Santas e Santos de 12 de dezembro

Nossa Se­nhora de Guadalupe (também na Folhinha do Coração de Jesus), no Mé­xico, cujo au­xílio ma­terno a grande mul­tidão do povo im­plora hu­mil­de­mente na co­lina de Te­peyac, perto da ci­dade do Mé­xico, onde ela apa­receu, sau­dando-a con­fi­a­da­mente como es­trela da evan­ge­li­zação dos povos e pro­tec­tora dos in­dí­genas e dos pobres. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Festa de Nossa Senhora de Guadalupe, Padroeira da América Latina. Em 1531, quando os missionários espanhóis haviam aprendido a língua dos indígenas para fins de evangelização, a Virgem Mãe de Deus apareceu ao neófito João Diogo e pediu-lhe que fosse erigido, naquele lugar próximo à capital do México, um santuário em sua honra. O bispo da diocese retardou  a resposta, para averiguar os fatos. Mas a Virgem Maria apareceu de novo a João Diogo e renovou o pedido. O bispo ordenou ao neófito que pedisse um sinal de que a ordem vinha da Mãe de Deus. Um dia, a caminho da casa de um tio enfermo, João Diogo viu a Virgem Maria que lhe disse que não se preocupasse com a doença do tio, pois ele estaria curado por sua intervenção, e colocando-lhe no manto belas flores recém-desabrochadas, apesar da aridez da região e do frio do inverno, recomendou-lhe que fosse até o bispo e abrisse o manto para que o sinal fosse reconhecido, conforme o pedido do prelado. João Diogo obedeceu, e ao chegar diante do bispo abriu o manto e despejou as flores, formando-se então no tecido uma linda pintura de Nossa Senhora, tal como ele a havia visto. A partir deste fato, a fama do milagre espalhou-se por toda a região e mais além. O santuário foi logo construído, e ao longo dos anos sofreu várias reformas e ampliações. O magnífico templo atual atrai devotos do México e de países distantes, que vão buscar o consolo que um filho experimenta junto à sua amorosa Mãe. (X). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_de_Guadalupe_(México)

– ou Nossa Senhora de Guadalupe (México) – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

NOSSA SENHORA DE GUADALUPE, no Mé­xico, cujo au­xílio ma­terno a grande mul­tidão do povo im­plora hu­mil­de­mente na co­lina de Te­peyac, perto da ci­dade do Mé­xico, onde ela apa­receu, sau­dando-a con­fi­a­da­mente como es­trela da evan­ge­li­zação dos povos e pro­tec­tora dos in­dí­genas e dos pobres. Nossa Senhora de Guadalupe que fez sua primeira aparição no ano de 1531 para o indígena Juan Diego (canonizado no ano de 2002 pelo Papa João Paulo II), enquanto caminhava para a cidade do México para participar de uma catequese. Nossa Senhora pediu para que Juan Diego pedisse ao Bispo para que fosse erguido um santuário para a honra e glória de Deus. Porém usando de prudência o bispo pediu um sinal de Nossa Senhora de Guadalupe para Juan, e então somente na terceira aparição seria concedido, que ocorreria quando o jovem indígena buscava um sacerdote para um tio doente e ouviu: “Escute, meu filho, não há nada que temer, não fique preocupado nem assustado; não tema esta doença, nem outro qualquer dissabor ou aflição. Não estou eu aqui, a seu lado? Eu sou a sua Mãe dadivosa. Acaso não o escolhi para mim e o tomei aos meus cuidados? Que deseja mais do que isto? Não permita que nada o aflija e o perturbe. Quanto à doença do seu tio, ela não é mortal. Eu lhe peço, acredite agora mesmo, porque ele já está curado. Filho querido, essas rosas são o sinal que você vai levar ao Bispo. Diga-lhe em meu nome que, nessas rosas, ele verá minha vontade e a cumprirá. Você é meu embaixador e merece a minha confiança. Quando chegar diante dele, desdobre a sua “tilma” (manto) e mostre-lhe o que carrega, porém, só em sua presença. Diga-lhe tudo o que viu e ouviu, nada omita…” Então após o ocorrido no dia 12 de dezembro de 1531 o bispo viu as rosas e o milagre da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe que foi pintada prodigiosamente no manto de Juan Diego, que voltou para a capela e na capela em prantos pediu perdão a Virgem Santíssima. Uma linda confirmação deu-se quando Juan Diego fora visitar o seu tio, que sadio narrou: “Eu também a vi. Ela veio a esta casa e falou a mim. Disse-me também que desejava a construção de um templo na colina de Tepeyac e que sua imagem seria chamada de ‘Santa Maria de Guadalupe’, embora não tenha explicado o porquê”. Diante de tudo isso muitos se converteram e o santuário foi construído. O milagre de Nossa Senhora de Guadalupe é sua imagem que foi colocada em um tecido de cacto que costuma durar apenas em torno de 20 anos, mas este tecido perdura inteiro até hoje, durante quase 5 séculos, e durante os 16 primeiros anos o tecido ficou totalmente desprotegido e a imagem nunca foi retocada comprovada por peritos em química e pintura. O Papa Bento XIV Disse no ano de 1754: “Nela tudo é milagroso: uma Imagem que provém de flores colhidas num terreno totalmente estéril, no qual só podem crescer espinheiros… uma Imagem estampada numa tela tão rala que através dela pode se enxergar o povo e a nave da Igreja… Deus não agiu assim com nenhuma outra nação”. Nossa Senhora de Guadalupe foi coroada no ano de 1875 pelo Papa Leão XIII, sendo declarada “Padroeira da América Latina” pelo Papa Pio XII no dia 12 de outubro de 1945, e em 1979 foi declarada “Mãe Santíssima” de toda a América Latina” pelo Papa João Paulo II em sua visita ao México. Conforme: https://www.nossasagradafamilia.com.br/conteudo/nossa-senhora-de-guadalupe.html

