Santas e Santos de 23 de julho

Santa Brí­gida (também na Folhinha do Coração de Jesus), re­li­giosa, que, con­traindo ma­tri­mónio na Suécia com o se­nador Ulf, educou piís­si­ma­mente os seus oito fi­lhos e exor­tava o pró­prio es­poso com as pa­la­vras e o exemplo à vida de pi­e­dade. Após a da morte do es­poso, fez vá­rias pe­re­gri­na­ções aos Lu­gares Santos e morreu em Roma, dei­xando vá­rios es­critos sobre a re­forma da Igreja, na sua ca­beça e nos seus mem­bros, e tendo lan­çado os fun­da­mentos da Ordem do San­tís­simo Sal­vador. († 1373). Ver páginas 273-284: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

2.   A co­me­mo­ração de Santo Eze­quiel, pro­feta, filho do sa­cer­dote Búzi, que, no tempo do exílio na terra dos Cal­deus, teve a visão da glória do Se­nhor e, posto como sen­ti­nela da casa de Is­rael, re­cri­minou a in­fi­de­li­dade do povo eleito e anun­ciou a des­truição da ci­dade santa de Je­ru­salém e a de­por­tação do povo; vi­vendo ele pró­prio no meio dos pri­si­o­neiros, ali­mentou a sua es­pe­rança, pro­fe­ti­zando que os ossos res­se­quidos res­sus­ci­ta­riam para uma nova vida.

3.   Em Classe, pró­ximo de Ra­vena, na Fla­mínia, hoje na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de Santo Apo­li­nário, bispo, cuja me­mória é ce­le­brada no dia 20 de Julho. († c. s. II). Santo Apo­li­nário (também dia 20 de julhona Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, ma­ni­fes­tando ao povo as in­son­dá­veis ri­quezas de Cristo, ca­mi­nhava à frente do seu re­banho como bom pastor e, se­gundo a tra­dição, honrou com o seu ilustre mar­tírio a Igreja de Classe, em Ra­vena, na Fla­mínia, ac­tu­al­mente na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália. No dia 23 de Julho partiu para o ban­quete eterno. († c. s. II). Também lembrado dia 23 de julho. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, de 23 de julho, perto do ano 200, Santo Apolinário, primeiro bispo de Ravena. Inicialmente exerceu o ministério entre soldados e marinheiros daquela importante cidade portuária e militar do Império. Os duros trabalhos que teve que suportar em seu apostolado sacerdotal e episcopal conferiram-lhe o título de mártir (M).

4.   Em Bízia, ci­dade da Trácia, hoje Wiza, na Tur­quia, São Se­vero, mártir no tempo dos im­pe­ra­dores Di­o­cle­ciano e Ma­xi­miano, que, as­pi­rando à palma do mar­títio, se narra ter con­ver­tido à fé o cen­tu­rião São Ménon e o tenha se­guido no com­bate do martírio. († c. 304)

5*.   Em Mar­selha, na Pro­vença da Gália, ac­tu­al­mente na França, São João Cassiano, pres­bí­tero, que fundou dois mos­teiros – um para ho­mens, outro para mu­lheres – e, como fruto da sua longa ex­pe­ri­ência de vida mo­nás­tica, es­creveu as “Ins­ti­tui­ções ce­no­bí­ticas” e as “Con­fe­rên­cias dos Pa­dres” para a edi­fi­cação dos monges. († c. 435). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 432, São João Cassiano. Primeiro foi monge em Belém e mais tarde fundou duas comunidades monásticas em Marselha, depois de ter vivido cerca de 15 anos junto aos monges do deserto, no Egito. De lá, trouxe para o Ocidente as admiráveis Conferências que o fazem ser considerado um dos grandes mestres da vida monástica (X). Ver páginas 285-287: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

6*.   Em Ci­miez, também na Pro­vença, São Va­le­riano, bispo, que, pas­sando do mos­teiro de Lé­rins para o epis­co­pado, propôs nos seus es­critos os exem­plos da vida dos Santos para edi­fi­cação do povo e dos monges. († c. 460) Ver página 288: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

7*.   Em Or­vieto, na Tos­cana, ac­tu­al­mente na Úm­bria, re­gião da Itália, a Beata Joana, virgem, das Irmãs da Pe­ni­tência de São Do­mingos, in­signe pela sua ca­ri­dade e paciência. († 1306)

8♦.   Em San Se­bas­tian, na Es­panha, a beata Mar­ga­rida Maria López de Maturana, virgem da Ordem das Mercês, fun­da­dora do Ins­ti­tuto das Mer­ce­dá­rias Mis­si­o­ná­rias de Berriz. († 1934)

9*.   Em Man­za­nares, lo­ca­li­dade de Cas­tela a Nova, re­gião da Es­panha, os be­atos Ni­cé­foro de Jesus e Maria (Vi­cente Díez Te­je­rina), pres­bí­tero, e cinco companheiros, todos eles da Con­gre­gação da Paixão, már­tires, que, em tempo de per­se­guição, foram fu­zi­lados por per­ma­ne­cerem fiéis à sua vo­cação re­li­giosa e assim me­re­ceram al­cançar a coroa do martírio.  São estes os seus nomes: São estes os seus nomes: José do Sa­grado Co­ração (José Es­ta­layo García), Epi­fânio de São Mi­guel (Epi­fânio Si­erra Conde), Abílio da Cruz (Abílio da Cruz Ramos y Ramos), Za­ca­rias do San­tís­simo Sa­cra­mento (Za­ca­rias Fer­nández Crespo) e Ful­gêncio do Co­ração de Maria (Ful­gêncio Calvo Sán­chez), re­li­gi­osos da Con­gre­gação da Paixão. († 1936)

10*.   Em Ca­ra­ban­chel Bajo, pró­ximo de Ma­drid, também na Es­panha, os be­atos már­tires Ger­mano de Jesus e Maria (Ma­nuel Pérez Gi­ménez), pres­bí­teros, e oito com­pa­nheiros, re­li­gi­osos da mesma Con­gre­gação da Paixão, que na mesma per­se­guição con­su­maram vi­to­ri­o­sa­mente o bom com­bate por Cristo.  São estes os seus nomes: Fi­lipe do Sa­grado Co­ração de Maria (Fi­lipe Val­ca­bado Gra­nado), pres­bí­tero; Mau­rílio do Me­nino Jesus (Mau­rílio Macho Ro­drí­guez), José de Jesus e Maria (José Osés Sáinz), Júlio do Sa­grado Co­ração (Júlio Me­di­a­villa Con­ce­jero), José Maria de Jesus Ago­ni­zante (José Maria Ruiz Mar­tínez), Lau­reano de Jesus Cru­ci­fi­cado (Lau­rindo Proaño Cu­esta), Ana­cário da Ima­cu­lada (Ana­cário Be­nito Rozal), Fi­lipe de São Mi­guel (Fi­lipe Ruiz Fraile), religiosos. († 1936)

11*.   Em To­ledo, também na Es­panha, os be­atos már­tires Pedro Ruiz de los Paños e José Sala Picó, pres­bí­teros do Ins­ti­tuto dos Sa­cer­dotes Ope­rá­rios Di­o­ce­sanos e már­tires, que mor­reram na mesma perseguição. († 1936)

12♦.   Em Ma­drid, também na Es­panha, os be­atos Emílio Arce Díez e Ví­to­riano Fer­nández Reinoso, re­li­gi­osos da So­ci­e­dade Sa­le­siana e már­tires, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, con­su­maram o com­bate pela fé. († 1936)

13♦.   Em Bar­ce­lona, também na Es­panha, os be­atos Simão Reynés Solivellas e Mi­guel Pons Ramis, pres­bí­teros; Fran­cisco Mayol Oliver, e Paulo No­guera Trias re­li­gi­osos, todos da Con­gre­gação dos Sa­grados Co­ra­ções e már­tires, que, du­rante a mesma per­se­guição, me­re­ceram a coroa glo­riosa pelo seu in­que­bran­tável tes­te­munho de Cristo. († 1936)

14♦.   Em La Abar­ras­sada, perto de Bar­ce­lona, também na Es­panha, as be­atas már­tires Ca­ta­rina do Carmo (Ca­ta­rina Caldés Só­cias) e Mi­caela do Sacramento (Mi­caela Rullán Ribot), vir­gens da Con­gre­gação das Fran­cis­canas Fi­lhas da Mi­se­ri­córdia, e Pru­dência Ca­nellas Ginestá, que, du­rante a mesma per­se­guição, me­receu di­ante de Deus om­ni­po­tente a palma da vitória. († 1936)

15*.   Em Da­chau, pró­ximo de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Cris­tino Gondek, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores e mártir, que, du­rante a ocu­pação da Po­lónia por um re­gime hostil à dig­ni­dade hu­mana e à re­li­gião, por causa da sua fé em Cristo foi de­por­tado para o campo de con­cen­tração, onde, sub­me­tido à tor­tura, al­cançou a coroa glo­riosa do martírio. († 1942)

16*.   Em Presov, na Es­lo­vá­quia, o Beato Ba­sílio Hopko, bispo au­xi­liar de Presov e mártir, que, du­rante o tempo de um re­gime ini­migo da fé cristã e da Igreja, foi preso por ter exer­cido o mi­nis­tério pas­toral ao ser­viço dos cris­tãos do Rito Bi­zan­tino e, su­por­tando cruéis su­plí­cios, con­traiu uma grave e longa en­fer­mi­dade que o acom­pa­nhou até à morte, al­can­çando assim a palma da vitória. († 1976)

17. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, em Roma as Santas Rômula (também na Folhinha do Coração de Jesus), Redempta e Herundina (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santa Erondina). Pobres dos bens deste mundo, eram no entanto ricas das virtudes da paciência, do silêncio e da oração. (M)

18. Outros santos do dia 23 de julho: págs. 273-290, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3.VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4.Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5.Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6.Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.