Santas e Santos de 21.08.2019

Me­mória de São Pio X (também na Folhinha do Coração de Jesus), lembrado também em 20 de agosto, papa, que, de­pois de exercer o mi­nis­tério pa­ro­quial, foi bispo de Mântua e Pa­tri­arca de Ve­neza; fi­nal­mente eleito Ro­mano Pon­tí­fice, tomou como lema do seu go­verno “ins­taurar todas as coisas em Cristo”, que pôs em prá­tica com grande sim­pli­ci­dade de alma, po­breza e for­ta­leza, in­ci­tando os fiéis a in­ten­si­ficar a vida cristã com a par­ti­ci­pação na Eu­ca­ristia, a dig­ni­dade da sa­grada Li­turgia e a in­te­gri­dade da doutrina. († 1914). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Pio X, papa, que adormeceu no Senhor em 1914. Durante os onze anos de seu pontificado, defendeu vigorosamente a fé e a liberdade da Igreja, preparou a codificação do Direito Canônico, favoreceu a renovação litúrgica pelo retorno à comunhão frequente e pela restauração do canto gregoriano. Fundou o Instituto Bíblico e criou o órgão oficial de promulgação dos Atos da Sé Apostólica. (R). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Pio_X  

2.   Na Trácia, na ac­tual Tur­quia, os santos Aga­tó­nico, Zó­tico e outros, már­tires, que, se­gundo a tra­dição, so­freram o mar­tírio em Si­lím­bria e nou­tros lu­gares da região. († s. III)

3.   Em Roma, no Campo Ve­rano, Santa Ci­ríaca (também na Folhinha do Coração de Jesus), que deu o seu nome ao ce­mi­tério na Via Ti­bur­tina, que ela tinha doado à Igreja. († s. III-IV)

4.   Em Útica, na África Pro­con­sular, na ac­tual Tu­nísia, São Qua­drato, bispo e mártir, que, jun­ta­mente com todo o seu povo, clé­rigos e leigos, deu tes­te­munho de Cristo e, como bom pastor, se­guiu no mar­tírio, quatro dias de­pois, o re­banho que tinha apascentado. († s. III-IV)

5.   Em Ve­rona, ac­tu­al­mente no Vé­neto, re­gião da Itália, Santo Eu­prépio, que é con­si­de­rado o pri­meiro bispo desta cidade. († s. III-IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, primeiro bispo de Verona, que semeou a palavra do Evangelho em seu território. (M)

6.   Em For­din­giano, na Sar­denha, re­gião da Itália, São Lus­sório, mártir. († s. IV)

7.   Co­me­mo­ração dos santos már­tires Bassa e seus três fi­lhos Teógnio, Agápio e Pístio, que se narra terem so­frido o mar­tírio: Bassa, na ilha Ha­lona, os ou­tros em Edessa, na Hé­lade, lu­gares da ac­tual Grécia. († s. IV)

8.   Em Gé­vaudan, ter­ri­tório dos Gá­balos, povo an­tigo da Gália me­ri­di­onal, na ac­tual França, São Pri­vato, bispo e mártir, que, du­rante a in­vasão dos Vân­dalos, cap­tu­rado na cripta onde se re­ti­rava em je­juns e ora­ções, foi fla­ge­lado até à morte por se ter re­cu­sado a atrai­çoar o seu re­banho sa­cri­fi­cando aos ídolos. († c. 407)

9.   Em Cler­mont-Fer­rand, na Aqui­tânia, também na ac­tual França, São Si­dónio Apolinar, que era pre­feito da ci­dade de Roma, quando foi or­de­nado bispo de Cler­mont; do­tado de grande cul­tura, tanto nas ci­ên­cias hu­manas como nas ci­ên­cias sa­gradas, e ani­mado de sin­gular for­ta­leza cristã, opôs-se co­ra­jo­sa­mente à fe­ro­ci­dade dos bár­baros como ver­da­deiro pai uni­versal e mestre insigne. († c. 479). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no final do séc. V, São Sidônio Apolinário.  Nascido em Lião de ilustre família, tornou-se após seu casamento o poeta oficial da corte de Roma, e depois prefeito da cidade imperial. Entrando no clero foi logo nomeado bispo de Arvernes. Suas cartas e seus poemas fazem dele um dos melhores escritores do seu tempo. (M)

