Santas e Santos de 01 de janeiro

Na Oi­tava do Natal de Nosso Se­nhor Jesus Cristo e dia da sua Cir­cun­cisão, a so­le­ni­dade de Santa Maria, Mãe de Deus (também na Folhinha do Coração de Jesus), que no Con­cílio de Éfeso os Pa­dres acla­maram como The­o­tókos, porque nela o Verbo Se fez carne e ha­bitou entre os ho­mens o Filho de Deus, prín­cipe da paz, a quem foi dado o Nome que está acima de todos os nomes. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, dentro da Oitava do Natal, Solenidade da Bem-Aventurada Virgem Maria Mãe de Deus, proclamada “Theotókos” no Concílio de Éfeso por ter concebido e gerado, segundo a carne, a própria Pessoa do Verbo Divino, que veio trazer a paz aos homens de boa vontade. (R).  Ver páginas 71-74: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver: Circuncisão de Jesus: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Circuncisão_de_Jesus

2.      Em Ce­sa­reia da Ca­pa­dócia, hoje Kay­seri, na Tur­quia, o se­pul­ta­mento de São Ba­sílio, bispo, cuja me­mória se ce­lebra amanhã. († c. 379). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Basílio_de_Cesareia

3.      Na Cam­pânia e nos Abruzos, re­giões da Itália, a co­me­mo­ração de São Jus­tino, que é ce­le­brado como bispo emi­nente pelo seu zelo e pela de­fesa dos cristãos. (c. s. IV)

4.      Em Roma, Santo Al­má­quio (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, opondo-se às lutas dos gla­di­a­dores, por ordem de Alípio, pre­feito da Ci­dade, foi morto pelos pró­prios gla­di­a­dores e con­tado entre os már­tires vencedores. († 391). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no ano do Senhor de 391, Santo Almáquio, martirizado na arena, onde havia tentado impedir os mortíferos jogos pagãos celebrados no primeiro dia do ano. (M). Ver página 95: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

5.       No monte Jura, na re­gião da Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, a co­me­mo­ração de Santo Eu­gendo, abade do mos­teiro de Condat, que desde a ado­les­cência viveu no mos­teiro, onde pro­moveu com grande vigor a vida comum dos monges. († 516). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 510, Santo Oiendo, abade de Condat, no Jura. Seu biógrafo relata que tinha sempre o cuidado de designar, para cada monge, o trabalho para o qual fosse mais particularmente dotado pelo Espírito Santo, e que se devotava à Lectio Divina dia e noite. (M)

6.       Em Ruspas, ci­dade da Bi­za­cena, na ac­tual Tu­nísia, São Ful­gêncio, bispo, que, de­pois de ter sido pro­cu­rador deste ter­ri­tório, abraçou a vida mo­nás­tica e foi eleito bispo. No tempo da per­se­guição dos Vân­dalos, por causa do seu zelo pela fé ca­tó­lica e emi­nente dou­trina, so­freu muito da parte dos ari­anos e duas vezes foi des­ter­rado pelo rei Tra­si­mundo para a Sar­denha. Tendo re­gres­sado à sua Igreja, de­dicou o resto da sua vida a for­ta­lecer os seus fiéis com a pa­lavra da graça e da verdade. († 533). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, São Fulgêncio. Pela leitura das obras de Santo Agostinho, renunciou a uma brilhante carreira para abraçar a vida monástica. Tornando-se mais tarde bispo de Ruspe, hoje Alfaque, cidade do litoral tunisiano, foi, por causa de sua fé na divindade de Cristo, exilado para a Sardenha, onde fundou o mosteiro de Cagliari. (M). Ver páginas 75-86: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Fulgêncio_de_Ruspe

7*.     Em Vi­enne, na Bor­gonha, na ac­tual França, São Claro, abade do mos­teiro de São Mar­celo, que deu aos monges exemplo in­signe da per­feição religiosa. († 660/670)

8*.     Em Troyes, ci­dade da Nêus­tria, também na ac­tual França, São Fro­do­berto, fun­dador e pri­meiro abade do mos­teiro de Moutier-la-Celle. († c. 667)

9*.          No mos­teiro de Fé­camp, na Nor­mandia, igual­mente na ac­tual França, o pas­sa­mento de São Gui­lherme, abade de São Be­nigno de Dijon, que nos úl­timos tempos da sua vida ori­entou com fir­meza e pru­dência muitos monges, dis­tri­buídos em qua­renta mosteiros. († 1031). Ver páginas 90-91: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

