Santas e Santos de 12 de abril

1.   Em Fermo, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, re­gião da Itália, Santa Vísia, virgem e mártir. († data inc.)

2.   Na Via Au­rélia, a três mi­lhas de Roma, no ce­mi­tério de Ca­le­pódio, o se­pul­ta­mento de São Júlio I, papa, que, du­rante a per­se­guição ariana, de­fendeu te­naz­mente a fé ni­cena, pro­tegeu Ata­násio contra as acu­sa­ções, aco­lhendo-o du­rante o seu exílio, e con­vocou o Con­cílio de Sárdica. († 352). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no fRomana em auxílio de Santo Atanásio  em sua defesa da ortodoxia da fé. Ver páginas 272-280: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_J%C3%BAlio_I

3.   Em Ve­rona, na Ve­nécia, hoje no Vé­neto, re­gião da Itália, São Zenão, bispo, cuja di­li­gência e pre­gação con­duziu a ci­dade ao bap­tismo de Cristo. († c. 372). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, São Zeno (ou Zenão), bispo de origem africana, eleito para a diocese de Verona. Grande mestre da doutrina batismal, “mistério da fecundidade da Igreja, virgem e mãe”. (M). Ver páginas 281-282: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Zen%C3%A3o_de_Verona

4.   Na Ca­pa­dócia, na ac­tual Tur­quia, São Sabas o Godo (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártir, que, du­rante a per­se­guição de­sen­ca­deada contra os cris­tãos por Ata­na­rico, rei dos Godos, três dias de­pois da Páscoa, por ter re­cu­sado comer ali­mentos imo­lados aos ídolos, de­pois de so­frer cruéis tor­mentos, foi lan­çado ao rio. († 372). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Romênia, no ano da graça de 372, a paixão de São Sabas, o Godo. (M). Ver páginas 286-290: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

5.   Em Gap, na Pro­vença, na ac­tual França, São Cons­tan­tino, bispo. († d. 517)

6.   Em Pavia, na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Da­mião, bispo, cuja carta sobre a ver­da­deira fé acerca da von­tade e acção em Cristo foi lida no Con­cílio III de Constantinopla. († 697)

7*.   Em Pário, no He­les­ponto, na ho­di­erna Tur­quia, São Ba­sílio, que, por de­fender as ima­gens sa­gradas, so­freu a fla­ge­lação, o cár­cere e o exílio. († 735)

8*.   Em Ponthieu, lo­ca­li­dade da Gália, hoje na França, Santo Er­kem­bodo, abade de Saint-Omer e si­mul­ta­ne­a­mente bispo de Therouanne. († 742)

9*.   No mos­teiro de Cava de Tir­réni, na Cam­pânia, re­gião da Itália, Santo Al­fério, fun­dador e pri­meiro abade do mos­teiro, que, tendo sido an­te­ri­or­mente con­se­lheiro de Guai­mário, duque de Sa­lerno, se fez dis­cí­pulo de Santo Odilão em Cluny e se­guiu com grande per­feição a ob­ser­vância da vida monástica. († 1050). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Itália, Santo Alfieri (ou Alfério). Inicialmente foi monge em Cluny, sob o abaciado de Santo Odilon. Convocado pelos príncipes de Salerno para reavivar a vida religiosa em seu principado de origem, fundou o mosteiro da Santíssima Trindade, em La Cava. (X)

10*.   No mos­teiro de Belém, junto a Lisboa, ci­dade de Por­tugal, o Beato Lou­renço, pres­bí­tero da Ordem de São Je­ró­nimo, a quem muitos pe­ni­tentes acor­riam por causa da sua in­signe piedade. († s. XIV)

11.   Em Los Andes, ci­dade do Chile, Santa Te­resa de Jesus (Joana Fer­nandez Solar), virgem, que, sendo no­viça da Ordem das Car­me­litas Des­calças, con­sa­grou a sua vida a Deus – como ela dizia – pela sal­vação do mundo pe­cador e morreu com a idade de vinte anos con­su­mida pela febre tifóide. († 1920)

