Santas e Santos de 05 de março (atualizado dia 07.03.2022)

– VER TAMBÉM 5 DE MARÇO NA IGREJA ORTODOXA: “Todas as comemorações fixas abaixo são comemoradas no dia 18 de março pelas igrejas ortodoxas sob o Velho Calendário. No dia 5 de março do calendário civil, as igrejas sob o Velho Calendário celebram as comemorações listadas no dia 20 de fevereiro, exceto em anos bissextos, quando o fazem em 21 de fevereiro.”: 5 de março na Igreja Ortodoxa – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1.   Co­me­mo­ração de São Teó­filo, bispo de Ce­sa­reia, na Pa­les­tina, que, no tempo do im­pe­rador Sep­tímio Se­vero, res­plan­deceu pela sua sa­be­doria e in­te­gri­dade de vida. No Martirológio Romano-Monástico: próximo de 198, São Teófilo, bispo de Cesareia da Palestina. Deu seguimento aos esforços do Papa São Vítor para que se celebrasse na Ásia a festa da Páscoa no domingo, segundo a tradição apostólica Romana (M).  († 195).

– Ver página 197: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver também “São Teófilo (em latim: Theophilus) (†195) foi um bispo de Cesareia. Ele é conhecido pela sua oposição aos quartodecimanos. Ele é comemorado no dia dia 5 de março.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Te%C3%B3filo_de_Cesareia

2. Conforme o Martirológio Romano, na Pan­fília, na ac­tual Tur­quia, São Cónon, mártir, um jar­di­neiro que, no tempo do im­pe­rador Décio, foi obri­gado a correr di­ante dum carro, com cravos es­pe­tados nos pés e, caindo de jo­e­lhos, em oração en­tregou o es­pí­rito a Deus. († c. 250).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 06 de março e também na Folhinha do Coração de Jesus , no Oriente, perto de 250, a paixão de São Conon, jardineiro cristão condenado a correr na frente de um carro, tendo seus pés atravessados por cravos, porque havia confessado ser discípulo de Jesus crucificado. (M)

– Ver São Conon e a esposa Maria (Em Isáuria, Bida, São Conon e a esposa, Maria; época incerta.): página 198:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver ainda: páginas 214-216: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

3.   Em Roma, no ce­mi­tério de Ca­listo, junto à Via Ápia, o se­pul­ta­mento de São Lúcio, papa, su­cessor de São Cor­nélio, o qual, tendo pa­de­cido o exílio pela fé de Cristo, foi um exímio con­fessor da fé, en­fren­tando as di­fi­cul­dades do seu tempo com ad­mi­rável mo­de­ração e prudência. († 254).

– Ver “Papa Lúcio I, nascido Lúcio (em latimLucius), foi o vigésimo segundo Bispo de Roma, governando de 25 de Junho de 253 até 5 de Março de 254.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_L%C3%BAcio_I

No VIDAS DOS SANTOS de 04 de março: em Roma, São Lúcio I, papa e mártir, que, durante a perseguição movimentada por Valeriano, foi enviado ao exílio pela fé. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 254, São Lúcio I, papa e confessor da fé. Os poucos meses de seu episcopado se passaram no exílio, e sua morte ocorreu logo depois de seu retorno a Roma, fato que São Cipriano havia saudado com alegria – M). Decapitado, recebeu a coroa do martírio em 254. São Cipriano elogiou-o muitíssimo. Teve curto pontificado: de 25 de junho de 253 a 4 de março de 254. Seu corpo foi deposto na cripta papal do cemitério de Calixto. Ao santo papa atribuiu-se um decreto que estabeleceu clérigos para a casa do papa. São Lúcio foi venerado na Dinamarca, onde um grande número de igrejas jaz sob sua invocação: é que os apóstolos daquele país para ali levaram relíquias do santo papa mártir. Ver págs. 186-187: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– – Ver também “… Quase imediatamente após sua ascensão, a perseguição iniciada por Décio foi renovada sob Galo, e o Papa Lúcio I foi banido para um lugar cujo nome não foi registrado. Mas ele estava há pouco tempo no exílio quando ele e seus companheiros foram chamados, para grande alegria de seu povo que se reuniu em multidões para encontrá-lo. Nesta ocasião, São Cipriano escreveu-lhe uma carta de felicitações. Nele, ele assegura ao papa que não havia perdido a palma do martírio, embora, como as três crianças na fornalha ardente, tivesse sido preservado por Deus da morte. A carta acrescenta: “Não cessamos os nossos sacrifícios e orações a Deus Pai e a Cristo Seu Filho, dando graças e suplicando para que aquele que tudo aperfeiçoa consuma em vós a gloriosa coroa da vossa confissão.

Em outra carta, que São Cipriano depois escreveu ao Papa Santo Estêvão, ele cita São Lúcio como tendo condenado os hereges novacianos (… Novaciano (em latimNovatianus), chamado por Eusébio de Novato (em latimNoouatus) e Sócrates de Navato (em latimNauatus), foi um clérigo romano cismático do século III, fundador do novacianismo, e antipapa entre 251 e 258.[1]… O novacionismo ou novacianismo foi um movimento durante o cristianismo primitivo formado pelos seguidores de Novaciano e que se recusavam a readmitir em comunhão os lapsi – os cristãos batizados que tinham renegado a sua fé e realizado sacrifícios aos deuses pagãos – durante a perseguição de Décio em 250. Eles foram posteriormente declarados como heréticos… Novaciano era um padre romano que, em 251, se opôs à eleição do papa Cornélio, que se seguiu ao martírio do papa Fabiano durante a perseguição, sob o argumento de que ele era muito frouxo em seus critérios para aceitar os cristãos arrependidos. Ele se permitiu ser eleito como rival, o primeiro antipapa. Seu argumento era que os lapsi não deveriam ser recebidos de volta em comunhão com a igreja e que casar novamente era ilegal. Ele e seus seguidores foram excomungados por um sínodo realizado em Roma em outubro daquele mesmo ano. Acredita-se que o próprio Novaciano tenha sido martirizado durante a perseguição aos cristãos do imperador Valeriano (253 – 260)… Após a sua morte, os seguidores de Novaciano se espalharam rapidamente e podiam ser encontrados em todas as províncias, em grande quantidade em algumas delas. Eles eram chamados de novacionistas, mas chamavam a si próprios de καθαροι (em grego“katharoi” – “puritanos”), refletindo o seu desejo de não se misturar com o que consideravam práticas frouxas de uma igreja corrupta. Eles chegaram ao ponto de rebatizar seus próprios convertidos, o que era considerado uma heresia por negar à igreja a possibilidade de conceder a absolvição no caso do lapsi. Eles foram também considerados cismáticos pela igreja antiga por não se submeterem à autoridade do bispo de Roma…, conforme <  https://pt.wikipedia.org/wiki/Novacianismo >) por sua recusa de absolvição e comunhão para aqueles que caíram (lapsi), mas foram penitentes.

De acordo com Eusébio, São Lúcio não ocupou a cátedra pontifícia por mais de oito meses. Embora no Martirológio Romano deste dia Lúcio seja descrito como “Mártir na perseguição de Valeriano”, é praticamente certo que ele não estava mais vivo quando começou a perseguição de Valeriano, e é improvável que tenha sofrido a morte como mártir. O cronógrafo de 354 não insere seu nome no “depositio martyrum”, mas no “depositio episcoporum”, e os restos da inscrição da catacumba descoberta por De Rossi não fornecem nenhuma indicação de martírio. Nenhuma credibilidade pode ser dada à declaração do Liber Pontificalis de que São Lúcio, quando estava sendo levado à morte, virtualmente nomeou Estêvão como seu sucessor.

