Santas e Santos de 16 de fevereiro (atualizado em 01.03.2022)

1.   Na Cam­pânia, re­gião da Itália, Santa Ju­liana, virgem e mártir. († data inc.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Nicomédia, perto de 305, Santa Juliana, virgem e mártir. A seu noivo, que presidia o tribunal em nome e sob a pressão da autoridade imperial, ela respondeu: “Se você teme um imperador mortal, quanto mais devo eu temer o meu imperador, que é imortal!”. (M).

Ver também págs. 287-289: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

2.   Em Ce­sa­reia da Pa­les­tina, os santos már­tires Elias, Je­re­mias, Isaías, Sa­muel e Da­niel (também na Folhinha do Coração de Jesus), cris­tãos egíp­cios, que, por terem es­pon­ta­ne­a­mente aju­dado os con­fes­sores da fé con­de­nados às minas na Ci­lícia, foram presos pelo pre­feito Fir­mi­liano, no tempo do im­pe­rador Ga­lério Ma­xi­mi­liano, e, de­pois de cru­de­lís­simas tor­turas, pe­re­ceram ao fio da es­pada. De­pois deles re­ce­beram também a coroa do mar­tírio Pân­filo, pres­bí­tero, Va­lente, diá­cono de Je­ru­salém, e Paulo, oriundo da ci­dade de Jâmnia, que ti­nham pas­sado dois anos no cár­cere; e ainda Por­fírio, servo de Pân­filo, Se­leuco da Ca­pa­dócia, gra­duado no exér­cito, Teó­dulo, an­cião da fa­mília do pre­feito Fir­mi­liano, e fi­nal­mente Ju­lião da Ca­pa­dócia, que, che­gando ali na­quele mo­mento, beijou os corpos dos már­tires e, assim de­nun­ciado como cristão, foi man­dado queimar a fogo lento pelo prefeito. († 309).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cesaréia da Palestina, os mártires Santos Elias, Jeremias, Isaías, Samuel e Daniel e mais sete outros cristãos egípcios, decapitados por ordem do imperador Maximiano Galero, quando estavam visitando seus irmãos na fé condenados a trabalhos forçados. (M).

No mesmo dia, em Cesaréia da Palestina, os santos mártires eqípcios Elias, Jeremias, Isaías, Samuel e Daniel. Espontaneamente devotados ao serviço dos confessores então condenados na Cilícia, foram aprisionados e cruelmente torturados. Era sob o prefeito Firmiliano, quando dos imperadores Galério e Maximiano. Como os nomes que lhes haviam dado os pais eram pagãos, quando interrogados resolveram adotar os dos profetas, citando-os, ao inquiridor. Condenados a morrer pela espada, deixaram o mundo em 309. Pouco depois, outros dois, São Porfírio, servidor do mártir Pânfilo, e São Seleuco da Capadócia, desapareciam sob torturas, um pelo fogo, o outro pelo gládio. Conf. pág. 292:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também “… SS. ELIAS, JEREMY E SEUS COMPANHEIROS, MÁRTIRES
No ano de 309, quando os imperadores Galério Maximiano e Máximo continuavam a perseguição iniciada por Diocleciano, cinco egípcios foram visitar os confessores condenados às minas da Cilícia e, na viagem de volta, foram detidos pelos guardas das portas de Cesaréia em Palestina. Eles prontamente se declararam cristãos e reconheceram o motivo de sua jornada. Então eles foram presos, e no dia seguinte, juntamente com São Pânfilo e outros, foram levados perante o governador Firmiliano. O juiz, como era seu costume, ordenou que os cinco egípcios fossem esticados na grade antes de iniciar seu exame. Depois de terem sofrido todo tipo de tortura, dirigiu-se àquele que parecia ser seu chefe e perguntou-lhe seu nome e seu país. O mártir, usando os nomes que haviam tomado na conversão, disse que se chamava Elias e que seus companheiros eram Jeremias, Isaías, Samuel e Daniel. Firmilian perguntou-lhe o país deles, e Elias respondeu que era Jerusalém – significando a Jerusalém celestial, o verdadeiro país de todos os cristãos. Elias foi então torturado novamente, seu corpo foi açoitado enquanto suas mãos estavam amarradas atrás dele, e seus pés espremidos em troncos de madeira. O juiz então ordenou que eles fossem decapitados, e sua ordem foi imediatamente cumprida. seu corpo sendo açoitado enquanto suas mãos estavam amarradas atrás dele, e seus pés espremidos em troncos de madeira. O juiz então ordenou que eles fossem decapitados, e sua ordem foi imediatamente cumprida. 

