Santas e Santos de 03 de junho

1. Me­mória dos santos Carlos Lwanga e doze companheiros (também na Folhinha do Coração de Jesus), com idades entre os ca­torze e os trinta anos, per­ten­centes à corte dos jo­vens no­bres ou ao corpo de guarda do pró­prio rei Mwanga, neó­fitos ou fer­vo­rosos se­gui­dores da fé ca­tó­lica, que por se terem re­cu­sado ceder às im­puras in­ten­ções do rei, uns foram de­ca­pi­tados e ou­tros quei­mados no monte Na­mu­gongo, no Uganda. São estes os seus nomes: Mbaya Tu­zinde, Bruno Se­ro­numa, Tiago Bu­za­ba­liao, Ki­zito, Am­brósio Ki­buka, Mgagga, Gya­vira, Aquiles Kiwa­nuka, Adolfo Lu­digo Mkasa, Mu­kasa Ki­riwamvu, Ana­tólio Ki­riggwajjo, Lucas Banawakintu. († 1886).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Carlos Lwanga e seus companheiros. Em 1886. sete anos após a chegada dos primeiros missionários a Uganda, cerca de cem jovens cristãos, católicos e anglicanos, foram condenados à morte por terem desejado permanecer fiéis à graça de seu batismo, na castidade e na oração. Vinte e dois católicos foram canonizados em 1964 e São Carlos Lwanga foi proclamado padroeiro celeste da juventude africana. (R).

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus, de 02.06.2013, “03/06: SÃO CARLOS LWANGA E COMPS. Entre os anos 1885 e 1887, foram condenados à morte muitos cristãos em Uganda, entre os quais alguns anglicanos, vítimas da perseguição aos cristãos por ordem do rei Mwanga. Alguns deles eram funcionários da corte real ou até adjuntos do próprio rei, entre eles distingue-se Carlos Lwanga, que era um dos chefes dos pajens real. Ele e seus companheiros foram condenados pela inquebrantável adesão à fé católica. Foram uns decapitados e outros queimados vivos, por não terem cedido às impuras ordens do rei. São os primeiros mártires da África Negra. Foram martirizados na colina de Namugongo em Uganda, onde foi construído um grande santuário consagrado pelo próprio Papa Paulo VI que disse na sua homilia: “Os vossos mártires nos ensinam o quanto vale a fé!”. Frei Marcos Antônio de Andrade, OFM.Petrópolis/RJ”.

– Conforme a Folhinha do Coração de Jesus, de 02.06.2015, 03/06: SANTOS CARLOS LWANGA E COMPS. Entre os anos de 1885 e 1887 uma centena de cristãos, entre os quais alguns anglicanos, foram vítimas da perseguição em Uganda. Dentre eles estava Carlos, chefe dos pajens da corte do rei Muanga. Carlos Lwanga foi batizado durante a evangelização dos “padres brancos” (Sociedade dos Missionários da África). A atividade apostólica dos missionários, começada em 1879, foi bem acolhida pelo rei Mutesa e pelo seu sucessor, mas, depois, influenciado pelo chanceler do reino, decidiu extirpar a presença cristã de Uganda. Alguns cristãos o rei chegou a matar com as próprias mãos. Para aterrorizar os jovens pajens, ele mandou queimar vivo seu chefe, Carlos Lwanga,, porém todos perseveraram na fé. No dia 27 de janeiro de 1887 morria afogado o último dos 22 mártires de Uganda. Frei Marcos A. de Andrade, OFM-Petrópolis/RJ”.

Ver páginas 444-445: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

– Ver também “Carlos Luanga (em lugandaLwanga) foi um dos mártires a serem mortos a mando do cabaca Muanga II (r. 1884–1888) do Reino de Buganda, na atual Uganda.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Luanga

– Ver ainda “… Vinte e dois (22) convertidos ugandenses martirizados nas perseguições do rei Mwanga. Eles são

Venerado

Beatificado

Canonizado

Patrocínio

informação adicional

Leitura

Os mártires africanos acrescentam mais uma página ao rol de honra da Igreja – uma ocasião tanto de luto quanto de alegria. Esses mártires africanos anunciam o alvorecer de uma nova era. Se ao menos a mente do homem pudesse ser direcionada não para perseguições e conflitos religiosos, mas para um renascimento do cristianismo e da civilização! A África foi lavada pelo sangue desses últimos mártires, e os primeiros desta nova era (e, se Deus quiser, que sejam os últimos, embora tal holocausto seja realmente precioso). A África renasce livre e independente. – da homilia da canonização de São Carlos Lwanga e companheiros pelo Papa Paulo VI

Citação MLA

2.   Em Car­tago, na ac­tual Tu­nísia, São Ce­cílio, pres­bí­tero, que con­duziu São Ci­priano à fé de Cristo. († s. VI)

– Ver : “3º v. Cecílio sacerdote de Cartago levou São Cipriano à fé em Cristo (RM)
(também conhecido como Caecilius, Ceciliano). Cecílio, um sacerdote de Cartago, trouxe São Cipriano à fé em Cristo. São Cipriano, por sua vez, nunca deixou de reverenciar o nome de Cecílio, acrescentando-o ao seu. Com a morte de Cecílio, Cipriano se encarregou da esposa e dos filhos do santo falecido.
248? São Cecílio
No Martirológio Romano (São Cecílio é comemorado neste dia como “um sacerdote de Cartago que trouxe São Cipriano)quase dez páginas são dedicadas ao santo por Alban Butler, mas ele prossegue com a suposição muito questionável de que este Cecílio é idêntico ao Cecílio cuja conversão ao cristianismo é descrita por Minúcio Félix no tratado apologético que é conhecido por nós como o Otávio. Neste livro, uma discussão sobre a religião cristã é realizada em forma de diálogo, tendo como interlocutores o próprio Minúcio, seu amigo Otávio e o ainda pagão Cecílio. a verdade do cristianismo. Que este Cecilius Natalis pode ter sido um personagem histórico que foi magistrado-chefe de Cirta na África em 210 dC é bastante provável, mas há razões que nos impedem de identificá-lo com o Cecílio que foi fundamental para a conversão de São Cipriano.
   Apesar da forma adotada no Martirológio Romano, que é emprestada do De Viris Illustribus de São Jerônimo, há uma boa evidência, extraída dos melhores manuscritos da biografia de São Cipriano por seu diácono Pôncio, que Ceciliano, e não Cecílio, era o nome do mestre cristão que conquistou Cipriano por seu argumento e exemplo. Parece certo que ele era um homem avançado em anos, e que São Cipriano, que provavelmente viveu em sua casa por algum tempo depois de sua conversão, o reverenciou muito como “o pai de sua nova vida”. Por outro lado, Pôncio nos conta que quando Ceciliano estava morrendo, ele entregou sua esposa e filhos aos cuidados piedosos de seu amado convertido. Alban Butler, embora provavelmente equivocado em sua opinião de que o Otávio de Minúcio Félix tinha algo a ver com o assunto deste aviso…
    É uma grande prova de virtude sincera, diz ele, uma grande, mas rara vitória sobre o orgulho, para um homem instruído reconhecer-se vencido pela verdade em uma disputa. O orgulho recua diante da oposição e, por mais que o entendimento esteja convencido, a vontade tende a se tornar mais avessa e mais obstinadamente fixada no erro. Por isso, aquele que quer trazer outro para a verdade deve ter o cuidado de não alarmar ou despertar um inimigo tão perigoso, mas insinuar a virtude por meios tão indiretos que o oponente quase pareça ser seu próprio instrutor. Nossos três disputantes [no Otávio] todos vencidos porque estavam todos armados de docilidade, caridade e humildade; não como os vaidosos combatentes das escolas que amam as opiniões, não pela verdade, mas porque, como Santo Agostinho reclama, as opiniões são suas. Nesta feliz companhia, embora todos pudessem se gabar de uma conquista, ninguém tinha razão para premiar sua vitória mais do que Cecílio. Ele, superando o orgulho e os erros, alcançou um triunfo incomparável. Segundo a máxima de um grande homem: “É então que vencemos quando consentimos em acolher a verdade“.

