Santas e Santos de 13 de dezembro

Me­mória de Santa Luzia (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem e mártir, que du­rante a sua vida con­servou a lâm­pada acesa para ir ao en­contro do Es­poso e, con­du­zida ao mar­tírio por amor de Cristo em Si­ra­cusa, na Si­cília, me­receu en­trar com Ele nas núp­cias do Céu e pos­suir a luz que não tem ocaso. († 304/305). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santa Luzia (ou Lúcia), virgem e mártir de Siracusa. Diante de seu juiz, declarou que “não tinha outro desejo a não ser o de agradar a Cristo, somente” (Paixão). (R). Ver páginas 252-259: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Lúcia_de_Siracusa

2.   Em Porto Ro­mano, perto do ac­tual Fiu­mi­cino, na Itália, Santo Aristão, mártir. († c. s. IV)

3.   No pro­mon­tório de Súlcis, na Sar­denha, Santo An­tíoco, mártir. († c. s. IV). Ver página 259: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

4.   Na Ar­ménia, os santos Eus­trácio, Au­xêncio, Eu­génio, Mar­dário e Orestes, mártires. († c. s. IV).

5.   Na Nêus­tria se­ten­tri­onal, ac­tu­al­mente na França, São Ju­doco, pres­bí­tero e ere­mita, que, sendo filho de Ju­tael, rei da Ar­mó­rica, e irmão de São Ju­di­cael, para não ser cons­tran­gido a su­ceder a seu pai deixou a pá­tria e se re­tirou para a vida eremítica. († c. 669)

6.   Em Cam­brai, na Aus­trásia, também na ac­tual França, Santo Aut­berto, bispo. († c. 670)

7.   No ter­ri­tório de Es­tras­burgo, na Bor­gonha, também na ho­di­erna França, Santa Otília (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem e pri­meira aba­dessa do mos­teiro de Hohen­bourg, fun­dado pelo duque Al­da­rico, seu pai. († s. VII). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VII, Santa Otilia (ou Odília). Cega de nascença, foi miraculosamente curada no dia de seu batismo, aos quinze anos de idade. Mais tarde tornou-se abadessa do mosteiro beneditino de Hohenburg (hoje, Monte de Santa Otília), fundado por seu pai, o duque da Alsácia. (M). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Odília_da_Alsácia . Ver também páginas 249-251: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf  

8*.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, o Beato João Ma­ri­nóni (Fran­cisco Ma­ri­nóni), pres­bí­tero da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes, cha­mados Te­a­tinos, que, jun­ta­mente com São Ca­e­tano, se de­dicou à re­forma do clero e à sal­vação das almas e pro­moveu o Monte de Pi­e­dade para au­xílio dos pobres. († 1562)

9.   No mos­teiro da Vi­si­tação de Mou­lins, na França, o dia natal de Santa Joana Fran­cisca Fré­miot de Chantal, cuja me­mória se ce­lebra no dia doze de Agosto. († 1641).

SANTA JOANA FRANCISCA DE CHANTAL: LEMBRADA DIAS 12/08; 21/08; 10/12/; 13/12

Santa Joana Fran­cisca Fré­miot de Chantal (também na Folhinha do Coração de Jesus), re­li­giosa. Do seu ma­tri­mónio cristão teve seis fi­lhos, que educou na pi­e­dade; de­pois da morte do es­poso, sob a di­recção de São Fran­cisco de Sales, per­correu ve­loz­mente o ca­minho da per­feição e de­dicou-se às obras de ca­ri­dade, es­pe­ci­al­mente para com os po­bres e os en­fermos. Fundou a Ordem da Vi­si­tação de Santa Maria, que também di­rigiu sa­bi­a­mente. Morreu em Mou­lins, nas mar­gens do rio Al­lier, pró­ximo de Ne­vers, na França, no dia 13 de Dezembro. († 1641). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, de 10 de dezembro, em Moulins, na região de Bourbonnais, Santa Joana Francisca de Chantal. Viúva após oito anos de um feliz casamento, dedicou-se primeiro à educação de seus quatro filhos, e depois, sob a orientação de seu diretor espiritual, São Francisco de Sales, que a introduziu na “vida devota”, fundou a Ordem da Visitação de Santa Maria, em Annecy. (M).

–  Sobre Santa Joana Francisca de Chantal: no mos­teiro da Vi­si­tação de Mou­lins, na França, o dia natal de Santa Joana Fran­cisca Fré­miot de Chantal, cuja me­mória se ce­lebra no dia doze de Agosto.

Ver VIDAS DOS SANTOS no dia 21 de agosto, págs. 117-135: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

– O Liturgia das Horas lembra Santa Joana Francisca de Chantal no dia 10 de dezembro.

A memória da liturgia das horas, no ofício das leituras, segunda leitura, lembra Santa Joana Francisca. Ela explica o que é o MARTÍRIO DE AMOR que poucos conhecem e menos pessoas vivem.

Das Memórias de Santa Joana Francisca, escritas por uma religiosa, sua secretária:

 (Françoise-Madeleine de Chaugy, Mémoires sur la vie et les vertus de Sainte J.-F. de Chantal, III, 3: 3ª ed., Paris 1853, p. 306-307) (Séc.XVII)

O amor é forte como a morte  

Certo dia, Santa Joana disse estas fervorosas palavras, logo fielmente recolhidas: 

“Filhas diletíssimas, muitos dos nossos santos Padres e colunas da Igreja não sofreram o martírio; sabeis dizer-me por que razão?” Após a resposta de cada uma, disse a santa Madre: “Quanto a mim, creio que isto aconteceu assim, por haver outro martírio que se chama martírio de amor, em que Deus, conservando em vida seus servos e servas a fim de trabalharem para sua glória, os faz ao mesmo tempo mártires e confessores. Sei que, por disposição divina – acrescentou – as filhas da Visitação são chamadas a este martírio com o mesmo ardor que levou a afrontá-lo aquelas servas mais afortunadas. 

À pergunta de uma irmã sobre o modo como poderá se realizar este martírio, respondeu: “Abri-vos inteiramente à vontade de Deus e tereis a prova. O amor divino mergulha sua espada até o mais íntimo e secreto de nossas almas, e separa-nos de nós mesmas. Conheci uma alma a quem o amor separou de tudo quanto lhe agradava, como se o golpe dado pela espada de um tirano lhe tivesse separado o espírito do corpo”. 

Percebemos que falara de si mesma. Tendo outra irmã indagado quanto tempo duraria esse martírio, explicou: “Desde o momento em que nos entregamos a Deus sem reservas, até o fim da vida. No entanto, isto só diz respeito às pessoas magnânimas, que, renunciando completamente a si mesmas, são fiéis ao amor; os fracos e inconstantes no amor, nosso Senhor não os leva pelos caminhos do martírio, mas deixa-os viver a passos lentos, para que não se afastem dele; pois nunca força a livre vontade”. 

Quando, por fim, lhe foi perguntado se este martírio de amor poderia ser igualado ao martírio do corpo, respondeu: “Não nos preocupemos com a questão da igualdade, muito embora eu julgue que um não ceda ao outro, porque o amor é forte como a morte (Ct 8,6). E ainda porque os mártires de amor sofrem dores mil vezes mais agudas conservando a vida para cumprir a vontade de Deus, do que se tivessem de dar mil vidas para testemunhar a sua fé, o seu amor e a sua fidelidade”. Ver página 259: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

10*.   Em Fermo, nas Marcas, re­gião da Itália, o Beato An­tónio Grássi, pres­bí­tero da Con­gre­gação do Ora­tório, homem hu­milde e pa­cí­fico, que com o seu exemplo es­ti­mulou os ir­mãos à ob­ser­vância da Regra. († 1671)

11.   Em Tjyen-Tiyou, lo­ca­li­dade da Co­reia, os santos Pedro Cho Hwa-so, pai de fa­mília, e cinco companheiros, már­tires, que, ten­tados com pro­messas e tor­mentos do man­darim para aban­donar a re­li­gião cristã, re­sis­tiram até serem decapitados. São estes os seus nomes: Pedro Yi Myong-so e Bar­to­lomeu Chong Mun-ho, pais de fa­mília; Pedro Son-ji, pai de fa­miliaca­te­quista; José Pedro Han Chae-kwon, que foi ca­te­quista; e Pedro Chong Won-ji, adolescente. († 1866)

12♦.   Em Cas­tel­la­mare, na Cam­pânia, re­gião da Itália, a Beata Maria Ma­da­lena da Paixão (Cons­tança Sta­race), virgem, fun­da­dora da Con­gre­gação das Irmãs Com­pas­si­o­nistas Servas de Maria. († 1921)

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na mesma época, São Josse, eremita. Um dia, distribuiu sua minguada refeição entre vários pobres que bateram sucessivamente à sua porta. Dois mosteiros da região de Calais tomaram o nome deste santo. (M)

14. São João Marimoni, (também na Folhinha do Coração de Jesus)

15. Outros santos do dia 13 de dezembro: págs. 249-261: 

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 13 de dezembro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/13_de_dezembro  

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.