Santas e Santos de 01 de setembro

FESTA DE NOSSA SENHORA DE BELÉM: padroeira principal da arquidiocese de Belém do Pará. Ver: https://arquidiocesedebelem.com.br/padroeira-da-arquidiocese/ e

– Ver também: https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-nossa-senhora-de-belem/496/102/#c  https://www.google.com/search?ei=V_dqXeywOafZ5OUPlfeewA4&q=Padroeira+da+arquidiocese+de+Bel%C3%A9m+do+Par%C3%A1&oq=Padroeira+da+arquidiocese+de+Bel%C3%A9m+do+Par%C3%A1&gs_l=psy-ab.3…3111.12034..12246…1.1..0.232.5298.0j42j1……0….1..gws-Swiz…….0i71j35i39j0j0i131j0i67j0i131i67j0i22i30j33i22i29i30j33i160.JjrXtEWdSE8&ved=0ahUKEwisuKbllq7kAhWnLLkGHZW7B-gQ4dUDCAo&uact=5

1.   Co­me­mo­ração de São Josué (também na Folhinha do Coração de Jesus), filho de Nun, servo do Se­nhor, que, pela im­po­sição das mãos de Moisés sobre ele, ficou cheio do es­pí­rito de sa­be­doria e, de­pois da morte de Moisés, in­tro­duziu de modo ma­ra­vi­lhoso o povo de Is­rael, atra­ves­sando o rio Jordão, na terra prometida. Conforme o VIDAS DOS SANTOS, São Josué e São Gideão. Ver páginas 377-395 (São Josué) e 395-407 (São Gideão): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

2.   Em Reims, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na França, São Sisto, que é con­si­de­rado o pri­meiro bispo desta cidade. († s. III). Ver São Sixto e São Sinício, bispos, à página 408: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

3.   Em Cápua, junto à Via Aquária, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Prisco, mártir. († s. IV)

4.   Em Tódi, na Úm­bria, também re­gião da Itália, São Te­ren­ciano (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo. († c. s. IV)

5.   Em Dax, na Aqui­tânia, hoje na França, São Vi­cente, que é ce­le­brado como bispo e mártir. († c. s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, o martírio dos Santos Vicente e Liédio, que deram suas vidas por Cristo, em Dax. (M)

6.   Em Zur­zach, junto do rio Reno, no ter­ri­tório de Zu­rique da Ger­mânia, ac­tu­al­mente na Suíça, Santa Ve­rena, virgem. († s. IV)

7.   Em Le Mans, na Gália Li­o­nense, hoje na França, São Vi­tório (também na Folhinha do Coração de Jesus), re­cor­dado por São Gre­gório de Tours. (†490). Ver página 409: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

8.   Em Aquino, no Lácio, re­gião da Itália, São Cons­tâncio, bispo, cujo dom de pro­fecia é lou­vado pelo papa São Gre­gório Magno. († 570)

9.   No ter­ri­tório de Nimes, na Gália Nar­bo­nense, na ho­di­erna França, São Gil ou Egídio, de quem tomou o nome a po­vo­ação que pos­te­ri­or­mente se de­sen­volveu na re­gião da Ca­margue, onde ele, se­gundo a tra­dição, cons­truiu um mos­teiro e ter­minou o curso da sua vida mortal. († s. VI/VII). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no Languedoc, São Gil (ou Egídio), eremita. Segundo uma tradição iconográfica representada em Chartres e em Aachen, o imperador Carlos Magno obteve, por sua poderosa intercessão, o perdão por uma falta não-confessada. Um mosteiro beneditino foi construído sobre seu túmulo, e seu culto propagou-se pela cristandade no tempo das peregrinações a Compostela. (M). Ver páginas 415-418: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

10.   Em Sens, na Nêus­tria, também na ac­tual França, São Lopo, bispo, que foi exi­lado por ter co­ra­jo­sa­mente afir­mado pe­rante um no­tável do lugar que o povo devia ser di­ri­gido pelo sa­cer­dote e obe­decer mais a Deus do que aos príncipes. († c. 623). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 625, São Lobo. Natural de Orléans, foi eleito para o serviço da Igreja de Sens e teve de sofrer efeitos da política malévola dos merovíngios da época. Foi enterrado no mosteiro de Sainte-Colombe de Sens, que havia fundado com Clotário II. (M). Ver páginas 410-412: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

11*.   Em Ve­neza, ci­dade do ac­tual Vé­neto, re­gião da Itália, a Beata Ju­liana de Collalto, aba­dessa da Ordem de São Bento. († 1262)

12*.   Em Flo­rença, na Etrúria, hoje na Tos­cana, também re­gião da Itália, a Beata Joana, virgem da Ordem Ter­ceira das Servas de Maria, emi­nente pela sua oração e austeridade. († 1367)

13*.   Em Ma­drid, na Es­panha, os be­atos Cris­tino (Mi­guel Roca Hu­guet), pres­bí­tero, e onze com­pa­nheiros, már­tires, todos da Ordem de São João de Deus, que, du­rante a guerra civil, foram mortos em ódio à re­li­gião cristã. São estes os seus nomes: Pro­cesso (Jo­a­quim Ruiz Cas­cales), Eu­tímio (Ni­colau Ara­mêndia Garcia), Ca­nuto (José Franco Gômez), Do­siteu (Gui­lherme Rúbio Alonso), Ce­sário (Ma­riano Niño Pérez), Ben­jamim (Ale­xandre Cobos Ce­lada), Car­melo (Isidro Gil Arano), Cosme (Si­meão Isi­doro Jo­aquím Brun Arará), Ce­cílio (Hen­rique López López), Ru­fino (Cres­cêncio Lasheras Aiz­corbe) e Faus­tino (An­tónio Vil­la­nueva Igual), religiosos. († 1936)

14*.   Em Pa­terna, ci­dade da pro­víncia de Va­lência, também na Es­panha, o Beato Afonso Se­bas­tião Viñals, pres­bí­tero e mártir, que era di­rector es­pi­ri­tual da Es­cola de For­mação So­cial de Va­lência, quando, na mesma per­se­guição contra a fé, re­cebeu a coroa de glória. († 1936)

15*.   Em Bar­ce­lona, também na Es­panha, os be­atos már­tires Pedro de Al­cân­tara (Cân­dido Ri­vera Ri­vera), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Con­ven­tuais, Maria do Carmo Mo­reno Be­nítez e Maria do Am­paro Car­bo­nell Muñoz, vir­gens do Ins­ti­tuto de Maria Au­xu­li­a­dora, que, du­rante a mesma per­se­guição, con­fi­gu­rando-se à paixão de Cristo, seu Es­poso, al­can­çaram a re­com­pensa da paz eterna. (†1936)

16♦.   Também em Bar­ce­lona, em dia in­certo de Se­tembro, o Beato Bento Clemente (Félix España Ortiz), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs e mártir, que na mesma per­se­guição, ven­cendo o bom com­bate da fé, al­cançou a vida eterna. († 1936)

17♦.   Em So­tillo, lo­ca­li­dade da Can­tá­bria, no li­toral da Es­panha, em dia in­certo de Se­tembro, o Beato Eu­génio An­drés Amo, re­li­gioso da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, na mesma per­se­guição, morreu por Cristo. († 1936)

18♦.   Em Ma­taró, na Ca­ta­lunha, também re­gião da Es­panha, o Beato José Samsó i Elias, pres­bí­tero da di­o­cese de Bar­ce­lona e mártir, que, na vi­o­lenta per­se­guição contra a Igreja,foi as­sas­si­nado em ódio ao sacerdócio. († 1936)

19. Bem-Aventurada Joana Soderini. Ver páginas 363-365: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

20. Profetisa Santa Ana. Ver páginas 375-376: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

21. São Nivardo, bispo. Ver páginas 413-414: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

22. Outros santos do dia 01 de setembro: págs. 360-421, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 31 de agosto

1.   Em Je­ru­salém, co­me­mo­ração dos santos José de Arimateia e Ni­co­demos, que aco­lheram o corpo de Jesus des­cido da cruz, o en­vol­veram num lençol e co­lo­caram no se­pulcro. José, nobre de­cu­rião e dis­cí­pulo do Se­nhor, es­pe­rava o reino de Deus; Ni­co­demos, fa­riseu e prín­cipe dos Ju­deus, viera de noite ter com Jesus para co­nhecer a sua missão e, pe­rante os sumos sa­cer­dotes e os fa­ri­seus que que­riam prender Jesus, de­fendeu a sua causa.

2.   Em Atenas, na Grécia, Santo Aris­tides (também na Folhinha do Coração de Jesus), fi­ló­sofo, ilus­trís­simo pela sua fé e sa­be­doria, que es­creveu e apre­sentou ao im­pe­rador Adriano al­guns dos seus li­vros sobre a re­li­gião cristã. († c. 150). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Atenas, no séc. II, Santo Aristides. Segundo a crônica de Eusébio, era filósofo pagão quando se converteu. Dirigiu então ao imperador uma apologia, onde ressalta a novidade da religião de Cristo, mensagem de esperança e de amor. (M)

3.   Em Tré­veris, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na Ale­manha, São Pau­lino, bispo e mártir, que no tempo da he­resia ariana foi um ver­da­deiro arauto da ver­dade e, no Sí­nodo de Arles, con­vo­cado pelo im­pe­rador Cons­tâncio, não se deixou de­mover, nem com ame­aças nem com adu­la­ções para con­denar Santo Ata­násio e afastar-se da ver­da­deira fé; por isso foi des­ter­rado para a Frígia, na ho­di­erna Tur­quia, onde, de­pois de cinco anos de exílio, con­sumou o martírio. († 358). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 358, São Paulino, bispo de Treves. Defensor intrépido da fé de Nicéia e fiel partidário de Santo Atanásio, foi por isso exilado na Ásia Menor. Vários padres fizeram elogio de sua firmeza na fé. (M)