10*.   Em Al­zira, na pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, a co­me­mo­ração dos santos már­tires Ber­nardo, an­te­ri­or­mente cha­mado ‘Ahmed, monge da Ordem Cis­ter­ci­ense, e suas irmãs Maria (Zaida) e Graça (Zo­raida), que ele tinha con­du­zido da re­li­gião ma­o­me­tana à fé cristã. († c. 1180). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de Valência, na Espanha, o martírio dos Santos Ahmed e Graça, irmãos. Árabes de nascença, converteram-se a Cristo e a Ele se consagraram na Ordem Cisterciense, até à morte sangrenta. (M)

11.   Em Hung Yên, ci­dade do Ton­quim, no ac­tual Vi­etnam, São José Dang Dinh (Niên) Viên, pres­bí­tero e mártir no tempo do im­pe­rador Minh Mang. († 1838)

12*.   Em An­ta­na­na­rivo, na ilha de Ma­da­gáscar, a Beata Vi­tória Rasoamarivo, que, de­pois de viver em ma­tri­mónio com um homem vi­o­lento e tendo fi­cado viúva, quando os mis­si­o­ná­rios foram ex­pulsos da ilha, ajudou com grande so­li­ci­tude os cris­tãos e de­fendeu-os pe­rante os ma­gis­trados públicos. († 1894)

13*.   Em Al­beric, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, o Beato Sal­vador Es­trugo Solves, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a per­se­guição, su­portou por amor de Cristo todas as ad­ver­si­dades até al­cançar a palma do martírio. († 1936)

14*.   Em El Morrot, lo­ca­li­dade pró­xima de Bar­ce­lona, também na Es­panha, o Beato Rai­mundo Peiró Victori, pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e mártir, que, na mesma per­se­guição, aco­lhendo fi­el­mente as pa­la­vras de Cristo, passou da morte à vida gloriosa. († 1936)

15*.   Perto de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Bruno Zembol, mártir, que, de­por­tado da Po­lónia, sua pá­tria, do­mi­nada por um re­gime ini­migo de Deus, por causa da sua fé foi re­cluído no campo de con­cen­tração de Da­chau, onde so­freu cruéis tor­mentos e morreu gloriosamente. († 1942)

16♦.   Em Nowi Zmi­grod, na Po­lónia, o Beato La­dislau Findysz, pres­bí­tero di­o­ce­sano de Pr­zemysl e mártir, que foi as­sas­si­nado por um ne­fando re­gime hostil à Igreja e à dig­ni­dade humana. († 1964)

17. SANTA JOANA FRANCISCA DE CHANTAL: LEMBRADA DIAS 12/08; 21/08; 10/12/; 13/12

Santa Joana Fran­cisca Fré­miot de Chantal (também na Folhinha do Coração de Jesus), re­li­giosa. Do seu ma­tri­mónio cristão teve seis fi­lhos, que educou na pi­e­dade; de­pois da morte do es­poso, sob a di­recção de São Fran­cisco de Sales, per­correu ve­loz­mente o ca­minho da per­feição e de­dicou-se às obras de ca­ri­dade, es­pe­ci­al­mente para com os po­bres e os en­fermos. Fundou a Ordem da Vi­si­tação de Santa Maria, que também di­rigiu sa­bi­a­mente. Morreu em Mou­lins, nas mar­gens do rio Al­lier, pró­ximo de Ne­vers, na França, no dia 13 de Dezembro. († 1641). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, de 10 de dezembro, em Moulins, na região de Bourbonnais, Santa Joana Francisca de Chantal. Viúva após oito anos de um feliz casamento, dedicou-se primeiro à educação de seus quatro filhos, e depois, sob a orientação de seu diretor espiritual, São Francisco de Sales, que a introduziu na “vida devota”, fundou a Ordem da Visitação de Santa Maria, em Annecy. (M).