2.   Co­me­mo­ração dos santos már­tires de Ale­xan­dria Epí­maco e Ale­xandre, que, no tempo do im­pe­rador Décio, de­pois de longa prisão e vá­rios tor­mentos, foram quei­mados vivos por causa da sua fé em Cristo. Com eles so­freram o mar­tírio as santas Amo­nária, virgem, Mer­cúria, Di­o­nísia e ou­tras; te­mendo o juiz sentir-se ven­cido pela co­ragem das mu­lheres e re­ce­ando que, em­bora usasse contra elas os mais inau­ditos su­plí­cios, não con­se­guisse vencer a sua cons­tância, or­denou que fossem ime­di­a­ta­mente degoladas. († 250). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Alexandria, em 250, o martírio dos Santos Epímaco e Alexandre, que morreram queimados, cobertos de cal viva, dando assim o testemunho supremo de seu amor por Cristo. (M) Conforme o Martirológio Romano-Monástico, igualmente em Alexandria, na mesma época, as. Santas Mártires Amonária, Mercúria e Dionísia. Seu juiz, envergonhado por tortura-las sem resultado e por ser vencido por aquelas mulheres, mandou decapitá-las. (M)

3.   Na ilha de Chipre, Santo Es­pi­ridão, bispo, ver­da­deiro pastor das ove­lhas, cujos feitos ad­mi­rá­veis es­tavam na boca de todos. († c. 348)

4*.   Em Clo­nard, na Hi­bérnia, ac­tual Ir­landa, São Fi­niano, abade, que fundou muitos mos­teiros e foi pai e mestre de uma grande mul­tidão de monges. († 549). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 549, São Finiano, abade, fundador do célebre mosteiro de Clonard, que marca o início do grande período monástico e missionário na Irlanda. (X). Ver São Finnian, páginas 239-240: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Finnian_de_Clonard

– Ver “Finnian de Clonard foi um dos primeiros monges irlandeses, fundador e primeiro abade da Abadia de Clonard, possivelmente bispo da mesma diocese, e mestre dos Doze Apóstolos da Irlanda. Ao lado de Santo Enda de Aran, é considerado um dos pais do monasticismo na Irlanda.”: Finnian de Clonard – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

São Columba de Terryglass (na Wikipedia de 12 de dezembro). Ver “São Columba de Terryglass (Colum) (data da morte em 13 de dezembro de 552) foi filho de Ninnidh,[1] um descendente de Crinthainn, Rei de Leinster. Columba foi discípulo de Finnian de Clonard.[2] É também um dos Doze Apóstolos da Irlanda.[3]”: Columba de Terryglass – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

