Santas e Santos de 14 de setembro

Festa da Exal­tação da Santa Cruz (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, no dia se­guinte à de­di­cação da ba­sí­lica da Res­sur­reição, eri­gida sobre o se­pulcro de Cristo, é exal­tada e hon­rada como o troféu da sua vi­tória pascal e sinal que há-de apa­recer no céu para anun­ciar a todos a se­gund vinda do Senhor. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, Festa da Exaltação da Santa Cruz, estabelecida antes do séc. V, depois da dedicação da Basílica da Ressurreição, em Jerusalém. O culto da relíquia da verdadeira Cruz conheceu uma nova expansão depois de sua recuperação pelo imperador bizantino Heráclio, em 628. Fragmentos foram distribuídos através do mundo cristão: um deles havia sido exposto, por ordem do Papa oriental Sérgio I, na Igreja do Salvador, em Roma. (R). Ver págs. 188-191: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Exaltação_da_Santa_Cruz

2.   Em Roma, junto à Via Ápia, na cripta de Lu­cina do ce­mi­tério de Ca­listo, o se­pul­ta­mento de São Cor­nélio, papa e mártir, que se opôs te­naz­mente ao cisma de No­va­ciano e re­cebeu com grande ca­ri­dade na co­mu­nhão da Igreja muitos dos que ti­nham caído no cisma; exi­lado pelo im­pe­rador Galo para Ci­vi­ta­véc­chia, so­freu, se­gundo o tes­te­munho de São Ci­priano, tudo o que se podia so­frer. A sua me­mória ce­lebra-se de­pois de amanhã. († 252).

Observação: No Diretório da Liturgia, CNBB: Memória de São Cornélio dia 16 de setembro.

3.   Em Car­tago, na ho­di­erna Tu­nísia, a paixão de São Ci­priano, bispo, ad­mi­rável pela sua san­ti­dade e dou­trina, que di­rigu ex­ce­len­te­mente a Igreja em tempos muito ad­versos, en­co­rajou os con­fes­sores da fé nas suas tri­bu­la­ções e, no tempo dos im­pe­ra­dores Va­le­riano e Ga­lieno, de­pois de um atri­bu­lado exílio, con­sumou o seu mar­tírio di­ante de uma grande mul­tidão, morto ao fio da es­pada por ordem do procônsul. A sua me­mória ce­lebra-se de­pois de amanhã. († 258).

Observação: No Diretório da Liturgia, CNBB: Memória de São Cipriano dia 16 de setembro

4.   Em Co­lónia, na Ger­mânia, hoje na Ale­manha, São Ma­terno (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que con­duziu à fé de Cristo os ha­bi­tantes de Ton­gres, Co­lónia e Tréveris. († d. 314). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. IV, São Materno, bispo da Igreja de Treves, que foi o fundador da Sé de Colônia. (M)

5.   Em Co­mana, no Ponto, hoje Gu­menek, na Tur­quia, o dia natal de São João Cri­sós­tomo, cuja me­mória se ce­lebra na vés­pera deste dia. (Observação: ver dia 13 de setembro) († 407)

6.   No mos­teiro de Bel­le­vaux, no ter­ri­tório de Be­sançon, o pas­sa­mento de São Pedro, bispo, que, sendo abade cis­ter­ci­ense, foi ele­vado à sede epis­copal de Mou­tiers, que di­rigiu com ar­dente zelo, tra­ba­lhando também va­lo­ro­sa­mente pela con­córdia entre os povos. († 1174)

7.   Em Akko, na Pa­les­tina, Santo Al­berto, bispo, que, trans­fe­rido da Igreja de Ver­celas para a Igreja de Je­ru­salém, compôs uma regra para os ere­mitas do monte Car­melo e, quando ce­le­brava a festa da Exal­tação da Santa Cruz, foi pas­sado à es­pada por um homem ímpio que ele tinha repreendido. († 1215). Ver Santo Alberto e a origem da Ordem dos Carmelitas, págs. 173-185: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

8*.   Em Ében, po­vo­ação do Tirol, na ho­di­erna Áus­tria, Santa Not­burga (também na Folhinha do Coração de Jesus, Santa Noteburga), virgem, que, de­di­cada à vida do­més­tica, serviu a Cristo nos po­bres, dando aos cam­po­neses um ad­mi­rável exemplo de santidade. († 1313). Ver págs. 186-187: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

9*.   Num barco-prisão an­co­rado ao largo de Ro­che­fort, no li­toral da França, o Beato Cláudio La­place, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a Re­vo­lução Fran­cesa, en­cer­rado na ga­lera por causa do sa­cer­dócio, morreu con­ta­giado por uma grave enfermidade. († 1794)

10.   Em Chengdu, ci­dade do Si­chuan, pro­víncia da China, São Ga­briel Tau­rino Du­fresse, bispo e mártir, que cul­minou com o mar­tírio por de­ca­pi­tação a in­tensa ac­ti­vi­dade apos­tó­lica a que se de­dicou du­rante qua­renta anos. († 1815). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1815, o Bem-Aventurado Gabriel Taurino Dufresne, vigário apostólico das missões estrangeiras, martirizado depois de ter evangelizado com sucesso, durante mais de quinze anos, a China Meridional. (X). No VIDAS DOS SANTOS, Bem-Aventurado Gabriel Taurin Dufresse. Ver páginas: 192-195: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

11♦.   Em Ma­drid, na Es­panha, os be­atos Sa­bino Ayastuy Errasti, Jo­a­quim Ochoa Sa­lazar e Flo­rêncio Ar­naiz Cejudo, re­li­gi­osos da Com­pa­nhia de Maria e már­tires, que, du­rante a per­se­guição contra a fé, al­can­çaram a glória celeste. († 1936)

12♦.   Também em Ma­drid, Ma­nuel Ál­varez Álvarez, pres­bí­tero, e Teó­filo Montes Calvo, re­li­gioso, ambos da Ordem dos Pre­ga­dores e már­tires, que, na mesma per­se­guição, al­can­çaram a palma da glória ce­leste. († 1936)

13. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Roma, São Crescêncio, jovem mártir venerado no cemitério de Santa Priscila. (M)

14. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1174, São Pedro de Tarentaise, monge cisterciense de Bonnevaux, no Dauphiné, sucessivamente chamado a fundar a abadia de Tamié e depois dirigir a mais antiga das dioceses de Savóia. Artesão da unificação, negociou a paz entre Henrique II da Inglaterra e o rei da França, Luís VII. Levou à Savóia a Ordem Cisterciense, e fez com que toda a Europa reconhecesse o Papa legítimo, Alexandre III, contra o anti-papa apoiado por Frederico Barba-Rocha. (M)

15.Outros santos do dia 14 de setembro: págs. 174-196, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular