Santas e Santos de 25 de maio

São Beda Venerável (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero e doutor da Igreja, que passou toda a sua vida como servo de Cristo, desde os oito anos de idade, no mos­teiro de Jarrow, na No­túm­bria, re­gião da In­gla­terra, fer­vo­ro­sa­mente de­di­cado à me­di­tação e ex­pli­cação da Sa­grada Es­cri­tura. Além da ob­ser­vância da dis­ci­plina mo­nás­tica e o exer­cício quo­ti­diano Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Beda, o Venerável, monge beneditino e Doutor da Igreja. Oferecido ainda muito jovem ao mosteiro de Wearmouth, passou sua vida longa e dedicada aos estudos no mosteiro de Jarrow, no norte da Inglaterra. Sem jamais preferir outra coisa que não a obra de Deus, mostrou-se tão assíduo aos trabalhos humildes da vida comunitária como a seus eruditos estudos patrísticos, históricos e hagiográficos. Adormeceu no Senhor no ano de 735. (R). Conforme a Folhinha do Coração de Jesus de 24/05/2010, a vida de Beda nos ensina que não é preciso ir a terras distantes para sermos verdadeiros anunciadores da Palavra. Este monge beneditino, nascido em 672, passou praticamente toda a sua vida, recolhido num mosteiro da Inglaterra. Dedicado às atividades intelectuais, deixou uma obra imensa, que abarca desde a teologia, a filosofia, a aritmética até a medicina. Seus contemporâneos perceberam que nele ciência, piedade e virtude caminhavam juntas, a serviço da cultura, do Evangelho e da edificação dos irmãos. Como a lâmpada que não pode ficar escondida, mas deve ser colocada no alto para iluminar a todos, assim foi sua vida. Quando morreu, em 735, Beda já era chamado de “Venerável”. Em 1899 Leão XIII o declarou Doutor da Igreja. (Frei Sandro Roberto da Costa, OFM, Petrópolis, RJ).

do canto na igreja, as suas de­lí­cias foram sempre aprender, en­sinar e escrever. († 735).  Ver páginas 67-82: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Beda

São Gre­gório VII (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que antes abra­çara a vida mo­nás­tica com o nome de Hil­de­brando e foi vá­rias vezes le­gado dos papas do seu tempo para a obra da re­forma da Igreja; ele­vado à cá­tedra de Pedro, rei­vin­dicou com grande au­to­ri­dade e for­ta­leza de alma a li­ber­dade da Igreja pe­rante os po­deres se­cu­lares e de­fendeu di­li­gen­te­mente a san­ti­dade do sa­cer­dócio. Por tudo isso, foi obri­gado a aban­donar Roma e morreu exi­lado em Sa­lerno, na Cam­pânia, re­gião da Itália. († 1085). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1085, o nascimento no céu de São Gregório VII, papa. Inicialmente monge beneditino em Roma, Hildebrando fez um estágio de três anos em Cluny, durante o abaciado de Santo Hugo. Voltou para a Itália com o papa alsaciano São Leão IX, recentemente eleito, que o nomeou abade de São Paulo-Fora-dos- Muros. Elevado mais tarde ao trono de São Pedro, Gregório VII lançou um grande plano de reformas da Igreja, para libertá-la dos abusos internos, assim como do jugo imperial. Henrique IV da Alemanha pareceu ceder em Canossa, mas reagiu, exilando o papa. (R)

 Ver páginas 174-196: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_Greg%C3%B3rio_VII

Santa Maria Ma­da­lena de Pázzi (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem da Ordem das Car­me­litas, que, em Flo­rença, também na Itália, levou uma vida oculta em Cristo, con­sa­grada à oração e ab­ne­gação, re­zando as­si­du­a­mente pela re­forma da Igreja; re­cebeu de Deus muitos dons ex­tra­or­di­ná­rios e di­rigiu sa­bi­a­mente as suas irmãs no ca­minho da perfeição. († 1607). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1607, Santa Maria Madalena de Pazzi, carmelita de Florença, que ofereceu sua vida a Deus para obter a renovação espiritual da Igreja. Abençoada com graças místicas, deu o melhor de si mesma na fidelidade cotidiana aos três votos de sua profissão religiosa. (M). Ver também páginas 239-251: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_Madalena_de_Pazzi

4.   Em Atella, na Cam­pânia, também re­gião da Itália, São Ca­nião, bispo e mártir. († s. III/IV)

5.   Em Milão, na Li­gúria, hoje na Lom­bardia, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração de São Di­o­nísio (ou São Dinis) bispo, que, por causa da fé ca­tó­lica, foi ex­pulso pelo im­pe­rador ariano Cons­tâncio para a Ar­ménia, onde morreu com o glo­rioso tí­tulo de mártir. († c. 361). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 361, São Dionísio, ou Dinis, primeiro sucessor de São Protásio na Sé de Milão. Durante seu curto episcopado de quatro anos, mostrou firme apego à fé ortodoxa (M). Ver páginas 199-200: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

6.   Em Flo­rença, na Etrúria, hoje na Tos­cana, também re­gião da Itália, São Ze­nóbio, bispo. († s. IV/V). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V, São Zenóbio, bispo, eleito para o serviço da Igreja de Florença; e no séc. VI, São Legato, abade nos arredores de Troyes (M).

