Santas e Santos de 04 de março

1. São Ca­si­miro, filho do rei da Po­lónia, que foi um prín­cipe in­signe no zelo pela fé, na cas­ti­dade e na pe­ni­tência, na be­nig­ni­dade para com os po­bres e na pi­e­dosa ve­ne­ração da Sa­grada Eu­ca­ristia e da bem-aven­tu­rada Virgem Maria, e, ainda jovem, ví­tima da tu­ber­cu­lose, na ci­dade de Grodno, perto de Vilna, na Li­tuânia, hoje na Bi­e­lor­rússia, des­cansou pi­e­do­sa­mente no Senhor. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1484, o nascimento no céu de São Casimiro (também na Folhinha do Coração de Jesus), príncipe herdeiro e padroeiro celeste da Polônia e da Lituânia. No meio do luxo da corte, soube guardar uma grande caridade em relação aos pobres e à pobreza, assim como um profundo amor à castidade, graças a uma intensa vida de oração. (R). Ver São Casemiro, rei da Polônia, às páginas 177-180: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf(† 1484)

– Ver também “São Casimiro (Cracóvia, 3 de Outubro de 1458 – 4 de Março de 1484) foi um príncipe, filho da rainha Isabel da Áustria e de Casimiro IV da Polônia, que foi santificado por ter praticado de modo especial a bondade com os pobres e ter grande devoção a Nossa Senhora.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Casimiro

2.   Em Ni­co­média, na Bi­tínia, hoje Izmit, na Tur­quia, os santos Fócio, Ar­quelau, Qui­rino (Cirilo)e ou­tros de­zas­sete mártires. († s. III/IV)

3*.   Em Tré­veris, na Re­nânia da Aus­trásia, hoje na Ale­manha, São Ba­sino, bispo, des­cen­dente das fa­mí­lias no­bres do reino da Aus­trásia, que pri­meiro foi monge, de­pois abade de São Ma­xi­mino de Tré­veris, e, ele­vado à dig­ni­dade epis­copal, aprovou a fun­dação do mos­teiro de Eph­ter­nach, re­a­li­zada por Santa Irmina. († 705)

4*.   Em Co­má­quio, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, Santo Apiano, monge, que, en­viado do mos­teiro de Pavia, se­guiu nesta ci­dade a vida eremítica. Ver “Originário da Ligúria, Apiano, também chamado Apuano , era monge de São Pedro do Céu de Ouro. Quieto, doce, de muito bom gênio, era homem dado a grandes mortificações, mortificações que praticava escondido dos irmãos, para que o não tomasse a vaidade.”. Conf. págs. 183-184: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf(† s. VIII)

5*.   No mos­teiro de Cava de Tir­réni, na Cam­pânia, também re­gião da Itália, São Pedro, que, de­pois de se­guir desde a sua ju­ven­tude a vida mo­nás­tica, foi eleito bispo de Po­li­castro, mas, in­sa­tis­feito com o bu­lício da vida mun­dana, re­gressou ao mos­teiro, onde foi cons­ti­tuído abade e res­taurou ad­mi­ra­vel­mente a ob­ser­vância religiosa. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do senhor de 1123, São Pedro, abade. Depois de um período de cinco anos passados em Cluny sob o abaciado de São Hugo, conseguiu, apesar de grandes oposições, lançar as bases da congregação beneditina de La Cava, reforma que se estendeu por todo o sul da Itália. (X). São PEDRO PAPPACARBONO – bispo e confessor – Ver págs. 185-186: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf(† 1123)

6*.   Em Cham­béry, na Sa­vóia, hoje na França, o Beato Hum­berto, ter­ceiro conde da Sa­bóia, que, cons­tran­gido a aban­donar o claustro para pre­sidir à go­ver­nação civil, pra­ticou fer­vo­ro­sa­mente a vida mo­nás­tica, à qual pouco tempo de­pois regressou. († 1188). Ver página 186: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver “Humberto III (4 de Agosto de 1135 — 4 de Março de 1189), apelidado de “o Santo”, foi Conde de Saboia desde 1148 até sua morte.”: Humberto III, Conde de Saboia – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

7*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, os be­atos Cris­tóvão Bales, pres­bí­tero, Ale­xandre Blake e Ni­colau Horner, már­tires, que, na per­se­guição da rainha Isabel I, re­ce­beram ao mesmo tempo a coroa de glória. († 1590)

8♦   Em Vannes, na Bre­tanha, re­gião da França, a Beata Maria Luísa (Isabel de La­moignon Molé de Cham­pla­treux), viúva, mãe de S. Luís e fun­da­dora das Irmãs da Ca­ri­dade de São Luís, que, evi­tando o fausto e a ri­queza da sua fa­mília nobre, viveu pobre e para os po­bres, e se de­dicou ao en­sino dos ig­no­rantes e à edu­cação das cri­anças no ca­minho da virtude. († 1825)

9*.   No ce­nóbio de Saint-Sau­veur-le-Vi­comte, na Nor­mandia, re­gião da França, a Beata Plá­cida (Eu­lália Viel), virgem, que res­plan­deceu pelo seu zelo e hu­mil­dade no go­verno da Con­gre­gação das Es­colas Cristãs da Misericórdia. († 1877)

10*.   Em Vi­cenza, na Itália, São João An­tónio Farina (também na Folhinha do Coração de Jesus) bispo, que de­sen­volveu uma in­tensa e mul­ti­forme ac­ti­vi­dade pas­toral e fundou o Ins­ti­tuto das Irmãs Mes­tras de Santa Do­ro­teia Fi­lhas dos Sa­grados Co­ra­ções, des­ti­nado a tra­ba­lhar na for­mação das jo­vens po­bres e de todos os opri­midos e marginados. († 1888). Ver “Giovanni Antonio Farina, também conhecido como São João Antônio Farina (Gambellara11 de janeiro de 1803 – Vicenza4 de março de 1888) foi um bispo católico italiano, fundador da Congregação das Irmãs Mestras de Santa Doroteia, filhas dos Sagrados Corações.[1]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Giovanni_Antonio_Farina

11♦.   Em Wro­claw, na Po­lónia, o Beato Ro­berto Spiske, pres­bí­tero di­o­ce­sano, fun­dador da Con­gre­gação das Irmãs de Santa Edviges. († 1888)

12*.   Em Be­rezwecz, perto de Gle­bokie, ci­dade da Po­lónia, os be­atos Mi­e­cislau Bohatkiewicz, La­dislau Mac­kowiak e Es­ta­nislau Pyrtek, pres­bí­teros e már­tires, que, du­rante a guerra, por causa da sua fé em Cristo foram en­cer­rados no cár­cere e fuzilados. († 1942)

13♦.   Em Kis­tarcsa, pró­ximo de Bu­da­peste, na Hun­gria, o Beato Zoltan Lajos Meszlényi, bispo de Esz­tergom-Bu­da­peste e mártir. († 1951)

14. São Leonardo ou Leodovaldo. Ver “Leonardo, também conhecido como Leodovaldo, era natural de Vains, cantão de Avranches, onde nasceu em 540. Filho de rica e piedosíssima família, era bondoso e caritativo… Quando o bom bispo faleceu, em 614, o povo passou a venerá-lo como santo, e, em sua honra, erigiram-lhe os diocesanos uma igreja na cidade em que nasceu.”. Conf. págs. 181-182: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

15. Em Roma, São Lúcio I, papa e mártir, que, durante a perseguição movimentada por Valeriano, foi enviado ao exílio pela fé. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 254, São Lúcio I, papa e confessor da fé. Os poucos meses de seu episcopado se passaram no exílio, e sua morte ocorreu logo depois de seu retorno a Roma, fato que São Cipriano havia saudado com alegria – M). Decapitado, recebeu a coroa do martírio em 254. São Cipriano elogiou-o muitíssimo. Teve curto pontificado: de 25 de junho de 253 a 4 de março de 254. Seu corpo foi deposto na cripta papal do cemitério de Calixto. Ao santo papa atribuiu-se um decreto que estabeleceu clérigos para a casa do papa. São Lúcio foi venerado na Dinamarca, onde um grande número de igrejas jaz sob sua invocação: é que os apóstolos daquele país para ali levaram relíquias do santo papa mártir. Ver págs. 186-187: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

16. Na Ásia Menor, sob o imperador Diocleciano, a paixão de Santo Adriano. Oficial do exército imperial, foi subitamente convertido pela paciência sobre-humana de que deram prova Vinte e três cristãos prisioneiros, e pediu que seu nome fosse acrescentado à sua lista (Conforme o Martirológio Romano-Monástico – M).

– Ver em 01 de dezembro: Santo Adriano e Santa Natália, Esposos e Vinte e Três Santos Mártires. Ver páginas 370-371: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2020.pdf

– Ver CASAL SANTO ADRIANO E SANTA NATÁLIA,Festa litúrgica 01 de dezembro, 04 de março, 26 de agosto e 08 de setembro”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Adriano_e_Nat%C3%A1lia

– Ver “Adriano (em latimAdrianus) e Natália foram romanos do final do século III e começo do IV. Adriano era membro da guarda pretoriana e foi martirizado em Nicomédia sob ordens do imperador Galério (r. 293–311) após declarar publicamte que era cristão. Natália levou os restos mortais do marido para Argirópolis, perto de Bizâncio… ” Adriano e Natália – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver também “A única notícia certa é que havia um antigo e muito forte culto de um Adriano, mártir de Nicomedia, tanto no Oriente quanto no Ocidente. O novo Martirológio Romano lembra o santo neste dia sem mais comentários. O resto é suposição e lenda… O antigo Martirológio Romano indicou 4 de março como o dia de sua morte, e 1 º de dezembro para Natalia e 8 de setembro para o transporte de seus restos mortais para Roma. A festa comum de Santos Adriano e Natália, mártires, era 8 de setembro.”: Santi Adriano e Natalia (santiebeati.it)

– Em 08 de setembro, em Roma, a co­me­mo­ração de Santo Adrião, mártir, que pa­deceu o mar­tírio em Ni­co­média, na Bi­tínia, hoje Izmit, na Tur­quia, em cuja honra o papa Ho­nório I con­verteu em igreja a Cúria do Se­nado Romano. († data inc.).

17. Na região de Quersonésia, península ao norte do mar Negro, perto do ano 300, a paixão de Sete Bispos da Igreja Grega, que deram testemunho de Cristo por sua vida, pregação e morte (conforme o Martirológio Romano-Monástico – M). “No Quersoneso, o martírio dos santos bispos Basílio, Eugênio (também na Folhinha do Coração de Jesus), Agatodoro, Elpídio, Etério, Capitônio, Efrém, Nestor e Arcádio (também na Folhinha do Coração de Jesus)”. Ver pág. 188: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

18. Outros santos do dia 04 de março: páginas 177-188:  VIDAS DOS SANTOS – 4.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 04 de março, ver ainda: 4 de março – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 239-241:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, proteja-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/