Santas e Santos de 24 de maio

24 DE MAIO: DIA DE ORAÇÃO PELA CHINA

Conforme o DIRETÓRIO DA LITURGIA da CNBB para 2021, dia 24 de maio, por determinação do Papa Bento XVI, DIA DE ORAÇÃO PELA CHINA

– Ver também “…19. Caríssimos Pastores e todos os fiéis, o dia 24 de Maio, dedicado à memória litúrgica da Bem-aventurada Virgem Maria, Auxílio dos Cristãos — que é venerada com tanta devoção no santuário mariano de Shesham em Shanghai —, poderia tornar-se no futuro ocasião para os católicos de todo o mundo se unirem em oração com a Igreja que está na China

Desejo que tal data seja para vós uma jornada de oração pela Igreja na China. Exorto-vos a celebrá-la renovando a vossa comunhão de fé em Jesus Nosso Senhor e de fidelidade ao Papa, rezando a fim de que a unidade entre vós seja cada vez mais profunda e visível. Lembro-vos também o mandamento que Jesus nos deu de amar os nossos inimigos e rezar por aqueles que nos perseguem, bem como o convite do Apóstolo São Paulo: « Recomendo-vos antes de tudo que se façam súplicas, orações, petições e acções de graças por todos os homens: pelos soberanos e por todas as autoridades para que tenhamos vida tranquila e sossegada, com toda a piedade e honestidade. Isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Senhor, que deseja que todos os homens se salvem e conheçam a verdade » (1 Tm 2,1-4) …”: http://www.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/letters/2007/documents/hf_ben-xvi_let_20070527_china.html

– Ver ainda “Nota explicativa CARTA DE BENTO XVI AOS CATÓLICOS DA CHINA
(27 de Maio de 2007) … Do texto destacam-se dois pensamentos fundamentais: por um lado, um profundo afecto a toda a comunidade católica na China e, por outro, uma apaixonada fidelidade aos grandes valores da tradição católica no campo eclesiológico; por conseguinte, uma paixão pela caridade e também pela verdade. O Papa recorda as grandes linhas eclesiológicas do Concílio Vaticano II e da tradição católica mas, ao mesmo tempo, toma em consideração aspectos particulares da vida da Igreja na China, situando-os numa ampla visão teológica …”: http://www.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/letters/2007/documents/hf_ben-xvi_let_20070527_china-note.html

==========

24 DE MAIO DE 2021 – SEGUNDA-FEIRA DEPOIS DE PENTECOSTES

 Papa institui a Memória de Maria “Mãe da Igreja” no calendário litúrgico

Coroação da Virgem MariaMemória de Maria, Mãe da Igreja, será celebra todos os anos na Segunda-feira depois de Pentecostes

Cidade do Vaticano –Com um Decreto publicado este sábado, 03 de março, pela Congregação do Culto Divino e da Disciplina dos Sacramentos, o Papa Francisco deter minou a inscrição da Memória da “Bem-aventurada Virgem, Mãe da Igreja” no Calendário Romano Geral. Esta memória será celebrada todos os anos na Segunda-feira depois de Pentecostes.

O motivo da celebração está brevemente descrito no Decreto “Ecclesia Mater”: favorecer o crescimento do sentido materno da Igreja nos Pastores, nos religiosos e nos fiéis, como, também, da genuína piedade mariana: https://www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2018-03/memoria-de-maria-mae-da-igreja-papa-francisco.html

Decreto ECLESIA MATER. Ver “…Com o Decreto “Ecclesia Mater“, publicado em 03 de março (2018), Papa determina a inscrição da Memória da “Bem-aventurada Virgem, Mãe da Igreja” no Calendário Romano Geral. DECRETO Sobre a celebração da bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja no Calendário Romano Geral…

… O Sumo Pontífice Francisco, considerando atentamente quanto a promoção desta devoção possa favorecer o crescimento do sentido materno da Igreja nos Pastores, nos religiosos e nos fiéis, como, também, da genuína piedade mariana, estabeleceu que esta memória da bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja, seja inscrita no Calendário Romano na Segunda-feira depois do Pentecostes, e que seja celebrada todos os anos.

Esta celebração ajudará a lembrar que a vida cristã, para crescer, deve ser ancorada no mistério da Cruz, na oblação de Cristo no convite eucarístico e na Virgem oferente, Mãe do Redentor e dos redimidos.

