Santas e Santos de 26 de fevereiro

1.   Co­me­mo­ração de Santo Ale­xandre, bispo, um glo­rioso an­cião in­fla­mado de zelo pela fé, que, de­sig­nado bispo de Ale­xan­dria de­pois de São Pedro, ex­cluiu da co­mu­nhão da Igreja o seu pres­bí­tero Ario, per­ver­tido pela ímpia he­resia e afas­tado da ver­dade di­vina e, mais tarde, com mais tre­zentos e de­zoito Pa­dres, o con­denou no Pri­meiro Con­cílio de Niceia. († 326). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no Egito, perto de 326, Santo Alexandre, bispo de Alexandria Depois de ter tentado inutilmente trazer de volta ao caminho da verdade a Ário, sacerdote de seu clero, convocou um sínodo que condenou a heresia ariana, definindo a consubstancialidade do Verbo com o Pai. Apoiado por seu diácono, o futuro Santo Atanásio, fez triunfar esta doutrina no I Concílio de Nicéia em 325, que promulgou o célebre símbolo da fé. (M). Conta a história de Ário e o Arianismo e como Santo Alexandre o enfrentou. Ver págs. 09-26:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver também “Alexandre de Alexandria foi o décimo-nono Patriarca de Alexandria, de 313 até sua morte, sucessor de Áquila de Alexandria. Durante seu patriarcado, ele lidou com um grande número de assuntos relevantes para a Igreja na época. Entre eles, a data da Páscoa, as ações de Melécio de Licópolis. Ele foi o líder da oposição ao arianismo, nomeadamente no Primeiro Concílio de Niceia. Ele também é lembrado por ter sido o mentor daquele que seria seu sucessor, Atanásio de Alexandria, um dos maiores padres da Igreja[1].”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Alexandre_I_de_Alexandria

– Ver ainda “PRIMEIRO CONCÍLIO DE NICEIA … CONTROVÉRSIA ARIANA: A controvérsia ariana surgiu em Alexandria quando o recém-reinstaurado presbítero Ário começou a difundir visões doutrinárias contrárias às de seu bispo, Alexandre de Alexandria.[42] As questões disputadas centraram-se na natureza e no relacionamento de Deus (o Pai) e do Filho de Deus (Jesus). Os desacordos surgiram de ideias diferentes sobre a divindade e o que significava para Jesus ser o Filho de Deus. Alexandre sustentava que o Filho era divino, exatamente no mesmo sentido que o Pai é, co-eterno com o Pai, do contrário ele não poderia ser um Filho verdadeiro.[15][43]

Ário enfatizou a supremacia e singularidade de Deus Pai, significando que o Pai é todo-poderoso e infinito, e que, portanto, a divindade do Pai deve ser maior que a do Filho. Ário ensinou que o Filho teve um começo, e que ele não possuía nem a eternidade nem a verdadeira divindade do Pai, mas foi feito “Deus” somente pela permissão e poder do Pai, e que o Filho era o primeiro e a mais perfeita das criaturas de Deus.[15][43]

Grande parte do debate dependia da diferença entre ser “nascido” ou “criado” e ser “gerado”. Os arianos viram isso, essencialmente, como o mesmo, ao contrário dos seguidores de Alexandre. O significado exato de muitas das palavras usadas nos debates em Niceia ainda não estavam claras o suficiente para os falantes de outras línguas. Palavras gregas como “essência” (ousia), “substância” (hypostasis), “natureza” (physis), “pessoa” (prosopon), traziam uma variedade de significados extraídos de filósofos pré-cristão e que implicaram em mal-entendidos até que foram finalmente esclarecidos. A palavra homoousia, em particular, foi inicialmente desprezada por muitos bispos por causa de suas associações com os hereges gnósticos (que a usavam em sua teologia), e porque suas heresias haviam sido condenadas no Sínodo de Antioquia em 264-268…

RESULTADO DO DEBATE:

O concílio declarou que o Filho era verdadeiro Deus, co-eterno com o Pai e gerado de sua mesma substância, argumentando que tal doutrina codificava melhor a apresentação bíblica do Filho, assim como a crença cristã tradicional sobre ele transmitida pelos apóstolos. Essa crença foi expressa pelos bispos no Credo de Niceia, que formou a base do que é conhecido atualmente como Credo Niceno-Constantinopolitano.[50]”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Primeiro_Conc%C3%ADlio_de_Niceia

– Ver ARIANISMO “arianismo foi uma visão cristológica antitrinitaria sustentada pelos seguidores de Ário, presbítero cristão de Alexandria nos primeiros tempos da Igreja primitiva, que negava a existência da consubstancialidade entre Jesus e Deus Pai, que os igualasse, concebendo Cristo como um ser pré-existente e criado, embora a primeira e mais excelsa de todas as criaturas, que encarnara em Jesus de Nazaré. Jesus então, seria subordinado a Deus Pai, sendo Ele (Jesus) não o próprio Deus em si e por si mesmo. Segundo Ário, só existe um Deus e Jesus é seu filho e não o próprio Deus. Ao mesmo tempo afirmava que Deus seria um grande eterno mistério, oculto em si mesmo, e que nenhuma criatura conseguiria revelá-lo, visto que Ele não pode revelar a si mesmo. Com esta linha de pensamento, o historiador H. M. Gwatkin afirmou, na obra “The Arian Controversy”: “O Deus de Ário é um Deus desconhecido, cujo ser se acha oculto em eterno mistério“.[1]