5*.   Em Quimper, na Bre­tanha Menor, na ho­di­erna França, São Co­ren­tino, ve­ne­rado como o pri­meiro bispo desta cidade. († s. VII/VIII). São Corentino, bispo. Ver páginas 241-242: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

6*.   Em Le Dorat, no ter­ri­tório de Li­moges, na Aqui­tânia, ac­tu­al­mente também na França, Santo Is­rael, pres­bí­tero e có­nego re­grante, que prestou grande ajuda ao bispo na pre­gação da pa­lavra de Deus. († 1014)

7*.   Em Neumünster, na re­gião do Hols­tein, na Ale­manha, o dia natal de São Vi­ce­lino (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo de Ol­den­burg, que se de­dicou to­tal­mente à evan­ge­li­zação dos Eslavos. († 1154)

8*.   Em Cél­loli, lo­ca­li­dade da Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, o Beato Bár­tolo Buonpedóni, pres­bí­tero, que, atin­gido pela lepra aos ses­senta anos, ob­teve dis­pensa da pa­ró­quia e, ves­tindo o há­bito da Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco, se re­tirou numa le­pro­saria, onde atendia pa­ci­en­te­mente a todos os que ali se en­con­travam recluídos. († 1300)

9*.   Em Bástia, perto de Assis, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato Con­rado de Óffida, pres­bí­tero da Ordem dos Me­nores, que amou e buscou a hu­mil­dade e a pri­mi­tiva po­breza da Ordem. († 1306). Ver páginas 243-245: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

10*.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, também re­gião da Itália, a co­me­mo­ração do Beato Tiago Capócci, bispo, que, sendo ere­mita de Santo Agos­tinho, foi cha­mado a di­rigir a Igreja de Be­ne­vento e de­pois a de Ná­poles, ilu­mi­nando-as com a sua sa­be­doria, dou­trina e prudência. († 1308)

11.   Em Hué, no Anam, hoje no Vi­etnam, São Simão Phan Dac Hoa, mártir, que, sendo mé­dico e pai de fa­mília, in­signe pela ca­ri­dade para com os po­bres, foi apri­si­o­nado no tempo do im­pe­rador Minh Mang por ter dado hos­pe­dagem aos mis­si­o­ná­rios e, de­pois de so­frer longo tempo de ca­ti­veiro e fre­quentes fla­ge­la­ções, fi­nal­mente de­go­lado con­sumou o seu mar­tírio. († 1840)

12*.   Perto de Cra­cóvia, na Po­lónia, o Beato Pio Bartosik, pres­bí­tero da Ordem dos Frades Me­nores Con­ven­tuais e mártir, que, du­rante a ocu­pação mi­litar da Po­lónia por um re­gime es­tran­geiro hostil a Deus, des­fa­le­cido pelas tor­turas no campo de con­cen­tração de Aus­chwitz, con­sumou o seu mar­tírio por Cristo. († 1941)

13. São Maxêncio (também na Folhinha do Coração de Jesus)

14. São Cury (também na Folhinha do Coração de Jesus)

15. Santo Artêmio e muitos outros mártires em Antioquia sob Juliano apóstata. Ver páginas 220-238: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2021.pdf

16. Santa Abra de Poitiers. Ver “Santa Abra (ca. 343 – 360) era a filha de Hilário de Poitiers e foi também reconhecida como santa… Nasceu antes que seu pai tivesse se convertido ao Cristianismo e feito bispo. Por conselho dele, ela fez voto de virgindade e se tornou freira. Durante o exílio de seu pai na Frígia, ela e a mãe permaneceram em Pictávio. Morreu logo após ele retornar em 360 e é festejada em 12 de dezembro.[1]”: Abra de Poitiers – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

17. Outros santos do dia 12 de dezembro: págs. 220-248: VIDAS DOS SANTOS – 21.pdf (obrascatolicas.com)            

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 12 de dezembro, ver ainda: 12 de dezembro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

 1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 941-943:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, protegei-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedei por nós!

Amém!

PAI AMADO DAI-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR! DAI-NOS A VOSSA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS EM VÓS! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.