Santas e Santos de 15 de julho

1. Me­mória do se­pul­ta­mento de São Bo­a­ven­tura (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo de Al­bano, na Itália, e doutor da Igreja, in­signe pela sua dou­trina, san­ti­dade de vida e emi­nente ac­ti­vi­dade ao ser­viço da Igreja. Di­rigiu com suma pru­dência, como mi­nistro geral, a Ordem dos Me­nores, se­gundo o es­pí­rito de São Fran­cisco. Soube aliar nos seus nu­me­rosos es­critos a am­pli­tude da eru­dição com o ardor da pi­e­dade. Quando tra­ba­lhava na pre­pa­ração do Con­cílio de Lião II, me­receu passar à bem-aven­tu­rada visão de Deus.

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Boaventura. Tendo entrado na Ordem dos Frades Menores, foi durante muito tempo professor na Universidade de Paris, onde, discípulo da escola agostiniana, expôs “o itinerário da alma para Deus”. Mais tarde, eleito Geral da Ordem, conseguiu conciliar as exigências de uma vida evangélica com o mínimo de instituições necessárias a uma família religiosa em expansão. Morreu como cardeal-bispo de Albano, durante a realização do Concilio de Lião, em 1274 e foi cognominado “Doutor Seráfico”. (R).

Seráfico: semelhante a Serafim: anjo pertencente ao primeiro dos nove coros celestiais da hierarquia mais elevada. Conforme: https://pt.aleteia.org/2017/01/31/conhecendo-a-hierarquia-dos-anjos-e-suas-respectivas-funcoes/ 

– Ver também: “os que estão mais próximos de Deus”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Serafim.

– Ver ainda: Espírito celeste da primeira hierarquia dos anjos, na Bíblia e na teologia cristã (Dicionário Houaiss)

– Ver páginas 09-25: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf   († 1274)

– Ver também “…BoaventuraO.F.M. (em italianoBonaventura), nascido Giovanni di Fidanza, foi um teólogo e filósofo escolástico medieval nascido na Itália no século XIII. Sétimo ministro-geral da Ordem dos Frades Menores, foi também cardeal-bispo de Albano. Boaventura foi canonizado em 14 de abril de 1482 pelo papa Sisto IV e declarado Doutor da Igreja em 1588 pelo papa Sisto V como “Doutor Seráfico” (em latimDoctor Seraphicus). Diversas obras que durante a Idade Média se acreditava ser de Boaventura foram depois atribuídas ao chamado “Pseudo-Boaventura“…

A festa de São Boaventura foi incluída no Calendário Geral Romano logo depois de sua canonização. Inicialmente, era celebrada no segundo domingo de julho, mas foi movida em 1568 para o dia 14 de julho, pois no dia quinze, o aniversário de sua morte, já se comemorava a festa de Santo Henrique. A festa permaneceu sendo celebrada nesta data como festa de “segunda classe”, até 1960, quando foi reclassificada como festa de “terceira classe”. Em 1969, ela foi novamente classificada como uma memoria obrigatória e movida novamente para 15 de julho, aniversário de sua morte, data na qual se celebra São Boaventura atualmente.[14]…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Boaventura

– Ver “… 1274 São Boaventura franciscano, teólogo, doutor da Igreja, culto e santo; contemporâneo de Santo Tomás de Aquino e Santo Alberto Magno… Nasceu em 1221.  Boaventura , franciscano , teólogo, doutor da Igreja, era culto e santo. Por causa do espírito que o encheu e seus escritos, ele foi inicialmente chamado de Médico Devoto; mas nos séculos mais recentes ele tem sido conhecido como o Doutor Seráfico, em homenagem ao “Pai Seráfico” Francisco, por causa do espírito verdadeiramente franciscano que possuía…

Boaventura uniu tanto a santidade ao conhecimento teológico que subiu às alturas do misticismo, embora permanecendo um pregador e professor muito ativo, amado por todos que o encontraram. Conhecê-lo era amá-lo; lê-lo é ainda hoje para nós encontrarmos um verdadeiro franciscano e um cavalheiro.
Bonaventure, OFM B Doctor (RM) Nasceu em Bagnorea perto de Viterbo, Itália, em 1221; morreu em Lyon, França, em 1274; canonizado em 1482; declarado Doutor (o “Doutor Seráfico“) da Igreja em 1587 por Sisto V; dia de festa anteriormente em 14 de julho.

