Santas e Santos de 17 de fevereiro

NOSSA SENHORA DO DESTERRO. Em FLORIANÓPOLIS, FESTA EM 17 DE FEVEREIRO: https://www.gaudiumpress.org/content/23861-Florianopolis-celebra-sua-padroeira-Nossa-Senhora-do-Desterro

– Ver “O Papa Pio X, quando da construção da Catedral de Florianópolis, dedicou Nossa Senhora do Desterro como Padroeira da cidade. Existem no Brasil muitas cidades que mantém a devoção a Nossa Senhora do Desterro, com capelas e igrejas em sua homenagem.”:  https://historiadenossasenhora.wordpress.com/2013/08/20/nossa-senhora-do-desterro/

SSDDO - Medalha Nossa Senhora do Desterro em ouro 18K cravejada de Safiras– Ver também “No ano de 1673, o fundador de Florianópolis, cidade que se chamava Desterro, hoje capital de Santa Catarina, Francisco Dias Velho, trouxe uma imagem de Nossa Senhora do Desterro para a ilha e ali construiu uma pequena capela em honra de Maria do Desterro, iniciando sua devoção no Brasil.

Papa Pio X, quando da construção da Catedral de Florianópolis, dedicou Nossa Senhora do Desterro como Padroeira da cidade. Existem no Brasil muitas cidades que mantém a devoção a Nossa Senhora do Desterro, com capelas e igrejas em sua homenagem.”: https://web.archive.org/web/20150901221051/http://www.cruzterrasanta.com.br/historia/nossa-senhora-do-desterro

– Ver festa em Paudalho-PE-17 de fevereiro: https://www.paudalho.pe.gov.br/portal/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-chega-a-sua-70a-edicao-em-paudalho/

– Ver: https://www.facebook.com/events/656280881443640/?active_tab=discussion (festa em 17 de fevereiro).

* NOSSA SENHORA DO DESTERRO, 02 DE ABRIL (está no Wikipedia em 17 de fevereiro). Ver “Nossa Senhora do Desterro[1] é um título católico dado à Santíssima Virgem Maria. Representa a fuga da Sagrada Família para o Egito. Por isso, também é conhecida como Nossa Senhora da Fuga. É muito venerada na Itália como a “Madonna degli Emigrati“, sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro… Cúpula da igreja de Nossa Senhora do Desterro, em Jundiaí, em São Paulo, no Brasil, retratando a Sagrada Família no Egito (festa litúrgica em 02 de abril).”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_do_Desterro

– Ver ainda FESTA EM 02 DE ABRIL. Comemora-se todo dia 02:Nossa Senhora do Desterro é muito venerada na Itália como a “MADONNA DEGLI EMIGRATI“, sendo padroeira daqueles que foram obrigados a deixar sua pátria para se refugiarem ou a fim de procurar trabalho no estrangeiro. Ela tem sido a Mãe Amorosa para todos os que, saudosos de sua terra natal, imploram cheios de fé e de amor o auxílio da Virgem do Desterro a fim de encontrarem compreensão e simpatia na terra adotiva.
Todos os fiéis cristãos que rezarem diariamente e divulgarem esta oração à Nossa Senhora do Desterro, verão a extinção de todos os castigos que houverem contra eles; nem fome, nem peste, nem guerra, nem doenças contagiosas lhes afligirão. Os seus inimigos não terão mãos nem poder de ofendê-los, nem roubá-los. Resistirão às tentações de satanás e dos demônios. Pragas, ratos e formigas lhes serão desterrados das lavouras. Todos os que tiverem confiança nas misericórdias da grande Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, serão felizes nos seus negócios e nas viagens. Não morrerão sem confissão e estarão livres da morte repentina. Aprovada pelo Arcebispo de Braga, Dom José e pelo Arcebispo do Porto ( MG ), Dom Américo, em 08-05-1972.”: http://www.comamor.com.br/desterro.htm

 NOSSA SENHORA DO DESTERRO (festa celebrada em vários locais e datas):

– Em Agrestina, PE, FESTA DE NOSSA SENHORA DO DESTERRO em 02 DE FEVEREIRO.Ver: http://www.agrestina.pe.gov.br/noticias/20/01/2020/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-chega-a-sua-98-edicao-em-agrestina-pe

– Ver também: “Em Agrestina, no Agreste de Pernambuco, a festa dedicada à padroeira Nossa Senhora do Desterro, contará apenas com programação religiosa por causa da pandemia da Covid-19. A parte artística do evento foi cancelada, e a religiosa segue de forma restrita.