12.   Em Ná­poles, na Itália, São José Moscáti, que, exer­cendo a pro­fissão de mé­dico, nunca deixou de se de­dicar à obra quo­ti­diana e in­can­sável de acudir aos en­fermos, não acei­tando re­com­pensa al­guma dos po­bres e, en­quanto pres­tava as­sis­tência mé­dica aos corpos, pro­cu­rava ao mesmo tempo for­ta­lecer as almas. († 1927)

13.   Em San José, po­vo­ação do ter­ri­tório de Chi­pal­cingo, no Mé­xico, São David Uribe, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a tem­pes­tuosa per­se­guição contra a Igreja, so­freu o mar­tírio por Cristo Rei. († 1927)

14. Bem-Aventurado Anjo Carletti de Chivasso (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santo Ângelo de Chivasso) confessor. Ver páginas 283-285: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

15. Em Braga, Portugal, no séc. IV, São Victor. Ainda catecúmeno, recusou-se a adorar os ídolos inanimados e confessou Cristo Jesus, Filho do Deus Vivo. Após muitos tormentos foi decapitado, e assim mereceu ser batizado em seu próprio sangue (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M).  

16. Outros santos do dia 12 de abril: págs: 272-292 (vol.06):  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 12 de abril, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/12_de_abril

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 321-323: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Santas e Santos de 11 de abril

Me­mória de Santo Es­ta­nislau (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo e mártir, que, no meio das in­jus­tiças do seu tempo, foi um de­fensor in­can­sável dos va­lores hu­manos e do ideal cristão. Como bom pastor, di­rigiu a Igreja de Cra­cóvia, na Po­lónia, ajudou os po­bres e vi­sitou todos os anos os seus clé­rigos. Fi­nal­mente, en­quanto ce­le­brava os di­vinos mis­té­rios, foi morto pelo rei Bo­leslau, cuja má con­duta tinha repreendido. († 1079). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1099, o nascimento no céu de Santo Estanislau. Eleito para a Sé metropolitana de Cracóvia, não hesitou em excomungar o rei da Polônia, cuja vida dissoluta causava escândalo, mas pagou com a vida por sua retidão e sua coragem. Esta morte gloriosa provocou mais tarde a conversão do rei, e valeu ao santo ser honrado como um dos padroeiros da Polônia. (R). Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 10 de abril de 2013: “11/04: SANTO ESTANISLAU. É padroeiro da Polônia. Estanislau nasceu por volta de 1030. Depois de ser ordenado sacerdote foi nomeado cônego da catedral de Cracóvia. Em 1072 sucedeu o bispo Lamberto. Intrépido defensor da liberdade da Igreja e da dignidade do ser humano, dos pequenos e dos pobres frente ao cruel e devasso rei Boleslau II. Excomungou publicamente o soberano. Mas como ele continuava a frequentar a catedral e para evitar o encontro com Boleslau, passou a celebrar a missa na igreja de São Miguel. Foi nessa igreja que o rei, com sua própria espada, pôs fim à vida do bispo em 1709, assemelhando assim sua vida com a de João Batista em seu confronto com um rei devasso. O seu martírio em defesa dos pequenos e pobres até hoje nos inspira a assumirmos a causa da fé, da justiça e da vivência do Evangelho. Frei Marcos Antônio de Andrade, OFM – Petrópolis/RJ”. Ver páginas 155-161: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Estanislau_de_Szczepan%C3%B3w

2.   Em Pér­gamo, na pro­víncia da Ásia, na ac­tual Tur­quia, a co­me­mo­ração de Santo An­tipas, que, como tes­te­munha fiel de que fala São João no Apo­ca­lipse, so­freu o mar­tírio pelo nome de Jesus. Ver páginas 255-256: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Antipas_de_P%C3%A9rgamo

3.   Co­me­mo­ração de São Fi­lipe, bispo de Gor­tina, na ilha de Creta, que, no tempo dos im­pe­ra­dores Marco An­to­nino Vero e Lúcio Au­rélio Có­modo, de­fendeu ener­gi­ca­mente a Igreja que lhe foi con­fiada, tanto do furor dos pa­gãos como das in­sí­dias dos hereges. († c. 180). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, São Felipe, bispo, lutou contra a heresia de Marcião, escrevendo um tratado muito apreciado pelos antigos (M).

4.   Em Spá­lato, na Dal­mácia, hoje Split, na Croácia, São Do­nião, bispo e mártir, que, se­gundo a tra­dição, foi as­sas­si­nado na per­se­guição do im­pe­rador Diocleciano. († 299)

5.   Junto de Gaza, na Pa­les­tina, São Bar­sa­núfio, ana­co­reta, na­tural do Egipto, in­signe pelos seus dons ex­tra­or­di­ná­rios de con­tem­plação e pela in­te­gri­dade da sua vida. († 540). Ver também: São Barsanófio, confessor. Páginas 264-266: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

6.   Em Spo­leto, na Úm­bria, re­gião da Itália, Santo Isaac (também na Folhinha do Coração de Jesus), monge, ori­gi­nário da Síria e fun­dador do mos­teiro de Mon­te­luco, cujas vir­tudes são men­ci­o­nadas por São Gre­gório Magno. († c. 550). Ver também páginas 267-270: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

7.   Na Ca­lá­bria, também re­gião da Itália, o Beato La­nuíno, com­pa­nheiro de São Bruno e seu su­cessor, que foi um egrégio in­tér­prete do es­pí­rito do fun­dador na ins­ti­tuição de mos­teiros da Ordem Cartusiana. († 1119)

8*.   Em Coimbra, ci­dade de Por­tugal, a Beata Sancha, virgem, filha do rei Sancho I, que fundou o mos­teiro de monjas cis­ter­ci­ense de Celas, onde tomou o há­bito re­li­gioso. A sua me­mória ce­lebra-se em Por­tugal, jun­ta­mente com as suas irmãs, as be­atas Ma­falda e Te­resa, no dia 20 de Junho. († 1229)

9*.   Em Cúneo, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, o Beato Ân­gelo de Chiavasso (An­tónio Car­létti), pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, in­sígne pela sua dou­trina, pru­dência e caridade. († 1495)

10*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Jorge Gervase, pres­bí­tero da Ordem de São Bento e mártir, aluno do Co­légio dos In­gleses de Douai, que, no tempo do rei­nado de Jaime I, apesar de ter sido preso duas vezes du­rante o exer­cício do mi­nis­tério pas­toral na sua pá­tria, pro­fessou sempre com ad­mi­rável cons­tância a fé ca­tó­lica até ao mar­tírio na forca. († 1608)

11*.   Em Lucca, na Itália, Santa Gema Galgáni, virgem, que, in­signe pela con­tem­plação da Paixão do Se­nhor e pelos so­fri­mentos pa­ci­en­te­mente su­por­tados, aos vinte e cinco anos de idade con­sumou num Sá­bado Santo a sua vida angélica. († 1905). Em Lucca, na Toscana, no ano do Senhor de 1903, Santa Gema Galgani (também na Folhinha do Coração de Jesus), jovem cristã de vinte e um anos, que foi agraciada a cada sexta-feira, durante os últimos dezoito meses de sua vida, pelo aparecimento dos estigmas de Cristo. (X). Ver páginas 257-259: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Gemma_Galgani

12*.   Também em Lucca, na Itália, a Beata He­lena Guerra, virgem, que fundou a Con­gre­gação das Oblatas do Es­pí­rito Santo para a for­mação da ju­ven­tude fe­mi­nina e ins­truiu ad­mi­ra­vel­mente os fiéis sobre a co­o­pe­ração do Es­pí­rito Santo na eco­nomia da salvação. († 1914). Ver páginas 257-259: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

13*.   No campo de con­cen­tração de Aus­chwitz, pró­ximo de Cra­cóvia, na Po­lónia, o Beato Sim­pro­niano Ducki, re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos e mártir, que, du­rante a guerra, preso por causa da sua fi­de­li­dade a Cristo, con­sumou através das tor­turas o seu martírio. († 1942)

14. São Leão, Papa. Ver páginas 243-254: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

15. São Guthlac, confessor. Ver páginas 260-263: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

16. Outros santos do dia 11 de abril: págs. 243-271 (vol.6): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 11 de abril, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/11_de_abril

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 318-320: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.