15 de abril de 2022 – Sexta-Feira Santa

UMA EXPLICAÇÃO LITÚRGICA PARA OS DIAS DA SEMANA SANTA

5. SEXTA-FEIRA: A CRUZ

Da luz da Quinta-feira Santa entramos na escuridão da sexta-feira, o dia da Paixão, Morte e Enterro de Cristo. Na Igreja primitiva este dia foi

Na verdade, o início daquela Páscoa ou Passagem cujo significado inteiro será gradualmente revelado a nós, primeiro no maravilhoso sossego do Grande e Abençoado Sábado e, depois, na alegria do dia da Ressurreição.

O Dia das Trevas

Mas, primeiro, a escuridão. Se ao menos pudéssemos perceber que na Sexta-feira Santa a escuridão não é meramente simbólica e comemorativa. Tantas vezes assistimos à bela e solene tristeza destes serviços no espírito de auto-retidão e autojustificativa. Há dois mil anos, homens maus mataram Cristo, mas hoje nós – o bom povo cristão – erguemos suntuosos túmulos em nossas Igrejas – não é este o sinal de nossa bondade? No entanto, a Sexta-feira Santa não trata apenas do passado. É o dia do Pecado, o dia do Mal, o dia em que a Igreja nos convida a perceber sua terrível realidade e poder neste “mundo”. Pois o pecado e o mal não desapareceram, mas, ao contrário, ainda constituem a lei básica do mundo e de nossa vida. E nós, que nos chamamos cristãos, não fazemos tantas vezes nossa aquela lógica do mal que levou o Sinédrio judeu e Pôncio Pilatos, os soldados romanos e toda a multidão a odiar, torturar e matar Cristo? De que lado, com quem teríamos estado, se tivéssemos vivido em Jerusalém sob o comando de Pilatos? Esta é a pergunta que nos é dirigida em cada palavra dos serviços da Sexta-feira Santa. É, de fato, o dia deste mundo, sua condenação real e não simbólica, e o julgamento real e não ritual, sobre nossa vida… É a revelação da verdadeira natureza do mundo que preferiu então, e ainda prefere, as trevas à luz, o mal ao bem, a morte à vida. Tendo condenado Cristo à morte, “este mundo” se condenou à morte e na medida em que aceitamos seu espírito, seu pecado, sua traição a Deus – também estamos condenados… Este é o primeiro e terrivelmente realista significado da Sexta-feira Santa – uma condenação à morte…

O Dia da Redenção

Mas este dia do Mal, de sua última manifestação e triunfo, é também o dia da Redenção. A morte de Cristo nos é revelada como a morte salvadora para nós e para nossa salvação.

É uma Morte salvadora porque é o Sacrifício pleno, perfeito e supremo. Cristo dá Sua Morte a Seu Pai e Ele nos dá Sua Morte. A Seu Pai porque, como veremos, não há outra maneira de destruir a morte, de salvar os homens dela e é a vontade do Pai que os homens sejam salvos da morte. A nós porque, na verdade, Cristo morre em vez de nós. A morte é o fruto natural do pecado, um castigo imanente. O homem escolheu ser alienado de Deus, mas não tendo vida em si mesmo e por si mesmo, ele morre. Mas não há pecado e, portanto, não há morte em Cristo. Ele aceita morrer somente por amor a nós. Ele quer assumir e compartilhar nossa condição humana até o fim. Ele aceita o castigo de nossa natureza, pois Ele assumiu todo o fardo da situação humana.

Ele morre porque se identificou verdadeiramente conosco, tomou sobre si a tragédia da vida do homem. Sua morte é a última revelação de sua compaixão e amor. E porque Sua morte é amor, compaixão e co-suficiência, em Sua morte a própria natureza da morte é mudada. Da punição, ela se torna o ato radiante de amor e perdão, o fim da alienação e solidão. A condenação se transforma em perdão.

