Santas e Santos de 15 de setembro

15 DE SETEMBRO: Me­mória de NOSSA SE­NHORA DAS DORES (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, es­tando de pé junto à cruz de Jesus, foi as­so­ciada ín­tima e fi­el­mente à paixão sal­ví­fica do seu Filho e se apre­sentou como a nova Eva, de modo que, assim como a de­so­be­di­ência da pri­meira mu­lher con­duziu à morte, assim a ad­mi­rável obe­di­ência da Virgem Maria trouxe a vida.

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Nossa Senhora das Dores, ou da Piedade, cuja alma foi trespassada por uma espada de dor aos pés da cruz de Jesus agonizante. (R).

– Ver também “Nossa Senhora das Dores, também chamada de Nossa Senhora da PiedadeNossa Senhora da SoledadeNossa Senhora das AngústiasNossa Senhora da AgoniaNossa Senhora das LágrimasNossa Senhora das Sete DoresNossa Senhora do CalvárioNossa Senhora do Monte CalvárioMãe Soberana e Nossa Senhora do Pranto, invocada em latim como Beata Maria Virgo Perdolens ou Mater Dolorosa (sendo, sob essa designação, particularmente cultuada em Portugal), é uma forma pela qual é venerada Maria (mãe de Jesus). Ela é geralmente reconhecida por ter uma ou mais facas ou espadas, geralmente sete, atravessando seu coração.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_das_Dores

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_das_Dores

– Ver ainda:

15  de setembro: NOSSA SENHORA DO CAMINHO (ver também 05 de outubro). Virgem do Caminho… A Virgem do Caminho (em castelhanoVirgen del Camino) é uma das atribuídas à Virgem Maria, venerada sobretudo em Espanha. É padroeira de Leão, da sua província e de Pamplona. O nome “do Caminho” está ligado ao Caminho de Santiago, a grande rota de peregrinação da Península Ibérica. É celebrada a 5 de outubro e a 15 de setembro.”. NOSSA SENHORA DO CAMINHO: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Virgem_do_Caminho  

– Ver também: “A Virgem no Caminho de Santiago. Casais jovens ou idosos, grupos e indivíduos a pé ou de bicicleta, falando línguas do arco europeu – inglês, alemão, belga, francês – e, também, claro, do amplo mosaico das nossas autonomias, catalães, andaluzes, bascos, Aragonês… Fazem parte de um rio sem fim com um fluxo de mais de meio milhão de pessoas, que ao longo do ano passa pelo santuário da Virgen del Camino e se dirige a Astorga, nas últimas etapas que deságuam em Santiago de Compostela”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Virgem_do_Caminho

– Ver também “… Este site é dedicado à Basílica da Virgen del Camino, localizada a seis quilómetros de León. Temos de voltar a 2 de Julho de 1505 para encontrar o início desta actual basílica, que foi inaugurada a 5 de Setembro de 1961. Entre estas duas datas, houve várias etapas arquitectónicas intermédias, mas, desde o início, manteve-se uma linha contínua de devoção à Virgen del Camino, principalmente entre a população da região de León e zonas limítrofes.

Nesta página pode encontrar as informações mais interessantes sobre a Basílica, a sua história, as suas festividades, peregrinações, devoção, as suas publicações, o Caminho de Santiago…

Desde a inauguração da nova Basílica, antigo Santuário, em 1961, o então bispo de León, D. Luis Almarcha, confiou o cuidado da Basílica aos dominicanos. Nós Dominicanos realizamos este serviço com devoção filial à Mãe de Deus e à nossa Mãe, cuidando muito bem de todas as pessoas que visitam esta Basílica...”:  http://virgendelcamino.dominicos.es/webvirgen/index.php

CONFORME O DIRETÓRIO DE LITURGIA DA CNBB, 2021:

– dia 15, em todo o Estado de Minas Gerais NOSSA SENHORA DA PIEDADE, Padroeira principal. FESTA.

– dia 15, na Arquidiocese de Teresina e nas Dioceses de Cajazeiras, Guaxupé, Guiratinga, Januária, Limeira, Teresina e Tubarão – NOSSA SENHORA DAS DORES (ou DA PIEDADE), Titular e Padroeira municipal, Solenidade.

dia 15, nas cidades de Cajazeiras, Teresina e Tubarão NOSSA SENHORA DA PIEDADE, Padroeira muicipal. Solenidade.