Esta memória deverá, pois aparecer, em todos os Calendário e Livros Litúrgicos para a celebração da Missa e da Liturgia das Horas. Os respectivos textos litúrgicos são apresentados em anexo a este decreto, e a sua tradução, aprovada pelas Conferências Episcopais, serão publicados depois da confirmação por parte deste Dicastério.

Onde a celebração da bem-aventurada Virgem Maria, Mãe da Igreja, por norma do direito particular aprovado, já se celebra num dia diferente com grau litúrgico mais elevado, pode continuar a ser celebrada desse modo…”: https://www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2018-03/decreto-maria-mae-da-igreja-calendario-romano.html

– Ver ainda “… «A Igreja é “mulher” — relançou o Papa — e quando pensamos no papel da mulher na Igreja devemos remontar a esta fonte: Maria, mãe». E «a Igreja é “mulher” porque é mãe, pois é capaz de “dar à luz filhos”: a sua alma é feminina porque é mãe, é capaz de gerar atitudes de fecundidade»… «Maria, mãe; a Igreja, mãe; a nossa alma, mãe» repetiu Francisco, convidando a pensar «nesta grande riqueza da Igreja e nossa; e deixemos que o Espírito Santo nos fecunde, a nós e à Igreja, a fim de que nos tornemos também mães dos outros, com atitudes de ternura, de mansidão, de humildade. Certos de que este é o caminho de Maria». E, na conclusão, o Papa observou também como é «curiosa a linguagem de Maria nos Evangelhos: quando fala ao Filho, é para lhe indicar as coisas das quais os outros precisam; e quando fala aos outros, é para lhes dizer: “fazei tudo o que Ele vos disser”».”: https://www.vatican.va/content/francesco/pt/cotidie/2018/documents/papa-francesco-cotidie_20180521_igreja-mulher-mae.html

==========

* 24 DE MAIO: NOSSA SENHORA AUXÍLIO DOS CRISTÃOS OU NOSSA SENHORA AUXILIADORA (também na Folhinha do Coração de Jesus).

  Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Festa de Nossa Senhora, Auxílio dos Cristãos, titular de algumas dioceses brasileiras.

– Ver “Nossa Senhora Auxiliadora, cuja devoção remonta à vitória da armada cristã na Batalha de Lepanto, em 1571, comandada por Dom João da Áustria que, invocando o auxílio da Virgem, afastou o perigo maometano da Europa. Em agradecimento, o Papa Pio V, incluiu na Ladainha de Nossa Senhora o epíteto de Auxiliadora dos Cristãos

… A festa de Nossa Senhora Auxiliadora foi promulgada por Pio VII, no ano de 1816, tão logo foi libertado do cativeiro a ele imposto por Napoleão Bonaparte. O nome é bastante popular entre os católicos, sendo bastante usual como antroponímico. Em Porto Alegre o bairro Auxiliadora é nomeado em sua homenagem e em Campinas o Liceu Salesiano tem seu nome. O dia de Nossa Senhora Auxiliadora é comemorado em 24 de maio.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_Auxiliadora

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_Auxiliadora

– Ver “… a festa de Nossa Senhora Auxiliadora só foi instituída em 1816, pelo Papa Pio VII, a fim de perpetuar mais um fato que atesta a intercessão da Santa Mãe de Deus: Napoleão I, empenhado em dominar os estados pontifícios, foi excomungado pelo Sumo Pontífice. Em resposta, o imperador francês seqüestrou o Vigário de Cristo, levando-o para a França. Movido por ardente fé na vitória, o Papa recorreu à intercessão de Maria Santíssima, prometendo coroar solenemente a imagem de Nossa Senhora de Savona logo que fosse liberto…

… O Santo Padre ficou cativo por cinco anos, sofrendo toda espécie de humilhações. Uma vez fracassado, Napoleão cedeu à opinião pública e libertou o Papa, que voltou a Savona para cumprir sua promessa. No dia 24 de maio de 1814, Pio VII entrou solenemente em Roma, recuperando seu poder pastoral. Os bens eclesiásticos foram restituídos. Napoleão viu-se obrigado a assinar a abdicação no mesmo palácio onde aprisionara o velho pontífice.

