Santas e Santos de 31 de janeiro

Me­mória de São João Bosco (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, que, tendo pas­sado uma in­fância di­fícil, foi or­de­nado sa­cer­dote e tra­ba­lhou com todas as suas forças na edu­cação dos jo­vens e ado­les­centes. Fundou a So­ci­e­dade Sa­le­siana e, com o au­xílio de Santa Maria Do­mingas Maz­za­rello, o Ins­ti­tuto das Fi­lhas de Maria Au­xi­li­a­dora, para a for­mação da ju­ven­tude no tra­balho e na vida cristã. Neste dia, em Turim, na Itália, de­pois de tantas obras re­a­li­zadas, partiu pi­e­do­sa­mente para a ceia eterna. († 1888). Memória de São João Bosco, sacerdote, morto em Turim em 1888. Foi o apóstolo por excelência da juventude operária, em favor da qual exerceu seus carismas de taumaturgo e fundou a Sociedade dos Salesianos e a Congregação das Filhas de Maria Auxiliadora. (R). Ver páginas 311-314: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf – Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Dom_Bosco

2.   Em Co­rinto, na Acaia, na ac­tual Grécia, os santos már­tires Vi­to­rino, Vítor, Ni­cé­foro, Cláudio, Di­o­doro, Se­ra­pião e Pa­pias, que, no tempo do im­pe­rador Décio, como consta, com vá­rios su­plí­cios con­su­maram o seu martírio. († c. 250)

3.   Co­me­mo­ração de São Me­trano, mártir de Ale­xan­dria, no Egipto, que, no tempo do im­pe­rador Décio, por se recusar a pro­ferir pa­la­vras ím­pias, como lhe man­davam os pa­gãos, foi fe­roz­mente es­pan­cado e le­vado para fora da ci­dade, onde morreu apedrejado. († c. 249). Em Alexandria, em meados do séc. III, São Metrano, que foi preso e apedrejado antes mesmo que Décio tivesse lançado seu edito de perseguição. (M)

4.   Também em Ale­xan­dria, os santos már­tires Ciro e João, que, pela fé em Cristo, de­pois de muitos tor­mentos, foram decapitados. († s. IV). Em Roma, no ano da graça de 303, os Santos Ciro, médico, e Jão, seu amigo, que receberam a palma do martírio porque foram confortar as virgens cristãs que estavam na prisão. (M). Ver páginas 303-304: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

5.   Em Mó­dena, na Emília, ac­tu­al­mente Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, São Ge­mi­niano, bispo, que con­duziu a sua Igreja do ari­a­nismo à fé ortodoxa. († s. IV)

6.   Na Pérsia, em ter­ri­tório do ac­tual Iraque, a paixão de Santo Abraão, bispo de Ar­bela, que, no tempo de Sapor, rei dos Persas, foi de­go­lado porque se re­cusou a adorar o sol. († 345)

7.   Em No­vara, na Li­gúria, hoje no Pi­e­monte, re­gião da Itália, São Júlio, presbítero. († s. IV in.)

8.   Em Roma, a co­me­mo­ração de Santa Mar­cela (também na Folhinha do Coração de Jesus), viúva, que, como es­creve São Je­ró­nimo, des­pre­zando a for­tuna e a no­breza, se tornou mais nobre pela po­breza e humildade. († 410). No ano do Senhor de 410, Santa Marcela, viúva. Proveniente de uma ilustre família romana, ela devotou sua vida à oração e empenhou sua fortuna no auxílio aos pobres. (M). Ver páginas 306-308: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf – Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Marcela_de_Roma

9*.   Em Ferns, na Ir­landa, São Maidoc ou Ai­dano, bispo, que neste lugar fundou um ce­nóbio e res­plan­deceu pela sua grande austeridade. († c. 626)

10*.   No ter­ri­tório de Cou­tances, na Nêus­tria, ac­tu­al­mente na França, São Valdo, bispo de Évreux. († s. VII)

11*.   Em Vik­tors­berg, perto de Rankweil, na Ba­viera me­ri­di­onal, hoje na Áus­tria, Santo Eu­sébio, que, na­tural da Ir­landa, se fez pe­re­grino por Cristo, de­pois foi monge no mos­teiro de São Galo e por fim abraçou a vida eremítica. († 884)

