Santas e Santos de 08 de abril – atualização

9.   Em Namur, junto ao rio Mosa, no Bra­bante, na ac­tual Bél­gica, Santa Júlia Bil­liart (também na Folhinha do Coração de Jesus de 08 de abril e em 2021 na Folhinha do Coração de Jesus de 13 de maio), virgem, que fundou o Ins­ti­tuto de Santa Maria para a for­mação da ju­ven­tude fe­mi­nina e pro­pagou ar­do­ro­sa­mente a de­voção ao Sa­grado Co­ração de Jesus. († 1816)

Ver páginas 209-212: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

Ver tambémMaria Rosa Júlia Billiart (CuvillyPicardia12 de julho de 1751 — Namur8 de abril de 1816) foi uma santa católica, beatificada pelo Papa Pio X em 13 de maio 1906 e canonizada por Paulo VI 22 de junho de 1969. Fundadora da Congregação de Notre Dame de Namur, é festejada em 8 de abril.: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/J%C3%BAlia_Billiart

– Ver: “…St. Julie (Julia) Billiart nasceu em 1751 e morreu em 1816. Quando criança, brincar de “escola” era o jogo favorito de Julie. Aos dezesseis anos, para ajudar no sustento da família, começou a ensinar “de verdade”. Ela se sentou em um palheiro durante o recesso do meio-dia e contou as parábolas bíblicas aos trabalhadores. Julie manteve esta missão de ensinar ao longo de sua vida, e a Congregação que ela fundou continua seu trabalho.
Julie era a quinta de sete filhos. Ela frequentou uma pequena escola de um quarto em Cuvilly. Ela gostava de todos os seus estudos, mas era particularmente atraída pelas aulas de religião ministradas pelo pároco. Reconhecendo algo “especial” em Julie, o padre secretamente permitiu que ela fizesse sua primeira comunhão aos nove anos, quando a idade normal naquela época era treze. Aprendeu a fazer orações mentais curtas e a desenvolver um grande amor por Jesus na Eucaristia.
Uma tentativa de assassinato contra seu pai chocou gravemente seu sistema nervoso. Começou um período de saúde extremamente precária para Julie, que duraria trinta anos. Durante vinte e dois desses anos ela ficou completamente paralisada. Todos os seus sofrimentos e dores ela ofereceu a Deus. 
Quando eclodiu a Revolução Francesa, Julie ofereceu sua casa como esconderijo para sacerdotes leais. Por causa disso, Julie se tornou uma presa caçada. Cinco vezes em três anos ela foi forçada a fugir em segredo para evitar comprometer seus amigos que a estavam escondendo. 
Neste momento ela teve o privilégio de receber uma visão. Ela viu seu Senhor crucificado cercado por um grande grupo de religiosas vestidas com um hábito que ela nunca tinha visto antes. Uma voz interior lhe disse que essas seriam suas filhas e que ela iniciaria um instituto para a educação cristã de meninas. Ela e uma jovem rica fundaram as Irmãs de Notre Dame de Namur. Em Amiens, as duas mulheres e alguns companheiros começaram a viver uma vida religiosa em 1803. Em 1804, Julie foi milagrosamente curada de sua doença e andou pela primeira vez em 22 anos. Em 1805, Julie e três companheiros fizeram a profissão e os votos perpétuos. Foi eleita Madre Geral da jovem Congregação.
Em 1815, a mãe expôs sua saúde cada vez mais precária, cuidando dos feridos e alimentando os famintos deixados pela batalha de Waterloo. Nos últimos três meses de sua vida, ela novamente sofreu muito. Ela morreu pacificamente em 8 de abril de 1816 aos 64 anos de idade. Julie foi beatificada em 13 de maio de 1906 e canonizada pelo Papa Paulo VI em 1969…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril08.html#1816_St._Julie_Billiart_vision_of

12. São Perpétuo, Bispo e Confessor. Ver páginas 191-196: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%206.pdf

– Ver “… ST PERPETUUS, BISPO DE Tours (c. AD 494)
ST PERPETUUS sucedeu Eustochius no bispado de Tours. Durante os trinta anos ou mais em que governou a diocese, trabalhou arduamente para difundir a fé católica, impor a disciplina e regular os jejuns e festas a serem observados em sua sé. Entre outras provisões, um terceiro dia de jejum – provavelmente segunda-feira – deveria ser observado semanalmente desde a festa de São Vlartin até o dia de Natal. Isso é interessante por mostrar a antiguidade da observância do Advento. São Gregório de Tours, escrevendo cento e vinte anos depois, diz que esses regulamentos ainda eram mantidos em seu tempo. São Perpetuus tinha uma grande veneração por São Martinho de Tours , em cuja honra ele ampliou ou reconstruiu a basílica que leva seu nome. Como a igreja que São Britius tinha erguido sobre o túmulo de São Martinho era muito pequena para acomodar a multidão de peregrinos, o bispo fez com que suas relíquias fossem traduzidas com grande solenidade para o novo edifício em sua consagração por volta do ano 491 que levou quase vinte e dois anos para ser construído.