Ver Acta Sanctorum , junho, vol. eu; e DCB., vol. i, pp. 366-367 (cf. ibid., vol. iii, p. 924). Consulte também o artigo de Dessau em Hermes , 1880, p. 471.

Baronius e outros historiadores acreditam que este Cecílio deve ser identificado com aquele que era amigo de dois outros africanos , Octavius , um filósofo, e Marcus Minutius Felix , um advogado. Ambos eram africanos da mesma época e profissão, e São Cipriano empresta muitas coisas do diálogo abaixo, que provavelmente recebeu de Cecílio.
Caecilius, Octavius ​​e Marcus Minutius Felix eram todos homens instruídos e amigos íntimos. Na velhice, Otávio converteu-se ao cristianismo e deu as costas às preferências mundanas. Ele fez tudo ao seu alcance para trazer os outros dois à fé em Cristo. Primeiro, Marcus juntou-se à sua alegria. Finalmente, depois de muita resistência e muitas orações, Caecilius também abraçou o cristianismo.
…Imediatamente os três se sentaram nas rochas próximas que serviam de abrigo para os banhos. Marcus deveria assumir o papel de árbitro. Entre os argumentos de Cecílio contra o cristianismo estavam os de que seus seguidores eram os pobres, os ignorantes e os escravos que estavam sujeitos aos “idólatras” que governavam o próspero império. Ele observou que os cristãos sofrem com aparente prazer; uma tribo muito contente, lamentável e esfarrapada, que se esconde em buracos sem uma palavra a dizer por si mesma, e só fala em cantos sobre uma ressurreição e as alegrias de outro mundo. Ele protestou contra a ressurreição do corpo: que foi uma grande pedra de tropeço para os filósofos antigos, como aparece nos escritos de Atenágoras, Tertuliano, Orígenes e outros apologistas cristãos. Caecilius sentiu que seus argumentos eram persuasivos.
Ele então passou para as calúnias muitas vezes repetidas. Ele se opôs ruidosamente às assembleias noturnas dos cristãos, seus jejuns solenes, banquetes desumanos e crimes perpetrados sob o nome de religião. Caecilius acusou: “Ouvi dizer que eles adoram a cabeça de um jumento, os joelhos de seu bispo ou padre, e um homem que foi punido por seus crimes, e a madeira amaldiçoada da cruz”. Ele ridicularizou os cristãos por desprezarem ornamentos e ostentação, por se absterem de prazeres lícitos (shows públicos, pompa, banquetes) e por reservarem perfumes para seus mortos.

Em resposta, Otávio apontou para a providência divina que governa os assuntos humanos como evidente na ordem, beleza e design da natureza. Ele argumentou: “Se você por acaso entrar em uma casa e ver todos os quartos primorosamente mobiliados e mantidos em grande ordem, você não discutirá, mas tal casa está sob os cuidados e a inspeção de um mestre que é preferível a todos os Assim, quando você lança seus olhos sobre o céu e a terra, e contempla a admirável ordem e economia das coisas, você pode questionar se existe um Senhor do universo, e que ele é mais glorioso que as estrelas, e mais para ser admirado do que todas as obras de suas mãos?”
Da providência Otávio passou a provar a unidade e a eternidade de Deus, o absurdo do politeísmo e a loucura dos oráculos. “A maioria de vocês sabe muito bem que os demônios são forçados a confessar contra si mesmos, tantas vezes quanto nós os obrigamos a confessar apenas com palavras simples, e os forçamos a sair dos corpos que possuem, por meio de discursos atormentadores que eles não podem suportar. pode ter certeza de que eles nunca inventariam mentiras para sua própria vergonha, especialmente na presença de você que os adora. Aceite a palavra deles, e acredite que eles são demônios, quando você a tiver de suas próprias bocas pelo único Deus vivo, os miseráveis ​​estremecem e ou se afastam imediatamente dos corpos que possuem, ou desaparecem gradualmente, de acordo com a fé do paciente ou a graça do médico.
Otávio em seguida tratou das calúnias, que ele mostrou serem mal-entendidos grosseiros das doutrinas ou práticas cristãs. Quanto à velha calúnia dos cristãos adorarem a cabeça de um jumento – um preconceito anteriormente imputado aos judeus, como evidenciado por Josefo em seus livros contra Appion – Otávio se contentou em negar uma acusação infundada. Ele explicou a calúnia sem sentido que os cristãos adoravam aos joelhos do bispo, explicando que eles se ajoelhavam diante dele para receber sua absolvição ou bênção.
Ele refutou a acusação de incesto, apontando para a pureza da moral cristã e os muitos que juram castidade. Ele apontou para a imoralidade do culto pagão que colocou Príapo entre suas divindades, ofereceu sacrifício a Vênus, a prostituta, e celebrou os festivais de Bona Dea e outros com abominações e lascívia. Ele lembrou a Caecilius que os cristãos nem mesmo veriam homens condenados à morte com justiça, ou ajudariam em execuções públicas, e que se abstiveram de comer sangue – o que está longe da calúnia de que se alimentam da carne das crianças.
Ele continuou destacando a santidade do casamento cristão, a imortalidade da alma, a ressurreição dos mortos. Em resposta à acusação de que os cristãos abracem a pobreza e a simplicidade, Otávio disse: “Quem pode ser dito pobre que não se encontra em necessidade mais pobre do que veio ao mundo. A arte cristã de possuir todas as coisas é não desejar nada. Como viajante, quanto mais leve ele é, mais fácil ele se encontra; assim, nesta jornada da vida, é mais feliz aquele que é iluminado por pobreza, do que aquele que geme sob um fardo de riquezas. Se concluímos que as riquezas são necessárias, devemos pedi-las a Deus. A inocência é o ápice do nosso desejo, e a paciência o que pedimos. A calamidade é a escola da virtude. Quão belo espetáculo à vista de Deus é um cristão que entra nas listas com aflição e com uma nobre constância ameaças, torturas e torturas! Quando, como um conquistador, triunfa sobre o juiz que o condena! Pois certamente é vitorioso aquele que obtém aquilo pelo que luta.”

