Santas e Santos de 14 de janeiro (atualizado em 02.02.2022)

1. Co­me­mo­ração de São Po­tito, mártir, que, de­pois de pa­decer muitos tor­mentos em Sár­dica, na Dácia, hoje Sofia, na Bul­gária, conta-se que al­cançou a glória do mar­tírio ao fio da espada. († data inc.)

São Potito, mártir. Ver páginas 341-342: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “… O Santo Mártir Potito sofreu sob o imperador Antonino Pio (reinou 138-161). Tendo se familiarizado com o ensinamento cristão, o jovem Potito creu no verdadeiro Deus e aceitou o santo batismo aos treze anos de idade. Quando soube disso, seu pai pagão ficou extremamente chateado e tentado, primeiro por carinhos e depois por ameaças de dissuadir seu filho de sua fé em Cristo Salvador, mas seus esforços foram em vão. Impressionado com a firmeza de fé do menino, o pai também passou a acreditar no Filho de Deus e se tornou ele mesmo um cristão.
São Potito viajou por muitas terras pregando sobre Cristo, e pelo poder de Deus operou milagres maravilhosos.
Na região de Epiros, vivia a ilustre Kyriake, esposa de um senador; ela sofria de lepra. Ouvindo falar de São Potito, ela o chamou e pediu que ele a curasse. A santa declarou que se ela acreditasse em Cristo, ela seria curada. A mulher aceitou o santo batismo e ficou imediatamente boa. Vendo tal milagre, seu marido e toda a família creram em Cristo e também foram batizados.
Depois disso, o santo se estabeleceu no Monte Garganus e viveu na solidão, entre os animais. Ele foi encontrado lá por servos do imperador Antonino, cuja filha estava possuída por um demônio. Pela boca da donzela, o diabo disse que só sairia dela se Potito viesse. Eles trouxeram o santo jovem ao imperador e, através das orações de São Potito, o demônio libertou a menina. Mas, em vez de agradecer, o imperador tratou o santo com crueldade desumana. Por sua firme confissão de fé em Cristo Salvador, e por sua recusa em oferecer sacrifício aos deuses pagãos, aos quais o imperador atribuiu a cura de sua filha, ele ordenou que a língua do santo fosse arrancada e que ele fosse cegado. Após longa tortura, São Potito foi finalmente decapitado…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJanuary13.html

2.   Em An­ti­o­quia, na Síria, hoje An­takya, na Tur­quia, São Gli­cério, diá­cono e mártir. († data inc.)

3.   Em Nola, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Félix, pres­bí­tero, que, como re­fere São Pau­lino, du­rante o furor da per­se­guição so­freu no cár­cere cru­de­lís­simos tor­mentos. De­pois de res­ta­be­le­cida a paz, re­gressou à sua terra e per­se­verou na po­breza até à sua ve­lhice, mor­rendo como in­ven­cível con­fessor da fé. († s. III/IV).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 260, São Félix, sacerdote de Nola, na Campânia, confessor da fé cuja fama se espalhou da Gália à África. (M).

Ver páginas 362-364: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “Filho de um militar sírio chamado Hérmias, sua fé cristã o levou a repartir seus bens entre os pobres e optar pelo sacerdócio. Entre os anos de 249 e 251 sofreu a perseguição de Décio, sendo encarcerado e torturado, mas escapou com sucesso da cadeia (o que tradições atribuem à ação de anjos), indo viver nos Apeninos, onde cuidou de seu bispo Máximo, adoecido e lá também refugiado. Segundo contam as lendas, sua harmonia com a natureza era tanta que as aranhas teceriam teias para impedir a entrada de soldados… Sua sepultura foi muito venerada, e objeto de peregrinação. Há relíquias suas em Roma e Benevento. Sua festa litúrgica é celebrada em 14 de janeiro[4] e figura no Calendário Romano como confessor.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Félix_de_Nola

Ver também outro São Félix de Nola dia 15 de novembro

4.   Co­me­mo­ração dos santos monges que no monte Sinai e em Rahiti, no Egipto, foram mortos pela sua fé em Cristo. (†. c. s. IV)

– Ver “… No Monte Sinai, trinta e oito monges santos mortos pelos sarracenos pela fé em Cristo.
OS MÁRTIRES DO MONTE SINAI

Trinta e oito solitários no Monte Sinai foram mortos por uma tropa de árabes, e muitos outros eremitas no deserto de Raithu, a dois dias de viagem do Sinai, perto do Mar Vermelho, foram igualmente massacrados pelos Blemmyes. Também muitos anacoretas no Monte Sinai foram martirizados por um bando de saqueadores do deserto no final do século IV. Um menino de quatorze anos levava entre eles uma vida ascética de grande perfeição. Os invasores ameaçaram matá-lo se ele não descobrisse onde os monges mais velhos se esconderam. Ele respondeu que a morte não o aterrorizava, e que ele não poderia resgatar sua vida pelo pecado de trair seus pais. Os bárbaros, enfurecidos com esta resposta, caíram sobre ele com todas as suas armas de uma só vez, e o jovem morreu por tantos martírios quantos carrascos. São Nilo (cf. 12 de novembro) deixou um relato desse massacre: naquela época ele levava uma vida eremítica naquele deserto.

Esses santos solitários são comemorados juntos neste dia na igreja oriental e são mencionados no Martirológio Romano. Ver Martynov, Annus Ecclesiasticus Graeco-Slavicus, pp. 41 seq.; Nilles, Kalendarium Manuale (1896-1897), vol. eu. As narrativas de São Nilo estão em Migne, PG., vol. lxxix, pp. 590-694. Sobre a autoria dessas narrativas ver Analecta Bollandiana, vol. xxxviii (1920), pp. 420 seq.; cf. Delehaye, Synax. Const., pp. 389-391.

Monges no Monte Sinai que foram mortos pelos beduínos. Um segundo grupo, morto por beduínos no deserto de Raithu, também é comemorado.
Isaías, Sabas & Companheiros MM (RM). Trinta e oito monges no Monte Sinai massacrados por árabes pagãos. Estes massacres foram seguidos por vários outros nas proximidades do Mar Vermelho (Benedictines)…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJanuary14.html

5.   Na re­gião dos Iberos, além do Mar Negro, na ac­tual Geórgia, Santa Nino, pri­si­o­neira cristã, que pela grande san­ti­dade da sua vida con­quistou a re­ve­rência e ad­mi­ração de todos, de tal modo que a pró­pria rainha, cujo filho foi cu­rado graças às suas ora­ções, o rei e toda a sua gente, ade­riram à fé de Cristo. († s. IV)

6*.   Em Gé­vaudan, na Gália, ac­tu­al­mente na França, São Fir­mino, bispo. († s. V).  Ver 25 de setembro.

7*.   Em Ar­vena, na Aqui­tânia, hoje Cler­mont-Fer­rand, na França, Santo Eu­frásio, bispo, cuja hos­pi­ta­li­dade é lou­vada por São Gre­gório de Tours. († 515/516)

8.   Em Milão, na Li­gúria, ac­tu­al­mente na Lom­bardia, re­gião da Itália, o pas­sa­mento de São Dácio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que na con­tro­vérsia dos “Três Ca­pí­tulos” de­fendeu a opi­nião do papa Vi­gílio, a quem acom­pa­nhou em Cons­tan­ti­nopla, onde morreu. († 552).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 552, São Daciano, bispo de Milão, que se revelou um firme sustentáculo do papa Vigílio na defesa da fé ameaçada pelo imperador. (M). Ver página 376: VIDAS DOS SANTOS – 1.pdf (obrascatolicas.com)

9*.   Em Écija, na Bé­tica, na ac­tual An­da­luzia, re­gião da Es­panha, São Ful­gêncio, bispo, irmão dos santos Le­andro, Isi­doro e Flo­ren­tina, a quem Santo Isi­doro de­dicou o tra­tado «Ofí­cios ecle­siás­ticos», con­si­de­rado o pri­meiro ma­nual de Liturgia. († c. 632).