4.   Em Lin­dis­farne, na Nor­túm­bria, na ac­tual In­gla­terra, Santo Ai­dano, bispo e abade, homem de in­signe man­sidão, pi­e­dade e justo go­verno, que, cha­mado pelo rei Os­valdo, veio do mos­teiro de Iona para esta ci­dade, onde cons­truiu a sede epis­copal e um mos­teiro, para fo­mentar efi­caz­mente a evan­ge­li­zação deste reino. († 651). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 651, a volta para Deus de Santo Aidano, monge de Iona. Chamado para evangelizar a Inglaterra e a Escócia, foi o primeiro bispo de Lindsfarne. (M)

5.   Em Car­dona, po­vo­ação da Ca­ta­lunha, na Es­panha, São Rai­mundo No­nato (também na Folhinha do Coração de Jesus), que foi um dos pri­meiros com­pa­nheiros de São Pedro No­lasco na Ordem de Nossa Se­nhora das Mercês; conta-se que so­freu muito pelo nome de Cristo para a re­denção dos cativos. († c. 1240). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, o sepultamento de São Raimundo Nonato, religioso da Ordem das Mercês, que se ofereceu como refém para obter a libertação de um prisioneiro, e se consagrou à evangelização de seus companheiros de infortúnio. Libertado depois de ter sido torturado, foi nomeado cardeal, e morreu, mais tarde, em Barcelona, no ano de 1240. (M). Ver páginas 350-354: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

6*.   No ermo de Val­lú­cola, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, o Beato André de Borgo Sansepolcro, pres­bí­tero da Ordem dos Servos de Maria, in­signe pela sua aus­te­ri­dade e vida contemplativa. († 1315). Ver Bem-Aventurado André Dotti, servita, páginas 355-356: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

.

7*.   Em Al­meria, na Es­panha, os be­atos Ed­mígio (Isi­doro Primo Ro­drí­guez), Amálio (Justo Za­ri­quiégui Men­doza) e Va­lério Ber­nardo (Mar­ciano Her­rero Mar­tínez), da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs e már­tires, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, foram mortos em ódio à fé cristã. († 1936)

8♦.   Em Má­laga, também na Es­panha, os be­atos már­tires Hen­rique Vi­daur­reta Palma, pres­bí­tero da di­o­cese de Má­laga, Félix Paco Escartin, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana e Tomás Alonso Sanjuán, re­li­gioso da So­ci­e­dade Sa­le­siana, que na mesma per­se­guição contra a fé cristã deram a vida por Cristo. († 1936)

9♦.   Em Sama de Lan­greo, ci­dade das As­tú­rias, também na Es­panha, os be­atos  már­tires Isidro Ordoñes Díez, José Maria Pa­lácio Montes e Mi­guel Me­néndez Garcia, pres­bí­teros da Ordem dos Pre­ga­dores e Cris­tóvão Itur­riaga-Eche­varria Irazola e Pedro Vega Ponce, re­li­gi­osos da mesma Ordem, as­sas­si­nados em ódio à fé cristã. († 1936)

10♦.   Em Bar­ce­lona, também na Es­panha, a Beata Jo­se­fina Sau­leda Paulís (Bo­a­ven­tura Sau­leda Paulís), virgem da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, foi as­sas­si­nadas por causa da sua fi­de­li­dade a Cristo Esposo. († 1936)

11♦. Também em Bar­ce­lona, o Beato Pedro Tarrés Claret, presbítero. († 1950)

12. Santo Amado (também na Folhinha do Coração de Jesus)

13. Outros santos do dia 31 de agosto: págs. 350-359, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 30 de agosto

1.   Em Roma, no ce­mi­tério de Co­mo­dila, junto à Via Os­ti­ense, os santos már­tires Félix e Adauto (também na Folhinha do Coração de Jesus), que juntos deram in­que­bran­tável tes­te­munho da sua fé em Cristo e juntos en­traram vi­to­ri­osos no Céu. († c. 304)

2.   Co­me­mo­ração dos ses­senta santos mártires, que, em Suf­fe­tula, na África Bi­za­cena, ac­tu­al­mente na Tu­nísia, por ter sido des­truída uma es­tátua de Hermes, foram mortos pelo furor dos gentios. († 399)

3.   Em Roma, a co­me­mo­ração de São Pa­má­quio se­nador, in­signe pela sua fir­meza na fé e ge­ne­ro­si­dade para com os po­bres, a cuja di­li­gente pi­e­dade se deve a cons­trução de uma igreja ti­tular no monte Célio. († 410). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 410, São Pamáquio, senador romano que transformou seu próprio palácio em Igreja. (M). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pamáquio_de_Roma  

Ver também páginas 345-346: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf  

4*.   No mos­teiro de Re­bais, pró­ximo de Meaux, na Nêus­tria, ac­tu­al­mente na França, Santo Agilo, seu pri­meiro abade. († c. 650). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Diocese de Meaux, perto de 650, a volta para Deus de  Santo Agilo, primeiro abade do mosteiro de Rebais, que Santo Audoeno, discípulo de São Columbano, acabara de fundar (X).

5.   Em Breuil, também no ter­ri­tório de Meaux, São Fiá­crio, ere­mita, oriundo da Ir­landa, que se­guiu a vida solitária. († c. 670). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VIII, São Fiácrio. Filho de um rei da Escócia, foi atraído pela fama de São Farão, bispo de Meaux. Instalou-se em um eremitério que deu seu nome à localidade formada ao seu redor. Monge desbravador, foi venerado particularmente pelos jardineiros e horticultores da região de Ile-de-France. (M). Ver páginas 339-344: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

6*.   Em Tes­sa­ló­nica, na Ma­ce­dónia, ac­tu­al­mente na Grécia, São Fan­tino o Jovem, ere­mita, que passou toda a sua vida em je­juns, vi­gí­lias e tra­ba­lhos por Cristo. († s. X)

7.   Em Lu­cédio, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, São Bo­nónio, abade, que se­guiu a vida ere­mí­tica, pri­meiro no Egipto, de­pois no monte Sinai. († 1026). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1026, a volta para Deus de São Bonônio, abade. Originário de Bolonha, entrou muito jovem no mosteiro de Santo Estêvão. Alguns anos mais tarde partiu para o Oriente,  para lá levar vida eremítica. Nomeado abade de Lucédio, no Piemonte, voltou para a Europa, fundando em seu trajeto um mosteiro na Toscana. (M)

8.   Em Trévi, no Lácio, também re­gião da Itália, São Pedro, que, em­bora anal­fa­beto, cul­tivou na so­lidão a sa­be­doria do Evangelho. († 1050)

9.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, Santa Mar­ga­rida Ward, mártir, que, no rei­nado de Isabel I, por ter aju­dado um sa­cer­dote, foi con­de­nada à morte e de bom grado re­cebeu o mar­tírio no pa­tí­bulo de Ty­burn. Com ela, no mesmo lugar, so­freram também o mar­tírio os be­atos Ri­cardo Leight, pres­bí­tero, e os leigos Edu­ardo Shelley e Ri­cardo Martin, in­gleses, João Roche, ir­landês, e Ri­cardo Lloyd, galês: o pri­meiro, porque era sa­cer­dote; os ou­tros, porque aco­lheram sacerdotes. († 1588)

10*.   Em Sa­luzzo, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, o Beato João Ju­venal An­cina, bispo, que, an­te­ri­or­mente mé­dico, foi dos pri­meiros a en­trar no Ora­tório de São Fi­lipe Néri. († 1604)

11*.   Em Sa­ra­goça, na Es­panha, a Beata Maria Rá­fols, virgem, que, su­pe­rando pa­ci­en­te­mente muitas ad­ver­si­dades, fundou no hos­pital desta ci­dade a Con­gre­gação das Irmãs da Ca­ri­dade de Santa Ana e a di­rigiu com suma diligência. († 1853)

12*.   Em Al­meria, também na Es­panha, os be­atos már­tires Diogo Ven­taja Milán, bispo de Al­meria, e Ma­nuel Me­dina Olmos, bispo de Guádix, que, en­car­ce­rados em ódio à fé cristã, su­por­taram pa­ci­en­te­mente os maus tratos e in­sultos, até que, du­rante a noite, foram fuzilados. († 1936)

13*.   Na es­trada de Pu­ebla Tor­nesa para Vil­la­famés, pró­ximo de Cas­tellón, também na Es­panha, o Beato Jo­a­quim de Al­bo­cácer (José Ferrer Adell), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos, que pelo mar­tírio al­cançou a re­com­pensa pro­me­tida aos que per­se­veram na fé. († 1936)

14*.   Em Bilbau, também na Es­panha, o Beato Vi­cente Ca­banes Badenas, pres­bí­tero da Con­gre­gação dos Ter­ciá­rios Ca­pu­chi­nhos de Nossa Se­nhora das Dores e mártir, que, du­rante a mesma per­se­guição contra a fé, me­receu en­trar no ban­quete celeste. († 1936)

15♦.   Em Ma­drid, também na Es­panha, os be­atos már­tires An­tónio Maria Ar­riaga Anduíza, re­li­gioso da Ordem de Santo Agos­tinho, e Ni­cásio Romo Rúbio, re­li­gioso da Ordem dos Pre­ga­dores, que na mesma per­se­guição foram as­sas­si­nados em ódio à fé cristã. († 1936)

16♦.   Em Ata­vaca, perto de Ma­drid, também na Es­panha, os be­atos Ger­mano Martin Martin, pres­bí­tero, Di­o­nísio Ul­lí­varri Barajuán, re­li­gioso, ambos da So­ci­e­dade Sa­le­siana e már­tires, que, du­rante a per­se­guição contra a fé, der­ra­moram o seu sangue por Cristo e al­can­çaram a palma da glória. († 1936)

17♦.   Em Kfiffan, no Lí­bano, o Beato Es­têvão Nehmé (José Nehmé), re­li­gioso da Ordem Ma­ro­nita Libanesa. († 1938)