A Destruição da Morte

E, finalmente, sua morte é uma morte salvadora porque destrói a própria fonte da morte: o mal. Ao aceitá-la com amor, ao entregar-se a Seus assassinos e ao permitir sua aparente vitória, Cristo revela que, na realidade, esta vitória é a derrota total e decisiva do Mal. Para ser vitorioso, o Mal deve aniquilar o Bem, deve provar ser a verdade última sobre a vida, desacreditar o Bem e, em uma palavra, mostrar sua própria superioridade. Mas durante toda a Paixão é Cristo e somente Ele que triunfa. O Mal não pode fazer nada contra Ele, pois não pode fazer Cristo aceitar o Mal como verdade. A Hipocrisia é revelada como Hipocrisia, Assassinato como Assassinato, Medo como Medo, e à medida que Cristo se move silenciosamente em direção à Cruz e ao Fim, à medida que a tragédia humana atinge seu clímax, Seu triunfo, Sua vitória sobre o Mal, Sua glorificação se torna cada vez mais óbvia. E a cada passo esta vitória é reconhecida, confessada, proclamada — pela esposa de Pilatos, por José, pelo ladrão crucificado, pelo centurião. E como Ele morre na cruz tendo aceitado o último horror da morte: solidão absoluta (Meu Deus, Meu Deus, por que me abandonaste!?), nada resta senão confessar que “verdadeiramente este era o Filho de Deus!…”. E, portanto, é esta Morte, este Amor, esta obediência, esta plenitude de Vida que destroem o que fez da Morte o destino universal. “E as sepulturas foram abertas…” (Mateus 27:52) Já aparecem os raios da ressurreição.

Tal é o duplo mistério da Sexta-feira Santa, e seus serviços a revelam e nos fazem participar dela. Por um lado, há a constante ênfase na Paixão de Cristo como o pecado de todos os pecados, o crime de todos os crimes. Por toda a Matina, durante a qual as doze leituras da Paixão nos fazem seguir passo a passo os sofrimentos de Cristo, nas Horas (que substituem a Divina Liturgia): para a proibição de celebrar a Eucaristia neste dia significa que o sacramento da Presença de Cristo não pertence a “este mundo” de pecado e escuridão, mas é o sacramento do “mundo por vir”) e finalmente, nas Vésperas, o serviço do sepultamento de Cristo os hinos e as leituras estão cheios de acusações solenes daqueles, que de livre e espontânea vontade decidiram matar Cristo, justificando este assassinato por sua religião, sua lealdade política, suas considerações práticas e sua obediência profissional.

Agora é o Filho do Homem Glorificado

Por outro lado, o sacrifício de amor que prepara a vitória final também está presente desde o início. Desde a primeira leitura do Evangelho (João 13,31), que começa com o anúncio solene de Cristo: “Agora o Filho do Homem é glorificado e nele Deus é glorificado” até a stichera (Traduzido do inglês-Um esticheron é um hino de um gênero particular que deve ser cantado durante o serviço da manhã e da noite na Igreja Ortodoxa Oriental e nas Igrejas Católicas Orientais que seguem o Rito Bizantino. Stichera são geralmente cantados em alternância com ou imediatamente após o salmo ou outros versos das escrituras. Wikipedia (inglês)) no final das Vésperas – há o aumento da luz, o lento crescimento da esperança e a certeza de que “a morte pisará a morte…”.

“O inferno estremeceu quando Te viu,

O Redentor de todos os que foram colocados em uma tumba.

Seus laços foram quebrados; seus portões foram quebrados!

Os túmulos foram abertos; os mortos surgiram.

Então Adão chorou de alegria e de ação de graças:

Glória à Tua condescendência, ó amante do homem!”

E quando, no final das Vésperas, colocamos no centro da Igreja a imagem de Cristo no túmulo, quando este longo dia chega ao seu fim, sabemos que estamos no fim da longa história de salvação e redenção. O sétimo dia, o dia de descanso, o abençoado sábado vem e com ele – a revelação do Túmulo que dá vida.

REFERÊNCIA:

A Liturgical Explanation for the Days of Holy Week by The Very Rev. Alexander Schmemann, S.T.D. Professor of Liturgical Theology, St. Vladimir”s Seminary,

 conforme <holy_week-a_liturgical_explanation.pdf (antiochian.org)> – (tradução DeepL)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.