7.   No ce­nóbio de Men­tenay, junto a Troyes, na Gália, hoje na França, São Leão, abade. († s. VII)

8.   Na In­gla­terra, Santo Adelmo (Aldelmo), bispo, homem cé­lebre pela sua dou­trina e seus es­critos, que, de­pois de ter sido abade do mos­teiro de Mal­mes­bury, foi or­de­nado pri­meiro bispo de Sher­borne, entre os Sa­xões ocidentais. († 709). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Inglaterra, no ano do Senhor de 709, Santo Adelmo, monge beneditino que foi abade de Malmesbury antes de se tornar bispo de Sherborne. (M). Ver página 203: Santo Audelmo:

– Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Adelmo

9*.   Em Peñalba de San­tiago, no ter­ri­tório de As­torga, na Es­panha, São Ge­nádio, que pri­meiro foi abade e de­pois bispo desta sede; era con­se­lheiro real, mas, mo­vido pela nos­talgia do claustro, re­nun­ciou à dig­ni­dade epis­copal e passou o resto da sua vida como monge e, por vezes, eremita. († c. 925)

10*.   Em Vil­la­magna, junto de Flo­rença, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, a co­me­mo­ração do Beato Ge­rardo Mecátti, que, se­guindo com en­tu­si­asmo os passos de São Fran­cisco, dis­tri­buiu os seus bens pelos po­bres e, re­ti­rando-se para a so­lidão, por amor de Cristo se de­dicou a aco­lher os pe­re­grinos e so­correr os enfermos. († c. 1245)

11*.   Em Mon­te­santo, no Pi­ceno, hoje nas Marcas, também re­gião da Itália, o pas­sa­mento de São Gério, que, de­pois de ter sido conde de Lunel, abraçou a vida de ere­mita e morreu du­rante uma santa peregrinação. († c. 1270). Ver páginas 204-205: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

12*.   Em Fa­enza, na Fla­mínia, hoje na Emília-Ro­manha, também na Itália, o Beato Tiago Filipe Ber­tóni (André), pres­bí­tero da Ordem dos Servos de Maria, in­signe pelo dom das lá­grimas e pro­funda humildade. († 1483)

13.   No Ton­quim, ac­tu­al­mente no Vi­etnam, São Pedro Doan Van Van, mártir, que sendo ca­te­quista e ad­mi­nis­trador da pa­ró­quia de Bau Nó, já oc­to­ge­nário con­firmou a cons­tância da sua fé, der­ra­mando o seu sangue no tempo do im­pe­rador Tu Duc. († 1857)

14.   Em Paris, na França, Santa Ma­da­lena Sofia Barat, virgem, que fundou a So­ci­e­dade do Sa­grado Co­ração de Jesus e tra­ba­lhou muito para a for­mação cristã das jovens. († 1865). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 1856, Santa Madalena-Sofia Barat. Nascida na diocese de Sens, fundou em Paris a congregação das Damas do Sagrado Coração de Jesus, especialmente destinada à educação das moças. Quando a santa morreu, após cinqüenta e nove anos de direção, deixou uma família religiosa próspera. (M). Ver páginas 206-209: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

15.   Em Munyongo, lo­ca­li­dade do Uganda, São Di­o­nísio Ssebuggwawo, mártir, que, aos de­zas­seis anos de idade, afir­mando ao rei Mwanga, du­rante um in­ter­ro­ga­tório, que en­si­nara a dois pa­gens da corte os ru­di­mentos da re­li­gião cristã, foi de­go­lado pelo pró­prio rei. († 1886)

16.   Em Ca­ta­tlan, no ter­ri­tório de Gua­da­la­jara, no Mé­xico, os santos Cris­tóvão Ma­gal­lanes e Agos­tinho Ca­loca, pres­bí­teros e már­tires, que, du­rante a per­se­guição me­xi­cana, con­fi­ando fir­me­mente em Cristo Rei, al­can­çaram a coroa do martírio. († 1927). Também em 21 de maio, “Santos Cris­tóvão de Magallanes (Cristóforo Magalhães, na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, e com­pa­nheiros, már­tires, que, em vá­rias re­giões do Mé­xico, per­se­guidos em ódio ao nome cristão e à Igreja ca­tó­lica, por terem pro­fes­sado a fé em Cristo Rei, al­can­çaram a coroa do martírio. Seus nomes: Romão Adame, Ro­drigo Aguilar, Júlio Ál­varez, Luís Batis Sáinz, Agos­tinho Ca­loca Cortés, Ma­teus Correa, Ati­lano Cruz, Mi­guel de la Mora, Pedro Es­queda Ra­mírez, Mar­ga­rido Flores, José Isabel Flores, David Galván, Pedro Mal­do­nado, Jesus Méndez, Jus­tino Orona, Sabas Reyes, José Maria Ro­bles, To­ríbio Romo, Ja­nuário Sán­chez Del­ga­dillo, Tran­qui­lino Ubi­arco e David Uribe, pres­bí­teros; e Ma­nuel Mo­rales, Sal­vador Lara Pu­ente e David Roldán Lara, leigos. († 1927).”. Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Crist%C3%B3v%C3%A3o_de_Magalh%C3%A3es

– Ver também: https://pt.qwe.wiki/wiki/Crist%C3%B3bal_Magallanes_Jara

– Ver ainda: http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/homilies/2000/documents/hf_jp-ii_hom_20000521_canonizations.html

17*.   No campo pri­si­onal de Javas, po­vo­ação da Mol­dávia, o Beato Ni­colau Cehelskyj, pres­bí­tero e mártir, que, sob um re­gime per­se­guidor da re­li­gião, venceu com a for­ta­leza da fé os tor­mentos do martírio. († 1951)

18. São Mauxo e São Venerando, mártires. Ver páginas 201-202: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

19. Outros santos do dia 25 de maio: páginas: 174-210 (vol.09): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 25 de maio, ver ainda: https://pt.wikipedia.org/wiki/25_de_maio

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 421-424:  Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver! Querida Mãe Maria, protegei-nos! São José, Anjos e Santos, intercedei por nós! Amém!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA. SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS! MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/