– dia 15, na Diocese de Ponta Grossa – NOSSA SENHORA MÃE DA DIVINA GRAÇA, Padroeira principal, festa. Ver “… A pedido de Dom Geraldo M. Pellanda, Bispo Diocesano de Ponta Grossa desde 24 de fevereiro de 1965, e com a aprovação unânime do Conselho Presbiteral em reunião realizada no dia 27 de abril de 1983, o Santo Padre João Paulo II dignou-se proclamar Nossa Senhora Mãe da Divina Graça como padroeira da Diocese de Ponta Grossa. Lê-se no documento Papal, datado de 25 de julho de 1983 e assinado pelo Cardeal Agostinho Casaroli: “… confirmamos, em perpétuo, a Bem-aventurada Virgem Maria, invocada sob o título – “NOSSA SENHORA MÃE DA DIVINA GRAÇA”- PATRONA PRINCIPAL JUNTO DE DEUS, DA DIOCESE DE PONTA GROSSA, com todos os direitos e privilégios litúrgicos, de acordo com as rubricas”.
    A festa da Padroeira da Diocese a princípio foi celebrada no 3º domingo de Setembro. Após várias consultas ao Clero a festa passou a ser celebrada em toda a Diocese, no dia 15 de Setembro, dia do aniversário do Município de Ponta Grossa.”: http://diocesepontagrossa.org.br/historia_dg.php

– dia 15, na Diocese de Caruaru – NOSSA SENHORA DAS DORES. Padroeira, Festa. Na Catedral e na cidade de Caruaru – Titular e Padroeira municipal, solenidade.

– Ver também “No Martirológio Romano-Monástico de 01 de maio: no primeiro domingo de maio comemora-se a SOLENIDADE DE NOSSA SENHORA, MÃE DA DIVINA GRAÇA, padroeira da Diocese de Ponta Grossa no Paraná – e da Igreja do Mosteiro da Ressurreição – instituída após a doação de uma imagem acompanhada de mensagem do Papa Paulo VI, em 1963. (Conf. o Martirológio Romano-Monástico).

Ver no VIDAS DOS SANTOS, NOSSA SENHORA DAS SETE DORES, páginas 207-215: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

– Ver “… As Sete Dores da Bem-Aventurada Virgem Maria.
Duas vezes durante o ano, a igreja ocidental comemora as dores da Bem-Aventurada Virgem Maria, na sexta-feira da semana da paixão e novamente no dia 14 de setembro. A primeira é a festa mais antiga, instituída em Colônia e em outros lugares durante o século XV. Era então chamada de Comemoração da Angústia e da Dor da Bem-Aventurada Virgem Maria, e tinha em vista especificamente o sofrimento de Nossa Senhora durante a paixão de seu divino Filho. Quando a festa foi estendida a toda a igreja ocidental em 1727 sob o título das Sete Dores, a referência original da Missa e do Ofício à Crucificação foi mantida, e a comemoração ainda é chamada de Compaixão de Nossa Senhora em alguns calendários, por exemplo, aqueles dos beneditinos e dominicanos, como era em muitos lugares antes do século XVIII… Na Idade Média havia uma devoção popular às cinco alegrias de Maria, e logo foi complementada por outra em homenagem a cinco de suas dores na Paixão. Mais tarde, estes foram fixados em sete e estendidos desde o Calvário para abranger toda a sua vida. Aos frades Servitas, que desde o início tinham uma devoção particular aos sofrimentos de Maria, foi concedida em 1668 uma festa para o terceiro domingo de setembro em que estas Sete Dores deveriam ser comemoradas, e esta festa também foi estendida à Igreja Ocidental em 1814. Por muito tempo, houve várias maneiras diferentes de enumerar esses mistérios, mas desde a composição do ofício litúrgico eles foram fixados pelos responsórios nas Matinas como
(i) A profecia do santo Simeão. “Havia um homem chamado Simeão, e esse homem era justo e devoto; e ele disse a Maria: “A tua própria alma também a traspassará.” 

(ii) A fuga para o Egito. “Levante-se, tome o Menino e Sua mãe e voe para o Egito; e fique lá até que eu te diga.” 

(iii) O desaparecimento de três dias do menino Jesus. “Filho, por que fizeste isso conosco? Eis que teu pai e eu te procuramos, aflito.” 

(iv) O doloroso progresso para o Calvário. “E levando Sua própria cruz Ele saiu. E seguia-O uma grande multidão de pessoas e de mulheres que O lamentavam e lamentavam.” 

(v) A crucificação. “E quando eles chegaram ao lugar que é chamado Calvário, eles O crucificaram ali. Agora ali estava a cruz de Jesus, Sua mãe.” 

(vi) A descida da cruz. “José de Arimatéia implorou pelo corpo de Jesus. E tirando-o da cruz, Sua mãe o recebeu em seus braços.” 