10.     Pró­ximo de Sau­vigny, ci­dade da Bor­gonha, também na ac­tual França, o pas­sa­mento de Santo Odilo, abade de Cluny, que foi sempre ri­go­roso para con­sigo mas be­nigno e mi­se­ri­cor­dioso para com os ou­tros, pa­ci­ficou em nome de Deus os povos be­li­ge­rantes e, em tempo de fome, so­correu com todos os meios os ne­ces­si­tados. Foi o pri­meiro a or­denar que se ce­le­brasse nos seus mos­teiros a co­me­mo­ração de Todos os Fiéis De­funtos no dia se­guinte à So­le­ni­dade de Todos os Santos. († 1049)

11.     Em Ja­bloné, na Boémia, ac­tu­al­mente na Ché­quia, Santa Ze­dis­lava, mãe de fa­mília, que prestou grande con­forto aos aflitos. († 1252). Ver página 92: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

12*.       Em Gualdo Cat­táneo, na Úm­bria, ac­tu­al­mente re­gião da Itália, o Beato Hu­go­lino, que viveu como eremita. († s. XIV). Ver página 93: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

13.          Em Roma, São José Maria Tomási, pres­bí­tero da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes Te­a­tinos e car­deal, que, de­se­jando ar­den­te­mente a re­no­vação do culto di­vino, de­dicou quase toda a sua vida à in­ves­ti­gação e pu­bli­cação dos an­tigos textos e do­cu­mentos da sa­grada Li­turgia, assim como à ca­te­quese das crianças. († 1713). Ver páginas 87-89: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

– Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/José_Maria_Tomasi

14*.   Em Avrillé, pró­ximo de An­gers, na França, os ir­mãos be­atos João e Re­nato Lego, pres­bí­teros e már­tires, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por se terem re­cu­sado a prestar o in­fame ju­ra­mento im­posto ao clero, foram de­ca­pi­tados na guilhotina. († 1794)

15.     Em Roma, São Vi­cente Maria Strámbi, bispo de Ma­ce­rata e de To­len­tino, da Con­gre­gação da Paixão, que go­vernou fi­el­mente as di­o­ceses que lhe foram con­fi­adas e, por per­se­verar na sua fi­de­li­dade ao Ro­mano Pon­tí­fice, so­freu o exílio. († 1824). Ver página 94: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

16*.   Em Has­selt, pró­ximo de Ma­as­tricht, na Bél­gica, o Beato Va­lentim Pa­quay, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores, que, na pre­gação, no mi­nis­tério da re­con­ci­li­ação e na de­voção ao ro­sário ma­riano, deu exemplo ad­mi­rável de ca­ri­dade cristã, al­can­çando, em seu es­pí­rito de hu­mil­dade, a mais su­blime santidade. († 1905)

17*.       Em L’viv, na Ucrânia, São Se­gis­mundo Go­raz­dowski, pres­bí­tero, na­tural da Po­lónia, que, ani­mado pelo seu grande amor ao pró­ximo, foi pre­cursor das obras para a de­fesa da vida, fundou o Ins­ti­tuto das Irmãs de São José e se de­dicou de todos os modos pos­sí­veis ao cui­dado dos po­bres e dos aban­do­nados. († 1920). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Zygmunt_Gorazdowski

18.        Em San­tander, ci­dade da Can­tá­bria, no li­toral da Es­panha, o Beato André Gómez Sáez, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana e mártir, que, du­rante a per­se­guição contra a fé, der­ramou o seu sangue por Cristo. († 1937)

19.        Em Mirna, na Es­lo­vénia, o Beato Luís Grozde, membro da Acção Ca­tó­lica e mártir, que foi as­sas­si­nado em ódio à fé sob o re­gime comunista. († 1943)

20*.       No campo de con­cen­tração de Da­chau, nas pro­xi­mi­dades de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Ma­riano Ko­no­pinski, pres­bí­tero e mártir, na­tural da Po­lónia, que, de­pois de su­portar cruéis atro­ci­dades dos mé­dicos, morreu por Cristo Se­nhor. († 1943)

21. Santa Eufrosina (também na Folhinha do Coração de Jesus)

22. Santo Adelardo de Corbie. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Adelardo_de_Corbie

23. São Telêmaco. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/São_Telêmaco

24. Outros santos do dia 01 de janeiro: págs. 71-97: 

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 01 de janeiro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/1_de_janeiro

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.