Diz-se que certas relíquias de São Lúcio são estimadas em Bolonha, enquanto uma cabeça, reputada como a deste papa, foi por muito tempo venerada na catedral de Roeskilde, perto de Copenhague – o local de sepultamento dos reis dinamarqueses – e o papa Lúcio é homenageado como patrono-chefe daquela cidade; mas muito provavelmente as relíquias na Suécia e em Bolonha são os restos mortais de um dos outros dois santos de nome Lúcio que são comemorados neste mesmo dia. O corpo do papa foi sepultado na catacumba de São Calisto, mas os restos mortais depois de uma primeira tradução foram transferidos para a igreja de Santa Cecília, onde estão agora, por ordem de Clemente VIII.
Veja Duchesne, Liber Pontificalis, vol. i, pp. xcvii e 153. São Cipriano (Hartel), Pt ii Pp. 695 e 748; De Rossi, Roma Sotterranea, vol. ii, 62-70; e cf. Acta Sanctorum. Março, v. i, e Allard, Histoire des perseguições, vol. iii, pág. 27 seq”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch04.html

4.   Em Si­nope, no Ponto, na ac­tual Tur­quia, São Focas, mártir, um jar­di­neiro que passou muitos tor­mentos pelo nome do Redentor. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Antioquia, perto de 320, São Focas. Segundo São Gregório de Tours, “sofreu inúmeros tormentos em nome do Redentor”. (M).

Em Antioquia, São Focas, mártir. Depois de inúmeros sofrimentos que suportou pelo nome do Redentor, recebeu o prêmio dos prazeres eternos. Atormentado, triunfou gloriosamente da antiga serpente, o que é confirmado por um perene milagre. Se alguém, mordido por uma serpente, chegar à porta da igreja deste santo mártir, e, com fé viva e inabalável, invocá-lo, ver-se-á, incontinenti, curado.

– Ver pág. 197: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf(† c.s. IV)

5.   Em Ce­sa­reia da Pa­les­tina, Santo Adrião, (Adriano) mártir, que, du­rante a per­se­guição do im­pe­rador Di­o­cle­ciano, por man­dado do pre­feito Fir­mi­liano, num dia em que os ha­bi­tantes da ci­dade cos­tu­mavam ce­le­brar a festa “For­tuna dos Ce­sa­renses”, por causa da sua fé em Cristo foi pri­mei­ra­mente lan­çado a um leão e de­pois de­go­lado à espada. († 309)

6.   Na Pa­les­tina, junto ao rio Jordão, São Ge­rá­simo, ana­co­reta, que, no tempo do im­pe­rador Zenão, re­con­du­zido à ver­da­deira fé por Santo Eu­tímio, pra­ticou grandes obras de pe­ni­tência, ofe­re­cendo a todos os que sob a sua di­recção se exer­ci­tavam na vida mo­nás­tica a ci­ência da ri­go­rosa ob­ser­vância   ad­mi­rável frugalidade.

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 475, São Gerásimo. Desviado por um momento para a heresia monofisita, retornou ao caminho da verdade graças a Santo Eutímio, Viveu como anacoreta no deserto da Judéia, perto de Jericó onde fundou uma laura composta de um mosteiro central e de eremitérios isolados. (M).

Ver págs. 193-197, São Gerasmo, abade e confessor: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf(† 475)

– ver também “Gerásimo do Jordão (em grego medieval: Γεράσιμος ὁ ἐν ᾿Ιορδάνῃ; m. 475) foi um monge, abade e santo cristão do século V. Nascido na província da Lícia, pertencia a uma família rica. Recebeu a tonsura monástica, retirando-se no deserto do Egito. Em torno de 450 o monge chega a Palestina onde, no rio Jordão, funda um mosteiro.[2]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ger%C3%A1simo_do_Jord%C3%A3o

7*.   Em Sahighir, na re­gião de Os­sory, na Hi­bérnia, hoje Ir­landa, São Ki­e­rano ou Ci­rano, bispo e abade.                                                                                                                                          († 530).