(vii) O sepultamento. “Que tristeza de coração foi tua, Mãe das dores, quando José o envolveu em linho fino e o deitou no sepulcro”…”: https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DaySeptember15.html

OUTRAS SANTAS E SANTOS DE 15 DE SETEMBRO:

2.   Em Roma, São Ni­co­medes (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártir, cujo corpo, guar­dado no ce­mi­tério junto à Via No­men­tana, foi hon­rado pelo papa Bo­ni­fácio V com uma ba­sí­lica sepulcral. († data inc.).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico no séc. II, a paixão de São Nicodemos, sacerdote. Aos que o pressionavam a sacrificar aos ídolos, ele respondeu: “Sacrifico apenas ao Senhor Deus Todo-Poderoso, que reina no céu”! (M)

3.   Em Tir­nu­tium, junto ao rio Saône, na Gália Li­o­nense, hoje Tournus, na França, São Va­le­riano, mártir. († data inc.).

Ver página 205: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

4.   Em Tómis, na Cítia, hoje Cons­tança, na Ro­ménia, os santos Es­tratão, Va­lério, Ma­cróbio e Gor­diano, már­tires, que foram mortos, se­gundo a tra­dição, no tempo do im­pe­rador Licínio. († s. IV)

5.   Nas mar­gens do Da­núbio, em ter­ri­tório da ac­tual Ro­ménia, São Ni­cetas o Godo, mártir, que por ordem do rei ariano Ata­na­rico foi quei­mado vivo em ódio à fé católica. († c. 370).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia receberam o martírio São Nicetas, na região do Danúbio, no séc. IV; e Santo Emílio, em Córdova, em meados do séc. IX. (M)

6.   Em Lião, na Gália, ac­tu­al­mente na França, Santo Al­pino (Albino), bispo, que su­cedeu a São Justo. († s. IV)

7.   Em Toul, pró­ximo de Nancy, na Gália Li­o­nense, também na ac­tual França, Santo Apro, bispo. († s. VI).

Santo Ebro, ou Aper, amigo de São Paulino de Nola, bispo. No VIDAS DOS MÁRTIRES, ver páginas 197-198: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

8.   No mos­teiro de Jumièges, na Nêus­tria, ac­tu­al­mente também na França, Santo Ai­cardo, abade, dis­cí­pulo de São Fi­li­berto, que o no­meou pre­lado desse mosteiro. († s. VII).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VII, Santo Acardo, monge de Poitou, que sucedeu a São Filiberto na direção da abadia normanda de Jumièges. (M).

9.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, os santos már­tires Émila, diá­cono, e Je­re­mias, que, du­rante a per­se­guição dos Mouros, de­pois de um longo e atri­bu­lado ca­ti­veiro, con­su­maram com a de­ca­pi­tação o seu mar­tírio por Cristo. († 852).

– Ver Santo Emilas e Jeremias, página 206: No VIDAS DOS MÁRTIRES, ver páginas 206: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

10*.   Em Bus­seto, no ter­ri­tório de Fi­denza, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, o Beato Ro­lando de Médicis, ana­co­reta, que viveu em lu­gares inós­pitos e so­li­tá­rios dos Alpes, pra­ti­cando ri­go­rosa pe­ni­tência e fa­lando só com Deus. († 1386).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. XII, o Bem-Aventurado Rolando, abade do mosteiro cisterciense de Chezery, perto de Genebra. (X)

11.   Em Gé­nova, na Li­gúria, também re­gião da Itália, Santa Ca­ta­rina Fiéschi (também na Folhinha do Coração de Jesus), viúva, in­signe pelo des­prezo do mundo, fre­quentes je­juns, amor de Deus e ca­ri­dade para com os in­di­gentes e os enfermos. († 1510).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Gênova, no ano do Senhor de 1510, Santa Catarina. Depois de seu casamento levou uma vida dissipada, mas tocada pela graça, consagrou-se ao serviço dos doentes. Enviuvando em 1497, foi favorecida com graças místicas e viu discípulos se agruparem ao seu redor. (M)

12*.   Em Hi­rado, ci­dade do Japão, o Beato Ca­milo Cos­tanzo, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus e mártir, que, con­de­nado pelo su­premo co­man­dante Hi­de­tada a ser quei­mado vivo, nem nas chamas da fo­gueira deixou de pregar o anúncio de Cristo. († 1622).

Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1622, o martírio do Bem-Aventurado Camilo Constanzo, jesuíta calabrês, condenado à morte pelo imperador do Japão. (X)

13*.   Em Santo Do­mingo Xa­gácia, no Mé­xico, os be­atos João Bap­tista e Ja­cinto dos Anjos, már­tires, que, sendo ca­te­quistas, cru­el­mente fla­ge­lados por se re­cu­sarem a ve­nerar os ídolos em vez de Cristo, imi­tando a paixão do Se­nhor me­re­ceram a re­com­pensa eterna. († 1700)

14*.   Em Viena, na Áus­tria, o Beato An­tónio Maria Schwartz, pres­bí­tero, que, para pro­mover a as­sis­tência pas­toral e a de­fesa dos di­reitos dos apren­dizes e dos jo­vens ope­rá­rios, ins­ti­tuiu a Con­gre­gação de São José de Ca­la­sanz para os Ope­rá­rios Cristãos. († 1929)

15♦.   Em Pa­lermo, na Si­cilia, re­gião da Itália, o Beato José Puglísi, pres­bí­tero di­o­ce­sano e mártir, mais co­nhe­cido por Pino Pu­glisi, que du­rante os trinta e três anos do seu mi­nis­tério pas­toral se de­dicou in­can­sa­vel­mente ao anúncio do Evan­gelho, es­pe­ci­al­mente aos seus “pre­fe­ridos” – as cri­anças, os des­pro­te­gidos, os po­bres – e foi as­sas­si­nado por agentes da máfia. († 1933)

16*.   Em Llosa de Ranes, po­vo­ação da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, o Beato Pas­coal Pe­nadés Jornet, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante o tempo da per­se­guição re­li­giosa, ven­cendo o com­bate ter­reno, al­cançou a ple­ni­tude da sal­vação eterna. († 1936)

17*.   Pró­ximo de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato La­dislau Mi­egon, pres­bí­tero e mártir, que, de­por­tado da Po­lónia por um re­gime hostil a Deus e aos ho­mens, foi en­car­ce­rado no campo de con­cen­tração de Da­chau por causa da sua fé e, su­por­tando nu­me­rosos tor­mentos, al­cançou a coroa de glória. († 1942)

18*.   Em Ná­poles, na Itália, o Beato Paulo Manna, pres­bí­tero do Ins­ti­tuto Pon­ti­fício para as Mis­sões Es­tran­geiras, que, dei­xando a acção mis­si­o­nária na Bir­mânia por causa da sua de­bi­li­tada saúde, tra­ba­lhou in­ten­sa­mente na obra da evan­ge­li­zação, de­di­cando-se com toda a energia à pre­gação da pa­lavra de Deus e à pro­moção da uni­dade dos cristãos. († 1952)

19. São João, o anão. Ver VIDAS DOS SANTOS “… São João costumava dizer que, assim como um homem vendo aproximar-se um animal feroz ou venenoso, sobe a uma árvore para evitá-lo, assim aquele que se vê assaltado por maus pensamentos deve elevar-se a Deus por meio de uma prece fervorosa, a fim de pôr-se ao abrigo do perigo…”, páginas 199-204: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

20. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 560, São Lupino. Segundo sua biografia, que teve grande difusão na Idade Média, foi monge abade de Brou, antes de dirigir a Igreja de Chartres. (M)

21. Outras santas e santos do dia 15 de setembro, págs. 197-217, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

 “E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos”.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 15 de setembro, ver ainda: 15 de setembro – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

BIBLIOGRAFIA:

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi eCaterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS  724-727: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livrariaon line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DaySeptember15.html

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* Senhor, nosso Deus e Pai amado, obrigado por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

Querida Mãe Virgem Maria, socorra-nos, proteja-nos

São José, Anjos e Santos, intercedam por nós! Obrigado! Amém!

PAI AMADO, DÊ-ME ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA E DOCILIDADE! DÊ-ME ARDOR MISSIONÁRIO PELO E PARA O SENHOR! TIRE-ME O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-ME A GRAÇA, AMADO PAI, DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES POR MEIO DA ORAÇÃO, ESFORÇO, CORAGEM E TRABALHO. PEÇO EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! O MESMO PEÇO PARA A FAMÍLIA! AMÉM!

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DESANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA:

barpuri@uol.com.br

* SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

“O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

“Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio,lembrado em 10 de fevereiro)

Ó meu Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de São João Batista da Conceição Garcia, 14 de fevereiro). Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu sempre lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

“Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível.

(conforme: Saint of the Day (lngplants.com)

ou

Saint of the Day May 20 (lngplants.com)

“…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio, lembrados em 21 de maio)

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

* Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém!

* PAI, ABRACE-NOS! JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS UNA!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

EM NOME DE JESUS, PAI! AMÉM!

* Ver o blog https://vidademartiressantasesantos.blog/E

MUITO OBRIGADO!