–  Sobre Santa Joana Francisca de Chantal: no mos­teiro da Vi­si­tação de Mou­lins, na França, o dia natal de Santa Joana Fran­cisca Fré­miot de Chantal, cuja me­mória se ce­lebra no dia doze de Agosto.

Ver VIDAS DOS SANTOS no dia 21 de agosto, págs. 117-135: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

– O Liturgia das Horas lembra Santa Joana Francisca de Chantal no dia 10 de dezembro.

A memória da liturgia das horas, no ofício das leituras, segunda leitura, lembra Santa Joana Francisca. Ela explica o que é o MARTÍRIO DE AMOR que poucos conhecem e menos pessoas vivem.

Das Memórias de Santa Joana Francisca, escritas por uma religiosa, sua secretária:

 (Françoise-Madeleine de Chaugy, Mémoires sur la vie et les vertus de Sainte J.-F. de Chantal, III, 3: 3ª ed., Paris 1853, p. 306-307) (Séc.XVII)

O amor é forte como a morte  

Certo dia, Santa Joana disse estas fervorosas palavras, logo fielmente recolhidas: 

“Filhas diletíssimas, muitos dos nossos santos Padres e colunas da Igreja não sofreram o martírio; sabeis dizer-me por que razão?” Após a resposta de cada uma, disse a santa Madre: “Quanto a mim, creio que isto aconteceu assim, por haver outro martírio que se chama martírio de amor, em que Deus, conservando em vida seus servos e servas a fim de trabalharem para sua glória, os faz ao mesmo tempo mártires e confessores. Sei que, por disposição divina – acrescentou – as filhas da Visitação são chamadas a este martírio com o mesmo ardor que levou a afrontá-lo aquelas servas mais afortunadas. 

À pergunta de uma irmã sobre o modo como poderá se realizar este martírio, respondeu: “Abri-vos inteiramente à vontade de Deus e tereis a prova. O amor divino mergulha sua espada até o mais íntimo e secreto de nossas almas, e separa-nos de nós mesmas. Conheci uma alma a quem o amor separou de tudo quanto lhe agradava, como se o golpe dado pela espada de um tirano lhe tivesse separado o espírito do corpo”. 

Percebemos que falara de si mesma. Tendo outra irmã indagado quanto tempo duraria esse martírio, explicou: “Desde o momento em que nos entregamos a Deus sem reservas, até o fim da vida. No entanto, isto só diz respeito às pessoas magnânimas, que, renunciando completamente a si mesmas, são fiéis ao amor; os fracos e inconstantes no amor, nosso Senhor não os leva pelos caminhos do martírio, mas deixa-os viver a passos lentos, para que não se afastem dele; pois nunca força a livre vontade”. 

Quando, por fim, lhe foi perguntado se este martírio de amor poderia ser igualado ao martírio do corpo, respondeu: “Não nos preocupemos com a questão da igualdade, muito embora eu julgue que um não ceda ao outro, porque o amor é forte como a morte (Ct 8,6). E ainda porque os mártires de amor sofrem dores mil vezes mais agudas conservando a vida para cumprir a vontade de Deus, do que se tivessem de dar mil vidas para testemunhar a sua fé, o seu amor e a sua fidelidade”.