Este ano, a cidade não se preparou para receber turistas e pagadores de promessas de todos os lugares do país, e o comércio, um dos mais beneficiados nesta época, também não. A decisão partiu do Governo do Estado, que prorrogou até junho o decreto de calamidade para conter o avanço do novo coronavírus. A decisão foi acolhida e respeitada pela organização do evento.

As celebrações eucarísticas estão sendo realizadas de forma restrita, com uso de máscaras, distanciamento social, aferição de temperatura na entrada da paróquia e agendamento prévio. Este ano, a também grande missa campal, que sucede a procissão, realizada em frente à matriz, na Praça Padre Cícero, foi substituída por uma celebração eucarística que será realizada dentro da igreja, às 19h30.”: https://g1.globo.com/pe/caruaru-regiao/noticia/2021/02/02/festa-de-nossa-senhora-do-desterro-em-agrestina-conta-apenas-com-programacao-religiosa.ghtml

            ============================================

OUTROS SANTOS DE 17 DE FEVEREIRO

1. Os santos sete fun­da­dores da Ordem dos Ser­vitas de Nossa Se­nhora (também na Folhinha do Coração de Jesus)Bon­fílio, Bar­to­lomeu, João, Bento, Ge­ral­dino, Ri­có­vero e Aleixo – que eram ne­go­ci­antes em Flo­rença e se re­ti­raram de comum acordo para o monte Se­nário, onde se con­sa­graram ao ser­viço da Virgem Maria, fun­dando uma Ordem sob a Regra de Santo Agos­tinho. São co­me­mo­rados todos no dia em que, se­gundo a tra­dição, morreu cen­te­nário o úl­timo destes fun­da­dores, que foi Aleixo. († c. 1262-1310). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. XIII, os Sete Santos Fundadores da Ordem dos Servos de Maria, comerciantes florentinos, que liberando-se da servidão de seus negócios, passaram a viver para o serviço da Mãe de Cristo na oração e no apostolado (R). – Em Florença, o bem-aventurado Aleixo de Falconieri, um dos sete fundadores da ordem dos servitas; chegado à idade de cento e dez anos, terminou santamente a vida, após ter sido consolado pela presença de Jesus Cristo e dos seus anjos. Conf. pág. 306:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

Ver também págs. 137-139:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também  “Ordem dos Servos de Maria (LatimOrdo Servorum Beatae Virginis Mariae )[1], (sigla O.S.M.) é uma ordem religiosa de frades dedicados a uma devoção particular a Nossa Senhora das Dores. Os seus membros religiosos são normalmente chamados de Frades Servos de Maria ou, simplesmente, ServitasOs Sete Fundadores (Alessio FalconieriAmadeo degli AmideiManetto dell’AntellaBuonfiglio MonaldiGherardino SostegniGiovanni Buonagiunta e Ricovero dei Ugoccioni… Foi igualmente ele, com a colaboração Santa Juliana Falconeri que era sobrinha do referido fundador desta ordem o Santo Alécio Falconieri, que deram início à Ordem Terceira da Congregação dos Servitas, sua congénere[3].):: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ordem_dos_Servos_de_Maria

2.   Em Ama­seia, no He­les­ponto, ac­tu­al­mente na Tur­quia, a paixão de São Te­o­doro de Tiro, que, no tempo do im­pe­rador Ma­xi­miano, pela con­fissão da fé cristã, foi du­ra­mente fla­ge­lado e en­cer­rado no cár­cere e, fi­nal­mente, en­tregue para ser quei­mado nas chamas. São Gre­gório de Nissa ce­le­brou os seus lou­vores num emi­nente panegírico. († 306/311)

3*.   Em Tré­veris, na Gália Bél­gica, hoje na Ale­manha, São Bo­noso, bispo, que, com Santo Hi­lário de Poi­tiers, tra­ba­lhou com zelo e sa­be­doria para que nas Gá­lias se con­ser­vasse a in­te­gri­dade da fé. († c. 373)

4.   Na Ar­ménia, São Mes­róbio, evan­ge­li­zador dos Ar­mé­nios, que, tendo sido dis­cí­pulo de São Narsés e es­criba no pa­lácio real, se fez monge; criou um al­fa­beto para en­sinar ao povo a Sa­grada Es­cri­tura, tra­duziu o An­tigo e o

Novo Tes­ta­mento e compôs hinos e cân­ticos em língua armena. († c. 440). Ver “São Mesrobes Mastósio (em latimMesrobes Mastosius; em armênio/arménio: Մեսրոպ Մաշտոց; romaniz.: Mesrob/Mesrop Machtots /Mashtots/MashdodzTaraunita360 — 17 de fevereiro de 440) foi um mongeteólogohinógrafo e linguista armênio. Foi também um cortesão e militar que se tornou sacerdote itinerante, impulsionado pela obsessão de suas ideias. É reverenciado como santo e educador, criador dos alfabetos armênioudi e georgiano.[3][4][5][6][7]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Mesrobes_Mast%C3%B3sio

5.   No mos­teiro de Clúain Ed­nech, na Ir­landa, São Fin­tano, abade, fun­dador deste ce­nóbio, cé­lebre pela sua austeridade. († c. 440). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 603, São Fintano, abade de Clonagh. Aos discípulos que vinham se colocar sob sua direção, traçava uma regra do mais severo ascetismo, temperada por sua sincera humildade e por sua grande doçura em relacão a todos. É considerado como um dos Pais da Irlanda monástica. (M). Mais sobre São Fintano nas páginas 300-303:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

6.   Co­me­mo­ração de São Fla­viano, bispo de Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, que, ao de­fender a fé ca­tó­lica no Con­cílio de Éfeso, foi fe­rido com pu­nhadas e pon­tapés pelo ímpio Diós­coro e morreu pouco tempo de­pois no exílio. († 449). Conforme o Martirológio Romano-Monástico (dia 18 de fevereiro), no ano da graça de 449, São Flaviano, bispo de Constantinopla, que foi vítima do zelo pela ortodoxia, lutando contra a heresia monofisita de Euticeu (M). Conforme o VIDA DOS SANTOS: No mesmo dia (também 18 de fevereiro), em Constantinopla, São FIaviano, bispo e confessor, que foi contemporâneo de Teodoreto e do papa São Leão, o Grande. Morto Procla, patriarca de constantinopla, Flaviano foi eleito para lhe suceder, sofrendo a oposição do eunuco Crisafo que gozava de franco crédito junto do imperador Teodósio, o jovem. Quando em Éfeso defendia a fé católica, foi agredido a socos e pontapés pelos partidários do ímpio Dióscoro. Exilado, faleceu em 449.  Conforme pág. 321:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

7*.   Em Lin­dis­farne, na re­gião da No­túm­bria, na ac­tual In­gla­terra, São Fi­nano, bispo e abade, in­signe pela sua dou­trina e zelo evangelizador. († c. 656)

8.   Em Auchy-aux-Moines, na re­gião dos Mo­rinos, na ac­tual França, o se­pul­ta­mento de São Sil­vino (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo. († s. VIII). Em Cremona, São Silvino, bispo e confessor, falecido em 773. Conforme pág. 306: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

9*.   No mos­teiro de Cava de’ Tir­réni, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Cons­tável, abade, que, pela sua exímia man­sidão e ca­ri­dade para com todos, foi vul­gar­mente de­no­mi­nado “co­bertor” dos irmãos. († 1124). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mosteiro de La Cava, em 1124, São Constábile, abade, que exerceu seu cargo por apenas um ano, mas deu provas, em seu governo e depois de sua morte, de grande solicitude para com seu rebanho. (X)

10*.   Em Rat­ze­burg, no Hols­tein, hoje na Ale­manha, Santo Ever­modo, bispo, que foi dis­cí­pulo de São Nor­berto na Ordem Pre­mons­tra­tense e tra­ba­lhou na obra da con­versão dos Vendos. († 1178)

11*.   Em Pádua, no Vé­neto, re­gião da Itália, o Beato Lucas Bel­lúdi, pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, que foi dis­cí­pulo e com­pa­nheiro de Santo António. († 1286). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Lucas_Belludi

12.   Em Hi­roshima, no Japão, o Beato Ma­tias Sho­bara Ichizaemon, mártir. († 1624)

13.   Em Pyongyang, na Co­reia, São Pedro Yu Chong-nyul, mártir, pai de fa­mília, que, en­quanto lia de noite o Evan­gelho aos fiéis na casa de um ca­te­quista, foi preso e, ver­gas­tado até à morte, morreu por Cristo. († 1866)

14*.   Em Ro­sica, na Po­lónia, o Beato An­tónio Lesc­zewicz, pres­bí­tero da Con­gre­gação dos Clé­rigos Ma­ri­anos e mártir, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da sua pá­tria em tempo de guerra, foi quei­mado pelos per­se­gui­dores da Igreja por causa da sua fé em Cristo. († 1943)

15. Em Concordia, os santos mártires Donato, Secundiano e Rômulo, (também na Folhinha do Coração de Jesus), com outros oitenta e seis, que participaram da sua coroa. Conforme pág. 306: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

16. Conforme o Martirológio-Romano-Monástico, perto de 309, São Teódulo. Trabalhava para o prefeito de Cesaréia da Palestina, quando foi acusado de ter ido visitar os confessores da fé que se achavam encarcerados. Seu patrão, após severas repreensões, fez com que fosse pregado numa cruz (M). Em Cesaréla da Palestina, o santo ancião Teódulo, um dos servidores do prefeito Firmiliano). Tocado pelo exemplo dos mártires (Elias, Jeremias, Isaías, etc. lembrados dia 16 de fevereiro), passou a confessar Jesus Cristo. Embora estimado pelo prefeito, foi levado à cruz, recebendo o mesmo martírio que o Salvador recebera na paixão (309). Ver pág. 304:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

17. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 717, São Silvano. Abandonando a corte de Teodorico III, partiu em peregrinação à Terra Santa e a Roma, onde recebeu a sagração episcopal. Pregador infatigável, evangelizou o Artois, onde entregou sua alma a Deus. (M)

18. São Marciano. Ver “Flávio Marciano Augusto (em latimFlavius Marcianus Augustus), mais conhecido apenas como Marciano (em latimMarcianus; em grego clássico: Μαρκιανός; ca. c. 392 – 26 de janeiro de 457) foi imperador bizantino de 450 a 457. Pouco se sabe sobre sua vida antes de tornar-se imperador. Foi doméstico sob Ardabúrio e seu filho Áspar por 15 anos. Após a morte de Teodósio II em 28 de julho de 450, foi feito candidato ao trono por Áspar, que manteve grande influência devido seu poder militar. Após um mês de negociações, Pulquéria, irmã de Teodósio, concordou em se casar com Marciano e Zenão, um líder militar de similar influência, concordou em ajudar Marciano a tornar-se imperador em troca da posição de patrício. Marciano foi eleito e inaugurado em 25 de agosto. Logo ao ascender, negou o pedido de ajuda do naxarar Bardanes II Mamicônio, que se rebelou contra a autoridade do  Isdigerdes II (r. 438–457) sobre a Armênia e enviou uma embaixada a Constantinopla buscando apoio do Império Bizantino.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Marciano

19. Santa Engrácia de Braga. Ver “Engrácia de Braga (Bragaca. 1030[1][2] – Carbajalesca.1050), também conhecida como EncratisEngrácia de Carbajales ou ainda Engrácia de Badajoz, foi uma virgem mártir do século XI. Terá nascido na cidade de Braga, nos seus arredores ou domínios da diocese[3] (outros autores apontam para que possa ter nascido em Badajoz[2]), na altura em que o Condado Portucalense pertencia ao Reino da Galiza. Morreu perto da povoação de Carbajales, nos arredores da cidade de Zamora, no Reino de Leão. Partilha o nome próprio, o trágico destino e provavelmente a mesma cidade natal com Engrácia de Saragoça, personalidade que viveu séculos antes.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Engr%C3%A1cia_de_Braga

20. Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na  Tur­quia, Santa Pulquéria (também dia 10 de setembro), que de­fendeu e pro­pagou a ver­da­deira fé. († 453). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 453, Santa Pulquéria, imperatriz. Levou na corte vida exemplar, e protegeu a Igreja fazendo construir lugares de culto, tirando da terra relíquias dos Quarenta Mártires de Sebaste e sustentando a ortodoxia em dois grandes Concílios Ecumênicos, os de Éfeso e o de Calcedônia. Ver páginas 125-134: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

– Ver também “Élia Pulquéria (em latimAelia Pulcheria19 de janeiro de 399 — 453) foi uma imperatriz-consorte romana do oriente, esposa do imperador Marciano. Ela era a segunda filha do imperador Arcádio e de sua esposa Élia Eudóxia, irmã de Flacila, que nasceu em 397 e que acredita-se ter morrido jovem. Pulquéria era ainda irmã de Arcádia, nascida em 400, Teodósio, que seria imperador, e Marina, ambos nascidos em 401.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/%C3%89lia_Pulqu%C3%A9ria

21. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VIII, São Fulrado, abade de Saint-Denis, perto de Paris, que negociou a aliança entre os francos e a Sé Apostólica. (X). Em São Dionísio, perto de Paris, Sao Fulrad, abade e confessor, desaparecido em 784, filho de Riculfo e de Ermengarda. Abade de São Dionísio em 750, tratou de recuperar bens que ao mosteiro haviam sido usurpados. Em 765, assistiu ao concílio de Attigny. Passou os últimos anos de vida dedicando-se à construção da nova igreja de São Dionísio. Foi o mais ilustre abade que governou aquela abadia de São Dionísio. Piedoso, era estimadíssimo por todos os que com êle privavam. Conf. págs. 304-305:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

22. São Reginaldo de Orleans (na Folhinha do Coração de Jesus, sua comemoração é 17 de fevereiro). Conforme abaixo, Beato Reginaldo de Orleans, sua comemoração é dia 12 de fevereiro:

https://pt.zenit.org/articles/beato-reginaldo-de-orleans/  e

http://www.blogdealtaneira.com.br/2011/02/santo-do-dia-sao-reginaldo-de-orleans.html

23. Mártires de Roma e Óstia, sob o imperador Cláudio II. Ver páginas 294-299: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

24. Outros santos do dia 17 de fevereiro, páginas 294-306:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 17 de fevereiro, ver ainda: 17 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 207-209:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro)

Ver:https://vidademartiressantasesantos.blog/

Santas e Santos de 16 de fevereiro

1.   Na Cam­pânia, re­gião da Itália, Santa Ju­liana, virgem e mártir. († data inc.). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Nicomédia, perto de 305, Santa Juliana, virgem e mártir. A seu noivo, que presidia o tribunal em nome e sob a pressão da autoridade imperial, ela respondeu: “Se você teme um imperador mortal, quanto mais devo eu temer o meu imperador, que é imortal!”. (M). Ver também págs. 287-289: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

