Santas e Santos de 28 de maio

28 DE MAIO: NOSSA SENHORA DOS ARDENTES. Ver: “Um belo exemplo de como a Santíssima Virgem, padroeira de Arras (no norte da França) sob essa invocação, premia quando pessoas se perdoam devido a inimizades meramente pessoais… Poucas pessoas hoje em dia, salvo os médicos, ouviram falar de uma doença chamada ergotismo. Mas ela foi, desde a Idade Média até o século XVII, um problema sério de saúde. Seu nome vem de um fungo chamado ergot (esporão do centeio), que ataca o trigo. Após contaminar a planta, sobretudo na primavera, começavam as epidemias, afetando milhares de pessoas ao mesmo tempo. A doença recebia nomes diferentes em diversas línguas, como mal des ardentsignis sacerheiliges feuerfogo infernal ou fogo de Santo Antônio, indicando todos que as pessoas tinham a sensação de estarem se queimando; de Santo Antônio, porque a Ordem de Santo Antônio era a que tratava principalmente esses doentes. E foi justamente durante uma dessas epidemias que se deu a aparição da Santíssima Virgem, conhecida pela invocação de Nossa Senhora dos Ardentes, por causa da moléstia que veio curar.”: http://catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=F95387DB-3048-560B-1CB69B748DF87D58&mes=Junho2007

Ver páginas 283-285 “…A festa principal da confraria era celebrada no dia 28 de maio. Depois de 1899, fixaram-na no domingo da Trindade. A festa litúrgica, atualmente, tem lugar na sexta-feira que precede o Pentecostes…”: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

 – Ver também “… Na noite de 24 para 25 de maio de 1105, a Virgem Santíssima apareceu a duas pessoas que estavam brigadas e eram inimigos mortais: Itier de Tirlemont e Pierre Norman. Eles eram menestréis, quer dizer, espécie de cantores ambulantes, que compunham e interpretavam músicas religiosas ou profanas e se apresentavam nas feiras e torneios. Aconteceu que Norman matou o irmão de Itier, surgindo então um ódio completo entre os dois, que não havia forma de aplacar…

Estava Itier dormindo, quando apareceu-lhe em sonhos a Mãe de Deus e lhe disse: “Dormes? Escuta o que tenho a te dizer. Levanta-te e parte para a Santa Sion de Arras, lugar sacro onde doentes em número de 144 sofrem dores mortais. Quando chegares, far-te-ei saber o tempo e local convenientes para que fales com Lambert, que governa essa igreja, e lhe contarás a visão. Tu lhe recomendarás ficar de vigília — ele será o terceiro a fazê-la contigo durante a noite de sábado para domingo — e visitar os doentes que se encontram na igreja. Ao primeiro canto do galo, uma mulher vestida como eu estou agora descerá do alto da Igreja, tendo na mão um círio, que ela te dará. Após tê-lo recebido, deves acendê-lo e colocar gotas de cera dele em copos de água, que darás de beber aos doentes e derramá-la-ás sobre suas feridas. Não duvides de que aqueles que receberem este remédio com fé terão de volta a saúde. Ao contrário, aqueles que não acreditarem morrerão da sua doença. Farás isto junto com Norman, a quem tens um ódio mortal, e que se encontrará contigo no próximo sábado. Quando vocês dois se tiverem reconciliado, terão o bispo como terceiro companheiro.

… Norman teve uma visão semelhante na mesma noite. Mas devem os dois ter duvidado, ou então lhes custava demasiado pensar em se reconciliar com o inimigo, pois a aparição se repetiu para os dois, nos locais onde se encontravam na noite seguinte.

Finalmente convencidos, partiram cada um por seu lado a Arras e se encontraram com o bispo Lambert. Este, surpreendido pela coincidência dos relatos, conseguiu reconciliar os dois inimigos, que aceitaram fazer com o bispo a vigília que a Virgem Santíssima tinha recomendado.

Para que estivessem bem preparados para o acontecimento, o bispo os fez jejuar a pão e água; e no sábado, 27 de maio, passaram os três a noite em vigília na igreja. Às três horas da manhã, viram Nossa Senhora descer da abóbada da igreja, toda resplandecente e tendo na mão um círio. A Virgem lhes disse: “Aproximai-vos. Aqui tendes um círio que eu vos confio, e que será para vós um sinal especial da minha misericórdia. Toda pessoa tocada pela doença que se chama de fogo infernal terá apenas que colocar gotas deste círio na água e aspergir as feridas, que se curarão imediatamente. Aquele que acreditar será salvo; e o que não acreditar, perecerá”. Depois disto a Virgem entregou o círio e desapareceu.

