Santas e Santos de 10 de dezembro

1.   Em Mé­rida, na Lu­si­tânia, ac­tu­al­mente na Es­panha, Santa Eu­lália, virgem e mártir, que, se­gundo a tra­dição, sendo ainda jovem, não he­sitou em ofe­recer a vida por Cristo. († c. 304). Co nforme o Martirológio Romano-Monástico, na Estremadura, no começo do séc. IV, as Santas Eulália e Júlia, virgens, que foram, ainda jovens, martirizadas com extrema violência. (M). Ver páginas 165-167; http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Eulália_de_Mérida  

2.   Em Roma, no ce­mi­tério de Trasão, junto à Via Sa­lária Nova, Santo Amaro, mártir, que o papa São Dâ­maso ce­lebra como uma cri­ança ino­cente, a quem os tor­mentos não con­se­guiram afastar da fé. († c. s. IV)

3.   Em An­cira, na Ga­lácia, hoje An­cara, na Tur­quia, São Ge­melo (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártir. († c. s. IV)

4.   Em Roma, junto de São Pedro, São Gre­gório III (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que fo­mentou a pre­gação do Evan­gelho aos Ger­manos e, em opo­sição aos ico­no­clastas, adornou as igrejas da Urbe com sa­gradas imagens. († 741). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 741, o Bem-Aventurado Gregório III, papa de origem síria, que para manifestar sua reprovação à iconoclastia multiplicou a decoração das basílicas romanas. (M)

5*.   No mos­teiro de São Ni­colau de Vi­o­to­rito, na Ca­lá­bria, re­gião da Itália, São Lucas, bispo de Ísola di Cappo Riz­zuto, que tra­ba­lhou in­can­sa­vel­mente pelo bem do povo e na for­mação dos monges. († 1114)

6*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, os santos már­tires Ed­mundo Gennings, pres­bí­tero, e Sui­tuno Wels, que, du­rante a cruel per­se­guição da rainha Isabel I, con­de­nados à pena ca­pital – o pri­meiro por ser sa­cer­dote e o se­gundo por lhe ter dado aco­lhi­mento –, foram pen­du­rados à porta da sua casa e tor­tu­rados até à morte. († 1591)

7.   Também em Lon­dres, os santos Po­li­doro Plasden e Eus­tácio White, pres­bí­teros, e os be­atos Brian Lacy, João Mason e Sídnei Hogdson, már­tires, que no mesmo ano so­freram os mesmos su­plí­cios em Ty­burn, uns porque eram sa­cer­dotes que en­traram na In­gla­terra, ou­tros porque lhes pres­taram auxílio. († 1591)

8.   Também em Lon­dres, de­za­nove anos de­pois, São João Roberts, da Ordem de São Bento, e o Beato Tomás Somers, pres­bí­teros e már­tires, que, no rei­nado de Jaime I, con­de­nados por serem sa­cer­dotes, foram en­for­cados, tendo abra­çado os mal­fei­tores la­drões sub­me­tidos ao mesmo patíbulo. († 1610). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Tyburn, perto de Londres, em 1610, o martírio do Bem-Aventurado João Roberts. Convertido ao catolicismo por ocasião de uma viagem a Paris, e entrando logo depois nos beneditinos de Compostela, voltou ao seu país natal para lá reanimar o monaquismo, sendo depois condenado à decapitação por ter afirmado que fora da Igreja não há salvação. (X) 

9*.   Em Turim, na Itália, o Beato Marcos An­tónio Durando, pres­bí­tero da Con­gre­gação das Mis­sões, que fundou a Con­gre­gação das Irmãs de Jesus Na­za­reno, para prestar as­sis­tência aos en­fermos e aos jo­vens abandonados. († 1880)

10*.   Em Vallés, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, o Beato Gon­çalo Viñes Masip, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a per­se­guição, con­su­maram o com­bate por Cristo. († 1936)

11*.   Em Pi­ca­dero de Pa­terna, lo­ca­li­dade da mesma pro­víncia da Es­panha, os be­atos már­tires An­tónio Martin Hernández, pres­bí­tero, e Agos­tinho Garcia Calvo, re­li­gioso, ambos da So­ci­e­dade Sa­le­siana, que, du­rante a mesma per­se­guição, pela fé em Cristo re­ce­beram a es­tola da glória. († 1936)