18♦.   Em Belo Ho­ri­zonte, no Brasil, o Beato Eus­tá­quio van Lieshout (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Con­gre­gação dos Sa­grados Co­ra­ções de Jesus e Maria. († 1943). Padre Eustáquio foi um nome ligado à história de Belo Horizonte, à fé do povo mineiro e a muitas ações de solidariedade…. Após sua morte, foi atribuída a ele a cura de um câncer de um devoto, constatada clinicamente e comprovada cientificamente. Esse relato consta no processo para sua beatificação, iniciado em 1997. Outros casos de curas e milagres também são relatados por várias pessoas. A cerimônia de sua beatificação aconteceu ao dia 15 de junho de 2006, durante a 12ª Torcida de Deus, no estádio Mineirão, em Belo Horizonte, MG. A cerimônia foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo e contou com a presença do Legado Pontifício do Sumo Pontífice, Dom José Cardeal Saraiva Martins. ” Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Eustáquio_van_Lieshout

19*.   Em Ve­né­gono, pró­ximo de Va­rese, na Itália, o pas­sa­mento do Beato Al­fredo Il­de­fonso Schuster, bispo, que era abade de São Paulo em Roma quando foi no­meado para a sede epis­copal de Milão, mi­nis­tério pas­toral que exerceu in­can­sa­vel­mente com ad­mi­rável sa­be­doria em favor do seu povo. († 1954)

 20. Santa Rosa de Santa Maria (também na Folhinha do Coração de Jesus)

21. São Gaudêncio (também na Folhinha do Coração de Jesus)

22. Outros santos do dia 30 de agosto: págs. 339-349, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 29 de agosto

Me­mória do mar­tírio de São João Baptista (também na Folhinha do Coração de Jesus), que o rei He­rodes An­tipas fez pri­si­o­neiro na for­ta­leza de Ma­que­ronte, na ac­tual Jor­dânia, e na festa do seu ani­ver­sário, a pe­dido da filha He­ro­díades, mandou de­golar. Deste modo, o pre­cursor do Se­nhor, como luz que arde e ilu­mina, deu tes­te­munho da ver­dade, tanto na morte como na vida. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória da Paixão de São João Batista, o Precursor, que mostrou Cristo a seus discípulos como sendo o Cordeiro de Deus e se apagou humildemente diante d’Ele. Rendeu o supremo testemunho à verdade ao defender a divina instituição do casamento. (R). Ver páginas 324-335: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Decapitação_de_João_Batista

2.   Em Sir­mion, na Pa­nónia, hoje Sremska Mo­tro­vica, na Sérvia, Santa Ba­sila. († s. III/IV)

3.   Em Roma, a co­me­mo­ração de Santa Sa­bina (também na Folhinha do Coração de Jesus), cujo tí­tulo fun­dado no monte Aven­tino ve­nera o seu nome. (422-432 constr.). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, Santa Sabina, em cuja honra uma igreja foi consagrada no Monte Aventino, desde o Séc, V. (M). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Sabina_de_Roma

4.   Em Metz, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na França, Santo Adelfo, bispo. († s. V)

5*.   No ter­ri­tório de Nantes, na Bre­tanha Menor, hoje também na França, São Vítor, ere­mita, que viveu re­cluso num pe­queno ora­tório por ele cons­truído junto de Le Chambon. († c. s. VII)

6.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, a co­me­mo­ração de São Sébio, rei dos Sa­xões Ori­en­tais, de­vo­tís­simo a Deus, que, dei­xando o reino, tomou o há­bito mo­nás­tico e com ele morreu, como tanto desejava. († c. 693). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Inglaterra, no final do séc, VII, São Sebe, rei de Essex. Segundo Beda, o Venerável, “um homem assim foi feito mais para o episcopado do que para a realeza. Homem muito devotado a Deus… preferiu uma vida de características monásticas a todas as riquezas e honras do reino”. (M)

7.   Em Paris, na Nêus­tria, na ho­di­erna França, São Me­de­rico, pres­bí­tero e abade de Autun, que viveu numa er­mida, perto da cidade. († c. 700). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, por volta de 700, São Mederico. Inicialmente monge de Autun, sua cidade natal, ele a deixou para escapar à popularidade da qual era objeto, e se estabeleceu fora dos muros da cidade de Paris, próximo à Capela de São Pedro dos Bosques, que mais tarde recebeu seu nome. (M)

8*.   Em Va­lência, na Es­panha, os be­atos már­tires João de Perúgia, pres­bí­tero, e Pedro de Sassoferrato, re­li­gioso, ambos da Ordem dos Me­nores, que, por terem pre­gado a fé cristã aos mouros de Va­lência, foram de­ca­pi­tados por ordem do rei na praça pú­blica, e assim re­ce­beram a palma do martírio. († 1231)

9*.   Em Cra­cóvia, na Po­lónia, a Beata Bro­nis­lava, virgem da Ordem dos Pre­mons­tra­tenses, que quis se­guir uma vida hu­milde e oculta e, des­truído o seu mos­teiro pelos Tár­taros, con­ti­nuou a viver a sós com Deus numa cabana. († 1259)

10*.   Em Len­castre, na In­gla­terra, o Beato Ri­cardo Herst, mártir, pai de fa­mília e agri­cultor, que, fal­sa­mente acu­sado de ho­mi­cídio, no rei­nado de Jaime I, foi con­de­nado ao su­plício da forca e morreu por Cristo. († 1618). Ver página 336: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

11*.   Ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato Luís Vul­fi­lácio Huppy, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, foi en­car­ce­rado num sór­dido barco em con­di­ções de­su­manas por causa do seu sa­cer­dócio e morreu con­su­mido pelas enfermidades. († 1794)

12*.   Em Wa­ter­fold, na Ir­landa, o Beato Ed­mundo Inácio Rice, que se de­dicou com ar­do­rosa di­li­gência à for­mação das cri­anças e dos jo­vens em si­tu­a­ções di­fí­ceis e, para for­ta­lecer esta obra, fundou a Con­gre­gação dos Ir­mãos Cris­tãos e a dos Ir­mãos da Apresentação. († 1844)

13*.   Em Rennes, na França, Santa Maria da Cruz (Joana Jugan), virgem, que, para men­digar o ne­ces­sário para os po­bres e para Deus, fundou a Con­gre­gação das Ir­mã­zi­nhas dos Po­bres e, in­jus­ta­mente afas­tada da di­recção do Ins­ti­tuto, passou o resto da sua vida em oração e humildade. († 1879)

14*.   Em Va­lência, na Es­panha, o Beato Cons­tan­tino Fer­nández Ál­varez, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, em tempo de per­se­guição re­li­giosa, con­sumou o seu com­bate pela fé. († 1936)

15*.   Em Hijar, lo­ca­li­dade pró­xima de Te­ruel, também na Es­panha, o Beato Fran­cisco Monzón Romeo, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, na mesma per­se­guição, con­firmou com o seu sangue a fi­de­li­dade ao Senhor. († 1936)

16*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, pró­ximo de Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Do­mingos Je­dr­ze­jewski, pres­bí­tero e mártir, que, no furor da guerra, foi de­por­tado da Po­lónia para um cár­cere es­tran­geiro, onde, de­pois de cruéis su­plí­cios, morreu por Cristo. († 1942)

17*.   Em Poznan, na Po­lónia, a Beata Sancha Szym­kowiak (Jo­a­nina Szym­kowiak), virgem da Con­gre­gação das Fi­lhas de Nossa Se­nhora das Dores, que, du­rante a vi­o­lência da mesma guerra, se de­dicou com suma di­li­gência ao cui­dado dos de­tidos no cárcere. († 1942)

18*.   Em Santa Júlia, po­vo­ação do Pi­e­monte, na Itália, a Beata Te­resa Bracco, virgem e mártir, tra­ba­lha­dora do campo, que, du­rante a se­gunda guerra mun­dial, por ter de­fen­dido co­ra­jo­sa­mente a sua pu­reza, foi morta pelos golpes de al­guns soldados. († 1944)

19♦.   Em Ollur, na lo­ca­li­dade de Ke­rala, es­tado da India, Santa Eu­frásia do Sa­grado Co­ração de Jesus (Rosa Elu­vathingal), virgem da Con­gre­gação da Mãe do Carmelo. († 1952)

20. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Constantinopla, o martírio dos Santos Hipácio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo da Ásia, e André, sacerdote, degolados por defenderem o culto das santas imagens. (M)

21. São Niceias (também na Folhinha do Coração de Jesus)

22. Outros santos do dia 29 de agosto: págs. 324-338, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 28 de agosto

Me­mória de Santo Agos­tinho (também na Folhinha do Coraçãoi de Jesus), bispo e in­signe doutor da Igreja, que, de­pois de uma vida in­quieta, quer in­te­lec­tual quer mo­ral­mente, se con­verteu à fé ca­tó­lica e foi bap­ti­zado por Santo Am­brósio de Milão e, re­gres­sando à sua pá­tria, aí levou com al­guns amigos uma vida as­cé­tica, con­sa­grada a Deus e ao es­tudo da Es­cri­tura. Eleito de­pois bispo de Hi­pona, hoje An­naba, na Ar­gélia, du­rante trinta e quatro anos foi per­feito mo­delo do seu re­banho e deu-lhe uma só­lida for­mação cristã por meio de nu­me­rosos ser­mões e es­critos, com os quais com­bateu for­te­mente os erros do seu tempo e expôs com sa­be­doria a ver­da­deira fé. († 430). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santo Agostinho, bispo de Hipona e doutor da Igreja, morto em 430. Inicialmente professor de retórica e orador, foi convertido de seus desvios morais e doutrinais, e batizado, perto de trinta e três anos, por Santo Ambrósio de Milão. Desde então, consagrou-se de corpo e alma a Deus, engajando-se na vida monástica e sacerdotal. Durante os trinta e quatro anos de seu episcopado, serviu a Igreja por sua palavra, abrindo o tesouro da Escritura a seus fiéis, e, através de seus escritos, expondo e defendendo de maneira incomparável, a doutrina da graça. (R). Ver páginas 268-305: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Agostinho_de_Hipona

