Santas e Santos de 15 de dezembro

NOSSA SENHORA DA PORTA   em Trujillo, no Peru. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_da_Porta

1.   Co­me­mo­ração de São Va­le­riano, bispo de Avensa, na África se­ten­tri­onal, que, já com mais de oi­tenta anos de idade, na per­se­guição dos Vân­dalos foi in­ti­mado pelo rei ariano Gen­se­rico a en­tregar os uten­sí­lios da Igreja e, como ele re­cusou fir­me­mente, foi ex­pulso so­zinho da ci­dade, com a ordem de que nin­guém lhe desse aco­lhi­mento em sua casa ou her­dade; e assim viveu muito tempo a céu aberto na via pú­blica, ter­mi­nando o curso da sua vida santa como con­fessor da ver­da­deira fé. († d. 460). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na África, nos dias do rei ariano Genserico, São Valeriano, bispo. Por ter se recusado a entregar livros e objetos do culto católico, foi, aos oitenta anos, expulso de sua Sé episcopal, e condenado a viver errante pelas ruas da cidade. (M). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na África, nos dias do rei ariano Genserico, São Valeriano, bispo. Por ter se recusado a entregar livros e objetos do culto católico, foi, aos oitenta anos, expulso de sua Sé episcopal, e condenado a viver errante pelas ruas da cidade. (M). Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Valeriano_de_Abbenza

2.   No ter­ri­tório de Or­leães, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, São Ma­xi­mino, pres­bí­tero, con­si­de­rado o pri­meiro abade de Micy. († s. VI). . Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na diocese de Orléans, no séc. VI, a volta para Deus de São Mesmino, fundador e primeiro abade de Micy, que teve, por algum tempo como discípulos dois santos da região do Maine: São Calásio e Santo Avito. (M). Na diocese de Orléans,, São Maximino, ou Mesmino, confessor (século IV). Abade de Micy, morto, deseiou ser enterrado na caverna dum dragão, que matara. Ver págs. 282 em:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

– O Dia de São Mesmino (ou São Maximino, como também é chamado) é comemorado no dia 15 de dezembro. O santo foi fundador do mosteiro de Micy, perto de Órleans, na França, em uma propriedade cedida pelo rei Clóvis. São Mesmino foi o primeiro abade do mosteiro, tendo como discípulos São Calásio e Santo Avito.

A história de São Mesmino

Pouco se sabe sobre a vida de Mesmino. As informações indicam que ele fundou o mosteiro beneditino de Micy no ano de 501. Mesmino nasceu em Lorraine, na segunda metade do século V. Tinha dois irmãos, Viton, também santo, que foi nomeado como bispo de Verdun, e Loup, mais novo, que se tornou bispo de Troyes.

Cf. https://www.calendariobr.com.br/dia-de-sao-mesmino#.XBRMlGhKhnI

Ver também: https://www.calendariobr.com.br/dia-de-sao-mesmino#.XfVqZGRKhnI

3*.   No mos­teiro de Cava de’ Tir­réni, na Cam­pânia, re­gião da Itália, o Beato Ma­rino, abade, ad­mi­rável pela sua fi­de­li­dade ao Ro­mano Pontífice. († 1170)

4*.   Em Gé­nova, na Li­gúria, também re­gião da Itália, a Beata Maria Vi­tória Fornári, que, tendo fi­cado viúva, fundou a Ordem da Anunciação. († 1617). Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Maria_Vittoria_De_Fornari_Strata

5.   Também em Gé­nova, Santa Vir­gínia Cen­tu­rione Bracélli, viúva, que, de­di­cando-se ao ser­viço do Se­nhor, so­correu de muitos modos os po­bres, ajudou as igrejas ru­rais e fundou e di­rigiu as Damas da Mi­se­ri­córdia, Pro­tec­toras dos Pobres. († 1651). Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Virginia_Centurione_Bracelli

6.   Em Bréscia, na Lom­bardia, também re­gião da Itália, Santa Maria Cru­ci­fi­cada (Paula Fran­cisca Di Rosa), virgem, que des­pendeu todas as suas ri­quezas e se en­tregou a si mesma pela sal­vação es­pi­ri­tual e ma­te­rial do pró­ximo e fundou o Ins­ti­tuto das Es­cravas da Caridade. († 1855). Ver página 283: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