12. SANTA JOANA FRANCISCA DE CHANTAL: LEMBRADA DIAS 12/08; 21/08; 10/12/; 13/12

No mos­teiro da Vi­si­tação de Mou­lins, na França, o dia natal de Santa Joana Fran­cisca Fré­miot de Chantal, cuja me­mória se ce­lebra no dia doze de agosto. No LITURGIA DAS HORAS celebra-se dia 10 de dezembro. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Moulins, na região do Bourbonnais, Santa Joana Francisca de Chantal. Viúva após oito anos de um feliz casamento, dedicou-se primeiro à educação de seus quatro filhos, e depois, sob a orientação de seu diretor espiritual, São Francisco de Sales, que a introduzira na “vida devota”, fundou a Ordem da Visitação de Santa Maria, em Annecy. (M)

O Liturgia das Horas lembra Santa Joana Francisca de Chantal no dia 10 de dezembro.

A memória da liturgia das horas deste 10.12 lembra Santa Joana Francisca.

Ela explica o MARTÍRIO DE AMOR que poucos conhecem e menos pessoas vivem.

Das Memórias de Santa Joana Francisca, escritas por uma religiosa, sua secretária:

 (Françoise-Madeleine de Chaugy, Mémoires sur la vie et les vertus de Sainte J.-F. de Chantal, III, 3: 3ª ed., Paris 1853, p. 306-307) (Séc.XVII)

O amor é forte como a morte

Certo dia, Santa Joana disse estas fervorosas palavras, logo fielmente recolhidas: 

“Filhas diletíssimas, muitos dos nossos santos Padres e colunas da Igreja não sofreram o martírio; sabeis dizer-me por que razão?” Após a resposta de cada uma, disse a santa Madre: “Quanto a mim, creio que isto aconteceu assim, por haver outro martírio que se chama martírio de amor, em que Deus, conservando em vida seus servos e servas a fim de trabalharem para sua glória, os faz ao mesmo tempo mártires e confessores. Sei que, por disposição divina – acrescentou – as filhas da Visitação são chamadas a este martírio com o mesmo ardor que levou a afrontá-lo aquelas servas mais afortunadas. 

À pergunta de uma irmã sobre o modo como poderá se realizar este martírio, respondeu: “Abri-vos inteiramente à vontade de Deus e tereis a prova. O amor divino mergulha sua espada até o mais íntimo e secreto de nossas almas, e separa-nos de nós mesmas. Conheci uma alma a quem o amor separou de tudo quanto lhe agradava, como se o golpe dado pela espada de um tirano lhe tivesse separado o espírito do corpo”. 

Percebemos que falara de si mesma. Tendo outra irmã indagado quanto tempo duraria esse martírio, explicou: “Desde o momento em que nos entregamos a Deus sem reservas, até o fim da vida. No entanto, isto só diz respeito às pessoas magnânimas, que, renunciando completamente a si mesmas, são fiéis ao amor; os fracos e inconstantes no amor, nosso Senhor não os leva pelos caminhos do martírio, mas deixa-os viver a passos lentos, para que não se afastem dele; pois nunca força a livre vontade”. 

Quando, por fim, lhe foi perguntado se este martírio de amor poderia ser igualado ao martírio do corpo, respondeu: “Não nos preocupemos com a questão da igualdade, muito embora eu julgue que um não ceda ao outro, porque o amor é forte como a morte (Ct 8,6). E ainda porque os mártires de amor sofrem dores mil vezes mais agudas conservando a vida para cumprir a vontade de Deus, do que se tivessem de dar mil vidas para testemunhar a sua fé, o seu amor e a sua fidelidade”. († 1641)

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no ano do Senhor de 314, São Melquiades (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que teve a alegria de ver se encerrar a era das perseguições, e pôde reorganizar a vida da comunidade cristã logo após o Edito de Milão. (M). Ver página190 (São Melcíades): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

14. TRANSLAÇÃO DA SANTA CASA DE NAZARÉ. Ver páginas 168-189:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf  

-Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Santuário_da_Santa_Casa_de_Loreto

15. São Tomás, abade. Ver páginas 191-192: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

16. Outros santos do dia 10 de dezembro: págs. 165-194:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 10 de dezembro, ver ainda:  https://pt.m.wikipedia.org/wiki/10_de_dezembro

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.