2.   Em Roma, no ce­mi­tério de Ba­sila, junto à Via Sa­lária An­tiga, Santo Hermes, mártir, que, como re­fere o papa São Dâ­maso, veio da Grécia e Roma aco­lheu como seu ci­dadão, quando so­freu o mar­tírio pelo santo nome de Cristo. († s. III). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, Santo Hermes, escravo ou liberto romano, martirizado no séc. II. (M)

3.   Em Cons­tança, na Suábia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, a co­me­mo­ração de São Paio (São Pelágio), mártir. († c. s. III)

4.   Em Bri­oude, perto de Cler­mont-Fer­rand, na Aqui­tânia, hoje na França, São Ju­lião, mártir, que, em tempo de per­se­guição, tendo vindo para este ter­ri­tório pela exor­tação de São Fer­réolo, con­forme se narra, neste lugar re­cebeu a palma do martírio. († c. s. III). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Brioude, na Auvergne, São Juliano, mártir. Companheiro do tribuno São Ferreolo, seguia secretamente a Cristo sob o uniforme militar. Durante a perseguição de Diocleciano, foi detido e teve o pescoço cortado. Seu culto teve grande popularidade em várias localidades, que se colocaram sob seu patrocínio. (M)

5.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, Santo Ale­xandre, bispo, cuja oração apos­tó­lica, como es­creve São Gre­gório de Na­zi­anzo, venceu o chefe da im­pi­e­dade ariana. († c. 336)

6.   Em Car­tago, na ho­di­erna Tu­nísia, São Res­ti­tuto, em cuja fes­ti­vi­dade Santo Agos­tinho fez em sua honra um sermão ao povo. († c. 360)

7*.   Em Sár­sina, na Fla­mínia, hoje na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, São Vi­cínio, pri­meiro bispo desta cidade. († s. IV/V)

8.   Em Saintes, na Gália, ac­tu­al­mente na França, São Vi­viano (também na Folhinha do Coraçãoi de Jesus), bispo. († s. V). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V, o Bem-Aventurado Bibiano, bispo, que se devotou ao serviço da Igreja de Saintes. (M)

9.   No Egipto, São Moisés o Etíope, que, de­pois de ter sido um la­drão fa­moso se tornou ana­co­reta, con­verteu muitos do seu bando e os con­duziu com ele para o mosteiro. († c. 400). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no deserto de Cétia, no séc. IV, São Moisés, o Egípcio. Antigo escravo liberto por seu patrão, era chefe de um bando de assaltantes, quando tocado pela graça converteu-se e abraçou a vida monástica. Escolhido como sacerdote pelos numerosos penitentes que se haviam reunido em volta dele, o antigo assassino aplicou-se em animar a vida espiritual daquelas pessoas pelo exemplo de sua humildade. (M)

10.   Em Se­vilha, na An­da­luzia, re­gião da His­pânia, Santa Flo­ren­tina, virgem, muito eru­dita em ci­ên­cias ecle­siás­ticas, a quem os seus ir­mãos Le­andro e Isi­doro de­di­caram tra­tados de in­signe doutrina. († s. VII)

11*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, os be­atos már­tires Gui­lherme Dean, pres­bí­tero, e sete com­pa­nheiros, que, no rei­nado de Isabel I, con­su­maram o seu mar­tírio pelo reino de Deus, en­for­cados no mesmo dia mas em lu­gares di­versos da ci­dade ou nos arredores. São estes os seus nomes: Gui­lherme Gunter, Ro­berto Morton, Tomás Hold­ford e Jaime Claxton, pres­bí­teros; Tomás Felton, clé­rigo da Ordem dos Frades Me­nores; Hen­rique We­bley e Hugo More, leigos. († 1588)

12.   Em Len­castre, também na In­gla­terra, Santo Ed­mundo Ar­rows­mith, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus e mártir, na­tural deste du­cado, que, de­pois de ter exer­cido o mi­nis­tério pas­toral du­rante muitos anos na sua pá­tria, porque era sa­cer­dote e con­du­zira muitas pes­soas à fé ca­tó­lica, foi en­for­cado, contra a von­tade dos pró­prios pro­tes­tantes do lugar, no rei­nado de Carlos I. († 1628)

13.   Em Mon­terrey, na Ca­li­fórnia, Santo Ju­ní­pero (Mi­guel Serra), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores, que, nas tribos da­quela re­gião ainda pagã, so­bre­car­re­gado por muitas di­fi­cul­dades e tra­ba­lhos, pregou o Evan­gelho de Cristo no idioma do povo local e de­fendeu te­naz­mente os di­reitos dos po­bres e dos humildes. († 1784)

14*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato Carlos Ar­naldo Hanus, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por causa do sa­cer­dócio foi en­car­ce­rado na sór­dida ga­lera, na qual, atin­gido pelo es­va­e­ci­mento e também pela en­fer­mi­dade, con­sumou o martírio. († 1794)

15.   Em Bar­ce­lona, na Es­panha, Santa Jo­a­quina de Ve­druma, mãe de fa­mília, que educou pi­e­do­sa­mente nove fi­lhos e, quando ficou viúva, fundou o Ins­ti­tuto das Car­me­litas da Ca­ri­dade, su­por­tando se­re­na­mente todo o gé­nero de so­fri­mentos até à sua morte, que ocorreu por con­tágio da cólera. († 1854)

16♦.   Em Alençon, na França, Santa Zélia Maria Guerin, mãe de Santa Te­resa do Me­nino Jesus. († 1877)

17*.   Na re­gião de Va­lência, na Es­panha, os be­atos már­tires João Bap­tista Faubel Cano e Artur Ros Montalt, pais de fa­mília, que, du­rante a per­se­guição contra a Igreja, re­ce­beram dos ho­mens a morte, mas de Deus a vida eterna. († 1936)

18*.   Em Vi­la­nesa, lo­ca­li­dade da mesma re­gião da Es­panha, o Beato Au­rélio de Vilanesa (José Ample Al­caide), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos e mártir, que, du­rante a mesma per­se­guição, no com­bate da fé co­lheu o fruto da glória eterna. († 1936)

19♦.   Em Elche de la Si­erra, perto de Al­ba­cete, também na Es­panha, o Beato Ma­merto Car­chano Carchano, pres­bí­tero da di­o­cese de To­ledo e mártir, que, du­rante a mesma per­se­guição, con­firmou com o seu sangue a plena fi­de­li­dade a Cristo. († 1936)

20*.   Em Nawo­jowa Gora, po­vo­ação da Po­lónia, o Beato Afonso Maria Ma­zurek, pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas Des­calços e mártir, que, em tempo de guerra, foi morto pelos in­va­sores da sua pá­tria por causa da sua pro­fissão cristã. († 1944)

21. São João III (também na Folhinha do Coraçãoi de Jesus).

22. Santo Ezequias, rei de Judá, Antigo Testamento. Ver páginas 306-320: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf  

 23. Outros santos do dia 28 de agosto: págs. 268-323, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 27 de agosto

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Solenidade de NOSSA SENHORA DOS PRAZERES, titular da Catedral de Maceió, Alagoas. Ver “Padroeira de Maceió – conheça a história de Nossa Senhora dos Prazeres”: https://novoextra.com.br/noticias/alagoas/2018/08/38950-conheca-a-historia-de-nossa-senhora-dos-prazeres

– Ver também: https://www.google.com/search?q=Nossa+Senhora+dos+Prazeres+de+Macei%C3%B3&oq=Nossa+Senhora+dos+Prazeres+de+Macei%C3%B3&aqs=chrome..69i57j0l5.13793j0j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8

– Ver ainda, Os sete prazeres ou alegrias de Nossa Senhora

Nossa Senhora dos Prazeres é também conhecida como NOSSA SENHORA DAS SETE ALEGRIAS.  Os franciscanos foram os responsáveis por espalhar esta devoção mariana. Isto se deve ao fato de que as sete alegrias de Nossa Senhora foram descritas por um franciscano. Vamos conhecê-las:

Primeira alegria: a Anunciação

Foi quando o Anjo Gabriel anunciou à Virgem que ela conceberia e daria à luz o Filho de Deus. (Lc 1, 31)

Segunda alegria: a saudação de Isabel

Quando Maria visita Isabel e esta a saúda dizendo: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” (Lc 1, 42)

Terceira alegria: o Nascimento de Jesus

Jesus nasce numa manjedoura e é visitado pelos pastores. (Lc 2, 1-20)

Quarta alegria: a visitação dos Reis Magos

A ciência e o poder terreno se curvam diante do Rei dos Reis. (Mt 2, 1-12)

Quinta alegria: o encontro com Jesus no Templo aos 12 anos

Após uma busca angustiante, Maria e José encontram com Jesus no Templo conversando com os doutores da Lei. (Lc 2, 41-52)

Sexta alegria: a aparição de Jesus Ressuscitado

Todos os Evangelhos relatam as aparições de Jesus logo após sua morte e ressurreição.

Sétima alegria: a coroação de Maria no céu

É o quinto Mistério Glorioso, quando, após ser assunta ao céu, Maria é coroada como Rainha do Céu e da Terra.