Otávio concluiu afirmando que o cristianismo consiste na prática, não em palavras pomposas.
“Não parecemos grandes, nem falamos grandes coisas, mas vivemos nelas.”

Quando Otávio terminou de falar, Cecílio exclamou: “Parabenizo muito meu Otávio e a mim mesmo: somos ambos vencedores. Otávio triunfa sobre mim e eu triunfo sobre o erro. Mas a principal vitória e ganho são meus, que, ao serem conquistados, encontre a coroa da verdade.”
Embora isso resuma a célebre conferência, a linha de pensamento e a beleza do discurso só podem ser compreendidas a partir do original registrado por Marco Minúcio Félix em Otávio. Se este excelente diálogo parece ter alguma falha, é que ele parece muito curto e deixa o leitor em busca de mais. No final do livro, os três grupos prometeram outra reunião para iniciar Cecílio e instruí-lo na disciplina do cristianismo. Infelizmente, o registro da segunda conferência foi perdido. Em seu pedido de desculpas (Os sete livros de Arnóbio contra os pagãos, Arnóbio parece estar pensando em Otávio e Marco quando diz a seus leitores pagãos que oradores e advogados de primeira linha abraçaram a fé.
Pôncio nos assegura que o padre Cecílio era um homem justo, venerável por sua idade e digno de eterna memória e louvor; acrescentando que São Cipriano sempre o respeitou como seu próprio pai e lhe prestou toda honra, deferência e gratidão possíveis (Benedictines, Husenbeth)…”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune03.html#3rd_v._Cecilius_priest_of_Carthage_

3.   Em Car­cas­sonne, na Gália Nar­bo­nense, ac­tu­al­mente na França, Santo Hi­lário, que é con­si­de­rado o pri­meiro bispo desta ci­dade, no tempo em que os Godos di­fun­diam nesta re­gião a he­resia ariana. († s. VI)

4.   Em Tours, na Gália Li­o­nense, também na ac­tual França, Santa Clo­tilde (também na Folhinha do Coração de Jesus), rainha, cujas ora­ções in­du­ziram o seu es­poso Clo­doveu, rei dos Francos, a abraçar a fé de Cristo; de­pois da morte do seu es­poso, re­co­lheu-se na ba­sí­lica de São Mar­tinho, para não mais ser con­si­de­rada como rainha, mas serva de Deus. († 545).

Ver páginas 430-433: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

– Ver também “Clotilde da Borgonha, também conhecida  como Rotilde (em latimChrotechildisChrodechildis ou ChlodechildisLião474 – Tours3 de junho de 545) foi rainha dos francos, como a segunda esposa de Clóvis. Ela era princesa da Borgonha como filha de Quilperico II. Foi responsável pela conversão do marido ao catolicismo.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Clotilde_da_Borgonha

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico de 04 de junho, no ano da graça de 545, o nascimento no céu de Santa Clotilde.  Após ter tido a alegria de converter Clóvis, fazendo assim de sua nação a “filha primogênita da Igreja”, viveu, depois de viúva, a dor de ver-se privada de seus filhinhos, tragicamente assassinados. Retirou-se então para Tours, próximo ao túmulo de S. Martinho, e ajudou o monaquismo através de numerosas fundações. (F)

5.   Em Meung-sur-Loire, no ter­ri­tório de Or­leães, também na ac­tual França, São Li­fardo, pres­bí­tero, que neste lugar levou vida eremítica. († s. VI).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VI, São Lifardo. Renunciando a altos cargos juridicos, retirou-se por volta dos quarenta anos para a solidão. Alguns anos mais tarde o bispo de Orléans confiou-lhe a direção do novo mosteiro de Meung, às margens do Loire. (M)

6.   Em Anágni, na Cam­pânia, hoje no Lácio, re­gião da Itália, Santa Oliva (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santa Olívia), virgem. († s. VI/VII)

– Ver “…Desta santa venerada em Anagni, Cori, Castro dei Volsci, Trivigliano, Pontecorvo, não há informação certa; no ofício próprio da Diocese de Anagni (Frosinone) diz-se que viveu no século VI-VII.
A tradição local conta que Oliva se refugiou em um mosteiro de virgens sagradas para renunciar a um casamento terreno, acredita-se na área de Anagnina, onde era frequentemente gratificada por visões celestiais.
De resto, o culto que perdurou ao longo dos séculos está ligado à presença das relíquias, cujo testemunho mais antigo que nos chegou é a epígrafe comemorativa da consagração do altar dedicado a ela em Anagni em 7 de setembro de 1133, por o antipapa Anacleto II (Pietro de ‘Pierleoni, 1130-1138).
Pela inscrição sabemos que o antipapa, juntamente com o bispo Raone, consagrou o altar de S. Oliva na igreja homónima mandada construir por um certo Giovanni da Patrica; em 1564, na sequência da guerra de campanha, teve de ser fortificado o baluarte da cidade, que teve de ser construído no distrito de Castello, mesmo no local onde se situava a igreja de S. Oliva, pelo que esta foi demolida.
Antes da demolição, no entanto, o bispo de Anagni Michele Torella havia transferido o corpo da santa para um novo altar na cripta da catedral.
No início do século XVIII, o abade Michele Hacki, do mosteiro cisterciense de Oliva, cidade da diocese de Wladislavia (Polônia), construiu uma igreja dedicada a S. Oliva e querendo enriquecê-la com uma relíquia do santo, pediu uma ao bispo e ao capítulo de Anagni.
O bispo Pier Paolo Gerardi aquiesceu e abriu o túmulo, pegou um braço do santo da urna de mármore erguida por Anacleto II e o enviou ao abade de Oliva em um relicário em 27 de março de 1703.
As relíquias de Anagni, recolhidas em um cristal urna, foram expostos em um novo altar na cripta; a igreja de Oliva é agora a catedral da nova diocese de Gdansk erguida em 1925.
Depois de 1880, foram realizados trabalhos de restauração na catedral de Anagni e o altar da cripta foi desfeito e um novo em mármore decorado com mosaicos foi construído pelo Seminário. Finalmente, em 1º de agosto de 1899, o bispo Antonio Sardi recolocou as relíquias em uma grande urna de bronze dourado, que atualmente se encontra entre os relicários da sacristia; também entre estes existe uma estatueta barroca de prata com relíquias de s. Oliva, que está exposto no altar-mor da catedral, no dia da sua festa, 3 de junho.
Autor: Antonio Borelli…”: http://santiebeati.it/dettaglio/93386  

7*.   Em Glen­da­lough, na Ir­landa, São Co­en­geno ou Que­vino ou Kevin, abade, que fundou um mos­teiro, no qual, se­gundo a tra­dição, foi pai e di­rector de muitos monges. († 622).

