Santas e Santos de 16 de setembro

Me­mória de São Cor­nélio (também na Folhinha do Coração de Jesus), papa, e São Ci­priano (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, már­tires, dos quais se re­cordam no dia ca­torze de Se­tembro o se­pul­ta­mento do pri­meiro e a paixão do se­gundo. Neste dia todo o orbe cristão louva una­ni­me­mente os tes­te­mu­nhos de amor à ver­dade in­de­fec­tível, que, em tempo de per­se­guição, estes santos pres­taram pe­rante a Igreja e o mundo. († 252; 258). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória dos Santos Cornélio, bispo de Roma, e Cipriano, bispo de Cartago, martirizados na metade do séc. III. Cipriano, convicto da Santidade de Cornélio, pôs sua grande influência a serviço do legítimo Papa, que como ele e contrariamente ao cismático Novaciano, perdoava os apóstatas arrependidos. Condenado ao exílio, Cornélio recebeu encorajamento de seu amigo Cipriano: “Em momentos de perseguição, sustentemo-nos por meio de uma caridade recíproca, e se a um de nós Deus der a graça de morrer logo e preceder o outro, que nossa amizade possa continuar junto ao Senhor…” (Carta 60). São Cipriano, com Santo Agostinho, é uma das maiores testemunhas da doutrina da Igreja Latina nos primeiros séculos, e o principal padroeiro da África do Norte (R). Ver páginas 218-222 (São Cornélio) e páginas 223-240: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf .  

– Ver também: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Cipriano_de_Cartago e https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Papa_Cornélio

2.   Em Cal­ce­dónia, na Bi­tínia, na ac­tual Tur­quia, Santa Eu­fémia, virgem e mártir, que, no tempo do im­pe­rador Di­o­cle­ciano e do procônsul Prisco, su­por­tando por Cristo muitos su­plí­cios, pela co­ragem no com­bate al­cançou a coroa de glória. († c. 303). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Calcedônia, Santa Eufêmia, virgem, martirizada em 303, ano muito conturbado, no qual, segundo o testemunho dos atos consulares, igrejas foram demolidadas e livros sagrados foram queimados. (M)

3.   No Monte So­ratte, junto à Via Fla­mínia, no Lácio, re­gião da Itália, os santos Abúndio e com­pa­nheiros, mártires. († 304)

4.   Em Roma, junto à Via No­men­tana “ad Cá­pream”, no ce­mi­tério Maior, os santos Vítor, Félix, Ale­xandre e Pa­pias, mártires. († data inc.)

5*.   Em Nó­cera, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Prisco, bispo e mártir, que São Pau­lino de Nola ce­le­brou nos seus pa­ne­gí­ricos poéticos. († c. s. IV)

6.   Em Whithorn, na Es­cócia, a co­me­mo­ração de São Ni­niano, bispo, bretão de nas­ci­mento, que con­duziu à ver­dade da fé os Pictos e es­ta­be­leceu neste lugar a sede episcopal. († c. 432)

7.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, os santos már­tires Ro­gélio, monge de avan­çada idade, e do jovem Ser­videu (Ab­dallah), na­tivos do Ori­ente, que, por anun­ci­arem au­daz­mente Cristo ao povo sar­ra­ceno, foram con­de­nados à morte e, sem o menor sen­ti­mento de tris­teza, so­freram a am­pu­tação das mãos e das pernas e fi­nal­mente foram decapitados. († 852). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Córdova, no ano da graça de 852, o martírio de São Rogério, monge, e o de Abdala, jovem cristão decapitados pelos muçulmanos. (M)

8*.   Em Praga, na Boémia, na Ché­quia, Santa Lud­mila, mártir, du­quesa da Boémia, que, in­di­cada para a edu­cação do seu neto São Ven­ceslau, em cujo ânimo se em­pe­nhou em in­fundir o amor de Cristo, foi es­tran­gu­lada na sequência de uma con­jura da sua nora Dra­go­mira e de ou­tros no­bres pagãos. († 921)