Diz-se que a morte do santo foi acelerada pela dor das invasões dos godos e da disseminação do arianismo. Cerca de quatorze ou quinze anos antes, ele teria feito um testamento, ainda existente, que, se genuíno, seria de considerável interesse. Nela, ele professa perdoar todas as dívidas que lhe são devidas e então liberta seus servos, tendo legado à sua igreja sua biblioteca, além de várias fazendas, e estabelecido um fideicomisso para a manutenção de lâmpadas e a compra de vasos sagrados, declara os pobres seus herdeiros. Começa: “Em nome de Jesus Cristo, amém. Eu, Perpétuo, um pecador, sacerdote da igreja de Tours, não partiria sem uma última vontade e testamento para que os pobres não fossem enganados … minha alegria, pobres de Cristo, necessitados, mendigos, doentes, viúvas e órfãos, a vós nomeio e faço meus herdeiros. De tudo o que possuo, exceto as coisas especialmente atribuídas acima, dos meus campos, pastagens, bosques, vinhas, casas, jardins, águas, moinhos, do meu ouro, prata e vestes vos constituo meus herdeiros.” À sua irmã Fidia Julia Perpetua ele deixa uma pequena cruz de ouro com relíquias,

 É lamentável ter que acrescentar que este documento, aceito como genuíno por d’Achéry, por Hensehenius na Acta Sanctorum, por Alban Butler, e mesmo pelo Dicionário de Biografia Cristã em 1887, é uma fabricação vergonhosa perpetrada por Jerome Vignier em o século XVII. Pode servir apenas para ilustrar a necessidade de um exame rigidamente crítico de nossas fontes hagiográficas em todos os períodos da história.

Para a vida de Perpetuus ver o Acta Sanctorum, abril, vol. eu ; e cf. a Analecta  Bollandiana , vol. xxxviii (1920), pp. 121-128, com Duchesne, Fastes Episcopaux , vol. ii, pp. 300-301. No suposto consultará Havet,Bliothêque de l’Ecole des Chartes,  vol. xlvi (1885), pp. 207-224. O epitáfio, que também recebeu reconhecimento imerecido, é igualmente uma falsificação.
RESUMO:

Perpetuus de Tours B (RM) Morreu em 30 de dezembro de 490, ou 8 de abril de 491. Perpetuus, nascido de uma família senatorial, tornou-se bispo de Tours c. 460. Ele dedicou os rendimentos de suas propriedades ao socorro dos necessitados. Os pobres, está registrado, foram seus herdeiros (embora aparentemente este testamento tenha sido uma falsificação do século XVII): deixou-lhes pastagens, bosques, vinhas, casas, jardins, moinhos de água, ouro, prata e suas roupas.
Ele também venerava seu grande predecessor São Martinho, o soldado que havia cortado seu manto em dois e dado metade a um mendigo. Martinho foi enterrado em uma basílica em Tours e Perpetuus reconstruiu e ampliou este belo edifício para abrigar os inúmeros peregrinos que acorreram ao seu túmulo.
Cento e vinte anos depois, São Gregório de Tours menciona que Perpétuo decretou que todas as pessoas em sua diocese deveriam jejuar às quartas e sextas-feiras, exceto em algumas festas da igreja. Ele também declarou várias segundas-feiras no ano cristão como jejuns, particularmente no tempo que se tornou o Advento. Tão grande foi a influência de Perptuus que esses jejuns ainda estavam sendo observados na diocese de Tours mais de um século após sua morte. E tão poderosa era a sua memória que, 13 séculos após a sua morte, alguns falsários desconhecidos redigiram um testamento falso para o santo, declarando: “Vós, meus caríssimos irmãos, minha coroa, minha alegria, isto é, pobres de Cristo, necessitados, mendigos, doentes, viúvas e órfãos, eu nomeio e decreto para ser meus herdeiros”. 

Na arte, São Perpétuo é um bispo que dirige a construção de uma igreja. Às vezes, os doentes podem ser mostrados sendo curados em seu túmulo ou enquanto suas relíquias são transportadas em procissão (Roeder)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayApril08.html#494_St._Perpetuus_Bishop_of_Rours

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.