Santas e Santos de 23 de fevereiro

Me­mória de São Po­li­carpo (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo e mártir, ve­ne­rado como dis­cí­pulo de São João e úl­tima tes­te­munha da época apos­tó­lica, que, no tempo dos im­pe­ra­dores Marco An­to­nino e Lúcio Au­rélio Có­modo, sendo quase no­na­ge­nário, foi lan­çado às chamas di­ante do procônsul e de todo o povo no an­fi­te­atro de Es­mirna, na pro­víncia da Ásia, na ac­tual Tur­quia, dando graças a Deus Pai porque Se dignou contá-lo no nú­mero dos már­tires e tomar parte no cá­lice de Cristo. († c. 155). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Policarpo, bispo, martirizado em Esmirna, Ásia Menor, perto de 155. Segundo o testemunho de Santo Irineu, “ele tinha conversado com São João Evangelista e com outros que haviam conhecido o Senhor” e podia “falar daquilo que havia sabido, através deles, de Sua doutrina e de Seus milagres”. Amarrado ao poste de uma fogueira, deu graças ao Pai por comungar do cálice do Senhor, e ressuscitar para a vida eterna da alma e do corpo na incorruptibilidade do Espírito Santo. (R). Ver páginas 175-189: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Policarpo_de_Esmirna

2.   Em Sír­mium, hoje Sremska Mi­tro­vica, na Pa­nónia, ac­tu­al­mente na Sérvia, São Si­reno ou Si­nero (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Sereno), mártir, um jar­di­neiro que, de­nun­ciado por uma mu­lher cuja con­duta lu­xu­riosa ele re­pre­en­dera e preso pelo juiz, con­fessou ser cristão e, re­cu­sando-se a sa­cri­ficar aos deuses, morreu decapitado. († c. 307). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Sírmium, às margens do Danúbio, São Sereno (ou Sinero), no ano da graça de 307. Vivia na solidão, santificando seu trabalho manual com orações e  penitências, até ser preso e decapitado por causa de sua fé. (M)

3.   Em Wen­lock, na In­gla­terra, Santa Mil­burga, virgem e aba­dessa do mos­teiro do lugar, que era da li­nhagem real da Mércia, na ac­tual Inglaterra. († c. 722). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Inglaterra, no ano da graça de 722, Santa Milburga, virgem. Nascida de família principesca, tomou o véu juntamente com suas duas irmãs no mosteiro de Wenlock, do qual se tornou abadessa e onde foi cumulada de favores místicos por Deus. (M). Ver “Na Inglaterra, Santa Milburga, virgem e abadessa, filha do rei de Mercia, Merovaldo, e da rainha Ermemburga. Irmã de Mildrede e Mildgith, santas também, foi a fundadora do convento de Wenlock. Conta-se dela que, penalizada com a amargura de uma viúva muito pobre, que vinha de perder o único filho, ressuscitou-o. Morta em 622, muitos milagres se realizaram à beira da sua sepultura, em Wenlock.” página 392: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

4*.   Em Mo­gúncia, na Fran­cónia da Ger­mânia, na ac­tual Ale­manha, São Vi­li­giso, bispo, in­signe pelo seu zelo pastoral. († 1011)

5.   Em Stilo, na Ca­lá­bria, re­gião da Itália, São João, que se fez monge na ob­ser­vância dos Pa­dres ori­en­tais e me­receu ser cha­mado Te­riste ou Cei­feiro, porque, mo­vido pela sua imensa ca­ri­dade para com os ne­ces­si­tados, pres­tava es­pe­cial au­xílio aos segadores. († s. XI f.)

6*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato Ni­colau Ta­bouillot, pres­bí­tero e mártir, que, sendo pá­roco, foi preso du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa por causa do seu sa­cer­dócio e fi­nal­mente morreu vi­ti­mado pela do­ença num hos­pital da cidade. († 1795)

7*.   Em Bilbau, no País Basco, re­gião da Es­panha, a Beata Ra­faela Ibarra de Vilallonga, mãe de sete fi­lhos, que, com o as­sen­ti­mento do es­poso, emitiu os votos re­li­gi­osos e fundou o Ins­ti­tuto das Irmãs dos Anjos da Guarda, des­ti­nado a pro­teger as jo­vens e ori­entá-las no ca­minho dos pre­ceitos do Senhor. († 1900)

8*.   Em Roma, a Beata Jo­se­fina Van­níni (Ju­dite Ade­laide Van­níni), virgem, que fundou a Con­gre­gação das Fi­lhas de São Ca­milo para a as­sis­tência aos enfermos. († 1911)

9*.   Em Poznam, na Po­lónia, o Beato Luís Mzyk, pres­bí­tero da So­ci­e­dade do Verbo Di­vino e mártir, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da sua pá­tria por se­quazes de uma ne­fasta dou­trina hostil à dig­ni­dade hu­mana e à fé cristã, foi as­sas­si­nado pelos guardas do quartel mi­litar, dando tes­te­munho de Cristo até à morte. († 1942)

10*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, perto de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Vi­cente Frelichowski, pres­bí­tero, que, du­rante a mesma guerra, nos vá­rios cár­ceres em que andou de­por­tado nunca de­sistiu do fervor da fé nem do mi­nis­tério pas­toral e, atin­gido pela en­fer­mi­dade con­traída na as­sis­tência aos do­entes, de­pois de longos so­fri­mentos chegou fi­nal­mente à visão da paz eterna. († 1945)

11. Em Todi, Santa Romana (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, tendo sido batizada pelo papa São Silvestre, levou uma vida celestial nas grutas e cavernas, e se tornou célebre pelos milagres. Ver pág. 393:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

12. Na Ásia Menor, São Lázaro, monge. Famoso por seus talentos artísticos, foi perseguido e até mutilado durante a perseguição iconoclasta, mas usou sua influência junto à imperatriz Teodora para fazer triunfar a paz (conforme Martirológio Romano-Monástico-M).

-São Lázaro – Monge e confessor. Um dos padroeiros dos pintores. Ver págs. 389-390:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, São Veterino, discípulo de S. Martinho de Tours. Libertou o Anjou da idolatria, lá introduzindo a luz do Evangelho. (M)

14. Santa Marta de Astorga, virgem e mártir. Ver páginas 384-385: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

15. São Dositeu – Monge e confessor. Ver págs. 386-388: http://obrascatolicas.com/livros/biografia/vidas%20dos%20santos%20-%203.pdf

16. Outros santos do dia 23 de fevereiro: págs. 371-393: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-v%203.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 23 de fevereiro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/23_de_fevereiro

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.