Santas e Santos de 16 de janeiro (atualizado em 13.02.2022)

1.   Em Roma, no ce­mi­tério de Pris­cila, junto à Via Sa­lária Nova, o se­pul­ta­mento de São Mar­celo I, Marcelino I (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que, como re­fere São Dâ­maso, foi um ver­da­deiro pastor, fe­roz­mente hos­ti­li­zado pelos após­tatas que re­cu­savam aceitar a pe­ni­tência por ele es­ta­be­le­cida e, in­si­di­o­sa­mente de­nun­ciado pe­rante o ti­rano, foi ex­pulso da pá­tria e morreu no exílio. († 309). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, na Via Salária, no ano da graça de 309, o sepultamento de São Marcelo, papa, que se dedicou à reorganização de sua Igreja. destruída pela perseguição de Diocleciano. Certas medidas de perdão, tomadas em relação aos apóstatas, valeram-lhe a animosidade de alguns cristãos que o denunciaram ao imperador e o fizeram ser condenado a trabalhar como escravo em sua própria igreja, transformada em cocheira pública. (M). Ver páginas 403-404: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “Papa Marcelo I (em latimMarcellus) foi o trigésimo papa da Igreja, exercendo sua função de maio de 308 a 309, sucedendo ao Papa Marcelino, após uma considerável lacuna de tempo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Marcelo_I

2*.   Em Au­lona, no Ilí­rico, na ac­tual Al­bânia, São Da­nate, mártir. († data inc.)

3.   Em Ri­no­co­rura, no Egipto, São Melas, bispo, que, no tempo do im­pe­rador ariano Va­lente, de­pois de pa­decer o exílio pela sua fi­de­li­dade à ver­da­deira fé, des­cansou em paz. († c. 390). Ver páginas 405-406: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4.   Em Arles, na Pro­vença, re­gião da Gália, hoje na França, Santo Ho­no­rato, bispo, que fundou um cé­lebre mos­teiro na ilha de Lé­rins e de­pois aceitou o go­verno da Igreja de Arles. († 429).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 400, Santo Honorato, que instituiu em Lérins um monaquismo de inspiração oriental, no qual os principiantes eram formados em um mosteiro cenobítico, ao passo que os mais adiantados podiam levar uma vida semi-anacorética nas diversas celas espalhadas pela ilha. Foi chamado para dedicar os seus últimos dois anos de vida ao serviço da Igreja de Arles, da qual foi bispo.

– Ver páginas 401-402: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

“… HONORATUS era de família consular romana radicada na Gália, e era bem versado nas artes liberais. Em sua juventude, renunciou ao culto dos ídolos e ganhou para Cristo seu irmão mais velho Venâncio, a quem também inspirou com desprezo pelo mundo. Eles desejavam abandoná-lo inteiramente, mas seu pai colocou obstáculos contínuos em seu caminho. Por fim, levaram consigo São Caprásio, um santo eremita, para servir de instrutor, e navegaram de Marselha para a Grécia, pretendendo viver ali desconhecido em algum deserto.

Venâncio logo morreu em Modon; e Honorato, tendo também adoecido, foi obrigado a retornar com seu maestro. Ele primeiro levou uma vida eremítica nas montanhas perto de Fréjus. Duas pequenas ilhas ficam no mar perto daquela costa, uma maior e mais próxima do continente, chamada Lero, agora Santa Margarida; a outra menor e mais afastada, a duas léguas de Antibes, chamada Lérins, hoje Saint-Honorat, do nosso santo. Lá ele se estabeleceu; e sendo seguido por outros, fundou o famoso mosteiro de Lérins por volta do ano 400. Alguns ele designou para viver em comunidade; outros em celas separadas como âncoras. Seu governo foi emprestado principalmente do de São Pacômio. Nada pode ser mais atraente do que a descrição que Santo Hilário de Arles fez das virtudes desta companhia de santos,

Uma lenda encantadora, infelizmente de data muito posterior, conta como Margarida, irmã de Honorato, finalmente convertida do paganismo por suas orações, veio se estabelecer na outra ilha, Lero, para ficar perto de seu irmão. Com alguma relutância, foi induzido a prometer que a visitaria uma vez por ano, quando a mimosa estivesse em flor. Mas em uma ocasião Margaret em grande aflição de alma ansiava por sua orientação. Ainda faltavam dois meses para a hora marcada, mas ela caiu de joelhos e orou. De repente, todo o ar se encheu de um perfume inconfundível; ela olhou para cima e lá, bem perto dela, estava uma árvore mimosa coberta com sua flor perfumada. Ela arrancou um galho e o enviou ao irmão, que entendeu seu apelo e ternamente atendeu à convocação. Foi o último encontro deles, pois ela faleceu logo depois. Honorato foi por compulsão consagrado arcebispo de Arles em 426, e morreu exausto de austeridades e trabalhos apostólicos em 429. O estilo de suas cartas, então S.Hilário, seu sucessor, garante-nos, foi claro e comovente, escrito com admirável delicadeza, elegância e doçura. A perda de tudo isso é muito lamentável. Seu túmulo é mostrado vazio sob o altar-mor da igreja que leva seu nome em Arles, seu corpo foi trasladado para Lérins em 1391…

Santo Honorato nasceu em uma família galo-romana de nível consular. Ele era bem versado nas artes liberais. Ele se converteu do paganismo ao cristianismo em sua juventude e ganhou seu irmão mais velho, Venâncio, para Cristo. Os dois irmãos desejavam abandonar completamente o mundo; mas seu pai colocou tentações contínuas em seu caminho. Finalmente, eles conseguiram os serviços de São Caprásio , um santo eremita, que atuou como seu instrutor nos caminhos da santidade.
Os três navegaram de Marselha para a Grécia, com a intenção de morar lá em algum deserto desconhecido e aprender mais sobre o monaquismo. Venâncio morreu em Modon; Honorato também estava doente. Ele e seu mentor foram forçados a voltar para casa via Roma. Ele pretendia viver a vida de um eremita, mas Deus tinha outros planos para ele. No início, ele viveu como um perto de Fréjus. Duas pequenas ilhas ficavam ao largo da costa perto de Cannes: uma maior chamada Lero (agora St. Margaret’s); a outra, menor e mais afastada, chamada Lérins (agora Saint-Honorat).

… Por volta de 426-427, ele foi forçado a se tornar arcebispo da importante sé de Arles. No entanto, ele trabalha no campo que não queria durou menos de três anos. Honorato morreu exausto por suas austeridades e trabalhos apostólicos em 429. Seu parente Hilário, que o sucedeu como bispo de Arles, escreveu um panegírico de Santo Honorato que fala do esforço do santo para garantir que ninguém nesta comunidade da ilha fique desanimado, sobrecarregado ou ocioso; e ‘é espantoso quanto trabalho ele conseguiu por si mesmo, de saúde precária como ele era’. Muitos visitantes chegaram à ilha (incluindo São João Cassiano), e ninguém a deixou “sem uma mente perfeitamente despreocupada”. Honorato é um daqueles santos abençoadamente alegres (Attwater, Benedictines, Encyclopedia, Hoare, Walsh) …”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJanuary16.html

5*.   Em Mou­tiers, na Gália Vi­e­nense, ac­tu­al­mente também na França, São Tiago, bispo, dis­cí­pulo de Santo Ho­no­rato de Lérins. († s. V)

6.   Em Oderzo, hoje no Vé­neto, na re­gião da Itália, São Ti­ciano, bispo. († s. V)

7*.   Em Tours, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, a co­me­mo­ração de São Le­o­bácio, abade, que de­sig­nado pelo seu mestre Santo Urso como su­pe­rior do mos­teiro de Sen­nevière, viveu em ad­mi­rável san­ti­dade até avan­çada idade. († s. V)

8*.   Em Dombes, também na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, São Tre­vério, pres­bí­tero, monge e fi­nal­mente eremita. († c. 550)

9*.   Em Mé­ze­rolles, junto ao rio Authie, na Gália, ac­tu­al­mente também na França, São Furseu, que foi abade na Ir­landa, de­pois na In­gla­terra, fi­nal­mente na Gália, onde fundou a abadia de Lagny. († c. 650). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no meio do séc. VII, São Fúrsio, monge irlandês, que depois de ter fundado o mosteiro de Burgcastle no condado de Suffolk, construiu um outro em Lagny-en-Brie, na Île-de-France.(M)

10*.   Em Bagno di Ro­magna, na ac­tual Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, Santa Joana, virgem, que, re­ce­bida na Ordem Ca­mal­du­lense, res­plan­deceu sin­gu­lar­mente pela sua obe­di­ência e humildade. († 1105)

11.   Em Mar­ra­kech, ci­dade da Mau­ri­tânia, hoje em Mar­rocos, a paixão dos santos már­tires Be­rardo ou Beraldo (também na Folhinha do Coração de Jesus), Otão, Pedro, pres­bí­teros, Acúrsio e Ad­juto, re­li­gi­osos da Ordem dos Me­nores, que, en­vi­ados por São Fran­cisco para anun­ciar aos mu­çul­manos o Evan­gelho de Cristo, foram pri­mei­ra­mente presos em Se­vilha e le­vados para Mar­rocos, onde con­su­maram o mar­tírio, mortos ao fio da es­pada pelo prín­cipe mouro. († 1226).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1226 a morte dos Cinco Primeiros Mártires Franciscanos, enviados pelo próprio São Francisco a pregar a fé no Marrocos muçulmano. (M). Ver página 411: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

–  Ver “Os Mártires de Marrocos foram missionários da Ordem dos Frades Menores martirizados no Norte da África em 1220… Em 1219Francisco de Assis enviou em missão para o Marrocos seis frades menores, de nomes Vital, Berardo, Otão (sacerdotes), Pedro (diácono), Acúrsio e Adjuto (leigos)… A Igreja dos Santos Mártires, em Marraquexe, foi-lhes dedicada em 1929.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Mártires_de_Marrocos

12.   Em Kandy, no Ceilão, ac­tual Sri Lanka, ilha do Oceano Ín­dico, São José Vaz, pres­bí­tero da Con­gre­gação do Ora­tório, que, sendo na­tural de Goa, partiu em missão para aquela terra e, per­cor­rendo com ad­mi­rável ardor os agrestes ca­mi­nhos ru­rais onde os ca­tó­licos per­ma­ne­ciam clan­des­tinos e dis­persos, in­can­sa­vel­mente os con­firmou na fé, pre­gando com grande zelo apos­tó­lico o Evan­gelho da salvação. († 1711).

– Ver “São José Vaz (EnglishSaint Joseph VazKonkaniBhagivont Zuze Vaz; em cingalês: ශාන්ත ජුසේ වාස් පියතුමා Santha Juse Vaz Piyathuma; em tâmil: புனித ஜோசப் வாஸ்) C.O. (GoaEstado Português da Índia21 de abril de 1651 — KandySri Lanka16 de janeiro de 1711) foi um missionário conhecido como o Apóstolo do Sri Lanka, onde atuou desde 1687 até o fim de sua vida em 1711. Dedicou-se principalmente a cuidar dos enfermos, enfrentando a resistência dos holandeses calvinistas, colonizadores do então Ceilão.[1] Foi canonizado pelo Papa Francisco no dia 14 de janeiro de 2015, em uma cerimônia realizada na cidade de Colombo, no Sri Lanka.[2] ”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/José_Vaz_(padre)

13*.   Em Bréscia, na Itália, o Beato José An­tónio Tovíni, que, sendo pro­fessor, fundou muitas es­colas cristãs e edi­ficou nu­me­rosas obras pú­blicas, dando sempre, nas suas ac­ti­vi­dades, o tes­te­munho da sua oração e das suas virtudes. († 1897)

14*.   Em Va­lência, na Es­panha, a Beata Joana Maria Con­desa Lluch, virgem, que tra­ba­lhou com grande di­li­gência, hu­mil­dade, amor, ca­ri­dade e sa­cri­fício, para ajudar os po­bres, as cri­anças e as jo­vens ope­rá­rias, fun­dando com essa fi­na­li­dade a Con­gre­gação das Es­cravas da Ima­cu­lada Con­ceição, Pro­tec­toras das Operárias. († 1916)

15. São Miquéias (também, em 15 de janeiro, na Folhinha do Coração de Jesus).

No Martirológio Romano-Monástico, dia 16 de janeiro. No séc. VII antes de Cristo, o Profeta Miquéias. Aos distúrbios que causaram a ruína da Samaria em 721, ele havia oposto vigorosamente o ideal da Aliança, que consistia em “cumprir a justiça, amar fielmente e caminhar humildemente diante de Deus”. Ele predisse o nascimento, em Belém-Éfrata, do Rei Pacífico que apascentaria o rebanho do Senhor (M).

16. Em Roma, Santa Priscila (também na Folhinha do Coração de Jesus), que se consagrou, assim como os bens, ao serviço dos mártires. Dama romana, está ligada à mais antiga e interessante das catacumbas. Crê-se que o apóstolo São Pedro viveu numa vila que era de propriedade da nobre santa, na via Salária, então centro de atividade apostólica do primeiro papa. Conforme pág 413: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “É tentador saber tão pouco de Santa Priscila, que é comemorada no Martirológio Romano neste dia e que deu seu nome como fundadora daquela que é provavelmente a mais antiga e interessante das catacumbas. Ela parece ter sido a esposa de Manius Acilius Glabrio, que, como aprendemos com os historiadores pagãos Suetônio e Dion Cassius, foi condenado à morte por Domiciano sob o pretexto de algum crime de sedição ou impiedade blasfema, sob cuja acusação talvez possamos reconhecer uma conversão ao cristianismo. É provável que Santa Priscila fosse a mãe do senador São Pudens e, por meio dele, a ancestral das SS. Praxedis e Pudentiana. Acredita-se que São Pedro, o apóstolo, tenha usado uma vila pertencente a Santa Priscila na Via Salaria, sob a qual a catacumba foi posteriormente escavada, como sede de suas atividades em Roma. Não há dúvida de que os Acilii Glabriones estavam intimamente ligados a este local, e que muitos da família nos séculos II e III eram cristãos e foram enterrados nas catacumbas. Ver De Rossi in Bullettino di archeologia cristiana, 1888-1889, pp. 15 e 103; Marucchi in Nuovo boletim… vol. viii (1902), pp. 217-232 H. Leclercq em DAC., sv “ Glabrion”, vol. vi, cc. 1259-1274…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJanuary16.html

17. Santo Honorato, abade e confessor. Ver “… Honorato era filho dum rendeiro do senador Venâncio; desde menino, entrou a viver numa abstinência que desejava ardorosamente perpétua… Honorato erigiu um mosteiro em Fondi, território que estava encravado entre Roma e Nápoles. Abade do mosteiro, teve sob sua direção perto de duzentos religiosos, aos quais encaminhou, paternalmente, nas vias da perfeição evangélica. Quando faleceu, em 550, em Totila, muitos milagres foram obrados por Deus. O mais importante deles é o que se liga à ressurreição dum menino…” às páginas 407-408: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

