Santas e Santos de 14 de março

1.   Em Pidna, na Ma­ce­dónia, Santo Ale­xandre, mártir. († c. 390).

– Ver página 26 “Em Pydna, na Macedônia, Santo Alexandre, mártir. Sob o imperador Maximiano, proclamou a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo com uma coragem que nada poderia quebrantar. Decapitado, Deus conferiu-lhe ao corpo a virtude de curar as doenças mais variadas (ano 310).”: VIDAS DOS SANTOS – 5.pdf (obrascatolicas.com)

2.   Em Milão, na Li­gúria, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, São Lá­zaro, bispo. († s. V)

3.   Em Char­tres, na Gália, hoje na França, São Le­o­bino, bispo. († c. 557)

– Ver “… 558 ST LEOBINUS, OU LUBIN, Bispo DE CHARTRES
Os pais de St Lubin eram camponeses no campo perto de Poitiers, e desde a infância ele foi colocado para trabalhar nos campos. Quando menino, ele estava ansioso para aprender, e sua sede de conhecimento aumentando com os anos, ele foi para um mosteiro – provavelmente Noailles – onde foi empregado em tarefas domésticas. Seu trabalho o ocupava o dia todo, e ele era obrigado a fazer a maior parte de seus estudos à noite, protegendo sua lâmpada o melhor que podia, porque os monges reclamavam que a luz perturbava seu sono. Pela humildade e perseverança ele avançou no conhecimento religioso até alcançar um lugar de honra na casa. De alguma forma, porém, ele entrou em contato com São Carilef, e provavelmente foi por sugestão dele que Lubin procurou o eremita São Avito.

Depois de várias desventuras, Lubin se estabeleceu por cinco anos em uma abadia perto de Lyon, até que em uma guerra entre os francos e os borgonheses o mosteiro foi invadido e os monges fugiram, deixando apenas Lubin e um velho para trás. Os invasores, que pretendiam saquear, tentaram descobrir pelo velho onde os tesouros estavam escondidos, e ele os encaminhou para St Lubin. Como não puderam obter dele nenhuma informação, recorreram à tortura — amarrando uma corda em volta da cabeça e apertando-a. Depois disso, eles amarraram seus pés e o mergulharam, de cabeça, no rio, mas, não conseguindo fazê-lo divulgar qualquer coisa, acabaram o deixando para morrer. Ele se recuperou, no entanto, e com dois companheiros voltou para Le Perche, onde São Avito o recebeu em seu mosteiro. Após a morte de São AvitoLubin novamente viveu a vida de um eremita. O bispo Aetherius de Chartres o nomeou abade de Brou e o elevou ao sacerdócio. Ele parece ter achado suas responsabilidades muito onerosas e desejava deixar o cargo e se tornar um simples monge em Lérins, mas São Cesário, a quem seu próprio bispo o enviou para pedir conselhos, disse-lhe que voltasse para Brou e não deixasse seu povo. como ovelhas sem pastor. Ele obedeceu, mas logo após seu retorno foi promovido para suceder Aetherius como bispo de Chartres. Ele trouxe várias reformas e continuou a ser muito famoso por seus milagres. 

Participou do Quinto Concílio de Orleans e do Segundo Concílio de Paris, falecendo em 14 de março de 558, após uma longa doença.  disse-lhe para voltar para Brou e não deixar seu povo como ovelhas sem pastor…

The Ancient Life of St Leobinus foi editado por B. Krusch em MGH., Auct. Antiguidade., vol. iv, parte 2, pp. 73-82, como um apêndice às obras de Venâncio Fortunato, que em certa época se acreditava ter sido o autor. O P. A. Poncelet considera que a biografia em sua forma atual não pode ser anterior a meados do século IX. Ver Analecta Bollandiana, vol. xxiv (1905), pp. 25-31, e p. 82. Cf. Duchesne, Fastes Episcopaux, vol. ii, pág. 422, e o Acta Sanctorum, março, vol. ii…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch14.html#556_Leobinus_priest_abbot_of_BrouLubin

4.   Em Que­dlin­burg, na Sa­xónia, na ac­tual Ale­manha, Santa Ma­tilde (também na Folhinha do Coração de Jesus), es­posa fi­de­lís­sima do rei Hen­rique, a qual, in­signe pela sua hu­mil­dade e pa­ci­ência, se de­dicou ge­ne­ro­sa­mente à as­sis­tência aos po­bres e à fun­dação de hos­pi­tais e mosteiros.

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Halberstadt, na Saxônia, no ano do Senhor de 968, Santa Matilde, imperatriz da Germânia. Consagrou sua vida às obras de caridade e fundou cinco mosteiros. (M).

– Ver mais sobre a história de Santa Matilde às páginas 09-20: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf  († 968)

– Ver também “Matilde de Ringelheim (c. 895 — 14 de março[1] de 968) é uma santa católica, conhecida como Santa Matilde.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Matilde_de_Ringelheim

– Ver ainda “… 968 ST MATILDA, Viúva, descendente do célebre Widukind que liderou os saxões em sua longa luta contra Carlos Magno, Santa Matilda era filha de Dietrich, um conde da Vestefália, e de Reinhild, um descendente da casa real dinamarquesa. A menina, que nasceu por volta do ano 895, foi confiada aos cuidados de sua avó paterna, abadessa do convento de Erfurt. Aqui, não muito longe de sua casa, Matilda foi educada e cresceu até a feminilidade, superando todas as suas companheiras, nos dizem, em beleza, piedade e erudição. No devido tempo, ela se casou com o filho do duque Otto da Saxônia, Henry, chamado “o Fowler” por causa de seu gosto por falcoaria: a união foi excepcionalmente feliz, e Matilda sempre exerceu uma influência saudável e restritiva sobre o marido. Logo após o nascimento de seu filho mais velho Otto, três anos após o casamento, Henrique sucedeu ao ducado de seu pai e, quando, no início do ano de 919, o rei Conrado morreu sem filhos, ele foi elevado ao trono alemão. Foi realmente bom para ele que ele fosse um soldado capaz, pois sua vida foi de guerra – na qual ele foi singularmente bem-sucedido.

Pelo próprio Henrique e seus súditos, seus sucessos foram atribuídos tanto às orações da rainha quanto às suas próprias proezas. Ao longo de sua vida manteve a humildade que a distinguira quando menina, e no palácio real viveu quase como uma religiosa. Para sua corte e seus servos, ela parecia menos uma rainha e amante do que uma mãe amorosa, e ninguém em aflição jamais se dirigia a ela em vão. Seu marido raramente verificava sua liberal esmola ou mostrava irritação com suas práticas piedosas, tendo total confiança em sua bondade e confiando nela em todas as coisas. Depois de vinte e três anos de casamento, o rei Henrique morreu de um ataque apoplético em 936. Matilde tinha ido à igreja para derramar sua alma em oração por ele ao pé do altar quando foi anunciado a ela que ele havia falecido.

De Henrique e Matilde nasceram cinco filhos: Otão, depois imperador, Henrique, o Briguento, São Bruno, posteriormente arcebispo de Colônia, Gerberga, que se casou com Luís IV, rei da França, e Edwiges, mãe de Hugo Capeto. Embora tivesse sido o desejo de Henrique que seu filho mais velho Otão o sucedesse, Matilda favoreceu seu filho mais novo Henrique e persuadiu alguns nobres a votar nele, mas Otão foi escolhido e coroado. Não querendo desistir de suas reivindicações, Henrique levantou uma rebelião contra seu irmão, mas vendo-se derrotado, processado pela paz, foi perdoado por Otão e, por intercessão de Matilde, foi feito duque da Baviera. A rainha estava agora vivendo uma vida de auto abnegação quase completa, suas joias foram para ajudar os pobres, enquanto suas recompensas eram tão generosas que despertavam críticas. Seu filho Otto a acusou de ter um tesouro escondido e de desperdiçar as receitas da coroa: ele a chamou para prestar contas de tudo o que ela gastou e colocou espiões para vigiar seus movimentos e suas doações. A parte mais amarga de seu sofrimento foi a descoberta de que seu favorito Henry estava ajudando e incentivando seu irmão. Ela suportou tudo com paciência invencível, comentando, com um toque de humor patético, que era um consolo saber que seus filhos estavam unidos – embora fosse apenas na perseguição a si mesma. “Eu suportaria de bom grado tudo o que eles pudessem fazer contra mim se isso os mantivesse juntos – desde que eles pudessem fazer isso sem pecado”, ela teria dito. ele a chamou para prestar contas de tudo o que ela havia gasto e colocou espiões para observar seus movimentos e suas doações…

Para satisfazê-los, Matilda cedeu a herança aos filhos e retirou-se para a residência de campo onde havia nascido. Mas assim que ela se foi, o duque Henrique adoeceu e o desastre começou a cair sobre o estado. Em geral, achava-se que esses infortúnios se deviam ao tratamento dispensado à mãe, e a esposa de Otto, Edith, o convenceu a pedir perdão e restaurar tudo o que ele havia tirado dela. Matilda perdoou livremente os dois filhos e voltou à corte, onde retomou suas obras de misericórdia. Mas, embora Henrique tivesse parado de persegui-la, sua conduta continuou a causar-lhe grande tristeza. Ele novamente se revoltou contra Otto e depois puniu uma insurreição de seus próprios súditos bávaros com uma crueldade quase incrível; nem mesmo os bispos foram poupados. Em 955, quando Matilde o viu pela última vez, ela profetizou sua morte próxima e implorou que ele se arrependesse antes que fosse tarde demais. A notícia de que ele havia morrido, que chegou pouco depois, quase a prostrou e cortou um dos últimos laços que a prendiam à terra.

Ela começou a construir um convento em Nordhausen e fez outras fundações em Quedlinburg, em Engern e também em Poehlen, onde estabeleceu um mosteiro para homens. Que Otão não mais se ressentiu por ela gastar sua própria renda em obras religiosas é evidente pelo fato de que, quando foi a Roma para ser coroado imperador, deixou o reino sob seus cuidados.

A última vez que Matilda participou de uma reunião de família foi em Colônia, na Páscoa de 965. De lá veio também o imperador Otto, “o Grande”, e seus outros filhos e netos sobreviventes. Após essa aparição, ela praticamente se aposentou do mundo, passando seu tempo em uma ou outra de suas fundações, principalmente em Nordhausen. Assuntos urgentes a chamaram para Quedlinburg quando uma febre da qual ela sofria por algum tempo piorou gradualmente e ela percebeu que estava morrendo. Ela chamou Richburga, que como dama de companhia a ajudara em suas instituições de caridade e agora era abadessa de Nordhausen. Segundo a tradição, a rainha procedeu a uma escritura de doação de tudo o que havia em seu quarto, até que lhe disseram que não havia mais nada além do linho que deveria servir de lençol. “Dê isso ao bispo William de Mainz”, disse ela designando seu neto. “Ele vai precisar primeiro.” Ele realmente morreu, muito repentinamente, doze dias antes da morte de sua avó em 14 de março de 968. O corpo de Matilde foi enterrado ao lado do marido em Quedlinburg, e ela foi venerada localmente como uma santa desde o momento de sua morte.

O MGH contém o melhor texto das duas vidas antigas de Santa Matilde – a mais antiga em Scriptores, vol. x, pp. 575-382, o mais recente em Scriptores, vol. iv, pp. 283-302. Mais informações podem ser obtidas dos cronistas e cartas contemporâneas. Ver também a Acta Sanctorum, março, vol. ii; L. Claro, Die oi. Mathilde; L. Zöpf, Die Heiligenleben im 10 Jahrhundert; e LE Hallberg, Ste Mathilde.

Matilda era filha do Conde Dietrich da Vestfália e Reinhild da Dinamarca. Ela também era conhecida como Mechtildis e Maud. Ela foi criada por sua avó, a abadessa do convento de Eufurt. Matilda casou-se com Henrique, o Passarinheiro, filho do duque Otão da Saxônia, no ano de 909. Ele sucedeu seu pai como duque no ano de 912 e em 919 sucedeu o rei Conrado I ao trono alemão.
Ela era conhecida por sua piedade e obras de caridade. Ela ficou viúva no ano de 936 e apoiou a reivindicação de seu filho Henrique ao trono de seu pai. Quando seu filho Otto (o Grande) foi eleito, ela o convenceu a nomear Henrique Duque da Baviera depois que ele liderou uma revolta malsucedida. Ela foi severamente criticada por Otto e Henry pelo que eles consideravam suas obras de caridade extravagantes. Ela renunciou sua herança a seus filhos e se retirou para sua casa de campo, mas foi chamada à corte pela intercessão da esposa de Otto, Edith. Quando Henrique novamente se revoltou, Otão reprimiu a insurreição no ano de 941 com grande crueldade. Matilda censurou Henrique quando ele começou outra revolta contra Otão no ano de 953 e por sua crueldade em suprimir uma revolta de seus próprios súditos; naquela época ela profetizou sua morte iminente. Quando ele morreu em 955, ela se dedicou à construção de três conventos e um mosteiro, foi deixada no comando do reino quando Otão foi a Roma em 962 para ser coroado imperador (muitas vezes considerado como o início do Sacro Império Romano) e passou a maior parte dos anos de declínio de sua vida no convento de Nordhausen que ela havia construído. Ela morreu no mosteiro de Quedlinburg em 14 de março e foi enterrada lá com Henry.
Matilda da Saxônia
, Rainha, Viúva (RM) (também conhecida como Mathildis, Maud, Mechtildis) nasceu em Engern, Vestfália, Alemanha, c. 895; morreu em Quedlinburg, 14 de março de 968.
Santa Matilde é outra que nos mostra a possibilidade de viver no mundo e chegar ao estado de perfeição cristã. Não é fácil, especialmente no início, porque há tantas distrações deliciosas que excitam os sentidos e alimentam o ego. Mas quando a alma se familiariza com Deus e forma um relacionamento, ela tem fome e sede de mais do Seu amor. Assim, a oração fervorosa, a meditação sagrada e a leitura de livros piedosos são mais necessárias para os que vivem no mundo do que para os religiosos professos, por causa das contínuas distrações. Em meio à pompa, pressa e divertimentos de uma corte, Santa Matilda se entregou à santa contemplação com tal seriedade que, embora nunca tenha negligenciado nenhum dever, sua alma foi elevada ao céu.
Santa Matilde era filha do Conde Dietrico (Teodorico) da Vestfália e Reinhild da Dinamarca. Desde muito cedo, seus pais a colocaram sob os cuidados de sua avó, Maud, abadessa do mosteiro de Eufurt, que renunciou ao mundo por sua viuvez. Matilda apreciou a vida de oração e leitura espiritual. Como todas as jovens, ela aprendeu a habilidade refinada do bordado. Ela permaneceu no convento até que seus pais a casaram com Henrique, filho do duque Otão da Saxônia, em 909 (algumas vitae empurram todas as datas para casamento e coroação em vários anos).
Seu marido, chamado Fowler, por seu gosto pelo esporte popular de falcoaria, tornou-se duque da Saxônia com a morte de seu pai, em 912. Com a morte de Conrado I em 919, foi eleito rei da Alemanha. Ele era um príncipe piedoso e vitorioso, e muito terno com seus súditos. Sua solicitude em aliviar seus impostos os preparou para servir seu país em suas guerras às suas próprias custas, embora ele recompensasse generosamente seu zelo após suas expedições, que sempre foram acompanhadas com sucesso.

Enquanto ele por suas armas refreava a insolência dos húngaros e dinamarqueses, e ampliava seus domínios acrescentando-lhes a Baviera, Matilda conquistava vitórias domésticas sobre seus inimigos espirituais, mais dignas de um cristão e muito maiores aos olhos do céu. Ela nutriu as preciosas sementes de devoção e humildade em seu coração pela oração e meditação assíduas; e, não contente com o tempo que o dia oferecia para esses exercícios, empregava parte da noite da mesma maneira. Quanto mais próxima a visão que ela tinha das vaidades mundanas, mais claramente ela descobria seus vazios e perigos e suspirava ao ver homens perseguindo tais bolhas para a perda de suas almas; pois, sob um belo exterior, eles não contêm nada além de veneno e amargura.
Era seu prazer visitar e confortar os doentes e aflitos, servir e instruir os pobres e mostrar caridade aos prisioneiros, obtendo sua liberdade se a justiça o permitisse ou aliviando seu sofrimento com esmolas liberais. Seu marido, edificado por seu exemplo, concordava com ela em todos os empreendimentos piedosos.
Após vinte e sete anos de casamento, Matilda e Henrique foram separados por sua morte em 936. Durante sua última doença, Matilda foi à igreja para derramar sua alma em oração por ele ao pé do altar. Assim que ela entendeu, pelas lágrimas e gritos do povo, que ele havia expirado, ela chamou um sacerdote que estava jejuando, para oferecer o santo sacrifício por sua alma; e ao mesmo tempo cortou as jóias que ela usava e as deu ao padre como garantia de que ela renunciava a partir daquele momento à pompa do mundo.
Ela teve três filhos (uma fonte diz cinco); Otto, depois imperador; Henrique, duque da Baviera, conhecido como “o briguento”; e São Bruno, arcebispo de Colônia. Henry era o mais adequado para suceder seu pai, mas Otto, o mais velho, foi eleito. Otão foi coroado rei da Alemanha em 937. Matilde, na disputa entre seus dois filhos mais velhos pela coroa eleita, favoreceu seu filho do meio, Henrique, uma falta que ela expiou com severas aflições e penitências. Quando Otão (o Grande) foi eleito, ela o convenceu a nomear Henrique duque da Baviera depois que ele liderou uma revolta malsucedida.
Esses dois filhos conspiraram para despojá-la de seu dote, sob a acusação injusta de que ela havia desperdiçado as receitas do Estado com os pobres. Essa perseguição foi longa e cruel, especialmente porque veio das mãos de seus preciosos filhos. Ela se retirou para sua casa de campo, mas mais tarde foi chamada de volta à corte por insistência da esposa de Otto, Edith. Os príncipes errantes se reconciliaram com ela e lhe devolveram tudo o que haviam tomado. Ela então se tornou mais liberal em suas esmolas do que nunca.
Quando Henrique novamente se revoltou, Otão reprimiu a insurreição em 941 com grande crueldade. Matilda censurou Henrique quando ele começou outra revolta contra Otão em 953 e por sua crueldade em suprimir uma revolta de seus próprios súditos; naquela época ela profetizou sua morte iminente. No entanto, o testemunho de seu filho Henry é poderoso. Ele disse a ela: “Oh, minha querida, em todas as coisas você nos deu excelentes conselhos: quantas vezes você mudou a iniquidade em justiça.”

Após a morte de Henrique em 955, ela se dedicou à construção de muitas igrejas e quatro casas religiosas, incluindo Engern, Pöhlde em Brunswick (onde manteve 3.000 monges), Quedlinburg na Saxônia (onde enterrou seu marido) e Nordhausen, onde se aposentou em seus últimos anos. Quando ela terminou os edifícios, Quedlinburg tornou-se seu retiro habitual. Após suas vitórias sobre os boêmios e lombardos, Matilda governou o reino quando Otão foi a Roma em 962 para ser coroado imperador, que é frequentemente considerado o início do Sacro Império Romano.
Durante o último de seus 32 anos de viuvez, Matilda entrou em um dos conventos que havia fundado em Nordhausen. Ela se dedicou totalmente às suas devoções e às obras de misericórdia. Era seu maior prazer ensinar os pobres e ignorantes a rezar, como ela havia ensinado a seus servos. Em sua última doença, ela fez sua confissão a seu neto William, o arcebispo de Mentz, que morreu doze dias antes dela, a caminho de casa. Ela novamente fez uma confissão pública diante dos padres e monges do lugar, recebeu pela segunda vez os últimos sacramentos, e deitada em um pano de saco com cinzas na cabeça. Seu corpo permanece em Quedlinburg, onde ela está enterrada ao lado de seu marido. Os beneditinos a veneram como um de seus oblatos.
Para encontrar a bem-aventurança que Matilda encontrou, é necessário renunciar a prazeres vãos para abrir horas preciosas para exercícios devocionais. Talvez todos nós possamos acelerar nossa jornada em direção à santidade nesta Quaresma, abrindo mão de uma hora diária de televisão para gastar em oração ou estudo das Escrituras ou voluntariando-se para ajudar os menos afortunados. O tempo é um bem mais precioso; use-o com sabedoria (Attwater, Benedictines, Bentley, Delaney, Encyclopedia, Husenbeth)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch14.html#968_St._Matilda_piety_charitable_works

5*.   No ter­ri­tório de Fulda, na Ale­manha, Santa Pau­lina, religiosa. († 1107)

– Ver “… 107 Paulina de Zell fundou a abadia dupla de Zell, OSB. Viúva (AC)
Morreu em Münsterschwarzach, Alemanha. Após a morte de seu marido, a princesa alemã Paulina e seu filho, Werner, fundaram a dupla abadia de Zell, conhecida como Paulinzelle (Benedictines)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch14.html#1107_Paulina_of_Zell_founded_the_double

6*.   Em Liège, na Lo­ta­ríngia, ac­tu­al­mente na Bél­gica, a Beata Eva de Mont-Cornillon, re­clusa junto do mos­teiro de São Mar­tinho, que, jun­ta­mente com Santa Ju­liana, pri­o­resa do mesmo ce­nóbio, se em­pe­nhou muito para que o papa Ur­bano IV ins­ti­tuísse a so­le­ni­dade do Corpo de Cristo. († c. 1265)

7*.   Em Pa­lermo, na Si­cília, re­gião da Itália, o Beato Tiago Cus­mano, pres­bí­tero, que fundou o Ins­ti­tuto Mis­si­o­nário dos Servos e das Servas dos Po­bres e foi emi­nente pela sua ex­tra­or­di­nária ca­ri­dade para com os in­di­gentes e os enfermos. († 1888)

8♦.   Em Ná­poles, na Itália, a Beata María Jo­se­fina de Jesus Cru­ci­fi­cado (Jo­se­fina Cat­tanea), monja da Ordem das Car­me­litas Descalças. († 1948)

09. No século IV, São Leão, bispo. Segundo uma inscrição em seu túmulo, erigido por uma piedosa romana, ele declarava “ter obtido a graça de guardar fielmente o rebanho de Cristo” (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M).

10. No fim do séc. V, os Santos Pedro e Afrodísio (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártires africanos que atestaram por sua morte a divindade de Cristo, diante dos vândalos (Conforme Martirológio Romano-Monástico – M).

11. No mesmo dia (14 de março), foram contados entre os Bem-Aventurados Odo, abade de Battle, na Inglaterra, no séc. XII; e Vicente, cisterciense polonês, eleito bispo de Cracóvia, no séc. XIII (Conforme Martirológio Romano-Monástico – X).

12. Santo Eutíquio (também na Folhinha do Coração de Jesus). Em Carras, na Mesopotâmia, Santo Eutíquio, patrício, e seus companheiros, massacrados por causa da fé, por Evelido, rei dos árabes. Ver também pág. 27: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

– Ver também “… 741 ST EUTYCHIUS, OU EUSTATHIUS, MÁRTIR

DURANTE o reinado do imperador Leão, o Isaurian, quando o império estava sendo atacado e seriamente ameaçado pelas forças invasoras do Islã, a perseguição veio quase igualmente de ambos os lados. Por um lado, o imperador era um oponente tão determinado do culto das imagens sagradas que os fiéis ortodoxos eram continuamente submetidos à prisão e ao exílio, enquanto, por outro lado, o ódio fanático dos árabes era dirigido contra todos os cristãos, e suas vitórias sobre os romanos tendiam a ser celebradas por um novo holocausto de vítimas. Eutíquio ou Eustathius, filho de um patrício, foi feito prisioneiro com muitos outros pelos árabes. Ele foi levado e mantido por muitos meses em cativeiro, até que o califa, quando outra expedição sua contra os cristãos sofreu reveses, ficando enfurecido, vingou-se dos prisioneiros. Por se recusar a abjurar a fé cristã, Eutíquio foi morto em Carras, na Mesopotâmia, com vários companheiros – talvez na fogueira – depois de suportar torturas horríveis. Diz-se que suas relíquias fizeram muitos milagres.

Veja o Anti Sanctorum, março, vol. ii, onde o breve relato é baseado inteiramente na Cronografia de Teófanes…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch14.html#741_Eutychius_Eustathius_and

13. Bem-Aventurado Pedro de Monticello, confessor. Ver “Vejamos o que nos contam, com aquela sua linguagem peculiaríssima, os Fioretti “canções de gesta dos cavaleiros tabulae rotundae”.” às páginas 21-26: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

14. SANTO ANTÔNIO DE CATEGERÓ. MEMÓRIA EM 14 DE MARÇO. Ver “… Entrou na glória no dia 14 de março de 1550 em Noto na Sicilia. Antônio de Categeró ensina-nos a praticar a caridade e a viver com humildade.”: https://marcioreiser.blogspot.com/2011/03/santo-antonio-de-categero-ofs.html
A. Mesmo não reconhecido como santo pelo Vaticano, São Antônio de Categeró ainda é mantido no altar pela fé popular. Confira sua história contada por Oswaldo Faustino. Ver: https://revistaraca.com.br/o-santo-negro-antonio-de-categero/
– Ver também “Por ocasião de um aprisionamento que o fez escravo, foi levado à Sicília, para trabalhar em galeras. Vendido como trabalhador escravo a João Landavula (camponês dos arredores de Noto), transformou-se em pastor. Detentor de alma sincera, grande retidão de caráter e agudeza de espírito, aproximou-se da fé em Cristo. Muito disciplinado, sabia controlar seu corpo a ponto de vencer as fraquezas. O que se pode perceber da descrição do caráter do bem-aventurado Santo Antônio de Categeró é que o seu ascetismo foi responsável pela superação das condições sociais adversas. Quando conquistou liberdade, dedicou-se totalmente ao trabalho em hospitais (cuidar dos doentes) e à vida religiosa (homem de orações) o que o levou a ingressar para a Ordem Terceira de São Francisco e, por fim, optou por uma vida contemplativa como grande eremita no deserto. Sua morte deu-se no dia 14 de março de 1549.”:
https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Antônio_de_Categeró
– VER DIA O8 DE JANEIRO: “15. SANTO ANTÔNIO DE CATEGERÓ (também na Folhinha do Coração de Jesus):

B. Foi um escravo que se tornou santo. Nasceu na Cirenáica, uma região do norte da África, no fim do século XV. Na terra natal praticou a religião chamada Islamismo, que foi fundada por Maomé. Depois, capturado como escravo, foi levado para a ilha da Sicília, sul da Itália. Aí foi vendido para um senhor cristão. Naquele tempo o escravo era comprado por um valor equivalente ao valor de dois cavalos. Muito bom e humilde, Antônio era chamado de Tio António. Foi instruído pelos patrões sobre a vida e a missão de Jesus Cristo. Desse conhecimento de Jesus passou a amar o nosso Salvador e pediu para ser batizado. Tornou-se cristão. Não foi, porém, um cristão comum, muito menos, um cristão relaxado. Praticava a lei de Deus com todo o fervor. Amava a Deus, procurando estar sempre com Ele por meio da oração. Procurava conhecer também a palavra de Deus na Bíblia. Orava muito, até durante a noite. Sempre se confessava e recebia Jesus na comunhão. Como a vontade de Deus é amemos também nossos irmãos, ele amava realmente o próximo.
Primeiramente, era muito trabalhador, cumprindo sempre as ordens de seu patrão, que o encarregou de cuidar das ovelhas. Depois, tinha amor pelos pobres. Pedia ao povo da cidade onde morava, a cidade de Noto, esmolas, e distribuía pelos pobres, alimento e roupas. Ajudava aos pobres também distribuindo leite e queijo das ovelhas. Uma vez o patrão o proibiu de dar leite e queijo para os pobres. António obedeceu. Então a produção diminuiu bastante. O patrão viu que ia tomar prejuízo. Mandou então que António continuasse a atender os pobres. E as ovelhas continuaram a produzir como antes, para alegria do patrão. Deus deu a António o dom de fazer milagres, de modo especial de curar pessoas.Muitos o procuravam para alcançar a saúde. Antônio humilde, dizia que ele não passava de um simples escravo do Senhor Jesus, só Deus tem poder de curar. Impunha as mãos aos enfermos, rezava e Deus curava. Depois de sua morte continuou a fazer muitos milagres. Até hoje temos testemunhas de muitas pessoas que alcançaram grandes graças por intercessão de Santo António de Categeró. Conforme:

http://arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/santo-antonio-de-categero

C. Questionamento sobre Santo Antônio de Categeró:  

Em sínteseSanto Antônio de Categeró não consta do catálogo dos Santos da Igreja Católica; terá sido um franciscano africano do século XVI. Parece não ter existido. — É estranho que uma denominação cristã oriental (siriana), separada da Igreja Católica, e a Igreja Brasileira façam a propaganda da devoção a esse Santo (que não era oriental nem brasileiro), atraindo fiéis católicos com promessa de milagres, com orações e novenas. Que interesses estão subjacentes a este tipo de propaganda piedosa? 

Têm-se espalhado folhetos que divulgam a devoção a “Santo Antônio de Categeró”, cujo santuário seria a igreja paroquial de Nossa Senhora da Anunciação, da Igreja Católica Ortodoxa Siriana, no Rio de Janeiro. A população católica se vê perplexa diante desses panfletos, pois tal Santo é tido como grande taumaturgo, mas é desconhecido na Tradição da Igreja. Vejamos o que a respeito dizem os impressos de propaganda e o que se pode pensar a respeito. Conforme:

http://www.pr.gonet.biz/kb_read.php?num=751&head=1

D. BEATO ANTONIO ETÍOPE OU SANTO ANTÔNIO DE CATEGERÓ. Conforme:

http://categero.org.br/1-manifestacoes-da-fe/a-vida-de-categero-textos/resumo-da-vida-de-categero/

Na atormentada história da Europa da primeira metade do século XVI, encontramos a vida de Antônio, o Etíope. Nascido em Barco de Cirene (Líbia) de família maometana, religião que ele professou até que, por um acidente providencial, foi capturado e deportado para a Sicília, em Siracusa. Foi comprado como escravo por um agricultor de Avola, um certo John Landanula (ou Landolina) que lhe confiou seu rebanho. John percebeu que aquele seu servo era bastante inteligente, de coração sincero, de índole nobre, honesta, e respeitosa…

E. A HISTÓRIA DE CATEGERÓ EM 5 FASES:

O país (Brasil) passa a ser o pólo irradiador da devoção do beato Antônio de Categeró, no Brasil, António de Noto, em Portugal; e Antònio Etíope, na Itália. Conforme:

http://categero.org.br/2014/01/categero-a-historia-em-5-fases/

Ainda: http://categero.org.br/

16. GRANDE HOMEM (SANTO??) ALBERT EINSTEIN.

– Ver “… nasceu em 14 de março de 1879; com Deus em 18 de abril de 1955…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Albert_Einstein

– Ver também “… Einstein nascido em 14 de março de 1879
Bill Federer http://www.AmericanMinute.com/ 
Einstein “Meu relacionamento com o povo judeu tornou-se meu vínculo humano mais forte.”
Quando perguntado “Você aceita a existência histórica de Jesus?”, Einstein respondeu:
Inquestionavelmente! Ninguém pode ler os Evangelhos sem sentir a presença real de Jesus.  Sua personalidade pulsa em cada palavra. Nenhum mito é preenchido com tal vida.”

Albert Einstein nasceu na Alemanha em 14 de março de 1879. Começou a aprender cálculo sozinho aos 14 anos.
Com doutorado pela Universidade de Zurique, Einstein escreveu artigos sobre energia eletromagnética, relatividade e mecânica estatística.
Einstein previu que um raio de luz de uma estrela distante pareceria se curvar ao passar perto do Sol.
Quando um eclipse confirmou isso, o London Times publicou a manchete, em 7 de novembro de 1919, “Revolução na ciência – Nova teoria do Universo – Ideias newtonianas derrubadas”.
Em 1921, Albert Einstein ganhou o Prêmio Nobel de Física.
Descrevendo a teoria da relatividade, Albert Einstein disse:
“Quando um homem se senta com uma garota bonita por uma hora, parece um minuto. Mas deixe-o sentar em um fogão quente por um minuto – e é mais do que qualquer hora. Isso é relatividade.”
A primeira visita de Einstein aos Estados Unidos foi para arrecadar fundos para a Universidade Hebraica de Jerusalém.
Em sua terceira visita, 1932, ele assumiu um cargo na Universidade de Princeton.
Quando o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores assumiu o controle da Alemanha, proibiu os judeus de ocupar cargos oficiais ou ensinar nas universidades. O ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels proclamou que “o intelectualismo judeu está morto” e queimou livros de autores judeus, incluindo as obras de Einstein.
O poeta judeu Heinrich Heine escreveu profeticamente em 1822:

Onde eles queimam livros, eles vão, no final, queimar seres humanos também.” Um exemplo atual disso foi relatado no artigo do Breitbart News “ISIS queima livros nas bibliotecas de Mosul” (5 de fevereiro de 2015):
“O Estado Islâmico … invadiu a Biblioteca Central de Mosul para destruir todos os livros não islâmicos. ‘Estes os livros promovem a infidelidade e apelam à desobediência a Alá”, anunciou um militante aos moradores. “Assim serão queimados.” Militantes atacaram a biblioteca da Universidade de Mossul. Eles queimaram livros didáticos de ciência e cultura na frente dos alunos.”
Comentando sobre a redistribuição da riqueza, Albert Einstein afirmou:

“Estou absolutamente convencido de que nenhuma riqueza do mundo pode ajudar a humanidade a avançar, mesmo nas mãos do mais dedicado trabalhador desta causa. O exemplo de indivíduos grandes e puros é a única coisa que pode nos levar a pensamentos e ações nobres… Alguém pode imaginar Moisés, Jesus ou Gandhi armados com os sacos de dinheiro de Carnegie?”
Einstein permaneceu nos Estados Unidos, tornando-se cidadão em 1940.
A teoria da relatividade de Einstein, E=MC2, é a base para a aplicação da energia atômica. Seu aviso de que os nazistas poderiam criar a bomba atômica levou o presidente Franklin D. Roosevelt a criar o Projeto Manhattan.
“Meu relacionamento com o povo judeu se tornou meu vínculo humano mais forte.”
O 99º elemento da tabela periódica, descoberto logo após sua morte em 1955, foi chamado de “einstênio”.
Albert Einstein foi citado no The New York Times, em 9 de novembro de 1930, dizendo: 
Eu afirmo que a experiência religiosa cósmica é a força motriz mais forte e nobre por trás da pesquisa científica.”

Albert Einstein afirmou: “Deus Todo-Poderoso não joga dados.” E “Diante de Deus somos todos igualmente sábios – igualmente tolos“. Conforme registrado por Helen Dukas em Albert Einstein, The Human Side (Princeton University Press, 1981, p. 66), Einstein afirmou: “Minha religiosidade consiste em uma humilde admiração pelo espírito infinitamente superior que se revela no pouco que nós, com nossa compreensão fraca e transitória, podemos compreender a realidade. A moralidade é da mais alta importância – mas para nós, não para Deus.”
Einstein afirmou em uma entrevista publicada no livro de GS Viereck Glimpses of the Great, 1930:

Eu absolutamente não sou ateu… O problema envolvido é muito grande para nossas mentes limitadas. Estamos na posição de uma criança entrando em uma enorme biblioteca cheia de livros em muitas línguas. A criança sabe que alguém deve ter escrito aqueles livros. Não sabe como. Não entende as línguas em que são escritos. A criança suspeita vagamente de uma ordem misteriosa na disposição dos livros, mas não sabe o que é. Isso, parece-me, é a atitude até mesmo do ser humano mais inteligente em relação a Deus. Vemos o universo maravilhosamente organizado e obedecendo a certas leis, mas apenas entendemos vagamente essas leis.”
Walter Isaacson citou Einstein no artigo “Einstein and Faith”, Time 169, 5 de abril de 2007, 47):

Os ateus fanáticos… são como escravos que ainda estão sentindo o peso de suas correntes que jogaram fora após dura luta. São criaturas que – em seu rancor contra o tradicional ‘ópio do povo’ – não podem suportar a ‘música das esferas’.”
A referência de Einstein à “música das esferas” é um conceito religioso usado durante o período medieval-renascentista para descrever uma ressonância orbital dos planetas. Johannes Kepler, que descobriu as leis do movimento planetário, escreveu em The Harmonies of the World, 1619:
“Santo Pai, guarda-nos na concórdia do nosso amor uns pelos outros, para que sejamos um, assim como Tu és com Teu Filho, Nosso Senhor, e com o Espírito Santo, e como pelos mais doces laços de harmonias Tu tens fez todas as Tuas obras uma, e que a partir da concórdia de Teu povo, o corpo de Tua Igreja pode ser edificado na Terra, como Tu ergueste os próprios céus de harmonias”.
O professor de Yale, Benjamin Silliman, que fundou o American Journal of Science and Arts em 1818, declarou:

A relação da geologia, assim como da astronomia, com a Bíblia, quando ambas são bem compreendidas, é a de perfeita harmonia… harmonia apareça.”
 De acordo com o príncipe Hubertus (Ronald W. Clark, Einstein: The Life and Times, Nova York: World Publishing Company, 1971, p. 425), Einstein disse:
Em vista de tal harmonia no cosmos que eu, com minha limitada capacidade humana, mente, sou capaz de reconhecer, ainda existem pessoas que dizem que Deus não existe. Mas o que realmente me deixa com raiva é que eles me citam para apoiar tais pontos de vista.”
Einstein escreveu a M. Berkowitz, 1950, (William Hermanns, Einstein and the Poet. In Search of the Cosmic Man, Brookline Village MA: Branden Books, 1983, p. 60):
Deus’ é um mistério: Mas um mistério. Não tenho nada além de admiração quando observo as leis da natureza. Não há leis sem um legislador, mas como é esse legislador? Certamente não como um homem engrandecido.”
Embora não acreditando em um Deus pessoal, The Saturday Evening Post, 26 de outubro de 1929, publicou a entrevista de George Sylvester Viereck com Albert Einstein. Quando perguntado “Até que ponto você é influenciado pelo cristianismo”, Einstein respondeu:
“Quando criança, recebi instrução tanto na Bíblia quanto no Talmude. Sou judeu, mas sou fascinado pela figura luminosa do Nazareno.”
Quando perguntado: “Você já leu o livro de Emil Ludwig sobre Jesus”, Einstein respondeu:
“O Jesus de Emil Ludwig é superficial. Jesus é colossal demais para a caneta de fraseadores, por mais astuto que seja.
Nenhum homem pode descartar o cristianismo com um bon mot! (observação espirituosa).”
Quando perguntado “Você aceita a existência histórica de Jesus”, Einstein respondeu:
“Inquestionavelmente! Ninguém pode ler os Evangelhos sem sentir a presença real de Jesus. Sua personalidade pulsa em cada palavra. Nenhum mito é preenchido com tal vida.”

O Fine Hall da Universidade de Princeton inscreveu as palavras de Albert Einstein acima da lareira: “Raffiniert ist der Herr Gott, aber Boshaft ist er nicht”. (Deus é inteligente, mas não desonesto) …”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch14.html#Einstein_born_MARCH_14_1879

17. Outras santas e Santos do dia 14 de março: págs. 09-28 (vol.5): VIDAS DOS SANTOS – 5.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

 * “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 14 de março, ver também: 14 de março – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Todas da internet, foram consultadas no dia de hoje)

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 260: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch14.html

(este site mostra os santos do dia, em inglês. Tradução Google)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEM DADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, SANTAS/OS E ANJOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

* PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS, AMADO PAI, CORAGEM DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES SEDUTORAS, DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS A DOCILIDADE DAS OVELHAS! SOBRETUDO, DÊ-NOS A GRAÇA! PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA, ESCREVA-NOS:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

  * “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar (Santo Agatão, lembrado em 21 de outubro)

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu só lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível”.

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…” Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* “… A PAIXÃO VIVE; APENAS ESTÁ REPRIMIDA… ESTÁ APENAS PRESA… AS PAIXÕES VIVEM, APENAS SÃO REPRIMIDAS PELOS SANTOS (COM A GRAÇA DE DEUS!) …”.  SANTAS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS PARA QUE POSSAMOS REPRIMIR AS PAIXÕES. PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA DE REPRIMIR AS PAIXÕES. Santo Abraão, rogue por nós! Amém!” (SANTO ABRAÃO, ERMITÃO, 27 DE OUTUBRO), conforme páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

* “… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne … Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”:

* Dia 17 de janeiro: Santo Antão (ou Antônio). Oração: “Santo Antônio, você falou da importância de perseverar em nossa fé e nossa prática. Ajude-nos a acordar a cada dia com um novo zelo pela vida cristã e um desejo de enfrentar o próximo desafio em vez de apenas ficar parado. Amém!”

* 19 de janeiro, São Macário. “… A oração não requer muitas palavras. sobre você, você só precisa dizer: “SENHOR, TEM MISERICÓRDIA!” O Senhor sabe o que é útil para nós e nos concede misericórdia.”… Se você deseja ser salvo, seja como um morto. Não fique com raiva quando insultado, nem orgulhoso quando elogiado.” E ainda: “Se a calúnia é como o louvor para você, a pobreza como a riqueza, a insuficiência como a abundância, então você não perecerá.“…

* Sobre SANTO ANDRÉ CORSINI (04 de fevereiro): “Ele trabalhou arduamente para subjugar suas paixões por meio de humilhações extremas, obediência até mesmo à última pessoa na casa, pelo silêncio e oração”.

* PAI, ABRACE-NOS!

JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS ENCHA E NOS UNA NO AMOR!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

SÃO JOSÉ, SANTAS, SANTOS E ANJOS, ROGUEM POR NÓS!

POR CRISTO, NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

* Após Deus, o Pai amado, chamar minha amada esposa e companheira por 38 anos, 9 meses e oito dias, em 24.09.2017, descobri:

1. Posso comunicar com a minha Frô, pela ORAÇÃO;

2. Posso VER, ESCUTAR, SENTIR a FRÔ (transformada, sem dores, linda, maravilhosa) em meu ser;

3. Ela está vivendo nos braços de Deus (bondosos, vigorosos);

4. Um dia vamos estar juntos;

5. Quando Deus me chamar, quero levar coisas boas para o banquete celeste (amor a Deus e ao próximo).

Dê-nos essa Graça, Pai amado! Dê-nos A GRAÇA! AMÉM! Obrigado, Senhor, por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

================

“Senhor, eu tenho fé. Ajude-me a ter mais fé ainda!” (Mc 9,24)

* Ver o blog: https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.