Santas e Santos de 07 de abril

1. Me­mória de São João Bap­tista de la Salle (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, que em Ruão, na Nor­mandia, re­gião da França, se de­dicou com grande di­li­gência à for­mação hu­mana e cristã das cri­anças, prin­ci­pal­mente das mais po­bres, fun­dando para isso a Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs, pela qual su­portou muitas tri­bu­la­ções, tor­nando-se grande be­ne­mé­rito do povo de Deus.  († 1719).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São João Batista de La Salle, que fundou em Reims, sua cidade natal, o Instituto dos Irmãos da Escolas Cristãs, a serviço do ensino popular. Contribuiu para a expansão de sua obra aceitando no silêncio as humilhações sem conta que lhe vieram dos seus mais próximos colabores. (R). Ver página 377: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

– Ver também página 181: VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

Ver “João Batista de La Salle (Reims30 de abril de 1651 – Saint-Yon7 de abril de 1719) foi um sacerdote, pedagogo e pedagogista francês inovador, que consagrou sua vida a formar professores destinados à formação de crianças pobres. Foi fundador de uma congregação religiosa, os Irmãos das Escolas Cristãs, ou Irmãos Lassalistas, dedicada à educação, especialmente dos mais pobres. Em 15 de Maio de 1950 foi declarado patrono de todos educadores, pelo Papa Pio XII.[1] [2]

Foi canonizado pela Igreja Católica. Sua festa litúrgica é comemorada no dia 7 de abril.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Batista_de_La_Salle

– Ver: http://www.irmaosdelasalle.org/sobre-a-congregacao/o-fundador

– Ver: https://www.google.com/search?q=S%C3%A3o+Jo%C3%A3o+Batista+de+La+Salle&oq=S%C3%A3o+Jo%C3%A3o+Batista+de+La+Salle&aqs=chrome..69i57j0l7.6175j0j8&sourceid=chrome&ie=UTF-8

– Ver artigo: https://artigos.wiki/blog/en/Jean-Baptiste_de_La_Salle

– Ver ainda: https://pt.frwiki.wiki/wiki/Jean-Baptiste_de_La_Salle

– Ver também “… Jean-Baptiste de La Salle / l ə s æ l / ( pronunciação francesa: [Lasal] ) (30 abril de 1651 – 07 abril de 1719) foi um francês sacerdote , reformador educacional, e fundador do Instituto dos Irmãos das Escolas Cristãs . Ele é um santo da Igreja Católica e o padroeiro dos professores da juventude. Ele é conhecido como La Salle e De La Salle .

La Salle dedicou grande parte de sua vida à educação de crianças pobres na França ; ao fazer isso, ele iniciou muitas práticas educacionais duradouras. Ele é considerado o fundador das primeiras escolas católicas…”: https://stringfixer.com/pt/St._Jean-Baptiste_de_La_Salle

– Ver a história em quadrinhos de São João Batista de La Salle: http://www.lasalle.edu.br/public/uploads/files/lasallebrasilia/Historia_Quadrinhos_La_Salle.pdf

– Ver também “… 1719 SÃO JOÃO BATISTA DE LA SALLE. Em Rouen, aniversário de São João Batista de la Salle, sacerdote e confessor. Ele se destacou na educação da juventude, especialmente dos pobres, pelo que foi aclamado tanto pela sociedade religiosa quanto pela sociedade civil.

Ele foi o fundador da Sociedade dos Irmãos das Escolas Cristãs. Pio XII, Sumo Pontífice, declarou-o patrono de todos os que ensinam as crianças e os jovens. Sua festa é celebrada no dia 15 de maio (no DIRETÓRIO LITÚRGICO DA CNBBA, 2022, dia 07 de abril).

O fundador do Instituto dos Irmãos das Escolas Cristãs nasceu em Reims em 30 de abril de 1651. Seus pais eram ambos de família nobre. Pelas instruções de uma mãe devota, o menino, João Batista, cedo deu provas de tal piedade que foi designado para o sacerdócio. Recebeu a tonsura quando tinha apenas onze anos e tornou-se membro do capítulo da catedral de Reims aos dezesseis anos em 1670 entrou no seminário de São Sulpício em Paris, sendo ordenado sacerdote em 1678. Um jovem de aparência marcante, bem relacionado, refinado e erudito, ele parecia seguro de uma vida de facilidade digna ou de alta preferência na Igreja. Mas Deus em Sua providência tinha outros desígnios para ele – dos quais ele mesmo não tinha pressentimento, mas em 1679 conheceu um leigo, Adrian Nyel, que viera para Reims com a ideia de abrir uma escola para meninos pobres. { https://en.wikipedia.org/wiki/Adrian_Nyel}

O cônego de La Salle deu-lhe todo o encorajamento e, um tanto prematuramente, duas escolas foram iniciadas. Gradualmente, o jovem cônego tornou-se cada vez mais atraído pelo trabalho e se interessou pelos sete mestres que ensinavam nessas escolas. Ele alugou uma casa para eles, alimentou-os de sua própria mesa e tentou incutir neles os altos ideais educacionais que gradualmente tomavam forma em sua própria mente. Em 1681, embora seus modos grosseiros o repugnassem, ele decidiu convidá-los para morar em sua própria casa para que pudesse tê-los sob sua supervisão constante. O resultado deve ter sido uma grande decepção. Não apenas dois de seus irmãos deixaram sua casa indignados – um passo que ele pode ter antecipado, pois os “apresentadores” eram então classificados com os meninos da maconha e os mascates — mas cinco dos mestres-escola logo partiram, incapazes ou relutantes em submeter-se a uma disciplina pela qual nunca haviam negociado. O reformador esperou e sua paciência foi recompensada. Outros homens de tipo melhor se apresentaram, e estes formaram o núcleo do que viria a ser uma nova congregação. Para acolhê-los, o santo abandonou a casa paterna e mudou-se com eles para um local mais adequado na Rue Neuve. À medida que o movimento se tornou conhecido, começaram a chegar pedidos de fora para mestres-escola treinados no novo método, e de La Salle encontrou seu tempo totalmente absorvido. Em parte, por essa razão, e em parte porque ele percebeu o contraste que seus discípulos faziam entre sua renda oficial garantida e sua própria posição incerta, ele decidiu desistir de seu canonismo.
A próxima questão a considerar era o uso que deveria fazer de sua fortuna particular, que não desejava mais reter para seu próprio uso. Ele deve empregá-lo para a comunidade infantil ou deve doá-lo? Foi a Paris consultar o padre Barré, um santo muito interessado em educação, cujos conselhos o haviam ajudado no passado. 

Padre Barré se opôs fortemente à ideia de doação. “Si vous fondez, vous fondrez” (“Se você doar, você vai afundar”), disse ele, e o santo, após fervorosa oração por luz, decidiu vender tudo o que tinha e distribuir o produto aos pobres – que, naquela época eram de extrema necessidade, pois a fome assolava Champagne. Sua vida a partir desse momento tornou-se ainda mais austera. Ele tinha naturalmente um paladar muito delicado…

[São Nícolas Barré ver 31 de maio Nicolau Barre: “… Em 1675, ele retornou a Paris, onde continuou suas fundações de escolas e comunidades populares. As Mestres das Escolas de Caridade estão agrupadas na rue Saint-Maur de onde partem todos os dias para as várias paróquias de Paris para ensinar meninas. São apelidadas de “damas de (da rua) Saint-Maur”, e hoje são chamadas de Irmãs do Menino Jesus – Nicolas Barré . Ele era o conselheiro de João Batista de La Salle, a quem recomendava “renunciar aos seus bens e viver na pobreza com os professores para ter sucesso com os meninos como as primeiras amantes caridosas o sucederam com as meninas. “…

CITAÇÕES DE São NICOLAS BARRÉ:

  • Aconteça o que acontecer, esteja sempre em paz e confie em Deus, isso será feito a você de acordo com sua fé, sua esperança e sua caridade e muito mais. » Carta 61 (OC p 538) – Máxima de conduta para as amantes número 21 obras completas p.128
  • “Devemos nos concentrar mais em estabelecer o bem ao invés de destruir o mal. Estabelecido o bem, o mal não poderá mais subsistir. » Máxima para a Direção das Almas 17 Obras Completas p.357
  • “Quanto mais estamos unidos a Deus, mais recebemos força de espírito e influência, pois Ele é sua fonte e oceano”. – Carta 27 (OC p 457) …”: https://pt.frwiki.wiki/wiki/Nicolas_Barr%C3%A9_(pr%C3%AAtre)]

Quatro escolas logo foram abertas, mas o grande problema de de la Salle nessa fase era o de formar professores. Eventualmente, ele convocou uma conferência de doze de seus homens, e foi decidido fazer regulamentos provisórios, com um voto de obediência renovável anualmente até que as vocações se tornassem certas. Ao mesmo tempo, foi decidido um nome para os membros da comunidade. Eles deveriam ser chamados de Irmãos das Escolas Cristãs

A primeira prova séria que se abateu sobre eles foi a doença entre os irmãos. De la Salle parece ter atribuído essa visita à sua própria incapacidade de governar e, consequentemente, persuadiu seus discípulos a eleger outro superior. Assim que isso se tornou conhecido, o vigário-geral arcebispal ordenou que ele retomasse seu cargo. Sua sabedoria e sua mão orientadora eram realmente necessárias, pois a pressão externa estava prestes a causar acontecimentos imprevistos na nova congregação — acontecimentos que ampliariam muito seu campo de operação. Até então, os recrutas eram homens adultos, mas agora começavam a receber candidaturas de rapazes com idades compreendidas entre os quinze e os vinte anos. Rejeitar rapazes promissores em uma idade maleável pode significar perdê-los completamente, e ainda assim eles não tinham idade suficiente para serem submetidos a uma regra criada para adultos. De la Salle, em 1685, decidiu então estabelecer um noviciado júnior. Ele hospedou os jovens em uma casa adjacente, deu-lhes uma regra de vida simples e confiou seu treinamento a um irmão sábio, mantendo a supervisão deles ele mesmo. Mas logo apareceu outra classe de candidatos que também, como os meninos, não podia ser recusado e que também precisava ser tratado à parte. Estes eram jovens que foram enviados por seus párocos ao santo com o pedido de que ele os treinasse como mestres-escolas e os enviasse de volta para ensinar em suas próprias aldeias. Ele os aceitou, encontrou-lhes um domicílio, empreendeu seu treinamento e, assim, fundou o primeiro colégio de treinamento para professores, em Reims, em 1687; outros se seguiram, em Paris (1699) e em Saint-Denis (1709). e assim fundou a primeira faculdade de formação de professores, em Reims em 1687; outros se seguiram, em Paris (1699) e em Saint-Denis (1709). e assim fundou a primeira faculdade de formação de professores, em Reims em 1687; outros se seguiram, em Paris (1699) e em Saint-Denis (1709).

Durante todo esse tempo, o trabalho de ensinar os meninos pobres continuou sem parar, embora até então estivesse restrito a Reims. Em 1688 o santo, a pedido do cura de São Sulpício de Paris, assumiu uma escola naquela paróquia. Foi a última das sete escolas gratuitas fundadas por M. Olier, que acabou sendo obrigada a fechar por falta de professores satisfatórios. Os irmãos tiveram tanto sucesso que uma segunda escola foi aberta no mesmo distrito. O controle dessas fundações parisienses foi confiado ao Irmão L’Heureux, um homem talentoso e capaz que de la Salle designou para ser seu sucessor e que ele estava prestes a apresentar para a ordenação. Era sua intenção ter padres em sua instituição para cuidar de cada casa, mas a morte inesperada do irmão L’Heureux o fez duvidar se seu desígnio estava de acordo com a vontade de Deus. Depois de muita oração, ele se deu conta de que, se sua ordem deveria se limitar estritamente ao trabalho de ensino, para o qual havia sido fundada, e permanecer livre de distinções de “casta”, os irmãos deveriam continuar sendo leigos. 

Ele, portanto, estabeleceu o estatuto – talvez a ordenança mais abnegada que poderia ser imposta a uma comunidade de homens – que nenhum Irmão das Escolas Cristãs deveria ser sacerdote, e que nenhum sacerdote deveria se tornar membro da ordemEsse regulamento está em vigor até hoje. para o qual foi fundado, e para permanecer livre de distinções de “casta”, os irmãos devem continuar sendo leigos. 

…  As dificuldades que afetaram a obra durante a ausência do fundador em Paris levaram-no depois a alugar uma casa em Vaugirard para servir de retiro aonde seus filhos pudessem vir para recrutar corpo e espírito; tornou-se também a casa do noviciado. 

Aqui, por volta de 1695, de la Salle redigiu o primeiro rascunho da regra amadurecida, com previsão para a tomada de votos vitalícios. 

Aqui também ele escreveu seu manual sobre a Conduta das Escolas, no qual apresenta o sistema de educação a ser realizado – um sistema que revolucionou o ensino fundamental e é seguido com sucesso nos dias atuais. Substituiu o antigo método de instrução individual pelo ensino em classe e o “método simultâneo”, insistiu no silêncio durante as aulas e ensinou em francês e através do francês – não através do latim

Até então, as escolas abertas pelos irmãos eram todas destinadas a crianças pobres, mas em 1698 uma nova partida foi feita a pedido do rei Jaime II da Inglaterra, então exilado na França. Ele queria um colégio para os filhos de seus adeptos irlandeses e, a seu pedido, o santo abriu uma escola para cinquenta meninos de nascimento gentil. 

Mais ou menos na mesma época ele iniciou para benefício dos jovens da classe de artesãos a primeira “academia dominical”, na qual o ensino mais avançado se combinava com o ensino e os exercícios religiosos, e logo se tornou extremamente popular. e a seu pedido o santo abriu uma escola para cinquenta meninos de nascimento gentil. 

São João Batista de la Salle não pôde realizar todos esses esquemas sem passar por muitas provações. Ele teve decepções e deserções dolorosas entre seus discípulos, e amarga oposição dos professores seculares, que se ressentiam de sua intrusão no que eles consideravam suas reservas especiais. Em certo momento, a própria existência do instituto parece ter sido prejudicada pela ação imprudente de dois irmãos que ocupavam cargos de autoridade. Queixas de severidade indevida em relação aos noviços chegaram ao arcebispo de Paris, que enviou seu vigário geral para fazer investigações. 

Os irmãos por unanimidade exoneram seu superior da culpa no assunto, mas o vigário geral foi preconceituoso e elaborou um relatório desfavorável. O resultado foi que foi dito a São João Batista que se considerasse deposto — um veredicto que ele recebeu sem murmurar. Quando, no entanto, o vigário tentou impor aos irmãos um novo superior – um forasteiro de Lyon – eles exclamaram indignados… Embora o santo depois os tenha induzido a fazer uma submissão formal, a nova nomeação foi permitida, e o fundador permaneceu no comando de sua congregação. 

Um pouco mais tarde, a remoção do noviciado de Vaugirard para instalações maiores dentro de Paris, juntamente com a abertura de novas escolas em conexão com ele, levou a um violento ataque organizado às escolas de Paris, onde os mestres leigos se juntaram aos jansenistas, e por aqueles que, em princípio, opunham-se à educação que não fosse manual para os filhos dos pobres. São João Batista se viu envolvido em uma série de ações judiciais e foi obrigado a fechar todas as suas escolas e casas parisienses. 

[Jansenismo: O jansenismo é uma doutrina religiosa inspirada nas ideias de um bispo de Ypres, Cornelius Otto Jansenius. Wikipédia

… Como movimento tem caráter dogmáticomoral e disciplinar, que assumiu também contornos políticos, e se desenvolveu principalmente na França e na Bélgica, nos séculos XVII e XVIII, no seio da Igreja Católica e cujas teorias acabaram por ser consideradas controversas por esta, desde 16 de outubro 1656, através da bula Ad sacram subscrita pelo papa Alexandre VII.

Defende uma interpretação das teorias de Agostinho de Hipona sobre a predestinação contra as teses tomistas do aristotelismo e do livre-arbítrio.[2]…   Jansenismo – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)]

Por fim, a tempestade cessou, a perseguição terminou tão repentinamente quanto havia começado e, em pouco tempo, os irmãos puderam retomar e até estender seu trabalho educacional na capital.

Em outros lugares, o instituto estava em constante desenvolvimento. 

Já em 1700 o irmão Drolin havia sido enviado para fundar uma escola em Roma, e na França as escolas foram iniciadas em Avignon, Calais, Languedoc, Provence, Rouen e Dijon. 

Em 1705 o noviciado foi transferido para St Yon em Rouen. Ali foi aberto um internato e um estabelecimento para meninos problemáticos, que depois se transformou em um reformatório. 

A partir desses primórdios cresceu a atual organização mundial, a maior ordem de ensino da Igreja, trabalhando desde escolas primárias até faculdades universitárias. 

Em 1717 o fundador decidiu finalmente renunciar; a partir desse momento não dava mais ordens e vivia como o mais humilde dos irmãos. Ele ensinou noviços e internos, para quem escreveu vários livros, incluindo um método de oração mental. São João Batista viveu um período importante da história da espiritualidade na França, e foi influenciado por Bérulle, Olier e a chamada “escola” francesa de Rancé e dos jesuítas, seus amigos Canon Nicholas Roland e o Frei Mínimo Nicholas Barré sendo especialmente influente

Do lado negativo, distinguiu-se por sua forte oposição ao jansenismo, ilustrada positivamente por sua defesa da comunhão frequente e até diária.

 Na Quaresma de 1719 São João Batista sofreu bastante de asma e reumatismo, mas não desistiu de nenhuma de suas austeridades habituais. Então ele sofreu um acidente e gradualmente ficou mais fraco. 

Faleceu na Sexta-feira Santa, 7 de abril de 1719, aos sessenta e oito anos de idade

… O exemplo de São João Batista de la Salle pode levar cada um de nós a se perguntar: “O que fiz para ajudar e encorajar esta obra tão necessária e divina? Que sacrifícios estou disposto a fazer para que a educação cristã de nossos filhos possa continuar apesar de todos os obstáculos e hostilidades que a cercam?” 

A Igreja mostrou seu apreço pelo caráter desse homem, pensador e iniciador de primeira importância na história da educação, canonizando-o em 1900 e dando sua festa a toda a Igreja ocidental; e em 1950 o Papa Pio XII o declarou o patrono celestial de todos os professores.

Não faltam excelentes vidas de São João Batista de Ia Salle, especialmente em francês. O fundamento de tudo é a biografia de JB Blain, o amigo íntimo do santo, que apareceu em 1733. Das obras modernas, a mais importante é provavelmente a de J. Guibert, Historie de St Jean Baptiste de la Salle (1900). Obras mais curtas são as de A. Delaire (1900) na série “Les Saints”, F. Laudet (1929) e G. Bernoville (1944). Em inglês, o esboço de Francis Thompson foi republicado em 1911, e há outras boas biografias, mas o melhor e mais completo trabalho é De la Salle, do Dr. WJ Battersby, vol. (1845), como pioneiro educacional, vol. ii (1950), como santo e escritor espiritual, vol. iii (1950), cartas e documentos.

RESUMO E RECAPITULAÇÃO:

John Baptist de la Salle nasceu em Rheims, França, em 30 de abril. Ele era o mais velho de dez filhos de uma família nobre. Ele estudou em Paris e foi ordenado em 1678. Ele era conhecido por seu trabalho com os pobres. Ele morreu em St. Yon, Rouen, em 7 de abril. Ele foi canonizado pelo Papa Leão XIII em 1900. João estava muito envolvido na educação. Ele fundou o Instituto dos Irmãos das Escolas Cristãs (aprovado em 1725) e estabeleceu escolas de professores (Rheims em 1687, Paris em 1699 e Saint-Denis em 1709). Ele foi um dos primeiros a enfatizar o ensino em sala de aula sobre a instrução individual. Ele também começou a ensinar no vernáculo em vez de em latim. Suas escolas foram formadas em toda a Itália. Em 1705, ele estabeleceu um reformatório para meninos em Dijon.

 João foi nomeado patrono dos professores pelo Papa Pio XII em 1950.

João Batista de la Salle, Sacerdote (RM) Nascido em Reims, França, em 30 de abril de 1651; morreu em Rouen, França, em 7 de abril de 1719; canonizado pelo Papa Leão XIII em 1900; nomeado patrono dos professores pelo Papa Pio XII em 1950; dia de festa anteriormente em 15 de maio.
John-Baptist de la Salle
era o mais velho de dez filhos de uma família rica e nobre. Ele foi destinado ao sacerdócio aos 10 anos, tonsurado no ano seguinte e, na verdade, foi feito cônego da catedral de Reims 11 anos (1667) antes de ser ordenado sacerdote em 1678, após seu treinamento no seminário de Saint Sulpice, em Paris. Ele parecia pronto para uma brilhante carreira eclesiástica, pois era impressionante na aparência, bem relacionado, refinado e erudito. Logo após sua ordenação, no entanto, ele conheceu Adrian Nyel, um leigo que estava abrindo uma escola em Reims para meninos pobres em 1679.

Ele se viu cada vez mais atraído pelo projeto. Primeiro ele alugou uma casa para os sete senhores e os alimentou em sua mesa. Em 1681, ele os convidou a compartilhar sua própria casa, a fim de incutir neles os altos ideais educacionais que se formavam em sua própria mente. Dois de seus próprios irmãos partiram logo depois, depois cinco dos mestres da escola. A tentativa parecia prestes a fracassar.
 Finalmente, João Batista decidiu dedicar-se à missão. Em 1683, ele renunciou ao seu cargo de cônego e distribuiu a herança de sua família para o alívio dos famintos em Champagne. Assim livre de outras obrigações, dedicou-se à educação dos pobres. 

Depois de um falso começo, ele percebeu que o primeiro problema era a provisão de professores, então ele mesmo começou a treinar leigos como professores. Ele chamou os doze jovens que reuniu de “Irmãos das Escolas Cristãs” (que não recebeu a aprovação papal até 1725). A intenção original de La Salle era ter padres em sua instituição para cuidar de cada casa, mas quando seu designado sucessor Irmão L’Heureux, que ele estava prestes a apresentar para a ordenação, morreu inesperadamente, ele duvidou que seu projeto estivesse de acordo com o plano de Deus. Em última análise, quando ele elaborou a regra em 1695, foi decidido que todos eles deveriam ser de fato irmãos leigos e nenhum padre poderia se tornar um irmão cristão. Este trabalho decorreu em simultâneo com a abertura das escolas. 
São João Batista de la Salle estabeleceu os primeiros colégios de professores porque os párocos continuamente lhe enviavam jovens para treinar professores antes de retornar às escolas em suas próprias aldeias. Ele procurou inspirar seus professores com “o amor de um pai por seus alunos, pronto a dedicar todo o seu tempo e energia a eles, tão preocupado em salvá-los da maldade quanto em dissipar sua ignorância. Não havia professores assim para os pobres“.
Em 1688, ele assumiu uma escola gratuita em Paris e iniciou faculdades de formação de professores em Reims (1687), Paris (1699) e Saint-Denis (1709), e estabeleceu um noviciado júnior em 1685 para meninos de 15 a 20 anos. Paris, ele também introduziu as escolas dominicais. Em 1700, os irmãos abriram uma escola em Roma. A essa altura, eles abriram escolas em Avignon, Calais, Languedoc, Provence, Rouen e Dijon.

Em 1698, ele começou a ensinar os filhos daqueles que se exilaram na França com o deposto Rei James II da Inglaterra. Isso colocou suas ideias e técnicas em contato com um setor mais influente da sociedade. 

Ele também foi o primeiro a criar um reformatório para meninos delinquentes em Dijon e até mesmo ensinou prisioneiros. 

Hoje, cerca de 20.000 de seus irmãos, os Irmãos Cristãos, ainda ensinam em todo o mundo.
O crescimento bem-sucedido da nova congregação provocou violenta oposição de professores profissionais e outros. Em 1702, seus inimigos conseguiram expulsá-lo, mas todos os seus professores ameaçaram sair com ele, então João Batista conseguiu manter o controle de seus irmãos.
Seu sistema de educação, delineado em The Conduct of Christian Schools (Conduite des écoles Chretiennes, tradução inglesa, 1935), foi um marco na escolarização dos jovens, com o uso do “método simultâneo” (em oposição à instrução individual) e seu ensino através da língua materna ao invés do latim. João Batista acreditava que ensinar latim aos pobres (como era o costume) era um absurdo. Eles precisavam ser ensinados a escrever e ler sua própria língua, e receber treinamento religioso e vocacional.
Matthew Arnold disse sobre este livro que os trabalhos posteriores sobre o assunto dificilmente melhoraram seus preceitos e não tinham nenhum sentimento religioso. La Salle, que estudou em Saint-Sulpice com Louis Tronson, também escreveu várias obras de valor sobre oração e meditação, incluindo Meditations for Sundays, influenciada por Bérulle.
Mais tarde, estimulado pelos jansenistas, um ataque ao ensino de tudo menos trabalho manual para alunos pobres fez com que suas escolas em Paris fossem fechadas, mas a tempestade diminuiu e elas reabriram.
John-Baptist renunciou em 1717 e retirou-se para Saint Yon, Rouen, onde viveu como o mais humilde dos irmãos. Ele sofria de asma e reumatismo, mas não desistia de nenhuma de suas austeridades habituais. Ele morreu na Sexta-feira Santa em Rouen. Em 1937, suas relíquias foram traduzidas para Roma (Attwater, Battersby, Benedictines, Bentley, Delaney, Farmer, Walsh)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril07.html#1719_ST_JOHN_BAPTIST_DE_LA_SALLE

2.   Co­me­mo­ração de Santo He­ge­sipo (Egesipo), que viveu em Roma no tempo dos papas Ani­ceto e Eleu­tério e es­creveu em lin­guagem sim­ples a his­tória da Igreja, desde a Paixão do Se­nhor até ao seu tempo. († c. 180). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no final do século II, Santo Hegesipo. Chegando a Roma durante o papado de Aniceto II, demorou-se na cidade até o pontificado de Eleutério. Durante sua permanência, escreveu uma história da Igreja, desde a Paixão do Senhor até o seu tempo (M). Ver também páginas 163-164: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver também “Santo Hegésipo (em grego: Ἅγιος Ἡγήσιππος), foi um cronista durante o cristianismo primitivo e que provavelmente era um judeu-cristão[1] e que certamente escreveu contra heresias como o gnosticismo e o marcionismo. A data em que Hegésipo viveu é obtida de maneira insegura através de uma afirmação de Eusébio de que a morte e a apoteose de Antínoo (em 130 d.C.) teria ocorrido quando Hegésipo ainda estava vivo[a], de que ele teria ido a Roma durante o reinado do papa Aniceto (ca. 150 – 168) e teria escrito durante o reinado do papa Eleutério (ca. 174 – 189 d.C.)[2].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Heg%C3%A9sipo

3.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, São Pe­lúsio, pres­bí­tero e mártir. († d. inc.)

4.   Em Pen­tá­polis, na Líbia, os santos már­tires Te­o­doro, bispo, Ireneu, diá­cono, Se­ra­pião e Amónio, leitores. († s. IV)

5.   Em Pom­peió­polis, lo­ca­li­dade da Ci­lícia, na ac­tual Tur­quia, São Ca­liópio, mártir. († s. IV).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no Oriente, a paixão de São Calíopo, crucificado de cabeça para baixo na Sexta-Feira Santa do ano de 304 (M).

 – Ver também “… Máximo, então, ordenou que o crucificassem. E Teoclia, sabendo-o, correu aos carrascos, dando-lhes cinco peças de prata, para que o crucificassem de cabeça para baixo. Morto Caliópio, corria o ano de 304, a mãe, rendendo graças ao Senhor, recebeu-o nos braços. E, abraçando-o, assim morreu, sendo ambos recolhidos por cristãos da cidade e sepultados religiosamente.” às páginas 165-168: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

6.   Em Sí­nope, no Ponto, também na ac­tual Tur­quia, du­zentos santos mártires, soldados. († s. IV).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Sínopo, no Ponto, durante a perseguição de Maximiniano, o martírio de Duzentos Soldados, que se converteram diante dos prodígios realizados no momento em que dois cristãos eram torturados (M).

7.   Em Mi­ti­lene, na ilha de Lesbos, na Grécia, São Jorge, bispo, que, no tempo do im­pe­rador Leão o Ar­ménio, su­portou muitos tor­mentos por de­fender o culto das sa­gradas imagens. († 816)

8*.   Junto ao mos­teiro de Crespin, no Hai­naut, hoje na França, Santo Ai­berto, pres­bí­tero e monge, que todos os dias re­ci­tava na so­lidão, de jo­e­lhos ou pros­trado em terra, todo o Sal­tério, e aos pe­ni­tentes que a ele acor­riam ad­mi­nis­trava a di­vina misericórdia. († 1140).

Ver “Santo Aiberto, confessor” às páginas 176-180: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “… ST AYBERT ou Aibert nasceu em 1060 em Espain, uma aldeia da diocese de Tournai. Desde a infância, seu coração foi totalmente entregue a Deus. À noite, o menino levantava-se da cama e fugia para rezar sem atrair a atenção de seus pais. Um dia, um menestrel errante cantou em sua audição uma canção sobre a vida de um eremita – São Teobaldo de Provins – que havia morrido recentemente. Imediatamente surgiu no coração de Aybert o desejo de imitar o recluso. Ele procurou um padre chamado John, que pertencia à abadia de Crespin, mas que tinha permissão para viver como solitário. Padre John aceitou o jovem como companheiro e juntos viveram uma vida muito austera e penitencial.
O abade de Crespin teve que ir a Roma algum tempo depois e como seus companheiros escolheu os dois eremitas; e a festa partiu descalça. As dificuldades que eles enfrentaram fizeram com que João adoecesse na estrada, mas ele foi tratado pelos bondosos monges de Vallombrosa. Não muito depois de seu retorno, Aybert foi movido por um sonho ou visão para buscar admissão na própria abadia, e por vinte e cinco anos foi procurador e despenseiro, dispensando hospitalidade e bom ânimo aos outros, embora nunca modificando suas próprias austeridades; ele estava sempre feliz e muito alegre. Mas chegou o momento em que sentiu o chamado para voltar à vida solitária que havia abandonado. Com a licença do abade, construiu para si uma ermida num bairro estéril, onde viveu mais vinte e dois anos.
A santidade de Santo Aybert começou a atrair visitantes, que se viram muito ajudados por seus conselhos espirituais e o deram a conhecer a outros. Bispos e leigos, grandes damas e cónegos, eruditos e humildes camponeses acorreram a ele em tal número que o bispo Burchard de Cambrai o promoveu ao sacerdócio, fornecendo-lhe uma capela ao lado de sua cela. Além disso, o Papa Inocêncio II concedeu-lhe permissão para absolver casos reservados – um direito que ele só exercia em circunstâncias excepcionais. Deus coroou a longa penitência de Aybert com uma morte feliz aos oitenta anos de idade.
Uma fase da prática devocional de Aybert é de grande interesse em sua relação com a controvérsia sobre a origem do rosárioEstá registrado que o santo costumava repetir a Ave Maria cinquenta vezes seguidas, acompanhando cada Ave com uma prostração. Uma menção no mesmo contexto de seu hábito de dividir sua recitação de todo o saltério em cinquenta torna a alusão ainda mais significativa.
A biografia latina da qual derivam todas as nossas informações foi escrita por Roberto, arquidiácono de Ostrevant, pouco depois da morte do santo. O texto pode ser consultado mais convenientemente na Acta Sanctorum, abril, vol. eu. Ver também o Biographic nationale de Belgique, vol. eu.

Aibert, ou Aybert, nasceu perto de Tournai, na Bélgica, e entrou no mosteiro beneditino de St. Crespin. Ele permaneceu um monge por vinte e três anos, servindo em várias funções. Ele então se tornou um eremita. Aibert é registrado como celebrando duas missas por dia, uma para os vivos, a segunda para os mortos…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril07.html#1140_St._Aibert_Benedictine_ascetic_monk

9*.   No mos­teiro pre­mons­tra­tense de Stein­feld, na Ale­manha, Santo Her­mano José, pres­bí­tero, que res­plan­deceu pelo seu terno amor para com a Virgem Maria e ce­le­brou com hinos e cân­ticos a de­voção ao di­vino Co­ração de Jesus. († 1241/1252). Ver “Bem-aventurado Hermano José, premonstratense, confessor.” páginas 171-172: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “… 1241 BD HERMAN JOSEPH
ENTRE os místicos alemães dos séculos XII e XIII, o Bd Herman Joseph tem um interesse especial, não tanto por seus escritos, mas por suas visões, que mais tarde foram fonte de inspiração até para poetas e pintores. Herman, para dar-lhe seu nome de batismo, nasceu em Colônia e viveu de seu sétimo ano até sua morte em extrema velhice, aparentemente em contínua relação com os habitantes do céu. Quando menino, ele entrava em uma igreja e conversava familiarmente com Nossa Senhora e o Santo Menino, enquanto se ajoelhava diante de sua estátua. Certa vez, de fato, quando lhes ofereceu uma maçã, teve a alegria de ver a mão de Nossa Senhora estendida para aceitá-la. Às vezes ele era elevado a outro plano e permitido brincar com o Menino Salvador e os anjos; e em um dia de inverno rigoroso, quando ele veio à igreja descalço, seus pais sendo muito pobres, uma voz gentil, que ele supôs ser a da Mãe de Misericórdia, pediu-lhe que olhasse debaixo de uma pedra próxima e ele encontraria dinheiro para comprar sapatos. Ele olhou, e as moedas estavam lá.
Aos doze anos, Herman ofereceu-se ao mosteiro premonstratense de Steinfeld, mas como era jovem demais para receber o hábito, foi enviado para uma das casas da ordem na Frísia para estudar. Ali ele se beneficiava da educação geral que era transmitida, embora deplorasse o tempo gasto com literatura profana, todo estudo lhe parecia inútil se não levasse ao conhecimento de Deus. Terminada a escolaridade, regressou a Steinfeld, onde professou e depois passou a servir os irmãos no refeitório. 

Seus deveres foram cumpridos com exatidão, mas ele ficou perturbado ao descobrir que eles lhe deixavam muito pouco tempo livre para orar. Ele foi tranquilizado por uma visão em que Nossa Senhora lhe disse que ele não podia fazer nada mais agradável a Deus do que servir os outros na caridade. Depois foi promovido a sacristão, ofício segundo o seu coração, porque podia passar a maior parte do dia na igreja. Sua vida era tão irrepreensível e sua inocência tão cândida que ele foi chamado jocosamente de “José” – um apelido que ele modestamente negou até ser confirmado por uma visão na qual, no caráter de um José terreno, ele foi misticamente desposado por Nossa Senhora com um anel. Esta é a cena que Van Dyck pintou em um quadro célebre…

 Não se sabe em que data Herman recebeu a ordenação, mas a oferta do Santo Sacrifício foi para ele um momento de extraordinária exaltação. Muitas vezes ele ficava extasiado e permanecia tanto tempo nessa condição que se tornava cada vez mais difícil encontrar alguém que estivesse disposto a atuar como seu servidor. No entanto, ele ganhou o amor de seus irmãos por sua ânsia de fazer bondade para com os outros.
Visionário como era, tinha um lado prático e, como era um mecânico inteligente, ia de mosteiro em mosteiro ajustando ou consertando os relógios para eles. Diz-se que ele também compôs várias orações, bem como hinos e um ou dois tratados místicos, incluindo um sobre o Cântico dos Cânticos que, embora não tenha chegado até nós, foi muito admirado. Ele também escreveu um hino em homenagem a Santa Úrsula e suas donzelas, cujas relíquias reputadas são veneradas em sua cidade natal e cujo culto ele fez muito para difundir. Por outro lado, os dois livros de revelações sobre suas vidas e morte, às vezes atribuídos a ele, provavelmente são de outra mão; alguns, de fato, alegaram que não passavam de uma piada muito mal pensada.
Em nenhum momento robusto, a saúde de Bd Herman Joseph foi seriamente afetada por seus jejuns e austeridades. Fortes dores de cabeça o atacaram, e sua digestão ficou tão prejudicada que ele não comeu nada e parecia um esqueleto vivo. No entanto, Deus concedeu-lhe um alívio do sofrimento no final, prolongando sua vida por nove anos, e este foi o período de sua principal produção literária. Ele havia sido enviado em 1241 para as freiras cistercienses em Hoven para Passiontide e Páscoa, quando adoeceu com febre da qual nunca se recuperou. 

O processo de canonização de Herman foi introduzido, mas nunca concluído; seu culto, no entanto, foi sancionado com autoridade.
Temos a sorte de possuir uma biografia detalhada de Bd Herman Joseph que foi escrita por um contemporâneo, que se diz ter sido o prior de Steinfeld. Ele é impresso com alguns outros materiais no Acta Sanctorum, abril, vol. eu. Outras adaptações e condensações baseadas nessa vida primXXIi, pág. 583…

RECAPITULANDO:

… Hermann Joseph, O. Praem. (AC)
Nasceu em Colônia, Alemanha, em 1150; morreu em Steinfeld, 7 de abril de 1241
; equivalentemente canonizado pelo Papa João XXIII em 1960. Seu nome de batismo, Hermann, era adequado para significar ‘vir honorabilis, vir exercitus’. No início da vida, Hermann se imaginava como um belo cavaleiro e a Virgem seria sua bela dama. Ele tinha a força física de um cavaleiro e sua capacidade de trabalho era excepcional.
Hermann era supostamente tão bonito e charmoso quanto São Norberto, que fundou a ordem em que Hermann entrou. Ele era de porte nobre, aparência calma, digno e reservado – mestre de si mesmo. No entanto, seu rosto traiu sua extrema sensibilidade. Seus olhos gentis emitiam ‘pequenas faíscas’ de acordo com aqueles que o conheciam. Ele tratou seu corpo como um cavaleiro trata seu cavalo: ele o dominou sem brutalidade.
E sua mente era tão sólida quanto seu corpo. Hermann era de inteligência moderada, mas cultivava sua mente metodicamente. Aos 7 anos ele começou a estudar literatura e ganhou uma apreciação por escritores antigos. No entanto, ele sentiu que seu tempo estava mais bem ocupado. Por mais severo que pudesse ser consigo mesmo, Hermann mantinha uma cortesia para com os outros que dava provas irrefutáveis ​​de que ele permanecia na presença de sua Senhora.
Hermann era um asceta e um poeta. Sua devoção precoce à Virgem foi inspirada pela poesia e pela cortesia. A criança era frequentemente vista absorta em meditação diante da imagem de Maria; ele falou com seu Filho espontaneamente. Talvez Deus o tenha abençoado assim porque sua alma se derretia em terno amor quando ele se lembrava da encarnação, e ele se arrebatava sempre que recitava o cântico Benedictus nas Laudes. 

Um dia ele trouxe comida para simbolizar uma oferenda e a imagem da Virgem estendeu a mão para aceitar seu presente. Em outra ocasião, essa familiaridade lhe permitiu brincar com Jesus e São João. O equilíbrio mental do jovem Hermann nos proíbe de rejeitar essas visões encantadoras. Essas visões contínuas que ele experimentou o tornaram famoso em toda a Alemanha.
Aos 12 anos, Hermann decidiu abandonar o mundo e entrar no mosteiro de Steinfeld, fundado em 920. Entre 1121 e 1126, foi ocupado por cônegos premonstratenses. As autoridades do mosteiro decidiram que Hermann deveria completar seus estudos na escola da ordem na Frísia antes de ser admitido. Com sua educação completa, Hermann retornou a Steinfeld e recebeu tarefas domésticas, como servir à mesa.

Logo Hermann recebeu uma missão que o encantou: foi nomeado sacristão, o que lhe permitiu conciliar arte e piedade. A comunidade logo o empregou também para ministrar às freiras cistercienses em um convento próximo. Até o dia de sua morte, ele deveria ter um carinho especial por este ministério.
Mas Hermann também era um asceta. Sujeitou-se a mortificações que o temperamento de seu artista não podia suportar adequadamente. O afrouxamento de seus músculos foi acompanhado por um enfraquecimento de seus nervos.
Hermann dormia em um sofá duro por pouco tempo todas as noites. Depois de manter vigília até a primeira braçada das Matinas (cerca de 3h), ele se jogava na prancha e se levantava na terceira braçada (6h) para as Laudes. Pão e água eram os pratos habituais deste jovem nervoso e ele fazia todas as suas viagens a pé. À medida que envelheceu, os sintomas que surgiram foram agravando-se: problemas intestinais, náuseas, dores que se espalhavam por todo o corpo, desmaios e fadiga extrema que engendrou manifestações psicastênicas leves: um medo irracional de esquecer uma partícula da Hóstia, ou uma gota do Preciosíssimo Sangue, no altar ou na barba.
Mas o equilíbrio espiritual de Hermann preservou sua estabilidade apesar de seus distúrbios físicos. O cavaleiro ferido devia conservar intacta a sua alma no centro das maravilhas, cujo curso devia continuar sem interrupção.
Hermann Joseph passou por uma provação final antes de ser libertado de seu corpo torturado. Sem dúvida, foi a única provação espiritual desse tipo que ele já experimentou: aranhas e moscas assustadoras pareciam invadir sua cela. A presença de um padre dissipou o pesadelo e Hermann Joseph morreu em paz.
De acordo com seus desejos, ele foi enterrado no convento cisterciense em Hoven. Seu corpo foi exumado após sete semanas e devolvido a Steinfeld. Uma investigação inquisitorial foi ordenada em 1628, e o corpo foi encontrado em perfeito estado de conservação. O processo de canonização de Hermann nunca foi concluído, mas ele foi beatificado.
Os exercícios espirituais de Hermann Joseph, como ele os chamava, eram surpreendentemente modernos. Os cinco poemas que dedicou à Virgem e a Jesus, que parecem ter pertencido a uma devoção privada, foram preservados. Ele também escreveu um comentário sobre a “Canção das Canções”, que é o único romance da corte lido pelos místicos. Ele também tinha uma devoção especial a Santa Úrsula.

Deveríamos nos surpreender que o monge que cantou os louvores da Rosa também foi o primeiro a cantar os louvores do Sagrado Coração? Ao cantar os louvores do Sagrado Coração, Hermann Joseph não separou o coração de Maria e o de seu Filho, a Sabedoria incriada da qual ela era o vaso de honra e seu receptáculo mais perfeito. Assim como a Cruzada havia estabelecido o culto do Santo Sepulcro, ou seja, do sepulcro vazio e de Cristo Ressuscitado, Hermann Joseph também não propôs a adoração do órgão interno sangrento que deveria marcar, de maneira às vezes inquietante, o revelações particulares de Margaret-Mary Alacoque. A cantora do Sagrado Coração honrou o órgão da ternura, o Santo Graal.
A maioria das relíquias de Hermann repousa em um altar titular em Steinfeld, onde os padres peregrinos rezam uma missa votiva em sua homenagem. Pequenas porções de suas relíquias foram entregues a várias outras igrejas. Alguns são consagrados e expostos à veneração pública Antuérpia, Louvain e Colônia. O imperador Fernando II solicitou sua canonização em Roma e ofereceu várias provas de milagres para esse fim (Benedictines, Encyclopedia, Husenbeth).
Na arte, São Hermann é retratado como um jovem Premonstratense (hábito branco) com três rosas. Às vezes ele pode ser mostrado (1) carregando o Menino Jesus e um ramo de rosas; (2) com um cálice do qual brotam rosas; (3) ajoelhar-se diante da Virgem, que lhe toca a mão e lhe dá uma maçã; ou (4) como um estudante com uma caneta, um livro e um tinteiro (Roeder). Ele ainda é venerado em Colônia, Steinfeld e Países Baixos (Husenbeth, Roeder).

”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril07.html#1241_St._Herman_Joseph

10.   Em York, na In­gla­terra, Santo Hen­rique Wal­pole, da Com­pa­nhia de Jesus, e o Beato Ale­xandre Ra­wlins, pres­bí­teros e már­tires, que, no rei­nado de Isabel I, foram presos e cru­el­mente ator­men­tados por causa do seu sa­cer­dócio e, fi­nal­mente, con­du­zidos ao pa­tí­bulo, en­for­cados e di­la­ce­rados, al­can­çaram a coroa eterna. († 1595)

– Ver “… 1595 St. Henry Walpole missionário jesuíta 1/40 Mártires da Inglaterra e País de Gales. b. 1558. Ele nasceu em Docking, Norfolk, Inglaterra, e foi educado em Cambridge e Day’s Inn. Convertido ao catolicismo, foi para Roma onde ingressou nos jesuítas em 1584. Ordenado em 1588, Henrique foi enviado para York, na Inglaterra, onde foi preso e martirizado. Foi beatificado em 1929 e canonizado em 1970.
Henry Walpole, SJ M (RM) Nasceu em Docking, Norfolk, Inglaterra, em 1558; morreu em 7 de abril de 1595; beatificado em 1929; canonizado como um dos Quarenta Mártires da Inglaterra e País de Gales em 1970 pelo Papa Paulo VI.
Saint Henry
estudou em Norwich, Cambridge (Peterhouse), e direito no Gray’s Inn. Ele se reconciliou com a Igreja quando testemunhou a execução de São Edmundo Campion (1581). Ele imediatamente parou de estudar direito para estudar teologia em Reims.
Henrique entrou na Companhia de Jesus em Roma, em 1584, e foi ordenado lá quatro anos depois, após completar seus estudos no Colégio inglês.
Ele foi enviado em missões para Lorraine e, em 1589, enquanto atuava como capelão das tropas espanholas na Holanda, foi preso pelos calvinistas em Flushing por um ano. Quando liberado, lecionou em Sevilha e Valladolid, na Espanha. A partir daí, Henry se envolveu em atividades missionárias na Flandres e, em 1593, foi enviado para a missão inglesa.
Preso quase no desembarque, ele foi preso por um ano em York e depois na Torre de Londres, submetido a inúmeras torturas, e depois condenado por traição por seu sacerdócio em York, onde foi enforcado, arrastado e esquartejado com o Beato Alexander Rawlins . (um padre secular) (Benedictines, Delaney)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril07.html#1595_St._Henry_Walpole_Jesuit_missionary

11.   Em Wor­cester, também na In­gla­terra, os be­atos már­tires Edu­ardo Old­corne, pres­bí­tero, e Ro­dolfo Asley, re­li­gioso, ambos da Com­pa­nhia de Jesus, que exer­ceram clan­des­ti­na­mente du­rante muitos anos o mi­nis­tério apos­tó­lico, até que, sob a acu­sação falsa de con­jura contra o rei Jaime I, foram in­tro­du­zidos no cár­cere, tor­tu­rados e fi­nal­mente di­la­ce­rados ainda vivos. († 1606)

12.   Na Co­chin­china, no ac­tual Vi­etnam, São Pedro Nguyen Van Luu, pres­bí­tero e mártir, que, no tempo do im­pe­rador Tu Duc, foi con­de­nado à pena ca­pital e morreu com ale­gria no patíbulo. († 1861)

13*.   Em Don­gerkou, lo­ca­li­dade da China, a Beata Maria As­sunta Pallotta, virgem das Irmãs Fran­cis­canas Mis­si­o­ná­rias de Maria, que, ocu­pando-se dos ser­viços hu­mildes, levou uma vida sim­ples e oculta pelo reino de Cristo. († 1905)

14. Santo Afraates, solitário. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Santo Afrato, anacoreta, filho de persas convertidos. No tempo do imperador Valêncio, confirmou diversos cristãos na fé na divindade do Verbo. Ver páginas 160-162: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “Afraates ou Afrates (em grego: Aφραάτης; romaniz.: Aphraates; em persa: فرهاد; romaniz.: Aphrahat e em siríaco: ܐܦܪܗܛ) foi um ermitão de origem persa do século IV, que esteve ativo na Mesopotâmia e Síria durante o reinado do imperador Valente (r. 365–378) e talvez de Teodósio (r. 378–395). Sua vida é conhecida somente pelo relato de Teodoreto, que teria sido levado quando garoto para visitar o eremita em Antioquia e foi abençoado pelo mesmo.[1]”:  https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Afraates_(ermit%C3%A3o)

15. Bem-Aventurado Eberardo, confessor. Ver “…Com a espôsa, de comum acôrdo, deixou o século e abraçou a vida religiosa. Eberardo tomou o hábito no mosteiro de Todos os santos e Ita no convento de Santa Inês.”, às páginas 169-170: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

16. Bem-aventurada Ursulina, (25 de março de 1347, em Florença, Itália; morreu lá em 29 de abril de 1380, também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem. Ver páginas 173-175: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “… 1410 B. Ursulina mística acostumada a visões e êxtases tentou acabar com os escândalos do “Cativeiro Babilônico”, (ou CATIVEIRO DE AVIGNON)

{CATIVEIRO DE AVIGNON: O Papado de Avinhão, conhecido também como “Cativeiro de Avignon” ou ”Papado de Avignon”, diz respeito a um período da história do papado e da Igreja Católica, compreendido entre 1309 e 1377, quando a residência do papa foi alterada de Roma para Avinhão. Wikipédia

Em 1377 a residência do papa foi transferida de volta para Roma por Gregório XI, que faleceu um ano depois, enquanto um papa rival era eleito em Avinhão. Houve um período de controvérsia entre 1378 e 1414 ao qual escolásticos católicos se referem como o “Cisma Papal”, ou, “A grande controvérsia dos AntiPapas” (também chamado “o segundo Grande Cisma” ou Grande Cisma do Ocidente por muitos historiadores protestantes ou seculares), quando facções da igreja católica se dividiram quanto aos vários pretendentes a Papa. O Concílio de Constança, em 1414 resolveu finalmente esta controvérsia, desmantelando os últimos vestígios do papado de Avinhão.}

[GRANDE CISMA: Grande Cisma do OcidenteCisma Papal ou simplesmente Grande Cisma foi uma crise religiosa da Igreja Católica que se estendeu de 1378 a 1417.

Entre 1309 e 1377, a residência papal mudara-se de Roma para AvinhãoFrança. Isto porque, em 1309, o Papa Clemente V havia sido forçado, pelo rei francês Filipe o Belo, a residir em Avinhão.

A população italiana desejava que o papado fosse restabelecido em Roma. Em 1378, o Papa Gregório XI voltou a Roma, onde morreu. Foi então eleito Urbano VI, de origem italiana mas, por se demonstrar excessivamente autoritário, acabou por desagradar uma parte considerável do Colégio dos Cardeais, que decidiu então anular a eleição e realizar um novo conclave, quando foi eleito Clemente VII, que se estabeleceu em Avinhão. No entanto, Urbano VI permaneceu em Roma. Iniciava-se assim o Grande Cisma: o Papa, em Roma, e o Antipapa, em Avinhão – ambos reclamando para si o poder sobre a Igreja Católica. Posteriormente, surgiria ainda um outro Antipapa, em Pisa.

O Cisma só seria resolvido no Concílio de Constança, em 1417, quando o papado foi definitivamente restabelecido em Roma…: Grande Cisma do Ocidente – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)]


1410 BD URSULINA, VIRGEM desfrutou de visões celestiais / experiências místicas, aos quinze uma voz sobrenatural várias vezes a mandou ir a Avignon implorar a renúncia de Clemente VII ao papado.
Das mulheres intrépidas que fizeram nobres esforços para acabar com os escândalos do “Cativeiro Babilônico” de Avignon e do Grande Cisma que se seguiu, não menos corajosa, embora certamente a mais jovem, foi Bd Ursulina de Parma. Desde os dez anos, ela havia desfrutado de visões celestiais e experiências místicas, e quando tinha quinze anos uma voz sobrenatural várias vezes a convidou a ir a Avignon para instar com Clemente VII a renunciar à sua reivindicação ao papado.
Uma visão que lhe foi concedida no dia da Páscoa decidiu seu propósito. Com duas companheiras, além da mãe, que a acompanhou em todas as viagens seguintes, a menina fez a penosa travessia dos Alpes e conseguiu mais de uma vez uma audiência com Clemente. Seus esforços para persuadi-lo foram infrutíferos, ela voltou para Parma, mas quase imediatamente seguiu para Roma, onde entregou uma mensagem semelhante ao verdadeiro papa, Bonifácio IX. 

[Bonifácio IX, nascido Piero Tomacelli, (Casarano, ca. 1356 — Roma1 de outubro de 1404) foi um papa eleito a 2 de Novembro de 1389 que reinou até à sua morte. Com sede em Roma, o seu pontificado foi marcado pela oposição dos antipapas de Avinhão e pelo Grande Cisma do Ocidente. Durante o seu pontificado foram celebrados dois jubileus em Roma: o primeiro em 1396, ordenado pelo seu antecessor Urbano VI, e o segundo para celebrar o ano de 1400 atraiu milhares de peregrinos à cidade.: https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_Bonif%C3%A1cio_IX  ]

Bonifácio IX a recebeu graciosamente e parece tê-la encorajado a fazer outra tentativa de conquistar seu rival. Em seguida, ela empreendeu uma segunda expedição a Avignon, sem melhor sucesso do que antes. De fato, desta vez ela foi separada de sua mãe, foi acusada de feitiçaria e escapou por pouco de um julgamento. Outra viagem a Roma foi seguida por uma peregrinação um tanto perigosa à Terra Santa. Se ela e sua mãe esperavam se estabelecer em Parma no retorno, estavam fadadas ao desapontamento, pois a guerra civil eclodiu na cidade e eles foram expulsos. Eles foram para Bolonha e depois para Verona, onde Bd Ursulina parece ter feito seu lar até sua morte aos trinta e cinco anos.
Nossa informação vem quase inteiramente da vida latina de Simon Zanachi, um cartuxo de Parma. Está impresso na Acta Sanctorum, abril, vol. eu. Uma adaptação popular foi publicada por HM Garofani em 1897, Vita e Viaggi della B. Orsolina di Parma.

… RECAPITULANDO:

Beata Ursulina de Bolonha V (AC) Nasceu em Parma, Itália, em 1375; morreu em Verona, Itália, em 1410. Ursulina era muito parecida com Santa Catarina de Sena (Nasceu em Siena, Itália, em 25 de março de 1347, em Florença, Itália; morreu lá em 29 de abril de 1380). Ela era uma mística acostumada a visões e êxtases. Aos 15 anos, em resposta a uma voz sobrenatural, Ursulina tentou acabar com os escândalos do “Cativeiro Babilônico” de Avignon visitando o antipapa Clemente VII para persuadi-lo a desistir do trono. Sem sucesso, ela foi a Roma para pedir ao Papa Bonifácio IX que renunciasse e depois voltou para pedir a Clemente. Depois de uma peregrinação a Roma e à Terra Santa, ela voltou para casa e escapou por pouco de ser queimada como feiticeira durante uma guerra civil em Parma. Ela fugiu para Bolonha, onde viveu por um tempo antes de se retirar para Verona (Benedictines, Delaney, Encyclopedia )…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril07.html#1410_Bl._Ursulina_mystic_accustomed_to

17. São Guilherme de Scicli. Lembrado na Folhinha do Coração de Jesus.

– Ver “Guilherme Cufitella era um terceiro franciscano que se tornou eremita nas imediações de Scicli na Sicília, e passou cerca de 70 anos em sua pequena cela, entregue à oração e a mortificações severíssimas. Vivia de hortaliças que cultivava em seu jardim e de pequena porção do que os fiéis lhe traziam. Raras vezes saía do eremitério, exceto para visitar e socorrer os doentes pobres pelos quais tinha grande compaixão, ou para atender ao serviço da capela de Nossa Senhora da Piedade, contígua à sua cela e que fora confiada a seus cuidados. Muita gente ia visitá-lo à procura de direção e orientação para sua vida espiritual. Uma amizade muito estreita unia-o a um outro santo solitário, o Beato Conrado de Piacenza (ver 19 de fevereiro), que vinha de Pizzoni passar a Quaresma em sua companhia.
O Beato Guilherme contava 95 anos de idade quando morreu. O povo de Scicli, ao ouvir o toque dos sinos, acorreu apressado e encontrou o ancião morto de joelhos, mãos postas em oração e cercado de raios de uma luz celeste. A cidade, que posteriormente o fez seu protetor em ação de graças por tê-la preservado da peste, ainda celebra sua festa. Seu culto foi aprovado em 1537.

Bem-aventurado Guillermo de Scicli, rogai por nós!”: https://ofsbc.wordpress.com/2015/04/06/bem-aventurado-guillermo-de-scicli/

18. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 888, São Gilberto, abade de Luxeuil, morto com seus companheiros religiosos pelos bárbaros, por haver se recusado a renegar sua fé cristã e o ideal de vida monástico (X).

– Ver “… 888 São Gibardo abade beneditino de Luxeuil martirizado e seus monges durante a invasão dos hunos na França, durante um período de muita agitação na região. Fugindo, Gibardus e seus monges foram capturados e mortos.
Gibardus de Luxeuil, OSB Abade (AC) (também conhecido como Gibert) Abade Gibardus de Luxeuil foi assassinado durante a invasão dos hunos. Ele e seus monges fugiram da abadia para as montanhas dos Vosges, mas os bárbaros os encontraram e os mataram. Gibardus é venerado em Martinville nos Vosges (Benedictines, Encyclopedia) …”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril07.html#888_St._Gibardus_Benedictine_abbot_of

19. Outras Santas e Santos do dia 07 de abril: págs. 160-183 (vol.6): VIDAS DOS SANTOS – 6.pdf (obrascatolicas.com)

Obs. Às vezes entra com o Edge, mas mais com  Google chrome,.

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

 * “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 07 de abril, ver também: 7 de abril – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Todas da internet, foram consultadas no dia de hoje)

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 309-311: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril07.html

(este site mostra os santos do dia, em inglês. Tradução Google)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEM DADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, SANTAS/OS E ANJOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

================

* PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PARA E PELO E PARA O SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS, AMADO PAI, CORAGEM DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES SEDUTORAS, DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS A DOCILIDADE DAS OVELHAS! SOBRETUDO, DÊ-NOS A GRAÇA! PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

================

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA, ESCREVA-NOS:

barpuri@uol.com.br

================

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

================

  * “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

================

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu só lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

================

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

================

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível”.

================

* 17 de janeiro: Santo Antão, ou Antônio

Oração: “Santo Antônio, você falou da importância de perseverar em nossa fé e nossa prática. Ajude-nos a acordar a cada dia com um novo zelo pela vida cristã e um desejo de enfrentar o próximo desafio em vez de apenas ficar parado. Amém!”

================

* 19 de janeiro, São Macário. “… A oração não requer muitas palavras. sobre você, você só precisa dizer: “SENHOR, TEM MISERICÓRDIA!” O Senhor sabe o que é útil para nós e nos concede misericórdia.”… Se você deseja ser salvo, seja como um morto. Não fique com raiva quando insultado (ou provocado), nem orgulhoso quando elogiado.” E ainda: “Se a calúnia (e a provocação) é como o louvor para você, a pobreza como a riqueza, a insuficiência como a abundância, então você não perecerá.“…

================

* 04 de fevereiro, SANTO ANDRÉ CORSINI: “Ele trabalhou arduamente para subjugar suas paixões por meio de humilhações extremas, obediência até mesmo à última pessoa na casa, pelo silêncio e oração (HUMILHAR-SE, OBEDECER, SILENCIAR, REZAR)”.

================

* 10 de fevereiro, SÃO JOSÉ SÁNCHEZ DEL RIO “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio)

================

* 14 de fevereiro, SÃO JOÃO BATISTA DA CONCEIÇÃO GARCIA Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

================

* 14 de março, Albert Einstein:Deus Todo-Poderoso não joga dadosDiante de Deus somos todos igualmente sábios – igualmente tolos!