Foi condenada como heresia no Primeiro Concílio de Niceia em 325 devido ao Antitrinitarismo da doutrina.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arianismo

2.   Em Bo­lonha, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, São Faus­ti­niano, bispo, que, pela pa­lavra da pre­gação, for­ta­leceu e fez crescer esta Igreja ator­men­tada pela perseguição. († s. IV)

3.   Em Gaza, na Pa­les­tina, São Por­fírio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, na­tural de Tes­sa­ló­nica, que viveu como ana­co­reta cinco anos no de­serto de Cete e ou­tros cinco na Trans­jor­dânia, com grandes ma­ni­fes­ta­ções de bon­dade para com os po­bres. De­pois, or­de­nado bispo de Gaza, abateu muitos tem­plos de­di­cados aos ídolos, cujos se­quazes o ti­nham feito so­frer duras ad­ver­si­dades, até que fi­nal­mente des­cansou na paz dos Santos. († 421). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano de 420, a volta para Deus de São Porfírio, monge no deserto de Cétia durante cinco anos, e depois na Palestina, em uma gruta às margens do Jordão. Foi eleito bispo para o serviço da Igreja de Gaza, onde plicou-se a confirmar os crentes em sua fé e a libertá-los das práticas pagãs e do erro ariano. (M). Ver também págs. 31-37:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

– Ver também “Porfírio de Gazabispo de Gaza (Tessalónica, c. 347420) foi um clérigo e bispo cristão que foi santificado pela Igreja Católica e que exerceu grande influência na política e na religião de seu tempo.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Porf%C3%ADrio_de_Gaza

4*.   Em Ne­vers, ci­dade da Nêus­tria, ac­tu­al­mente na França, Santo Agrí­cola, bispo. († c. 594). Ver “Agrícola de Nevers, Arigle o Arille fue un obispo y noble francés del siglo VI, venerado como santo por la Iglesia Católica y conmemorado el 26 de febrero.”: Agrícola de Nevers – Wikipedia, la enciclopedia libre

5.   Em Arcis-sur-Aube, na re­gião de Cham­pagne, hoje também na França, São Vítor, ere­mita, que é lou­vado nos es­critos de São Bernardo. († s. VII). Ver página 37: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Isabel_de_Fran%C3%A7a_(1225%E2%80%931269)

6.   Em Flo­rença, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, Santo André, bispo. († s. IX)

7*.   Em Lon­dres, ci­dade da In­gla­terra, o Beato Ro­berto Drury, pres­bí­tero e mártir, que, acu­sado fal­sa­mente de cons­pi­ração contra o rei Jaime I, na praça de Ty­burn, re­ves­tido com o há­bito ecle­siás­tico para mos­trar a sua dig­ni­dade sa­cer­dotal, so­freu por Cristo o su­plício do patíbulo. († 1607)

8*.   Em Olesa de Mont­serrat, po­vo­ação da pro­víncia de Bar­ce­lona, na Es­panha, Santa Paula de São José Ca­la­sanz (Paula Montal Fornés), virgem, que fundou o Ins­ti­tuto das Fi­lhas de Maria das Es­colas Pias. († 1889). Ver “Santa Paula Montalt de São José de Calasanz (n. Paula Montal Fornés, Arenys de MarBarcelona11 de outubro de 1799 – Olesa de MontserratBarcelona26 de fevereiro de 1889) era uma freira cristã e santa cristã.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Madre_Paula_Montalt

9*.   Em Al­can­ta­rilla, perto de Múrcia, na Es­panha, a Beata Pi­e­dade da Cruz (To­ma­sina Ortiz Real), virgem, que por amor de Deus se con­sa­grou di­li­gen­te­mente à for­mação e ca­te­quese dos po­bres e fundou a Con­gre­gação das Irmãs Sa­le­si­anas do Sa­grado Co­ração de Jesus. († 1916)

10. Em Perga, na Pan­fília, na ac­tual Tur­quia, a paixão de São Nestor (no Martirológio Romano, dia 25 de fevereiro), bispo de Ma­gido e mártir, que, pre so du­rante a per­se­guição do im­pe­rador Décio, foi con­de­nado pelo go­ver­nador da pro­víncia a morrer na cruz, para que so­fresse o mesmo su­plício do Cru­ci­fi­cado, cuja fé professava. († c. 250). Conforme o Martirológio Romano-Monástico (de 26 de fevereiro), em Megidos, na Ásia Menor, o Bem-Aventurado Nestor (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo. Convidado a dar sua concordância às ordens fanáticas do imperador Décio, respondeu que se submeteria apenas às ordens de Cristo, “Rei dos céus e Filho do Deus vivo”. A partir desta resposta, foi condenado a sofrer o mesmo martírio de seu divino Mestre. (M). Ver também págs. 27-30:

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

11. Em Perga, os Santos Pápias, Deodoro (também na Folhinha do Coração de Jesus), Cônon e Claudiano, martirizados antes de São Nestor. Ver pág. 38: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

12. Outros santos do dia 26 de fevereiro, páginas 09-38:  VIDAS DOS SANTOS – 4.pdf (obrascatolicas.com)

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XXI – Editora das Américas – 10 de julho de 1959

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 26 de fevereiro, ver ainda: 26 de fevereiro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 224-226:

Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Maria, proteja-nos!

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós!

Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!  NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO: MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS/OS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES.

CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDEI POR NÓS!

MUITO OBRIGADO!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.(últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Ver:

https://vidademartiressantasesantos.blog/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.