“Não olhe para a luz, mas sim para o fogo violento que leva a alma a Deus com intenso fervor e amor ardente.” – Boaventura…

… “A oração é, portanto, a fonte e a origem de todo caminho ascendente em direção a Deus. Que cada um de nós, então, volte-se para a oração e diga ao nosso Senhor Deus: ‘Guia-me, Senhor, no teu caminho, para que eu possa andar na tua verdade.’ “…

… “Da contemplação da Paixão, a alma receberá uma nova compaixão, um novo amor, novos consolos e, conseqüentemente, por assim dizer, um novo estado de alma, que parece ser um presságio e parte da glória eterna.”…

… Nascido Giovanni (João) di Fidanza, uma lenda pouco confiável diz que seu nome foi mudado para Boaventura (“boa fortuna”) por São Francisco de Assis, que milagrosamente o curou de uma doença perigosa durante sua infância e exclamou: O buona ventura!…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly15.html

2.   Em Porto Ro­mano, perto do ac­tual Fiu­mi­cino, na Itália, os santos Eu­trópio, Zó­sima e Bo­nosa, mártires. († data inc.).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Porto, perto de Roma, o martírio de Santo Eutrópio e de suas irmãs, Santas Zózima e Bonosa. (M)

3.   Em Car­tago, ac­tu­al­mente na Tu­nísia, junto à Via cha­mada dos Ci­li­tanos, na ba­sí­lica de Fausto, o se­pul­ta­mento de São Félix, bispo de Ti­biuca e mártir, que, res­pon­dendo à ordem do pro­cu­rador Mag­ni­liano para que lan­çasse ao fogo os li­vros da Es­cri­tura, de­clarou que pre­feria ser quei­mado ele mesmo em vez da Es­cri­tura di­vina, e ime­di­a­ta­mente foi morto à es­pada pelo procônsul Anulino. († 303)

4.   Também em Car­tago, a co­me­mo­ração dos santos Ca­tu­lino, diá­cono e mártir, em cuja honra Santo Agos­tinho pregou um sermão ao povo, e ou­tros már­tires cujos corpos re­pousam na ba­sí­lica de Fausto. († 303).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, em Cartago, o Bem-Aventurado Catulino, diácono, junto com um grupo de quatro mártires. (M)

5.   Em Ale­xan­dria, no Egipto, os santos már­tires Fi­lipe e dez crianças. († c. s. IV)

6.   Na ilha de Té­nedo, no He­les­ponto, junto ao ac­tual es­treito de Dar­da­nelos, Santo Abu­démio, mártir. († s. IV)

7.   Em Ní­sibe, na Me­so­po­tâmia, hoje Nu­saybin, na Tur­quia, São Tiago, pri­meiro bispo desta ci­dade, que par­ti­cipou no Con­cílio de Ni­ceia, go­vernou em paz o seu povo e o de­fendeu dos ata­ques dos ini­migos da fé. († 338).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Mesopotâmia, no ano do Senhor de 338, o retorno para Deus de São Tiago. Célebre asceta, foi mestre espiritual de Santo Efrém. Ao tornar-se bispo, propagou o Evangelho e fundou a Igreja da Nisíbia. Santo Atanásio de Alexandria louvou seu zelo no combate ao arianismo (M).