9.   Em Wilton, na In­gla­terra, Santa Edite (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem, filha do rei dos An­glos, que, desde tenra idade, en­trou num mos­teiro, onde abraçou ge­ne­rosa e hu­mil­de­mente a vida con­sa­grada a Deus. († c. 984). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mosteiro de Santa Maria, de Wilton, Santa Edith, filha do rei da Inglaterra, Edgard. Consagrada a Deus desde sua mais tenra idade, morreu aos vinte e três anos, pranteada unanimemente por suas irmãs, tanto por suas graças naturais como pelas sobrenaturais. (M)

10*.   Em Mon­te­cas­sino, no Lácio, re­gião da Itália, o pas­sa­mento do Beato Vítor III, papa, que de­pois de ter di­ri­gido sa­bi­a­mente du­rante trinta anos este cé­lebre mos­teiro e o ter pro­mo­vido mag­ni­fi­ca­mente, as­sumiu a missão de go­vernar a Igreja de Roma. († 1087). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano do Senhor de 1087, São Vitor III, papa. Membro da casa dos duques de Benevento, foi inicialmente eremita. Eleito abade de Monte Cassino, dedicou-se à organização do célebre mosteiro, antes de suceder São Gregório VII na cátedra de São Pedro. (M)

11*.   Em Sa­vigny, na Nor­mandia, re­gião da França, São Vital, abade, que, aban­do­nando as fun­ções ter­renas, se en­tregou a uma ob­ser­vância mais ri­go­rosa em lu­gares de­sertos e reuniu muitos dis­cí­pulos no ce­nóbio por ele fundado. († 1122)

12*.   No mos­teiro de Hu­erta, na re­gião de Cas­tela, na Es­panha, o pas­sa­mento de São Mar­tinho, cha­mado Sa­cer­dote, que, sendo abade cis­ter­ci­ense, foi or­de­nado bispo de Sigüenza, onde se de­dicou com grande di­li­gência à re­forma do clero, e de­pois se re­tirou no­va­mente para o mesmo mosteiro. († 1213)

13*.   Em Salon, na Pro­vença, re­gião da França, o pas­sa­mento do Beato Luís Ale­mand, bispo de Arles, in­signe pela sua vida de sin­gular pi­e­dade e penitência. († 1450). Ver páginas 241-242: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

14*.   Em Na­ga­sáki, no Japão, os be­atos már­tires Do­mingos Sho­bioye, Mi­guel Ti­mo­noya e seu filho Paulo, que foram de­go­lados em ódio à fé cristã. († 1628)

15.   Em Lima, no Peru, São João Ma­cias, re­li­gioso da Ordem dos Pre­ga­dores, que du­rante muito tempo exerceu ofí­cios hu­mildes, cuidou di­li­gen­te­mente dos po­bres e dos en­fermos e as­si­du­a­mente re­ci­tava o Ro­sário pelas almas dos defuntos. († 1645)

16.   Em Sai-Nam-Hte, na Co­reia, a paixão de Santo André Kim Ta­egon, pres­bí­tero e mártir, que, de­pois de dois anos de­di­cados com grande zelo ao mi­nis­tério sa­cer­dotal, al­cançou um glo­rioso mar­tírio, sendo de­ca­pi­tado; a sua me­mória ce­lebra-se no dia vinte de Setembro. († 1846)

17*.   Em Ódena, po­vo­ação da pro­víncia de Bar­ce­lona, na Es­panha, o Beato Inácio Ca­sa­novas Perramón, pres­bí­tero da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes das Es­colas Pias e mártir, que morreu por Cristo du­rante o terror da per­se­guição religiosa. († 1936)

18*.   Em Turis, na pro­víncia de Va­lência, também na Es­panha, os be­atos már­tires Lau­reano (Sal­vador Ferrer Cardet), pres­bí­tero, Be­nito Maria (José Ma­nuel Ferrer Jordá) e Ber­nar­dino (Paulo Mar­tínez Ro­bles), re­li­gi­osos da Ordem dos Ter­ciá­rios Ca­pu­chi­nhos de Nossa Se­nhora das Dores, que, du­rante a mesma per­se­guição, foram mortos pelos ho­mens mas ele­vados por Deus ao reino celeste. († 1936)

