Santas e Santos de 02 de novembro

1. Co­me­mo­ração de Todos os Fiéis Defuntos (também na Folhinha do Coração de Jesus), na qual a Igreja, Mãe pi­e­dosa, de­pois da sua so­li­ci­tude em ce­le­brar com os de­vidos lou­vores todos os seus fi­lhos que se ale­gram no Céu, quer in­ter­ceder di­ante de Deus pelas almas de todos os que nos pre­ce­deram mar­cados com o sinal da fé e agora dormem na es­pe­rança da res­sur­reição, bem como por todos os de­funtos desde o prin­cípio do mundo cuja fé só Deus co­nhece, a fim de que, pu­ri­fi­cados de toda a mancha do pe­cado, sejam as­so­ci­ados aos ci­da­dãos ce­lestes, para po­derem gozar da visão da fe­li­ci­dade eterna.

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, comemoração de Todos os Fiéis Defuntos, dia em que a Igreja intercede por seus membros adormecidos na morte e sofrem uma última purificação antes de entrarem na Glória. Esta celebração litúrgica deve sua origem a Santo Odilon, abade de Cluny, que foi o primeiro a prescrevê-la para todos os mosteiros beneditinos. (R).

– Ver páginas 129-137: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf .

– Ver também APÊNDICE, páginas 145-146: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

– Ver também “… Desde o século II, alguns cristãos rezavam pelos falecidos, visitando os túmulos dos mártires para rezar pelos que morreram. No século V, a Igreja dedicava um dia do ano para rezar por todos os mortos, pelos quais ninguém rezava e dos quais ninguém lembrava. Também o abade Odilo de Cluny, em 998, pedia aos monges que orassem pelos mortos. Desde o século XI os Papas Silvestre II (1009), João XVII (1009) e Leão IX (1015) obrigam a comunidade a dedicar um dia aos mortos. No século XIII esse dia anual passa a ser comemorado em 2 de novembro, porque 1 de novembro é a Festa de Todos os Santos. A doutrina católica evoca algumas passagens bíblicas para fundamentar sua posição (cf. Tobias 12,12;  1,18-20; Mt 12,32 e II Macabeus 12,43-46), e se apóia em uma prática de quase dois mil anos.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_dos_Fi%C3%A9is_Defuntos

– Ver “… “A Igreja, à qual Jesus Cristo prometeu a presença do Espírito Santo e que, portanto, não pode errar ou nos enganar, nos ensina claramente a existência do purgatório. É então certo que existe um lugar onde as almas dos justos completam a expiação de seus pecados antes de serem admitidas nas alegrias do céu…” (Dos Escritos de Saint John Vianne Curé d’Ars)… “ Se desejássemos sinceramente a alegria de possuir Deus, evitaríamos tanto os pequenos quanto os grandes (pecados), pois a separação de Deus é uma terrível tortura para essas pobres almas. “A Igreja encorajou a oração pelos mortos desde os primeiros tempos como um ato de caridade cristã”… “Se não cuidássemos dos mortos” , observou Agostinho, “não teríamos o hábito de orar por eles.”… O fundamento teológico da festa é o reconhecimento da fragilidade humana. Visto que poucas pessoas alcançam a perfeição nesta vida, mas, ao contrário, vão para o túmulo ainda marcadas com traços de pecaminosidade, algum período de purificação parece necessário antes que uma alma fique face a face com Deus… Já que a Igreja Católica, instruída pelo Espírito Santo, tem, seguindo as escrituras sagradas e a antiga tradição dos Padres, ensinado em concílios sagrados e muito recentemente neste concílio ecumênico que existe um purgatório e que as almas ali detidas são auxiliadas pelos sufrágios dos fiéis e principalmente pelo sacrifício aceitável do altar, o santo concílio ordena aos bispos que se esforcem diligentemente para que a sã doutrina do purgatório, transmitida pelos Padres e sagrados concílios, seja acreditada e mantida pelos fiel de Cristo, e ser ensinado e pregado em todos os lugares… Se devemos orar ou não pelos mortos é um dos grandes argumentos que dividem os cristãos. Chocado com o abuso de indulgências na Igreja de sua época, Martinho Lutero rejeitou o conceito de purgatório. No entanto, a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne …Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember02.html

2.   Co­me­mo­ração de São Vi­to­rino, bispo de Po­e­tóvio, na Pa­nónia, hoje Ptuj, na Es­lo­vénia, que re­digiu muitos es­critos para ex­plicar os li­vros da Sa­grada Es­cri­tura e foi co­roado com o mar­tírio na per­se­guição do im­pe­rador Diocleciano. († c. 303).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Panônia, no séc. IV, São Vitorino, bispo. Segundo São Jerônimo, ele trabalhou a serviço da Palavra de Deus adaptando para o latim comentários escriturísticos gregos. (M).

– Ver também “… Vitorino de Pettau (em latimVictorinus Petavionensis) foi um escritor eclesiástico primitivo muito famoso por volta do ano de 270 e que foi martirizado durante as perseguições do imperador Diocleciano. Um bispo de Petóvio (em eslovenoPtuj; em alemão: Pettau) na Panônia e também chamado de Victorino de Ptuj ou Victorino de Pettau em fontes mais antigas.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Vitorino_de_Pettau

– Ver “Vitorino de Pettau (em latimVictorinus Petavionensis) foi um escritor eclesiástico primitivo muito famoso por volta do ano de 270 e que foi martirizado durante as perseguições do imperador Diocleciano. Um bispo de Petóvio (em eslovenoPtuj; em alemão: Pettau) na Panônia e também chamado de Victorino de Ptuj ou Victorino de Pettau em fontes mais antigas.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vitorino_de_Pettau

3.   Em Tri­este, na Ís­tria, ac­tu­al­mente na Itália, São Justo, mártir. († c. s. IV)

– Ver “Em Trieste, o beato Justus, que cumpriu seu martírio na mesma perseguição sob o governador Manatius. em Trieste, que foi lançado ao mar. Ele ainda é venerado em Trieste, Itália… Justo de Trieste M (RM) Morreu em 289 ou 303. Embora São Justus fosse cidadão de Trieste devotado à penitência e à caridade, ele foi martirizado sob Diocleciano ao ser pesado e lançado ao mar. Um padre chamado Sebastian enterrou seu corpo quando ele foi parar na praia. Registros na catedral de Trieste mostram que suas relíquias ainda estavam lá em 1040 e 1624 (Beneditinos, Enciclopédia, Fazendeiro). Na arte, São Justus é representado em trajes clássicos, segurando uma palmeira e uma catedral, com flores no peito. Ele ainda é muito honrado como o patrono de Trieste (Roeder). A antiguidade de seu culto é demonstrada por um mosaico existente do século 6 (Fazendeiro)…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember02.html

4.   Em Se­baste, na Ar­ménia, hoje Sivas, na Tur­quia, os santos Car­tério, Es­ti­ríaco, To­bias (também na Folhinha do Coração de Jesus), Eu­dóxio, Agápio e com­pa­nheiros, már­tires, que, sendo sol­dados no tempo do im­pe­rador Li­cínio, se­gundo a tra­dição, foram lan­çados às chamas por per­se­ve­rarem na fé de Cristo. († c. 320).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Sebaste, São Cartério e seus Companheiros, soldados. Acusados de terem desviado o povo de sua submissão ao Imperador, Cartério respondeu que era a causa “não da sublevação do povo, mas de sua marcha rumo a Cristo, Rei imortal”. (M)

– Ver “… Em Sebaste, na Armênia, os santos Carterius, Styriacus, Tobias, Eudoxius, Agapius e seus companheiros, mártires do imperador Licínio.
Styriacus, Tobias, Eudoxius, Agapius e cinco outros companheiros queimados na fogueira em Sebaste. Eles eram soldados do exército do imperador Licinius. Carterius, Styriacus, Tobias, Eudoxius, Agapius & Comp. MM (RM) Dez soldados cristãos do exército do imperador Licínio, queimados na fogueira em Sebaste, na Armênia (beneditinos)…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember02.html

5.   Na an­tiga Pérsia, os santos Acin­dino, Pe­gásio, Af­tónio, El­pi­dí­foro, Anem­po­disto e nu­me­rosos com­pa­nheiros, már­tires, que, se­gundo a tra­dição, pa­de­ceram no tempo do rei Sapor II. († s. IV)

6.   Em Vi­enne, ci­dade da Gália Li­o­nense, hoje na França, São Do­nino, bispo, que se de­dicou à obra da re­denção dos cativos. († c. 538)

7.   Co­me­mo­ração de São Mar­ciano, ere­mita, que, nas­cido em Ciro, se re­tirou para o de­serto na Cal­ce­dónia, na ac­tual Tur­quia, onde vivia num es­trei­tís­simo ca­sebre, não se ali­men­tando senão à tarde com uma pe­quena quan­ti­dade de pão e água, mas an­te­pondo ao jejum o amor fraterno. († s. IV f.).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Síria, no séc. IV, São Marciano, eremita. A um monge que um dia recusou a comida que lhe era oferecida em sinal de hospitalidade, respondeu: “Nós consideramos o jejum mais valioso que a comida, mas sabemos que a caridade é mais agradável a Deus”. (M).

– Ver páginas 138-141: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

8.   No mos­teiro de Agaune, entre os Hel­vé­cios, hoje Saint-Mau­rice-en-Va­lais, na Suíça, Santo Am­brósio, abade, que, tendo sido o su­pe­rior do mos­teiro de Île-Barbe, perto de Lião, foi trans­fe­rido para esta sede em vir­tude da sua in­signe ob­ser­vância re­li­giosa, onde es­ta­be­leceu a prá­tica da laus perennis, de modo que hou­vesse sempre monges can­tando no coro os lou­vores de Deus. († c. 520)

9.   Junto a uma fonte si­tuada em Holywell, lo­ca­li­dade do País de Gales, Santa Vin­freda, virgem, que é ve­ne­rada como monja insigne. († c. s. VII).

Ver 03 de novembro: Santa Vinifrida. Qualquer que seja a verdade exata de sua lenda, Vinifrida foi venerada como uma santa desde o momento de sua morte. Desde essa época também, sua fonte em Holywell foi um lugar de peregrinação e cura – o único lugar no Reino Unido com uma história contínua de peregrinação por mais de treze séculos… Na edição de 2004 do Martirológio Romano, Vinifrida é listada em 2 de novembro com o nome latino Winefrídae. Ela é listada como se segue: Na fonte localizada em Holywell, no País de Gales, Santa Vinifrida, a Virgem, que é ilustre em sua testemunha como uma freira.[10] Assim, Vinifrida é oficialmente reconhecida pelo Vaticano como uma pessoa com uma base histórica, que viveu uma vida religiosa exemplar, mas não há discussão de milagres que ela deve ter realizado ou sido curado por ela. Como uma santa do primeiro milênio, ela é reconhecida como uma santa por aclamação popular, nunca sendo formalmente canonizada. No atual calendário litúrgico católico do País de Gales,[11] ela é celebrada em 3 de novembro, pois 2 de novembro é designado como o dia de Finados.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Santa_Vinifrida

10.   Em Vi­enne, ci­dade da Bor­gonha, na ho­di­erna França, São Jorge, bispo. († c. 670)

– Ver “… Datas desconhecidas; canonizado em 1251. O bispo São Jorge de Vienne, França, provavelmente floresceu no início do século VIII, embora alguns coloquem 2 de novembro de 699 como a data de sua morte (beneditinos).B (RM)”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember02.html

11.   No mos­teiro de Cla­raval, também na Bor­gonha, o se­pul­ta­mento de São Ma­la­quias, bispo de Down e Connor, na Ir­landa, que re­novou a vida da sua Igreja e, neste mos­teiro, quando se di­rigia a Roma, en­tregou o seu es­pí­rito ao Se­nhor na pre­sença do abade São Bernardo. († 1148)

12*.   Em Mor­tagne, ci­dade da Nor­mandia, na França, a Beata Mar­ga­rida de Lorena, que era du­quesa de Alençon e, ao ficar viúva, abraçou a vida re­li­giosa no mos­teiro das Cla­rissas, que ela tinha fundado. († 1521).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1521, a Bem-Aventurada Margarida de Lorena, Duquesa de Alençon, neta do bom Rei Renato e avó de Henrique IV. Após ter educado cristãmente os filhos e ter-se dedicado aos pobres, acabou por entrar no Mosteiro das Clarissas de Argentan. (X).

– Ver páginas 142-144: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

13*.   Em An­dover, no con­dado de Hampshire, na In­gla­terra, o Beato João Bodey, mártir, que, sendo mestre-es­cola, por não aceitar a au­to­ri­dade da rainha Isabel I em as­suntos es­pi­ri­tuais, foi en­for­cado e esquartejado. († 1583)

14*.   Em Ca­sale, na Fla­mínia, hoje na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, o Beato Pio de São Luís (Luís Cam­pi­délli), re­li­gioso da Con­gre­gação da Paixão, que, ainda jovem, tendo sido ví­tima de uma grave en­fer­mi­dade, se con­formou ple­na­mente com a von­tade divina. († 1889)

15. São Pápias (também na Folhinha do Coração de Jesus)

– Ver “… Na África, aniversário dos santos mártires Publius, Victor, Hermes e Papias.Mártires no noroeste da África (beneditinos). MM (RM)”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember02.html

16. São Tomás de Walen (também na Folhinha do Coração de Jesus)

– Ver “… Bem-aventurado Tomás de Walden. O rei Henrique V o escolheu como seu confessor e morreu em seus braços.OC (PC).
(também conhecido como Thomas Netter) Thomas Netter não foi incluído pelos Bollandistas nem mesmo entre os praetermissi neste dia. Ele também não é mencionado na Menologia de Stanton , ou nos martirológios de Whitford ou Wilson. As fontes disponíveis foram indicadas por B. Zimmerman em seu Monumenta Historica Carmelitana (1907), pp. 442-482 e também pelo mesmo escritor erudito na Enciclopédia Católica, vol. x, pp. 764-765. c f. KL Hine, History of Hitchin 1927 ) vol. i, pp. 133-138 Netter era um jovem frade em Hitchin…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember02.html

17. Outros santos do dia 02 de novembro: págs. 129-147, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf  Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIX – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

 “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre novembro: Novembro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

Sobre 02 de novembro: 2 de novembro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS  847-850: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember02.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS A GRAÇA, AMADO PAI, DE LUTAR COM ENTUSIASMO, CORAGEM E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS, SOBRETUDO, A DOCILIDADE DAS OVELHAS. PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DESANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar (Santo Antão, lembrado em 21 de outubro)

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guia para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

“Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

“…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

“… A paixão vive; apenas está reprimida… está apenas presa… As paixões vivem, apenas são reprimidas pelos santos…” Santas e Santos, intercedam por nós para que possamos reprimir as paixões. (Santo Abraão, ermitão, 27 de outubro), páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

* Ver o blog https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!