Para marcar seu agradecimento à Santa Mãe de Deus, o Papa Pio VII criou a festa de Nossa Senhora Auxiliadora, fixando-a no dia de sua entrada triunfal em Roma.

O grande apóstolo da juventude, Dom Bosco, adotou esta invocação para sua Congregação Salesiana porque ele viveu numa época de luta entre o poder civil e o eclesiástico.

A fundação de sua família religiosa, que difunde pelo mundo o amor a Nossa Senhora Auxiliadora, deu-se sob o ministério do Conde Cavour, no auge dos ódios políticos e religiosos que culminaram na queda de Roma e destruição do poder temporal da Igreja. Nossa Senhora foi colocada à frente da obra educacional de Dom Bosco para defendê-la em todas as dificuldades.

No ano de 1862, as aparições de Maria Auxiliadora na cidade de Spoleto marcam um despertar mariano na piedade popular italiana. Nesse mesmo ano, São João Bosco iniciou a construção, em Turim, de um santuário, que foi dedicado a Nossa Senhora, Auxílio dos Cristãos.

A partir dessa data, Dom Bosco, que desde pequeno aprendeu com sua mãe Margarida, a confiar inteiramente em Nossa Senhora, ao falar da Mãe de Deus, lhe unirá sempre o título Auxiliadora dos Cristãos. Para perpetuar o seu amor e a sua gratidão para com Nossa Senhora e para que ficasse conhecido por todos e para sempre que foi “Ela (Maria) quem tudo fez”, quis Dom Bosco que as Filhas de Maria Auxiliadora, congregação por ele fundada juntamente com Santa Maria Domingas Mazzarello, fossem um monumento vivo dessa sua gratidão.

Dom Bosco ensinou aos membros da família Salesiana a amarem Nossa Senhora, invocando-a com o título de AUXILIADORA. Pode-se afirmar que a invocação de Maria como título de Auxiliadora teve um impulso enorme com Dom Bosco. Ficou tão conhecido o amor do Santo pela Virgem Auxiliadora a ponto de Ela ser conhecida também como a “Virgem de Dom Bosco”.

Escreveu Dom Bosco: “A festa de Maria Auxiliadora deve ser o prelúdio da festa eterna que deveremos celebrar todos juntos um dia no Paraíso”.

ORAÇÃO A NOSSA SENHORA AUXILIADORA, PROTETORA DO LAR

Santíssima Virgem Maria a quem Deus constituiu Auxiliadora dos Cristãos,
nós vos escolhemos como Senhora e Protetora desta casa.
Dignai-vos mostrar aqui Vosso auxílio poderoso.
Preservai esta casa de todo perigo: do incêndio, da inundação, do raio, das tempestades,
dos ladrões, dos malfeitores, da guerra e de todas as outras calamidades que conheceis.
Abençoai, protegei, defendei, guardai como coisa vossa as pessoas que vivem nesta casa.
Sobretudo concedei-lhes a graça mais importante,
a de viverem sempre na amizade de Deus, evitando o pecado.
Dai-lhes a fé que tivestes na Palavra de Deus, e o amor que nutristes para com Vosso Filho Jesus
e para com todos aqueles pelos quais Ele morreu na cruz.
Maria, Auxílio dos Cristãos, rogai por todos que moram nesta casa que Vos foi consagrada.
Amém.”: https://noticias.cancaonova.com/brasil/conheca-a-historia-de-devocao-a-nossa-senhora-auxiliadora/

– Ver também: https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-maria-auxiliadora/16/102/

– Ver: https://www.youtube.com/watch?v=RnZDNP9Jcf4

Ver “Nossa Senhora do Rosário, Nossa Senhora da Vitória e Nossa Senhora Auxílio dos cristãos”: https://www.youtube.com/watch?v=EmQjcSTwsgQ

– Ver: https://www.youtube.com/watch?v=RZ_AuXbXP08

==========

* 24 DE MAIO: NOSSA SENHORA DA ESTRADA (também na Folhinha do Coração de Jesus).- Ver “24 de maio é comemorado a Nossa Senhora da Estrada, padroeira da Companhia de Jesus e para quem Santo Inácio de Loyola e os outros fundadores da Companhia orou em Roma. Seu dia comemorativo ajuda lembrar a todos os jesuítas que são peregrinos que, como Santo Inácio, pedir-lhe que “mostra o caminho para o Deus.”