7*.   Em Ve­rona, na re­gião do Vé­neto, na Itália, o Beato Carlos Steeb, pres­bí­tero, que, nas­cido em Tu­binga, abraçou a fé ca­tó­lica em Ve­rona e, or­de­nado pres­bí­tero, fundou o Ins­ti­tuto das Irmãs da Mi­se­ri­córdia, para au­xílio dos atri­bu­lados, dos po­bres e dos enfermos. († 1856). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Carlos_Steeb

8♦.     Em Ma­drid, na Es­panha, os be­atos Paulo Garcia Sánchez e Rai­mundo Eirin Mayo, re­li­gi­osos da So­ci­e­dade Sa­le­siana e már­tires, que, du­rante a guerra civil, foram mortos em ódio à re­li­gião cristã. († 1936)

9. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, Santa Cristiana, escrava, que por seus milagres e bom exemplo de vida, converteu a corte da Ibéria, atual Geórgia, onde seu culto permanece vivo. (M), SANTA NINA OU CRISTIANA (*)-Virgem-Século IV

A Iberia (antes Geórgia ) estende-se ao sul do Cáucaso. Ali, antigamente, cultuavam-se os astros, o fogo, as árvores. O cristianismo surgiu com as influências romanas.

Em 337 , o rei da Iberia oriental converteu-se . Uma cativa cristã, destemerosamente, pregando Nosso Senhor, principiou a f.azer milagres, e , a pouco e pouco, os bárbaros da região entraram a se interessar pelo Cristo que ela confessava.

– Um dia, uma mulher, com o fllho doente, foi procurá-la, porque ouvira dizer que tinha poderes para restituir a saúde ao corpo apenas sentando o paciente no colo. A cativa tomou o menino, sentou-o no seu cilício, e disse à mãe que ela adorava a Cristo, e que só Êle tinha poderes sôbre a natureza. Curado o menino, mais a fama da cativa aumentou e correu por tôda a região.

A nova da cura dc menino chegou aos ouvidos do rei, que estava ccm a espôsa às portas da morte. Levada a rainha atê a cativa, Santa Nina, ou Cristiana, porque era ela a nossa Santa, fêz com que a soberana se deitasse sôbre o seu cilício, e rogou a Deus que a curasse. Imediatamente, a rainha, que mal pcrdia mexer-se no leito, levantou-se rapidamente, inteiramente devolvida à saúde.

O rei, numa alegria extrema, deseiou recompensar, largamente aquela mulher que lhe curara a espôsa, por todos dada como perdida, mas Santa Nina desprezava o ouro e ria do dinheiro. Que desejava ela, então? ünicamente, disse, que todos adorassem a Nosso Senhor Jesus Cristo, Aquêle que restituira a saúde à rainha.

O rei ficcu pensativo, e, deixando, com a espôsa, a companhia da Santa, prometeu pensar com vagar sôbre a questão. E o tempo foi passando.

Um dia, saiu o monarca a caçar. sem os que o acompanhavam, enveredou por um caminho estreito, sôzinho. Senão quando, tudo ao seu redor ficou escuríssimo, mais do que a mais negra noite.

Apavorado, pensou nc, Cristo da cativa. Então, no mesmo instante, a luz do sol tornou a brilhar para êle, clareando-lhe a vereda que ia perfazendo. De volta, o rei foi consultar Santa Cristiana. Nina, alegre por vê-lo com outra disposição, aconselhou-o a erigir uma igreja. O povo apoiotu-o. A igreja alevantou-se, com magnificência, e foi servida, pouco depois, por padres enviados pelo imperador Constantino. Foi assim que o rei Mirian e a rainha Nana abraçaram o cristianismo e ergueram na capital. do reino, Mzkheta, a igreja chamada da Coluna Viva. Conta-se que já duas colunas, por ocasião dos trabalhos do templo, tinham sido colocadas no seu lugar, quando a noite chegou, sem que a terceira pudesse s€r fiovida, misteriosamente.

Santa Nina, à noite, procurou as obras. Orando e orando, plantou a coluna que muitíssimos braços, ajudados por engenhos, não haviam conseguido erguer um só centímetro do chão”. Ver págs. 280-282 em:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nino_da_Geórgia

10. São Paulo de Latre. Ver páginas 272-279: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

11. Outros santos do dia 15 de dezembro: págs. 272-: 

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 15 de dezembro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/15_de_dezembro   

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.