Santas e Santos de 08 de fevereiro

1. São Je­ró­nimo Emiliano (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, de­pois de uma ju­ven­tude vi­ru­lenta e li­cen­ciosa, quando foi en­car­ce­rado pelos ini­migos se con­verteu a Deus. De­pois de­dicou-se to­tal­mente, com ou­tros com­pa­nheiros con­gre­gados na mesma in­tenção, a todas as ví­timas da mi­séria, so­bre­tudo aos ór­fãos e aos en­fermos; foi o início da Con­gre­gação dos Clé­rigos Re­grantes de So­masca. Ata­cado de­pois pela peste no con­tacto com esses do­entes, morreu em So­masca, perto de Bér­gamo, na Lom­bardia, re­gião da Itália. († 1537). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de Milão, em 1537, São Jerônimo Emiliano. Tocado de maneira es pecial pela miséria dos órfãos, das mulheres perdidas e das crianças abandonadas, fundou para socorrê-los a Congregação dos Somascos, a partir do nome da cidadezinha onde a congregação se originara. Morreu de peste que contraiu cuidando dos infelizes atingidos pelo mal. (R). Ver “Jerónimo Emiliano (em latimGerolamo EmilianiVeneza1481 — Somasca8 de fevereiro de 1537) é um santo da Igreja Católica.[1]É o fundador da Ordem dos Clérigos Regulares de Somasca, destinada a socorrer as crianças órfãs e as pobres.

Canonizado em 1767, foi nomeado pelo Papa Pio XI padroeiro dos órfãos e dos jovens abandonados.[2]

Sua festa é comemorada no dia 8 de fevereiro e em 20 de julho no calendário romano tradicional.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Jer%C3%B3nimo_Emiliano

– Ver também: páginas 183-194: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

2. Santa Jo­se­fina Bakhita (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, que, sendo na­tural da re­gião de Darfur, no Sudão, foi rap­tada ainda cri­ança e, ven­dida vá­rias vezes nos mer­cados afri­canos de es­cravos, su­portou as as­pe­rezas cruéis da es­cra­vidão. Fi­nal­mente li­berta, tornou-se cristã e re­li­giosa em Ve­neza, com as Fi­lhas da Ca­ri­dade, e passou o resto da sua vida em Cristo, pres­tando au­xílio a toda a gente, em Schio, ci­dade da pro­víncia de Vi­cenza, na Itália. († 1947). Ver “O nome “Bakhita”, que significa “afortunada”, “sortuda” ou “bem-aventurada”, não lhe foi dado ao nascer mas lhe foi atribuído pelos raptores. Foi capturada e vendida por mercadores de escravos negros no mercado de El Obeid e de Cartum ao cônsul da Itália no Sudão, D. Calixto Legnani, que logo lhe deu uma carta de liberdade. No período de escravidão, Bakhita sofreu as humilhações, sofrimento físico, psicológico e moral dos escravos… Faleceu no convento canosiano de Schio, em 1947, com a idade de 78 anos; foi enterrada no começo na capela de uma família de Schio, os Gasparella, provavelmente na espera de um sepultamento definitvo no Templo da Sagrada família. E assim foi em 1969, quando o corpo encontrado incorrupto de Bakhita foi sepultados sob o altar da Igreja do mesmo convento.

Foi beatificada em 1992 e canonizada em Roma, pelo Papa João Paulo II, em outubro de 2000.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Josefina_Bakhita

3.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, a co­me­mo­ração de Santa Quinta ou Cointa, mártir, a quem os pa­gãos, no tempo do im­pe­rador Décio, qui­seram obrigar a adorar os ídolos; tendo ela fir­me­mente re­cu­sado, ataram-lhe os pés em ca­deias e, ar­ras­tando-a pelas praças da ci­dade, di­la­ce­raram-na num hor­rível suplício. († 249)

4.   Em Pavia, na Li­gúria, re­gião da Itália, São Ju­vêncio (também na Folhinha do Coração de Jesus) ou Evêncio, bispo, que tra­ba­lhou ar­du­a­mente pelo Evangelho. († 397)

5.   Co­me­mo­ração dos santos már­tires monges do mos­teiro de Die, em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, que, pela de­fesa da fé ca­tó­lica, ao le­varem cartas do papa Félix III contra Acácio, foram cru­el­mente assassinados. († c. 485)

6*.   Na Bre­tanha Menor, ac­tu­al­mente na França, São Ja­cuto, abade, con­si­de­rado como irmão dos santos Vin­valeu e Guet­noco, que cons­truiu junto ao mar um mos­teiro que de­pois foi de­sig­nado com o seu nome. († s. VI). Ver página 11: VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

7.   Em Milão, na Lom­bardia, re­gião da Itália, o se­pul­ta­mento de Santo Ho­no­rato, bispo, que, pe­rante a imi­nente in­vasão dos Lom­bardos, salvou grande parte do povo, con­se­guindo re­fúgio em Génova. († c. 570)