18. Santa Humbelina (também na Folhinha do Coração de Jesus). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Borgonha, no ano da graça de 1136, a Bem-Aventurada Umbelina, irmã de São Bernardo. Após alguns anos de vida frívola, seguiu o exemplo do irmão e abraçou a vida monástica. (X). Ver páginas 139-140: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

19.Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. III, o martírio de São Privato, bispo, fundador da Diocese de Mérida, na Espanha. Várias localidades ainda têm seu nome (M)

20. Outros santos do dia 21 de agosto: págs. 117-143, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 20.08.2019

Me­mória de São Ber­nardo (também na Folhinha do Coração de Jesus), abade e doutor da Igreja, que, tendo en­trado com trinta com­pa­nheiros no novo mos­teiro de Cister, foi de­pois fun­dador e pri­meiro abade do mos­teiro de Cla­raval, onde di­rigiu sa­bi­a­mente os monges pelo ca­minho dos man­da­mentos de Deus, com a vida, a dou­trina e o exemplo. Per­correu a Eu­ropa para res­ta­be­lecer a paz e a uni­dade e ilus­trou a toda a Igreja com os seus es­critos e as suas ar­dentes exor­ta­ções, até que, no ter­ri­tório de Lan­gres, na França, ador­meceu no Senhor. († 1153). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, São Bernardo, abade e Doutor da Igreja. Nascido no castelo de Fontaine-Les-Dijon em 1090, entrou muito jovem na abadia de Citeaux, levando atrás de si cinco irmãos e vários parentes e amigos. Aos vinte e cinco anos foi encarregado de fundar Claraval. Por seus escritos místicos e sua pregação exerceu considerável influência na Igreja de seu tempo, da qual foi considerado como “a Conciência”. Espalhou por toda a Europa a Ordem Cisterciense, que herdou sua rica doutrina mariana enraizada na Escritura. (R). Ver páginas 66-72: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

2.   Co­me­mo­ração de São Sa­muel (também na Folhinha do Coração de Jesus), pro­feta, que, cha­mado por Deus quando ainda era cri­ança, foi de­pois juiz em Is­rael e, por man­dato di­vino, ungiu Saul como rei do seu povo; mas, quando Deus re­pu­diou Saul por causa da sua in­fi­de­li­dade, con­feriu a unção real a David, de cuja des­cen­dência havia de nascer Cristo. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no século XI antes da nossa era, o Profeta Samuel, de quem o sábio Sirac assim faz o elogio: “Samuel foi amado por seu Deus. Profeta do Senhor, estabeleceu sua realeza e julgou a assembleia segundo a Lei de Deus. Antes do tempo do sono eterno, ninguém se levantou para o acusar (Eclo 46,13 ss).” (M). Ver páginas 73-103: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

VER: ORIGEM DE SAUL E SEU ENCONTRO COM SAMUEL: páginas 88-103: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

3.   Em Chinon, for­ta­leza do ter­ri­tório de Tours, na Aqui­tânia, hoje na França, São Má­ximo, dis­cí­pulo de São Mar­tinho, que, de­pois de ter sido monge na Île-Barbe, junto de Lião, fundou um mos­teiro junto ao rio Vi­enne, onde morreu com avan­çada idade. († s. V)

4.   Em Noir­mou­tier, na ilha Hero, no li­toral da Aqui­tânia, também na ho­di­erna França, São Fi­li­berto (também na Folhinha do Coração de Jesus, São Felisberto), abade, que, edu­cado na corte do rei Da­go­berto, ainda ado­les­cente se tornou monge; fundou e di­rigiu o mos­teiro de Ju­miéges e de­pois o mos­teiro de Hero, pos­te­ri­or­mente cha­mado Noirmoutier. († c. 684). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 685, o retorno para Deus de São Filiberto. Jovem nobre educado na corte de Dagoberto I, tomou o hábito aos vinte e dois anos no mosteiro de Rebais. Fundou mais tarde a célebre abadia de Jumièges, não longe de Ruão. Aprisionado por ter denunciado a crueldade do administrador do palácio, teve que fugir do país e fundou um outro mosteiro na ilha de Noirmoutiers, onde terminou seus dias. Suas relíquias foram transportadas, primeiro para Grandlieu, onde os monges se haviam refugiado para escapar aos normandos, e depois para Tournous, na Borgonha (M). Ver páginas 109-113: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