Porfírio, um jovem que era servo de São Pânfilo e que ouviu a sentença proferida, exclamou que não deveria ser negado o enterro. Firmilian, indignado com essa ousadia, mandou prendê-lo e, descobrindo que era cristão e que se recusava a sacrificar, ordenou que seus flancos fossem tão cruelmente dilacerados que seus próprios ossos e entranhas ficaram expostos. Ele passou por isso sem um suspiro ou um gemido. O tirano então deu ordens para que um grande fogo fosse aceso com um espaço vago no meio no qual o mártir deveria ser colocado quando removido da cremalheira. Isso foi feito de acordo, e ele ficou ali um tempo considerável, cercado pelas chamas, cantando louvores a Deus e invocando o nome de Jesus até que finalmente alcançou um martírio lento, mas glorioso. Seleuco, testemunha ocular desta vitória, foi ouvido pelos soldados aplaudindo a constância do mártir. Eles que sem mais delongas mandaram decapitar sua cabeça.

Esta história é de grande interesse para todos os que se preocupam com a hagiografia cristã, pois é o relato de Eusébio, o pai da história da Igreja, que não apenas vivia em Cesaréia na época, mas era amigo íntimo do Santo Padre. Pamphilus aqui nomeado, o principal mártir que sofreu na mesma ocasião. Para marcar sua devoção ao amigo, o historiador gostava de se autodenominar “Eusébio (o discípulo) de Pânfilo”. São Pânfilo, no entanto, é comemorado separadamente em 1º de junho (ver 01 de junho) e voltará a nós nessa data. O texto grego de Eusébio, com uma tradução francesa en face, pode ser convenientemente consultado na edição de E. Grapin (vol. iii, pp. 259-283), fazendo parte da série deTextes et documents pour l’étude historique die Christianisme. Forma o décimo primeiro capítulo do Livro sobre os Mártires da Palestina, do qual há uma versão em inglês, com a História Eclesiástica, de HJ Lawlor e JEL Oulton (1929).

Ele e quatro companheiros, EliasIsaíasJeremias e Samuel eram egípcios que visitavam cristãos condenados a trabalhar nas minas da Cilícia durante a perseguição de Galério Maximino, para consolá-los. Presos às portas de Cesaréia, na Palestina, foram levados perante o governador Firmiliano e acusados ​​de serem Cristinas. Todos foram torturados e depois decapitados. Quando Porfírio, servo de São Pânfilo Seleuco presenciou sua morte e aplaudiu sua constância diante de sua terrível morte, então foi preso pelos soldados envolvidos na execução, levado perante o governador e decapitado por ordem de Firmilian.