Oração a Nossa Senhora dos Prazeres

“Nossa Senhora dos Prazeres, nossa Mãe querida, lembrando-me de vossas grandes alegrias: a Anunciação do Senhor, a visita à vossa prima Santa Isabel, o Nascimento do Menino Deus, a adoração dos Magos ao vosso Divino Filho, o encontro de Jesus no templo, a Ressurreição de Cristo e a vossa gloriosa Assunção, queremos pedir a vossa intercessão por nós e pelas nossas famílias junto a Deus. Que Ele nos livre das doenças e dos perigos, do desemprego e da desunião. Nossa Senhora dos Prazeres, ajudai-nos a sermos bons seguidores do vosso adorado Filho, lendo e refletindo a Bíblia Sagrada, alimentando-nos de Jesus na Eucaristia e participando ativamente de nossa comunidade. Queremos viver o mandamento do amor para com todos e caminhar em nossa vida dentro da justiça, colaborando para a construção da paz e da fraternidade. Amém!”:  https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-nossa-senhora-dos-prazeres/42/102/#c

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_dos_Prazeres

  • Me­mória de Santa Mó­nica (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, ainda ado­les­cente foi dada em ca­sa­mento a Pa­trício e teve fi­lhos, entre os quais Agos­tinho, por cuja con­versão der­ramou muitas lá­grimas e elevou muitas preces a Deus e, quando se dis­punha a re­gressar para a África, em Óstia, na Itália, as­pi­rando pro­fun­da­mente às re­a­li­dades ce­lestes, deixou esta vida e partiu para a mo­rada eterna. († 387). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santa Mônica, que morreu em Óstia, em 387. Teve a consolação de ver seu marido pagão batizado um ano antes de sua morte, e Agostinho, “filho de suas lágrimas”, convertido e recebido pela Igreja C atólica (R). Ver páginas 82-87: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf
  • Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Mônica_de_Hipona

2.   Em Cápua, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Rufo, mártir. († s. III/IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia receberam a coroa do martírio os Santos Rufo, cristão de Cápua, na Campânia; e, no Oriente, Antusa, a jovem (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santa Antusa Menor), que foi jogada num poço por haver se recusado a renegar Cristo (M).

3.   Em Cítia de Tomis, hoje Cons­tança, na Ro­ménia, os santos már­tires Mar­ce­lino, tri­buno, e Ma­neia, es­posos, e João, seu filho, Se­ra­pião, clé­rigo, e Pedro, soldado. († c. s. IV)

4.   Em Bér­gamo, na Li­gúria, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Narno, con­si­de­rado o pri­meiro bispo desta cidade. († s. IV)

5.   Na Te­baida, no Egipto, São Pé­menes, abade, muito cé­lebre entre os ana­co­retas e do qual se re­ferem muitas má­ximas de sabedoria. († s. IV/V). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no deserto de Cétia, perto de 400, São Poimém, anacoreta, que foi um dos principais mestres da espiritualidade monástica egípcia. Ele admitiu, um dia, ter sido objeto de uma visão mística: “Eu estava, em espírito, com a Santa Maria, Mãe de Deus, chorando aos pés da Cruz, e queria chorar assim para sempre”. (M)

6.   Em Cou­se­rans, na Aqui­tânia, hoje na França, São Li­cério, bispo, de origem his­pâ­nica e dis­cí­pulo do bispo São Fausto de Riez, que pro­tegeu com as suas ora­ções a ci­dade da in­vasão dos Visigodos. († c. 540). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Couserans, perto de 540, a volta para Deus de São Liziário, um dos primeiros bispos da antiga cidade, que hoje é apenas uma aldeia na região de Ariège. Seu culto se espalhou pelo sul da França e pela Espanha, especialmente em Lérida. (M). Ver página 263: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

7.   Em Arles, na Pro­vença, também na ac­tual França, São Ce­sário, bispo, que, de­pois de ter le­vado vida mo­nás­tica na ilha de Lé­rins, com re­lu­tância re­cebeu o epis­co­pado. Pre­parou e co­ligiu ser­mões para as vá­rias fes­ti­vi­dades, des­ti­nados a serem lidos pelos pres­bí­teros na ca­te­quese ao povo, e es­creveu re­gras, tanto para ho­mens como para vir­gens, com a fi­na­li­dade de ori­entar a vida monástica. († 542). Ver 26 de agosto: Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 543, o nascimento no céu de São Cesáreo, monge de Lérins, eleito mais tarde, bispo de Arles. Fez-se o advogado da população galo-romana junto aos francos, presidiu importantes concílios provinciais e estimulou a instituição monástica redigindo duas regras, nas quais tenta uma síntese das tradições egípcia e agostiniana (F). Ver São Cesário, bispo de Arles,páginas 234-256: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

8.   Em Pavia, na Lom­bardia, re­gião da Itália, São João, bispo. († c. 825)

9*.   No mos­teiro de Pe­tershausen, que tinha fun­dado, na Suábia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, o se­pul­ta­mento de São Ge­bardo, bispo de Constança. († 995)

10*.   No mos­teiro de Aulps, na Sa­vóia, ac­tu­al­mente na França, o pas­sa­mento de São Gua­rino, bispo de Sion, que, tendo sido monge de Mo­lesme no tempo de São Ro­berto, cons­truiu este ce­nóbio, que di­rigiu san­ta­mente e agregou à Ordem Cisterciense. († 1150). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1150, São Guerino, fundador e primeiro abade cisterciense de Hautecombe. Foi mais tarde eleito bispo a serviço da Igreja de Sion, no Valais. (X)

11*.   Em Lau­sana, na Suíça, Santo Amadeu, bispo, que, sendo monge de Cla­raval, foi de­sig­nado abade do ce­nóbio de Hau­te­combe e de­pois, eleito bispo, ins­truiu di­li­gen­te­mente os jo­vens, formou um clero pi­e­doso e casto e ce­le­brou na sua pre­gação a Virgem Santa Maria. († 1159)

12*.   Em Fo­linho, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Ân­gelo Cónti, pres­bí­tero da Ordem dos Ere­mitas de Santo Agos­tinho, in­signe pela sua pe­ni­tência, hu­mil­dade e pa­ci­ência pe­rante as ofensas. († 1312)

13*.   Em Le­o­minster, na In­gla­terra, o Beato Ro­gério Cadwal­lador, pres­bí­tero e mártir, que, de­pois de or­de­nado sa­cer­dote e ser fa­moso pela sua grande sa­be­doria em Val­la­dolid, na Es­panha, exerceu o mi­nis­tério clan­des­ti­na­mente na sua pá­tria du­rante de­zas­seis anos; fi­nal­mente, no rei­nado de Jaime I, foi con­de­nado por causa do sa­cer­dócio e, de­pois de cruéis tor­mentos, morreu no su­plício do patíbulo. († 1610)

14*.   Em Na­ga­sáki, no Japão, os be­atos Fran­cisco de Santa Maria, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores, e ca­torze com­pa­nheiros, már­tires, que, por ordem do pre­feito da ci­dade Kawachi Dono, so­freram o mar­tírio em ódio ao nome de Cristo. São estes os seus nomes: Bar­to­lomeu Laurel e An­tónio de São Fran­cisco, re­li­gi­osos da Ordem dos Frades Me­nores; Gaspar Vaz e Maria, es­posos; Ma­da­lena Kiyota, viúva; Caio Jiyemon, Fran­cisca, Fran­cisco Ku­ru­bioye, Fran­cisco Kuhioye, Luís Matsuo Soyemon, Mar­tinho Gómez, Tomás Wo Jinyemon, Lucas Kiyemon e Mi­guel Kizayemon. († 1627)

15.   Em Usk, ci­dade do País de Gales, São David Lewis, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus e mártir, que, or­de­nado sa­cer­dote em Roma, ce­le­brou clan­des­ti­na­mente os sa­cra­mentos e prestou au­xílio aos po­bres na sua pá­tria du­rante mais de trinta anos, até que, no rei­nado de Carlos II, por causa do sa­cer­dócio foi sus­penso no patíbulo. († 1679)

16*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, os be­atos már­tires João Bap­tista de Souzy, pres­bí­tero, e Ul­rico (João Bap­tista Guil­laume), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs, már­tires, que, na per­se­guição contra a Igreja, foram en­car­ce­rados em con­di­ções de­su­manas e, afec­tados pela fome e graves en­fer­mi­dades, mor­reram por Cristo. († 1794)

17*.   Em Re­a­ding, na In­gla­terra, o Beato Do­mingos da Mãe de Deus Barberi, pres­bí­tero da Con­gre­gação da Paixão, que, de­di­cando-se di­li­gen­te­mente à causa da uni­dade dos cris­tãos, aco­lheu muitos na Igreja católica. († 1849)

18*.   Em Pi­cas­sent, lo­ca­li­dade do ter­ri­tório de Va­lência, na Es­panha, o Beato Fer­nando Gon­zález Añon, pres­bí­tero e mártir, que, no tempo da per­se­guição, me­receu passar à fe­li­ci­dade eterna. († 1936)

19*.   Na es­trada de Go­della para Bé­tera, na mesma re­gião da Es­panha, o Beato Rai­mundo Marti So­riano, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a mesma per­se­guição contra a fé cristã, der­ramou o seu sangue por Cristo. († 1936)

20♦.   Em Ma­drid, também na Es­panha, os be­atos José Maria López Car­rillo e Pedro Ibañez Alonso, pres­bí­teros da Ordem dos Pre­ga­dores e már­tires, que na mesma per­se­guição foram co­ro­ados com o su­premo tes­te­munho de Cristo. († 1936)

21*.   Em San Se­bas­tian, também na Es­panha, a Beata Maria do Pilar Iz­qui­erdo Albero, virgem, que, atri­bu­lada du­rante muito tempo pela po­breza e graves en­fer­mi­dades, serviu a Deus no amor ac­tivo para com os po­bres e os aflitos e, para lhes prestar as­sis­tência, fundou a Obra Mis­si­o­nária de Jesus e Maria. († 1945)

22. Santa Eulália (também na Folhinha do Coração de Jesus). No VIDAS DOS SANTOS, perto de Lentini, na Sicília, Santa Eutália, virgem: porque cristã, foi degolada por Sermiliano, seu irmão, indo-se, assim, para o celeste Espôso (época desconhecida ). Ver página266: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

23. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 680, a ordenação episcopal de São Siágrio, bispo de Autun, de quem vários discípulos foram escolhidos para o episcopado. Foi objeto de especial estima por parte do Papa São Gregório Magno. (M)

24. Santo Eunuco da Rainha da Etiópia. Ver páginas 257-259: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

25. São Pastor ou Pemen. Ver páginas 260-262: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%bri2015.pdf

26. Bem-Aventurado Gabriel Maria. Ver páginas 264-265: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 27. Outros santos do dia 27 de agosto: págs. 232-267, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 26 de agosto

1.   Co­me­mo­ração de São Melquí­sedec, rei de Salém e sa­cer­dote do Deus Al­tís­simo, que saudou Abraão, aben­ço­ando-o quando re­gres­sava da vi­tória e, ofe­re­cendo ao Se­nhor um sa­cri­fício santo, uma ví­tima ima­cu­lada, é con­si­de­rado como pre­fi­gu­ração de Cristo, rei de paz e de jus­tiça, e, porque é apre­sen­tado sem ge­ne­a­logia, pre­a­nuncia o sa­cer­dote eterno.