5.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, os santos már­tires Le­o­vi­gildo e Cris­tóvão, monges, que, na per­se­guição dos Mouros, es­pon­ta­ne­a­mente con­fes­saram a fé em Cristo pe­rante o juiz, e por isso foram de­ca­pi­tados, assim al­can­çando a palma do martírio. († 852)

6*.   Em Sena, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, o pas­sa­mento de São Ber­nardo To­lomei, abade, fun­dador da Con­gre­gação Oli­ve­tana, com a Regra de São Bento, que viveu com grande fervor a dis­ci­plina mo­nás­tica e, du­rante uma epi­demia de peste que as­so­lava a Itália, morreu no mos­teiro de Sena. († 1348). Conforme o Martirológio Romano-Monástico (registrado em 19 de agosto), em Sena, no ano de 1348, o nascimento no céu de São Bernardo Tolomei, brilhante jurista, que perto de seus quarenta anos retirou-se para a solidão dos Apeninos. Sua santidade atraiu-lhe diversos discípulos, que reuniu no mosteiro de Monte Oliveto, dando origem à congregação beneditina dos Olivetanos. (B). Ver páginas 136-138: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

7*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, na França, os be­atos Luís Fran­cisco Le Brun e Ger­vásio Brunel, pres­bí­teros e már­tires: o pri­meiro foi monge da Con­gre­gação Be­ne­di­tina de Santo Amaro, o se­gundo foi prior da Abadia Cis­ter­ci­ense da Trapa; ambos foram de­tidos em con­di­ções de­su­manas du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa e con­su­maram o seu mar­tírio con­su­midos pela enfermidade. († 1794)

8.   Em Roma, Santa Maria de Mattias, virgem, fun­da­dora da Con­gre­gação das Irmãs da Ado­ração do Pre­ci­o­sís­simo Sangue de Cristo. († 1866)

9.   Em Roma, o dia natal de São Pio X, papa, cuja me­mória se ce­lebra amanhã. († 1914)

10*.   Em Val­li­bona, na pro­víncia de Cas­tellón, na Es­panha, o Beato Ma­tias Car­dona Meseguer, pres­bí­tero da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes das Es­colas Pias e mártir na per­se­guição religiosa. († 1936)

11*.   Em Xa­tiva, na pro­víncia de Va­lência, também na Es­panha, a Beata Maria Cle­mente Mateu, virgem e mártir, que, du­rante a mesma per­se­guição, pela per­se­ve­rança na fé me­receu con­fi­gurar-se com Cristo. († 1936)

12♦.   Em Bar­ce­lona, também na Es­panha, o Beato Ce­les­tino António (Is­mael Bárrio Mar­quilla), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs e mártir, que, na mesma per­se­guição, foi as­sas­si­nado por causa da sua fé. († 1936)

13*.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, pró­ximo de Mu­nique da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato La­dislau Macz­kowski, pres­bí­tero e mártir, na­tural da Po­lónia, que foi de­por­tado em tempo de guerra e, pe­rante os per­se­gui­dores da dig­ni­dade hu­mana e cristã, su­por­tando cruéis tor­turas, de­fendeu a fé até à morte. († 1942)

14♦.   No campo de con­cen­tração de Da­chau, perto de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato Jorge Häffner, pres­bí­tero da di­o­cese de Wurz­burgo e mártir. († 1942)

15. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Tourraine, no séc. V, São Mesmino, monge. Discípulo de São Martinho, foi viver no mosteiro de Île-Barbe, em Lião, para fugir da popularidade de que era objeto. De volta à sua região natal, fundou um mosteiro perto do Castelo de Chinon. (M). Ver São Mesmo, abade, páginas 104-105: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

16. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, Santo Amador, eremita, a quem se atribui a origem do culto e da peregrinação de Nossa Senhora de Rocamadour. (M)

17. São Haduíno, abade. Ver página 106: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

18. Santo Oswin, rei e mártir. Ver páginas107-108: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

19. Outros santos do dia 20 de agosto: págs. 66-116, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2015.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi publicado.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular