Santas e Santos de 12 de março

1. Em Te­bessa, na Nu­mídia, na ac­tual Ar­gélia, São Ma­xi­mi­liano, mártir, que, sendo filho do mi­litar ve­te­rano Vítor e re­cru­tado também para o exér­cito, res­pondeu ao procônsul Diónio que, na sua qua­li­dade de cristão, não lhe era per­mi­tido servir como sol­dado e, por re­cusar o ju­ra­mento mi­litar, foi morto ao fio da espada. († 295). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 295, perto de Cartago, São Maximiliano, jovem cristão martirizado aos vinte e um anos, “por ter se recusado a usar as insignias militares, alegando já usar o sinal de Cristo, Filho do Deus vivo”. (M)

– Ver mais sobre a história de São Maximiliano às páginas 383-386: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Maximiliano_de_T%C3%A9bessa

2.   Em Ni­co­média, na Bi­tínia, hoje Izmit, na Tur­quia, a co­me­mo­ração dos santos már­tires Mig­dónio, pres­bí­tero, Eu­génio, Má­ximo, Dona, Mar­dónio, Pedro, Es­ma­ragdo e Hi­lário, que foram su­fo­cados um cada dia, para ate­mo­rizar os outros. († 303)

3.   Também em Ni­co­média da Bi­tínia, a paixão de São Pedro, mártir, ca­ma­reiro-mor do im­pe­rador Di­o­cle­ciano, que por ter la­men­tado pu­bli­ca­mente os su­plí­cios ex­ces­sivos dos már­tires, por ordem do mesmo im­pe­rador foi co­lo­cado no meio deles, de­pois sus­penso no ar e fla­ge­lado du­rante muito tempo e fi­nal­mente as­sado a fogo lento numa grelha. Do­roteu e Gor­gónio, também ca­ma­reiros do rei, que re­cla­maram contra o su­ce­dido, so­freram se­me­lhantes tor­mentos e por fim foram enforcados. († 303)

– Ver mais sobre a história de São Pedro da Nicomédia às páginas 387-388: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

4.   Em Roma, no ce­mi­tério de Pon­ciano “ad Ursum Pi­le­atum”, o se­pul­ta­mento de Santo Ino­cêncio I (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que de­fendeu São João Cri­sós­tomo, con­fortou São Je­ró­nimo e aprovou Santo Agostinho. († 417). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 417, o sepultamento de Santo Inocêncio I, papa. Estendeu a solicitude da Igreja Romana ao Oriente, defendendo São João Crisóstomo quando de sua expulsão da Sé de Constantinopla; e à Áfric, apoiando Santo Agostinho contra a heresia donatista, Na Itália, teve quc enfrentar a invasão dos visigodos. (M)

5.   Em Saint-Pol-de-Léon, na Bre­tanha Ar­mó­rica, hoje na França, São Paulo Aureliano, pri­meiro bispo desta cidade. († s. VI)

6.   Em Roma, junto de São Pedro, o se­pul­ta­mento de São Gre­gório Magno, papa, cuja me­mória se ce­lebra a três de Se­tembro, dia da sua ordenação. († 604). Conforme anotações de 03 de setembro, Me­mória de São Gre­gório Magno (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa e doutor da Igreja. De­pois de ter en­trado na vida mo­nás­tica, exerceu a missão de le­gado pon­ti­fício a Cons­tan­ti­nopla e foi eleito neste dia para a Sede Ro­mana; exerceu a missão de con­ci­li­ador em as­suntos tem­po­rais e atendeu como servo dos servos às suas fun­ções sa­gradas. Pro­cedeu como bom pastor no go­verno da Igreja, no cui­dado dos po­bres, na pro­moção da vida mo­nás­tica e es­pe­ci­al­mente na con­so­li­dação e pro­pa­gação da fé em toda a parte; es­creveu muitas obras ex­ce­lentes sobre te­o­logia moral e te­o­logia pas­toral. Morreu no dia doze de Março. († 604). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, no ano da graça de 590, a ordenação episcopal de São Gregório Magno, papa e doutor da Igreja. Após ter exercido a função de prefeito de Roma, levou vida monástica em sua casa no Monte Célio. Chamado pelo povo Romano para assumir a direção da Igreja, dedicou-se a ela com zelo, codificando textos e cantos litúrgicos e exortando tanto por sua palavra como por seus escritos. Por seus “Diálogos”, particularmente, favoreceu o monaquismo ao popularizar a vida de São Bento e mereceu ser cognominado “Dialogós” pelos gregos. (R)