2.   Em Ce­sa­reia da Pa­les­tina, os santos már­tires Elias, Je­re­mias, Isaías, Sa­muel e Da­niel (também na Folhinha do Coração de Jesus), cris­tãos egíp­cios, que, por terem es­pon­ta­ne­a­mente aju­dado os con­fes­sores da fé con­de­nados às minas na Ci­lícia, foram presos pelo pre­feito Fir­mi­liano, no tempo do im­pe­rador Ga­lério Ma­xi­mi­liano, e, de­pois de cru­de­lís­simas tor­turas, pe­re­ceram ao fio da es­pada. De­pois deles re­ce­beram também a coroa do mar­tírio Pân­filo, pres­bí­tero, Va­lente, diá­cono de Je­ru­salém, e Paulo, oriundo da ci­dade de Jâmnia, que ti­nham pas­sado dois anos no cár­cere; e ainda Por­fírio, servo de Pân­filo, Se­leuco da Ca­pa­dócia, gra­duado no exér­cito, Teó­dulo, an­cião da fa­mília do pre­feito Fir­mi­liano, e fi­nal­mente Ju­lião da Ca­pa­dócia, que, che­gando ali na­quele mo­mento, beijou os corpos dos már­tires e, assim de­nun­ciado como cristão, foi man­dado queimar a fogo lento pelo prefeito. († 309). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Cesaréia da Palestina, os mártires Santos Elias, Jeremias, Isaías, Samuel e Daniel e mais sete outros cristãos egípcios, decapitados por ordem do imperador Maximiano Galero, quando estavam visitando seus irmãos na fé condenados a trabalhos forçados. (M). No mesmo dia, em Cesaréia da Palestina, os santos mártires eqípcios Elias, Jeremias, Isaías, Samuel e Daniel. Espontâneamente devotados ao serviço dos confessores então condenados na Cilícia, foram aprisionados e cruelmente torturados. Era sob o prefeito Firmiliano, quando dos imperadores Galério e Maximiano. Como os nomes que lhes haviam dado os pais eram pagãos, quando interrogados resolveram adotar os dos profetas, citando-os, ao inquiridor. Condenados a morrer pela espada, deixaram o mundo em 309. Pouco depois, outros dois, São Porfírio, servidor do mártir Pânfilo, e São Seleuco da Capadócia, desapareciam sob torturas, um pelo fogo, o outro pelo gládio. Conf. pág. 292:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

3.   No reino da an­tiga Pérsia, São Ma­ruta, bispo, que, de­pois de res­ta­be­le­cida a paz na Igreja, pre­sidiu ao Con­cílio de Se­lêucia, res­taurou as Igrejas de Deus ar­rui­nadas na per­se­guição do rei Sapor e co­locou as re­lí­quias dos már­tires da Pérsia na ci­dade epis­copal, de­pois cha­mada Martirópolis. († a.420)

4*.   Em Borgo San Pi­etro, nos Abruzos, re­gião da Itália, a Beata Fi­lipa Maréri, virgem, que, des­pre­zando as ri­quezas e faustos do mundo, abraçou a forma de vida de Santa Clara, re­cen­te­mente es­ta­be­le­cida na sua terra. († 1236). Bem-Aventurada Filipa Mareria, virgem. A bem-aventurada Filipa Mareria foi a primeira clarissa honrada com um culto público, permissão esta outorgada por Pio VII aos irmãos menores da observância. Sua história é contada às págs. 290-292:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver também “Filipa Mareri, em italiano Filippa Mareri (Petrella Salto, c. 1195 — Assis16 de fevereiro de 1236) foi uma religiosa italiana, fundadora do mosteiro das clarissas de Borgo San Pietro (Irmãs franciscanas de Santa Filipa Mareri)[1]. O seu santuário e sua estátua estão localizados em Petrella Salto.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Filipa_Mareri

5*.   Em Pe­rúgia, ci­dade da Úm­bria, também na Itália, o Beato Ni­colau Páglia, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, que re­cebeu de São Do­mingos o há­bito e o mi­nis­tério da pregação. († 1256)

6.     Em Hi­roshima, no Japão, o Beato Fran­cisco Toyama Jintaró, mártir. († 1624)

7.   Em Ná­poles, ci­dade da Câm­pânia, re­gião da Itália, o Beato Ma­riano Aciero, pres­bí­tero, que, do­tado de pro­funda cul­tura te­o­ló­gica, bí­blica e hu­ma­nís­tica, se de­dicou com grande zelo apos­tó­lico à evan­ge­li­zação deste ter­ri­tório pela pre­gação as­sídua e pelo en­sino fre­quente das cri­anças e dos adultos po­bres, e con­tri­buiu efi­caz­mente para a re­no­vação e dig­ni­dade do clero. († 1788)

8*.   Em Turim, também na Itália, o Beato José Allamano, pres­bí­tero, que, ani­mado pelo zelo in­can­sável, fundou as duas Con­gre­ga­ções das Mis­sões da Con­so­lata, uma fe­mi­nina e outra mas­cu­lina, para a pro­pa­gação da fé. († 1926)

9. Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 16 de fevereiro, no fim do primeiro século, Santo Onésimo (comemorado dia 15 de fevereiro no Martirológio Italiano). Escravo de um cristão de Colossos chamado Filêmon, foi conquistado para Cristo por São Paulo que o batizou. (M). Ver páginas 283-286: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

Ver também “Onésimo de Bizâncio (em grego: Ὀνήσιμος, que significa “útil”) foi um escravo romano de Filémon, um cristão. Ele também é considerado como sendo o bispo de Bizâncio entre 54 e 68[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/On%C3%A9simo_de_Biz%C3%A2ncio

– Em 15 de fevereiro, co­me­mo­ração de Santo Oné­simo, que o após­tolo São Paulo re­cebeu como es­cravo fu­gi­tivo e na prisão o gerou como filho na fé de Cristo, como o Após­tolo es­creveu ao seu amo Filémon.

10. Em Sem­pringham, na In­gla­terra, São Gil­berto (memória dia 04 de fevereiro no Martirológio Italiano e no Martirológio Romano-Monástico. Na Folhinha do Coração de Jesus é dia 16 de fevereiro), pres­bí­tero, que, com a apro­vação do papa Eu­génio III, fundou uma Ordem mo­nás­tica com dupla ob­ser­vância, a saber, a Regra de São Bento para as monjas e a Regra de Santo Agos­tinho para os clérigos. († 1189). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, tinha laços de amizade com São Bernardo e São Tomás Becket. M. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Inglaterra, no ano do Senhor de 1190, São Gilberto, sacerdote fundador dos cônegos regulares de Semprimgham. Tinha laços de amizade com São Bernardo e com São Tomás Becket. (M). Ver página 425: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também: https://comeceodiafeliz.com.br/santo/sao-gilberto-de-sempringham

11. Bem-aventurado Bernardo de Corleone, irmão leigo franciscano. Conf. págs. 280-282: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver em 12 de janeiro: Em Pa­lermo, na Si­cília, re­gião da Itália, São Ber­nardo de Corleone (também na Folhinha do Coração de Jesus), da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos, in­signe pela sua ad­mi­rável ca­ri­dade e penitência. († 1667)

– Ver “SANTO DO DIA 12 de Janeiro dia de São Bernardo”: https://rainhadosceus.com.br/santo-do-dia-12-de-janeiro-bernardo-de-corleone/ e https://www.youtube.com/watch?v=fM8Fryr7EIc&feature=emb_logo

12. Beato Simão de Cássia (agostiniano).

Pertencente à família Fidati (ele também é conhecido como Simão de Fidati), o beato Simão nasceu em Cássia, Itália, em fins do século XIII, ao redor do ano 1295. Depois de um breve interesse pela lieratura profana (ciências naturais) seu interesse e energia migraram para assuntos puramente religiosos e espirituais. Ele vestiu o hábito agostiniano quando era ainda muito jovem.

Durante toda sua vida se consagrou à pregação, especialmente em terra toscana. Censor franco e impetuoso de pecados habituais, sua severidade também se estendia a quantos buscavam sua companhia ou sua amizade, a quem às vezes tratava com aspereza. Apesar disto, sua palavra, cheia de ardor e paixão, fascinava sempre seus ouvintes.

