Santas e Santos de 28 de julho

1.   Co­me­mo­ração dos santos Pró­coro, Ni­canor, Timão, Pár­menas e Ni­colau pro­sé­lito de An­ti­o­quia, os quais per­tencem ao grupo dos sete que, cheios do Es­pí­rito Santo e de sa­be­doria, foram es­co­lhidos pela mul­tidão dos dis­cí­pulos e sobre quem os Após­tolos im­pu­seram as mãos para o ser­viço dos necessitados.

– Ver “… Os santos Nicanor, Prócoro, Timão e Parmenas, Apóstolos dos Setenta, estavam entre os primeiros diáconos da Igreja de Cristo… Eles são comemorados juntos em 28 de julho, embora tenham morrido em vários momentos e em vários lugares…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly28.html

2.   Em Roma, São Vítor I, papa, afri­cano, que es­ta­be­leceu que o dia da Páscoa fosse ce­le­brado em toda a Igreja no do­mingo a se­guir à Páscoa judaica. († c. 200).

Ver tambémVÍTOR I foi o décimo quarto papa da Igreja Católica Apostólica Romana entre (datas aproximadas) 189 e 199.[1] Vítor nasceu na província romana de Tunísia; esta notícia é bastante certa, pois na Catedral Católica de Tunes, à esquerda do altar, tem um mosaico com o rosto dele. De seu pai sabe-se somente que se chamava Félix.

Vítor I estabeleceu que qualquer tipo de água, quer seja de um rio, mar ou outras fontes, pode ser utilizada no batismo, no caso de faltar água benta. Outra contribuição importante foi que Vítor tomou partido do estabelecimento do domingo (em substituição do sábado) como dia sagrado, em memória da ressurreição de Cristo, embora a prática só se tornasse universal no Primeiro Concílio de Niceia.

Foi Vítor I quem determinou que a Páscoa seria celebrada sempre neste dia da semana, excomungando todos os bispos que se opuseram à mudança. O Primeiro Concílio de Niceia (325) confirmou sua decisão. É também sua a decisão de realizar as Missas em latim em vez de grego. Além disso, tornou herética a doutrina do adocionismo no ano de 190.[2]

Pensa-se que Vítor tenha sido martirizado durante o reinado de Septímio Severo. Seu dia é celebrado pela Igreja Católica em 28 de julho.”:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_V%C3%ADtor_I

Ver A CONTROVÉRSIA DA PÁSCOA “…Controvérsia da Páscoa é um termo utilizado para descrever um conjunto de controvérsias relacionadas com a data apropriada para se celebrar o feriado cristão da Páscoa. Até agora, a disputa teve quatro fases distintas e ainda não está completamente resolvida… Por volta de 195, Vítor tentou excomungar os quartodecimanos (Quartodecimanismo – do Vulgata latinaquarta decima citada em «No primeiro mês, aos quatorze dias do mês, à tardinha, é a Páscoa de YHWH…» (Levítico 23:5[1] significando “quatorze” – se refere ao costume de alguns cristãos antigos de celebrar o feriado da Pessach – Páscoa judaica – começando na véspera do dia 14 de Nisan – ou Abib no calendário da Bíblia hebraica -, cujo crepúsculo é conhecido biblicamente como a “Passagem do Senhor”.), transformando a diferença de práticas em uma controvérsia completa…

… O segundo estágio da controvérsia sobre a Páscoa se centrou no Primeiro Concílio de Niceia, realizado em 325 dC…

… 3ª FASE: ste sistema britânico-irlandes, pela evidência nos deixada pelo venerável Beda, fixava a Páscoa no domingo que estivesse no período de sete dias entre o décimo-quarto e o vigésimo dia do mês lunar, de acordo com um ciclo de 84 anos[4]. Estas datas limite (14-luna e 20-luna) foram confirmados por São Columbano[5]