12*.   Em Roma, a Beata Luísa Albertóni (também na Folhinha do Coração de Jesus), que, tendo edu­cado os fi­lhos na vida cristã, de­pois da morte do es­poso en­trou na Ordem Ter­ceira de São Fran­cisco e, no ser­viço de au­xílio aos po­bres, passou da ri­queza à ex­trema pobreza. († 1533).Ver página 305: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf       

– Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ludovica_Albertoni

13.   Em Ná­poles, na Cam­pânia, re­gião da Itália, São Fran­cisco Xa­vier Maria Biánchi, pres­bí­tero da Ordem dos Clé­rigos Re­grantes de São Paulo, que foi do­tado de dons mís­ticos e con­duziu muitos à vida da graça se­gundo o Evangelho. († 1815)

14.   Na Co­reia, os santos már­tires Agos­tinho Pak Chong-won, ca­te­quista, e cinco companheiros, que, su­por­tando muitos su­plí­cios, com im­pas­sível for­ta­leza pro­fes­saram a sua fé cristã e glo­ri­fi­caram a Deus mor­rendo de­ca­pi­tados. São estes os seus nomes: Pedro Hong Pyong-ju, ca­te­quista; Maria Yi In-dog, virgem; Ma­da­lena Son So-byog, Águeda Yi Kyong-i, Águeda Hwon Chin-i. († 1840)

15.   Em Cu­maná, na Ve­ne­zuela, a Beata Can­de­lária de São José (Su­sana Paz Cas­tillo Ra­mírez), virgem, que, em tempo de tur­bu­lência po­lí­tica, eco­nó­mica e so­cial, fundou a Con­gre­gação das Re­li­gi­osas Car­me­litas da Ter­ceira Ordem Re­gular, hoje Re­li­gi­osas Car­me­litas da Madre Can­de­lária, es­pe­ci­al­mente des­ti­nada ao cui­dados das cri­anças e dos indigentes. († 1940)

16. Em Bar­ce­lona, na Es­panha, São Pedro Nolasco, pres­bí­tero, que, jun­ta­mente com São Rai­mundo de Pe­nha­forte e Jaime I, rei de Aragão, é con­si­de­rado fun­dador da Ordem de Nossa Se­nhora das Mercês para a Re­denção dos Ca­tivos; no tempo do do­mínio dos in­fiéis, de­sen­volveu di­li­gen­te­mente uma grande ac­ti­vi­dade para es­ta­be­lecer a paz e li­bertar os cris­tãos do jugo da escravidão. († 1245). OBSERVAÇÃO VER: Na FOLHINHA DO CORAÇÃO DE JESUS, dia 28 de janeiro; no MARTIROLÓGIO ITALIANO, dia 06 de maio. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, dia 31 de janeiro. Em Barcelona, Espanha, em 1256, São Pedro Nolasco. Natural da diocese de Carcassonne, fundou, com São Raimundo de Peñafort a Ordem de Nossa Senhora das Mercês, para o resgate de prisioneiros cristãos. Seus religiosos colocavam-se eles próprios como prisioneiros em lugar dos irmãos (M). Ver páginas 297-302: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver: http://mercedarios.com.br/sao-pedro-nolasco

17.Santo  Adamnan, confessor. Ver páginas 309-310: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

18.Outros santos do dia 31 de janeiro: págs. 297-317: 

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito. 

– Sobre o dia 31 de janeiro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/31_de_janeiro

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Santas e Santos de 30 de janeiro

1.   Em Je­ru­salém, São Ma­tias, bispo, que, de­pois de muitos pa­de­ci­mentos por Cristo, des­cansou em paz. († s. II). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Matias_de_Jerusalém

2.   Em Edessa, no Os­roene, hoje San­liurfa, na Tur­quia, São Bar­simeu (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo, que, se­gundo a tra­dição, foi du­ra­mente fla­ge­lado por amor de Cristo no tempo do im­pe­rador Décio, mas, ter­mi­nada a per­se­guição, ob­teve a li­ber­tação do cár­cere e passou o resto da sua vida em in­tensa ac­ti­vi­dade no go­verno da Igreja que lhe foi confiada. († s. III)

3.   Em Roma, a co­me­mo­ração de Santa Mar­tinha (também na Folhinha do Coração de Jesus), sob cujo tí­tulo o papa Dono de­dicou uma ba­sí­lica no foro romano. († 677). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, perto de 226, Santa Martina, virgem, martirizada por causa de sua fé cristă. É uma das padroeiras celestes de Roma. (M). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Martina_de_Roma