Elias, Jeremy, Isaias, Samuel e Daniel MM (RM), nascidos no Egito; morreram em Cesareia Marítima em 309. O historiador da igreja Eusébio, que na época morava em Cesareia, registrou a acta desses santos. Por bondade cristã, esses cinco egípcios visitaram e trouxeram socorro a alguns de seus irmãos que foram condenados a trabalhar nas minas da Cilícia durante o reinado de Galério Maximino. Ao voltarem para casa, Elias e seus quatro companheiros foram parados nos portões de Cesaréia, Palestina e interrogados. Eles deram como seus nomes os dos profetas e sua cidade como Jerusalém (que significa a cidade celestial). Eles foram levados ao governador, Firmilian, em um esforço para extrair informações mais precisas. Eles permaneceram mudos, foram acusados ​​de serem cristãos, torturados e depois decapitados. 
Os Santos Mártires Pamphilius, o PresbíteroValente, o Diácono , Paulo , Porfírio , Selêucio , Teódulo , Juliano , Samuel , Elias , Daniel , Jeremias e Isaías sofreram durante a perseguição contra os cristãos, iniciada pelo imperador Diocleciano nos anos 308-309 em Cesaréia na Palestina.
O santo mártir Pamphilius , natural da cidade de Beirute, foi educado em Alexandria, depois do que foi feito sacerdote em Cesareia. Ele dedicou muito trabalho para reunir manuscritos e corrigir erros de copistas nos textos do Novo Testamento. Os textos corrigidos de São Panfílio foram copiados e distribuídos a quem os quisesse. Muitos pagãos foram convertidos a Cristo através deles.
Suas obras e assuntos relacionados em Cesaréia foram reunidos na extensa biblioteca de livros espirituais disponíveis para a iluminação dos cristãos. São Jerônimo (séculos 4-5) respeitava profundamente São Pamphilius e se considerava afortunado por ter localizado e adquirido vários de seus manuscritos. Auxiliando ativamente São Panfílio na proclamação da fé em Cristo estavam São Valente, diácono da igreja de Eleia, homem encurvado pela idade e bem versado nas Sagradas Escrituras, e São Paulo, ardente na fé e no amor a Cristo Salvador. Todos os três foram presos por dois anos por Urban, o governador da Palestina Cesareia.
Durante o governo de seu sucessor Firmiliano, 130 cristãos foram condenados no Egito e enviados à Cilícia (Ásia Menor) para trabalhar nas minas de ouro. Cinco jovens irmãos os acompanharam ao local do exílio. Em seu retorno ao Egito, eles foram detidos em Cesaréia e lançados na prisão por confessarem a Cristo. 
Os jovens compareceram perante Firmilian, juntamente com os presos anteriores: Santos Pamphilius, Valens e Paul. Os cinco jovens egípcios levaram os nomes dos profetas do Antigo Testamento, EliasJeremias , Isaías , Samuel e Daniel. Questionados de onde eram, os jovens responderam que eram cidadãos de Jerusalém, ou seja, a Jerusalém celestial. Firmiliano não conhecia tal cidade, pois Jerusalém havia sido arrasada pelo imperador Tito no ano 70. O imperador Adriano (117-138) construiu uma nova cidade no local, que se chamava Aelia Capitolina.

Firmilian torturou os jovens por muito tempo. Ele procurou saber a localização da cidade desconhecida e procurou persuadir os jovens a apostatar. Mas nada foi feito, e o governador ordenou que fossem decapitados à espada com PanfílioValente e Paulo . 
Antes que isso ocorresse, um servo de Pamphilius suportou sofrimento. Este era o jovem Porfírio , de dezoito anos , manso e humilde. Ele havia ouvido a sentença de morte para os mártires condenados e pediu permissão ao governador para enterrar os corpos após a execução. Por isso ele foi condenado à morte e lançado no fogo.

Testemunha dessa execução, o piedoso cristão Selêucio , ex-soldado, saudando os feitos dos sofredores, foi a Panfílio e lhe contou sobre a morte martírica de São Porfírio. Ele foi capturado por soldados e, por ordem de Firmilian, foi decapitado à espada junto com os condenados. 
Um dos servos do governador, Theodulus , homem de idade venerável e cristão secreto, encontrou os mártires sendo levados à execução, abraçou-os e pediu-lhes que rezassem por ele. Ele foi levado por soldados para Firmilian, sob cujas ordens foi crucificado.
O jovem Juliano, natural da Capadócia que tinha vindo para Cesaréia, viu os corpos dos santos que foram lançados às feras sem sepultura. Julian se ajoelhou e venerou os corpos dos sofredores. Soldados que estavam junto ao muro o agarraram e o levaram ao governador, que o condenou à fogueira. Os corpos de todos os doze mártires permaneceram insepultos por quatro dias, mas nem animais nem pássaros os tocaram. 