– Ver “Fulgêncio de Cartagena (em castelhanoSan Fulgencio de Cartagena; em latimFulgentius), nascido em Cartagena no século VI e morto em 630, foi bispo de Ástigis (moderna Écija), na Hispânia… Como seus irmãos Leandro e Isidoro, ambos arcebispos de Sevilha, o primeiro mais velho e o segundo, mais novo, Fulgêncio também se dedicou à Igreja… A irmã dos três, uma dedicada religiosa, era Santa Florentina. O pai deles, Severiano, viveu primeiro em Cartagena, era romano e, segundo informações de confiabilidade duvidosa, era prefeito imperial[1]. Fulgêncio, como sua irmã e irmãos, foi venerado como santo. Na Hispânia, sua festa era celebrada em dias diferentes: na Acta Sanctorum dos bolandistas, a data era 14 de janeiro… Sabe-se que muito depois de sua morte, uma parte dos ossos de São Fulgêncio e os de sua irmã, Santa Floretina, foram levados em segurança para Sierra de Guadalupe, e, no século XIV, estavam na vila de Berzocana. A outra parte está na Catedral de Múrcia, da qual São Fulgêncio é o padroeiro.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Fulgêncio_de_Cartagena

10*.   Em Ta­gli­a­cozzo, nos Abruzos, re­gião da Itália, o Beato Odão de Novara, pres­bí­tero da Ordem dos Cartuxos. († c. 1200).

– Ver páginas “Bem-aventurado Odon de Novara” 374-376: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

11*.   Em Údine, ci­dade da Ve­nécia, no ac­tual Friúli-Ve­nézia Giúlia, re­gião da Itália, o Beato Odo­rico Mat­tiuzzi de Pordenone (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, que, per­cor­rendo os ter­ri­tó­rios dos Tár­taros, dos In­di­anos e dos Chi­neses até chegar a Kom­balik, prin­cipal ci­dade da China, anun­ciou o Evan­gelho por toda a parte e con­duziu muita gente à fé de Cristo. († 1331). Ver páginas 371-373: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

12.   Em Aral Ku­ru­sady, na Índia, o Beato Lá­zaro Pillai (De­va­sahayam Pillai), pai de fa­mília e mártir, que, du­rante a per­se­guição contra os cris­tãos no reino de Tra­vancor, foi as­sas­si­nado por se ter con­ver­tido do hin­duismo ao catolicismo. († 1752)

13*.   Em Ba­távia, no Su­rinam, o beato Pedro Donders (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Con­gre­gação do San­tís­simo Re­dentor, que se de­dicou com ca­ri­dade in­can­sável ao cui­dado dos corpos e das almas dos leprosos. († 1887)

– Ver “O beato Pedro Donders nasceu no dia 27 de outubro de 1809, na Holanda, na cidade de Tilburg, filho de Arnaldo e Nélia. É considerado o Apóstolo do Suriname por ter dedicado grande parte da sua vida cuidando de leprosos no Suriname, com uma vida entregue a Deus de maneira muito generosa… Recebe com muita fé a unção dos doentes, e aos 12 de janeiro de 1887 diz: “Vou morrer nesta sexta-feira, depois de amanhã, às 15 horas”. O irmão que cuidava dos doentes, Gustavo Bles diz:  “Às quinze para as três da tarde visitei o Pedro. Ele estava consciente e rezava em silêncio. Tinha muita paz e sem medo da morte”. De fato, a morte o alcançou perto das 15h30, numa sexta-feira, dia 14 de janeiro…”: https://www.a12.com/redentoristas/santos-e-beatos/beato-pedro-donders

14.        Em Ver­celas, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, a Beata Afonsa Clérici, virgem da Con­gre­gação das Irmãs do Pre­ci­o­sís­simo Sangue, cujo apos­to­lado se ori­entou es­pe­ci­al­mente para o en­sino e edu­cação da juventude. († 1930)

15. Santa Ida, na Folhinha do Coração de Jesus (dia 14/01) No Martirológio Romano, dia 15/01. No mos­teiro de Cluain Credal, na Ir­landa, Santa Ida, virgem, fun­da­dora deste mosteiro. († 570). Ver Santa Ita, páginas 391-392: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver também “Santa Ita (em irlandêsÍte ingen Chinn Fhaladc. 470 – 15 de janeiro de 570), também conhecida como Santa Ida ou Santa Ides, foi uma freira e abadessa irlandesa.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Santa_Ita

16. Santa Macrina Maior. Ver páginas 367-368: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf – Ver “Macrina Maior (ou a Velha) (antes de 270 – ca. 340) foi a mãe de Basílio, o Velho e a avó de Basílio, o GrandeSão Gregório de NíssaSão Pedro de Sebaste (os Padres capadócios) e Santa Macrina Menor. VER 19 DE JULHO”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Macrina_Maior

– Ver também “Avó de Sts. Basil e Gregório de Nyssa. Ela foi treinada na  por São Gregório Thaumaturgis. Durante a perseguição instituída pelo imperador Diocleciano, Macrina e seu marido tiveram que fugir de Neocaésia, em Pontus. Eles viviam nas margens do Mar Negro.”: St. Macrina the Elder – Saints & Angels – Catholic Online

– Ver ainda “Avó de São Basílio, o GrandeSão Gregório de NyssaSão Pedro de Sebaste, e Santa Macrina, a Jovem, e aparentemente criou Manjericão. Estudante espiritual de São Gregório Thaumaturgus. Ela e o marido viveram escondidos em uma floresta em Pontus por sete anos durante a perseguição de Diocleciano, quase morrendo de fome várias vezes. Viúvo.”: Patron Saints Index: Saint Macrina the Elder (archive.org)

17. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, próximo ao ano de 533 da nossa era, o nascimento no céu de São Remígio, bispo de Reims, a quem coube a alegria de batizar o rei Clóvis, introduzindo assim o povo franco na Igreja Católica. É com o Santo Óleo contido na ânfora utilizada naquela ocasião que foi ungida a maioria dos reis de França. (F)

18. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V antes de Cristo, o Profeta Malaquias, que anunciou a era messiânica, preparada por um Precursor, e que restabeleceria a ordem moral e cultual, culminando no sacrificio perfeito oferecido a Deus por todas as nações. (M)

19. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1237, São Sabas. Filho do rei da Sérvia, entrou muito jovem para o Monte Athos. Nomeado mais tarde Metropolita da Sérvia, lá estabeleceu uma hierarquia católica e estimulou a fundação de escolas, merecendo assim ser considerado pelos sérvios como grande promotor de sua cultura. Ver páginas 376-377: VIDAS DOS SANTOS – 1.pdf (obrascatolicas.com)

20. São Barbacemin e seus companheiros, mártires da Pérsia. Ver páginas 365-366: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “… St. Barbasymas bispo de Seleucia e Ctesiphon Mártir da Pérsia com 16 companheiros. 346 – SS. BARBASYMAS E SEUS COMPANHEIROS, MÁRTIRES
S. BARBASYMAS (Barbashemin)
sucedeu a seu irmão S. Sadoth na sé metropolitana de Selêucia e Ctesifonte em 342. Sendo acusado de inimigo da religião persa, foi preso com dezesseis de seus clérigos por ordem do rei Sapor II. O rei, vendo que suas ameaças não causavam nenhuma impressão, o confinou em um calabouço repugnante, no qual ele foi muitas vezes torturado com açoites e outras atrocidades, além do desconforto contínuo do mau cheiro, sujeira, fome e sede. Após onze meses, os prisioneiros foram novamente levados perante o rei. Seus corpos estavam desfigurados e seus rostos dificilmente reconhecíveis. Sapor estendeu ao bispo uma taça de ouro na qual havia mil moedas de ouro e, além disso, prometeu-lhe o cargo de governador se ele se permitisse ser iniciado nos ritos do sol. O santo respondeu que não poderia responder às censuras de Cristo no último dia se preferisse o ouro, ou todo um império, à Sua santa lei; e que ele estava pronto para morrer. Ele recebeu sua coroa pela espada, com seus companheiros, em 14 de janeiro de 346 em Ledan, no Huzistão.

São Maruthas, bispo de Maiferkat, suposto autor de seus atos, acrescenta que Sapor, resolvendo extinguir o nome cristão em seu império, publicou um novo édito, pelo qual ordenou que fossem torturados e mortos todos os que se recusassem a adorar o sol, o fogo e a água, e se alimentar do sangue de criaturas vivas. A sé de Selêucia permaneceu vaga durante vinte anos, e inúmeros mártires regaram a Pérsia com seu sangue. São Maruthas não foi capaz de recuperar seus nomes, mas nos deixou um longo panegírico de seus feitos heroicos, muito devocional em tom, no qual ele reza para ser rapidamente unido a eles na glória.

Ver Assemani, Acta martyrum orientalium, vol. i, pp. 111-116; mas o texto siríaco foi mais corretamente editado por Bedjan, Acta martyrum et sanctorum, vol. ii, pp. 296-303 Sozomen, Hist. Ecles., bk ii, c. 13; BHO., s. 33…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJanuary14.html

21. Bem-aventurado Engelmar, ermitão e mártir. Ver páginas 369-370: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

22. Ver 14 de janeiro na Igreja Ortodoxa  “Esta página trata das comemorações relativas ao dia 14 de janeiro no ano litúrgico ortodoxo. Todas as comemorações fixas abaixo são comemoradas no dia 27 de janeiro pelas igrejas ortodoxas sob o Velho Calendário. No dia 14 de janeiro do calendário civil, as igrejas sob o Velho Calendário celebram as comemorações listadas no dia 1 de janeiro.: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/14_de_janeiro_na_Igreja_Ortodoxa

23. Outras santas/os do dia 14 de janeiro, págs. 358-377: 

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume I – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

 * “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 14 de janeiro, ver também: 14 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Todas da internet, foram consultadas no dia de hoje)

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 131-133: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJanuary14.html

(este site mostra os santos do dia, em inglês. Tradução Google)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEM DADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, SAMTAS/OS E ANJOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

* PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS, AMADO PAI, CORAGEM DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES SEDUTORAS, DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS A DOCILIDADE DAS OVELHAS! SOBRETUDO, DÊ-NOS A GRAÇA! PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA, ESCREVA-NOS:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

  * “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar (Santo Antão, lembrado em 21 de outubro)

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível”.

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* “… A PAIXÃO VIVE; APENAS ESTÁ REPRIMIDA… ESTÁ APENAS PRESA… AS PAIXÕES VIVEM, APENAS SÃO REPRIMIDAS PELOS SANTOS (COM A GRAÇA DE DEUS!) …”.  SANTAS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS PARA QUE POSSAMOS REPRIMIR AS PAIXÕES. PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA DE REPRIMIR AS PAIXÕES” (SANTO ABRAÃO, ERMITÃO, 27 DE OUTUBRO), conforme páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

* “… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne … Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”:

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS!

JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS ENCHA E NOS UNA NO AMOR!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

SÃO JOSÉ, SANTAS, SANTOS E ANJOS, ROGUEM POR NÓS!

POR CRISTO, NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* Após Deus, o Pai amado, chamar minha amada esposa e companheira por 38 anos, 9 meses e oito dias, em 24.09.2017, descobri:

1. Posso comunicar com a minha Frô, pela ORAÇÃO;

2. Posso VER, ESCUTAR, SENTIR a FRÔ (transformada, sem dores, linda, maravilhosa) em meu ser;

3. Ela está vivendo nos braços de Deus (bondosos, vigorosos);

4. Um dia vamos estar juntos;

5. Quando Deus me chamar, quero levar coisas boas para o banquete celeste (amor a Deus e ao próximo).

Dê-nos essa Graça, Pai amado! Dê-nos A GRAÇA! AMÉM! Obrigado, Senhor, por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

================

* Ver o blog: https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.