Santas e Santos de 25 de março

So­le­ni­dade da Anun­ci­ação do Senhor (também na Folhinha do Coração de Jesus), quando, na ci­dade de Na­zaré, o Anjo do Se­nhor anun­ciou a Maria: «Con­ce­berás e darás à luz um filho, que será cha­mado Filho do Al­tís­simo», e Maria res­pondeu, di­zendo; «Eis a es­crava do Se­nhor. Faça-se em mim se­gundo a tua pa­lavra». E assim, che­gada a ple­ni­tude dos tempos, o Filho Uni­gé­nito de Deus, que existia antes da cri­ação do mundo, por nós ho­mens e para a nossa sal­vação en­carnou pelo Es­pí­rito Santo no seio da Virgem Maria e Se fez homem. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no nono mês antes do Natal, Solenidade da Anunciação do Senhor, dia em que a Virgem Maria acolheu o Verbo divino em seu coração por sua fé na mensagem do Anjo, e o concebeu em sua carne por obra do Espírito Santo. (R). Ver também às páginas 273-274: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

– Ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Anunciação

2.   Co­me­mo­ração do santo ladrão, cha­mado “Dimas”, se­gundo a tra­dição, que na cruz pro­fessou a fé em Cristo e me­receu ouvir d’Ele estas pa­la­vras: «Hoje es­tarás co­migo no paraíso». Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Jerusalém, no Gólgota, o nascimento no céu do Bom Ladrão, tradicionalmente conhecido como São Dimas, que confessou o Cristo pregado na Cruz e ouviu d´Ele esta palavra: “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso”. (M). Ver também às págs. 275-281: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

– Ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Bom_ladrão

3.   Em Ni­co­média, na Bi­tínia, hoje Izmit, na Tur­quia, São Dula, mártir. († data inc.)

4.   Em Roma, no ce­mi­tério de Pon­ciano, junto à Via Por­tu­ense, São Qui­rino, (também na Folhinha do Coração de Jesus) mártir. († data inc.) Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 296, São Cirino, vítima da perseguição de Cláudio, o Godo. Seu corpo jogado ao Tibre, foi recolhido e enterrado pelos Santos Mário e Marta, cristãos persas que se achavam em Roma (M).

5.   Em Tes­sa­ló­nica, ci­dade da Ma­ce­dónia, na ac­tual Grécia, Santa Ma­trona, mártir, que, sendo serva de uma mu­lher da Ju­deia, se­cre­ta­mente se­guia a fé de Cristo; des­co­berta pela sua se­nhora, foi ator­men­tada com vá­rios su­plí­cios; fi­nal­mente, fla­ge­lada até à morte, con­fes­sando o nome de Cristo en­tregou in­cor­rupto o seu es­pí­rito a Deus. († data inc.)

6.   Em Milão, na Trans­pa­dânia, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Mona, bispo. († c. 300)

7.   Na ilha de Indre, pró­ximo de Nantes, na França, Santo Her­me­lando, que passou da corte régia ao mos­teiro de Fon­te­nelle e de­pois foi o pri­meiro abade do mos­teiro do lugar. Conforme o Martirológio Romano-Monástico – M. No séc. VIII, Santo Hermelando. De uma família nobre de Noyon, foi educado na corte de Clotário III, e depois entrou para a abadia de São Vandrilo, onde fez profissão. Colocado à frente de um grupo de doze monges, fundou em uma ilha do rio Loire, perto de Nantes, um novo centro de orações († c. 720).

8*.   Em Mâm­mola, pró­ximo de Ge­race, na Ca­lá­bria, re­gião da Itália, São Ni­co­demos, ere­mita, que foi mestre de vida mo­nás­tica, in­signe pela sua aus­te­ri­dade e grandes virtudes. († 990)

9.   Em Sá­zava, na Boémia, ac­tu­al­mente na Ché­quia, São Pro­cópio, que, dei­xando a es­posa e o filho, se con­sa­grou à vida ere­mí­tica, de­pois di­rigiu o mos­teiro por ele fun­dado neste lugar e ce­le­brou os lou­vores di­vinos no rito grego e em língua eslava. († 1053)

10*.   Em Schaffhausen, na Suábia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, o Beato Eve­rardo, conde de Nel­len­burg, que abraçou a vida mo­nás­tica no ce­nóbio de Todos os Santos por sua in­ter­venção construído. († 1078)

11*.   Em Cos­tac­ciaro, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Tomás, ere­mita, que passou ses­senta e cinco anos de vida ana­co­ré­tica e en­sinou ou­tros a se­guir o mesmo ca­minho espiritual. († 1337)

12.   Em York, na In­gla­terra, Santa Mar­ga­rida Clitherow, mártir, que, com o as­sen­ti­mento do es­poso, aderiu à fé ca­tó­lica, nela educou os fi­lhos e se pron­ti­ficou a es­conder em sua casa os sa­cer­dotes per­se­guidos; por isso foi presa vá­rias vezes, no rei­nado de Isabel I, e re­cu­sando de­fender a sua causa no tri­bunal, para que não pe­sasse sobre a cons­ci­ência dos con­se­lheiros do juiz o re­morso de uma con­de­nação à morte, foi es­ma­gada sob um enorme peso até à morte por Cristo. († 1586)