18. Santo Henrique, ermitão. Ver páginas 409-410: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver “… Santo Henrique de Cocket,eremita, dinamarquês, dons de profecia, telecinese ler almas… Nascido na Dinamarca; morreu em 1127. O dinamarquês Henry foi para o exterior porque queria viver como um eremita. Se ele tivesse permanecido em casa, ele teria o dever de se casar. Ele se estabeleceu em Cocket Island, ao largo da costa de Northumberland, sob a obediência dos monges de Tynemouth, casa filha de Saint Alban, a quem a ilha pertencia. Nesta mesma ilha, São Cuthbert costumava encontrar Santa Elfleda, abadessa de Whitby. Henry viveu a vida típica de um eremita: jardinagem para fornecer sua própria comida e praticar austeridades. Depois de muitos anos na ilha, um grupo de dinamarqueses tentou convencê-lo a retornar à Dinamarca. Havia muitos lugares adequados em sua terra natal onde ele poderia praticar sua vida eremítica. Mas depois de uma noite de oração em que Henrique experimentou uma locução do corpus na cruz, ele decidiu ficar onde estava.
A palavra de sua santidade se espalhou. Mais e mais visitantes afluíam à ilha, atraídos por seus dons especiais de profecia, telecinese e leitura de almas. Um exemplo interessante do último: Ele reprovou e puniu um homem que recusou relações sexuais com sua esposa durante a Quaresma, embora o homem não tenha confessado.
Quando Henrique adoeceu e seu estado continuou a se deteriorar devido à falta de cuidados, ele ficou cada vez mais alegre e suportou seu sofrimento sozinho. Finalmente, ele tocou a campainha de seu eremita pedindo ajuda. Quando a ajuda chegou, Henry estava morto, segurando a corda do sino em uma mão e uma vela na outra. Apesar da forte resistência dos ilhéus, que queriam manter seu santo, os monges de Tynemouth levaram seu corpo de volta ao mosteiro e o enterraram no santuário, perto de seu padroeiro São Oswin. Não há referência inicial ao seu culto, mas seu nome pode ser encontrado em martirologias posteriores (Benedictines, Encyclopedia, Farmer)…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJanuary16.html

19. Outras santas/os do dia 16 de janeiro, págs. 401-413: 

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume I – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

 * “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 16 de janeiro, ver também: 16 de janeiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Todas da internet, foram consultadas no dia de hoje)

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 135-137: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJanuary16.html

(este site mostra os santos do dia, em inglês. Tradução Google)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEM DADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, SAMTAS/OS E ANJOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

* PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS, AMADO PAI, CORAGEM DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES SEDUTORAS, DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS A DOCILIDADE DAS OVELHAS! SOBRETUDO, DÊ-NOS A GRAÇA! PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA, ESCREVA-NOS:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

  * “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar (Santo Antão, lembrado em 21 de outubro)

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível”.

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* “… A PAIXÃO VIVE; APENAS ESTÁ REPRIMIDA… ESTÁ APENAS PRESA… AS PAIXÕES VIVEM, APENAS SÃO REPRIMIDAS PELOS SANTOS (COM A GRAÇA DE DEUS!) …”.  SANTAS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS PARA QUE POSSAMOS REPRIMIR AS PAIXÕES. PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA DE REPRIMIR AS PAIXÕES” (SANTO ABRAÃO, ERMITÃO, 27 DE OUTUBRO), conforme páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

* “… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne … Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”:

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS!

JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS ENCHA E NOS UNA NO AMOR!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

SÃO JOSÉ, SANTAS, SANTOS E ANJOS, ROGUEM POR NÓS!

POR CRISTO, NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* Após Deus, o Pai amado, chamar minha amada esposa e companheira por 38 anos, 9 meses e oito dias, em 24.09.2017, descobri:

1. Posso comunicar com a minha Frô, pela ORAÇÃO;

2. Posso VER, ESCUTAR, SENTIR a FRÔ (transformada, sem dores, linda, maravilhosa) em meu ser;

3. Ela está vivendo nos braços de Deus (bondosos, vigorosos);

4. Um dia vamos estar juntos;

5. Quando Deus me chamar, quero levar coisas boas para o banquete celeste (amor a Deus e ao próximo).

Dê-nos essa Graça, Pai amado! Dê-nos A GRAÇA! AMÉM! Obrigado, Senhor, por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

================

* Ver o blog: https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.