Ver páginas 434-436: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

8*.   Em Cler­mont-Fer­rand, na Aqui­tânia, na ho­di­erna França, São Gens (Genésio), bispo de Cler­mont, cujo corpo foi se­pul­tado em Man­glieu, na igreja do mos­teiro por ele cons­truído com o hos­pício anexo. († c. 650)

9.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, Santo Isaac, mártir, que, sendo monge, du­rante o do­mínio dos Mouros, im­pe­lido por um im­pulso não hu­mano mas por ins­pi­ração di­vina, desceu do mos­teiro de Tá­banos à praça pú­blica para dis­cutir com o Emir sobre a ver­da­deira re­li­gião e foi por isso con­de­nado à morte. († 851).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, no ano do Senhor de 851, o Bem-Aventurado Isaac, monge, que diante do Islamismo proclamou sua fé em Cristo, único mediador entre Deus e os homens. (M).

– Ver página 437: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

10.     Em Lucca, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, São Da­vino, que, de origem ar­mena, vendeu todos os bens e se fez pe­re­grino por Cristo, até que, de­pois de vi­sitar a Terra Santa e a ba­sí­lica dos Após­tolos, morreu atin­gido pela enfermidade. († 1051).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1051, São Davino, cristão armênio, que vendeu todos os seus bens e deu tudo aos pobres para se consagrar à vida ascéticade peregrino. Morreu em Lucca, na Toscana. (M)

11*.   Em Alt­kirch, no ter­ri­tório de Ba­si­leia, re­gião dos Hel­vé­cios, na ac­tual Suíça, São Mo­rando (ou Morândio), monge, na­tural da Re­nânia, que, or­de­nado pres­bí­tero, fez a pe­re­gri­nação a Com­pos­tela e, ao re­gressar, se tornou monge de Cluny, fun­dando de­pois o mos­teiro onde con­cluiu a sua in­tensa vida. († 1115).

– Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 1115, São Morândio, monge beneditino de Cluny, que se juntou ao grupo de fundadores do mosteiro de Altkirch, na Alsácia. Sua origem germânica e sua afabilidade favoreceram numerosas conversões naquela região. (X).

Ver páginas 438-439: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

12*.   Em Spello, na Úm­bria, re­gião da Itália, o Beato André Caccióli, o pri­meiro pres­bí­tero agre­gado aos Frades Me­nores, que re­cebeu o há­bito da Ordem das mãos de São Fran­cisco e as­sistiu à sua morte. († 1254).

Ver páginas 440-441: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

13*.   No ce­nóbio de Santa Maria de Ca­dossa, na Lu­cânia, hoje na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Cono, monge, que na sua ir­re­pre­en­sível ob­ser­vância mo­nás­tica e ino­cência de vida, pela graça de Deus, em breve tempo chegou ao grau mais su­blime das virtudes. († s. XIII)

– Ver “São Cono de Teggiano é um santo italiano da Igreja Católica.[1]… Seu caráter de santo foi reconhecido pelas próprias pessoas que começaram a chamá-lo assim muito antes do processo de canonização. Isso finalmente ocorre em 1871, a pedido do Papa Pio IX.[2]”:

14*.   Em York, na In­gla­terra, o Beato Fran­cisco In­gleby, pres­bí­tero e mártir, que, de­pois de ter es­tu­dado no Co­légio dos In­gleses em Reims, por exercer o sa­cer­dócio na sua pá­tria, foi con­du­zido, no rei­nado de Isabel I, ao su­plício do patíbulo. († 1580)

15.   Em Jerez de la Fron­tera, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, São João Grande, re­li­gioso da Ordem de São João de Deus, que res­plan­deceu pela sua grande ca­ri­dade para com os presos, os aban­do­nados e os mar­gi­nados e morreu con­ta­giado pela peste dos do­entes que tratava. († 1600).

Ver São João Grande, o pecador. Confessor. Ver “… Em 1600, aos quarenta e quatro anos, vítima do próprio devotamento, faleceu João Grande colhido por uma epidemia. Em 1852, Pio IX declarou-o bem-aventurado João Grande, o Pecador, ainda hoje, é honradíssimo na Andaluzia, onde nasceu (Carmona ) no ano de I 546.”, às páginas 442-443: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

16*.   Ao largo de Ro­che­fort, na França, o Beato Carlos Re­nato Collas de Bignon, pres­bí­tero da So­ci­e­dade de São Sul­pício e mártir, que era Reitor do Se­mi­nário Menor de Bourges, quando, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, por causa do sa­cer­dócio, foi en­car­ce­rado numa ga­lera e morreu co­berto de chagas infecciosas. († 1794)

17.   Em Au Thi, no Ton­quim, ac­tu­al­mente no Vi­etnam, São Pedro Dong, mártir, pai de fa­mília, que pre­feriu so­frer atrozes tor­mentos a pisar a cruz e, porque quis gravar na sua face as pa­la­vras “ver­da­deira re­li­gião” em vez de “falsa re­li­gião”, foi de­go­lado no tempo do im­pe­rador Tu Duc. († 1862)

18*.   Em Bel­legra, lo­ca­li­dade pró­xima de Roma, o Beato José Oddi (Diogo, Diego), re­li­gioso da Ordem dos Frades Me­nores, in­signe pela sua in­tensa oração e sim­pli­ci­dade de vida. († 1919)

19.   Em Roma, junto de São Pedro, o dia natal de São João XXIII, papa, cuja me­mória se ce­lebra no dia 11 de Outubro. († 1963)

– Ver ainda “Em seu leito de morte, ele disse: “Não é que o evangelho mudou; é que começamos a entendê-lo melhor. Aqueles que viveram tanto quanto eu… puderam comparar diferentes culturas e tradições, e saber que é chegado o momento de discernir os sinais dos tempos, de aproveitar a oportunidade e olhar para o futuro.” “Devo tirar dos santos a substância, não os acidentes de suas virtudes. Não sou Santo Aloysius, nem devo buscar a santidade em seu modo particular, mas segundo as exigências de minha própria natureza, meu próprio caráter e as diferentes condições de minha vida.
Não devo ser a reprodução seca e exangue de um modelo, por mais perfeito que seja. Deus deseja que sigamos o exemplo dos santos, absorvendo a seiva vital de suas virtudes e transformando-a em nosso sangue vital, adaptando-a às nossas capacidades individuais e às circunstâncias particulares. Se Santo Aloysius fosse como eu sou, ele teria se tornado santo de uma maneira diferente ”( Diário de uma Alma)… Durante a Segunda Guerra Mundial, conheceu bem os líderes da Igreja Ortodoxa com a ajuda do embaixador da Alemanha na Turquia. O Arcebispo Roncalli ajudou a salvar 24.000 judeus. Cardeal e patriarca nomeado de Veneza em 1953, finalmente bispo residencial; eleito papa aos 78 anos, tomando o nome de João, o nome de seu pai e os dois patronos da catedral de Roma, São João de Latrão; as encíclicas eram Mother and Teacher (1961) e Peace on Earth (1963).
Concílio Vaticano I fechado e em seu discurso na abertura do Concílio Vaticano II, ele criticou os “Profetas da desgraça” que “ nestes tempos modernos não veem nada além de prevaricação e ruína.”. O Papa João XXIII deu o tom ao Concílio quando disse: “A Igreja sempre se opôs … aos erros. Hoje em dia, porém, a Esposa de Cristo prefere fazer uso do remédio da misericórdia ao invés do da severidade .” 3 de junho de 2009 Bem-aventurado João XXIII (1881-1963)… O Papa João Paulo II o beatificou em 3 de setembro de 2000, e designou como sua festa o dia 11 de outubro, o dia em que a primeira sessão do Vaticano II foi aberta.”: http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune03.html

– Ver 11 de outubro: São João XXIII (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, homem do­tado de ex­tra­or­di­nária hu­ma­ni­dade, que, com a sua vida, as suas obras e o seu grande zelo pas­toral, pro­curou ma­ni­festar a todos a abun­dância da ca­ri­dade cristã e fo­mentar a união fra­terna dos povos; es­pe­ci­al­mente so­lí­cito pela efi­cácia da missão da Igreja de Cristo em todo o orbe da terra, con­vocou o Con­cílio Va­ti­cano II. Des­cansou pi­e­do­sa­mente no Se­nhor no dia 3 de Junho. († 1963). Ver “João XXIII ou São João XXIIIO.F.S., nascido Angelo Giuseppe Roncalli (Sotto Il Monte25 de novembro de 1881 — Vaticano3 de junho de 1963) foi Papa de 28 de outubro de 1958 até à data da sua morte. Pertencia à Ordem Franciscana Secular (OFS) e escolheu como lema papal: Obediência e Paz.[2][3]João XXIII foi canonizado em 27 de Abril de 2014, domingo da Divina Misericórdia, em Roma, juntamente com o também Papa João Paulo II. A missa de canonização foi presidida pelo Papa Francisco e concelebrada pelo Papa Emérito Bento XVI.[12] ”: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_João_XXIII

20. São Juan Diego Cuauhtlatoatzim, (na Folhinha do Coração de Jesus de 03 de junho). Sua festa, conforme algumas fontes é 09 de dezembro.

– Ver: https://pt.wikipedia.org/wiki/Juan_Diego_Cuauhtlatoatzin e https://santo.cancaonova.com/santo/sao-juan-diego-cuauhtlatoatzin/ 

– Também ver: https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-sao-juan-diego-cuauhtlatoatzin/429/102/#c

– Em 09 de dezembro, São João Diogo Cuauhtlatoatzin, de origem in­dí­gena, homem de fé pu­rís­sima, que, pela sua hu­mil­dade e fervor, con­se­guiu que se edi­fi­casse um san­tuário em honra de Nossa Se­nhora de Gua­da­lupe, na co­lina de Te­peyac, perto da ci­dade do Mé­xico, onde ela lhe tinha apa­re­cido e ele des­cansou no Senhor. († 1548).

21. Santo Ovídio de Braga. Ver “Ovídio de Braga é um santo português.

Segundo as hagiografias do século XVI, Ovídio era um cidadão romano de origem Siciliana. A tradição afirma que foi enviado para Bracara AugustaGalécia, pelo papa Clemente I, onde foi o terceiro bispo no ano 95. Foi mártir pela sua fé cristã no ano 135.

Está sepultado na Sé de Braga. É comemorado no dia 3 de Junho.”: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ov%C3%ADdio_de_Braga

22. VER SANTAS E SANTOS DO DIA 03 DE JUNHO (alguns destacados acima):

<- OntemCalendárioAmanhã ->
Mártires de Uganda (Memorial) – 22 santos Nossa Senhora da Santa Carta Nossa Senhora de Vladimir — Adão de Guglionesi Alberto de Como Atanásio de Traiano Auditoria de Braga Beatrice Bicchieri Cecílio de Cartago Charles-René Collas du Bignon Clotilde da França Cone da Lucânia Cronan, o curtidor Davino de Lucca Diego Oddi Francis Ingleby Gausmarus de Savigny Genésio de Clermont Glunshallaich Hilário de Carcassone Isaque de CórdobaJoão Grande Kevin de Glendalough Laurentino de Arezzo Liphardus de Orleães Morando de Cluny Moisés da Arábia Oliveira de Anagni Paula de Nicomédia Pergentino de Arezzo Phaolô Vu Van Duong Urbicius — Dominicanos martirizados na China Mártires da África – 156 santos Mártires de Bizâncio – 5 santos Mártires de Roma – 8 santos Mártires de Roma – 86 santos — Afim de Killaffan André Caccioli de Spello Cwyfen do País de Gales João Salazer
todos esses memoriais em uma única página

23. Outros santos do dia 03 de junho -430-447 (vol.09): http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%209.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores, Virgens, Santas e Santos.”

Demos graças a Deus!

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex., ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre 03 de junho, ver ainda: 3 de junho – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (Na internet, foram consultadas no dia de hoje);

  1. MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia –Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/
  2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – PÁGINAS 445-448: Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-
  3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%2 0-%201.pdf
  4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para o Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997
  5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com
  6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.
  7. The Book of Saints – A Comprehensive Biographical Dictionary – Dom Basil Watkins, OSB on behalf of the Benedictine monks of St Augustine’s Abbey, Ramsgate Eighth Edition Entirely revised and reset – T&T Clark; 8ª edição (19 novembro 2015)
  8. https://catholicsaints.info/3-june/
  9.  https://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune03.html#

  (este site mostra os santos do dia, em inglês. Tradução Google)

DIVERSOS (OBSERVAÇÕES, CITAÇÕES E ORAÇÕES)

* SENHOR, NOSSO DEUS E PAI AMADO, OBRIGADO POR TUDO O QUE O SENHOR NOS TEMDADO E PERMITIDO VIVER!

QUERIDA MÃE VIRGEM MARIA, SOCORRA-NOS, PROTEJA-NOS!

SÃO JOSÉ, SANTAS/OS E ANJOS, INTERCEDAM POR NÓS! OBRIGADO! AMÉM!

================

* PAI AMADO, DÊ-NOS ESPÍRITO DE ORAÇÃO, VIGILÂNCIA, RENÚNCIA, PENITÊNCIA! DÊ-NOS ARDOR MISSIONÁRIO PARA E PELO SENHOR! TIRE-NOS O TORPOR E A TIBIEZA! DÊ-NOS, AMADO PAI, CORAGEM DE LUTAR COM ENTUSIASMO E FORÇA DE VONTADE, MESMO EM SITUAÇÕES SEDUTORAS, DIFÍCEIS E ESPINHOSAS, PARA ALCANÇAR AQUELA PERFEIÇÃO CRISTÃ DE BONS COSTUMES E SANTIDADE POR MEIO  DA ORAÇÃO, ESFORÇO E TRABALHO. DÊ-NOS A DOCILIDADE DAS OVELHAS! SOBRETUDO, DÊ-NOS A GRAÇA! PEDIMOS EM NOME DE JESUS, NA UNIDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

================

* MUITO MAIS PODE SER ACRESCENTADO A ESSA LISTA DE SANTAS, SANTOS E MÁRTIRES. ACEITAMOS SUGESTÕES. CONTATE-NOS, POR GENTILEZA, ESCREVA-NOS:

barpuri@uol.com.br

================

  • SANTAS E SANTOS DE DEUS, INTERCEDAM POR NÓS! AMÉM!

