Santas e Santos de 19 de dezembro

1.   Em Roma, no ce­mi­tério de Pon­ciano, junto à Via Por­tu­ense, o se­pul­ta­mento de Santo Anas­tásio I, papa, homem de emi­nente po­breza e so­li­ci­tude apos­tó­lica, que se opôs te­naz­mente às dou­trinas heréticas. († 401). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no ano da graça de 401, o sepultamento de Santo Anastácio I, papa, cujo espirito de pobreza e solicitude apostólica São Jerônimo louva. (M). Ver https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Anastácio_I

2.   Em Au­xerre, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, São Gre­gório, bispo. († s. VI)

3*.   Na Car­tuxa de Ca­sotto, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, o Beato Gui­lherme de Fenóglio, re­li­gioso, que antes tinha sido eremita. († c. 1200). Ver páginas 343-344: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

4*.   Em Avi­nhão, na Pro­vença, re­gião da França, o Beato Ur­bano V, papa, que, sendo monge foi ele­vado à cá­tedra de Pedro e se pre­o­cupou prin­ci­pal­mente em fazer voltar à Urbe a Sede Apos­tó­lica e res­ta­be­lecer a uni­dade da Igreja. († 1370). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, No mesmo dia, o Bem-Aventurado Urbano V. papa. Inicialmente foi monge beneditino, e depois tomou-se abade de Saint-Germain de Auxerre, e de Saint-Victor de Marselha. Eleito Soberano Pontifice em 1362, restabeleceu a Sé apostólica em Roma, mas a luta entre as facções politicas o forçaram a voltar logo para Avinhão, onde morreu em 1370. (M). Ver páginas 347-350: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Urbano_V

5.   Em Bac-Nihn, lo­ca­li­dade do Ton­quim, hoje no Vi­etnam, os santos már­tires Fran­cisco Xa­vier Hà Trong Mâu e Do­mingos Bùi Van Úi, ca­te­quistas, Tomé Nguyen Van Dê, al­faiate, e também Agos­tinho Nguyen Van Mói e Es­têvão Nguyen Van Vinh, agri­cul­tores, o pri­meiro destes úl­timos neó­fito e o se­gundo ainda ca­te­cú­meno; todos eles, por se re­cu­sarem a calcar a cruz, so­freram o cár­cere e os tor­mentos e fi­nal­mente foram es­tran­gu­lados por ordem do im­pe­rador Minh Mang. († 1838). Ver páginas 345-346: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

6*.   Em Slonim, ci­dade da Po­lónia, as be­atas Maria Eva da Pro­vi­dência (Eva Nois­zewska) e Maria Marta de Jesus (Ca­si­mira Wo­lowsk), vir­gens da Con­gre­gação das Irmãs da Ima­cu­lada Con­ceição e már­tires, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da Po­lónia, foram fu­zi­ladas por per­se­ve­rarem na fé.  († 1942)

7. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Alexandria, no Egito, durante a perseguição de Décio, o Bem-Aventurado Nemésio, mártir. Acusado falsamente de roubo, havia sido afinal absolvido. Mas, logo depois, foi denunciado como cristão, e condenado pelo juiz a ser queimado vivo “o que lhe deu a honra”, nas palavras do historiador Eusébio, “de assim assemelhar-se a Cristo sofredor”. (M). São Nemésio e muitos Outros Mártires em Alexandria. Durante a Perseguição do Imperador Décio.

Eis como São Dionísio, bispo de Alexandria, descreve o efeito da perseguição nesta cidade. “O terror foi geral. Muitas pessoas, das mais consideráveis, cederam logo. Uns, abatidos pelo temor, apresentavam-se espontâneamente aos magistrados. Outros, que tinham empregos públicos, eram levados aos juízes pelas funções mesmas do cargo gue ocupavam. Outros ainda, eram delatados pelos inimigos. E todos, chamados para sacrificar aos deuses não tinham fôrças suficientes para não o fazer. Aquêles jaziam pálidos e trêmulos, como se não fôssem chamados para imolar aos ídolos, mas a si mesmos. Aqueloutros, não suportando o mêdo, desmaiavam. Assim, havia os que, para se ver livres, corriam ao altar e ali faziam o que deviam fazer, assegurando deslavadamente que jamais haviam sido cristãos na vida. Quanto aos ricos, êsses provavam sobejamente o que Jesus dissera: que é difícil que um rico se salve.

“Houve tambem os que se salvaram pela fuga, mas a maioria dos cristãos foi prêsa e metida em terríveis prisões. Suportaram muitos o primeiro suplício, mas no segundo cederam. “Outros, todavia, firmes como colunas firmes, a tudo suportavam e renderam glorioso testemunho de ]esus Cristo.

“Um velho, Juliano, doente e trôpego, amparado por dois homens, dos quais um renunciou imediatamente, suportou tudo. Cronion, ou Euno, confessou como Juliano. Foram atirados ao fogo, depois de chicoteados e já mortos. Um africano, Macar, que não quis renegar a fé, foi queimado vivo. Em seguida, Epímaco e Alexandre, há muito presos, foram também queimados.

“Entre as mulheres, Ammonaria, virgem, longamente supliciada, Mercúria, venerável pela velhice, Dionísia, mãe de muitos filhos. Outra Ammonaria. O prefeito, temeroso de atormentá-las em público e ser vencido, ordenou fôssem decapitadas, sem mais nada.

“Outros muitos desfilaram ainda: Heron, Ater e Isidoro, egípcios, com um menino de quinze anos, chamado Dióscoro. O juiz começou por êste pequeno: depois de ter inutilmente tentado vencê-lo pelo agrado e pela violência, admirado de tamanha coragem, da inteligência das respostas, deixou que se fôsse, dizendo que, dada a pouca idade, teria um prazo para reconhecer a verdade. Os três outros foram cruelmente atormentados e, afinal, atirados ao fogo”.

Dióscoro, em liberdade, correu prõcurar o bispo Dionísio. “Um outro egípcio, Nemésio, acusado de estar conluiado a ladrões, diante do centurião provou que o caluniavam. Foi, então, denunciado como cristão. Carregado de cadeias, levaram-no ao governador. Atormentado, depois chicoteado, foi atirado ao fogo.

“Quatro soldados, Ammon, Zeno, Ptolomeu e Ingênuo, mais um jovem, Teófilo, apresentaram-se como cristãos. Foram constantes e, pois, martirizados.

“Doutras cidades, também muitos sofreram sob Décio. De perto de Alexandria, Isquírion era magistrado. Intimado a sacrificar aos ídolos, recusou-se e fai morto, depois de tormentos vários. “O temor de tal perseguição fêz com que muitos cristãos fugissem para os desertos vizinhos do Egito, ou para as montanhas, onde muitos morreram de sêde e de fome, foram mcrtos por ladrões ou devorados pelas feras.

“Houve os que se salvaram. Entre êstes, um jovem, Paulo, que se refugiara no deserto da Tebaida e ali passou a viver como eremita”.

Ver págs. 338-340 em: VIDAS DOS SANTOS PADRE ROHRBACHER

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

8. Santa Teia (também na Folhinha do Coração de Jesus). Em Gaza, na Palestina, os santos Meures (século IV) e Téia, mortos em 308, mártires. Téia, prêsa em Gaza, foi martirizada em Cesaréia da Paiestina, a 25 de julho, com Paulo e Valentino. Meures era soldado da coorte dos mouros, nos tempos de Diocleciano e Maximiano. Em Gaza, denunciado ao prefeito, declarou-se cristão. Flagelado sucessivamente por trinta e seis soldados, foi abandonado no local do suplício, ali ficando por sete dias: as feridas, em contato com a terra, infeccionaram-se de modo que o Santo, quando morreu, era todo pus. Ver página 350: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

9. São Dário (também na Folhinha do Coração de Jesus). Em Nicéia, Bitínia, os santos mártires Dario, Zôsimo, Paulo e Segundo. Ver página 350: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

10. São Paulino (também na Folhinha do Coração de Jesus)

11. Santa Santana, abadessa. Ver páginas 341-342: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

12. Outros santos do dia 19 de dezembro: págs. 338-351: 

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 19 de dezembro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/19_de_dezembro    

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.