… 4ª FASE: Em 1997, o Conselho Mundial de Igrejas propôs uma reforma do método[9] num encontro em Alepo, na Síria: a Páscoa seria definida como sendo o primeiro domingo após a primeira lua cheia astronômica posterior ao equinócio vernal como determinado no meridiano de Jerusalém. A reforma seria implementada a partir de 2001, uma vez que naquele as datas da Páscoa no ocidente e no oriente coincidiram. Porém, até outubro de 2010 ela ainda não havia sido implementada…”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Controv%C3%A9rsia_da_P%C3%A1scoa

Ver “São Vítor, Papa e Mártir e Santo Inocêncio I, Papa… Africano de nascimento, Vítor, foi eleito Papa depois da morte de Santo Eleutério, acontecida em 193 e mostrou-se digno sucessor de São Pedro…” às páginas 384-395: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

Conforme o Martirológio Romano-Monástico (DESTE DIA 28 DE JULHO), em Roma, no ano do Senhor de 417, Santo Inocêncio I, papa. Tomou energicamente a defesa de São João Crisóstomo, expulso de Constantinopla, e apoiou Santo Agostinho na luta contra os donatistas, na África, contribuindo assim para a sobrevivência e a união da Igreja em época difícil que assistiu ao desmoronamento do Império Romano.

– Ver também: PAPA INOCÊNCIO I: “O Papa São Inocêncio I (em latimInnocentius I) foi um papa eleito em 22 de dezembro de 401 e faleceu dia 12 de março de 417.

Um dos mais ferrenhos defensores, na Igreja primitiva, das prerrogativas da Sé Apostólica em questão de doutrina e disciplina eclesiástica, Inocêncio I era, na verdade, filho de Anastácio I. É o primeiro caso de um filho suceder o pai no pontificado.[1][2] Foi durante o seu pontificado que São Jerônimo terminou a revisão da tradução latina da Bíblia conhecida como Vulgata Latina, em 404.

Tendeu a unificar a Igreja ocidental em torno da “praxis romana”, estabelecendo a observância dos ritos romanos no Ocidente, o catálogo do livros canônicos e as regras monásticas. Enfrentou a heresia de Pelágio da Britânia, tendo ratificado a condenação deste e de Celestino; defendeu São João Crisóstomo. Durante seu pontificado, Roma foi saqueada pelos visigodos de Alarico I. Conseguiu que o imperador Flávio Honório proibisse as lutas de gladiadores…”

https://pt.wikipedia.org/wiki/Papa_Inoc%C3%AAncio_I#cite_note-2

– Ver “… Papa Inocêncio: foi ele que estabeleceu a uniformidade que as várias Igrejas devem ter com a doutrina apostólica romana. Além disso, estratificou em forma e conteúdo a doutrina dos sacramentos da penitência, da unção dos enfermos, do batismo e do casamento.
Durante o seu pontificado difundia-se a heresia pelagiana, condenada no ano 416 pelos concílios regionais de Melevi e de Cartago, convocados por iniciativa de santo Agostinho e com aprovação do papa Inocêncio I, que formalmente sentenciou Pelágio e seu discípulo Celestio.
O papa Inocêncio I morreu no dia 28 de julho de 417, sendo sepultado no cemitério de Ponciano, na Via Portuense, em Roma…”: http://arquisp.org.br/liturgia/santo-do-dia/santo-inocencio-i

VER EM 12 DE MARÇO: Em Roma, no ce­mi­tério de Pon­ciano “ad Ursum Pi­le­atum”, o se­pul­ta­mento de Santo Ino­cêncio I (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, que de­fendeu São João Cri­sós­tomo, con­fortou São Je­ró­nimo e aprovou Santo Agostinho. († 417).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico (deste dia 12 de março), em 417, o sepultamento de Santo Inocêncio I, papa. Estendeu a solicitude da Igreja Romana ao Oriente, defendendo São João Crisóstomo quando de sua expulsão da Sé de Constantinopla; e à África, apoiando Santo Agostinho contra a heresia donatista, Na Itália, teve quc enfrentar a invasão dos visigodos. (M)

3.   Co­me­mo­ração de nu­me­rosos mártires, que, na Te­baida do Egipto, pa­de­ceram du­rante a per­se­guição dos im­pe­ra­dores Décio e Va­le­riano; vendo que os cris­tãos de­se­javam com ardor morrer ao fio da es­pada pelo nome de Cristo, os as­tu­ci­osos ini­migos, mais em­pe­nhados na morte das almas que dos corpos, foram pro­lon­gando os su­plí­cios de morte lenta. († c. 250).

– Ver página 400: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

4.   Em Mi­leto, na Cária, na ho­di­erna Tur­quia, Santo Acácio, mártir no tempo do im­pe­rador Licínio. († 308/311)

5.   Em Milão, na Li­gúria, ac­tu­al­mente na Lom­bardia, re­gião da Itália, os santos Na­zário e Celso, már­tires, cujos corpos foram en­con­trados por Santo Ambrósio. († inv. 395).

São Nazário (na Folhinha do Coração de Jesus). Em Milão, a invenção dos Santos Nazário e Celso, em memória do dia em que Santo Ambrósio, bispo, tendo encontrado o corpo de São Nazário coberto de sangue, que parecia ainda fresco, o transferiu para a igreja dos santos apóstolos com o do bem-aventurado Celso, menino que o santo mártir havia educado, e que o juiz Anolim mandara decapitar durante a perseguição de Nero, em 28 de julho, dia no qual se lhe soleniza a festa. Santo Ambrósio compôs esta inscrição: “Nazário gozou de uma eterna paz. A Cruz, que foi seu refúgio, ainda é seu refúgio”.

Ver também dia 10 de maio. Ver páginas 256-257: http://obrascatolicas.com/livros/Bgrafia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%208.pdf

No Martirológio Romano-Monástico (de 28 de julho). “Em Milão, os mártires Santos Nazário e Celso. Santo Ambrósio, que descobriu seus corpos, compôs esta inscrição: <Nazário gozou de uma eterna paz. A Cruz, que foi o seu refúgio, ainda é seu refúgio.> (M)”

– Ver “… Nazário e Celso (em italianoSanti Nazaro e Celso; em latimNazarius et Celsus) foram dois mártires dos quais nada sabemos além da descoberta de seus corpos em Mediolano por Santo Ambrósio. Segundo Paulino, o Diácono em sua biografia do santo, o próprio Ambrósio, em algum momento nos três anos finais de sua vida, depois da morte do imperador Teodósio (m. 395), descobriu, num jardim fora das muralhas de Mediolano, o corpo de São Nazário, com a cabeça separada do corpo. Segundo a lenda, o sangue ainda estava líquido e vermelho quando seu corpo foi exumado.[1] O bispo então levou-o para a Basílica dos Apóstolos. No mesmo jardim, Ambrósio descobriu também o corpo de São Celso, que ele transportou para o mesmo lugar. Segundo a Enciclopédia Católica : “Obviamente a tradição sobre estes mártires ainda existia na comunidade cristã de Mediolano, o que levou à busca e à descoberta dos corpos”.[2]”: Nazário e Celso – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

6*.   Em Troyes, na Gália, hoje na França, São Ca­me­liano, bispo, que foi dis­cí­pulo de São Lopo e seu sucessor. († s. VI)

7.   Em Dol, na Bre­tanha Menor, também na ac­tual França, São Sansão (também na Folhinha do Coração de Jesus), abade e bispo, que di­fundiu por todo o ter­ri­tório da Dom­nonée o Evan­gelho e a dis­ci­plina mo­nás­tica que apren­dera do abade Santo Il­tudo, no País de Gales. († c. 565).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto do ano 565, o retorno para Deus de São Sansão. No começo foi monge no País de Gales, e depois passou pela Ilha de Caldey, chegando à Irlanda, de onde voltou mais tarde sagrado bispo. Refugiado no Continente, veio a fundar os mosteiros de Pental e de Dol-Em-Bretagne. (M).

– Ver páginas 396-399: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf 

8*.   Na Suécia, São Bot­vido, mártir, que, de origem sueca e bap­ti­zado na In­gla­terra, se de­dicou à evan­ge­li­zação da sua pá­tria, até que foi as­sas­si­nado por um homem que ele pró­prio tinha res­ga­tado da escravidão. († 1100)

– Ver: “…São Botuído (em suecoSankt Botvid; em latimBotuidus) foi um missionário católico da província sueca de Sudermânia, no século XII….”: Botuído da Suécia – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

9♦.   Em Nishi­zaka, lo­ca­li­dade de Na­ga­sáki, no Japão, o Beato Mi­guel Kusuriya, mártir. († 1633)

10.   Em Nam Dinh, ci­dade do Ton­quim, no ac­tual Vi­etnam, São Mel­chior Garcia Sanpedro, bispo da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, por Cristo foi en­cer­rado numa es­trei­tís­sima prisão e, por ordem do im­pe­rador Tu Duc, morreu dilacerado. († 1858)

11.   Em Ma­drid, na Es­panha, São Pedro Po­veda Castroverde, pres­bí­tero e mártir, que fundou o Ins­ti­tuto Te­re­siano para di­vul­gação da dou­trina cristã e, no início da per­se­guição contra a Igreja, foi morto em ódio à fé, ofe­re­cendo a Deus um in­signe testemunho. († 1936)

12*.   Em Purroy de la So­lana, local da pro­víncia de Hu­esca, também na Es­panha, os be­atos Ma­nuel (Emanuel) Se­gura López, pres­bí­tero, e David Carlos Marañón, re­li­gioso, ambos da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes das Es­colas Pias, már­tires na mesma perseguição. († 1936)

13*.   Em Bar­ce­lona, também na Es­panha, os be­atos José Ca­selles Moncho e José Cas­tell Camps, pres­bí­teros da So­ci­e­dade Sa­le­siana e már­tires, que, na mesma per­se­guição contra a fé, me­re­ceram através do mar­tírio al­cançar a glória eterna. († 1936)

14♦.   Em Ronda, perto de Má­laga, também na Es­panha, os be­atos Mi­guel Mo­lina de la Torre e Paulo Ca­bal­lero Lopez, pres­bí­teros, Ho­nório Her­nández Martin e João Luís Her­nández Medina, re­li­gi­osos, todos da So­ci­e­dade Sa­le­siana e már­tires, que foram fu­zi­lados na mesma per­se­guição contra a Igreja. († 1936)

15♦.   Em Ma­drid, também na Es­panha, os be­atos már­tires Sa­bino Her­nández Laso, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana, e Mi­guel Léibar Garay, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Maria, que mor­reram como ví­tima por Cristo na mesma per­se­guição contra a fé cristã. († 1936)

16♦.   Na es­trada Ma­drid-Va­lência, também na Es­panha, os be­atos Pedro Alonso Fernández, Pri­mi­tivo Sandin Miñambres, Lou­renço Ar­ribas Pa­lácio e Froilão La­nero Villadangos, pres­bí­teros da Ordem de Santo Agos­tinho e már­tires, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, con­su­maram o seu mar­tírio fu­zi­lados junto ao muro do ce­mi­tério em ódio ao sacerdócio. († 1936)

17♦.   Em Fer­nan­ca­bal­leros, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Ciudad Real, na Es­panha, o Beato Jesus Aníbal Gómez Gómez, can­di­dato ao sa­cer­dócio na Con­gre­gação dos Mis­si­o­ná­rios Fi­lhos do Co­ração Ima­cu­lado de Maria e mártir, que, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, tendo vindo da Colômbia para os es­tudos de te­o­logia, foi as­sas­s­si­nado em ódio à fé e ofe­receu a Deus o sa­cri­fício per­feito com o der­ra­ma­mento do seu sangue. († 1936)

18♦.   Em Griñon, ci­dade da  pro­víncia de Ma­drid, na Es­panha, o Beato Mário Félix (Ma­nuel José de Sousa), na­tural de Santa Marta de Bouro, lo­ca­li­dade do dis­trito de Braga, em Por­tugal, que, de­pois de ter vi­vido vá­rios anos no Brasil, voltou à pá­tria e in­gressou na Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs e, tendo sido des­ti­nado a esta Co­mu­ni­dade, foi preso e fu­zi­lado pelos per­se­gui­dores da Igreja em ódio à fé. († 1936)

19.   Em Tar­ra­gona, também na Es­panha, São Jaime Hi­lário (Ma­nuel Barbal Cosan), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs, mártir, que, du­rante a per­se­guição contra a fé cristã, foi con­de­nado à morte em ódio à Igreja. († 1937).