            Simão foi também muito apreciado como escritor, ocupação que lhe tomava grande parte das noites, segundo o testemunho de frei João de Salerno que viveu a seu lado aproximadamente dezessete anos. Na mais popular de suas obras, intitulada “A Ordem da vida Cristã “, nas origens do italiano vulgar, faz uma vigorosa chamada ao seguimento e imitação de Cristo, um ideal proposto amplamente em sua obra-prima “O Serviço de Nosso Salvador”.

            A propósito desta última obra, conta-se como em uma ocasião, enquanto projetava a conveniência e modo de redigi-la, ter-lhe-ia aparecido o Senhor sob a aparência de um jovem que o convidava a beber do cálice que levava em suas mãos. Simão provou-o e “a doçura desta bebida lhe ficou gravado durante o resto de sua existência, fazendo que lhe parecesse insípido qualquer outro alimento; e em seguida começou a escrever a referida vida do Salvador”.

            Especial menção merece também seu “Epistolário” (uma coleção de aproximadamente 50 de suas cartas, epístolas), já que é precisamente em suas cartas onde se documenta a atividade de Simão como diretor espiritual em contato com pessoas de todo tipo e categoria social.

            Como pregador e como escritor influiu notavelmente na vida pública de seu tempo, apesar de seu viver esquivo, como o contínuo desejo de solidão, dedicado preferencialmente à oração e ao estudo. Nesta linha explica-se sua total recusa a qualquer cargo de governo.

            Simão de Cássia tinha uma devoção especial pela humanidade de Jesus que, para ele, era a chave da vida Cristã. Tal devoção estava enraizada no contexto da tradição Agostiniana da “Teologia do Coração”, ponto central do amor de Deus.

            O sucesso nunca tomou conta de sua vida e Simão manteve-se fiel à sua vocação. Ele vivia a caridade cristã, a obediência à Ordem e o senso de comunidade e amor fraterno como os mais importantes valores da vida religiosa e comunitária.

Vítima da “grande peste” que assolou a Europa, morreu em 1348. Seus restos não tardaram em ser trasladados ao templo de Santo Agostinho de Cássia, e dali, em 1810, à igreja da beata Rita, onde hoje repousam na cripta da basílica da Santa.

O culto com o qual o povo manteve viva sua memória recebeu a aprovação em 1833. Conforme: http://www.santarita-oar.org.br/index.php/calendarios/devocional/137-calendarios/calendario-devocional-oar/1721-16-de-fevereiro-beato-simao-de-cassia

13. São Gregório X, Papa. Ver páginas 267-279: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver 10 de janeiro: Em Arezzo, na Etrúria, ac­tu­al­mente na Tos­cana, re­gião da Itália, o pas­sa­mento do Beato Gre­gório X (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que, sendo ar­ce­diago de Liège, foi eleito para a ca­deira de Pedro: fa­vo­receu de todos os modos a co­mu­nhão com os Gregos e, para pro­mover a con­ci­li­ação entre os cris­tãos e re­cu­perar a Terra Santa, con­vocou o se­gundo Con­cílio Ecu­mé­nico de Lião. († 1276). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Toscana, o Bem-Aventurado Gregório X. Natural de Piacenza, era arcebispo de Liège quando foi eleito papa. Convocou o II Concílio Ecumênico de Lião, que recebeu os gregos na unidade da fé, trabalhou pela entre os cristãos e pela reconquista da Terra Santa. (M). Ver páginas 294-296: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver  “Beato Gregório X, nascido Teobaldo ViscontiOCist (Placência1210 — Arezzo10 de Janeiro de 1276) foi Papa entre 1271 e 1276. O conclave que o elegeu foi o mais longo da história da Igreja, durando quase três anos.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Gregório_X

14. Outros santos do dia 16 de fevereiro, páginas 267-293:  VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 16 de fevereiro, ver ainda: 16 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 205-207:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/