4.   Em Chelles, no ter­ri­tório de Paris, ac­tu­al­mente na França, Santa Ba­tilde, rainha, que fundou ce­nó­bios sob a Regra de São Bento se­gundo os cos­tumes de Lu­xeuill; de­pois da morte do seu es­poso Clovis II, foi re­gente do reino e, du­rante o rei­nado de seu filho, passou os úl­timos anos da sua vida na ri­go­rosa ob­ser­vância da regra monástica. († 680). Ver páginas 283-287: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf – Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Batilda

5.   Em Mau­beuge, na Nêus­tria, na ac­tual França, Santa Al­de­gundes ou Al­de­gonda, aba­dessa, no tempo do rei Dagoberto. († c. 684). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na antiga província de Hainaut (Bélgica), no ano do Senhor de 684, Santa Aldegonda, virgem, que se consagrou a Deus sob a influência de Sua irmã Valdetrudes, abadessa de Mons. Fundou o mosteiro de Maubeuge, onde foi agraciada por visões místicas. (M). Ver página 288: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf  

6.   Em Pavia, na Lom­bardia, re­gião da Itália, Santo Ar­men­tário, bispo, que de­po­sitou so­le­ne­mente o corpo de Santo Agos­tinho na ba­sí­lica de São Pedro «in Caelo Áureo», para ali tras­la­dado pelo rei Liutprando. († d. 731)

7.   A paixão de São Teó­filo o Jovem, mártir, que, sendo co­man­dante da frota cristã, foi cap­tu­rado pelos ini­migos junto a Chipre e con­du­zido a Harun, ca­lifa dos Sar­ra­cenos; e não po­dendo este obrigá-lo a negar a Cristo, nem com pro­messas nem com ame­aças, mandou que fosse pas­sado ao fio da espada. († 792)

8*.   Em Burgos, ci­dade de Cas­tela e Leão, ac­tual re­gião da Es­panha, Santo Ade­lelmo ou Lesmes, abade, que trans­formou num mos­teiro a ca­pela de São João com o hos­pício adjacente. († 1097)

9*.   Em Du­blin, na Ir­landa, o pas­sa­mento do Beato Fran­cisco Taylor, mártir, que, sendo pai de fa­mília, passou sete anos en­cer­rado no cár­cere por causa da sua fé ca­tó­lica e, con­su­mido pelas tri­bu­la­ções e pela idade avan­çada, ter­minou o mar­tírio no rei­nado de Jaime I. († 1584)

10.   Em Ku­ma­moto, ci­dade do Japão, os be­atos már­tires Oga­sawara Yo­sa­buro Gen’ya, sua es­posa Oga­sawara Miya Luísa, com nove fi­lhos e quatro servos da fa­mília Ogasawara.  Estes são os nomes dos fi­lhos már­tires: Oga­sawara Gen­pachi, Oga­sawara Mari, Oga­sawara Kuri, Oga­sawara Sa­sa­emon, Oga­sawara Sayu­emon, Oga­sawara Shiro, Oga­sawara Goro, Oga­sawara Tsuchi, Ogo­sawara Gonnosuke. († 1636)

11.   Em Vi­terbo, na Tos­cana, hoje no Lácio, re­gião da Itália, Santa Ja­cinta Mariscótti (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem da Ordem Ter­ceira Re­gular de São Fran­cisco, que, de­pois de passar quinze anos em pra­zeres mun­danos, abraçou uma vida aus­te­rís­sima e pro­moveu ir­man­dades para a as­sis­tência dos idosos e para a ado­ração da San­tís­sima Eucaristia. († 1640). Ver páginas 289-292: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

12*.   Em Turim, no Pi­e­monte, re­gião da Itália, o Beato Se­bas­tião Valfré, pres­bí­tero da Con­gre­gação do Ora­tório de São Fi­lipe Néri, que tra­ba­lhou com todo o ardor na as­sis­tência aos po­bres, aos en­fermos e aos presos nos cár­ceres e, pela sua bon­dade e di­li­gente ca­ri­dade, con­duziu muitos a Cristo. († 1710)