– Ver “Manuel Barbal Cosan (Irmão Jaime Hilário). Manuel Barbal Cosan (2 de janeiro de 1888Enviny, Diocese de Urgel, Província de LéridaEspanha – 18 de janeiro de 1937, Bosque do Monte de La Oliva, perto do Cemitério de TarragonaEspanha). Foi beatificado e canonizado pelo Papa João Paulo II, juntamente com os Santos Irmãos Mártires de Turón, respectivamente em 29 de Abril de 1990 e 21 de Novembro de 1999. Morreu em nome da fé e figura na lista dos mártires da Igreja Católica. É festejado em 28 de Julho.Em 18 de Janeiro de 1937, às 15h30min, fuzilaram-no no Cemitério “La Oliva”, em Tarragona. Mesmo após vários disparos, ele permaneceu de pé. O chefe, furioso, aproximou-se e acabou de matá-lo, atirando à queima-roupa na cabeça do santo, que ainda teve força para gritar: “Morrer por Cristo é viver, meu rapazes!”.O Irmão Jaime Hilário, como religioso, era exemplar: piedoso e fiel. Esta fidelidade, sua principal característica, lhe inculcava uma grande estima pela Congregação. Fidelidade à lealdade, à constância e ao apego à vocação. Suas cartas aos familiares estão repletas destas idéias e procurava comunicar esta fidelidade aos seus. Os escritos transpiram uma vivência de profundo amor a Deus.”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Jaime_Hilário

20*.   Em Bha­ra­nan­ganan, ci­dade do es­tado de Ke­rala, na Índia, Santa Afonsa da Ima­cu­lada Con­ceição (Ana Mut­tathu­pa­dathu), virgem, que, para evitar um ma­tri­mónio im­posto, queimou um pé no fogo e, ad­mi­tida entre as Cla­rissas Ma­la­ba­renses, viveu quase con­ti­nu­a­mente en­ferma, ofe­re­cendo a Deus a sua vida. († 1946)

– Ver “… Afonsa Muttathupadathu (pela grafia arcaica, Alphonsa), conhecida como Afonsa da Imaculada Conceição[1] (19 de Agosto de 1910 – 28 de Julho de 1943) é a primeira santa da Índia, canonizada pelo papa Bento XVI.[2] em 12 de outubro de 2008…”: Afonsa Muttathupadathu – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

21. São Décio (também na Folhinha do Coração de Jesus)

22. Santo Eustádio (também na Folhinha do Coração de Jesus).

– Ver Santo Eustato, página 400: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2013.pdf

– Ver “… 316 – Eustácio (Eustáquio) da Galácia, um mártir da Galácia, foi torturado e depois lançado em um rio em um baú, cantava o Salmo 90 (91º): “Aquele que habita na ajuda do Altíssimo …”; recebeu a comunhão das mãos de um anjo. Vendo o milagre e sentindo-se desonrado, o governador se matou; (Beneditinos). M (RM)…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly28.html

23. Outros santos do dia 28 de JULHO, páginas: 384-400

http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-

%2013.pdf

Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santase Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 28 de julho, ver ainda: 28 de julho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS  585-588: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes,sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livrariaon line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJuly28.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA PARA LUTAR COM ENTUSIASMO

E FORÇA DE VONTADE,

POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO,

MESMO EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS E ESPINHOSAS,

PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ

DE BONS COSTUMES E SANTIDADE!

LIVRA-NOS DA CERVIZ DURA E DO CORAÇÃO EMPEDERNIDO!

EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO!

AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DESANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

“Ó meu Deus, “sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

“Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo,na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica apóso Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

“Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

“…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA!

MÃEZINHA MARIA, VELE POR NÓS!

EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

* Ver o blog https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!