… A imagem de Nossa Senhora da Estrada foi canonicamente coroada em 1638 e ocupa um lugar importante, com notável veneração dos fiéis. A Santa Sé concedeu a Companhia de Jesus em 1978 e sua própria massa ofício litúrgico para o dia 24 de maio “.”: http://www.flacsi.net/informaciones/companhia-de-jesus-quem-era-nossa-senhora-da-estrada-para-o-santo-inacio/

– Ver também “A invocação a Nossa Senhora da Estrada começou no século XIII, na Itália. Um desconhecido colocou um quadro com Maria e o menino Jesus, numa velha capelinha à beira da estrada que ligava Roma ao interior. O povo logo a chamou de Nossa Senhora da Estrada

Muitas igrejas foram colocadas sob a invocação de Nossa Senhora da Estrada, mas a mais antiga é aquela capelinha que ainda hoje se encontra na Igreja del Gesù, Roma, e que foi confiada aos jesuítas, 1541, pelo Papa Paulo III. Ao lado desta capela, se instalou a primeira residência dos jesuítas. Aqui, santo Inácio de Loyola morou e veio falecer.

O culto a Nossa Senhora da Estrada chegou ao Brasil com os jesuítas.

Pelas estradas da vida, nunca sozinho estás, contigo pelo caminho, Santa Maria vai…

Nossa Senhora da Estrada cuidai com carinho de todos os viajantes…”: http://www.terraboa.blog.br/2017/05/24mai-nossa-senhora-da-estrada.html

– Ver: https://www.youtube.com/watch?v=jCK4dyjE3Rw

– Ver: https://www.youtube.com/watch?v=eZ-xG79iNH4

============

SANTAS E SANTOS DE 24 DE MAIO

1.   Co­me­mo­ração de São Má­naen, irmão co­laço do te­trarca He­rodes, que foi doutor e pro­feta na Igreja de An­ti­o­quia, sob a graça do Novo Testamento.

2.   Co­me­mo­ração da Beata Joana, es­posa de Cuza, pro­cu­rador de He­rodes, que, jun­ta­mente com ou­tras mu­lheres, ser­viam Jesus e os Após­tolos con­forme as suas pos­si­bi­li­dades e no dia da Res­sur­reição do Se­nhor en­con­trou a pedra do tú­mulo re­mo­vida e foi anunciá-lo aos discípulos..

– Ver “Joana (em grego: Ἰωάννα γυνὴ Χουζᾶ) foi uma mulher mencionada nos evangelhos canônicos que foi curada por Jesus e que teria depois apoiado os discípulos e Jesus em suas viagens, mencionada no Evangelho de Lucas como uma das seguidoras de Jesus. Ela era esposa de Cusa, responsável pela residência de Herodes Antipas, o tetrarca da Galileia. Seu nome significa Iavé foi gracioso”[1], uma variação de “Ana”, que significa “graça” ou “favorecimento”.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Joana,_esposa_de_Chuza

3.   Em Listra, na Li­caónia, na ac­tual Tur­quia, São Zoelo, mártir. († s. II)

4.   Em Tri­este, na Ís­tria, hoje no Friúli-Ve­nézia Giúlia, re­gião da Itália, São Sér­vulo, mártir. († data inc.)

5.   Em Nantes, na Gália Li­o­nense, ac­tu­al­mente na França, os santos ir­mãos Do­na­ciano e Ro­ga­ciano, már­tires, dos quais, se­gundo a tra­dição, o pri­ meiro tinha re­ce­bido o Bap­tismo, en­quanto o se­gundo ainda era ca­te­cú­meno; na hora ex­trema do com­bate, Do­na­ciano beijou o irmão e orou a Deus para que ele, que não tinha po­dido tingir-se na sa­grada fonte bap­tismal, me­re­cesse ser as­per­gido na cor­rente do seu sangue. († c. 304).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Em Nantes, no séc. III, os Bem-Aventurados Donaciano e Rogaciano. Em seu calabouço, Donaciano rezava assim por seu irmão, que ainda era catecúmeno: “Senhor Jesus Cristo, que a fé pura de Rogaciano sirva-lhe de batismo, e se o prefeito, perseverando em seu projeto, nos fizer morrer amanhã, que o sangue derramado de Rogaciano seja-lhe como a unção do Santo Crisma”. (M).

Ver páginas 167-171: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

6.   Co­me­mo­ração dos santos trinta e oito mártires, que, se­gundo a tra­dição, foram de­ca­pi­tados em Fi­li­pó­polis, na Trácia, hoje Plovdiv, na ac­tual Bul­gária, no tempo de Di­o­cle­ciano e Maximiniano. († c. 304)

7.   No mos­teiro de Lé­rins, na Pro­vença, ac­tu­al­mente na França, São Vi­cente, pres­bí­tero e monge, muito ilustre pela dou­trina cristã e san­ti­dade de vida e di­li­gen­te­mente de­di­cado ao pro­gresso das almas na fé. († c. 450).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V, São Vicente, monge de Lérins, que ficou célebre na história da Teologia por sua doutrina sobre a Tradição, em que afirma que “a inteligência da fé e a formulação dogmática devem progredir na Igreja com o tempo, mas exclusivamente no mesmo sentido e na mesma crença”. (M).

Ver São Vicente de Lérins e muitos outros santos do mesmo mosteiro e na mesma época, às páginas 145-165: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

– Ver também: “Vicente de Lérins foi um escritor eclesiástico da Gália do século V a quem lhe é atribuída santidade.

Pouco se sabe sobre sua vida, tendo chegado a nós principalmente seu trabalho.

Habitando o mosteiro de Lérins, sob o pseudônimo de Peregrinus (peregrino), escreveu seu Commonitorium (434); presume-se que tenha morrido pouco depois dessa data.

Santo Euquério de Lyon afirmou que Vicente foi notável por sua eloquência e conhecimento.

A obra de Vicente ressalta nítida influência semipelagiana de modo que sua obra se assemelha com a de João Cassiano e Fausto de Riez.

O livro Objectiones Vinventianae é conhecido apenas através da refutação de Próspero da AquitâniaObjectiones Gallorum foi escrito ou, ao menos, inspirado por Vicente.[1]

https://pt.wikipedia.org/wiki/Vicente_de_L%C3%A9rins

8.   No monte Ad­mi­rável, na Síria, São Si­meão Es­ti­lita o Jovem, pres­bí­tero e ana­co­reta, que viveu sobre uma co­luna em união com Cristo, compôs vá­rios tra­tados sobre a vida as­cé­tica e foi do­tado de grandes dons carismáticos. († 592).

– Ver “Simeão Estilita, o Moço, também conhecido como “São Simeão da Montanha Admirável” (em árabe: ‎مار سمعان العمودي الأصغر mār semʻān l-ʻamūdī l-asghar) é um santo da Igreja Ortodoxa e da Igreja Católica, famoso por seu ascetismo, por passar toda a sua vida toda sobre um pilar (estilita) e pelos milagres que lhe são atribuídos…

… Assim como seu homônimo, Simeão Estilita, o Velho, o primeiro dos estilitas, Simeão parece ter sido atraído desde muito cedo para uma vida austera. Ele se juntou a uma comunidade asceta que vivia ao redor de um outro eremita num pilar, chamado João, que funcionava como líder espiritual do grupo. Simeão, ainda um garoto, fez com que erigissem um pilar para si quando ele perdeu seu primeiro dente. Ele manteve este estilo de vida por 68 anos e, no decurso de sua vida, porém, ele se mudou diversas vezes para outro pilar. Quando da primeira destas mudanças, o Patriarca de Antioquia e bispo de Selêucia o ordenou diácono durante um curto período em que ele ficou no chão…

… Após a morte de João, Simeão se libertou e deu forças às suas práticas ascéticas ao ponto de Evágrio Escolástico afirmar que ele vivia apenas sob arbustos que cresciam na região de Teópolis.[2] Ele foi novamente ordenado, agora padre, e foi assim capaz de oferecer uma missa pela memória de sua mãe. Nestas ocasiões, seus discípulos, um após o outro, subiam por uma escada para receber dele a Eucaristia de suas mãos. Como era o caso da maioria dos outros santos estilitas, um grande número de milagres foi reputado à Simeão, o Moço. Em diversas ocasiões a cura era realizada através de imagens representando o eremita. No final de sua vida, o santo ocupava uma coluna sobre um morro próximo de Antioquia, chamada, por causa dele, de “Morro dos Milagres”, e foi ali que ele morreu.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Sime%C3%A3o_Estilita,_o_Mo%C3%A7o

9*.   Em Pi­a­cenza, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, o Beato Fi­lipe, da Ordem dos Ere­mitas de Santo Agos­tinho, que, para mais se­ve­ra­mente se mor­ti­ficar na carne, usava uma cou­raça de ferro. († 1306)

10*.   Em Mar­rocos, o Beato João de Prado (ou João do Prado), pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores e mártir, que foi en­viado para a África, a fim de prestar au­xílio es­pi­ri­tual aos cris­tãos re­du­zidos à es­cra­vidão nos reinos dos in­fiéis; mas tendo sido preso, con­fessou vi­go­ro­sa­mente a sua fé em Cristo pe­rante o ti­rano Molay al-Walid, por ordem do qual so­freu o mar­tírio na fogueira. († 1631).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1631, a paixão do Bem-Aventurado João do Prado, franciscano. Tentou restaurar a missão no Marrocos, mas foi preso alguns meses depois de sua chegada a Marrakesh, onde foi condenado à fogueira. (M).

Ver página 166: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

11.   Em Seul, na Co­reia, os santos már­tires Agos­tinho Yi Kwang-hon, em cuja casa se lia a Sa­grada Es­cri­tura, Águeda Kim A-gi, mãe de fa­mília, que re­cebeu o Bap­tismo no cár­cere, e sete com­pa­nheiros, que foram todos de­go­lados pela sua fé em Cristo. São estes os seus nomes: Da­mião Nam Myong-hyog, ca­te­quista; Ma­da­lena Kim O-bi, Bár­bara Han A-gi, Ana Pak A-gi, Águeda Yi So-sa, Lúcia Pak Hui-sun, Pedro Kwon Tu-gin. († 1839)

12.   Em Saint-Hya­cinte, ci­dade do Ca­nadá, o Beato Luís Ze­fe­rino Moreau, bispo, que, nas suas múl­ti­plas ac­ti­vi­dades pas­to­rais, tinha sempre a in­tenção de sentir-se ar­den­te­mente unido com a Igreja. († 1901)

13. Santa Marta, viúva. Ver “Santa Marta era mãe de São Simeão Estilita, o Jovem (ver n° 8, acima), casada com João de Edessa. Diz-se que votara a Deus a virgindade desde menina, mas que se casou para obedecer aos pais, depois duma revelação de São João Batista, o qual lhe ordenou que ao filho que lhe nascesse chamasse Simeão. Zelosa, era amiga da paz, muitíssimo dada à oração e às obras de caridade…” à pág. 172: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf  

14. Santa Sara Kali. Ver “O seu nome, tal como o de Sara no Antigo Testamento, pode ser um nome hebraico que indica uma mulher de alta sociedade, que algumas vezes é traduzido como “princesa” e outras “senhora”. Já o epíteto Kali deve significar “negra”, da língua indiana sânscrito, por sua tez ser escura. Seu culto se liga ao das Virgens Negras

Fontes variam: se sua canonização consta de 1712, ou se é uma santa regional. Sua festa é celebrada nos dias 24 e 25 de maio, reunindo ciganos de todo o mundo… Padroeira dos ciganos.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Santa_Sara_Kali

Ver também: “… Santa Sara foi canonizada em 1712. A grande festa da Santa é celebrada em dois dias, 24 e 25 de maio. Um grande número de ciganos e devotos de Santa Sara que vão para a pequena cidade da França. Lá, realizam uma grande procissão da igreja até o mar, onde o barco à deriva chegou, com muitas orações e cantos alegres, como é próprio do povo cigano. Quando chegam ao mar fazem um grande silêncio e colocam um pouco da imagem da Santa dentro da água, simbolizando a sua vinda da Palestina para a França. Depois voltam em festa para a igreja de Santa Sara…”: https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-santa-sara/107/102/

 15. Ver dia 21 de maio:

Em Feijão Miúdo, lo­ca­li­dade de Rio Grande do Sul, no Brasil, os be­atos Ma­nuel Gómez González, pres­bí­tero, Adílio Daronch, már­tires (também na Folhinha do Coração de Jesus em 24 de maio). († 1924).