================

* 15 de março: São Clemente-Maria Hoffbauer: “Ó Meu Redentor, chegará aquele terrível momento em que restarão poucos cristãos inspirados pelo espírito de fé, aquele momento em que Sua indignação será provocada e Sua proteção será tirada de nós? Nossos vícios e nossas vidas más moveram irrevogavelmente Sua justiça a se vingar, talvez neste mesmo dia, de Seus filhos para não deixar que a luz da fé se apague nas almas?
“Lembre das antigas misericórdias, volta os olhos compassivos para a vinha plantada com a sua destra, regada pelas lágrimas dos Apóstolos, pelo sangue precioso de inúmeros mártires, e fecundada pelas orações de tantos confessores e virgens inocentes.
“Ó divino Mediador, olhe para aquelas almas zelosas que elevam seus corações ao Senhor e oram sem cessar pela manutenção desse seu dom mais precioso, a Verdadeira Fé. Mantenha-nos seguros na verdadeira fé católica e romana. Preserve-nos em sua santa fé, pois se formos ricos com este dom precioso, suportaremos com prazer todas as tristezas e nada poderá mudar nossa felicidade. Sem este grande tesouro da fé, nossa infelicidade seria indizível e sem limites.
“Ó Bom Jesus, Autor da nossa fé, conservai-a pura em nós; guardai-nos na barca de Pedro, fiel e obediente ao seu sucessor, e Vosso vigário aqui na terra, para que se mantenha a unidade da santa Igreja, a santidade promovida, a Santa Sé protegida em liberdade e a Igreja universal estendida em benefício das almas.
“Ó Jesus, Autor da nossa fé, humilha e converte os inimigos da Sua Igreja; conceda verdadeira paz e concórdia a todos os reis e príncipes cristãos e a todos os crentes; fortalece-nos e preserva-nos no Seu santo serviço até ao fim, para que vivamos com o Senhor e morramos no Senhor.

“Ó Jesus, Autor de nossa fé, deixe-nos viver pelo Senhor e morrer pelo Senhor. Amém.”

================

* 15 de março, SANTA LUÍSA DE MARILLAC “… SEDE DILIGENTES NO SERVIÇO AOS POBRES . . . AMEM OS POBRES, HONREM-NOS, MEUS FILHOS, COMO VOCÊS HONRARIAM O PRÓPRIO CRISTO”

================

* 21 de março, SÃO NICOLAU DE FLUE: “Salve, ó Mãe de toda pureza, virgem imaculada, Mãe de toda misericórdia e Mãe de nosso Salvador; venho rogar-lhe que interceda por um pobre pecador junto ao seu Divino Filho, para que me conceda Sua santa Graça. O inimigo implacavelmente me persegue e me ataca. Você uma vez esmagou a cabeça da serpente ao dar à luz nosso Salvador – ajude-me a superar suas artimanhas e enganos. Você é meu refúgio. Por que você me afastaria? …

Não, ó Virgem graciosa! Você virá em meu socorro e o inimigo será derrotado. Amém!São Nicolau relatou que nunca invocou Maria em vão e que sempre sentiu visivelmente os efeitos de sua proteção.”

================

* 21 de março, SÃO SERAPIÃO DE THMUIS A mente é purificada pelo conhecimento espiritual (ou pela santa meditação e oração), as paixões espirituais da alma pela caridade e os apetites irregulares pela abstinência e penitência… (regra resumida da perfeição cristã – que São Serapião repetia muitas vezes) … “Nossos corpos podem se tornar instrumentos do bem ou do mal, dependendo da disposição do coração; tanto os homens justos quanto os ímpios são frequentemente mudados para o outro tipo….”

(conf. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch21.html#370_St._Serapion_the_Scholastic_Bishop)

================

* 05 de abril, SÃO VICENTE FERRER “Faça o que fizer, não pense em si mesmo, mas em Deus…

Você deseja estudar a seu favor? Deixe a devoção acompanhar todos os seus estudos, e estude menos para se tornar um sábio do que para se tornar um santo.

 Consulte a Deus mais do que seus livros, e peça-Lhe, com humildade, que faça você entender o que lê.

O ESTUDO CANSA E ESGOTA A MENTE E O CORAÇÃO. VÁ DE VEZ EM QUANDO, PARA REFRESCÁ-LOS, AOS PÉS DE JESUS CRISTO SOB SUA CRUZ. REPOUSE ALI.

Alguns momentos de repouso em suas chagas sagradas dão novo vigor e novas luzes.

Aplique-se por orações curtas, mas fervorosas e jaculatórias.

Nunca comece ou termine seu estudo, sem ser pela oração.

A ciência é um dom do Pai das luzes“.

================

* 06 de abril: São Zeferino Agostini

Fundou a Pia União das Irmãs Devotas de Santa Ângela Merici…

Dizia a elas: “Não se assustem com o trabalho ou o sofrimento, nem com o fruto escasso de seu trabalho. Lembrem-se de que Deus recompensa não pelos resultados, mas pelo esforço.” (L’Observattore Romano). 

Ele sabia que sua primeira prioridade era desenvolver seu relacionamento com Deus por meio da oração pessoal, porque Deus era a fonte de sua alegria e poder para fazer o bem…

================

* 21 de maio, PADRE MANOEL E COROINHA ADÍLIO “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio)

================

* 31 de maio, São NICOLAS BARRÉ, citações:

  • ACONTEÇA O QUE ACONTECER, ESTEJA SEMPRE EM PAZ E CONFIE EM DEUS, ISSO SERÁ FEITO A VOCÊ DE ACORDO COM SUA FÉ, SUA ESPERANÇA E SUA CARIDADE E MUITO MAIS. » Carta 61 (OC p 538) – Máxima de conduta para as amantes número 21 obras completas p.128
  • “DEVEMOS NOS CONCENTRAR MAIS EM ESTABELECER O BEM AO INVÉS DE DESTRUIR O MAL. ESTABELECIDO O BEM, O MAL NÃO PODERÁ MAIS SUBSISTIR. » Máxima para a Direção das Almas 17 Obras Completas p.357
  • “QUANTO MAIS ESTAMOS UNIDOS A DEUS, MAIS RECEBEMOS FORÇA DE ESPÍRITO E INFLUÊNCIA, POIS ELE É SUA FONTE E OCEANO”. – Carta 27 (OC p 457)

================

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…” Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém! http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

================

* 15 de setembro, SANTA CATARINA DE GÊNOVA “… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

“Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carne … Santa Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”:

================

* 21 de outubro, SANTO AGATÃO “… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar

================

*          27 de outubro SANTO ABRAÃO, ERMITÃO “… A PAIXÃO VIVE; APENAS ESTÁ REPRIMIDA… ESTÁ APENAS PRESA… AS PAIXÕES VIVEM, APENAS SÃO REPRIMIDAS PELOS SANTOS (COM A GRAÇA DE DEUS!) …”.  SANTAS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS PARA QUE POSSAMOS REPRIMIR AS PAIXÕES. PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA DE REPRIMIR AS PAIXÕES. Santo Abraão, rogue por nós! Amém!”, conforme páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2019.pdf

================

* ORAÇÃO DO ANO DE SÃO JOSÉ “PATRIS CORDE”

Salve, guardião do Redentor

e esposo da Virgem Maria!

A vós, Deus confiou o seu Filho;

em vós, Maria depositou a sua confiança;

convosco, Cristo tornou-Se homem.

Ó Bem-aventurado José, mostrai-vos pai também para nós

e guiai-nos no caminho da vida.

Alcançai-nos graça, misericórdia e coragem,

e defendei-nos de todo o mal. 

Amém!

(Conforme < https://radio.cancaonova.com/sao-jose-do-rio-preto/oracao-ano-de-sao-jose/ >)

================

* PAI, ABRACE-NOS!

JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS ENCHA E NOS UNA NO AMOR!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

SÃO JOSÉ, SANTAS, SANTOS E ANJOS, ROGUEM POR NÓS!

POR CRISTO, NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

================

* Após Deus, o Pai amado, chamar minha amada esposa e companheira por 38 anos, 9 meses e oito dias, em 24.09.2017, descobri:

1. Posso comunicar com a minha Frô, pela ORAÇÃO;

2. Posso VER, ESCUTAR, SENTIR a FRÔ (transformada, sem dores, linda, maravilhosa) em meu ser;

3. Ela está vivendo nos braços de Deus (bondosos, vigorosos);

4. Um dia vamos estar juntos;

5. Quando Deus me chamar, quero levar coisas boas para o banquete celeste (amor a Deus e ao próximo).

Dê-nos essa Graça, Pai amado! Dê-nos A GRAÇA! AMÉM! Obrigado, Senhor, por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

================

“Senhor, eu tenho fé. Ajude-me a ter mais fé ainda!” (Mc 9,24)

================

* Ver o blog: https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.