Constrangidos com esta situação, os pagãos permitiram que os cristãos levassem os corpos dos mártires e os enterrassem…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayFebruary16.html

3.   No reino da an­tiga Pérsia, São Ma­ruta, bispo, que, de­pois de res­ta­be­le­cida a paz na Igreja, pre­sidiu ao Con­cílio de Se­lêucia, res­taurou as Igrejas de Deus ar­rui­nadas na per­se­guição do rei Sapor e co­locou as re­lí­quias dos már­tires da Pérsia na ci­dade epis­copal, de­pois cha­mada Martirópolis. († a.420)

4*.   Em Borgo San Pi­etro, nos Abruzos, re­gião da Itália, a Beata Fi­lipa Maréri, virgem, que, des­pre­zando as ri­quezas e faustos do mundo, abraçou a forma de vida de Santa Clara, re­cen­te­mente es­ta­be­le­cida na sua terra. († 1236).

Bem-Aventurada Filipa Mareria, virgem. A bem-aventurada Filipa Mareria foi a primeira clarissa honrada com um culto público, permissão esta outorgada por Pio VII aos irmãos menores da observância. Sua história é contada às págs. 290-292:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também “Filipa Mareri, em italiano Filippa Mareri (Petrella Salto, c. 1195 — Assis16 de fevereiro de 1236) foi uma religiosa italiana, fundadora do mosteiro das clarissas de Borgo San Pietro (Irmãs franciscanas de Santa Filipa Mareri)[1]. O seu santuário e sua estátua estão localizados em Petrella Salto.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Filipa_Mareri

– Ver também “… BD PHILIPPA MARERI, VIRGEM. Coisas maravilhosas, das quais se gostaria de ter melhores evidências, são relatadas como anunciando a entrada neste mundo de Philippa Mareri. Coisas maravilhosas também são contadas sobre sua beleza de traços, sua gravidade sobrenatural e seu aprendizado precoce na infância. Ela nasceu no final do século XII em Cicoli, na diocese de Rieti, e a família à qual pertencia eram os principais proprietários de terras naquele distrito dos Abruzos.

Seu pai e sua mãe eram cristãos devotos, e São Francisco de Assis, dizem-nos, foi mais de uma vez recebido em sua casa quando pregava na vizinhança. Dele Filipa absorveu o desejo de almejar a união completa com a vida sofredora de Cristo nosso Senhor. Quando seus pais estavam ansiosos para arranjar um casamento para ela, ela resistiu à proposta com todas as suas forças, cortou o cabelo curto, vestiu as roupas menos atraentes e se trancou em um canto da casa onde ela estava escondida dos olhos de todo. Seu irmão Thomas ficou furioso com essa conduta e fez o possível para quebrar sua resolução; mas o único resultado de sua importunação foi que ela finalmente fugiu de casa, e com alguns companheiros que ela havia conquistado para o mesmo modo de pensar partiu para levar uma vida de anacoreta no monte Marério. Lá, dizem – mas a evidência de tudo isso parece longe de ser satisfatória – eles conseguiram construir um recinto murado com algumas cabanas dentro e se entregaram inteiramente à devoção religiosa e à penitência.

A determinação assim demonstrada teve o melhor efeito sobre seu irmão Thomas. Tocado pela graça, veio agora pedir perdão à irmã. Além disso, ofereceu-lhe um local de aposentadoria mais adequado perto de uma igreja em uma propriedade que lhe pertencia. Uma casa religiosa abandonada foi reformada e adaptada às suas necessidades, enquanto um frade que havia se tornado recentemente discípulo de São Francisco e que agora é venerado como Bd Roger de Todi, foi encarregado da direção espiritual da comunidade. Outras almas fervorosas se juntaram a eles, uma regra semelhante à de Santa Clara foi adotada e Filipa foi eleita abadessa. A mais estrita pobreza foi mantida, e mais de uma vez as irmãs pareciam em perigo de morrer de fome se não fosse por alguma intervenção sobrenatural ligada à multiplicação dos pães e peixes de nosso Salvador. O favor de Deus também foi demonstrado por outros incidentes milagrosos; mas as freiras não tiveram muito tempo para desfrutar da companhia de sua fundadora.   Em 1236 ela foi acometida de uma doença dolorosa, e sabendo que o tempo de sua partida estava próxima, ela reuniu seus filhos espirituais em torno de si e se despediu deles comovente, exortando-os antes de tudo a manter a paz entre si. Ela faleceu em 13 de fevereiro de 1236. Bd Roger pregou em seu funeral e não fez segredo de sua convicção de que sua alma já estava em êxtase.

Ver Mazzara, Leggendario Francescano (1676), vol. i, pp. 233-235 Leon, L’Auréole Séraphique (Eng. trad.), vol. i e Constantini, Vita e miracoli della b. Philippa Mareri…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayFebruary16.html

5*.   Em Pe­rúgia, ci­dade da Úm­bria, também na Itália, o Beato Ni­colau Páglia, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que re­cebeu de São Do­mingos o há­bito e o mi­nis­tério da pregação. († 1256)

6.     Em Hi­roshima, no Japão, o Beato Fran­cisco Toyama Jintaró, mártir. († 1624)

7.   Em Ná­poles, ci­dade da Câm­pânia, re­gião da Itália, o Beato Ma­riano Aciero, pres­bí­tero, que, do­tado de pro­funda cul­tura te­o­ló­gica, bí­blica e hu­ma­nís­tica, se de­dicou com grande zelo apos­tó­lico à evan­ge­li­zação deste ter­ri­tório pela pre­gação as­sídua e pelo en­sino fre­quente das cri­anças e dos adultos po­bres, e con­tri­buiu efi­caz­mente para a re­no­vação e dig­ni­dade do clero. († 1788)

8*.   Em Turim, também na Itália, o Beato José Allamano, pres­bí­tero, que, ani­mado pelo zelo in­can­sável, fundou as duas Con­gre­ga­ções das Mis­sões da Con­so­lata, uma fe­mi­nina e outra mas­cu­lina, para a pro­pa­gação da fé. († 1926)

9. Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 16 de fevereiro, no fim do primeiro século, Santo Onésimo (comemorado dia 15 de fevereiro no Martirológio Italiano). Escravo de um cristão de Colossos chamado Filêmon, foi conquistado para Cristo por São Paulo que o batizou. (M).

– Ver páginas 283-286: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

Ver também “Onésimo de Bizâncio (em grego: Ὀνήσιμος, que significa “útil”) foi um escravo romano de Filémon, um cristão. Ele também é considerado como sendo o bispo de Bizâncio entre 54 e 68[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/On%C3%A9simo_de_Biz%C3%A2ncio

– Em 15 de fevereiro, co­me­mo­ração de Santo Oné­simo, que o após­tolo São Paulo re­cebeu como es­cravo fu­gi­tivo e na prisão o gerou como filho na fé de Cristo, como o Após­tolo es­creveu ao seu amo Filémon.

10. Em Sem­pringham, na In­gla­terra, São Gil­berto (memória dia 04 de fevereiro no Martirológio Italiano e no Martirológio Romano-Monástico. Na Folhinha do Coração de Jesus é dia 16 de fevereiro), pres­bí­tero, que, com a apro­vação do papa Eu­génio III, fundou uma Ordem mo­nás­tica com dupla ob­ser­vância, a saber, a Regra de São Bento para as monjas e a Regra de Santo Agos­tinho para os clérigos. († 1189).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 04 de fevereiro, na Inglaterra, no ano do Senhor de 1190, São Gilberto, sacerdote fundador dos cônegos regulares de Semprimgham. Tinha laços de amizade com São Bernardo e com São Tomás Becket. (M).

– Ver página 425: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também: https://comeceodiafeliz.com.br/santo/sao-gilberto-de-sempringham

11. Bem-aventurado Bernardo de Corleone, irmão leigo franciscano. Conf. págs. 280-282: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver em 12 de janeiro: Em Pa­lermo, na Si­cília, re­gião da Itália, São Ber­nardo de Corleone (também na Folhinha do Coração de Jesus), da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos, in­signe pela sua ad­mi­rável ca­ri­dade e penitência. († 1667)

– Ver “SANTO DO DIA 12 de Janeiro dia de São Bernardo”: https://rainhadosceus.com.br/santo-do-dia-12-de-janeiro-bernardo-de-corleone/ e https://www.youtube.com/watch?v=fM8Fryr7EIc&feature=emb_logo

12. Beato Simão de Cássia (agostiniano).

Pertencente à família Fidati (ele também é conhecido como Simão de Fidati), o beato Simão nasceu em Cássia, Itália, em fins do século XIII, ao redor do ano 1295. Depois de um breve interesse pela lieratura profana (ciências naturais) seu interesse e energia migraram para assuntos puramente religiosos e espirituais. Ele vestiu o hábito agostiniano quando era ainda muito jovem.

Durante toda sua vida se consagrou à pregação, especialmente em terra toscana. Censor franco e impetuoso de pecados habituais, sua severidade também se estendia a quantos buscavam sua companhia ou sua amizade, a quem às vezes tratava com aspereza. Apesar disto, sua palavra, cheia de ardor e paixão, fascinava sempre seus ouvintes.

            Simão foi também muito apreciado como escritor, ocupação que lhe tomava grande parte das noites, segundo o testemunho de frei João de Salerno que viveu a seu lado aproximadamente dezessete anos. Na mais popular de suas obras, intitulada “A Ordem da vida Cristã “, nas origens do italiano vulgar, faz uma vigorosa chamada ao seguimento e imitação de Cristo, um ideal proposto amplamente em sua obra-prima “O Serviço de Nosso Salvador”.

            A propósito desta última obra, conta-se como em uma ocasião, enquanto projetava a conveniência e modo de redigi-la, ter-lhe-ia aparecido o Senhor sob a aparência de um jovem que o convidava a beber do cálice que levava em suas mãos. Simão provou-o e “a doçura desta bebida lhe ficou gravado durante o resto de sua existência, fazendo que lhe parecesse insípido qualquer outro alimento; e em seguida começou a escrever a referida vida do Salvador”.

            Especial menção merece também seu “Epistolário” (uma coleção de aproximadamente 50 de suas cartas, epístolas), já que é precisamente em suas cartas onde se documenta a atividade de Simão como diretor espiritual em contato com pessoas de todo tipo e categoria social.

            Como pregador e como escritor influiu notavelmente na vida pública de seu tempo, apesar de seu viver esquivo, como o contínuo desejo de solidão, dedicado preferencialmente à oração e ao estudo. Nesta linha explica-se sua total recusa a qualquer cargo de governo.

            Simão de Cássia tinha uma devoção especial pela humanidade de Jesus que, para ele, era a chave da vida Cristã. Tal devoção estava enraizada no contexto da tradição Agostiniana da “Teologia do Coração”, ponto central do amor de Deus.

            O sucesso nunca tomou conta de sua vida e Simão manteve-se fiel à sua vocação. Ele vivia a caridade cristã, a obediência à Ordem e o senso de comunidade e amor fraterno como os mais importantes valores da vida religiosa e comunitária.

Vítima da “grande peste” que assolou a Europa, morreu em 1348. Seus restos não tardaram em ser trasladados ao templo de Santo Agostinho de Cássia, e dali, em 1810, à igreja da beata Rita, onde hoje repousam na cripta da basílica da Santa.

O culto com o qual o povo manteve viva sua memória recebeu a aprovação em 1833. Conforme: http://www.santarita-oar.org.br/index.php/calendarios/devocional/137-calendarios/calendario-devocional-oar/1721-16-de-fevereiro-beato-simao-de-cassia

