Santas e Santos de 08 de novembro

1.   Co­me­mo­ração dos santos Sim­pro­niano, Cláudio, Ni­cós­trato, Cas­tório e Sim­plício, már­tires, que, se­gundo a tra­dição, eram mar­mo­ristas em Sír­mium, na Pa­nónia, hoje Sremska Mi­tro­vica, na Sérvia, e porque se re­cu­saram, em nome de Jesus Cristo, a es­culpir a imagem de Es­cu­lápio, foram lan­çados ao rio por ordem do im­pe­rador Di­o­cle­ciano e co­ro­ados por Deus com a graça do mar­tírio. Desde tempos re­motos foi ve­ne­rada a sua me­mória na ba­sí­lica do monte Célio, sob o tí­tulo dos Quatro Coroados. († 306).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Panônia, atual Hungria, em 306, o martírio de Cinco Escultores, que foram decapitados por terem se recusado a fabricar estátuas de ídolos. Seus corpos foram jogados no Danúbio. (M).

Ver : https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Quatro_Mártires_Coroados

Ver 08 de agosto: Em Al­bano, na Via Ápia, a quinze mi­lhas da ci­dade de Roma, os santos Se­gundo, Car­pó­foro, Vi­to­rino e Se­ve­riano, mártires. († s. III f.-IV in.). Santos QUATRO MÁRTIRES COROADOS. Ver “O título de Quatro Mártires Coroados ou Quatro Santos Coroados (em latimSancti Quatuor Coronati) é, na verdade, uma referência a nove mártires diferentes, divididos em dois grupos: o primeiro é formado por Severo (ou Segundo), Severiano, Carpóforo e VitorinoA FESTA LITÚRGICA DESSES MÁRTIRES É 08 DE AGOSTO; o segundo, por Cláudio, Castório, Sinforiano (ou Simproniano), Nicostrato e SimplícioA FESTA LITÚRGICA DESSES MÁRTIRES É 08 DE NOVEMBRO”: Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Quatro_M%C3%A1rtires_Coroados

– Ver também: “Seu culto foi confinado aos calendários locais em 1969.

A designação Quatro Mártires Coroados ou Quatro Santos Coroados (latim, Sancti Quatuor Coronati) refere-se a nove indivíduos venerados como mártires e santos no cristianismo primitivo. Os nove santos estão divididos em dois grupos:

  1. Severo (ou Secundius), Severo (nós), Carpophorus (Carpoforus), Victorinus (Victorius, Vittorinus)
  2. Cláudio, Castório, Símforiano (Simplônio), Nicostrato e Simplicius”: https://www.catholic.org/saints/saint.php?saint_id=3430

-Ver também pág. 250: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf  

2.   Na re­gião de Tours, da Gália Li­o­nense, na ac­tual França, São Claro, pres­bí­tero, que foi dis­cí­pulo de São Mar­tinho e, junto do mos­teiro do bispo, cons­truiu uma mo­radia, onde con­gregou muitos irmãos. († c. 396).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Tours, perto de 386, São Claro, monge. “Jovem de grande nobreza, foi ordenado sacerdote e depois deixou tudo para ficar junto de São Martinho. Organizou um pavilhão não longe do mosteiro, onde recebia os jovens vocacionados” (Sulpício Severo). (M)

3.   Em Roma, junto de São Pedro, São Deus­dado I, ou Deusdedit (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Deodato), papa, que amou o seu clero e o seu povo com ad­mi­rável sim­pli­ci­dade e sabedoria. († 618)

4.   Em Bremen, na Sa­xónia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, São Vi­leado, bispo, na­tural da Nor­túm­bria e amigo de Al­cuíno, que pro­pagou o Evan­gelho de­pois de São Bo­ni­fácio na Frísia e na Sa­xónia e, or­de­nado bispo, cons­ti­tuiu a sede de Bremen e go­vernou-a com sabedoria. († 789).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 789, a morte de São Vilealdo, primeiro bispo de Bremen. Originário de Northumberland (Inglaterra), desenvolveu grande atividade missionária em meio aos frisões e aos saxões, sobretudo na região entre os rios Wesser e Elba, onde fora enviado por São Bonifácio. (M).

– Ver Santo Willehade, nas páginas 244-251: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

5.   Em Sois­sons, na França, o se­pul­ta­mento de São Go­do­fredo ou Goffredo (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo de Amiens, que, edu­cado desde os cinco anos na vida mo­nás­tica, so­freu muito na con­ci­li­ação dos con­flitos entre os se­nhores e o povo da ci­dade, assim como na re­forma dos cos­tumes do clero e do povo. († 1115).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1115, São Godofredo. Recebido aos cinco anos de idade na abadia do Monte Saint-Quentin, prestou diversos serviços em favor de seus irmãos. Ordenado ao vinte e cinco anos, tornou-se abade de Nogent, e foi mais tarde bispo de Amiens. Morreu no mosteiro de Santos Crispim e Crispiniano de Soissons, para onde se havia retirado. (M).

– Ver páginas 252-256: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

6*.   Em Co­lónia, na Lo­ta­ríngia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, o Beato João Duns Escoto (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, que, oriundo da Es­cócia, en­sinou as dis­ci­plinas fi­lo­só­ficas em Cam­bridge, Ox­ford, Paris e fi­nal­mente em Co­lónia, como mestre in­signe, de en­genho subtil e ad­mi­rável fervor. († 1308).

– Ver “O Beato João Duns Escoto, ou Scot ou Scotus1 O.F.M. (Berwickshire, c. 1266 – Colônia8 de novembro de 1308) foi um teólogo e filósofo escocês (ou nascido no Ulster). Viveu durante muitos anos em Paris, em cuja universidade lecionou. Membro da Ordem Franciscanafilósofo e teólogo da tradição escolástica, chamado o Doutor Sutil, foi mentor de outro grande nome da filosofia medievalGuilherme de Ockham. Foi beatificado em 20 de Março de 1993, durante o pontificado do Papa João Paulo II. Ele é um dos três filósofos-teólogos mais importantes da Europa Ocidental na Alta Idade Média, juntamente com Tomás de Aquino e o próprio Guilherme de Ockham.[3]… ”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Duns_Escoto

– Ver “… Bem-aventurado JOHN DUNS SCOTUS. Em uma época em que muitas pessoas adotavam sistemas inteiros de pensamento sem qualificação, John destacou a riqueza da tradição agostiniano-franciscana, apreciou a sabedoria de Aquino, Aristóteles e os filósofos muçulmanos – e ainda conseguiu ser um independente pensador. Essa qualidade foi comprovada em 1303, quando o Rei Filipe, o Belo, tentou alistar a Universidade de Paris a seu lado em uma disputa com o Papa Bonifácio VIIIJohn Duns Scotus discordou e teve três dias para deixar a França. Na época de Scotus, alguns filósofos sustentavam que as pessoas são basicamente determinadas por forças externas a elas mesmas. O livre arbítrio é uma ilusão, eles argumentaram. Homem sempre prático, Scotus disse que se começasse a bater em alguém que negasse o livre arbítrio, a pessoa imediatamente lhe diria para parar. Mas se Scotus realmente não tinha livre arbítrio, como poderia parar? John tinha um talento especial para encontrar ilustrações que seus alunos conseguiam lembrar!…

… Depois de uma curta estada em Oxford, ele retornou a Paris, onde recebeu o doutorado em 1305. Ele continuou a lecionar lá e em 1307 defendeu tão habilmente a Imaculada Conceição de Maria que a universidade oficialmente adotou sua posição. Nesse mesmo ano, o ministro geral o designou para a escola franciscana de Colônia, onde João morreu em 1308. Ele está sepultado na igreja franciscana perto da famosa catedral de Colônia.

Com base na obra de John Duns Scotus, o Papa Pio IX solenemente definiu a Imaculada Conceição de Maria em 1854. John Duns Scotus, o “Doutor Sutil”, foi beatificado em 1993.

Comentário: O Padre Charles Balic, OFM, a maior autoridade do século 20 em Scotus, escreveu: “Toda a teologia de Scotus é dominada pela noção de amor. A nota característica deste amor é a sua liberdade absoluta. À medida que o amor se torna mais perfeito e intensa, a liberdade se torna mais nobre e integral tanto em Deus quanto no homem” (New Catholic Encyclopedia, Vol. 4, p. 1105).
… A inteligência dificilmente garante santidade. Mas John Duns Scotus não era apenas brilhante, ele também era humilde e devoto – a combinação exata que São Francisco queria em qualquer frade que estudasse. Em uma época em que o nacionalismo francês ameaçava os direitos do papa, Scotus aliou-se ao papado e pagou o preço. Ele também defendeu a liberdade humana contra aqueles que a comprometem pelo determinismo.

As ideias são importantes. John Duns Scotus colocou o seu melhor pensamento ao serviço da família humana e da Igreja…

CIDADE DO VATICANO, 7 de julho de 2010 (VIS): JOÃO DUNS ESCOTO – Antes da audiência geral desta manhã, Bento XVI abençoou uma estátua de mármore de Santo Aníbal Maria di Francia (1851-1927), fundador da Congregação dos Padres Rogacionistas do Coração de Jesus e das Filhas da Divina Generosidade. A estátua está posicionada em um nicho externo da Basílica do Vaticano perto do Arco dos Sinos.
 Em sua audiência, celebrada na Sala Paulo VI, o Papa dedicou sua catequese ao BEATO JOÃO DUNS SCOTUS, que nasceu por volta do ano 1266 na aldeia escocesa de Duns, ingressou na Frades Menores e foi ordenado sacerdote em 1291. “Sua inteligência lhe valeu o tradicional título de ‘Doctor subtilis’”, disse o Santo Padre observando como lecionava teologia nas universidades de Oxford, Cambridge e Paris. No entanto, sua fidelidade ao Papa Bonifácio VIII no conflito deste último com Filipe IV, o Belo, o levou a deixar a França. Ele voltou a Paris em 1305 para ensinar teologia e depois mudou-se para Colônia, onde morreu em 1308.
  “Por causa de sua fama de santidade, seu culto logo se espalhou dentro da Ordem Franciscana, e o Venerável João Paulo II decidiu confirmá-lo como beato em 20 de março de 1993, descrevendo-o como um ‘cantor do Verbo encarnado e defensor da Imaculada Conceição’. Nesta expressão ele resumiu a grande contribuição de Duns Scotus para a história da teologia”, disse o Papa Bento XVI.
  Em seguida, explicou que, “embora ciente de que por causa do pecado original Cristo nos redimiu com sua paixão, morte e ressurreição”, Duns Scotus “deixa claro que a Encarnação é a maior e deve sublime obra da história da salvação, e que não é condicionado por nenhuma circunstância contingente.
«Fiel discípulo de São Francisco, Duns Scotus gostava de contemplar e pregar o mistério da paixão salvífica de Cristo, expressão do imenso amor de Deus», acrescentou o Papa. Este amor «se revela não só no Calvário, mas também na Santíssima Eucaristia, à qual Duns Scotus foi profundamente devotado», afirmou.
«Esta visão teológica fortemente ‘cristocêntrica’ abre-nos à contemplação, ao maravilhamento e à gratidão: Cristo é o centro da história e do cosmos, é Ele quem dá sentido, dignidade e valor às nossas vidas».
Referindo-se então à visão do bem-aventurado escocês sobre a Virgem, o Papa explicou como, em contraste com a maioria dos teólogos de seu tempo, que se opunham “à doutrina segundo a qual Santa Maria estava livre do pecado original desde o primeiro momento de sua concepção”, Scotus defendeu o argumento da “Redenção preventiva”. Este afirmava que “a Imaculada Conceição representa a obra-prima da Redenção de Cristo, precisamente porque o poder de Seu amor e Sua mediação garantiram que a Mãe fosse preservada do pecado original. Os franciscanos aceitaram e difundiram com entusiasmo esta doutrina, e outros teólogos – muitas vezes com um voto solene – comprometeu-se a defendê-lo e a melhorá-lo ”.
O Papa lembrou que Duns Scotus também abordou “o tema da liberdade e sua relação com a vontade e o intelecto”. Nesse contexto, ele notou como “uma ideia de liberdade inata e absoluta (desenvolvida depois do tempo de Scotus) situada na vontade que precede o intelecto, tanto em Deus como no homem, corre o risco de conduzir à ideia de um Deus que nem mesmo é ligada à verdade e ao bem”.
  A «liberdade», explicou o Papa, «é autêntica e só ajuda na construção de uma civilização verdadeiramente humana quando reconciliada com a verdade. Se desligada da verdade, a liberdade torna-se tragicamente o princípio que destrói a harmonia interior do ser humano, fonte de abusos para os fortes e violentos, causa de sofrimento e luto. A liberdade … cresce e se aperfeiçoa, disse Duns Scotus, quando o homem se abre a Deus … Quando ouvimos a Revelação divina, a Palavra de Deus, para aceitá-la, então recebemos uma mensagem que enche de luz e de esperança as nossas vidas e somos verdadeiramente livres ”.
 Bento XVI concluiu a catequese – a sua última até 4 de agosto – destacando como “o beato Duns Scotus nos ensina que o essencial em nossas vidas é acreditar que Deus está perto de nós e nos ama em Jesus Cristo; cultivar, então, um profundo amor a Ele e à Sua Igreja. Somos testemunhas desse amor nesta terra”. AG / VIS 20100707 (730) …

– Conforme AUDIÊNCIA GERAL 07.07.2010, JOÃO DUNS ESCOTO, <https://www.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/audiences/2010/documents/hf_ben-xvi_aud_20100707.html >, consultado em 07 de novembro de 2021: Pesquisado em:  

https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember08.html – consultado em 07 de novembro de 2021

… CIDADE DO VATICANO, 10 DE JUNHO DE 2009 (VIS): JOÃO ESCOTO ERÍGENA – Em sua audiência geral, realizada esta manhã na Praça de São Pedro, o Papa (Bento XVI) voltou sua atenção para JOHN SCOTUS ERIGENA, [Outros nomes, Johannes Scottus Eriugena, Johannes Scotus Erigena, Johannes … Ele não deve ser confundido com o filósofo posterior John Duns Scotus}, “um filósofo notável do Ocidente cristão”, que nasceu na Irlanda no início do século IX e morreu por volta do ano 870.
Scotus, que se mudou para a França onde se estabeleceu na corte do rei francês Carlos, o Calvo, “Possuía uma profunda cultura patrística, tanto grega quanto latina”, explicou o Santo Padre. “Ele estava particularmente interessado em São Máximo Confessor, e especialmente em Dionísio, o Areopagita … a quem ele descreveu como o ‘autor divino’ por excelência e, portanto, usou suas obras como a principal fonte de seu próprio pensamento. Ele traduziu Dionísio para o latim, e os grandes teólogos da Idade Média, como São Boaventura, conheceram as obras do Areopagita por meio dessa tradução. Ele dedicou toda a sua vida ao estudo e desenvolvimento das ideias de Dionísio” .
 “ Verdade seja dita ” , continuou o Papa , “os trabalhos teológicos de João Escoto não tiveram muito sucesso. Não só o fim do período carolíngio levou ao esquecimento de suas obras, mas a censura das autoridades eclesiásticas lançou uma sombra sobre sua figura.
Scotus representava um platonismo radical que às vezes parecia aproximar-se de uma visão panteísta da vida, embora suas intenções pessoais e subjetivas fossem sempre ortodoxas” .

Entre as obras deste teólogo…,“ Seu tratado ‘De Naturae’ e seu ‘Comentário sobre a Hierarquia Celestial de São Dionísio’ são particularmente dignos de menção ”, disse o Papa.
Scotus “Desenvolve certas idéias teológicas e espirituais estimulantes que podem indicar caminhos interessantes para um estudo mais aprofundado, mesmo para teólogos modernos ”, disse Bento XVI referindo-se, neste contexto, às opiniões de Scotus “Sobre a necessidade de um discernimento adequado sobre o que se apresenta como ‘auctoritas vera’ e sobre o compromisso de continuar a busca da verdade até fazer alguma experiência dela na adoração silenciosa de Deus”.
Para Scotus, Escritura “Foi dado por Deus … para que o homem pudesse se lembrar de tudo o que estava gravado em seu coração desde o momento de sua criação ‘à imagem e semelhança de Deus’, e aquele pecado original o fez esquecer. … De fato, graças às Escrituras, nossa natureza racional pode ser apresentada aos segredos da verdadeira e pura contemplação de Deus. … A palavra da Sagrada Escritura purifica a nossa razão algo cega e ajuda-nos a voltar à memória daquilo que nós, como imagem de Deus, carregamos nas nossas almas, maculados, infelizmente, pelo pecado”.
Isso, continuou o Papa, leva a “Certas consequências hermenêuticas que ainda hoje podem nos mostrar o caminho a seguir para interpretar corretamente as Escrituras. O importante é descobrir o sentido oculto no texto sagrado, e isso requer uma forma particular de disciplina interior, graças à qual a razão pode abrir o caminho seguro para a verdade. Este exercício consiste em cultivar uma constante prontidão para a conversão” .
“Silencioso e reconhecimento adorando do mistério, que culmina com a unificação comunhão, é, portanto, a única maneira de alcançar uma relação com a verdade que é ao mesmo tempo o mais íntimo e mais escrupulosamente respeitosa da alteridade”, disse o Santo Padre
Ele completou a sua catequese observando como, na análise final,“ Toda a teologia de João Escoto mostra claramente a sua tentativa de exprimir o Deus inefável, exclusivamente na base do mistério do Verbo feito carne em Jesus de Nazaré”…

(conforme AUDIÊNCIA GERAL JOÃO ESCOTO ERÍGENA, 10.06.2009, <… https://www.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/audiences/2009/documents/hf_ben-xvi_aud_20090610.html>, consultado em 07 de novembro de 2021): Pesquisado em:  

https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember08.html – consultado em 07 de novembro de 2021

– Ver também: “… João Escoto Erígena (em latimJohannes Scotus EriugenaIrlanda810 — Paris877), também conhecido como Escoto de Erigena, foi um Filósofoteólogo e tradutor irlandês da corte de Carlos, o Calvo. Expoente máximo do renascimento carolíngio, no século IX, Erígena concentrou seus estudos nas relações entre a filosofia grega e os princípios do cristianismo…”: Conforme

<https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Escoto_Er%C3%ADgena> – consultado em 07 de novembro de 2021): Pesquisado em:  

https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember08.html – consultado em 07 de novembro de 2021.

7*.   Em Ostra Vé­tere, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, a Beata Maria Crucificada (Isabel Maria Sa­tél­lico), aba­dessa da Ordem das Cla­rissas, emi­nente na me­di­tação do mis­tério da Cruz e en­ri­que­cida com ca­rismas místicos. († 1745)

8.   Em Nam Dinh, ci­dade do Ton­quim, ac­tu­al­mente no Vi­etnam, os santos már­tires José Nguyen Dinh Nghi, Paulo Nguyen Ngân, Mar­tinho Ta Due Thinh, pres­bí­teros, Mar­tinho Tho e João Bap­tista Con, agri­cul­tores, que, no tempo do im­pe­rador Thieu Tri, foram de­go­lados por causa da sua fé cristã. († 1840).

– Ver páginas 249-250: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

9. Bem-Aventurado Gregório, abade. Ver página 257: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

10. Santa Isabel (Elisabete) da Trindade.

Ver “Elisabeth (No Brasil: Elisabeteda Trindade, OCD (Farges-en-Septaine18 de julho de 1880Dijon9 de novembro de 1906) foi uma monja carmelita descalça francesa… Nascida Elisabeth Catez Rolland, em 1901 entrou no Mosteiro das Carmelitas Descalças de Dijon. Foi uma verdadeira adoradora em espírito e verdade, entre penas interiores e doenças, viveu como “louvor de glória” da Santíssima Trindade presente na alma, encontrando no mistério da habitação de Deus na alma o seu “céu na terra“, seu carisma e missão eclesial…  Beatificação: 25/11/1984 por São João Paulo II; canonização em 16/10/2016 pelo Papa Francisco. Festa Litúrgica em 08 de novembro”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Isabel_da_Trindade

11. São Tisílio. Ver “São Tisílio (m. ca. 640) foi um bispo, príncipe e erudito galês, filho do rei de PowysBrochwel Ysgithrog,[1] sobrinho materno do grande Abade Dunod de Bangor Iscoed e um eclesiástico que tomou uma parte proeminente nas relações do País de Gales durante o período infeliz do início do século VII… São Tisílio é confundido, historicamente, com São Sulien, com alguns eruditos sugerindo que eles são o mesmo personagem histórico. Os fatos que eles viveram em estados celtas diferentes, e tinham dias festivos diferentes da Antiguidade, faz esta sugestão improvável…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Tis%C3%ADlio

12. Outros santos do dia 08 de novembro: págs. 244-260, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf  Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIX – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

 “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 08 de novembro: 8 de novembro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Todas da internet, consultadas no dia)

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS  862-864: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember08.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEM DADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, ANJOS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS A GRAÇA, AMADO PAI, DE LUTAR COM ENTUSIASMO, CORAGEM E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS, SOBRETUDO, A DOCILIDADE DAS OVELHAS. PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DESANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar (Santo Antão, lembrado em 21 de outubro)

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guia para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

“Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”  mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

“…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

“… A paixão vive; apenas está reprimida… está apenas presa… As paixões vivem, apenas são reprimidas pelos santos (COM A GRAÇA DE DEUS!) …” Santas e Santos, intercedam por nós para que possamos reprimir as paixões. (Santo Abraão, ermitão, 27 de outubro), páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

“… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne … Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayNovember02.html

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

* Ver o blog https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!