Ver “São Ciarán de Saigir (século V – c. 530), também conhecido como Ciarán mac Luaigne ou Saint Kieran (em galês: Cieran), foi um dos Doze Apóstolos da Irlanda[1] e é considerado o primeiro santo nascido na Irlanda,[2] embora a lenda de que ele precedeu o São Patrício da Irlanda é questionável. Ciarán foi bispo de Saighir e continua a ser o santo patrono do sucessor, a diocese de Ossory. Ele é identificado com Santo Piran que é venerado na CornualhaGales e na Bretanha.[3][4] 5 de Março é o dia no qual é venerado. Ele é por vezes tratado como São Ciarán o Velho, para o distinguir do outro São Ciarán do século VI, que foi abade de Clonmacnoise. Ele partilha o dia da sua veneração com a sua mãe, a Santa Liadán, e o seu discípulo e sucessor episcopal, São Carthach o Velho.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ciar%C3%A1n_de_Saighir

8*.   Em Arles, na Pro­vença, re­gião da ac­tual França, São Vir­gílio (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Virgílio de Arles), bispo, que deu hos­pe­dagem a Santo Agos­tinho e aos monges que iam a ca­minho da In­gla­terra, en­vi­ados pelo papa São Gre­gório Magno. († c. 618).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no início do séc. VII, São Virgílio, monge de Lérins. Encarregado de dirigir a abadia de São Sinforiano em Autun, tomou-se depois bispo de Arles. O papa São Gregório Magno demonstrou-lhe sua confiança pedindo-Ihe que aceitasse, em seu nome, os trabalhos com as Igrejas das Gálias. (X).

– Ver página 198: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

9*.   Em Vi­gé­bano, na Lom­bardia, re­gião da Itália, o Beato Cris­tóvão Ma­cas­sóli, pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, in­signe pela sua pre­gação e pela ca­ri­dade para com os pobres. († 1485)

10*.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, também re­gião da Itália, o Beato Je­re­mias de Valáchia (João Kos­tistik), re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores Ca­pu­chi­nhos, que du­rante qua­renta anos as­sistiu inin­ter­rup­ta­mente aos en­fermos com grande ca­ri­dade e alegria. († 1625)

11.   Também em Ná­poles, São João José da Cruz, Carlos Ga­e­tano Ca­lo­sirto (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores, que, se­guindo o exemplo de São Pedro de Al­cân­tara, res­taurou a dis­ci­plina da Regra em muitos con­ventos da Pro­víncia Napolitana.

Ver páginas 189-192:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf(† 1734)

– Ver também “São João José da Cruz (ilha de Ischia15 de Agosto de 1654 — Piedimonte d’Alife5 de Março de 1737), nascido com o nome de Carlos Caetano Calosirto, foi um beato franciscano que construiu um importante mosteiro para a sua ordem com suas mãos e permitiu que se abrissem várias outras casas religiosas, viveu uma vida muito austera, muito próxima da de São Francisco de Assis que tinha como ideal.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Jos%C3%A9_da_Cruz

12. Santo Eusébio (também na Folhinha do Coração de Jesus), confessor. Em Cremona, Santo Eusébio, discípulo de São Jerônimo, confessor, filho de honesta família muito distinguida. Depois de passar a adolescência na cidade em que nasceu, foi a Roma visitar o túmulo dos santos apóstolos, onde encontrou São Jerônimo e com ele esteve algum tempo a estudar as santas Escrituras. Quando o grande doutor demandou ao Oriente, Eusébio acompanhou-o. Diz-se que o Santo assistiu ao amigo na hora da morte. Dirigiu o mosteiro de Belém, falecendo em 423.

– Ver págs. 197-198: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver também “… SANTO EUSÉBIO de Cremona fez uma visita a Roma ainda jovem e durante sua estada conheceu São Jerônimo. Surgiu entre os dois uma intimidade que durou toda a vida, e quando Jerônimo propôs viajar para a Terra Santa, Eusébio decidiu acompanhá-lo. Chegados a Antioquia, juntaram-se à viúva Santa Paula e a sua filha. Santa Eustóquio, que os acompanhou em suas peregrinações aos Lugares Santos e ao Egito, antes de todos se estabelecerem em Belém. Em vista do grande número de peregrinos pobres que afluíam a Belém, São Jerônimo propôs construir um albergue para eles; e aparentemente foi para arrecadar fundos para esse fim que ele enviou Eusébio e Pauliniano primeiro para a Dalmácia e depois para a Itália,
  Em Roma, Eusébio se viu envolvido em uma disputa acirrada com Rufino, um sacerdote de Aquileia, que foi acusado de fazer uma tradução distorcida de Orígenes e disseminar falsas doutrinas. São Jerônimo se opôs ao seu ensino, e Eusébio se identificou com seu mestre. Rufino atacou Eusébio violentamente e reclamou que, por meio de sua agência, sua tradução de Orígenes havia sido roubada e adulterada.
Mais tarde, encontramos São Jerônimo acusando Rufino de contratar um monge para se apossar de uma carta de Santo Epifânio a João de Jerusalém – o monge se comprometeu a fazer uma tradução latina para Eusébio que, embora um excelente estudioso de latim, não conhecia Grego. Os detalhes dessas controvérsias prolongadas são obscuros e pouco edificantes. Parece que Eusébio foi o grande responsável por ter eventualmente induzido o Papa Santo Anastácio a condenar os escritos de Orígenes.
           Em 400 ele visitou novamente sua cidade natal, e diz-se que permaneceu na Itália.
O relato que lhe é atribuído da última doença de Jerônimo é certamente uma falsificação. Vários dos comentários de São Jerônimo são dedicados a seu amigo, cujo corpo teria sido enterrado ao lado do de seu mestre em Belém; mas o fato é muito duvidoso.
Um altar na cripta da igreja da Natividade é dedicado em homenagem a Santo Eusébio. Uma tradição afirma que Santo Eusébio foi o fundador do mosteiro de Guadalupe na Espanha e que introduziu na Península a Ordem dos Jerônimos, mas a lenda não tem fundamento.
         Quase todas as informações confiáveis ​​que possuímos sobre Santo Eusébio de Cremona vêm das obras e cartas de São Jerônimo. A longa vida impressa na (Acta Sanctorum março, vol. i) foi compilada por Francis Ferrari a partir desta fonte, mas de forma muito acrítica. Ver também DCB., vol. ii, pp. 376-377, e Cavallera, St Jérô me, sa vie at son oeuvre (1922).
Nascido em Cremona, Itália; Eusébio conheceu São Jerônimo em Roma quando Jerônimo atuava como secretário do Papa São Dâmaso e pregava um ascetismo estrito a todos que quisessem ouvir.

Eusébio sentiu-se tão atraído pelo severo erudito bíblico que, quando Jerônimo decidiu partir para a Terra Santa, implorou para acompanhá-lo.

Em Antioquia, juntaram-se a eles outros dois grandes amigos de Jerônimo, a viúva Santa Paula e sua filha São Eustóquio .

Os quatro fizeram uma peregrinação a todos os lugares ligados à vida terrena de Jesus, antes de decidir fazer de Belém sua casa.

Jerônimo ficou muito emocionado com as centenas de peregrinos a Belém, muitos dos quais extremamente pobres. Resolvendo construir um albergue para eles, ele enviou Eusébio à Dalmácia e à Itália para arrecadar dinheiro para o projeto. Santa Paula vendeu sua propriedade romana através dele para esse fim e Eusébio também vendeu sua própria propriedade em Cremona e deu o produto para a construção do albergue.
Eusébio sucedeu ao santo Doutor da Igreja como abade de Belém e se envolveu, como seu amigo, em amargas disputas com os seguidores de Orígenes. Há uma tradição infundada de que Eusébio fundou a abadia de Guadalupe na Espanha.
Em 400 dC, Eusébio retornou à sua terra natal, Cremona, onde algumas fontes indicam que ele permaneceu até sua morte. Outros sugerem que ele voltou a Belém para se tornar diretor espiritual de uma das comunidades religiosas de lá.

Ele pode muito bem ser enterrado ao lado de Jerônimo em Belém, onde – na cripta da igreja da Natividade – um altar é dedicado em seu nome (Benedictines, Bentley) …”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch05.html

13. No Martirológio Italiano de 09 de março, em Mon­dónio, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, São Do­mingos Sávio, que, do­tado de ânimo afável e jo­vial já desde a in­fância, ainda ado­les­cente per­correu ve­loz­mente o ca­minho da per­feição cristã. († 1857).

São Domingos Sávio (também na Folhinha do Coração de Jesus de 05 de março de 2020). Conforme o Martirológio Romano Monástico de 09 de março, “no ano da graça de 1857, São Domingos Sávio, que morreu aos 15 anos de idade (em 09 de março de 1857) no Colégio fundado por São João Bosco em Turim, depois de ter dado o exemplo de uma vida de oração e de uma caridade fraterna ao mesmo tempo alegre e austera (X).

Foi BEATIFICADO EM 05/03/1950; CANONIZADO EM 12/06/1954; FESTA LITÚRGICA EM 06 DE MAIO. Ver: http://www.salesianos.com.br/saodomingossavio/

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Domingos_S%C3%A1vio

– Ver ainda sobre São Domingos Sávio: http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cevang/p_missionary_works/infantia/documents/rc_ic_infantia_doc_20090324_boletin12p11_po.html

14. São Drausino ou Dráuscio, bispo e confessor. Ver página 198: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

15. Outros santas e santos do dia 05 de março, páginas 189-199: VIDAS DOS SANTOS – 4.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

 * “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 05 de março, ver também: 5 de março – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Todas da internet, foram consultadas no dia de hoje)

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 241-243: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch05.html

(este site mostra os santos do dia, em inglês. Tradução Google)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEM DADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, SANTAS/OS E ANJOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

* PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS, AMADO PAI, CORAGEM DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES SEDUTORAS, DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS A DOCILIDADE DAS OVELHAS! SOBRETUDO, DÊ-NOS A GRAÇA! PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA, ESCREVA-NOS:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

  * “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar (Santo Agatão, lembrado em 21 de outubro)

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu só lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível”.

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…” Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* “… A PAIXÃO VIVE; APENAS ESTÁ REPRIMIDA… ESTÁ APENAS PRESA… AS PAIXÕES VIVEM, APENAS SÃO REPRIMIDAS PELOS SANTOS (COM A GRAÇA DE DEUS!) …”.  SANTAS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS PARA QUE POSSAMOS REPRIMIR AS PAIXÕES. PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA DE REPRIMIR AS PAIXÕES. Santo Abraão, rogue por nós! Amém!” (SANTO ABRAÃO, ERMITÃO, 27 DE OUTUBRO), conforme páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

* “… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne … Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”:

* Dia 17 de janeiro: Santo Antão (ou Antônio). Oração: “Santo Antônio, você falou da importância de perseverar em nossa fé e nossa prática. Ajude-nos a acordar a cada dia com um novo zelo pela vida cristã e um desejo de enfrentar o próximo desafio em vez de apenas ficar parado. Amém!”

* 19 de janeiro, São Macário. “… A oração não requer muitas palavras. sobre você, você só precisa dizer: “SENHOR, TEM MISERICÓRDIA!” O Senhor sabe o que é útil para nós e nos concede misericórdia.”… Se você deseja ser salvo, seja como um morto. Não fique com raiva quando insultado, nem orgulhoso quando elogiado.” E ainda: “Se a calúnia é como o louvor para você, a pobreza como a riqueza, a insuficiência como a abundância, então você não perecerá.“…

* Sobre SANTO ANDRÉ CORSINI (04 de fevereiro): “Ele trabalhou arduamente para subjugar suas paixões por meio de humilhações extremas, obediência até mesmo à última pessoa na casa, pelo silêncio e oração”.

* PAI, ABRACE-NOS!

JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS ENCHA E NOS UNA NO AMOR!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

SÃO JOSÉ, SANTAS, SANTOS E ANJOS, ROGUEM POR NÓS!

POR CRISTO, NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* Após Deus, o Pai amado, chamar minha amada esposa e companheira por 38 anos, 9 meses e oito dias, em 24.09.2017, descobri:

1. Posso comunicar com a minha Frô, pela ORAÇÃO;

2. Posso VER, ESCUTAR, SENTIR a FRÔ (transformada, sem dores, linda, maravilhosa) em meu ser;

3. Ela está vivendo nos braços de Deus (bondosos, vigorosos);

4. Um dia vamos estar juntos;

5. Quando Deus me chamar, quero levar coisas boas para o banquete celeste (amor a Deus e ao próximo).

Dê-nos essa Graça, Pai amado! Dê-nos A GRAÇA! AMÉM! Obrigado, Senhor, por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

================

* Ver o blog: https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.