Imediatamente eles fizeram com os doentes que se encontravam na Igreja o que Nossa Senhora havia pedido. Dos 144, somente um não acreditou na eficácia da promessa, tendo morrido. Os outros ficaram curados…

… Chama a atenção o fato de Nossa Senhora escolher para testemunhas dele duas pessoas que se odiavam mortalmente. Com isto, ficavam eliminadas todas as hipóteses de cumplicidade, pois foi necessário primeiro reconciliá-las para que o milagre se produzisse. Que teria acontecido, caso elas se negassem a reconciliar-se? Provavelmente o milagre não teria acontecido, pois muitas vezes Deus faz depender prodígios portentosos do consentimento desta ou daquela pessoa. Certamente Nossa Senhora teria encontrado outra forma de auxiliar os pobres doentes, mas não seria tão resplandecente como foi o modo como ocorreu esse milagre. Muito mais grave do que as doenças do corpo são as doenças da alma — entre elas o desejo de vingança — que nos fecham as portas do Céu. Se Deus permite as doenças do corpo, é justamente para, por meio delas, nos ensinar várias virtudes como a paciência, o desapego dos bens terrenos ou a obediência às autoridades, e com isso fazer-nos progredir na vida espiritual. Se o próprio Deus perdoa nossos pecados, por que não perdoaremos nós, meras criaturas, a quem nos causou algum mal por razões de caráter pessoal? Devemos combater os inimigos da Igreja e da Civilização Cristã, mas devemos perdoar os que nos perseguem apenas por razões pessoais”: https://www.amoranossasenhora.com.br/nossa-senhora-dos-ardentes-o-valor-de-perdoar/

– Sobre ERGOTISMO, ver: https://www.google.com/search?safe=active&sxsrf=ALeKk00RRajE0LEh08HT29s7-7Zkt_-YXQ%3A1590614352297&source=hp&ei=UNnOXpSTC__A5OUPwKK_qAE&q=ergotismo&oq=ergotismo&gs_lcp=CgZwc3ktYWIQAzICCAAyAggAMgIIADICCAAyAggAMgIIADICCAAyAggAMgIIADICCAA6BAgjECc6BQgAEIMBOgQIABBDOgQIABAKUMkJWOkYYNcdaABwAHgAgAHcAYgBtQ6SAQUwLjIuN5gBAKABAaoBB2d3cy13aXo&sclient=psy-ab&ved=0ahUKEwiU-76b_NTpAhV_ILkGHUDRDxUQ4dUDCAc&uact=5

– Ver ainda N.D. du Joyel

1105 – A Virgem aparece em Arras nos dois menestréis Itier e Norman e entrega-lhes a Vela Sagrada para a Cura do Mal dos Ardentes.

1112 – Um homem de Fleurbaix obtém do Bispo Lambert algumas parcelas da Santa Vela de Arras. É feita uma vela que foi, em Fleurbaix, objeto de grande veneração.

1459 – Para garantir a custódia desta preciosa joia, uma irmandade chamada Vela Sagrada ou o “aleluia” é estabelecida.

1815 – Assim que as igrejas reabriram após a Revolução, o culto de N.D. do Joyel é homenageado. A irmandade é reorganizada e uma pequena estátua de madeira dourada substitui a antiga Madona que desapareceu com a Santa Vela durante o tumulto.

1865 – Uma nova vela feita de cera e parcelas da Vela Sagrada de Arras é concedida pelo Bispo Lequette em vez da primeira.

1869 – A estátua de N.D. do Joyel, salva durante a Revolução por uma paroquiana de Fleurbaix, chamada Salomé, é devolvida à adoração e colocada em uma capela lateral da igreja.

1916 – A igreja, gravemente danificada desde o início da guerra, cai em ruínas. A estátua de N.D. do Joyel é preservada das chamas pela bravura de um paroquiano.

1919 – Nossa Senhora e Joyel retorna à igreja temporária de Fleurbaix.

1929 – No domingo, 7 de julho, o Bispo Julien abençoa solenemente a nova igreja de Fleurbaix e a dedica a N.D. dy Joyel.)”: https://arras.catholique.fr/diocese-darras-sunit-aux-sanctuaires-monde-entier-marathon-priere.html

================

OUTROS SANTOS DE 28 DE MAIO

1.   Em Co­rinto, na Acaia, ac­tu­al­mente na Grécia, Santa He­li­có­nides, mártir, que, no tempo do im­pe­rador Gor­diano, sob a ju­ris­dição do go­ver­nador Pe­rénio e do seu su­cessor Jus­tino, de­pois de su­portar muitos tor­mentos, fi­nal­mente de­ca­pi­tada con­sumou o seu martírio.(† s. III)

2.   Em Char­tres, na Gália Li­o­nense, na ac­tual França, São Ca­raúno, mártir. († s. V)

– Ver páginas 285-286: VIDAS DOS SANTOS – 9.pdf (obrascatolicas.com)

3.   Em Urgel, na His­pânia Tar­ra­co­nense, São Justo, bispo, que es­creveu um co­men­tário ale­gó­rico do “Cân­tico dos Cân­ticos” e tomou parte nos con­cí­lios hispânicos. († s. VI)

4.   Em Paris, na Gália, na ac­tual França, São Ger­mano, bispo, que era abade de São Sin­fo­riano em Autun quando foi cha­mado para a sede epis­copal de Paris e, con­ti­nu­ando o modo de vida mo­nás­tica, exerceu com muito fruto o mi­nis­tério pas­toral das almas. († 576).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 576, São Germano. Inicialmente abade de São Sinforiano de Autun, foi depois eleito bispo a serviço da Igreja em Paris. Convidou o rei Quildeberto I a fundar um mosteiro que mais tarde tomou seu nome: Saint-Germain-des-Prés. (M).

Ver páginas 267-274: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

– Ver também “Germano de Paris (ca. 496 — ca. 576) foi um bispo de Parissanto para a Igreja Católica. Seu dia consagrado é 28 de maio.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Germano_de_Paris

– Ver ainda “… SÃO ALEMÃO (Germain), uma das maiores glórias da França no século VI, nasceu perto de Autun por volta do ano 496. Após um treinamento cuidadoso, foi ordenado sacerdote por São Agripino, e posteriormente escolhido abade de São Sinforiano em um dos os subúrbios de Autun. Estando em Paris quando a sede ficou vaga, ele foi nomeado pelo rei Childeberto I para ocupar a cadeira. Sua promoção não alterou a austeridade de sua vida, ele manteve sua simplicidade de vestir e comer, mas sua casa estava sempre lotada por uma multidão de mendigos que ele recebia em sua própria mesa. Por meio de sua eloqüência e exemplo, ele trouxe muitos pecadores e cristãos descuidados ao arrependimento, incluindo o próprio rei que, por estar totalmente absorvido nos interesses mundanos, tornou-se um generoso benfeitor dos pobres e fundador de estabelecimentos religiosos. Quando Childeberto adoeceu em seu palácio de Celles, perto de Melun, o santo o visitou, e somos informados de que ao saber que ele havia sido abandonado pelos médicos, ele passou a noite inteira orando por sua recuperação. Pela manhã, ele curou o paciente real com a imposição de suas mãos… O santo morreu em 28 de maio de 576, aos oitenta anos, pranteado por todo o povo…

A virtude característica de São Germano era sua caridade ilimitada para com os pobres.
A liberalidade na esmola move Deus a ser liberal conosco nas dispensações de suas graças espirituais; mas aquele que endurece o coração às injúrias e necessidades dos outros, fecha contra si o tesouro do céu…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMay28.html

5*.   No mos­teiro de Gel­lone, na Gália Nar­bo­nense, também na ac­tual França, São Gui­lherme, monge, que, de­pois de ter sido uma per­so­nagem de grande pres­tígio na corte do im­pe­rador, es­ti­mu­lado pela sua grande sim­patia por São Bento de Aniane, tomou o há­bito mo­nás­tico que honrou com exímia virtude. († 812).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no Languedoc, em 812, São Guilherme, conde de Toulouse e duque de Aquitânia, fundou o mosteiro de Gellone, perto de Aniane, onde ele próprio foi mais tarde partilhar a vida e a oração dos monges (X).

– Ver páginas 275-276: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

– Ver também “Guilherme I de Tolosa, também Guilherme de OrangeGuilherme de Aquitânia ou Guilherme de Gellone (c. 755 – 28 de maio de 812 ou 28 de maio de 814) foi o segundo conde de Tolosa de 790 a 806. Seu nome em occitano é Guilhem, e é conhecido em francês como Guillaume d’Orange.[1][2]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Guilherme_I_de_Tolosa

6*.   Em Can­tuária, na In­gla­terra, o Beato Lan­franco, bispo, que, sendo monge de Bec, na Nor­mandia, fundou uma cé­lebre es­cola e dis­putou contra Be­ren­gário sobre a pre­sença ver­da­deira do corpo e sangue de Cristo no sa­cra­mento eu­ca­rís­tico; de­pois, ele­vado à sede epis­copal de Can­tuária, pro­curou re­formar a dis­ci­plina da Igreja na Inglaterra. († 1089).

– Ver páginas 277-280: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

– Ver também “Lanfranco, também chamado Lanfranco de BecLanfranco de Cantuária ou Lanfranco de Pavia (Pavia, ca. 1005 – Cantuária28 de maio de 1089) foi um teólogo e reformador da Igreja inglesa. Foi beatificado.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lanfranco_de_Cantu%C3%A1ria

7*.   Em Pisa, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, Santa Ubal­dina (Ubaldesca), virgem, que, desde os de­zas­seis anos de idade até à morte, du­rante cin­quenta e cinco anos pra­ticou in­fa­ti­ga­vel­mente num hos­pício as obras de misericórdia. († 1206)

8*.   Em Cas­tel­nuovo di Gar­fag­nana, também na Etrúria, hoje na Tos­cana, o Beato Her­cu­lano de Piégaro, pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, que foi exímio pre­gador e res­plan­deceu pela aus­te­ri­dade de vida, longos je­juns e fama de milagres. († 1451)

9*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, a Beata Mar­ga­rida Pole (também na Folhinha do Coração de Jesus), mãe de fa­mília e mártir, que, sendo con­dessa de Sa­lis­búria e mãe do car­deal Rei­naldo, no rei­nado de Hen­rique VIII, cujo di­vórcio ela cen­su­rara, foi de­ca­pi­tada no cár­cere da Torre de Lon­dres e des­cansou na paz de Cristo. († 1541).

– Ver “Margarida Pole também conhecida por Beata Margarida Pole (em inglêsMargaret Pole14 de agosto de 1473 – 27 de maio de 1541), foi uma fidalga inglesa, filha de Jorge, Duque de Clarence, irmão de Eduardo IV de Inglaterra e de Ricardo III de Inglaterra, e de Isabel Neville.

Ela foi o último membro da Dinastia Plantageneta, tendo sido executada em 1541 a mando de Henrique VIII de Inglaterra, que era filho do sua prima, Elizabeth De York.[1]

Margarida foi beatificada em 29 de dezembro de 1886, pelo papa Leão XIII. Seu dia é comemorado em 28 de maio…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Margarida_Pole,_8.%C2%AA_Condessa_de_Salisbury

– Ver ainda “Na época da ascensão de Henrique VIII, Margaret era viúva com cinco filhos, e o jovem monarca, que a descreveu como a mulher mais santa da Inglaterra, devolveu-lhe as propriedades de seu irmão que haviam sido confiscadas por conquistador no reinado anterior, criando-a também condessa de Salisbury por direito próprio.
Após o nascimento da princesa Maria, ela foi nomeada governanta da criança real, mas sua desaprovação do casamento de Henrique com Ana Bolena a levou à aposentadoria da corte, com a conseqüente perda de seu posto e dos favores do rei…

Ela se opôs ao casamento de Henrique com Ana Bolena, e o rei a exilou da corte, embora a chamasse de “a mulher mais sagrada da Inglaterra”. Quando seu filho, o cardeal Pole, negou o Ato de Supremacia de Henrique, o rei prendeu Margaret na Torre de Londres por dois anos e a decapitou em 28 de maio. Em 1538, seus outros dois filhos foram executados. Ela nunca teve um julgamento legal. Ela tinha setenta anos quando foi martirizada. Margaret foi beatificada em 1886.”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMay28.html

10*.   Em Flo­rença, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Maria Bar­to­lo­meia Bagnési, virgem, irmã da Ordem da Pe­ni­tência de São Do­mingos, que su­portou du­rante cerca de qua­renta e cinco anos muitos e atrozes sofrimentos. († 1577)

11*.   Em Lon­dres, na In­gla­terra, os be­atos Tomás Ford, João Shert e Ro­berto Johnson, pres­bí­teros e már­tires, que, no rei­nado de Isabel I, fal­sa­mente acu­sados de con­jura, foram con­de­nados à morte e sus­pensos ao mesmo tempo no pa­tí­bulo de Tyburn. († 1582)

12.   Em Cho Quan, lo­ca­li­dade da Co­chin­china, no ho­di­erno Vi­etnam, São Paulo Hanh, mártir, que, aban­do­nando a moral cristã, per­tencia a um bando de sal­te­a­dores; mas, preso no tempo do im­pe­rador Tu Duc, con­fessou que era cristão, e nem se­du­ções nem fla­ge­la­ções nem a di­la­ce­ração dos mem­bros o fi­zeram de­mover da fé; fi­nal­mente, de­go­lado, al­cançou o glo­rioso martírio. († 1859)

13*.   Em Sa­ch­se­nhausen, na Ale­manha, o Beato La­dislau Demski, mártir, que, na­tural da Po­lónia, morreu du­ra­mente tor­tu­rado num campo de con­cen­tração por de­fender a fé pe­rante os se­quazes de dou­trinas hostis a toda a dig­ni­dade hu­mana e cristã. († 1940)

14*.   Em Dzi­al­dowo, ci­dade da Po­lónia, o Beato An­tónio Ju­lião Nowowiejski, bispo de Plock, que, na mesma ca­la­mi­dade, foi en­car­ce­rado pelos ini­migos num campo de con­cen­tração e, es­vaído pela fome e cruéis tor­turas, foi ao en­contro do Senhor. († 1941)

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no séc. V, os Santos Crescêncio, Dióscórido e Paulo cristãos que foram atirados ao fogo por terem pregado o Evangelho. (M)

16. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no início do séc. X, São Págio, bispo de Florença (M).

17. Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 28 de maio, no ano do Senhor de 1081, São Bernardo de Menthon (também na Folhinha do Coração de Jesus de 28 de maio: São Bernardo de Novara). Nascido no castelo que tem este nome, às margens do lago de Annecy, entrou para os Cônegos Regulares e foi ordenado presbítero. Preocupado com a sorte dos peregrinos que deviam atravessar os Alpes, construiu para eles albergues em pontos elevados. Pio XI o declarou padroeiro dos montanheses e dos alpinistas (M).

– Ver “São Bernardo de Menton ( c. 1008 Menthon-Saint-Bernard (FR) ; † 12 de Junho de 1081 Novara (IT) ) (em italiano: San Bernardo di Mentone, em francês: Saint Bernard de Menthon) é um santo italiano que fundou cerca o Hospício do Monte Joux no actual colo do Grande São Bernardo e reconstruiu o da Coluna de Joux no actual Colo do Pequeno São Bernardo… Bernardo de Menton foi canonizado em 1681 pelo Papa Inocêncio XII e o Papa Pio XI confirmou, em 1923, São Bernardo de Menton como padroeiro dos Alpes e tornou-se assim também o padroeiro dos alpinistas[3]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Bernardo_de_Menton

– Ver também “… O fundador dos dois célebres hospícios do Grande e do Pequeno São Bernardo, que salvou a vida de tantos viajantes alpinos, tem direito ao reconhecimento grato da posteridade… São Bernardo, que salvou a vida de tantos viajantes alpinos, tem direito ao reconhecimento grato da posteridade e é estranho que até anos relativamente recentes nenhuma tentativa foi feita para lidar criticamente com o assunto contido nas biografias obviamente coloridas de São Bernardo. Ele é frequentemente referido como Bernard de Menthon por causa de seu suposto nascimento em Savoy, filho do conde Richard de Menthon e sua esposa da família Duyn…: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMay28.html

Ver dia 15 de junho: Em Mont­joux, no ter­ri­tório de Va­lais, São Ber­nardo de Menthon, pres­bí­tero, que foi có­nego e ar­ce­diago de Aosta, mas du­rante muitos anos ha­bitou nos cimos dos Alpes, onde cons­truiu um me­mo­rável ce­nóbio e edi­ficou também hos­pe­da­rias para os pe­re­grinos em dois montes que ainda hoje são co­nhe­cidos pelo seu nome. († 1081).

– Ver página 378 (NÃO TEM LINK): – Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume X – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

18. Santo Emílio, na Folhinha do Coração de Jesus. No mesmo dia, na Sardenha, os santos mártires Emílio, Félix, Príamo e Luciano, que, combatendo por Cristo, mereceram ser coroados. Ver pág. 285: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

19. Outros santos do dia 28 de maio: págs. 267-286 (vol.09): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 28 de maio, ver ainda: 28 de maio – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 429-431: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp- content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMay28.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

-Ver o blog:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.