Santas e Santos de 02 de setembro

1.   Em Ni­co­média, na Bi­tínia, hoje Izmit, na Tur­quia, São Zenão, mártir. († s. III). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Nicomédia, a paixão de São Zeno (ou Zenão).

2.   Em Ni­ceia, também na Bi­tínia, hoje Izmit, na Tur­quia, Santa Teó­dota, com seus fi­lhos Evódio, Her­mó­genes e Ca­listo, mártires. († s. IV)

3.   Em Edessa, no Os­roene, hoje San­liurfa, na Tur­quia, Santo Habib, diá­cono e mártir, que, no tempo do im­pe­rador Li­cínio, con­cluiu o seu glo­rioso com­bate ao ser lan­çado ao fogo por ordem do go­ver­nador Lisânias. (†322)

4.   Em Apa­meia, na Síria, Santo An­to­nino, mártir, que era can­teiro, se­gundo a tra­dição e foi morto pelos pa­gãos aos vinte anos de idade por ter des­truído os seus ídolos, mo­vido pelo ardor da fé. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Apaméia, na Síria, no séc. IV, o martírio de Santo Antonino, jovem cristão de vinte anos, cortador de pedras por profissão, e que quebrou em pedaços ídolos pagãos. Por esse motivo, foi condenado a morrer na própria construção de uma igreja em que estava trabalhando. (M)

5*.   Em Tar­ra­gona, na His­pânia, São Prós­pero, bispo. († s. IV/V)

6.   Em Lião, na Gália, ac­tu­al­mente na França, o se­pul­ta­mento de São Justo, bispo, que, de­pois do Con­cílio de Aqui­leia, re­nun­ciou ao epis­co­pado e se re­fu­giou com o leitor São Vi­ador num ermo do Egipto, onde viveu al­guns anos hu­mil­de­mente com os monges; o seu santo corpo foi tras­la­dado por São Vi­ador para Lião. († d. 381)

7.   No monte So­ratte, junto à Via Fla­mínia, no Lácio, re­gião da Itália, São No­noso, abade. († c. 570)

8.   Em Autun, na Bor­gonha, na ho­di­erna França, São Siá­grio, bispo, que nos con­cí­lios em que tomou parte foi muito no­tável pela sua sa­be­doria e zelo. († 599/600)

9*.   Em Avi­nhão, na Pro­vença, também na ac­tual França, Santo Agrí­cola, bispo, que, de­pois da sua vida mo­nás­tica na ilha de Lé­rins, au­xi­liou seu pai, São Magno, e lhe su­cedeu no episcopado. († c. 700)

10.   No Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, Santo El­pídio, cujo nome foi adop­tado pela ci­dade onde o seu corpo foi sepultado. († a. s. XI)

11*.   Em Pôn­tida, no ter­ri­tório de Bér­gamo, na Lom­bardia, re­gião da Itália, os santos Al­berto e Vito, monges: o pri­meiro, pre­fe­rindo a mi­lícia de Cristo às armas e honras do mundo, cons­truiu na sua ci­dade um mos­teiro com a ob­ser­vância clu­ni­a­cense; o se­gundo foi o su­pe­rior do mosteiro. († c. 1096)

12. Ao sul do Monte Carmelo, na Palestina, na fonte de Elias, Bem-aventurado Brocardo, prior dos eremitas a quem Santo Alberto, Bispo de Jerusalém, deu uma regra de vida que meditassem dia e noite a lei do senhor e fossem vigilantes na oração.

13*.   Em Skänninge, na Suécia, a Beata In­grid Elofs­dotter, que, fi­cando viúva, ofe­receu todos os seus bens para o ser­viço de Deus e, de­pois de uma pe­re­gri­nação à Terra Santa, tomou o há­bito mo­nás­tico da Ordem dos Pregadores. († 1282). Ver: Ingrid de Skänninge (ou Ingrid da SuéciaÖstergötland, século XIII – Skänninge2 de setembro de 1282) foi uma abadessa sueca venerada como santa na Igreja Católica Roman: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ingrid_de_Sk%C3%A4nninge

14*.   Em Paris, na França, a paixão dos be­atos már­tires João Maria du Lau d’Allemans, Fran­cisco José e Pedro Luís de la Rochefoucauld, bispos, e no­venta e três companheiros, clé­rigos e re­li­gi­osos, que, por se terem re­cu­sado a prestar o ju­ra­mento ini­qua­mente im­posto ao clero no tempo da Re­vo­lução Fran­cesa, foram re­cluídos no con­vento dos Car­me­litas e as­sas­si­nados em ódio à re­li­gião de Cristo. São estes os seus nomes: Vi­cente Abraham, André Angar, João Bap­tista Cláudio Au­bert, Fran­cisco Bal­main, João Pedro Bangue, Luís Fran­cisco André Barret, José Bé­cavin, Tiago Júlio Bon­naud, João An­tónio Ja­cinto Bou­cha­rene de Chau­meils, João Fran­cisco Bos­quet, Cláudio Cays ou Dumas, João Charton de Millon, Cláudio Chaudet, Ni­colau Clairet, Cláudio Colin, Fran­cisco Dardan, Gui­lherme An­tónio Del­faut, Ma­tu­rino Vítor De­ru­elle, Ga­briel Des­prez de Roche, Tomás Ni­colau Du­bray, Tomás Re­nato Du­buisson, Fran­cisco Du­mas­ram­baud de Ca­lan­delle, Hen­rique Hi­pó­lito Ermès, Ar­mando de Fou­cauld de Pont­briand, Tiago Fri­teyre-Durvé, Cláudio Fran­cisco Gagnières des Granges, Luís Lou­renço Gaul­tier, João Goizet, André Grasset de Saint-Sau­veur, João An­tónio de Guil­le­minet, João Bap­tista Janin, João Lacan, Pedro Landry, Cláudio An­tónio Ro­dolfo de La­porte, Ro­berto le Bis, Ma­tu­rino Ni­colau Le Bous de Vil­le­neuve de la Vil­le­crohain, Oli­vério Lefèvre, Carlos Fran­cisco Legué, Tiago José Le­jar­di­nier Des­landes, Tiago João Le­meu­nier, Vi­cente José le Rous­seau de Ro­sen­coat, Fran­cisco César Lon­di­veau, Luís Lon­guet, Tiago Fran­cisco de Lu­bersac, Gaspar Cláudio Maig­nien, João Fi­lipe Mar­chand, Luís Mau­duit, Fran­cisco Luís Méallet de Far­gues, Tiago Ale­xandre Me­nuret, João Bap­tista Na­ti­velle, Re­nato Na­ti­velle, Ma­tias Agos­tinho No­gier, José Tomás Pa­zery de Tho­rame, Júlio Ho­no­rato Ci­priano Pa­zery de Tho­rame, Pedro Fran­cisco Pa­zery de Tho­rame, Pedro Plo­quin, Re­nato Ni­colau Poret, Ju­lião Pou­lain-De­launay, João Ro­berto Qué­neau, Fran­cisco Ur­bano Sa­lins de Niart, João Hen­rique Luís Samson, João An­tónio de Sa­vine, João An­tónio Bar­nabé Sé­guin, João Bap­tista Maria Tes­sier, Lopo Tomás ou Bon­notte, Fran­cisco Va­reilhe-Du­teil, Pedro Luís José Ver­rier; e Luís Bar­reau de la Touche, da Con­gre­gação de Santo Amaro da Ordem de São Bento; João Fran­cisco Burté (também na Folhinha do Coração de Jesus),da Ordem dos Frades Me­nores; Apo­li­nário (João Tiago) Morel (também na Folhinha do Coração de Jesus),da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos; Am­brósio Agos­tinho Che­vreux e Re­nato Ju­lião Massey, da Ordem de São Bento; Ber­nardo Fran­cisco de Cucsac, Tiago Ga­briel Ga­lais, Pedro Gau­guin, Pedro Mi­guel Guérin, Tiago Es­têvão Fi­lipe Hour­rier, Hen­rique Au­gusto Lu­zeau de la Mu­lonnière, João Bap­tista Mi­guel Pontus, Pedro Ni­colau Psalmon e Cláudio Rous­seau, da So­ci­e­dade de São Sul­pício; Carlos Je­re­mias Bé­rald du Pérou, Fran­cisco Luís Hé­bert e Fran­cisco Le­franc, da So­ci­e­dade de Jesus e Maria; Ur­bano Le­févre, da So­ci­e­dade das Mis­sões Es­tran­geiras de Paris; Se­ve­rino (Jorge) Gi­rauld (também na Folhinha do Coração de Jesus),da Ordem Ter­ceira Re­gular de São Fran-cisco; todos pres­bí­teros; Luís Aleixo Ma­tias Bouver, Es­têvão Fran­cisco Deus­dédit de Ra­vinel e Tiago Agos­tinho Ro­bert de Lé­zardières, diá­conos; São Sa­lomão (Gui­lherme Ni­colau Luís) Le­clercq, re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs; Au­gusto Nézel, clé­rigo, e Carlos Regis Ma­teus de la Calmette. († 1792). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória do Bem-Aventurado Ambrósio Agostinho Chevreux, último superior geral da Congregação de São Mauro, cujo martírio coroou a secular fidelidade da maior parte do monaquismo francês à sua vocação religiosa e à Igreja Católica. Foi massacrado em Paris, por sectários, no dia 2 de setembro de 1792, juntamente com vários outros católicos, dos quais dezenove beatificados. Entre eles, D. René-Julião Massey, professo da abadia de Santa Melânia, de Rennes e D. Luís Barreau de la Touche, professo de São Florência, de Saumur. (S). Ver OS MÁRTIRES DE SETEMBRO, páginas 446-447: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf  

15*.   Também em Paris, no mesmo dia e ano, o Beato Pedro Tiago Maria Vitális, pres­bí­tero, e vinte com­pa­nheiros, már­tires, que, na mesma re­vo­lução, foram mortos em ódio à Igreja na abadia de Saint-Germain-des-Prés. São estes os seus nomes: Da­niel Luís André des Pom­me­rayes, Luís Re­mígio Be­noist, Luís Re­nato Ni­colau Be­noist, An­tónio Carlos Oc­ta­viano de Bouzet, João André Ca­peau, Ar­mando Chapt de Ras­tignac, Cláudio Fon­taine, Pedro Luís Ger­vais, Santo Huré, João Luís Guyard de Saint-Claire, Ale­xandre Carlos Len­fant, Lou­renço, Luís le Da­nois, Tomás João Mon­saint, Fran­cisco José Pey, João José Ra­teau, Marcos Luís Royer, João Pedro Simon, Carlos Luís Hur­trel, este úl­timo da Ordem dos Mí­nimos, todos pres­bí­teros, e Luís Ben­jamim Hur­trel, diácono. († 1792)

16♦.   Em Or­riols, na Ca­ta­lunha, re­gião da Es­panha, o Beato Esí­quio José (Bal­do­mero Mar­genat Puig­mitjá), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs e mártir, que, na vi­o­lenta per­se­guição contra a Igreja, foi as­sas­s i­nado em ódio à vida religiosa. († 1936)

17♦.   Em Oviedo, nas As­tú­rias, também da Es­panha, o Beato José Maria La­guia Puerto, re­li­gioso da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir. († 1936)

18. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 459, São Simeão Estilita, o velho. Instalado no alto de uma coluna, foi o primeiro a praticar a penitência que constituía a vida de estilita. Teve numerosos imitadores no Oriente. (X). VER TAMBÉM 05 DE JANEIRO: na Síria, no ano do Senhor de 459, São Simeão Estilita, filho de um pobre pastor que abraçou uma vida de austeridade pouco comum, em cima de uma coluna, depois de ter ouvido na Igreja a leitura das beatitudes evangélica (M). Também nas págs. 166-183:

19. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 1070, a volta para Deus de São Guilherme, bispo. Inicialmente foi capelão do rei Canuto, e ficou tão sensibilizado pela triste condição do povo dinamarquês, que decidiu evangelizá-lo. (M)

20. Santo Estêvão, primeiro rei da Hungria. Ver páginas 422-442: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

21. Bem-Aventurada Margarida de Louvain. Ver páginas 443-445: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

22. São Castor de APT. Ver “Era possivelmente irmão de São Leôncio de Fréjus. Castor era advogado e casara-se com uma rica viúva. Morava em Marselha. Sua esposa, entretanto, permitiu-lhe ingressar na vida religiosa, ela própria entrando para um convento. Castor fundou o monastério de Manauque (Monanque), na Provença. Foi feito, depois, bispo de Apt. Morreu de causas naturais.

São João Cassiano escreveu sua obra De institutis coenobiorum a pedido de Castor.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Castor_de_Apt

23. São Diomedes de Tarso. Ver “São Diomedes (Diomede) de Tarso (morte entre 298 e 311 d.C.) é um santo e mártir do Cristianismo, um dos chamados Santos não mercenários (língua grega Άγιοι Ανάργυροι) [1]. Nascido em Tarso, foi médico e um zeloso evangelizador que foi preso e decapitado sob o poder de Diocleciano em Niceia (hoje IznikTurquia. Há uma lenda que “conta que quando sua cabeça foi levada ao imperador, todos os presentes foram cegados e que somente depois de seu corpo ter sido devolvido aos seus e esses oraram, a visão daqueles foi recuperada”.[2]

Seu dia festivo é 16 de agosto e há um afresco dele no monastério sérvio de Hilandar (em Monte Atos). As Ilhas Diomedes têm seu nome derivado desse santo. Vitus Bering localizou essas ilhas em 16 de agosto de 1728, dia em que a Igreja Ortodoxa Russa celebra a memória de São Diomedes.

OUTRO SÃO DIOMEDES: Há outro São Diomedes, que é celebrado em 2 de setembro. Ele e Juliano, Felipe, Teodoro, Eutiquiano, Hesíquio, Leônidas, Filadelfo, Menálipo e Pantágapes foram martirizado em data e local desconhecidos. Todos foram executados de várias formas, tendo sido crucificados, mortos por afogamento, pela fogueira, decapitação.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Diomedes_de_Tarso

24. Outros santos do dia 02 de setembro: págs. 422-449, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre o dia 02 de setembro, ver ainda: https://pt.wikipedia.org/wiki/2_de_setembro

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 689-692:  Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.