13*.   Em Winton, também na In­gla­terra, o Beato Jaime Bird, mártir, que, sob o go­verno da mesma rainha, com de­za­nove anos de idade e re­cen­te­mente con­ver­tido à fé ca­tó­lica, por ter re­cu­sado par­ti­cipar numa li­turgia he­ré­tica me­receu en­trar na ce­le­bração do culto celeste. († 1592)

14.   Em Mon­te­fi­as­cone, na Tos­cana, hoje no Lácio, re­gião da Itália, Santa Lúcia Fi­lip­píni, fun­da­dora do Ins­ti­tuto das Pi­e­dosas Mes­tras, des­ti­nado a pro­mover a for­mação das jo­vens e mu­lheres, prin­ci­pal­mente as mais pobres. († 1732). Lúcia Filipini (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santa Lúcia). Em Corneto, na Itália, Lúcia Filipini, virgem, nascida a 13 de janeiro de 1672. Órfã de pai e mãe aos seis anos, foi recolhida pelos tios. O cura da paróquia em que vivia escolheu-a como ajudante catequista. Educadora de meninas, depois a principal figura do Instituto das Mestras Piedosas, santamente faleceu em 1732. Lucia Filipini passou por provações: denunciada ao Santo Oficio como pertencendo à seita de Miguel Molinos, suportou as penas morais com infinitos de paciência. Sepultada na igreja-catedral de Santa Margarida, a bem-aventurada foi beatificada por Pio X a 13 de junho de 1926.  Ver página 297: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

15♦.   Em Ni­e­derwei­nigen, pró­ximo de Essen, na Ale­manha, a Beata Maria Rosa Flesch (Mar­ga­rida Flesch), virgem, fun­da­dora do Ins­ti­tuto das Irmãs Fran­cis­canas de Santa Maria dos Anjos. († 1906)

16*.   Em Roma, junto de São Paulo, na Via Os­ti­ense, o Beato Plá­cido Ric­cárdi, pres­bí­tero da Ordem de São Bento, que, ator­men­tado por con­tí­nuas fe­bres, en­fer­mi­dades e pa­ra­lisia, se­guiu in­de­fec­ti­vel­mente a ob­ser­vância re­gular e a oração e en­sinou aos ou­tros a mesma ati­tude exemplar. († 1915)

17*.   Em Cher­vo­nohrad, ci­dade pró­xima de L’viv, na Ucrânia, a Beata Jo­sa­fata (Mi­que­lina Hor­dáshevska), virgem, que, no Ins­ti­tuto das Irmãs Servas de Maria Ima­cu­lada por ela fun­dado, se de­dicou a fazer o bem onde hou­vesse maior necessidade. († 1919)

18.   Em Ein Keren, pró­ximo de Je­ru­salém, Santa Maria Al­fon­sina Danil Ghattas, virgem, fun­da­dora da Con­gre­gação das Irmãs Do­mi­ni­canas do San­tís­simo Ro­sário de Jerusalém. († 1927). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Maria_Alfonsina_Danil_Ghattas

19*.   Em Maj­danek, ci­dade pró­xima de Lu­blin, na Po­lónia, o Beato Emi­liano Kovc, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a guerra, de­por­tado para um campo de con­cen­tração, pelo com­bate da fé al­cançou a vida eterna. († 1944)

20*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, perto de Mu­nique, ci­dade a Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Hi­lário Ja­nus­zewski, pres­bí­tero da Ordem dos Ir­mãos Des­calços de Nossa Se­nhora do Carmo e mártir, que, du­rante a guerra, de­por­tado da Po­lónia para um cár­cere es­tran­geiro pelo nome de Cristo, morreu con­ta­giado pela tu­ber­cu­lose na as­sis­tência aos en­fermos, dei­xando um in­signe tes­te­munho de fé e caridade. († 1945)

21. No ano da graça de 304, a paixão de Santo Irineu, bispo. No momento em que ia ser decapitado, fez esta última prece: “Senhor Jesus Cristo, abre Teu céu para que os anjos possam receber o espírito de Teu servidor que suporta estes tormentos por Teu nome e pela Igreja Católica de Sirmium (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – M). Ver também às páginas 282-286: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

22. Em Laodicéia da Síria, São Pelágio, bispo, que sofreu o exílio na Arábia, por ter defendido a ortodoxia da fé ao lado de São Basílio Magno (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – M).

23. No séc. VII, Santo Humberto ou Huberto) monge de Laon. Enviado em missão entre os belgas, morreu como abade de Maroilles (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – M).-

24. São Barôncio e São Desidério (também na Folhinha do Coração de Jesus), confessores. Ver sua história às páginas 287-288 http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

25. São Melquisedeque (Melquisedec) Antigo Testamento. Ver sua história às páginas 289-295: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

26. Patriarca Isaac. Ver página 296: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Isaac

27. InícioO livro

   <<                                           >>

Outros santos do dia 25 de março: págs. 273-298 (vol.5): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 25 de março, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/25_de_mar%C3%A7o

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 280-283: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.