13.   Em Seul, na Co­reia, o santo mártir Paulo Ho Hyob, que, sendo sol­dado, foi preso por causa da sua pro­fissão de fé cristã e sub­me­tido a cruéis tor­turas, de tal modo que, pela de­bi­li­tação das suas forças, pa­receu estar prestes a ceder; mas, ar­re­pen­dido, ime­di­a­ta­mente con­firmou di­ante do juiz a sua fé em Cristo; por isso ficou en­car­ce­rado du­rante muito tempo e, fi­nal­mente, en­fra­que­cido pelas fla­ge­la­ções, morreu no Senhor. († 1840)

14.   Em Ton­quim, no ac­tual Vi­etnam, São Tomé Khuong, pres­bí­tero e mártir, que na per­se­guição do im­pe­rador Tu Duc, per­ma­ne­cendo in­ven­cível na pro­fissão da fé cristã, foi me­tido no cár­cere e, ajo­e­lhado di­ante da cruz, morreu a golpe de machado. († 1860)

15.   Em Gua­da­la­jara, no Mé­xico, São David Galván, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a per­se­guição me­xi­cana, por de­fender a san­ti­dade do ma­tri­mónio, foi fu­zi­lado pelos sol­dados, sem pro­cesso ju­di­cial, e assim al­cançou a coroa do martírio. († 1915)

16*.   Em Ma­lonne, na Bél­gica, São Mu­ciano Maria (Luís Wiaux), re­li­gioso da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cristãs, que con­sa­grou quase toda a sua vida a tra­ba­lhar, com in­fle­xível cons­tância e con­tínua ale­gria, na edu­cação dos jovens. († 1917)

17*.   No mos­teiro de São Bento de Ma­red­sous, também na Bél­gica, o Beato Co­lumba (José) Mar­mion, que, na­tural da Ir­landa, foi or­de­nado pres­bí­tero e eleito abade na Ordem de São Bento, onde res­plan­deceu como pai do ce­nóbio e guia das almas, pela san­ti­dade de vida, dou­trina es­pi­ri­tual e eloquência. († 1923)

18*.   Em Tor­rent, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, a Beata Cármen Garcia Moyon, mártir, que tra­ba­lhou di­li­gen­te­mente como edu­ca­dora da dou­trina cristã e, du­rante a per­se­guição re­li­giosa, de­pois de ter re­sis­tido te­naz­mente à ten­ta­tiva de vi­o­lação, foi quei­mada viva pela fé de Cristo. († 1937)

19*.   Em Gdeszyn, ci­dade da Po­lónia, o Beato Se­gis­mundo Pisarski, pres­bí­tero e mártir, que, du­rante a guerra, por não re­nun­ciar à sua fé pe­rante os per­se­gui­dores, foi ex­pulso da sua igreja pa­ro­quial e fi­nal­mente preso e fuzilado. († 1943)

20. Em Milão, Santa Savina, também na Folhinha do Coração de Jesus, mulher piedosíssima, que adormeceu no senhor, quando orava sôbre o túmulo dos santos Nabor e Felix. Conf. Pág. 296:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

21. Santa Tiadilda, abadessa. Ver páginas 293-294: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

22. Outros santos do dia 30 de janeiro: págs. 283-296: 

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escri to. 

– Sobre o dia 30 de janeiro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/30_de_janeiro

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Santas e Santos de 29 de janeiro

1.   Em Edessa, no Os­roene, na ac­tual Tur­quia, os santos Sar­bélio, pres­bí­tero, e Be­baia, sua irmã, que, se­gundo a tra­dição, foram con­du­zidos ao Bap­tismo pelo bispo São Bar­simeu e pa­de­ceram o mar­tírio por Cristo. († c. 250). Conforme  o Martirológio Romano-Monástico, em Edessa, na Síria, no séc. II, o martírio dos irmãos Santos Sarbel e Bárbia. Sarbel, sacerdote dos deuses pagãos, aceitou perder todos os ganhos que obtinha de seu culto para obter de Cristo o perdão por suas faltas. (M). Ver páginas 268-269: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

2.   Em Roma, junto à Via No­men­tana, no ce­mi­tério Maior, os santos már­tires Pa­pias e Amaro, que eram soldados. († c. s. III). Em Roma, junto à Via No­men­tana, no ce­mi­tério Maior, os santos már­tires Pa­pias e Amaro (No Martirológio Romano-Monástico, no começo do séc. IV, Santos Pápias e Mauro, militares romanos convertidos pelo Papa São Marcelo), que eram soldados. († c. s. III). Conforme VIDAS DOS SANTOS, no mesmo dia, em Roma, na via de Nomenta, os santos mártires Pápias e Mauro, soldados, que na época do imperador Diocleciano, mal confessaram a Jesus Cristo, tiveram os maxilares partidos a pedradas, por ordem de Laodício, prefeito da cidade. Em tal estado, mandou-os encerrar numa masmorra, e depois assassinar a bordoadas e a golpes de chicote de ponta de chumbo. Conf. Pág. 282: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

3.   Em Pe­rúgia, na Úm­bria, re­gião da Itália, São Cons­tâncio (também na Folhinha do Coração de Jesus), bispo. († c. s. III). Conforme  o Martirológio Romano-Monástico, em Perúgia, perto de 180, São Constâncio, bispo. Aprisionado por causa de sua fé, converteu seus guardiões que o puseram em liberdade para que ele pudesse completar sua educação cristã. (M). São CONSTÂNCIO: Bispo e Mártir. São Constâncio governou a Igreja de Perusa com zêlo. Caracterizado por um espírito de mortificação, por uma generosidade sem limites, foi um verdadeiro pai dos pobres. Quando de Marco Aurélio, foi prêso e compelido a sacrificar aos ídolos. Como se recusasse, dizendo que só servia a Jesus Cristo, foi encerrado numa sala térmica, que elevaram à mais alta temperatura. Como nada sofresse, os homens incumbidos de maltratá-lo, olhando-o com admiração mesclada de temor, acabaram por se converter. Libertado, voltou a levar a mesma vida de sempre, abertamente a servir a Deus. Prêso pela segunda vez, acusado de ter pervertido os que convertera, foi condenado a caminhar descalço sôbre brasas. Encomendando-se a Deus com todo o fervor, empreendeu a marcha sôbre os carvões ardentes. Livre miraculosamente de qualquer queimadura, foi decapitado sem delongas. Era em 178, e muitos prodígios se seguiram à sua morte. Conforme pág. 267:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

4.   Em An­ti­o­quia, na Síria, hoje An­takya, na Tur­quia, os santos Ju­ven­tino e Ma­xi­mino, már­tires, que re­ce­beram a coroa do mar­tírio no tempo do im­pe­rador Ju­liano Apóstata. († 363)

5.   Em Tré­veris, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na Ale­manha, São Va­lério, bispo, o se­gundo a ocupar esta sede episcopal. († s. III f.)

6.   Perto de An­ti­o­quia, na Síria, ac­tu­al­mente na Tur­quia, Santo Afra­ates, ana­co­reta, nas­cido e edu­cado na Pérsia, que, se­guindo os passos dos magos, em Belém se con­verteu ao Se­nhor e, par­tindo para Edessa, se re­fu­giou numa ca­bana fora dos muros da ci­dade; por fim, em An­ti­o­quia de­fendeu a fé ca­tó­lica contra os ari­anos, pela sua pre­gação e seus escritos. († c. 378). Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Afraates_(escritor)

7*.   Na Bre­tanha Menor, ac­tu­al­mente na França, São Gildas o Sábio, abade, que es­creveu sobre a des­truição da Bre­tanha, la­men­tando as ca­la­mi­dades do seu povo e in­cre­pando o de­sa­tino dos prín­cipes e do clero. Se­gundo a tra­dição, fundou um mos­teiro em Rhuys, junto à costa ma­rí­tima, e morreu na ilha de Houat. († 570). Conforme  o Martirológio Romano-Monástico, no séc. V, São Gildásio. Monge escocês de considerável erudição, renovou o vigor do monaquismo que se enfraquecia depois da morte de São Patrício. Fundou um centro de vida religiosa na extremidade da península de Rhuis, na diocese de Vannes, onde seu culto foi muito popular. (X). Ver páginas 278-280: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf – Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Gildas

8.   Em Bourges, na Aqui­tânia, na ac­tual França, São Sul­pício Se­vero, bispo, se­nador das Gá­lias, cuja sa­be­doria, zelo pas­toral e em­penho na re­no­vação da ob­ser­vância re­li­giosa louvou São Gre­gório de Tours. († 591). Conforme  o Martirológio Romano-Monástico, o Roussillon, sul da França, no séc. V, São Sulpício Severo. Originário da Aquitânia, exerceu inicialmente a profissão de advogado. Com a morte de sua jovem esposa, tomou o hábito monástico a conselho de São Martinho de Tours, cuja vida escreveu mais tarde. (M). Ver página 277. Ver também página 281:  http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

