Santas e Santos de 01 de outubro

FESTA DO SANTO ROSÁRIO: 1° DOMINGO DE OUTUBRO (CONFORME VIDA FOS SANTOS). Ver páginas 171-176: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2017.pdf

– Ver também 08 de agosto: SÃO DOMINGOS DE GUSMÃO:

Me­mória de São Do­mingos de Gusmão (também na Folhinha do Coração de Jesus), pres­bí­tero, có­nego de Osma, ci­dade da pro­víncia de Sória, na Es­panha, que hu­mil­de­mente se de­dicou ao mi­nis­tério da pre­gação nas re­giões per­tur­badas pela he­resia dos Al­bi­genses e viveu vo­lun­ta­ri­a­mente nas pri­va­ções da po­breza, fa­lando sempre com Deus ou de Deus. De­se­joso de en­con­trar uma nova forma de pro­pagar a fé, fundou a Ordem dos Pre­ga­dores, para re­novar na Igreja a forma de vida apos­tó­lica, man­dando aos seus ir­mãos que se de­di­cassem ao ser­viço do pró­ximo com a oração, o es­tudo e o mi­nis­tério da pa­lavra. Morreu em Bo­lonha, ci­dade da Itália, no dia seis de Agosto. († 1221).

CONFORME ANOTAÇÕES DE 06 DE AGOSTO: Em Bo­lonha, na Emília-Ro­manha, re­gião da Itália, o dia natal (aniversário da morte) de São Do­mingos de Gusmão, pres­bí­tero, cuja me­mória se ce­lebra no dia oito deste mês. († 1221). No Martirológio Romano-Monástico, de 08 de agosto, memória de São Domingos de Gusmão, sacerdote, morto em Bolonha no dia 06 de agosto de 1221. Originário da Província de Burgos, na Espanha, tomou aos vinte e oito anos o hábito dos cônegos regulares de Osma. Após ter esta estabelecido um convento de religiosas em Prouille, perto de Toulouse, fundou nesta cidade a Ordem Mendicante dos Frades Pregadores, para a difusão, através da pregação, da verdade contemplada e aprofundada pelos estudos Teológicos. (R). Conforme o Martirológio Romano e o Martirológio Romano Italiano de 08 de agosto, memória de São Domingos de Gusmão, presbítero, cónego de Osma, cidade da província de Sória, na Espanha, que humildemente se dedicou ao ministério da pregação nas regiões perturbadas pela heresia dos Albigenses e viveu voluntariamente nas privações da pobreza, falando sempre com Deus ou de Deus. Desejoso de encontrar uma nova forma de propagar a fé, fundou a Ordem dos Pregadores, para renovar na Igreja a forma de vida apostólica, mandando aos seus irmãos que se dedicassem ao serviço do próximo com a oração, o estudo e o ministério da palavra. Morreu em Bolonha, cidade da Itália, no dia seis de Agosto. Ver VIDAS DOS SANTOS: págs. 94-123: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2014.pdf

– Ver também, a prática e a instituição do Santo Rosário por São Domingos, às páginas 109-123: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2014.pdf

– Ver ainda “Palavras de João Paulo II sobre o Rosário”: https://www.acidigital.com/rosario/papa.htm                                                                               e ainda “O Rosário do Papa João Paulo II incluindo os mistérios luminosos”:  http://www.derradeirasgracas.com/2.%20Segunda%20P%C3%A1gina/As%20Devo%C3%A7%C3%B5es/3.%20ORA%C3%87%C3%95ES%20GERAIS/O%20Ros%C3%A1rio%20do%20papa%20Jo%C3%A3o%20Paulo%20II.htm

– e mais, a CARTA APOSTÓLICA ROSARIUM VIRGINIS MARIAE”: http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/apost_letters/2002/documents/hf_jp-ii_apl_20021016_rosarium-virginis-mariae.html

OBSERVAÇÃO: SÃO JOÃO PAULO II ERA DOMINICANO.

*MARIA MEDIADORA. Ver páginas 207-217: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2017.pdf

Me­mória de Santa Te­resa do Me­nino Jesus (também na Folhinha do Coração de Jesus), virgem e dou­tora da Igreja, que, en­trando ainda muito jovem no mos­teiro das Car­me­litas de Li­sieux, na França, pela sua vida de ino­cência e sim­pli­ci­dade se tornou mestra da san­ti­dade em Cristo, en­si­nando o ca­minho da in­fância es­pi­ri­tual para atingir a per­feição cristã e pondo toda a sua mís­tica so­li­ci­tude ao ser­viço da sal­vação das almas e do for­ta­le­ci­mento da Igreja. Ter­minou a sua vida ter­rena aos vinte e cinco anos de idade e morreu no dia 30 de Setembro. († 1897). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, memória de Santa Teresa do Menino Jesus. A sólida formação cristã recebida no seio de sua família em Alençon, e depois nas beneditinas de Lisieux, despertou nela uma precoce  vocação religiosa. Durante os nove anos passados no castelo de Lisieux, de 1888 até sua morte, ela praticou e depois ensinou o caminho evangélico da infância espiritual, aquela caridade que, do coração da Igreja, pode sozinha fecundar todo esforço apostólico. Por este motivo, foi proclamada, juntamente com São Francisco Xavier, padroeira das missões apostólicas. (R).Ver: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Teresa_de_Lisieux

– Ver também páginas 270-296: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Teresa_de_Lisieux

2.   Em Lisboa, ci­dade da Lu­si­tânia, ac­tu­al­mente em Por­tugal, os santos Ve­rís­simo (também na Folhinha do Coração de Jesus), Má­xima e Júlia, már­tires.  († s. III/IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no mesmo dia, receberam a coroa do martírio, nos sécs. III e IV, São Crestos, no Ponto; e os Santos Veríssimo, Máxima e Júlia em Lisboa. (M)

3.   Em Sé­clin, na Gália Bél­gica, ac­tu­al­mente na França, São Pi­atão, pres­bí­tero, que é ve­ne­rado como evan­ge­li­zador do ter­ri­tório de Tournai e mártir. († s. III/IV). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, no séc. III, São Plato. Encarregado pela Sé Romana de conquistar a Gália setentrional para a fé cristã, deu o supremo testemunho ao morrer por ela em Tournai. (M)

4.   Em Cons­tan­ti­nopla, hoje Is­tambul, na Tur­quia, São Ro­mano, diá­cono, que foi de­no­mi­nado o Me­lo­dioso pela sua arte su­blime em compor hinos ecle­siás­ticos em honra do Se­nhor e dos Santos. († 555/565). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em meados do séc. VI, São Romano, cognominado “o Menestrel”. Diácono, foi agraciado com uma aparição da Santíssima Mãe de Deus, que o premiou com grandes talentos poéticos, graças aos quais ele compôs magníficas peças litúrgicas em sua honra. (X).

5.   Em Tré­veris, na Re­nânia da Aus­trásia, no ter­ri­tório da ac­tual Ale­manha, São Ni­cécio, bispo, que, se­gundo o tes­te­munho de São Gre­gório de Tours, era ve­e­mente na pre­gação, ter­rível na re­pre­ensão, con­sis­tente no en­sino. So­freu o exílio no tempo de Clo­tário, rei dos Francos. († 561)

6.   Em Gand, na Flan­dres, re­gião da Nêus­tria, hoje na Bél­gica, São Bavão, monge, que foi dis­cí­pulo de Santo Amando: dei­xando a vida se­cular, dis­tri­buiu os seus bens pelos po­bres e en­trou no mos­teiro fun­dado nesta cidade. († c. 659). Conforme o Martirológio Romano-Monástico, em Flandres, perto de 658, São Bavão. Nobre pelo nascimento, renunciou a uma vida pouco edificante e à sua fortuna, após a morte de sua esposa, para seguir Santo Amândio, que acabara de fundar o mosteiro de São Pedro de Gand. Inicialmente acompanhou seu mestre, e viveu depois como eremita, perto de seu mosteiro, durante quase três anos. (M). Ver páginas 220-221: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2017.pdf

7*.   Em Condé-sur-l’Es­caut, no Hai­naut, ter­ri­tório da Aus­trásia, ac­tu­al­mente na França, São Vas­nulfo, monge, na­tural da Escócia. († s. VII)

8.   Em Can­tuária, na In­gla­terra, São Ge­raldo Edwards, pres­bí­tero e mártir, que foi or­de­nado na França e, tendo re­gres­sado à sua pá­tria du­rante a per­se­guição da rainha Isabel I, de­pois de longo ca­ti­veiro con­sumou o mar­tírio no pa­tí­bulo. Com ele foram mar­ti­ri­zados o Beato Ro­berto Wilcox e Cris­tóvão Buxton, pres­bí­teros, também por serem sa­cer­dotes, e Ro­berto Wid­mer­pool, por ter aju­dado um sacerdote. († 1588)

9*.   Em Chi­chester, também na In­gla­terra, os be­atos Ro­dolfo Croc­kett e Edu­ardo James, pres­bí­teros e már­tires, que, for­mados no Co­légio dos In­gleses de Reims, re­gres­sando à sua pá­tria, só por causa do seu sa­cer­dócio foram con­de­nados ao su­plício do patíbulo. († 1588)

10*.   Em Ipswich, também na In­gla­terra, o Beato João Ro­binson, pres­bí­tero e mártir, que, sendo pai de fa­mília, de­pois da morte da es­posa re­cebeu em idade avan­çada a or­de­nação sa­cer­dotal e por isso re­cebeu a coroa do martírio. († 1588)

11*.   Em Na­ga­sáki, no Japão, os be­atos Gaspar Hi­ko­jiro e André Yoshida, már­tires, que, sendo ca­te­quistas, foram de­go­lados por terem re­ce­bido sa­cer­dotes em suas casas. († 1617)

12♦.   Em Osma, ci­dade de Cas­tela la Mancha, re­gião da Es­panha, o Beato João de Pa­lafox y Mendoza, bispo. († 1659)

13*.   Em Sa­ronno, pró­ximo de Va­rese, na Lom­bardia, re­gião da Itália, o Beato Luís Maria Mónti, re­li­gioso, que, em­bora con­ser­vando a sua con­dição laical, ins­ti­tuiu os Fi­lhos de Maria Ima­cu­lada, que ori­entou para o exer­cício da ca­ri­dade em favor dos po­bres e ne­ces­si­tados, de­di­cando-se es­pe­ci­al­mente à as­sis­tência dos en­fermos e dos ór­fãos e à for­mação dos jovens. († 1900)

14♦.   Em Népi, ci­dade da pro­víncia de Vi­terbo, também na Itália, a Beata Ce­cília Eusépi, re­li­giosa da Ordem Ter­ceira dos Servos de Maria. († 1928)

15♦.   Em Rotglá y Cor­bera, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Va­lência, na Es­panha, a Beata Flo­rência Ca­e­rols Mar­tínez, virgem e mártir, que, em tempo de per­se­guição contra a fé, me­receu através do mar­tírio a glória da vida eterna. († 1936)

16♦.   Em Vil­lena, lo­ca­li­dade da pro­víncia de Va­lência, o Beato Ál­varo San­juán Canet, pres­bí­tero da So­ci­e­dade Sa­le­siana e mártir, que, du­rante a mesma per­se­guição, al­cançou a palma da vi­tória no com­bate pela fé. († 1936)

17♦.   Em Bar­ce­lona, na Ca­ta­lunha, re­gião da Es­panha, em dia in­certo de Ou­tubro, os be­atos Adolfo Mariano (Ma­riano Anel An­dréu) e Il­de­fonso Luís (José Casa Lluch), re­li­gi­osos da Con­gre­gação dos Ir­mãos das Es­colas Cris­tiãs e már­tires, que, du­rante a mesma per­se­guição contra a fé, ter­mi­naram a sua vida se­guindo a Cristo até à morte. († 1936)

18♦.   Em Ma­drid, também na Es­panha, em dia in­certo de Ou­tubro, o Beato Ma­nuel Bor­rajo Míguez, re­li­gioso da So­ci­e­dade Sa­le­siana e mártir, que, na mesma per­se­guição, der­ramou o seu sangue por Cristo. († 1936)

19♦.   Também em Ma­drid, os be­atos Car­melo João Pérez Rodríguez, Ma­teus Ga­ro­lera Mas­ferrer e Hi­gínio de Mata Díez, re­li­gi­osos da So­ci­e­dade Sa­le­siana e João de Mata Díez, már­tires, que, du­rante o furor da mesma per­se­guição re­li­giosa, foram as­sas­si­nados pelos mi­li­ci­anos em ódio à Igreja. († 1936)

20*.   Pró­ximo de Mu­nique, ci­dade da Ba­viera, na Ale­manha, o Beato An­tónio Rewera, pres­bí­tero e mártir, que, de­por­tado da Po­lónia para o campo de con­cen­tração de Da­chau por causa do seu tes­te­munho de Cristo, de­pois de duros tor­mentos al­cançou a coroa do martírio. († 1942)

21. São Milor (também na Folhinha do Coração de Jesus),

22.  São Remígio. No VIDAS DOS SANTOS, páginas 177-206: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2017.pdf

23. São Suliau. Ver páginas 218-219: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2017.pdf

15. Outros santos do dia 01 de outubro: págs. 171-225, em: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%2017.pdf

 Rohrbacher, Padre – VIDAS DOS SANTOS – Volume XIII – Editora das Américas – 10 de julho de 1959.

“E em outras partes, muitos outros santos Mártires, Confessores e Santas virgens.

R/: Demos graças a Deus!”

OBSERVAÇÃO: Transcrito acima conforme os textos da bibliografia: português de Portugal, por ex. ou português da época em que o livro foi escrito.

– Sobre o dia 01 de outubro, ver ainda: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/1_de_outubro

BIBLIOGRAFIA e DIVERSOS

1.MARTIROLÓGIO ROMANO – Secretariado Nacional de Liturgia – Portugal http://www.liturgia.pt/martirologio/

2. MARTIROLÓGIO ROMANO ITALIANO – Editore: LIBRERIA EDITRICE VATICAN – A © Copyright by Fondazione di religione Santi Francesco di Assisi e Caterina da Siena, Roma, 2004 ISBN 978-88-209-7925-6 – Via Internet: https://liturgico.chiesacattolica.it/wp-content/uploads/sites/8/2017/09/21/Martirologio-Romano.pdf

3. VIDAS DOS SANTOS – PADRE ROHRBACHER – Abaixo o vol 1. São 22 volumes, sendo 20 volumes em PDF; 2 volumes não estão em PDF: Vol. 10 e 11: http://obrascatolicas.com/livros/Biografia/VIDAS%20DOS%20SANTOS%20-%201.pdf

4. Martirológio Romano-Monástico – adaptado para  Brasil – Abadia de S. Pierre de Solesmes – Mosteiro da Ressurreição, Edições – 1997

5. Martirológio Romano – Editora Permanência – Rio de Janeiro, 2014 – Livraria on line – www.editorapermanencia.com

6. Folhinha do Coração de Jesus – virtual – aplicativo para celular

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.