Santas e Santos de 20 de março

OBSERVAÇÃO:

20 de Março costuma também ser o dia do EQUINÓCIO. Na astronomia, o equinócio é definido como o instante em que o Sol, em sua órbita aparente, como vista da Terra, cruza o equador celeste (a linha do equador terrestre projetada na esfera celeste). Há o EQUINÓCIO DA PRIMAVERA no hemisfério norte, e o EQUINÓCIO DO OUTONO no hemisfério sul. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Equin%C3%B3cio

1.   Co­me­mo­ração de Santo Ar­quipo, com­pa­nheiro do após­tolo São Paulo, que o men­ciona nas suas epís­tolas a Fi­lémon e aos Colossenses. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Arquipo

2.   Em An­ti­o­quia, na Síria, ac­tu­al­mente na Tur­quia, os santos Paulo, Ci­rilo e outro, mártires. († data inc.)

3*.   Em Metz, na Gália Bél­gica, hoje na França, Santo Ur­bício, bispo. († c. 450)

4*.   Em Braga, ci­dade da Ga­lécia, hoje em Por­tugal, São Mar­tinho, bispo, oriundo da Pa­nónia, na ac­tual Hun­gria. A sua me­mória ce­lebra-se em Por­tugal, jun­ta­mente com a dos santos bispos Fru­tuoso e Ge­raldo, no dia cinco de Dezembro. († c. 579). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 580, São Martinho de Braga. Originário da Panônia, atual Hungria, levou vida monástica na Palestina, de onde chegou à Península Ibérica. Eleito arcebispo de Braga, exerceu uma duradoura influência pastoral através de seus escritos, em particular a Pregação aos camponeses. (M). Ver também páginas 184-185: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

– Ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Martinho_de_Dume

5.   Na ilha de Farne, na Nor­túm­bria, na ac­tual In­gla­terra, o pas­sa­mento de São Cut­berto, bispo de Lin­dis­farne, que no seu mi­nis­tério pas­toral res­plan­deceu pela mesma di­li­gência an­te­ri­or­mente de­mons­trada no mos­teiro e no ermo, e con­se­guiu con­ci­liar pa­ci­fi­ca­mente a aus­te­ri­dade e modo de viver dos Celtas com os cos­tumes romanos. († 687). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Inglaterra, no ano da graça de 687, o retorno para Deus de São Cutberto. Tendo entrado para o mosteiro de Melrose, de tradição irlandesa, foi mandado para a abadia de Lindisfarne, de observância beneditina e de rito romano. Apóstolo infatigável, foi convocado para o episcopado, cujas funções logo deixou para retornar à vida solitária. (M). Ver também às páginas 168-170: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf 

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Cuteberto

6.   No mos­teiro de Fon­te­nelle, na Nêus­tria, ac­tu­al­mente na França, a de­po­sição de São Vul­frano, que, sendo monge, foi eleito bispo de Sens e se de­dicou a levar ao povo dos Fri­sões a men­sagem evan­gé­lica; fi­nal­mente, re­gressou ao mos­teiro de Fon­te­nelle, onde morreu em paz. († c. 700). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, cerca do ano de 700, São Wulfrano. Filho de um oficial do exército de Clóvis II, abandonou a corte após a morte de seu pai e doou suas terras à abadia de Fontenelle. Em 628 foi nomeado para a Sé episcopal de Sens, de onde partiu para evangelizar a Frísia, onde obteve a conversão do chefe local. (M). Ver também sobre São Volfrão àspáginas 181-183: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

7.   Co­me­mo­ração de São Ni­cetas, bispo de Apo­lónia, na Ma­ce­dónia, que foi exi­lado pelo im­pe­rador Leão o Ar­ménio por de­fender o culto das sa­gradas imagens. († 733). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no Oriente, no ano do Senhor de 783, São Niceta, bispo, que morreu no exílio por ter defendido a doutrina das santas imagens. (M)

8.   Na laura de São Sabas, na Pa­les­tina, a paixão dos santos vinte monges, que du­rante a in­cursão dos Sar­ra­cenos mor­reram su­fo­cados pelo fumo na igreja da Mãe de Deus. († 797)

9*.   Em Sena, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, o Beato Am­brósio Sansedóni, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores, dis­cí­pulo de Santo Al­berto Magno, que, apesar da sua emi­nente sa­be­doria e pre­gação, pro­cedeu sempre com a maior sim­pli­ci­dade para com todos. († 1287). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1286, o Bem-Aventurado Ambrósio, da Ordem dos Pregadores. Depois de ter seguido em Paris e em Colônia as lições de Santo Alberto Magno, percorreu a Alemanha pregando a doutrina cristã, morrendo em Sena, na Toscana. (M). Ver também às páginas 171-178: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

10.    Em Praga, na Boémia, ac­tu­al­mente na Ché­quia, São João Ne­po­mu­ceno, pres­bí­tero e mártir, que, pela de­fesa da Igreja so­freu a per­sis­tente per­se­guição do rei Ven­ceslau IV e, de­pois de muitos tor­mentos e atro­ci­dades, foi lan­çado vivo ao rio Mol­dávia. († 1393). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Nepomuceno

11*.   Em Mântua, na Lom­bardia, re­gião da Itália, o Beato Bap­tista Spag­nóli, pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas, que res­ta­be­leceu a paz entre os prín­cipes e re­formou a sua Ordem, da qual foi no­meado, contra o seu de­sejo, su­pe­rior geral. († 1516)

12*.   Em Flo­rença, na Etrúria, ac­tu­al­mente na Tos­cana, re­gião da Itália, o Beato Hi­pó­lito Ga­lan­tíni, que fundou a Ir­man­dade da Dou­trina Cristã e tra­ba­lhou ar­do­ro­sa­mente na for­mação ca­tequé­tica dos po­bres e dos humildes. († 1619). Ver também páginas 179-180: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

13*.   Em Ernée, lo­ca­li­dade do ter­ri­tório de Mayenne, na França, a Beata Joana Verón, virgem e mártir, que se en­tregou ao cui­dado das cri­anças e dos en­fermos e, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por ter ocul­tado sa­cer­dotes aos per­se­gui­dores, foi morta ao fio da espada. († 1794)

14*.   Em Tar­ra­gona, na Es­panha, o Beato Fran­cisco de Jesus Maria e José (Fran­cisco Palau Quer), pres­bí­tero da Ordem dos Car­me­litas Des­calços, que no seu mi­nis­tério su­portou graves per­se­gui­ções e, acu­sado in­jus­ta­mente, foi man­dado para a ilha de Ibiza e aí aban­do­nado a si mesmo du­rante vá­rios anos. († 1872)

15.   Em Bilbau, no País Basco, re­gião da Es­panha, Santa Maria Jo­sefa do Co­ração de Jesus (Maria Jo­sefa Sancho de Guerra), virgem, fun­da­dora da Con­gre­gação das Irmãs Servas de Jesus, que ori­entou es­pe­ci­al­mente para o cui­dado dos en­fermos e dos pobres. († 1912)

16*.   Em L’viv, na Ucrânia, São José Bilczewski, bispo, que se de­dicou com ar­dente ca­ri­dade à edi­fi­cação dos cos­tumes e à for­mação dou­trinal do clero e do povo e, no tempo da guerra, so­correu por todos os meios os po­bres e os necessitados. († 1923). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/J%C3%B3zef_Bilczewski

17. Em Amiso na Paflagônia, as sete santas mulheres, Alexandra (também na Folhinha do Coração de Jesus), Claudia, Eufrásia, Matrona, Juliana, Eufêmia, Teodósia (também na Folhinha do Coração de Jesus)que sofreram a morte pela fé. Foram seguidas de duas outras mulheres, Santa Derfuta e sua irmã. Ver página 187: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

18. Santa Alexandra de Roma.Alexandra teria sido a esposa do imperador Diocleciano e uma cristã em segredo. Quando ele ordenou que São Jorge fosse torturado, ela teria ido até a arena e se curvado perante o sanbto, professando abertamente sua fé. O imperador ficou transtornado com o ato da esposa e com os muitos que se converteram ao testemunharem os milagres e a paciente resiliência de Jorge, ordenando que ambos fossem decapitados. Alexandra aceitou serenamente sua sentença e rezava enquanto os guardas a levavam para o local de sua execução. No caminho, ela pediu para descansar um momento e os guardas permitiram. Encostada na parede de um edifício, ela silenciosamente entregou sua alma para Deus e faleceu em 21 de abril de 303. Dois dias depois, São Jorge foi decapitado”. Ver 21 de abril. Obs. Tem ligação com São Jorge (23 de abril). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Alexandra_de_Roma

19. Beato Battista Mantovano. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Battista_Mantovano

20. Beato Francisco Palau. Ver também 07 de novembro. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Francisco_Palau

21. Outros santos do dia 20 de março: págs. 168-187 (vol.5): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%205.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 20 de março, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/20_de_mar%C3%A7o

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 270-273: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.