Santas e Santos de 17 de abril

1.   Em Me­li­tene, na an­tiga Ar­ménia, hoje na Tur­quia, os santos már­tires Pedro, diá­cono e Her­mó­genes (também na Folhinha do Coração de Jesus) seu auxiliar. († c. s. IV)

2.   Na an­tiga Pérsia, a paixão de São Si­meão bar Sabas, bispo de Se­lêucia e de Cte­si­fonte, que, preso e car­re­gado de ca­deias por ordem de Sapor II rei da Pérsia, por ter re­cu­sado adorar o sol e dar tes­te­munho livre e fir­me­mente da sua fé em Jesus Cristo, foi pri­mei­ra­mente en­car­ce­rado e me­tido num es­treito ca­la­boiço, onde per­ma­neceu du­rante algum tempo com mais de cem companheiros, entre os quais es­tavam bispos, pres­bí­teros e clé­rigos de ou­tras or­dens ecle­siás­ticas; de­pois, numa Sexta-Feira da Paixão do Se­nhor, todos os com­pa­nheiros de Si­meão foram de­go­lados na sua pre­sença, en­quanto ele exor­tava ar­den­te­mente cada um deles, sendo por fim também ele degolado. († 341)

3.   Co­me­moram-se também muitos mártires, que, de­pois da morte de São Si­meão, em toda a Pérsia foram de­go­lados pelo nome de Cristo no tempo do mesmo rei Sapor, entre os quais Santo Us­ta­zades, eu­nuco da corte real, que tinha sido pre­ceptor do rei Sapor e, no pri­meiro ím­peto da per­se­guição, so­freu o mar­tírio no pa­lácio de Ar­ta­xerxes, irmão do pró­prio Sapor, na pro­víncia de Adi­a­bena, no ac­tual Iraque. († 341)

4.   Em Tor­tona, na Li­gúria, hoje no Pi­e­monte, re­gião da Itália, Santo Ino­cêncio, bispo. († s. IV)

5.   Em Me­li­tene, na an­tiga Ar­ménia, hoje na Tur­quia, Santo Acácio, bispo, que no Con­cílio de Éfeso de­fendeu a recta fé contra Nes­tório e de­pois foi in­jus­ta­mente de­posto da sua sede episcopal. († c. 435)

6.   Em Vi­enne, na Bor­gonha, na ac­tual França, Santo Pan­tá­gato, bispo. († 540)

7*.   Na ilha de Eigg,   Hé­bridas, ao largo da Es­cócia, os santos Do­nano, abade, e cin­quenta e dois companheiros monges, que foram as­sas­si­nados pelos pi­ratas, quei­mados na fo­gueira ou pas­sados ao fio da es­pada quando ce­le­bravam a so­le­ni­dade da Páscoa. († 617)

8.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da His­pânia, os santos már­tires Elias, pres­bí­tero já de avan­çada idade, Paulo e Isi­doro, monges ainda jo­vens, que du­rante a per­se­guição dos Mouros foram mortos por pro­fes­sarem a fé cristã. († 856). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, no ano da graça de 856, os Santos Elias, sacerdote, e Isidoro, monge, que foram condenados à morte ao confessarem sua fé cristã diante do Islamismo (M)

9.   No mos­teiro de Chaise-Dieu, junto de Cler­mont-Fer­rand, na França, São Ro­berto (também na Folhinha do Coração de Jesus), abade, que no lugar de­serto onde ha­bi­tava so­li­tário reuniu vá­rios ir­mãos e con­quistou um grande nú­mero de pes­soas para o Se­nhor pela pa­lavra da sua pre­gação e pelo exemplo da sua vida. († 1067). Ver também páginas 17-20: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver: Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 15 de abril, no ano do Senhor de 1067, São Roberto, fundador e primeiro abade de Chaise-Dieu, na Auvergne, mosteiro que prosperou rapidamente sob a direção de seus nove primeiros abades, todos canonizados, e que se tornou a casa mãe de uma nova e vasta congregação. (M).

10. No mos­teiro de Mo­lesmes, na França, São Ro­berto (ver dias 26 de janeiro, 17 de abril e 29 de abril), abade, que, pro­cu­rando pra­ticar a vida mo­nás­tica de ob­ser­vância mais sim­ples e aus­tera, foi in­can­sável fun­dador e di­rector de ce­nó­bios, bem como di­rector de ere­mitas e in­signe res­tau­rador da dis­ci­plina mo­nás­tica, e fundou o mos­teiro de Cister, do qual foi o pri­meiro abade; fi­nal­mente re­gressou como abade ao mos­teiro de Mo­lesmes, onde des­cansou em paz. († 1111). Ver páginas 351-355: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver: https://caminhocisterciense.com/2018/01/26/os-fundadores-de-cister-i-s-roberto-de-molesmes/

– Ver ainda: http://users.skynet.be/am012324/scriptorium/fundadores/roberto.htm

– Ver também: https://en.wikipedia.org/wiki/Robert_of_Molesme

* Em Cister, na Bor­gonha, na ac­tual França, Santo Al­be­rico, abade, foi um dos pri­meiros monges vindos de Mo­lesmes para o novo mos­teiro, que de­pois, eleito seu abade, o di­rigiu com sumo ardor e pru­dência, en­si­nando e dando exemplo de per­feita vida mo­nás­tica, com ver­da­deiro amor à Regra e aos irmãos. († 1109). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no início do séc. XII o nascimento no céu dos santos abades fundadores de Cister. A São Roberto de Molesme se deve essa orientação mais despojada do monaquismo beneditino, para a qual Santo Alberico elaborou as primeiras Instituições. Santo Estevão Harding, finalmente, garantiu o definitivo brilho da Ordem Cisterciense redigindo a Carta de Caridade e fundando as primeiras grandes casas dependentes de Cister. (B). Ver Santo Alberico na página 197: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf – Ver Ordem de Cister: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ordem_de_Cister

https://caminhocisterciense.com/2018/01/31/os-fundadores-de-cister-iii-s-estevao-harding/

11*.   Em Pe­rúgia, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Tiago de Cerqueto, pres­bí­tero da Ordem dos Ere­mitas de Santo Agos­tinho, que deu exemplo de se­rena acei­tação da enfermidade. († 1367)

12*.   Em Pisa, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Clara Gam­ba­córti, que, tendo fi­cado viúva ainda jovem, ani­mada por Santa Ca­ta­rina de Sena aqui fundou o pri­meiro mos­teiro do­mi­ni­cano de es­tricta ob­ser­vância e, per­do­ando aos as­sas­sinos de seu pai e seus ir­mãos, ori­entou as irmãs com grande pru­dência e caridade. († 1419)

13*.   Em Ma­drid, na Es­panha, a Beata Ma­riana de Jesus (Ma­riana Na­varro de Gue­vara), virgem, que, ven­cendo a opo­sição do pai, tomou o há­bito da Ordem de Nossa Se­nhora das Mercês e ofe­receu as suas ora­ções e pe­ni­tên­cias es­pe­ci­al­mente pelos mais ne­ces­si­tados e aflitos. († 1624)

14*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Paulo de Santa Ma­da­lena (Hen­rique Heath), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores e mártir, que, no rei­nado de Carlos I, foi con­de­nado à morte em Ty­burn por causa da sua con­dição de sacerdote. († 1643)

15.   Em Salt, no Quebec, pro­víncia do Ca­nadá, Santa Ca­ta­rina Tekakwitha, virgem, oriunda dos ín­dios na­tivos e bap­ti­zada num dia de Páscoa, que, apesar de muitas ame­aças e ve­xames, ofe­receu a Deus a vir­gin­dade que ainda antes da con­versão sempre pro­curou conservar. († 1680). Ver “Kateri Tekakwitha (ˈgaderi degaˈgwita em mohawk), batizada como Catarina Tekakwitha[2][3] informalmente conhecida como “Lírio dos Mohawks”, foi uma índia algonquinomohawk nascida no atual estado de Nova Iorque e que se tornou a primeira índia norte-americana a ser venerada na Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Kateri_Tekakwitha

16.  Em Roma, perto de 166, o martírio de Santo Aniceto (também na Folhinha do Coração de Jesus de 17 de abril), Papa. Em tempos particularmente difíceis, recebeu a visita de São Policarpo de Esmirna, que tratou com ele o estabelecimento da data da festa da Páscoa (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M). Ver 20 de abril: no Martirológio Italiano: em Roma, Santo Ani­ceto, papa, que re­cebeu fra­ter­nal­mente o hós­pede in­signe São Po­li­carpo, para di­a­logar com ele sobre o dia da Páscoa. († c.166).  Ver ainda página 31: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver também “Aniceto (em latim, Anicetus) foi o décimo primeiro papa católico, entre 154 e 166. Pensa-se que tenha nascido em Emesa (atual Homs) na Síria. Como pontífice, Aniceto destaca-se por ter sido o primeiro papa a condenar oficialmente uma doutrina como heresia, em concreto o montanismo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Aniceto

17. Santo Estêvão, abade de Citeaux. Ver páginas 09-13: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver “… são importantíssimas as figuras de são Roberto de Molesme (1029-1111) e de santo Estêvão Harding (1060-1134) ambos fundadores do mosteiro de Citeaux, de onde surgiu o nome “Cisterciense” (de cistercium, o nome latino de Citeaux.”: https://pt.aleteia.org/daily-prayer/quarta-feira-28-de-marco/

– Ver também “Santo Estevão Harding ( DorsetInglaterra, segunda metade do XI século 1060 [1] – 28 de março de 1134), é um santo católico, prior e depois abade da abadia de Cister de 1099 a 1133, editor em particular da Carta de Caridade de Cister . Foi um dos fundadores da Ordem de Cister junto com São Roberto de Molesme e Santo Alberico de Cister.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Estev%C3%A3o_Harding

– Ver também “Estêvão Harding, o futuro sucessor de Roberto e Alberico, nasceu na Inglaterra por volta de 1059. A sua infância e juventude decorreram durante a conquista deste país por Guilherme o Conquistador. As circunstâncias dessa mesma guerra orientaram a sua vida para o continente, onde o esperava uma tarefa importante…”: http://users.skynet.be/am012324/scriptorium/fundadores/estevao.htm

– Ver também 26 de janeiro

18. São Mapálico e companheiros, mártires. Ver “O elogio de São Mapálico vem numa carta de Cipriano, bispo de Cartago… O bispo de Cartago diz-nos também que Mapálico e muitos outros cristãos haviam sido aprisionados no início da perseguição. Foram companheiros de Mapálico: Paulo, Fortunião, Fortunata, Vitorino, Vítor, Herênio, Crédula, Herena, Donato, Firmo, Venuto, Fruto, Júlio. Marçal e Aristão. Quase todos morreram de fome nas masmorras, em 250, na África, vítimas da perseguição de Decio.” às páginas 14-16: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

19. Bem-aventurada Clara Gambacorta, viúva. Ver páginas 21-27: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

– Ver “Chiara Gambacorti (1362 – 17 de abril de 1420) – nascida Vittoria – era uma religiosa professa católica romana italiana da Ordem dos Pregadores . [1] Gambacorti nasceu em uma família de comerciantes ricos e ficou viúva após um breve casamento. Ela escapou de um segundo casamento depois de se tornar uma religiosa professa, apesar da forte resistência de seu pai. [2]”: https://en.wikipedia.org/wiki/Chiara_Gambacorti

20. Bem-aventurada Maria Ana de Jesus, virgem. Ver “…A bem-aventurada dedicou-se fervorosamente a três coisas, que lhe eram capitais: aos pecadores, a orar pelas almas do purgatório, a mortificar-se pelos cristãos cativos na África. A 17 de abril de 1624, com cinqüenta e nove anos de idade, depois cie insidiosa moléstia, que soube levar com verdadeiro espírito cristão, faleceu calmamente. Muitos milagres, então, foram operados à beira do seu túmulo. Pio VI beatificou-a em 1 783, cento e cinqüenta e nove anos depois da morte.” às páginas 28-29: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

21. Bem-aventurado Gervino, confessor. Ver “Gervino, também conhecido como Gervásio, era da Flandres, filho de pais pobres…” às páginas 30-31: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf  

22. Beato Battista Mantovanno. Ver “Battista Mantovano (em latimBaptista Spagnuoli Mantuanus), também Johannes Baptista Spagnolo, foi um religioso carmelita católico italiano.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Battista_Mantovano

– Ver em 20 de março: Em Mântua, na Lom­bardia, re­gião da Itália, o Beato Bap­tista Spag­nóli, pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas, que res­ta­be­leceu a paz entre os prín­cipes e re­formou a sua Ordem, da qual foi no­meado, contra o seu de­sejo, su­pe­rior geral. († 1516).

23.Outros santos do dia 17 de abril: págs: 09-33 (vol.07):   http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%207.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 17 de abril, ver ainda:  17 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 332-334: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.