================

* “O maior jejum é a abstinência do vício” (Santo Agostinho)

================

Senhor, não permita que eu entristeça o Divino Espírito Santo que o Senhor derramou sobre mim na Confirmação. Divino Espírito Santo me inspire, me guie para que eu só lhe dê alegria! Peço-lhe, Senhor, Pai amado, por Jesus Cristo, na unidade do Divino Espírito Santo! Amém!” (baseado na Coleta Salmódica após o Cântico Ez 36,24-28 do sábado depois das cinzas de 2021)

================

* Jesus me diz: “Filho (filha), eu estou com você!”

================

  • “Os santos são uma “nuvem de testemunhas sobre a nossa cabeça”, mostrando-nos que a vida de perfeição cristã é possível”.

================

* 07 de janeiro ou 09 de abril – Beata Lindalva Justo de Oliveira: Toda santidade passa pelo crisol (lugar ou circunstância apropriada a evidenciar as melhores qualidades de algo ou alguém) do sofrimento

(referente à Beata Lindalva de Oliveira, conforme http://www.santosdobrasil.org.br/?system=news&eid=294)

================

* 17 de janeiro: Santo Antão ou Antônio

Oração: “Santo Antônio, você falou da importância de perseverar em nossa fé e nossa prática. Ajude-nos a acordar a cada dia com um novo zelo pela vida cristã e um desejo de enfrentar o próximo desafio em vez de apenas ficar parado. Amém!”

================

* 19 de janeiro, São Macário. “… A oração não requer muitas palavras. sobre você, você só precisa dizer: “SENHOR, TEM MISERICÓRDIA!” O Senhor sabe o que é útil para nós e nos concede misericórdia.”… “Se você deseja ser salvo, seja como um morto. Não fique com raiva quando insultado (e provocado), nem orgulhoso quando elogiado.” E ainda: “Se a calúnia (e a provocação) é como o louvor para você, a pobreza como a riqueza, a insuficiência como a abundância, então você não perecerá.“…

================

  • 04 de fevereiro, SANTO ANDRÉ CORSINI: “Ele trabalhou arduamente para subjugar suas paixões por meio de humilhações extremas, obediência até mesmo à última pessoa na casa, pelo silêncio e oração (HUMILHAR-SE, OBEDECER, SILENCIAR, REZAR)”.

================

* 10 de fevereiro, SÃO JOSÉ SÁNCHEZ DEL RIO “Nos vemos no Céu. Viva Cristo Rei! Viva sua mãe, a Virgem de Guadalupe!” (últimas palavras do jovem mártir São José Sánchez del Rio).

Ver: https://catholicsaints.info/saint-jose-sanchez-del-rio/

================

* 14 de fevereiro, SÃO JOÃO BATISTA DA CONCEIÇÃO GARCIA Ó meu

Deus, sabeis que fiz tudo quanto me foi dado fazer.” (últimas palavras de

São João Batista da Conceição Garcia).

Que essas palavras sejam também as nossas, quando o Pai amado nos chamar. Amém!

================

* 14 de março, Albert Einstein: Deus Todo-Poderoso não joga dadosDiante de Deus somos todos igualmente sábios – igualmente tolos!

================

  • 15 de março: São Clemente-Maria Hoffbauer: “Ó Meu Redentor, chegará aquele terrível momento em que restarão poucos cristãos inspirados pelo espírito de fé, aquele momento em que Sua indignação será provocada e Sua proteção será tirada de nós? Nossos vícios e nossas vidas más moveram irrevogavelmente Sua justiça a se vingar, talvez neste mesmo dia, de Seus filhos para não deixar que a luz da fé se apague nas almas? “Lembre das antigas misericórdias, volta os olhos compassivos para a vinha plantada com a sua destra, regada pelas lágrimas dos Apóstolos, pelo sangue precioso de inúmeros mártires, e fecundada pelas orações de tantos confessores e virgens inocentes.

“Ó divino Mediador, olhe para aquelas almas zelosas que elevam seus corações ao Senhor e oram sem cessar pela manutenção desse seu dom mais precioso, a Verdadeira Fé. Mantenha-nos seguros na verdadeira fé católica e romana. Preserve-nos em sua santa fé, pois se formos ricos com este dom precioso, suportaremos com prazer todas as tristezas e nada poderá mudar nossa felicidade. Sem este grande tesouro da fé, nossa       infelicidade seria indizível e sem limites.

“Ó Bom Jesus, Autor da nossa fé, conservai-a pura em nós; guardai-nos na barca de Pedro, fiel e obediente ao seu sucessor, e Vosso vigário aqui na terra, para que se mantenha a unidade da santa Igreja, a santidade promovida, a Santa Sé protegida em liberdade e a Igreja universal estendida em benefício das almas.

“Ó Jesus, Autor da nossa fé, humilha e converte os inimigos da Sua Igreja; conceda verdadeira paz e concórdia a todos os reis e príncipes cristãos e a todos os crentes; fortalece-nos e preserva-nos no Seu santo serviço até ao fim, para que vivamos com o Senhor e morramos no Senhor. “Ó Jesus, Autor de nossa fé, deixe-nos viver pelo Senhor e morrer pelo Senhor. Amém.”

================

  • 15 de março, SANTA LUÍSA DE MARILLAC “… SEDE DILIGENTES NO SERVIÇO AOS POBRES . . . AMEM OS POBRES, HONREM-NOS, MEUS FILHOS, COMO VOCÊS HONRARIAM O PRÓPRIO CRISTO”

================

  • 21 de março, SÃO NICOLAU DE FLUE: “Salve, ó Mãe de toda pureza, virgem imaculada, Mãe de toda misericórdia e Mãe de nosso Salvador; venho rogar-lhe que interceda por um pobre pecador junto ao seu Divino Filho, para que me conceda Sua santa Graça. O inimigo implacavelmente me persegue e me ataca. Você uma vez esmagou a cabeça da serpente ao dar à luz nosso Salvador – ajude-me a superar suas artimanhas e enganos. Você é meu refúgio. Por que você me afastaria? …

Não, ó Virgem graciosa! Você virá em meu socorro e o inimigo será derrotado. Amém! “São Nicolau relatou que nunca invocou Maria em vão e que sempre sentiu visivelmente os efeitos de sua proteção.”

================

  • 21 de março, SÃO SERAPIÃO DE THMUIS A mente é purificada pelo conhecimento espiritual (ou pela santa meditação e oração), as paixões espirituais da alma pela caridade e os apetites irregulares pela abstinência e penitência… (regra resumida da perfeição cristã – que São Serapião repetia muitas vezes) … “Nossos corpos podem se tornar instrumentos do bem ou do mal, dependendo da disposição do coração; tanto os homens justos quanto os ímpios são frequentemente mudados para o outro tipo.” http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayMarch21.html#370_St._Serapion_th e_Scholastic_Bishop)

================

  • 05 de abril, SÃO VICENTE FERRER “Faça o que fizer, não pense em si mesmo, mas em Deus…

Você deseja estudar a seu favor? Deixe a devoção acompanhar todos os seus estudos, e estude menos para se tornar um sábio do que para se tornar um santo.