9*.   Em Flo­rença, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, a Beata Vi­lana de Bóttis, mãe de fa­mília, que, aban­do­nando a vida mun­dana, tomou o há­bito das Irmãs da Pe­ni­tência de São Do­mingos e foi in­signe na me­di­tação de Cristo cru­ci­fi­cado e na aus­te­ri­dade de vida, men­di­gando também es­molas nas ruas para ajudar os pobres. († 1361)

10.   Em Mi­ejsce Pi­es­towe, na Po­lónia, o Beato Bro­nislau Markiewicz, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana, fun­dador das duas con­gre­ga­ções de São Mi­guel Arcanjo. († 1912)

11*.   Em Bi­alystok, ci­dade da Po­lónia, a Beata Bo­les­lava Maria Lament, virgem, que, num di­fícil pe­ríodo de ins­ta­bi­li­dade po­lí­tica, fundou a Con­gre­gação das Irmãs Mis­si­o­ná­rias da Sa­grada Fa­mília, para fo­mentar a união dos cris­tãos, so­correr os mar­gi­nados e formar as jo­vens na vida cristã. († 1946)

12. Santo Aquilino (também na Folhinha do Coração de Jesus)

13. Santa Bambina (também na Folhinha do Coração de Jesus)

14. São Junípero. Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/São_Junípero

15. São Sabiniano. Ver páginas 270-271: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

16. São Julião, o hospitaleiro. Ver páginas 272-276: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

17. Outros santos do dia 29 de janeiro: págs. 245-282: 

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escri to. 

– Sobre o dia 29 de janeiro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/29_de_janeiro

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.

Santas e Santos de 28 de janeiro

Me­mória de São Tomás de Aquino (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero da Ordem dos Pre­ga­dores e doutor da Igreja, que, do­tado de grandes dons in­te­lec­tuais, co­mu­nicou aos ou­tros, por meio do en­sino oral e es­crito, a sua ex­tra­or­di­nária sa­be­doria. Cha­mado pelo beato papa Gre­gório X para par­ti­cipar no Con­cílio Ecu­mé­nico de Lião II, morreu du­rante a vi­agem no mos­teiro de Fos­sa­nova, no Lácio, no dia 7 de Março. Al­guns anos de­pois o seu corpo foi tras­la­dado para Tolouse. († 1274). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de São Tomás de Aquino, sacerdote da Ordem dos Pregadores. Inicialmente discípulo de Santo Alberto Magno e depois professor na Sorbonne, São Tomás elaborou, a partir da Sagrada Escritura e dos Padres da Igreja, e utilizando o sistema filosófico aristotélico, uma magistral síntese teológica que o fez ser proclamado Doutor da Igreja e patrono da Universidade Católica. Quando, por ordem do papa, se dirigia ao Concilio de Lião, morreu na abadia cisterciense de Fossanova no dia 7 de março de 1274, e seu corpo foi transferido para Toulouse em 28 de janeiro de 1369. (R)

No VIDA DOS SANTOS, a vida de São Tomás é contada dia 7 de março. Conforme págs. 220-225:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%204.pdf

Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Tomás_de_Aquino

2.   No mos­teiro de Réomé, perto de Lan­gres, na Nêus­tria, ac­tu­al­mente na França, São João, pres­bí­tero, homem de Deus, que reuniu nu­me­rosos monges sob a Regra de São Macário. († c. 554). Ver páginas 233-234: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

3.   Co­me­mo­ração de São Tiago, ere­mita na Pa­les­tina, que passou muito tempo num se­pulcro por penitência. († s. VI). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, na Palestina, no séc. VI, São Tiago, eremita. Ele havia sucumbido a uma grave tentação quando um velho anacoreta, colocado em seu caminho pela graça divina, exortou-o a jamais desesperar da misericórdia do Senhor. (M). Ver páginas 235-236: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

4.   Em Cu­enca, na ac­tual Cas­tela-la-Mancha, re­gião da Es­panha, São Ju­lião, bispo, que ilus­trou a Igreja como se­gundo pre­lado desta ci­dade de­pois de re­cu­pe­rada aos Mouros, pondo ao dispor dos po­bres os bens da Igreja e ad­qui­rindo o seu sus­tento quo­ti­diano com o tra­balho das pró­prias mãos. († c. 1207). Conforme o Martirológio Romano-Monástico: na Espanha, em 1208, São Juliano, que foi ordenado bispo depois de muitos anos de vida eremítica e de um longo ministério sacerdotal.

São Julião: Bispo e Confessor

Julião era natural de Burgos, onde nasceu em 1127. Mortos os pais, deixou a vida mundana, recolhendo-se a uma cabana situada ao lado do mosteiro de Santo Agostinho de Burgos, perto do eremitério que abrigou São Domingos de Silos.

Depois de ordenado padre, principiou o ministério de pregação, percorrendo zelosamente várias províncias da Espanha, alcançando grande sucesso e colhendo frutos abundantes. Quando o rei Afonso IX reconquistou Cuenca, então em poder dos mouros, Julião era arcediago (dignitário eclesiástico que recebe do bispo certos poderes junto dos párocos, curas, abades etc. de uma diocese) de Toledo. Bispo de Cuenca aos sessenta anos, de humilde que era, tornou-se mais pequeno ainda debaixo daquela dignidade, o que vinha edificar a gente tôda do país. Vivia do trabalho das próprias mãos, e o que lhe advinha do bispado transferia-o imediatamente à pobreza, que o venerava e amava. As paróquias tôdas que pertenciam à sua diocese, visitava-as freqüentemente, zelosa e prestativamente. Diante de tanta santidade, Deus favoreceu-o sobremodo. Conta-se que, por ocasião da epidemia que se manifestou em Cuenca, quem quer que tocasse em alguma coisa que tivesse passado pelas mãos do santo bispo ver-se-ia infalivelmente curado e imunizado.

Velho já, carregando noventa anos nos arcados ombros santos, grave enfermidade atirou com Julião para o leito. Ciente de que aquela doença ia levá-lo ao túmulo, preparou-se para ter uma boa morte. E, fazendo-se transferir para uma cama de cinzas, no chão, tendo por travesseiro uma pedra, ali morreu, em 1208, depois de ter tido a suprema felicidade de ser visitado e exortado por Nossa Senhora, que lhe apareceu e confortou até o último suspiro.

 Aos funerais do bom e velho bispo, uma infinidade de milagres surpreendeu e maravilhou a todos quantos presenciaram os prodígios ou deles ouviram contar. A Igreja de Cuenca celebra-lhe a festa com oitava.

Em 1518, houve uma transladação do corpo de São Julião, e novos prodígios ocorreram. Registraram-se, num só dia, catorze casos de miraculosas curas. Conforme págs. 239-240: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

5*.   No mos­teiro de São Fre­diano, pró­ximo de Pisa, na Etrúria, hoje na Tos­cana, re­gião da Itália, o beato Bar­to­lomeu Aiutamicristo, re­li­gioso da Ordem Camaldulense. († 1224)

6*.   Em Plévin, na Bre­tanha, re­gião da França, o beato Ju­lião Maunoir, pres­bí­tero da Com­pa­nhia de Jesus, que, du­rante qua­renta e dois anos, se de­dicou to­tal­mente às mis­sões po­pu­lares, tanto nas al­deias como nas cidades. († 1683)

7.   Em Ma­okou, ci­dade da re­gião de Guizhou, na China, os santos Águeda Lin Zhao, virgem, Je­ró­nimo Lu Tingmei e Lou­renço Wang Bing, már­tires, que, sendo ca­te­quistas, no tempo do im­pe­rador Wen­zong­xian foram de­nun­ci­ados como cris­tãos e por isso degolados. († 1858)

8*.   Em Dai­ji­ahuang, ci­dade da pro­víncia me­ri­di­onal de Shan­dong, na China, São José Freinademetz, pres­bí­tero da So­ci­e­dade do Verbo Di­vino, que tra­ba­lhou in­can­sa­vel­mente na acção evan­ge­li­za­dora desta região. († 1908).

– Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Josef_Freinademetz

9*.   Em Pi­cas­sent, ci­dade da re­gião de Va­lência, na Es­panha, a beata Maria Luísa Mon­te­sinos Orduña, virgem e mártir, que, du­rante a per­se­guição contra a fé, pelo mar­tírio se tornou par­ti­ci­pante na vi­tória de Cristo. († 1937)

10*.   No campo de con­cen­tração da ci­dade de Kharsk, perto de Tomsk, na Si­béria, re­gião da Rússia, a beata Olímpia (Olga Bidà), virgem da Con­gre­gação das Irmãs de São José e mártir, que, no re­gime de per­se­guição contra a fé, su­portou todas as ad­ver­si­dades por amor de Cristo. († 1952)

11. Na Tebaida (A Tebaida é uma região do antigo Egito contendo os treze nomos mais meridionais do Alto Egito, de Abidos até Assuã. Ela adquiriu este nome por sua proximidade da antiga capital egípcia de Tebas.), São Leônidas, e seus companheiros (também na Folhinha do Coração de Jesus) os quais, no tempo de Diocleciano, lograram a palma do martírio. Conforme pág. 244:

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

12. Beato Gon­çalo de Amarante (VER 10 DE JANEIRO), pres­bí­tero de Braga, que, de­pois de longa pe­re­gri­nação à Terra Santa, en­trou na Ordem dos Pre­ga­dores e fi­nal­mente se re­tirou para um ermo; fez cons­truir uma ponte e ajudou muito os ha­bi­tantes do lugar com a sua oração e pregação. († c. 1259). “Bv. GONÇALO DO AMARANTE: Gonçalo nasceu em Portugal, em 1187. Após uma peregrinação a Roma e Jerusalém, já sacerdote, passou por uma grave crise espiritual. que o fez se dedicar à conversão des pecadores. Nara a tradição que evangelizava de um modo peculiar, através da dança. Para reabilitar as prostitutas, vestia-se de mulher e dançava e cantava com elas a noite toda, esperando que, assim, não pecassem e se convertessem. Por penitência, dançava com pregos na sola dos sapatos. A “dança de São Gonçalo” é, ainda hoje, uma forma de expressão da religiosidade popular no Brasil. São Gonçalo é o protetor dos violeiros, invocado contra as enchentes, e casamenteiro. Morreu em Amarante, Portugal, no dia 10 de janeiro de 1259”. (Conforme a Folhinha do Coração de Jesus, Frei Sandro Roberto da Costa, OFM. Consta 28 de janeiro na Folhinha do Coração de Jesus de 2020). Ver páginas 292-293: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Gonçalo_de_Amarante

13.Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no ano da graça de 1159, Santo Amadeu. Formado em Claraval sob a direção pessoal de São Bernardo, foi chamado para dirigir os monges cistercienses de Hautecombe. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, (X). Ver páginas 237-238: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

14.Em Bar­ce­lona, na Es­panha, São Pedro Nolasco, pres­bí­tero, que, jun­ta­mente com São Rai­mundo de Pe­nha­forte e Jaime I, rei de Aragão, é con­si­de­rado fun­dador da Ordem de Nossa Se­nhora das Mercês para a Re­denção dos Ca­tivos; no tempo do do­mínio dos in­fiéis, de­sen­volveu di­li­gen­te­mente uma grande ac­ti­vi­dade para es­ta­be­lecer a paz e li­bertar os cris­tãos do jugo da escravidão. († 1245). OBSERVAÇÃO VER: Na FOLHINHA DO CORAÇÃO DE JESUS, dia 28 de janeiro; no MARTIROLÓGIO ITALIANO, dia 06 de maio. Conforme o Martirológio Romano-Monástico, dia 31 de janeiro. Em Barcelona, Espanha, em 1256, São Pedro Nolasco. Natural da diocese de Carcassonne, fundou, com São Raimundo de Peñafort a Ordem de Nossa Senhora das Mercês, para o resgate de prisioneiros cristãos. Seus religiosos colocavam-se eles próprios como prisioneiros em lugar dos irmãos (M). Ver páginas 297-302: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

– Ver: http://mercedarios.com.br/sao-pedro-nolasco

15. Bem-Aventurada Margarida da Hungria. Ver páginas 230-232: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

16. Bem-Aventurada Gentilis. Ver página 241: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

17. Outros santos do dia 28 de janeiro: págs. 225-244: 

Clique para acessar o VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%202.pdf

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escri to. 

– Sobre o dia 28 de janeiro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/28_de_janeiro

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004

ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular.