Santas e Santos de 12 de maio

Destaques de 12 de maio:

  1. São Pancrácio (nº 2 abaixo), mártir de 14 anos;
  2. Santa Imelda Lambertini (nº 11 abaixo), padroeira das crianças que vão fazer a primeira comunhão (morreu aos 11 anos de idade, feliz por ter recebido Jesus na comunhão pela primeira vez)

1. São Nereu e Santo Aquileu (ou Aquiles) már­tires (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, como narra o papa São Dâ­maso, se ti­nham alis­tado como sol­dados e, cons­tran­gidos pelo temor, se pre­pa­ravam para obe­decer às ím­pias or­dens do ma­gis­trado; mas, con­ver­tidos ao ver­da­deiro Deus, dei­taram fora os es­cudos, ar­ma­duras e dardos, aban­do­naram o acam­pa­mento e, con­fes­sando a fé de Cristo, go­zaram o seu triunfo. Neste dia foram se­pul­tados os seus corpos no ce­mi­tério de Do­mi­tila, junto à Via Ar­de­a­tina de Roma. († s. III f.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no tempo de Diocleciano, os Santos Nereu e Aquiles (ou Aquileu). Companheiros de armas a serviço do imperador, mostraram-se irmãos na fé até à morte. (M).

– Ver “Nereu e Aquileu,[1] chamados também Nereu e Aquiles[2] (em latimNereus et Achilleus) foram dois santos mártires de RomaItália, condenados à morte, provavelmente no tempo de Dioclecianoimperador romano de 284 a 305. Eles são celebrados no dia 12 de maio. No mesmo dia celebra-se também Pancrácio de Roma e de 1595 até 1969 Flávia Domitila, quem provavelmente não tinha com eles alguma relação.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nereu_e_Aquileu

2. São Pan­crácio (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártir, que, se­gundo a tra­dição, ainda ado­les­cente morreu por Cristo, também em Roma, a duas mi­lhas na Via Au­rélia. Sobre o seu se­pulcro, o papa São Sí­maco le­vantou uma cé­lebre ba­sí­lica, e o papa São Gre­gório Magno reuniu fre­quen­te­mente o povo nesse lugar, para que ali com­pre­en­desse o tes­te­munho do ver­da­deiro amor cristão. Co­me­mora-se neste dia o seu sepultamento. († s. IV in.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, igualmente São Pancrácio, jovem cristão que foi martirizado com a mesma idade e na mesma época em que Santa Inês. (M).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 10 de maio de 2012, Pancrácio era filho de nobres romanos não cristãos. Nascido na Frígia, em 289, mudando-se para Roma entrou em contato com o cristianismo, e passou a admirar a coragem e a fé daqueles homens e mulheres dispostos a derramar seu sangue por Jesus. Narra a tradição que foi o próprio Papa Marcelino, refugiado junto ao tio de Pancrácio, Dionisio, que o instruiu na fé e o batizou, em 303. Com o acentuar-se da perseguição sob Diocleciano, Pancrácio foi preso e decapitado, junto com outros cristãos. Tinha 14 anos, Os cristãos recolheram seu corpo e o depositaram numa catacumba próxima à Via Aurélia, onde se encontra até hoje. Com o incremento da devoção ao mártir, no local foi erguida uma basílica. Frei Sandro Roberto da Costa, OFM Petrópolis/RJ.

– Ver págs. 301-302: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– Ver também “Pancrácio de Roma (em latimPancratius; em gregoΆγιος Παγκράτιος, em italianoSan Pancrazio) nasceu por volta do ano 289-290, em Roma, numa nobre família frígia e morreu em 12 de maio de 304, com cerca de 14 anos de idade…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Pancr%C3%A1cio_de_Roma

3. Beata Joana de Portugal, virgem, filha do rei Afonso V, que, re­cu­sando re­pe­ti­da­mente as núp­cias, pre­feriu servir na Ordem dos Pre­ga­dores, tor­nando-se re­fúgio dos po­bres, dos ór­fãos e das viúvas e, de­pois de uma vida de ex­tra­or­di­nária pi­e­dade, morreu no mos­teiro do­mi­ni­cano de Aveiro, ci­dade de Portugal. († 1490).

– Ver págs. 299-300: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– Ver também “Joana de PortugalO.P. (também chamada Santa Joana Princesa embora oficialmente apenas seja reconhecida pela Igreja Católica como Beata) (Lisboa6 de fevereiro de 1452 — Aveiro12 de maio de 1490) foi uma princesa portuguesa da Casa de Avis, filha do rei D. Afonso V e de sua primeira mulher, a rainha D. Isabel.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Joana,_Princesa_de_Portugal

4.   Em Axió­polis, na Mésia, hoje Cer­na­voda, na Ro­ménia, São Ci­rilo, que con­sumou o mar­tírio jun­ta­mente com seis companheiros. († c. s. III)

5.   Em Sa­la­mina, na ilha de Chipre, Santo Epi­fânio, bispo, que, do­tado de ex­ce­lente eru­dição e co­nhe­ci­mento da li­te­ra­tura sa­grada, foi também ad­mi­rável na san­ti­dade de vida, zelo pela fé ca­tó­lica, li­be­ra­li­dade para com os po­bres e dom de milagres. († 403).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 403, Santo Epifânio, judeu da Palestina, que se converteu a Cristo e levou, perto de sua aldeia natal, vida monástica durante trinta anos. Eleito bispo de Chipre, conservou o hábito e os costumes de monge, gozando de grande prestígio entre seus fiéis. Sua erudição e seu amor pela ortodoxia levaram-no a denunciar várias doutrinas maculadas pela heresia. (M).

Ver págs. 291-296: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– Ver também “Epifânio de Salamina (em latimEpiphanius) foi um bispo da cidade de Salamina e metropolita da ilha de Chipre no final do século IV. Ele ganhou uma reputação como um forte defensor da ortodoxia cristã. É também conhecido por ter escrito um enorme compêndio de heresias que ameaçaram o cristianismo primitivo até o seu tempo, cheio de citações que, muitas vezes, são os únicos fragmentos sobreviventes das obras suprimidas. Além disso, ele foi responsável por instigar, juntamente com Ticão (bispo de Amato), uma perseguição aos não cristãos que viviam em Chipre, que resultou na destruição de muitos dos seus templos.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Epif%C3%A2nio

6.   Em Agira, na Si­cília, re­gião da Itália, São Fi­lipe, pres­bí­tero, oriundo da Trácia. († s. V)

7.   Em Tré­veris, na Re­nânia, re­gião da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, São Mo­do­aldo, bispo, que cons­truiu e fa­vo­receu igrejas e mos­teiros, ins­ti­tuiu vá­rias co­mu­ni­dades de vir­gens e foi se­pul­tado junto da sua irmã Severa. († c. 647).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 640,São Modoaldo. Nascido na Aquitânia, foi durante muito tempo conselheiro na corte dos merovíngios, antes de sua eleição para chefiar a Igreja de Treves. (X)

8*.   No mos­teiro de Mar­chi­ennes, no ter­ri­tório de Cam­brai da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na França, Santa Ric­trudes, aba­dessa, que, de­pois da morte vi­o­lenta do seu es­poso Ada­baldo, acon­se­lhada por Santo Amando tomou o sa­grado véu e com ad­mi­rável sa­be­doria di­rigiu as vir­gens sagradas. († c. 688).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na diocese de Arras, em 688, Santa Rictrude, duquesa de Douai, mãe de toda uma família de santos. Após a morte de seu marido, duplicou o mosteiro masculino de Marchiennes, já existente, com um mosteiro de monjas onde tomou o véu. (M).

Ver págs. 297-298: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

9.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Ger­mano, bispo, in­signe pela sua vir­tude e sa­be­doria, que re­futou com grande fir­meza o edito pro­mul­gado pelo im­pe­rador Leão, o Isáu­rico, contra as sa­gradas imagens. († 733).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, São Germano, arcebispo de Constantinopla, morto quase centenário, em 733. Célebre panegirista da Mãe de Deus, é-lhe  atribuído o hino “Akatistós”, ladainha da liturgia oriental em honra de Nossa Senhora, saudada como a “Esposa sempre virgem”. (M).

– Ver “Germano I de Constantinopla foi o patriarca de Constantinopla entre 715 e 730, e reinou durante um período conhecido como “Anarquia de vinte anos“.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Germano_I_de_Constantinopla

10.     Em Cas­tela, re­gião da Es­panha, no lugar pos­te­ri­or­mente de­sig­nado com o seu nome, São Do­mingos da Calçada, pres­bí­tero, que cons­truiu pontes e ca­mi­nhos para uso dos pe­re­grinos que se di­ri­giam a São Tiago de Com­pos­tela e pro­vi­den­ciou com grande pi­e­dade às suas ne­ces­si­dades nas celas e es­ta­la­gens por ele preparadas. († 1060/1109)

11*.   Em Bo­lonha, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, a Beata Imelda Lam­ber­tíni, virgem, que, re­ce­bida desde tenra idade entre as monjas da Ordem dos Pre­ga­dores, ainda muito jovem, de­pois de ter co­mun­gado com ex­tra­or­di­nária de­voção a Eu­ca­ristia, ime­di­a­ta­mente en­tregou o seu es­pí­rito a Deus. († 1333). Ver: SANTA IMELDA LAMBERTINI – 12 DE MAIO

 – padroeira das crianças que vão fazer a Primeira Comunhão

“Tornou-se noviça aos 9 anos. Morreu aos 11, durante a missa em que recebeu sua primeira comunhão.

Foi beatificada em 1826 pelo papa Leão XII, que estendeu a toda a Igreja o culto que já lhe prestavam em Bolonha. Em 1908, o papa Pio X a proclamou padroeira das crianças que fazem a primeira comunhão.

corpo incorrupto de Imelda Lambertini jaz conservado na capela de São Sigismundo, em Bolonha (Itália)…

Com apenas 8 anos de idade, entrou para o convento. Aos 10, recebeu o hábito de monja dominicana. Embora tivesse tão pouca idade, era uma freirinha em tudo exemplar nas atividades da vida religiosa. Entretanto, algo a intrigava: o fato de as pessoas receberem a Sagrada Comunhão e continuarem a viver.

Como Imelda não tinha idade para comungar, costumava perguntar às religiosas: “Irmã, a senhora comungou Jesus e não morreu?”. As freiras respondiam assustadas: “Que é isso, menina? Por que morrer?”. A pequenina religiosa respondia: “Como pode a senhora receber Jesus, em Comunhão, e não morrer de amor e de tanta felicidade?”. Pois aconteceu que na madrugada do dia 12 de maio de 1333, véspera do Domingo da Ascensão do Senhor, Imelda estava na Santa Missa e já não aguentava mais de tanta vontade de comungar. Perguntava-se ela: “Se Jesus mandou ir a Ele as criancinhas, porque não posso comungar?”. O padre já tinha acabado de dar a Sagrada Comunhão às religiosas quando todos viram: uma hóstia saiu do cibório e voou pela capela. Parou em cima da cabeça de Imelda. O padre, então, entendeu que era hora dela comungar.

Ao receber a Santíssima Eucaristia, Imelda se colocou em profunda adoração. Após horas de oração, a Madre Superiora foi até a freirinha e lhe disse: “Está bem, Irmã Imelda. Já adorou bastante a Jesus. Podemos seguir… Vamos para as outras atividades do convento”. Imelda, entretanto, permanecia imóvel. Após a insistência da Superiora, nada acontecia. Foi, então, que a Madre pegou amorosamente Imelda pelos bracinhos e ela caiu em seus braços. É… Imelda havia morrido na sua Primeira Comunhão. Cumpriu-se a indagação da pequena grande Imelda: “Como pode alguém receber Jesus, na Sagrada Comunhão, e não morrer de felicidade?”. Aos 11 anos, Imelda morreu de amor e de felicidade por ter recebido Jesus!

O corpo de Imelda Lambertini encontra-se incorrupto na Capela de São Sigismundo, na Bolonha, Itália. O Papa São Pio X a proclamou padroeira das crianças que vão fazer a Primeira Comunhão.

13. São Leopoldo Mandic, na Folhinha do Coração de Jesus de 12 de maio.

– Ver dia 30 de julho:

Em Pádua, na Itália, São Le­o­poldo (Bogdan) de Cas­tro­novo Mandic, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos, que viveu ar­den­te­mente o ideal da uni­dade dos cris­tãos e de­dicou toda a vida ao mi­nis­tério da reconciliação. († 1942)

– Ver “Frei Leopoldo Mandic morreu no dia 30 de julho de 1942, em Pádua. O seu funeral provocou um forte apelo popular e a fama de sua santidade espalhou-se, sendo beatificado em 1976. O papa João Paulo II incluiu-o no catálogo dos santos em 1983, declarando-o herói do confessionário e “apóstolo da união dos cristãos”, um modelo para os que se dedicam ao ministério da reconciliação.”: http://arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/sao-leopoldo-mandic

– Na Folhinha do Coração de Jesus de 12 de maio.

14. Beato Dom Álvaro del Portillo. Ver “Beato Álvaro José Maria Eulogio del Portillo y Diez de Sollano (Madrid11 de março de 1914 — Roma23 de março de 1994) foi bispo da Igreja Católica e Prelado da Prelazia da Santa Cruz e Opus Dei. Era Doutor em Engenharia Civil, Filosofia e Letras (História) e em Direito Canônico

Foi beatificado no dia 27 de setembro de 2014 . A cerimônia foi em Madrid, “terra natal” do prelado, e presidida pelo prefeito da Congregação das Causas dos Santos, o cardeal Ângelo Amato. Para D. Javier a decisão do reconhecimento da Santa Sé e do Papa Francisco é motivo “de profunda alegria” e uma distinção justa para um “bispo que tanto amou e serviu a Igreja”.[6]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81lvaro_del_Portillo

– Ver também “…O Beato Álvaro del Portillo foi um bispo, engenheiro civil e doutor em filosofia e em Direito Canônico; também recordado por ter sido o primeiro sucessor de São Josemaria Escrivá de Balaguer, fundador do Opus Dei…”: https://www.acidigital.com/noticias/hoje-e-a-festa-do-beato-alvaro-del-portillo-sucessor-de-sao-josemaria-escriva-88281

15. Outros santos do dia 12 de maio: págs. 291-305 (vol.08): obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS DOS SANTOS – 8.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 12 de maio, ver ainda: 12 de maio – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 393-395: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp- content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!