ADÍLIO DARONCH, o beato gaúcho. O coroinha Adílio Daronch se tornou o primeiro beato gaúcho em uma missa realizada na tarde de 21 de outubro de 2007. Diante de milhares de fiéis, o cardeal português José Saraiva Martins oficializou sua beatificação e a do padre espanhol Manuel Gomez Gonzales em Frederico Westphalen, no norte do Estado. O martírio dos dois teria sido provocado por um grupo de chimangos (governistas do Partido Republicano Rio-grandense). Manuel e Adílio viajavam para Três Passos, onde colonos alemães viviam há dois anos sem poder celebrar casamentos, batizados ou missas, pois não havia padre na cidade. Os dois foram alertados sobre as ameaças. A ira dos chimangos – positivistas, maçons e anticlericais – convergiu contra o sacerdote, que tentara apaziguar os conflitos com os maragatos, em 1923. Padre Manuel havia advertido os inimigos políticos para que evitassem carnificinas. Além disso, sepultou maragatos mortos num confronto ocorrido em Nonoai, contrariando a determinação dos chimangos. Três quilômetros antes de Três Passos, o padre e o coroinha pararam em um bolicho para pedir informações. Acabaram sendo acompanhados no resto do trajeto justamente pelos executores. Quando entraram na mata, Manuel e Adílio foram imobilizados, amarrados em troncos de árvores, torturados e fuzilados.

Quem foram os beatos:

ADÍLIO DARONCH – Nasceu em outubro de 1908, em Dona Francisca, região central do Estado. Morou em Passo Fundo e se transferiu para Nonoai com a família. Ajudava o padre Manuel Gonzalez nas atividades religiosas da paróquia. Morreu aos 15 anos quando viajava com o religioso.

MANUEL GOMEZ GONZALES – Nasceu em São José de Ribarteme, na Espanha, em 1877, e foi ordenado padre em 1902. Chegou ao Brasil em outubro de 1913. Na diocese de Santa Maria, foi nomeado pároco de Soledade e transferido para Nonoai. Foi morto em 1924, aos 46 anos na localidade de Feijão Miúdo (Rio Grande do Sul)- atual município de Três Passos – durante um trabalho de evangelização. Ver também: https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2011/05/beatificacao-saiba-como-funciona-o-processo-e-quem-e-o-primeiro-beato-gaucho-3293648.html

– Ver “… Dia 21 de outubro de 2007, foram beatificados, em Frederico Westphalen, os chamados mártires de Nonoai: o padre Manuel e o coroinha Adílio. A cerimônia foi presidida pelo cardeal José Saraiva Martins, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos que veio diretamente de Roma. Cerca de 40 mil fiéis estavam presentes à cerimônia.

… Em sua homilia, o cardeal Martins destacou: “santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado“…”: http://regiaoipiranga.com.br/liturgia/santo-do-dia/manuel-g-gonzales-e-adilio-daronchbem-aventurados

– Ver ainda “Adílio Da Ronch[1] (Dona Francisca25 de outubro de 1908 — Feijão Miúdo21 de maio de 1924) foi um coroinha (acólito) brasileiro. Foi proclamado venerável em 16 de dezembro de 2006 e beato em 21 de outubro de 2007 pelo Papa Bento XVI.

Junto ao padre Manuel Gómez González, pároco do Nonoai, visitava as capelas da região. Numa das visitas rotineiras, Adílio e padre Manuel foram assassinados em 21 de maio de 1924, na localidade de Feijão Miúdo, no atual município de Três Passos.”: Adílio Da Ronch – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

– Ver também “Junto a Adílio Da Ronch,[3] visitava as capelas da região. Numa das visitas rotineiras, ambos, o padre e seu ajudante coroinha foram assassinados em 21 de maio de 1924, na localidade de Feijão Miúdo, no atual município de Três Passos.[4]

Os dois são venerados pelos fiéis católicos da região e em 2007 foram beatificados por mandato do Papa Bento XVI em uma cerimônia presidida pelo Cardeal José Saraiva Martins.[5]”: Manuel Gómez González – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

 16. Outros santos do dia 24 de maio: págs. 145-173 (vol.09): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 24 de maio, ver ainda: 24 de maio – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINA 419-421: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp- content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. Saint of the Day May 24 (lngplants.com)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

-Ver o blog:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.