8*.   Em Be­sançon, da Bor­gonha, ac­tu­al­mente na França, São Ni­cécio, bispo. († c. 610)

9.   Em Verdun, na Gália, também na ac­tual França, São Paulo, bispo, que, tendo abra­çado a vida mo­nás­tica, foi de­pois eleito bispo desta ci­dade, onde pro­moveu a dig­ni­dade do culto di­vino e a ob­ser­vância re­gular dos cónegos. († c. 647). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VII, São Paulo, bispo. Depois de ter exercido diversos cargos civis na corte de Clóvis II, e de em seguida ter levado vida monástica por algum tempo, foi chamado para o serviço da Igreja de Verdun, preocupando-se em assegurar uma vida digna a seu clero carente e em fazer observar o domingo por seus fiéis. (M). Ver páginas 111-113: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

10*.   Em Al­bano, no Lácio, re­gião da Itália, o Beato Pedro, de­no­mi­nado o Ígneo por ter pas­sado ileso pelo fogo, que foi monge de Va­lum­brosa e de­pois bispo de Al­bano, tra­ba­lhando ar­do­ro­sa­mente para re­novar a dis­ci­plina eclesiástica. († 1089). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1089, São Pedro, beneditino de Valumbrosa que, tornando-se bispo e cardeal, deu seguimento aos esforços de São Gregório Magno em combater a simonia e restabelecer a disciplina no clero. (M). Ver páginas 114-115: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

– Ver “Pedro Igneus foi um monge beneditino italiano da congregação das Vallombrosians, abade e bispo de Albano cardeal. Ele é muitas vezes referido como um membro da família Aldobrandini mas esta denominação familiares não é atestada nas fontes contemporâneas.”: Pedro Igneus – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

11.   Em Muret, no ter­ri­tório de Li­moges, na Aqui­tânia, re­gião da França, Santo Es­têvão, abade, fun­dador da Ordem de Grand­mont, que atri­buiu aos clé­rigos o louvor di­vino e a con­tem­plação, con­fi­ando a ad­mi­nis­tração das ta­refas tem­po­rais à ca­ri­dade dos ir­mãos leigos. († 1124). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1124, Santo Estevão de Muret, eremita, que esteve na origem da Ordem de Grandmont, no Limousin, cujas estruturas comunitárias eram direcionadas à vida solitária. Segundo seu biógrafo, “ele seguiu por suas palavras e atos o Evangelho de Cristo, que é a verdadeira e única Regra de vida”. (M). Ver páginas 108-110: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

12*.   Em Sa­vi­gliano, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, a Beata Jo­se­fina Ga­briela Bonino, virgem, que fundou a Con­gre­gação re­li­giosa da Sa­grada Fa­mília de Na­zaré, para a edu­cação dos ór­fãos e a as­sis­tência aos en­fermos pobres. († 1906)

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 08 de fevereiro, em Roma, em 1213, São João de Matha. Nascido na Provença, estudou em Paris, onde recebeu formação sacerdotal, fundando depois a Ordem dos Trinitários para o resgate dos cativos cristãos (conforme Martirológio Romano-Monástico, M).Ver páginas 101-107: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

Ver 17 de dezembro: Em Roma, no monte Célio, São João da Mata (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, de origem fran­cesa, que fundou a Ordem da San­tís­sima Trin­dade para a Re­denção dos Cativos. († 1213). Ver “A festa, por decisão do papa Inocênc1o XI, celebra-se a 8 de fevereiro.” páginas 329-330: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

– Ver “Após a morte de seu amigo eremita (Felix de Valois), João retirou-se para Roma, onde faleceu em 17 de dezembro de 1213.[4]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Jean_de_Matha

– Ver “João de Matha (23 de junho de 1160, Faucon-de-BarcelonnetteFrança – RomaItália, 17 de dezembro de 1213) foi um monge francês, fundador juntamente com São Félix de Valois, da Ordem da Santíssima Trindade (também conhecida como a Ordem Trinitária).[1]”: Jean de Matha – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver também “A Ordem dos Trinitários cresceu tanto que seu fundador teve de construir várias outras casas comunitárias, tamanha era a solicitação para o ingresso. João da Mata morreu santamente, no dia 17 de dezembro de 1213. O papa Inocêncio XI elevou à honra dos altares são João da Matha, cuja celebração foi estabelecida para o dia de sua morte.”: https://franciscanos.org.br/vidacrista/calendario/sao-joao-da-mata/#gsc.tab=0

14. No mesmo dia, em Roma, os santos mártires Paulo, Lúcio e Ciríaco (também na Folhinha do Coração de Jesus), conforme pág. 117: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%203.pdf

15. Outros santos do dia 08 de fevereiro, páginas 101-118: VIDAS DOS SANTOS – 3.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 08 de fevereiro, ver ainda: 8 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 190-192:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, VOSSO FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.