2.   Em Roma, no ce­miério de Ba­sila, junto à Via Sa­lária An­tiga, São Ma­xi­mi­liano, mártir. († data inc.)

3.   Em Sa­lona, na Dal­mácia, hoje Split, na Croácia, Santo Anas­tásio, pi­so­eiro, mártir. († data inc.)

4.   Em Ce­sa­reia, na Mau­ri­tânia, hoje Cher­chell, na Ar­gélia, São Vítor, mártir, que, con­de­nado à morte, se­gundo a tra­dição foi cru­ci­fi­cado num sábado. († s. III/IV). Ver páginas 225-226: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

5.   Em Bér­gamo, na Trans­pa­dânia, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, Santo Ale­xandre, mártir. († s III/IV)

6.   Em Au­xerre, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, Santo Eleu­tério, bispo. († s. VI)

7♦.   Em Yat­sushiro, no Japão, o Beato Jo­a­quim Wa­ta­nabe Jirozaemon, pai de fa­mília e mártir. († 1606)

8*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, no li­toral da França, o Beato Tiago Retouret, pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, foi ar­re­ba­tado do con­vento de Li­moges e me­tido na esquá­lida ga­lera, onde, aban­do­nado pelos per­se­gui­dores quase sem roupa, morreu de hipotermia. († 1794)

9.   Em La Puye-en-Vélay, perto de Poi­tiers, também na França, Santa Joana Isabel Bi­chier des Âges (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, ajudou Santo André Hu­berto Four­nier a exercer clan­des­ti­na­mente o seu mi­nis­tério e, res­ti­tuída a paz da Igreja, fundou a Con­gre­gação das Fi­lhas da Cruz, des­ti­nada à edu­cação dos po­bres e à as­sis­tência aos enfermos. († 1838)

10.   Em Belém, ci­dade da Terra Santa, Santa Maria de Jesus Crucificado (Maria Ba­ou­ardy), virgem da Ordem das Car­me­litas Des­calças, que, en­ri­que­cida com dons mís­ticos, uniu à vida con­tem­pla­tiva uma sin­gular caridade. († 1878)

11.   Em Líria, ci­dade da pro­víncia de Va­lência, também na Es­panha, Santa Te­resa de Jesus Jornet Ibars, virgem, que, para a as­sis­tência aos an­ciãos, fundou o Ins­ti­tuto das Ir­mã­zi­nhas dos An­ciãos De­sam­pa­rados. († 1897). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Líria, perto de Valência, na Espanha, em 1897, Santa Teresa de Jesus Jornet-e-Ibars. Nascida na Catalunha de uma família de agricultores, consagrou-se inicialmente ao ensino, e depois fundou, juntamente com algumas companheiras, o “Instituto das Irmãzinhas dos Idosos Abandonados” que já contava com cinquenta e oito casas quando da sua aprovação em 1887. (X)

12*.   Em Va­lência, também na Es­panha, o Beato Am­brósio de Benaguacil (Luís Valls Ma­ta­males), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos e mártir, que, pelo seu sangue der­ra­mado du­rante a per­se­guição, me­receu en­trar no con­vívio eterno. († 1936)

13*.   Em Al­berca de Dénia, na pro­víncia de Ali­cante, também na Es­panha, o Beato Pedro de Be­nisa (Ale­xandre Más Gi­nestar), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos e mártir, que, na mesma per­se­guição, foi co­roado no mar­tírio por Cristo. († 1936)

14*.   Em Es­plu­gues, po­vo­ação pró­xima de Bar­ce­lona, também na Es­panha, o Beato Félix Vivet Trabal, re­li­gioso da So­ci­e­dade Sa­le­siana e mártir, que, na mesma per­se­guição, me­receu en­trar no grande ban­quete celeste. († 1936)

15♦.   Em Má­laga, também na Es­panha, os be­atos For­tu­nato Me­rino Vegas, pres­bí­tero, e Luís Gu­tiérrez Calvo, re­li­gioso, ambos da Ordem de Santo Agos­tinho e mártir, que na mesma per­se­guição foram as­sas­si­nado em ódio à fé crista. († 1936)

16♦.   Em Dehesa de la Villa, perto de Ma­drid, também na Es­panha, a Beata Maria dos Anjos Gi­nard Martí (Ân­gela Ben­dita), virgem da Con­gre­gação das Irmãs Ze­la­doras do Culto Eu­ca­rís­tico de Palma de Mai­orca e mártir, que me­receu as­so­ciar-se às núp­cias eternas com seu Es­poso, Jesus Cristo. († 1936)

17*.   Na for­ta­leza de Kharsk, perto de Tomsk, na Si­béria, re­gião da Rússia, a Beata Lou­rência (Le­o­cádia Ha­rasymiv), virgem da Con­gre­gação das Irmãs de São José, que, du­rante a per­se­guição da fé na sua pá­tria, foi en­car­ce­rada neste campo de con­cen­tração, onde a sua cons­tância na fé e a pu­reza de vida foram co­ro­adas com a sua morte gloriosa. († 1952)

18*.   Em Roma, a Beata Maria Bel­trame Quattrócchi, mãe de fa­mília, que, pas­sando a vida com o seu es­poso numa pro­funda e feliz co­mu­nhão de fé e de ca­ri­dade para com o pró­ximo, ilu­minou a fa­mília e a so­ci­e­dade com a luz de Cristo. († 1965)

 19. São Zeferino(também na Folhinha do Coração de Jesus). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 217, o sepultamento de São Zeferino, papa, que governou a Igreja Católica durante dezoito anos com o apoio de seu diácono Calixto, e lutou vigorosamente contra os hereges que ameaçavam desunir a comunidade cristã (M)

20. Santa Isabel Richier (também na Folhinha do Coração de Jesus).

21. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, Santo Irieix, filho de Santa Pelágia e fundador de um mosteiro no Limousin, região na qual diversas localidades ainda trazem seu nome (X).

22. Santa Pelágia. Ver página 227-228: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

23. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 543, o nascimento no céu de São Cesáreo, monge de Lérins, eleito mais tarde, bispo de Arles. Fez-se o advogado da população galo-romana junto aos francos, presidiu importantes concílios provinciais e estimulou a instituição monástica redigindo duas regras, nas quais tenta uma síntese das tradições egípcia e agostiniana (F). Ver São Cesário, bispo de Arles, páginas 234-256: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

24. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Normandia. Em 1070, o Bem-Aventurado Heluíno. Após ter portado armas até os quarenta anos, este nobre flamengo vestiu o hábito monástico para militar por Cristo. Fundou para seus discípulos a abadia do Bec, que foi enriquecida mais tarde por vários santos bispos e doutores da Igreja. (X)

25. Outros santos do dia 26 de agosto: págs. 222-231, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 25 de agosto

São Luís IX (também na Folhinha do Coração de Jesus), rei da França, que se tornou cé­lebre pela sua fé ac­tiva, quer em tempo de paz quer no de­curso da guerra em de­fesa dos cris­tãos, pela justa ad­mi­nis­tração do reino, pelo amor aos po­bres e pela cons­tância nas ad­ver­si­dades. Con­traiu ma­tri­mónio e teve onze fi­lhos, a quem deu uma ex­ce­lente e pi­e­dosa edu­cação. Para honrar a cruz, a coroa de es­pi­nhos e o se­pulcro do Se­nhor, de­dicou todos os seus bens, a sua força e a pró­pria vida, até que, atin­gido pela peste no acam­pa­mento mi­litar, morreu em Túnis, no li­toral da África setentrional. († 1270). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1270, o nascimento no céu de São Luís, rei de França. Sua sólida formação humana e cristã, bem como seu senso de justiça, permitiram a expansão e o alto nível moral e cultural da França e da cristandade no século XIII. Seu corpo foi trazido de Túnis para Paris e inumado na necrópole e real de Saint-Denis, ao passo que seu crânio foi depositado na Saint Chapelle, em Paris, construída por ele para conservar a coroa de espinho do Salvador. (R). Ver páginas 202-215: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Luís_IX_de_França

São José de Calasanz (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, que, para educar as cri­anças e os ado­les­centes no amor e sa­be­doria do Evan­gelho, ins­ti­tuiu es­colas po­pu­lares e fundou em Roma a Ordem dos Clé­rigos Re­grantes Po­bres da Mãe de Deus das Es­colas Pias. († 1648). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1648, a volta para Deus de São José Calazans. Nascido em Aragão, partiu para Roma depois de sua ordenação sacerdotal. Lá fundou uma congregação de clérigos regulares, que se consagraram ao ensino popular. (R). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/José_de_Calasanz

3.   Na Via Au­rélia, a seis mi­lhas de Roma, o se­pul­ta­mento dos santos Eu­sébio, Pon­ciano, Vi­cente e Pe­re­grino, mártires. († data inc.). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia foram julgados dignos de sofrer pelo nome de Cristo os Santos Ponciano, Vicente e Peregrino, martirizados em Roma no séc. III (M). Ver página 221: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

4.   Em Arles, na Pro­vença, na ho­di­erna França, São Gens, mártir, que, ainda ca­te­cú­meno, tra­ba­lhando no tri­bunal como no­tário e re­cu­sando-se a trans­crever um edito contra os cris­tãos, tentou salvar-se pondo-se em fuga; mas, cap­tu­rado pelos sol­dados, foi bap­ti­zado com o pró­prio sangue. († 303). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Arles, o Bem-Aventurado Genésio, jovem escrivão do tribunal, decapitado por se ter recusado a registrar os decretos de condenação de cristãos inocentes. Diversas localidades na França ainda trazem seu nome. (M).