19. Outros santos do dia 16 de setembro: págs. 218-245, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Santas e Santos de 15 de setembro

Me­mória de Nossa Se­nhora das Dores (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, es­tando de pé junto à cruz de Jesus, foi as­so­ciada ín­tima e fi­el­mente à paixão sal­ví­fica do seu Filho e se apre­sentou como a nova Eva, de modo que, assim como a de­so­be­di­ência da pri­meira mu­lher con­duziu à morte, assim a ad­mi­rável obe­di­ência da Virgem Maria trouxe a vida. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Nossa Senhora das Dores, ou da Piedade, cuja alma foi trespassada por uma espada de dor aos pés da cruz de Jesus agonizante. (R). Ver no VIDAS DOS SANTOS, NOSSA SENHORA DAS SETE DORES, páginas 207-215: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf – Ver ainda: NOSSA SENHORA DO CAMINHO: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Virgem_do_Caminho

2 .   Em Roma, São Ni­co­medes (também na Folhinha do Coração de Jesus), mártir, cujo corpo, guar­dado no ce­mi­tério junto à Via No­men­tana, foi hon­rado pelo papa Bo­ni­fácio V com uma ba­sí­lica sepulcral. († data inc.). Conforme o Martirológio Romano-Monástico no séc. II, a paixão de São Nicodemos, sacerdote. Aos que o pressionavam a sacrificar aos ídolos, ele respondeu: “Sacrifico apenas ao Senhor Deus Todo-Poderoso, que reina no céu”! (M)

3.   Em Tir­nu­tium, junto ao rio Saône, na Gália Li­o­nense, hoje Tournus, na França, São Va­le­riano, mártir. († data inc.). Ver pág. 205: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

4.   Em Tómis, na Cítia, hoje Cons­tança, na Ro­ménia, os santos Es­tratão, Va­lério, Ma­cróbio e Gor­diano, már­tires, que foram mortos, se­gundo a tra­dição, no tempo do im­pe­rador Licínio. († s. IV)

5.   Nas mar­gens do Da­núbio, em ter­ri­tório da ac­tual Ro­ménia, São Ni­cetas o Godo, mártir, que por ordem do rei ariano Ata­na­rico foi quei­mado vivo em ódio à fé católica. († c. 370). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia receberam o martírio São Nicetas, na região do Danúbio, no séc. IV; e Santo Emílio, em Córdova, em meados do séc. IX. (M)

6.   Em Lião, na Gália, ac­tu­al­mente na França, Santo Al­pino (Albino), bispo, que su­cedeu a São Justo. († s. IV)

7.   Em Toul, pró­ximo de Nancy, na Gália Li­o­nense, também na ac­tual França, Santo Apro, bispo. († s. VI). Santo Ebro, ou Aper, amigo de São Paulino de Nola, bispo. No VIDAS DOS MÁRTIRES, ver páginas 197-198: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

8.   No mos­teiro de Jumièges, na Nêus­tria, ac­tu­al­mente também na França, Santo Ai­cardo, abade, dis­cí­pulo de São Fi­li­berto, que o no­meou pre­lado desse mosteiro. († s. VII). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. VII, Santo Acardo, monge de Poitou, que sucedeu a São Filiberto na direção da abadia normanda de Jumièges. (M).

9.   Em Cór­dova, na An­da­luzia, re­gião da Es­panha, os santos már­tires Émila, diá­cono, e Je­re­mias, que, du­rante a per­se­guição dos Mouros, de­pois de um longo e atri­bu­lado ca­ti­veiro, con­su­maram com a de­ca­pi­tação o seu mar­tírio por Cristo. († 852). Ver Santo Emilas e Jeremias, página206: No VIDAS DOS MÁRTIRES, ver páginas 206: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

10*.   Em Bus­seto, no ter­ri­tório de Fi­denza, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, o Beato Ro­lando de Médicis, ana­co­reta, que viveu em lu­gares inós­pitos e so­li­tá­rios dos Alpes, pra­ti­cando ri­go­rosa pe­ni­tência e fa­lando só com Deus. († 1386). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. XII, o Bem-Aventurado Rolando, abade do mosteiro cisterciense de Chezery, perto de Genebra. (X)

11.   Em Gé­nova, na Li­gúria, também re­gião da Itália, Santa Ca­ta­rina Fiéschi (também na Folhinha do Coração de Jesus), viúva, in­signe pelo des­prezo do mundo, fre­quentes je­juns, amor de Deus e ca­ri­dade para com os in­di­gentes e os enfermos. († 1510). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Gênova, no ano do Senhor de 1510, Santa Catarina. Depois de seu casamento levou uma vida dissipada, mas tocada pela graça, consagrou-se ao serviço dos doentes. Enviuvando em 1497, foi favorecida com graças místicas e viu discípulos se agruparem ao seu redor. (M)

12*.   Em Hi­rado, ci­dade do Japão, o Beato Ca­milo Cos­tanzo, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus e mártir, que, con­de­nado pelo su­premo co­man­dante Hi­de­tada a ser quei­mado vivo, nem nas chamas da fo­gueira deixou de pregar o anúncio de Cristo. († 1622). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1622, o martírio do Bem-Aventurado Camilo Constanzo, jesuíta calabrês, condenado à morte pelo imperador do Japão. (X)

13*.   Em Santo Do­mingo Xa­gácia, no Mé­xico, os be­atos João Bap­tista e Ja­cinto dos Anjos, már­tires, que, sendo ca­te­quistas, cru­el­mente fla­ge­lados por se re­cu­sarem a ve­nerar os ídolos em vez de Cristo, imi­tando a paixão do Se­nhor me­re­ceram a re­com­pensa eterna. († 1700)

14*.   Em Viena, na Áus­tria, o Beato An­tónio Maria Schwartz, pres­bí­tero, que, para pro­mover a as­sis­tência pas­toral e a de­fesa dos di­reitos dos apren­dizes e dos jo­vens ope­rá­rios, ins­ti­tuiu a Con­gre­gação de São José de Ca­la­sanz para os Ope­rá­rios Cristãos. († 1929)

15♦.   Em Pa­lermo, na Si­cilia, re­gião da Itália, o Beato José Puglísi, pres­bí­tero di­o­ce­sano e mártir, mais co­nhe­cido por Pino Pu­glisi, que du­rante os trinta e três anos do seu mi­nis­tério pas­toral se de­dicou in­can­sa­vel­mente ao anúncio do Evan­gelho, es­pe­ci­al­mente aos seus “pre­fe­ridos” – as cri­anças, os des­pro­te­gidos, os po­bres – e foi as­sas­si­nado por agentes da máfia. († 1933)

16*.   Em Llosa de Ranes, po­vo­ação da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, o Beato Pas­coal Pe­nadés Jornet, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante o tempo da per­se­guição re­li­giosa, ven­cendo o com­bate ter­reno, al­cançou a ple­ni­tude da sal­vação eterna. († 1936)

17*.   Pró­ximo de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato La­dislau Mi­egon, pres­bí­tero e mártir, que, de­por­tado da Po­lónia por um re­gime hostil a Deus e aos ho­mens, foi en­car­ce­rado no campo de con­cen­tração de Da­chau por causa da sua fé e, su­por­tando nu­me­rosos tor­mentos, al­cançou a coroa de glória. († 1942)

18*.   Em Ná­poles, na Itália, o Beato Paulo Manna, pres­bí­tero do Ins­ti­tuto Pon­ti­fício para as Mis­sões Es­tran­geiras, que, dei­xando a acção mis­si­o­nária na Bir­mânia por causa da sua de­bi­li­tada saúde, tra­ba­lhou in­ten­sa­mente na obra da evan­ge­li­zação, de­di­cando-se com toda a energia à pre­gação da pa­lavra de Deus e à pro­moção da uni­dade dos cristãos. († 1952)

19. São João, o anão. Ver VIDAS DOS SANTOS, páginas 199-204: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

20. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 560, São Lupino. Segundo sua biografia, que teve grande difusão na Idade Média, foi monge abade de Brou, antes de dirigir a Igreja de Chartres. (M)

21.Outros santos do dia 15 de setembro: págs. 197-217, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2016.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular