Santas e Santos de 09 de julho

Catedral Metropolitana de Belém0. FESTA DE NOSSA SENHORA DA GRAÇA, padroeira da Diocese de Belém do Pará (No Martirológio Romano Monástico de 08 de julho). No DIRETÓRIO DA LITURGIA DA CNBB-2020, dia 09 de julho na Catedral de Belém do Pará, NOSSA SENHORA DA GRAÇA, SOLENIDADE.

– Ver “FESTIVIDADE DE NOSSA SENHORA DA GRAÇA – 09 de julho”: https://catedraldebelem.com.br/noticias/festividade-de-nossa-senhora-da-graca/

– Ver também: http://www.fundacaonazare.com.br/novoportal/index.php?action=Canal.interna&oCanal=7&id=20910&classe=N

– Ver ainda: https://arquidiocesedebelem.com.br/padroeira-da-arquidiocese/

– Ver: https://www.oliberal.com/belem/fieis-de-bel%C3%A9m-celebram-nossa-senhora-da-gra%C3%A7a-1.169337

1. 09 DE JULHO – NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DE CHIQUINQUIRÁ, Padroeira e Rainha da Colômbia.

– Ver: https://www.a12.com/redacaoa12/igreja/dom-damasceno-e-enviado-por-papa-francisco-para-celebrar-padroeira-da-colombia

Nossa Senhora do Rosário de Chiquinquirá,  Padroeira da Colômbia– Ver: https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2019-07/chiquinquir-colombia-papas-quadro-milagre.html

– Ver também: https://www.acidigital.com/Maria/chiquinquira.htm

– Ver: https://www.youtube.com/watch?v=nWFPRD8BnzU

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_do_Ros%C3%A1rio_de_Chiquinquir%C3%A1

– Ver: https://maejesus.blogspot.com/2013/07/nossa-senhora-do-rosario-de.html

2. MEMÓRIA DE SANTA PAULINA DO CORAÇÃO DE JESUS (também na Folhinha do Coração de Jesus). Em São Paulo, no Brasil, Santa Pau­lina do Co­ração de Jesus Agonizante (Amá­bile Vi­sin­tainer), virgem, que, emi­grada da Itália ainda muito jovem, fundou a Con­gre­gação das Ir­mã­zi­nhas da Ima­cu­lada Con­ceição, des­ti­nada ao ser­viço dos en­fermos e dos po­bres e, de­pois de muitos so­fri­mentos e ad­ver­si­dades, serviu a Con­gre­gação na con­dição de sim­ples Irmã com grande hu­mil­dade e con­tínua oração. († 1942). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Memória da Bem-Aventurada Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus, religiosa. Nascida Amábile Lúcia Wisenteiner em 1865, na região de Trento, na Itália, emigrou com a família para o Brasil em 1875, fixando-se em Vígolo-Nova Trento, em Santa Catarina. Lá, em 12 de julho de 1890, juntamente com Virgínia Rosa Nicolodi (Ir. Matilde da Imaculada Conceição), deu início à Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, cujas metas são desenvolver atividades educacionais, assistenciais, promocionais e pastorais. Apaixonada pelo anúncio do Evangelho, Madre Paulina fez, em momento crucial de sua vida, uma total entrega de si mesma aos desígnios de Deus, eo fruto de seu sacrifício foi o crescimento da Congregação, que hoje se faz presente em dezesseis Estados brasileiros e em mais dez países. Foi beatificada por João Paulo II em 18 de outubro de 1991. Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 08/07/2004: “09/07: SANTA MADRE PAULINA. A 19 de maio de 2002, a Igreja católica do Brasil se encheu de júbilo ao assistir à solene canonização de Madre Paulina, a primeira santa do Brasil. Ainda pequena, veio da Itália para o Brasil com a família, estabelecendo-se em Santa Catarina, em uma área agreste onde surgiria a cidade de Nova Trento. Ao crescer, a jovem Amábile – seu nome de batismo -, além de trabalhar no campo, ajudava aos pobres e doentes da localidade. Surgiu daí a Congregação das Irmāzinhas da Imaculada Conceição. Aprovada pelo bispo local, a nova instituição se espalhou pelo Brasil e por outras partes do mundo. Santa Madre Paulina veio então a brilhar no mundo, dando esperança a corações desalentados e alívio à imensa dor humana. Antonio Angonese – Petrópolis/RJ”. Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 08/07/2020: “9/07: SANTA MADRE PAULINA. Nasceu em dezembro de 1865, na cidade de Vigolo Vattaro, região de Trento, Itália. Quando ela tinha nove anos, sua família emigrou para o Brasil, mais precisamente para a região de Nova Trento, SC. Desde muito jovem dedicou-se totalmente à caridade para com os mais pobres, ajudando os doentes e idosos, enfim, todos que precisassem. Juntamente com uma amiga e com a ajuda do seu pai transformaria uma pequena casa de madeira, perto da capela da comunidade, num pequeno hospital onde ela se dedicou ao cuidado dos doentes e da instrução das crianças. Nascia assim a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, primeira congregação feminina fundada no Brasil, sendo aprovada em 1895. Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus foi canonizada em 19 de maio de 2002 pelo Papa João Paulo II. Frei Marcos Antônio de Andrade, OFM-Petrópolis/RJ”.

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Paulina_do_Cora%C3%A7%C3%A3o_Agonizante_de_Jesus

3. SANTOS AGOS­TINHO ZHAOM RONG (também na Folhinha do Coração de Jesus), PRES­BÍ­TERO, PEDRO SANS I JORDÁ, BISPO, E COM­PA­NHEIROS, MÁR­TIRES, que, em di­versos tempos e lu­gares da China, deram va­lo­roso tes­te­munho do Evan­gelho de Cristo com pa­la­vras e obras e, mor­rendo ví­timas da per­se­guição por ter pre­gado e pro­fes­sado a sua fé, foram sa­ci­ados no ban­quete da glória celeste. São estes os seus nomes: Bispos: Luís Ver­si­glia, An­to­nino Fan­to­sáti, Fran­cisco Fo­golla, Ga­briel Tau­rino Du­fresse e Gre­gório Grássi. Pres­bí­teros: Ce­sídio Gi­a­co­man­tónio, Elias Fac­chíni, João de Triora (Fran­cisco Maria Lân­trua), José Maria Gam­baro, Te­o­do­rico Balat, da Ordem dos Frades Me­nores; Fran­cisco Diaz del Rincón, Fran­cisco Fer­nandez de Ca­pillas, Fran­cisco Ser­rano, Jo­a­quim Royo, João Al­cober, da Ordem dos Pre­ga­dores; Leão Inácio Mangin, Mo­desto An­dlauer, Paulo Denn, Re­mígio Isoré, da Com­pa­nhia de Jesus; Al­be­rico Cres­ci­télli, do Ins­ti­tuto Pon­ti­fício para as Mis­sões Es­tran­geiras; Au­gusto Chap­de­laine e João Pedro Néel, da So­ci­e­dade das Mis­sões Es­tran­geiras de Paris; Ca­listo Ca­ra­vário, da So­ci­e­dade Sa­le­siana; Fran­cisco Régis Clet, da Con­gre­gação da Missão; Paulo Liu Hanzuo e Tadeu Liu Rui­ting; e ainda Maria da Paz (Maria Ana Giu­liáni), Maria de Santa Na­tália (Joana Maria Ker­guin), Maria de São Justo (Ana Fran­cisca Mo­reau), Maria Adol­fina (Ana Ca­ta­rina Dierk), Maria Aman­dina (Pau­lina Jeuris), Maria Clara (Clélia Na­nétti), Maria Er­me­linda de Jesus (Irma Grivot), vir­gens do Ins­ti­tuto das Fran­cis­canas Mis­si­o­ná­rias de Maria; José Zhang Wenlan e Paulo Chen Changpin, alunos do se­mi­nário; João Wang Rui, João Zhang Huan, João Zhang Jing­guang, Pa­trício Dong Bodi, Fi­lipe Zhang Zhihe, André Bauer, Fran­cisco Zhang Rong, Ma­tias Feng De, Pedro Wu An­peng, Pedro Zhang Banniu, Simão Chen Ximan, Tomé Shen Jihe, re­li­gi­osos; Je­ró­nimo Lu Tingmei, Jo­a­quim He Kaizhi, João Chen Xi­a­nheng, João Zzang Ti­anshen, José Zhang Da­peng, Lou­renço Wang Bing, Lúcia Yi Zhenmei, Mar­tinho Wu Xu­esheng, Pedro Liu Wenyuan, Pedro Wu Guosheng, ca­te­quistas; e Águeda Lin Zhao, Inês Cao Kuiying, André Wang Ti­anqing, Ana An Ji­a­ozhi, Ana An Xinzhi, Ana Wang, Bár­bara Cui Li­anxhi, Isabel Qin Bi­anzhi, Tiago Yan Guo­dong, Tiago Zhao Quanxin, João Bap­tista Lou Tingyin, João Bap­tista Wu Man­tang, João Bap­tista Zhao Mingxi, João Bap­tista Zhou Wurui, João Wang Guixin, João Wu Wenyin, José Ma­Taishun, José Wang Guiji, José Wang Yumei, José Yuan Gengyin, José Yuan Zaide, Lang Yangzhi, Lou­renço Bai Xi­a­oman, Lúcia Wang Cheng, Lúcia Wang Wangzhi, Ma­da­lena Du Fengju, Marcos Ji Ti­an­xiang, Maria An Guoxhi, Maria An Lihua, Maria Du Ti­anshi, Maria Du Zha­ozhi, Maria Fan Kun, Maria Fu Guilin, Maria Guo Lizhi, Maria Qi Yu, Maria Wang Lizhi, Maria Zhao Guozhi, Maria Zhao, Maria Zheng Xu, Maria Zhou Wuxhi, Marta Wang Louzhi, Paulo Ke Tingzhu, Paulo Lang Fu, Paulo Liu Jinde, Paulo Wu Juan, Paulo Wu Wanshu, Pedro Li Qua­nhui, Pedro Liu Ziyu, Pedro Wang Erman, Pedro Wang Zu­o­long, Pedro Zhao Mingzhen, Pedro Zhou Rixin, Rai­mundo Li Quanzhen, Rosa Chen Aixie, Rosa Fan Hui, Rosa Zhao, Simão Qin Chunfu, Te­resa Chen Jinxie, Te­resa Zhang Hezhi, Xi Guizi e Zhang Hu­ailu, leigos. († s. XVII-XX).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 08/07/2010: 09/07: SANTOS AGOSTINHO

ZHAO RONG E COMPS. Agostinho Zhao Rong & o mais célebre de um grande número de mártires que sofreu a perseguição e a morte por causa da fé cristã na China, entre os séculos XIX e XX, Agostinho converteu-se através do testemunho de monsenhor Dufresne, que ele acompanhou

como soldado até a execução. Impressionado com a coragem e constância do padre ao enfrentar a morte por causa da fé, Agostinho pediu que ele intercedesse pela sua própria conversão. Uma vez cristão, Agostinho foi ordenado sacerdote. Descoberto pelas autoridades, foi preso e torturado, até ser decapitado, em 1815. Durante os séculos XIX e XX a perseguição e morte de cristãos – a

maioria anônima continuou na China. Em outubro de 2000, junto com Agostinho, foram beatificados muitos destes mártires. Frei Sandro Roberto da Costa, OFM. Petrópolis/RJ”

– Ver: http://arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/agostinho-zhao-rong-e-119-companheiros e https://pt.wikipedia.org/wiki/Os_120_M%C3%A1rtires_da_China

– Ver ainda: http://www.vatican.va/news_services/liturgy/saints/ns_lit_doc_20001001_zhao-rong-compagni_en.html

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Os_120_M%C3%A1rtires_da_China

4*.   Em Réggio Emília, re­gião da Itália, a Beata Joana Sco­pélli, virgem da Ordem das Car­me­litas, que cons­truiu um mos­teiro com a con­tri­buição dos con­ci­da­dãos e, pela oração, con­se­guiu que não fal­tasse no re­fei­tório o pão ne­ces­sário para as irmãs. († 1491)

5*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, o Beato Adriano For­tescue, mártir, pai de fa­mília e ca­va­leiro, que, acu­sado fal­sa­mente de cons­pi­ração, foi en­car­ce­rado duas vezes, no rei­nado de Hen­rique VIII, e fi­nal­mente de­ca­pi­tado con­sumou o seu martírio. († 1539). Ver páginas 325-326: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

6.   Em Bri­elle, junto ao rio Mosa, na Ho­landa, a paixão dos santos már­tires Ni­colau Pieck (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, e dez com­pa­nheiros da Ordem dos Frades Me­nores e oito do clero di­o­ce­sano ou re­gular, que, por terem de­fen­dido a pre­sença real de Cristo na Eu­ca­ristia e a au­to­ri­dade da Igreja Ro­mana, foram sub­me­tidos pelos cal­vi­nistas a nu­me­rosas tor­turas e hu­mi­lha­ções e, fi­nal­mente, sus­pensos na forca, con­su­maram o seu combate. São estes os seus nomes: Je­ró­nimo de Weert, Te­o­do­rico van der Eem, Ni­cásio van Heeze, Vi­leado da Di­na­marca, Go­de­fredo de Mel­veren Coart, An­tónio de Ho­or­naert, An­tónio de Werta e Fran­cisco de Roye, pres­bí­teros da Ordem dos Frades Me­nores; e ainda Pedro de As­sche van der Slag­molen e Cor­nélio de Wijck Bij Du­urs­teed, re­li­gi­osos da mesma Ordem; João Le­na­erts, có­nego re­gular de Santo Agos­tinho; João de Co­lónia, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores; Adriano de Hil­va­ren­beek, Tiago La­cops, pres­bí­tero da Ordem Pre­mons­tra­tense; Le­o­nardo Ve­chel, Ni­colau Poppel, Go­de­fredo van Duynen e André Wou­ters, presbíteros. († 1572). No Martirológio Romano-Monástico, em Brielle, nos Paises Baixos, em 1572, a paixão de Dezenove católicos, originários de Gorcum (mártires de Gorcum). Presos quando os calvinistas tomaram a cidade, sofreram o suplício da forca poor haverem defendido a autoridade da Igreja Católica e a presença real de Cristo na Eucaristia (M). Ver páginas 319-321: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rtires_de_Gorcum

7.   Em Città di Cas­tello, na Úm­bria, re­gião da Itália, Santa Ve­ró­nica Giu­liáni (também na Folhinha do Coração de Jesus, dia 10 de julho), aba­dessa da Ordem das Cla­rissas Ca­pu­chi­nhas, que, do­tada de ca­rismas es­pi­ri­tuais, re­cebeu em corpo e alma os es­tigmas da Paixão do Se­nhor, e por isso foi co­lo­cada sob cus­tódia du­rante cin­quenta dias, dando sempre ad­mi­rável exemplo de pa­ci­ência e obediência. († 1727). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Itália, no ano da graça de 1727, Santa Verônica Giuliani, Clarissa. Mestra de noviças e depois abadessa de seu convento, foi agraciada com os estigmas da Paixão na Sexta-Feira Santa do ano de 1697. Os relatos de suas experiências místicas revelam uma alma fervente de amor por Cristo sofredor, e cheia de humanidade, paz e alegria. (M). Ver páginas 323-324: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ver%C3%B4nica_Giuliani

8*.   Em Orange, na Pro­vença, re­gião da França, as be­atas Santa Melânia (Maria Ana Ma­da­lena de Gui­lher­mier), e Maria dos Anjos (Maria Ana Mar­ga­rida de Ro­cher), vir­gens da Ordem de Santa Úr­sula e már­tires du­rante a Re­vo­lução Francesa. († 1794)

9.   Em Kouy-Yang, ci­dade da pro­víncia do Guizhou, na China, São Jo­a­quim He Kaizhi, ca­te­quista e mártir, es­tran­gu­lado por causa da sua fé cristã. († 1839)

10.   Em Tai-Yuan-fu, ci­dade da pro­víncia do Shanxi, também na China, a paixão dos santos Gre­gório Grássi e Fran­cisco Fógolla, bispos da Ordem dos Frades Me­nores, e vinte e quatro companheiros, már­tires, que na per­se­guição dos «Yihe­tuan» foram mortos em ódio ao nome de Cristo. São estes os seus nomes: Elias Fa­chíni, Te­o­do­rico Balat, pres­bí­teros, e André Bauer, re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores; Maria Er­me­linda de Jesus (Irma) Grivot, Maria da Paz (Maria Ana) Gu­liáni, Maria Clara (Cl­lélia) Na­nétti, Maria de Santa Na­tália (Joana Maria) Ker­guin, Maria de São Justo (Ana Fran­cisca) Mo­reau, Maria Adol­fina (Ana Ca­ta­rina) Dierk, Maria Aman­dina (Pau­lina) Jeuris, re­li­gi­osas do Ins­ti­tuto das Fran­cis­canas Mis­si­o­ná­rias de Maria; e ainda João Zhang Huan, Pa­trício Dong Bodi, Fi­lipe Zhang Zhihe, João Zhang Jing­guangm, João Wang Rui, Tomé Shen Jihe, Simão Chen Ziman, Pedro Wu An­peng, Fran­cisco Zhang Rong, Ma­tias Feng De, Tiago Yan Guo­dong, Pedro Zhang Banniu, Tiago Zhao Quanxin, Pedro Wang Erman. († 1900). Ver páginas 335-338: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

11*.   Em Da­chau, perto de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Fiel Chijnacki, re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos e mártir, que, por causa do seu tes­te­munho da fé em Cristo, foi de­por­tado da Po­lónia, sua pá­tria, ocu­pada por um ímpio re­gime, e en­car­ce­rado no campo de con­cen­tração, onde so­freu cruéis tor­mentos e al­cançou a glória eterna. († 1942)

12*.   Em Roma, Santa Maria de Jesus Cru­ci­fi­cado (Maria Pet­kovic), virgem, que, tendo nas­cido em Blato, lo­ca­li­dade da ilha de Kór­cula, na Croácia, se de­dicou ar­den­te­mente à oração e às obras de be­ne­fi­cência e fundou a Con­gre­gação das Fi­lhas da Mi­se­ri­córdia, da Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco, des­ti­nada ao ser­viço dos do­entes e dos marginados. († 1966)

13. No Martirológio Romano-Monástico, em Mésia, na Europa Balcânica, os mártires Santo Zenon e Cirilo (M).

14. Santa Everilda (também na Folhinha do Coração de Jesus)

15. Santa Anatólia (também na Folhinha do Coração de Jesus). Ver Santa Anatólia e Santo Audácio, mártires. Ver página 322: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

16. Santo Efrem. Ver páginas 315-318: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

17. Santo Auromundo, abade. Ver página 339: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

18. Trinta e duas religiosas mártires de Orange. Ver páginas 327-334: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

19. Francisco Regis Clet. (Ver também 18 de fevereiro). .   Em Ou-Tchan-Fu, no Hubei, pro­víncia da China, São Fran­cisco Régis Clet (Ver também 09 de julho), pres­bí­tero da Con­gre­gação da Missão e mártir, que anun­ciou o Evan­gelho no meio de ex­tremas ad­ver­si­dades du­rante trinta anos, mas, de­nun­ciado por um após­tata, de­pois de um cruel ca­ti­veiro, morreu es­tran­gu­lado pelo nome de Cristo. († 1820). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Francisco_Regis_Clet

20. Outros santos do dia 09 de JULHO, páginas 315-340:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre o dia 09 de julho, ver ainda: https://pt.wikipedia.org/wiki/9_de_julho

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 527-531:  Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA.

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/