5.   Em Itá­lica, hoje San­ti­ponce, perto de Se­vilha, na His­pânia Bé­tica, São Gerôncio, bispo, que se narra ter mor­rido no cárcere. († s. IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, igualmente o sepultamento de São Gerôncio, bispo de Itálica, e de São Menas (ver número 7, abaixo), bispo de Constantinopla na primeira metade do século VI. (M)

6*.   Em Agde, na Gália Nar­bo­nense, ac­tu­al­mente na França, São Se­vero, abade do mos­teiro por ele fun­dado nesta cidade. († s. V)

7.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Menas, bispo, que foi or­de­nado pelo papa Santo Aga­pito e, res­ta­be­le­cida a co­mu­nhão, tem­po­ra­ri­a­mente in­ter­rom­pida com o papa Vi­gílio, de­dicou à di­vina Sa­be­doria a grande igreja edi­fi­cada pelo im­pe­rador Justiniano. († 552). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Menas_de_Constantinopla

8*.   Em Atane, no ter­ri­tório de Li­moges, na ac­tual França, Santo Arédio, abade, que, compôs para o ce­nóbio que fun­dara uma ex­ce­lente regra, fun­dada nos pre­ceitos de vá­rios ins­ti­tutos de vida monástica. († 591)

9.   Em Utrecht, na Gél­dria da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na Ho­landa, São Gre­gório, abade, que, ainda ado­les­cente, acom­pa­nhou sempre São Bo­ni­fácio nas ca­mi­nhadas mis­si­o­ná­rias para a con­versão da Tu­ríngia e de Hessen e de­pois, por seu man­dato, di­rigiu como abade o mos­teiro de São Mar­tinho e go­vernou a Igreja de Utrecht. († 775). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VIII, São Gregório, discípulo de São Bonifácio. Foi nomeado abade de São Martinho de Utrecht. (X)

10.   Em Mon­te­fi­as­cone, na Tos­cana, hoje no Lácio, re­gião da Itália, o pas­sa­mento de São Tomás Can­te­lupe, bispo de He­re­ford, na In­gla­terra, homem de emi­nente cul­tura, se­vero para con­sigo e lar­ga­mente ge­ne­roso para com os pobres. († 1282)

11*.   Em Xi­ma­bara, no Japão, os be­atos már­tires Mi­guel Carvalho, da Com­pa­nhia de Jesus, Pedro Vás­quez, da Ordem dos Pre­ga­dores, Luís So­telo e Luís Sa­sanda, pres­bí­teros, e Luís Baba, re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores, que por Cristo foram quei­mados vivos. († 1624)

12*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato Paulo João Charles, pres­bí­tero e mártir, um prior da Ordem Cis­ter­ci­ense, que, du­rante a per­se­guição da Re­vo­lução Fran­cesa, foi ar­re­ba­tado do mos­teiro de Sept-Fonts e en­car­ce­rado na sór­dida ga­lera por causa do seu sa­cer­dócio, onde morreu de ina­nição e enfermidade. († 1794)

13*.   Em Cór­dova, na Ar­gen­tina, a Beata Maria do Trân­sito de Jesus Sacramentado, virgem, que se de­dicou in­ten­sa­mente à for­mação cristã da in­fância pobre e aban­do­nada e ins­ti­tuiu na Ar­gen­tina a Con­gre­gação das Irmãs Mis­si­o­ná­rias da Ordem Ter­ceira de São Francisco. († 1885)

14*.   Em Va­lência, na Es­panha, o Beato Luís Ur­bano Lanaspa, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que su­perou o glo­rioso com­bate por Cristo. († 1936)

15♦.   Em “Pa­lacio del Duque”, entre Somió e Cabueñes, nas As­tú­rias, também na Es­panha, o Beato Flo­rêncio Alonso Ruiz, pres­bí­tero da Ordem de Santo Agos­tinho e mártir, que, du­rante a per­se­guição contra a fé, com o seu mar­tírio se­guiu os passos de Cristo. († 1936)

16♦.   Na es­trada de Lla­gos­tera a Vi­dreras, na Ca­ta­lunha, também na Es­panha, o Beato Onofre (Sálvio To­losa Al­sina), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs e mártir, que na mesma per­se­guição contra a fé deu tes­te­munho de Cristo der­ra­mando por Ele o seu sangue. († 1936)

17♦.   Em Ma­drid, também na Es­panha, o Beato Vi­cente Ál­varez Cienfuegos, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que na mesma per­se­guição der­ramou o sangue por Cristo. († 1936)

18♦.   Em Sucúa, lo­ca­li­dade do Equador, Maria Troncatti, virgem da Con­gre­gação da Fi­lhas de Maria Au­xi­li­a­dora, que exerceu uma longa e ge­ne­rosa ac­ti­vi­dade entre os in­dí­genas “Shuar”. († 1969)

19. Santa Patrícia (também na Folhinha do Coração de Jesus). Ver página 219: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

20. Bem-Aventurado Metódio (também na Folhinha do Coração de Jesus)

21. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, São Genésio. Nascido no paganismo, era ator profissional. Um dia, quando se apresentava ao imperador Diocleciano, ao parodiar os mistérios cristãos foi subitamente tocado pela graça, e pediu o batismo. Por ordem do imperador foi batizado em seu próprio sangue, enquanto clamava: “Não há outro rei senão Cristo”. (M). Ver página 218: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Genésio_de_Roma

22.No VIDAS DOS SANTOS, Bem-Aventurado São Tomás de Kempis, confessor. Ver páginas 216-217: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

23. Outros santos do dia 25 de agosto: págs. 202-221, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 24 de agosto

Festa de São Bar­to­lomeu (também na Folhinha do Coração de Jesus), Após­tolo, ge­ral­mente iden­ti­fi­cado com Na­ta­nael, que, nas­cido em Caná da Ga­li­leia, foi con­du­zido por Fi­lipe a Jesus Cristo junto ao rio Jordão, onde o Se­nhor o chamou para que O se­guisse e o agregou aos Doze. Se­gundo a tra­dição, de­pois da As­censão do Se­nhor pregou o Evan­gelho na Índia e aí foi co­roado pelo martírio. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, festa de São Bartolomeu, Apóstolo. Originário de Caná, Bartolomeu ou Natanael, foi apresentado por Filipe, seu íntimo amigo, a Jesus que o saudou como “um israelita sem artifícios”. Imediatamente proclamou sua fé em Cristo “Filho de Deus e Rei de Israel”, e foi contado entre os Doze. Depois da Ressurreição, participou da pesca milagrosa. Segundo a tradição, evangelizou a Armênia, que o tem como seu apóstolo. (R). Ver páginas 192-196 e página 200: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

2.   Em Clau­dió­polis, ci­dade da Ho­no­ríade, hoje Bolu, na Tur­quia, São Ta­cião, mártir. († data inc.)

3.   Em Clichy, no ter­ri­tório de Paris, na ac­tual França, o pas­sa­mento de Santo Au­deno, bispo de Rouen, que, dei­xando o cargo de con­se­lheiro do rei Da­go­berto, foi ele­vado ao epis­co­pado e go­vernou com su­cesso a sua Igreja du­rante qua­renta e três anos, du­rante os uais fundou muitas igrejas e pro­moveu a cons­trução de vá­rios mosteiros. († 684). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 685, Santo Audoeno, bispo de Ruão. Dedicou-se à causa monástica ajudando São Vandrilo a fundar a Abadia de Fontenelle, e São Filiberto a de Jumièges. (M). no VIDAS DOS SANTOS, Santo Audoeno, Bispo de Ruão. Ver páginas 188-191: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

4.   No monte Olimpo, na Bi­tínia, hoje na Tur­quia, São Jorge Limniota, monge, que cen­surou a im­pi­e­dade do im­pe­rador Leão III por ter des­truído as sa­gradas ima­gens e lan­çado ao fogo as re­lí­quias dos Santos; por isso foi-lhe cor­tado o nariz e quei­mada a ca­beça por ordem im­pe­rial, e assim com a glória do mar­tírio foi ao en­contro do Senhor. († c. 730). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no Oriente, perto de 770, São Jorge Liminiota, monge que sofreu torturas por defendido o culto das santas imagens. (M)

5.   Em Lima, no Peru, o dia natal de Santa Rosa, cuja me­mória se ce­lebra no dia anterior. († 1617)

6*.   Em An­gers, na França, o Beato André Far­deau, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, em ódio ao sa­cer­dócio foi degolado. († 1794)

7.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, Santa Joana An­tida Thouret, virgem, que pros­se­guiu a vida re­li­giosa, in­ter­rom­pida du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, jun­ta­mente com al­gumas com­pa­nheiras, que em Be­sançon agregou a si na nova So­ci­e­dade das Irmãs da Ca­ri­dade, des­ti­nada à for­mação cristã e civil da ju­ven­tude, à as­sis­tência de ca­ri­dade para as cri­anças de­sam­pa­radas e ao cui­dado dos po­bres e dos en­fermos; ex­pirou afec­tada por grandes tribulações. († 1826)

8.   Em Mar­selha, na França, Santa Emília de Vialar (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, na in­tenção de for­ta­lecer a di­fusão do Evan­gelho em re­giões lon­gín­quas, fundou e pro­pagou a Con­gre­gação das Irmãs de São José da Aparição. († 1856). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Marselha, em 1856, Santa Emília de Vialar, virgem, fundadora da Congregação das Irmãs de São José da Aparição, que se dedicam ao serviço dos doentes e dos pobres. Por ocasião da fundação de um hospital na Argélia, os próprio árabes reconheceram o sinal da caridade de Cristo naquela obra. (M). Ver páginas 197-199: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf  

9.   Em Va­lência, na Es­panha, Santa Maria Mi­caela (também na Folhinha do Coração de Jesus) do San­tís­simo Sa­cra­mento (Mi­caela Des­maisières), virgem, fun­da­dora da Con­gre­gação das Es­cravas do San­tís­simo Sa­cra­mento e da Ca­ri­dade, que, mo­vida pela sua in­can­sável te­na­ci­dade e de­sejo ar­dente de salvar almas para Deus, de­dicou a sua vida à re­cu­pe­ração das jo­vens mo­ral­mente ex­tra­vi­adas e das meretrizes. († 1865). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Valência, na Espanha, no ano de 1856, Santa Maria Micaela, que se dedicou às mulheres arrependidas de Madri e fundou para elas a Congregação das Servas do Santíssimo Sacramento da Caridade. (M)

10*.   Em Tulcan, no Equador, a Beata Maria da Encarnação (Maria Vi­centa Rosal), que fundou a Ordem Beth­le­mita, des­ti­nada es­pe­ci­al­mente a pro­mover a dig­ni­dade da mu­lher e formar cris­tã­mente as jovens. († 1886)

11♦.   Em To­ledo, na Es­panha, o Beato José Polo Benito, pres­bí­tero da di­o­cese de Sa­la­manca e mártir, que foi as­sas­si­nado em ódio à Igreja. († 1936)

12♦.   Em Peñas de San Pedro, perto de Al­ba­cete, também na Es­panha, o Beato Ri­go­berto Aqui­lino de Anta y de Bárrio, pres­bí­tero da di­o­cese de Múrcia e mártir, que deu a vida por Cristo na mesma perseguição. († 1936)

13♦.   Em Ma­drid, também na Es­panha, o Beato Félix Gon­zález Tejedor, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana e mártir, que, du­rante a mesma per­se­guição, morreu por causa do seu co­ra­joso tes­te­munho da fé. († 1936)

14♦.   Em Má­laga, também na Es­panha, o Beato Ma­nuel Fer­nández Ferro, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana e mártir, que na mesma per­se­guição der­ramou o seu sangue por Cristo. († 1936)

15♦.   Em Gijón, também na Es­panha, o Beato João Pérez Rodríguez, pres­bí­tero da Ordem de Santo Agos­tinho e mártir, que na mesma per­se­guição morreu pro­fes­sando a sua fé em Cristo. († 1936)

16*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, pró­ximo de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Ma­xi­miano Bin­ki­ewicz, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a guerra, de­por­tado pelos sol­dados in­va­sores da Po­lónia, sua pá­tria, por causa da sua fé em Cristo, fa­leceu ví­tima dos tor­mentos e su­plí­cios su­por­tados no de­su­mano cativeiro.

(† 1942)

17*.   Em Dresda, na Ale­manha, os be­atos Ceslau Jozwiak, Edu­ardo Kaz­mi­erski, Fran­cisco Kesy, Edu­ardo Klinik e Ia­rog­nievo Woj­ci­e­chowski, már­tires, na­tu­rais da Po­lónia, que, na mesma per­se­guição, foram en­car­ce­rados e, tres­pas­sados por golpes de bai­o­netas, con­su­maram o martírio. († 1942)

18. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cartago, no século III, o martírio de Trezentos Cristãos, que preferiram morrer queimados na cal viva em nome de Cristo a queimar incenso aos ídolos vãos. (M)

19. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, São Patrício, que viveu na solidão e oração na Diocese de Nevers. Diversas localidades, ainda hoje, têm o seu nome. (M)

20. Outros santos do dia 24 de agosto: págs. 188-201, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 23 de agosto

Santa Rosa (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, in­signe desde tenra idade pela sua aus­tera so­bri­e­dade de vida, tomou em Lima, ci­dade do Peru, o há­bito das Irmãs da Ordem Ter­ceira de São Do­mingos; de­di­cada à pe­ni­tência e à oração, e ar­dente de zelo pela sal­vação dos pe­ca­dores e das po­pu­la­ções ín­dí­genas, as­pi­rava a dar a vida por eles, sub­me­tendo-se es­pon­ta­ne­a­mente a todo o gé­nero de sa­cri­fí­cios, a fim de con­quistar a todos para Cristo. A sua morte ocorreu no dia 24 de Agosto. († 1617). Conforme o Martírio Romano-Monástico, em 1617, o nascimento no céu de Santa Rosa de Lima, a “Primeira Flor de Santidade do Peru”. Desejando consagrar a Deus sua grande beleza física, tomou o hábito da Ordem Terceira Dominicana para testemunhar contra a sociedade próspera e materialista em que vivia. Morreu aos trinta e um anos na cidade de Lima.  (R)

2.   Co­me­mo­ração de São Za­queu (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, se­gundo a tra­dição, foi o quarto bispo, de­pois do após­tolo São Tiago, irmão do Se­nhor, a di­rigir a Igreja de Jerusalém. († s. II).

3.   Em Roma, no ce­mi­tério de São Lou­renço, junto à Via Ti­bur­tina, os santos Abúndio e Ireneu, mártires. († data inc.)

4.   Em Óstia, no Lácio, re­gião da Itália, os santos Ci­ríaco e Ar­quelau, mártires. († data inc.)

5.   Em Sistov, na Mésia In­fe­rior, hoje na Ro­ménia, São Lopo, mártir, que, se­gundo a tra­dição, al­cançou a li­ber­dade de Cristo, so­frendo o mar­tírio ao fio da espada. († data inc.)

6.   Em Egeia, na Ci­lícia, hoje na Tur­quia, os santos már­tires Cláudio, As­tério e Neon, ir­mãos, que, acu­sados pela sua ma­drasta de serem cris­tãos, foram de­go­lados, se­gundo a tra­dição, no tempo do im­pe­rador Di­o­cle­ciano e do go­ver­nador Lísias. († 303). Conforme o Martírio Romano-Monástico, na mesma época, na Ásia Menor, o martírio dos Santos Cláudio, Astério e Neônio. Ao governador que os convocara a sacrificar aos ídolos, Cláudio respondeu: “Ao meu Deus não agradam sacrifícios como estes. Ele se alegra com as obras de misericórdia e com a vida irrepreensível. Sofrer é um grande ganho, e morrer por Cristo é para mim a maior fortuna (M).

7.   Em Autun, na Gália Li­o­nense, na ac­tual França, São Fla­viano, bispo, que res­plan­deceu no tempo do rei Clodoveu. († s. V-VI)

8*.   Em Lon­don­derry, na Ir­landa, Santo Eu­génio, pri­meiro bispo de Ardstraw. († s. VI)

9*.   No mos­teiro de São Fi­lipe, pró­ximo de Lo­cros, na Ca­lá­bria In­fe­rior, re­gião da Itália, Santo An­tónio de Gerace, eremita. († s. X)

10*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato João Bourdon (Pro­tásio de Séez), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, preso com muitos ou­tros sa­cer­dotes, as­sistiu e con­fortou os com­pa­nheiros de ca­ti­veiro, até que, fi­nal­mente, morreu con­ta­giado pela enfermidade. († 1794)

11*.   Em Ta­bernes de Vall­digna, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, os be­atos már­tires Cons­tan­tino Car­bo­nell Sempere, pres­bí­tero, Pedro Ge­la­bert Amer e Rai­mundo Gri­maltós Monllor, re­li­gi­osos da Com­pa­nhia de Jesus, que so­freram o mar­tírio du­rante a per­se­guição contra a fé. († 1936)

12*.   Em Vall­bona, também na pro­víncia de Va­lência, os be­atos már­tires Flo­ren­tino Pérez Romero, pres­bí­tero, e Ur­bano Gil Sáez, re­li­gioso, da Con­gre­gação dos Ter­ciá­rios Ca­pu­chi­nhos de Nossa Se­nhora das Dores, que, du­rante a mesma per­se­guição, con­su­maram glo­ri­o­sa­mente o seu com­bate pela fé. († 1936)

13*.   Em Silla, po­vo­ação da mesma pro­víncia de Va­lência, o Beato João Maria da Cruz (Ma­riano Garcia Méndez), pres­bí­tero da Con­gre­gação dos Sa­cer­dotes do Sa­grado Co­ração de Jesus e mártir, que, na mesma per­se­guição re­li­giosa, per­se­verou na fé em Cristo até à morte. († 1936)

14*.   Em Puzol, lo­ca­li­dade da mesma pro­víncia de Va­lência, as be­atas Ro­sária de Soano (Petra Maria Vi­tória Quin­tana Argos) e Se­ra­fina de Ochovi (Ma­nuela Justa Fer­nández Ibero), vir­gens da Con­gre­gação das Ter­ciá­rias Ca­pu­chi­nhas da Sa­grada Fa­mília e már­tires, que, du­rante a mesma per­se­guição, al­can­çaram a graça do martírio. († 1936)

15♦.   Em Val­der­ro­bles, perto de Te­ruel, também na Es­panha, os be­atos Eliseu Vicente (Vi­cente Al­be­rich Lluch) e Va­le­riano Luís (Ni­colau Al­be­rich Lluch), re­li­gi­osos da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs e már­tires, que foram as­sas­si­nados na mesma per­se­guição contra a Igreja. († 1936)

16*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, pró­ximo de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Fran­cisco Da­ch­tera, pres­bí­tero e mártir, na­tural da Po­lónia, que, em tempo de guerra, es­vaído pelas atro­ci­dades nele ope­radas por mé­dicos sem res­peito algum pela dig­ni­dade hu­mana, morreu por Cristo. († 1944)

17. São Tiago de Bevagna, (também na Folhinha do Coração de Jesus)

18. Conforme o Martírio Romano-Monástico, perto do ano 300, São Teonas, bispo de Alexandria. Segundo o sinaxário árabe jacobita, “este santo era instruído, religioso e cheio de consideração para com o próximo. Em sua bondade, construiu a primeira Igreja de Alexandria sob a invocação de Nossa Senhora, pois até aquela época, os fiéis celebravam os santos mistérios escondidos dos pagãos. Excomungou o herege Sabélio e o confundiu em sua doutrina, e depois morreu em paz”. (M)

19. São Calínico I, patriarca de Constantinopla. Ver página 181: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

20. Santa Ascelina, virgem. Ver página 182: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

21. Bem-Aventurado Anjo del Pas. Ver páginas 183-184: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf  

22. Outros santos do dia 23 de agosto: págs. 159-187, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular