Santas e Santos de 05 de abril

1. São Vi­cente Ferrer (também na Folhinha do Coração de Jesus), pre­sbí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, na­tural da Es­panha, que per­correu in­ces­san­te­mente as ci­dades e ca­mi­nhos do Oci­dente, sempre so­lí­cito pela paz e uni­dade da Igreja, pre­gando a muitos povos o Evan­gelho da pe­ni­tência e da vinda do Se­nhor, até que, em Vannes, na Bre­tanha, re­gião da França, en­tregou o es­pí­rito a Deus. († 1419).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Vannes, o nascimento no céu de São Vicente Ferrer, dominicano espanhol que percorreu a Itália do norte, o sul da França e a Bretanha, recomendando os homens a fazerem penitência para se prepararem para o julgamento de Deus. Trabalhou também para restabelecer a unidade da Igreja na cristandade dividida pelo Grande Cisma. (R).

Ver também págs. 113-121: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Vicente Ferrer (Valência23 de janeiro de 1350 — VannesBretanha5 de abril de 1419) foi um religioso ibérico.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Vicente_Ferrer

– Ver também “… 1419 SÃO VICENTE FERRER.

Descendente de um inglês ou de um escocês radicado na Espanha, São Vicente Ferrer nasceu em Valência, provavelmente no ano de 1350. Inspirados por profecias sobre sua futura grandeza, seus pais incutiram nele uma intensa devoção a Nosso Senhor e Sua bendita Mãe e um grande amor pelos pobres. Além disso, fizeram dele o dispensador de suas generosas esmolas, e deles também aprendeu o rigoroso jejum de quarta e sábado, que continuou a praticar por toda a vida. Do lado intelectual, ele era quase igualmente precoce. Entrou no convento dominicano de Valência, onde recebeu o hábito em 1367, e antes dos vinte e um anos foi nomeado leitor de filosofia em Lérida, a universidade mais famosa da Catalunha. Enquanto ainda ocupava essa cadeira publicou dois tratados, ambos considerados de grande mérito. 

Em Barcelona, ​​para onde foi posteriormente transferido, foi designado para pregar, embora ainda fosse apenas um diácono. A cidade sofria de fome: o milho que havia sido despachado por mar não havia chegado e as pessoas estavam quase desesperadas. São Vicente, durante um sermão ao ar livre, predisse que os navios chegariam naquele dia antes do anoitecer. Seu prior o censurou severamente por fazer previsões, mas os navios apareceram devidamente – para alegria das pessoas que correram para o priorado para aclamar o profeta. Seus superiores, no entanto, julgaram prudente transferi-lo para Toulouse, onde permaneceu por um ano. Ele foi então chamado de volta ao seu próprio país, e suas palestras e sermões tiveram um sucesso extraordinárioNo entanto, foi para ele um momento de provaçãoEle não só foi assaltado pelas tentações dos poderes ocultos das trevas, mas também foi exposto às seduções de certas mulheres que se apegaram a ele – sua beleza era excepcional – e se esforçaram primeiro para seduzi-lo e depois para manchar seu nome. Destas provações o santo emergiu preparado para a vida extenuante que estava diante dele, bem como para o ofício sacerdotal que lhe foi conferido. Ele logo se tornou famoso como um pregador, cuja eloquência suscitou à penitência e ao fervor multidões de católicos descuidados, além de converter à fé cristã vários judeus, notadamente o rabino Paulo de Burgos, que morreu bispo de Cartagena em 1435…

Esse terrível escândalo começou em 1378 quando, com a morte de Gregório XI, dezesseis dos vinte e três cardeais elegeram às pressas Urbano VI em deferência ao clamor popular por um papa italiano. Sob o argumento de terem sido aterrorizados, eles então, com os outros cardeais, realizaram um conclave no qual elegeram o cardeal Robert de Genebra, um francês. Ele tomou o nome de Clemente VII e governou em Avignon, enquanto Urbano reinou em Roma. São Vicente Ferrer, que estava entre os que reconheceram Clemente, naturalmente após sua morte aceitou como papa seu sucessor, Pedro de Luna ou Bento XIII como era chamado, que convocou o dominicano para seu lado.

 [* Por causa de sua posição anômala este Clemente VII e Bento XIII não são referidos como antipapas, mas como “chamados papas em sua obediência”.]
São Vicente chegou devidamente a Avignon, onde teve grande favor demonstrado, incluindo a oferta de um bispado, que recusou; mas ele achou sua posição muito difícil. Ele logo percebeu que Bento, por sua obstinação, estava atrapalhando todos os esforços que estavam sendo feitos para a unidade. Em vão Vicente o incitou a chegar a algum tipo de entendimento com seu rival em Roma. Mesmo quando um conselho de teólogos em Paris se declarou contra sua afirmação, o pontífice de Avignon não se mexeu nem um centímetro. A pressão sobre o santo como seu confessor e conselheiro foi tão grande que ele adoeceu. Após sua recuperação, obteve com grande dificuldade permissão para deixar a corte e se dedicar ao trabalho missionário. Seu objetivo não era principalmente escapar das intrigas e preocupações da corte papal, mas obedecer a um chamado direto.
Ele partiu de Avignon em 1399 e pregou para enormes congregações em Carpentras, Arles, Aix, Marselha. Além dos habitantes dos bairros que visitava, seu público era composto por vários homens, mulheres e até crianças que o seguiam de um lugar para outro. Essas pessoas, inicialmente uma multidão heterogênea, foram sendo aos poucos extirpadas, organizadas e regidas até que, como “Arrependidos do Mestre Vicente”, tornaram-se valiosas ajudantes, ficando quando necessário nos lugares onde a missão havia sido realizada para consolidar o bom trabalho iniciado. É digno de nota que, em uma idade negligente, nenhum sopro de suspeita parece ter ligado a nenhum membro daquela sociedade mista. Vários padres viajaram com o grupo, formando um coro e ouvindo confissões.
Entre 1401 e 1403 o santo pregou no Dauphiné, em Savoy e nos vales alpinos: depois passou para Lucerna, Lausanne, Tarentaise, Grenoble e Turim. Por toda parte, multidões se aglomeravam para ouvi-lo; em todos os lugares, inúmeras conversões e milagres notáveis ​​foram relatados. Vicente pregou principalmente sobre pecado, morte, inferno, eternidade e especialmente a rápida aproximação do dia do julgamento; ele falou com tanta energia que alguns de seus ouvintes desmaiaram de medo, enquanto os soluços de sua congregação muitas vezes o obrigavam a parar, mas seu ensino penetrou além das emoções e deu frutos em muitos casos de conversão genuína e emenda de vida. Na Grande Chartreuse, que visitou várias vezes, sendo seu irmão Bonifácio prior, os Anais Cartuxos registram que “Deus fez maravilhas por meio desses dois irmãos. Aqueles que se converteram pela pregação de um receberam o hábito religioso das mãos do outro”.
Em 1405 São Vicente estava em Gênova, de onde chegou a um porto de onde poderia navegar para Flandres. Entre outras reformas, ele induziu as damas da Ligúria a modificarem seu fantástico toucado – “o maior de todos os seus feitos maravilhosos”, como afirma um de seus biógrafos. 

Na Holanda ele fez tantos milagres que uma hora era reservada todos os dias para a cura dos enfermos. Supõe-se também que ele tenha visitado a Inglaterra, Escócia e Irlanda, mas disso não há sombra de prova. Embora saibamos pelo próprio santo que, além de sua língua nativa, ele aprendeu apenas um pouco de latim e um pouco de hebraico, ainda assim ele parece possuir o dom de línguas, pois temos a autoridade de escritores confiáveis ​​que todos os seus ouvintes, Franceses, Alemães, Italianos e demais, entendiam cada palavra que ele falava, e que sua voz carregava tão bem que podia ser claramente ouvida a enormes distâncias. 

É impossível aqui segui-lo em todas as suas andanças. Na verdade, ele não seguia nenhuma ordem definida, mas visitava e revisitava lugares conforme o espírito o movia ou quando solicitado. Em 1407 ele retornou à Espanha.
Granada estava então sob o domínio mouro, mas Vicente pregou lá, com o resultado de que 8.000 mouros teriam pedido para ser batizados. Em Sevilha e Córdoba as missões tiveram que ser realizadas ao ar livre, porque nenhuma igreja podia acomodar as congregações. Em Valência, que revisitou depois de quinze anos, pregou, fez muitos milagres e curou as dissensões que dilaceravam a cidade.
De acordo com uma carta dos magistrados de Orihuela, os efeitos de seus sermões foram maravilhosos: o jogo, a blasfêmia e o vício foram banidos, enquanto os inimigos estavam sendo reconciliados por todos os lados. 

Em Salamanca ele converteu muitos judeus, e foi aqui que, no decorrer de um sermão apaixonado ao ar livre sobre seu tema favorito, São Vicente se declarou o anjo do Juízo anunciado por São João (Apoc. xiv 6). Quando alguns de seus ouvintes começaram a protestar, ele convocou os carregadores que carregavam uma mulher morta para seu enterro e conjurou o cadáver a testemunhar a verdade de suas palavras. O corpo foi visto reviver por um momento para dar a confirmação necessária e depois fechar os olhos mais uma vez na morte. É quase desnecessário acrescentar que o santo não reivindicou a natureza de um ser celestial.
É claro que São Vicente nunca deixou de se preocupar profundamente com a desunião dentro da Igreja, especialmente porque depois de 1409 houve nada menos que três pretendentes ao papado, para o grande escândalo da cristandade. Por fim, o Concílio de Constança reuniu-se em 1414 para tratar do assunto e procedeu à deposição de um deles, João XXIII, e a exigir a renúncia dos outros dois com vistas a uma nova eleição

Gregório XII expressou sua vontade, mas Bento XIII ainda resistiu. São Vicente foi a Perpignan para suplicar-lhe que abdicasse, mas em vão. Então, sendo solicitado pelo rei Fernando de Castela e Aragão para dar seu próprio julgamento sobre o assunto, o santo declarou que porque Bento estava impedindo a união que era vital para a Igreja, os fiéis estavam justificados em retirar sua fidelidade. Fernando agiu de acordo e, por fim, Bento, Pedro de Luna, viu-se deposto. “Mas para você”, escreveu Gerson a São Vicente, “esta união nunca poderia ter sido alcançada”.

Os últimos três anos da vida do santo foram passados ​​na França. A Bretanha e a Normandia foram palco dos últimos trabalhos deste “legado do lado de Cristo”. Ele estava tão cansado e fraco que mal conseguia andar sem ajuda, mas no púlpito falava com tanto vigor e eloquência como se estivesse no auge da vida. Quando, no início de 1419, ele retornou a Vannes depois de um curso de sermões em Nantes, ficou claro que ele estava morrendo, e na quarta-feira da Semana da Paixão de 1419 ele faleceu, estando então em seu septuagésimo ano. Sua morte foi saudada por uma explosão de veneração popular, e em 1455 São Vicente Ferrer foi canonizado.
Em meio a todas as honras e aplausos que lhe foram prodigalizados, São Vicente foi notável por sua humildade. Parecia-lhe que toda a sua vida tinha sido má. “Sou uma mancha de peste na alma e no corpo; tudo em mim cheira a corrupção pela abominação de meus pecados e injustiças”, lamenta em seu tratado sobre a vida espiritual. É sempre assim com os grandes santosQuanto mais perto eles estão de Deus, mais vis parecem aos seus próprios olhos.

De acordo com o Dr. H. Finke, um dos mais competentes historiadores deste período, nenhuma vida satisfatória de São Vicente Ferrer foi ainda escrita. Sua história até agora está coberta de lendas; Pedro Razzano, que compilou a primeira biografia trinta e seis anos após a morte do santo, deu um péssimo exemplo de credulidade, que foi seguido por muitos dos que vieram depois dele. Uma coletânea dos depoimentos feitos em 1453 e 1454 para o processo de canonização foi impressa pelo padre H. Fages (1904) e outros documentos (1905), bem como suas obras (1909), mas a vida francesa pelo mesmo frade (1901) de modo algum corresponde às exigências da crítica moderna. Outros materiais foram estudados por R. Chabas na Revista de Archivos…, 1902-1903. Uma curta vida inglesa, baseada na de Fages, foi publicada pelo Pe. S. Hogan (1911). Relatos mais recentes são os de R. Johannet (1930), da série “Les Saints” de MM Gorce (1924 e 1925) e S. Brettle (1924) – sobre os quais ver Analecta Bollandiana, xliv (1926), pp. 216—218—e há uma nota valiosa de H. Finke no Gustav Schnürer Festschrift (1930) sobre os sermões de São Vicente em 1413. São Vicente também figura em grande parte na Histoire des Maîtres Généraux OP de Mortier, vol. 4. Um estudo característico de H. Ghéon foi traduzido para o inglês.

Esta foi a época do “grande cisma”, quando papas rivais reinavam em Roma e Avignon e quando até os grandes santos estavam divididos em sua fidelidade.
A polarização na Igreja hoje é uma brisa suave comparada com o tornado que destruiu a Igreja durante a vida deste santo. Se algum santo é patrono da reconciliação, Vicente Ferrer o é.
Apesar da oposição dos pais, ele entrou para a Ordem Dominicana em sua Espanha natal aos 19 anos. Após estudos brilhantes, foi ordenado sacerdote pelo cardeal Peter de Luna – que figuraria tragicamente em sua vida.

De natureza muito ardente, Vicente praticou com grande energia as austeridades de sua Ordem. Ele foi escolhido prior da casa dominicana em Valência logo após sua ordenação.
O Cisma Ocidental dividiu o Cristianismo primeiro entre dois, depois três papas. Clemente VII viveu em Avignon na França, Urbano VI em Roma. Vicente estava convencido de que a eleição de Urbano era inválida (embora Catarina de Sena fosse tão devota defensora do papa romano). A serviço do Cardeal de Luna, trabalhou para persuadir os espanhóis a seguirem Clemente.

Quando Clemente morreu, o cardeal de Luna foi eleito em Avignon e tornou-se Bento XIII.
Vicente
trabalhou para ele como penitenciária apostólica e Mestre do Paço Sagrado. Mas o novo papa não renunciou como todos os candidatos do conclave juraram fazer. Ele permaneceu teimoso apesar de ter sido abandonado pelo rei francês e quase todos os cardeais.
Vicente ficou desiludido e muito doente, mas finalmente assumiu o trabalho de simplesmente “percorrer o mundo pregando a Cristo”, embora sentisse que qualquer renovação na Igreja dependia da cura do cisma. Pregador eloquente e ardente, ele passou os últimos 20 anos de sua vida divulgando as Boas Novas na Espanha, França, Suíça, Países Baixos e Lombardia, enfatizando a necessidade de arrependimento e o medo do julgamento vindouro. (Ele ficou conhecido como o “Anjo do Julgamento”).
Ele tentou, sem sucesso, em 1408 e 1415, persuadir seu ex-amigo a renunciar. Ele finalmente concluiu que Bento não era o verdadeiro papa. Embora muito doente, subiu ao púlpito diante de uma assembleia presidida pelo próprio Bento XIII e trovejou sua denúncia contra o homem que o havia ordenado sacerdote. Bento fugiu para salvar sua vida, abandonado por aqueles que anteriormente o apoiaram.

Estranhamente, Vicente não participou do Concílio de Constança, que pôs fim ao cisma.

Comentário: A divisão na Igreja na época de Vincent Ferrer deveria ter sido fatal — 36 longos anos tendo duas “cabeças”. Não podemos imaginar em que condição estaria a Igreja hoje se, por tanto tempo, metade do mundo tivesse seguido uma sucessão de papas em Roma e metade, um número igualmente “oficial” de papas, digamos, no Rio de Janeiro. É um milagre contínuo que a Igreja não tenha naufragado há muito tempo nas rochas do orgulho e da ignorância, da ganância e da ambição. Ao contrário das palavras de Lowell, “A verdade para sempre no cadafalso, o erro para sempre no trono”, acreditamos que “a verdade é poderosa e prevalecerá” — mas às vezes leva muito tempo.
Citação: “Pedra preciosa da virgindade… Tocha flamejante da caridade… Espelho da penitência… Trombeta da salvação eterna… Flor da sabedoria celestial… Vencedor dos demônios.” (Das ladainhas de São Vicente)
RESUMO E REVISÃO:

São Vicente Ferrer é o santo padroeiro dos construtores por causa de sua fama de “edificação” e fortalecimento da Igreja: através de sua pregação, trabalho missionário, em seus ensinamentos, como confessor e conselheiro. Em Valência, na Espanha, este ilustre filho de São Domingos veio ao mundo em 23 de janeiro de 1357. No ano de 1374, ingressou na Ordem de São Domingos em um mosteiro próximo à sua cidade natal. Logo após sua profissão, ele foi contratado para dar palestras sobre filosofia. Ao ser enviado a Barcelona, ​​continuou seus deveres escolares e, ao mesmo tempo, dedicou-se à pregação. Em Lerida, a famosa cidade universitária da Catalunha, recebeu seu doutorado. Depois disso trabalhou seis anos em Valência, durante os quais se aperfeiçoou na vida cristã. Em 1390, ele foi obrigado a acompanhar o cardeal Pedro de Luna à França, mas logo voltou para casa. Quando, em 1394, o próprio de Luna se tornou papa em Avignon, convocou São Vicente e o nomeou mestre do palácio sagrado. Nesta capacidade, São Vicente fez esforços infrutíferos para pôr fim ao grande cisma. Ele recusou todas as dignidades eclesiásticas, até mesmo o chapéu de cardeal, e apenas desejava ser nomeado missionário apostólico. Agora começaram os trabalhos que fizeram dele o famoso missionário do século XIV. 

Ele evangelizou quase todas as províncias da Espanha e pregou na França, Itália, Alemanha, Flandres, Inglaterra, Escócia e Irlanda. Inúmeras conversões se seguiram à sua pregação, que o próprio Deus assistiu com o dom de milagres. Embora a Igreja estivesse então dividida pelo grande cisma, o santo foi recebido com honra nos distritos sujeitos aos dois pretendentes ao papado. Ele até foi convidado para a Granada maometano, onde pregou o evangelho com muito sucesso.

Ele viveu para ver o fim do grande cisma e a eleição do Papa Martinho V. Finalmente, coroado com trabalhos, morreu em 5 de abril de 1419.

Vincent Ferrer, OP Priest (RM)
NASCEU EM VALÊNCIA, ESPANHA, EM 23 DE JANEIRO DE C. 1350; MORREU EM VANNES, BRETANHA, FRANÇA, EM 5 DE ABRIL DE 1418canonizado em 1455 pelo Papa Calisto III; bula formal emitida em 1458 por Pio II autorizando sua festa em 6 de abril, mas sempre foi celebrada em 5 de abril.
    “Faça o que fizer, não pense em si mesmo, mas em Deus”. –São Vicente Ferrer.
Nascido em uma família nobre e piedosa chefiada pelo inglês William Ferrer e pela espanhola Constantia Miguel, a carreira de milagreiro de São Vicente começou cedo. Os prodígios assistiram ao seu nascimento e baptismo no mesmo dia em Valência e, aos 5 anos, curou um filho vizinho de uma doença grave. Esses dons e sua beleza natural de pessoa e caráter fizeram dele o centro das atenções muito cedo na vida.
Seus pais incutiram em Vicente uma intensa devoção a Nosso Senhor e Sua Mãe e um grande amor pelos pobres. Ele jejuava regularmente todas as quartas e sextas-feiras a pão e água desde a infância, absteve-se de carne e aprendeu a negar a si mesmo extravagâncias para fornecer esmolas para as necessidades. Quando seus pais viram que Vicente considerava os pobres como membros de Cristo e que os tratava com o maior carinho e caridade, fizeram dele o dispensador de suas generosas esmolas. Eles lhe deram por sua parte uma terça parte de seus bens, os quais ele distribuiu entre os pobres em quatro dias.
Vicente começou seus estudos clássicos aos 8 anos, filosofia aos 12 e seus estudos teológicos aos 14 anos. Como todos esperavam, ele entrou no convento dominicano de Valência e recebeu o hábito em 5 de fevereiro de 1367. Tão angelical era sua aparência e tão santas suas ações, que nenhum outro curso lhe parecia possível senão dedicar sua vida a Deus.
Assim que fez sua escolha de vocação, o diabo o atacou com as mais terríveis tentações. Até seus pais, que encorajaram sua vocação, imploraram para que ele deixasse o mosteiro e se tornasse um padre secular. Pela oração e pela fé, especialmente a oração a Nossa Senhora e seu anjo da guarda, Vicente venceu suas dificuldades e terminou seu noviciado.
Ele foi enviado a Barcelona para estudar e foi nomeado leitor de filosofia em Lérida, a universidade mais famosa da Catalunha, antes dos 21 anos. Lá, ele publicou dois tratados (suposições dialéticas era um) que foram bem recebidos.
Em 1373, foi enviado a Barcelona para pregar, apesar de ter apenas ordens de diácono. A cidade, devastada pela fome, aguardava desesperadamente os carregamentos de milho atrasados. Vincent predisse em um sermão que os navios chegariam antes da noite e, embora tenha sido repreendido por seu superior por fazer tal previsão, os navios chegaram naquele dia. O povo alegre correu ao convento para aclamar Vicente como profeta. O prior, no entanto, achou que seria sensato transferi-lo para longe de tal adulação.
Outra história nos conta que alguns meninos de rua chamaram sua atenção para um de seus bandos que estava estendido na poeira, fingindo-se morto, perto do porto de Grão: “Ele está morto, traga-o de volta à vida!” eles choraram. “Ah”, respondeu Vicente, “ele estava se fingindo de morto, mas olhe, ele morreu.” É assim que definitivamente se prega uma mentira: considerando-a uma verdade. E acabou sendo verdade, o menino estava morto.

Todos estavam tomados pelo medo. Eles imploraram a Vicente para fazer alguma coisa. Deus fez. Ele o levantou.

Em 1376, Vicente foi transferido para Toulouse por um ano e continuou sua educação. Tendo feito um estudo particular das Escrituras e do hebraico, Vicente estava bem equipado para pregar aos judeus. Foi ordenado sacerdote em Barcelona em 1379 e tornou-se membro da corte de Pedro (Pedro) Cardeal de Luna – o início de uma longa amizade que terminaria em tristeza para ambos. (O Cardeal de Luna havia votado no Papa Urbano VI em 1378, mas convencido de que a eleição havia sido inválida, juntou-se a um grupo de cardeais que elegeram Roberto de Genebra como Papa Clemente VII no final do mesmo ano; assim, criando um cisma e a linha dos papas de Avinhão.)
Depois de ser chamado de volta ao seu próprio país, Vicente pregou com muito sucesso na catedral de Valência de 1385-1390, e tornou-se famoso por sua eloquência e eficácia na conversão de judeus – Rabi Paulo de Burgos, o futuro bispo de Cartagena foi um dos 30.000 de Vicente. judeus e mouros convertidos – e revivendo a fé daqueles que haviam caído. Seus inúmeros milagres, a força e a beleza de sua voz, a pureza e clareza de sua doutrina, combinaram-se para tornar eficaz sua pregação, baseada em um firme fundamento de oração.
É claro que o sucesso de Vicente como pregador atraiu a inveja dos outros e lhe rendeu calúnias e calúnias. Seus colegas acreditavam que poderiam compensar a calúnia, tornando-o prior de seu mosteiro em Valência. Ele se retirou por um tempo na obscuridade. Mas ele foi chamado para pregar os sermões quaresmais de 1381 em Valência, e ele não podia se recusar a empregar o dom da fala que atraía as pessoas boas e simples, bem como os pastores capciosos, os cónegos e os sábios céticos da Igreja.
Pedro de Luna, um cardeal teimoso e ambicioso, fez de Vicente parte de sua bagagem, por assim dizer; … a partir de 1390, Vicente pregou onde quer que Pedro de Luna estivesse, incluindo a corte de Avignon, onde Vicente gozava da vantagem de ser confessor do papa, quando Pedro de Luna se tornou o antipapa Bento XIII em 1394.
Dois males clamavam por remédio nos dias de São Vicente: a frouxidão moral deixada pela grande peste e o escândalo do cisma papal. Quanto ao primeiro, pregou incansavelmente contra os males da época. Que  ele defendeu a causa do homem errado no desacordo papal não é argumento contra a santidade de Vicente; na época, e em meio a tanta confusão, era quase impossível dizer quem estava certo e quem estava errado. A coisa memorável é que ele trabalhou, com toda a força que pôde reunir, para trazer ordem ao caos. Eventualmente, Vicente passou a acreditar que as alegações de seu amigo eram falsas e instou de Luna a se reconciliar com Urbano VI.
Ele atuou como confessor da rainha Yolanda de Aragão de 1391 a 1395. Ele foi acusado pela Inquisição de heresia porque ele ensinou que Judas havia feito penitência, mas a acusação foi rejeitada pelo antipapa Bento XIII, que queimou o dossiê da Inquisição sobre Vicente e fez dele seu confessor.

Bento XIII ofereceu um bispado a Vicente, mas recusou. Afligido pelo grande cisma e pela posição inflexível de Bento, aconselhou-o a consultar seu rival romano. Benedito recusou. Relutantemente, Vicente foi obrigado a abandonar de Luna em 1398. A tensão desse conflito entre amizade e verdade fez com que Vicente ficasse gravemente doente em 1398. Durante sua doença, ele teve uma visão na qual Cristo e os santos Domingos e Francisco o instruíram a pregar penitência quando e aonde quer que fosse necessário, e ele foi milagrosamente curado.
Depois de se recuperar, ele pediu permissão para se dedicar ao trabalho missionário. Ele pregou em Carpetras, Arles, Aix e Marselha, com grandes multidões presentes. Entre 1401 e 1403, o santo pregou no Dauphiné, em Savoy e nos vales alpinos: continuou para Lucerna, Lausanne, Tarentaise, Grenoble e Turim. Ele era um orador tão eficaz que, embora falasse apenas espanhol, muitos o consideravam multilíngue (o dom de línguas?). Seu irmão Bonifácio era o prior da Grande Chartreuse e, como resultado da pregação de Vicente, vários súditos notáveis ​​entraram no mosteiro.
Milagres foram atribuídos a ele. Em 1405, Vicente estava em Gênova e pregou contra os fantásticos cocares usados ​​pelas senhoras da Ligúria, e eles foram modificados – “o maior de todos os seus feitos maravilhosos, relata um de seus biógrafos. De Gênova, ele pegou um navio para Mais tarde, na Holanda, uma hora por dia foi marcada para suas curas.Na Catalunha, sua oração restaurou os membros murchos de um menino aleijado, considerado incurável por seus médicos, chamado John Soler, que mais tarde se tornou bispo de Barcelona. Em Salamanca, em 1412, ele ressuscitou um morto. Talvez o maior milagre tenha ocorrido no Dauphiné, em uma área chamada Vaupute, ou Vale da Corrupção. Os nativos de lá eram tão selvagens que nenhum ministro os visitava. Vincent, sempre pronto sofrer todas as coisas para ganhar almas, alegremente arriscou sua vida entre esses miseráveis ​​abandonados, converteu-os todos de seus erros e vícios. Posteriormente, o nome do vale foi alterado para Valpure, ou Vale da Pureza, um nome que manteve.
Ele pregou incansavelmente, complementando seus dons naturais com o poder sobrenatural de Deus, obtido através de seu jejum, orações e penitências. Tal era a fama das missões de Vicente, que o rei Henrique IV da Inglaterra lhe enviou um cortesão com uma carta pedindo-lhe que pregasse em seus domínios. O rei enviou um de seus próprios navios para buscá-lo na costa da França e o recebeu com as maiores honras. O santo tendo empregado algum tempo para dar ao rei conselhos saudáveis ​​tanto para si mesmo quanto para seus súditos, pregou nas principais cidades da Inglaterra, Escócia e Irlanda. Voltando à França, fez o mesmo, da Gasconha à Picardia.

A pregação de São Vicente tornou-se um processo estranho, mas maravilhosamente eficaz. Ele atraiu para si centenas de pessoas – ao mesmo tempo, mais de 10.000 – que o seguiam de um lugar para outro vestidos de peregrinos. Os padres da companhia cantavam missa diariamente, cantavam o Ofício Divino e distribuíam os sacramentos aos convertidos pela pregação de Vicente. Homens e mulheres viajavam em companhias separadas, cantando ladainhas e orações enquanto andavam descalços pela estrada de cidade em cidade. Eles ensinaram catecismo onde necessário, fundaram hospitais e reviveram uma fé que havia praticamente perecido no tempo da peste.
A mensagem de sua pregação era a penitência, o Juízo Final e a eternidade. Como outro João Batista – que também era comparado a um anjo, como São Vicente é na arte popular – ele atravessou o deserto clamando ao povo para endireitar os caminhos do Senhor. Temendo o julgamento, senão por outro motivo, os pecadores ouviram seus sermões surpreendentes, e os mais obstinados foram levados por ele a rejeitar o pecado e amar a Deus. Ele fez inúmeros milagres, alguns dos quais são lembrados hoje nos provérbios da Espanha. Entre seus convertidos estavam São Bernardino de Sena e Margarida de Saboia.
Ele retornou à Espanha em 1407. Apesar do fato de Granada estar sob domínio mouro, ele pregou com sucesso, e milhares de judeus e mouros teriam se convertido e solicitado o batismo. Seus sermões eram frequentemente realizados ao ar livre porque as igrejas eram pequenas demais para todos aqueles que desejavam ouvi-lo.
Em 1414, o Concílio de Constança tentou acabar com o Grande Cisma, que havia crescido desde 1409 com três pretendentes ao trono papal. O concílio depôs João XXIII e exigiu a renúncia de Bento XIII e Gregório XII para que uma nova eleição pudesse ser realizada. Gregory estava disposto, mas Benedict era teimoso. Mais uma vez, Vincent tentou persuadir Bento a abdicar. Novamente, ele falhou. Mas Vicente, que atuou como juiz no Compromisso de Caspe para resolver a sucessão real, influenciou a eleição de Fernando como rei de Castela. Ainda amigo de Bento (Pedro de Luna), o rei Fernando, baseando suas ações na opinião de Vicente sobre o assunto, projetou a deposição de Bento em 1416, que pôs fim ao Cisma Ocidental.
(É interessante notar que os decretos do Concílio de Constança foram rejeitados pelo papa que o sucedeu. O concílio havia ordenado concílios a cada dez anos e afirmava que tais convocações tinham precedência sobre o papa.)
Seu livro, Tratado sobre a Vida Espiritual ainda tem valor para as almas sinceras. Nele ele escreve: “Você deseja estudar a seu favor? Deixe a devoção acompanhar todos os seus estudos, e estude menos para se tornar um sábio do que para se tornar um santo. Consulte a Deus mais do que seus livros, e peça-lhe, com humildade, que Faça você entender o que lê. O estudo cansa e esgota a mente e o coração. Vá de vez em quando para refrescá-los aos pés de Jesus Cristo sob sua cruz. Alguns momentos de repouso em suas chagas sagradas dão novo vigor e novas luzes. sua aplicação por orações curtas, mas fervorosas e jaculatórias; nunca comece ou termine seu estudo, sem ser pela oração. A ciência é um dom do Pai das luzes”.

Parece que Vincent praticava o que pregava. Ele sempre compunha seus sermões ao pé de um crucifixo, tanto para pedir luz a Cristo crucificado, quanto para extrair desse objeto sentimentos com os quais animar seus ouvintes à penitência e ao amor de Deus.
São Vicente também pregou a Santa Colette e suas freiras
, e foi ela quem lhe disse que ele morreria na França. De fato, Vicente passou seus últimos três anos na França, principalmente na Normandia e na Bretanha, e morreu na quarta-feira da Semana Santa em Vannes, na Bretanha, depois de voltar de uma viagem de pregação a Nantes. O dia de seu enterro foi uma grande festa popular com procissão, música, sermões, canções, milagres e até pequenas brigas (Attwater, Benedictines, Bentley, Delaney, Dorcy, Encyclopedia, Farmer, Gheon, Husenbeth, Walsh, White). 

Nota: Eu recomendo a leitura do verbete de Vincent Ferrer em Vidas dos Santos de Butler. É mais preciso do que muitas de suas biografias e muito mais detalhado sobre as viagens e milagres dos santos do que aqui apresentado.
São Vicente é o patrono dos orfanatos na Espanha. E os pescadores bretões ainda invocam sua ajuda nas tempestades (Dorcy). Ele também é o patrono dos fundadores de chumbo e invocado contra epilepsia, febre e dor de cabeça (Roeder).
Na arte, São Vicente é um dominicano com um livro, Cristo está acima com os instrumentos de sua paixão. Às vezes, Vincent é mostrado (1) apontando para Cristo, com um lírio e um crucifixo; (2) idem, Cristo acima, cadáveres amortalhados sob seus pés; (3) cercado por querubins, chama em uma mão, livro na outra; (4) com asas simbólicas no ombro, trompete na mão; (5) com chama, IHS e face radiante; (6) com o Beato Pedro Cerdan (Roeder, Tabor); (7) com chapéu de cardeal; ou com convertidos judeus e sarracenos ao seu redor (Branco)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril05.html#1419_St._Vincent_Ferrer_Patron_of

– Ver TRATADO DE VIDA ESPIRITUAL de São Vicente Ferrer:

2.   Em Tes­sa­ló­nica, na Ma­ce­dónia, ac­tu­al­mente na Grécia, Santa Irene, virgem e mártir, que, de­so­be­de­cendo ao edito de Di­o­cle­ciano, ocultou os Li­vros sa­grados e por esse mo­tivo foi con­du­zida ao pros­tí­bulo pú­blico e quei­mada por ordem do pre­feito Dul­cécio, o mesmo que tinha mar­ti­ri­zado as suas irmãs Ágape e Quiónia. († 304).

– Ver “O culto a santa Irene ainda é muito intenso no oriente e no Ocidente, e se perpetuou até os nossos dias pelo seu lendário “exemplo de santa mártir”, bem como pela tradição de seu nome, que em grego significa “paz”, e é muito difundido em todo o planeta, principalmente entre os povos cristãos, apesar de não existirem quaisquer comprovações destas lendas pela Ciência.

A festa de santa Irene acontece em 5 de abril, dia em que recebeu a palma do martírio pela fé em Cristo, no ano 304.”: Ágape, Quiônia e Irene – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver dia 03 de abril: Santas Ágape, Cione (ou Quiônia) e Irene, virgens. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, segundo o protocolo de seu processo, elas foram condenadas a serem queimadas vivas “por terem agido contra os divinos editos dos imperadores”, que proibiam a quem quer que fosse conservar as Sagradas Escrituras (M). Santa Irene também na Folhinha do Coração de Jesus de 03 de abril).

– Ver páginas 59-66:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Ágape, Quiônia e Irene foram três virgens que foram martirizadas por sua fé durante a perseguição de Diocleciano, em 304 d.C.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/%C3%81gape,_Qui%C3%B4nia_e_Irene

3.   Em Se­lêucia, na Pérsia, no ter­ri­tório do ac­tual Iraque, Santa Fer­buta, viúva, irmã de São Si­meão, bispo, a qual, jun­ta­mente com a sua serva, so­freu o mar­tírio no rei­nado de Sapor II. († c. 342)

4.   Também em Se­lêucia, na an­tiga Pérsia, a co­me­mo­ração de cento e onze ho­mens e nove mulheres, már­tires, que, reu­nidos de vá­rios lu­gares nas ci­dades ré­gias da Pérsia, por re­cu­sarem fir­me­mente negar a Cristo e adorar o fogo, foram quei­madas por ordem do mesmo rei. († 344)

–  No Martirológio Romano-Monástico, dia 06 de abril: no ano do Senhor de 344, o martírio de Cento e Vinte Cristãos, presos por ocasião da passagem do rei dos persas por Selêucia da Mesopotâmia. Em suas provações, uma piedosa mulher os encorajou, dizendo: “Confiança nas promessas que o Senhor nos deixou em seu Evangelho! Ele sofreu em seu corpo e nos abriu a porta do testemunho para que nos tornemos semelhantes a Ele… Vós merecereis, assim, o reino maravilhoso dos amigos de Jesus”. (M).

– Ver também: Cento e vinte mártires em Adiabene – Pérsia de 345. Ver páginas 144-145: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

5.   Em Régia, na Mau­ri­tânia, no ter­ri­tório da ac­tual Ar­gélia, a paixão dos santos mártires que, na per­se­guição do rei ariano Gen­se­rico, foram mas­sa­crados na igreja num dia da Páscoa; entre eles es­tava o leitor, que foi atra­ves­sado por uma flecha na gar­ganta quando can­tava do púl­pito o «Aleluia». († s. V).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, igualmente, a paixão de Diversos Cristãos Africanos, que durante a perseguição de Genserico foram massacrados dentro de uma igreja, no dia da Páscoa. Um deles, que tinha o ofício de leitor, teve a garganta trespassada por uma flecha no momento em que cantava o Aleluia. (M)

6.   No mos­teiro de Grande-Sauve, na Aqui­tânia, ac­tu­al­mente na França, São Ge­raldo (Gerardo), abade, que per­tencia ao mos­teiro de Corbie quando foi eleito abade de Laon e, de­pois de santas pe­re­gri­na­ções, se re­tirou na densa floresta. († 1095).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1095, São Geraldo. Iniciado na vida monástica em Corbie, sua cidade natal, tornou-se abade de São Vicente de Laon e de São Medardo de Soissons. A afluência de vocações levou-o a fundar vários mosteiros, dos quais o da Grande-Sauve, na Aquitânia, tornou-se mais tarde a casa-mãe de cerca de trinta outras casas. (X).

Ver também págs. 122-125:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

7*.   Em Mon­te­cor­vino, na Apúlia, re­gião da Itália, Santo Al­berto, bispo, que con­sa­grou toda a sua vida à oração con­tínua a Deus e à so­li­ci­tude pelo bem comum dos pobres. († 1127)

8*.   Em Fosses, no Bra­bante, hoje na França, Santa Ju­liana, virgem da Ordem de Santo Agos­tinho, que tinha sido pri­o­resa do mos­teiro de Mont-Cor­nillon, em Liège e, for­ta­le­cida pelo dom do con­selho di­vino e hu­mano, pro­moveu a so­le­ni­dade do Corpo de Cristo e viveu como reclusa. († 1258). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de Senhor de 1258, Santa Juliana, religiosa agostiniana do mosteiro do Monte Cornillon, na diocese de Liège. Foi convocada, por revelações, a fazer instituir na Igreja a festa do Santíssimo Sacramento, ou do “Corpus Christi”. (F). Ver também págs. 126-129: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Juliana de Mont Cornillon ou Juliana de Liège (Retinnes, 1193 – Fosses-la-Ville5 de abril de 1258). Foi uma freira agostiniana do Convento de “Mont Cornillon”. Ficou conhecida por promover a introdução da Festa de Corpus Christi no âmbito da Igreja Católica.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Juliana_de_Mont_Cornillon

– Ver “Corpus Christi “A origem da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo remonta ao século XIII. O papa Urbano IV, na época o cônego Tiago Pantaleão de Troyes, arcediago do Cabido Diocesano de Liège, na Bélgica, recebeu o segredo da freira agostiniana Juliana de Mont Cornillon, que teve visões de Cristo demonstrando desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque. Por volta de 1264, em uma cidade próxima a Orvieto (onde o já então papa Urbano IV tinha sua corte), chamada Bolsena, ocorreu o Milagre de Bolsena,[1] em que um sacerdote celebrante da Santa Missa, no momento de partir a Sagrada Hóstia, teria visto sair dela sangue, que empapou o corporal (pano onde se apoiam o cálice e a patena durante a Missa). O papa determinou que os objetos milagrosos fossem trazidos para Orvieto em grande procissão em 19 de junho de 1264, sendo recebidos solenemente por Sua Santidade e levados para a Catedral de Santa Prisca. Esta foi a primeira procissão do Corporal Eucarístico de que se tem notícia. A festa de Corpus Christi foi oficialmente instituída por Urbano IV com a publicação da bula Transiturus em 8 de setembro de 1264, para ser celebrada na quinta-feira depois da oitava de Pentecostes.[2]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Corpus_Christi

– Ver ainda “… Ela edificava todos com sua humildade, nunca tinha palavras de crítica ou de reprovação para seus adversários, senão que continuava difundindo com zelo o culto eucarístico. Faleceu em 5 de abril de 1258, em Fosses-La-Ville, na Bélgica. Na cela em que jazia, expuseram o Santíssimo Sacramento e, segundo as palavras do seu biógrafo, Juliana morreu contemplando, com um último transporte de amor, Jesus Eucaristia, a quem sempre havia amado, honrado e adorado. Ela soube antes de falecer que, além de Liège, também a Alemanha ocidental já festejara a festa de Corpus Domini em 1252.

     Seu corpo foi sepultado na Abadia Cisterciense de Villiers. É festejada pela Santa Igreja no dia 5 de abril.”: http://heroinasdacristandade.blogspot.com/2019/04/santa-juliana-de-mont-cornillon-ou.html

– Ver “… 1258 BD JULIANA DO MONTE CORNILLON, VIRGEM
A introdução da festa de Corpus Christi deveu-se principalmente a uma mulher, cuja mente a concebeu e cujos esforços levaram à sua observância. Juliana nasceu perto de Liège em 1192, mas ficou órfã aos cinco anos de idade, foi colocada pelos tutores aos cuidados das freiras do Monte Cornillon, um duplo mosteiro agostiniano de homens e mulheres dedicados ao cuidado dos doentes, mais especialmente dos leprosos. Para evitar que Juliana e sua irmã Agnes tivessem contato com os pacientes, o superior os mandava para uma fazenda dependente perto de Amercoeur, onde ficavam a cargo de uma irmã Sapientia, que também os ensinava. Agnes morreu jovem; Juliana cresceu como uma menina estudiosa que tinha uma intensa devoção ao Santíssimo Sacramento e que adorava ler volumes de Santo Agostinho, São Bernardo e outros padres nas prateleiras da biblioteca. Curiosamente, desde os dezesseis anos, ela era assombrada dia e noite pelo aparecimento de uma lua brilhante com uma faixa escura… Ocasionalmente, ela temia que pudesse ser um artifício do Diabo para distraí-la da oração, mas geralmente ela se sentia convencida de que tinha algum significado espiritual profundo se ela pudesse compreendê-lo. Por fim, ela teve um sonho ou visão em que nosso Senhor explicou que a lua era o ano cristão com sua rodada de festivais e que a faixa preta denotava a ausência do único dia sagrado necessário para completar o ciclo – uma festa em homenagem ao Santíssimo Sacramento

 Os anos passaram e Juliana tornou-se freira no Monte Cornillon; mas ela era desconhecida, sem influência e sem condições de fazer nada em relação à festa desejada. Então, em 1225, foi eleita priora e começou a falar sobre o que sentia ser sua missão a alguns de seus amigos, notadamente a Bd Eva, uma reclusa que morava ao lado da igreja de São Martinho, na margem oposta do rio, e uma santa mulher, Isabel de Huy, que ela havia recebido em sua comunidade. Encorajada, sem dúvida, pelo apoio dessas duas, ela abriu seu coração para um erudito cônego de São Martinho, João de Lausanne, pedindo-lhe para consultar os teólogos sobre a conveniência de tal festa. 

James Pantaleon (depois Papa Urbano IV), Hugh de St Cher, o prior provincial dominicano, Dom Guy de Cambrai, chanceler da Universidade de Paris, com outros sábios, foram abordados e decidiram que não havia objeção teológica ou canônica à instituição de uma festa em homenagem ao Santíssimo Sacramento. Por outro lado, a oposição surgiu em outros quadrantes. Embora João de Cornillon tenha composto um ofício para o dia que foi realmente adotado pelos cônegos de São Martinho, e embora Hugo de São Cher pregasse e falasse em seu nome, Juliana foi criticada como uma visionária, e pior. O sentimento corria contra ela mesmo no mosteiro, cuja constituição era um tanto peculiar. Enquanto a direção final dos irmãos e irmãs estava nas mãos do prior, o burgomestre e os cidadãos parecem ter tido voz na gestão do hospital, cujas receitas, porém, eram administradas pela prioresa. Um novo prior, de nome Roger, acusou Juliana de falsificar as contas, de abolir os títulos e de desviar fundos para promover uma festa que ninguém queria. Essas acusações enfureceram tanto o povo de Liège que eles obrigaram Juliana a sair. O bispo Robert fez com que um inquérito fosse feito sobre o assunto. Isso resultou no retorno de Juliana a Cornillon, na transferência do prior para o hospital de Huy e, em 1246, na proclamação do novo festival para a diocese de Liège. 

Após a morte do bispo, no entanto, a perseguição foi renovada e Bd Juliana foi totalmente expulsa de Cornillon. cujas receitas, porém, eram administradas pela prioresa…

Com três das irmãs, Isabel de Huy, Agnes e Otilia, ela vagou de um lugar para outro até encontrar um abrigo em Namur. Aqui viveram algum tempo de esmolas, mas a abadessa de Salzinnes veio em seu socorro e, defendendo a causa de Juliana, obteve para ela de Cornillon uma concessão do dote que ela havia trazido para o convento. 

O infortúnio, no entanto, continuou a perseguir seus passos – infortúnio que ela previu e previu. Durante o cerco de Namur pelas tropas de Henrique II de Luxemburgo, Salzinnes foi incendiada e Juliana foi forçada a fugir com a abadessa para Fosses, onde viveu reclusa pelo resto de seus dias na pobreza e na doença. Ela morreu em 5 de abril de 1248, na presença da abadessa e de um fiel companheiro chamado Ermentrude.
A grande missão de Juliana foi continuada e completada por sua velha amiga Eva, a reclusa de São Martinho.
 Após a elevação ao papado de Urbano IV, que como Tiago Pantaleão havia sido um dos primeiros apoiadores de Juliana, Eva, através do bispo de Liège, implorou-lhe que sancionasse a nova festa do Santíssimo Sacramento. Ele o fez; e depois, em reconhecimento da parte que ela havia tomado, ele lhe enviou sua bula de autorização junto com o belo ofício de Corpus Christi que São Tomás de Aquino havia composto a seu desejo. 

A bula foi confirmada em 1312 pelo Concílio de Viena sob o Papa Clemente V, e a celebração da festa de Corpus Christi tornou-se desde então uma obrigação universal em toda a igreja ocidental, e a maioria dos católicos de rito oriental também a adotou. A observância de uma festa em honra de Bd Juliana foi permitida pela Santa Sé em 1869.

Uma narrativa originalmente compilada em francês, mas traduzida para o latim por João de Lausanne, está impressa na Acta Sanctorum (abril, vol. 1) e constitui a principal fonte dos incidentes aqui registrados. Ver também Clotilde de Sainte Julienae, Sainte Julienne de Cornillon (1928); e E. Denis, La vraie histoire de ste Julienne… (1935). Há um relato em flamengo de J. Coenen (1946).

RESUMO:

Como priora, começou a se agitar pela instituição da festa prevista em sua visão. Alguns a apoiaram, mas se opuseram a ela o suficiente para que ela fosse removida do cargo e perseguida; ela foi expulsa de Cornillon pelos diretores leigos, que a acusaram de administrar mal os fundos de um hospital sob seu controle.

Um inquérito do bispo de Liège a exonerou e resultou em sua restituição em 1246, quando ele introduziu a festa de Corpus Christi em Liège.
Quando o bispo morreu em 1248, Juliana foi novamente expulsa do convento e refugiou-se no convento cisterciense de Salzinnes em Namur. Logo ela se viu sem-teto novamente quando o mosteiro foi destruído pelo fogo durante o cerco de Namur pelas tropas de Henrique II de Luxemburgo. Ela então migrou para Fosses, onde passou o resto de sua vida como reclusa.

A seu pedido, ela foi enterrada na abadia cisterciense de Villiers como um deles.
Após a morte de Juliana, o movimento pelo estabelecimento de Corpus Christi como festa universal foi continuado por sua amiga Beata Eva de Liège. A festa foi sancionada pelo Papa Urbano IV em 1264 e o ofício da festa foi composto por São Tomás de Aquino. Em 1312, a festa era obrigatória em toda a Igreja Ocidental (Attwater2, Benedictines, Delaney, Encyclopedia).

Como era de se esperar, a Beata Juliana é representada na arte como uma monja agostiniana segurando um ostensório. Ela é venerada em Cornillon, Fosse, Retines (Liège) e Salzinnes (Roeder)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril05.html#1258_Blessed_Juliana_of_Mount_Cornillon

9.   Em Palma, na ilha de Mai­orca, na Es­panha, Santa Ca­ta­rina Tomás (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, en­trando na Ordem das Ca­no­nisas Re­grantes de Santo Agos­tinho, foi in­signe no des­prezo de si mesma e na ab­ne­gação da sua vontade. († 1574)

– Ver também págs. 132-133: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

10*.   Em Kauf­beuren, junto ao rio Wer­tach, na Ba­viera, re­gião da Ale­manha, Santa Maria Cres­cência Höss, virgem da Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco, que pro­curou co­mu­nicar aos ou­tros o fogo do Es­pí­rito Santo que nela ardia. († 1744)

11♦.   Em São Paulo, no Brasil, o Beato Ma­riano da Mata Aparício, pres­bí­tero da Ordem de Santo Agostinho (também na Folhinha do Coração de Jesus). († 1983).

–  Ver “Beato Mariano de la Mata Aparício, mais conhecido como Padre Mariano (La Puebla de Valdavia31 de dezembro de 1905 — São Paulo 5 de abril de 1983), foi um religioso hispanobrasileiro reconhecido pela Igreja Católica como beato… O milagre aprovado pela Congregação para as Causas dos Santos e pelo Papa Bento XVI para a beatificação de Padre Mariano ocorreu com João Paulo Lopes da Silva Polotto, em 1996. O milagre aconteceu na cidade de Barra Bonita:[desambiguação necessária] o menino João Paulo Lopes da Silva Polotto, então com cinco anos, sofreu um acidente quando soltou-se de sua mãe e atravessou a rua; foi atingido por um caminhão e sofreu fratura do crânio. Foi internado com parada respiratória e hemorragia cerebral, em estado muito grave. Padres e alunos do Colégio Agostiniano São José, de São José do Rio Preto, onde Padre Mariano viveu, pediram a ele em oração para que intercedesse junto a Deus e, dez dias depois, o menino era visto nas ruas da cidade caminhando e brincando, sem qualquer sequela do acidente. Os médicos não puderam explicar a imensa recuperação. [3]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Mariano_de_la_Mata

– Ver “Sua memória litúrgica é comemorada no dia 05 de novembro. Seus restos mortais encontram-se na Paróquia Santo Agostinho, no bairro da liberdade em são Paulo.”: http://www.igrejasantoagostinho.com.br/beato.html

– Ver também “Celebramos neste domingo (05/11/2006) a Solenidade de Todos os Santos. Precisamente, nesta solenidade, hoje e aqui em São Paulo, também damos graças a Deus pelo Padre Mariano da Mata Aparício, da Ordem dos Agostinianos, que foi inscrito no álbum dos Beatos.”. Disponível em <https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/csaints/documents/rc_con_csaints_doc_20061105_beatif-aparicio_po.html>. Acesso em 05 nov. 2021

– Ver: “O segundo milagre de Padre Mariano”. Disponível em <http://www.csj.g12.br/csj_www1/pemariano/caminhoPeMariano/artigos/2007-06-03%20O%20segundo%20milagre%20do%20Padre%20Mariano.pdf>. Acesso em 05 nov. 2021

– Ver ainda “Dia do Beato Mariano. Pe. Mariano faleceu no dia 5 de abril de 1983. Como o dia 5 de abril é um dia que normalmente coincide com as festas de Páscoa, a postulação sugeriu ao Cardeal e este á Santa Sé que o novo beato fosse lembrado no calendário litúrgico do Brasil no dia de sua beatificação. Assim, a partir de agora, todo dia 5 de novembro será o dia da sua memória litúrgica no Brasil. Veja o site do Pe. Mariano! http://www.padremariano.org/  Grande biografia e fotos! …”. Conforme “29/10/2006 – 18:26 – BRASIL TEM NOVO ‘Santo de Altar’: BEATO MARIANO!”. Disponível em <http://www.santosdobrasil.org/?system=news&action=read&id=345&eid=142>. Acesso em 05 nov. 2021

12. Bem-aventurada Eva, reclusa. Ver “Aconselhada por Santa Juliana do Monte Cornillon, Eva, depois de retirada do mundo, passou por duras provas, por horríveis tentações, que venceu pela paciência, a esperar em Deus.

Depois da morte de Santa Juliana e do decreto da instituição da Festa de Deus (Corpus Christi) em Liège, a bem-aventurada sentiu-se grandemente feliz por saber que o arcediago de Liège, Tiago Pantaleão, fôra eleito papa Urbano IV. Procurou, então, agir no sentido de obter do novo pontífice a confirmação do decreto da instituição.

Quando o novo pontífice se inteirou de que aquela reclusa ainda vivia, rejubilou-se. Felicitando-a pelo zê1o que tivera com a instituição da Festa de Deus, enviou-lhe um breve. Corria o ano de 1262, e a bem-aventurada, que fora confidente de Santa Juliana, meses depois do recebimento daquele breve, vinha a falecer.

Enterrada na igreja de São Martinho, pouco depois era transferida para repousar sob o altar do Santo Sacramento.

O culto da bem-aventurada Eva foi aprovado em 1902. Em Liège, festejam-na no dia 14 de março. Há os que querem situar sua morte em 1265.”, às págs. 130-131: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

VER 14 DE MARÇO:

Em Liège, na Lo­ta­ríngia, ac­tu­al­mente na Bél­gica, a Beata Eva de Mont-Cornillon, re­clusa junto do mos­teiro de São Mar­tinho, que, jun­ta­mente com Santa Ju­liana, pri­o­resa do mesmo ce­nóbio, se em­pe­nhou muito para que o papa Ur­bano IV ins­ti­tuísse a so­le­ni­dade do Corpo de Cristo. († c. 1265)

13. No mesmo dia, o martírio de São Zenão (ou Zeno, também na Folhinha do Coração de Jesus) que, por ter confessado sua fé na Santíssima Trindade, sofreu o tríplice suplício do piche, do fogo e da espada (Conf. Martirológio Romano-Monástico – M).

14. No mesmo dia, o Bem-aventurado Sigardo, monge cisterciense de Jouy, depois primeiro abade de Bonlieu, perto de Bordeau, no séc., XII (Conf. Martirológio Romano-Monástico – X).

– Ver “… 1162 O Beato Sighardus de Bonlieu fundou a abadia de Carbon-Blanc (Bonlieu) , OSB Cist. Abade (AC)
Sighardus, monge cisterciense de Jouy, fundou a abadia de Carbon-Blanc (Bonlieu) perto de Bordeaux em 1141 e se tornou seu primeiro abade (Benedictines)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril05.html#1162_Blessed_Sighardus_of_Bonlieu

15. Santa Etelburga de Kent. Ver “Etelburga de Kent, dita Santa Etelburga, também conhecida por ÆthelburhEthelburgÆdilburh e Æthelburga, foi a segunda esposa de Eduíno da Nortúmbria (Edwin). Ela era filha do rei Etelberto de Kent e da princesa merovíngia Berta de Kent (também “Santa Berta”), e irmã de Eadbaldo e Edburga. O casamento de Etelburga com Eduíno em 625 iniciou o processo de conversão da Nortúmbria, no norte da Inglaterra, ao cristianismo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Etelburga_de_Kent

– Ver “… 647 ST ETHELBURGA, ABADIA DE LYMINGE, MATRONA

ST ETHELBURGA era filha do convertido de Santo Agostinho, o rei Ethelbert de Kent e de sua esposa Bertha. Ethelburga, também chamada Tata, foi dada em casamento a Edwin, o rei pagão da Nortúmbria, e São Paulino, um dos companheiros de Santo Agostinho, a acompanhou como capelão. Embora Edwin tenha sido bem afetado pelo cristianismo, hesitou tanto antes de aceitar a fé que o Papa Bonifácio V escreveu expressamente a Ethelburga, exortando-a a fazer o máximo para conseguir sua conversão. Mas não foi até 627 que o próprio Edwin recebeu o batismo. Durante o resto de seu reinado, o cristianismo progrediu em toda a Nortúmbria, encorajado pelo casal real, mas quando Edwin foi morto em Hatfield Chase, seus adversários pagãos invadiram a terra. A rainha e São Paulino viram-se obrigados a retornar a Kent, onde Ethelburga fundou a abadia de Lyminge, que ela governou até sua morte.

Não sabemos nada de Santa Etelburga, exceto o que São Beda (Hist. Eccles. ii, cap. 9 seq.) e Thomas de Elmham (pp. 176-177) registraram…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril05.html#647_Ethelburga_of_Lyminge_founded_an

16. São Derfel Gadarn. Ver “Derfel, conhecido como Derfel Gadarn ([c]adarn: “poderoso, valente, forte”), foi um monge celta cristão do século VI considerado como um santo. A lenda local sustenta que ele foi um guerreiro do Rei Arthur.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Derfel

– Ver “… 5º 6º V St. Derferl-Gadarn soldado monge ermitão galês do século 5 ou 6, relatado para ter estado na batalha de Camblan, onde o rei Arthur morreu. Ele pode ter sido um eremita antes de se tornar monge em Lianderfel, em Gwynedd, País de Gales.

Uma estátua de madeira esculpida representando Derfel-Gadarn como um soldado montado foi usada para queimar o Beato John Forest em Smithfield em 1538, por ordem de Thomas Cromwell.
Derfel Gadarn (RM) (também conhecido como Derfel Cadarn ou Derfel Gdarn) século V ou VI. Segundo a lenda, Saint Derfel foi um grande soldado galês que lutou na Batalha de Camlan (537), onde o Rei Arthur foi morto. Ele pode ter sido um monge e abade em Bardsey e mais tarde um solitário em Llanderfel, Merionethshire, País de Gales, tornando-se assim seu fundador e patrono. Uma estátua de madeira dele montado em um cavalo e segurando um cajado foi muito venerada na igreja de Llanderfel até ser usada como lenha na queima do Beato John Forest, confessor da rainha Catarina de Aragão, em Smithfield, Inglaterra.
Em 1538, o Dr. Ellis Price, agente de Cromwell para a diocese de Saint Asafe, escreveu a Cromwell sobre a estátua de Derfel. Ele queria saber como deveria descartá-lo, porque “o povo tem tanta confiança nele que vem diariamente em peregrinação a ele com vacas ou cavalos ou dinheiro, até o número de quinhentos ou seiscentos em 5 de abril. dizendo era que quem oferecesse alguma coisa a este santo seria por ele libertado do inferno”.

 (Sabemos que somente Jesus Cristo pode nos salvar do inferno, mas este testemunho é uma indicação do poder das orações de Derfel.)
Cromwell ordenou que ele o enviasse para Londres. A população local de Llanderfel pagou a Price um suborno de 40 libras, mas a estátua ainda foi removida. Em 22 de maio de 1438, John Forest de Greenwich deveria ser queimado por recusar o Juramento de Supremacia. Pouco antes de sua execução, a “imensa e grande imagem” de Derfel foi levada para a forca. Uma profecia galesa com séculos de idade havia predito que “esta imagem deveria incendiar toda uma floresta; essa profecia agora entrou em vigor, pois ele incendiou essa floresta e o consumiu em nada”.

Os restos do cajado e do cavalo de Derfel podem ser vistos em Llanderfel (Attwater2, Benedictines, Delaney, Farmer)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril05.html#5th_6th_v_St._Derferl-Gadarn_soldier

17. Outras Santas e Santos do dia 05 de abril: págs. 113-134 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

Obs. Às vezes entra com o Edge, mas mais com  Google chrome,.

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

 * “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 05 de abril, ver também: 5 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Todas da internet, foram consultadas no dia de hoje)

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 304-306: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril05.html#

(este site mostra os santos do dia, em inglês. Tradução Google)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEM DADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, SANTAS/OS E ANJOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

================

* PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PARA E PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS, AMADO PAI, CORAGEM DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES SEDUTORAS, DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS A DOCILIDADE DAS OVELHAS! SOBRETUDO, DÊ-NOS A GRAÇA! PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

================

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA, ESCREVA-NOS:

barpuri@uol.com.br

================

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

================

  * “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

================

* “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

================

* “Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

================

* “… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar (Santo Agatão, lembrado em 21 de outubro)

================

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu só lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

================

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

================

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível”.

================

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

================

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…” Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém! http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

================

* “… A PAIXÃO VIVE; APENAS ESTÁ REPRIMIDA… ESTÁ APENAS PRESA… AS PAIXÕES VIVEM, APENAS SÃO REPRIMIDAS PELOS SANTOS (COM A GRAÇA DE DEUS!) …”.  SANTAS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS PARA QUE POSSAMOS REPRIMIR AS PAIXÕES. PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA DE REPRIMIR AS PAIXÕES. Santo Abraão, rogue por nós! Amém!” (SANTO ABRAÃO, ERMITÃO, 27 DE OUTUBRO), conforme páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

================

* “… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne … Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”:

================

* Dia 17 de janeiro: Santo Antão (ou Antônio). Oração: “Santo Antônio, você falou da importância de perseverar em nossa fé e nossa prática. Ajude-nos a acordar a cada dia com um novo zelo pela vida cristã e um desejo de enfrentar o próximo desafio em vez de apenas ficar parado. Amém!”

================

* 19 de janeiro, São Macário. “… A oração não requer muitas palavras. sobre você, você só precisa dizer: “SENHOR, TEM MISERICÓRDIA!” O Senhor sabe o que é útil para nós e nos concede misericórdia.”… Se você deseja ser salvo, seja como um morto. Não fique com raiva quando insultado (ou provocado), nem orgulhoso quando elogiado.” E ainda: “Se a calúnia (e a provocação) é como o louvor para você, a pobreza como a riqueza, a insuficiência como a abundância, então você não perecerá.“…

================

* Sobre SANTO ANDRÉ CORSINI (04 de fevereiro): “Ele trabalhou arduamente para subjugar suas paixões por meio de humilhações extremas, obediência até mesmo à última pessoa na casa, pelo silêncio e oração (HUMILHAR-SE, OBEDECER, SILENCIAR, REZAR)”.

================

* “Deus Todo-Poderoso não joga dadosDiante de Deus somos todos igualmente sábios – igualmente tolos!(Albert Einstein, lembrado em 14 de março)

================

* “Ó Meu Redentor, chegará aquele terrível momento em que restarão poucos cristãos inspirados pelo espírito de fé, aquele momento em que Sua indignação será provocada e Sua proteção será tirada de nós? Nossos vícios e nossas vidas más moveram irrevogavelmente Sua justiça a se vingar, talvez neste mesmo dia, de Seus filhos para não deixar que a luz da fé se apague nas almas?
“Lembre das antigas misericórdias, volta os olhos compassivos para a vinha plantada com a sua destra, regada pelas lágrimas dos Apóstolos, pelo sangue precioso de inúmeros mártires, e fecundada pelas orações de tantos confessores e virgens inocentes.
“Ó divino Mediador, olhe para aquelas almas zelosas que elevam seus corações ao Senhor e oram sem cessar pela manutenção desse seu dom mais precioso, a Verdadeira Fé. Mantenha-nos seguros na verdadeira fé católica e romana. Preserve-nos em sua santa fé, pois se formos ricos com este dom precioso, suportaremos com prazer todas as tristezas e nada poderá mudar nossa felicidade. Sem este grande tesouro da fé, nossa infelicidade seria indizível e sem limites.
“Ó Bom Jesus, Autor da nossa fé, conservai-a pura em nós; guardai-nos na barca de Pedro, fiel e obediente ao seu sucessor, e Vosso vigário aqui na terra, para que se mantenha a unidade da santa Igreja, a santidade promovida, a Santa Sé protegida em liberdade e a Igreja universal estendida em benefício das almas.
“Ó Jesus, Autor da nossa fé, humilha e converte os inimigos da Sua Igreja; conceda verdadeira paz e concórdia a todos os reis e príncipes cristãos e a todos os crentes; fortalece-nos e preserva-nos no Seu santo serviço até ao fim, para que vivamos com o Senhor e morramos no Senhor.

“Ó Jesus, Autor de nossa fé, deixe-nos viver pelo Senhor e morrer pelo Senhor. Amém.” (São Clemente-Maria Hofbauer, 15 de março)

================

* “… SEDE DILIGENTES NO SERVIÇO AOS POBRES . . . AMEM OS POBRES, HONREM-NOS, MEUS FILHOS, COMO VOCÊS HONRARIAM O PRÓPRIO CRISTO… (SANTA LUÍSA DE MARILLAC, 15 DE MARÇO)”

================

* “Salve, ó Mãe de toda pureza, virgem imaculada, Mãe de toda misericórdia e Mãe de nosso Salvador; venho rogar-lhe que interceda por um pobre pecador junto ao seu Divino Filho, para que me conceda Sua santa Graça. O inimigo implacavelmente me persegue e me ataca. Você uma vez esmagou a cabeça da serpente ao dar à luz nosso Salvador – ajude-me a superar suas artimanhas e enganos. Você é meu refúgio. Por que você me afastaria? …

Não, ó Virgem graciosa! Você virá em meu socorro e o inimigo será derrotado. Amém!São Nicolau relatou que nunca invocou Maria em vão e que sempre sentiu visivelmente os efeitos de sua proteção.  (São Nicolau de Flue – 21 de março)”

================

* A mente é purificada pelo conhecimento espiritual (ou pela santa meditação e oração), as paixões espirituais da alma pela caridade e os apetites irregulares pela abstinência e penitência… (regra resumida da perfeição cristã – que São Serapião repetia muitas vezes) … “Nossos corpos podem se tornar instrumentos do bem ou do mal, dependendo da disposição do coração; tanto os homens justos quanto os ímpios são frequentemente mudados para o outro tipo….”

(São Serapião de Thmuis 21 de março – conf. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch21.html#370_St._Serapion_the_Scholastic_Bishop)

================

* ORAÇÃO DO ANO DE SÃO JOSÉ “PATRIS CORDE”

Salve, guardião do Redentor

e esposo da Virgem Maria!

A vós, Deus confiou o seu Filho;

em vós, Maria depositou a sua confiança;

convosco, Cristo tornou-Se homem.

Ó Bem-aventurado José, mostrai-vos pai também para nós

e guiai-nos no caminho da vida.

Alcançai-nos graça, misericórdia e coragem,

e defendei-nos de todo o mal. 

Amém!

(Conforme < https://radio.cancaonova.com/sao-jose-do-rio-preto/oracao-ano-de-sao-jose/ >)

================

* PAI, ABRACE-NOS!

JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS ENCHA E NOS UNA NO AMOR!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

SÃO JOSÉ, SANTAS, SANTOS E ANJOS, ROGUEM POR NÓS!

POR CRISTO, NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

================

* Após Deus, o Pai amado, chamar minha amada esposa e companheira por 38 anos, 9 meses e oito dias, em 24.09.2017, descobri:

1. Posso comunicar com a minha Frô, pela ORAÇÃO;

2. Posso VER, ESCUTAR, SENTIR a FRÔ (transformada, sem dores, linda, maravilhosa) em meu ser;

3. Ela está vivendo nos braços de Deus (bondosos, vigorosos);

4. Um dia vamos estar juntos;

5. Quando Deus me chamar, quero levar coisas boas para o banquete celeste (amor a Deus e ao próximo).

Dê-nos essa Graça, Pai amado! Dê-nos A GRAÇA! AMÉM! Obrigado, Senhor, por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

================

“Senhor, eu tenho fé. Ajude-me a ter mais fé ainda!” (Mc 9,24)

================

* Ver o blog: https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.