Santas e Santos de 08 de janeiro

1.   Em Hi­e­rá­polis, na Frígia, na ac­tual Tur­quia, Santo Apo­li­nário (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, no tempo do im­pe­rador Marco Au­rélio, res­plan­deceu pela sua dou­trina e santidade. († s. II). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. II, São Cláudio Apolinário, bispo da Frígia, que dirigiu ao imperador Marco Aurélio uma Apologia pelos cristãos. (M). Ver “Apolinário Cláudio(em latimApollinaris Claudius), também chamado de Apolinário de Hierápolis e Apolinário Apologista, foi um líder cristão e escritor que viveu no século II d.C… Ele foi bispo de Hierápolis, na Frígia, e se tornou famoso por causa dos seus polêmicos tratados contra os heréticos do seu tempo, principalmente os montanistas, cujos erros ele afirmou serem todos emprestados dos pagãos[1]Eusébio, citando Apolinário, afirma que ele teve contato direto com a seita e que ele debateu com os heréticos… Nada sobreviveu dos seus textos, exceto alguns poucos trechos, o maior dos quais está relacionado com a data da Páscoa judaica[4]. Sua festa é comemorada no dia 8 de janeiro[3]. Ele foi um dos biografados por São Jerônimo em sua obra De Viris Illustribus (Sobre Homens Ilustres – capítulo 26)[5].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Apolinário_Cláudio

2.   Na Líbia, os santos már­tires Teó­filo (também na Folhinha do Coração de Jesus), diá­cono, e Eládio, de quem se diz que, de­pois de di­la­ce­rados com pontas agu­dís­simas, foram fi­nal­mente lan­çados ao fogo. († s.c. III)

3.   Em Be­au­vais, na Gália Bél­gica, hoje  na França, os santos Lu­ciano, Ma­xi­miano e Ju­lião, mártires. († c. 290). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no séc. III, São Luciano, que pagou com a própria vida evangelizar a região de Beauvais (França). (M)

4.   Em Metz, também na Gália Bél­gica, São Pa­ci­ente, bispo. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no mesmo dia, São Paciente, bispo de Metz, no séc. IV; e Santo Erardo (ver número 9, abaixo), bispo de Ratisbona, no séc. VII. (M)

5.   No Nó­rico, junto ao Da­núbio, ac­tu­al­mente na Áus­tria, São Se­ve­rino (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero e monge, que, tendo che­gado a esta re­gião de­pois da morte de Átila, chefe dos Hunos, de­fendeu as po­pu­la­ções in­de­fesas, aplacou os mais fe­rozes, con­verteu os in­fiéis, edi­ficou mos­teiros e ins­truiu os mais ne­ces­si­tados de for­mação religiosa. († c. 482). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no ano do Senhor de 482, São Severino, abade, apóstolo da Nórica, antiga região da atual Áustria. (M). Ver páginas 239-250: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver “Severino nasceu no ano de 410, na cidade Roma. De família nobre, era um homem polido e falava latim como ninguém. Entretanto, preferiu a pobreza, a humildade e a caridade como opção de vida.[1] Viveu durante as invasões bárbaras e, em meio a esse cenário, soube viver o Evangelho e semear a boa nova do Reino de Deus.[2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Severino_de_Nórica

– Ver “Revista Signum-, v. 21, n. 1, 2020. A VIDA DE SÃO SEVERINO DA NÓRICA: UM TEXTO FUNDAMENTAL PARA A HISTÓRIA DO INÍCIO DO MEDIEVO”: http://www.abrem.org.br/revistas/index.php/signum/article/view/496/495

e http://www.abrem.org.br/revistas/index.php/signum/article/view/496

6.   Em Pavia, na Li­gúria, re­gião da Itália, São Má­ximo, bispo. († c. 514)

7*.   No mos­teiro de Co­ziba, na Pa­les­tina, São Jorge, monge e ere­mita, que vivia re­cluso toda a se­mana e orava ao Do­mingo com os ir­mãos, com os quais fa­lava sobre as re­a­li­dades es­pi­ri­tuais e a todos dava conselho. († c. 614)

8*.   Na re­gião de Aber­deen, na Es­cócia, São Na­ta­lano, cé­lebre pela sua ca­ri­dade para com os pobres. († c. 678)

9.   Em Ra­tis­bona, ci­dade da Ba­viera, ac­tual re­gião da Ale­manha, Santo Erardo, na­tural da Es­cócia, o qual, no de­sejo ar­dente de pro­pagar o Evan­gelho, partiu para esta re­gião, onde exerceu o mi­nis­tério episcopal. († 707)

10*.   Em Mo­orsel, no Bra­bante, na ac­tual Bél­gica, Santa Gu­délia, virgem, que em sua casa se con­sa­grou às obras de ca­ri­dade e à oração. († c. 712). Conforme o Martirológio Romano-Monástico em 712, Santa Gudula, virgem consagrada a Deus, padroeira celeste de Bruxelas. Por ocasião de sua morte, foi pranteada por uma multidão de pobres a quem ela havia socorrido. (X).Ver páginas 251-252: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

11*.   Em Cashel, na Ir­landa, Santo Al­berto, bispo, na­tural da In­gla­terra, que du­rante muito tempo foi pe­re­grino por amor de Cristo. († s. c. VIII)

12.   Em Ve­neza, na Itália, São Lou­renço Jus­ti­niano, bispo, que ilus­trou esta Igreja com a dou­trina da sa­be­doria eterna. († 1456). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no ano da graça de 1455, São Lourenço Justiniano, patrício e depois bispo de Veneza, que pregou pela palavra e pelo exemplo contra o humanismo pagão de seu ambiente. (M). Ver “Lorenzo Giustiniani (1381 – 8 de Janeiro de 1456), o Laurentius Justinianus (Lourenço Justiniano) do Calendário romano, foi bispo e o primeiro Patriarca de Veneza, sendo venerado como santo pela Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Lorenzo_Giustiniani

13*.   Em New­castle-on-Tyne, na In­gla­terra, o Beato Edu­ardo Wa­terson, pres­bí­tero e mártir, que, no rei­nado de Isabel I, por ter che­gado à In­gla­terra para exercer o mi­nis­tério sa­cer­dotal, foi con­de­nado à morte e en­for­cado no patíbulo. († 1593)

14.   Em Ma­rola, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Vi­cenza, na Itália, a Beata Eu­rósia Fa­bris Barban, mãe de fa­mília, membro da Ordem Ter­ceira Franciscana. († 1932)

15. SANTO ANTÔNIO DE CATEGERÓ (também na Folhinha do Coração de Jesus):

A. Foi um escravo que se tornou santo. Nasceu na Cirenáica, uma região do norte da África, no fim do século XV. Na terra natal praticou a religião chamada Islamismo, que foi fundada por Maomé. Depois, capturado como escravo, foi levado para a ilha da Sicília, sul da Itália. Aí foi vendido para um senhor cristão. Naquele tempo o escravo era comprado por um valor equivalente ao valor de dois cavalos. Muito bom e humilde, Antônio era chamado de Tio António. Foi instruído pelos patrões sobre a vida e a missão de Jesus Cristo. Desse conhecimento de Jesus passou a amar o nosso Salvador e pediu para ser batizado. Tornou-se cristão. Não foi, porém, um cristão comum, muito menos, um cristão relaxado. Praticava a lei de Deus com todo o fervor. Amava a Deus, procurando estar sempre com Ele por meio da oração. Procurava conhecer também a palavra de Deus na Bíblia. Orava muito, até durante a noite. Sempre se confessava e recebia Jesus na comunhão. Como a vontade de Deus é amemos também nossos irmãos, ele amava realmente o próximo.
Primeiramente, era muito trabalhador, cumprindo sempre as ordens de seu patrão, que o encarregou de cuidar das ovelhas. Depois, tinha amor pelos pobres. Pedia ao povo da cidade onde morava, a cidade de Noto, esmolas, e distribuía pelos pobres, alimento e roupas. Ajudava aos pobres também distribuindo leite e queijo das ovelhas. Uma vez o patrão o proibiu de dar leite e queijo para os pobres. António obedeceu. Então a produção diminuiu bastante. O patrão viu que ia tomar prejuízo. Mandou então que António continuasse a atender os pobres. E as ovelhas continuaram a produzir como antes, para alegria do patrão. Deus deu a António o dom de fazer milagres, de modo especial de curar pessoas.Muitos o procuravam para alcançar a saúde. Antônio humilde, dizia que ele não passava de um simples escravo do Senhor Jesus, só Deus tem poder de curar. Impunha as mãos aos enfermos, rezava e Deus curava. Depois de sua morte continuou a fazer muitos milagres. Até hoje temos testemunhas de muitas pessoas que alcançaram grandes graças por intercessão de Santo António de Categeró. Conforme:

http://arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/santo-antonio-de-categero

B. MEMÓRIA EM 14 DE MARÇO, CONFORME:

https://marcioreiser.blogspot.com/2011/03/santo-antonio-de-categero-ofs.html

C. Questionamento sobre Santo Antônio de Categeró:  

Em sínteseSanto Antônio de Categeró não consta do catálogo dos Santos da Igreja Católica; terá sido um franciscano africano do século XVI. Parece não ter existido. — É estranho que uma denominação cristã oriental (siriana), separada da Igreja Católica, e a Igreja Brasileira façam a propaganda da devoção a esse Santo (que não era oriental nem brasileiro), atraindo fiéis católicos com promessa de milagres, com orações e novenas. Que interesses estão subjacentes a este tipo de propaganda piedosa? 

Têm-se espalhado folhetos que divulgam a devoção a “Santo Antônio de Categeró”, cujo santuário seria a igreja paroquial de Nossa Senhora da Anunciação, da Igreja Católica Ortodoxa Siriana, no Rio de Janeiro. A população católica se vê perplexa diante desses panfletos, pois tal Santo é tido como grande taumaturgo, mas é desconhecido na Tradição da Igreja. Vejamos o que a respeito dizem os impressos de propaganda e o que se pode pensar a respeito. Conforme:

D. BEATO ANTONIO ETÍOPE OU SANTO ANTÔNIO DE CATEGERÓ. Conforme:

Na atormentada história da Europa da primeira metade do século XVI, encontramos a vida de Antônio, o Etíope. Nascido em Barco de Cirene (Líbia) de família maometana, religião que ele professou até que, por um acidente providencial, foi capturado e deportado para a Sicília, em Siracusa. Foi comprado como escravo por um agricultor de Avola, um certo John Landanula (ou Landolina) que lhe confiou seu rebanho. John percebeu que aquele seu servo era bastante inteligente, de coração sincero, de índole nobre, honesta, e respeitosa…

E. A HISTÓRIA DE CATEGERÓ EM 5 FASES:

O país (Brasil) passa a ser o pólo irradiador da devoção do beato Antônio de Categeró, no Brasil, António de Noto, em Portugal; e Antònio Etíope, na Itália. Conforme:

Ainda: http://categero.org.br/

16. Santo Abo de Tiflis. Ver “Abo de TiflisAbo Tbileli, ou Habo Tbileli (Abo/Habo de Tbilisi; em georgiano: აბო თბილელი, ჰაბო ტფილელი) (ca. 756 – 6 de janeiro de 786) é um mártir cristão e o santo padroeiro da cidade de Tbilisi, na Geórgia… A profissão de Abo em Bagdá era a de perfumista, na qual se destacou como fabricante de perfumes finos e pomadas, a arte, evidentemente, implicava no conhecimento de química. Por cerca de três anos Abo abertamente professou sua fé cristã nas ruas de Tbilisi, fortalecendo com seu exemplo os cristãos que sofriam sob o domínio árabe e tentando converter ao cristianismo os seus compatriotas árabes. Uma série de ameaças e advertências não conseguiu atenuar o seu zelo. Em 786 foi denunciado como cristão às autoridades árabes em Tbilisi, preso e julgado por ser um renegado do Islã. Confessou sua fé durante o julgamento, foi preso, e martirizado em 6 de janeiro de 786. No caminho para a sua execução, agradeceu a Deus por ter transformado sua profissão terrena de perfumista em uma vocação celestial de seguidor da “doce fragrância dos mandamentos de Cristo”.Ioane Sabanisdze, escritor religioso georgiano e contemporâneo de Santo Abo, compilou a vida do mártir em seu romance hagiográfico “O Martírio de Santo Abo”.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Abo_de_Tiflis

17. São Cartério, mártir. Ver página 253: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver: http://cristorei-blumenau-ev.blogspot.com/2008_01_08_archive.html

18. São Natalan, bispo e confessor. Ver página 254: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

19. Bem-aventurado Turpino, bispo e confessor. Ver página 255: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf    

20. São Félix, bispo e confessor. Ver páginas 256-257: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

21. São Pedro de Sebaste. Ver “Não há informações detalhadas sobre suas atividades como bispo, exceto que esteve presente no Primeiro Concílio de Constantinopla em 381. Após sua morte, em 391, ele passou a ser venerado como santo. Sua festa, na Igreja Católica, é no dia 8 de janeiro.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pedro_de_Sebaste

22. Gauchito Gil. Ver “Gauchito Gil é um lendário personagem da cultura popular argentina.[1] Seu nome completo era Antonio Mamerto Gil Núñez, e supostamente nasceu na área de Pagamento Ubre, hoje Mercedes, província de Corrientes, possivelmente na década de 1840, e morreu a 8 de janeiro de 1878… É considerado o mais proeminente santo gaúcho na Argentina.[2] Não está incluído na liturgia católica… Atualmente, o santuário construído no local de seu túmulo, localizado a cerca de 8,2 km da cidade de Mercedes, recebe centenas de milhares de peregrinos a cada ano, especialmente a 8 de janeiro, dia do aniversário da morte de Gil.[3][4]. O culto a Gauchito Gil se espalhou a partir da província de Corrientes para o resto do país, incluindo a província de ChacoSanta FéCórdobaMendoza, província de Buenos Aires e até mesmo a Capital Federal e a província de Terra do Fogo.[5] Os fiéis são muitas vezes tementes a São Morte como as histórias estão fortemente interligadas”: Gauchito Gil – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

22.Outros santos do dia 08 de janeiro, 239-258

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 08 de janeiro, ver ainda: 8 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 118-119:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.