13. São Gregório X, Papa. Ver páginas 267-279: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver 10 de janeiro: Em Arezzo, na Etrúria, ac­tu­al­mente na Tos­cana, re­gião da Itália, o pas­sa­mento do Beato Gre­gório X (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que, sendo ar­ce­diago de Liège, foi eleito para a ca­deira de Pedro: fa­vo­receu de todos os modos a co­mu­nhão com os Gregos e, para pro­mover a con­ci­li­ação entre os cris­tãos e re­cu­perar a Terra Santa, con­vocou o se­gundo Con­cílio Ecu­mé­nico de Lião. († 1276). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Toscana, o Bem-Aventurado Gregório X. Natural de Piacenza, era arcebispo de Liège quando foi eleito papa. Convocou o II Concílio Ecumênico de Lião, que recebeu os gregos na unidade da fé, trabalhou pela entre os cristãos e pela reconquista da Terra Santa. (M). Ver páginas 294-296: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver  “Beato Gregório X, nascido Teobaldo ViscontiOCist (Placência1210 — Arezzo10 de Janeiro de 1276) foi Papa entre 1271 e 1276. O conclave que o elegeu foi o mais longo da história da Igreja, durando quase três anos.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Gregório_X

14. Outras santas e santos do dia 16 de fevereiro, páginas 267-293: VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

 * “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 16 de fevereiro, ver também: 16 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Todas da internet, foram consultadas no dia de hoje)

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 205-207: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayFebruary16.html

(este site mostra os santos do dia, em inglês. Tradução Google)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEM DADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, SANTAS/OS E ANJOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

* PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS, AMADO PAI, CORAGEM DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES SEDUTORAS, DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS A DOCILIDADE DAS OVELHAS! SOBRETUDO, DÊ-NOS A GRAÇA! PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA, ESCREVA-NOS:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

  * “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar (Santo Agatão, lembrado em 21 de outubro)

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu só lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível”.

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…” Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* “… A PAIXÃO VIVE; APENAS ESTÁ REPRIMIDA… ESTÁ APENAS PRESA… AS PAIXÕES VIVEM, APENAS SÃO REPRIMIDAS PELOS SANTOS (COM A GRAÇA DE DEUS!) …”.  SANTAS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS PARA QUE POSSAMOS REPRIMIR AS PAIXÕES. PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA DE REPRIMIR AS PAIXÕES. Santo Abraão, rogue por nós! Amém!” (SANTO ABRAÃO, ERMITÃO, 27 DE OUTUBRO), conforme páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

* “… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne … Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”:

* Dia 17 de janeiro: Santo Antão (ou Antônio). Oração: “Santo Antônio, você falou da importância de perseverar em nossa fé e nossa prática. Ajude-nos a acordar a cada dia com um novo zelo pela vida cristã e um desejo de enfrentar o próximo desafio em vez de apenas ficar parado. Amém!”

* 19 de janeiro, São Macário. “… A oração não requer muitas palavras. sobre você, você só precisa dizer: “SENHOR, TEM MISERICÓRDIA!” O Senhor sabe o que é útil para nós e nos concede misericórdia.”… Se você deseja ser salvo, seja como um morto. Não fique com raiva quando insultado, nem orgulhoso quando elogiado.” E ainda: “Se a calúnia é como o louvor para você, a pobreza como a riqueza, a insuficiência como a abundância, então você não perecerá.“…

* Sobre SANTO ANDRÉ CORSINI (04 de fevereiro): “Ele trabalhou arduamente para subjugar suas paixões por meio de humilhações extremas, obediência até mesmo à última pessoa na casa, pelo silêncio e oração”.

* PAI, ABRACE-NOS!

JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS ENCHA E NOS UNA NO AMOR!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

SÃO JOSÉ, SANTAS, SANTOS E ANJOS, ROGUEM POR NÓS!

POR CRISTO, NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* Após Deus, o Pai amado, chamar minha amada esposa e companheira por 38 anos, 9 meses e oito dias, em 24.09.2017, descobri:

1. Posso comunicar com a minha Frô, pela ORAÇÃO;

2. Posso VER, ESCUTAR, SENTIR a FRÔ (transformada, sem dores, linda, maravilhosa) em meu ser;

3. Ela está vivendo nos braços de Deus (bondosos, vigorosos);

4. Um dia vamos estar juntos;

5. Quando Deus me chamar, quero levar coisas boas para o banquete celeste (amor a Deus e ao próximo).

Dê-nos essa Graça, Pai amado! Dê-nos A GRAÇA! AMÉM! Obrigado, Senhor, por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

================

* Ver o blog: https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.