Consulte a Deus mais do que seus livros, e peça-Lhe, com humildade, que faça você entender o que lê.

O ESTUDO CANSA E ESGOTA A MENTE E O CORAÇÃO. VÁ DE VEZ EM QUANDO, PARA REFRESCÁ-LOS, AOS PÉS DE JESUS CRISTO SOB SUA CRUZ. REPOUSE ALI.

Alguns momentos de repouso em suas chagas sagradas dão novo vigor e novas luzes.

Aplique-se por orações curtas, mas fervorosas e jaculatórias. Nunca comece ou termine seu estudo, sem ser pela oração.

A ciência é um dom do Pai das luzes“.

================

* 06 de abril: São Zeferino Agostini

Fundou a Pia União das Irmãs Devotas de Santa Ângela Merici…

Dizia a elas: “Não se assustem com o trabalho ou o sofrimento, nem com o fruto escasso de seu trabalho. Lembrem-se de que Deus recompensa não pelos resultados, mas pelo esforço.” (L’Observattore Romano).

Ele sabia que sua primeira prioridade era desenvolver seu relacionamento com Deus por meio da oração pessoal, porque Deus era a fonte de sua alegria e poder para fazer o bem…

================

*12 de abril: São David Uribe

“Perdoo todos os meus inimigos e peço a Deus e a quem ofendi que me perdoe.” -da última vontade e testamento de Saint David

===============

* 21 de maio, PADRE MANOEL E COROINHA ADÍLIO “…santo é aquele que está de tal modo fascinado pela beleza de Deus e pela sua perfeita verdade que é por elas progressivamente transformado…” (Homilia de Beatificação de Padre Manoel e o Coroinha Adílio)

================

  • 20 de abril: Projeto de vida de SÃO CONRADO DE PARZHAM

“MEU PROJETO DE VIDA É PRINCIPALMENTE ESTE: amar e sofrer, sempre meditando, adorando e admirando o amor indizível de Deus por suas criaturas mais humildes.”

RESOLUÇÕES DE SÃO CONRADO DE PARZHAM:

  • Resolvo em primeiro lugar permanecer continuamente na presença de Deus e perguntar-me frequentemente se faria isto ou aquilo se meu confessor ou superior estivesse me observando e principalmente se Deus e meu anjo da guarda estivessem presentes.
  • Resolvo me perguntar, sempre que tenho que encontrar cruzes de sofrimento: “Conrad, por que você veio aqui?”
  • Resolvo evitar sair do convento, na medida do possível, a menos que seja por amor ao próximo, obediência, motivos de saúde, peregrinação piedosa ou outra boa causa.
  • Resolvo fomentar a caridade fraterna em mim e nos outros. Portanto, resolvo tomar cuidado para nunca dizer uma palavra

indelicada. Resolvo suportar pacientemente os defeitos e as fraquezas dos outros e, na medida do possível, escondê-los com o manto da caridade, a menos que seja obrigado a manifestá-los a alguém que possa corrigi-los.

  • Resolvo observar o silêncio conscientemente. Resolvo falar brevemente e assim evitar muitas armadilhas e ser mais capaz de conversar com Deus.
  • Quando à mesa, resolvo colocar-me na presença de Deus o máximo que puder, permanecer recolhido e deixar de lado meus pratos favoritos para praticar uma forma oculta de mortificação. Resolvo não comer entre as refeições, a menos que seja ordenado a fazê-lo sob obediência.
  • Resolvo atender ao primeiro toque da campainha, a menos que seja legitimamente impedido.
  • Resolvo evitar, na medida do possível, conversar com o sexo oposto, a menos que a obediência me imponha deveres que tornem necessário falar com mulheres. Nesse caso, resolvo ser muito reservado e manter a guarda dos olhos.
  • Resolvo cumprir as ordens pontualmente e ao pé da letra. Resolvo especialmente fazer todos os esforços para conquistar minha própria vontade em todas as coisas.
  • Resolvo me forçar a prestar muita atenção aos pequenos detalhes e, na medida do possível, evitar todas as imperfeições. Resolvo observar fielmente a santa regra e não me afastar dela um fio de cabelo, aconteça o que acontecer.
  • Resolvo cultivar uma profunda devoção à Bem-Aventurada Virgem Maria e me esforçar para imitar suas virtudes.

UMA COMUNHÃO ESPIRITUAL, À NOITE, DE SÃO CONRADO DE PARZHAM

“Vim para passar alguns momentos contigo, ó Jesus, e em espírito me prostro no pó diante do Teu Santo Tabernáculo para adorar-Te, meu Senhor e Deus, na mais profunda humildade. Mais uma vez, um dia chegou ao fim, querido Jesus, outro dia que me aproxima da sepultura e do meu amado lar celestial. Mais uma vez, ó Jesus, meu coração anseia por Ti, o verdadeiro Pão da Vida, que contém toda doçura e prazer. Ó meu Jesus, perdoa-me misericordiosamente pelas faltas e ingratidão deste dia, e vem a mim para refrescar o meu pobre coração que anseia por Ti. Como o coração anseia pelas águas, como a terra seca anseia pelo orvalho do céu, assim meu pobre coração anseia por Ti, Tu Fonte da Vida. Eu Te amo, ó Jesus, espero em Ti, Te amo, e por Ti lamento sinceramente todos os meus pecados. Que Tua paz e Tua bênção sejam minhas agora e sempre e por toda a eternidade. Um homem.”

================

  • 28 de abril, São Luís Maria Grignion de Montfort. Algumas máximas… “…Você é verdadeiramente abençoado se o mundo o persegue injustamente, opondo-se a seus desígnios, por melhores que sejam, julgando mal suas intenções, caluniando sua conduta, roubando injustamente sua reputação ou sua riqueza.

