Santas e Santos de 16 de abril

1. Em Ne­vers, no Martirológio Romano de 16 de abril), também na França, SANTA MARIA BER­NARDA (BER­NA­DETE) SOU­BI­ROUS (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que nasceu de uma fa­mília muito pobre na po­vo­ação de Lourdes e, sendo ainda de tenra idade, ex­pe­ri­mentou a pre­sença da Virgem Santa Maria Ima­cu­lada e de­pois, to­mando o há­bito re­li­gioso, levou no con­vento uma vida oculta e humilde. († 1879)

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 18 de fevereiro, Santa Bernadette Soubirous, virgem, que foi agraciada com dez aparições da Virgem Maria. Depois destes acontecimentos, entrou para a Congregação das Irmãs da Caridade e da Instrução Cristã de Nevers, onde só esperava permanecer escondida, vivendo integralmente segundo a mensagem que recebera em Lourdes. Após grandes sofrimentos, obteve, em 1879, a felicidade que Nossa Senhora lhe havia prometido. (F).

– Ver: Marie-Bernard Soubirous ou Maria Bernarda Sobeirons em occitano (Lourdes7 de Janeiro de 1844 — Nevers16 de Abril de 1879) foi uma religiosa francesacanonizada pela Igreja. É conhecida por ter sido a menina a quem a Virgem Maria teria aparecido em Lourdes, na França CANONIZAÇÃO: em 8 de Dezembro de 1933, festa da Imaculada Conceição, Bernadette foi canonizada como Santa Bernadette de Lourdes, pelo Papa Pio XI, depois de terem sido reconhecidas pela Santa Sé as virtudes pessoais e curas milagrosas a ela atribuídas após a morte. Sua festa litúrgica é celebrada na Igreja Católica no dia 16 de abril. Na França, é celebrada no dia 18 de fevereiro. A ela tem sido atribuídos vários milagres. Em 1983, o Papa João Paulo II esteve em Lourdes em peregrinação, e ali retornou em agosto de 2004.

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Bernadette_Soubirous

– Ver: páginas 371-401: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

Ver em 11 de fevereiro NOSSA SENHORA DE LURDES.

2.   Em Co­rinto, ci­dade da Acaia, ac­tu­al­mente na Grécia, os santos már­tires Leó­nidas e sete com­pa­nheiros, que, de­pois de su­por­tarem vá­rios su­plí­cios, foram afo­gados no mar. São estes os seus nomes: Ca­rissa, Ga­lina, Te­o­dora, Nice, Nu­nécia, Cális, BasilissaNo Martirológio Romano-Monástico, em Corinto, no séc. III, os Santos Calixto (também na Folhinha do Coração de Jesus) e Carísio, juntamente com sete companheiros, que foram surpreendidos dentro de uma Igreja no dia da Páscoa e por isso foram atirados ao mar (M). († s. III/IV)

3.   Em Sa­ra­goça, na His­pânia Tar­ra­co­nense, a co­me­mo­ração dos santos Op­tato e de­zas­sete com­pa­nheiros már­tires, que, du­rante a per­se­guição do im­pe­rador Di­o­cle­ciano, foram tor­tu­rados e mortos; o seu ilustre mar­tírio foi ce­le­brado em po­emas de Prudêncio.  São estes os seus nomes: Lu­perco, Su­cesso, Mar­cial, Ur­bano, Júlia (Júlia e Marçal também na Folhinha do Coração de Jesus), Quin­ti­liano, Pú­blio, Frontão, Félix, Ce­ci­liano, Evódio, Pri­mi­tivo, Apo­démio e ou­tros quatro cha­mados Saturnino. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no começo do séc. IV, o martírio dos Dezoito Cristãos de Saragoça, que morreram por ocasião de uma execução em massa desencadeada durante a perseguição de Diocleciano. (M). Ver também “OS DEZOITO MÁRTIRES DE SARAGOÇA” às páginas 402-403: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

4.   Na mesma ci­dade de Sa­ra­goça, a co­me­mo­ração de Santa En­grácia, virgem e mártir, que, du­ra­mente tor­tu­rada, so­bre­viveu a todos os su­plí­cios, per­ma­ne­cendo du­rante algum tempo em seus mem­bros os si­nais das suas chagas. († s. IV). Ver páginas 404-405: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Santa Engrácia (em castelhano: Santa Engracia) (Bracara Augustaca. 285[1][2] – César Augustaca. 303[2] ou 305[1]) é venerada como virgem mártir e como santa na Igreja Católica e na Igreja Ortodoxa. Segundo a tradição, foi martirizada com mais dezoito companheiros seus no ano de 303[3][2]. Partilha o nome próprio, o trágico destino e provavelmente a mesma cidade natal com Engrácia de Braga, personalidade que viveu séculos mais tarde.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Engr%C3%A1cia_de_Sarago%C3%A7a

5.   Também em Sa­ra­goça, a co­me­mo­ração dos santos Caio e Cre­mêncio, que na mesma per­se­guição ven­ceram as tor­turas, per­se­ve­rando na fé de Cristo. († s. IV)

6.   Em As­torga, no reino dos Su­evos, também na His­pânia, São Tu­ríbio, bispo, que, por man­dato do papa São Leão Magno, com­bateu for­te­mente a seita dos pris­ci­li­a­nistas que pro­gredia na Hispânia. († s. V)

7.   Em Braga, na Ga­lécia, hoje em Por­tugal, São Fru­tuoso, bispo. A sua me­mória ce­lebra-se em Por­tugal no dia cinco de De­zembro, jun­ta­mente com a dos bispos São Mar­tinho de Dume e São Geraldo. († c. 665). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 665, São Frutuoso. Antes de tornar-se bispo de Braga, em Portugal, transformou a Galícia em uma verdadeira Tebaida, por sua influência pessoal e pela difusão das regras monásticas. (M).

Ver páginas 366-370: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf  

– Ver também “Frutuoso de Braga ou Frutuoso de Dume (em latimFructuosus) foi um monge e bispo godo do século VII, venerado como santo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Frutuoso_de_Braga

8*.   Na Es­cócia, São Magno, mártir, que era prín­cipe das ilhas Ór­cades, quando abraçou a fé cristã; afas­tado pelo rei da No­ruega por ter re­cla­mado contra a ar­ro­gância do seu povo e cha­mado do­lo­sa­mente a com­pa­recer para firmar um acordo de paz com o seu ad­ver­sário no prin­ci­pado, apre­sentou-se sem armas e foi assassinado. († 1116)

9.   Em Se­bourg, no Hai­naut, ac­tu­al­mente na França, São Drogão, que, as­pi­rando a uma vida sim­ples e so­li­tária, se fez pastor e pe­re­grino pelo Se­nhor e ter­minou o curso dos seus dias re­cluso numa pe­quena cela. († c. 1186). São Druon ou Drogo, padroeiro dos pastores. Ver páginas 418-420: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “São Drogo de Sebourg (14 de Março de 1105 – 16 de abril de 1186), também conhecido como Dreux, Drugo, e Druron, é um santo francês. Ele nasceu em ÉpinoyFlandres,[1] e morreu em Sebourg, França. Seu dia de festa é no dia 16 de abril.[2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Drogo

10*.   Em Bróni, perto de Pavia, na Lom­bardia, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de São Con­tardo, pe­re­grino, que de­cidiu viver em ex­trema po­breza e morreu atin­gido por uma en­fer­mi­dade quando ia a ca­minho de Compostela. († 1249)

11*.   Em Sena, na Etrúria, o Beato Jo­a­quim, re­li­gioso da Ordem dos Servos de Maria, que se dis­tin­guiu pela sua sin­gular de­voção à San­tís­sima Virgem e cum­priu a lei de Cristo, to­mando sobre si o en­cargo dos pobres. († 1305). Ver “Bem-aventurado Joaquim de Sena” também páginas 411-412: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

12.   Em Roma, São Bento José Labre, que, as­pi­rando desde a ado­les­cência a uma vida de ás­pera pe­ni­tência, fez ár­duas pe­re­gri­na­ções a cé­le­bres san­tuá­rios, co­berto com uma veste rude e es­far­ra­pada, ali­men­tando-se apenas com o ali­mento que re­cebia em es­mola e dando exemplo de pi­e­dade e pe­ni­tência por toda a parte onde pas­sava; re­gressou fi­nal­mente a Roma, onde se con­sa­grou a uma vida de oração e su­prema pobreza. († 1783). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1783, São Bento José Labre. Por não poder entregar-se a nenhum tipo de vida religiosa regular, este cristão francês, originário de Amettes, perto de Boulogne-sur-Mer, viveu como um simples peregrino no despojamento e na oração contínua. Morreu ao final de uma peregrinação que havia feito até Roma. (M). Ver páginas 406-410: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Benedito (ou BentoJosé Labre nasceu em AmettesFrança, em 25 de maio de 1748. Era o primogênito de uma família camponesa, teve 15 irmãos. Foi chamado de “Vagabundo de Deus” ou ainda “O Cigano de Cristo”.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Benedito_Jos%C3%A9_Labre

13*.   Em Avrillé, junto de An­gers, na França, os be­atos már­tires Pedro De­lé­pine, João Me­nard e vinte e quatro companheiras, quase todos agri­cul­tores, que du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa foram fu­zi­lados em ódio à fé cristã. São estes os seus nomes: Re­nata Bour­geais, Joana Gourdon, Maria Gin­gue­neau, Fran­cisca Mi­cho­neau, Joana Onillon, Re­nata Sé­chet, Maria Roger, Fran­cisca Suhard, Joana Tomás, viúvas; Ma­da­lena Cady, Maria Piou, Pe­trina Re­nata Pot­tier, Re­nata Ri­gault, Joana Maria Leduc, Ma­da­lena Sallé, es­posas; Maria Ge­no­veva e Marta Pou­lain de la Fo­res­trie, Pe­trina Bou­ri­gault, Maria Fo­res­tier, Maria Lar­deux, Pe­trina Lau­rent, Ana Mau­grain, Mar­ga­rida Robin, Maria Rochard. († 1794)

14. São Paterno de Avranches, Bispo e Confessor. Conforme o Martirológio Romano-Monástico (de 16 de abril), no séc. VI, São Paterno, bispo de Avranches. Inicialmente monge da diocese de Poitiers, procurou um eremitério em Scicy, perto de Coutances, de onde sua irradiação atraiu uma multidão de seguidores. Segundo palavras de amigos historiadores, “não se via o monarquismo chegar a tamanha fecundidade desde os tempos de São Martinho (M).

– Ver “São Paterno de Avranches” páginas 413-417: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver DIA 15 DE ABRIL: Em Scissy, no ter­ri­tório de Cou­tances da Gália, na ac­tual França, o se­pul­ta­mento de São Pa­terno, bispo de Avran­ches, que fundou muitos mos­teiros e, eleito já sep­tu­a­ge­nário para a sede epis­copal, fi­nal­mente, com grande con­ten­ta­mento en­tregou a sua alma a Deus no mos­teiro deste lugar. († c. 565). Ver páginas 363-364: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

15. Outros santos do dia 16 de abril: págs. 366-421 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”. 

R/: Demos graças a Deus!” 

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre 16 de abril, ver ainda:  16 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA: 

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/ 

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 329-332: 

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf 

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf 

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997 

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com 

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular. 

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES) 

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! 

Querida Mãe Maria, proteja-nos! 

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! 

Amém! 

* PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM! 

* OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. 

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA: 

barpuri@uol.com.br 

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! 

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho) 

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro) 

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém! 

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021) 

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!” 

Ver: 

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO! 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.