Ver mais da história de São Gregório Magno nas págs. 368-374: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

7.   Em Si­griana, lo­ca­li­dade da Bi­tínia, na ac­tual Tur­quia, no mos­teiro de Campo Grande, o se­pul­ta­mento de São Teó­fanes, o Cronógrafo, que, sendo muito rico se fez pobre monge e, por de­fender o culto das sa­gradas ima­gens, foi en­car­ce­rado por ordem do im­pe­rador Leão o Ar­ménio du­rante dois anos e de­pois de­por­tado para a Sa­mo­trácia, onde, exausto com tantas tri­bu­la­ções, en­tregou o es­pí­rito a Deus. († 817). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Samotrácia, no ano 817, São Teofânio, monge que sofreu o exílio por ter defendido com sua cloqüência e seu saber a doutrina referente ao culto das santas imagens. (M). Ver São Teófano em 09 de setembro, páginas 114-115: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Te%C3%B3fanes,_o_Confessor

8*.   Em Win­cester, na In­gla­terra, Santo El­fego, bispo, que tinha sido monge e tra­ba­lhou muito para a res­tau­ração da vida cenobítica. († 951)

9*.   Em San Ge­mi­niano, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Fina ou Se­ra­fina, virgem, que desde tenra idade su­portou com in­ven­cível pa­ci­ência uma longa e grave en­fer­mi­dade, con­fi­ando só em Deus. († 1253). Ver página 389: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Serafina_de_S%C3%A3o_Geminiano

10*.   Em Arezzo, também na Etrúria, ac­tu­al­mente na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Jus­tina Fran­cúcci Bézzoli, virgem da Ordem de São Bento e reclusa. († 1319). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo día, o Bem-Aventurado Rústico, segundo sucessor de São João Gualberto em Valumbrosa, no final do séc. XI. E a Bem-Aventurada Justina, eremita, que adormeccu no Senhor em 1319 em Arezzo, na Toscana (Itália). (X)

11*.   Em Re­ca­náti, no Pi­ceno, ac­tu­al­mente nas Marcas, também re­gião da Itália, o Beato Je­ró­nimo Gherardúcci, pres­bí­tero da Ordem dos Ere­mitas de Santo Agos­tinho, que tra­ba­lhou pela paz e con­córdia entre os povos. († c. 1369)

12.   Em Guiyang, ci­dade da pro­víncia de Guangxi, na China, São José Zhang Dapeng, mártir, que, tendo re­ce­bido a luz da fé, pouco de­pois de ser bap­ti­zado abriu as portas aos mis­si­o­ná­rios e ca­te­quistas e so­correu de todas as formas os po­bres, os en­fermos e as cri­anças, até ao dia em que foi con­du­zido ao su­plício da cruz, onde der­ramou lá­grimas de ale­gria por ter sido con­si­de­rado digno de morrer por Cristo. († 1815)

13*.   Em Cra­cóvia, na Po­lónia, a Beata Ân­gela Salawa, virgem da Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco, que, de­ci­dindo passar toda a vida no ser­viço do­més­tico, viveu hu­mil­de­mente entre as servas, e em ex­trema po­breza partiu deste mundo ao en­contro do Senhor. († 1922)

14*.   Em San­remo, na Li­gúria, re­gião da Itália, São Luís Orione, pres­bí­tero, que fundou a Pe­quena Obra da Di­vina Pro­vi­dência, para au­xílio dos jo­vens e de todos os marginados. († 1940). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Lu%C3%ADs_Orione

15. São Finéias, Sumo Sacerdote do Antigo Testamento: ver sua história às páginas 375-382: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

16. São Bernardo de Cápua, também na Folhinha do Coração de Jesus.

17. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 572, São Pólo, monge do País de Gales que pregou o Evangelho e difundiu o monaquismo na costa francesa. Fundou a Sé episcopal de Léon, na Bretanha. (X)

18. São Simão, o novo Teólogo. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Sim%C3%A3o,_o_Novo_Te%C3%B3logo

19. Outros santos do dia 12 de março: págs. 368-390 (vol.4): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 12 de março, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/12_de_mar%C3%A7o

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 255-257: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.