– Ver página 51: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

8*.   Em Ro­er­mond, no Bra­bante, re­gião da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na Ho­landa, São Ple­quelmo, bispo, que, oriundo da Nor­túm­bria, anun­ciou a muitos as ri­quezas de Cristo. († c. 713)

9*.   No mos­teiro de Ans­bach, na Fran­cónia, ac­tu­al­mente na Ale­manha, São Gum­berto, abade, que fundou este ce­nóbio na sua herdade. († c. 790)

10.   Na Tes­sália, re­gião da Grécia, o pas­sa­mento de São José, bispo de Tes­sa­ló­nica, irmão de São Te­o­doro Es­tu­dita, que, du­rante a vida de monge, compôs nu­me­rosos hinos e, pro­mo­vido de­pois ao epis­co­pado, su­portou muitas e ás­peras ad­ver­si­dades por de­fender a dis­ci­plina ecle­siás­tica e o culto das sa­gradas ima­gens contra a he­resia ico­no­clasta; fi­nal­mente foi re­le­gado para a Tes­sália, onde morreu de fome. († 832)

11.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, Santo Ata­násio, bispo, que, de­pois de ter so­frido muito da parte do seu ímpio so­brinho Sérgio, foi ex­pulso da sua sede epis­copal e, con­su­mido pelas tri­bu­la­ções, em Vé­roli, ter­ri­tório dos Hér­nicos, no Lácio, subiu à mo­rada celeste. († 872).

– Ver páginas 55-56: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

12.   Em Kiev, na Rússia, ac­tu­al­mente na Ucrânia, São Vla­dimir, prín­cipe, que re­cebeu no Bap­tismo o nome de Ba­sílio e tra­ba­lhou di­li­gen­te­mente para di­fundir a ver­da­deira fé entre os povos que governava. († 1015).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Rússia, no ano da graça de 1015, São Vladimir. Neto de Santa Olga, recebeu o batismo com seu povo em Quiev e dedicou-se desde então a construir um estado cristão cuja benéfica influência fez-se sentir por diversas gerações.

– Ver “Vladimir I ou Valdemar I, dito o Grande, (em antigo eslavo oriental: Володимѣръ Свѧтославичь, Volodiměrъ Svętoslavičь; em nórdico antigoValdamarr gamli; c. 958 – 15 de julho de 1015, Berestove) foi príncipe da Novogárdia (970), grão-príncipe de Quieve e governante dos rus’ de Quieve de 980 até 1015. É considerado santo pelas Igrejas Ortodoxa e Católica por seu papel na cristianização da Rússia de Quieve.[1]”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vladimir_I_de_Quieve

13*.   Em Rat­ze­burgo, no Hols­tein, na ac­tual Ale­manha, Santo An­suero, abade e mártir, que, com ou­tros vinte e oito monges, foi ape­dre­jado até à morte pelos Vendos, amo­ti­nados contra os pre­ga­dores da fé cristã. († 1066)

14*.   Em Västeras, na Suécia, São David, bispo, que, de na­ci­o­na­li­dade in­glesa, de­pois de ter sido foi monge de Cluny, dali partiu para con­verter os Su­ecos a Cristo e, já an­cião, morreu pi­e­do­sa­mente no mos­teiro que fundara. († c. 1082)

15*.   Em Breslau, na Si­lésia, ac­tu­al­mente na Po­lónia, o Beato Ceslau, pres­bí­tero dos pri­meiros ir­mãos da Ordem dos Pre­ga­dores, que tra­ba­lhou pelo reino de Deus na Si­lésia e nou­tras re­giões da Polónia. († 1242)

16*.   Em Mon­ca­liéri, lo­ca­li­dade do Pi­e­monte, re­gião da Itália, o Beato Ber­nardo, mar­grave de Baden, que foi sur­pre­en­dido pela morte quando se di­rigia para o Ori­ente a fim de de­fender os povos cris­tãos de­pois da con­quista de Cons­tan­ti­nopla pelos inimigos. († 1458)

– Ver “Bernando II de Baden-Baden (em alemãoBernhard II. von Baden-BadenBaden-Baden1428[1] – Moncalieri15 de julho de 1458), chamado de “beato Bernardo” (seliger Bernhard), foi um nobre alemão, pertencente à Casa de Zähringen…”: Bernardo II de Baden-Baden – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

17*.   Co­me­mo­ração dos be­atos már­tires Inácio de Azevedo, pres­bí­tero, e trinta e nove companheiros da Com­pa­nhia de Jesus, que em Por­tugal se ce­le­bram no dia de­zas­sete deste mês. († 1570).

– Ver páginas 57-61: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Ver também dia 17 de julho: Co­me­mo­ração dos be­atos már­tires Inácio de Azevedo, pres­bí­tero, e trinta e nove companheiros da Com­pa­nhia de Jesus, que se di­ri­giam para as mis­sões do Brasil numa nau cha­mada «São Tiago», quando foram as­sal­tados por um barco de pi­ratas e pas­sados ao fio da es­pada e golpes de lança em ódio à re­li­gião católica. São estes os seus nomes: Diogo de An­drade, pres­bí­tero; Gon­çalo Hen­ri­ques, diá­cono; An­tónio So­ares, Bento de Castro, João Fer­nandes, Ma­nuel Ál­vares, Fran­cisco Ál­vares, João de Mayorga, Es­têvão de Zu­rara, Afonso de Baena, Do­mingos Fer­nandes, outro João Fer­nandes, Aleixo Del­gado, Luís Cor­reia, Ma­nuel Ro­dri­gues, Simão Lopes, Ma­nuel Fer­nandes, Ál­varo Mendes, Pedro Nunes, Luís Ro­dri­gues, Fran­cisco de Ma­ga­lhães, Ni­colau Dinis, Gaspar Ál­vares, Brás Ri­beiro, An­tónio Fer­nandes, Ma­nuel Pa­checo, Pedro de Fon­toura, André Gon­çalves, Amaro Vaz, Diogo Pires, Marcos Cal­deira, An­tónio Cor­reia, Fer­nando Sán­chez, Gre­gório Es­cri­bano, Fran­cisco Pérez Godoy, João de Zafra, João de San Martin, Simão da Costa, re­li­gi­osos; e ainda João “Agre­gado” (isto é, que se lhes juntou). († 1570).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em 1570, o martírio do Bem-Aventurado Inácio de Azevedo e seus trinta e nove companheiros. Jesuíta português, mandado para as missões do Brasil, Inácio voltou à pátria para recrutar colaboradores. Na viagem de volta, o navio em que viajavam foi capturado por corsários anticatólicos, sendo todos os religiosos executados. Inácio de Azevedo morreu exortando seus companheiros à fé e dando testemunho de Cristo. Beatificados pelo papa Pio IX em 1854. (M).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus, de 16/07/2012: 17/07: BVS. INÁCIO DE AZEVEDO E COMPS. Os santos que hoje celebramos fazem parte daquela multidão de homens e mulheres, muitos deles anônimos, que doaram suas vidas pelo anúncio da Boa-nova no Brasil. Inácio de Azevedo, português e ducado em Coimbra, tendo ouvido o apelo para a missão, entrou para a Companhia de Jesus aos 22 anos. Depois de exercer funções em Portugal, em 1570 ele e 87 companheiros foram enviados, em três navios, para a missão no Brasil. Durante a viagem, o navio em que viajava Inácio e outros 39 companheiros parou por causa da calmaria. Atacados por piratas, os jesuítas acabaram todos degolados e lançados ao mar. Mesmo sem terem chegado ao Brasil, podemos afirmar, que o sangue destes mártires regou as nossas terras, fazendo germinar nela a semente fecunda do anúncio do Reino. (Frei Sandro Roberto da Costa, OFM-Petrópolis/RJ)

– Ver também  “Inácio de Azevedo de Ataíde Abreu e Malafaia, mais conhecido como Beato Inácio de Azevedo, foi um jesuíta português do século XVI. É um dos “Quarenta Mártires do Brasil“, beatificados pelo Papa Pio IX em 11 de Maio de 1854…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_de_Azevedo

18.   Em Campi Sa­len­tina, na Apúlia, re­gião da Itália, São Pom­pílio Maria Pirróti, pres­bí­tero da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes das Es­colas Pias, in­signe pela aus­te­ri­dade da sua vida. († 1766).

– Ver páginas 62-63: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

19*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na costa ma­rí­tima da França, o Beato Mi­guel Ber­nardo Marchand, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por causa do seu sa­cer­dócio foi de­por­tado de Ruão para a prisão na esquá­lida ga­lera, onde morreu con­su­mido pela enfermidade. († 1794)

20.   Em Nam Dinh, ci­dade do Ton­quim, ac­tu­al­mente no Vi­etnam, São Pedro Nguyen Ba Tuan, pres­bí­tero e mártir, que, preso pela sua fi­de­li­dade a Cristo no tempo do im­pe­rador Minh Mang, morreu de fome no cárcere. († 1838)

21*.   Em Paris, na França, a Beata Ana Maria Javouhey, virgem, que fundou a Con­gre­gação das Irmãs de São José de Cluny para o cui­dado dos en­fermos e a for­mação cristã da ju­ven­tude fe­mi­nina, obra que di­fundiu nas terras de missão. († 1851)

22.   Em My Tho, pro­víncia da Co­chin­china, ac­tu­al­mente no Vi­etnam, Santo André Nguyen Kim Thong Nam (Nam Thuong), mártir, que, no tempo do im­pe­rador Tu Duc, por ser ca­te­quista, foi en­car­ce­rado e de­pois en­viado para o exílio, obri­gado a ca­mi­nhar preso com ca­deias e car­re­gando uma trave, até que, fi­nal­mente, con­sumou du­rante a vi­agem o seu martírio. († 1855)

23*.   Em Bi­elsk Po­dlaski, po­vo­ação da Po­lónia, o Beato An­tónio Beszta-Borowski, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a guerra, foi preso pelos ini­migos da fé cristã e fu­zi­lado, mor­rendo por Cristo. († 1943)

24. Santa Justa (também na Folhinha do Coração de Jesus)

– Ver “…4º v. St. Secundinus, Agrippinus, Maximus, Fortunatus e Martialis Um grupo de mártires que foram condenados à morte na província romana da Panônia.
Catulinus (Cartholinus), Januarius, Florentius, Julia & Justa MM (RM)
Os corpos destes mártires cartagineses estão consagrados na basílica de Fausta em Cartago. Santo Agostinho pregou um panegírico sobre o diácono São Catulino, que ainda existe. (Beneditinos).”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly15.html

25. Santa Rosália (também na Folhinha do Coração de Jesus). Em Palermo, a descoberta do corpo de Santa Rosália, virgem que, sob o pontificado de Urbano VIII, tendo sido encontrado milagrosamente, livrou a Sicilia da peste, no ano do jubileu (ver 4 de setembro, pág. 38: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf ).

– Ver também: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

26. Santo Hen­rique (também na Folhinha do Coração de Jesus de 13 de julho, Santo Henrique II), im­pe­rador dos Ro­manos, que, jun­ta­mente com sua es­posa, Santa Cu­ne­gundes, se em­pe­nhou na re­no­vação da vida da Igreja e na pro­pa­gação da fé cristã em toda a Eu­ropa; ani­mado por di­li­gente zelo mis­si­o­nário, ins­ti­tuiu muitas sedes epis­co­pais e fundou mos­teiros. Morreu neste dia em Grone, pró­ximo de Göttingen, na Fran­cónia, na ac­tual Alemanha. († 1024).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Bamberg, na Baviera, no ano graça de 1024, o nascimento no cốu de Santo Henrique II, imperador. Grande admirador de Cluny e da literatura romana, ofereceu dotes a igrejas e mosteiros pobres, e ajudou nas reform asmonásticas de Gorze e de São Maximino de Treves. Santo Henrique é o padroeiro celeste dos oblatos beneditinos. (R).  

– Ver páginas 38-50: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

OBSERVAÇÃO: Em Bamberg, a morte de Santo Henrique I, imperador dos romanos e confessor: com Santa Cunegunda, sua esposa, guardou a castidade perpétua. A Santo Estêvão, rei da Hungria, fez com que abraçasse, com quase todo o reino, a fé católica. Celebra-se-lhe a festa a 15 deste mês. Ver página 466: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2012.pdf

– Ver também “Henrique II (Bad Abbach6 de maio de 973 – Gotinga13 de julho de 1024), também chamado de Santo Henrique, foi o Imperador Romano-Germânico de 1014 até sua morte e o último monarca da dinastia otoniana. Ele tornou-se Duque da Baviera em 995 depois da morte de seu pai, foi eleito Rei da Germânia em 1002 depois da morte repentina de seu primo Otão III e mais tarde eleito Rei da Itália em 1004. Era filho de Henrique II, Duque da Baviera, e Gisela da Borgonha… Faleceu em Bamberga, atual Alemanha, aos 13 de junho de 1024. Segundo se conta, ele e sua esposa fizeram votos de castidade e por isto não deixaram filhos.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Henrique_II_do_Sacro_Imp%C3%A9rio_Romano-Germ%C3%A2nico

– Ver ainda “…Ele e sua esposa, St. Cunegundes, viviam em castidade perpétua, à qual se comprometeram por voto. O Santo fez numerosas fundações piedosas, deu liberalmente a instituições piedosas e construiu a Catedral de Bamberg. Sua morte sagrada ocorreu no castelo de Grone, perto de Halberstad, em 1024. Ele é o santo padroeiro dos sem filhos, dos duques, dos deficientes e rejeitados pela ordem religiosa”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly13.html

Ver também dia 13 de julho.

27. São Barhadbesaba, mártir. Ver páginas 52-54: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “… 355 – Barhadbesaba (Barhadbesciabas), um zeloso diácono de Arbela (Adiabene), na Pérsia, foi decapitado no 15º ano das perseguições sob Shapur (Sapor) II.M (AC)
Morreu em 20 de julho, São Barhadbesaba, um zeloso diácono de Arbela (Adiabene), Pérsia, foi decapitado no 15º ano das perseguições sob Shapur II. Ele foi detido pelas tropas de Sapor Tamsapor, governador de Arbela.
Enquanto ele era atormentado, os oficiais gritavam continuamente: “Adore água e fogo, e coma o sangue de feras, e você será libertado imediatamente.” A paz interior de Barhadbesaba era tão forte que ele permaneceu alegre o tempo todo. Ele costumava dizer ao juiz: “Nem você, nem o seu rei, nem qualquer tormento jamais me separará do amor de Jesus; só a ele servi desde a minha infância até a velhice.”
Incapaz de persuadi-lo a apostatar, Sapor o condenou a ser decapitado por Aghaeus, um nobre cristão apóstata. O santo estava cheio de alegria pelo martírio, mas Aghaeus tremia tanto que não conseguiu dar o golpe. Ele bateu no pescoço do mártir sete vezes sem terminar o ato; portanto, ele enfiou a espada no santo ‘

Embora o juiz colocasse guardas sobre as relíquias sagradas, dois sacerdotes as carregaram à noite e as enterraram à maneira romana (Beneditinos, Husenbeth)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly15.html

28. 15 DE JULHO (EM ALGUNS LUGARES) FESTA DA DISPERSÃO DOS APÓSTOLOS. Ver “Dispersão dos apóstolos (em latimDivisio Apostolorum) foi uma festa litúrgica celebrada em alguns lugares em comemoração ao trabalho missionário dos apóstolos que, segundo a tradição teriam fundado alguma sé apostólica. Ela era celebrada em 15 de julho.

O primeiro vestígio desta festa aparece sequência composta por um tal Godescalc (m. 1098), um monge de Limburgo no Haardt; ele também introduziu esta festa em Aachen quando foi provost da Igreja de Nossa Senhora. Ela foi mencionada depois por Guilherme Durandobispo de Mende (Rationale Div. Off. 7.15), na segunda metade do século XIII. Com o título de “Dimissio”“Dispersio” ou “Divisio Apostolorum”, foi celebrada na Idade Média na Espanha e na Itália. O objetivo da festa, segundo Gondescalc, era comemorar a partida (dispersão) dos apóstolos a partir de Jerusalém para diversas partes do mundo, provavelmente quatorze anos depois da Ascensão de Jesus, presumivelmente depois da Grande Comissão (Marcos 16:14-20Mateus 28:18-20). De acordo com Durando, alguns de seus contemporâneos comemoravam nesta festa a (apócrifa) divisão das relíquias de São Pedro e São Paulo pelo papa Silvestre I.

Em 1909, segundo o artigo da Enciclopédia Católica, a festa ainda era observada em algumas sociedades missionárias na Alemanha e na Polônia, em algumas dioceses do Reino UnidoFrança e Estados Unidos.

A festa já não foi incluída no Calendário tridentino e nem em nenhuma outra revisão do Calendário Geral Romano.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dispers%C3%A3o_dos_ap%C3%B3stolos

– Ver também “(Lat. Divisio Apostolorum), uma festa em comemoração ao trabalho missionário dos Doze Apóstolos. É comemorado como um duplo major em 15 de julho. O primeiro vestígio desta festa é encontrado na sequência composta por um certo Godescalc (d. 1098) enquanto um monge de Limburg no Haardt; ele também introduziu esta festa em Aachen, quando reitor da igreja de Nossa Senhora. A sequência é autêntica sem dúvida. É mencionado por Guilherme Durandus, Bispo de Mende (Racionais Div. Off. 7.15) na segunda metade do século XIII. Sob o título ” Dimissio”, “Dispersio”, ou Divisio Apostolorum” foi universalmente celebrado durante a Idade Média na Espanha e itália. O objetivo da festa (então Godescalcus) é comemorar a partida (dispersão) dos Apóstolos de Jerusalém para as várias partes do mundo, cerca de quatorze anos após a Ascensão de Cristo. De acordo com Durandus, alguns de seus contemporâneos honraram esta festa a divisão (apócrifa) das relíquias (corpos) de São Pedro e São Paulo por São S. Sylvester. A festa é agora mantida com solenidade pelas sociedades missionárias modernas, na Alemanha e na Polônia, também em algumas dioceses inglesas e francesas e nos Estados Unidos pelas províncias eclesiásticas de St. Louis, Chicago, Milwaukee, Dubuque e Santa Fé. F.G. HOLWECK”: https://en.wikisource.org/wiki/Catholic_Encyclopedia_(1913)/Dispersion_of_the_Apostles

29. Outros santos do dia 15 de JULHO, páginas: 38-66 http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

Sobre 15 de julho, ver ainda: 15 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 545-549: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

7. http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly15.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO DÊ-NOS, À NOSSA FAMÍLIA E A TODOS OS QUE O SENHOR JÁ CHAMOU E OS QUE ESTÃO AQUI, A GRAÇA DE ESTARMOS COM O SENHOR, A  MÃEZINHA MARIA, SÃO JOSÉ E TODAS AS SANTAS E SANTOS QUANDO O SENHOR NOS CHAMAR TAMBÉM! DÊ-NOS A SUA GRAÇA! OBRIGADO PAI AMADO! PEDIMOS POR JESUS CRISTO, SEU FILHO, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! NÓS CONFIAMOS NO SENHOR! AMÉM!

OBSERVAÇÃO:

MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE   SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES.

ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio, lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.”  (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

* “Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

* “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”,
mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

* “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: Meios de se preparar para uma boa morte …: Na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado...”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO! DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA! MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS! EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

-Ver o blog

https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!