Cuida, então, minha filha (meu filho), de não reclamar a ninguém, a não ser a mim, dos maus-tratos que você está sendo tratado, e de buscar meios de se justificar quando, em particular, é só você que sofre com isso…

Pelo contrário, reza por aqueles que te trazem a felicidade da perseguição…

Agradeça-me por tratarem-no como fui tratado na terra, sendo um sinal de contradição…

Não desanime em suas boas intenções, por causa da contradição; é uma marca de vitória futura; uma boa obra que não está marcada com o sinal da cruz, não tem grande valor diante de mim e em breve será destruída…………………………………………………………………………………………………………………… ”

Conforme: https://catholicsaints.info/saint-louis-marie-grignion-de-montfort/

================

  • 29 DE ABRIL: SANTA CATARINA DE SENA:

«Por misericórdia Vós lavastes-nos no Sangue e por misericórdia desejastes dialogar com as criaturas. Ó Louco de amor! Não vos foi suficiente encarnar, mas também quisestes morrer! …»

================

* 31 de maio: NOSSA SENHORA DO SAGRADO CORAÇÃO

ORAÇÃO A NOSSA SENHORA DO SAGRADO CORAÇÃO

Lembrai-vos, ó Nossa Senhora do Sagrado Coração, do poder
Inefável que vosso divino filho vos concedeu sobre seu Coração
adorável. Com a maior confiança em vossos merecimentos, vimos
implorar a vossa proteção.
Vós sois celeste Tesoureira do Coração de Jesus, daquele coração que é o
manancial inexaurível de todas as graças e que podeis abrir a vosso
bel prazer para fazer descer sobre os homens todos os tesouros de amor e
misericórdia, de luz e salvação que Ele encerra; concedei-nos, vo-lo pedimos, os favores que suplicamos (fazer o pedido).
Sois nossa Mãe, ó Nossa Senhora do Sagrado Coração. Acolhei benignamente as nossas preces e dignai-vos a deferi-las. Amém.
Nossa Senhora do Sagrado Coração, rogai por nós!

(conf.https://pt.wikipedia.org/wiki/Nossa_Senhora_do_Sagrado_Cora%C3%A7%C3%A3o)

================

  • 31 de maio, São NICOLAS BARRÉ, citações:
  • ACONTEÇA O QUE ACONTECER, ESTEJA SEMPRE EM PAZ E CONFIE EM DEUS, ISSO SERÁ FEITO A VOCÊ DE ACORDO COM SUA FÉ, SUA ESPERANÇA E SUA CARIDADE E MUITO MAIS. » Carta 61 (OC p 538) – Máxima de conduta para as amantes número 21 obras completas p.128
  • “DEVEMOS NOS CONCENTRAR MAIS EM ESTABELECER O BEM AO INVÉS DE DESTRUIR O MAL. ESTABELECIDO O BEM, O MAL NÃO PODERÁ MAIS SUBSISTIR. » Máxima para a Direção das Almas 17 Obras Completas p.357
  • “QUANTO MAIS ESTAMOS UNIDOS A DEUS, MAIS RECEBEMOS FORÇA DE ESPÍRITO E INFLUÊNCIA, POIS ELE É SUA FONTE E

OCEANO”. – Carta 27 (OC p 457)

================

* Dia 23 de junho: SÃO JOSÉ CAFASSO: “Meios de se preparar para uma boa morte: na primavera de 1860 Dom Cafasso previu que a morte o levaria durante o ano. Ele redigiu um testamento espiritual, ampliando os meios de preparação para uma boa morte que tantas vezes expôs aos retirantes de Santo Inácio, a saber, uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado…” Pai amado, dê-nos a graça de nos prepararmos bem para a morte vivendo uma vida piedosa e justa, o desapego do mundo e o amor a Cristo crucificado. Amém! http://www.lngplants.com/Saint_of_the_DayJune23.html

================

  • 15 de setembro, SANTA CATARINA DE GÊNOVA “… a oração por um ente querido é, para o crente, uma forma de apagar qualquer distância, até mesmo a morte. Em oração, permanecemos na presença de Deus na companhia de alguém que amamos, mesmo que essa pessoa tenha morrido antes de nós

Não devemos transformar o purgatório em um campo de concentração em chamas à beira do inferno – ou mesmo em um ‘inferno por um curto período de tempo’. É uma blasfêmia pensar nisso como um lugar onde um Deus mesquinho cobra a última libra – ou grama – de carneSanta Catarina de Gênova (Festa dia 15 de setembro, mística do século 15), escreveu ‘fogo’ do purgatório é o amor de Deus ‘queimando’ a alma para que, por fim, a alma esteja totalmente em chamas. É a dor de querer ser feito totalmente digno de Alguém que é visto como infinitamente amável, a dor do desejo de união que agora está absolutamente assegurada, mas ainda não completamente experimentada

(Leonard Foley, OFM, Crendo em Jesus) …”:

================

* 21 de outubro, SANTO AGATÃO “… Não há nada mais difícil do que a oração, pois não há esforços que os demônios não façam para interromper este poderoso meio de os desanimar

================

*        27 de outubro SANTO ABRAÃO, ERMITÃO “… A PAIXÃO VIVE; APENAS ESTÁ REPRIMIDA… ESTÁ APENAS PRESA… AS PAIXÕES VIVEM, APENAS SÃO REPRIMIDAS PELOS SANTOS (COM A GRAÇA DE DEUS!) …”. SANTAS E SANTOS, INTERCEDAM POR NÓS PARA QUE POSSAMOS REPRIMIR AS PAIXÕES! PAI AMADO, DÊ-NOS A GRAÇA DE REPRIMIR AS PAIXÕES! SANTO

ABRAÃO, ROGUE POR NÓS! AMÉM!”, conforme páginas 52-53: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-

%2019.pdf

================

* ORAÇÃO DO ANO DE SÃO JOSÉ “PATRIS CORDE”

Salve, guardião do Redentor e esposo da Virgem Virgem Maria!

A vós, Deus confiou o seu Filho;

em vós Maria depositou a sua confiança;

  convosco, Cristo tornou-Se homem.

Ó Bem-aventurado José, mostrai-vos pai

também para nós e guiai-nos no caminho da vida.

Alcançai-nos graça, misericórdia e coragem e coragem,

e defendei-nos de todo o mal. Amém!

(Conforme < https://radio.cancaonova.com/sao-jose-do-rio-preto/oracao-ano- de-sao-jose/ >)

================

* PAI, ABRACE-NOS!

JESUS, ACOLHA-NOS EM SEU CORAÇÃO!

DIVINO ESPÍRITO SANTO, NOS ENCHA E NOS UNA NO AMOR!

MÃEZINHA MARIA, CUIDE DE NÓS!

SÃO JOSÉ, SANTAS, SANTOS E ANJOS, ROGUEM POR NÓS! POR CRISTO, NA UNIDADE DO ESPÍRITO SANTO! AMÉM!

================

  • Após Deus, o Pai amado, chamar minha amada esposa e companheira por 38 anos, 9 meses e oito dias, em 24.09.2017, descobri:
  • Posso comunicar com a minha Frô, pela ORAÇÃO;
  • Posso VER, ESCUTAR, SENTIR a FRÔ (transformada, sem dores, linda, maravilhosa) em meu ser;
  • Ela está vivendo nos braços de Deus (bondosos, vigorosos);

 4. Um dia vamos estar juntos;

  • Quando Deus me chamar, quero levar coisas boas para o banquete celeste (amor a Deus e ao próximo).

Dê-nos essa Graça, Pai amado! Dê-nos A GRAÇA! AMÉM! Obrigado, Senhor, por tudo o que o Senhor nos tem dado e permitido viver!

                                                         ================                                  

“Senhor, eu tenho fé. Ajude-me a ter mais fé ainda!” (Mc 9,24)

================

* Ver o blog: https://vidademartiressantasesantos.blog/

MUITO OBRIGADO!