871). Ver “Ciríaco Elias Chavara (em hindiKuriakose Elias Chavara) É co-fundador e primeiro prior-geral da Congregação dos Carmelitas de Maria Imaculada, a primeira congregação para homens da Igreja Católica Siro-Malabar, e da sua congregação-irmã, para mulheres, as Irmãs da Mãe do Carmelo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ciríaco_Elias_Chavara

11. São Cirino (também na Folhinha do Coração de Jesus)

12. São Narciso, bispo. Ver página 137: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 311, São Pedro Balsamo, mártir da Palestina, “pregado na cruz por ter-se recusado a obedecer ao edito dos imperadores invencíveis, e por haver, obstinadamente, tomado o partido de um Deus crucificado”. (M). Ver páginas 132-136: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

14. São Blimont, ver páginas 138-139: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

15. Santa Bertília. Ver páginas 140-141: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

16. Bem-Aventurada Bone de Armagnac, virgem. Ver páginas 142-143: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf  

17. Outros santos do dia 03 de janeiro, 122-144

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 03 de janeiro, ver ainda: 3 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 107-108:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 02 de janeiro

Ver também 02 DE JANEIRO na IGREJA ORTODOXA: 2 de janeiro na Igreja Ortodoxa – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

Ou:  https://pt.wikipedia.org/wiki/2_de_janeiro_na_Igreja_Ortodoxa

1. Me­mória dos santos Ba­sílio Magno e Gre­gório de Nazianzo, bispos e dou­tores da Igreja. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória dos Santos Basílio Magno e Gregório Nazianzeno (também na Folhinha do Coração de Jesus). A profunda amizade que nasceu entre os dois durante seus estudos feitos em Atenas os reuniu no mesmo retiro monástico. Tornando-se bispos, Basílio em Cesaréia, sua cidade natal, e Gregório em Sásimos e depois em Constantinopla, continuaram, de modo decisivo, sobretudo por seus escritos, a fazer triunfar a doutrina trinitária ortodoxa no Concilio Ecumênico de Constantinopla, de 381. São Bento recomenda “a Regra de nosso Pai S. Basílio” como um dos melhores guias da vida monástica. (R). Ver: TRÊS HIERARCAS SAGRADOS: São Basílio, São Gregório e São João Crisóstomo (em 13 de setembro): https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Três_Hierarcas_Sagrados

– Ver páginas 328-351, volume X de VIDAS DOS SANTOS

BA­SÍLIO, bispo de Ce­sa­reia da Ca­pa­dócia, hoje Ne­nizi, na Tur­quia, de­no­mi­nado Magno pela sua dou­trina e sa­be­doria, en­sinou aos monges a me­di­tação da Sa­grada Es­cri­tura e o tra­balho na obe­di­ência e na ca­ri­dade fra­terna, or­de­nando a sua vida mo­nás­tica se­gundo uma regra que ele pró­prio compôs. Ins­truiu os fiéis com ex­ce­lentes obras es­critas e de­dicou-se ao cui­dado pas­toral dos po­bres e dos en­fermos. Morreu no pri­meiro dia de Janeiro. Ver São Basílio, páginas 328-351 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

– Ver também “Basílio de Cesareia, também chamado São Basílio Magno ou Basílio, o Grande (em grego: Ἅγιος Βασίλειος ὁ Μέγας), foi o bispo de Cesareia, na Capadócia (atualmente a cidade de Kayseri, na Turquia), e um dos mais influentes teólogos a apoiar o Credo de Niceia. Foi também adversário das heresias que surgiram nos primeiros anos do cristianismo como religião oficial do Império Romano, lutando principalmente contra o arianismo e os seguidores de Apolinário de Laodiceia. Sua habilidade em balancear suas convicções teológicas com suas conexões políticas fez de Basílio um poderoso advogado da posição nicena.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Basílio_de_Cesareia

GRE­GÓRIO, seu amigo, bispo de Sá­sima, de­pois bispo de Cons­tan­ti­nopla, fi­nal­mente bispo de Na­zi­anzo, também na ac­tual Tur­quia, de­fendeu com grande ardor a di­vin­dade do Verbo, pelo que foi também cha­mado o Teó­logo. A Igreja alegra-se com a me­mória con­junta destes grandes santos doutores. († c. 379 e 389). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Gregório_de_Nazianzo  e https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Gregório_de_Nazianzo

– Ver páginas 191-212: (VIDAS DOS SANTOS DE 09 DE MAIO, vol. VIII): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– Ver também JOÃO CRISÓSTOMO, em 13 de setembro: (c.347Antioquia14 de setembro de 407Comana Pôntica) foi um arcebispo de Constantinopla e um dos mais importantes patronos do cristianismo primitivo. É conhecido por suas poderosas homilias, por sua habilidade em oratória, por sua denúncia dos abusos cometidos por líderes políticos e eclesiásticos de sua época, por sua “Divina Liturgia” e por suas práticas ascetas. O epíteto Χρυσόστομος (“Chrysostomos”aportuguesado como “Crisóstomo”) significa “da boca de ouro” em língua grega e lhe foi dado por conta de sua lendária eloquência. O título apareceu pela primeira vez na “Constituição” do papa Vigílio em 553, sendo João Crisóstomo considerado o maior pregador cristão da história.[2][8]”: João Crisóstomo – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Cris%C3%B3stomo

2.   Em Roma, São Te­lés­foro, papa, que, se­gundo o tes­te­munho de Santo Ireneu, foi o sép­timo bispo su­cessor dos Após­tolos e so­freu glo­rioso mar­tírio. († c. 136)

3.   No ter­ri­tório de Córi, a trinta mi­lhas da ci­dade de Roma, os santos Argeu (também na Folhinha do Coração de Jesus), Nar­ciso e Mar­ce­lino, mártires. († s. IV). Ver página 121: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4*.   Em Mar­selha, ci­dade da Pro­vença, na ac­tual França, São Te­o­doro, bispo, que, por se ter em­pe­nhado em es­ta­be­lecer a dis­ci­plina ecle­siás­tica, foi per­se­guido pelos reis Chil­de­berto e Gon­trano, que o man­daram três vezes para o exílio. († 594)

5*.   No mos­teiro de Bóbbio, na Emília, ac­tual Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, São Bla­dolfo, pres­bí­tero e monge, dis­cí­pulo de São Columbano. († c. 630)

6.   Em Milão, na Lom­bardia, também na Itália, São João Bom, bispo, que res­taurou a sede epis­copal desta ci­dade, pre­ce­den­te­mente trans­fe­rida para Gé­nova por causa dos Lom­bardos. Pela sua fé e boas obras agradou a Deus e aos homens. († c. 660)

7*.   No ter­ri­tório de Tulle, na Aqui­tânia, na ac­tual França, São Vi­cen­ciano, ere­mita. († 672)

8*.   Em Li­me­rick, na Ir­landa, São Main­quino, que é ve­ne­rado como bispo. († s. VII)

9.   No mos­teiro de Corbie, na Gália Am­bi­a­nense, hoje ter­ri­tório de Amiens, ac­tu­al­mente na França, Santo Ada­lardo, abade, que tudo fez para que cada um ti­vesse o su­fi­ci­ente, isto é, nem go­zassem do su­pér­fluo nem vi­vessem na pe­núria, mas todos se de­di­cassem di­li­gen­te­mente ao louvor de Deus. († 826). Ver páginas 98-101: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver “Adal(h)ardus, abbas Corbeiensis, cujo nome foi franconizado, mais tarde, na forma de Adelardo, ou Adalardo ou Adelardo, de Corbie, que teria nascido por volta de 752 em Huise (na época Uscia) perto de Oudenaarde na Flandres, e morreu a 2 de janeiro de 826, foi abade e conde de Corbie. Ele é um dos grandes abades do período carolíngio. Ele foi prefeito do palácio, no início do reinado de carlos magno, seu primo, que o nomeou tutor e, de seguida, conselheiro dePepino de seu filho mais velho, o rei da Itália. Ele foi canonizado no século XI.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Adelardo_de_Corbie

10*.   Em Mau­ri­enne, na Sa­bóia, ac­tu­al­mente também na França, Santo Ai­raldo, bispo, que, tanto na so­lidão de Portes como na sede epis­copal de Mau­ri­enne, as­so­ciou à pru­dência e go­verno pas­toral a aus­te­ri­dade e os cos­tumes cartusianos.  († 1146). Ver página 108: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

11*.    Em Troína, na Si­cília, re­gião da Itália, São Sil­vestre, abade, que se­guiu a dis­ci­plina dos Pa­dres orientais. († s. XII)

12*.   Em Forli, na Emília, hoje Emília-Ro­manha, na Itália, o Beato Mar­co­lino Am­máni, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que, tanto no si­lêncio e na so­lidão, como no ser­viço dos po­bres e no cui­dado das cri­anças, passou toda a sua vida na mais hu­milde simplicidade. († 1397). Ver página 114: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

13*.   Em Son­cino, na Lom­bardia, também na Itália, a Beata Es­te­fânia Quin­záni, virgem, irmã da Ordem Ter­ceira de São Do­mingos, que se de­dicou in­ten­sa­mente à con­tem­plação da paixão do Se­nhor e à for­mação cristã das jovens. († 1530). Ver páginas 115-116: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

14*.   Em An­gers, na França, os be­atos Gui­lherme Repin e Lou­renço Ba­tard, pres­bí­teros e már­tires, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, foram de­ca­pi­tados por causa da sua fi­de­li­dade à Igreja. († 1794)

15*.   Em La­chine, ci­dade do Quebec, pro­víncia do Ca­nadá, a Beata Maria Ana (Maria Ester) Sou­reau-Blondin, virgem, que, em­bora sem ins­trução na sua ju­ven­tude, fundou a Con­gre­gação das Irmãs de Santa Ana para for­mação dos fi­lhos dos agri­cul­tores, dando sempre nesse mi­nis­tério um exemplo in­signe de edu­ca­dora da ju­ven­tude. († 1890)

16. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 408, São Macário de Alexandria, comerciante de frutas que, aos quarenta anos, retirou-se para o deserto de Celas, no Baixo Egito. Ordenado presbitero, exerceu grande irradiação sobre os anacoretas que se reuniam cada domingo para a liturgia. (M). Ver “São Macário de Alexandria, contemporâneo de São Macário do Egito, vendia a princípio amêndoas, na cidade natal, para ganhar a vida. Em breve, seguindo o exemplo de Santo Antônio, que ainda vivia, abandonou a cidade e o mundo, e retirou-se para o deserto. Eram os fins de 335. Lá passou sessenta anos, unicamente entretido nos exercícios de penitência e de contemplação. Os anacoretas do deserto tinham, cada um, a sua cela, onde trabalhavam e oravam durante a semana. No sábado e no domingo, reuniam-se todos na igreja, a fim de participar do ofício divino e da comunhão. Quando faltava um dêles, os demais concluíam que estava enfêrmo e iam visitá-lo. A sua caridade era igual à mortificação. Um dia, teve Macário desejo de comer uvas frescas. Levaram-lhes algumas, muito lindas. Enviou-as a outro irmão doente, que as recebeu com alegria, pois as queria realmente; no entanto, mandou-as a outro, mais longe, e assim até o ultimo, que as fêz levar a Macário, como bom presente. Todos tinham tido vontade de comer as uvas. Macário, admirando a abnegação e caridade dos irmãos, não as tocou…

Com o dom dos milagres, teve a glória de ser perseguido pelos arianos em virtude da fé católica e da divindade de Cristo. Foi exilado em 375, com São Macário do Egito, e morreu em extrema velhice, por volta do ano de 395. Conforme páginas 102-104: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também “São Macário de Alexandria (m. 395) foi um monge no deserto da Nítria (Uádi Natrum). Ele era um pouco mais jovem que o seu contemporâneo e homônimo, Macário do Egito, e por isso também é conhecido como Macário, o Moço. Ele era também conhecido como ho politikos.[2] Ele foi um asceta extremo e numerosos milag”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Macário_de_Alexandria

17. São Martiniano. Ver página 105: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

18. Santo Aspásio. Ver página 106: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

19. São Vicentiniano. Ver página 107: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

20. Bem-Aventurado Bentivoglio de Bonis, confessor. Ver páginas 109-111: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

21. Bem-Aventurado Geraldo Cagnoli, confessor. Ver páginas 112-113: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

22. São Gaspar del Bufalo, confessor. Ver páginas 117-118: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também: página79: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

– VER AINDA EM 01 DE JULHO: “CULTO DO PRECIOSO SANGUE DE NOSSO SENHOR. O grande propagador do culto do Precioso Sangue de Nosso Senhor foi o bem-aventurado GASPAR DEL BUFALO. Ver páginas 117-118: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf –  instituidor dos padres missionários d o Precioso Sangue. Festa particular que estendeu-a Pio IX a tôda Igreja latina, e Pio X fixou-a na data de hoje.

– Ver páginas 70-80: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

Ver Carta Apostólica de São João XXIII, “Dado em Roma, junto a S. Pedro, no dia 30 de junho de 1960, vigília da Festa do Preciosíssimo Sangue de N. S. J. C., segundo ano do nosso Pontificado”: https://cleofas.com.br/carta-apostolica-do-papa-joao-xxiii-inde-a-primis-o-culto-do-preciosissimo-sangue-de-jesus-cristo/

– Ver “Na Igreja Católica julho é dedicado ao Preciosíssimo Sangue de Jesus.”:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Julho e https://pt.wikipedia.org/wiki/Precios%C3%ADssimo_sangue

23. São Serafim de Sarov. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Serafim_de_Sarov

– Ver “São Serafim de Sarov (em russo, Серафи́м Саро́вский, Serafim Sarovskiy) (Kursk1 de agosto de 1759 – Sarov14 de janeiro de 1833), nascido Prokhor Issidórovitch Mashnin (em russo, Прохор Исидорович Машнин, Prokhor Isidorovich Mashnin), foi um monge e taumaturgo ortodoxo, um stárets[1] e um dos santos mais venerados da Igreja Ortodoxa Russa. Foi glorificado pela Igreja Ortodoxa em 19 de janeiro de 1903, e, apesar de não ter sido canonizado pelo Vaticano, é popularmente venerado pelas Igrejas Católicas Orientais e a ele o Papa João Paulo II referiu-se como santo.[2] As suas relíquias estão no Convento Diveiévski, próximo de Sarov, Níjni Novgorod.[3]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Serafim_de_Sarov

24. Outros santos do dia 02 de janeiro, 98-121: 

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 02 de janeiro, ver ainda: 2 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 104-107:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 01 de janeiro

OBSERVAÇÃO SOBRE 01 DE JANEIRO:

No calendário romano era o dia das calendas de janeiro.

Júlio César determinou que passasse a ser o primeiro dia do ano quando fez a reforma do calendário que entrou em vigor neste dia do ano 45 a.C.. Anteriormente o ano tinha início nas calendas de março, o dia 1 de março. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/1_de_janeiro

CALENDÁRIO ROMANO

– Ver: -Calendário Romano: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Calend%C3%A1rio_romano

— Nonas: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Calend%C3%A1rio_romano

— Calendas: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Calendas

— Idos: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Idos

—————————————————————————————————-

 01 DE JANEIRO.  “Em primeiro de janeiro, celebramos a festa da maternidade de Maria e o Dia Mundial da Paz.

Maternidade de Maria. O mais antigo texto do Novo Testamento, que faz referência a Maria, é o capítulo quarto da Carta aos Gálatas. Afirma Paulo que, quando chegou a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho ao mundo, o qual nasceu de uma mulher. Quando chegou a plenitude dos tempos…Para Paulo, o momento da encarnação e do nascimento de Jesus é, para Deus, não um tempo qualquer, não um tempo comum. É o tempo da graça. O tempo por excelência. “…enviou o seu Filho ao mundo, o qual nasceu de uma mulher”. Paulo não diz o nome da mulher. Nem era necessário, pois na comunidade apostólica todos a conheciam. Os evangelhos porém registram o seu nome. Ele se chamava Maria.”: https://diocesedelorena.com/festa-da-maternidade-de-maria-e-o-dia-mundial-da-paz/

“Outrora existia a festa da maternidade divina de Maria, a 11 de Outubro, instituída pelo Papa Pio XI e que foi supressa com a reforma litúrgica do Concilio Vaticano II, ficando tal festividade no dia 1º de Janeiro. Mas a festa de 1º de Janeiro é antiquíssima onde, já no século VI se fazia a comemoração deste privilégio mariano.”: https://www.a12.com/academia/catequese/1585-anos-da-proclamacao-do-dogma-da-maternidade-divina-de-maria

* EM 11 DE SETEMBRO, FESTA DA MATERNIDADE DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA. Instituída por Pio XI em 1931. Ver: Carta Encíclica LUX VERITATIS: http://w2.vatican.va/content/pius-xi/it/encyclicals/documents/hf_p-xi_enc_19311225_lux– VEr veritatis.html

– Ver páginas 107-108: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2018.pdf

– Ver também motivo da festa em 11 de outubro: http://farfalline.blogspot.com/2014/10/maternidade-divina-de-Maria.html

http://espelhodejustica.blogspot.com/2017/10/11-de-outubro-maternidade-divina-de-n.html

Festa de NOSSA SENHORA DA GRAÇA, padroeira principal da Diocese de Parnaíba, Piauí, conforme o Martirológio Romano-Monástico. Ver em 08 de setembro, SOLENIDADES E OUTRAS FESTAS DE NOSSA SENHORA:

* Festa da Na­ti­vi­dade da Virgem Santa Maria, da des­cen­dência de Abraão, nas­cida da tribo de Judá, da li­nhagem régia de David, da qual nasceu o Filho de Deus, feito homem por vir­tude do Es­pí­rito Santo, para li­bertar os ho­mens da an­tiga es­cra­vidão do pecado. NOSSA SENHORA DA PENHA: ver também 08 de abril. Ver:  

http://www.arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/nossa-senhora-da-penha

https://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_da_Penha_de_Fran%C3%A7a

https://www.altoastral.com.br/nossa-senhora-da-penAa/

Ver ainda: págs. 366-374. OBSERVAÇÃO: entre as páginas 370-373, NOSSA SENHORA APARECIDA: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

Ver ainda: NATIVIDADE DA SANTÍSSIMA VIRGEM: Ver páginas 99-100: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

* Conforme o Martirológio Romano-Monástico, FESTA DA NATIVIDADE DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA (08 de setembro), herdeira das Alianças e das promessas de Israel, de quem Cristo se originou, segundo a sua humanidade. Essa festa é igualmente celebrada pelos orientais bizantinos e siríacos, ao passo que os gregos e coptas a celebram na vigília deste dia. (R). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Natividade_de_Nossa_Senhora

– Solenidade de NOSSA SENHORA DE MONSERRATE, titular da Abadia Territorial de Nossa Senhora de Monserrate, no Rio de Janeiro, e padroeira principal das arquidioceses de Curitiba e Vitória, da diocese de Juazeiro e da prelazia de Lábrea. Nas cidades de Curitiba e Santos, é padroeira. Nas catedrais de Curitiba (Nossa Senhora da Luz), Vitória (Nossa Senhora da Vitória), Juazeiro (Nossa Senhora das Grotas) e Lábrea (Nossa Senhora de Nazaré), solenidade da titular. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Virgem_de_Montserrat

– VER AINDA:

* NOSSA SENHORA DA CARIDADE DO COBRE: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_da_Caridade_do_Cobre

* NOSSA SENHORA DE NAZARÉ: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_de_Nazaré

* NOSSA SENHORA DA PENNA (também na Freguesia – Rio de Janeiro): https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_da_Pena

* NOSSA SENHORA DO PORTO: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_do_Porto

* NOSSA SENHORA DA SAÚDE  https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_da_Saúde

* NOSSA SENHORA MÃE DA DIVINA GRAÇA, padroeira da cidade de Parnaíba, Piauí. No Martirológio Romano-Monástico, festa em 11 de outubro. No  Diretório de Liturgia da CNBB, dia 11 de outubro é DEDICAÇÃO DA CATEDRAL. Ver: http://obviousmag.org/a_literatura_vivendo_em_mim/2017/dia-08-de-setembro-festa-da-mae-da-divina-gracapadroeira-da-cidade-de-parnaiba.html – VER TAMBÉM: http://www.diocesedeparnaiba.org.br/

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Oi­tava do Natal de Nosso Se­nhor Jesus Cristo e dia da Sua Cir­cun­cisão, a so­le­ni­dade de Santa Maria, Mãe de Deus (também na Folhinha do Coração de Jesus), que no Con­cílio de Éfeso os Pa­dres acla­maram como The­o­tókos, porque nela o Verbo Se fez carne e ha­bitou entre os ho­mens o Filho de Deus, prín­cipe da paz, a quem foi dado o Nome que está acima de todos os nomes. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, dentro da Oitava do Natal, Solenidade da Bem-Aventurada Virgem Maria Mãe de Deus, proclamada “Theotókos” no Concílio de Éfeso por ter concebido e gerado, segundo a carne, a própria Pessoa do Verbo Divino, que veio trazer a paz aos homens de boa vontade. (R).  Ver páginas 71-74: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

2.      Em Ce­sa­reia da Ca­pa­dócia, hoje Kay­seri, na Tur­quia, o se­pul­ta­mento de São Ba­sílio, bispo, cuja me­mória se ce­lebra amanhã. († c. 379). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Basílio_de_Cesareia

3.      Na Cam­pânia e nos Abruzos, re­giões da Itália, a co­me­mo­ração de São Jus­tino, que é ce­le­brado como bispo emi­nente pelo seu zelo e pela de­fesa dos cristãos. (c. s. IV)

4.      Em Roma, Santo Al­má­quio (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, opondo-se às lutas dos gla­di­a­dores, por ordem de Alípio, pre­feito da Ci­dade, foi morto pelos pró­prios gla­di­a­dores e con­tado entre os már­tires vencedores. († 391). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no ano do Senhor de 391, Santo Almáquio, martirizado na arena, onde havia tentado impedir os mortíferos jogos pagãos celebrados no primeiro dia do ano. (M). Ver página 95: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

5.       No monte Jura, na re­gião da Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, a co­me­mo­ração de Santo Eu­gendo, abade do mos­teiro de Condat, que desde a ado­les­cência viveu no mos­teiro, onde pro­moveu com grande vigor a vida comum dos monges. († 516). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 510, Santo Oiendo, abade de Condat, no Jura. Seu biógrafo relata que tinha sempre o cuidado de designar, para cada monge, o trabalho para o qual fosse mais particularmente dotado pelo Espírito Santo, e que se devotava à Lectio Divina dia e noite. (M)

6.       Em Ruspas, ci­dade da Bi­za­cena, na ac­tual Tu­nísia, São Ful­gêncio, bispo, que, de­pois de ter sido pro­cu­rador deste ter­ri­tório, abraçou a vida mo­nás­tica e foi eleito bispo. No tempo da per­se­guição dos Vân­dalos, por causa do seu zelo pela fé ca­tó­lica e emi­nente dou­trina, so­freu muito da parte dos ari­anos e duas vezes foi des­ter­rado pelo rei Tra­si­mundo para a Sar­denha. Tendo re­gres­sado à sua Igreja, de­dicou o resto da sua vida a for­ta­lecer os seus fiéis com a pa­lavra da graça e da verdade. († 533). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, São Fulgêncio. Pela leitura das obras de Santo Agostinho, renunciou a uma brilhante carreira para abraçar a vida monástica. Tornando-se mais tarde bispo de Ruspe, hoje Alfaque, cidade do litoral tunisiano, foi, por causa de sua fé na divindade de Cristo, exilado para a Sardenha, onde fundou o mosteiro de Cagliari. (M). Ver páginas 75-86: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “Fulgêncio de Ruspe (em latimFulgentius Ruspensis) (Telepte468 – Ruspe1 de janeiro de 533) foi um santo católico, bispo de Ruspe, localidade da actual Tunísia.[1] Teólogo e polemista, discípulo e fiel seguidor da doutrina de Santo Agostinho, tornou-se famoso pela sua crítica do arianismo e do semipelagianismo. Foi o último dos grandes teólogos da Igreja africana e um expoente da influência exercida por esta no Ocidente.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Fulgêncio_de_Ruspe

7*.     Em Vi­enne, na Bor­gonha, na ac­tual França, São Claro, abade do mos­teiro de São Mar­celo, que deu aos monges exemplo in­signe da per­feição religiosa. († 660/670)

8*.     Em Troyes, ci­dade da Nêus­tria, também na ac­tual França, São Fro­do­berto, fun­dador e pri­meiro abade do mos­teiro de Moutier-la-Celle. († c. 667)

9*.          No mos­teiro de Fé­camp, na Nor­mandia, igual­mente na ac­tual França, o pas­sa­mento de São Gui­lherme, abade de São Be­nigno de Dijon, que nos úl­timos tempos da sua vida ori­entou com fir­meza e pru­dência muitos monges, dis­tri­buídos em qua­renta mosteiros. († 1031). Ver páginas 90-91: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

10.     Pró­ximo de Sau­vigny, ci­dade da Bor­gonha, também na ac­tual França, o pas­sa­mento de Santo Odilo, abade de Cluny, que foi sempre ri­go­roso para con­sigo mas be­nigno e mi­se­ri­cor­dioso para com os ou­tros, pa­ci­ficou em nome de Deus os povos be­li­ge­rantes e, em tempo de fome, so­correu com todos os meios os ne­ces­si­tados. Foi o pri­meiro a or­denar que se ce­le­brasse nos seus mos­teiros a co­me­mo­ração de Todos os Fiéis De­funtos no dia se­guinte à So­le­ni­dade de Todos os Santos. († 1049)

11.     Em Ja­bloné, na Boémia, ac­tu­al­mente na Ché­quia, Santa Ze­dis­lava, mãe de fa­mília, que prestou grande con­forto aos aflitos. († 1252). Ver página 92: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

12*.       Em Gualdo Cat­táneo, na Úm­bria, ac­tu­al­mente re­gião da Itália, o Beato Hu­go­lino, que viveu como eremita. († s. XIV). Ver página 93: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

13.          Em Roma, São José Maria Tomási, pres­bí­tero da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes Te­a­tinos e car­deal, que, de­se­jando ar­den­te­mente a re­no­vação do culto di­vino, de­dicou quase toda a sua vida à in­ves­ti­gação e pu­bli­cação dos an­tigos textos e do­cu­mentos da sa­grada Li­turgia, assim como à ca­te­quese das crianças. († 1713). Ver páginas 87-89: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “José Maria Tomasi C.R. (em italianoGiuseppe Maria Tomasi di Lampedusa) (Licata12 de setembro de 1649 – Roma1 de janeiro de 1713) foi um padre teatino, estudioso e cardeal-presbítero italiano. Seus estudos foram importantes para as reformas na liturgia da Igreja Católica no século XX. Ele foi beatificado pelo papa Pio VII, em 1803, e canonizado pelo papa São João Paulo II em 1986.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/José_Maria_Tomasi

14*.   Em Avrillé, pró­ximo de An­gers, na França, os ir­mãos be­atos João e Re­nato Lego, pres­bí­teros e már­tires, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por se terem re­cu­sado a prestar o in­fame ju­ra­mento im­posto ao clero, foram de­ca­pi­tados na guilhotina. († 1794)

15.     Em Roma, São Vi­cente Maria Strámbi, bispo de Ma­ce­rata e de To­len­tino, da Con­gre­gação da Paixão, que go­vernou fi­el­mente as di­o­ceses que lhe foram con­fi­adas e, por per­se­verar na sua fi­de­li­dade ao Ro­mano Pon­tí­fice, so­freu o exílio. († 1824). Ver página 94: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também “Em 1º de novembro deste mesmo ano, o papa Leão XII ficou gravemente doente. Ele ofereceu sua vida a Deus para que o Papa não morresse, rezando e fazendo penitência. Aos poucos ele se restabeleceu completamente, alguns meses depois, monsenhor Vicente Maria morreu, era o dia 1º de janeiro de 1824. Foi canonizado em 1950. A comemoração de São Vicente Maria Strambi acontece no dia de sua morte, recebendo homenagens especiais em Macerata, onde os seus restos mortais descansam na igreja de São Felipe, desde 1957.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vincenzo_Maria_Strambi

16*.   Em Has­selt, pró­ximo de Ma­as­tricht, na Bél­gica, o Beato Va­lentim Pa­quay, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores, que, na pre­gação, no mi­nis­tério da re­con­ci­li­ação e na de­voção ao ro­sário ma­riano, deu exemplo ad­mi­rável de ca­ri­dade cristã, al­can­çando, em seu es­pí­rito de hu­mil­dade, a mais su­blime santidade. († 1905)

17*.       Em L’viv, na Ucrânia, São Se­gis­mundo Go­raz­dowski, pres­bí­tero, na­tural da Po­lónia, que, ani­mado pelo seu grande amor ao pró­ximo, foi pre­cursor das obras para a de­fesa da vida, fundou o Ins­ti­tuto das Irmãs de São José e se de­dicou de todos os modos pos­sí­veis ao cui­dado dos po­bres e dos aban­do­nados. († 1920). Ver “São Zygmunt Gorazdowski (o seu nome próprio pode ser traduzido para Segismundo) (Sanok1 de novembro de 1845 – Lvov1 de janeiro de 1920, foi um padre católico romano polonês e fundador das Irmãs de São José.[1] Gorazdowski sofreu de tuberculose durante a sua infância, o que impediu seus estudos para o sacerdócio, exigindo que esperasse sua recuperação antes que pudesse ser ordenado. Após a ordenação, serviu em várias paróquias enquanto montava casas para órfãos e mães solteiras, assim como hospícios e outros estabelecimentos para várias pessoas; foi um escritor prolífico de catecismo e outras notas religiosas para o benefício de seu rebanho. [2][3] A causa de sua canonização foi aberta em 1 de junho de 1989, tendo se tornado Servo de Deus no início da causa. A confirmação da sua vida enquanto modelo de virtude heroica permitiu que fosse intitulado como Venerável, e posteriormente o Papa João Paulo II beatificou-o em sua visita à Ucrânia em 26 de junho de 2001. O Papa Bento XVI, mais tarde, o canonizou como santo em 23 de outubro de 2005 na Praça de São Pedro.[3]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Zygmunt_Gorazdowski

18.        Em San­tander, ci­dade da Can­tá­bria, no li­toral da Es­panha, o Beato André Gómez Sáez, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana e mártir, que, du­rante a per­se­guição contra a fé, der­ramou o seu sangue por Cristo. († 1937)

19.        Em Mirna, na Es­lo­vénia, o Beato Luís Grozde, membro da Acção Ca­tó­lica e mártir, que foi as­sas­si­nado em ódio à fé sob o re­gime comunista. († 1943)

20*.       No campo de con­cen­tração de Da­chau, nas pro­xi­mi­dades de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Ma­riano Ko­no­pinski, pres­bí­tero e mártir, na­tural da Po­lónia, que, de­pois de su­portar cruéis atro­ci­dades dos mé­dicos, morreu por Cristo Se­nhor. († 1943)

21. Em Alexandria, o trânsito de Santa Eufrosina (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que no mosteiro resplandeceu cheia de virtudes e milagres (conforme Martirológio Romano, Ed. Permanência).

22. São Telêmaco. Ver “São Telêmaco (português brasileiro) ou São Telémaco (português europeu) (? – Roma391) foi um monge[1] que, de acordo com o historiador da Igreja Teodoreto, tentou parar uma luta de gladiadores em um anfiteatro romano, e foi apedrejado até a morte pela multidão. O cristão imperador Honório, no entanto, ficou impressionado com o martírio do monge o que estimulou-o a emitir uma proibição histórica de lutas de gladiadores. A última luta de gladiadores conhecida em Roma foi em 1 de Janeiro 404 d.C., pelo que esta é geralmente dada como a data do martírio de Telêmaco.[2][3]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/São_Telêmaco

23. Outros santos do dia 01 de janeiro, págs. 71-97: 

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 01 de janeiro, ver ainda: 1 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 101-104:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/